Você está na página 1de 101

Coordenação Regional em Goiás

Comissão Permanente de Licitação


EDITAL DE LICITAÇÃO - CONCORRÊNCIA No 01/2010

Recebimento e início da abertura dos envelopes de documentação e proposta em Sessão pública


à se realizar às 10 horas do dia 13 de setembro de 2010, no seguinte endereço: Rua 82 n.º 179
– 5º Andar – Setor Sul, em Goiânia/GO.
Se no dia supracitado não houver expediente, o recebimento e o início da abertura dos envelopes
referentes a esta Concorrência será realizada no primeiro dia útil de funcionamento da
Fundação Nacional de Saúde que se seguir.

No local indicado serão realizados os procedimentos pertinentes a esta Concorrência, com


respeito a:

Recebimento dos envelopes Documentação e Proposta de Preços;


Abertura dos envelopes Documentação e verificação da situação da licitante perante o
SICAF;
 Abertura dos envelopes Proposta de Preços das licitantes habilitadas.

As decisões da Comissão Permanente de Licitação serão comunicadas mediante publicação no


Diário Oficial da União, pelo menos por 01 (um) dia, salvo com referência àquelas que puderem
ser comunicadas diretamente, mediante ofício, aos representantes legais das licitantes,
principalmente, quanto a:

 Habilitação ou inabilitação da licitante;


 Julgamento das propostas;
 Resultado de recurso porventura interposto;
 Resultado de julgamento desta Concorrência.

A solicitação de esclarecimento de dúvidas a respeito de condições deste Edital e de outros


assuntos relacionados a presente licitação deverá ser efetuada pelas empresas interessadas em
participar do certame pelo endereço eletrônico: corego.cpl@funasa.gov.br, telefone 62
32263012/FAX: 62-32263050 ou VERBAL e ou ESCRITO: no endereço supracitado, até o 3º
(terceiro) dia útil que anteceder a data estabelecida no preâmbulo deste Instrumento
Convocatório para a reunião de recebimento e abertura dos envelopes Proposta e
Documentação.

A resposta da Comissão Permanente de Licitação ao pedido de esclarecimento formulado será


divulgada mediante carta endereçada ao solicitante e enviado a todos outros licitantes que
solicitar.

O Edital será fornecido no horário de 08:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00 horas, mediante
recolhimento da importância de R$ 9,90 (nove reais e noventa centavos) aos cofres públicos, por
meio de Boleto bancário emitido por esta Fundação, para custo de cópias. O Edital estará
disponível gratuitamente nos sítios: www.comprasnet.gov.br e www.funasa.gov.br ou ainda,
poderão os interessados se dirigir à sala da CPL, no endereço supra mencionado, portando um
CD virgem ou Pen drive para cópia do arquivo.

1
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXOS DESTE EDITAL

O presente edital faz-se acompanhar dos seguintes anexos:

ANEXO I - PROJETO BÁSICO.

ANEXO II - ESPECIFICAÇÕES DO PROJETO BÁSICO E DA EXECUÇÃO DOS


SERVIÇOS DE PERFURAÇÃO DOS POÇOS

ANEXO III - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DE SERVIÇOS COM APLICAÇÃO DE


MATERIAIS

ANEXO IV - COMPOSIÇÃO DO LDI.

ANEXO V - DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE FATO IMPEDITIVO

ANEXO VI - DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DO ART. 7º, XXXIII.

ANEXO VII - MODELO DE DECLARAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ANEXO VIII - MINUTA DE CONTRATO Nº /2010

ANEXO IX - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO.

ANEXO X MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE


PROPOSTA - (Apresentar no credenciamento)

ANEXO XI CROQUI CONSTRUTIVO

ANEXO XII RELATÓRIO DO POÇO

ANEXO-XIII ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E BACTERIOLÓGICA DE ÁGUA “IN


NATURA

ANEXO XIV - PLANILHA DE SERVIÇOS E MATERIAIS APLICADOS NO POÇO

Edital analisado pela Procuradoria Jurídica, conforme estabelece o art. 38 inciso VI da Lei
8.666/93 - Parecer Jurídico n° 183/PGF/PF/FUNASA/GO/2010-vas

A V I S OS
 Recomendamos as Licitantes à leitura atenta às condições/exigências expressas neste
edital e seus anexos.
 DÚVIDAS TÉCNICAS (62)32263054 – Tratar com o Geólogo Antonio Jorge, da
FUNASA/CORE-GO.

2
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA No 01/2010

A FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE, através da Comissão Permanente de Licitação de


sua Coordenação Regional no Estado de Goiás, designada através da Portaria n.º 1.235 de 22 de
outubro de 2010, publicada no Diário Oficial da União – DOU n.º 208, de 30 de outubro de
2010, do Sr. Coordenador Regional da Fundação Nacional de Saúde, no Estado de Goiás, usando
das atribuições que lhe confere a Portaria n˚ 674, de 11 de dezembro de 1995 torna público para
conhecimento dos interessados que fará realizar licitação na modalidade CONCORRÊNCIA, do
tipo MENOR PREÇO e sob o Regime de Execução Indireta – Empreitada Global, regida pela
Lei n.º 8.666/93 e suas alterações, Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 e
Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007, Instrução Normativa/MARE n.º 05, de 21/07/95, e
suas alterações e em conformidade com o Projeto Básico – Anexo I, e instruções contidas nos
demais anexos deste Edital, que ficam fazendo parte integrante do mesmo e ainda no que couber,
com os demais dispositivos legais e normas aplicáveis à espécie, constante no item 03 do Projeto
Basico. A sessão pública à se realizar às 10 horas do dia 13 de setembro de 2010, no seguinte
endereço: Rua 82 n.º 179 – 5º Andar – Setor Sul, em Goiânia/GO., na sala da Comissão
Permanente de Licitação, onde procederá ao recebimento dos Documentos de Credenciamento, –
Envelope Nº 01 da Documentação de Habilitação – Envelope No 02 da Proposta de Preços.

1.0 - DO OBJETO

1.1 - Contratação de empresa especializada para realização de serviços de perfuração de poços


tubulares profundos constando de: Serviço de perfuração e construção de poços tubulares
122(cento e vinte e dois)-poços tubulares profundos, tipo de projeto de poço misto e
parcialmente revestido, de profundidades variando entre 70 e 140 metros cada um, com
fornecimento de todos os serviços, materiais, insumos, ferramental de corte, necessário a
consecução do objeto.Manutenção com fornecimento de peças e operação de dois conjuntos de
perfuração roto-pneumáticos da Funasa e com equipamentos de perfuração e de apoio logístico
da empresa.Os serviços serão realizados nos Estado de Goiás, Mato Grosso – DSEI/Araguaia e
Tocantins.
1.2. Os serviços incluem:
1.2.1.A construção dos poços utilizando dois conjuntos de equipamentos de perfuração cada um
composto de uma perfuratriz R1-H e um compressor Chicago Pneumátic modelo 950 DPH,
ambos sobre plataforma de caminhão, incluindo operação manutenção insumos e todo material e
serviços necessários a construção dos poços conforme especificado;
1.2.2.A construção dos poços com equipamentos de perfuração da Licitante vencedora incluindo
operação manutenção insumos;;
1.2.3.O fornecimento de materiais, insumos e ferramental de corte para os equipamentos da
Funasa e equipamento próprio da Licitante vencedora;
1.2.4.O fornecimento de apoio logístico para transporte de equipes, ferramental e insumos;
1.2.5.Serviços de manutenção corretiva e preventiva dos dois conjuntos de perfuração
rotopneumática, disponibilizados pela Funasa na forma especificada

3
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

2.0 - DA PARTICIPAÇÃO

2.1 - Poderão participar da presente licitação, toda e qualquer Licitante regularmente


estabelecida no Brasil, que satisfaça a todas as exigências do presente ato convocatório e seus
anexos, e atendam também aos seguintes requisitos:
2.1.1 Conheça todas as condições estipuladas no presente edital e seus anexos, e apresente os
documentos nele exigidos;
2.1.2 Esteja devidamente cadastrada e regularizada no Sistema de Cadastramento Unificado de
Fornecedores - SICAF, conforme exigência do Decreto Federal N o 4.485/2002 e da Instrução
Normativa MARE No 05, de 21/07/95, e demais atos normativos correlatos ou que, em não
estando cadastrada no SICAF, que atenda às condições previstas neste edital;
2.1.2.1 O cadastramento e a habilitação parcial no SICAF poderão ser realizados em qualquer
unidade dos órgãos/entidades que integram o Sistema de Serviços Gerais – SIASG, localizados
nas Unidades da Federação.
2.1.2.1.1 A Fundação Nacional de Saúde é uma das unidades cadastradoras do SICAF, maiores
informações sobre o cadastramento e habilitação, serão fornecidas pelo Setor de Material da
Fundação Nacional de Saúde, situada à Rua 82, nº 179, 15º andar, Setor Sul, nesta Capital,
Telefone: (62) 3226-3059.
2.1.3 Não esteja sob processo de recuperação/falência, concurso de credores, dissolução, fusão,
cisão ou incorporação, liquidação ou sob suspensão temporária de participação em licitação e
impedida de firmar contrato com a Administração ou sob declaração de inidoneidade, que lhe
tenha sido praticada por força da Lei No 8.666/93.

2.2 - Não será admitida a participação de empresas:

2.2.1 As empresas que estejam constituídas sob a forma de consórcio;


2.2.2 As empresas que estejam cumprindo a penalidade de suspensão temporária, imposta por
qualquer Órgão da Administração Pública motivada pelas hipóteses previstas no Art. 88 da Lei nº
8.666/93;
2.2.3 As empresas que estejam sob falência, concordata, dissolução ou liquidação.

2.4 – DO CREDENCIAMENTO

2.4.1 É vedado o credenciamento de uma mesma pessoa como representante de 02 (duas) ou


mais Licitantes, devendo o representante ser substituído por outro devidamente credenciado.
2.4.2 Quaisquer manifestações, durante os atos públicos, relativos a esta licitação ficam
condicionadas à apresentação, pelo preposto da licitante, de documento de identificação e
instrumento público de procuração ou instrumento particular com firma reconhecida, com a sua
designação expressa, para representar a Licitante.
2.4.3 Em sendo sócio ou diretor da empresa deverá apresentar cópia autenticada do Contrato
Social e de documento de identificação.
2.4.4 Restando claro que as ausências ou incorreções dos documentos referidos nos subitens não
caracterizam motivos para a inabilitação da proponente, ficando, todavia, o seu representante
impedido, no curso da sessão, de fazer qualquer tipo de manifestação em relação à licitação.
2.4.5 Apresentar declaração de Elaboração Independente de Proposta, conforme modelo

4
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
anexo X.

3. - DO RECEBIMENTO DOS ENVELOPES

3.1 - Os envelopes contendo os documentos de habilitação e propostas de preços deverão ser


entregues na sessão de abertura desta licitação, por intermédio do representante legal de cada
Licitante, à Comissão da Licitação, no dia, hora e local, indicados no preâmbulo deste edital.
3.2 - Na presença dos Representantes serão recebidos os envelopes: “A” - Documentos de
Habilitação e “B” - Proposta de Preços, devidamente fechados, os quais receberão uma
numeração, conforme a ordem de apresentação.
3.3 - Após o Presidente da Comissão da Licitação declarar encerrado o prazo de recebimento dos
envelopes, nenhum outro documento será aceito e recebido, nem serão permitidos quaisquer
adendos, acréscimos aos envelopes entregues, sejam cancelamentos, substituições e/ou
retificações dos documentos de habilitação e propostas de preços ou alterações nas condições
oferecidas.
3.4 - Não serão aceitos e/ou recebidos documentos de habilitação e proposta de preços enviados
via postal, fax, telegrama, fitas, discos magnéticos, filmes ou qualquer outro meio que não o
previsto no subitem 3.1 deste edital.
3.5 Os envelopes deverão conter as seguintes identificações na parte externa:

ENVELOPE “A” – DOCUMENTOS DE HABILITAÇÃO


À: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE – FUNASA
CONCORRÊNCIA N.º 01/2010
RAZÃO SOCIAL DO PROPONENTE
CNPJ/MF

ENVELOPE “B” – PROPOSTA DE PREÇOS


À: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE – FUNASA
CONCORRÊNCIA N.º 01/2010
RAZÃO SOCIAL DO PROPONENTE
CNPJ/MF

04. - DA DOCUMENTAÇÃO PARA HABILITAÇÃO

4.1 Todas as Licitantes, inclusive as optantes pelo SICAF, deverão apresentar dentro do
envelope nº “A”, os documentos específicos para participação nesta Concorrência, devendo ser
entregues, de preferência, numerados sequencialmente e na ordem a seguir indicada, a fim de
permitir maior rapidez na conferência e exame correspondentes:
4.1.1 As Licitantes cadastradas e habilitadas parcialmente no SICAF terão sua situação
verificada on line, sendo dispensada a documentação exigida no cadastramento, desde que todas
estejam com validade no referido Sistema;
4.1.2 Procedida à consulta de que trata o subitem anterior serão impressas declarações
demonstrativas da situação de cada Licitante, as quais ficarão durante a sessão, juntamente com
os outros documentos de habilitação, à disposição dos Representantes para exames, rubricas,
conferências.
5
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

4.2 Documentação de qualificação técnica

4.2.1. Apresentar indicação das instalações físicas e de pessoal da Licitante contendo relação de
equipamentos de perfuração e ferramental do patrimônio da Licitante, compatível com os
serviços que serão executados que conste pelo menos um conjunto com sonda rotopneumática e
compressores de alta vazão e alta pressão para perfuração de poços; descrição da estrutura física
da Licitante: instalações físicas, oficina de veículos; relação de pessoal técnico, operacional,
administrativo e de apoio técnico pertencente ao quadro permanente da Licitante disponível para
realização dos serviços, bem como a qualificação de cada um dos membros da equipe técnica
que se responsabilizara pela execução dos trabalhos.
4.2.2. Apresentar Certidão de Registro de Pessoa Jurídica do Conselho Regional de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia – CREA que comprove ser empresa de perfuração de poços em
atendimento ao Art.n° 9º da Resolução n.ºde 11 de janeiro de 2001 do Conselho Nacional de
Recursos Hídricos e Decisão Normativa 059/1997 do CREA e Resolução CREA n.ºde 218 de
junho de 1973.

4.2.3. Apresentar CAT do Responsável(s) Técnico(s) pertencente ao quadro permanente da


Licitante, contendo acervos técnicos de serviços de construção 50(cinqüenta) poços de 70 a 140
metros de profundidade que atenda a Resolução CREA n.ºde 29 de junho de 1973 que
discrimina as atividades das diferentes modalidades profissionais de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia, Geólogo ou Engenheiro de Minas e Decisão Normativa 059/1997 e nos termos da
Resolução CREA nº 1.025, de 30 de outubro de 2009.
4.2.4 Apresentar um ou mais atestado(s) fornecidos por pessoa física ou jurídica de direito
público ou privado, devidamente registrado no sistema CREA/Confea constando o nome da
Licitante e ao mesmo tempo a do Responsável Técnico indicado no item 4.2.3. demonstrando a
execução de no mínimo 50 (cinquenta) poços de 70 a 140 metros de profundidade.

4.2.5 A comprovação de que os responsáveis técnicos pertencem ao quadro permanente da


Licitante, poderá ser feita através da apresentação das cópias autenticadas das carteiras de
trabalho, ou do livro ou ficha de registro de empregados, ou Contrato de Prestação de Serviço
registrado no CREA.

4.2.6. Apresentar Declaração assinada pelo Responsável Legal da Licitante, de que sendo
vencedora providenciara a Anotação de Responsabilidade Técnica nos termos dos Art. Nº 2º, e 4º
da Resolução CREA nº 1.025, de 30 de outubro de 2009 apresentando a Funasa quando do
recebimento da primeira Ordem de Serviço.

4.3. – Documentos complementares para habilitação

4.3.1. Apresentar “Declaração de Fatos Impeditivos”, (datada do dia da abertura do certame),


conforme modelo no ANEXO V;
4.3.2. Apresentar Declaração de cumprimento do disposto no inciso V do art. 27 da lei n.º
8.666/93, conforme modelo no ANEXO VI.
4.3.3 Caso seja optante pelo Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das
Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – SIMPLES, apresentar a DECLARAÇÃO

6
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ME/EPP, conforme modelo anexo VII.
4.3.5 Quanto a verificação da capacidade econômico-financeiro os Licitantes deverão apresentar
índice de liquidez corrente maior que 01 (um), a consulta dos índices será realizada no SICAF.
4.3.5.1 A Licitante que apresentar a Situação Financeira com resultado igual ou menor que 1
(um), em qualquer dos índices contábeis, deverá comprovar, por intermédio de registro na Junta
Comercial ou do último balanço publicado na forma da Lei, que possui Patrimônio Líquido ou
Capital Social Mínimo igual ou superior a 10% (dez por cento) do valor total estimado da
contratação. Edital e seus anexos, podendo tal comprovação também ser realizada através da
consulta dos dados da Licitante no SICAF.

4.4 DA HABILITAÇÃO DA LICITANTE NÃO CADASTRADA NO SICAF


4.4.1 As Licitantes não cadastradas no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores –
SICAF (Decreto No 4.485/2002, Instrução Normativa MARE No 5, de 21/07/1995 e demais atos
normativos correlatos) deverão apresentar dentro do envelope “A”, além da documentação
obrigatória acima citada, mais os seguintes documentos:

a) Habilitação Jurídica:
I – cédula de identidade;
II – registro comercial, no caso de empresa individual;
III – ato constitutivo, estatuto ou contrato social em vigor, devidamente registrado, em se
tratando de sociedades comerciais, e, no caso de sociedades por ações, acompanhado da
documentação de eleição dos seus administradores;
IV – inscrição do ato constitutivo, no caso de sociedades civis, acompanhada de prova da
diretoria em exercício;
V – Decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira em
funcionamento no País, e ato de registro ou autorização para funcionamento expedido pelo
órgão competente, quando a atividade assim o exigir.
b) Regularidade Fiscal:
I – prova de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ;
II – Certidão Conjunta: Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional/Secretaria da Receita
Federal);
III – prova de regularidade relativa à Seguridade Social (INSS) e ao Fundo de Garantia por
Tempo de Serviço (FGTS), demonstrando situação regular no cumprimento dos encargos
sociais instituídos por Lei;
IV – prova de inscrição no cadastro de contribuintes estadual ou municipal, se houver, relativo
ao domicílio ou sede da licitante, pertinente ao seu ramo de atividade e compatível com o
objeto contratual;
V – prova de regularidade para com a Fazenda Estadual e Municipal do domicílio ou sede do
licitante, ou outra equivalente, na forma da Lei.

c) Qualificação Econômico-Financeira
I – Balanço Patrimonial e demonstrações contábeis do último exercício social, já exigíveis e
apresentados na forma da Lei, que comprovem a boa situação financeira da licitante, vedado a

7
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
sua substituição por balancetes ou balanços provisórios, podendo ser atualizados por índices
oficiais quando encerrados há mais de 03 (três) meses da data de apresentação da proposta;
II - Certidão Negativa de Falência ou Concordata expedida pelo distribuidor da sede da
Licitante.
III - A boa situação financeira a que se refere o inciso I do item “c” , estará comprovada na
hipótese de a licitante dispor de Índices de Liquidez Geral (LG), Solvência Geral (SG) e
Liquidez Corrente (LC) superiores a 1 (um inteiro), calculado de acordo com a fórmula
seguinte:

Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo


LG =
Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo
_____________Ativo Total_____________
SG =
Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo
Ativo Circulante__
LC =
Passivo Circulante

IV - O licitante que apresentar a Situação Financeira da Empresa com resultado igual ou


menor que 1 (um), em qualquer dos índices contábeis, deverá comprovar, por intermédio de
registro na Junta Comercial ou do último balanço publicado na forma da Lei, que possui
Patrimônio Líquido ou Capital Social Mínimo igual ou superior a 10% (dez por cento) do
valor total estimado da contratação.Edital e seus anexos.

4.5 DISPOSIÇÕES GERAIS DA HABILITAÇÃO:

4.5.1 Na data, horário e local indicados neste Edital será aberta a sessão pública. A Comissão de
Licitação receberá de cada Licitante os envelopes contendo, um a Documentação para
Habilitação e outro contendo a Proposta de Preço.
4.5.2 Em seguida, será confirmada por meio de consulta “on-line” a regularidade da habilitação
parcial da Licitante no SICAF. Nesta ocasião será impressa a respectiva declaração de “Situação
do Fornecedor”.
4.5.3 A entrega dos envelopes será feita pelo representante de cada Licitante na presença dos
demais, obrigatoriamente na data, hora e local indicados neste Edital, não sendo permitida a
entrega posterior de qualquer documento.
4.5.4 Após o Presidente da Comissão ter declarado estar encerrado o prazo para recebimento dos
envelopes, nenhum outro será aceito, procedendo-se então ao exame dos mesmos que serão
vistados pelas Licitantes antes da abertura. Em seguida dar-se-á a abertura dos envelopes de nº.
01, contendo a documentação de habilitação, que será conferida, examinada e rubricada pela
Comissão e representantes das Licitantes presentes.
4.5.6 Encerrado o exame da documentação de Habilitação, e havendo renúncia expressa das
Licitantes do direito de recorrer, a Comissão, dará início à abertura dos envelopes nº 02 das
empresas habilitadas, contendo as Propostas, as quais serão conferidas, examinadas e
rubricadas pela Comissão e representantes das Licitantes.
4.5.7 Não havendo desistência expressa das Licitantes do direito de recorrer, a Comissão
interromperá os trabalhos, lavrando previamente ata de reunião na fase de habilitação, a qual será
assinada pelos seus membros e pelos representantes das licitantes presentes.

8
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
4.5.8 Julgados os recursos interpostos, ou decorrido o prazo para sua interposição, as Licitantes
habilitadas serão notificadas, por escrito, a comparecerem em local, dia e hora estipulados, a fim
de participarem da sessão pública de abertura das propostas.
4.5.9 O não comparecimento de qualquer dos participantes à nova reunião marcada não impedirá
que ela se realize, não cabendo reclamação de qualquer natureza.
4.5.10 As propostas das Licitantes que não forem considerados habilitados permanecerão em
poder da Comissão, com os envelopes devidamente lacrados e rubricados por todos os
participantes, até o término do prazo recursal previsto na Lei nº 8.666/93, quando então os
respectivos envelopes lacrados e inviolados serão devolvidos as Licitantes inabilitados,
ressalvados os casos de renúncias expressas à interposição de recurso, hipótese essa, em que as
propostas serão devolvidas na própria reunião.
4.5.11 Das reuniões distintas, se houverem, serão lavradas atas circunstanciadas que
mencionarão todas as Licitantes presentes ou não, o documento de identificação de cada
representante legal, as propostas apresentadas, as reclamações, as impugnações, os recursos e
decisões relativas ao ato, bem como, as demais ocorrências que interessem ao julgamento da
licitação, devendo as referidas atas serem assinadas pelos membros da Comissão e pelos
representantes das Licitantes presentes.
4.5.12 Os documentos necessários à habilitação poderão ser apresentados em original, por
qualquer processo de cópia autenticada por meio de cartório competente, ou publicação em órgão
da imprensa oficial ou por cópias, desde que acompanhadas dos originais para conferência pela
Comissão Permanente de Licitação;
4.5.13 Não serão aceitos protocolos de entrega ou solicitação de documentação em substituição
aos documentos requeridos no presente Edital e seus Anexos;
4.5.14 A não apresentação dos documentos solicitados ou a apresentação dos mesmos com
vícios, defeitos ou fora do prazo de validade, ou a não apresentação de originais válidos,
implicará em automática inabilitação da Licitante.
4.5.15 Se a documentação de habilitação não estiver completa e correta, com validade vencida
ou contrariar qualquer dispositivo deste Edital e seus anexos a Comissão Permanente de
Licitação considerará a Licitante inabilitado;
4.5.16 Em nenhuma hipótese será concedido prazo para apresentação de documentos para
habilitação que não tiverem sido entregues na própria sessão, e a falta de quaisquer documentos
implicará na inabilitação da empresa Licitante.

4.6 DISPOSIÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DE MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE


PEQUENO PORTE.

4.6.1. As Microempresas e Empresas de Pequeno Porte definidas, respectivamente, nos incisos I


e II do art. 3°, da Lei Complementar n° 123, de 14 de dezembro de 2006, interessadas em
participar desta licitação, deverão apresentar toda a documentação exigida para efeito de
comprovação de regularidade fiscal, mesmo que esta apresente alguma restrição (art. 43, da Lei
Complementar n° 123/2006);
4.6.1.1. No caso das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, havendo alguma restrição na
comprovação da regularidade fiscal, será assegurado o prazo de 02 (dois) dias úteis, cujo termo
inicial corresponderá ao momento em que o proponente for declarado o vencedor do certame,
prorrogáveis por igual período, a critério da Administração Pública, para a regularização da
documentação, pagamento ou parcelamento do débito, e emissão de eventuais certidões

9
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
negativas ou positivas, com efeito de certidão negativa (§1° do art. 43, da Lei Complementar n°
123/2006);
4.6.2. Para as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte que não regularizarem a
documentação no prazo previsto no subitem anterior, implicará na decadência do direito à
contratação, sem prejuízo das sanções previstas no art. 18 da Lei n° 8.666/93, sendo facultado à
Administração convocar os licitantes remanescentes, na ordem de classificação, para assinatura
do contrato, ou revogar a licitação;
4.6.3. As microempresas e as empresas de pequeno porte deverão apresentar declaração que
atendem os requisitos do art. 3° da Lei Complementar n° 123, de 14 de dezembro de 2006, para
que possam fazer jus aos benefícios previstos na referida lei, conforme modelo ANEXO VII.

4.7 DESEMPATE COM A PARTICIPAÇÃO MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE


PEQUENO PORTE
4.7.1 Será assegurada nesta licitação, como critério de desempate, preferência de contratação
para as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, em conformidade com os critérios
estabelecidos no Art. 44 e 45 da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
4.7.2 Entende-se por empate aquelas situações em que as propostas apresentadas pelas
Microempresas e Empresas de Pequeno Porte sejam iguais ou até 10% (dez por cento) superiores
à proposta mais bem classificada ( Art. 44 §1° da Lei Complementar n°123/2006).
4.7.3 Ocorrendo o empate, conforme previsto no art. 44 da Lei Complementar nº 123/06, proceder-
se-á de acordo com o estabelecido nos incisos I, II e III do art. 45 do referido diploma legal.
I – a microempresa ou empresa de pequeno porte mais bem classificada poderá apresentar
proposta de preço inferior àquela considerada vencedora do certame, situação em que será
adjudicado em seu favor o objeto licitado;
II – não ocorrendo à contratação da microempresa ou empresa de pequeno porte, na forma
do inciso I do caput deste artigo, serão convocadas as remanescentes que porventura se
enquadrem na hipótese dos §§ 1o e 2o do art. 44 desta Lei Complementar, na ordem
classificatória, para o exercício do mesmo direito;
III – no caso de equivalência dos valores apresentados pelas microempresas e empresas de
pequeno porte que se encontrem nos intervalos estabelecidos nos §§ 1 o e 2o do art. 44 desta
Lei Complementar, será realizado sorteio entre elas para que se identifique aquela que
primeiro poderá apresentar melhor oferta.
4.7.4 No caso de empate entre duas ou mais propostas em condição distinta da estabelecida no
subitem anterior, será procedido o desempate exclusivamente através de sorteio, na presença de
todos os participantes presentes na sala onde se processa esta licitação.
4.7.5 À Comissão, é reservado o direito de solicitar, caso julgue necessário, novos
esclarecimentos em consequência das propostas apresentadas.
4.7.5.1 As licitantes deverão atender às solicitações no prazo máximo de 02(dois) dias úteis após
sua comunicação;
4.7.5.2 Todas as comunicações e esclarecimentos deverão ser feitos por escrito, vedada a
inclusão de quaisquer informações que deveriam constar originalmente da proposta, conforme
determina o § 3º, do art. 43, da lei n.º 8.666/93.
4.7.6 O disposto nestes subitens somente se aplicará quando a melhor oferta válida não tiver sido
apresentada por microempresa ou empresa de pequeno porte.

4.8 As normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às

10
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
microempresas e empresas de pequeno porte, em conformidade com a Lei Complementar nº
123, de 14 de dezembro de 2006 e Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007.

5. DO JULGAMENTO DA HABILITAÇÃO

5.1 O Presidente da Comissão de Licitação, após a abertura do envelope de Nº. 01, fará a
conferência da documentação observando estritamente os documentos exigidos.
5.2 A Comissão poderá suspender a sessão, sempre que julgar necessário, para analisar os
documentos apresentados pelas Licitantes, objetivando confirmar as informações prestadas.
5.2.1 Na ocorrência da hipótese prevista no subitem anterior, os envelopes contendo as propostas
de preços permanecerão fechados, devendo cada um dos lacres ser rubricado pelos membros da
Comissão e pelos Representantes das Licitantes presentes à sessão, ficando os citados envelopes
sob a guarda da Comissão da Licitação para abertura em outra sessão a ser indicada na ATA ou
através de prévio aviso aos participantes;
5.3 Serão consideradas e declaradas habilitadas as Licitantes que atenderem, integralmente, a
todas as exigências constantes do item DA HABILITAÇÃO do presente edital.
5.4 Examinada a documentação contida nos "Envelopes “A” (documentos de habilitação), serão
relacionadas as Licitantes julgadas habilitadas, devolvendo-se àquelas consideradas inabilitadas,
os "Envelopes “B” (propostas de preços) devidamente fechados, desde que não tenha havido
recurso ou após sua denegação, ou desistência de apresentar recurso por todos os participantes,
mediante manifestação expressa em ATA.
5.5 Concluída a fase de habilitação não serão aceitos pedidos de retiradas de propostas de preços,
salvo por motivo justo decorrente de fato superveniente e aceito pela Comissão de Licitação.
5.6 Caso tenha transcorrido o prazo legal de 05 (cinco) dias úteis sem interposição de recurso ou
após desistência de apresentar recurso, por todos os participantes, mediante manifestação
expressa em ATA ou após o julgamento dos recursos interpostos, proceder-se-á à abertura dos
"Envelopes“B” contendo as propostas de preços, as quais serão vistas e rubricadas pelos
membros da Comissão e pelos representantes das Licitantes presentes à sessão, se legalmente
credenciados.
5.7 No caso de inabilitação de todas as Licitantes, a Comissão Permanente de Licitação poderá
convocar todas as Licitantes para, no prazo de 8 (oito) dias úteis, apresentarem nova
documentação escoimada das causas que levaram à inabilitação.

