Você está na página 1de 56

O QUE É A SEMÂNTICA?

Ataliba T. de Castilho
Professor Emérito da FFLCH da Universidade de São Paulo
Assessor linguístico do Museu da Língua Portuguesa
Pesquisador do CNPq
2014

Sumário
Apresentação
1) O que é a Semântica?
2) O problema da categorização.
3) As quatro semânticas.

1. Semântica lexical: o sentido das palavras; categorias da Semântica lexical


Introdução: intensão e extensão
1.1. Referenciação ou designação
1.2. Paráfrase e sinonímia
1.3. Contradição e antonímia
1.4. Polissemia
1.5. Hiperonímia, hiponímia
1.6. Meronímia
1.7. Campos semânticos

2. Semântica gramatical: o significado das construções; categorias da Semântica gramatical


Introdução: sentido inerente e sentido adquirido
2.1. Predicação e papeis temáticos
2.2. Apresentação
2.3. Verificação
2.4. Categorias semânticas do verbo: classes acionais, aspecto, tempo, modo, voz
2.5. Conectividade preposicional e conjuncional

3. Semântica discursiva: a significação dos textos; categorias da Semântica discursiva


Introdução: significação, texto e contexto
3.1. Foricidade: anáfora e catáfora
3.2. Dêixis locativa e temporal
3.3. Inferência e pressuposição
3.4. Paráfrase
3.5. Articulação tema-rema

4. Semântica cognitiva: processos de criação dos sentidos


Introdução: a criação dos sentidos
4.1. Criação dos sentidos: (i) Representações das categorias cognitivas; (ii) Emolduramento dos
participantes via criação de frames; (iii) Hierarquização dos participantes.
4.2. Recriação dos sentidos: (i) Alteração da perspectiva sobre os participantes e os eventos: metáfora e
metonímia; (ii) Alteração na extensão: especialização e generalização; (iii) Alterações na representação
de PESSOA e COISA, EVENTOS, JUNÇÃO, MOVIMENTO, ESPAÇO, QUALIDADE e QUANTIDADE.

5. Semântica diacrônica: processos de mudança do sentido


Introdução: processos de mudança dos sentidos; dessemanticização / ressemanticização
5.1. Referenciação: PESSOA e COISA
5.2. Predicação e EVENTO
5.3. Apresentação
5.4. Verificação

*
Para as remissões em negrito do corpo do texto, ver Ataliba T. de Castilho – Nova gramática do
português brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2010.
2

5.5. Foricidade
5.6. Dêixis e redobramento de locativos
5.7. Junção: preposições e conjunções
5.8. Desaparecimento de um campo semântico.

APRESENTAÇÃO

No segundo semestre de 2013, Rodolfo Ilari e eu ministramos um curso de pós-


graduação na Universidade Estadual de Campinas, sobre Semântica diacrônica. O
Projeto para a História do Português Brasileiro serviu de pano de fundo ao
empreendimento, embora esse projeto até agora não disponha de pesquisadores
engajados no estudo das mudanças semânticas da variedade brasileira da língua
portuguesa.
Para situar esta subárea no vastíssimo campo da Semântica, preparei um
roteiro em que foram descritas as categorias semânticas e respectiva literatura, o qual
foi distribuído aos alunos. Essas categorias permitem organizar a área em (i)
Semântica lexical, (ii) Semântica gramatical, (iii) Semântica discursiva, (iv)
Semântica cognitiva e (v) Semântica diacrônica. Importante reter, desde logo, que as
categorias constitutivas desses campos da Semântica não são opositivas, antes
integrativas e simultâneas. Quer dizer que uma mesma expressão exemplifica mais de
uma categoria, e se as separamos, como acima, é apenas para dar mais visibilidade ao
sistema da Semântica.

A ideia do curso não era apresentar aos alunos uma sequência monótona de
conceitos, mesmo que razoavelmente organizados. Já sabemos que lecionar assim não
dá certo. Optamos, então, por envolver os alunos nas pesquisas sobre Semântica, de
tal forma que cada um selecionasse um tema, que seria caracterizado a partir de
exemplos por eles selecionados. A análise dos exemplos seria confrontada com o
conhecimento disponível, constante da bibliografia, resultando daqui um ensaio
monoautoral.
A turma respondeu muito bem a esse projeto, o que me animou a apresentar
a um público maior a vastíssima temática semântica, mesmo numa forma telegráfica
como a deste texto. Itens bibliográficos cuidadosamente selecionados permitirão que
o leitor interessado alce voo neste campo. Trago esse texto à página do Museu da
Língua Portuguesa de São Paulo com o confessado propósito de ampliar a discussão
e, no melhor dos mundos, recrutar novos pesquisadores para uma área tão ampla.
Finalmente, se uma língua natural pode ser definida como um conjunto de
estruturas emparelhadas com seus significados, é fácil imaginar que as pesquisas
gramaticais e semânticas ocupem um grande espaço nas preocupações dos estudiosos.
Fácil, igualmente, entender por que essas duas disciplinas da linguagem assumiram
tantas direções diferentes, motivadas pela tremenda complexidade de que é feita uma
língua, qualquer que ela seja.
Seja bem-vindo!

1) O que é a Semântica?

A Semântica investiga os sentidos expressos nas línguas naturais, ocupando-se dos


processos de sua construção, e dos produtos que daí resultam.
Trask (2004, s.v.) mostra o caminho incerto dessa área na história da
Linguística. O termo Semântica foi criado por Bréal (1911), em seu tratado Éssai de
3

semantique, que tinha por subtítulo a expressão “Science des significations”. Na


primeira parte do livro, ele discute “as leis intelectuais da linguagem”, na verdade um
conjunto de observações sobre a fonética e a morfologia: lei da especialidade, lei da
repartição, irradiação, sobrevivência das flexões, falsas percepções, analogia, novas
aquisições, extinção de formas inúteis. Na segunda parte ele passa a considerar o que
atualmente se pode considerar como campo da semântica: restrição do sentido,
alargamento do sentido, metáfora, “espessamento” do sentido, polissemia. Na terceira
parte, ele trata da formação da sintaxe. Portanto, apenas a segunda parte viria a ser
desenvolvida como o domínio propriamente dito da Semântica.
O campo aberto por Bréal viria a ser largamente investigado, constituindo-se
a Semântica lexical: ver seção 1.
Muitas relações entre as estruturas gramaticais e o sentido foram examinadas
desde os primórdios da reflexão gramatical, conduzindo à organização da Semântica
gramatical: ver seção 2.
Outra divisão no campo se deu quando as pesquisas destacaram o fato de que
os sentidos não estão inteiramente encapsulados no signo linguístico, pois em sua
elaboração a língua depende fortemente da interação. Os sentidos são criados ao
longo de uma conversa, servindo as palavras como uma sorte de gatilho para essa
atividade. Surgiu, assim, uma nova disciplina para investigar as relações entre os
signos e os usuários, denominada Pragmática. Suas relações com a Semântica serão
aqui denominadas Semântica discursiva: ver seção 3.
Ainda segundo Trask, depois do séc. XIX boa parte das pesquisas sobre
Semântica foram conduzidas por filósofos, até que os linguistas buscassem parcerias
com eles. Os estruturalistas consideravam difícil aplicar suas técnicas de análise ao
que chamaram “o pântano do significado”. A gramática gerativa seguiu igualmente
por aqui, causando um racha entre seus seguidores. Os insatisfeitos mudaram-se para
a costa americana oeste, dando início ao que viria a ser conhecido como Linguística
cognitiva. A Semântica cognitiva ocupa aí um grande espaço: ver seção 4.
Pesquisas sobre a mudança diacrônica dos sentidos não têm tido presença
forte na literatura. Só mais recentemente, com o ressurgimento da Linguística
Histórica, ensaiam-se alguns passos na organização da Semântica diacrônica, que é
por onde essa disciplina tinha começado: ver seção 5.

