Você está na página 1de 9

A UNÇÃO ARTÍSTICA

Disse então o Senhor a Moisés: "Eu escolhi a Bezaleel, filho de Uri, filho de
Hur, da tribo de Judá, e o enchi do Espírito de Deus, dando-lhes destreza,
habilidade e plena capacidade artística para desenhar e executar trabalhos
em ouro, prata e bronze, para talhar e esculpir pedras, para entalhar
madeira e executar todo tipo de obra artesanal. Além disso, designei
Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã, para auxiliá-lo. Também
capacitei a todos os artesãos para que executem tudo o que lhe ordenei: A
Tenda do Encontro, a arca da aliança e a tampa que está sobre ela, e todos
os outros utensílios da tenda — a mesa com os seus utensílios, o
candelabro de ouro puro e os seus utensílios, o altar do incenso, o altar do
holocausto com os seus utensílios, a bacia com a sua base — assim como
as vestes litúrgicas, tanto as vestes sagradas para Arão, o sacerdote, como
as vestes para os seus filhos, quando servirem como sacerdotes, bem
como o óleo para as unções e o incenso aromático para o Lugar Santo.
Tudo deve ser feito exatamente como eu lhe ordenei". Êxodo 31:1-11

INTRODUÇÃO

Este ano completa-se 50 anos de um movimento artístico que ocorreu no


Brasil no final da década de 60, mais precisamente no ano de 1967, encabeçado
por Caetano Veloso e Gilberto Gil, chamado: Tropicalismo. Este movimento
parte de uma inquietação destes artistas em reestruturar os moldes da arte
brasileira. Estava inserida as artes plásticas, o cinema, a música, etc... dentre
outras coisas, O tropicalismo procurava trazer à tona a arte interiorana brasileira,
a expressão artística do interior do país, enaltecer suas belezas, trazendo novos
experimentos sonoros, figurinos extravagantes, ousadia e acima de tudo
coragem em fazer tudo isso em plena ditadura militar. O movimento também
pregava a ruptura dos padrões sociais provocando e tirando as pessoas da
alienação a qual estavam vivendo.

Em uma das canções compostas por Caetano e Gil chamado Panis et


Circenses (Pão e Circo) insistentemente é dito na música que: “... as pessoas
na sala de jantar estão preocupadas em nascer e morrer” a música discorre
todo o processo da falta de percepção que temos acerca do que está por trás
daquilo que nos aliena. Estamos preocupados neste mundo apenas em nascer,
crescer, reproduzir e morrer, vivendo de forma alienada, vendo apenas o que
está diante de nós. Nos tornamos cegos e dizemos amém para toda comida que
se põe à mesa da nossa vida para comermos.

No texto em que lemos, o Senhor derrama na vida de um artista, chamado


Bezaleel (guarde este nome) uma unção dos céus, enche-o do Seu Espírito para
enxergar o que Moisés enxergou. É bom que se diga que quando Moisés subiu
ao Monte Sinai para ficar com o Senhor e Deus deu a instrução de construir todo
o tabernáculo com seus utensílios, Moisés não apenas ouviu, mas viu que no
céu também possui um templo e possui um serviço sumo sacerdotal, Apocalipse
11:19 nos diz:

E abriu-se no céu o templo de Deus, e a arca da sua aliança foi vista no seu
templo; e houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos e grande
saraiva. [Apocalipse 11:19]

Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que
está assentado nos céus à destra do trono da majestade,
Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou,
e não o homem. [Hebreus 8:1,2]

Portanto, as instruções de Deus a Moisés pelas vias visual e auditiva –


ele recebeu a ordem de Deus ouvindo sua voz e vendo todos os utensílios do
tabernáculo. Entretanto, a Bezaleel Deus o escolheu para realizar tudo aquilo
que Moisés viu, neste aspecto entendemos que Moisés viu todos os utensílios
de fato, mas Bezaleel os viu pela revelação do Espírito de Deus e nós vamos
descobrir o porquê.