6.0 - DA PROPOSTA DE PREÇOS

6.1 - A Proposta de preços deverá ser digitada em 01 (uma) via, sem emendas, rasuras ou
entrelinhas, numeradas sequencialmente, contendo obrigatoriamente:
6.1.1 A proposta comercial deve apresentar a planilha de preços demostrando o valor
unitário( de cada item) e total, incluindo o .LDI e valores da manutenção dos equipamentos da
FUNASA.
6.1.2 Modalidade da Licitação, número, dia, hora e local da apresentação e descrição do objeto;
6.1.3 Razão Social. CNPJ e endereço completo, nome do Banco, Agência e o número da conta
bancária;
6.1.4 Prazo de Validade da Proposta não inferior a 60 (sessenta) dias contados a partir da data da

11
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
entrega da proposta;

6.2 Na proposta deverão constar, como requisito de classificação, as seguintes declarações:


6.2.1.Declaração assinada pelo Representante Legal da Licitante que disponibilizará três equipes
de perfuração para atendimento do contrato: duas para operar os equipamentos da Funasa e uma
com equipamento da própria empresa que será utilizada a critério da Funasa.

6.2.2.Declaração que os trabalhos de campo só poderão ser interrompidos por solicitação da


Funasa, não podendo ser alegados pela Licitante, falta de equipe, folgas de campo ou qualquer
outro motivo para interrupção temporária dos trabalhos de locação, perfuração e manutenção
preventiva e corretiva.

6.2.3.Declaração de que conhece as dificuldades inerentes a construção de poços e operação dos


equipamentos e estado de conservação; que possui uma avaliação dos problemas a serem
enfrentados durante a execução do contrato e que custos propostos cobrirão quaisquer
dificuldades decorrentes da localização dos serviços e das dificuldades de operação.

6.2.4.Declaração de que manterá encarregado da Licitante permanentemente no canteiro de obra


de perfuração de poços, um por equipe e mais um técnico de nível superior que atenda Resolução
CREA n.ºde 218 de junho de 1973.

6.2.5.Declaração de que os Sócios Proprietários da Contratada não possuem nenhum vínculo de


parentesco até o terceiro grau, com qualquer funcionário da Funasa.

6.2.6.Declaração que durante a execução do contrato ira atender ao que determina o Art.6º da
Instrução Normativa Nº 01 de 19 de janeiro de 2009.

6.2.7 Declaração de que no valor da proposta estão incluídos todos os custos e despesas, tais
como e sem se limitar a custos diretos e indiretos, tributos incidentes, taxa de administração,
transportes, seguros, lucro e outros que direta ou indiretamente tenha relação com o objeto deste
edital e seus anexos;
6.2.7.1 Quaisquer tributos, custos e despesas diretos ou indiretos omitidos na proposta ou
incorretamente cotados serão considerados como inclusos nos preços, não sendo considerados
pleitos de acréscimo, a esse ou qualquer título, devendo as peças serem fornecidas à FUNASA
sem ônus adicionais;

6.3 – Deverá ser apresentado o Cronograma Financeiro deverá refletir a programação da


Licitante para a execução das obras e serviços, podendo ser utilizado o modelo da
FUNASA/CORE-GO.
6.4 Na elaboração da proposta de preços deverão ser observadas e cumpridas as exigências do
Projeto Básico, sob pena de desclassificação da proposta.
6.5 Independentemente de declaração expressa, a apresentação da proposta de preços implica na
submissão às normas vigentes e todas as condições estipuladas neste Edital.
6.6 Os preços propostos serão de exclusiva responsabilidade da Licitante, não lhe assistindo o
direito de pleitear qualquer alteração dos mesmos, sob alegação de erro, omissão ou qualquer
outro pretexto.
12
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
6.7 A apresentação da Proposta de Preços implica a aceitação plena e total das condições deste
Edital, sujeitando-se a licitante às sanções previstas nos artigos 87 e 88, da Lei No 8.666/93.
6.8 A proposta de preços deverá ser apresentada em envelope fechado, com as respectivas
identificações na parte externa, conforme previsto no subitem 3.5.

7. ANALISE DAS PROPOSTAS

7.1 Vistas e rubricadas as propostas de preços, proceder-se-á ao encerramento da sessão, para que
as mesmas sejam analisadas e julgadas em caráter reservado, pela Comissão.
7.2 Concluída(s) a(s) sessão(ões), a Comissão lavrará, de forma circunstanciada, ATA(S) na(s)
qual(is) serão consignadas todas as ocorrências relativas ao recebimento dos envelopes e
julgamento, sendo a(s) mesma(s) assinada(s) pela Comissão da Licitação e pelos representantes
das Licitantes presentes e, ocorrendo recusa de assinatura da ATA por parte de um representante
e/ou membro da Comissão, tal circunstância deverá ser igualmente consignada.
7.3 Quando da análise das propostas de preços, será feita, inicialmente, a verificação da
conformidade de cada proposta com as exigências deste edital, procedendo-se à desclassificação
das propostas desconformes ou incompatíveis com os requisitos do ato convocatório.
7.3.1 Serão classificadas as propostas de preços que atenderem, integralmente, a todas as
exigências deste Edital e seus anexos.
7.4 A classificação das propostas de preços será em ordem crescente dos valores globais
ofertados pelas Licitantes, sendo considerada classificada em primeiro lugar e vencedora da
licitação, a Licitante que, tendo atendido às exigências deste Edital e seus anexos, apresentar
proposta de Menor Preço Global.
7.5 O preço global máximo orçado e aceito pela FUNASA/CORE-GO é de R$ 4.276.220,00
(quatro milhões duzentos e setenta e seis mil duzentos e vinte reais), em observância ao
disposto do inciso X do artigo 40 da Lei No 8.666/93, com redação da Lei No 9.648/98.
7.5.1 Serão desclassificadas as propostas de preços que apresentarem valores unitários da
planilha e preços globais superiores ao valor estimado pela FUNASA/CORE-GO.
7.6 Serão desclassificadas as propostas que apresentarem preços manifestamente inexeqüíveis,
de conformidade com os dispositivos constantes das alíneas “a” e “b” do § 1o do art. 48 da Lei No
8.666/93, alterada pela Lei No 9.648/98 e previsto no item 18 do Projeto Básico, anexo I deste
Edital.
7.6.1 Não se admitirá, sob pena de desclassificação, proposta que apresente preços global ou
unitário simbólicos, irrisório ou de valor zero, ou incompatível com os preços dos insumos e
salários de mercado, conforme disposto do § 3o do artigo 44 da Lei No 8.666/93.

8 DISPOSIÇÕES GERAIS DO JULGAMENTO DAS PROPOSTAS

8.1 Durante a análise das propostas, a Comissão Permanente de Licitação e/ou a autoridade
competente poderá convocar as Licitantes para quaisquer esclarecimentos adicionais ou
promover diligências, visando certificar-se da conformidade com as especificações do Edital,
avaliar a capacidade operacional da Licitante e se inteirar das reais condições de atendimento ao
objeto da licitação.
8.2 Na hipótese de todos as Licitantes serem inabilitadas ou todas as propostas forem

13
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
desclassificadas, a Administração poderá fixar aos licitantes o prazo de 08 (oito) dias úteis para a
apresentação de nova documentação ou de outras propostas escoimadas das causas referidas no
Art. 48 da Lei No 8.666/93, de conformidade com a redação dada pela Lei No 9.648/98.
8.3 No caso de empate entre 02 (duas) ou mais propostas de preços, e depois de obedecido o
disposto no § 2o do artigo 3o da Lei No 8.666/93, a classificação se fará obrigatoriamente, por
sorteio, em ato público, para qual todos os Licitantes serão convocados, vedado qualquer outro
processo.
8.4 É vedado a utilização de qualquer elemento, critério ou fator sigiloso, secreto, subjetivo ou
reservado que possa, ainda que indiretamente elidir o princípio da igualdade entre as Licitantes.
8.9 Não será levada em consideração, para efeito de julgamento, a proposta de preços que
contenha qualquer oferta de vantagem não prevista neste Edital, inclusive financiamentos
subsidiados ou a fundo perdido, nem preço ou vantagem baseada nas ofertas das demais
Licitantes.
8.10 Caberá à Comissão da Licitação elaborar relatório(s) de julgamento onde registrará os
fundamentos que resultou na escolha da Proposta vencedora.
8.11 O resultado do julgamento será divulgado no Diário Oficial.
8.12 Após a divulgação do julgamento, e decorrido o prazo recursal previsto em Lei, o
Presidente da CPL da FUNASA/CORE-GO submeterá ao Coordenador Regional da
FUNASA/CORE-GO., para fins de homologação do resultado da licitação e a adjudicação e
homologação do objeto do Edital à Licitante vencedora, podendo ser revogada por interesse
público e será anulada por ilegalidade, de ofício ou mediante provocação de terceiros, através de
parecer escrito e devidamente fundamentado;
8.12.1 Ocorrendo anulação ou revogação desta licitação, a Fundação Nacional de Saúde
providenciará a publicação no Diário Oficial da União, a partir da qual correrá o prazo para
a interposição de recurso hierárquico.
8.13 Consoante reza a Lei No 8.666/93, a Administração caso tenha conhecimento posterior ao
julgamento da licitação, sobre atos ou fatos que desabonem a idoneidade financeira, técnica ou
administrativa da adjudicatária, poderá, mediante despacho fundamentado, desclassificar a
Licitante vencedora da presente licitação, mesmo já tendo ocorrido a assinatura do "termo de
contrato", sem que caiba à mesma o direito à indenização ou ressarcimento, e sem prejuízo de
aplicação das sanções cabíveis, assegurado o contraditório e a ampla defesa.
8.14 Caberá à Administração providenciar a publicação no Diário Oficial da União, o resultado
final da licitação.
8.15 O julgamento final desta licitação somente será considerado definitivo após a adjudicação e
homologação pelo Coordenador Regional da FUNASA/CORE-GO.

9 - DA IMPUGNAÇÃO DO EDITAL (Art. 41 da Lei 8.666/93)

9.1 - Qualquer cidadão é parte legítima para impugnar o presente edital, por irregularidade na
aplicação da Lei No 8.666/93, devendo protocolar o pedido até 05 (cinco) dias úteis, antes da data
fixada para abertura dos envelopes de habilitação, devendo a Administração julgar e responder à
impugnação em até 03 (três) dias úteis, sem prejuízo da faculdade prevista no § 1 o do artigo 113
da Lei No 8.666/93.
9.2 - Decairá do direito de impugnar os termos deste edital, perante a Administração, o licitante
que não o fizer até o quinto dia útil que anteceder a abertura dos envelopes de habilitação desta

14
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
concorrência, e tendo-o aceito sem objeção venha a apontar falhas ou irregularidades que o
viciarem, hipótese em que tal comunicação não terá efeito de recurso.
9.3 - A impugnação feita tempestivamente pelo licitante não o impedirá de participar do processo
licitatório até o trânsito em julgado da decisão a ela pertinente.

10. DOS RECURSOS ADMINISTRATIVOS

10.1 - Dos atos da Administração decorrentes da aplicação da Lei No 8.666/93 cabem:

10.1.1 Recurso, no prazo de 05 (cinco) dias úteis a contar da intimação do ato ou da lavratura da
ata, nos casos de:
a) Habilitação ou inabilitação da Licitante;
b) Julgamento das propostas;
c) Anulação ou revogação da licitação;
d) Indeferimento do pedido de inscrição em registro cadastral, sua alteração ou
cancelamento;
e) Rescisão do contrato, a que se refere o inciso I do artigo 79 da Lei No 8.666/93; e,
f) Aplicação das penas de advertência, suspensão temporária ou de multa.

10.1.2 Representação, no prazo de 05 (cinco) dias úteis da intimação da decisão relacionada com
o objeto ou do contrato, de que não caiba recurso hierárquico; e,
10.1.3 Pedido de reconsideração, de decisão do Ministro de Estado, prevista no inciso III do
artigo 109 da Lei No 8.666/93.

10.2 - A intimação dos atos referidos nas alíneas "a", "b", "c" e "e" do subitem 10.1.1, excluídos
os relativos à advertência e multa de mora, e no subitem 10.1.3, será feita mediante publicação
na imprensa oficial, salvo, para os casos previstos nas alíneas "a" e "b" do já citado subitem
10.1.1, quando presentes Representantes Legais das Licitantes no ato em que foi feita por
comunicação direta aos interessados e lavrada em ata.
10.3 O recurso previsto para habilitação ou inabilitação da Licitante e julgamento das propostas
terá efeito suspensivo, podendo a Autoridade Competente, motivadamente e presentes razões de
interesse público, atribuir ao recurso interposto eficácia suspensiva aos demais recursos.
10.4 Interposto o recurso será comunicado as demais Licitantes que poderão impugná-lo no
prazo de 05 (cinco) dias úteis.
10.4.1 O recurso será dirigido ao Presidente da Comissão de Licitação, o qual poderá
reconsiderar sua decisão, no prazo de 05 (cinco) dias úteis, ou, nesse mesmo prazo, fazê-lo subir
ao Coordenador Regional da FUNASA/CORE-GO, devidamente informado, devendo, neste
caso, a decisão ser proferida dentro do prazo de 05 (cinco) dias úteis, contado do recebimento do
recurso, sob pena de responsabilidade.
10.5 Nenhum prazo de recurso, representação ou pedido de reconsideração se inicia ou corre sem
que os autos do processo estejam com vista franqueada ao interessado.
10.6 Na contagem do prazo será excluído o dia de começo e incluído o dia final, prorrogando-se
este, automaticamente, para o primeiro dia útil subseqüente, quando recair em data que não haja
expediente na FUNASA/CORE-GO.
10.7 Quando a ciência do ato ocorrer no último dia útil da semana, a contagem do prazo terá

15
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
início na Segunda-feira seguinte ou ainda, não havendo expediente, no primeiro dia útil que se
seguir.
10.8 Não serão conhecidos os pedidos de reconsideração e o recurso, cujas petições tenham sido
apresentadas fora do prazo legal.
10.9 Observando o disposto no art. 109 da Lei 8666/93, o licitante poderá apresentar recurso, por
escrito e protocolado no Setor de Protocolo da FUNASA/CORE-GO., sito a Rua 82, n. 179 –
Setor Sul Goiânia - Go .
10.9.1 O recurso administrativo encaminhado via fax, no último dia de prazo, só terá eficácia se
o original for apresentado no dia subseqüente. Em caso contrário o recurso não será apreciado.
10.10 Quaisquer argumentos ou subsídios concernentes à defesa da Licitante que pretender
reconsideração das decisões da Comissão de Licitação/FUNASA/CORE-GO., deverão ser
apresentados exclusivamente por escrito;
10.11 Em se constatando dolo ou má fé no procedimento recursal, com intuito meramente
protelatório, a Licitante recorrente ficará sujeito à exclusão do processo, sem prejuízo de outras
sanções legais.

11 DO CONTRATO

11.1 A autoridade competente da Fundação Nacional de Saúde convocará a Licitante vecedora


por escrito para a assinatura do Contrato, que deverá ocorrer no prazo máximo de 05 (cinco)
dias úteis, contados do recebimento da convocação, sob pena de decair o seu direito sobre a
presente licitação, sem prejuízo das sanções previstas no artigo 81 da Lei N o 8.666/93 e neste
Edital.
11.1.1 Na hipótese da Licitante vencedora não comparecer para assinar o Contrato no prazo
estabelecido acima, este poderá ser prorrogado uma vez por igual período, quando solicitado pela
parte, desde que ocorra motivo justificado e aceito pela autoridade competente.

11.2 A recusa injustificada da Licitante vecedora em assinar o respectivo instrumento contratual,


aceitar ou retirar a nota de empenho, caracterizará o descumprimento total da obrigação
assumida, sujeitando-se às penalidades legalmente previstas neste Edital e Art. 87 da Lei
8.666/93, salvo no caso das licitantes convocadas nos termos do art. 64, § 2º, da Lei N o
8.666/93.
11.3 É facultado à Administração, quando o convocado não assinar o termo de contrato ou não
aceitar ou retirar o instrumento equivalente no prazo e condições estabelecidos, convocar as
Licitantes remanescentes, na ordem de classificação, para fazê-lo em igual prazo e nas mesmas
condições propostas pela Licitante primeira classificada, inclusive quanto aos preços atualizados,
consoante legislação pertinente à matéria, ou revogar a Licitação independentemente da
cominação prevista no Art. 81 da Lei No 8.666/93.
11.4 Decorridos 60 (sessenta) dias da data da entrega das propostas de preços, sem que tenha
ocorrido a convocação para a contratação, a Licitante fica liberada do compromisso assumido.
11.5 A vigência do contrato de 24( vinte e quatro) meses a contar da assinatura da primeira
ordem de serviço, podendo ser prorrogado por interesse das partes por mais 12(doze) meses.
11.6 A Licitante se obriga a manter, durante toda a execução do contrato, as mesmas condições
de Habilitação apresentadas durante o certame, particularmente às referentes aos responsáveis
técnicos indicados.

16
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
11.7 Antes da celebração do instrumento de Contrato, será verificada a regularidade no CADIN e
no SICAF pela Administração, por meio de consulta “on-line” ao sistema, devendo seu resultado
ser impresso e juntado ao processo.
11.7.1 No caso de a Licitante vencedora apresentar irregularidade, a assinatura do contrato ficará
suspensa até a devida regularização por parte da mesma, observando-se o prazo para aplicação
de multas pertinentes.
11.8 Este Edital e seus anexos, os documentos de habilitação, a proposta de preços da Licitante
vencedora, a nota de empenho, a(s) Ata(s) da(s) sessões, o(s) relatório(s) de julgamento, bem
como os demais documentos concernentes à licitação que serviram de base ao processo
licitatório, farão parte do futuro Contrato a ser assinado com a Licitante vencedora, independente
de sua transcrição.
11.9 No caso de omissão de termos que constam neste Edital, no Projeto Básico e suas
especificações complementares no Contrato assinado entre a FUNASA/CORE-GO e a Licitante
vencedora, valerão os termos dos demais documentos que integram o Processo Licitatório.
11.7 Deixando a Licitante vencedora de cumprir qualquer das obrigações assumidas ficará sujeita
às sanções previstas neste Edital e seus anexos e em conformidade com os artigos 86, 87 e 88 da
Lei No 8.666/93.
11.8 Dependendo da necessidade da FUNASA/CORE-GO, mediante normatização de termo
aditivo, a Licitante vencedora fica obrigada a aceitar, na vigência do instrumento contratual e nas
mesmas condições nele estabelecidas, os acréscimos ou supressões previstas nos termos do Art.
65, § 1o da Lei No 8.666, de 21 de junho de 1993.
11.9 Por ocasião da assinatura do termo do contrato e/ou durante a sua execução, o cronograma
físico-financeiro poderá ser revisto de comum acordo com a FUNASA/CORE-GO, para atender
à boa execução do conjunto total da programação dos serviços e fornecimento de materiais.
11.10 É vedado subempreitar em todo ou em parte os serviços objeto deste Edital.
11.11 As demais condições e clausulas do contrato podem ser analisadas na minuta constante no
anexo VIII deste Edital.

12 DA GARANTIA

12.1 A Licitante vencedora será notificada por ofício para no prazo de 10 (dez) dias corridos,
apresentar a garantia de execução do Contrato, devendo optar por uma das modalidades de
garantia, conforme disposto no § 1º, do art. 56, da Lei nº 8.666/93:
12.2 Por se tratar de serviços que importa na entrega de bens pela Administração, dos quais o
contratado ficara depositário, e envolvendo serviços de alta complexidade técnica a Licitante
vencedora apresentará a garantia correspondente a 05% (cinco por cento) do valor total estimado
deste Contrato, acrescido de R$ 1.400.000,00 (hum milhão e quatrocentos mil reais)
correspondente ao valor contabilizado dos bens, a título de execução da obrigação, nos termos
previstos no parágrafo 5° do art. 56 da Lei n.º. 8.666/93.

I – Caução em dinheiro ou em títulos da dívida pública, devendo estes ter sido emitidos
sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação e de
custódia autorizado pelo Banco do Brasil e avaliados pelos seus valores econômicos,
conforme definido pelo Ministério da Fazenda;
II - Seguro-garantia;

17
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
III – Fiança bancária.

12.3 Tratando-se de garantia prestada por meio de Fiança Bancária ou Seguro-Garantia, a mesma
será renovada anualmente no mesmo percentual estabelecido neste item, devidamente atualizada;
12.4 Em se tratando de fiança bancária, o fiador renunciará expressamente, no instrumento de
fiança, aos benefícios previstos nos artigos 827 e 835 da Lei nº 10.406, de 10.01.2002, que
instituiu o Código Civil Brasileiro;
12.5 Sem prejuízo da aplicação das sanções cabíveis, o FUNASA se valerá das garantias
constituídas a fim de ressarcir-se dos prejuízos provocados pela Licitante vencedora, podendo,
ainda, reter créditos decorrentes do Contrato ou promover a cobrança judicial;
12.6 Caso o valor da garantia seja utilizado para fins de pagamento de qualquer obrigação,
inclusive indenização a terceiros, a Licitante vencedora obriga a fazer a respectiva reposição, no
prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis, a contar da notificação feita pelo FUNASA;
12.7 Ocorrendo prorrogação do prazo de vigência, reequilíbrio econômico de valor ou aumento
de quantitativo, a garantia será renovada ou integralizada ao mesmo percentual preestabelecido
do valor global do Termo Aditivo do Contrato;
12.8 Rescindido o Contrato por culpa da Licitante vencedora, será descontado da garantia
prestada, os valores referentes as multas;
12.9 A garantia prestada responderá, subsidiariamente, pela(s) multa(s) aplicada(s), se por qualquer
motivo a Licitante vencedora não a(s) pagar no(s) prazo(s) fixado(s);

13 DA EXECUÇÃO DO CONTRATO e ORDENS DE SERVIÇOS

13.1 A execução do contrato, bem como os casos nele omissos, regular-se-ão pelas cláusulas
contratuais e pelos preceitos de direito público, aplicando-se-lhes, supletivamente, os princípios
da Teoria Geral dos Contratos e as disposições de direito privado, na forma do art. 54, da Lei n.º
8.666/93, combinado com o inciso XII, do art. 55, do mesmo diploma legal;
13.2 A apropriação das faturas referente a serviços de operação e construção de poços feitos por
serviço medido demonstrado em planilha de apropriação de serviços e materiais, assinado pelo
Fiscal de Campo e Encarregado da Licitante vencedora.
13.3 O pagamento será feito na totalidade da Ordem de Serviço mediante a apresentação e
aprovação do Relatório Técnico do Poço, estando de acordo com Especificações Técnicas dos
serviços de construção de poços.
13.4 A execução dos serviços em desacordo com o objeto desta licitação sujeitará a Licitante
vencedora às sanções legais cabíveis, caso não seja possível a sua correção.
13.5 Os serviços de manutenção preventiva e corretiva dos caminhões deverão ser feitos em
oficinas especializadas usando preferencialmente peças genuínas do fabricante ou peças de
primeira linha. Deverá ser realizada de acordo com o manual de cada fabricante.
13.6 Para execução dos serviços de manutenção corretiva a Licitante vencedora encaminhará
solicitação com a descrição dos serviços a serem realizados e relação de peças necessárias,
acompanhado de orçamento, com prazo de execução, para a aprovação da fiscalização. A
fiscalização poderá exigir mais de um orçamento dependendo na natureza dos serviços.
13.7. Durante a execução do contrato serão escolhidas localidades próximas ou na mesma região
para atuação de cada equipe de perfuração para facilitar o planejamento dos trabalhos de campo.
13.8.As equipes de perfuração poderão trabalhar na mesma região ou em regiões distintas, sem

18
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
prejuízo do cumprimento das exigências do Contrato.
13.9 Demais normas de execução constam do Projeto Básico, parte integrante deste Edita

14 DO ACOMPANHAMENTO E DA FISCALIZAÇÃO

14.1 A FUNASA designará um Fiscal de Nível Superior para exercer a gestão do contrato e zelar
pelo cumprimento do contrato atendendo ao art. 67 da Lei 8.666/93, nomeado por portaria pelo
Coordenador Regional;
14.2 Caberá ao Fiscal do Contrato dirimir as dúvidas, arbitrar e fiscalizar os serviços objeto deste
Edital, podendo sustar, recusar, mandar refazer ou trocar executar os serviços que estejam em
desacordo com o solicitado, assistido e subsidiado por auxiliares técnicos e auxiliares de campo.
14.3 O exercício da fiscalização não excluí nem reduz a responsabilidade da Licitante vencedora,
inclusive perante terceiros pôr qualquer irregularidade ou ainda resultante de imperfeições
técnicas, vícios redibitórios, ou emprego de material inadequado ou de qualidade inferior e na
ocorrência desta, não implica em co-responsabilidade da FUNASA ou de seus agentes e
prepostos (art. 70, da Lei n.º. 8.666/93 e suas alterações) e em nada diminuem as
responsabilidades únicas, integrais e exclusivas da Licitante vencedora por possíveis falhas
executivas e suas implicações, próximas ou remotas, perante o contrato, o Código Civil, Lei das
Licitações e outros instrumentos legais existentes;
14.4 Obrigatoriedade da Licitante vencedora de manter preposto, no local da obra ou serviço,
para representá-lo na execução do contrato atendendo ao Art. 68 da Lei das Licitações. Este
preposto na qualidade de encarregado será o interlocutor entre FUNASA e a Licitante vencedora,
devendo o mesmo ser indicado por escrito, preferencialmente de nível superior;
14.5. A ausência do preposto implica em suspensão imediata dos trabalhos. No caso das
atividades de locação o preposto pode ser o próprio técnico;
14.6 A fiscalização da FUNASA poderá rejeitar e solicitar a qualquer tempo à substituição de
funcionário da Licitante vencedora, equipamento ou materiais que considere inadequado ou não
atenda as especificações;
14.7 Caso a fiscalização da FUNASA constate quaisquer ocorrências em desacordo com as
especificações de execução dos serviços deverá fazer imediato registro no Diário de Obra e
solicitar imediata previdência para a correção;
14.8 A Licitante vencedora é obrigada a afastar imediatamente do serviço e do canteiro de obra
qualquer funcionário julgado inconveniente pela Fiscalização, seja por má conduta,
incompetência que possa prejudicar a disciplina no canteiro de obra, a segurança ou a boa
execução dos serviços;
14.9 Cabe ao fiscal auxiliar de campo para subsidiar de informações o Fiscal do Contrato
acompanhando permanentemente dos serviços;
14.10 A fiscalização de campo terá plena autoridade para ordenar a suspensão, por não
atendimento das especificações técnicas, das obras e serviços em execução, parcialmente ou no
todo, registrando no Diário de Obra da Equipe;
14.11 A fiscalização poderá rejeitar e solicitar a qualquer tempo à substituição de quaisquer
equipamentos, serviços e materiais, que não considere adequado ao bom andamento da obra em
desacordo com as especificações técnicas ou com as normas vigentes;
14.12 A substituição dos materiais e equipamentos durante a realização da obra só poderá ser
efetuada pela Licitante vencedora, mediante a autorização da fiscalização da Funasa;

19
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
14.13 No caso de desobediência a fiscalização o contrato será, a critério da Funasa, rescindido
unilateralmente, independente de notificação sendo devido à contratada o pagamento dos
serviços realizados e concluídos;
14.14 Não cabe a Funasa o pagamento de danos e indenizações resultante de obrigações da
contratada com terceiros, inclusive os trabalhistas;
14.15 Em qualquer dos casos os serviços poderão ser reiniciados, a critério da Funasa, através de
ordem específica da Fiscalização, dentro do prazo de execução do contrato depois de sanadas as
pendências;
14.16 As omissões, duvidas e arbitramentos serão resolvidas pelo Fiscal do Contrato, ouvido as
áreas técnicas;
14.17 As demais normas e requisitos referente a fiscalização, constam da minuta de contrato e do
Projeto Básico.

15 DAS RESPONSABILIDADES

15.1. Compete a FUNASA:

a) Acompanhar e fiscalizar através de servidores da FUNASA/CORE-GO, a execução objeto


deste Edital;
b) Proporcionar à Licitante vencedora todas as condições necessárias ao pleno cumprimento das
obrigações decorrentes da presente licitação, consoante estabelece a Lei No 8.666/93;
c) Comunicar a Licitante vencedora toda e qualquer ocorrência relacionada com a execução do
contrato, fornecimento de materiais e instalação, diligenciando nos casos que exijam
providências corretivas;
d) Exigir da Licitante vencedora, durante toda a execução do contrato, em compatibilidade com
as obrigações por ela assumidas, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas nesta
licitação;
e) Não responsabilizar-se por roubos, subtrações ou atos de vandalismo que venham a ocorrer no
canteiro das obras durante a execução dos serviços, ficando a cargo da Licitante vencedora
exercer a vigilância que considere necessária a esse respeito;
f) Recusar quaisquer serviços, materiais fornecidos e assentados/instalados que estejam em
desacordo com as especificações, planilhas e outros documentos que fazem parte do contrato;
g) Aplicar à Licitante vencedora, quando se fizer necessário, as penalidades regulamentares e
contratuais;
h) Efetuar os pagamentos devidos à Licitante vencedora, nas condições estabelecidas neste
Edital, a vista das notas fiscais/faturas devidamente atestadas pela FUNASA/CORE-GO,
devendo ser observado a situação de regularidade da Licitante vencedora junto ao Sistema de
Cadastramento Unificado de Fornecedores - SICAF.
i) As demais obrigações e normas de responsabilidades constam do Projeto Básico e minuta
de contrato partes integrantes deste Edital.

15.2. Compete à Licitante vencedora:

a) Executar com fidelidade o objeto do contrato em conformidade com as condições e prazos


estabelecidos na proposta, a qual deverá atender, integralmente, às exigências do edital e seus
20
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
anexos;
b) Sujeitar-se a mais ampla e irrestrita Fiscalização por parte da Administração, cabendo-lhe,
ainda, prestar todos os esclarecimentos solicitados e solucionar as reclamações formuladas,
inclusive com substituição de profissionais, quando for o caso;
c) Arcar com todas as despesas decorrentes do contrato, inclusive transportes em geral, salários,
indenizações, locação, seguros em geral, impostos, taxas, licenças em geral, contribuições
providenciarias, encargos técnicos e trabalhistas, acidentes de trabalho, e quaisquer custos e
condições que incidam ou venham incidir sobre o contrato;
d) Manter durante toda a execução do contrato, em compatibilidade com as obrigações por ela
assumidas, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas nesta licitação;
e) Dispor de quantitativo de pessoal suficiente com operários devidamente treinados e
habilitados par realização dos trabalhos contratados, sendo coordenados direta e
permanentemente por técnico de comprovada experiência;
f) Executar os serviços a serem contratados com a máxima segurança para o pessoal que o
execute, devendo ser cumpridas rigorosamente as normas vigentes, relativas a segurança e
higiene de trabalho;
g) Responder pelos danos causados diretamente a Administração ou a terceiros, na execução do
objeto desta licitação, não podendo ser argüido para efeito de exclusão de responsabilidade o fato
de a contratante proceder à fiscalização ou acompanhamento de execução de fornecimento de
materiais.
h) As demais obrigações e normas constam do Projeto Básico e suas especificações e minuta
de Contrato, partes integrantes deste Edital.

