Você está na página 1de 16
Zandalee: Deslocamento e Sublimação 4 INTRODUÇÃO O mecanismo de desenvolvimento e de defesa do ego –

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

4

INTRODUÇÃO

O mecanismo de desenvolvimento e de defesa do ego – deslocamento é um dos mais úteis para o indivíduo; já dizia Freud naquela época que enquanto os outros mecanismos de defesa eram considerados como “anormais”, o mecanismo de defesa deslocamento fora considerado como normal. O deslocamento como o próprio nome já diz, desloca a energia pulsional de um objeto não possível externamente ou internamente para outro possível. Com isso vem a tona resíduos de tensão, que pode acometer-se de várias formas. Enquanto que a sublimação é também um deslocamento porém ela transfere o indivíduo de um comportamento que é considerado “impróprio” pela sociedade para uma outra área o qual a sociedade permite. O filme Zandalee está recheado de deslocamento e sublimações, podemos observar no decorrer do relatório.

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 5 DESLOCAMENTO Através do mecanismo de defesa deslocamento, um motivo que não

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

5

DESLOCAMENTO

Através do mecanismo de defesa deslocamento, um motivo que não pode ser gratificado de uma maneira é desviado para outro canal. Um exemplo de deslocamento é a cólera que não podia ser dirigida à fonte de frustração e que era desviada para um objeto menos ameaçador. Freud considerava que o deslocamento era a maneira mais satisfatória de lidar com impulsos agressivos e sexuais. As pulsões básicas não podem ser mudadas, mas podemos mudar o objeto ao qual dirigimos uma pulsão. Impulsos eróticos que não podem ser expressos de maneira direta podem encontrar expressão indireta em atividades criativas como a arte, a poesia e a música. Impulsos hostis podem encontrar expressão socialmente aceita através da participação em esportes de contato. (HILGARD, 2002, p. 512). O deslocamento ocorre quando o afeto contido em relação à certa pessoa, explode contra outra. Normalmente as fobias nos dão um claro conhecimento sobre o deslocamento, principalmente as fobias de animais. Mas o deslocamento é de certa forma, um mecanismo conhecido pelas pessoas de forma geral. Por exemplo, o marido que ouve um sermão do chefe no escritório, fica com raiva e humilhado, mas não reage porque teme perder o emprego. Quando chega em casa, ao primeiro movimento errado do filho ou da mulher, ele tem uma explosão. Todos nós já observamos esse mecanismo ocorrendo. Mas o deslocamento pode ser mais sofisticado e assim, um indivíduo pode deslocar percepções que tinha das figuras parentais para seus companheiros e comportarem- se com eles da forma como se comportaram com os pais. (HILGARD, 2002, p. 512). Parece improvável que o deslocamento realmente elimine os impulsos frustrados, mas atividades substitutas ajudam a reduzir a tensão quando um impulso

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 6 básico é frustrado. Por exemplo, as atividades de cuidar dos outros

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

6

básico é frustrado. Por exemplo, as atividades de cuidar dos outros ou procurar uma companhia podem ajudar a reduzir a tensão associada com necessidades sexuais insatisfeitas. (HILGARD, 2002, p. 512). O mecanismo de defesa deslocamento se refere à representação de uma parte pelo todo e vice-versa, ou, de modo geral, à substituição de uma idéia ou imagem por outra a ela ligada por associação. É o caso de alguém que tendo tido uma experiência desagradável com um policial, reaja desdenhosamente, em relação a todos os policiais. Freud presumiu que tais substituições eram devidas a um deslocamento da catexia, ou que dela dependia, isto é, à carga de energia psíquica de um pensamento ou idéia para outro. Daí sua escolha da palavra “deslocamento”:

o que se desloca é a catexia. Incidentalmente, esse termo ilustra a íntima relação entre o pensamento de processo primário e as formas características de regular a energia do impulso, também denominadas de processo primário. Nesse caso, a pronta tendência ao deslocamento, característica do pensamento de processo primário, relaciona-se à mobilidade das catexias que descreveremos como peculiar ao processo primário. (BRENNER, 1987, p.66) A teoria psicanalítica do deslocamento apela para a hipótese econômica de uma energia de investimento suscetível de se desligar das representações e de deslizar por caminhos associativos. O “livre” deslocamento desta energia é uma das principais características do modo como o processo primário rege o funcionamento do sistema inconsciente. (LAPLANCHE & PONTALIS, 1987, p. 116)

