Você está na página 1de 15

Universidade

Eduardo Mondlane
FACULDADE DE CIÊNCIAS

DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

Cursos:Cartografia e pesquisa Gelógica


IIIº-Ano
Disciplina: Pesquisa Geológica

Trabalho de investigação

TEMA: Depósitos de Cobre Sedimentar

Autores: Docentes:
Edílson Vagner Sitóe dr.Salvador Mondlane
Elvânia da Glória Sérgio Buque dr.Aristides Langa

Maputo, 27 de Setembro de 2017

Índice
Introdução:
O cobre em estado puro, denominado cobre nativo, raramente é encontrado na natureza.
Normalmente está associado a outros elementos químicos em várias formas estruturais, proporções
estequiométricas e combinações químicas, formando diversos minerais. Existem dois grupos de
minerais: os primários ou sulfetados, ocorrentes em zonas mais profundas da crosta terrestre, com
mais alto teor em cobre, e os oxidados ou secundários, de origem mais superficial, de menor teor
em cobre.

Os depósitos de cobre alojados em sedimentos são formados por mistura fluida em sedimentação
permeável e (mais raramente) rochas vulcânicas. Dois fluidos estão envolvidos: uma salmoura
oxidada transportando cobre como um complexo de cloreto e um fluido reduzido, comumente
formado na presença de anaeróbios bactérias que reduzem os sulfatos.

Objectivos:

Objectivos gerais: discrever os depositos de cobre hospedados em sedimentos, e em exemplo


mocambique.

Objectivos específicos: discrever o modelo discritivo do minerio, processos e condicoes de


formacao, contrastes geoquimicos e geofisicos para prospeccao e pesquisa, e mostrar um programa
de pesquisa que foi bem sucedido.

Metodologia: consulta bibliografica.

MODELO DESCRITIVO DO MODELO DE COBRE DE SEDIMENTO 30b.1,


AMBIENTE GEOLÓGICO

Tipos de rocha

As rochas hospedeiras são de dois tipos: siltstones de baixa energia calcária ou dolomítica, Argilas

rochas carbonatadas de origem marinha ou lacustre; e arenitos de alta energia, arcoses e

conglomerados de origem continental. Depósitos de dois tipos distintos são formados nessas rochas,
Respectivamente, facies reduzidas Cu e Redbed Cu que segue esta seção.

Texturas

As rochas de baixa energia são finas em camadas finamente laminadas e exibem estruturas de
marcas bacterianas, estromatólitos, estrutura fenestral, estruturas de coral de construção de recifes,
fisgaduras, crossbedding e outras características dos ambientes de maré. As rochas hospedeiras de
alta energia apresentam conglomerado e os canais cheios de arenito contêm escória e enchimento,
camada cruzada, laminação paralela, lama, e marcas de ripple.

Idade

Não são conhecidos depósitos de arqueano. A distribuição da idade dos depósitos pode ser melhor
descrita pela Quantidade de metal de cobre depositado durante diferentes períodos de tempo. As
rochas do Proterozóico Superior e, especialmente, as rochas neoproterozóicas são as mais

produtivas. As rochas permicas na Europa e as rochas carboníferas inferiores na Ásia Central são

menos importante. Outros pequenos depósitos são encontrados em todo o fanerozoico.

Ambiente deposicional

Sedimentos altamente permeáveis em bacias epicontinentais pouco profundas perto do


paleoequador. Alta taxa de evaporação.

Configuração (s) tectônica (s)

As configurações favoráveis são fendas intracontinentais, aulacógenos, braços fracassados de


junções triplas e margens passivas continentais. Principais erros de reconhecimento e crescimento
são comumente contemporâneo com a mineralização.

Tipos de depósito associados


Os depósitos de halite, silvita, gesso e anidrita ocorrem nas mesmas sequências sedimentares.

Arenito urânio, inconveniência urânio, cobre basalto, óxido de ferro depósitos de ouro de cobre,

e os depósitos de Kipushi Cu-Pb-Zn podem ocorrer nos mesmos distritos.