16 DO PAGAMENTO

16.1 O pagamento será efetuado no prazo 10 (dias) dias, a contar da conclusão de cada Ordem de
Serviço, e apresentação pela Licitante vencedora, a FUNASA/CORE-GO, da respectiva fatura,
que devera estar atestada pela fiscalização.
16.2 O pagamento será feito na totalidade da Ordem de Serviço mediante a apresentação e
aprovação do Relatório Técnico do Poço, acordo com Especificações Técnicas dos serviços de
construção de poços.
16.3 O valor apropriado para pagamento de cada poço será aquele realmente aplicado na
construção do poço, multiplicado pelo valor unitário de cada item correspondente da Planilha de
Serviços com Aplicação de Materiais.
16.4 A Licitante vencedora encaminhará nota fiscal dos serviços de construção do poço tubular
acompanhada de planilha demonstrativa dos serviços e materiais aplicados, por poço, conforme
modelo ANEXO XIV contendo coluna com as unidades, coluna com o valor unitário, coluna
com o quantitativo aplicado no poço e totalização assinado pelo representante da Licitante
vencedora e chancelado Fiscal de Campo da Funasa para pagamento.
16.5 Para execução dos serviços de manutenção corretiva a Contratada encaminhará solicitação
com a descrição dos serviços a serem realizado e relação de peças, acompanhado de orçamento,
com prazo de execução, para a aprovação da fiscalização. A fiscalização poderá exigir mais de
um orçamento dependendo na natureza dos serviços.
16.5.1 Serão pagos todos os serviços de manutenção e peças desde que comprovado que os
valores são os menores praticados no mercado.

21
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
16.5.2 O pagamento será feito de acordo com o contrato e em uma nota de serviços
independente do serviço de perfuração que sera em nota especifica.
16.5.3 O pagamento dos serviços de Manutenção Preventiva e Corretiva, será feito com a
emissão de Nota Fiscal de serviço incluindo todas as despesas de peças e materiais aplicados,
acompanhada de relatório demonstrativo dos serviços realizados, dos materiais aplicados com
cotação das mesmas dos respectivos orçamentos aprovados pela fiscalização.
16.6 Se a Licitante vencedora for regularmente inscrita no Sistema Integrado de Pagamento de
Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples), nos
termos da Lei nº 9.317, de 05 de dezembro de 1996, não sofrerá a retenção tributária. No entanto,
o pagamento ficará condicionado à apresentação da declaração constante do anexo IV da
Instrução Normativa SRF nº 480, de 15 de dezembro de 2004;
16.7 Quando da ocorrência de eventuais atrasos de pagamento provocados exclusivamente pela
Administração, o valor devido deverá ser acrescido de atualização financeira, e sua apuração se
fará desde a data de seu vencimento até a data do efetivo pagamento, em que os juros de mora
serão calculados à taxa de 0,5% (meio por cento) ao mês, ou 6% (seis por cento) ao ano,
mediante aplicação das seguintes formulas, conforme IN-03/09:

I = (TX/100)
365
EM = I x N x VP, onde:
I = Índice de atualização financeira;
TX = Percentual da taxa de juros de mora anual;
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo pagamento;
VP = Valor da parcela em atraso.

16.8 Na hipótese de pagamento de juros de mora e demais encargos por atraso, os autos devem
ser instruídos com as justificativas e motivos, e ser submetidos à apreciação da autoridade
superior competente, que adotará as providências para verificar se é ou não caso de apuração de
responsabilidade, identificação dos envolvidos e imputação de ônus a quem deu causa.
16.9 Antes de efetuar o pagamento será verificada a regularidade da Licitante vencedora junto ao
Sistema Unificado de Cadastro de Fornecedores – SICAF, mediante consulta “on line”, cujo
documento será anexado ao processo de pagamento.
16.10 Os pagamentos poderão ser sustados pela FUNASA, nos seguintes casos:
a) Inadimplemento de obrigações da Licitante vencedora para com a FUNASA por conta
do Contrato;
b) Erros ou vícios nas faturas, o que implicará na sua devolução, onde a mesma deverá ser
reapresentada com os erros ou vícios sanados.
16.11 Verificada pela fiscalização a conformidade do boletim de medição das obras e serviços
realmente executados, e materiais fornecidos e assentados, a Licitante vencedora apresentará as
faturas referentes ao valor pertinente, a preços iniciais do contrato.
16.12 As faturas somente serão liberadas para pagamento depois de aprovadas pela Fiscalização,
e deverão estar isentas de erros ou omissões, sem o que serão, de forma imediata, devolvidas à
Licitante vencedora para correções, não se alterando a data de adimplemento da obrigação como
dantes referido.
16.13 Nenhum pagamento será efetuado à Licitante vencedora enquanto pendente de liquidação

22
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
qualquer obrigação financeira que lhe haja sido imposta em virtude de penalidade ou
inadimplência.
16.14 Para realização dos serviços de Perfuração dos Poços a Licitante vencedora recebera
Ordem de Serviço específica, conforme modelo padrão Funasa assinado pelo Coordenador
Regional.
16.14.1 A Ordem de Serviço será emitida por etapa conforme cronograma físico - financeiro.

17 DAS SANÇÕES ADMINISTRATIVAS

17.1 Pela inexecução total ou parcial do contrato, por erro ou atraso na execução, execução
imperfeita, inadimplemento contratual ou quaisquer outras irregularidades a FUNASA poderá
garantida a prévia defesa, aplicar ao contratado as seguintes sanções previstas no art. 86 a 88 da
Lei 8.666/93:
a) Advertência;
b) Multa de 0,3% (três décimos por cento), ao dia, sobre o valor anual, da contratação
observado o limite de 20% (vinte por cento), se a Licitante vencedora não cumprir as
obrigações assumidas ou cumpri-las em desacordo com o estabelecido neste
procedimento licitatório e no Contrato, salvo se advier de caso fortuito ou motivo de
força maior, devidamente comprovado e acatado pela administração.
c) Multa de 0,5% (meio por cento) do valor contratual por dia de atraso na
entrega/devolução do estabelecimento quando encerrado ou rescindido o contrato.
d) Suspensão temporária de participar de licitações e impedimento de contratar com o
FUNASA, pelo prazo de até 2 (dois) anos;
e) Declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública,
enquanto perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a
reabilitação perante a própria autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida
sempre que a licitante vencedora ressarcir a Administração da FUNASA pelos prejuízos
resultantes e depois de decorrido o prazo da sanção aplicada com base no subitem
anterior;
17.2 As penalidades serão obrigatoriamente registradas no SICAF e, no caso de suspensão de
licitar, a Licitante deverá ser descredenciado por igual período, sem prejuízo das multas previstas
no Edital, no Contrato e das demais cominações legais.
17.3 As penalidades previstas no presente Edital e seus anexos poderão ser relevados, no todo ou
em parte, quando o atraso na execução do serviço for devidamente justificado e comprovado pela
Licitante vencedora, por escrito, no prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis da ocorrência, em
caso fortuito ou motivo de força maior.
17.4 Os valores das multas aplicadas deverão ser recolhidos à conta Única do Tesouro Nacional,
através de Guia de Recolhimento, fornecida pela Setor Financeiro da FUNASA, no prazo de 05
(cinco) dias a contar da data da notificação, podendo a administração da FUNASA, cobrá-las
judicialmente, segundo a lei 6.830/80, com os encargos correspondentes.

23
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
17.5 As penalidades referidas no caput do artigo 81 da Lei 8.666/93 e suas alterações não se
aplicam às demais licitantes que forem convocadas, conforme a ordem de classificação das
propostas, que não aceitarem a contratação e no prazo de 48 (quarenta e oito) horas
comunicarem seu desinteresse.
17.6 A aplicação de penalidades será feita, mediante processo administrativo específico.
17.7 A Administração deverá comunicar a Licitante vencedora sua intenção de lhe aplicar as
penalidades previstas neste Edital ou Contrato, quando entender configurada a hipótese de
aplicação da sanção, assegurando-lhe o direito ao contraditório e à prévia defesa, no prazo de 5
(cinco) dias úteis, contados a partir do recebimento da comunicação.
17.8 Esta comunicação deverá ser feita por meio de Notificação (ofício ou qualquer outro
expediente administrativo), a qual deverá ser entregue pessoalmente, ou pela via postal com
Aviso de Recebimento, no endereço cadastrado no SICAF, da Licitante vencedora que ficará
sujeito à penalidade a partir do decurso do prazo para apresentar as razões de defesa;
17.9 Em caso de não conseguir localizar o Licitante vencedora, o mesmo deverá ser notificado
por edital, publicado em jornal de circulação local, por um período de 3 (três) dias.
17.10 As sanções previstas nas letras “d” e “e” do subitem 17.1, poderão ser aplicadas às
empresas ou aos profissionais que, em razão dos contratos regidos pela Lei nº 8.666/93, tenha:
a) Sofrido condenação definitiva por praticarem, por meios dolosos, fraude fiscal no
recolhimento de quaisquer tributos;
b) Praticado atos ilícitos visando a frustrar os objetivos da licitação;
c) Demonstrem não possuir idoneidade para contratar com a Administração em virtude de
atos ilícitos praticados
17.11 As sanções previstas nas letras “a”, “c” e “d” do subitem 17.1 poderão ser aplicadas
juntamente com a letra “b” do subitem 17.1, facultada a defesa prévia do interessado, no
respectivo processo, no prazo de 5 (cinco) dias úteis;
17.12 A Licitante vencedora terá direito a recursos administrativos, nos termos da Lei 8.666/93 e
9.784/99 e regras contidas neste Edital.

18 DA RESCISÃO

18.1 A inexecução total ou parcial do Contrato, por parte da Licitante vencedora, assegurará a
FUNASA o direito de rescisão nos termos do artigo 77 a 80 da Lei nº 8.666/93, assegurado o
contraditório e a ampla defesa, sempre mediante notificação por escrito.
18.2 O Contrato será rescindido de pleno direito, independentemente de interpelação judicial ou
extrajudicial, por inexecução de quaisquer das obrigações estipuladas na Cláusula décima
segunda, sujeitando a Licitante vencedora à indenização dos prejuízos que resultarem da
paralisação da execução dos serviços.
18.3 A Licitante vencedora reconhece desde já os direitos da FUNASA, em caso de rescisão
administrativa, por qualquer um dos motivos previstos no inciso I do Art. 79 da Lei n.º 8.666/93.
18.4 Ocorrendo a rescisão unilateral com base nos incisos XII a XVII do Art. 78 da Lei n.º
8.666/93, sem que haja culpa da Licitante vencedora, serão, a esta assegurados os direitos
24
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
previstos no § 2º do Art. 79 da mesma Lei.
18.5 A falta de cumprimento de qualquer Cláusula ou simples condição do futuro Contrato,
poderá acarretar a sua rescisão mediante prévio aviso. Contudo a FUNASA poderá rescindir o
Contrato automática e independentemente de aviso ou notificação judicial ou extrajudicial, nos
seguintes casos:
a) concordata, falência ou instauração de insolvência civil da Licitante vencedora;
b) dissolução da sociedade, e
c) inadimplência da Licitante vencedora em manter todas as condições de Cadastramento e
qualificação exigidas na licitação.

18.6 Poderá, ainda, o Contrato ser rescindido, na forma da lei, pela ocorrência das demais
situações previstas na Lei n.º 8.666/93.

18.7 Em quaisquer dos casos previstos neste item, é assegurado à Licitante vencedora o direito
ao contraditório e à ampla defesa.

19 DA ANULAÇÃO E REVOGAÇÃO

19.1 Esta licitação poderá ser revogada por razões de interesse público decorrentes de fato
superveniente, devidamente comprovado, pertinente e suficiente para justificar sua revogação, ou
ser anulada por ilegalidade, de ofício ou provocação de terceiros, mediante parecer escrito
devidamente fundamentado, nos termos do artigo 49 da Lei No 8.666/93.
19.2 A anulação do procedimento licitatório por motivo de ilegalidade não gera obrigação de
indenizar, ressalvado o disposto no parágrafo único do Art. 59 da Lei No 8.666/93.
19.3 A nulidade do procedimento licitatório induz à do contrato, ressalvado o disposto no
parágrafo único do artigo 59 da Lei No 8.666/93.
19.4 No caso de desfazimento do processo licitatório ou do Contrato, fica assegurado o
contraditório e a ampla defesa.

20 DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

20.1 As despesas decorrentes dos serviços objeto desta licitação correrão a conta do Orçamento
Geral da União para o exercício de 2010 abaixo descriminados:

20.1.1 EV-401081 ESF-2 PTRES-005003 Fonte-0151000000 ND-349039 PI-MSMPOGO e


MSCPOGO, cobrir despesas de pagamento de serviços de operação dos equipamentos e
perfuração dos poços e despesas de pagamento de serviços de manutenção dos equipamentos e
despesas imprevistas neste caso estimado em R$1.000.000,00 (hum milhão de reais)

21 DAS DEMAIS NORMAS DO EDITAL

21.1 Lei n° 8.666, de 21 de junho de 1.993 e suas alterações - Regulamenta o art. 37, inciso XXI,

25
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e
dá outras providências.
21.2 Lei n° 6.496, de 07 de dezembro de 1.977 - Institui a “Anotação de Responsabilidade
Técnica” na prestação de serviços de engenharia, de arquitetura e agronomia; autoriza a criação,
pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CONFEA, de uma Mútua de
Assistência Profissional; e dá outras providências.
21.3 Lei n° 5.194, de 24 de dezembro de1966. - Regula o exercício das profissões de
Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências.
21.4 Decreto n° 2.271 de 07 de julho de 1997 - Dispõe sobre a contratação de serviços pela
Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências.
21.5 Resolução CREA n.ºde 218 de junho de 1973 - Discrimina atividades das diferentes
modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
21.6 Decisão Normativa 059/1997 do CREA - Dispõe sobre o registro de pessoas jurídicas que
atuam nas atividades de planejamento, pesquisa, locação, perfuração, limpeza e manutenção de
poços tubulares para captação de água subterrânea e dá outras providências.
21.7 Resolução n.º 15 de 11 de janeiro de 2001 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos -
Dispõe sobre o cadastro de toda empresa que execute perfuração de poço tubular profundo junto
aos Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e dá outras providências.
21.8 Resolução nº 1.025, de 30 de outubro de 2009 - Dispõe sobre a Anotação de
Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional, e dá outras providências.
21.9 NBR 12.212 - Projeto de poço para captação de água subterrânea;
21.10 NBR 12.244 - Construção de poço para captação de água subterrânea.

22 DO RECEBIMENTO DOS SERVIÇOS PELA FUNASA

22.1 O serviço será recebido de acordo com a ordem de serviço emitida, devendo atender as
quantidades solicitadas e estar de acordo com as especificações exigidas no Projeto Básico e
anexo II deste Edital - Especificações do Projeto Básico e da execução dos serviços de
locação de poços, sendo recebido das seguintes formas:
22.1.1. Recebimento Provisório – após o término da construção do poço, e entrega do
Relatórios, análise físico-química e bacteriológica e amostras do poço.

22.1.2. Recebimento Definitivo – se dará após a utilização do poço durante o tempo de 6


(seis) meses, para o fim a que foi projetado.
22.2 O recebimento provisório ou definitivo não exclui a responsabilidade civil pela solidez e
segurança do serviço, nem ético-profissional pela perfeita execução do futuro Contrato, dentro
dos limites estabelecidos pela Lei e demais normas contidas neste Edital e seus anexos.

23 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

23.1 – A presente licitação, no interesse do serviço público, poderá ter adiada a sua realização ou
transferida sua abertura para outro dia, mediante publicação no Diário Oficial da União e prévio
aviso às licitantes que adquiriram o Edital.
23.2 – Em nenhuma hipótese serão aceitas alegações de desatendimento às condições ou

26
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
exigências deste Ato Convocatório, sob o argumento de ter sido praticado interpretação errônea
ou por pseudo-ausência de sua clareza.
23.3 – É facultado à Comissão de Licitação proceder em qualquer fase da licitação, diligências
destinadas a esclarecer ou a complementar a instrução do processo, vedada à inclusão posterior
de documento ou informação que deveria constar originalmente da proposta.
23.4 – As certidões apresentadas para atendimento às exigências de habilitação deverão ser
apresentadas dentro de seu prazo de validade, assim considerando o indicado em seu próprio
texto ou em ato normativo específico, restando definido que não havendo no corpo do
documento o prazo de validade e inexistindo norma especial que o fixe, somente serão admitidas
como válidas as certidões emitidas até 90 (noventa) dias antes da data designada para a sessão
inaugural do certame.
23.5 – Não havendo expediente na data marcada para a abertura da licitação de que trata o
presente Edital, fica a sessão adiada para o primeiro dia útil subseqüente, na mesma hora e local,
salvo comunicações previamente realizadas.
23.6 – O desatendimento de exigências formais, não essenciais, não importará no afastamento
da(s) licitante(s), desde que seja possível a aferição da sua qualificação e a exata compreensão da
sua proposta, durante a realização da sessão pública desta Concorrência.
23.7 – As normas que disciplinam esta licitação serão sempre interpretadas em favor da
ampliação da disputa entre os interessados, desde que não comprometam o interesse da
Administração e a segurança da contratação.
23.8 – Quaisquer elementos, informações e/ou esclarecimentos relativos a esta licitação serão
prestados pela Comissão de Licitação, na Rua 83, no 179 – Setor Sul, na cidade de Goiânia-Go.
Telefones: 0XX62 3226 3050.
23.9 – A critério da FUNASA/CORE-GO, esta licitação poderá ter os seus quantitativos
reduzidos ou aumentados, de acordo com o artigo 65 da Lei No 8.666/93.
23.10 – Em nenhum momento poderá ser alterado o teor da documentação e propostas de preços
apresentadas, ou às mesmas anexas qualquer tipo de documento que importe em modificação de
seus termos originais.
23.11 – É vedado incluir no objeto da licitação a obtenção de recursos financeiros para sua
execução, qualquer que seja a sua origem.
23.12 – Os casos omissos e os que se tornarem controvertidos serão decididos no âmbito da
FUNASA/CORE-GO, pelo Coordenador Regional de Goiás da FUNASA/CORE-GO, com a
Divisão de Engenharia e responsáveis técnicos, à luz dos ditames legais pertinentes.
23.13 – Os documentos necessários à habilitação do presente Ato Convocatório, poderão ser
apresentados em original, por qualquer processo de cópia autenticada por cartório competente ou
por servidor da Administração antes da realização da sessão de abertura desta licitação ou
publicação em órgão da imprensa oficial.
23.14 - A Comissão Permanente de Licitação, no interesse público, poderá relevar omissões
puramente formais, desde que não infrinja o princípio da vinculação ao instrumento
convocatório.
23.15 - A licitação não implica na obrigação de contratação por parte da Fundação Nacional de
Saúde. Até a assinatura do Contrato, poderá o adjudicatário ser excluído da licitação, sem direito
à indenização ou a ressarcimento e, sem prejuízo de outras sanções cabíveis, caso a Fundação
Nacional de Saúde venha a ter conhecimento de qualquer fato ou circunstância superveniente ao
julgamento desta licitação que desabone sua idoneidade, capacidade financeira, técnica ou
administrativa.

27
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
23.16 - Nenhuma indenização será devida aos licitantes pela elaboração e/ou apresentação de
quaisquer documentos relativos a presente licitação.

24.0 – DO FORO

24.1 - As questões decorrentes deste instrumento, que não possam ser dirimidas
administrativamente, serão processadas e julgadas na Justiça Federal, no Foro da Seção
Judiciária do Estado de Goiás Sub-Seção de Goiânia.

Goiânia-Go., 05 de agosto de 2010.

______________________________________
FERNANDO WILSON FRANCISCO
Presidente da Comissão de Licitação

ANEXO I - PROJETO BÁSICO.

28
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
1. OBJETO
Contratação de empresa especializada para realização de serviços de perfuração de poços
tubulares profundos constando de:Serviço de perfuração e construção de poços tubulares
122(cento e vinte e dois)-poços tubulares profundos, tipo de projeto de poço misto e
parcialmente revestido, de profundidades variando entre 70 e 140 metros cada um, com
fornecimento de todos os serviços, materiais, insumos, ferramental de corte, necessário a
consecução do objeto.Manutenção com fornecimento de peças e operação de dois conjuntos de
perfuração roto-pneumáticos da Funasa e com equipamentos de perfuração e de apoio logístico
da empresa.Os serviços serão realizados nos Estado de Goiás, Mato Grosso – DSEI/Araguaia e
Tocantins.
2. DETALHAMENTO DO OBJETO
2.1. Os serviços incluem:
1.A construção dos poços utilizando dois conjuntos de equipamentos de
perfuração cada um composto de uma perfuratriz R1-H e um compressor
Chicago Pneumátic modelo 950 DPH, ambos sobre plataforma de
caminhão, incluindo operação manutenção insumos e todo material e
serviços necessários a construção dos poços conforme especificado;
2.A construção dos poços com equipamentos de perfuração da empresa
contratada incluindo operação manutenção insumos;;
3.O fornecimento de materiais, insumos e ferramental de corte para os
equipamentos da Funasa e equipamento próprio da Licitante vencedora;
4.O fornecimento de apoio logístico para transporte de equipes,
ferramental e insumos;
5.Serviços de manutenção corretiva e preventiva dos dois conjuntos de
perfuração rotopneumática, disponibilizados pela Funasa na forma
especificada

3. BASE LEGAL
3.1. Lei n° 8.666, de 21 de junho de 1.993 e suas alterações.
Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para
licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.

3.2. Lei n° 6.496, de 07 de dezembro de 1.977.


Institui a “Anotação de Responsabilidade Técnica” na prestação de serviços de
engenharia, de arquitetura e agronomia; autoriza a criação, pelo Conselho Federal de
Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CONFEA, de uma Mútua de Assistência
Profissional; e dá outras providências.

3.3. Lei n° 5.194, de 24 de dezembro de1966.


Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e
dá outras providências.

3.4. Decreto n° 2.271 de 07 de julho de 1997


29
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Dispõe sobre a contratação de serviços pela Administração Pública Federal direta,
autárquica e fundacional e dá outras providências.

3.5. Resolução CREA n.ºde 218 de junho de 1973


Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia,
Arquitetura e Agronomia.

3.6. Decisão Normativa 059/1997 do CREA


Dispõe sobre o registro de pessoas jurídicas que atuam nas atividades de planejamento,
pesquisa, locação, perfuração, limpeza e manutenção de poços tubulares para captação
de água subterrânea e dá outras providências.

3.7. Resolução n.º 15 de 11 de janeiro de 2001 do Conselho Nacional de Recursos


Hídricos.
Dispõe sobre o cadastro de toda empresa que execute perfuração de poço tubular
profundo junto aos Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e dá
outras providências.

3.8. Resolução nº 1.025, de 30 de outubro de 2009


Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional,
e dá outras providências.

3.9. NBR 12.212


Projeto de poço para captação de água subterrânea;

3. 10. NBR 12.244


Construção de poço para captação de água subterrânea.

3.11. Instrução Normativa Nº 01, de 19 de janeiro de 2010 do Ministério do


Planejamento, Orçamento e Gestão.
Dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, ontratação
de serviços ou obras pela administração Pública federal direta, autárquica e fundacional
e dá outra providencias.

4. JUSTIFICATIVA DA NECESSIDADE DA CONTRATAÇÃO

4.1. Atender as obrigações assumidas pela FUNASA no termo de Cooperação Técnica nº.
TCT/008/2009, que entre si celebram a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e o
Instituto de Colonização e Reforma Agrária – INCRA, objetivando a implantação de
sistema de abastecimento de água para consumo humano em assentamentos rurais
regularizados, por meio de mútua cooperação técnica, constante da cláusula terceira - das
obrigações, constante das Letras do item I da Cláusula na região de suas respectivas
jurisdições; Órgãos Públicos Federais Estaduais e Municípios e obras de abastecimento
de água em reservas indígenas.

4.2. Consta do citado Convenio de Cooperação Técnica na Cláusula Terceira – Das

30
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Obrigações:
4.2.1 A FUNASA, por meio da sua Coordenação Regional de Goiás, caberá:
a) coordenar, técnica, política e administrativamente, as ações e serviços
objeto deste Termo de Cooperação, mediante Termo Aditivo específico,
com base em Plano de Trabalho que definirá as ações e os seus recursos
necessários;
b) prover, manter e garantir os recursos orçamentários e financeiros e
materiais necessários à execução das ações conveniadas de sua obrigação
– perfuração de poços nas localidades selecionadas em conformidade
com a priorização definida pelos partícipes;
c) elaborar projeto de captação em poço para produção de água para
consumo humano, conforme normas fixadas no Manual de Orientações
Técnicas para Apresentação de Sistemas de Abastecimento de água da
FUNASA;
d) executar obras de perfuração do poço de acordo com a priorização
definida pelos partícipes;
e) colaborar com a SR-04/INCRA na solução dos problemas inerentes à
consecução do objeto geral, viabilizando assessoria técnica;
f) examinar e aprovar os procedimentos técnicos necessários à
implantação dos projetos vinculados a este instrumento;
g) acompanhar, supervisionar e fiscalizar a execução das obras tratadas
na Cláusula Primeira; e
h) repassar para a SR-04/INCRA os dados relativos à execução das ações.

4.2.2 A SR-04/INCRA caberá:


a) coordenar, técnica, política e administrativamente às ações objeto do
presente Termo de Cooperação, mediante Termo Aditivo específico, com
base em Plano de Trabalho que definirá as ações e os seus recursos
necessários;
b) prover, manter e garantir os recursos orçamentários e financeiros e
materiais necessários à execução das ações conveniadas de sua obrigação
– sistema de abastecimento de água nas localidades selecionadas em
conformidade com a priorização definida pelos partícipes;
c) elaborar, de maneira individual de forma a contemplar etapa útil, desde
a captação até a distribuição, projeto de abastecimento de água (adução,
tratamento, reservação e distribuição) a partir do projeto da FUNASA
para produção de água para consumo humano, conforme normas fixadas
no Manual de Orientações Técnicas para Apresentação de Sistemas de
Abastecimento de água da FUNASA;
d) executar as obras de abastecimento de água de acordo com a
priorização definida pelos partícipes;
e) acompanhar, supervisionar e fiscalizar a execução das ações referente
aos objetos deste Projeto;
f) repassar para a FUNASA os dados relativos à execução das ações
referentes aos objetos deste Projeto;
g) providenciar e viabilizar, com os órgãos públicos competentes na área

31
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ambiental, documentação técnica e administrativa necessária à
consecução das ações a serem conveniadas;
h) elaborar e implantar plano de sustentabilidade dos sistemas de
abastecimento de água construídos, adequados à realidade local; e
i) comprovar a titularidade da posse do terreno onde serão construídas as
obras, de acordo com o inciso IV do artigo 25, da Portaria Interministerial
n° 127, de 29.05.2008.

4.3. As obras visam dotar os assentamentos de água de boa qualidade para consumo
humano como meio de controle das doenças de veiculação hídrica, executadas tendo por
referência a metodologia, custos, especificações anexas e em consonância com as Normas
Técnicas Brasileiras vigentes.

4.4. A justificativa para se priorizar a escolha do manancial subterrâneo para o


abastecimento público, sobretudo de pequenas cidades e comunidades rurais se sobrepõe
a qualquer outro como a primeira alternativa a ser considerada. Esta opção é resultante
das vantagens que apresenta sobre a captação de recursos hídricos de superfície por
oferecem condições mais vantajosas de custo beneficio se comparado com a utilização de
mananciais de superfície e também por que:

4.4.1.na maior parte dos casos, a demanda de água pode ser facilmente atendida
por poços; os investimentos são inferiores àqueles da captação de mananciais de
superfície e os custos de operação e manutenção são mais baixos;

4.4.2.os prazos de execução são curtos quando comparados com os da captação


superficial;
os mananciais subterrâneos são naturalmente mais bem protegidos dos agentes
poluidores por estarem em profundidade;

4.4.3.a qualidade natural da água extraída quase sempre dispensa tratamento,


requerendo somente cloração;

4.4.4.a operação é simples e de fácil execução.

4.5. As obrigações assumidas pela Funasa possuem previsão no Art. Nº 75 do Regimento


Interno da Fundação Nacional de Saúde:
Art. 75. À Coordenação-Geral de Engenharia e Arquitetura - CGEAR
compete:
...III - coordenar as atividades de construção e recuperação de poços
tubulares profundos para abastecimento público de água;
IV - coordenar a implantação de serviços e estudos de hidrogeologia de
interesse epidemiológico e apoiar estado e municípios nesta área; e
V - executar outras atividades determinadas pelo Diretor do
Departamento de Engenharia de Saúde Pública.

32
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
4.6. São ações de engenharia passíveis de execução direta ou indireta pela FUNASA,
entre outras:
4.6.1. ações de saneamento e edificações de saúde em áreas indígenas –
visa à melhoria das condições sanitárias e ambientais das populações
indígenas, promovendo a instalação, operação e manutenção de sistemas
de abastecimento de água, a implantação de solução coletiva e/ou
individual para o destino adequado de dejetos e melhoria das condições
sanitárias das habitações, mediante: a construção de banheiros, de
privadas higiênicas, fossas sépticas, pias de cozinha, lavatórios, tanques,
filtros, reservatórios de água e etc.
4.6.2. construção de poços para abastecimento de água - tem por objetivo
a construção e recuperação de poços escavados e poços tubulares
profundos para abastecimento público de água; serviços e estudos de
hidrogeologia de interesse epidemiológicos e apoiar os estados e os
municípios nesta área, elaborando projetos e construindo poços com
equipes e equipamentos pertencentes à Funasa como também por
execução indireta, atuando em áreas indígenas, assentamentos rurais e
atendendo as urgências e emergências de saúde pública em áreas
carentes.
4.6.3. estudos e projetos - compreende a concepção e a elaboração de
estudos e projetos de engenharia, podendo ser executada diretamente
pelos técnicos da Funasa ou de empresas/instituições empresa
vencedoras.

4.7. A atividade possui previsão no Plano Operacional 2010– Funasa – CORE/GO.

5. DA CONTRATAÇÃO

5.1. A Coordenação Regional de Goiás da Fundação Nacional de Saúde possui em seu


acervo patrimonial dois conjuntos de equipamentos para perfuração de poços tubulares:

5.1.1.Duas sondas Prominas, modelo R1-H montadas sobre caminhão;

5.1.2.Dois compressores de parafuso de alta vazão e alta pressão Chicago


Pneumátic, modelo DPH 950 de 900pcm e 360 lb, sobre caminhão.