2) O problema da categorização

De acordo com a Abordagem multissistêmica (Castilho, 2009), as línguas naturais são


estruturadas em quatro sistemas: (1) Léxico (2) Gramática (3) Semântica, (4)
Discurso. Conjuntos de categorias configuram esses sistemas. Precisaremos, portanto,
discutir previamente o problema da categorização para melhor entender como esses
sistemas operam.
Lakoff (1982) e Givón (1986), entre outros, dissertaram sobre as duas fontes
da categorização linguística: a categorização clássica, elaborada por Aristóteles e
retomada pela Semântica de Frege e pela Gramática gerativa, e a categorização
natural, elaborada por Wittgenstein (1953/1979) e retomada a partir dos anos 80 pela
Psicologia, pela Antropologia e pela Linguística Cognitiva.
Segundo a ciência clássica, as categorias espelham a realidade física; elas são
discretas e dotadas de propriedades inerentes. A percepção clássica das categorias se
fundamenta nos seguintes pontos: (i) um conjunto de propriedades define uma
categoria; (ii) uma entidade pode ser julgada não problematicamente como tendo ou
não esses atributos; (iii) as entidades que integram determinada categoria são
4

predizíveis; (iv) do ponto de vista da ciência clássica, as categorias são limitadas, pois
não tomam em conta o processamento da língua, focalizando apenas os produtos que
daí resultam; (v) todos os membros de uma dada categoria têm estatuto semelhante.
As categorias concebidas no quadro das ciências clássicas são postuladas
como entidades distintivas, opositivas, negativas, ou seja, uma categoria X exclui uma
categoria Y.
A categorização clássica apresenta alguns problemas, pois nem todos os seus
membros exibem atributos criteriais idênticos. Na verdade, tem sido difícil propor um
conjunto operacionalizável de critérios e até mesmo caracterizar esses critérios.
Segundo as ciências dos sistemas complexos, as categorias são concebidas a
partir das seguintes propriedades: (1) vagueza, indeterminação, (2) ambiguidade,
polissemia, (3) problematicidade, integração, não negatividade, não exclusão, (4)
polifuncionalidade. Essa percepção será perfilhada neste texto. Assim, uma categoria
X não se opõe a uma categoria Y, admitindo-se que elas são intrinsecamente vagas,
polifuncionais, não excludentes, interpenetrando-se a cada passo. A Teoria dos
protótipos elabora essa posição.
Segundo essa teoria, as categorias devem ser vistas como uma representação
da realidade, não como sua reprodução, não como seu espelho. Por isso mesmo, não
há limites claros entre as categorias, estabelecendo-se entre elas um continuum de
limites imprecisos (Ing fuzzy edges).
Algumas entidades compartilham muitos traços comuns, constituindo-se nos
protótipos de sua categoria. Outras compartilham apenas alguns traços, integrando-se
como elementos marginais de sua categoria. Nestes casos, a descrição terá de lançar
mão das “categorias quase”, de que foram examinadas nas seguinte passagens da
Nova gramática do português brasileiro (i) as quase conjunções, em 4.3, (ii) os quase
verbos, em 10.2.1.3.2, (iii) os quase prefixos, em 14.2.2.4, (iv) os quase clíticos, em
13.2.2.2.3, (v) os quase argumentos, em 6.4.1.2, 7.4, 13.2.1.1.1, (vi) os quase
asseverativos, em 8.4, 12.2.2.1.1, 13.2.2.1.1.1.2.
De acordo com a teoria clássica, tais entidades constituiriam outras tantas
classes. De acordo com a teoria dos sistemas complexos, essas entidades possuem
diferentes graus de integração numa mesma classe, o que permite que muitas relações
possam ser reconhecidas entre membros de categorias diferentes, num raciocínio
transcategorial. Não é possível predizer a pertença das entidades a determinada
categoria, e a integração de uma entidade em uma categoria é muitas vezes uma
questão de grau.
Para configurar um procedimento analítico mais sensível às complexidades
das línguas naturais, Givón (1984: 15) cunhou a expressão “continuum categorial”. É
a similitude, e não a identidade, que deve ser buscada no processo de postulação de
categorias. Seus traços definidores não devem ser estabelecidos a partir de
propriedades necessárias e suficientes, ou a partir de seu valor de verdade, e sim a
partir de certas semelhanças que os falantes percebem intuitivamente. Os homens não
levariam em conta as propriedades “fisicas” dos seres no momento de sua
categorização, e sim as propriedades que decorrem da imagem que eles têm desses
seres, ou, nos termos de Lakoff (1982), são valorizadas nesse momento as
propriedades perceptuais, tais como “as formas percebidas, as imagens, as
intenções”.
Ora, essas propriedades perceptuais não têm o mesmo status, podendo
ocorrer a supervalorização de umas em detrimento de outras. Estudos sobre as
designações das cores e a classificação dos animais em diferentes culturas deram
5

fundamento à postulação dos “conceitos básicos”, assumindo um poder explanatório


maior que os “conceitos primitivos” da teoria clássica: Kay (1983).
Lakoff (1975: 234) propôs o termo hedges (literalmente, “cercas”) para
designar determinadas palavras e expressões "cuja função é apresentar as coisas de
um modo mais delimitado ou menos delimitado (= fuzzy)". Ele lista entre estas as
palavras inglesas kind of, sort of, more or less, relatively, entre outras. A topologia da
vagueza vem sendo formulada pela semântica cognitiva: Talmy (2001: vol. 1, p. 31 e
passim).
Explorações da língua portuguesa à luz da Teoria dos protótipos revelaram
que há, por exemplo, advérbios "mais adverbiais", mais prototípicos, como os
predicativos, e advérbios "menos adverbiais", como os não predicativos: Ilari et alii
(1990). Os advérbios delimitadores mais ou menos, praticamente, quase, tipo, uma
espécie de, estudados por Moraes de Castilho (1991) e Lima-Hernandes (2005),
funcionam como comprometedores da prototipicidade de sua classe-escopo. Também
os pronomes foram assim estudados: Lavandera (1984: 109), Castilho (1993), Neves
(1993), Ilari; Franchi; Neves (1996).
Givón (1986) viria a propor uma solução híbrida entre as duas teorias. Em
sua argumentação, ele confronta o ponto de vista platônico com as observações de
Wittgenstein (1953/1979: 62 e ss.). Segundo o ponto de vista platônico, as "categorias
da compreensão" são discretas, absolutas e pristinas. Segundo o ponto de vista de
Wittgenstein, as categorias não são discretas e absolutas mas, no lugar disso, como já
se destacou acima, são incertas e mal delimitadas, sendo que muitas relações podem
ser reconhecidas entre seus membros.
Entre outros fenômenos semânticos, os pleonasmos derivam da vagueza
natural das expressões, levando-nos a contornar nossas dificuldade ao categorizar as
coisas mediante a utilização de uma única palavra. É como se uma palavra expressa
isoladamente não desse conta do referente que queremos comunicar. O seguintes
exemplos de pleonasmos, explorados por humoristas como Leandro Hassum, parecem
apontar para a questão da vagueza, da indeterminação natural das palavras: elo de
ligação (um elo já não liga as coisas?), goteira no teto (de onde mais a água poderia
gotejar?), duas metades iguais, outra alternativa, comparecer pessoalmente, o dia
amanheceu, conviver junto com, encarar de frente, fato real, surpresa inesperada,
etc.

