Você está na página 1de 69

Arte

Ensino Fundamental

1º ao 9º ano
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

REFERENCIAL CURRICULAR DE RONDÔNIA

JOÃO APARECIDO CAHULLA


Governador do Estado de Rondônia

IRANY FREIRE BENTO


Secretária de Estado da Educação

PASCOAL DE AGUIAR GOMES


Secretário Adjunto de Estado da Educação

JOSÉ ANTUNES CIPRIANO


Coordenador Pedagógico

SÔNIA APARECIDA A. DE O. CASIMIRO.


Gerente de Educação

APARECIDA MEIRELES DE SOUZA


Subgerente do Programa do Ensino Médio – PDEM

MILVA VALÉRIA GARBELLINI E SILVA


Subgerente do Programa do Ensino Fundamental - PRODEF

ROSÂNGELA ALVES DA SILVA


Coordenadora Pedagógica do Ensino Médio – PDEM

SELMA MARIA ROBERTO FREIRE


Coordenadora Pedagógica do Ensino Fundamental – PRODEF

Equipe Técnica de Coordenação e Organização


Angélica Viriato Ortiz Alves
Fistiane C. Mendonça de Carvalho
Maria Angélica da Silva Ayres Henrique
Nair Guimarães Xavier do Carmo
Valdeci Teixeira Andrade
Vanessa Campanari Gaio
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

REFERENCIAL CURRICULAR DE RONDÔNIA

Equipe elaboradora:

Ana Maria Felipini Neves


Andrea Moraes da Costa
Djenane Alves dos Santos Valdez
Geane Valesca da Cunha Klein
Heloísa Helena Siqueira Correia
Iracema Gabler
José Maria Lopes Júnior
Luis Gonzaga de O. Gonçalves
Maria de Fátima C. de O. Molina
Maria do Socorro Dias Loura
Neusa dos Santos Tezzari
Odete Burgeile
Rosinete Vasconcelos Costa
Sonia Maria Gomes Sampaio
Ricardo Faria S. Canto
Ricardo Faria S. Canto
Rosangela Aparecida Hilário
Rosangela de Fátima C. França

Professores Colaboradores:

Antônia Pereira dos Santos - Espanhol


Arlo Ferracini – Artes
Cynthia de Cássia Santos Barra- Literatura
Daiane Cosme Cavalcante - Alfabetização
Doralice Alves Mendonça - Língua Inglesa
Erika Araújo Almeida - Educação Física
Luiz Carlos S. Santos – Língua Portuguesa

Porto Velho – RO
GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

REFERENCIAL CURRICULAR DE RONDÔNIA

COMPONENTE CURRICULAR:

Arte do Ensino Médio

1º ao 9º ano
1 O COMPONENTE CURRICULAR ARTE

O fazer artístico é a ação humana que, por aptidão e


tendência da sua força criadora, busca a satisfação e
materialização dos seus sonhos, desejos e necessidades
(materiais e cognitivas), no qual está presente o seu
conceito de sublime, belo, feio, perfeito, um elemento
inquietante, pulsante e, a um só tempo, a transformação e
a criação sempre nova da existência. Entendemos a arte
como o lugar em que a pessoa, histórica e manifestamente, se supera, critica a
si mesma e ao mundo, reinventa ambos, ao mesmo tempo em que embeleza, e
torna melhores, pessoa e mundo.

A arte, com as suas variadas significações, concepções, nos seus mais


diversos conceitos e formas, tem sido, ao longo dos tempos e na pluralidade das
culturas, o testemunho da excepcional delicadeza, potencialidade e força
criadora que há na Humanidade. A arte acrescenta mundos ao mundo e/ou nos
faz ver o nosso mundo de um modo nunca antes visto, de forma insuspeitada e
surpreendente.

Considerando-se a tessitura do processo ensino-aprendizagem, qual é o


papel formativo da arte? Qual é sua importância e valor? Entre as principais
forças da arte encontra-se a forma e a cor. Aprender as inúmeras possibilidades
com que a arte dá forma à natureza e ao mundo em geral, aos sentimentos,
impulsos, imagens e sonhos equivale a encontrar o espaço e o tempo
redimensionados: com cores, texturas e dobras. Em outras palavras, aciona a
nossa habilidade de dar forma e de criar ordens para podermos localizar, juntar,
fragmentar, colar e multiplicar elementos da nossa subjetividade e do exterior
imediato ou distante.

Ensinar arte equivale, no mesmo sentido, a provocar o impulso pela forma


no educando e a possibilitar que esse educando descubra formas possíveis para
além da forma visível do mundo em geral e da realidade cotidiana. Frequentar,
com o educando, as obras de arte não significa apenas visitar museus e
exposições, assistir a espetáculos e recitais, o que é parte do trabalho do
professor: significa, também, aproximar-se assiduamente da arte, frequentá-la,
senti-la como um leitor frequenta e sente textos com avidez, certeza e espanto.
Tal aproximação também pode se dar por meio dos diversos recursos
audiovisuais, o que é importante que toda escola disponibilize aos educandos.

O equilíbrio presente na arte clássica, com a sua proporção e definição, e


a transgressão promovida pela arte moderna, e as variações criativas da arte
contemporânea, por exemplo, têm muito a ensinar em termos das formas
escolhidas e aperfeiçoadas, com as técnicas inventadas, os temas significativos,
variados ou recorrentes. De riqueza igual é a investigação acerca do processo
de criação artística, que pode ser pensado teoricamente e a partir das
experiências de artistas do passado e do presente.

Em torno desse manancial de conhecimentos que auxiliam na construção


da percepção estética do educando, encontra-se a contraparte indispensável do
fazer artístico pelo próprio educando. Dito de outra maneira, conhecimentos
estéticos teóricos e conceituais e familiaridade com a história da arte ganham
vida se conjugados ao processo de aprendizagem do fazer artístico. O educando
passa a poder apreender caminhos para fruir das obras de arte e pode,
igualmente, experimentar o prazer de criar formas, cores, ritmos, passos e sons.
Sendo assim, o ser racional e sensível saboreará o prazer estético.

Músicas tocadas e cantadas, as danças solitárias e em grupo, as criações


visuais e a atuação teatral, em cima ou atrás do palco, podem ser criações do
próprio educando, e também produtos culturais da sua região, seu país, do país
ao lado e do país distante. O educando pode perceber o pluralismo cultural que
há nas manifestações e produções artísticas, e assim pode aproximar-se mais
de si mesmo e dos outros. Nesse sentido, além de (re)conhecer-se como parte
de uma cultura, o aluno é convidado a respeitar a cultura do outro.

No trabalho com o pluralismo, há terreno propício para o professor


estimular as relações entre ética e estética: tanto as que existiram na origem da
estética como as que são possíveis e desejáveis hoje, no ambiente da arte e da
sociedade contemporânea mundial. Também aí se pode conjugar o exercício de
crítica pelo educando: elaboração e recepção de análise crítica relativas às
obras suas e às alheias.

A arte africana e indígena, em especial, falam de muito perto com as


nossas produções culturais e artísticas. Mantêm papel de força constituinte da
arte brasileira pelo vínculo histórico e, muitas vezes, relação de confluência, uma
vez que, na atualidade, algumas remetem-se às outras, seja temática ou
formalmente, ou ambas. Dança, música, canto, dramatizações e imagens
dialogam entre dois continentes e entre indígenas e ocidentalizados, fazendo
notar que a arte reinventa relações, inclusive aquelas destrutivas e trágicas.

A arte também possibilita ao educando perceber que é possível à


sociedade viver em harmonia com a natureza. É importante perceber a íntima
relação entre arte e natureza, que a arte precisa ser naturalizada, ao passo que
a natureza deve ser tratada artisticamente, procurando-se respeitar as suas
formas e belezas próprias. As tantas vozes da natureza relacionam-se com as
muitas linguagens da arte, e esta só existe porque existe primeiro a natureza –
com a qual estabeleceu relação mimética criadora.

Uma educação estética não é algo que possa ser garantido apenas pelo
processo ensino-aprendizagem da arte. Educar para a criação da sensibilidade,
juntamente com as forças racionais do ser, de modo consonante e harmonioso,
é tarefa para todas as áreas do saber. Como a arte contém, nela mesma, essa
sintonia e esse equilíbrio, ela também possibilita a criação de novos métodos de
investigação, novos modos de construir conhecimento e organizar a sociedade.

Ensinar arte é provocar no educando a possibilidade de explorar os


sentimentos e o sentido. A importância está no sentir, apreciar, pensar e criar,
propiciando-lhe caminhos e possibilidades para (re)pensar o mundo e a si
mesmo e, a partir daí, compreender, valorizar e respeitar a sua cultura e a
cultura do outro.
O universo da arte caracteriza um tipo particular de conhecimento que o
ser humano produz a partir do seu lugar de enunciação no mundo. Esse lugar de
enunciação pode ser social, econômico, cultural, político, ideológico ou de
gênero. Assim, por meio da arte, é possível expressar as representações
culturais das distintas culturas e desse modo (re)construir o percurso da história
humana que se renova através dos tempos.

De acordo com Ochôa e Mesti (2010),

O componente Arte nos Parâmetros Curriculares Nacionais é


considerado um tipo de conhecimento que envolve tanto a experiência
de apropriação de produtos artísticos, quanto o desenvolvimento da
competência de configurar significações por meio da realização de
formas artísticas. A obra de arte situa-se no ponto de encontro entre o
particular e o universal da experiência humana. Cada obra de arte é, ao
mesmo tempo, um produto cultural de uma determinada época e uma
criação singular da imaginação humana, cujo valor é universal.
(Disponível em
http://www.ple.uem.br/3celli_anais/trabalhos/estudosliterarios/pdf_literar
io/087.pdf.Teatro na escola: linguagens e processo criativo. Acesso em
13 de agosto de 2010.)

A arte promove, portanto, seres racionais e sensíveis, nem frios nem


apenas instintivos. Configura seres que, com sensibilidade, percebem a si
mesmos nos outros e vice-versa, e que podem exercer a cidadania e a ética
porque já sabem viver artisticamente. São criadores de valores, os seus atos são
harmoniosos ou desequilibradores, lúdicos, alegres, transformadores, sérios ou
tristes. Suas ações passeiam desde a arte clássica até a arte social, “popular”.

Com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, n.º 9.394/1996, a


disciplina de Arte passa a ser considerada obrigatória na educação básica. Lê-se
no Art. 26, §2.º: “O ensino da arte constituirá componente curricular obrigatório,
nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o
desenvolvimento cultural dos educandos”. E é ainda na década de 1990 que as
reivindicações dos sujeitos envolvidos nas artes asseguram que ela seja
pensada como área –área de Arte– com conteúdos e métodos específicos e não
mais como educação artística e mero conjunto de atividades.
Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental
(PCN, 1997, 1998) orientam o professor para que trabalhe com artes
visuais, música, teatro e dança, mas de modo que não fica obrigado
a fazê-lo, cada profissional, com todas as modalidades. isso está de
acordo também com a lei n.º 9.394/96, que retira do professor a
obrigatoriedade de trabalhar, ao mesmo tempo, com as quatro
modalidades artísticas: dança, música artes visuais e teatro. a partir
daí, o professor pode escolher a modalidade com a qual vai
trabalhar, de acordo com a sua formação específica.

Cada professor também tem liberdade para escolher o modo como vai
trabalhar, pensando, ao mesmo tempo, que, ainda que trabalhe com a produção,
pelos educandos, de obras e objetos artísticos, o seu objetivo principal é formar
a sensibilidade para a recepção, formar público receptor das artes.

O trabalho com as outras modalidades, por sua vez, poderá contar com
agentes múltiplos que realizarão as suas atividades em conjunto com o
professor: sujeitos da comunidade, professores e artistas convidados pela escola
etc. Assim, será da escola, do professor e da coordenação pedagógica a tarefa
de organizar o programa de arte para que possa contemplar um maior número
de habilidades artísticas durante a trajetória do aluno, contando se possível, com
agentes da comunidade. Desse modo, a ideia de um professor “polivalente”
ficará em segundo plano. É importante que o professor participe de cursos de
atualização, capacitação e que a escola tente montar o seu quadro com
professores de todos os campos da arte.

Em 1997 o texto dos PCN dizia: “Em muitas escolas ainda se utiliza, por
exemplo, o desenho mimeografado com formas estereotipadas para as crianças
colorirem, ou se apresentam “musiquinhas” indicando ações para a rotina
escolar (hora do lanche, hora da saída)”. (PCN, 1997, p. 27).

Espera-se que os conhecimentos do componente Arte não sirvam de


motivo para enfocar comemorações cívicas apenas, decorar a escola, promover
feira de cultura, ou fiquem de tal forma diluídos que se prestem tão somente
para ensinar Geografia, História ou Educação Física. Ou, ainda, se reduza a
uma série de informações históricas retiradas da História da Arte, ou seja motivo
para exercícios de expressão livre dos educandos. Lembremos a esse respeito
que interdisciplinaridade não significa perda de uma das disciplinas ou das suas
linguagens específicas. As práticas tradicionais do ensino de Arte tomada como
Educação Artística, consolidadas na escola, aguardam desconstrução e
transformação por parte de professores, diretores e comunidade.

O professor que trabalha com o ensino de arte precisa dialogar com o


tempo histórico em que vivemos de modo crítico e aberto a um só tempo. Os
desafios da escola do século XXI também são os seus. O professor de arte tem
diante de si a responsabilidade de tocar o aluno como ente plural, e de modo
também plural proporcionar-lhe a possibilidade de desenvolver-se como ser
integral, em face da fragmentação veloz da informação e das relações humanas
de um modo geral. Isso quer dizer: acompanhar o aluno na formação da
sensibilidade, enquanto hábil e criativo receptor de obras de arte visuais,
espetáculos de dança, shows musicais e peças de teatro, entre outras.