5.2. Os equipamentos vinham sendo pouco utilizados apesar da grande demanda de poços
para atender as populações ainda não abastecidas de água pelas seguintes razões
principais:
5.2.1. O quadro de pessoal para operação de campo dos equipamentos é
atualmente insuficiente tendo em vista a extinção do cargo de mestre,
contramestre, artífice especializado e motorista que atuam nas funções de
sondadores, auxiliares de sondagem e mecânicos;

5.2.2. Os profissionais remanescentes desse quadro são insuficientes e encontram-


se, na grande maioria, em idade avançada, próximo da aposentadoria;

33
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

5.2.3. Impossibilidade de realização de concurso público para provimento desses


cargos; aspectos inerentes ao regime de trabalho do servidor público estabelecido
pelo RGU que restringem as operações de campo;

5.2.4. Dificuldades de caráter administrativo, inerentes à administração pública na


aquisição de insumos, combustíveis, manutenção e aquisição de peças para
equipamentos de alta complexidade, alguns dos quais importados e de fornecedor
único devido a sistemática de aquisição; impossibilidade de manter em estoque
peças, materiais e insumos necessários para as atividades diárias de perfuração e
construção dos poços, de difícil previsão que comprometem a eficiência do
trabalho realizado que não podem ser interrompidos uma vez iniciados
acarretando o desmoronamento do poço e perda do trabalho realizado.

5.3. Em contraponto, urge que se viabilize a utilização dos equipamentos para atender as
atribuições da Funasa relacionadas às áreas indígenas, comunidades quilombolas,
reservas extrativistas, assentamentos rurais, comunidades ribeirinhas, situações de
emergências epidemiológicas e calamidades públicas onde é preciso disponibilizar
capacidade operacional para atuação rápida direta e indireta com a colocação dos
equipamentos em condições de pronto-atendimento para as demandas o que não vinha
sendo feito devido à falta de pessoal técnico treinado para a operação dos equipamentos,
com prejuízo das populações carentes de abastecimento de água.

5.4. Diante do panorama exposto justifica-se a contratação de empresa de prestação de


serviços de perfuração de poços com base no Decreto n° 2.271 de 07 de julho de 1997
para a execução de serviços com utilização dos equipamentos da Funasa. Os servidores
remanescentes do quadro da Funasa treinados como sondadores, exercerão a função de
Fiscal de Campo Assistente do Fiscal do Contrato para zelar pelo cumprimento das
especificações técnicas, o bom andamento dos trabalhos de construção de poços e pela
boa utilização dos equipamentos da instituição.

6. CONFORMIDADE COM A LEGISLAÇÃO

6.1. A contratação de empresa especializada para execução dos serviços é uma exigência
da Legislação em vigor. A perfuração de poços tubulares é uma atividade especializada,
conforme definido no Art. 9º da Resolução n.º 15 de 11 de janeiro de 2001 do Conselho
Nacional de Recursos Hídricos:
Art. 9° Toda empresa que execute perfuração de poço tubular profundo
deverá ser cadastrada junto aos Conselhos Regionais de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia e órgãos estaduais de gestão de recursos
hídricos e apresentar as informações técnicas necessárias, semestralmente
e sempre que solicitado.

6.2. Os serviços deverão ser obrigatoriamente realizados por pessoa jurídica que atenda a
Decisão Normativa 059/1997do CREA que dispõe sobre a habilitação de Pessoas
Jurídicas para as atividades de planejamento, pesquisa, locação, perfuração, limpeza e

34
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
manutenção de poços tubulares para captação de água subterrânea, Decisão abaixo
transcrita:
DECIDE:
1 - A pessoa jurídica que se constitua para prestar ou executar serviços de
planejamento, pesquisa, locação, perfuração, limpeza e manutenção de
poços tubulares para captação de água subterrânea deverá proceder o
devido registro nos CREAs.
2 - A pessoa jurídica enquadrada no item 1 deverá indicar como
responsável técnico um profissional Geólogo ou Engenheiro de Minas.
2.1 - Poderão, ainda, responsabilizar-se tecnicamente pelas atividades
descritas no item 1. da presente Decisão Normativa, os profissionais com
atribuições constantes no Decreto nº 23.569/33, que comprovem ter
cursado disciplinas de caráter formativo pertinentes às mencionadas
atividades, sendo seu currículo escolar submetido à análise da Câmara
Especializada de Geologia e Minas.
6.2.1 Portanto os trabalhos serão realizados por empresa e pessoal especializados
previstos nos diplomas legais enunciados.

6.3. Conforme se extrai dos normativos acima citados a construção de poços para
explotação de água subterrânea é uma atividade de mineração onde as pesquisas
preliminares para se avaliar o grau de sucesso do empreendimento são realizadas por
meios indiretos sem acesso ao bem mineral que se quer quantificar. No caso a pesquisa
direta é feita com a perfuração quando se verifica os resultados da pesquisa indireta.

6.4. Foram adotados os procedimentos para prover o Projeto Básico de indicações vindas
de estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica do
empreendimento esta normatizada pela ABNT- NBR 12.212 Projeto de poço para
captação de água subterrânea atendidos com a realização previa, antes da construção de
poços, de estudos serviço de locação de poços por análise geológica, hidrogeológica e
geofísica e perfuração para se verificar os locais onde o empreendimento devera ser
realizado com maiores chances de sucesso.

6.5. Desta maneira o Projeto Básico foi elaborado de forma a atender ao item IX do Art. 6
da Lei 8.666 as letras de "a" a "f", quanto à solução adotada como a que melhor atende ao
interesse público e alcance do objeto e objetivo a ser alcançado de abastecer as
comunidades rurais e aldeias indígenas com água potável para consumo humano visando
fornecer os elementos e subsídios que possibilitem a construção dos poços e com isso
viabilizar a implantação de obras de infra-estrutura básica de Sistemas Simplificados de
Abastecimento de Água em atendimento ao art. 7o da Lei n o 8.666, de 21.06.93, e suas
alterações posteriores.

6.6. Na elaboração do Projeto Básico foi considerado o atendimento ao Art. 12 da Lei


8.666 como segurança, funcionalidade e adequação ao interesse público, economia na
execução, conservação e operação, possibilidade de emprego de mão-de-obra, materiais,
tecnologia e matérias-primas existentes nos locais para execução, conservação e
operação, facilidade na execução, conservação e operação, sem prejuízo da durabilidade

35
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
da obra ou serviço, adoção de normas técnicas, de saúde e de segurança do trabalho
adequadas e mínimo impacto ambiental.

6.7. O projeto básico padrão de poço atende a 80% dos poços construídos e esta
compatível com a geologia do estado de Goiás e DSEI-Araguaia. O projeto executivo
será elaborado caso a caso após a etapa de perfuração, quando se terá todos os elementos
necessários para tal.

6.8. O projeto apresentado é de rápida construção não levando mais que dez dias para a
conclusão de cada objeto. Os impactos ambientais são mínimos e totalmente reversíveis
ao término do poço. Os insumos utilizados para a perfuração do poço – como o fluido de
perfuração - são de material biodegradável a base de compostos derivados da celulose.

6.9. As Especificações Técnicas condicionam para o recebimento da obra que a empresa


contratada deverá deixar o local limpo e reconstituído.

6.10. A empresa deverá atender a todas as exigências legais, bem como arcar com as
taxas e licenças necessárias para execução da obra, quando for o caso.
6.11. A atividade não está relacionada no anexo I da Resolução CONAMA N° 237 de 19
de dezembro de 1997, portanto atividade não esta condicionada à obtenção de
licenciamento ambiental.
6.12. Por se tratar de obras de engenharia em subsuperfície, ressalvando-se os riscos de
sucesso com a ocorrência de poços improdutivos. O projeto básico foi elaborado
disponibilizando os meios e atendendo a protocolos de trabalhos consagrados e previstos
em normas, utilizando-se das melhores técnicas, disponíveis e adequadas para reduzir os
riscos ao mínimo.

6.13. A Funasa e a contratada não podem ser responsabilizadas pela ocorrência de poços
com vazões insuficientes ou com qualidade físico-química e bacteriológica impróprias
para o consumo humano por ser esta, como já dito, uma atividade de mineração em que
os resultados merecem comprovação o que só podem ser obtidas durante a perfuração do
poço (fase de pesquisa direta de subsuperficie).

6.14. Mesmo quando a vazão do poço ou a qualidade e quantidade da água não forem
satisfatórias, as despesas correspondentes aos serviços executados e aos materiais
aplicados serão contabilizadas por ser este um risco do contratante inerente à atividade de
mineração.

6.15. Outro poço poderá ser perfurado para a mesma comunidade, após reavaliação
técnica de sua viabilidade em função da analise dos poços perfurados, desde que se
constate que os parâmetros relativos à vazão e/ou aqueles inerentes à qualidade da água,
não atinjam aos limites adequados à sua utilização.

6.16. Considera-se vazão não satisfatória a quando for inferior a 1.500 l/h em poço
perfurado em rocha mista ou sedimentar. Por outra vertente, considera-se qualidade da
água não satisfatória quando os parâmetros encontrados forem incompatíveis com os
36
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
parâmetros da legislação em vigor para consumo humano.

7. CARACTERIZAÇÃO DA LICITAÇÃO

7.1. MODALIDADE: Concorrência Pública, para execução dos trabalhos necessários a


consecução do objeto por empresa única em função de tratar-se de serviços
especializados de rápida execução.

7.2. TIPO: Menor preço global, nas condições definidas neste Termo de Referencia.

7.3. REGIME DE EXECUÇÃO: as especificidades do objeto com a execução de serviços


de pesquisa, de mineração e logística; tempo de execução e mobilidade com constantes
deslocamentos para locais diferentes; a adequação dos quantitativos para execução do
objeto variando de local para local, nos limites previstos nas Especificações Técnicas e
Projeto Básico do Poço justificam a indicação do regime de contratação por execução
indireta por empreitada por preço unitário,

8. VALOR ESTIMADO DOS SERVIÇOS

8.1. O valor total estimado para execução de serviços é de R$ 4.276.220,00 ( quatro


milhões duzentos e cinqüenta e seis duzentos e vinte reais).

9. DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

9.1. As despesas decorrentes dos serviços objeto do futuro contrato correrão a conta do
Orçamento Geral da União para o exercício de 2010 abaixo descriminados:

9.1.1 EV-401081 ESF-2 PTRES-005003 Fonte-0151000000 ND-349039 PI-


MSMPOGO e MSCPOGO, cobrir despesas de pagamento de serviços de
operação dos equipamentos e perfuração dos poços e despesas de pagamento de
serviços de manutenção dos equipamentos e despesas imprevistas neste caso
estimado em R$1.000.000,00 (hum milhão de reais)

10. VIGÊNCIA

10.1. A vigência do contrato de 24( vinte e quatro) meses a contar da assinatura da


primeira ordem de serviço, podendo ser prorrogado por interesse das partes por mais
12(doze) meses.

10.2 As demais condições do contrato e clausulas serão estabelecidas pela Administração


e farão parte da minuta de contrato.

11. DAS ALTERAÇÕES

37
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
11.1. O contrato poderá ser alterado na forma do artigo 65, parágrafo primeiro, da Lei
8.666/93, desde que, haja manifestação expressa, com antecedência mínima de 30 (trinta)
dias.

12. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO FÍSICO – FINANCEIRO

12.1. O Cronograma de Execução Físico – Financeiro, estão descriminados todas as


etapas referentes a execução do contrato.

12.2. Caso o Contrato venha a ser suspenso por ocorrência de motivo superveniente por
período indeterminado, a suspensão será comunicada à empresa vencedora pela Funasa.
Cessado o motivo que ocasionou a suspensão, à empresa vencedora será comunicada e o
cronograma prorrogado com o acréscimo do período em que esteve suspenso.

12.3. As Ordens de Serviço serão dadas por Etapas de I a XX, conforme Cronograma de
Execução Físico - Financeiro.

12.4. Durante a execução do contrato serão escolhidas localidades próximas ou na


mesma região para atuação de cada equipe de perfuração.

12.5.As equipes de perfuração poderão trabalhar na mesma região ou em regiões


distintas, sem prejuízo do cumprimento das exigências do Contrato.

13. DA GARANTIA

13.1. Por se tratar de serviços que importa na entrega de bens pela Administração, dos
quais o contratado ficara depositário, e envolvendo serviços de alta complexidade técnica
a empresa vencedora apresentará a garantia correspondente a 05% (cinco por cento) do
valor total estimado deste Contrato, acrescido de R$ 1.400.000,00 (hum milhão e
quatrocentos mil reais) correspondente ao valor contabilizado dos bens, a título de
execução da obrigação, nos termos previstos no parágrafo 5° do art. 56 da Lei n.º.
8.666/93.

14. PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

14.1. No caso de construção de poços tubulares profundos, destarte os projetos de


mineração em geral o Projeto Básico está sujeito às alterações e correções de rumo
determinados pela constatação das evidências hidrogeológica obtidas na medida em que
os trabalhos de perfuração avançam e daquelas determinadas pelas dificuldades logísticas
de cada lugar de difícil previsão.

14.2 A Planilha Orçamentária apresentada corresponde ao volume de materiais e serviços


previsto para a execução de 122 poços de 70 a 140 metros cada um, conforme projeto
básico apresentado na especificação técnica de perfuração e construção.

14.3. O valor total da Planilha Orçamentária foi estabelecido em função dos recursos

38
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
orçamentários liberados. Os valores unitários foram obtidos a partir do SINAPI, planilha
de insumos e serviços sintético, de Fevereiro de 2010 e SANEAGO – Tabela de preços
para perfuração de poço tubular profundo, disponibilizado em site proprio baixado em
30.3.2010.

14.4. A Planilha Orçamentária apresentada é de Serviços com Aplicação de Materiais.


Estão embutidos todos os custos necessários a construção de poço nos projetos básicos
apresentados mesmo os omissos acrescidos do percentual relativo ao LDI (lucros e
despesas indiretas).

14.5. Deverão estar embutidos na planilha todos os custos para atendimento do objeto,
mesmo os omissos.

14.6. O serviço de lubrificação troca de óleo de motores e engrenagem, troca de


retentores, gaxetas e limpeza dos equipamentos são por conta da Contratada e devem
estar embutidos nos custos de construção de poços.

15. HABILITAÇÃO TÉCNICA

15.1. Apresentar indicação das instalações físicas e de pessoal da empresa contendo


relação de equipamentos de perfuração e ferramental do patrimônio da empresa,
compatível com os serviços que serão executados que conste pelo menos um conjunto
com sonda rotopneumática e compressores de alta vazão e alta pressão para perfuração de
poços; descrição da estrutura física da empresa: instalações físicas, oficina de veículos;
relação de pessoal técnico, operacional, administrativo e de apoio técnico pertencente ao
quadro permanente da empresa disponível para realização dos serviços, bem como a
qualificação de cada um dos membros da equipe técnica que se responsabilizara pela
execução dos trabalhos.

15.2. Apresentar Certidão de Registro de Pessoa Jurídica do Conselho Regional de


Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CREA que comprove ser empresa de perfuração
de poços em atendimento ao Art.n° 9º da Resolução n.ºde 11 de janeiro de 2001 do
Conselho Nacional de Recursos Hídricos e Decisão Normativa 059/1997 do CREA e
Resolução CREA n.ºde 218 de junho de 1973.

15.3. Apresentar CAT do Responsável(s) Técnico(s) pertencente ao quadro permanente da


empresa, contendo acervos técnicos de serviços de construção 50(cinqüenta) poços de 70
a 140 metros de profundidade que atenda a Resolução CREA n.ºde 29 de junho de 1973
que discrimina as atividades das diferentes modalidades profissionais de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia, Geólogo ou Engenheiro de Minas e Decisão Normativa
059/1997 e nos termos da Resolução CREA nº 1.025, de 30 de outubro de 2009.

15.4 Apresentar um ou mais atestado(s) fornecidos por pessoa física ou jurídica de direito
público ou privado, devidamente registrado no sistema CREA/Confea constando o nome
da empresa e ao mesmo tempo a do Responsável Técnico indicado no item 15.3.
39
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
demonstrando a execução de no mínimo 50 (cinquenta) poços de 70 a 140 metros de
profundidade.

5.5 A comprovação de que os responsáveis técnicos pertencem ao quadro permanente da


empresa, poderá ser feita através da apresentação das cópias autenticadas das carteiras de
trabalho, ou do livro ou ficha de registro de empregados, ou Contrato de Prestação de
Serviço registrado no CREA.

15.6. Apresentar Declaração assinada pelo Responsável Legal da Empresa, de que sendo
vencedora providenciara a Anotação de Responsabilidade Técnica nos termos dos Art. Nº
2º, e 4º da Resolução CREA nº 1.025, de 30 de outubro de 2009 apresentando a Funasa
quando do recebimento da primeira Ordem de Serviço.

16. DISPOSIÇÕES GERAIS À HABILITAÇÃO

16.1. A Comissão Permanente de Licitação - CPL poderá solicitar parecer técnico para
auxiliar no julgamento dos documentos apresentados e com base no parecer poderá
inabilitar a(s) empresa(s) que não comprovem as exigências previstas para habilitação.

16.2. Não será aceito protocolos de entrega ou solicitação de documentos em substituição


de documentos requeridos da habilitação técnica.

16.3. Não será permitida a apresentação de documentos complementares ou em


substituição posterior à fase de habilitação da empresa.

16.4. Todos os documentos acima devem ser apresentados em original ou cópia com
firma reconhecida constando o nome do ART pertencente ao quadro funcional da
empresa.

17. PROPOSTAS COMERCIAIS

17.1. As propostas comerciais deverão conter alem dos documentos previstos em Lei os
seguintes sob pena de desclassificação:

17.1.1. Declaração assinada pelo Representante Legal da Empresa que


disponibilizará três equipes de perfuração para atendimento do contrato: duas para
operar os equipamentos da Funasa e uma com equipamento da própria empresa
que será utilizada a critério da Funasa.

17.1.2. Declaração que os trabalhos de campo só poderão ser interrompidos por


solicitação da Funasa, não podendo ser alegados pela Contratada, falta de equipe,
folgas de campo ou qualquer outro motivo para interrupção temporária dos
trabalhos de locação, perfuração e manutenção preventiva e corretiva.

17.1.3. Declaração de que conhece as dificuldades inerentes a construção de poços


e operação dos equipamentos e estado de conservação; que possui uma avaliação

40
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
dos problemas a serem enfrentados durante a execução do contrato e que custos
propostos cobrirão quaisquer dificuldades decorrentes da localização dos serviços
e das dificuldades de operação.

17.1.4. Declaração de que manterá encarregado da Contratada permanentemente


no canteiro de obra de perfuração de poços, um por equipe e mais um técnico de
nível superior que atenda Resolução CREA n.ºde 218 de junho de 1973.

17.1.5. Declaração de que os Sócios Proprietários da Contratada não possuem


nenhum vínculo de parentesco até o terceiro grau, com qualquer funcionário da
Funasa.

17.1.6. Declaração que durante a execução do contrato ira atender ao que


determina o Art.6º da Instrução Normativa Nº 01 de 19 de janeiro de 2009.

17.2. Preenchimento da Planilha de Serviço com Aplicação de Materiais, e Planilha de


demonstração do LDI, conforme modelo ANEXOS 2A e 2B em atendimento ao
Acórdão N.º 325/2007 – TCU - PLENARIO.
17.3 O valor da proposta comercial será Total obtido pela soma da Planilha de
Custo com Fornecimento de Materiais itens de 1 a 20 mais os valores fixos de R$
1.000.000,00 do total 2 do ANEXO IIA. Não serão aceitos preços superiores aos
apresentados em qualquer item da Planilha Orçamentária e nem alteração do valor
do total 2.

18. JULGAMENTO DAS PROPOSTAS COMERCIAIS

18.1. Será pelo menor preço global obtido pela totalização da Planilha Orçamentária
ANEXO 2A.
18.2. Os valores de preços apresentados nos itens da planilha orçamentária são valores
máximos, a proposta vencedora devera atender aos requisitos do Art. 48 da Lei 8.666,
abaixo transcrito:
Art. 48. Serão desclassificadas:
I - as propostas que não atendam às exigências do ato convocatório da
licitação;
II - propostas com valor global superior ao limite estabelecido ou com
preços manifestamente inexeqüíveis, assim considerados aqueles que não
venham a ter demonstrada sua viabilidade através de documentação que
comprove que os custos dos insumos são coerentes com os de mercado e
que os coeficientes de produtividade são compatíveis com a execução do
objeto do contrato, condições estas necessariamente especificadas no ato
convocatório da licitação.
§ 1º Para os efeitos do disposto no inciso II deste artigo consideram-se
manifestamente inexeqüíveis, no caso de licitações de menor preço para
obras e serviços de engenharia, as propostas cujos valores sejam
inferiores a 70% (setenta por cento) do menor dos seguintes valores:
a) média aritmética dos valores das propostas superiores a 50%

41
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
(cinqüenta por cento) do valor orçado pela administração, ou
b) valor orçado pela administração.
§ 2º Dos licitantes classificados na forma do parágrafo anterior cujo
valor global da proposta for inferior a 80% (oitenta por cento) do
menor valor a que se referem às alíneas "a" e "b", será exigida, para a
assinatura do contrato, prestação de garantia adicional, dentre as
modalidades previstas no § 1º do art. 56, igual à diferença entre o
valor resultante do parágrafo anterior e o valor da correspondente
proposta.
§ 3º Quando todos os licitantes forem inabilitados ou todas as
propostas forem desclassificadas, a administração poderá fixar aos
licitantes o prazo de oito dias úteis para a apresentação de nova
documentação ou de outras propostas escoimadas das causas
referidas neste artigo, facultada, no caso de convite, a redução deste
prazo para três dias úteis.

18.3. Exemplo para escolha da proposta vencedora; (valor orçado pela administração –
R$ 200,00)
18.3.1 Cinco empresas participaram de uma Licitação apresentando as seguintes
propostas:
a) Empresa “X” – preço da obra  R$ 180,00;
b) Empresa “Y” – preço da obra  R$ 120,00 (proposta vencedora);
c) Empresa “Z” – preço da obra  R$ 250,00 (desclassificada por apresentar preço
acima do valor orçado pela administração – R$ 200,00);
d) Empresa “M” – preço da obra  R$ 80,00 (desclassificada por apresentar preço
inferior a 50% (cinqüenta por cento) do valor orçado pela administração – R$
200,00);
e) Empresa “S” – preço da obra  R$ 190,00.

18.4. As propostas das Empresas “Z” e “M” não entrarão na composição do cálculo da
média aritmética.
18.5. Média aritmética dos valores das propostas das Empresas “X”, “Y” e “S”:
180 + 120 + 190 = 490  490/3 = 163,33;
Média aritmética  R$ 163,33 (alínea “a” – menor valor);
Valor orçado pela administração  R$ 200,00 (alínea “b”)
18.6. Preços manifestamente inexeqüíveis: X = 0,70 x 163,33 = 114,33 desclassificadas
as propostas com valores inferiores a R$ 114,33, considerados inexeqüíveis;
18.7. Propostas classificadas:
Empresas “X” (R$ 180,00), “Y” (R$ 120,00) e “S” (R$ 190,00);
Proposta vencedora: Empresa “Y” com R$ 120,00.

19. DA EXECUÇÃO DO CONTRATO

19.1. Quanto à fiscalização

19.1.1. A FUNASA designará um Fiscal de Nível Superior para exercer a gestão

42
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
do contrato e zelar pelo cumprimento do contrato atendendo ao art. 67 da Lei
8.666, nomeado por portaria pelo Coordenador Regional.
19.1.2. Cabe ao Fiscal do Contrato dirimir as dúvidas, arbitrar e fiscalizar os
serviços objeto do presente Contrato, podendo sustar, recusar, mandar refazer ou
trocar executar os serviços que estejam em desacordo com o solicitado, assistido e
subsidiado por auxiliares técnicos e auxiliares de campo.
19.1.3. O exercício da fiscalização não representa motivo para a contratada se
elidir da responsabilidade, inclusive perante terceiros pôr qualquer irregularidade
ou ainda resultante de imperfeições técnicas, vícios redibitórios, ou emprego de
material inadequado ou de qualidade inferior e na ocorrência desta, não implica
em co-responsabilidade da FUNASA ou de seus agentes e prepostos (art. 70, da
Lei n.º. 8.666/93 e suas alterações) e em nada diminuem as responsabilidades
únicas, integrais e exclusivas da Empresa vencedora por possíveis falhas
executivas e suas implicações, próximas ou remotas, perante o contrato, o Código
Civil, Lei das Licitações e outros instrumentos legais existentes.
19.1.4. Obrigatoriedade da contratada de manter preposto, um para cada equipe de
perfuração, no local da obra ou serviço, para representá-lo na execução do
contrato atendendo ao Art. 68 da Lei das Licitações. Este preposto na qualidade de
encarregado será o interlocutor entre Contratante e Contratado e indicado por
escrito pela Contratada, preferencialmente de nível superior.
19.1.5. A ausência do preposto no canteiro de obra implica em suspensão imediata
dos trabalhos. No caso das atividades de locação o preposto pode ser o próprio
técnico.
19.1.6. A fiscalização da FUNASA poderá rejeitar e solicitar a qualquer tempo à
substituição de funcionário da empresa vencedora, equipamento ou materiais que
considere inadequado ou não atenda as especificações.
19.1.7. Caso a fiscalização da FUNASA constate quaisquer ocorrências em
desacordo com as especificações de execução dos serviços deverá fazer imediato
registro no Diário de Obra e solicitar imediata previdência para a correção.
19.1.8. A Empresa é obrigada a afastar imediatamente do serviço e do canteiro de
obra qualquer funcionário julgado inconveniente pela Fiscalização, seja por má
conduta, incompetência que possa prejudicar a disciplina no canteiro de obra, a
segurança ou a boa execução dos serviços.
19.1.9. Cabe ao fiscal auxiliar de campo para subsidiar de informações o Fiscal do
Contrato acompanhando permanentemente a execução dos serviços das equipes
de sondagem.
19.1.10. A fiscalização de campo terá plena autoridade para ordenar a suspensão,
por não atendimento das especificações técnicas, das obras e serviços em
execução, parcialmente ou no todo, registrando no Diário de Obra da Equipe.
19.1.11. A fiscalização poderá rejeitar e solicitar a qualquer tempo à substituição
de quaisquer equipamentos, serviços e materiais, que não considere adequado ao
bom andamento da obra em desacordo com as especificações técnicas ou com as
normas vigentes.
19.1.12. A substituição dos materiais e equipamentos durante a realização da obra
só poderá ser efetuada pela empresa vencedora, mediante a autorização da
fiscalização da Funasa.

43
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
19.1.13. No caso de desobediência a fiscalização o contrato será, a critério da
Funasa, rescindido unilateralmente, independente de notificação sendo devido à
contratada o pagamento dos serviços realizados e concluídos.
19.1.14. Não cabe a Funasa o pagamento de danos e indenizações resultante de
obrigações da contratada com terceiros, inclusive os trabalhistas.
19.1.15. Em qualquer dos casos os serviços poderão ser reiniciados, a critério da
Funasa, através de ordem específica da Fiscalização, dentro do prazo de execução
do contrato depois de sanadas as pendências.
19.1.16. As omissões dúvidas e arbitramentos serão resolvidas pelo Fiscal do
Contrato, ouvido as áreas técnicas.

19.2. Quanto ao objeto do contrato

19.2.1. É proibido prestar qualquer tipo de informação sobre os trabalhos objeto


do contrato a terceiros. A solicitação de informação se solicitada por pessoas ou
membros de outras instituições deve ser encaminhada ao Fiscal do Contrato.
19.2. 2. Suprir os transportes necessários para materiais, ferramental e insumos
aos serviços de manutenção corretiva e preventiva de equipamentos e serviços de
operação de equipamento e construção de poços e de construção poços, inclusive
transporte de apoio com veículos próprios: caminhões, caminhonetes e carros de
passeio, identificados conforme Manual de Comunicação Visual da Funasa.
19.2.3. Apresentar os seus empregados nos locais de trabalho devidamente
uniformizados e munidos do respectivo cartão de identificação preso ao uniforme,
com a logomarca da Funasa conforme Manual de Comunicação Visual da Funasa.
19.2.4. Efetuar o pagamento dos salários de seus empregados até a data limite
estabelecida na legislação em vigor, independentemente do pagamento pela
Funasa das faturas mensais de prestação dos serviços.
19.2.5. Arcar com os encargos sociais que incidam, inclusive transporte,
alimentação, água potável em condições higiênicas e volume adequado,
hospedagem, seguro de vida em grupo, assistência médica dos contratados e seus
dependentes, e outros benefícios, cujas despesas não poderão ser repassadas aos
empregados.
19.2.6. Fornecer gratuitamente aos empregados, equipamentos de operação
individual adequados ao risco envolvido e em perfeito estado de conservação e
funcionamento. São exigidos o uso em trabalho de protetores auriculares contra
ruídos, luvas, botas de borracha, capacete e fardamento de brim resistente com
identificação da logomarca da empresa e da Funasa identificando, “ A Serviço da
Funasa” escrito nas costas do jaleco ou macacão, conforme padrão de
identificação visual da Funasa.
19.2.7. Cumprir e fazer cumprir todas e cada uma das Normas Regulamentadoras
sobre Medicina e Segurança do Trabalho obedecendo ao disposto no Decreto n.º
55.841, de 15/01/1965 e na Norma Regulamentadora NR-28, aprovada pela
Portaria n.º 1.214, de 08/06/1978.
19.2.8. Responsabilizar-se por danos pessoais ou materiais decorrentes de erros,
falhas ou negligência, por ação ou omissão de cumprimento dos regulamentos e
determinações relativos à segurança em geral.