Como sabemos, tudo que ocorreu na primeira aliança era sombra, uma
maquete dAquele que haveria de ser revelado, Ieshua. Ele é a revelação, a obra
perfeita, a construção finalizada. Estamos estudando com os levitas o livro de
Hebreus e este livro nos fala exatamente acerca da pessoa de Ieshua e do
cumprimento nEle de tudo que Deus falou aos Patriarcas e Profetas. O próprio
Ieshua afirma:

Se vocês cressem em Moisés, creriam em mim, pois ele escreveu a meu


respeito. João 5:46
E o próprio Moisés fala dEle:

O Senhor teu Deus te levantará um profeta do meio de ti, de teus irmãos,


como eu; a ele ouvireis; Deuteronômio 18:15

Infelizmente hoje ainda temos pessoas que continuam presas à maquetes


e esquecem que tudo foi revelado no Mashiach Ieshua.

Mas é nesta revelação que quero estudar com os irmãos um dos utensílios
produzidos pelo artista Bezaleel, um homem que possuía o Espírito de Deus.
Vamos analisar o mais importante dos utensílios do tabernáculo: A Arca da
Aliança.

Convido os irmãos a irem além do que vocês estão vendo, lembram da


música da tropicália? Precisamos ir além do nascer e morrer, tudo no Reino de
Deus precisa ser farejado por nós, precisamos ir além do vemos, ouvimos,
sentimos, precisamos ser eternos pesquisadores. Ieshua nos ordena que
devemos ir e fazer discípulos, isso nos coloca numa posição de Mestres ou
Professores, a questão é que nos acomodamos na “...sala de jantar e estamos
preocupados em apenas nascer e morrer.” Mas quero estimular os irmãos a
conhecer um Deus detalhista, se tudo na primeira aliança aponta para Ieshua,
os utensílios do tabernáculo também, mas iremos estudar apenas um, vejamos:

A ARCA DA ALIANÇA

A Arca da Aliança é sem dúvida uma das mais importantes peças do


tabernáculo ordenadas por Deus a Moisés. O Senhor deu todas as instruções
detalhadamente de como a Arca deveria ser:

Também farão uma arca de madeira de acácia; o seu comprimento será de


dois côvados e meio, e a sua largura de um côvado e meio, e de um côvado
e meio a sua altura.

E cobri-la-á de ouro puro; por dentro e por fora a cobrirás; e farás sobre ela
uma coroa de ouro ao redor;

E fundirás para ela quatro argolas de ouro, e as porás nos quatro cantos
dela, duas argolas num lado dela, e duas argolas noutro lado.

E farás varas de madeira de acácia, e as cobrirás com ouro.


E colocarás as varas nas argolas, aos lados da arca, para se levar com elas
a arca.

As varas estarão nas argolas da arca, não se tirarão dela.

Depois porás na arca o testemunho, que eu te darei.

Também farás um propiciatório de ouro puro; o seu comprimento será de


dois côvados e meio, e a sua largura de um côvado e meio.

Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas
extremidades do propiciatório.

Farás um querubim na extremidade de uma parte, e o outro querubim na


extremidade da outra parte; de uma só peça com o propiciatório, fareis os
querubins nas duas extremidades dele.

Os querubins estenderão as suas asas por cima, cobrindo com elas o


propiciatório; as faces deles uma defronte da outra; as faces dos querubins
estarão voltadas para o propiciatório.

E porás o propiciatório em cima da arca, depois que houveres posto na


arca o testemunho que eu te darei.

E ali virei a ti, e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois
querubins (que estão sobre a arca do testemunho), tudo o que eu te
ordenar para os filhos de Israel. (Êxodo 25:10-22)

A Bíblia faz referência de formas distintas a ela:

Arca do Senhor (Js 4:11)


Arca de Deus (1 Sm 3:3)
Arca da Aliança (Nm 10:33)
Arca do Testemunho (Ex 25:22)
Arca da Tua fortaleza (Sl 132:8)
Arca Sagrada (Santa) (2 Cr 35:3)
O nosso Deus é detalhista e em tudo que cria, traz significados profundos
para atrair a percepção humana para seu poder e glória. Por esta razão, em tudo
que ordenou ao homem para construir, deu todos os detalhes.
Considerando este extremo cuidado do Pai à nós, vejamos o que a Arca da
Aliança nos ensina em seus extremos detalhes:

A VITÓRIA DE JESUS

Também farão uma arca de madeira de acácia [...] E cobri-la-á de ouro puro;
por dentro e por fora a cobrirás; e farás sobre ela uma coroa de ouro ao
redor;