DESCRIÇÃO DO DEPÓSITO

Mineralogia: Todos os depósitos contêm um ou mais dos seguintes minerais depositados em

zonas nesta ordem: chalcocite e outros minerais CU 2S, bornite, chalcopyrite, pirita e galena
subordinada e esfalerita. Chalcocite se forma perto da fonte oxidada de cobre, a pirita se forma
perto das rochas reduzidas. O cobre nativo ocorre em depósitos deficiente em sulfureto. A prata
nativa é comum, alguns depósitos na Zâmbia e na República do Congo contêm Carrollite, Co-pirite
e minerais Ge.

Textura/Estrutura: Os minerais são finamente disseminados, stratabound, localmente estratiforme.


A pirita Framboidal ou Colloform é comum. Os minerais de cobre substituem a pirita e se agrupam
em torno de coágulos ou fragmentos carbonáceos.

Alterações: As rochas verdes, brancas ou cinzas ricas em Fe-calcite e clorite resultam da reação

de líquidos redutores com camadas vermelhas. Fluidos oxidantes produzem alíticas, rochas
hematitas esgotadas em metais comuns, cálcio e potássio. As camas vermelhas metamorfisadas
podem ter um roxo ou cor violeta causada por hematita finamente disseminada. Controles de
Minério Reduzindo o ambiente de pH 1, como xisto preto marinho, madeira fóssil, as esteiras de
algas são importantes, bem como abundantes sulfetos biogênicos e sedimentos piriticos. Alta
permeabilidade dos sedimentos é fundamental, limites entre fluídos de hidrocarbonetos ououtros
fluidos reduzidos e fluidos oxidados em sedimentos permeáveis são locais comuns de minério
deposição.

Alteracoes: As exposições superficiais podem ser completamente lixiviadas. Na Chalcocite


secundária o enriquecimento não está presente em muitos depósitos devido à baixa abundância de
pirita e falta correspondente de águas ácidas.

Assinatura Geoquímica: Cu, Ag, Pb, Zn (Mo, V, U) (CO, Ge). Au é baixo. Fraca radioatividade
está presente em alguns depósitos. As considerações ambientais na distribuição zonal de minerais de
sulfureto devem ser consideradas na avaliação dos fatores ambientais envolvidos na mineração de
Cu hospedado em sedimentos, a Chalcocite e bornite na zona de alta qualidade são minerais
bastante estáveis e em ambiente da mina oxidante e a pirita ocorre apenas como vestígios nesta
zona. Na zona de baixa qualidade, a pirita acompanha a chalcopirita e se torna cada vez mais
abundante para fora à medida que a classe de cobre diminui, esta relação deve ser usada para
orientar planos de mineração onde a drenagem da mina ácida causada pela pirita oxidante deve ser
evitada.

Processos de formacao

Para formar um depósito de cobre sedimentado, quatro condições são requeridos:

1. Deve haver uma rocha de origem oxidada. Esta pedra deve ser hematita estável e deve contém
minerais ferromagnesianos ou fragmentos de rocha máfica a partir dos quais o cobre pode ser
lixiviado. Na Zâmbia, pensa-se que a erosão de um depósito de cobre de pórfido precoce contribuiu
com cobre para a rocha fonte (Wakefield, 1978). Rochas de origem típica são arenito vermelho
continental, xaleias, conglomerados e rochas vulcânicas marinhas, embora as rochas vulcânicas não
são adequadas como rochas de origem porque não desgaseificaram sua volatilidade, e o teor de
enxofre reduzido contido em vulcões marinhos exclui a formação de um ambiente estável para
hematite.

A lixiviação de cobre a partir da rocha de origem a um pH moderadamente baixo pode ser descrita
por:

equação 1.

(1) Cu2O + 6 Cl- + 2 H + = 2 CuCl23 + H2O

2ª. Deve haver uma fonte de salmoura para mobilizar cobre. Evaporites são comumente
intercalados com camadas vermelhas e atuam como fontes de salmoura, mas qualquer ambiente
sedimentar em que a evaporação excede as chuvas produzirá salmoura. Os salmouras também
podem se formar por evaporação da água do mar, onde a conexão com o mar aberto é restrita, como
em vales de rift. As salmoura são geralmente ricas em sódio porque outros catiões, potássio, cálcio e
magnésio são removidos durante a formação de argilas, sulfatos e carbonatos. Davidson (1965)
dirigiu a atenção para a coincidência de depósitos de evaporite com depósitos de cobre hospedados
em sedimentos de sedimentação do Fanerozóico em muitas partes do mundo e propôs que a
salmoura derivada de evaporites era o meio de transporte de cobre e outros metais.