O professor terá o cuidado de desenvolver um processo de ensino-


aprendizagem que ofereça ao aluno espaço e tempo para aprender lendo,
escutando, olhando, observando, interpretando criticamente, analisando e
fazendo. Desse modo, lançam-se as bases do futuro imprevisível: há educandos
que serão verdadeiramente artistas e há aqueles que serão frequentadores das
artes, receptores, quer produzam obras e objetos artísticos, quer apenas as
apreciem e interpretem de forma estética ou cognitiva. Os dois grupos
experimentam o prazer estético e se sentem à vontade para serem seres
sensíveis e racionais, simultaneamente.

Assim, o sentido do ensino de arte na escola caracteriza-se por:

Promover no educando a competência para ler o mundo e a


sociedade através da apreciação, do fazer e da contextualização
do produto artístico. Por meio de sua criatividade, individual ou
coletivamente, o educando poderá experimentar e vivenciar as
diversas manifestações das diferentes forma de arte, a partir de
um olhar atento/crítico em que a sensibilidade é utilizada para
pensar, olhar, fazer arte e escrever sobre ela.
A reafirmação desse espaço pedagógico vem impulsionar o trabalho
importante que os profissionais de Artes visuais/audiovisuais, Teatro/arte
circense, Música e Dança, realizam, dentro e fora das escolas e nas mais
diversas esferas do fazer artístico de um povo, em especial a população do
Estado de Rondônia, inseridos no eixo Amazônico, com suas riquezas naturais e
culturais, que são transmitidas de geração a geração de maneira oral,
“empírica”, correndo o risco de ser esquecida e mudada sua forma original e
natural, e para que isto não ocorra, faz-se necessário organizarmos uma
estruturação que possa vir a manter viva e constante estes fazeres artísticos,
dentro e fora dos espaços escolares, utilizando-se métodos, técnicas,
levantamentos dentro do processo de pesquisa e extensão e principalmente da
formação profissional, para que possam transmitir às novas Gerações seu
legadocultural.
2 CRITÉRIOS PARA A ORGANIZAÇÃO DAS SUGESTÕES DE
TEMAS E CONHECIMENTOS REQUERIDOS PARA OS
COMPONENTES DA ÁREA

Com base na legislação vigente, bem como a partir das sugestões


advindas das oficinas dos seminários sobre currículo1 promovidos pela
Secretaria de Estado da Educação, o Grupo Temático da área de Códigos,
Linguagens e suas tecnologias, responsável pela elaboração destes
Referenciais Curriculares, adotou como critérios:

1- documentos norteadores da educação, como os Parâmetros


Curriculares Nacionais;
2- a perspectiva de contribuição para a formação de um cidadão crítico,
que tenha desenvolvidas e utilizadas as suas competências leitora e
escritora; que saiba se expressar através de diferentes linguagens,
nos diferentes gêneros e suportes textuais; e

3- a faixa etária dos educandos de Ensino Fundamental e Médio, na


modalidade de Ensino Regular presencial do primeiro ano ao nono do
Ensino Fundamental e do primeiro ao terceiro ano do Ensino Médio.

A organização das sugestões contidas no presente Referencial, assim, se


configura em quadros que sintetizam:

a) A competência da área.
b) A competência do componente curricular.
c) As habilidades do componente curricular.
d) Os eixos temáticos, correspondentes à área curricular e evidenciados no
componente.
e) Os conhecimentos requeridos para o componente.
Os conhecimentos requeridos, que são específicos de cada componente,
estão organizados em cinco eixos temáticos, os quais se pretende que sejam

1
Seminário de Organização do Currículo por Competência e Habilidades, promovido pela
Secretaria de Estado da Educação - Porto Velho – Rondônia Março 2010
comuns à área, considerando a perspectiva interdisciplinar, multidisciplinar e
transdisciplinar, preconizada nos Referenciais.
Tais eixos, embora estejam configurados separadamente, apenas por
questões de representação formal, na prática do trabalho ensinar-aprender,
devem estar sempre articulados com vistas ao desenvolvimento holístico da
aprendizagem. Foram, assim, eleitos cinco eixos temáticos norteadores do fazer
pedagógico, como veremos a seguir. No caso específico do componente Arte, os
eixos temáticos assim se traduzem:

Eixo Temático Propósito do Eixo

Linguagem Desenvolver atividades compromissadas com difusão do


e fazer artístico, valorizando a sensibilidade e o prazer
estético aliadas ao conjunto de questões a ele
Interação relacionadas.

Envolver aspectos que procuram a liberação da


expressão artística em um contexto problematizador,
político, cultural, marcando os fazeres artísticos criadores
Práticas Sociais e transformadores de si e do outro (comunidade e
sociedade), de forma a contribuir para a contextualização
das produções artísticas no processo de construção da
identidade coletiva e da memória cultural.

Enfocar a diversidade cultural e formação de identidades,


Meio Ambiente considerando-se os aspectos de relação homem-
natureza em permanente intervenção e (re) construção
e
estética, afim de que o aluno possa identificar, relacionar,
Diversidade compreender e experimentar os diversos materiais
Cultural oferecidos pela natureza e os criados pelo homem e sua
tecnologia, de modo que utilize nas suas produções
presente e com a demais do patrimônio cultural.
Proporcionar o entendimento da relação entre as
diversas linguagens artísticas, percebendo e
identificando convergências, especificidades, distinções e
Múltiplas paralelismos. Proporcionando ao aluno compreender e
Linguagens utilizar a arte como linguagem, mantendo uma atitude de
busca pessoal, articulando a percepção, a imaginação, a
emoção, a investigação, a sensibilidade e a reflexão ao
realizar e fruir produções artísticas.

Promover a formação do senso estético em toda sua


amplitude: imaginação, percepção, criação, expressão,
Estética das análise e crítica com vista a aprimorar a sensibilidade
Linguagens humana, de forma a experimentar a expressão de
emoções, sentimentos e ideias pessoais por meio das
artes visuais, musical, teatrais, da expressão corporal e
circense, inclusive através dos multimeios.

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE:

Os eixos temáticos Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio


Ambiente e Diversidade, Múltiplas Linguagens, Estética das Linguagens,
são apresentados com o intuito de que o professor possa trabalhar cada
qual a qualquer momento do ano, relacionando-os com os conhecimentos
requeridos selecionados por coerência e afinidade.
Os Eixos Temáticos, com seus respectivos conteúdos programáticos,
bem como alguns esboços de ações para colocar em prática as atividades nas
artes (visual/audiovisual, teatral, musical e dança), têm sua ligação inter-multi e
transdiciplinar com os outros componentes das ciências humanas, com os
educandos, seus familiares e a comunidade onde vivem, seu modo de vida e
sobrevivência, uma ligação direta no processo de uma educação para toda vida,
promovendo a evolução dos seres humanos.
Neste sentido, estes eixos temáticos, descritos com suas áreas, priorizam
ações e processos que aproximem cada vez mais as instituições educacionais
da sociedade de forma dialógica e respeitosa, afirmando as diferenças culturais
como possibilidade de desenvolvimento humano e se fortalecendo nas
diversidades culturais.
Nas áreas da cultura e sociedade, devemos refletir sobre a ações
voltadas para a educação e cultura = extensão, ensino e pesquisa, para a
diversidade cultural e a cultura popular, para as políticas públicas relacionada a
cultura, nas identidades étnicas, na arte cultural e os espaços públicos, na
memória e na preservação da cultura e do meio ambiente e na cultura digital;
Na Arte, na ciência, na tecnologia e na economia, devemos refletir
sobre as expressões artísticas, a arte popular/artesanato e industrianato, os
artistas regionais com sua criatividade/expressão e autonomia, com sua arte e
seus movimentos sociais, nas tecnologias livres, nas intervenções artísticas
ambientais, na arte e ciência da produção e na ética e estética aplicadas no seu
fazer e viver;
No processo da economia e da cultura podemos citar que ao
trabalharmos as artes no processo educacional, onde nosso educando e as
comunidades onde estão inseridos, estão interligados com as áreas da cultura e
economia solidárias, no coletivo e redes de arte e cultura, nas legislações
relacionadas a economia solidária do conhecimento, nos direitos autorais do
produtos de sua criatividade, subsidiando a cadeira produtiva da cultura
brasileira e de nosso povo dentro deste eixo amazônico favorecerá o fomento à
econômica local sustentável e sua própria subsistência contribuindo desta
maneira para a perpetuação da arte e cultura.
Entendemos que os cinco eixos temáticos apresentados se encontram e
se complementam em diferentes momentos do aprendizado e se relacionam
com as diversas expressões artísticas. O professor poderá trabalhar, por
exemplo, linguagem e interação entendendo a interação como prática social ou
vice-versa. As múltiplas linguagens, em outro exemplo, podem ser abordadas
como estética das linguagens.
Do mesmo modo que entendemos a indissociabilidade no trabalho das
quatro expressões artísticas propostas, propomos também a indissociabilidade
entre os eixos temáticos, os conhecimentos requeridos e as práticas de sala de
aula. A mútua relação entre as várias artes – dança, teatro, música e artes
visuais – é a essência da natureza do componente Arte, assim como há que se
reconhecer que a formação em artes leva o aluno a uma abrangente percepção
do mundo.

Após os quadros, o professor encontrará:


a) Orientações metodológicas (suportadas pelas pedagogias da pesquisa,
de projetos e resolução de problemas). Nestas orientações estão
inseridas, também, sugestões de atividades que podem ajudar o
professor a desenvolver o trabalho docente;
b) Reflexões sobre o processo e procedimentos de avaliação; e
c) Referências bibliográficas utilizadas no texto.

Esperamos, assim, que estes Referenciais possam contribuir para com o


trabalho educativo que envolve os gestores, os professores, educandos, pais e
comunidade, que são efetivos agentes para a melhoria da qualidade da
educação.
Arte

Primeiro ao Quinto Ano

Ensino Fundamental
3 COMPONENTE CURRICULAR ARTE - COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

Competência do componente curricular: Perceber e fruir esteticamente as obras artísticas, expressar-se criando linguagem estética própria,
e analisar criticamente diferentes obras ao mesmo tempo em que estabelece entre elas, um diálogo intercultural.
Habilidades do componente 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º
Desenvolver constante leitura do mundo, do universo textual, das X X X X X X X X X
imagens, sons e gestos que circulam na sociedade, dos falares e
das manifestações artísticas.
Criar obras com linguagem artística própria: escrever, dançar, X X X X X X X X X
cantar, tocar, representar e elaborar imagens visuais, inclusive
fazendo uso das Tecnologias de Informação e Comunicação.
Conhecer o seu corpo e as suas potencialidades expressivas. X X X X X X X X X
Interagir com o grupo e a comunidade por meio de linguagem X X X X X X X X X
artística, em várias modalidades.
Perceber as especificidades das diversas linguagens artísticas, as X X X X X X X X X
suas possíveis relações, bem como sua articulação com os outros
componentes.
Interagir com a sociedade, com a construção de conhecimentos X X X X X X X X X
científicos e com a política, de modo estético, isto é, colocando em
ação razão e sensibilidade.
Compreender que a atitude estética procura ver o homem como ser X X X X X X X X X
integral, racional, sensível e imaginativo.
Investigar, contextualizar e compreender as artes enquanto X X X X X X X X X
fenômeno sociocultural, histórico, estético, tecnológico e
comunicacional.
Fomentar arte em contextos de comunidade, valorizando a X X X X X X X X X
diversidade cultural.
4 COMPONENTE CURRICULAR ARTE - PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das Linguagens.
As linguagens artísticas são elementos essenciais para que se aprenda, compreenda, desconstrua e transforme a arte e, assim, a sociedade em que
vivemos, respeitando a natureza singular que possuem as crianças, neste período de formação como seres que sentem e pensam o mundo de um jeito
muito próprio.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ENFASE NA PERCEPÇÃO


• Teatro, formas animadas, circo;
• Diferenças entre narração (romance, conto, cenas do cotidiano) e drama, comédia/alegria (teatro);
TEATRO • História das primeiras representações teatrais da humanidade, os contos, lendas/fábulas e parlendas;
• Relações entre o teatro e o seu contexto histórico cultural;
• Vocabulário específico do meio teatral: texto dramático, encenação, figurino, etc.;
• Experimentação lúdica de diferentes gêneros teatrais: comédia, tragédia, sátira.
• Expressão corporal: movimento, espaço, som, performance;
• A dança como bem cultural produzido pela humanidade;
DANÇA • A dança em diferentes culturas e diferentes linguagens, inclusive indígena e africana;
• Experimentação lúdica de diferentes danças reconhecendo corpo, movimento e expressão;
• Vocabulário específico da dança: coreografia, improvisação, repertório;
• Experimentação lúdica de diferentes danças reconhecendo corpo, movimento –não movimento e expressão.
• Semelhanças e diferenças entre objetos naturais e objetos artísticos (luz – ausência de luz);
ARTES VISUAIS • Identificação das diferentes linguagens em artes visuais por meio da observação e manipulação de objetos artísticos;
• Diferentes representações e feituras do objeto em culturas variadas, incluindo-se cultura indígena e africana (Ex.: a arte da
E manipulação da argila e sua materialização em objetos de lazer, utilitário e decorativo –cerâmica marajoara e cerâmica baiana);
ÁUDIO-VISUAIS • Vocabulário específico das artes visuais: figura bidimensional, tridimensional, ponto, linha, plano;
• O cinema e a televisão/vídeo no desenvolvimento da expressão cognitiva/emocional da criança;
• Experimentação lúdica de diferentes formas de expressão: desenho, pintura, fotografia, colagem.
• Música vocal e Música instrumental;
• Sons produzidos por variados instrumentos musicais tradicionais (piano, flauta, violão, etc.);
MÚSICA • Sons naturais e sons produzidos por instrumentos. Variação dos instrumentos e sons produzidos em diferentes culturas, incluindo
cultura indígena e africana (Ex.: flauta e taboca);
• Vocabulário específico da música: notas, som longo, som curto, intensidade, timbre, duração, altura, ritmo, harmonia e melodia;
• Experimentação lúdica de diferentes possibilidades de produzir sons com e no corpo, mantendo ritmo e compasso, e o ato de
silêncio
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
5 COMPONENTE CURRICULAR ARTE - SEGUNDO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das Linguagens.