Quando uma escolha de objeto original de um instinto se torna inacessível por barreiras externas ou internas (anticatexias), uma nova catexia se forma, a menos que ocorra uma forte repressão. Se essa nova catexia também é bloqueada, ocorre um outro deslocamento, e assim por diante, até ser encontrado um objeto

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 7 que traga certo alívio para a tensão encurralada. Esse objeto é

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

7

que traga certo alívio para a tensão encurralada. Esse objeto é então catexizado até perder seu poder de reduzir a tensão, momento em que é instituída outra busca por um objeto apropriado. Durante toda a série de deslocamentos que constitui, em grande medida, o desenvolvimento da personalidade, a fonte e a meta do instinto permanecem constantes. É só o objeto que varia. (HALL, et. al, 2000, p.62)

Um objeto substituto raramente é tão satisfatório ou redutor de tensão quanto o objeto original, e quanto mais diferente for o objeto substituto do original menos a tensão é reduzida. Em conseqüência de numerosos deslocamentos, vai-se acumulando uma grande tensão, que age como uma permanente força motivacional para o comportamento. A pessoa está constantemente buscando maneiras novas e melhores de reduzir a tensão. Isso explica a variabilidade e a diversidade do comportamento, assim com a inquietude humana. Por outro lado, a personalidade realmente se torna mais ou menos estabilizada com a idade, devido aos compromissos feitos entre as forças pulsionais dos instintos e as resistências do ego e do superego. (HALL, et. al, 2000, p.62)

"Os interesses, os apegos e todas as outras formas de motivos adquiridos persistem porque são até certo grau frustrantes, assim como satisfatórios. Eles persistem porque não produzem uma

satisfação completa

Todo compromisso é ao

... mesmo tempo uma renúncia. A pessoa desiste de

alguma coisa que realmente quer, mas não pode ter, e aceita uma segunda ou terceira melhor escolha que pode ter." (HALL, 1954, p. 104)

Freud salientou que o desenvolvimento da civilização foi possível devido à inibição das escolhas objetais primitivas e ao desvio da energia instintual para canais socialmente aceitáveis e culturalmente criativos, com isso observamos o quanto é importante a sociedade o mecanismo de defesa deslocamento. A direção tomada por um deslocamento é determinada por dois fatores:

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 8 ∑ a semelhança do objeto substituto com o original e, ∑

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

8

a semelhança do objeto substituto com o original e,

as sanções e as proibições impostas pela sociedade.

O fator de semelhança é na verdade o grau em que os objetos são identificados na mente da pessoa. Leonardo pintava madonas em vez de camponesas ou aristocratas porque imaginava sua mãe mais parecida com uma madona do que com qualquer outro tipo de mulher. A sociedade, agindo por meio dos pais e de outras pessoas disciplinadoras, autoriza certos deslocamentos e proíbem outros. A criança aprende que é permitido chupar um pirulito, mas não o polegar. (HALL, et. al, 2000, p.63) A capacidade de formar catexias objetais substitutas é o mecanismo mais poderoso para o desenvolvimento da personalidade. A complexa rede de interesses, preferências, valores, atitudes e apegos que caracterizam a personalidade do adulto humano é possibilitada pelo deslocamento. Se a energia psíquica não fosse deslocável e distributiva, não haveria nenhum desenvolvimento da personalidade. A pessoa seria meramente um robô mecânico, levada pelos instintos a executar padrões fixos de comportamento. (HALL, et. al, 2000, p.63) Em Psicopatologia da Vida Cotidiana, (FREUD, S. 1901) no Capítulo IV - Lembranças da Infância e Lembranças Encobridoras, no qual Freud inicia levantando a hipótese de que "nas lembranças da primeira infância são preservados tudo aquilo que é indiferente e sem importância ao passo que (amiúde, contudo nem sempre) na memória dos adultos não há vestígios de impressões daquela época, que sejam importantes, muito impressionantes e plenas de afeto". Nessa constatação ele vê o mecanismo de deslocamento atuando como principal operador dessas transformações mnêmicas. Mais adiante, ele descreve como funciona a "multiplicidade das relações e dos significados das lembranças encobridoras". Define

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 9 em três exemplos como se dá esta relação do inconsciente com

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

9

em três exemplos como se dá esta relação do inconsciente com o tempo, demonstrando que ele é absolutamente livre das amarras causais que o este nos impõe.

