Você está na página 1de 16

,i ..

*
— Cartório Notarial de 4p
NOTÁRIO

O signatário, Ajudante do Cartório Notarial de

UM — Que a fotocópia apensa a esta certidão está conforme com o original.

DOIS — Que foi extraída neste Cartório, da escritura exarada de folhas

a folhas I-J 1_

do livro de notas para escrituras diversas, número

C ç%1

TRÊS — Que ocupa folhas que têm aposto o selo

branco deste Cartório e estão, todas elas, numeradas e por ele,

Ajudante, rubricadas.
,

t.

/ Ajudante,

-J
o

z
o.
A
‘o
‘:
•;•‘.•/
(
-c
o
LL
o
>
-J
JEU)O1 P ‘JO V — OOS pOY
V)

Ç
- a
t

- o

— TT

4) -‘
9Dr

a —

—--o
;30

c’ —D

1- F-’
-

fJ—

d-

— 4 C

4.-
o

-n
o
—3 Ln
o
1 —

‘1
o
Documento complementar elaborado nos termos do n 2 do art9 64, do Cc1igo
Notariado, que faz parte integrante da escritura de Constituiço de Associa.
ç9ao denominada “Clube de Xadrez de Ferreira do Alentejo(CXfA), lav;ada a
fis 93, do livro de notas N2 71—A, do Cart6rio Notarial de ferreira do Alentejo.

ESTATUToS

CAPITULO E - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

Artigo 1°

1 O Clube de Xadrez de Ferreira do Alentejo, adiante designado por CXFÁ, é urna


-

associação sem fins lucrativos.

2 Tem a sua sede em Ferreira do Alentejo.


-

3 - Durará por tempo indeterminado, a partir de hoje.

Artigo 2°

O objecto social é o seguinte:

a) Promover e divulgar a prática da modalidade.

b) Participar em provas de competição, regionais, nacionais e internacionais.


c) Intercâmbio com instituições congéneres nacionais e estrangeiras.

d) Quaisquer outras actividades que se ajustem às finalidades do CXFA.

CAPÍTULO II- DOS SÓCIOS

Artigo 3°

Podem ser sõcios do CXFA as entidades e individualidades que pela sua actividade
contribuam para os fins cometidos ao CXFA e que não pertençam à Direcção de outras
associações que prossigam os mesmos fins.

Artigo 4°

A qualidade de sócio do CXFA adquire-se por subscrição do interessado, competindo à


Direcção deliberar sobre a sua admissão.
/

Artigo 50

São direitos dos sõcios:

a) Participar nos actos eleitorais.

b) Participar nas actividades do CXFÀ


c) Elege;- e ser eleito para os Orgãos Sociais do CXFA nas condições
presentes estatutos.
d) Serem informados de toda a actividade do CXFÀ

t\rtirzo 60

São deveres de todos os sécios:

a) Cumprir os presentes estatutos

b) Contribuir para a realização dos fins estatutários

c) Exercer os cargos pata que forem eleitos ou designados

d) Pagar pontualmente ajoia de admissão e as quotas periódicas.

Artigo 7°

Perdem a qualidade de sócios todos os que:

a) Devam mais de seis meses de quotas.

b) Não cumpram as obrigações estatutárias ou regulamentares, ou atentarem cotra os


interesses do CXFA.

c) A exclusão prevista nos números anteriores é da competência da Assembleia Geral.

CAPÍTULO III DOS ORGÃOS SOCIAIS


-

Artigo 8°
São Orgãos Sociais do CXFA:

a) Assembleia Geral

b) Direcção
c) Conselho fiscal
tLA VL_’ 1

Artigo 9°

1 Os membros dos Orgãos Sociais são eleitos pela Assembleia Geral, por
-

dois anos, podendo ser reeleitos uma ou mais vezes.


2 - Nenhum associado é obrigado a aceitar a eleição para qualquer cargo estatutário.

SECÇÃO 1- DA ASSE\IBLEIÂ GERAL

Artigo 100

1 - É constituida por todos os associados no pleno gozo dos seus direitos. E


2 - Compete-lhe nomeadamente:

a) Eleger os Orgãos Sociais;

b) Aprovar anualmente o Relatório da Direcção e Contas da gerência do ano findo,


acompanhados do parecer do Conselho fiscal;

e) Aprovar o Plano de Actividades e a Previsão Orçamental para o ano seguinte;

d) Discutir e aprovar os Regulamentos Internos,

e) Deliberar sobre a exclusão dos sócios;

f) Autorizar a compra, alienação ou oneração de bens imóveis, herançãs e legados;

3 As reuniões da Assembleia Geral são dirigidas por uma mesa constituída pelo
-

Presidente e dois Secretários. E

- Artigo 11°

1 - A Assembleia Geral reúne ordináriamente duas vezes por ano:

a) em Novembro, para aprovação do Plano de Actividades e Orçamento;

b) Em Fevereiro, para aprovação do Relatório da Direcção e Contas da Gerência e, de


dois em dois anos, esta será também a Assembleia Geral para a eleição dos Orgãos
Sociais.
2 AAssemb]eia Geral reúne extraordináriamente sempre que o seu Presidente a
-

convoque, seja por deliberação da sua mesa, seja por solicitação da Direcção ou do
Conselho fiscal, ou a requerimento escrito de, pelo menos, 10% dos sócios do CXFA no
pleno gozo dos seus direitos.
\JYi’
(