LEITURAS SOBRE CATEGORIZAÇÃO LINGUÍSTICA

Wittgenstein (1953/1979), Lakoff (1975, 1982), Givón (1986), Ilari et alii (1991), Moraes de Castilho
(1991), Lima-Hernandes (2005).

3) As quatro semânticas

Para organizar as reflexões sobre a Semântica proporei quatro campos de estudos,


mesmo reconhecendo sua difícil delimitação: (i) Semântica léxica, que trata dos
sentidos das palavras, (ii) Semântica gramatical, que trata dos significados das
construções, (iii) Semântica discursiva ou pragmática, que trata das significações
geradas no intervalo que medeia entre os locutores e os signos linguísticos, (iv)
Semântica cognitiva, que trata da criação dos sentidos. Acrescento algumas
observações ainda muito preliminares sobre a (v) Semântica diacrônica, que trata da
mudança dos sentidos.
6

Caracterizo essas áreas especificando os respectivos objetos empíricos


através dos termos sentido, significado e significação, tomando sentido como um
hiperônimo.
Assim, numa palavra como balde:

 O sentido lexical de é algo como “objeto usualmente de metal, cilíndrico, dotado


de alça, que serve para carregar líquidos ou sólidos”; o sentido de palavras como
balde configura o campo da Semântica lexical.
 O significado gramatical de chutar o balde, “desinteressar-se, desistir de uma
ação”, nada tem a ver com os sentidos lexicais de chutar e de balde,
considerados individualmente; podemos reconhecer que expressões idiomáticas
como essa são um problema da Semântica gramatical.
 A significação pragmática de Não consigo carregar este balde de areia pode ser
um pedido indireto de ajuda ao meu interlocutor, para além dos sentidos lexicais
de cada item e do significado proposicional dessa sentença.

É preciso ficar claro que sentidos, significados e significações não devem ser
concebidos como entidades dispostas em camadas diferentes, no conhecido raciocínio
estruturalista dos níveis hierárquicos. O que temos aqui são conceitos complexos, que
ocorrem simultaneamente, numa disposição radial. O leitor pode imaginar situações
em que as expressões balde, chutar o balde e não conseguir carregar este balde
exemplificam, ao mesmo tempo, sentidos, significados e significações.
A configuração das quatro Semânticas fundamenta-se na Abordagem
multissistêmica, caracterizada em Castilho (2009). Insisto em que as categorias que
organizam as quatro Semânticas, aqui postuladas, são problemáticas, no sentido de
não exclusivas, não negativas, mas, ao contrário, integrativas, simultâneas, o que deve
ter ficado claro nas referências à categorização, que introduzem este texto. Assim,
mencionar uma dada categoria não significa que as demais categorias estejam sendo
excluídas.

LEITURAS: MANUAIS SOBRE SEMÂNTICA DESCRITIVA. TEORIA SEMÂNTICA

Silva Júnior (1903), Bréal (1911), Ogdens; Richards (1923/1972), Said Ali (1930), Morris (1938), Guiraud
(1955/1975), Ullman (1962/1973), Baldinger (1970), Weinreich (1972), Leech (1974), Segre (1974),
Amaral (1976), Lobato (Org. 1976), Pinto (1977), Kempson (1977/1980), Lyons (1977/1984, 1979),
Rector; Yunes (1981), Ilari; Geraldi (1985), Ilari (2001), Chierchia (2003), Muller; Negrão; Foltran (Orgs.
2003), Cançado (2005).

ATIVIDADE

Resenhar um dos manuais acima.

1. SEMÂNTICA LEXICAL: O SENTIDO DAS PALAVRAS

Apresentação: intensão e extensão

A identificação do sentido das palavras envolve dois conceitos auxiliares, a intensão e


a extensão.
A intensão é o conjunto de seus traços semânticos inerentes. Para ficar em
um só exemplo, num item como menino, podemos intuitivamente reconhecer os
7

traços inerentes /animado/, /humano/, enquanto em onça teríamos /animado/, /-


humano/.
A extensão é o conjunto de indivíduos denotados por uma palavra. Esse
conceito remete à teoria dos conjuntos.
Os conceitos de intensão e extensão aparecem em Pereira (1907/1918: pág.
61): “Devemos distinguir nos substantivos a compreensão e a extensão.
Compreensão são os caracteres distintivos do ser nomeado pelo substantivo (=
intensão, em nossa terminologia). Extensão são todos os seres abrangidos nessa
compreensão”.
Essas propriedades definem lexicograficamente uma palavra. Elas podem ser
alteradas pela coexistência de outras palavras, como veremos na seção da Semântica
gramatical.
Vejamos como elas funcionam:

(1) O nenê começou a falar.


(2) O nenê está quase falando.
(3) O nenê pôs-se a falar.

No exemplo (1), foram preservadas as propriedades intensionais de começar


e de falar, embora elas integrem uma perífrase. Casos como este foram estudados por
Weinrich (1972), que as denominou mediante o termo Ingl linking “ligação”, ou seja,
ligação dos sentidos das palavras envolvidas.
No exemplo (2), ocorreu uma alteração parcial das propriedades de está e de
falando, porque está se auxiliarizou, perdendo seu sentido original de “ficar de pé”, e
falar perdeu algumas propriedades intensionais, por estar no escopo do advérbio
delimitador quase, mantendo outras.
Já em (3), ocorreu uma alteração total das propriedades intensionais de pôr-
se, que passa agora a significar “começar”, configurando um problema de Semântica
gramatical. Falar preservou suas propriedades intencionais. O mesmo Weinrich
considerou este um caso a que ele denominou Ingl nesting “nidificação”, ou seja,
assim como do ovo nidificado surge um ser completamente diferente, assim em
construções como pôr-se + infinitivo essa palavra muda radicalmente de sentido,
significando agora “começar”, desaparecendo seu sentido lexical de “depositar algo
sobre uma superfície”.
Examinando as expressões formulaicas, Ilari (1992c) mostra que elas
exemplificam um comprometimento mais radical da intensão, visto que o conjunto
gerado se afasta do sentido de cada palavra considerada individualmente. Assim, em

(4) Aquela construção é um verdadeiro elefante branco.

elefante deixa de significar “mamífero de grande porte” e branco, igualmente, não é


mais a “impressão causada pelo raio de luz não decomposta”, para significar “obra ou
iniciativa inútil”. O mesmo se pode dizer de estado-maior, controle remoto etc.