"Naquele exemplo, o conteúdo da lembrança encobridora pertencia a um dos primeiros anos da infância, ao passo que as vivências mentais por ela substituídas na memória que haviam permanecido quase inconscientes, ocorreram na vida posterior do sujeito. Designei essa espécie de deslocamento de retroativo ou retrocessivo" (FREUD, S. 1901 p.68)

Sublimação

Um deslocamento que produz uma realização cultural superior é chamado de sublimação. Freud observou, em relação a isso, que o interesse de Leonardo da Vinci por pintar madonas era uma expressão sublimada de um desejo de intimidade com a mãe, de quem ele fora separado da tenra idade. Uma vez que a sublimação não resulta em uma satisfação completa, não mais que o deslocamento, sempre fica certa tensão residual. Essa tensão pode descarregar-se na forma de nervosismo ou inquietude, condições que Freud apontou como o preço que os seres humanos pagavam por seu status civilizado. (HALL, et. al, 2000, p.63) O ego normalmente funciona de modo a conseguir o máximo grau de satisfação dos impulsos compatíveis com as limitações impostas pelo ambiente. Podemos tomar como exemplo o desejo infantil de brincar com fezes, que é por certo, um derivativo dos impulsos. Em nossa cultura esse desejo é em geral fortemente contrariado pelos pais da criança pequena ou seus substitutos. Acontece

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 10 então, muitas vezes, que a criança desiste de brincar com as

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

10

então, muitas vezes, que a criança desiste de brincar com as fezes e, em vez disso, passa a fazer bolos de lama. Mais tarde, a modelagem em argila ou plasticina pode substituir o brinquedo com a lama e, em casos excepcionais, o indivíduo poderá se tornar na vida adulta um escultor amador ou mesmo profissional. A investigação psicanalítica indica que cada uma dessas atividades substitutas proporciona um certo grau de gratificação do impulso infantil original, de brincar com fezes. Entretanto, em cada caso a atividade originalmente desejada modificou-se no sentido da aceitação e aprovação social. Além do mais, o impulso original, como tal, tornou-se inconsciente na mente do indivíduo a modelar ou esculpir em argila ou plasticina. Finalmente, na maior parte de tais atividades substitutas, o processo secundário tem papel de maior relevância que o tinha no desejo ou na atividade infantil, original. Naturalmente, esta última é menos evidente em um exemplo como o que escolhemos do que o seria no caso da pessoa que se tornasse um especialista em parasitas intestinais em vez de um escultor. (BRENNER, 1987, p. 108) O que chamamos sublimação é uma atividade substituta dessa natureza que se adapta ao tempo às exigências do ambiente e proporciona uma certa gratificação inconsciente ao derivativo de um impulso infantil que fora repudiado em sua forma original. Em nossos exemplos, o brinquedo com bolos de lama, a modelagem, a escultura e o estudo de parasitas intestinais constituem sublimações do desejo de brincar com fezes. Podemos igualmente dizer que são todas manifestações, em diferentes níveis de idade, do funcionamento normal do ego, que atua no sentido de harmonizar e satisfazer as exigências do id e do ambiente, de natureza tão completa e eficaz quanto possível. (BRENNER, 1987, p. 109)

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 11 CENAS DO FILME ZANDALEE Zandalee conta a história de um triângulo

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

11

CENAS DO FILME ZANDALEE

Zandalee conta a história de um triângulo amoroso o qual termina em tragédia com a morte dos protagonistas: Zandalee e Thierry. Thierry é um poeta, e ex-professor de literatura que, em crise existencial, se viu obrigado a assumir o cargo de diretor na Empresa que herdou de seu pai e que, agora, se acha num processo para ser vendida. Ele é casado com a bela e sensual Zandalee, uma mulher que está sofrendo com a falta de atenção sexual do marido para com ela, devido a uma disfunção sexual (disfunção erétil). Thierry encontra Johnny, um velho amigo de infância, que há muitos anos não o via, numa festa de despedida de solteiro. Johnny é um pintor decadente, pobre e viciado em drogas. Ao saírem da festa, Thierry leva o amigo até sua casa, onde o apresenta à sua família: sua esposa e sua avó.