No processo de construção do conhecimento, as crianças, neste período de formação, utilizam-se das mais diferentes linguagens e exercem a
capacidade que possuem de terem ideias e hipóteses originais sobre aquilo que buscam desvendar. Nessa perspectiva, as crianças constroem o
conhecimento a partir das interações que estabelecem com as outras pessoas e com o meio em que vivem. Não constituindo o conhecimento em cópia da
realidade, mas sim, fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE NA CRIAÇÃO E EXPRESSÃO


• Concepções de teatro de rua, de bonecos e circo;
• Elementos da encenação: figurino, cenário, texto, personagem, iluminação, ação dramática, maquiagem, penteado,
TEATRO sonoplastia;
• Relações entre o texto dramático (texto literário) e a encenação (texto espetacular);
• Relações entre o fazer (palco) e o assistir (plateia).
• O corpo: movimento, ritmo e expressão (postura, mímica e improvisação);
• Danças criativas, brincadeiras de rodas e danças tradicionais;
DANÇA • Reconhecimento, diferenciação e experimentação das diferenças entre dança popular, clássica, moderna e
contemporânea;
• Vivência e experiência lúdica, e registro no corpo, a partir da prática, das pesquisas realizadas.
• Os elementos visuais: ponto, linha, plano, volume, luz, cor, textura;
ARTES VISUAIS • Criação e feitura de objetos artísticos bidimensionais: desenho, colagem, retrato, paisagem, natureza morta,
E propaganda, fotografia, pintura, gravura;
ÁUDIO-VISUAIS • Artes da fibra (tecelagem, cestaria, papel artesanal).
• A voz como um instrumento, lançando mão de técnica elementar (emissão de sons vocais e corporais e de objetos
diversos);
MÚSICA • Noções de altura, duração, intensidade, timbre e densidade no canto coral.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
6 COMPONENTE CURRICULAR ARTE – TERCEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das Linguagens.

No processo de construção do conhecimento, as crianças, neste período de formação, utilizam-se das mais diferentes linguagens e exercem a
capacidade que possuem de terem ideias e hipóteses originais sobre aquilo que buscam desvendar. Nessa perspectiva, as crianças constroem o
conhecimento a partir das interações que estabelecem com as outras pessoas e com o meio em que vivem. Não constituindo o conhecimento em cópia da
realidade, mas sim, fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação. É o momento de iniciar o trabalho com aplicações de técnicas e
regras a serem compreendidas e assimiladas.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE NA CRIAÇÃO E EXPRESSÃO


• O personagem, o ator e a cena;
• A importância do corpo e do movimento no espaço cênico;
TEATRO • Adaptação e criação de cenas dramáticas e de brincadeira/lúdicas com a utilização de objetos para enriquecimento de cenários, e
utilizando-se de cores, formas, números, letras, desenhos, vestimentas, adornos, texturas diferentes no ato cênico;
• (Re)conhecimento das possibilidades de espaços teatrais: tradicional e alternativo.
• Sensações e impressões;
• Jogos e brincadeiras – Populares;
Simbólicos, Sensoriais, Brincadeiras de roda;
• Expressão, por meio da dança, do ponto de vista, visão de mundo, questões relativas a sua realidade;
• Compreensão e contextualização das diferentes tendências das danças em diferentes contextos socioculturais;
DANÇA
• Improvisação, interpretação e composição de repertórios em dança a partir de temas específicos;
• Vivência de jogos, brincadeiras, danças, movimentos corporais que possibilitem ampla experimentação corporal, lúdica e social;
• Vivência, experiência e registro corporal das pesquisas realizadas.
ARTES • Elementos visuais e a criação de obras artísticas tridimensionais;
VISUAIS • Reconhecimento dos elementos visuais (ponto, linha, plano, volume, luz, cor, textura);
E ÁUDIO- • Expressão na criação e feitura de obras artísticas tridimensionais (três dimensões): maquete, escultura, dobradura, cerâmica, encaixe
VISUAIS brinquedos industrializados e construção de brinquedos;
• Aspectos históricos e socioculturais relacionados às artes áudio-visuais.
• Elementos musicais e produção de canção;
• Noções de harmonia, melodia, forma, gênero e ritmo em grupos musicais;
MÚSICA • Diferença entre ritmos musicais diferentes produzidos em culturas diversas.
• Composição de melodias de autoria em grupo.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
7 COMPONENTE CURRICULAR ARTE– QUARTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das Linguagens.
Nesse período de formação, a criança já possui pré-requisitos da formação educacional (conhecimentos matemáticos, linguísticos, de ciências da
natureza, dentre outros), o que possibilita trabalhos que exijam maior grau de complexidade, incluindo exercícios de planejamento, construção e
reconstrução artística.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE NA EXPRESSÃO E ANÁLISE


• Observação e criação de gestos e movimentos significativos, sequenciais e contextualizados;
• Uso das diversas técnicas vocais em conformidade com os mais variados textos teatrais (comédia, drama e tragédia);
TEATRO • Relações entre corpo, voz e texto na criação da cena.
• Investigação das diferentes danças e seu ambiente cultural;
• Pesquisa e análise das diferentes expressões em dança no Brasil e no mundo;
DANÇA • Identificação das características das diferentes danças em diferentes culturas e sua importância para os povos;
• Contextualização e análise de diferentes danças em seu momento histórico cultural de produção e recepção;
• Pesquisa de produções locais (quadrilha, boi-bumbá, etc.) e outras influências;
• Experiências lúdicas e registro (expressão) no corpo das pesquisas realizadas.
• Pesquisa de obras e objetos artísticos e seu ambiente cultural;
• Noções de simetria e assimetria, equilíbrio/proporção dos objetos e elementos encontrados na natureza e produzidos pelo homem;
ARTES VISUAIS • Pesquisa e análise de obras de artes visuais produzidas no Estado de Rondônia e os materiais e suportes naturais e artificiais;
E ÁUDIO-VISUAIS • A cor, o círculo cromático, a monocromia; valores e matizes a partir do estudo da natureza (flora e fauna) de Rondônia;
• Identificação das características das obras de artes visuais encontradas em Rondônia: influência da cultura das populações
tradicionais (indígenas, quilombolas, extrativistas, ribeirinhos) e de povos estrangeiros;
• Contextualização e análise das obras em seu momento histórico cultural de produção e recepção.
• Percussão e expressão da voz;
• Identificação e reconhecimento dos diferentes instrumentos de percussão;
MÚSICA • Realização dos repertórios musicais com instrumentos de percussão e voz;
• Noções aplicadas à formação de grupos musicais na escola;
• Expressão em apresentações planejadas na escola (coral, grupo de percussão, perfomance).
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
8 COMPONENTE CURRICULAR ARTE – QUINTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das Linguagens.
Os educandos, nesse período de formação, já adquiriram elementos suficientes para que possam ser iniciados em uma formação mais especializada, que
pode caminhar, inclusive, para a profissionalização.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE NA EXPRESSÃO E ANÁLISE


• Concepções de teatro: palco italiano, teatro de arena, teatro de rua, teatro de bonecos, teatro do invisível, musicais, circo;
• Estrutura de uma peça de teatro, (interpretação, direção, produção e texto/roteiro);
TEATRO • Compreensão do processo de construção de um espetáculo com seus estilos e gêneros teatrais e seus elementos cênicos: figurino ,
maquiagem, cenografia, adereços, sonoplastia;
Apreciação crítica de espetáculos teatrais ao vivo ou gravados;
• Expressão do ponto de vista;
• Construção de um espetáculo.
• Diferentes danças e seu ambiente cultural;
• Diferentes expressões em dança no Brasil e no mundo;
DANÇA • Características das diferentes danças em diferentes culturas e sua importância para os seus povos;
• Diferentes danças em seu momento histórico cultural de produção e recepção;
• Pesquisa de produções locais (quadrilha, boi-bumbá, etc.) e outras influências;
• Experiências lúdicas e registro no corpo, a partir da prática, das pesquisas realizadas.
ARTES VISUAIS E • Memória e patrimônio cultural;
ÁUDIO-VISUAIS • .As artes visuais pela cidade por meio das obras de arquitetura, dos monumentos, etc.;
• Registros através da fotografia, relatos escritos e criação de narrativas.
• Pesquisa de musicas e seu ambiente cultural:
- Dos instrumentos musicais acústicos e eletrônicos: corda, sopro, percussão
- Dos tipos de composição segundo a origem e a função social: música erudita, música popular, música folclórica, música
publicitária, trilha sonora
- Das formas de interpretação e de espetáculos musicais: ópera, música vocal, música instrumental, orquestra de câmara, banda
MÚSICA militar, fanfarra, banda pop.
- Da música eletroacústica.
• Músicas de diferentes povos e etnias;
• Características das obras musicais encontradas em Rondônia: influência da cultura das populações tradicionais (indígenas,
quilombolas, extrativistas, ribeirinhos) e de povos estrangeiros;
• O desenvolvimento da memorização de cantos e gestos.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
9 ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS E SUGESTÕES DIDÁTICAS
PRIMEIRO AO QUINTO ANO

No componente de Arte, o aluno, desde o início, se


coloca ansioso para fazer, para “fazer arte”. Ora, ele quer
desenhar, pintar, cantar, dançar, dramatizar, etc., e sente
que na aula de Arte ele não precisará necessariamente
estar numa sala de aula formal. Sabemos que não é
possível trabalhar com este aluno somente a parte
prática; a teoria se faz completamente necessária desde
o início. Que fazer então para acalmar essa ansiedade do aluno com relação à
pratica em Arte? Como conduzir o ensino de Arte de uma maneira prazerosa em
que a teoria e prática caminhem juntas? Como quebrar com muitos
“preconceitos” existentes com relação à função e à importância do ensino de
Arte no ambiente escolar? Como lidar com os espaços inapropriados da escola e
as dificuldades de professores habilitados nas diferentes modalidades artísticas?

Em linhas gerais, é importante que o professor saiba negociar com o seu


contexto, com a sua formação e com a sua escola. Esse negociar, aqui
entendido como negociação entre as partes, devendo ser definida uma proposta
pedagógica em Arte realmente exequível. Para isso, o professor, o diretor e
principalmente a coordenação pedagógica, juntamente com a comunidade,
deverão traçar possibilidades para a realização dos trabalhos de Arte na escola.

O professor poderá escolher com qual modalidade trabalhará, levando em


consideração a sua formação. Cabe a ele, junto à direção, escolher os temas,
organizar o programa das séries e propor outros mecanismos para que as outras
modalidades também possam ser bem trabalhadas ao longo da vida escolar do
aluno.

No que diz respeito às orientações metodológicas com relação aos temas


trabalhados na sala de aula, sugere-se que o professor sempre parta de práticas
e de dinâmicas que envolvam a expressão de determinada modalidade. Por
exemplo, para as aulas de dança e de teatro é recomendável que o professor
sempre trabalhe com exercícios de expressão e desinibição, relacionados com o
reconhecimento do corpo, da voz, da expressão e da criação. Claro que para
que essas atividades funcionem, é necessário um espaço adequado na escola.
Assim, o professor deverá buscar possibilidades para que essas atividades
possam acontecer.

O professor deverá abordar os temas de acordo com a faixa


etária trabalhada. Portanto, é importante que o professor faça as
adaptações necessárias levando em consideração o público, o espaço
disponível da escola e os materiais de apoio para a realização das
atividades. As artes visuais, a música, a dança e o teatro pedem que as
suas especificidades sejam abordadas ao mesmo tempo em que
interagem com outra modalidade de expressão. Sugere-se, portanto,
que o professor comece desde cedo a integrar as diferentes expressões
artísticas, assim como dialogue com os outros componentes.

Sugerimos, pois, alguns possibilidades de trabalho com as linguagens


da Arte: Teatro, Dança, Artes Visuais e Áudio-Visuais, Música. Fica para o
professor a tarefa de dialogar com as sugestões e orientações, adaptá-los e
transformá-los de acordo com o seu conhecimento da realidade e com o seu
ideal de futuro.

TEATRO

• Estudo do teatro através dos tempos. As representações teatrais de


diferentes épocas.
• História do teatro e da literatura dramática por meio de obras facilitadas.
Exemplo: Trabalhar as adaptações dos clássicos da literatura escritos
para crianças. Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare e Dom
Quixote de La Mancha, adaptado para crianças
• Adaptações de contos de fadas em forma de teatro.
• Peças teatrais contemporâneas escritas para crianças. Ex.: Flicts.
• Trabalhar com a transposição de contos de fadas (narração) para peças
de teatro (drama).
• Oficina de texto.
• Para trabalhar a voz sugere-se que o professor lance mão de músicas do
repertório popular: Alecrim; Alecrim dourado que nasceu no campo sem
ser semeado; O cravo brigou com a rosa. Sugere-se também o trabalho
com o CD Canções do Brasil, disponível na internet.
• Trabalhar com noções de coro grego. É uma forma de solucionar a
questão do número de personagens, já que em uma sala de aula o
professor contará com um mínimo de 30 a 40 educandos.
• Dinâmicas e jogos teatrais. Sugere-se o livro de Viola Spolim para
preparação do professor. Jogos Teatrais e o livro Improvisação para o
Teatro.
• Trabalhar em forma de oficinas por meio de trabalhos de improvisação e
interpretação.
• Exercícios de interpretação utilizando a música como tema.
• Criação de pequenas cenas a partir do universo infantil. Os próprios
educandos criam os diálogos a partir de um tema sugerido pelo professor.
• Oficina de palhaço.
• Exercícios corporais em grupos com ênfase na expressão dramática.
• Estudar as funções do teatro em diferentes contextos.
• Trabalhar com a construção de personagens, cenário, noções de
iluminação e figurino, e sua importância no fenômeno teatral.
• Trabalhar com leituras dramáticas a partir de textos tradicionais e
contemporâneos ou criados pelas próprias crianças.
• Visitar outras escolas com o intuito de intercambio entre os trabalhos
realizados.
• Assistir espetáculos da cidade, ao vivo ou gravados. Assistir produções
nacionais gravadas.
• Oficina de cenário.
• Oficina de figurino.
• Oficina de sonoplastia.
• Oficina de maquiagem.
• Relacionar todas as habilidades trabalhadas nas oficinas com o fazer
teatral culminando com um espetáculo no final do semestre, bimestre, por
exemplo.
• Assistir a peças de teatro em DVDs, espetáculos transmitidos online e
outras formas tecnológicas de audiovisuais.