44
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
19.2.9. Assumir a responsabilidade por todas as providências e obrigações
estabelecidas na legislação específica de acidentes do trabalho quando, em
ocorrência da espécie, forem vítimas os seus empregados no desempenho dos
serviços ou em conexão com eles, ainda que acontecido em dependência da
Funasa.
19.2.10. Prestar total assistência e responder pelas despesas provenientes de
quaisquer acidentes em que sejam vítimas seus empregados e terceiros, quando
estes acontecerem na execução dos serviços objeto do contrato pactuado e
translado de equipamentos. Inclui-se nessas despesas às de hospitalização,
fúnebres e materiais. Responsabilizar-se pelo ressarcimento destas despesas,
cabendo à Contratada, se for o caso, descontar do empregado vítima ou causador
do acidente.
19.2.11. A Contratada deverá manter, em seu canteiro de obra, equipamento
contra incêndio em perfeito estado de funcionamento, dois por equipe, adequados
ao tipo e volume de serviço em execução, bem como manter funcionários
treinados no seu uso correto. Os equipamentos deverão ser revisados
periodicamente, de acordo com as instruções dos respectivos fabricantes. Esses
equipamentos deverão situar-se em locais visíveis, estrategicamente escolhidos e
com acesso permanentemente livre.
19.2.12 Em caso de incêndio, a Contratada terá por obrigação a prestação de
ajuda no controle e combate ao sinistro, independentemente de tal sinistro
envolver ou não os elementos relacionados com seu trabalho.
19.2.13. A empresa contratada será Fiel Depositário, nos termos da Lei, dos
equipamentos e materiais da Funasa sob sua guarda, constante do termo de
recebimento onde estão relacionados os materiais e equipamentos, estado de uso,
estado de conservação e numero de patrimônio ou de fabricação do equipamento,
assinado pela Comissão, designada por ato do Coordenador da FUNASA/CORE-
GO especialmente para este fim e pelos Representantes Legais da empresa
contratada.
19.2.14. A empresa vencedora receberá os materiais e equipamentos, através de
relação no termo de abertura do Livro de Ocorrências da Equipe de Sondagem,
assinada e carimbada pelos seus Representantes Legais, constando às observações
quanto o estado de conservação dos materiais e equipamentos recebidos.
19.2.15. Quando do encerramento do contrato será lavrado Termo de
Recebimento dos equipamentos materiais e ferramental nas mesmas condições,
ressalvados daqueles decorrentes do desgaste natural pelo uso, em condições
imediatas de trabalho, excluindo-se o ferramental de desgaste, bits e martelos
DTH que são de propriedade da empresa vencedora.
19.2.16. É de inteira e total responsabilidade dos danos causados ao patrimônio
da Funasa causado por terceiros e por ação ou omissão de seus empregados. A
empresa vencedora se responsabiliza contra roubo, acidentes, danos físicos e
materiais de qualquer natureza dos equipamentos inclusive contra terceiros.
19.2.17. Qualquer perda, ou dano sofrido no material, equipamento ou
instrumental entregue pela Funasa à empresa vencedora será avaliado pela
Fiscalização para efeito de reposição pela mesma no prazo máximo de 10(dez)
dias do registro da ocorrência no Diário de Obra, sob pena de rescisão do

45
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Contrato.
19.2.18. Não sendo cumprido o previsto no parágrafo anterior, o pagamento
devido pela perda ou estrago do material ou equipamento será descontado do
primeiro pagamento subseqüente ou na garantia contratual quando do final do
contrato.
19.2.19. É de responsabilidade da contratada as violações a direito de uso de
materiais, métodos ou processos de execução protegidos por marcas ou patentes,
arcando com indenizações, taxas e/ou comissões que forem devidas.

19.3. Quanto à manutenção corretiva e preventiva

19.3.1. Executar serviços de manutenção preventiva e corretiva das duas sondas


rotopneumática Prominas R-1H, de dois compressores marca Chicago Pneumátic,
950 DPH motor Mercedes Benz e de dois caminhões, todos do patrimônio da
FUNASA/CORE – GO, as plataformas de transporte dos compressores e sondas,
conforme Especificações para Execução de Serviços de Manutenção Preventiva e
Corretiva dos Comboios de Perfuração da FUNASA/CORE-GO nos
equipamentos abaixo relacionados
CAMINHÃO FORD 1998/Uso – sonda/PLACA-CQT2101/CHASSI-
9BFYTNEF8WDB79502 MODELO/CARGO 16170;
CAMINHAO FORD 1990/Uso – Sonda/PLACA-KCS-8666/CHASSI-
9BFXXXLMXLDB30875 MODELO/F-14000;
CAMINHAO VW 1997/Uso – Compressor/PLACA-KDE-1101/CHASSI-
9BWYTAGFXVRBO1052 MODELO/VW 16.170;
CAMINHÃO VW 1997/Uso – Compressor/PLACA –KDA-8541/CHASSI
-9BWYTAGF4VRB01399 MODELO/ VW 16.170;
COMPRESSOR MARCA CHICAGO PNEUMATIC, 950 DPH/ motor
Mercedes Benz, DM 441 LA/ serie do compressor 279587;
COMPRESSOR MARCA CHICAGO PNEUMATIC, 950 DPH/ motor
Mercedes Benz, DM 441 LA /serie do compressor 272248;
PERFURATRIZ ROTOPNEUMÁTICA MARCA PROMINAS MODELO
R1-H/numero de fabricação R1-H-015/06/90, motor Mercedes Benz OM
352;
PERFURATRIZ ROTOPNEUMÁTICA MARCA PROMINAS MODELO
R1-H/ numero de fabricação R1-H-056/ motor MWM D-229-6;
HASTE DE PERFURAÇÃO/50(cinqüenta) hastes de “perfuração com
roscas FH-API OD 41/2” ID31/2”,tubo sch80 e “tool joint”.

19.3.2. Os serviços de operação e manutenção preventiva e corretiva


compreendem as seguintes atividades principais:

a) Condução de veículos leves e pesados (caminhões) da contratada e da


FUNASA;

b) Carga e descarga dos caminhões que compõem os comboios de


perfuração dos poços tubulares;

46
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

c) Instalação das ferramentas para a perfuração dos poços tubulares;

d)Transporte de equipamentos, acessórios, ferramentas, ferramental e


todos os insumos e materiais necessários à construção dos poços nos locais
indicados para a perfuração dos poços com caminhões próprios da
contratada;

e) Atualização tecnológica e manutenção preventiva e corretiva das


perfuratrizes, veículos, ferramental e demais equipamentos utilizados na
atividade de perfuração de poços;

f) Outros trabalhos pertinentes à operação e manutenção de máquinas,


equipamentos e veículos pesados de perfuração de poços e a consecução
do seu objeto, inclusive os caminhões que servem de plataforma de
transporte das sondas e compressores.

19.3.3. Os serviços de lubrificação, troca de óleo de motores e engrenagem, troca


de retentores, gaxetas e limpeza dos equipamentos são por conta da Contratada e
devem estar embutidos nos custos de construção de poços.

19.3.4. A execução dos serviços iniciais de manutenção corretiva e preventiva dos


equipamentos para por em operação devera ser realizada em Goiânia. As demais
poderão ser realizadas nos locais onde o equipamento estiver operando ou centros
próximos, ressalvandos os casos especiais e justificados a critério do Fiscal de
Contrato da Funasa.

19.4. Quanto aos serviços de operação de equipamentos e construção de poços

19.4.1. Executar os serviços de Construção de Poços Tubulares Profundos


conforme Especificações para Execução dos Serviços de Construção de Poços –
Projeto Básico.
19.4.2. Disponibilizar duas equipes para atender a operação dos equipamentos da
Funasa e mais uma equipe de equipamentos da contratada de mesmas
características técnicas dos da Funasa, totalizando três equipes.
19.4.3. Fornecer o transporte de materiais equipamentos e insumos em veículos
próprios.
19.4.4. O Quadro de pessoal da empresa contratada, técnico e administrativo
deverá ser constituído por elementos competentes, hábeis, disciplinados e
experientes, qualquer que seja a sua função, cargo ou atividade.
19.4.5. Proceder à contratação da equipe para execução dos serviços com
experiência em atividades semelhantes às exigidas neste instrumento, cuja
comprovação caso seja solicitada pela Fiscalização, poderá ser feita através do
registro em CTPS ou Contrato de Prestação de Serviços, ou ainda atestado
fornecido por pessoa física ou jurídica.
19.4.6. Executar os trabalhos de acordo com as normas da Associação Brasileira

47
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
de Normas Técnica – ABNT: Projeto de poço para captação de água subterrânea,
NBR 12.212 e Construção de poço para captação de água subterrânea, NBR
12.244, e as exigências constantes destas Especificações Técnicas.
19.4.7. Não poderão ser alegados, em hipótese alguma, como justificativa ou
defesa, por qualquer elemento do quadro de funcionários da contratada,
desconhecimento, incompreensão, dúvida, ou esquecimento das cláusulas e
condições do Contrato e seus documentos anexos.
19.4.8. Exibir, sempre que solicitado pela fiscalização da Funasa relação nominal
de seus empregados com a respectiva identificação, dando conhecimento prévio a
Funasa das alterações advindas de eventuais substituições, exclusões e inclusões.
19.4.9. Manter supervisor do quadro permanente da empresa, para acompanhar os
trabalhos de construção do poço de preferência geólogo residente, na qualidade de
responsável pela obra e de interlocutor perante a fiscalização da FUNASA
atendendo ao art.n.º 68 da Lei 8.666 LLCC e dar suporte logístico as operações de
campo.
19.4.10. Cada conjunto de perfuração deverá ser operado por equipe formada por
no mínimo, 01(um) sondador sênior, e 02(dois) sondadores auxiliares.
19.4.11. O sondador Sênior e seus dois auxiliares deverão ser habilitados para
dirigir caminhões da Funasa.
19.4.12. A empresa contratada devera disponibilizar por equipe de perfuração:
caminhão para transporte de insumos e ferramental de sondagem e veiculo
de apoio para o supervisor.
19.4.13. A empresa contratada deverá disponibilizar três equipes de perfuração
duas para operar os equipamentos da Funasa e uma com equipamento da empresa
contratada. Esta última a critério da Funasa.
19.4.14. As equipes de perfuração poderão operar juntas ou isoladas.
19.4.15. É vedado prestar qualquer informação os serviços a terceiros sem
autorização da Funasa.
19.4.16. Manter um sistema rígido de fiscalização, informando a Funasa sobre
toda e qualquer irregularidade constatada.
19.4.17. É de responsabilidade da contatada, a reparação os danos que ocorrerem
a bens móveis, imóveis e ao meio ambiente, resultantes dos serviços de
construção do poço tubular, causados por imperícia, imprudência ou negligência
na execução dos serviços.
19.4.18. Responder por violações a direito de uso de materiais, métodos ou
processos de execução protegidos por marcas ou patentes, arcando com
indenizações, taxas e/ou comissões que forem devidas.
19.4.19. Assumir responsabilidade pela execução dos serviços contratados perante
Funasa e terceiros, na forma da legislação em vigor, bem como por dano
resultante do mau procedimento, dolo ou culpa de empregados ou prepostos seus,
e ainda, pelo fiel cumprimento das leis e normas vigentes, mantendo a Funasa
isenta de qualquer penalidade e responsabilidade pela desobediência da legislação
em vigor por parte da Contratada ou de seus prepostos.
19.4.20. Ressarcir a Funasa ou a terceiros todos os ônus decorrentes de danos
causados por seus empregados devido à imperícia, imprudência e/ou negligência a
bens móveis e imóveis.

48
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
19.4.21. Assumir inteira responsabilidade pelos danos causados ao patrimônio da
Funasa e de terceiros, por ação ou omissão de seus empregados no exercício das
atribuições previstas em contrato.
19.4.22. É responsabilidade da empresa vencedora a vigilância do canteiro de obra
24 (vinte e quatro) horas dia.
19.4.23. É por conta da empresa vencedora todo e qualquer pagamento de
serviços e taxas no canteiro de obra para realização do objeto, por exemplo:
fornecimento de energia elétrica, fornecimento de água.
19.4.24. Atender a todas as exigências legais, bem como arcar com as taxas
necessárias para execução da obra.
19.4.25. A contratada ficará obrigada a apresentar, mediante solicitação da Funasa,
mesmo depois da realização da obra, quaisquer documentos necessários ao
esclarecimento de dúvidas ou questões sobre o andamento dos serviços, materiais
ou equipamentos utilizados no poço ou sobre as características ou condições de
operação e manutenção.
19.4.26. A contratada não poderá interromper os serviços de campo por mais de
72 (setenta e duas) horas. A Fiscalização de campo anotará a ocorrência no Diário
de Obra e encaminhara ao Fiscal do Contrato para providências.
19.4.27. A empresa será considerada instalada e apta ao início dos serviços após a
fiscalização constatar na obra: a perfuratriz, equipamento, ferramental e materiais
com capacidade e em quantidades suficientes para assegurar a execução dos
trabalhos e do circuito para o fluido de perfuração com dimensões compatíveis
com a profundidade e diâmetro final do furo.
19.4.28. Refazer os serviços rejeitados pela fiscalização.
19.4.29. Manter o canteiro de obra permanentemente, limpo, e arrumado.
19.4.30. Remover e dar destino adequado dos sedimentos resultantes da
perfuração do poço tubular tais como: materiais utilizados, descarte do fluido de
perfuração e descarte da água do desenvolvimento e do teste de produção,
devendo reconstituir e limpar o terreno retirar o equipamento.
19.4.31. O “layout” do canteiro deverá ser organizado de comum acordo com a
fiscalização, devendo o manter na medida do possível manter o mesmo padrão de
organização.
19.4.32. O canteiro de obra deverá ser isolado com cones de sinalização e fita
listrada.
19.4.33. A contratada deverá atender a todas as exigências legais, bem como arcar
com as taxas necessárias à obtenção do licenciamento ambiental da obra.
19.4.34. A empresa vencedora é a única responsável pela segurança, guarda e
conservação dos equipamentos, materiais, ferramentas, ferramental de perfuração,
insumos, utensílios e proteção destes e das instalações das obras.
19.4.35. Os casos omissos serão resolvidos pelo Fiscal do Contrato e o
Representante da Contratada.

20. ORDEM DE SERVIÇO E PAGAMENTO

20.1. Para execução dos serviços de manutenção corretiva a Contratada encaminhará


solicitação com a descrição dos serviços a serem realizado e relação de peças,

49
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
acompanhado de orçamento, com prazo de execução, para a aprovação da fiscalização. A
fiscalização poderá exigir mais de um orçamento dependendo na natureza dos serviços.
20.2. O pagamento será feito de acordo com o contrato e em uma nota de serviços
independente do serviço de perfuração que sera em nota especifica.
20.4. Para os serviços de construção de poços sera emitida Ordens de Serviço por Etapa
conforme cronograma fisico-financeiro.
20.5. A Contratada terá o prazo de 30 (trinta) dias corridos contar da data de recebimento
da primeira Ordem de Serviço para iniciar efetivamente os serviços.
20.6. Nenhuma nova Ordem de Serviço será dada, por tipo de serviço, enquanto não for
liquidadas as Ordens de Serviço concedidas anteriormente.
20.7. A apropriação das faturas de operação e construção de poços feito por serviço
medido demonstrado em planilha de apropriação de serviços e materiais, assinado pelo
Fiscal de Campo e Encarregado da Contratada.
20.8. O pagamento será feito na totalidade da Ordem de Serviço mediante a apresentação
e aprovação do Relatório Técnico do Poço, acordo com Especificações Técnicas dos
serviços de construção de poços.
20.9. O valor apropriado para pagamento de cada poço será aquele realmente aplicado na
construção do poço, multiplicado pelo valor unitário de cada item correspondente da
Planilha de Serviços com Aplicação de Materiais.
20.10. A contratada encaminhará nota fiscal dos serviços de construção do poço tubular
acompanhada de planilha demonstrativa dos serviços e materiais aplicados, por poço,
conforme modelo ANEXO V contendo coluna com as unidades, coluna com o valor
unitário, coluna com o quantitativo aplicado no poço e totalização assinado pelo
representante da Contratada e chancelado Fiscal de Campo da Funasa para pagamento.
20.11. Poço pronto é aquele construído testado com Relatório Técnico em conformidade
com as Especificações Técnicas e acompanhado de Anotação de Responsabilidade
Técnica – ART.
20.12. O pagamento dos serviços de Manutenção Preventiva e Corretiva, será feito com a
emissão de Nota Fiscal de serviço incluindo todas as despeças de peças e materiais
aplicados, acompanhada de relatório demonstrativo dos serviços realizados, dos
materiais aplicados com cotação das mesmas dos respectivos orçamentos aprovados pela
fiscalização.
20.13. A Contratada devera apresentar a Fiscal/Fatura, ate o 5º (quinto) dia útil de cada
mês sem rasuras, acompanhada da Ordem de Serviço e dos documentos e dos
documentos necessários ao pagamento dos serviços acima listados devidamente atestada
pelo Fiscal de Campo.
20.14. Antes de efetuar o pagamento será verificada a regularidade da empresa junto ao
Sistema Unificado de Cadastro de Fornecedores – SICAF, mediante consulta “on line”,
cujo documento será anexado ao processo de pagamento.
20.15. As notas fiscais de serviços deverão indicar o número da Nota de Empenho, bem
como, Conta Corrente, Agência e Banco da empresa vencedora, para a emissão da
respectiva Ordem Bancária de Pagamento.
20.16. Os pagamentos poderão ser sustados pela Funasa, nos seguintes casos:
a)Inadimplemento de obrigações da Empresa vencedora para com a Funasa por
conta deste Termo;

50
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
b)Erros ou vícios nas faturas, o que implicará na sua devolução, onde a mesma
deverá ser reapresentada com os erros ou vícios sanados.
20.17Caso seja verificada discrepância entre os quantitativos apresentados pela empresa
vencedora e aqueles verificados pela Fiscalização, o valor correspondente ao pagamento
será estornado no pagamento dos serviços.

ANTONIO JORGE DE ANDRADE FIGUEIREDO


Geólogo responsável pela elaboração

Aprovado por: RUI GOMIDE BARREIRA


Coordenador Regional da FUNASA/CORE-GO

ANEXO II - ESPECIFICAÇÕES DO PROJETO BÁSICO E DA EXECUÇÃO DOS


SERVIÇOS

ESPECIFICAÇÕES PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO


PREVENTIVA E CORRETIVA DOS EQUIPAMENTOS E CAMINHÕES DE
TRANSPORTE DAS SONDAS E COMPRESSORES DA FUNASA/CORE – GO

1 - CONDIÇÕES GERAIS

51
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
1.1 Executar todos os serviços de manutenção preventiva e corretiva, dos equipamentos,
substituindo peças, partes danificadas, serviços de laternagem, eliminando defeitos que
por ventura apresentarem nos equipamentos e veículos.
1.2. Os serviços de manutenção preventiva e corretiva são aqueles resultantes de defeitos
que impliquem em substituição de peças sejam elas adquiridas ou torneadas, incluindo as
trocas gerais de óleo lubrificante e filtro. Reapertos para retiradas de vazamento troca de
retentores, troca de gaxetas, complementos de óleo, lubrificação e lavagem do
equipamento, são por conta da contratada.
1.3. Os serviços de manutenção corretiva, bem como a substituição de peças e acessórios,
somente serão executados após autorização da Funasa, mediante a apresentação de
orçamento prévio, onde esteja discriminado o valor da mão-de-obra e o de peças e
acessórios fornecidos, bem como o tempo de serviço estimado.
1.4. A Fiscalização do Contrato poderá realizar antes de autorizar a sua execução pesquisa
com o objetivo de confrontar o orçamento apresentado pela empresa vencedora com os
preços e as condições praticados no mercado local e com os preços e tempos-padrão
constantes em tabelas próprias.
1.5. Toda atualização tecnológica de sondas e compressores e caminhões passam a ser
incorporadas ao equipamento, devendo ser entregue a Funasa quando da devolução do
equipamento.
1.6. A manutenção preventiva, corretiva, consertos, reparos necessários ao perfeito
funcionamento dos equipamentos devera ser realizada segundo os padrões determinados
nos manuais técnicos de cada fabricante dos equipamentos de maneira a mantê-los em
perfeitas condições operacional mecânica, hidráulica e elétrica, e ainda manter os
equipamentos limpos e de aspecto íntegro incluindo lataria e estofamentos.
1.7. Peças genuínas àquela fornecidas pelo fabricante do equipamento acondicionada em
embalagem personalizada deste e adquiridas nas suas revendas autorizadas.
1.8. Peças similares e de primeira linha àquela que possui a mesma qualidade da
originalmente utilizada na linha de montagem pelo fabricante ou recomendada por ele.
1.9. Peças genuínas podem ser adquiridas na assistência técnica autorizada do
equipamento em Goiânia. Caso não exista assistência técnica em Goiânia, poderá ser
cotado na assistência técnica ou representante do fabricante de outro local.
1.10. Nenhum pagamento é devido por translado de equipamento do campo para
conserto, e para despesas de locomoção e estadia de pessoal e transporte de peças.
1.11. Os casos omissos serão resolvidos pelo fiscal do contrato, após apresentação de
justificativa por escrito da Contratada.
1.12. Todo conserto e substituição de peça deveram ser anotados no Diário de Obra da
Equipe.

1.13. Os equipamentos deverão ser mantidos permanentemente limpos.

2 - MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DOS COMPRESSÔRES

2.1. Deverá ser realizada em oficina autorizada ou recomendada pelo fabricante do


equipamento. As peças de reposição dos compressores deverão ser genuínas ou que
atendam ao manual de instrução do equipamento. Fica a critério da fiscalização da

52
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Funasa decidir sobre a aplicação de peças similares.
2.2. Relação de numero de referência e descrição das principais peças que deverão ter
documento de aquisição genuína do fabricante:

Numero de Referencia Descrição


2910300100 KIT REPARO DA VÁLVULA DE CORTE DE ÓLEO
2910300300 KIT DE SERVIÇO DPH (ANEIS E JUNTAS)
2910300500 KIT REPARO DA VÁLVULA REGULADORA
2910300600 KIT DO REGULADOR DE VELOCIDADE
2910304300 KIT REPARO DA VALVULA DE PRESSÃO MÍNIMA
2911001901 KIT DO ELEMENTO SEPARADOR 950 DPH
KIT MANUTENÇÃO (FILTRO DE AR E OLEO DO
2912422996
MOTOR)
1615622900 ELEMENTO DE ACOPLAMENTO 950 DPH
0367010040 CORREIA COMPRESSOR 950 DPH
R26A50 FILTRO DE COMBUSTIVEL
R4510M FILTRO DE COMBUSTIVEL
FILTRO RACOR COMBUSTIVEL
1202586901 VALVULA TERMOSTATICA DA UNIDADE
1615643001 TUBO DE DESCARGA DA UNIDADE
1089054806 PRESSOSTATO DE PARTIDA
1089054804 PRESSOSTATO DE CARGA
1089037604 TERMOSTATO SET.135 CL=1.5M TEMPERATURA
INTERRUPTOR DE PRESSÃO DE ÓLEO DO
1089031106
MOTOR
1089056511 SENSOR DE PRESSÃO DE ÓLEO DO MOTOR
1031401261 FLUIDO REF. CP-46

3 - MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DAS SONDAS


3.1. A manutenção preventiva, corretiva e atualização técnica das sondas poderão ser
realizadas em oficinas especializadas ou oficinas credenciadas pelos fabricantes dos
motores e sistemas hidráulicos; devendo ser submetida à aprovação da fiscalização.
3.2. A substituição de peças deverá ser feita de acordo com data book de cada sonda.
3.3. A reposição de peças das sondas do cabeçote rotativo, do sistema hidráulico deverá
ser adquirida como produtos de primeira linha, conforme data book do equipamento. Os
rolamentos e as peças do sistema hidráulico devem ser da mesma marca e acompanhados
53
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
de certificado de origem do fabricante do componente instalado na sonda.
3.4. Fica a critério da fiscalização da Funasa decidir sobre a aplicação de primeira linha.

4 - MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DOS CAMINHÕES

4.1. Os serviços de manutenção preventiva e corretiva dos caminhões deverão ser feitos
em oficinas especializadas usando preferencialmente peças genuínas do fabricante ou
peças de primeira linha desde que autorizada pela fiscalização. Deverá ser realizada de
acordo com o manual de cada fabricante.

54
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ESPECIFICAÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE OPERAÇÃO DE
EQUIPAMENTOS E CONSTRUÇÃO DE POÇOS

1 – OBJETIVO

1.1. Especificar os detalhes técnicos para construção de poço tubular para captação de
água subterrânea, destinada ao abastecimento público com fornecimento de insumos e
materiais necessários conforme Especificações para Execução dos Serviços – Projeto
Básico.

2 - PLACA DE OBRA

2.1. A ser construída e instalada na localidade em local visível da comunidade e dos


passantes. Caso seja previsto a construção de mais de um poço na localidade será
colocadas apenas uma placa de obra. Devera ter a dimensão de 2 metros de altura por 3
metros de largura e ser construída de acordo com o manual de Placa de Obra do Governo
Federal vigente, confeccionada em chapa galvanizada n° 23, com suporte de sarrafos de
madeira de 6 x 6 centímetros de lado por 3 metros de altura.

3 - TRANSPORTE, MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E


MATERIAIS (DTM) E MANUTENÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA DE GOIANIA A
PRIMEIRA LOCALIDADE RELACIONADA NA ORDEM DE SERVIÇO

3.1. É de responsabilidade da contratada as despesas com a mobilização e desmobilização


dos equipamentos e materiais, inclusive insumos, entre o local que se encontra o
equipamento e o local para onde se deslocará para realização do novo poço inclusive
despesas de travessia de balsa.
3.2. O serviço de lubrificação troca de óleo de motores e engrenagem, troca de retentores,
gaxetas e limpeza dos equipamentos são por conta da Contratada e devem estar
embutidos nos custos de construção de poços.
3.3. Despesas de alimentação e estadia da equipe de perfuração e despesa de locomoção e
apoio.
3.4. O transporte deve ser realizado em veículos da contratada ou a disposição desta.
3.5. Caso seja necessária à utilização de transporte fluvial ou ferroviário para a chegada
ao local, esta será por conta da Funasa devendo ser elaborado orçamento detalhado para
aprovação do Fiscal do Contrato ou seu preposto.
3.6. Para todos os efeitos de contrato será considerada a cidade de Goiânia como ponto de
partida dos comboios de perfuração.
3.7. O deslocamento inicial, a partir da cidade de Goiânia para a área, primeira locação,
exceder a 1.000 km será paga o valor referente a uma taxa de valor correspondente ao
item 3 da planilha orçamentária.
3.8. Quando o deslocamento for para fora do Estado de Goiás será pago o valor
correspondente a duas taxas de deslocamento.

55
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
3.9. O custo de combustível dos caminhões da Funasa de Goiânia ate a área de trabalho
prevista na Ordem de Serviço é por conta da Contratante, excluídas as de transporte
fluvial e ferroviário.

4 - TRANSPORTE, MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E


MATERIAIS (DTM) ENTRE LOCALIDADES DA ROTA RELACIONADA NA ORDEM
DE SERVIÇO.

4.1. O pagamento para fazer frente ao deslocamento do comboio de perfuração de uma


locação para outra independente da quantidade e do tipo de viagens necessárias a
construção do poço. Despesas de alimentação e estadia da equipe de perfuração e despesa
de locomoção e apoio. O pagamento corresponde ao item 3 da Planilha Orçamentária

5 - TRANSPORTE, MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E


MATERIAIS (DTM) ENTRE LOCAÇÕES DA MESMA LOCALIDADE.

5.1.O pagamento para fazer frente ao deslocamento do comboio de perfuração de uma


locação para outra independente da quantidade e do tipo de viagens necessárias a
construção do poço. Despesas de alimentação e estadia da equipe de perfuração e despesa
de locomoção e apoio.

6 - MANUTENÇÃO CANTEIRO DE OBRA NA LOCALIDADE.

6.1.Cobre despesas de manutenção do canteiro de obra como alimentação, dormitório e


transporte de equipe.

7 - ACESSOS, PREPARAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA E INSTALAÇÃO DOS


EQUIPAMENTOS.

7.1. É por conta da contratada, a preparação dos acessos, plataforma de instalação dos
equipamentos e canteiro de obra.
7.2. Define-se por acessos a distância entre a rodovia principal, seja ela Federal, Estadual,
Municipal ou de fazenda até o local da locação.
7.3. O canteiro de obras deverá ser isolado com cavaletes unidos por fitas de advertência
para não permitir o acesso de pessoas desautorizadas e por medida de segurança para
evitar acidentes a terceiros.
7.4. A empresa será considerada instalada e apta ao início dos serviços após a fiscalização
constatar na obra: a instalação das perfuratrizes, equipamento ferramental e materiais, e a
presença de pessoal para a execução da obra.

8 - PROFUNDIDADE

8.1. A profundidade média de cada poço pode variar entre 70 (setenta) e 140 (cento e

56
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
quarenta) metros, a depender das condições hidrogeológicas do local a ser verificada
durante os estudos de locação e perfuração da construção do poço.
8.2. Não será aceito alegação de problemas técnicos e geológicos para a não execução do
poço até as profundidades estabelecidas (máximas e mínimas), pela Fiscalização da
Funasa, devendo o poço ser rejeitado e nenhum pagamento feito por estes serviços.

9 - PERFURAÇÃO E DIÂMETROS DE PERFURAÇÃO

9.1. Diâmetro de 12 1/4’’ na parte superior de solo, sedimentos friáveis e rocha cristalina
alterada.
9.2. Diâmetro 9 1/2’’ na parte superior de solo, sedimentos friáveis e rocha cristalina
alterada, quando não for prevista a colocação de filtro para captar água do lençol freático.
9.3 Diâmetro 8 1/2” em rocha para encaixe do revestimento e cimentação de pé. Esta
perfuração devera se prolongar por 1,5 (um e meio) metros na rocha sã, podendo a
critério da Fiscalização ser reduzido.
9.4. Diâmetro 6’’ no restante inferior do poço, em rocha sã, nas condições previstas no
item profundidade.
9.5. A perfuração na parte sedimentar deverá ser feita por sondagem rotativa com
circulação de lama exclusivamente com a utilização de fluido sintético de perfuração. A
viscosidade da lama devera estar acima de 40 segundos Marsh.
9.6. Durante a perfuração a ar com perfuratriz DTH deverá ser utilizado espumante tipo
“drill foam” ou “espumagel”.
9.7. Os insumos necessários aos trabalhos de perfuração estão incluídos nos custos de
perfuração da planilha orçamentária de serviços com aplicação de materiais.

10 - PROCEDIMENTO PARA ABANDONO DO POÇO


10.1. Será obrigatoriamente realizado quando a empresa vencedora malogre na
perfuração do poço nos casos:
a) Não atendimento da profundidade especificada;
b) Abandono devido à perda de ferramenta;
c) Abandono por qualquer motivo operacional que impeça sua conclusão.
10.2. O furo abandonado deverá por conta da contratada ser preenchido conforme
procedimento o estabelecido no item 7.7.5 da NBR 12244 Construção de poço para
captação de água subterrânea.
10.3.A Contratada poderá remover o tubo de revestimento, caso queira, permanecendo de
sua propriedade.
10.4.Nenhum pagamento será feito pelo poço perdido.

11 - COLETA E ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS

11.1. As amostras do material perfurado deverão ser coletadas a cada 2 (dois) metros de

57
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
profundidade na parte sedimentar, e intervalos de 5 (cinco) na parte de rochas cristalinas
ou sempre que ocorrer qualquer mudança litológica, de coloração do material ou na
velocidade de avanço da perfuração.
11.2. As amostras coletadas serão acondicionadas em sacos plásticos ou de pano,
etiquetados com as seguintes informações: número do poço, local, data, município,
localidade e número de ordem e intervalo amostrado. Deverá ser mantida no canteiro de
obra embalada e organizada em ordem crescente de profundidade a disposição da
fiscalização.
11.3. As amostras são de propriedade da Funasa e deverão ser entregues junto com os
documentos que compõem o relatório do poço.