A corrida ninfomaníaca de Zandalee

Observamos no filme que Zandalee é uma pessoa o qual o sexo corre em suas veias, o filme inicia com Zandalee regando as plantas, porém pouco depois ela já está sem roupa, cantarolando e dançando; o seu marido Thierry ao fazer a barba se corta, então ela já vê esse corte como uma abertura para sexo, e começa a chupar o corte do pescoço de Thierry. Depois da fuga de seu marido, com a desculpa que teria que trabalhar então Zandalee vai aliviar sua energia sexual canalizando-a para uma atividade física o qual podemos observar durante o filme que é bastante exagerada: a corrida. Zandalee corre, e essa corrida, observemos que tem uma relação muito grande com o fato de como Zandalee gosta de fazer

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 12 sexo. Observe que na primeira cena Zandalee em sua caminhada se

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

12

sexo. Observe que na primeira cena Zandalee em sua caminhada se arrisca a

passar durante a passagem de dois trens, e em outra cena mais adiante podemos

ver que Zandalee vai se atravessar em frente a uma bicicleta.

“O que chamamos sublimação é uma atividade substituta

dessa natureza que se adapta ao tempo às exigências do

ambiente e proporciona uma certa gratificação inconsciente ao

derivativo de um impulso infantil que fora repudiado em sua

forma original. (BRENNER, 1987, p. 109)

“Através do mecanismo de defesa deslocamento, um motivo

que não pode ser gratificado de uma maneira é desviado para

outro canal. (

...

).

Freud considerava que o deslocamento era a

maneira mais satisfatória de lidar com impulsos agressivos e

sexuais”. (HILGARD, 2002, p. 512).

“O quadro” – raiva, inveja, etc

Johnny pede para seu amigo ser modelo de um quadro seu,

aparentemente observamos que é um ato de “boa vontade”, gratidão, etc., porém o

que está por trás desse quadro? O pintar desse quadro servirá para amenizar o

sentimento de inveja, de ira, por Thierry, já que ele é um indivíduo que tem uma

família: uma linda esposa, uma avó, e por ser um empresário – chefe de Johnny.

Podemos observar que em uma cena o qual Johnny Collins depois da

morte de Thierry, não consegue mais êxito na pintura, fica agoniado, atônito e

destrói todo o seu atelier.

“Um exemplo de deslocamento é a cólera que não podia ser

dirigida à fonte de frustração e que era desviada para um

objeto menos ameaçador. As pulsões básicas não podem ser

mudadas, mas podemos mudar o objeto ao qual dirigimos uma

pulsão. Impulsos sexuais e agressivos que não podem ser

expressos de maneira direta podem encontrar expressão

indireta em atividades criativas como a arte, a poesia e a

música. Impulsos hostis podem encontrar expressão

socialmente aceita através da participação em esportes de

contato”. (HILGARD, 2002, p. 512).

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 13 O cabelo de Zandalee – a representação da traição

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

13

O cabelo de Zandalee – a representação da traição

Zandalee chega ao quarto quando Thierry está se arrumando, ele

pergunta: o que fez com seu cabelo? É só uma experiência. Ele logo exclama: ficou

estranho, não combina com você.

Dá pra notar aqui que Thierry desloca o sentimento de traição que ele

está sentindo, para o cabelo; Thierry é incapaz de conversar com sua esposa a

respeito, pois quando ela foi o procurar para conversar sobre o assunto ele logo

renunciou dizendo não ser confessor dela, então ele tenta transferir, canalizar para

outros meios esse sentimento de traição.

“Através do mecanismo de defesa deslocamento, um motivo

que não pode ser gratificado de uma maneira é desviado para

outro canal. (

...

).

Freud considerava que o deslocamento era a

maneira mais satisfatória de lidar com impulsos agressivos e

sexuais”. (HILGARD, 2002, p. 512).

