Você está na página 1de 3

1º Semestre de 2018

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ESTADO DE SÃO PAULO


CAMPUS SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
FENÔMENOS ELETROMAGNÉTICOS EXPERIMENTAL
Professora Kelly C. J. Sakamoto

ROTEIRO DO EXPERIMENTO 2 – EQUIVALÊNCIA ELETRICIDADE-CALOR

A. OBJETIVOS
A partir do experimento da equivalência
eletricidade-calor determinar a relação
quantitativa entre as energias elétrica e o
calor.
Demonstrar a conservação de energia e
determinar a eficiência em termos de energia
luminosa de uma lâmpada incandescente.
Figura 1. Material a ser utilizado do kit PASCO
B. PARTE EXPERIMENTAL Modelo TD-8552 (EEH).

Para a realização deste experimento será ATENÇÃO! Neste experimento, sempre seguir
usado o kit didático de equivalência as seguintes precauções:
eletricidade-calor da PASCO Modelo TD-8552 i) Não exceder a marca do frasco com o
(EEH), como apresentado na Figura 1. volume de água (200 mL).
ii) Acender a lâmpada somente quando esta
O experimento é composto por duas partes, a
estiver imersa na água.
primeira parte é para determinar a
iii) Nunca ligar a lâmpada em uma tensão
equivalência de eletricidade-calor; a segunda
acima de 13 V.
parte é para determinar a eficiência em termos
de energia luminosa da lâmpada
PRIMEIRA PARTE EXPERIMENTAL
incandescente.
O material a ser utilizado no experimento é 1. Medir e anotar a temperatura ambiente
composto por: (Tambiente).
2. Medir e anotar a massa do conjunto frasco
 Frasco de acrílico transparente (EEH Jar); e sua tampa com lâmpada sem água
 Tampa do frasco (EEH Jar) embutida com (Mfrasco).
uma lâmpada incandescente de 35 W 3. Remova a tampa do conjunto da lâmpada
(Figura 1). com cuidado do frasco e encha-o com água
 2 potes de isopor (styrofoam fria com aproximadamente 10°C abaixo da
Calorimeters), Figura 1; temperatura ambiente até a marca de 200
 Tinta nanquim (India Ink), Figura 1; ml.
 Termômetro; 4. Adicione 10 gotas de nanquim na água; o
 Cronômetro; suficiente apenas para deixar a [agua
 Balança para determinar a massa da água; turva, mas que permita observar se o
 Fonte de alimentação que forneça 3 A em filamento da lâmpada foi ligado.
12 V; 5. Conecte os terminais da lâmpada na fonte
 2 multímetros, sendo, um para ler a de alimentação conforme diagrama de
corrente e o outro a tensão da fonte de conexões elétricas mostrado na Figura 2.
alimentação.
1º Semestre de 2018