12 - REVESTIMENTOS
12.1. Os poços serão parcialmente revestidos, no diâmetro de revestimento de diâmetro
nominal de 6’’ na parte revestida e 6” na parte não revestida de rocha.
12.2. Somente serão admitidos pela fiscalização tubos de revestimento e luvas novos.
12.3. A tubulação de revestimento deverá ser de materiais normatizados, específicos para
aplicação em poços tubulares para captação de água subterrânea, amparados por Normas
Técnicas específicas da Associação Brasileira de normas Técnicas - ABNT e em
conformidade com as especificações contidas na Planilha Orçamentária de Serviços com
Aplicação de Materiais.
12.4. Revestimento cego em tubos de aço carbono segundo Norma DIN 2440,
galvanizado com espessura de parede mínima de 4,25 (quatro vírgula vinte e cinco)
milímetros; aço carbono Schedule 20, com espessura de parede de 5 ( cinco ) milímetros.
12.5. Os revestimentos ranhurados – filtros - serão do tipo NOLD de aço galvanizado
1020 com espessura de parede de 4,85 (quatro vírgula oitenta e cinco) milímetros e
abertura de 0,75 mm.
12.6. A empresa vencedora deverá disponibilizar barras de revestimento liso e de filtros
de tamanhos variados para permitir que as roscas fiquem na terminação da boca do poço.
12.7. A colocação da coluna de revestimento deve obedecer a condições especiais, de
modo a evitar ocorrência de deformações ou ruptura de material que possam
comprometer a sua finalidade ou dificultar a instalação dos equipamentos, garantindo a
sua perfeita verticalidade.
12.8. Recomendam-se a colocação de uma guia centralizadora próxima a base do
revestimento e outra próxima da boca do poço para garantir a verticalidade do poço.
12.9. A colocação de filtros só será admitida em profundidades superiores a 20 (vinte)
metros, caso as condições hidrogeológicas assim o indique.

13- PRÉ-FILTRO

13.1. Quando for prevista a colocação de filtro será obrigatória à colocação do pré-filtro
ate a profundidade de 10 (dez) metros da superfície de terreno;

58
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
13.2. O pré-filtro deverá ser de areia usinada com composição de 95% de grãos de
quartzo, com diâmetro variando de 1 a 3 mm, grãos arredondados, coeficiente de
uniformidade abaixo de 2,5 diâmetro efetivo de 90% e fator de Krumbrain, arredondado.
13.3. Estima-se o consumo de 60 litros de pré-filtro / metro linear de poço.

14 - CIMENTAÇÃO DE PÉ DO POÇO

14.1. Deverá ser realizada após a perfuração do capeamento sedimentar na união entre a
parte revestida e não revestida do poço e para isolar aqüíferos indesejáveis e infiltrações
de águas residuárias.
14.2. Este procedimento devera ser adotado nos poços sem colocação de filtros e com
colocação de filtro.
14.3. A cimentação de pé do poço constitui-se na injeção de pasta de cimento, traço 1:1
por tubulação independente colocado por dentro do revestimento.
14.4. A pasta de cimento deverá ser elaborada com 1 (um ) saco de cimento portland CP-
320 adicionando-se 30 ( trinta ) litros de água para fornecer o total de 40 ( quarenta )
litros de calda por saco de cimento.
14.5. O volume apropriado para pagamento será medido pelo numero de sacos de
cimento utilizado multiplicado por 40.
14.6. Deverá ter tempo de espera de 24 (vinte e quatro) horas antes de serem retomados
os trabalhos. Estima-se consumo de 0,24 m³ / poço.

15 - CIMENTAÇÃO DE PROTEÇÃO SANITÁRIA E ESPAÇO ANELAR

15.1. É o preenchimento do espaço situado entre o tubo de revestimento interno e


perfuração com argamassa de cimento.
15.2. Nos poços sem colocação de pré-filtro, deverão ter cimentado toda a parte revestida.
Aqueles com colocação de pré-filtro os primeiros 10 (dez) metros a partir da superfície
do terreno.
15.3. Traço da argamassa de cimento a ser utilizada é 3:1, uma quantidade de cimento
para duas de areia granulação média a fina ou ainda 1 um saco de cimento portland CP-
320, 60 (sessenta ) litros de areia e 25 ( vinte e cinco ) litros de água 73(setenta e três)
litros de massa.
15.4. A pega do cimento deve ser prevista para 24 (vinte quatro) horas. Com o uso de
aditivos ou de cimento de pega rápida, este período pode ser reduzido para 12 (doze)
horas.
15.5. O volume apropriado para pagamento será medido pelo numero de sacos de
cimento utilizado multiplicado por 73.
15.6. Estima-se o consumo de 60 litros por metro linear de poço.

16 - LAGE DE PROTEÇÃO SANITÁRIA

16.1. Laje de concreto (traço 3:1), com dimensões de 1,5(um e meio) metros de lado,
envolvendo o tubo de revestimento e acabamento com cimento queimado.

59
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
16.2. A laje deverá ter declividade de 2% (dois por cento), do poço para a borda e um
ressalto periférico de 15 (quinze) centímetros sobre a superfície do terreno.
16.3. A laje devera conter impressa, no cimento, o nome da FUNASA, da empresa
vencedora; os valores de NE, ND, Q, P e data de conclusão.

17- BOCA DO POÇO

17.1. Deverá ser de 0,60 (sessenta centimetros) de metro acima da laje de proteção
sanitária podendo ser aumentada a critério da fiscalização dependendo das conveniências
locais relativas à proteção do poço como inundações, ou qualquer outra que justifique
este aumento.
17.2. A altura da boca do poço deverá ser descontada da profundidade do poço e sua
altura especificada no Relatório do Poço. Será pago o valor do revestimento.
17.3. Depois de concluídas todas as etapas de construção, deverá ser colocada tampa de
proteção na boca do poço. A tampa deve ser com chapa soldada ou tampa rosqueável,
seguida da colocação de cápsula metálica, ancorada na laje de proteção, 0,20 metros mais
elevada do que a boca do poço, confeccionada em tubo metálico de 8” de diâmetro e
pintada de azul.

18 – DESENVOLVIMENTO

18.1. Desenvolvimento do poço deverá ser feito com aplicação do sistema “air-lift” e
caso necessário utilizando-se os métodos mecânicos.
18.2. O procedimento deverá servir como indicativo de produção do poço, para subsidiar
o teste de produção.
18.3. O desenvolvimento deverá ser precedido com a aplicação de dispersantes químicos
a base de polifosfatos na dosagem indicada pelo fabricante.
18.4. O produto deverá ser diluído em um tonel com água antes de ser lançado
pela boca do poço.
18.5. Após lançamento do produto, realizar o fervilhamento do poço usando compressor
durante o tempo 1 (uma) hora para penetração do produto no pré-filtro e paredes da
formação.
18.6. Em seguida observar um tempo de repouso de 3(três) a 6 (seis) horas e repetir a
operação.
18.7. Após a segunda operação de fervilhamento bombear o poço durante 12 (doze) horas
com o compressor.
18.8. O injetor deverá ficar a pelo menos 6 (seis metros) acima das seções de filtros no
caso de poços mistos e abaixo da fenda mais inferior do poço no caso de poços sem
filtros.
18.9. O poço será considerado desenvolvido quando a água estiver sem pedriscos,
turbidez inferior a 1,0 Ut, e produção de areia inferior a 10 mg /l (dez miligramas) de
água.
18.10. Somente será pago 12 horas por poço para o item desenvolvimento. Não será pago
nenhum valor a mais caso seja necessário maior tempo de desenvolvimento.

60
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
19 - TESTE DE PRODUÇÃO

19.1. A empresa vencedora deverá fornecer todo equipamento de bombeamento,


tubulação adutora e de descarga necessária à realização do teste.
19.2. A descarga da água deverá ocorrer a uma distância adequada do poço, de forma a
não interferir no resultado do teste.
19.3. Deverá fornecer e instalar dispositivos de medição aprovados pela Funasa.
19.4. Para valores iguais ou superiores a 50 (cinqüenta) metros cúbicos por hora, deverão
ser utilizados medidores contínuos tipo Venturi, orifício calibrado, vertedouro ou outros
que melhor se adaptem a situação.
19.5. Para vazões menores, poderão ser utilizados recipientes com capacidade mínima de
200 (duzentos) litros.
19.6. O teste de produção deverá ser obrigatoriamente realizado por bomba submersa.
19.7. A bomba submersa deverá ser dimensionada para vazão de 90 (noventa) por cento
da produção do poço ou que permita uma rebaixamento do nível estático de 20 ( vinte )
metros. É por conta da empresa vencedora o fornecimento de energia elétrica, quer por
gerador ou pela rede local.
19.8. O rebaixamento deverá ser superior 20 metros para o teste ser validado.
19.9. O teste de produção deverá ser realizado com vazão continua.
19.10. A duração do teste deverá ser de 24 (vinte e quatro) horas se o nível dinâmico
estabilizar durante pelo menos as últimas 6 (seis) horas do teste.
19.11. Se tal estabilização não ocorrer nesse período, a vazão de bombeamento deverá ser
reduzida em cerca de 20% e, o teste prolongado por mais 12 (doze) horas.
19.12. A variação do nível de água dentro do poço deverá ser acompanhada com um
medidor elétrico, com o cabo elétrico contendo impresso a escala de profundidade
marcada em centímetros.
19.13. O eletrodo do medidor elétrico deverá descer no poço em tubulação de proteção
independente.
19.14. As interrupções acidentais, desde que haja acordo entre a contratada e a
fiscalização, poderão ser compensadas mediantes uma programação correspondente, para
complementar o ensaio.
19.15. Nenhum pagamento será realizado pela complementação do teste.
19.16. O resultado do teste de produção será apresentado em planilha modelo Funasa.
19.17
19.18. Na realização do teste de produção deverão ser observados os tempos abaixo
determinados para a verificação das medidas de variação do nível de água dentro do poço
e da vazão:
a) De 0 (zero) hora a 2 (duas) horas, medidas a cada 10 (dez) minutos;

b) De 02 (duas) horas a 12 (doze) horas, medidas a cada 30 (trinta) minutos;

c) De 12 (doze) horas a 24 (vinte e quatro) horas, medidas a cada 60 minutos.

20 - TESTE DE RECUPERAÇÃO

20.1. Realizado imediatamente após o teste de produção do poço.

61
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
20.2. O procedimento do teste de recuperação consiste na medida do tempo para que o
poço volte ao nível estático original ou próximo deste.
20.3. O resultado do teste de recuperação deverá ser apresentado com o preenchimento da
planilha modelo Funasa.
20.4. O teste de recuperação será dado como concluído quando o nível d’água retornar à
posição original ou próxima do nível estático inicial.

21 - VERIFICAÇÃO DA VERTICALIDADE E ALINHAMENTO

21.1. O poço está no vertical quando seu eixo coincide com a linha vertical que passa
pelo centro da boca do poço. Alinhado quando seu eixo é uma reta.
21.2. O teste constará da descida pelo poço livremente sem tocar nas paredes até 24
metros abaixo do nível dinâmico do poço de uma haste rígida com 5 ¾ ’’ (cinco e três
quartos) de polegadas de diâmetro, e 6 (seis) metros de comprimento.
21.3. Caso seja verificada alguma das ocorrências acima a empresa vencedora deverá
corrigir imediatamente.
21.4. Nenhum pagamento será realizado por estes serviços de regularização da
verticalidade e do alinhamento do poço.

22 - LIMPEZA E DESINFEÇÃO DO POÇO E DO CANTEIRO DE OBRA

22.1. Após inteiramente construído, o poço deverá ser completamente limpo retirando-se
todos os materiais estranhos, inclusive ferramentas, madeiras, cordas, fragmentos de
qualquer natureza, cimento, óleo, graxa, tinta de vedação ou espuma da área do canteiro
de obra.
22.2. Em seguida, o poço, deverá ser desinfetado com solução de cloro.
23.3. A desinfecção deverá ser feita com solução de cloro que permita se um teor residual
de 5 ppm de cloro livre em todas as partes do poço, com repouso mínimo de 2 horas.

23 - ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E BACTERIOLÓGICA

23.1. A coleta de água para realização de análises físico-químicas e bacteriológicas


deverá ser feita 12 horas após a desinfecção do poço.
23.2. Antes de se proceder a coleta o poço deverá ser bombeamento em descarga livre por
um tempo mínimo de 2 (duas) hora.
23.3. A coleta deverá utilizar o vasilhame adequado, fornecido pelo laboratório,
desinfetado, e com volume compatível.
23.4. Antes da coleta, lavar a garrafa com água do poço e a seguir fazer a coleta
diretamente da boca do poço, segurando-as pelo fundo.
23.5. Encher a garrafa com um volume correspondendo a dois terços do volume total.
23.6. As medidas de conservação da amostra bem como o prazo de entrega devem seguir
orientação do laboratório contratado.
23.7. Observar as recomendações adicionais específicas do laboratório.

24 - DIÁRIO DE OBRA

62
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
24.1. O Diário de Obra, um para cada equipe será fornecido e mantido pela empresa
contratada, rubricado por ela e pela Fiscalização diariamente, em livro próprio fornecido
pela contratada.
24.2. O Diário de Obra deverá, a qualquer tempo, permitir a reconstituição dos fatos
relevantes ocorridos com os equipamentos e obras de construção de poços e aqueles que
tenham influenciado de alguma forma o andamento ou execução dos serviços.
24.3. O Diário de Obra ao inicio de cada dia deverá conter as anotações de horimetro e
velocímetro dos equipamentos, descrição dos serviços realizados, materiais aplicados no
poço e formações atravessadas e outras que a fiscalização e a contratada julgar pertinente.

25 - RELATÓRIO TÉCNICO DO POÇO

25.1. Apresentado com o preenchimento de todos os campos nos modelos padronizados


devidamente assinados e carimbados pelos responsáveis técnicos:
a) Diário de obra, em livro próprio;
b) Relatório do poço, modelo em Anexo;
c) Perfil geológico e construtivo, modelo em Anexo;
d) Relatório de teste de produção e recuperação, modelo em Anexo;
e) Boletim de análise físico-química e bacteriológica. modelo em Anexo;
f) Anotação de Responsabilidade Técnica – ART do serviço de construção do
poço;
h) Documentação Fotográfica do Poço de acordo com o modelo em Anexo
constando de 5 (cinco) fotos: uma fotografia geral do canteiro de obra instalado;
uma fotografia em perfuração; uma fotografia do teste de vazão; uma fotografia
de detalhe mostrando o poço e a inscrição da laje e uma fotografia geral da área
do poço mostrando o terreno limpo e recuperado.

25.2. Apresentar os documentos em duas vias e em meio magnético.

26 - FISCALIZAÇÃO E RECEBIMENTO DOS SERVIÇOS

26.1. A Funasa designará um funcionário para acompanhar os trabalhos da construção do


poço na qualidade de fiscal de campo.
26.2. O fiscal poderá suspender os trabalhos, solicitar a substituição do funcionário da
contratada que não atender as especificações técnicas, que tenha procedimento ou
comportamento inadequado perante as comunidades ou normas internas da comunidade
onde esteja trabalhando.
26.3. Constitui motivo para o não recebimento do poço pela fiscalização:
a) Alinhamento ou verticalidade fora dos limites de tolerância;
b) Perda do poço por deficiência operacional ou equipamento;
c) Isolamento inadequado do aqüífero superficial e/ou aqüíferos indesejáveis;
d) Deficiência de produção de água decorrente de má conclusão do poço;
e) Turbidez superior a 1 Ut ou produção de areia superior a 10 mg/l;
f) Falta de relatório técnico do poço;
g) Não atendimento das obrigações legais;
h) Não entrega das amostras do poço;

63
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
i) Não entrega dos documentos que fazem parte do Relatório Técnico do Poço, da
Anotação de Responsabilidade Técnica do poço;
j) Boletim de análise físico-químico e bacteriológico, assinado e carimbado pelo
responsável técnico.

27 - RECEBIMENTO DOS SERVIÇOS CONSTRUÇÃO DO POÇO

27.1. Recebimento Provisório – após o término da construção do poço, e entrega do


Relatórios, análise físico-química e bacteriológica e amostras do poço.
27.2. Recebimento Definitivo – se dará após a utilização do poço durante o tempo de 6
(seis) meses, para o fim a que foi projetado.

28 - GARANTIA DOS SERVIÇOS

28.1. A empresa vencedora é responsável pela garantia integral dos serviços realizados
especialmente pela qualidade dos materiais empregados contra defeitos de qualidade dos
tubos de revestimento e filtros, vazamento nas luvas, em soldas e cimentações
ocasionando infiltrações no poço de águas contaminadas e túrbidas nos termos do art.nº.
69 da Lei das Licitações.
28.2. Caso ocorra qualquer um destas ocorrências durante o período de Recebimento
Definitivo e Recebimento Provisório o poço deverá ser a critério da fiscalização refeito
ao lado do poço impugnado.
28.3. Nenhum pagamento será feito à empresa vencedora pela reposição do poço.
28.4. O poço refeito deverá ser construído obedecendo às mesmas especificações do poço
impugnado.

ANTONIO JORGE DE ANDRADE FIGUEIREDO


Geólogo responsável pela elaboração

ANEXO III - PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DE SERVIÇOS COM APLICAÇÃO DE

64
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
MATERIAIS

PLANILHA DE SERVIÇOS COM APLICAÇÃO DE MATERIAIS


ITEM DESCRIÇÃO UNIDADE QUANT. R$ UNIT R$ TOTAL

Aquisição e assentamento de placa de obra, tamanho 2 x 3 metros em chapa


1 galvanizada n° 23, com suporte de sarrafos de madeira de 6 x 6 centímetros unidade* 62,00 906,00 56.172,00
de lado por 3 metros de altura, por localidade.

Transporte, mobilização, desmobilização de equipamentos e materiais,


2 unidade* 10,00 1.800,00 18.000,00
Goiania e a primeira locação - ORIGEM: GOIANIA.

Transporte, mobilização, desmobilização de equipamentos e materiais, entre


3 unidade* 85,00 1.000,00 85.000,00
locações da rota.

Transporte, mobilização, desmobilização de equipamentos e materiais, entre


4 unidade 27,00 500,00 13.500,00
locações na mesma localidade

5 Manutenção canteiro de obra na localidade. unidade* 122,00 1.000,00 122.000,00

Acessos, preparação do canteiro de obra e instalação dos equipamentos, por


6 unidade 122,00 500,00 61.000,00
poço.
7 PERFURAÇÃO 0,00
7.1 Diâmetro 12. 1/4", sedimento. metro 4.636,00 95,00 440.420,00
7.2 Diâmetro 9.1/2" ou 8.1/2", rocha cristalina. metro 244,00 105,00 25.620,00
7.3 Diâmetro 6", rocha cristalina. metro 9.029,00 100,00 902.900,00

8 Fornecimento e instalação de tubo de aço carbono galvanizado, DIN 2440, metro 4.758,00 170,00 808.860,00
esp de parede de 4.25 mmm, DN 6".
Fornecimento e instalação de tubo de aço carbono galvanizado, DIN 2440,
9 espessura de parede de 4.85 mm, tipo Nold, abertura das ranhuras de metro* 122,00 180,00 21.960,00
0,75mm DN 6".
10 Fornecimento e instalação de pré-filtro de areia selecionada, granulometria de tonelada* 122,00 750,00 91.500,00
1 mm a 2mm.
11 Cimentação de pé com calda de cimento, traço 1:1 metro³ 122,00 600,00 73.200,00

12 Cimentação do espaço anelar e de proteção sanitária, com argamassa traço metro³ 344,00 432,00 148.608,00
3:1.
13 unidade 122,00 150,00 18.300,00
Fornecimento de tampa do poço e cápsula de proteção.
14 Desenvolvimento com compressor. hora* 1.464,00 50,00 73.200,00
15 Fornecimento e aplicação de dispersantes quimicos. quilo 610,00 10,00 6.100,00
16 Teste de produção com bomba submersa. hora* 2.928,00 60,00 175.680,00
17 Lage de proteção de 1,5 x 1,5 metros de lado. unidade 122,00 200,00 24.400,00
18 Desinfecção. serviço 122,00 300,00 36.600,00
19 Coleta e análise fisico-química. uidade 122,00 300,00 36.600,00
20 Coleta e análise bacteriológica. unidade 122,00 300,00 36.600,00

Total 1 R$ 3.276.220.,00
Serviços de manutenção com fornecimento de
21 peças e acessorios para os equipamentos da serviço Total 2 R$ 1.000.000,00
FUNASA.

O valor global da proposta sera a soma do total 1 mais a do Total 2 4.276.220,00

OBSERVAÇÕES REFERENTE A PLANILHA:

65
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

* Estão imbutido todos os custos necessarios a execução dos poços, inclusive


acompanhamen- to tecnico e relatório tecnico.
* Visando o principio de igualdade de competição, o Total 2 deverá ser fixo em todas as
plani- lhas das empresas participantes R$ 1.000.000,00.
* Na execução dos serviços Total 2, os preços propostos no orçamento serão conferidos
pela FUNASA através de pesquisa de mercado antes da aprovação do mesmo.

ANEXO IV - COMPOSIÇÃO DO LDI.

66
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

PLANILHA DEMONSTRATIVO DO CALCULO DO LDI


DE APRESENTA\AÇÃO OBRIGATÓRIA PARTE INTEGRANTE DA PROPOSTA COMERCIAL
ATENDE AO ACORDÃO TCU TC-003.478/2006-8 ITEM 9.1
ITEM DISCRIMINAÇÃO %
1 Garantia
2 Risco
3 Despesas financeiras
4 Administração central
5 Lucro
6 CONFINS
7 PIS
8 ISS
TOTAL LDI
ADMINISTRAÇÃO CENTRAL

DEFINIÇÃO: administração central é um dos componentes das despesas Indiretas e a obtenção de seus dados e a sua comprovação
pode ser feita através de demonstrações contábeis e financeiras constantes do balanço anual da empresa.
RATEIO DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL
DEFINIÇÃO: rateio é a parcela de despesa da administração central, debitada a determinada obra segundo os critérios estabelecidos
pela direção da empresa.
DESPESAS ESPECIFICAS DA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL

DEFINIÇÃO: são despesas claramente definidas para atender determinadas obras pagas total ou parcialmente pela administração
central.
TAXA DE RISCO DO EMPREENDIMENTO

DEFINIÇÃO : Taxa se aplica para empreitadas por preço unitário, preço fixo, global ou Integral, para cobrir eventuais incertezas
decorrentes de omissão de serviços, quantitativos irrealistas ou insuficientes, projetos mal feitos ou indefinidos, especificações
deficientes, inexistência de sondagem do terreno, etc.
CUSTO FINANCEIRO

DEFINIÇÃO: O custo financeiro, é paga para pagamentos à prazo e compreende, uma parte pela perda monetária decorrente da
defasagem entre a data do efetivo desembolso e a data da receita correspondente e a outra parte, de juros correspondentes ao
financiamento da obra paga pelo executor.
TRIBUTOS FEDERAIS

DEFINIÇÃO: tributos cobrados pela prestação de serviços no local de execução da obra ou de serviço - PIS, CONFINS.
TRIBUTO MUNICIPAL – ISS
DEFINIÇÃO: tributo municipal cobrado pela prestação de serviços no local de execução da obra ou de serviço- ISS.
TAXA DE COMERCIALIZAÇÃO

DEFINIÇÃO: É o resultado de todos os gastos não computados como custos diretos ou indiretos, referentes a comercialização do
produto mais as reservas de contingência ocorridas num determinado período dividido pelo faturamento global no mesmo período.
LUCRO OU BENEFÍCIO

DEFINIÇÃO: Lucro ou Benefício é uma parcela destinada a remunerar, o custo de oportunidade do capital aplicado, capacidade
administrativa, gerencial e tecnológico adquirida ao longo de anos de experiência no ramo, responsabilidade pela administração do
contrato e condução da obra através da estrutura organizacional da empresa e investimentos na formação profissional do seu pessoal e
criar a capacidade de reinvestir no próprio negócio.

67
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO V - DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE FATO IMPEDITIVO

DECLARAÇÃO

( NOME DA Licitante) , CNPJ n.º _______________, sediada


(endereço completo) , declara, sob as penas da lei, que até a presente data inexistem fatos impeditivos
para sua habilitação no presente processo licitatório, ciente da obrigatoriedade de declarar ocorrências
posteriores.

Local e data
_______________________________________
Nome e número da Identidade do Declarante

Observação: emitir em papel que identifique a licitante.

68
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO VI - DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DO ART. 7º, XXXIII.

DECLARAÇÃO

Ref.: (identificação da licitação)

.................(razão social da empresa)..............., inscrita no CNPJ n.º......................, por intermédio de seu


representante legal o(a) Sr. (a)......................................, portador (a) da Carteira de Identidade
n.º .................... e do CPF n.º ..............., DECLARA, para fins do disposto no inciso V do art. 27 da Lei
n.º 8.666, de 21 de junho de 1993, acrescido pela Lei n.º 9.854, de 27 de outubro de 1999, que não
emprega menor de dezoito anos em trabalho noturno, perigoso ou insalubre e não emprega menor de
dezesseis anos.

Ressalva: emprega menor, a partir de quatorze anos, na condição de aprendiz ( ).


................................................................
(Local e data)
.......................................................................................
(nome e assinatura do representante legal)

69
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO VII - MODELO DE DECLARAÇÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

(NOME DA EMPRESA), CNPJ Nº _____________________, sediada (endereço completo),


declara, sob as penas da lei, que atende aos requisitos do artigo 3° da Lei Complementar n° 123,
de 14 de dezembro de 2006.

Local, de de 2010.

___________________________________________________
(Nome, e assinatura do Responsável Legal da empresa licitante)

70
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO VIII - MINUTA DE CONTRATO Nº /2010

CONTRATO CELEBRADO ENTRE A


FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE E
A EMPRESA .................. PARA
PERFURAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE
POÇOS TUBULARES PROFUNDOS,
INCLUÍNDO TODOS OS SERVIÇOS
NECESSÁRIOS.

Processo nº. 25160.003.627/2010-91

A Fundação Nacional de Saúde, entidade federal vinculada ao Ministério da Saúde,


inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 26.989.350/0239-14, e a empresa ...................., situada
à ....................., inscrita no CNPJ/MF sob o n.º ................, com inscrição estadual n.º ................,
doravante, neste ato, denominadas FUNASA e CONTRATADA, respectivamente,
representadas, a primeira por seu Coordenador Regional,.................., portador da Carteira de
Identidade n.º .................., expedida pela .............. CPF n.º ....................., nomeado pelo Decreto
Presidencial de .../.../..., publicado no D.O.U. de ...../...../....., no uso das atribuições que lhe
confere a Portaria n.º ..........., de ...../...../....., do Senhor Presidente da FUNASA, e a
segunda .................. CNPJ n.º ............ com sede a .......... representado por seu representante
legal, Sr. ............., portador da Carteira de Identidade n.º ............., emitida pela.. .......... e do CPF
n.º.............., no uso das atribuições que lhe confere o ................ (especificar o dispositivo ou ato),
firmam este Contrato para execução de serviços de perfuração e construção de poços
tubulares profundos para, licitado pela modalidade Concorrência n.º ........../2010, do tipo
menor preço global, regido pela Lei n.º 8.666/93 republicada em 06.07.94, e posteriores
alterações, por este Edital, seus anexos, e suas alterações e Instrução Normativa - MARE n.º 05,
de 21 de julho de 1995, e suas alterações posteriores, a qual as partes se sujeitam e ainda,
mediante as disposições expressas nas seguintes Cláusulas:

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO

Serviços de perfuração de poços tubulares profundos constando Serviço de perfuração e


construção de poços tubulares 122(cento e vinte e dois)-poços tubulares profundos, tipo de
projeto de poço misto e parcialmente revestido, de profundidades variando entre 70 e 140 metros
cada um, com fornecimento de todos os serviços, materiais, insumos, ferramental de corte,
necessário a consecução do objeto. Manutenção com fornecimento de peças e operação de dois
conjuntos de perfuração roto-pneumáticos da Funasa e com equipamentos de perfuração e de
apoio logístico da Contratada. Os serviços serão realizados nos Estado de Goiás, Mato Grosso –
DSEI/Araguaia e Tocantins.

71
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

CLÁUSULA SEGUNDA – ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO:


Os serviços incluem:
Subcláusula Primeira - A construção dos poços utilizando dois conjuntos de equipamentos de
perfuração cada um composto de uma perfuratriz R1-H e um compressor Chicago Pneumátic
modelo 950 DPH, ambos sobre plataforma de caminhão, incluindo operação manutenção
insumos e todo material e serviços necessários a construção dos poços conforme especificado;
Subcláusula Segunda – A construção dos poços com equipamentos de perfuração da empresa
contratada incluindo operação manutenção insumos;
Subcláusula Terceira – O fornecimento de materiais, insumos e ferramental de corte para os
equipamentos da Funasa e equipamento próprio da Contratada;
Subcláusula Quarta - O fornecimento de apoio logístico para transporte de equipes, ferramental
e insumos;
Subcláusula Quinta – Serviços de manutenção corretiva e preventiva dos dois conjuntos de
perfuração rotopneumática, disponibilizados pela Funasa na forma especificada.
Subcláusula Sexta – Os serviços objeto deste contrato serão prestados pela CONTRATADA,
na forma e nas condições estabelecidas no Edital de Licitação na modalidade de Concorrência n.º
/2010, e seus anexos, Processo n.º 25100.0003.627/2010-91 e na Proposta da CONTRATADA,
documentos esses que passam a fazer parte integrante deste Instrumento, independentemente de
sua transcrição;

CLÁUSULA TERCEIRA - DA VIGÊNCIA

A vigência do contrato de 24( vinte e quatro) meses a contar da assinatura da primeira


ordem de serviço, podendo ser prorrogado por interesse das partes por mais 12(doze) meses.

Subcláusula Primeira - A FUNASA poderá rescindir o presente contrato a qualquer tempo, no


interesse da Administração e/ou por ocorrência de fato superveniente, devidamente justificado no
processo, mediante aviso prévio à CONTRATADA, com antecedência mínima de 30 (trinta)
dias.

Subcláusula Segunda - A CONTRATADA, no caso de desinteresse na prorrogação do Contrato,


deverá informar tal fato a FUNASA, no prazo de sessenta dias antes do vencimento do prazo de
vigência ou, no caso de rescisão em função de supressões acima do limite de 25% (vinte e cinco
por cento), deverá conceder a FUNASA o prazo de 60 (sessenta) dias para efetivação da rescisão.