DANÇA

• Estudar com os educandos a noção de espaço, tempo, ritmo, movimento


que serão desenvolvidos na escola.
• Estudar as diferentes expressões em dança, em diferentes épocas e
contextos históricos diferentes. Exemplo: Dança Clássica, Moderna,
Contemporânea. As danças populares: Tango, forró, samba, Boi-bumbá,
Flamenco, dança do ventre, etc.
• A história da dança.
• Aprofundar com questões relacionadas com a percepção gestual/corporal
e a sensibilidade estética.
• Estudar, entender e valorizar as diferentes manifestações em dança.
• Trabalhar o corpo por meio da consciência corporal, respeitando os limites
de cada um.
• Oficina de danças folclóricas regionais e nacionais.
• Oficinas de improvisação e danças criativas.
• Oficinas de ritmo e movimento.
• Oficinas de danças tradicionais e contemporâneas
• Oficinas de coreografia.
• Assistir a espetáculos de dança ao vivo ou gravados.
• Oficinas de cenário, figurino, iluminação e maquiagem aplicadas à dança.
• Pesquisa sobre coreógrafos.
• Pesquisa sobre as danças regionais e os espetáculos de dança
apresentados na cidade.
• Intercambio entre educandos e grupos de dança criados na escola.
• Trabalhar as relações entre a dança, o teatro, a música e as artes visuais.
• Dança-teatro.
• A música, os sons, o ritmo e as danças.
• Utilização dos recursos audiovisuais no contexto da arte da dança.

ARTES VISUAIS E ÁUDIO -VISUAIS

• Apresentação de objetos naturais ao lado de obras que os representem


em desenho, foto, pintura e escultura, para desenvolvimento da
percepção. Por exemplo: relógio-objeto, foto de um relógio, desenho de
relógio, pintura de relógio, tal como “A persistência da memória” de
Salvador Dali.
• Apresentação das especificidades da linguagem do desenho, da pintura,
da escultura, da arquitetura. Ex.: comparação do desenho, pintura,
escultura e desenho arquitetônico de uma casa e a casa construída.
• Apresentação da figura da criança a partir de obras selecionadas e
comparação com foto e desenho dos educandos, para que o aluno
perceba a si e ao outro como semelhantes, ao mesmo tempo em que
identifica a diferença nas figurações.
• Introdução de noções como ponto, linha, plano, o que é uma obra
bidimensional e sua diferença com relação à obra tridimensional, para que
o aluno, aos poucos, passe a identificar a especificidade da linguagem
visual.
• Apresentação do mesmo objeto em culturas diferentes e reconhecimento
das diferenças. Ex.: cerâmica marajoara e cerâmica baiana/ máscara
africana, indígena e egípcia, para que o aluno perceba a arte como
fenômeno histórico e social, e exercite o respeito à diversidade cultural.
• Criação de obra de arte visual em duas dimensões): desenho, colagem,
retrato, paisagem, fotografia, pintura, gravura a partir de temas escolhidos
pelo grupo.
• Frequentação às noções de ponto, linha, plano, volume, cor, luz, textura,
para que o aluno, aos poucos, sinta familiaridade com a linguagem das
artes visuais.
• Criação de obras artísticas em três dimensões: maquete, escultura,
dobradura, cerâmica, encaixe, a partir de temas escolhidos pelo grupo.
• Tópicos de história das artes visuais, brasileira e universal.
• Frequentação às artes visuais indígenas e africanas: pintura corporal,
escultura, objetos de cerâmica, etc., seus sentidos e significados culturais,
para que o aluno conheça as heranças constitutivas da arte brasileira.
• Pesquisa de obras de arte visuais criadas em Rondônia e análise das
influências culturais nelas presentes, para percepção da arte do entorno e
da presença das influências.
• Retomada do contexto de produção das obras, para percepção da
dimensão histórica que há em toda obra.
• Identificação das obras de artes visuais a partir da arquitetura,
monumentos e história das cidades.
• Registro de expressão criativa dos educandos, bem como de pesquisas e
análise por meio de fotos, relatos, narrativas e filmagem.
• Apreciação e produção de artes visuais e audiovisuais através da
tecnologias de comunicação e informação.

. MÚSICA

• Exercício de escuta dos sons naturais em ambiente da escola e do


entorno e comparação com sons emitidos por instrumentos musicais
como piano, flauta, violão.
• Aprendizagem do som específico de cada instrumento musical.
• Introdução às noções de notas, som longo, som curto, intensidade, timbre,
duração, altura, ritmo, harmonia e melodia, para que o aluno comece a
conhecer a linguagem musical.
• Aproximação aos sons emitidos pelo mesmo instrumento em culturas
diversas. Ex.: sons da flauta e da taboca / tambor africano e tambor
indígena.
• Emissão de sons vocais individualmente e em grupo, para percepção da
voz como instrumento, para percepção de si e do outro.
• Identificação de noções como altura, duração, intensidade, timbre e
densidade no canto coral.
• Frequentação às noções de harmonia, melodia, forma, gênero e ritmo,
para que o aluno vá se familiarizando cada vez mais com a linguagem
musical.
• Criação de canção em grupo, para exercício da criatividade, respeito e
interação.
• Escuta e reconhecimento de estilos musicais diversos: repente, rap, MPB,
por exemplo.
• Escuta de ritmos diferentes criados por culturas diversas para que o aluno
se situe, aos poucos, no cenário mundial da música.
• Frequentação à música brasileira incluindo-se música indígena e música
africana, com seus cantos, ritmos e instrumentos, para que o aluno
perceba paulatinamente a presença de influências na música brasileira.
• Tópicos de história da música brasileira e universal.
• Aprendizagem do universo da percussão e aplicação em repertórios que
envolvam instrumento de percussão e voz, para que os educandos
planejem apresentações em grupo, interagindo com toda a comunidade
escolar e do entorno.
• Pesquisa de música de povos e etnias diversas e conhecimento de suas
especificidades.
• Pesquisa de músicas criadas em Rondônia e análise das influências
culturais nelas presentes, para percepção da música do entorno e da
presença das influências.
• Registro de expressão criativa dos educandos, bem como de pesquisas e
análise por meio de fotos, relatos, narrativas, filmagem e gravação.
• Uso de programas tecnológicos para apreciação e exercício de técnicas
musicais diversas.
Arte

Sexto ao Nono Ano


Ensino Fundamental
10 COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SEXTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - PERCEPÇÃO, CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• Diferenças entre a narração (romance, conto etc.) e o drama (teatro) a partir do estudo de textos escolhidos;
• Representação de cenas por meio de mímica de gestos, sensações e sentimentos;
• Realização de pesquisa de materiais envolvidos na construção de cenas;
• Elaboração de textos com começo, meio e fim;
• Confeccção de os fantoches de acordo com o enredo criado ou vice-versa;
• Apresentação de peças de teatro de fantoches;
• Representações teatrais da humanidade por meio de textos históricos;
• A importância e a participação histórica, política e social do teatro, valorizando-o como instrumento de expressão e
contextualização social e artística através da releitura de peças (comédia Del’arte), entre outras peças.
TEATRO
• A representação com uso de máscaras;
• Vocabulário específico (texto dramático, encenação, figurino, didascalia, etc.) Com o objetivo de formar um dicionário de
teatro;
• Os diferentes modos de relação dos homens com a natureza e os objetos materiais e virtuais e a realidade;
• As relações entre o teatro e o seu contexto histórico cultural relacionado com as produções locais;
• Expressão e representação de ideias, emoções, sensações por meio da articulação de poéticas pessoais, desenvolvendo
trabalhos individuais e coletivos dentro da arte teatral;
• Os gêneros teatrais (comedia, tragédia, sátira) por meio da leitura de clássicos adaptados para a série.
• Dramatizações de obras teatrais completas e/ou fragmentos que poderão ser usados para contextualizar os tópicos
teóricos e históricos apresentados no programa;
• A trajetória do teatro; surgimento, representação e improvisação, conhecendo os tipos de teatro;
• História do teatro: o surgimento; a representação; - a arte da improvisação; comédia Del’art; personagens; máscaras.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SEXTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - PERCEPÇÃO, CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• (Re) conhecimento da dança como bem cultural produzido pela humanidade com ênfase nas danças performáticas e ritualísticas;
• Comunicação por meio de gestos e de expressão facial e corporal;
• A dança remanescente dos rituais em homenagem aos deuses da fertilidade, onde são usadas fitas coloridas, (as tradições
ritualísticas no decorrer da história da humanidade até nossos dias);
• Critérios culturalmente construídos e embasados em conhecimentos afins, de caráter filosófico, histórico, sociológico,
antropológico, semiótico, científico e tecnológico, entre outros no contexto da dança e expressão corporal;
• Investigação da dança em diferentes culturas e diferentes linguagens, inclusive indígena e africana, por meio de vídeos, fotos,
documentários etc.;
• Os processos de seleção e tratamento dos elementos de composição coreográfica, numa perspectiva estética e comunicacional;
• Utilização, nas propostas de roteirização ou composição e direção, das possibilidades expressivas, técnicas e estéticas
corporais, faciais do movimento, da voz, do gesto;
• Vocabulário específico (coreografia, improvisação, repertório).com o objetivo de formar um dicionário de dança;
DANÇA
• Os elementos de linguagem visual ponto e linha, através de atividade de expressão corporal e gráfica;
• Vivência e experimentação lúdica em diferentes danças reconhecendo corpo, movimento e expressão;
• Desenvolvimento da autoconfiança com a produção artística pessoal, relacionando a própria produção com a de outros,
valorizando e respeitando a diversidade estética, artística e de gênero nas diversas linguagens e técnicas da expressão corporal;
• As diversas manifestações com suas linguagens de dança utilizadas por diferentes grupos sociais e étnicos, interagindo com o
patrimônio nacional e internacional, que se deve conhecer e compreender em sua dimensão sócio-histórica;
• O registro no corpo, a partir da prática, e das pesquisas realizadas;
• Criação de pequenas cenas de dança, coreografadas ou improvisadas;
• Apreciar as diversas formas de expressão da linguagem corporal, estética, performática criadas por produtores de distintos
grupos étnicos em diferentes tempos e espaços físicos e virtuais, observando a conexão entre essas produções e a experiência
artística pessoal e cultural.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SEXTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - PERCEPÇÃO, CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• Identificação das diferentes linguagens em artes visuais por meio da observação de objetos artísticos e de expressão
nas diferentes linguagens;
• Observação de trabalhos em que se verifique a profundidade espacial e criar ilusão de profundidade espacial em
trabalhos plásticos e audiovisuais;
• Ampliação do conhecimento acerca do design, através do design de moda aplicado à atividade artística;
• Vocabulário específico (figura bidimensional, tridimensional, ponto, linha, plano) com o objetivo de formar um dicionário
de artes visuais;
• Utilização e significados das cores em diferentes contextos culturais;
• Desenvolvimento da capacidade de leitura audiovisual através de projeções de meios audiovisuais, visando estabelecer
sua capacidade de análise para a área e a compreensão dos elementos específicos do discurso audiovisual;
• Relações entre análise formal, contextualização, pensamento artístico e audiovisual e identidade cultural;
ARTES VISUAIS • Diferentes representações e feituras do objeto em culturas variadas, incluindo cultura indígena e africana por meio de
E oficinas práticas de produção e expressão em artes visuais;
ÁUDIO-VISUAIS • Compreensão de elementos de óptica pela apreciação/ observação da natureza, de vídeos, (cor e luz);
• Expressão plástica explorando materiais e técnicas que proporcionem a utilização de elementos encontrados na
natureza (flora e fauna- Amazônica);
• Exploração das possibilidades de composição através da técnica fotográfica associada ao tema “natureza”;
• Aplicação do elemento de linguagem visual equilíbrio em atividade artística;
• Familiarização com as formas de expressão dentro das manifestações contemporâneas: intertextualidade,
metalinguagem, interatividade tendo como principais manifestações: happenings, bodyart, arte ambiental, performance,
instalação, arte digital, Web art;
• Feitura de obras artísticas em artes visuais (cerâmica, escultura, xilogravura, pintura etc.);
• Identificação das estruturas lineares da arquitetura em diferentes épocas, estabelecendo semelhanças e diferenças;
• Relações das características do barroco até o moderno com construções de casas, museus, edifícios em geral da
cidade em que mora, representando-os plasticamente.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SEXTO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - PERCEPÇÃO, CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• Criação de sons a partir de variados instrumentos musicais tradicionais (piano, flauta, violão, etc.) e estudo das propriedades do som;
• Os tipos de música de acordo com sua evolução através dos tempos;
• Distinção de diferentes linguagens ouvindo, pequenos trechos de diferentes ritmos musicais nacionais e estrangeiros;
• Articulação, no fazer/criar, das capacidades rítmicas, de percepção e a sensibilidade;
• Elaboração de melodias com letra;
• Produção de textos musicais que, de forma original e criativa, se adéqüem às características de propostas e ao público para o qual estão
especialmente dirigidas;
• Percepção de sons naturais e sons produzidos por instrumentos;
• Vocabulário específico da música (notas, som longo, som curto, intensidade, timbre, duração, altura, ritmo, harmonia e melodia);
• Representação cênica de músicas;
• Elaboração de pequenas coreografias para músicas escolhidas;
• A história da música popular da nossa cultura e de outras culturas;
MÚSICA • Pesquisa sobre a história da música de nossa cultura com uso de recursos tecnológicos disponíveis;
• Variação dos instrumentos e sons produzidos em diferentes culturas, incluindo cultura indígena e africana;
• Desenvolvimento da capacidade de apreciação, identificação e compreensão significativa da linguagem musical, através dos sons naturais,
encontrados na natureza, produzidos pelo corpo ou objeto ou sons artificiais produzidos por máquinas e equipamentos tecnológicos;
• Estudo das diferentes modalidades e funções da música em contexto religioso, profano, ambiental, regional e folclórica;
• As técnicas e variações da notação musical, da musicalização de textos e poemas dentro da diversidade étnica;
• Articulação, integração e adaptação dos componentes da linguagem musical e dos diversos gêneros e estilos na perspectiva da composição e da
produção de textos musicais de acordo com as propostas;
• Aplicação das ferramentas de composição na criação musical voltada para textos poéticos;
• Análise de músicas de diferentes ritmos e culturas por meio de oficinas práticas em música;
• Desenvolvimento da percepção audiovisual e sensibilidade estética, e na apreciação e análise de imagens e sons em produtos audiovisuais com
temas universais e regionais (arte fílmica);
• A estrutura da obra audiovisual.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
11 COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SÉTIMO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE: CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• Aprofundamento no conhecimento relativo os elementos da encenação (figurino, cenário, texto, personagem, iluminação,
ação dramática, maquiagem, penteado, sonoplastia) por meio da montagem de cenas de textos teatrais previamente
escolhidos;
• Introdução aos principais conceitos da encenação moderna;
• Os fundamentos da escritura Cênica;
• Concepção histórica, social e lingüística da confecção de mascaras e bonecos utilizados na festas populares;
• Relações entre o texto dramático (texto literário) e a encenação(texto espetacular);
• Os elementos da ação dramática: a improvisação, o jogo dramático, a mímica, e a dramatização num contexto cultural,
político, psicológico e social em diferentes épocas;
• A leitura das relações do homem com os outros homens e com a realidade através da Ação Dramática, com técnicas de
participação direta do espectador na Ação Dramática;
TEATRO • Relações entre o fazer(palco) e o assistir(plateia);
• Estudo das técnicas de expressão vocal para ator;
• Pesquisa sobre a cultura e teatralidade no Estado de Rondônia a partir da diversidade das lendas e contos oriundo da flora
e fauna amazonense;
• Jogos teatrais e improvisação no teatro;
• Estudo das múltiplas linguagens utilizadas na arte de contar histórias, (Técnica do contador de histórias);
• Introdução ao conhecimento da linguagem teatral oriental e europeia;
• Criação de cenas teatrais a partir da improvisação integradas com música, dança e artes visuais;
• As características básicas e a estrutura de cenas e seu encadeamento;
• As técnicas específicas de cada gênero teatral;
• As novas tecnologias e suas possibilidades de uso na criação e execução de cenas;
• Planejamento, organização, controle e coordenação de providências e ações do processo de criação e execução de cena.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SÉTIMO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ENFASE: CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• Aprofundamento nos conceitos de corpo, movimento, ritmo e expressão por meio de exercícios práticos de reconhecimento;
• Origem e história das manifestações da cultura corporal de movimento e de lazer, manifestadas através da influência da
mídia nas práticas corporais;
• Criação de danças espontâneas, bem como danças tradicionais;
• As manifestações da cultura corporal de movimento como expressão de identidades individuais e coletivas influenciadas
pela cultural moderna;
• Os modismos em relação ao corpo na dança, na ginástica e no esporte;
• Os diferentes processos da dança, com seus diferentes instrumentos de ordem material e ideal, como música, cenário e
espaço cênico;
DANÇA • Reconhecimento, diferenciação, experimentação das diferenças entre dança popular, clássica, moderna e contemporânea;
• Estudo e análise do corpo nas danças, lutas e jogos populares brasileiros, (capoeira, maculelê, jogos de regras e outras
manifestações das danças populares;
• Realização de produções artísticas, na linguagem da dança, individualmente ou em grupo tendo como eixo temática e fonte
de inspiração para contextualização e preservação do meio ambiente;
• Vivência e experiência lúdica, e registro no corpo, a partir da prática, das pesquisas realizadas;
• Pesquisa sobre a significação da expressão corporal na dança e cultura dos diversos povos;
• Respeito e preservação às diversas manifestações da dança utilizadas por diversos grupos sociais e étnicos,
compreendendo-a como patrimônio social, em sua dimensão sócio-histórica;
• Criação de danças individuais e coletivas integradas com música, teatro e artes visuais;
• História da Dança em sua função social, psicológica, e cultural;
• Estilos de Dança: Primitiva, clássica, Popular, Religiosa, ritualística;
• Ritmos, vocabulário corporal;
• A Dança e a sensibilidade humana.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SÉTIMO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ENFASE: CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• Aprofundamento dos elementos visuais (ponto, linha, plano, volume, luz, cor, textura) em graus diferentes
complexidade:
∗ ponto (densidade, localização),
∗ linha (direção, extensão);
∗ plano (limites, dimensões),
∗ volume (desdobramento),
∗ luz (claro, escuro),
∗ cor (tonalidades, nuances);
ARTES VISUAIS • Uso, nas composições artísticas, das qualidades plásticas de equilíbrio, harmonia, dinâmica;
E • Elaboração de projetos com vistas a criação de objetos artísticos bidimensionais (duas dimensões): desenho,
colagem, retrato, paisagem, natureza morta, propaganda, fotografia, pintura, gravura;
ÁUDIO-VISUAIS • Estudo comparativo de obra de arte (fazer comparação de obras temáticas de diferentes autores, a partir de
critérios críticos estabelecidos pelo professor/educandos);
• Criação de obras com aprofundamento nas técnicas especificas de expressão bidimensional (retrato,
paisagem, natureza morta, propaganda, fotografia, desenho, pintura) e tridimensional (módulos, estrutura de
encaixe, escultura, maquete);
• Momentos decisivos da história da pintura para conhecer as grandes mudanças técnicas;
• Estudo, análise e exploração de materiais empregados na produção das artes visuais( tintas e as técnicas
utilizadas no processo criativo e estético);
• Estudo e vivência prática da Arte/audiovisual utilizando-se os diversos recursos tecnológicos;
• A função da arte brasileira na atualidade.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – SÉTIMO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ENFASE: CRIAÇÃO E EXPRESSÃO (APROFUNDAMENTO)