Em

(5) O cidadão pagou seus impostos,

cidadão denota o conjunto total dos seres integrados numa comunidade organizada,
no gozo de seus direitos civis. Ao operar sobre essa propriedade, o adjetivo tem
geralmente um efeito delimitador. Assim, em
8

(6) O cidadão brasileiro pagou seus impostos.

o conjunto de cidadãos foi limitado agora aos indivíduos nascidos no Brasil.


A Semântica lexical, em suma, trata dos traços semânticos inerentes /
intensionais, que são exemplificados nas diferentes categorias léxicas, tais como
verbos, substantivos, adjetivos, advérbios, preposições.
Diferentes combinações dos traços inerentes permitem postular as seguintes
categorias, que configuram o campo da Semântica lexical: (1) referenciação e
designação, (2) paráfrase e sinonímia, (3) contradição e antonímia, (4) polissemia, (5)
hiperonímia e hiponímia, (6) meronímia.

1.1. Referenciação e designação

Denomina-se referenciação ou designação a função pela qual um signo linguístico


designa quaisquer entidades do mundo extralinguístico, reais ou imaginários, ou seja,
as PESSOAS e as COISAS: Ducrot; Todorov (1972/1998, s.v. referência).
Há uma relação entre a referenciação e a teoria dos conjuntos. Uma dada
expressão pode representar o indivíduo de um conjunto, como fazem (i) os
substantivos próprios, (ii) os pronomes demonstrativos não neutros e (iii) as
descrições definidas. Entretanto, expressões indeterminadas representam todos os
indivíduos de um conjunto, como os Quantificadores indefinidos quando aplicados a
um substantivo.
A teoria dos espaços mentais tem considerado a questão da referência de um
ponto de vista cognitivista (veja a seção 11.2.2.1).
Pesquisadores da Linguística do texto têm uma percepção diferente do que
seja a referenciação, que assimilam à foricidade: ver 3.1, abaixo.

1.2. Paráfrase e sinonímia

São sinônimas as palavras que parafraseiam outras, dispondo de um sentido


aproximadamente idêntico, como ocorre em sair / cair fora / dar no pé / escafeder-se
/ puxar o carro, etc., ou então em falecer / morrer / bater as botas / ir desta para
melhor / comer grama pela raiz / mudar-se para a chácara dos quietinhos, viver no
bairro dos pés juntos, etc.
Se você sair por aí recolhendo sinônimos, notará que cada termo traz consigo
informações adicionais, pois não há sinônimos perfeitos. Collinson, apud Ullman
(1964/1970: 294-295) fez esse exercício, identificando nove tipos de sinônimos: (1)
um termo é mais geral que outro, (2) um termo é mais expressivo que outro, (3) um
termo é mais emotivo que outro, (4) um termo pode implicar em censura moral,
enquanto que o outro é neutro, (5) um termo é mais técnico que outro, (6) um termo é
mais literário que outro, (7) um termo é mais coloquial que outro, (8) um termo é
mais dialetal que outro, (9) um dos sinônimos integra a linguagem infantil: papai /
pai, etc. Maria Gabriela Silva Pileggi (com. pessoal) estudou estes sinônimos: chato
(espontâneo) / mofino (mais elegante); para amigo: bicho, cara, meu, bró (<Ing
brother), véi (por velho), amizade, mano.

1.3. Contradição e antonímia


9

São antônimas as palavras que se contradizem, como em alto / baixo, gordo / magro,
alegre / triste, entrar / sair, subir / descer, etc.
À semelhança dos sinônimos, cada antônimo agrega sempre um valor
adicional, podendo integrar-se em outro domínio da Semântica lexical. Assim, os
verbos acima relacionados guardam uma relação dêitica: só sobe quem está embaixo,
e só desce quem está em cima. Por outras palavras, a relação de antonímia que se
estabelece entre tais verbos está ligada ao LUGAR ocupado por seu sujeito, sendo esta
uma categoria cognitiva, estudada na seção 4, Semântica cognitiva.

1.4. Polissemia

Denomina-se polissemia o fato de uma mesma palavra ter sentidos diferentes, como
em cabo, “acidente geográfico”, “extremidade de uma ferramenta”, “prolongamento
posterior de certos animais”, “fio metálico para transmissão de energia”, “ponto na
hierarquia militar”; manga “fruta”, “parte do vestuário”, “chuva forte”, etc. O
contexto vai especificar de que cabo, de que manga se trata.
São diversas as origens das palavras polissêmicas:
(1) Algumas derivam de uma mesma etimologia, como a palavra ação, Lat
actione, que podem significar uma ação militar, uma ação legal, ou mesmo um título
de participação numa empresa: Bréal (1911: 154).
(2) Outras derivam de mais de uma etimologia, caso em que tais palavras
convergiram para uma só forma,
por razões fonológicas. É o caso do Lat sanctu e sanu, que convergiram para são, que
tanto pode designar um santo, como em São Paulo, quanto uma pessoa sadia, como
em ele ficou são depois da cirurgia.
(3) A polissemia pode assentar numa metonímia. É o caso de passo “passada”,
como em “deu um passo em direção à vitória”, que também significava
polissemicamente uma negação, no Port arcaico, como em “nom falou passo”. A
palavra francesa pas exibe o mesmo fenômeno de polissemia, assentando igualmente
numa metonímia. Os estudos sobre a gramaticalização das palavras têm focalizado as
palavras polissêmicas.

1.5. Hiperonímia, hiponímia

Organizando as palavras em campos semânticos – como fazem os dicionários


analógicos -, observa-se que algumas dispõem de sentidos mais amplos, as
hiperônimas, capazes de incluir aquelas de sentido mais restrito, as hipônimas. Assim,
o campo semântico “animal” inclui hipônimos tais como cavalo, boi, leão, etc. Em
consequência, animal é um hiperônimo, quando comparado a cavalo, boi, leão, seus
hipônimos.
Segundo Rodolfo Ilari (com. pessoal), o hipônimo anaforiza o hiperônimo,
mas não vice-versa. Assim, em “O médico receitou umas vitaminas. O facultativo
disse que o caso não era grave”, o hipônimo facultativo anaforiza o hiperônimo
médico.

1.6. Meronímia

Outra relação semântica entre as palavras se dá nos casos de meronímia, termo


derivado do Gr méros “parte”. São merônimas as palavras que designam partes de um
10

todo. Houaiss (2001, s.v.) dá o seguinte exemplo: copa e aba são merônimos de
chapéu.

1.7. Campos semânticos

Campos semânticos, ou campos conceptuais, são reuniões de palavras sinônimas.