“Durante toda a série de deslocamentos que constitui, em

grande medida, o desenvolvimento da personalidade, a fonte e

a meta do instinto permanecem constantes. É só o objeto que

varia”. (HALL, et. al, 2000, p.62)

Raiva transferida

O deslocamento ocorre quando o afeto contido em relação à

certa pessoa, explode contra outra. (HILGARD, 2002, p. 512).

Após ter feito sexo com seu amante, o pintor Johnny Collins, Zandalee

chega em casa tarde da noite e encontra seu esposo dormindo. No outro dia em sua

loja de confecção, ao ver dois indivíduos negociando drogas, expele toda a sua

raiva, sua angústia por não conseguir fazer sexo com seu marido e pelos problemas

que estão acontecendo em sua vida, para os dois traficantes e xinga o bairro pelo

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 14 acontecido: esse bairro é um lixo (sic). Porém o seu amigo

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

14

acontecido: esse bairro é um lixo (sic). Porém o seu amigo homossexual confirma

que não é o bairro e aquele episódio acontece em todo lugar. Então ela concorda.

Há também a tensão que ela enfrenta por está substituindo, o marido pelo

amante, buscando o alívio da energia sexual.

“A pessoa desiste de alguma coisa que realmente quer, mas

não pode ter, e aceita uma segunda ou terceira melhor escolha

que pode ter." (HALL, 1954, p. 104)

Um objeto substituto raramente é tão satisfatório ou redutor de

tensão quanto o objeto original, e quanto mais diferente for o

objeto substituto do original menos a tensão é reduzida. Em

conseqüência de numerosos deslocamentos, vai-se

acumulando uma grande tensão, que age como uma

permanente força motivacional para o comportamento. (HALL,

et. al, 2000, p.62)

A espera
A espera

Quando Zandalee sai com a desculpa que vai almoçar (porém vai à casa

do amante), então sua amiga Scarlet, pergunta se não vai convidá-la para almoçar

juntas, então ela nada diz. E Scarlet conclui, vou cobrir seu caso, então Zandalee se

justifica: alivia a pressão ...

Zandalee vai à casa de seu amante, Collins, e o espera. Não o

encontrando, então ela chega a revirar tudo, derramou tinta em cima da cama, virou

uma mesa com material de pintura, quebra e desenrola toda a fita da secretária

eletrônica, chuta a cadeira e vai embora.

Ela não podia bater em seu amante, mas, no entanto conseguiu algo

parecido, algo que pertencia a ele, a sua morada.

Parece improvável que o deslocamento realmente elimine os

impulsos frustrados, mas atividades substitutas ajudam a

reduzir a tensão quando um impulso básico é frustrado.

(HILGARD, 2002, p. 512).

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 15 O trabalho como suspiro sexual

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

15

O trabalho como suspiro sexual

Notamos que em todo o filme, Thierry está trabalhando, se dedicando a

empresa que fora do seu pai. Podemos vê-lo na cena em que está com o advogado

da empresa: temos um problema, diz Thierry; e então o advogado discorda: acho

que não; há uma discrepância nas quantias a serem pagas. Não há discrepâncias,

discorda ainda o advogado; concordamos em US$ 4900; e eles continuam o diálogo

enquanto Thierry fica irritado com a notícia da perda de 50.000 doláres envolvidos

na transação e.

Na cena em um restaurante almoçando com o corretor amigo do vereador

que está querendo vender um apartamento reformado e está tentando driblá-lo para

conseguir que Thierry aceite a proposta imposta por ele na negociação. Em outra

cena com Collins, dizendo que impediu do amigo Johnny ser demitido.

Com isso podemos claramente visualizar a dedicação que Thierry destina

para a sua empresa o qual fazemos uma analogia ao que Zandalee faz com a sua

corrida. Ele vê a empresa como um meio de sublimar, canalizar toda a sua energia

sexual “pseudo-latente” (pois ela está manifesta).

Freud salientou que o desenvolvimento da civilização foi

possível devido à inibição das escolhas objetais primitivas e ao

desvio da energia instintual para canais socialmente aceitáveis

e culturalmente criativos. (HALL, et. al, 2000, p.63)

Tenho que pintar

...