• A voz como um instrumento, lançando mão de técnicas estudadas para cantar melodias criadas ou já existentes;
• Análise do modo de produção musical (modal, tonal, contemporânea) a partir da estruturação do som e seus elementos
nas diferentes linguagens culturais;
• Coleta de elementos, análise e interpretação de ideias, propostas, concepções ou expectativas que caracterizem
iniciativas voltadas à produção de texttôos musicais, considerando os diversos meios e funções dos gêneros da música
do mercado;
• Aprofundamento nos conceitos de altura, duração, intensidade, timbre e densidade por meio de trabalhos práticos em
música;
• Leitura das qualidades sonoras, utilizando-se dos elementos sonoros: altura, timbre, densidade, intensidade, duração, de
MÚSICA modo a compreender a leitura musical no momento de sua produção;
• Como se processa a Leitura do momento de produção da obra e sua relação entre o ritmo e a criação da obra, o
conhecimento técnico presente na obra, a mensagem e o significado;
• Interpretação de músicas com instrumentos tradicionais ou criados;
• Conhecimento dos instrumentos musicais nas diferentes culturas.
• Pesquisa e estudo do canto, das músicas folclóricas e populares nas diferentes culturas, com acompanhamento: vocal,
instrumental, ostinatos, borduns;
• Criação de apresentações musicais integradas com teatro, dança e artes visuais;
• Indicar as funções básicas dos profissionais relacionados às produções musicais: compositor, intérprete, maestro e
outros;
• A relação básica entre o compositor, o interprete da obra e o ouvinte;
• Desenvolvimento das potencialidades musicais do aluno através do canto individual e do canto coral;
• Participação em atividades e apresentações musicais de estilos variados;
• A música como forma de diversão, estímulo, relaxamento e expressão religiosa.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
12 COMPONENTE CURRICULAR ARTE – OITAVO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE: CRIAÇÃO E ANÁLISE (APROFUNDAMENTO)


O personagem, o ator e a cena:
• Os elementos essenciais para a construção de uma cena teatral atuante/papéis, atores/personagens, estruturas dramáticas/peça,
roteiros/enredo, cenário;
• Os trajes e estilos de vestuário utilizado em diferentes épocas, culturas e lugares; as características culturais;
• As aplicações de novas tecnologias, contextualizando-as de acordo com as propostas cenográficas;
• Os mecanismos do processo de criação cenográfica;
• As interseções com as outras áreas e com os outros profissionais para a concepção de figurinos e adereços;
• A criação de adereços adequando-os aos projetos artísticos e comunicacionais;
• Estilos, movimentos, escolas, tendências da arte aplicada; seu relacionamento com a proposta artística a ser desenvolvida.
A importância do corpo e do movimento no espaço cênico:
• Os elementos básicos da linguagem cênica: corpo (mímica facial, gestos, movimentos, ações, dinâmicas, posicionamento, postura e
relacionamento); voz, som e palavras (intensidade, altura, respiração); espaço (transformando o Espaço real em cênico, pelo uso do corpo e da
TEATRO voz), em diferentes possibilidades expressivas, a partir de um texto (cultural, político, social);
• Criação, construção e interpretação de personagens;
• Combinação de elementos e recursos da linguagem teatral por meio de atividades de interpretação grupal, experimentando;
• Articulações de expressão corporal;
• Adaptação e criação cenas dramáticas;
• Criação figurinos de acordo com o projeto artístico e comunicacional;
• As técnicas artesanais e não artesanais de montagem, transformação e duplicação de figurinos e adereços.
As possibilidades de espaços teatrais (tradicional e alternativo) por meio de trabalhos e intervenções teatrais na rua ou ambientes
variados da escola:
• Expressão corporal e vocal;
• As técnicas de criação, montagem, transformação e duplicação de figurinos e de adereços;
• Aplicações de novas tecnologias e de materiais, contextualizando-as de acordo com as propostas de concepção de figurinos e adereços
para espetáculos artísticos;
• Os mecanismos do processo de criação de figurinos e adereços;
• As interseções com as outras áreas e com os outros profissionais para a concepção de figurinos e de adereços.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – OITAVO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE: CRIAÇÃO E ANÁLISE (APROFUNDAMENTO)


Sensações e impressões em dança:
• A história da dança nacional e internacional contextualizando épocas, regiões e países;
• Desenvolvimento da expressão estética, utilizando-se de pesquisa de repertório adaptando-a à proposta
coreográfica, elaborando ideias, emoções de maneira sensível, imaginativa e estética, escolhendo movimentos,
fontes (coreográficas), gêneros, estilo, relacionando-os com as criações de dança já existentes , tornando-as
presente em novas produções de dança (recriação coreográfica).
Expressão, por meio da dança, do ponto de vista, visão de mundo, questões relativas a sua realidade:
• As diversas propostas de danças e suas características e significados (pessoais, culturais, políticos) articulados e
veiculados nas danças criadas;
DANÇA • Os processos do fazer/criar artístico da dança considerando a relação/necessidade de ajuste, cooperação e
respeito entre as escolhas individuais e grupais.
Aprofundamento das diferentes tendências das danças em diferentes contextos socioculturais:
• O uso das combinações, reelaborações imaginativas, criativas, intuitivas, estéticas a partir de diversos elementos
da experiência sensível da vida cotidiana e dos saberes sobre a natureza, cultura, história e seus contextos,
vinculados a arte da dança e seus rituais étnicos.
Improvisação, interpretação e composição de repertórios em dança a partir de temas específicos aumentando
o grau de complexidade dos temas:
• As fontes de improvisação em produtos de dança (instruções diretas, descobertas guiadas, respostas selecionadas,
jogos, etc.) E de composição coreográfica a partir de diversas fontes culturais e suas linguagens.
• O uso adequado de diversas técnicas da arte da dança, com procedimentos de pesquisa, experimentação e
comunicação corporal
Vivência, experiência e registro no corpo, a partir da prática, das pesquisas realizadas:
• Os processos de seleção e tratamento dos elementos de composição coreográfica, numa perspectiva estética e
comunicacional;
• Aperfeiçoamento da capacidade de discriminação verbal, visual, cinestésica e de preparo corporal de forma
reflexiva;
• As possibilidades expressivas, técnicas e estéticas corporais, faciais do movimento, da voz, do gesto;
• Elaboração de propostas de improvisação, atuação e interpretação de personagens, tipos, coisas, situações;
DANÇA • Utilização ética e estética de elementos da convenção palco/plateia em suas diferentes formas e meios,
compreendendo as suas relações;
• Adaptação de textos dramáticos e não dramáticos com vista à montagem coreográfica de cenas, performances,
espetáculos em televisão, vídeo, cinema, telas informáticas, entre outros;
• Os elementos da linguagem cênica, coreográfica: dançarino-espaço; plateia/público, luz, no fazer/criar da dança.
• Elementos de tecnologia que apóiam o fazer da dança;
• A literatura dramática da dança, aplicando esses conhecimentos no fazer/criar;
• Os estilos, escolas, tendências da dança relacionando-os com o seu momento cultural e com a sua produção, no
fazer/criar.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – OITAVO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE: CRIAÇÃO E ANÁLISE (APROFUNDAMENTO)


Aprofundamento nos elementos visuais e na criação de obras artísticas tridimensionais:
• A arte como um texto visual;
• A importância da arte no nosso cotidiano;
• As diversas formas de representação visual;
• As técnicas e prática de gravura em geral, com especial ênfase na xilogravura ilustrativa da literatura de cordel
Elementos visuais (ponto, linha, plano, volume, luz, cor, textura):
• Valorização das artes visuais/audiovisuais como produto da cultural e histórico
• Observação e preservação de obras públicas expostas na cidade, valorizando-as enquanto bem público, respeitando
as manifestações culturais;
• O consumismo da sociedade atual; expressar essa reflexão através de atividade artística do estilo pop art.
ARTES VISUAIS Expressão na criação e feitura de obras artísticas tridimensionais (três dimensões): maquete, escultura, dobradura,
E cerâmica, encaixe por meio de projetos integrados com outras disciplinas:
ÁUDIO-VISUAIS
• A valorização e respeito às manifestações culturais dos povos;
• A herança cultural deixada pelas culturas negra, indígena e ribeirinha de nossa região.
Introdução aos conceitos de exposição de artes, vernissage, instalação e suas relações com a bienal internacional de
artes:
• A arte abstrata (ex: a obra do artista Wassily Kandinsky, Manabu Mabe);
• O elemento de linguagem visual cor através da aplicação da monocromia na moda e atividade artística;
• A produção visual como produto cultural sujeito à análise e ao entendimento, utilizando-se da pesquisa da arquitetura
colonial – arquitetura civil e religiosa;
• Técnicas de construção (taipa de pilão e construção com muros de pedras), as talhas, as pinturas e esculturas e seus
grandes mestres.

OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – OITAVO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE: CRIAÇÃO E ANÁLISE (APROFUNDAMENTO)


Execução de acordes simples em instrumentos para acompanhamento de melodias:
• Identificação, em diferentes meios de comunicação (TV, rádio, cinema, e outros), do uso e a apropriação das produções de
artistas musicais consagradas (que tenham relação com as habilidades do fazer, ouvir e apreciar identificando a variação
da linguagens para veicular, sentidos e significados.
Aplicação das noções de harmonia, melodia, forma, gênero e ritmo em grupos musicais:
• A acuidade auditiva no fazer/criar, e textos musicais baseados em ideias próprias;
• O planejamento e a concepção de forma estética, técnica e artística os textos poético-musicais de acordo com a temática
do projeto e o meio a que se destina.
Conhecimento do repertório musical brasileiro:
• As obras dos compositores clássicos e populares brasileiros (Villa Lobos, dentre outros);
• A percepção e organização de ideias da gramática musical, para criar obras novas e para apreciação integrando aos
diversos meios;
MÚSICA • Redação de textos musicais que, de forma original e criativa, se adéqüem às características de propostas e ao público para
o qual estão especialmente dirigidas, utilizando os meios eletroacústicos e informática;
• As ferramentas de composição na criação musical, por meio do uso de computadores.
Diferença entre ritmos musicais diferentes produzidos em culturas diversas:
• Articulação, integração e adaptação dos componentes da linguagem musical, e dos diversos gêneros na perspectiva da
elaboração de projetos de ambientação sonora para os diversos meios;
• Coleta de elementos, análise e interpretação de ideias, propostas, concepções ou expectativas que caracterizem iniciativas
voltadas à produção de projetos de ambientação sonora, considerando;
• Os diversos meios e funções dos gêneros da música do mercado;
• Planejamento e concepção de forma estética, técnica e artística de projetos de ambientação sonora de acordo com a
temática do projeto e o meio a que se destina;
• Criação de projetos de ambientação sonora, distinguindo fatores predominantes de cenas, programas, eventos ou
espetáculos.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
13 COMPONENTE CURRICULAR ARTE – NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das
Linguagens.

Linguagens Conhecimentos requeridos - ênfase na expressão e análise(aprofundamento)


A estrutura uma peça de teatro:
• Caracterização de personagens;
• Figurinos e adereços adaptados às diferentes propostas artísticas;
• Montagem e duplicação de adereços;
• Cenografia e desenho (observação, criação e composição) aplicados à criação de figurinos;
• Tecnologia de materiais e de utilização na criação/ concepção de figurinos e adereços;
• Interpretação e elaboração de roteiros cenográficos segundo os diversos gêneros e veículos na criação de figurinos;
• Modelagem e de composição decorativa. Repetição, alternância, simetria, irradiação;
• Estudo das formas;
• Comunicação visual;
• Estética, criação da forma, estudo da percepção;
TEATRO • Manipulação e análise dos componentes das linguagens visuais (linha, forma, cor, luz, valor, calor, textura, volume,
espaço, superfície, movimento, tempo, etc.).
O processo de construção de um espetáculo:
• As relações entre os diferentes estímulos utilizados nas composições e os diversos significados (pessoais, culturais,
políticos) articulados e veiculados por um espetáculo.
Expressão de ponto de vista a partir de espetáculos assistidos ao vivo ou gravados por meio da elaboração de textos
críticos:
• História da arte aplicada, da indumentária, da arte decorativa, arte contemporânea na composição de uma peça teatral e
seus personagens.
Construção de um espetáculo com ênfase em todos os elementos da criação teatral.
Análise das produções locais e realização de uma mostra de teatro envolvendo educandos da escola e artistas locais
convidados.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE NA EXPRESSÃO E ANÁLISE(APROFUNDAMENTO)


Investigação das diferentes danças e seu ambiente cultural:
• As diversas formas de registro gráficos da formação inicial e dos passos seqüenciais de uma coreografia;
• Compreensão dos diversos gêneros a que pertence a dança e em que época foi concebida;
• As várias linguagens que compõem a improvisação e a execução coreográfica individual e coletiva.
Pesquisa e análise das diferentes expressões em dança no Brasil e no mundo:
• Estudo teórico e prático das múltiplas formas de manifestação rítmica e gestual com elementos específicos das várias
formas de expressão corporal, influenciada pela composição temática e musical do espetáculo;
• Aperfeiçoamento d a capacidade de discriminação verbal, visual e cinestésica e de preparo corporal adequado em relação
às danças criadas, interpretadas e assistidas;
• Vivência de cooperação, respeito, diálogo e valorização das diversas escolhas e possibilidades de interpretação e de
criação em dança que ocorrem em sala de aula e na sociedade;
DANÇA • Desenvolvimento habilidades corporais, iniciando trabalho de memorização e reprodução de sequências de movimentos
quer criadas pelos educandos, pelo professor quer pela tradição da dança.
Identificação das características das diferentes danças em diferentes culturas e sua importância para os povos:
• Parâmetros e métodos de análise de dança significativos para o grupo, diferenciando-os da interpretação pessoal de cada
um levando em consideração à diversidade étnica e artística cultural.
Contextualização e análise de diferentes danças em seu momento histórico cultural de produção e recepção:
• Os dançarinos/coreógrafos e grupos de dança brasileiros e estrangeiros que contribuíram para a história da dança
nacional, reconhecendo e contextualizando épocas e regiões.
Pesquisa de produções locais(quadrilha, boi-bumbá, etc.) E outras influencias:
• Realização de apresentações de dança com educandos da escola e artistas locais convidados;
• Diferenciação entre repertório, improvisação, composição coreográfica e apreciação, atentando para as diferentes
sensações e percepções individuais e coletivas que ocorrem nos quatro processos;
• Realização de apresentações de dança com educandos da escola e artistas locais convidados.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética
das Linguagens.

Linguagens Conhecimentos requeridos - ênfase na expressão e análise(aprofundamento)


Postura critica em relação as produções de artes visuais por meio de elaboração de textos críticos:
• As diferentes representações artísticas como linguagem estética e comunicacional, através de pesquisa a partir do
renascimento italiano; a temática da pintura: fatos históricos, composições mitológicas, nus, paisagens e retratos; o
equilíbrio da composição e a harmonia do colorido.

Pesquisa e análise de obras de artes visuais produzidas no Estado de Rondônia:


• A arte de estilização tendo como fonte de pesquisa a flora e fauna Amazônica;
• O conhecimento acerca da Arte Contemporânea através de atividade artística de instalação;
• Características abstratas geométricas na obra de Cândido Portinari;
• Aplicação da monocromia através de confecção de obra abstrata geométrica;
ARTES VISUAIS • O conhecimento acerca das cores através da obra de Israel Pedrosa;
• O grafite e a pichação como manifestação social.
E
Identificação das características das obras de artes visuais encontradas em Rondônia: influência da cultura das
Populações tradicionais (indígenas, quilombolas, extrativistas, ribeirinhos) e de povos estrangeiros.
ÁUDIO-VISUAIS
Contextualização e análise das obras em seu momento histórico cultural de produção e recepção:
• O Tachismo como manifestação inserida na Arte Abstrata, utilizando-se dos recursos da ciência da computação;
• A Poesia Concreta como expressão plástica pertencente à Arte Abstrata;
• O processo da Arte Abstrata através da experiência do artista Vassily Kandinsky;
• A arte do expressionismo abstrato através de diversos autores (Jackson Pollock, Willem de Kooning, Arshile Gorky e
Robert Motherwell.
Realização de exposição de artes visuais com obras dos educandos e de artistas convidados de Rondônia.

OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
COMPONENTE CURRICULAR ARTE – NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Eixos: Linguagem e Interação, Práticas Sociais, Meio Ambiente e Diversidade Cultural, Múltiplas Linguagens e Estética das
Linguagens.

Linguagens CONHECIMENTOS REQUERIDOS - ÊNFASE NA EXPRESSÃO E ANÁLISE(APROFUNDAMENTO)


Percussão e expressão da voz:
• Articulação, integração e adaptação dos componentes da linguagem musical, considerando as características sonoras, cênicas e
sonoplásticas dos diversos gêneros, bem como qualidades e limites próprios dos diversos meios de transmissão e distribuição.
Aprofundamento nos diferentes instrumentos de percussão:
• Domínio artístico do instrumento e a gramática musical dos diferentes gêneros e estilos musicais, no contexto da execução;
• As tecnologias básicas aplicadas à execução musical;
• Criação e poetização a partir da obra do compositor;
• Os elementos básicos de postura, leitura e memória;
• Pesquisa de repertório, adaptando ao seu nível e ao público-alvo;
• A intenção estética do compositor;
• Articulação dos elementos da prática coletiva;
• As situações de improviso dentro de gêneros musicais diversos;
• A execução musical por meio da construção de saberes e da análise, reflexão e compreensão técnica e estética;
• As relações dos componentes básicos da leitura na execução;
MÚSICA
• As relações de sonoridade de acordo com a situação prática;
• Conhecimento e análise da morfologia musical.
Realização dos repertórios musicais com instrumentos de percussão e voz:
• Os instrumentos musicais clássicos e populares;
• Percepção e produção de sons musicais a partir de instrumentos tradicionais e populares e outros manufaturados com elementos da
natureza e outros materiais recicláveis.
Formação de grupos musicais na escola:
• Os diferentes estilos musicais desde o tradicional/clássico, religioso, profano, folclórico/regional, os contemporâneos e o ambiental.,
tanto nacionais como internacionais;
• Os diversos tipos de sons produzidos pela natureza;
• As variações das formas de composição e musicalização das poesias regionais.
Apresentações planejadas na escola (coral, grupo de percussão, perfomance) com os educandos e artistas convidados.
OBS: O professor poderá escolher a modalidade com a qual vai trabalhar de acordo com a sua formação específica: teatro, dança, artes visuais ou música.
14 ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS E SUGESTÕES DIDÁTICAS
SEXTO AO NONO ANO

O mundo atual caracteriza-se entre outros aspectos


pelo contato com imagens, cores, luzes, sons e movimento
em quantidades inigualáveis na história.
A capacidade criadora gera a necessidade de
uma educação para saber ver, perceber e sentir,
distinguindo sentimentos, sensações, ideias e qualidades
contidas nas formas e nos ambientes. Nas aulas de arte há
que se ter entendimento sobre os conteúdos, materiais, técnicas, expressões
com quais se esteja trabalhando.
Os professores e educandos precisam ter espaço para passarem por
um conjunto amplo de experiências de aprender e criar, articulando percepção,
imaginação, sensibilidade, conhecimento e produção artística pessoal e grupal.
Na medida em que tais experiências são acompanhadas de reflexão, trocas de
ideias, de pesquisa, de contextualização histórica e sócio cultural essas
práticas, transformam conhecimentos estéticos anteriores em compreensões
mais amplas e em prazer de conviver com a arte.
Os assuntos e atividades de aprender e entender a Arte proposta para
o Ensino Fundamental, devem possibilitar aos professores e aprendizes o
exercício de colaboração artística e estética com o grupo que convivem, com a
sua cultura e o patrimônio artístico da humanidade.
O intuito é colaborar com os professores/educandos tornando-os mais
perceptivos, reflexivos, criativos e responsáveis na busca de melhores
qualidades culturais na vida em comunidade, com ética e respeito pelo ser
humano.
Deste modo, é fundamental considerar as determinações econômicas
e sociais que interferem nas relações entre os homens, objetivos e culturas
para compreender a relatividade do valor estético e as diversas funções que as
Artes tem cumprido historicamente e que se relacionam com o modo de
organização das sociedades.
No ensino de Arte, portanto, o professor(a) poderá utilizar-se de diversas
metodologias dentre elas destacamos a “Metodologia Triangular do Ensino das
Artes” que consiste, basicamente, no entrecruzamento de três focos de
aprendizagens advindos do ensino da história da arte, da apreciação de obras
de arte e da produção artística.

NO CONTEXTO DAS ARTES VISUAIS/AUDIVOVISUAIS,


TEATRAL/CIRCENSE, MUSICAL E DANÇA O PROFESSOR SERÁ
UM FACILITADOR DA APRENDIZAGEM:

• respeitando o ritmo próprio do aluno;


• estimulando a criatividade;
• incentivando a leitura;
• estabelecendo relações com o mundo moderno, com outras áreas de
estudo e com diferentes profissões relacionadas a atividades artísticas.
• Familiarizando os educandos com as variadas formas de Tecnologias da
Informação e da Comunicação.