Se notarem a forma descritiva destes primeiros versículos do texto


notarão que a simbologia destes dados aponta para Cristo. A madeira de Acácia
aponta para Cristo, para sua humanidade. Pesquisadores afirmam que esta
madeira é resistente ao apodrecimento, o mesmo ocorreu com o corpo de Jesus,
ele não viu corrupção como afirma o salmista: Pois não deixarás a minha alma
no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção. (Salmos 16:10)

O revestimento de ouro (por dentro e por fora) aponta para a ressurreição


e majestade do Senhor Jesus, e a coroa de ouro fala do seu poder e glória, como
Ele mesmo afirma: E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado
todo o poder no céu e na terra. (Mateus 28:18)

SALVAÇÃO

E fundirás para ela quatro argolas de ouro, e as porás nos quatro cantos
dela[...] E farás varas de madeira de acácia, e as cobrirás com ouro [...] As
varas estarão nas argolas da arca, não se tirarão dela.

As quatro argolas ao redor da Arca representam a aliança de Deus em


toda a terra [quatro pontos cardeais] e as duas varas representam a cruz de
Cristo que também era de madeira, foi revestido de ouro trazendo Salvação.
Além disso os levitas levavam a Arca colocando estas varas em seus lombos
apontando para a Palavra que o Senhor Jesus nos deu: Então disse Jesus aos
seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome
[carregue nos lombos] a sua cruz [as varas], e siga-me; (Mateus 16:24) e
ainda: E eu, quando for levantado da terra, todos (toda a Terra) atrairei a
mim. (João 12:32)
LUGAR DE ENCONTRO COM DEUS

Também farás um propiciatório de ouro puro; o seu comprimento será de


dois côvados e meio, e a sua largura de um côvado e meio [...] E ali virei a
ti, e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins

O Propiciatório era a tampa da Arca e era o local que Deus afirmou que
se manifestaria. Também aponta para um local de relacionamento com o Senhor
Jesus. O apóstolo Paulo afirma: Sendo justificados gratuitamente pela sua
graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para
propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela
remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
(Romanos 3:24,25) e ainda o Apóstolo João arremata: Nisto está o amor, não
em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e
enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados. (1 João 4:10)

GOVERNO E PRESENÇA DE DEUS

Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas
extremidades do propiciatório [...] E ali virei a ti, e falarei contigo de cima
do propiciatório, do meio dos dois querubins [...]

Como já foi afirmado o nosso Deus é detalhista. Ele poderia falar a Moisés
que apenas apareceria em qualquer lugar quando o Sumo Sacerdote entrasse
no Santo dos Santos, mas Ele foi específico onde faria esta manifestação, no
meio dos querubins, assentado em Seu trono de glória. Isto fala do Seu governo
e da Sua Presença, à isto o salmista escreve:

Tu, que és pastor (guia, conselheiro, governador) de Israel, dá ouvidos; tu,


que guias a José como a um rebanho; tu, que te assentas entre os
querubins, resplandece. (Salmos 80:1)

O MANÁ (Dependência e Prosperidade de Deus)

O livro de Hebreus destaca os utensílios que haviam dentro da Arca: Mas


depois do segundo véu estava o tabernáculo que se chama o santo dos
santos, que tinha o incensário de ouro, e a arca da aliança, coberta de ouro
toda em redor; em que estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a
vara de Arão, que tinha florescido, e as tábuas da aliança; (Hebreus 9:3,4)
No capítulo 16 de Êxodo o Senhor envia o Maná do céu ao seu povo:
Então disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o
povo sairá, e colherá diariamente a porção para cada dia, para que eu o
prove se anda em minha lei ou não. (Êxodo 16:4)

O Maná representa o alimento do céu aos homens, a prosperidade, a


providência de Deus à humanidade. Fala também de Jesus que é o Pão que
desceu do céu, conforme está escrito: Eu sou o pão vivo que desceu do céu;
se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a
minha carne, que eu darei pela vida do mundo. (João 6:51)

VARA DE ARÃO (Autoridade e Arma de guerra)

A vara é um símbolo de autoridade, de sacerdócio, mas não apenas isto,


a vara de Arão que estava dentro da Arca era uma arma de guerra contra seus
inimigos. Ela foi usada diante de Faraó para realização dos milagres: Quando
Faraó vos falar, dizendo: Fazei vós um milagre, dirás a Arão: Toma a tua
vara, e lança-a diante de Faraó; e se tornará em serpente. (Êxodo 7:9)

A autoridade e o sacerdócio de Arão foi confirmado diante de todo povo


quando ela floresceu, conforme está escrito em Números 17.