3ª. Deve haver uma fonte de fluido reduzido para precipitar o cobre e formar um depósito. A
química da formação de salmoura e a mobilização e precipitação de cobre foram descritas por Rose
(1976). Os líquidos reduzidos podem ser derivados de folhelhos ricos em orgânicos e rochas
carbonatadas, de bolsas de hidrocarbonetos líquidos ou gasosos nos sedimentos do hospedeiro ou de
qualquer líquido sedimentar em equilíbrio com pirita. Na equação 2, a salmoura rica em cobre
contata material orgânico e produz cobre nativo.

(equação2) 2 CuCl3 2 + 2 H2O + C = 2 Cu0 + 1 CO2 + 4 H + + 6 Cl-

Observe que o HCl aparece à direita desta equação e outros abaixo. Isso permite a solução de
carbonatos e a substituição de cimento de calcita por cobre nativo. O sulfeto sob a forma de pirita
finamente disseminada é comumente encontrado em sedimentos hospedados reduzidos. A
quantidade de pirita no xisto preto típico é insuficiente para fornecer todo o enxofre em depósitos de
cobre de alto teor. Uma fonte mais abundante de sulfeto é a redução de sulfato por material
carbonoso, promovido pela atividade bacteriana no sedimento (Sweeney e Binda, 1989)

(equação 3). (3) SO4 2-- + CH4 = S2- + CO2 + 2H2O

Reação do complexo de cloreto com sulfeto produz chalcocite (4) 2 CuCl3 2- + S2- = Cu2S +6 Cl-

O ião sulfato é comumente abundante em salmoura derivada de evaporação e pode acompanhar


soluções oxidadas ricas em cobre. Onde esta salmoura mistura com líquidos reduzidos, a seguinte
reação descreve o resultado.

(equação5) 2 CuCl3 2- + SO4 2- + CH4 = Cu2S + CO2 + 2 H2O + 6 Cl-

É necessária uma acção de bactérias redutoras de sulfato para conduzir esta reacção às temperaturas
próximas da superfície.

4ª. Deve haver condições favoráveis para a mistura de fluidos. Haynes (1986) concluiu que a
maioria dos minerais de sulfetos são precipitados dentro de 50 centímetros da interface sedimento-
água porque a redução de sulfato bacteriano abaixo dessa profundidade é inibida. A permeabilidade
da pré-iluminação no xale fornece locais de acamamento e paralelo para a mistura de fluidos. As
pressões de fluidos derivadas da compactação de sedimentos são fatores importantes na mistura de
fluidos e os depósitos são mais comumente situados nas margens da bacia, onde a mistura é mais
provável que ocorra.

Faulting ou dobramento pode produzir uma cabeça hidráulica que faz com que um fluido invade o
local de outro. A interrupção das sequências sedimentares por intrusão de sal também pode
promover a mistura de fluidos (Jowett, 1986; Ruan e outros, 1991; Avila-Salinas, 1990). Deve
existir uma rocha hospedeira permeável ou outro espaço aberto em que os fluidos possam se
misturar. O espaço intergranular em sedimentos de grão fino antes da compactação e da litiação é
um local comum de deposição. As cavidades das soluções nas rochas de carbonato são locais de
deposição menos comuns (MacKevett e outros, 1997).

Nota:Se algumas dessas quatro condições não for cumprida, um depósito não se formará, mesmo
nos ambientes rochosos mais favoráveis.

subtipos Três subtipos de depósitos de cobre alojados em sedimentos com diferenças significativas
em tonelagem e grau de cobre são reconhecidos: Cu-facies reduzidos (56 depósitos), Cu Red
(Cuidados com Cu) (32 depósitos) e Revett Cu (15 depósitos).
Os três tipos diferem na força e eficiência do redutor no local de deposição. Em depósitos de facies
reduzidos, o redutor é um sedimento marinho ou lacustre fino com matéria orgânica abundante.