Os campos semânticos são reunidos nos dicionários analógicos, em que os
conceitos são sistematizados, seguindo-se as palavras que os designam. Consultamos
um dicionário analógico quando dispomos de uma ideia mas não achamos a palavra
correspondente. Os dicionários analógicos são também denominados dicionários
onomasiológicos.
A sistematização dos conceitos de acordo com princípios filosóficos vai dos
conceitos gerais para os conceitos particulares, e destes para uma análise em divisões
e subdivisões, até o esgotamento do “mundo das ideias” – admitindo-se que isso seja
possível.
Spitzer (1936/1955) adotou o seguinte plano conceitual em seu dicionário
analógico:

I) Relações abstratas (existência, relação, quantidade, ordem, número, tempo,


mudança, causa).
II) Espaço (em geral, dimensões, forma, noção).
III) Matéria (em geral, anorgânica, orgânica).
IV) Faculdade cognoscitiva (1. formação das ideias; 2. comunicação das ideias).
V) Faculdade volitiva (1. vontade individual; 2. vontade intersocial).
VI) Faculdade afetiva (em geral, pessoal, simpática, moral, religiosa).

São duas as estratégias dos dicionários analógicos: (i) sistematização dos


conceitos numa forma pré-científica, natural, ou (ii) sistematização dos conceitos de
acordo com princípios científicos.
A sistematização de conceitos numa forma pré-científica, apriorística, parte
do pressuposto de que nas diferentes línguas naturais o sistema de conceitos é o
mesmo. A sistematização mais conhecida nesta linha é a de Hallig; von Wartburg
(1952/1963).
Esses autores assumem que em qualquer parte o homem considera o mundo
não como um caos, e sim como algo organizado, ordenado, como quer a ciência
clássica. Segundo eles, o homem tem consciência dessa ordem, apesar das pequenas
variações no plano que a representa. Esse plano é apresentado em seu livro como uma
contribuição à pesquisa lexicográfica, entendendo-se por ele “um sistema empírico de
referências extra lexicais, contendo os conceitos gerais da linguagem, estabelecidos
segundo certos princípios de classificação fundados numa base fenomenológica”:
Hallig; von Wartburg (1952/1963: 51). Seu sistema de conceitos é o seguinte:

I) O Universo (o céu e a atmosfera, a terra, as plantas, os animais).


II) O Homem (o homem ser físico, a alma e o intelecto, o homem ser social, a
organização social.
III) O Homem e o Universo (o a priori, a ciência e a técnica).

Baldinger (1970) e Stengaard (1991) desenvolveram pesquisas sobre os


campos semânticos, entre muitos outros autores, a partir de uma perspectiva
estruturalista. Pontes (1974) estudou o campo semântico formado pelo futebol.
11

LEITURAS SOBRE SEMÂNTICA LEXICAL

Bueno (1947), Ullmann (1964/1970), Greimas (1966/1973), Baldinger (1970), Bierwisch (1971),
Pontes (1974), Marques (1976), Lyons (1977/1984, vol. 1), Rehfeld (1980), Stengaard (1991), Ilari
(2001b, 2002, 2013, Org. 2014, Org. 2015), Chierchia (2003).

ATIVIDADES SOBRE SEMÂNTICA LEXICAL

1. Organize uma lista de sinônimos e teste as possibilidades mencionadas em 1.2. Para tornar seu
trabalho mais controlado, integre o sinônimo estudado em expressões, como em território extenso /
pesquisa extensa, etc.
2. Procure num dicionário etimológico a origem de palavras polissêmicas tais como cabo, manga para
entender a razão de sua polissemia.
3. Identifique os contextos em que os antônimos podem ocorrer. Você diria, indiferentemente, saia da
sala, desinfete da sala, pique a mula?
4. Quais são as propriedades semânticas que permitem identificar classes de palavras tais como
substantivos, adjetivos, verbos, advérbios?
5. Organize um campo semântico (por exemplo, sobre futebol, modas, músicas, danças) e identifique
as categorias semânticas e as classes gramaticais de que você se valeu para postular e descrever um
campo semântico.

2. SEMÂNTICA GRAMATICAL: O SIGNIFICADO DAS CONSTRUÇÕES

Apresentação: traços inerentes e traços adquiridos

São inerentes os traços que se agrupam numa mesma palavra; disso trata a Semântica
lexical. São adquiridos os traços que se movimentam de uma palavra para outra,
quando contíguas na expressão ou seja, do MOVIMENTO de traços inerentes de um
signo para outro, o que dá lugar à aquisição de traços. A Semântica gramatical estuda
a formação dos traços adquiridos.
Quando comparamos traços inerentes de substantivos e de verbos em dada
sentença, constatamos que estes apresentam “restrições de seleção semântica” sobre
aqueles. Assim, atravessar se combina com entidades /animadas/, /concretas/,
/móveis/, e por isso aceitamos

(7) A onça atravessou a mata,

mas o mesmo verbo não se combina com entidades /inanimadas/, /abstratas/, e por
isso rejeitamos a famosa sentença, aqui adaptada:

(7 a) *Ideias verdes atravessaram a mata.

Nesse exemplo, aceitável apenas num texto fantástico, a palavra ideia


adquiriu o traço /animado/, podendo então ser qualificada pelo adjetivo verde.

As seguintes categorias configuram a Semântica gramatical: (1) predicação e


papéis temáticos, (2) apresentação, (3) verificação, (4) categorias verbais de aspecto,
tempo, modo, (5) conectividade preposicional e conjuncional.

2.1. Predicação e papéis temáticos

Dizemos que houve predicação quando uma palavra toma uma categoria sintática ou
uma categoria discursiva por escopo, transferindo-lhes suas propriedades inerentes, de
12

que o escopo não dispunha antes. Pode-se reconhecer que a predicação assenta numa
representação da categoria cognitiva de MOVIMENTO, operando na construção da
língua. Essa categoria, aliás, é frequentemente mencionada nas definições de
predicação. Por isso mesmo, antecipo alguns dados sobre essa categoria, que será
melhor estudada em 4.1.
Segundo Talmy (2000), o MOVIMENTO pode ser FÍSICO, ou real, quando um
OBJETO se desloca num ESPAÇO, ou fictício, quando imageticamente supomos que
ocorreu a deslocação desse OBJETO.
A predicação resulta de um MOVIMENTO FICTÍCIO. Traços semânticos
inerentes decolam da classe predicadora e aterrissam na classe-escopo. Observe este
exemplo:

(8) Aquele velhinho está lendo atentamente um livro divertido. Dá tanta risada que a
qualquer hora destas ainda perde a dentadura.