AS TÁBUAS DA ALIANÇA (BÍBLIA)

Aqui está o maior de todos os símbolos. A Palavra de Deus. Ela é o


manual do fabricante, nosso Guia, é o próprio Jesus! No princípio era o Verbo,
e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. [...] E o Verbo se fez carne,
e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do
Pai, cheio de graça e de verdade. (João 1:1;14)

RESUMO

A Arca da Aliança em toda sua minuciosidade aponta para o Senhor Jesus que
nos deu Salvação, vencendo a Satanás e trazendo-nos de volta ao Pai para que
tenhamos: Relacionamento para desfrutar da Sua Presença, sendo
submetidos ao Seu Governo, trazendo sua Prosperidade sobre nossa vida, a
fim de que peguemos nossa Vara e cresçamos em Autoridade na Terra, usando
a maior de todas as Armas de guerra, a Sua Palavra.
CONCLUSÃO

De que forma podemos viver para ver o que Bezaleel, Moisés, Davi, os
profetas e tantos outros viram? Certa feita o profeta Eliseu chamou um levita, um
tocador, ou tangedor para tocar, um músico que a Bíblia nem cita seu nome e ao
tocar a mão do Senhor veio sobre o profeta:

Ora, pois, trazei-me um músico. E sucedeu que, tocando o músico, veio


sobre ele a mão do Senhor. 2 Reis 3:15

Você pode não saber tocar nenhum instrumento, cantar, ou até mesmo
fazer um rabisco no papel, mas a sua vida precisa ser uma obra de arte na mão
de Deus! Deus não escolheu Bezaleel porque ele era o melhor artista, era porque
o coração dele estava disponível! O segredo de Bezaleel está no seu próprio
nome: aquele que está debaixo da sombra de Deus!

Deus quer que você seja o instrumento dele, porque o artista Ele é! Ele
criou todas as coisas, é o arquiteto, o engenheiro, pintor, o encanador, o
eletricista, o geneticista...etc. Tudo isso é arte, mas somos a obra prima dele,
disponha-se para o artista de todas as eras!

A relação entre a citação do Tropicalismo e a mensagem se deve ao fato das


pessoas terem iniciativa para realizar algo na terra.

Pessoas que querem pregar uma ideologia artística, que muda comportamentos,
que muda o pensamento juvenil, que faz a geração alavancar novos níveis de
discernimento ideológico.

Deus encheu a Bezaleel para que este tivesse ousadia de não apenas fazer uma
estrutura artística mas para revelar o Próprio Jesus !

Assim como superficialmente o Tropicalismo trouxe a ideia de uma revoluçÃo


artística, precisamos ter discernimento da revelação da Palavra para não apenas
trazer uma mudança de vida e uma postura de sacerdotes neste mundo, mas
acima de tudo influenciar toda a sociedade para aproximar-se de Deus!

Enquanto ficarmos nos rudimentos da doutrina, apenas no leite, sempre


satisfaremos nossos próprios desejos, como quem toma uma dose semanal de
um remédio de efeito rápido...para atender nossa demanda emocional daqueles
dias...não fomos chamados para isso...Bezaleel teve da parte de Deus esta
revelação, porque ele andava, como diz seu nome, debaixo da sombra do
altíssimo... como do Salmos 91 "Aquele que HABITA, MORA, PERMANECE,
CRIA RELACIONAMENTO no esconderijo do altíssimo, à sombra ou debaixo da
sombra do Onipotente descansará"!

Hebreus: 5. 12. Porque, devendo já ser mestres em razão do tempo, ainda


necessitais de que se vos torne a ensinar os princípios elementares dos
oráculos de Deus, e vos haveis feito tais que precisais de leite, e não de
alimento sólido. 13. Ora, qualquer que se alimenta de leite é inexperiente
na palavra da justiça, pois é criança; 14. mas o alimento sólido é para os
adultos, os quais têm, pela prática, as faculdades exercitadas para
discernir tanto o bem como o mal.