Àriiio 12° )
/]
1 As deliberações da As
-

sembleia Geral a consignar


absoluta dos votos, salvo em acta são tomadas por ma
os casos em que a lei, os ioria
internos disponham de mo estatutos, ou os regulamc
do diferente.. nto

2 Todos os sócios têm
-

direito a um voto, não havend


correspondência. o votos por representação ou
por
3 As convocatórias par
-

a as reuniões da Assemble
ia Geralsão feitas por avis-
/
expedido para cada um dos pÓ sta l
associados, com um mínimo
para as Assembleias Ordin de quinze dias dc antecedência
árias e de oito dias para as As
sembleias Ëxiraordinárias.
4 - A Assembleia Geral só
reunidos mais de 50 ¾ (cinqu
ft.incionará em primeira con
vocatória quado estiverem
j—
enta por cento) dos sócios.

SECÇÃO II- DA DIRECÇ


ÃO

Artigo 13°
1 - A Direcção é constituída por
um Presidente e dois Vogais.
2 - Compete-lhe:
a) Representar o CXFA em
juízo e fora dele, activa e pas
sivamente;
b) Dirigir e coordenar a
actividade do CXFA, respei
tando os princípios definidos
( Estatutos; nos
e) Elaborar e apresentaranual
mente à Assembleia Geral
o Relatório do Exercício;
d) Administrar os bens e os
fundos do CXFA;
e) Elaborar e apresentar
anualmente à Assembleia Ge
Previsão Orçamental para ral o Plano de Actividades
o ano imediato e dar-lhe execuç e a
ão;
f Admitir novos membros
, suspendê-los e propôr a sua
expulsão;
g) Para obrigar os actos admini
strativos são necessárias as ass
da Direcção, sendo indispens inaturas de dois elementos
ável a assinatura do Tesoureiro,
se se tratar de despesa.
SECÇÃO III - DO CONSELHO FISCAL

Artigo 140

1- O Conselho Fiscal é constituido


por um Presidente, um 1° Relator e um 2°
Relator.
2 Compete ao Conselho fiscal:
-

a) Examinar trirnestralmente a ges


tão economico-financeira do CXFA;
b) Dar parecer sobre o Relatório de Con
tas da Direcção;
c) Dar parecer sobre o Plano de Act
ividades e a Previsão Orçainental.

SECÇÃO IV - DAS ELEIÇÕES

Artigo 15°
1 A eleição dos membros da mes
-

a da Assembleia Geral, da Direcção e


Fiscal, é feita por escrutínio secreto, dire do Conselho
cto e universal.
2 A eleição é feita por votação de lista
s únicas para todos os Orgãos Sociais, que
-

apresentadas ao Presidente da Assemb serão


leia Geral com quinze dias de antecedênc
efeito de conhecimento dos associad ia, para
os, devendo acompanhar a convocatór
Assembleia Eleitoral ao abrigo do arti ia da
go décimo primeiro.
3 Consideram—se eleitos os candidatos que
tiverem o maior número de votos.
-

CAPÍTULO IV DAS RECEITAS E DA


-
S DESPESAS

Artigo 16°
Constituem receitas do CXFA:
a) Os rendimentos de bens próprio
s;
b) Os subsidios, subvenções, com
participações, heranças ou legados de
singulares ou colectivas, públicas ou priv entidades
adas;
e) As joias e as quotas dos sócios;
d) Quaisquer outras receitas que legalmente lhe advenham.

ArtigO 17V
As despesas do CXFA são as que resultarem do exercicio das suas actividades, em
ccirnprimento destes Estatutos e dos Regulamentos Internos, bem como as que resultem
de imposições legais.

CAPÍTULO V - DISPOSIÇÕES FINAIS E TR.NS1TÓRIAS

Artigo 180

A alteração dos Estatutos só poderá efectuar-se por decisão da Assembleia Geral, desde
que aprovada por ,três quartos dos sócios presentes.

Artigo 19°
As primeiras eleições reaiizar-se-ão até noventa dias imediatos do da constituição cio
CXFA, em Assembleia Geral convocada pela Comissão Instaladora.