Se formos examinar todas as predicações contidas em (8), encheremos


páginas e páginas. Vamos então nos concentrar só na primeira sentença, começando
por livro divertido. Livro é um objeto móvel, composto por páginas e capa, em que
estão escritas muitas coisas. Divertido é tudo o que nos torna alegres, felizes,
transportando-nos para fora do humor habitual (veja a etimologia da palavra divertir).
Um livro não é necessariamente divertido: imagine, por exemplo, o Livro dos mortos,
do Bardo Todol, para começo de conversa. Mas em (8), o livro tornou-se divertido.
Ou seja, traços lexicais inerentes de divertido voaram ao encontro de livro, e agora a
intensão dessa palavra se alterou; ou seja, considerando-se apenas a palavra livro, vê-
se que sua intensão não se alterou, mas isso ocorreu com livro divertido.
Observe agora o que ler está aprontando nessa sentença. Examinada
isoladamente, a palavra ler significava “colher”, em latim. Esse sentido ainda se
mantém em legumes, vegetais que colhemos para comer, separando-os das ervas
daninhas. Já em (8), ler significa “colher com os olhos as letras de uma página”.
Nessa sentença, ler toma por escopo ao mesmo tempo aquele velhinho e um livro
divertido. Bem, não é todo velhinho que lê, mas o de (8) faz isso, pois um traço
inerente de ler acertou o nosso velhinho, que agora passa a ser velhinho leitor. O
mesmo se pode dizer de livro: nem todo livro é lido, muitos servem apenas para
calçar armários oscilantes, outros para esconder dinheiro, e por aí vai. Mas o livro
mencionado em (8) agora é um livro lido. Avance para a segunda sentença e continue
a análise, observando o que dar risada está fazendo com aquele velhinho, o que tanta
faz com risada, o que perder faz com aquele velhinho e com dentadura, e assim por
diante.
A predicação, portanto, é uma operação de transferência de traços
semânticos que se movimentam pela sentença e pelo texto. Meu amigo Rodolfo Ilari
diz isso de modo mais elegante: “a predicação é a inclusão em um conjunto definido
pelo predicado” (comunicação pessoal). Ele informa que o exemplo clássico aqui é
“Sócrates é ateniense”, em que Sócrates dessa sentença passa a integrar um dos
elementos do conjunto {os atenienses}.
Toda sentença, todo texto, é um verdadeiro caldeirão predicativo. O exame
do traço transferido permite identificar na predicação pelo menos três grandes
mecanismos: (i) a transferência afetou a intensão da classe-escopo: ocorreu uma
predicação por qualificação, como em livro divertido; (ii) a transferência afetou a
extensão da classe-escopo: ocorrreu uma predicação por quantificação, como em
13

tanta risada; (iii) a transferência afetou a modalidade da classe-escopo: ocorreu uma


predicação por modalização, como seria em

(9) De fato / realmente, aquele velhinho está lendo atentamente um livro divertido.

em que os predicadores de fato e realmente tomaram por escopo toda a sentença,


tornando-a asseverativa. A predicação modalizadora faz mais que isso, transferindo
para o escopo o traço de avaliação contido no operador: basta ver o trabalho dos
advérbios modalizadores.
Apolônio Díscolo, gramático alexandrino do século I d.C., verbalizou uma
intuição fundamental para o entendimento do processo semântico da predicação,
ampliando-o consideravelmente. Ele integrava os estudos gramaticais em três pontos:
o som e a sílaba, a classificação das partes da oração e a própria oração: Bécares
Botas (1987: 32). A oração se realiza num nível duplo, o semântico (= a oração tem
uma significação autossuficiente) e o funcional (“os casos oblíquos se conectam com
os retos por meio de um verbo inserido entre ambos, a ação do qual passa do
nominativo <reto> para o oblíquo”: Díscolo, séc. I d.C./1987: 137).
É precisamente sua concepção sobre os casos que tem importância aqui. Para
Apolônio Díscolo, os casos não designam formas, e sim relações sintáticas. Assim, o
caso reto é o que está “ordenado”, ou está em “ordem coincidente” com a pessoa
verbal (Díscolo, séc, I d.C.: IV 46), fenômeno codificado na gramática pela relação de
concordância entre o verbo e seu sujeito, ao passo que o caso oblíquo é o “desviado”,
o não coincidente com a pessoa do verbo (Díscolo, séc, I d.C.IV 18), numa relação
não marcada pela concordância.
Essa percepção permite postular a predicação como uma relação semântico-
sintática de base, em que o predicador toma por seu escopo tanto o sujeito sentencial
quanto os argumentos internos, atribuindo-lhes casos (nominativo ao sujeito,
acusativo ao objeto direto, dativo ao objeto indireto, ablativo ao complemento
oblíquo), e papéis temáticos (agente, paciente, meta, beneficiário etc.).
Há muitas ordens de predicação, na dependência da classe semântica do
escopo. Se um predicador como divertido tomar por escopo uma expressão referencial
como livro, em livro divertido, teremos uma predicação de primeira ordem. Se um
predicador como atentamente tomar por escopo uma expressão predicadora como está
lendo, em está lendo atentamente, teremos uma predicação de segunda ordem, ou
seja, predicou-se um predicado. Mas se um predicador como de fato tomar por escopo
toda uma sentença, como em (9), teremos uma predicação de terceira ordem, ou
hiperpredicação, pois de fato predicou a sentença inteira.
Resumindo, a predicação pode ser definida como a relação entre um
predicador e seu escopo, tal que o predicador atribui traços semânticos, papéis
temáticos e casos gramaticais ao seu escopo. De novo, aquele embate entre traços
semânticos inerentes e traços semânticos adquiridos. Vejamos mais de perto o que são
os papéis temáticos
Os papéis temáticos, denominados em certas teorias como casos, são traços
semânticos atribuídos por um predicador ao seu escopo. Dispondo de uma base
cognitiva, os papéis temáticos correspondem a outras tantas representações
linguísticas do mundo que nos cerca. Dada essa base, os papéis temáticos têm um
caráter universal, diferindo das categorias estritamente sintáticas, que assumem
peculiaridades nas diferentes línguas naturais.
Não há correspondência biunívoca entre as funções sintáticas de sujeito,
complemento e adjunto e os papéis semânticos de agentivo, beneficiário, passivo etc.
14

que lhes são atribuídos. Tampouco dispomos de um quadro exaustivo desses papéis,
conquanto alguns projetos interlinguísticos tenham trabalhado nessa direção.
Para bem entender o que são papéis temáticos, é necessário distingui-los dos
traços semânticos inerentes, examinados em 2.0.
Diferentemente dos traços inerentes, os papéis temáticos, repetindo, são traços
atribuídos por um predicador a seu escopo. É bem antiga a percepção de que as
relações gramaticais podem ser entendidas como uma combinação de papéis
temáticos, ou de casos. A sentença é o lugar em que se realizam essas combinações.
O termo papel temático, usado pela primeira vez por Gruber (1965), convive
com os casos semânticos de Fillmore.
Em sua Gramática de Casos, Fillmore (1968, 1969/2003) buscou identificar os
universais sintático-semânticos. Deixando de lado a abordagem morfológica dos
casos, vale dizer, a captação dos sentidos contidos nos sufixos nominais, Fillmore
submeteu o assunto a uma forte generalização, definindo casos como um conjunto de
relações semânticas, descritas inicialmente nos seguintes tipos:

 Agentivo: caso do instigador da ação expressa pelo verbo, com o traço /animado/.
 Instrumental: caso que corresponde a uma força inanimada ou objeto ocasionalmente
envolvido na ação ou no estado.
 Dativo: caso de um ser animado afetado pelo estado ou ação.
 Factual: caso do objeto ou ser resultante de uma ação ou estado expressos pelo verbo,
direta ou indiretamente.
 Locativo: caso que remete ao local ou à orientação espacial do estado ou da ação.
 Objetivo: caso de qualquer coisa passível de representação por um substantivo, cujo
papel na ação ou no estado é atribuído pelo sentido do verbo. O objetivo é uma
espécie de caso omnibus, pois esta definição engloba todas as anteriores (Fillmore,
1968: 24-25).