PROPORCIONANDO AO EDUCANDO:

• Identificar as características de cada técnica apreciando trabalhos e


observando os efeitos visuais e audiovisuais de luz, cor, linhas e
texturas;
• Distinguir e valorizar as técnicas e materiais empregados na arte através
dos séculos, enfatizando a arte brasileira e a produzida no Estado de
Rondônia;
• Apreciar obras de arte brasileira, da arte indígena e quilombola até o
modernismo;
• Reconhecer os componentes de cada material utilizado, bem como
explorar possibilidades variadas de desenho, pintura, recorte e colagem,
e do artesanato do Estado de Rondônia;
• Preparar materiais e executar trabalhos plástico-artesanais (utilitários e
decorativos);
• Identificar os tipos de suportes e modos de preparação( em especial os
encontrados na flora e fauna amazônica), para a realização de trabalhos
artísticos;
• Reconhecer as facilidades que os solventes, os diluentes e os produtos
naturais amazônicos possibilitam na execução de trabalhos artísticos;
• Operar os instrumentos reconhecendo a necessidade de conservação,
limpeza e organização ao realizar trabalhos artísticos (plásticos,
artesanais, da confecção de instrumentos musicais e objetos utilitários e
decorativos).

A SELEÇÃO DOS CONTEÚDOS NECESSÁRIOS AOS


CONHECIMENTOS REQUERIDOS EM ARTE

Pautados no processo de desenvolvimento do letramento “artístico”,


devemos procurar promover a formação artística e estética do aluno e a sua
participação na sociedade, independente do período de sua formação escolar.
É necessário, entretanto, que o professor tome os devidos cuidados,
considerando as habilidades existentes e dominadas pelos educandos, para
que possam ser ampliadas e refinadas.
Na comunidade na qual a escola se encontra inserida, existem pessoas e
materiais diversos que formam recursos humanos e material alternativo para
que o professor possa aprimorar e ampliar suas atividades intra e extraclasse.
Os conteúdos devem fornecer meios para que o aluno tenha a oportunidade de
vivenciar o maior número de formas de fruição das artes. É importante ressaltar
que isso não pode levar o professor a deixar de aprofundar as técnicas
especificas de cada conteúdo.
ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS E SUGESTÕES DIDÁTICAS
SEXTO AO NONO ANO

TEATRO

• Estudo do teatro através dos tempos. As representações teatrais de


diferentes épocas.
• História do teatro e da literatura dramática por meio de obras adaptadas
para as series. Exemplo: Trabalhar as adaptações dos clássicos da
literatura escritos para o ensino fundamental. Sonho de uma noite de verão,
de Shakeaspeare e Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes, O
auto da barca do inferno, de Gil Vicente, O auto da compadecida, Ariano
Suassuna, O noviço, de Martins Pena e outras adaptações de obras
literárias para o teatro.
• Adaptação de contos, crônicas, notícia de jornal e outros materiais.
• Peças teatrais contemporâneas.
• Trabalhar com a transposição de contos de fadas (narração) para peças de
teatro(drama).
• Para trabalhar a voz sugere-se que o professor use de músicas do
repertório popular.
• Trabalhar com noções de coro grego. É uma forma de solucionar a questão
do número de personagens, já que em uma sala de aula o professor
contará com um mínimo de 30 a 40 educandos.
• Dinâmicas e jogos teatrais. Sugere-se o livro de Viola Spolim para
preparação do professor. Jogos Teatrais e o livro Improvisação para o
Teatro.
• Trabalhar em forma de oficinas por meio de trabalhos de improvisação e
interpretação.
• Exercícios de interpretação utilizando a música como tema.
• Criação de pequenas cenas a partir do universo do adolescente. Os
próprios educandos criam os diálogos a partir de um tema sugerido pelo
professor ou pelo grupo.
• Exercícios corporais em grupos com ênfase na expressão dramática.
• Estudar as funções do teatro em diferentes contextos.
• Trabalhar com a construção de personagens, cenário, noções de
iluminação e figurino e sua importância no fenômeno teatral.
• Trabalhar com leituras dramáticas a partir de textos tradicionais e
contemporâneos ou criados pelos próprios adolescentes.
• Visitar outras escolas com o intuito de intercambio entre os trabalhos
realizados.
• Assistir espetáculos da cidade, ao vivo ou gravados. Assistir produções
nacionais gravadas.
• Oficinas: de cenário; de figurino; de sonoplastia; de maquiagem; de
dramaturgia; de palhaço.
• Relacionar todas as habilidades trabalhadas nas oficinas com o fazer teatral
culminando com um espetáculo no final do semestre, bimestre, por
exemplo.
• Assistir a peças de teatro em DVDs, espetáculos transmitidos online e
outras formas tecnológicas de audiovisuais.

ARTES VISUAIS E ÁUDIO-VISUAIS

• Identificar as características de cada técnica apreciando trabalhos e


observando os efeitos visuais/audiovisuais de luz/cor e linhas/texturas.
• Distinguir e valorizar as técnicas e materiais empregados nas artes
visuais através dos séculos, enfatizando a arte brasileira e a produzida
no Estado de Rondônia.
• Apreciar obras de artes visuais brasileiras, da arte indígena e quilombola
até o modernismo.
• Reconhecer os componentes de cada material utilizado, bem como
explorar possibilidades variadas de desenho e pintura, recorte/colagem
e do artesanato do Estado de Rondônia.
• Preparar materiais e executar trabalhos plásticos/artesanais(utilitários e
decorativos).
• Identificar os tipos de suportes e modos de preparação( em especial os
encontrados na flora e fauna amazônica), para a realização de trabalhos
artísticos.
• Reconhecer as facilidades que os solventes, os diluentes e os produtos
naturais amazônicos possibilitam na execução de trabalhos artísticos.
• Criação de obra de arte visual em duas dimensões: desenho, colagem,
retrato, paisagem, fotografia, pintura, gravura a partir de temas
escolhidos pelo grupo, seguida de análise crítica.
• Apresentação das especificidades da linguagem do desenho, da pintura,
da escultura, da arquitetura, para que o aluno se familiarize com as
diferenças nos modos de criação.
• Aprofundamento das noções de ponto, linha, plano, das características
de uma obra bidimensional e sua diferença com relação à obra
tridimensional.
• Pesquisa de obras de artes visuais em culturas diferentes, para que o
aluno perceba a arte como fenômeno histórico e social, e exercite o
respeito à diversidade cultural.
• Criação de obra de arte visual em duas dimensões: desenho, colagem,
retrato, paisagem, fotografia, pintura, gravura.
• Aplicação das noções de ponto, linha, plano, volume, cor, luz, textura,
para que o aluno domine completamente a linguagem das artes
visuais/audiovisuais.
• Criação de obras artísticas em três dimensões: maquete, escultura,
dobradura, cerâmica, encaixe, a partir de temas escolhidos pelo grupo,
seguida de análise crítica pelo grupo.
• Estudo orientado de tópicos de história das artes visuais, brasileira e
universal, nos diversos momentos históricos. Principais inovações
técnicas e mudanças temáticas ao longo da história.
• Frequentação às artes visuais indígenas e africanas, seus sentidos e
significados culturais, para que o aluno conheça as heranças
constitutivas da arte brasileira e possa criar obras que levem em conta
tais heranças.
• Pesquisa de análise de obras de artes visuais criadas em Rondônia e
análise das influências culturais nelas presentes, para percepção da arte
do entorno e da presença das influências. Apreciação e análise das
obras.
• Retomada do contexto de produção das obras, para percepção de sua
dimensão histórica e relação do momento de produção com a
contemporaneidade.
• Realização de oficinas de desenho, pintura, escultura, xilogravura, entre
outras.
• Registro de expressão criativa dos educandos, bem como de pesquisas
e análise por meio de fotos, relatos, textos de análise, narrativas e
filmagem.
• Organização de exposição com obras dos educandos e de artistas
convidados, de Rondônia.
• Apreciação e produção de artes visuais e audiovisuais através da
tecnologias de comunicação e informação.

DANÇA

• Noções de espaço, tempo, ritmo, movimento que serão desenvolvidos


na escola.
• Diferentes expressões em dança em diferentes épocas e contextos
históricos diferentes. Exemplo: Dança Clássica, Moderna,
Contemporânea.
• Estudo s danças populares: Tango, forró, samba, Boi-bumbá, Flamenco,
dança do ventre.
• A história da dança.
• Aprofundar questões relacionadas com a percepção gestual/corporal e a
sensibilidade estética.
• Estudar, entender e valorizar as diferentes manifestações em dança.
• Trabalhar o corpo por meio da consciência corporal, respeitando os
limites de cada um.
• Oficinas: de danças folclóricas regionais e nacionais; de improvisação e
danças criativas; oficinas de ritmo e movimento; de dança clássica; de
danças tradicionais e contemporâneas; de coreografia.
• Oficinas de cenário, figurino, iluminação e maquiagem aplicados à
dança.
• Assistir a espetáculos de dança ao vivo ou gravados.
• Pesquisa sobre coreógrafos.
• Pesquisa sobre as danças regionais e os espetáculos de dança
apresentados na cidade.
• Intercambio entre educandos e grupos de dança criados na escola.
• Trabalhar as relações entre a dança, o teatro, a música e as artes
visuais.
• Street dance e hip hop.
• A música, os sons, o ritmo e as danças.
• Utilização dos recursos audiovisuais no contexto da arte da dança.

MÚSICA

Considerando as Diretrizes Gerais para o Ensino de Música, a proposta


de metodologia está pautada na articulação teoria–prática, na solução de
situações–problema e na reflexão sobre a atuação profissional e o resultado do
processo de aprendizagem dos educandos. Pretende-se que em cada uma das
áreas da Arte Musical e dos conteúdos proposto para o ensino da Arte/Musical,
organizados pelas Escolas Estaduais de Rondônia, estejam garantidas a
organização e a flexibilidade nos espaços curriculares, nos tempos e meios que
permitam a construção e reconstrução dos conhecimentos, das experiências
necessárias atuação do professor (a) e o eficiente e eficaz aprendizado dos
educandos, anulando a antiga dicotomia entre a teoria e prática, respeitando
os preceitos étnicos, religiosos e culturais dos educandos e da comunidade em
geral, onde a instituição estiver inserida.

Sugestões de atividades:

• Operar os instrumentos reconhecendo a necessidade de conservação,


limpeza e organização ao realizar trabalhos de confecção de
instrumentos musicais.
• Aprendizagem de reconhecimento dos sons específicos de amplo
conjunto de instrumentos musicais.
• Aprofundamento das noções de notas, som longo, som curto,
intensidade, timbre, duração, altura, ritmo, harmonia e melodia, para que
o aluno sinta-se à vontade com a linguagem musical.
• Canto individual e em grupo, para percepção da voz como instrumento,
para percepção de si e do outro.
• Aprofundamento das noções de altura, duração, intensidade, timbre e
densidade.
• Frequentação às noções de harmonia, melodia, forma, gênero e ritmo,
para que o aluno possa perceber a complexidade do fazer musical.
• Pesquisa de repertório musical brasileiro e internacional, em diversos
estilos e décadas.
• Exercício de ritmos diferentes criados por culturas diversas para que o
aluno perceba-se receptor e criador no contexto da música mundial, e
perceba as diferenças e relações entre ritmos e culturas.
• Frequentação a música brasileira, incluindo-se música indígena e
música africana, com seus cantos, ritmos e instrumentos, para que o
aluno possa criar levando em consideração tais influências.
• Pesquisa orientada de tópicos de história da música brasileira e
universal.
• Pesquisa e análise de música de povos e etnias diversas e
conhecimento de suas especificidades.
• Pesquisa e análise de músicas criadas em Rondônia e análise das
influências culturais nelas presentes, para percepção da música do
entorno e da presença das influências.
• Realização de oficinas de prática de instrumentos.
• Registro de expressão criativa dos educandos, bem como de pesquisas
e análise por meio de fotos, relatos, textos de análise, narrativas,
filmagem e gravação.
• Organização de apresentação musical com educandos e músicos
convidados.
• Uso de programas tecnológicos para apreciação e exercício de técnicas
musicais diversas.
15 SUGESTÕES PARA AVALIAÇÃO

O trabalho com o ensino da Arte no Ensino Fundamental se ampara na


concepção de que Arte não se ensina, se expressa; é centrado então no
espontaneísmo e na liberação das emoções, sendo que a avaliação passa a
ser considerada a partir de aspectos afetivos e psicomotores, tornando
desnecessária a interferência do professor.

A partir desta proposta deve-se buscar a superação das formas de


avaliação arbitrária, autoritária que tem como objetivo a desclassificação dos
educandos talentosos ou incapazes, abandonando-os às suas próprias
condições.

A avaliação, deste modo, exige um novo posicionamento: dar ao


professor o suporte para controlar a qualidade do processo ensino-
apredizagem, rever a prática pedagógica que possibilite ao aluno dirigir-se para
a apropriação do conhecimento.

Neste sentido, a avaliação assume um caráter dinâmico, contínuo e


cooperativo no processo educacional. A avaliação não é para avaliar a
expressão, ou o trabalho do aluno, mas no seu trabalho avaliar o domínio que
este vai adquirindo nas formas de organização dos conteúdos trabalhados ou
elementos formais na composição artística.

Isto significa que há várias formas de organizar, de expressar as


qualidades estéticas dos objetos, sons e realidade, de forma que uma proposta
de representação artística tem por base o equilíbrio, a harmonia, a dinâmica,
podendo ser explorada e expressa por meio das Tecnologias da Informação e
da Comunicação. Estes aspectos pretendem evidenciar que o conhecimento
é o medidor da relação aluno-produção artística e a avaliação como parte deste
processo, deve possibilitar ao professor perceber em que medida houve a
apropriação do conteúdo proposto.

Como instrumentos de avaliação, sugerimos que o professor trabalhe


com portfólios, com o qual o aluno possa formar uma pasta com as suas
atividades, produções, textos e análises. Esse portfólio marca, portanto, uma
trajetória do aluno e uma progressão no componente curricular, o que
possibilita ao professor observar o desenvolvimento das habilidades
pretendidas.

Outro ponto importante que pode ser avaliado diz respeito à produção de
material artístico, seja ele em forma de espetáculo, exposição, apresentações
teóricas (seminários), recitais, o que se liga intrinsecamente com o
desenvolvimento de linguagem artística própria, conhecimento das múltiplas
linguagens, interação com o grupo e a comunidade, bem como exercício de
prática social significativa.