- Tinicial = Temperatura - Tambiente), desligue a


fonte de alimentação e anote o tempo
(tfinal). Continuar mexendo suavemente o
termômetro na água. Observe o
termômetro até que a temperatura
Figura 2. Conexões elétricas.
comece a cair. Anote este pico do valor de
temperatura, a que será a temperatura
6. Fixe a corrente da fonte de alimentação em final (Tfinal).
3 A. Ligue a fonte de alimentação, como na
Figura 2, e ajuste rapidamente a tensão Observação 2: Note que, desta forma, durante
para aproximadamente 11,5 V, em aproximadamente metade da experiência a
seguida, e desligue-a. temperatura da água no interior do frasco é
7. Coloque o frasco fechado dentro do pote menor do que a temperatura ambiente e
de isopor. durante a outra metade a temperatura da
8. Insira o termômetro pelo orifício da tampa água é maior do que a temperatura ambiente.
do conjunto da lâmpada. Misture Assim há, de certa forma, um balanceamento
suavemente com o termômetro a água das trocas de calor do conjunto do frasco com
enquanto observa a temperatura. o exterior.
Inicialmente, a água estava com uma
temperatura de aproximadamente 10°C 11. Medir e anotar a massa do conjunto frasco
abaixo da temperatura ambiente. Quando e sua tampa com lâmpada com água
a temperatura subir e estiver entre de 6°C (Mfrasco+água).
a 8°C abaixo da temperatura ambiente,
ligue a fonte de alimentação. A partir deste
instante comece a cronometrar (tinicial) o SEGUNDA PARTE EXPERIMENTAL
tempo e anote a temperatura inicial
(Tinicial). Repetir os passos da primeira parte
experimental, exceto os passos 4 e 7, ou seja,
Observação 1: para atingir a temperatura não usar a tinta nanquim e o pote de isopor.
entre 6 a 8°C abaixo da temperatura ambiente, Obtenha os dados da mesma forma que da
você pode querer ligar a lâmpada para ajudar primeira parte experimental.
a água fria alcançar a temperatura para iniciar
C. CÁLCULOS
a medição. Se você fizer isso, certifique-se que
você desligou a lâmpada por alguns minutos
C1. Equivalência eletricidade-calor Je
antes de iniciar as suas medições, para ter
certeza que a temperatura da água é a mesma
Para determinar a equivalência eletricidade-
em todo frasco.
calor (Je), será necessário determinar o total de
energia elétrica (E) que foi entregue para a
9. Anote o valor da corrente, I, e da tensão, V.
lâmpada e, o total de calor absorvido pela
Observe se esses valores flutuam durante
água (H):
o experimento. Se a variação for
𝐸 = 𝑉. 𝐼. ∆𝑡 (1)
significativa, considere um valor médio
com desvio em seus cálculos.
∆𝑡 = 𝑡𝑓𝑖𝑛𝑎𝑙 − 𝑡𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙 , (2)
10. Construa uma tabela e, de minuto em
minuto, anote o valor da temperatura.
onde t é o tempo de duração que a lâmpada
Quando a temperatura estiver acima da
temperatura ambiente, com valor (Tambiente recebeu energia elétrica.
1º Semestre de 2018

𝐻 = (𝑀á𝑔𝑢𝑎 + 𝑀𝑒 )𝑐á𝑔𝑢𝑎 (𝑇𝑓𝑖𝑛𝑎𝑙 -𝑇𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙 ) (3) D3. Qual foi o objetivo de utilizar tinta nanquim
na primeira parte do experimento?
𝑀á𝑔𝑢𝑎 = 𝑀𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜+á𝑔𝑢𝑎 − 𝑀𝑓𝑟𝑎𝑠𝑐𝑜 , (4)
D4. Qual foi o objetivo de utilizar o pote de
1cal
onde Me = 23 g e 𝑐á𝑔𝑢𝑎 ( g°C ). isopor na primeira parte do experimento?
Uma parte do calor produzido pela lâmpada é D5. Porque na segunda parte do experimento
absorvido pelo frasco. Para resultados mais
a tinta nanquim e o pote do isopor não
precisos, a capacidade térmica do frasco tem
foram usados?
que ser levada em conta. A capacidade térmica
do frasco EEH é equivalente aproximadamente
23 gramas de água). Portanto, a equivalência
eletricidade-calor é dada por:
𝐸
𝐽𝑒 = 𝐻 (5)

C2. Eficiência luminosa da lâmpada

Para determinar a eficiência da lâmpada é


necessário fazer os mesmos cálculos da
equivalência eletricidade-calor para E e H. O
valor de H deve ser convertido para Joules, HJ.
Para isso, basta multiplicar H pelo valor Je
obtido da primeira parte experimental.
A eficiência luminosa da lâmpada é definida
como a energia convertida em luz visível
dividida pela energia elétrica total que a
lâmpada recebe. Supondo que toda a energia
que não contribui para H é libertada como luz
visível, a equação para a eficiência da lâmpada
torna-se:

(𝐸−𝐻𝑗 )
Eficiência = (6)
𝐸

D. CONCLUSÃO

D1. A partir deste experimento foi possível


demonstrar a conservação de energia?
Justifique a sua resposta.

D2. Qual foi a eficiência luminosa da lâmpada


incandescente? O resultado foi o que você
esperava para uma lâmpada
incandescente? Justifique a sua resposta.