Você está na página 1de 2

LEIS ABOLICIONISTAS

Nome: Lei Eusébio de Queirós


Data: 4 de setembro de 1850
O que previa: a lei proibia o tráfico negreiro transportado da África até as Colônias
Resumo
Alguns anos antes, a Inglaterra criou a Lei Bill Aberdeen e proibiu o comércio de escravos.
Inseridos no contexto da Revolução Industrial, os ingleses estavam interessados no fim da
escravidão, principalmente, para aumentar o mercado consumidor dos seus produtos
industrializados.
Não que o escravo fosse comprar seus produtos, mas em vez do fazendeiro gastar dinheiro com
escravos, ele poderia adquirir produtos ingleses. Sendo assim, a Inglaterra pressionou o Brasil até
que foi instaurada a Lei Eusébio de Queirós.

A lei não surtiu efeito nos primeiros anos, dando origem ao dito popular “lei para inglês ver”. Porém,
a partir de 1870, a Inglaterra aumentou a fiscalização e a prática diminuiu consideravelmente.

Como resultado, o tráfico ilegal ganhou forças e aumentou o tráfico interno de escravos. De
qualquer forma, esse foi o primeiro contato com ideias relacionadas ao abolicionismo.

Foto: reprodução/divulgação

Nome: Lei do Ventre Livre


Data: 28 de setembro de 1871
O que previa:a lei declarava que os filhos de escravos nascidos a partir daquela data eram livres
Resumo
Considerada por muitos a primeira lei abolicionista, a Lei do Ventre livre permitia a liberdade para
filhos de escravos. Na prática, não era tão simples assim.
Quando um filho de escravo nascia, existiam dois destinos para ele: continuar na casa do senhor
(dono dos escravos) ou enviar a criança para o Governo.

Como muitas famílias queriam continuar juntas e como o senhor não tinha mais responsabilidade
sobre a criança, eles eram aceitos sob a condição de, após atingir a maioridade com 21 anos, ter
de pagar a dívida por ter crescido, se alimentado e vivido na fazenda - eles pagavam essa dívida
com o próprio trabalho.

Ainda assim, a Lei do Ventre Livre foi um passo importante para a abolição da escravatura no
Brasil, pois começou a fomentar debates e a sociedade começou a pressionar as autoridades
para o fim dessa prática.
Foto: reprodução/divulgação

Nome: Lei dos Sexagenários (ou Lei Saraiva-Cotegipe)


Data: 28 de setembro de 1885
O que previa: a lei estabelecia que os escravos com 60 anos ou mais eram livres
Resumo
Aconteceu a mesma coisa com a Lei do Sexagenário que havia acontecido com a Lei do Ventre
Livre: do ponto de vista econômico, não mudou muita coisa. Mas ela foi mais um passo político.
De acordo com a lei, escravos com mais de 60 anos eram livres. Porém, como esses escravos
eram submetidos a trabalhos exaustivos e em péssimas condições, dificilmente eles conseguiam
atingir essa idade.

O ponto positivo dessa lei foi que, mais uma vez, o tema foi levado às autoridades e discutidos,
resultando em avanços no abolicionismo. A cada vez que uma nova lei era criada, mais a população
se acostumava com a ideia e defendia o abolicionismo.

Foto: reprodução/divulgação

Nome: Lei Áurea


Data: 13 de maio de 1888
O que prevê:a lei decreta o fim da escravidão no Brasil
Resumo
Por fim, temos a Lei Áurea – a famosa lei assinada pela Princesa Isabel, que libertou os escravos
do Brasil.
Vale lembrar que o Brasil foi o último país do continente a acabar com a prática da escravidão.