Exploracao geofisica

Devido a associação entre a ocorrência de depósitos residuais sobre depósitos primários, os métodos
geofísicos aplicáveis na pesquisa de corpos primários podem ser utilizados para detecção de
alterações residuais. Em casos específicos, como depositos de cobre, como o mapeamento de
concentrações de minerais metálicos em lentes ou camadas subterrâneas rasas, o método de GPR
pode ser empregado com sucesso, devido a atenuação de sinal. Métodos elétricos e
eletromagnéticos também podem ser empregados, que podem requerem o uso de arranjo de
aquisição em detalhe ou elevadas freqüências de onda eletromagnética, para aumento da resolução e
limitação da profundidade. Ensaios de gamaespectrometria e magnetometria com malha de pontos
densa possibilitam o detalhamento e a identificação de zonas de concentração mineral.

Exemplo de programa de Pesquisa bem Sucedido

Prospecção geofísica em ocorrência de cobre localizada na bacia sedimentar do Camaquã


(RS)

Esse trabalho apresenta os resultados de um estudo geofísico realizado numa ocorrência aflorante
de carbonatos de cobre em arenitos, previamente determinada por levantamentos geoquímicos em
sedimentos de corrente, localizada no município de Caçapava do Sul (RS). Foi aplicado o método
da eletrorresistividade por meio da técnica de caminhamento elétrico em disposição azimutal em
superfície.

A área de estudos consiste numa ocorrência mineral denominada Capão Grande, descrita pelo
Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) em 1969 (BOCCHI, 1970). Essa ocorrência
mineral foi reconhecida por estudos geoquímicos em sedimentos de corrente em campanhas de
pesquisa realizadas pelo DNPM na década de 60.

A ocorrência mineral esta alojada em litotipos pertencentes à Formação Passo da Promessa,


caracterizada por espessos pacotes de arenitos de cores rosa-claro, cinza e bordô, com alternâncias
de cores, dando origem a uma rocha-listrada. Apresenta, com freqüência, níveis conglomeráticos,
onde os seixos são, predominantemente, de rochas graníticas e metamórficas, como granitos,
gnaisses, quartzitos, xistos, anfibolitos e, ocasionalmente, seixos de rochas sedimentares
silicificadas.
3. Materiais e métodos

Foi utilizado o método da eletrorresistividade, a partir da técnica de caminhamento elétrico para as


medidas de resistividade elétrica, por meio do arranjo dipolo-dipolo. Esse arranjo consiste na
instalação de pares de eletrodos metálicos ao longo da linha de investigação, para transmissão de
corrente elétrica e geração de campo elétrico em profundidade (eletrodos de corrente) e posterior
leitura por meio de pares de eletrodos de recepção (eletrodos de potencial) (Orellana, 1972).

A disposição de forma adequada dos pares de eletrodos de corrente e potencial permite leituras de
resistividade elétrica para diversos níveis de profundidade na linha investigada. Este trabalho
utilizou 10m de espaçamento entre eletrodos, leituras de resistividade em 20 níveis de
profundidade.

Foram realizadas seis linhas de caminhamento elétrico, com 230m de extensão cada, dispostas de
forma azimutal, ou seja, radialmente com centro posicionado sobre a ocorrência mineral e ângulo
entre linhas de 30º (Figura 3).
O equipamento utilizado foi o resistivímetro Syscal Pro, fabricado pela Iris (França), com resolução
de 1 mV. Esse equipamento é calibrado para medidas de resistividade por meio de ciclos periódicos
de corrente elétrica alternada e de baixa freqüência, procedimento que permite a filtragem de ruídos
do sinal adquirido.

Os dados interpretados foram processados no software RES2DINV, apresentados sob a forma de


seções distância x profundidade (Loke & Baker, 1996) e sob a forma de modelo de inversão em
termos de resistividade elétrica.

Resultados e discussão

Em visita preliminar à área de estudos, foram realizadas medidas estruturais em fraturas e camadas,
por meio de bússola. Os resultados indicaram duas famílias de fraturas, com direções N18/72NW e
N112/82NE e acamamento na direção N22/55NW. Com base nesse arcabouço estrutural, foi
proposta a aquisição de forma azimutal.