(Johnny)

Dentre vários quadros expostos na casa de Johnny, o comprador apenas

admira um. Excelente esse, você se libertou (sic). Porém J. Collins se irrita e diz que

aquele é velho; o quadro parece figurar o sofrimento de um homem.

J. Collins se irrita e destrói todo o atelier, todas as suas telas e pinturas,

suja-se todo; uma mistura de ódio, inveja e culpa. Dane-se, dane-se tudo. Dane-se,

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 16 dane-se tudo, repetia várias vezes. “Mas quando não pinto tudo fica

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

16

dane-se tudo, repetia várias vezes. “Mas quando não pinto tudo fica uma droga”

(sic). Já dizia Collins na apresentação da família de Thierry no início do filme.

Ora, se Collins pintava com o intuito de canalizar a ira, a raiva, e a inveja

sentida por Thierry, quem servirá de modelo agora? Portanto ele destrói todo o seu

material de pintura.

Freud salientou que o desenvolvimento da civilização foi

possível devido à inibição das escolhas objetais primitivas e ao

desvio da energia instintual para canais socialmente aceitáveis

e culturalmente criativos, com isso observamos o quanto é

importante a sociedade o mecanismo de defesa deslocamento.

(HALL, et. al, 2000, p.63)

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 17 CONCLUSÃO Como o próprio Freud colocou em seus textos, o mecanismo

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

17

CONCLUSÃO

Como o próprio Freud colocou em seus textos, o mecanismo de defesa e

desenvolvimento deslocamento é importante para que não sejamos meros robôs,

que desejamos o que não é possível e nos acomodemos; pelo contrário, somos

“programados” para nos adaptar, ou seja, não temos aquilo que desejamos vamos

em busca do que o substitui e que tem uma semelhança. Já diz um provérbio

popular: “quem não tem cão, caça com o gato”.

Por essa adaptação que gera a civilização da sociedade pagamos um

preço que são os resíduos da energia que utilizamos para o deslocamento, ou seja,

quando o deslocamento é feito, o nosso grau de satisfação vai depender da

semelhança do objeto substituto com o original, porém mesmo assim ficam

resquícios que podem interferir na vida cotidiana.

O filme foi de grande valia para visualizar de como o deslocamento

acontece, recheado de cenas picantes, nos deu um sabor especial e que não foi

cansativo para a equipe.

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 18 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ATKINSON, Rita L. et al. Introdução a psicologiahttp://www.psicanalise.org/joaorego/joa_textos/jrego_psi_3.htm#up 8. ZIMMERMAN, David E. Fundamentos Psicanalíticos, Teoria, Técnica e Clínica . Artmed: Porto Alegre, 1999. " id="pdf-obj-14-2" src="pdf-obj-14-2.jpg">

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

18

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • 1. ATKINSON, Rita L. et al. Introdução a psicologia de Hilgard. 13. ed. Porto

Alegre: Artmed, 2002.

  • 2. BRENNER, Charles. Noções Básicas de Psicanálise. 5ª ed. Imago Editora.

São Paulo, 1987.

  • 3. DORSH, Friedrich; HÄCKER, Hartmut. Dicionário de Psicologia. Editora

Vozes: Petrópolis, 2001.

  • 4. FREUD, Sigmund. A Psicopatologia da Vida Cotidiana. Edição Standard

Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud Vol. VI . Rio de

Janeiro. IMAGO 1987

  • 5. FREUD, Sigmund. O Mal-Estar na Civilização. Edição Standard Brasileira

das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud Vol.XXI. Rio de Janeiro.

IMAGO 1974

  • 6. HALL, Calvin S. Teorias

da Personalidade.

4

ed. Porto Alegre:

Artes

Médicas Sul, 2000.

  • 7. INTERNET: acessado em 15/09/2004 e disponível no seguinte endereço:

  • 8. ZIMMERMAN, David E. Fundamentos Psicanalíticos, Teoria, Técnica e

Clínica. Artmed: Porto Alegre, 1999.

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 19 The end

Zandalee: Deslocamento e Sublimação

19

Zandalee: Deslocamento e Sublimação 19 The end

The end