CLAUSULA QUARTA - DA GARANTIA

72
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Por se tratar de contrato que importe na entrega de bens pela Administração, dos quais a
Contratada ficara fiel depositária de bens patrimoniais da FUNASA, e envolvendo serviços de
alta complexidade técnica, a Contratada apresentará a garantia correspondente a 5% (cinco por
cento) do valor total deste Contrato, acrescido o valor de R$ 1.400.000,00 (um milhão e
quatrocentos mil reais, correspondente ao valor contabilizado dos bens, a título de execução da
obrigação, nos termos previsto no parágrafo 5º do art. 56 da Lei n.º. 8.666/93.

Subcláusula Primeira - Rescindido o Contrato por culpa da CONTRATADA, será descontado


da garantia prestada, os valores referentes as multas;
Subcláusula Segunda - A garantia prestada responderá, subsidiariamente, pela(s) multa(s)
aplicada(s), se por qualquer motivo a CONTRATADA não a(s) pagar no(s) prazo(s) fixado(s);
Subcláusula Terceira - Tratando-se de garantia prestada por meio de Fiança Bancária ou
Seguro-Garantia, a mesma será renovada anualmente no mesmo percentual estabelecido nesta
Cláusula, devidamente atualizada;
Subcláusula Quarta - Em se tratando de fiança bancária, o fiador renunciará expressamente, no
instrumento de fiança, aos benefícios previstos nos artigos 827 e 835 da Lei nº 10.406, de
10.01.2002, que instituiu o Código Civil Brasileiro;
Subcláusula Quinta - Sem prejuízo da aplicação das sanções cabíveis, o FUNASA se valerá das
garantias constituídas a fim de ressarcir-se dos prejuízos provocados pela CONTRATADA,
podendo, ainda, reter créditos decorrentes do Contrato ou promover a cobrança judicial;
Subcláusula Sexta - Caso o valor da garantia seja utilizado para fins de pagamento de qualquer
obrigação, inclusive indenização a terceiros, a CONTRATADA se obriga a fazer a respectiva
reposição, no prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis, a contar da notificação feita pelo FUNASA;
Subcláusula Sétima - Ocorrendo prorrogação do prazo de vigência, reequilíbrio econômico de
valor ou aumento de quantitativo, a garantia será renovada ou integralizada ao mesmo percentual
preestabelecido do valor global do Termo Aditivo do Contrato.

CLÁSULA QUINTA - DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO:

O reequilibro econômico-financeiro consiste na manutenção das condições de pagamento


estabelecidas neste contrato, a fim de que se mantenha estável a relação entre as obrigações do
mesmo e a retribuição da Administração, para a justa remuneração do serviço.

Subcláusula Única - Com vistas à manutenção do equilíbrio econômico-financeiro do Contrato,


poderá ser promovida á revisão do preço contratual, desde que eventuais solicitações nesse
sentido estejam acompanhadas de comprovação da superveniência de fatos imprevisíveis ou
previsíveis, porém de conseqüências incalculáveis, retardadores ou impeditivos da execução do
ajustado, configurando álea econômica extraordinária e extracontratual, bem como de
demonstração analítica de seu impacto nos custos do Contrato, nos termos do disposto no art. 65,
inciso II, alínea “d”, da Lei nº 8.666/93.

CLAUSULA SÉXTA - DO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO FÍSICO – FINANCEIRO

73
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
O Cronograma de Execução Físico – Financeiro elaborado pela DIESP, consta nos autos
do processo, como anexo do Projeto Básico, podendo ser alterado de acordo com as Ordens de
execução dos serviços.

Subclasula Primeira - O Cronograma de Execução Físico – Financeiro, estão descriminados


todas as etapas referentes a execução do contrato.

Subclausula Segunda - Caso o Contrato venha a ser suspenso por ocorrência de motivo
superveniente por período indeterminado, a suspensão será comunicada à empresa vencedora
pela Funasa. Cessado o motivo que ocasionou a suspensão, à empresa vencedora será
comunicada e o cronograma prorrogado com o acréscimo do período em que esteve suspenso.

Subclasula Terceira - As Ordens de Serviço serão dadas por Etapas de I a XX, conforme
Cronograma de Execução Físico - Financeiro.

Subclasula Quarta - Durante a execução do contrato serão escolhidas localidades próximas ou


na mesma região para atuação de cada equipe de perfuração.

Subclausula Quinta - As equipes de perfuração poderão trabalhar na mesma região ou em


regiões distintas, sem prejuízo do cumprimento das exigências do Contrato.

CLAUSULA SÉTIMA – DA ORDEM DE SERVIÇO E PAGAMENTO

O pagamento será efetuado no prazo 10 (dias) dias, a contar da conclusão de cada Ordem
de Serviço, e apresentação pela Contratada, a FUNASA/CORE-GO, da respectiva fatura, que
devera estar atestada pela fiscalização.

I. O pagamento será feito na totalidade da Ordem de Serviço mediante a apresentação e


aprovação do Relatório Técnico do Poço, acordo com Especificações Técnicas dos
serviços de construção de poços.
II. O valor apropriado para pagamento de cada poço será aquele realmente aplicado na
construção do poço, multiplicado pelo valor unitário de cada item correspondente da
Planilha de Serviços com Aplicação de Materiais.
III. A Contratada encaminhará nota fiscal dos serviços de construção do poço tubular
acompanhada de planilha demonstrativa dos serviços e materiais aplicados, por poço,
conforme modelo da FUNASA, contendo coluna com as unidades, coluna com o valor
unitário, coluna com o quantitativo aplicado no poço e totalização assinado pelo
representante da Contratada e chancelado Fiscal de Campo da Funasa para pagamento.
IV. Para execução dos serviços de manutenção corretiva a Contratada encaminhará
solicitação com a descrição dos serviços a serem realizado e relação de peças,
acompanhado de orçamento, com prazo de execução, para a aprovação da fiscalização. A
fiscalização poderá exigir mais de um orçamento dependendo na natureza dos serviços.
a) Serão pagos todos os serviços de manutenção e peças desde que comprovado que os
valores são os menores praticados no mercado.

74
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
b) O pagamento será feito de acordo com o contrato e em uma nota de serviços
independente do serviço de perfuração que sera em nota especifica.
c) O pagamento dos serviços de Manutenção Preventiva e Corretiva, será feito com a
emissão de Nota Fiscal de serviço incluindo todas as despesas de peças e materiais
aplicados, acompanhada de relatório demonstrativo dos serviços realizados, dos materiais
aplicados com cotação das mesmas dos respectivos orçamentos aprovados pela fiscalização.
V. Se a Contratada for regularmente inscrita no Sistema Integrado de Pagamento de
Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte
(Simples), nos termos da Lei nº 9.317, de 05 de dezembro de 1996, não sofrerá a retenção
tributária. No entanto, o pagamento ficará condicionado à apresentação da declaração
constante do anexo IV da Instrução Normativa SRF nº 480, de 15 de dezembro de 2004;
VI. Quando da ocorrência de eventuais atrasos de pagamento provocados exclusivamente
pela Administração, o valor devido deverá ser acrescido de atualização financeira, e sua
apuração se fará desde a data de seu vencimento até a data do efetivo pagamento, em que
os juros de mora serão calculados à taxa de 0,5% (meio por cento) ao mês, ou 6% (seis
por cento) ao ano, mediante aplicação das seguintes formulas, conforme IN-03/09:

I = (TX/100)
365
EM = I x N x VP, onde:
I = Índice de atualização financeira;
TX = Percentual da taxa de juros de mora anual;
EM = Encargos moratórios;
N = Número de dias entre a data prevista para o pagamento e a do efetivo pagamento;
VP = Valor da parcela em atraso.

VII. Na hipótese de pagamento de juros de mora e demais encargos por atraso, os autos devem
ser instruídos com as justificativas e motivos, e ser submetidos à apreciação da
autoridade superior competente, que adotará as providências para verificar se é ou não
caso de apuração de responsabilidade, identificação dos envolvidos e imputação de ônus
a quem deu causa.
VIII. Antes de efetuar o pagamento será verificada a regularidade da Contratada junto ao
Sistema Unificado de Cadastro de Fornecedores – SICAF, mediante consulta “on line”,
cujo documento será anexado ao processo de pagamento.
IX. Os pagamentos poderão ser sustados pela FUNASA, nos seguintes casos:
a) Inadimplemento de obrigações da Contratada para com a FUNASA por conta do
Contrato;
b) Erros ou vícios nas faturas, o que implicará na sua devolução, onde a mesma deverá ser
reapresentada com os erros ou vícios sanados.
X. Verificada pela fiscalização a conformidade do boletim de medição das obras e serviços
realmente executados, e materiais fornecidos e assentados, a Contratada apresentará as
faturas referentes ao valor pertinente, a preços iniciais do contrato.
XI. As faturas somente serão liberadas para pagamento depois de aprovadas pela
Fiscalização, e deverão estar isentas de erros ou omissões, sem o que serão, de forma
imediata, devolvidas à Contratada para correções, não se alterando a data de
adimplemento da obrigação como dantes referido.

75
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
XII. Nenhum pagamento será efetuado à Contratada enquanto pendente de liquidação
qualquer obrigação financeira que lhe haja sido imposta em virtude de penalidade ou
inadimplência.
XIII. Para realização dos serviços de Perfuração dos Poços a Contratada recebera Ordem de
Serviço específica, conforme modelo padrão Funasa assinado pelo Coordenador
Regional.
a) A Ordem de Serviço será emitida por etapa conforme cronograma físico - financeiro.

CLAUSULA OITAVA - DA FISCALIZAÇÃO

A FUNASA designará um Fiscal de Nível Superior para exercer a gestão do contrato e


zelar pelo cumprimento do contrato atendendo ao art. 67 da Lei 8.666 e IN-02/08, nomeado por
portaria pelo Coordenador Regional.

Subcláusula Primeira - Cabe ao Fiscal deste Contrato dirimir as dúvidas, arbitrar e fiscalizar os
serviços objeto do presente Contrato podendo sustar, recusar, mandar refazer ou trocar executar
os serviços que estejam em desacordo com o solicitado, assistido e subsidiado por auxiliares
técnicos e auxiliares de campo;
Subcláusula Segunda - O exercício da fiscalização não excluí nem reduz a responsabilidade da
Contratada, inclusive perante terceiros pôr qualquer irregularidade ou ainda resultante de
imperfeições técnicas, vícios redibitórios, ou emprego de material inadequado ou de qualidade
inferior e na ocorrência desta, não implica em co-responsabilidade da FUNASA ou de seus
agentes e prepostos (art. 70, da Lei n.º. 8.666/93 e suas alterações) e em nada diminuem as
responsabilidades únicas, integrais e exclusivas da Contratada por possíveis falhas executivas e
suas implicações, próximas ou remotas, perante o contrato, o Código Civil, Lei das Licitações e
outros instrumentos legais existentes;
Subcláusula Terceira - Obrigatoriedade da contratada de manter preposto, um para cada equipe
de perfuração, no local da obra ou serviço, para representá-lo na execução do contrato atendendo
ao Art. 68 da Lei das Licitações. Este preposto na qualidade de encarregado será o interlocutor
entre FUNASA e Contratado e indicado por escrito pela Contratada, preferencialmente de nível
superior;
Subcláusula Quarta - A ausência do preposto no canteiro de obra implica em suspensão
imediata dos trabalhos. No caso das atividades de locação o preposto pode ser o próprio técnico;
Subcláusula Quinta - A fiscalização da FUNASA poderá rejeitar e solicitar a qualquer tempo à
substituição de funcionário da Contratada, equipamento ou materiais que não considere
adequado ou que não atenda as especificações;
Subcláusula Sexta - Caso a fiscalização da FUNASA constate quaisquer ocorrências em
desacordo com as especificações de execução dos serviços deverá fazer imediato registro no
Diário de Obra e solicitar imediata previdência para a correção;
Subcláusula Sétima - A Contratada é obrigada a afastar imediatamente do serviço e do canteiro
de obra qualquer funcionário julgado inconveniente pela Fiscalização, seja por má conduta,
incompetência que possa prejudicar a disciplina no canteiro de obra, a segurança ou a boa
execução dos serviços;
Subcláusula Oitava - Cabe ao fiscal auxiliar de campo para subsidiar de informações o Fiscal
do Contrato acompanhando permanentemente a execução dos serviços das equipes de sondagem;

76
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Subcláusula Nona - A fiscalização de campo terá plena autoridade para ordenar a suspensão, por
não atendimento das especificações técnicas, das obras e serviços em execução, parcialmente ou
no todo, registrando no Diário de Obra da Equipe;
Subcláusula Décima - A fiscalização poderá rejeitar e solicitar a qualquer tempo à substituição
de quaisquer equipamentos, serviços e materiais, que não considere adequado ao bom andamento
da obra em desacordo com as especificações técnicas ou com as normas vigentes;
Subcláusula Décima Primeira - A substituição dos materiais e equipamentos durante a
realização da obra só poderá ser efetuada pela Contratada, mediante a autorização da fiscalização
da FUNASA;
Subcláusula Décima Segunda - No caso de desobediência a fiscalização o contrato será, a
critério da FUNASA, rescindido unilateralmente, independente de notificação sendo devido à
contratada o pagamento dos serviços realizados e concluídos não cabendo a FUNASA os ônus
advindos de qualquer dano ou indenizações resultantes de obrigações com terceiros, inclusive os
trabalhistas;
Subcláusula Décima Terceira - Em qualquer dos casos, o serviço poderá ser reiniciados, a
critério da FUNASA, através de ordem específica da Fiscalização, dentro do prazo de execução
do contrato depois de sanadas as pendências;
Subcláusula Décima Quarta – As omissões, duvidas e arbitramentos serão resolvidos pelo
Fiscal do Contrato, ouvindo as áreas técnicas.

CLÁUSULA NONA - DA DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PREÇOS.

As despesas decorrentes dos serviços objeto deste contrato correrão a conta do


Orçamento Geral da União para o exercício de 2010 abaixo descriminados:

Subclausula Única - EV-401081 ESF-2 PTRES-005003 Fonte-0151000000 ND-349039 PI-


MSMPOGO e MSCPOGO, cobrir despesas de pagamento de serviços de operação dos
equipamentos e perfuração dos poços e despesas de pagamento de serviços de manutenção dos
equipamentos e despesas imprevistas neste caso estimado em R$1.000.000,00 (hum milhão de
reais)

CLÁUSULA DÉCIMA – DOS PREÇOS

O Preço total deste Contrato é de R$................................. (...........................................),


estando de acordo com a Proposta da Contratada, já embutidos na planilha todos os custos para
execução do objeto.

Subclausula Única – os preços referente a Manutenção Preventiva e Corretiva necessarias, será


feito com a emissão de Nota Fiscal de serviço incluindo todas as despesas de peças e materiais
aplicados, acompanhada de relatório demonstrativo dos serviços realizados, dos materiais
aplicados com cotação das mesmas dos respectivos orçamentos aprovados pela fiscalização.

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - DAS OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES


77
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

Este Contrato deverá ser fielmente executado pelas partes, nos termos da legislação
vigente, as quais se obrigam a obedecer as seguintes normas:

Subcláusula Primeira - A Fundação Nacional de Saúde – FUNASA, obriga-se a:


1 - Realizar o pagamento no prazo estipulado na cláusula deste Contrato;
2 - Designar servidor para acompanhar e fiscalizar a execução deste Contrato, cabendo ao
mesmo registrar todas as ocorrências que porventura impliquem em descumprimento das
cláusulas e condições pactuadas, afim de que sejam tomadas as providências cabíveis pela
administração, visando a regularização das falhas e vícios detectados;
3 - Providenciar a publicação do extrato deste Contrato no Diário Oficial da União;
4 - Comunicar a Contratada toda e qualquer ocorrência relacionada com a execução deste
Contrato;
5 Exigir de imediato o afastamento de qualquer empregado ou preposto da Contratada que não
mereça a sua confiança ou embarace a fiscalização, ou ainda, que se conduza de modo
inconveniente ou incompatível com o exercício das funções que lhe forem atribuídas;
6 Aceitar ou recusar os motivos alegados pela Contratada para configurar casos fortuitos ou de
força maior, dando-lhe por escrito, as razões de sua eventual aceitação ou recusa, no prazo
máximo de 5 (cinco) dias consecutivos, contados do recebimento dos documentos de
comprovação;

Subcláusula Segunda - A CONTRATADA obriga-se a:

1. É proibido prestar qualquer tipo de informação sobre os trabalhos objeto do contrato a


terceiros. A solicitação de informação se solicitada por pessoas ou membros de outras
instituições deve ser encaminhada ao Fiscal do Contrato.
2. Suprir os transportes necessários para os serviços de geologia, hidrogeologia e geofísica de
locação de poços; para materiais, ferramental e insumos aos serviços de manutenção corretiva e
preventiva de equipamentos e serviços de operação de equipamento e construção de poços e de
construção poços, inclusive transporte de apoio com veículos próprios: caminhões, caminhonetes
e carros de passeio, identificados conforme Manual de Comunicação Visual da FUNASA.
3. Apresentar os seus empregados nos locais de trabalho devidamente uniformizados e munidos
do respectivo cartão de identificação preso ao uniforme, com a logomarca da FUNASA
conforme Manual de Comunicação Visual da FUNASA.
4. Efetuar o pagamento dos salários de seus empregados até a data limite estabelecida na
legislação em vigor, independentemente do pagamento pela FUNASA das faturas mensais de
prestação dos serviços.
5. Arcar com os encargos sociais que incidam, inclusive transporte, alimentação, água potável
em condições higiênicas e volume adequado, hospedagem, seguro de vida em grupo, assistência
médica dos contratados e seus dependentes, e outros benefícios, cujas despesas não poderão ser
repassadas aos empregados.
6. Fornecer gratuitamente aos empregados, equipamentos de operação individual adequados ao
risco envolvido e em perfeito estado de conservação e funcionamento. São exigidos o uso em
trabalho de protetores auriculares contra ruídos, luvas, botas de borracha, capacete e fardamento
de brim resistente com identificação da logomarca da Contratada e da FUNASA identificando, “
78
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
A Serviço da FUNASA” escrito nas costas do jaleco ou macacão, conforme padrão de
identificação visual da FUNASA.
7. Cumprir e fazer cumprir todas e cada uma das Normas Regulamentadora sobre Medicina e
Segurança do Trabalho obedecendo ao disposto no Decreto n.º 55.841, de 15/01/1965 e na
Norma Regulamentadora NR-28, aprovada pela Portaria n.º 1.214, de 08/06/1978.
8. Responsabilizar-se por danos pessoais ou materiais decorrentes de erros, falhas ou
negligência, por ação ou omissão de cumprimento dos regulamentos e determinações relativos à
segurança em geral.
9. Assumir a responsabilidade por todas as providências e obrigações estabelecidas na legislação
específica de acidentes do trabalho quando, em ocorrência da espécie, forem vítimas os seus
empregados no desempenho dos serviços ou em conexão com eles, ainda que acontecido em
dependência da FUNASA.
10. Prestar total assistência e responder pelas despesas provenientes de quaisquer acidentes em
que sejam vítimas seus empregados e terceiros, quando estes acontecerem na execução dos
serviços objeto do contrato pactuado e translado de equipamentos. Inclui-se nessas despesas às
de hospitalização, fúnebres e materiais.
11. A Contratada deverá manter, em seu canteiro de obra, equipamento contra incêndio em
perfeito estado de funcionamento, dois por equipe, adequados ao tipo e volume de serviço em
execução, bem como manter funcionários treinados no seu uso correto. Os equipamentos
deverão ser revisados periodicamente, de acordo com as instruções dos respectivos fabricantes.
Esses equipamentos deverão situar-se em locais visíveis, estrategicamente escolhidos e com
acesso permanentemente livre.
12. Em caso de incêndio, a Contratada terá por obrigação a prestação de ajuda no controle e
combate ao sinistro, independentemente de tal sinistro envolver ou não os elementos
relacionados com seu trabalho.
13. A Contratada será Fiel Depositário, nos termos da Lei, dos equipamentos e materiais da
FUNASA sob sua guarda, constante do termo de recebimento onde estão relacionados os
materiais e equipamentos, estado de uso, estado de conservação e numero de patrimônio ou de
fabricação do equipamento, assinado pela Comissão, designada por ato do Coordenador da
FUNASA/CORE-GO especialmente para este fim e pelos Representantes Legais da Contratada.
14. A Contratada receberá os materiais e equipamentos, através de relação no termo de abertura
do Livro de Ocorrências da Equipe de Sondagem, assinada e carimbada pelos seus
Representantes Legais, constando às observações quanto o estado de conservação dos materiais e
equipamentos recebidos.
15. Quando do encerramento do contrato será lavrado Termo de Recebimento dos equipamentos
materiais e ferramental nas mesmas condições, ressalvados daqueles decorrentes do desgaste
natural pelo uso, em condições imediatas de trabalho, excluindo-se o ferramental de desgaste,
bits e martelos DTH que são de propriedade da Contratada.
16. É de inteira e total responsabilidade dos danos causados ao patrimônio da FUNASA causado
por terceiros e por ação ou omissão de seus empregados. A Contratada se responsabiliza contra
roubo, acidentes, danos físicos e materiais de qualquer natureza dos equipamentos inclusive
contra terceiros.
17. Qualquer perda, ou dano sofrido no material, equipamento ou instrumental entregue pela
FUNASA à Contratada será avaliado pela Fiscalização para efeito de reposição pela mesma no
prazo máximo de 10(dez) dias do registro da ocorrência no Diário de Obra, sob pena de rescisão
do Contrato.

79
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
18. Não sendo cumprido o previsto no parágrafo anterior, o pagamento devido pela perda ou
estrago do material ou equipamento será descontado do primeiro pagamento subsequente ou na
garantia contratual quando do final do contrato.
19. Responder por violações a direito de uso de materiais, métodos ou processos de execução
protegidos por marcas ou patentes, arcando com indenizações, taxas e/ou comissões que forem
devidas.

I - Continuação das obrigações da Contratada quanto à manutenção corretiva e


preventiva:

1. Executar serviços de manutenção preventiva e corretiva das duas sondas rotopneumática


Prominas R-1H, de dois compressores marca Chicago Pneumátic, 950 DPH motor Mercedes
Benz e de dois caminhões, todos do patrimônio da FUNASA/CORE – GO, as plataformas de
transporte dos compressores e sondas, conforme Especificações para Execução de Serviços de
Manutenção Preventiva e Corretiva dos Comboios de Perfuração da FUNASA/CORE-GO nos
equipamentos abaixo relacionados:
a) CAMINHÃO FORD 1998/Uso – sonda/PLACA-CQT2101/CHASSI-
9BFYTNEF8WDB79502 MODELO/CARGO 16170;
b) CAMINHAO FORD 1990/Uso – Sonda/PLACA-KCS-8666/CHASSI-
9BFXXXLMXLDB30875 MODELO/F-14000;
c) CAMINHAO VW 1997/Uso – Compressor/PLACA-KDE-1101/CHASSI-
9BWYTAGFXVRBO1052 MODELO/VW 16.170;
d) CAMINHÃO VW 1997/Uso – Compressor/PLACA –KDA-8541/CHASSI
-9BWYTAGF4VRB01399 MODELO/ VW 16.170;
e) COMPRESSOR MARCA CHICAGO PNEUMATIC, 950 DPH/ motor Mercedes Benz, DM
441 LA/ serie do compressor 279587;
f) COMPRESSOR MARCA CHICAGO PNEUMATIC, 950 DPH/ motor Mercedes Benz, DM
441 LA /serie do compressor 272248;
g) PERFURATRIZ ROTOPNEUMÁTICA MARCA PROMINAS MODELO R1-H/numero de
fabricação R1-H-015/06/90, motor Mercedes Benz OM 352;
h) PERFURATRIZ ROTOPNEUMÁTICA MARCA PROMINAS MODELO R1-H/ numero de
fabricação R1-H-056/ motor MWM D-229-6;
i) HASTE DE PERFURAÇÃO/50(cinqüenta) hastes de “perfuração com roscas FH-API OD
41/2” ID31/2”,tubo sch80 e “tool joint”.

2. Os serviços de operação e manutenção preventiva e corretiva compreendem as seguintes


atividades principais:
a) Condução de veículos leves e pesados (caminhões) da contratada e da FUNASA;
b) Carga e descarga dos caminhões que compõem os comboios de perfuração dos poços
tubulares;
c) Instalação das ferramentas para a perfuração dos poços tubulares;
d) Transporte de equipamentos, acessórios, ferramental e todos os insumos e materiais
necessários à construção dos poços nos locais indicados para a perfuração dos poços com
caminhões próprios da contratada;
e) Atualização tecnológica e manutenção preventiva e corretiva das perfuratrizes, veículos,
ferramental e demais equipamentos utilizados na atividade de perfuração de poços;

80
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
f) Outros trabalhos pertinentes à operação e manutenção de máquinas, equipamentos e veículos
pesados de perfuração de poços e a consecução do seu objeto, inclusive os caminhões que
servem de plataforma de transporte das sondas e compressores.

3. Os serviços de lubrificação, troca de óleo de motores e engrenagem, troca de retentores,


gaxetas e limpeza dos equipamentos são por conta da Contratada e devem estar embutidos nos
custos de construção de poços.

4. A execução dos serviços iniciais de manutenção corretiva e preventiva dos equipamentos para
por em operação devera ser realizada em Goiânia. As demais poderão ser realizadas nos locais
onde o equipamento estiver operando ou centros próximos, ressalvandos os casos especiais e
justificados a critério do Fiscal de Contrato da Funasa.

II - Quanto aos serviços de operação de equipamentos e construção de poços

1. Executar os serviços de Construção de Poços Tubulares Profundos conforme Especificações


para Execução dos Serviços de Construção de Poços – Projeto Básico.
2. Disponibilizar duas equipes para atender a operação dos equipamentos da Funasa e mais uma
equipe de equipamentos da contratada de mesmas características técnicas dos da Funasa,
totalizando três equipes.
3. Fornecer o transporte de materiais equipamentos e insumos em veículos proprios.
4. O Quadro de pessoal da empresa contratada, técnico e administrativo deverá ser constituído
por elementos competentes, hábeis, disciplinados e experientes, qualquer que seja a sua função,
cargo ou atividade.
5. Proceder à contratação da equipe para execução dos serviços com experiência em atividades
semelhantes às exigidas neste instrumento, cuja comprovação caso seja solicitada pela
Fiscalização, poderá ser feita através do registro em CTPS ou Contrato de Prestação de Serviços,
ou ainda atestado fornecido por pessoa física ou jurídica.
6. Executar os trabalhos de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnica –
ABNT: Projeto de poço para captação de água subterrânea, NBR 12.212 e Construção de poço
para captação de água subterrânea, NBR 12.244, e as exigências constantes destas
Especificações Técnicas.
7. Não poderão ser alegados, em hipótese alguma, como justificativa ou defesa, por qualquer
elemento do quadro de funcionários da contratada, desconhecimento, incompreensão, dúvida, ou
esquecimento das cláusulas e condições do Contrato e seus documentos anexos.
8. Exibir, sempre que solicitado pela fiscalização da Funasa relação nominal de seus empregados
com a respectiva identificação, dando conhecimento prévio a Funasa das alterações advindas de
eventuais substituições, exclusões e inclusões.
9. Manter supervisor do quadro permanente da empresa, para acompanhar os trabalhos de
construção do poço de preferência geólogo residente, na qualidade de responsável pela obra e de
interlocutor perante a fiscalização da FUNASA atendendo ao art.n.º 68 da Lei 8.666 LLCC e dar
suporte logístico as operações de campo.
10. Cada conjunto de perfuração deverá ser operado por equipe formada por no mínimo, 01(um)
sondador sênior, e 02(dois) sondadores auxiliares.
11. O sondador Sênior e seus dois auxiliares deverão ser habilitados para dirigir caminhões da

81
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Funasa.
12. A Contratada devera disponibilizar por equipe de perfuração: caminhão para transporte de
insumos e ferramental de sondagem e veiculo de apoio para o supervisor.
13. A empresa contratada deverá disponibilizar três equipes de perfuração duas para operar os
equipamentos da Funasa e uma com equipamento da empresa contratada. Esta última a critério
da Funasa.
14. As equipes de perfuração poderão operar juntas ou isoladas.
15. É vedado prestar qualquer informação os serviços a terceiros sem autorização da Funasa.
16. Manter um sistema rígido de fiscalização, informando a Funasa sobre toda e qualquer
irregularidade constatada.
17. É de responsabilidade da contatada, a reparação os danos que ocorrerem a bens móveis,
imóveis e ao meio ambiente, resultantes dos serviços de construção do poço tubular, causados
por imperícia, imprudência ou negligência na execução dos serviços.
18. Responder por violações a direito de uso de materiais, métodos ou processos de execução
protegidos por marcas ou patentes, arcando com indenizações, taxas e/ou comissões que forem
devidas.
19. Assumir responsabilidade pela execução dos serviços contratados perante Funasa e terceiros,
na forma da legislação em vigor, bem como por dano resultante do mau procedimento, dolo ou
culpa de empregados ou prepostos seus, e ainda, pelo fiel cumprimento das leis e normas
vigentes, mantendo a Funasa isenta de qualquer penalidade e responsabilidade pela
desobediência da legislação em vigor por parte da Contratada ou de seus prepostos.
20. Ressarcir a Funasa ou a terceiros todos os ônus decorrentes de danos causados por seus
empregados devido à imperícia, imprudência e/ou negligência a bens móveis e imóveis.
21. Assumir inteira responsabilidade pelos danos causados ao patrimônio da Funasa e de
terceiros, por ação ou omissão de seus empregados no exercício das atribuições previstas em
contrato.
22. É responsabilidade da empresa vencedora a vigilância do canteiro de obra 24 (vinte e quatro)
horas dia.
23. É por conta da empresa vencedora todo e qualquer pagamento de serviços e taxas no canteiro
de obra para realização do objeto, por exemplo: fornecimento de energia elétrica, fornecimento
de água.
24. Atender a todas as exigências legais, bem como arcar com as taxas necessárias para execução
da obra.
25. A contratada ficará obrigada a apresentar, mediante solicitação da Funasa, mesmo depois da
realização da obra, quaisquer documentos necessários ao esclarecimento de dúvidas ou questões
sobre o andamento dos serviços, materiais ou equipamentos utilizados no poço ou sobre as
características ou condições de operação e manutenção.
26. A contratada não poderá interromper os serviços de campo por mais de 72 (setenta e duas)
horas. A Fiscalização de campo anotará a ocorrência no Diário de Obra e encaminhara ao Fiscal
do Contrato para providências.
27. A empresa será considerada instalada e apta ao início dos serviços após a fiscalização
constatar na obra: a perfuratriz, equipamento, ferramental e materiais com capacidade e em
quantidades suficientes para assegurar a execução dos trabalhos e do circuito para o fluido de
perfuração com dimensões compatíveis com a profundidade e diâmetro final do furo.
28. Refazer os serviços rejeitados pela fiscalização.
29. Manter o canteiro de obra permanentemente, limpo, e arrumado.