Os resultados geofísicos, de modo geral, apresentam valores baixos a intermediários, entre 80 Ω.m
e 1200 Ω.m. As linhas N156º, N126º e N36º são caracterizadas pela presença de uma anomalia
circular de baixa resistividade, em torno de 80 Ω.m, localizada no centro das seções, posição de
exposição em superfície da ocorrência mineral (Figura 4).
A linha N66º apresenta uma anomalia com valores intermediários de cerca de 1500 Ω.m, localizada
próximo à superfície entre duas anomalias de baixa resistividade de aproximadamente 30 Ω.m,
também localizada próxima à superfície, ambas as anomalias descritas estão sobre uma faixa
horizontal de valores intermediários.
Na linha N6º, é encontrada uma anomalia circular de resistividade intermediária de,
aproximadamente, 1200 Ω.m, localizada próxima ao centro da seção. Essa seção apresenta, ainda,
uma zona com valores muito elevados, até 8000 Ω.m, localizada entre as posições 120m a 160m,
desde a superfície até a base da seção.

A linha N96º apresenta os maiores contrastes de valores de resistividade entre as demais,


caracterizada por uma anomalia horizontal com valores altos ,localizada entre 100m a 180m sobre
outra anomalia horizontal, que apresenta valores baixos entre 15 Ω.m e 70 Ω.m. A zona entre 0m e
80m apresenta valores intermediários a muito altos, variando de 100 Ω.m a 8000 Ω.m.

A integração das linhas em modelo 3D permite uma visualização adequada das zonas de baixa
resistividade em superfície e em profundidade, com destaque para a maior intensidade dessa área
em profundidade, quando comparada com o intervalo de superfície (Figura 5).
Os locais que apresentam elevados valores de resistividade elétrica podem ser relacionados a zonas
de silicificação. O cimento silicático que preenche os poros do arenito apresenta comportamento de
um condutor dielétrico, ou seja, dificuldade ao trânsito de corrente elétrica.

O método da eletrorresistividade demonstrou resultados satisfatórios na caracterização da


ocorrência cuprífera, pois permite relacionar os resultados de modelamento com a ocorrência
mineral aflorante e sua provável continuidade em profundidade, devido ao contraste nas
propriedades físicas entre as rochas encaixantes e a zona mineralizada. Grande parte dos modelos
de inversão de resistividade apresenta anomalias circulares de baixa intensidade, possivelmente
relacionadas à mineralização devido ao comportamento condutivo dos sulfetos.

IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS Nas águas, o cobre é capaz de contaminar grandes áreas, sua
principal fonte são as águas residuais da lavra. É uma ameaça principalmente para a saúde humana
se consumida água contaminada. A água com conteúdo superior a 1 mg /L pode contaminar com
cobre as roupas e objetos lavados com ela, e conteúdos acima de 5 mg /L tornam a água colorida
com sabor desagradável. Outros problemas ambientais possíveis são a erosão, subsidência,
abandono de resíduos perigosos, como a devastação de extensas áreas de vegetação, perda de
biodiversidade e contaminação de aquíferos e cursos de água.
Conclusão

Os depósitos de cobre hospedados em sedimentos ou rochas sedimentares, são depósitos


importantes ao nível económico pelas diferentes formas de ocorrência e distribuição mundial. Esses
depósitos envolvem processos químicos e físicos que condicionam o enriquecimento do minério e
consequente valor económico do depósito. A sedimentação do cobre pode envolver processos de
oxidação em salmouras, assim como podem ser processos de enriquecimento supergenicos por
lixiviação de gangas e enriquecimento do metal.

No cobre por enriquecimento supergenico, os processos de alteração podem ser responsáveis pelo
enriquecimento do cobre e outros metais como Zn, Ag, e Au, em depósitos que ocorrem próximo a
superfície. O processo e um produto da oxidação e hidrólise de minerais sulfetados na parte superior
do perfil de alteração.
Referências Bibliográficas

Davidson, C.F., 1965, A possible mode of origin of strata-bound copper ores: Economic Geology,
60, p. 942-954. v.

Haynes, D.W., 1986a, Stratiform copper deposits hosted by low-energy sediments: I. Timing of
sulfide precipitation—an hypothesis: Economic Geology, v.81, p. 250-265.

Hitzman, Murray, Kirkham, Rodney, Broughton, David, Thorson, Jon, and Selley, David, 2005, The
sediment-hosted stratiform copper ore system: Economic Geology 100th Anniversary Volume, p.
609-642. Gustafson e Williams (1981), Lur'ye (1986), Kirkham (1989), Warren (1999, Capítulo,
Hitzman, Kirkham, Broughton, Thorson e Selley, 2005.