Artigo 20°
A Comissão Instaladora é constituida pelos sócios subscritores da escritira dc
constituição do CXFA, que ficará obrigada a cumprir o disposto no artigo décimo nono.

fLLr%j Ità O

(-7
i/)
j t
/_‘\
R
.... . ..... -
• - - =
;rlj rrii iQ,iiQ1 L ,y(rIrr.ic,11un.k od 1iiU ijrr1w)fIJ 1 Lirr 1vr t;Ii,.
1 .i Ii\1JI) / CIJ —J i IIpfr-i3 47 ‘1 i CI) tr II t—
1’ ICl]L Ii L. )t IJ0 CfllJCi 1 liii) li 1. 1 1 1
1:•.
.i.ndvtjiI1Iyv1Inor!ftLjCvzr1I fdi ‘vi
UJ1C ‘C9r’r1.I ;IOdiVIlfl 1 4UIJ)110d1 911(1 I.UO,I1C.L1.lid9WIt3 ui14,J.
1
:\r1
(11 ICI 1
ITEi.IrmiiII.,r(I’rI1•irIj;l1C%rr(ir..i
lj:((.,ç1
, 1r,,(rp r ‘.1)111 .1(119,1 I1.’i9 1’:,) VIrO’
(((4 ,,jJ ,,4r91.r)CLrrI’r .fl i1r r’.
.1. •‘•‘i’” V”I
I1•5’n (‘, 1’1911’ 1 i,.i1J11I(.k’ICrj’t9 911.0Cr., II’9I1j I(V, ‘4_lI tI(O,V 43(1.11,13.1 (111111 11(1 1911:1 II ‘1
• Oj 3 11 3C 1r.3 1VI,fl1 194 I’ifl!(i0.. O 91113’ ri 1V( 1(9119101 lI1,11V131I t1l’13 ‘1_ CL II) 1 9111
1 ‘3’, 1 1/l.LLI’ 1 O’, 1 190491 L9041’1’(,J.rl ‘‘ 9’9t’ • II.’ 1’ 01 Otl,l 1 ‘iii LICrIlI LI, 11494 •I.l( 11 j;i 1
1 “r/r Cr11917 11034 9r,ilJOdl9rrt,.1994 O’í4) ...1C VJ’l •i íiillL’ ‘ti’r,,,j11’
1 ‘,7”:r14911.179 11119,1419(101319 flVltitIIOd’R C’t4J(11II,FFC 1,1(1.1 1l,(1ClIllCl,I1,1t(Iri1i(1d ‘11A,lL\,4)
QI’ 1V JII1I ti 11 ,)4YX,1’ 1;
.1..,. ‘111U •, ‘1.19, :, .i: ,UI,],l
“1,1114 ir11(I4”r, 1 Vt10LJDd11bj1i1 J&’LÇ ‘lii Ç-I%’ 1103 49,t,V11011V1,(1,’ ((rÇ,4.(I
‘(9r4 1.1 ,‘r,t,J9fl.
9, 1 043(1193,1 r 1 •(fl9 ,‘(,r,l(U Ii 39(3.9. ,94’’,(
9 1 1 ‘ V lii I 1
1 III’ ‘? o
14 ,ii 11,11 (17 ç’IÇ/,l (9111) ‘)fl,flDí4 (1304 O Cr170 lr’1’0fl 11(11,1 1140Cr1 93 ,7 99 11 III ‘t9 ‘ltr.
1l,JLCI(37(a3(lj.r9Jj9111, IiÇ’d1 /‘,rlUl)l’ V 11)14(1.4 ‘791(C( ‘4 .194’ 4(9,7111,1 .4C,,9i’ ‘,ll(l(,
‘Ji’4 7 Ó (1(1117,’ T14,,C,,r’ 1lVJuJ99fl24Jud7JCLr,C.,ii9I1Jri0d’,VLl,1/Jtr’4 Iv..91,]r11,’I,_,rIlI9,
1171 ri .11’ Iitrl’913%’.11.’JOr’4101L111i1 ‘S’’ÍIIS•G Ii 391(1 .1’14.111,’CC17’(f, t14’,,lC 1111,111 I,.11r(
.11 ,C1.lJr’”11’1Il.’’,I.9 9:,4,j ‘‘Ji’l) til’ i’, 0I’l,’(, (,1’’141 ‘141, ‘MI,, 9,11 “/,Jtl
r,r 9114’3fl.C, ‘.3 ‘991
— , t’,’10’’•i’ 19174 (0 1 ‘tI. LII’. 13110.lllr)c. 111,tt%fl4’4’.t,I’11
‘3’ ;“‘Il’J1’0’.I1’Jl7’L’’. 1Cr 1flJ’iI’.r ,9”1t11114,’ I1.’t. 1 ‘111194,11/ 1, 19o’4,Ç’I 11. 44 ‘I.).Ii,— l’’.’fl.
‘li 311 (1(14, 91,,,41L”f’ 1 9J,(7’,3f_4 II’. 111 1 LII “l ),,9II99jrj3,4 1 “CÇIJ 31..I111’, 11311 lis’’
(‘
(9,91 (Ir’ (1% %ri ‘.,‘. B..YP1!PL,, Dfl ,‘2flu.,
‘1’. Rp(1’r,r,1, I’,r’s,lI
(‘II, ‘1
III. Ir’ i:, 4(’( rIo .Il’,,Il1(4r919) . ( ‘lI 3 II 1( 1l’.,l Ir ‘rUI (II.
11(179 1..rl( ,5r,,1I’l,1.39r1,..,,iIV,I(lL,I1347917%(ç..,Il (‘1149,1 I(I.’I,’C’ lj)l ‘97(11
—‘lI rC,,i’.’.IIr’n,’rIlIlt,7’(1’’,I,I11(.i ,“,‘.L_I •‘I;.’”rCI .1 •,rII’’4r.,rI]’
/