Você está na página 1de 3
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-DEAD CAMPUS BOA VISTA/CENTRO

Curso/Programa: Métodos e técnicas de ensino ambiente virtual de ensino

Aluno (a): Sonyellen Fonseca Ferreira

Polo: Boa Vista Disciplina: Introdução ao Professor: Marcos Vieira Araújo

Turma:

Data: 27/01/2108

RELATÓRIO: A influência da Tecnologia da Informação na EaD no Brasil e os principais recursos tecnológicos que favoreceram a evolução da EaD.

De acordo com Liliam Silva, Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) representam o conjunto de recursos tecnológicos utilizados em algum setor(S/D; S/P). Desta forma, assim como no restante do mundo, a EaD no Brasil dispôs de várias tecnologias desde seu advento: correspondência, taquigrafia, rádio, tv, fitas e vídeos cassete, CD-ROM, telefone, fax, celular, computador, internet até chegar às plataformas como os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA), e Moodle. Do material impresso à internet, a revolução tecnológica proporcionou à EaD mudanças decisivas na forma de comunicação entre aluno e professor. Todas essas tecnologias auxiliam, ainda hoje, no desenvolvimento da autonomia de estudo do aluno.

A Revolução Científica iniciada no século XVII permitiu que os conhecimentos científicos fossem difundidos através de cartas. Nesse aspecto, de acordo com o site Wikipédia, o anúncio publicado pelo professor de taquigrafia, Cauleb Phillips, na Gazeta de Boston, foi considerado um marco no ensino à distância.

A correspondência e o material gráfico dominaram a EaD durante o século XIX, situação que só se modificou no século seguinte, com o advento do rádio. A partir da década de 60 e 70, o material impresso passou a ser complementado por fitas e áudios, e com o surgimento da tv, por imagens.

No Brasil, desde 1904, houve um percurso semelhante ao do restante do mundo. Iniciando as atividades de EaD através de escolas internacionais que lançaram cursos por correspondência, o ensino era basicamente realizado através de material impresso, ou seja, texto e imagens. Trinta anos depois, o rádio começou a fazer parte desta modalidade de ensino, com a implantação da Rádio Escola Municipal do Rio de Janeiro, por Edgard Roquette-Pinto. A proposta também integrava o cinema, a biblioteca e o museu escolar, além de dispor material gráfico aos alunos. Esta tendência manteve-se até a década de 70, quando as Fundações Roberto Marinho lançaram o Telecurso, programa televisionado voltado para os exames supletivos de ensino fundamental e médio. Nas décadas seguintes, segundo o site Wikipédia:

Entre as décadas de 1970 e 1980, fundações privadas e organizações não-governamentais iniciaram a oferta de cursos supletivos a distância, no modelo de teleducação, com aulas via satélite complementadas por kits de materiais impressos, demarcando a chegada da segunda geração de EaD no país. A maior parte das Instituições de Ensino Superior brasileiras mobilizou-se para a EaD com o uso de novas tecnologias da comunicação e da informação somente na década de 1990. Em 1992, foi criada a Universidade Aberta de Brasília (Lei 403/92), podendo atingir três campos distintos:

a ampliação do conhecimento cultural com a organização de cursos específicos de acesso a todos, a educação continuada, reciclagem profissional às diversas categorias de trabalhadores e àqueles que já passaram pela universidade; e o ensino superior, englobando tanto a graduação como a pós-graduação. Em 1994, teve início a expansão da Internet no ambiente universitário. Dois anos depois, surgiu a primeira legislação específica para educação a distância no ensino superior. As bases legais para essa modalidade foram estabelecidas pela Lei de Diretrizes e Bases na Educação Nacional n°9.394, de 20 de dezembro de 1996, regulamentada pelo decreto n°5.622 de 20 de dezembro de 2005, que revogou os decretos n°2.494 de 10 de fevereiro de 1998, e n°2.561 de 27 de abril de 1998, com normatização definida na Portaria Ministerial n°4.361 de 2004. (S/D; S/P)

O avanço tecnológico da década de sessenta para cá foi de essencial importância para que a EaD se expandisse e ganhasse maior interatividade no Brasil, uma vez que a relação tempo-espaço foi comprimida, permitindo que a relação professor-aluno pudesse, por exemplo, ser mediada pela internet em tempo real. Assim, softwares de qualidade são ferramentas indispensáveis na EaD em tempos atuais, pois viabilizam o acesso aos AVA. De acordo com o site Wikipédia:

O ambiente virtual de aprendizagem ou LMS (Learning Management System) é um software baseado na Internet que facilita a gestão de

cursos no ambiente virtual. Existem diversos programas disponíveis no mercado de forma gratuita ou não. O Blackboard é um exemplo de Ambiente Virtual de Aprendizagem - AVA pago e o Moodle é um sistema gratuito e de código aberto. Todo o conteúdo, interação entre os alunos e professores são realizado dentro deste ambiente. De acordo com Clark e Mayer(2007), os ambientes virtuais são elementos fundamentais na tarefa de ensino, porém carecem de suporte pedagógico adequado em relação ao processo de aprendizagem. (S/D, S/P)

Assim, as diversas aplicações da EaD no Brasil, diversificaram e

expandiram as formas de aprendizado, modificando definitivamente os modos

de ensinar.

REFERENCIAS

SITES

SILVA, Liliam. As Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Publicado em http://www.educacao-a-distancia.com/tecnologias-da-informacao- e-comunicacao-tics-na-educacao-a-distancia/

Acessado em 27/01/2018, às 17:59.