A criação e a expressão, em cada modalidade artística, tomada como


obra individual e coletiva, e o diálogo com as obras produzidas pelos artistas de
Rondônia pode ser valorizada no sentido do desenvolvimento do senso estético
sobre cada linguagem, do respeito e interlocução com as outras obras e o
convívio com a diversidade da produção artística e cultural do nosso povo.

É importante que o professor esteja atento à produção e à trajetória do


aluno para que possa fazer uma avaliação continua do seu progresso. Nessa
avaliação o professor pode analisar a participação do aluno, sua relação e
dedicação com a proposta, a criatividade, esforço, postura critica e expressão
corporal, de forma que o professor possa observar em que medida o aluno se
manifesta como ser integral: racional, sensível e imaginativo.

O professor pode, ainda, voltar o seu olhar para a percepção do


percurso formativo do aluno enquanto receptor crítico e fomentador da arte em
contextos de comunidade. Para tanto, há que atentar para o modo estético com
que o aluno transforma a realidade histórico-social.

Enfatizamos que são oferecidas apenas sugestões de trabalho, mas há


liberdade para o professor. Os contextos de um determinado aluno e de uma
determinada escola são particulares e as condições são adversas.
Entendemos que o currículo está sempre em construção e ele só se atualiza na
execução. Logo, essa execução se dá de modos diferenciados, pois se trata de
contextos diferentes, de professores diferentes, de educandos diferentes.
Sugerimos diretrizes. Caminhos. Possibilidades.
REFERÊNCIAS

ALMEIDA, A. M. Z. Palestra proferida no Seminário Estadual de Organização


Curricular Competências e Habilidades: da proposta à prática. SEDUC. Porto
Velho-RO, 2010.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Leonel Vallandro e Gerd Bornheim. 1ª


ed. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p.443-471. (Os pensadores, IV).

BARBOSA, Ana Mae. John Dewey e o Ensino da Arte. São Paulo: Editora
Cortez, 2002.
_____. Arte – Educação: leitura no subsolo. São Paulo: Editora Cortez, 1999.

_____. A imagem no ensino da Arte. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.

BERTALANFFY, L. V. Teoria Geral dos Sistemas. 3. ed. Petrópolis: Vozes,


1968.

BORGES, Regina Maria Rabello; MORAES, Roque. Educação em Ciências


nas séries iniciais. São Paulo: Sagra Luzzatto, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas


Tecnologias. 1998.

____, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino


Fundamental. Brasília: MEC, 1996.

____. Resolução CEB n.º 2, de 7 de abril de 1998, que institui as Diretrizes


Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental.

____. Resolução CEB n.º 3, de 26 de junho de 1998, que Institui as Diretrizes


Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.

____. Resolução n.º 4, de 13 de julho de 2010, que define as Diretrizes


Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica.

____. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº


9394/96. Brasília: 1996.

DEMO, Pedro. O desafio de educar pela pesquisa na educação básica. In:


DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 2ª. ed. Campinas, SP: Autores
Associados, 1997.

____, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia


científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

FREIRE, Paulo. O ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo:
Cortez, 46ª Ed., 2005.
____, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do
oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. Tradução de Álvaro


Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1998. (Paidéia).

HENGEMÜHLE, Adelar. Gestão de Ensino e Práticas Pedagógicas. 2ª. Ed.


Petrópolis, RJ: Vozes 2004.

HERNÁNDEZ, Fernando; VENTURA, Montserrat. A organização do currículo


por projetos de trabalho: O conhecimento é um caleidoscópio.Porto
Alegre: Artes Médicas, 1998.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. São Paulo: Vozes, 2005.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de


retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MEIRA, Mirela Ribeiro & Zamperetti, Maristani Polidori. Formação estética,


cultura visual e letramento sensível na formação docente. Disponível em:
http://forum.ulbratorres.com.br/2010/palestra_resumo/PALESTRA%202.pdf

___. Leitura e compreensão de texto falado e escrito como ato individual de


uma prática social. In: Zilberman, Regina; Silva, Ezequiel Theodoro. (orgs.)
Leitura- perspectivas interdisciplinares. 3. ed. São Paulo: Ática, 1995, p. 38-
57.

MOREIRA, Antonio F. (orgs.) Territórios Contestados: O Currículo e os


Novos Mapas Políticos e Culturais. Petrópolis: Vozes, 1995.

MORETTO, V. P. Prova- um momento privilegiado de estudo e não um


acerto de contas. 4ª ed. Rio de Janeiro. DP&A, 2004.

NOGUEIRA , N. R.. Pedagogia dos Projetos. 5ª ed. São Paulo, ed. Érica,
2001.

OCHÔA, Pedro Carlos de Aquino & MESTI, Regina Lúcia. Teatro na escola:
linguagens e processo criativo. Disponível em:
http://www.ple.uem.br/3celli_anais/trabalhos/estudos_literarios/pdf_literario/087.
pdf

PERRET-CLERMONT, A.N. La construcción de la inteligencia en la


interacción social: aprendiendo con los compañeros. Madrid: Visor Libros,
1984.

POZO, Juan Ignacio (Org.) A solução de problemas: aprender a resolver,


resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ROJO, Sara. Trânsitos e deslocamentos teatrais: de Itália a América


Latina. Rio Janeiro: Sete letras, 2005.
SABINSON, Maria Laura Trindade Mairynk-. O que se ensina quando se ensina
a ler e escrever? Ensina-se, mesmo, a ler e escrever? In: Leitura: teoria e
prática, nº 38, 2002 p. 52-60.

SCHILLER, F. A educação estética do homem. Numa série de


cartas.Tradução de Roberto Schwarz e Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras.
162p.

SOARES, Magda. Letramento (um tema em três gêneros). Belo Horizonte:


CEALE/ Autêntica, 1998.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte:


Editora Autêntica, 2ª edição, 2006.

STÜRMER, N. M. Fundamentos históricos e conceituais do novo


paradigma da gestão do currículo por competências e habilidades.
Palestra de abertura do Seminário de Organização do Currículo por
Competências e Habilidades. SEDUC. Porto Velho – RO, março 2010.

OBRAS CONSULTADAS (ARTES ÁUDIO-VISUAIS)

BARROSO, M. M.; BORGES, R. M. A.; SILVA, H. C. Arte sem graça.


Coletânea Amae Arte e Movimento. Belo Horizonte, Edição Especial, p. 16-19,
jun. 1996.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares

Nacionais: Arte. Brasília: MEC; SEF, 1997.

CZIKSZENTMIHALYI, 1988. In: [s.n.] Algumas definições de criatividade.

EDWARDS, B. Desenhando com o lado direito do cérebro. São Paulo:


Ediouro,1987.

GESTEIRA, M. M. Quando a escola é um palco. Coletânea Amae Arte e

Movimento. Belo Horizonte, Edição Especial, p. 46-51, jun. 1996.

HAETINGER, M. G. O universo criativo da criança na educação. [s.l.]:


Instituto Criar, 2005.

BASTIDE, Roger. Arte e Sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional,


1970

BAY, Dora M. D. Foucault: A Arte entre a Razão e o Desatino. 2003. Anais


do Seminário Internacional ‘Foucault: Perspectivas’. Florianópolis, 2004. - CD-
ROM.18

____.A Socialização da Arte – Teoria e Prática na América Latina. São Paulo:


Editora Cultrix. 1984,
FOUCAULT, Michael. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes,
2002

____. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Coleção Ditos e

Escritos, Volume III. 2001, São Paulo: Forense Universitária.

FRANCASTEL, Pierre. Pintura e Sociedade. 1990, São Paulo: Martins Fontes.

FREUD, Sigmund. Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas


Completas de Sigmund Freud. S/d. São Paulo: Imago/Z - Movie Studio. DC-
ROM.

GALIMBERTI, Umberto. Rastros do Sagrado. São Paulo: Paulus, 2003,

GIOVANE, Sergio. Historia de la Estética. 1990, Madrid: Editorial Tecnos.

HADJNICOLAOU, Nicos. História da Arte e Movimentos Sociais. 1989, Lisboa:


Edições Setenta.

MARX, K. ENGELS, F. Sobre Literatura e Arte. 1979, São Paulo: Parma.

OCAMPO, Estela y PERAN, Martí. Teorias Del Arte. 1993, Barcelona: Içaria
Editorial.

VELHO, Gilberto.(org.). Sociologia da Arte - I. 1971, Rio de Janeiro: Zahar.

____ . Sociologia da Arte – II. 1977, Rio de Janeiro: Zahar.

OBRAS CONSULTADAS (TEATRO)

AMARAL, Ana Maria. Teatro de animação - Da teoria à prática. São Paulo:


Ateliê Editorial, 1997.

AMARAL, Ana Maria. Teatro de formas animadas – Máscaras, bonecos e


objetos. 3a Ed. São Paulo: Editora USP, 1996.

BELTRAME, Valmor. Teatro de Sombras: técnica e linguagem –


Florianópolis: UDESC, 2005.

BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro. [ tradução Maria Paula V.


Zurawski, J. J. Guinsburg, Sergio Coelho e Clóvis Garcia ] – São Paulo:
Perspectiva, 2001.

BRASIL/MEC - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS – ARTE (3º e 4º


ciclos do Ensino Fundamental). Brasília, 1998.
LADEIRA , Idalina; CALDAS, Sarah; Fantoche & Cia. 2a Ed. São Paulo:
Editora Scipione, 1993.

REINIGER, Lotte. Filme/Películas. Insituto Goethe. Editora Mayr – Miesbach.


Munich, 1999.

VIANNA, Tiche; STRAZZACAPA Márcia. O teatro na sala de aula. In: S.


Ferreira (org). O ensino das artes: - construindo caminhos, p.115-139.
Papirus 4ª. Edição (coleção Ágere) Campinas – SP: 2001.

OBRAS CONSULTADAS (DANÇA)

MARQUES, I. Ensino de Dança Hoje: textos e contextos. São Paulo, Cortez,


1999.

MARQUES, I. Parâmetros Curriculares Nacionais e a Dança: Trabalhando


com os Temas.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário de Folclore. RJ: Instituto Nacional do


Livro.

EDELWEISS, Frederico. Apontamentos de Folclore. Salvador: Centro


Editorial e Didá.

FERRAZ, Maria Heloísa C. de T. Metodologia do Ensino de Arte. São Paulo:


Cortez, 1993.

FUX, Maria. Dança, Experiência de Vida. São Paulo: Summus, 1983.

GALEFFI, Romano. Fundamentos da Criação Artística. São Paulo:


Melhoramentos, Ed. Da Universidade de São Paulo, 1977.

HEMSEY DE GAINZA, Violeta. Estudos de Psicopedagogia musical. São


Paulo: Summus, 1988.

MERQUES, Isabel A. Ensino de Dança Hoje. São Paulo: Cortez, 1999.

MOISÉS, Massaud. A Criação Poética. São Paulo: Melhoramentos, 1977.

.OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processo de Criação. Petrópolis: Vozes,


1982.

PELEGRINI FILHO, Américo. Antologia do Folclore Brasileiro. São Paulo:


Edart, 1982.
OBRAS CONSULTADAS (MÚSICA)

BRASIl. Lei 5.692/71 - Fixa Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º


graus. Brasília, 1971.

BRASIL. Presidência da República. Lei 9.394/96 – Estabelece as Diretrizes e

Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares

Nacionais. Arte. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FIGUEIREDO, S. L. F. de. A Preparação Musical de Professores


Generalistas no Brasil. Revista da ABEM, Porto Alegre, V. 11, p. 55-61, set.
2004.

GIROUX, H. A.; ROGER S.; Cultura Popular e Pedagogia Crítica: a vida


cotidiana como base para o conhecimento curricular. p. 93-124. In:_MOREIRA,
A. F.; SILVA, T. T. da. (orgs.). Currículo, cultura e sociedade. 8. ed. São Paulo:
Cortez, 2005.

HENTSCHKE L. Ensino de Música para Todos. Jornal da Universidade


Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, ano XI, n. 108, p.2, mai. 2008.
Disponível em:

<http//www.ufrgs.br/comunicacaosocial/.../pagina2.htm – > Acesso em: 15

Agos.2009.

JEANDOT, N. Explorando o Universo da Música. 3.ed. São Paulo: Scipione,


2008.

KEBACH, P. F. C. Desenvolvimento Musical: questão de herança genética


ou de construção? Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 17, p. 39-48, set. 2007.
Disponível

em:http//www.abemeducacaomusical.org.br/Masters/revista17/revista17_artigo
4.pdf> Acesso em: 15 Agos. 2009.

LOUREIRO, A. M. A. A Educação Musical como Prática Educativa no


Cotidiano Escolar. Revista da ABEM, Porto Alegre, n.10, p. 65-74, 2004.
Disponível em:

<http//www.abemeducacaomusical.org.br/Masters/.../revista10_artigo9.pdf - >

Acesso em: 15 Ago.2008.


FICHA TÉCNICA

COORDENAÇÃO GERAL DO PROJETO:

Prof.ª Ms. Ana Maria Zimmer de Almeida

Prof.ª Dr.ª Maria do Socorro Beltrão Macieira

Prof.ª Ms. Maria José Ribeiro de Sousa

Prof.ª Dr.ª Walterlina Brasil

Prof.ª Dr.ª Wany Bernardete de Araújo Sampaio

COORDENAÇÃO DE EDITORAÇÃO:

Coordenação Geral: Prof.ª Dr.ª Maria do Socorro Beltrão Macieira

Designer Gráfico e Diagramador: Maico Krause

Designer Gráfico e Diagramador: Mirocem Beltrão Macieira

Webdesigner e Diagramador: Marco Aurélio Dausen

Diagramador: Waldiney Farias Braga

Revisores:

Prof. Dr. Júlio César Barreto Rocha

Prof.ª Dr.ª Lou-Ann Kleppa

Prof.ª Especialista Erislene Lacerda Pereira