Esse autor voltou ao assunto em Fillmore (1969/2003), reformulando a versão


anterior e agregando outros casos.
O termo “papel temático” e seu conceito têm tido uma enorme fortuna crítica.
De Jackendoff (1972) eles se irradiaram entre os sintaticistas gerativistas, integrando-
se na teoria auxiliar da estrutura argumental da sentença. Uma notável aproximação
entre funcionalistas e gerativistas se produziu quando Givón (1984) começou a
estudar o fenômeno, agora rebatizado para papéis semânticos. Outros autores da
vertente funcionalista trabalharam a questão: Heine; Claudi; Hünnemeyer (1991)
falam em categorias metafóricas, funções de caso; Svorou (1993) joga com as
entidades envolvidas num dado estado de coisas, focalizando as relações espaciais.
Esses e outros autores foram recolhidos por Kewitz (2007a) no Quadro abaixo, aqui
reproduzido, mantidas as notas de rodapé do original.
Quadro 1 – Papéis temáticos segundo Kewitz (2007 a)
FUNÇÕES ou PAPÉIS
AUTOR DEFINIÇÃO
TEMÁTICOS
AGENTE O “instigador” do evento.
Fillmore CONTRA-AGENTE Força ou resistência contra o qual a ação é realizada.
15

(1971, apud Entidade que move ou muda, ou, ainda, cuja posição
OBJETO
Palmer ou existência está sendo considerada.
1972/1975)1 Entidade que vem à tona, que surge como resultado de
RESULTADO
uma ação.
INSTRUMENTO Estímulo ou causa física imediatos do evento.
FONTE Lugar de onde algo se move.
ALVO Lugar para onde algo se move.
Entidade que recebe, aceita, experimenta ou sofre o
EXPERIENCIADOR
efeito da ação.
AGENTE Aquele que realiza a ação.
Chafe Aquele que está num determinado estado ou que sofre
PACIENTE
(1970/1973) mudança de estado.
Aquele que está mentalmente disposto a receber uma
EXPERIENCIADOR
experiência, percepção etc. Não é o instigador da ação.
BENEFICIÁRIO Aquele que se beneficia da ação.
Objeto que desempenha um papel no desencadeamento
de um processo, não sendo, porém, a força motivadora,
INSTRUMENTO
a causa ou o instigador. É algo que o agente usa na
ação.
Relação em que o verbo supõe a criação de algo (em
COMPLEMENTO geral, um nome cognato, como cantar uma canção,
jogar um jogo).
LUGAR Relação do verbo com uma expressão locativa.
Entidade que se beneficia de alguma ação. Ex.: João
BENEFACTIVO
Radford comprou flores para Maria.
(1988) Meio pelo qual algo acontece. Ex.: João bateu em
INSTRUMENTO
Carlos com uma vassoura.
Lugar em que algo está localizado ou acontece. Ex.:
LOCATIVO
João colocou a carta dentro da gaveta.
Entidade na direção da qual algo se move. Ex.: João
META
passou o livro para Maria.
Entidade a partir da qual algo se move. Ex.: João
FONTE/ORIGEM
voltou de Londres.
Participante tipicamente inanimado, usado pelo agente
INSTRUMENTO
Givón (1984) para realizar a ação.
Participante tipicamente animado, para cujo benefício a
BENEFACTIVO
ação é realizada.
Lugar, tipicamente concreto e inanimado, onde se
LOCATIVO localiza o estado, onde ocorre o evento ou para onde ou
de onde algum participante se move.
Participante associado ao agente, paciente ou dativo,
ASSOCIATIVO cujo papel no evento é semelhante, mas não tão
importante.
Modo como o evento ocorre ou como o agente realiza a
MODO
ação.
TR é uma situação; LM é uma entidade; a situação TR
BENEFACTIVO
Svorou ocorre para o benefício ou em nome de LM.
(1993)2 TR é uma situação; LM é uma entidade; a situação TR
MALEFACTIVO
ocorre em detrimento/malefício de LM.

1
Estes papéis (casos, nos termos de Fillmore) foram reformulados em relação aos apresentados em
Fillmore (1968). O autor substitui o caso FACTUAL por RESULTADO, e DATIVO por EXPERIENCIADOR,
desdobrando o caso LOCATIVO em FONTE e ALVO.
2
TR refere-se a Ing “trajector” (= entidade situada no espaço) e LM, a Ing “landmark” (= ponto de
referência; entidade de referência para a localização no espaço).
16

TR é uma situação; LM é uma entidade; a situação TR


INSTRUMENTO
ocorre com LM enquanto instrumento.
TR é uma situação; LM é uma entidade que participa da
COMITATIVO
situação TR junto com outros participantes.
TR é uma situação; LM é uma entidade que atua na
AGENTIVO
situação TR.
TR é uma situação; LM é uma entidade; a situação TR é
OBJETO DIRETO
voltada para LM.
TR é uma situação; LM é uma entidade; LM é o
RECIPIENTE recipiente em que ocorre a ação designada pela
situação TR.
TR é uma situação; LM é uma entidade; LM é a fonte de
FONTE
informação ou ação que a situação TR especifica.
TR é uma situação; LM é uma entidade múltipla; os
RECÍPROCO membros de LM participam da situação TR de forma
que há interação entre eles.
TR é um estado ou característica; LM é uma entidade; o
REFERÊNCIA
estado TR existe em relação a LM.
TR é uma situação; LM é uma entidade; a situação TR
DESSIVO
envolve LM.
TR é uma situação; LM é uma entidade; a situação TR
VIS-A-VIS
ocorre na presença de LM.
TR é uma situação; LM é uma entidade envolvida na
situação TR, a qual ocorre enquanto LM está num
determinado estado (descrito por um adjetivo)
CIRCUNSTANCIAL
temporariamente ou por acaso. Isto é, o estado não é
uma característica permanente da entidade (ex.: ele
comeu com as mãos sujas).

Peres e Móia (1995: 57) promovem uma discussão sobre os papéis temáticos,
de uma perspectiva gerativista, insistindo em que “os verbos têm propriedades de
atribuição de papéis semânticos”, e oferecendo os seguintes exemplos:

(10) Rita dançou.


(11) Rita desmaiou.

Nesses exemplos, foram conservados os traços inerentes de Rita, mas em


(10) esse item atua como sujeito /controlador/, ao passo que em (11), como sujeito
/não controlador/. Conclui-se que dançar atribui o papel /controlador/, e desmaiar, o
papel /não controlador/.
Outras observações nessa mesma linha podem ser feitas analisando as
seguintes sentenças, propostas pelos mesmos autores:

(12) Paulo bebeu água.


(12 a)*Paulo bebeu a caneta.
(13) Paulo engoliu água.
(13 a) *Paulo engoliu a caneta.
(14) Paulo obrigou Maria a cantar.
(14 a) *Paulo obrigou Maria a desmaiar.