82
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
30. Remover e dar destino adequado dos sedimentos resultantes da perfuração do poço tubular
tais como: materiais utilizados, descarte do fluido de perfuração e descarte da água do
desenvolvimento e do teste de produção, devendo reconstituir e limpar o terreno retirar o
equipamento.
31. O “layout” do canteiro deverá ser organizado de comum acordo com a fiscalização, devendo
o manter na medida do possível manter o mesmo padrão de organização.
32. O canteiro de obra deverá ser isolado com cones de sinalização e fita listrada.
33. A contratada deverá atender a todas as exigências legais, bem como arcar com as taxas
necessárias à obtenção do licenciamento ambiental da obra.
34. A empresa vencedora é a única responsável pela segurança, guarda e conservação dos
equipamentos, materiais, ferramentas, ferramental de perfuração, insumos, utensílios e proteção
destes e das instalações das obras.
35. Os casos omissos serão resolvidos pelo Fiscal do Contrato e o Representante da Contratada.

III - Continuação das obrigações da Contratada quanto aos serviços de operação de


equipamentos e construção de poços:

1. Executar os serviços de Construção de Poços Tubulares Profundos conforme Especificações


para Execução dos Serviços de Construção de Poços – Projeto Básico.
2. Disponibilizar duas equipes para atender a operação dos equipamentos da FUNASA e mais
uma equipe com equipamentos da contratada de mesmas características técnicas dos da
FUNASA, totalizando três equipes.
3. Fornecer veículo para transporte de materiais equipamentos e insumos.
4. Não poderá ser avocado, no desenrolar dos trabalhos, dificuldades como motivo para
descumprimento ou alteração dos termos contratuais, não previsto em planilha ou especificações
técnicas.
5. Quadro de pessoal da Contratada, técnico e administrativo deverá ser constituído por
elementos competentes, hábeis, disciplinados e experientes, qualquer que seja a sua função,
cargo ou atividade.
6. Proceder à contratação da equipe para execução dos serviços com experiência em atividades
semelhantes às exigidas neste instrumento, cuja comprovação caso seja solicitada pela
Fiscalização, poderá ser feita através do registro em CTPS ou Contrato de Prestação de Serviços,
ou ainda atestado fornecido por pessoa física ou jurídica.
7. Executar os trabalhos de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnica –
ABNT: Projeto de poço para captação de água subterrânea, NBR 12.212 e Construção de poço
para captação de água subterrânea, NBR 12.244, e as exigências constantes destas
Especificações Técnicas.
8. Não poderão ser alegados, em hipótese alguma, como justificativa ou defesa, por qualquer
elemento do quadro de funcionários da Contratada, desconhecimento, incompreensão, dúvida, ou
esquecimento das cláusulas e condições do Contrato e seus documentos anexos.
9. Exibir, sempre que solicitado pela fiscalização da FUNASA à relação nominal de seus
empregados com a respectiva identificação, dando conhecimento prévio a FUNASA das
alterações advindas de eventuais substituições, exclusões e inclusões
10. Manter supervisor do quadro permanente da Contratada, para acompanhar os trabalhos de
construção do poço de preferência geólogo residente, na qualidade de responsável pela obra e de
interlocutor perante a fiscalização da FUNASA atendendo ao art.n.º 68 da Lei 8.666 LLCC e dar

83
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
suporte logístico as operações de campo.
11.Cada conjunto de perfuração deverá ser operado por equipe formada por no mínimo, 01(um)
sondador sênior, e 02(dois) sondadores auxiliares.
12. O sondador Sênior e seus dois auxiliares deverão ser habilitados para dirigir caminhões da
FUNASA.
13. A Contratada devera disponibilizar por equipe de perfuração: caminhão para transporte de
insumos e ferramental de sondagem e veiculo de apoio para o supervisor.
14. A Contratada deverá disponibilizar três equipes de perfuração duas para operar os
equipamentos da FUNASA e uma com equipamento da Contratada. Esta última a critério da
FUNASA.
15. As equipes de perfuração poderão operar juntas ou isoladas.
16. É vedado prestar qualquer informação os serviços a terceiros sem autorização da FUNASA.
17. Manter um sistema rígido de fiscalização, informando a FUNASA sobre toda e qualquer
irregularidade constatada.
18.É de responsabilidade da contatada, a reparação os danos que ocorrerem a bens móveis,
imóveis e ao meio ambiente, resultantes dos serviços de construção do poço tubular, causados
por imperícia, imprudência ou negligência na execução dos serviços.
19. Responder por violações a direito de uso de materiais, métodos ou processos de execução
protegidos por marcas ou patentes, arcando com indenizações, taxas e/ou comissões que forem
devidas.
20. Assumir responsabilidade pela execução dos serviços contratados perante FUNASA e
terceiros, na forma da legislação em vigor, bem como por dano resultante do mau procedimento,
dolo ou culpa de empregados ou prepostos seus, e ainda, pelo fiel cumprimento das leis e normas
vigentes, mantendo a FUNASA isenta de qualquer penalidade e responsabilidade pela
desobediência da legislação em vigor por parte da Contratada ou de seus prepostos.
21. Ressarcir a FUNASA ou a terceiros todos os ônus decorrentes de danos causados por seus
empregados devido à imperícia, imprudência e/ou negligência a bens móveis e imóveis.
22. Assumir inteira responsabilidade pelos danos causados ao patrimônio da FUNASA e/ou de
terceiros, na área de prestação de serviços, por ação ou omissão de seus empregados no exercício
das atribuições previstas em contrato.
23. É responsabilidade da Contratada a vigilância do canteiro de obra 24 (vinte e quatro) horas
dia.
24. É por conta da Contratada todo e qualquer pagamento de serviços e taxas no canteiro de obra
para realização do objeto, por exemplo: fornecimento de energia elétrica, fornecimento de água.
25. Atender a todas as exigências legais, bem como arcar com as taxas necessárias para execução
da obra.
26. A contratada ficará obrigada a apresentar, mediante solicitação da FUNASA, mesmo depois
da realização da obra, quaisquer documentos necessários ao esclarecimento de dúvidas ou
questões sobre o andamento dos serviços, materiais ou equipamentos utilizados no poço ou sobre
as características ou condições de operação e manutenção.
27.A contratada não poderá interromper os serviços de campo por mais de 72 (setenta e duas)
horas. A Fiscalização de campo anotará a ocorrência no Diário de Obra e encaminhara ao Fiscal
do Contrato para providências.
28. A Contratada será considerada instalada e apta ao início dos serviços após a fiscalização
constatar na obra: a perfuratriz, equipamento, ferramental e materiais com capacidade e em

84
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
quantidades suficientes para assegurar a execução dos trabalhos e do circuito para o fluido de
perfuração com dimensões compatíveis com a profundidade e diâmetro final do furo.
29. Refazer os serviços rejeitados pela fiscalização.
30. Manter o canteiro de obra permanentemente, limpo, e arrumado.
31. Remover e dar destino adequado dos sedimentos resultantes da perfuração do poço tubular
tais como: materiais utilizados, descarte do fluido de perfuração e descarte da água do
desenvolvimento e do teste de produção, devendo reconstituir e limpar o terreno retirar o
equipamento.
32. O “layout” do canteiro deverá ser organizado de comum acordo com a fiscalização, devendo
o manter na medida do possível manter o mesmo padrão de organização.
33. O canteiro de obra deverá ser isolado com cones de sinalização e fita listrada.
34. A contratada deverá atender a todas as exigências legais, bem como arcar com as taxas
necessárias à obtenção do licenciamento ambiental da obra.
35. A Contratada é a única responsável pela segurança, guarda e conservação dos equipamentos,
materiais, ferramentas, ferramental de perfuração, insumos, utensílios e proteção destes e das
instalações das obras.
36. Não transferir a outrem, no todo ou em parte, o Contrato, sem prévia e expressa anuência
da FUNASA.
37. Assumir e manter, sob sua inteira responsabilidade, a execução dos serviços contratados e efetuá-
los de acordo com as especificações constantes das instruções do Edital e demais Anexos.
38. Arcar com todos os ônus necessários à completa e correta execução dos serviços.

Parágrafo Primeiro: A CONTRATADA assumirá a responsabilidade e o ônus pelo recolhimento de


todos os impostos, taxas, tarifas, contribuições ou emolumentos federais, estaduais e municipais,
seguro de acidente do trabalho, que incidam ou venham a incidir sobre os serviços objeto deste
Contrato e apresentará os respectivos comprovantes, quando solicitados pelo FUNASA, exceto com
relação aos tributos e contribuições que serão recolhidos pelo FUNASA no ato do pagamento.
Parágrafo Segundo: Fica assegurado a FUNASA o direito de fiscalizar, sustar, recusar, mandar
desfazer ou refazer qualquer serviço e/ou fornecimento de material e/ou equipamento que não
esteja de acordo com a técnica atual, normas ou especificações que atentem contra a sua
segurança ou de terceiros, ficando certo que, em nenhuma hipótese, a falta de fiscalização da
FUNASA eximirá a CONTRATADA de suas responsabilidades provenientes do Contrato.
Parágrafo Terceiro: Caso a CONTRATADA tenha que desfazer ou refazer qualquer serviço não
executado a contento, correrão por sua conta as necessárias despesas.
Parágrafo Quarto: A CONTRATADA assumirá a responsabilidade integral e ilimitada pela
vinculação trabalhista, exclusiva dos seus empregados, no desempenho dos serviços objeto deste
Contrato, nas dependências da FUNASA;
Parágrafo Quinto: Será de responsabilidade da CONTRATADA os prejuízos causados a
FUNASA ou a terceiros, por atos de seus empregados ou prepostos, durante a execução dos
serviços estipulados neste Contrato.
Parágrafo Sexto: Ocorrendo mudança de locais durante a vigência do contrato, ficará a
CONTRATADA obrigada a executá-los nos novos endereços, desde que estes se localizem dentro da área
de jurisdição da FUNASA, sem quaisquer ônus para a FUNASA.
Parágrafo Sétimo: Fica expressamente proibido o aproveitamento de servidores da FUNASA,
para execução dos serviços objeto deste contrato.

85
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - DAS SANÇÕES


Pela inexecução total ou parcial deste contrato, por erro ou atraso na execução, execução
imperfeita, inadimplemento contratual ou quaisquer outras irregularidades a FUNASA poderá,
garantida a prévia defesa, aplicar ao contratado as seguintes sanções previstas no art. 86 a 88 da
Lei 8.666/93:
a) Advertência;
b) Multa de 0,3% (três décimos por cento), ao dia, sobre o valor anual, da contratação
observado o limite de 20% (vinte por cento), se a CONTRATADA não cumprir as
obrigações assumidas ou cumpri-las em desacordo com o estabelecido no procedimento
licitatório ou neste Contrato, salvo se advier de caso fortuito ou motivo de força maior,
devidamente comprovado e acatado pela FUNASA;
c) Multa de 0,5% (meio por cento) do valor contratual por dia de atraso na
entrega/devolução do estabelecimento quando encerrado ou rescindido o contrato.
d) Suspensão temporária de participar de licitações e impedimento de contratar com o
FUNASA, pelo prazo de até 2 (dois) anos;
e) Declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública,
enquanto perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a
reabilitação perante a própria autoridade que aplicou a penalidade, que será concedida
sempre que a licitante vencedora ressarcir a Administração da FUNASA pelos prejuízos
resultantes e depois de decorrido o prazo da sanção aplicada com base no subitem
anterior;
Subclausula Primeira - As penalidades serão obrigatoriamente registradas no SICAF e, no caso
de suspensão de licitar, a CONTRATADA deverá ser descredenciado por igual período, sem
prejuízo das multas previstas neste Contrato e das demais cominações legais.
Subclausula Segunda - As penalidades previstas neste Contrato poderão ser relevados, no todo
ou em parte, quando o atraso na execução do serviço for devidamente justificado e comprovado
pela CONTRATADA, por escrito, no máximo de 05 (cinco) dias úteis da ocorrência, em caso
fortuito ou motivo de força maior.
Subclausula Terceira - Os valores das multas aplicadas deverão ser recolhidos à conta Única do
Tesouro Nacional, através de Guia de Recolhimento, fornecida pela Setor Financeiro da
FUNASA, no prazo de 05 (cinco) dias a contar da data da notificação, podendo a administração
da FUNASA, cobrá-las judicialmente, segundo a lei 6.830/80, com os encargos correspondentes.
Subclausula Quarta - As penalidades referidas no caput do artigo 81 da Lei 8.666/93 e suas
alterações não se aplicam às demais licitantes que forem convocadas, conforme a ordem de
classificação das propostas, que não aceitarem a contratação e no prazo de 48 (quarenta e oito)
horas comunicarem seu desinteresse.
Subcláusula Quinta - A aplicação de penalidades será feita, mediante processo administrativo
específico.
Subcláusula Sexta - A Administração deverá comunicar a CONTRATADA sua intenção de lhe
aplicar as penalidades previstas neste Contrato, quando entender configurada a hipótese de
86
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
aplicação da sanção, assegurando-lhe o direito ao contraditório e à prévia defesa, no prazo de 5
(cinco) dias úteis, contados a partir do recebimento da comunicação.
Subcláusula Sétima - Esta comunicação deverá ser feita por meio de Notificação (ofício ou
qualquer outro expediente administrativo), a qual deverá ser entregue pessoalmente, ou pela via
postal com Aviso de Recebimento, no endereço cadastrado no SICAF, da CONTRATADA que
ficará sujeito à penalidade a partir do decurso do prazo para apresentar as razões de defesa;
Subcláusula Oitava - Em caso de não conseguir localizar a CONTRATADA, o mesmo deverá
ser notificado por edital, publicado em jornal de circulação local, por um período de 3 (três) dias.
Subcláusula Nona - As sanções previstas nas letras “d” e “e” desta Cláusula, poderão ser
aplicadas às empresas ou aos profissionais que, em razão dos contratos regidos pela Lei nº
8.666/93, tenha:
a) Sofrido condenação definitiva por praticarem, por meios dolosos, fraude fiscal no
recolhimento de quaisquer tributos;
b) Praticado atos ilícitos visando a frustrar os objetivos da Contratação;
c) Demonstrem não possuir idoneidade para contratar com a Administração em virtude de
atos ilícitos praticados
Subcláusula Décima Primeira - As sanções previstas nas letras “a”, “c” e “d” desta cláusula
poderão ser aplicadas juntamente com a letra “b”, facultada a defesa prévia do interessado, no
respectivo processo, no prazo de 5 (cinco) dias úteis;
Subcláusula Décima Segunda - A CONTRATADA terá direito a recursos administrativos, nos
termos da Lei 8.666/93 e 9.784/99 e regras contidas neste Contrato.

CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - DA RESCISÃO

A inexecução total ou parcial deste Contrato, por parte da CONTRATADA, assegurará a


FUNASA o direito de rescisão nos termos do artigo 77 a 80 da Lei nº 8.666/93, assegurado o
contraditório e a ampla defesa, sempre mediante notificação por escrito.

Subcláusula Primeira - Este Contrato será rescindido de pleno direito, independentemente de


interpelação judicial ou extrajudicial, por inexecução de quaisquer das obrigações estipuladas na
Cláusula décima segunda, sujeitando a CONTRATADA à indenização dos prejuízos que
resultarem da paralisação da execução dos serviços.
Subcláusula Segunda - A CONTRATADA reconhece desde já os direitos da FUNASA, em caso
de rescisão administrativa, por qualquer um dos motivos previstos no inciso I do Art. 79 da Lei
n.º 8.666/93.
Subcláusula Terceira - Ocorrendo a rescisão unilateral com base nos incisos XII a XVII do Art.
78 da Lei n.º 8.666/93, sem que haja culpa da CONTRATADA, serão, a esta assegurados os
direitos previstos no § 2º do Art. 79 da mesma Lei.
Subcláusula Quarta - A falta de cumprimento de qualquer Cláusula ou simples condição deste
Contrato, poderá acarretar a sua rescisão mediante prévio aviso. Contudo a FUNASA poderá
rescindir este Contrato automática e independentemente de aviso ou notificação judicial ou
extrajudicial, nos seguintes casos:
a) concordata, falência ou instauração de insolvência civil da CONTRATADA;
87
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
b) dissolução da sociedade, e
c) inadimplência da CONTRATADA em manter todas as condições de Cadastramento e
qualificação exigidas na licitação.
Subcláusula Quinta - Poderá, ainda, este Contrato ser rescindido, na forma da lei, pela
ocorrência das demais situações previstas na Lei n.º 8.666/93.
Subcláusula Sexta - Em quaisquer dos casos previstos nesta cláusula, é assegurado à
CONTRATADA o direito ao contraditório e à ampla defesa.

CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - DAS ALTERAÇÕES

Este Contrato poderá ser alterado, nas hipóteses previstas no artigo 65 da Lei nº 8.666/93
e alterações, sempre através de Termo Aditivo.

Subcláusula Primeira A FUNASA se reserva o direito de promover a redução ou acréscimo dos


serviços contratados, em até 25% (vinte e cinco por cento) do valor inicial atualizado do
Contrato.
Subcláusula Segunda - No caso de supressões, o percentual poderá exceder o limite fixado no
parágrafo primeiro, mediante acordo entre as partes.

CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - DA DOCUMENTAÇÃO

A CONTRATADA se obriga a manter durante a execução do Contrato, quanto às obrigações


assumidas, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na licitação.

CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA – DO RECEBIMENTO

O serviço será recebido de acordo com a ordem de serviço emitida, devendo atender as
quantidades solicitadas e estar de acordo com as especificações exigidas no Projeto Básico,
sendo recebido das seguintes formas:
a) Recebimento Provisório – após o término da construção do poço, e entrega do Relatórios,
análise físico-química e bacteriológica e amostras do poço.
b) Recebimento Definitivo – se dará após a utilização do poço durante o tempo de 6 (seis) meses,
para o fim a que foi projetado.

Subclausula Única - O recebimento provisório ou definitivo não exclui a responsabilidade civil


pela solidez e segurança do serviço, nem ético-profissional pela perfeita execução do futuro
Contrato, dentro dos limites estabelecidos pela Lei e demais normas contidas neste Contrato.

CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA - DA PUBLICAÇÃO

A FUNASA encaminhará para publicação, o extrato deste Contrato no Diário Oficial da


União, até o quinto dia útil ao mês seguinte ao de sua assinatura, conforme determina o

88
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
parágrafo único do art. 61 da Lei 8.666/93, a qual deverá ocorrer até 20 dias daquela data.

CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA – DOS CASOS OMISSOS

Fica estabelecido que caso venha ocorrer algum fato não previsto neste Contrato, os
chamados casos omissos, estes serão resolvidos entre as partes, respeitado o objeto do Contrato,
a legislação e demais normas reguladoras da matéria, em especial a Lei n.º 8.666/93, aplicando-
lhe, quando for o caso, supletivamente, os Princípios da Teoria Geral dos Contratos estabelecidos
na Legislação Civil Brasileira e as disposições do Direito Privado.

CLÁUSULA DÉCIMA NONA - DO FORO

As partes firmam o presente instrumento obrigando-se, por si e seus sucessores, ao fiel


cumprimento do que ora ficou ajustado, elegendo o foro da Justiça Federal Seção Judiciária do
Estado de Goiás, com renúncia expressa a outros, por mais privilegiados que forem, para dirimir
quaisquer questões deste Contrato.

E, por estarem de acordo, lavrou-se o presente termo, em 03 (três) vias de igual teor e
forma, as quais foram lidas e assinadas pelas partes contratantes.

Goiânia, ____ de ________ de ____.

___________________________ __________________________
PELA FUNASA PELA CONTRATADA

89
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO IX - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO.

ANO 2010 2011 2012


MÊS 8 9 10 11 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 3 4 5 6 7 8
ETAPAS ETAPAS ETAPAS
I II III IV V VI VII VIII XIX XX
CRONOGRAMA FÍSICO
TIPO UNID TOTAL
MANUTENÇÃO Manuten sev
PERFURAÇÃO Poço 120 6 6 8 8 8 8 8 8 8 8 8 8 6 6 6 6 6
CRONOGRAMA FINANCEIRO
MANUTENÇÃO Serviço R$ 200.000,00 200.000,00 50.000,00 50.000,00 50.000,00 100.000,00 50.000,00 100.000,00 100.000,00 100.000,00
PERFURAÇÃO Poço R$ 0,00 322.251,12 429.668,16 429.668,16 429.668,16 429.668,16 429.668,16 322.251,12 322.251,12 161.125,56
200.000,00 522.251,12 479.668,16 479.668,16 479.668,16 529.668,16 479.668,16 422.251,12 422.251,12 261.125,56
722.251,12 2.448.340,80 1.005.627,80

R$ 1.000.000,00
R$ 3.276.220,00
R$ 4.276.220,00

90
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO X

MODELO DE DECLARAÇÃO DE ELABORAÇÃO INDEPENDENTE DE PROPOSTA

(Identificação da Licitação)

(Identificação completa do representante da licitante), como representante devidamente


constituído de (Identificação completa da licitante) doravante denominado Licitante, para fins do
disposto no subitem 2.4.5 do Edital Concorrência 01-2010, declara, sob as penas da lei, em
especial o art. 299 do Código Penal Brasileiro, que:
(a) a proposta apresentada para participar da Concorrência 01-2010 foi elaborada de maneira
independente (pelo Licitante)), e o conteúdo da proposta não foi, no todo ou em parte, direta ou
indiretamente, informado, discutido ou recebido de qualquer outro participante potencial ou de
fato da Concorrência 01-2010, por qualquer meio ou por qualquer pessoa;
(b) a intenção de apresentar a proposta elaborada para participar da Concorrência 01-2010 não
foi informada, discutida ou recebida de qualquer outro participante potencial ou de fato da
Concorrência 01-2010, por qualquer meio ou por qualquer pessoa;
(c) que não tentou, por qualquer meio ou por qualquer pessoa, influir na decisão de qualquer
outro participante potencial ou de fato da Concorrência 01-2010 quanto a participar ou não da
referida licitação;
(d) que o conteúdo da proposta apresentada para participar da Concorrência 01-2010 não será, no
todo ou em parte, direta ou indiretamente, comunicado ou discutido com qualquer outro
participante potencial ou de fato da Concorrência 01-2010 antes da adjudicação do objeto da
referida licitação;
(e) que o conteúdo da proposta apresentada para participar da Concorrência 01-2010 não foi, no
todo ou em parte, direta ou indiretamente, informado, discutido ou recebido de qualquer
integrante da FUNASA antes da abertura oficial das propostas; e
(f) que está plenamente ciente do teor e da extensão desta declaração e que detém plenos poderes
e informações para firmá-la.
______________________________, em ___ de ___________________ de ________
____________________________________________________
(representante legal do licitante/ consórcio, no âmbito da licitação, com identificação completa)

Obs.: O Represetante da licitante deverá apresentar a Declaração de Elaboração Independente de


Proposta, no momento do credenciamento abertura da sessão pública.

91
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO XI CROQUI CONSTRUTIVO
PROJETO BÁSICO
CROQUI ESQUEMÁTICO
POÇO PARCIALMENTE REVESTIDO COM
COLOCAÇÃO DE FILTRO

92
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

93
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
ANEXO XII RELATÓRIO DO POÇO

RELATÓRIO DO POÇO PÁGINA ¼

Identificação e Localização: N.º. do Poço:


Localidade:
Município: UF: Relatório n.º.
Localização:
Base Cartográfica:
Coordenada W.G Coordenada S Cota

Data Início: Data Término:


Perfurador:
Equipamento: Sondador: Croqui de Localização
Profundidade (m): Vazão (l/h):
Nível Estático (m) : Tempo de recuperação (h):
Nível Dinâmico (m):

Construção
Perfuração Revestimento
f de (m) a ( m) f De a Tipo Especificação

Cimentação: Pré-filtro: ÕBS:

de a (m) Traço Tipo: f (mm) Quant. (t)


(m)

Fluído de Perfuração: Perfilagem Geofísica Laje Sanitária (m x m):


Tipo Quant. (kg) Método Intervalo(m) Altura da Boca do Poço (m):
De a OBSERVAÇÕES:

Desenvolvimento
Método Tempo(h)

5. Teste de Produção
Etapa n.e. Nd. vazão duração s/q q/s hora início hora término Data

Data:
____________________________________

94
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Responsável Técnico

95
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

PERFIL GEOLÓGICO E CONSTRUTIVO DO POÇO PÁGINA 2/4

PERFIL: RELATÓRIO N.º. : CR:


MUNICÍPIO: DISTRITO: POÇO N.º:
PROFUNDI DESCRIÇÃO LITOLÓGICA PERFIL PERFIL CONSTRUTIVO
LITOLÓGICO

________________16”
_______________14”
_____________ 12”
___________ 10”
_________ 8”
________ 6”

OBSERVAÇÕES GERAIS:

RESPONSÁVEL DATA FISCALIZAÇÃO DATA


TÉCNICO

96
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

TESTE DE PRODUÇÃO E RECUPERAÇÃO PÁGINA ¾

N.º. do Poço: Localidade: Município: UF


Executor:
Bomba: Profund. do crivo (m):
Altura da Boca do Poço (m): Mét. Med. de vazão:
NE (m): ND (m): Q (m³/h): T. De Bomb. (min.):
Data Início: Data Término: Reb. Total (m):
Aqüífero:
OBSERVAÇÕES:

REBAIXAMENTO DO NÍVEL DA ÁGUA RECUPERAÇÃO


TEMPO HORA Q N.D. S TEMPO s' N.A.
(minutos) Local (metro) (minutos) (metro)
1 1
2 2
3 3
4 4
5 5
6 6
8 8
10 10
12 12
20 15
25 20
30 25
40 30
50 40
60 60
70 80
80 100
100 120
120 180
150 240
180 300
240 360
300 420
360 480
420 540
480 600
540 660
600 720
660
720
780
840
960
1080
1200
1440

Data: ______/______/______

______________________________________
Responsável Técnico

97
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

98
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DO POÇO 4/4


N° POÇO LOCALIDADE MUNICIPIO U.F.
COOR. UTM DATUM COTA DATA
FOTO 1 PLACA DE OBRA FOTO 2 SONDA EM OPERAÇÃO

FOTO 3 TESTE DE VAZÃO FOTO 4 POÇO PRONTO

FOTO COMPLEMENTAR FOTO COMPLEMENTAR

ANEXO-XIII ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E BACTERIOLÓGICA DE ÁGUA “IN NATURA


ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E BACTERIOLÓGICA DE ÁGUA “IN NATURA” N.º. da Amostra:
01 – DADOS DA AMOSTRA

99
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação
Nome do Cliente: Data:
Endereço: Horário da coleta:
Nome do coletor:
Local de coleta: Boletim n.º. Ponto de referência:
02 – DADOS AMBIENTAIS
Temperatura do ambiente: Temperatura da amostra: Chuvas nas últimas 24 horas:
Possíveis fontes poluidoras próximas ao local:
ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA
Análise Unidade Resultado VMP – P 518 Método
Alcalinidade parcial mg/l CaCO3
Alcalinidade total mg/l CaCO3
Alumínio mg/l Al
Bicarbonatos mg/l HCO3
Cálcio mg/l Ca
Carbonatos mg/l CO3
Cloretos mg/l Cl
Condutividade
Cor uH
Dureza total mg/l CaCO3
Ferro total mg/l Fe
Fluoretos mg/l F
Fosfatos mg/l P
Magnésio mg/l Mg
Manganês mg/l Mn
Matéria orgânica mg/l O2cma
Nitratos mg/l N
Nitritos mg/l N
PH
Potássio mg/l K
Resíduo seco à 105°C mg/l
Sílica mg/l SiO2
Sódio mg/l K
Sulfatos mg/l SO4
Turbidez NTU
EXAME BACTERIOLÓGICO
Análise Unidades Resultado VMP Método
Contagem de coliformes totais
Contagem de coliformes fecais
Contagem de bactérias heterotróficas

Local e Data Responsável Técnico:

ANEXO XIV - PLANILHA DE SERVIÇOS E MATERIAIS APLICADOS NO POÇO

100
Coordenação Regional em Goiás
Comissão Permanente de Licitação

PLANILHA DE SERVIÇOS COM DE MATERIAIS APLICADOS NO POÇO


ITEM DESCRIÇÃO UNIDADE QUANTD. R$ UNIT R$ TOTAL
Aquisição e assentamento de placa de obra, tamanho 2 x
3 metros em chapa galvanizada n° 23, com suporte de
sarrafos de madeira de 6 x 6 centímetros de lado por 3
1 metros de altura, por localidade. unidade 0,00
Transporte, mobilização, desmobilização de
equipamentos e materiais, Goiania e a primeira locação -
2 ORIGEM: GOIANIA. unidade 0,00
Transporte, mobilização, desmobilização de
equipamentos e materiais, entre locações da rota.
3 unidade 0,00
Transporte, mobilização, desmobilização de
equipamentos e materiais, entre locações na mesma
4 localidade unidade 0,00

5 Manutenção canteiro de obra na localidade. unidade 0,00


Acessos, preparação do canteiro de obra e instalação dos
6 equipamentos, por poço. unidade 0,00
7 PERFURAÇÃO 0,00
7.1 Diâmetro 12. 1/4", sedimento. metro 0,00
7.2 Diâmetro 9.1/2" ou 8.1/2", rocha cristalina. metro 0,00
7.3 Diâmetro 6", rocha cristalina. metro 0,00
Fornecimento e instalação de tubo de aço carbono
galvanizado, DIN 2440, esp de parede de 4.25 mmm, DN
8 6". metro 0,00
Fornecimento e instalação de tubo de aço carbono
galvanizado, DIN 2440, espessura de parede de 4.85
9 mm, tipo Nold, abertura das ranhuras de 0,75mm DN 6". metro 0,00
Fornecimento e instalação de pré-filtro de areia
10 selecionada, granulometria de 1 mm a 2mm. tonelada 0,00
11 Cimentação de pé com calda de cimento, traço 1:1 metro³ 0,00
Cimentação do espaço anelar e de proteção sanitária,
12 com argamassa traço 3:1. metro³ 0,00

13 Fornecimento de tampa do poço e cápsula de proteção. unidade 0,00


14 Desenvolvimento com compressor. hora 0,00
15 Fornecimento e aplicação de dispersantes quimicos. quilo 0,00
16 Teste de produção com bomba submersa. hora 0,00
17 Lage de proteção de 1,5 x 1,5 metros de lado. unidade 0,00
18 Desinfecção. serviço 0,00
19 Coleta e análise fisico-química. uidade 0,00
20 Coleta e análise bacteriológica. unidade 0,00

OBSERVAÇÕES:

101