Você está na página 1de 2

Provas científicas

Olavo de Carvalho
Jornal da Tarde, 28 de maio de 1998

Os esforços devotados de intelectuais e da mídia para provar que o Brasil é um país racista seriam
desnecessários se o Brasil fosse racista. Ninguém teve de provar cientificamente o racismo da África do
Sul. Quando a prova tem de ser obtida mediante contorcionismos estatísticos, o que fica provado é apenas
o desejo incontido que uma certa elite tem de produzir, desde cima, um conflito racial que jamais brotaria
de baixo espontaneamente, como de fato não brotou.

Mas essa política pode considerar-se vencedora desde que foi apadrinhada pela Rede Globo de Televisão,
fabricante monopolística da mentalidade nacional. Não passa um dia sem que mensagens a atestar as
supostas inclinações racistas do nosso povo sejam marteladas e remarteladas por meio de noticiários,
entrevistas e novelas, até tornar-se, pela repetição goebbelsiana, verdade evangélica, cuja contestação
acabará por se tornar, por sua vez, crime de racismo: está próximo o dia em que louvar a democracia
racial brasileira dará cadeia.

Não sei se a responsabilidade, no caso, incumbe aos proprietários da Rede Globo ou aos iluminados da
esquerda ali inseridos, que, agindo segundo uma técnica muito conhecida nos anais da estratégia
revolucionária, se aproveitam de algum cochilo da direção e se apressam a mandar na empresa como se já
fosse propriedade do futuro Estado comunista.

Afinal, muito antes de o “politicamente correto” tomar de assalto a cultura do Novo Mundo, já circulava a
ordem do Comintern, de 1931, para que os comunistas buscassem acirrar a luta entre as raças, dando-lhe
um sentido de luta de classes (William Waack, Camaradas , São Paulo, Cia. das Letras, 1993). Como
diria Vicentinho: “A luta continua”; agora, em rede nacional de televisão.

O novo capítulo da série vem sob a forma de mais uma mentira impingida ao público como verdade
científica. Uma pesquisa da assistente social Maria Inês da Silva Barbosa, celebrada pela GNT como
prova final (mais uma!) do racismo brasileiro, informa que negros e brancos, em São Paulo, não morrem
das mesmas causas: os brancos sucumbem mais de enfarte (9,8%), os negros, de homicídio (7,5%, contra
2,5% de brancos). A sociedade racista branca , conclui a pesquisadora, está exterminando
sistematicamente os negros .

Os números podem ser válidos, mas a conclusão é pura fraude. Em primeiro lugar, a raça branca é mais
sujeita a doenças cardíacas do que a negra, o que já basta para explicar a diferença do número de enfartes.
Quanto ao de homicídios, para concluir que se deve a um racismo exterminador seria preciso provar que
foram, na maioria, cometidos por brancos. Pois caso seja maior entre os negros não somente o número de
vítimas, mas também o de assassinos, o resultado da pesquisa sugerirá apenas, se tanto, que os negros são
mais violentos que os brancos. Ora, esta conclusão, declarada em público, seria instantaneamente rotulada
de racista, mas não o é menos a sua contrária, que resulta em atribuir aos brancos, mediante a ocultação
de um dado essencial, a responsabilidade global pelos homicídios de vítimas negras, mesmo os cometidos
por negros. Ou não haverá racismo algum em forçar o resultado de uma pesquisa para acusar de homicida
uma raça inteira, contanto que seja a branca?

A pesquisadora escondeu muito mal suas intenções ao declarar que o racismo da África do Sul ou do
Alabama, com seus morticínios, seus guetos, sua virtual proibição de casamentos mistos, nunca foi nada
pior que o nosso “racismo sutil” – tão sutil, digo eu, que só se materializa sob a forma abstrata de frações
numa estatística, e mesmo assim não se torna visível senão aos olhos da fé.

1
“Para mim, racismo é racismo”, afirmou a entrevistada, atestando sua carência do senso das proporções.

Ora, entre uma sociedade que diluiu tão bem as desavenças raciais que elas, se não sumiram de todo,
acabaram por se reduzir a uma vaga e evanescente tendência subconsciente, e uma outra que as exacerbou
numa cultura que enfatiza a identidade racial acima da unidade do gênero humano, qual a mais racista e
perversa, qual a mais justa, bondosa, sábia?

Mas há outra diferença. Foi por seus méritos próprios, pela sua sabedoria espontânea e quase sem a
intromissão do Estado que o povo brasileiro conseguiu reduzir ao mínimo a discriminação racial neste
país. Na África do Sul, nos Estados Unidos, uma cultura arraigadamente racista teve de ser controlada
pela polícia e pelos tribunais, e, sob todo o peso da máquina repressiva, ainda explode, de vez em quando,
em descargas de uma violência sem paralelo na nossa história.

Quem pode negar essa diferença sem uma considerável dose de cegueira intelectual ou de interesses
políticos maliciosos?

Disponível em: http://www.olavodecarvalho.org/semana/980528jt.htm. Acessado em: 19, abril de 2017, às


18h14min.