Além dos sintagmas nominais que funcionam como argumentos, também as


sentenças substantivas podem receber papel semântico do verbo, como se pode
constatar por estes exemplos dos mesmos autores:

(15) João espera que lhe arranjem o telhado.


17

(16) João espera que lhe possam arranjar o telhado.


(17) João pediu que lhe arranjem o telhado.
(18) *João pediu que lhe possam arranjar o telhado.

Nesses exemplos, nota-se que esperar aceita argumentos sentenciais


modalizados, ao passo que pedir os rejeita.
O estudo da atribuição de papéis semânticos revela a riqueza sintática dos
predicadores, que selecionam classes lexicais, funções sintáticas e casos gramaticais
abstratos. Assim, se fôssemos descrever o comportamento semântico-sintático de
apanhar em

(19) João apanhou da vizinha.

teríamos, pelo menos,

(19a) apanhar SN ______SP


Sujeito ___Argumento oblíquo
Nominativo Ablativo
Paciente ___Agente

O arranjo de (19a) tem a vantagem de destacar que numa sentença se


abrigam várias categorias:

(i) categorias sintagmáticas (= sintagma nominal [SN] e sintagma preposicional


[SP]), (ii) categorias funcionais (= sujeito e argumento oblíquo),
(ii) casos gramaticais (= nominativo e ablativo), e finalmente
(iii) a grade temática (= paciente e agente). É interessante refletir que, ao produzir
uma sentença aparentemente tão simples, estamos na verdade operando
com um conjunto complexo de categorias linguísticas de variada ordem.

Cada uma dessas categorias pode ser assinalada nas diferentes línguas ou
pela marcação de um caso visível nas expressões (via flexões ou via
preposições/posposições), ou por sua marcação abstrata, invisível, porém detectável
por expedientes sintáticos tais como a proporcionalidade a um pronome. O latim
literário se enquadra no primeiro tipo e o português, no segundo.
Nessa rápida síntese, deve ter ficado patente que a teoria dos papéis temáticos é
compartilhada por gerativistas e funcionalistas. Num excelente balanço das
contribuições de ambas as perspectivas teóricas, Kato (1998) mostrou que as duas
confluem precisamente no domínio dessa teoria.

2.2. Apresentação

Como se viu, na predicação há um MOVIMENTO FICTÍCIO de propriedades lexicais


(traços inerentes), semânticas (papéis temáticos) e gramaticais (casos morfológicos)
de um operador para seu escopo.
Diferentemente da predicação, o processo semântico-gramatical de
apresentar um participante no discurso ou um estado de coisas não implica numa
atribuição de traços. As expressões apresentacionais tão somente introduzem um dado
novo, respondendo à pergunta “quem é X?”, “o que é X?”.
Bollinger (1975) descreve a motivação discursiva das sentenças
apresentacionais, nas quais reconhece uma “função apresentativa” que não tinha sido
ainda identificada entre as funções da linguagem. Suñer (1982) dedicou todo um livro
18

ao tema. Franchi; Negrão; Viotti (1998: 113) reconhecem nas apresentacionais um


processo sintático que “coloca em proeminência um de seus constituintes (...), o ‘foco
apresentativo’”.
Seguem-se alguns exemplos de verbos apresentacionais, alguns deles
transcritos desses autores:

(20) Verbos apresentacionais


a) Em São Paulo tem um problema específico de ter-se tornado um centro indústria.
b) Tinha um gato preto perto ela.
c) Ali havia uns eucaliptos sendo plantados.
d) Existe muitos outros meios de transporte que não são explorados (DID SP 46).
e) A – Mas quem será, a estas horas?
B – É o Luís.

Observe-se que os verbos ter, haver, existir, ser nessas sentenças não
atribuem traços a seus escopos, não os predicam.
Outras expressões, estudadas por Laura (2013), funcionam igualmente na
apresentação de termos da sentença:

(21) Expressões apresentacionais


a) Seguinte: de hoje em diante não trabalho mais.
b) Quanto a isto, nada mais tenho declarar.
c) Sobre esse assunto, melhor deliberar mais tarde.
d) A respeito dos apresentacionais, poderíamos estudar diacronicamente esse lance.
e) Relativamente a isso / por falar nisso, bom, deixe pra lá.

2.3. Verificação: inclusão, exclusão, focalização

No processo de predicação há um MOVIMENTO FICTÍCIO de propriedades lexicais


(traços inerentes), semânticas (papéis temáticos) e gramaticais (casos morfológicos)
de um operador para seu escopo.
O processo de verificação funciona diferentemente. Segundo Ilari; Basso
(2008b), entende-se por verificação uma comparação implícita entre o escopo e o
protótipo correspondente. Diversos resultados decorrem dessa comparação:

1. Há congruência entre o escopo e o protótipo: o escopo é afirmado.


2. Essa congruência não existe: o escopo é negado.
3. A comparação revela que há coincidência entre o escopo e o protótipo de sua
classe, e que isso deve ser destacado: o escopo é focalizado.
4. Reconhece-se que o escopo corresponde ao protótipo de sua classe: o escopo
é incluído.
5. Não se reconhece essa correspondência: o escopo é excluído ou é delimitado.

Os conceitos de afirmação, negação, focalização, inclusão, exclusão e


delimitação explicitam o que se entende por verificação, termo técnico, que significa
“avaliar o conteúdo de verdade”, “tornar verdadeiro”. Deve ser isso o que se passa em
nossa mente quando verificamos.
Veja o seguinte exemplo:
19

(22) Elas não gostam de jogar bola, e sim de passear na praia; fora as colegas que elas
acham chatas, convidam só aquelas mais chegadas, bem aquelas da turminha do colégio,
praticamente umas seis ou sete.

Em (22), comparando gostar de jogar bola com passear na praia, negou-se a


primeira atividade e se afirmou a segunda; comparando as colegas em seu conjunto,
fora excluiu algumas e apenas incluiu outras; bem focaliza as colegas que integram o
conjunto turminha do colégio; praticamente delimitou, no conjunto geral das colegas,
apenas seis ou sete.
As expressões não, sim, fora, só, bem e praticamente não transferiram traços
semânticos aos seus escopos, não predicaram, apenas verificaram sua congruência
com os parâmetros relacionados anteriormente.
A verificação se exprime através dos verbos apresentacionais existenciais e
equativos, dos adjetivos classificadores, dos advérbios de afirmação/negação,
inclusão/exclusão, focalização, delimitação; para uma elaboração, ver os capítulos “O
sintagma verbal”, “O sintagma nominal”, “O sintagma adjetival” e “O sintagma
adverbial”.
Os conceitos de afirmação, negação, focalização, inclusão, exclusão e
delimitação explicitam o que se entende por verificação, termo técnico que também
significa “avaliar o conteúdo de verdade”, “tornar verdadeiro”. Deve ser isso o que se
passa em nossa mente quando verificamos.
Vamos nos limitar à verificação por inclusão/exclusão, e por focalização.

(1) Inclusão / exclusão

Ao longo de uma enunciação, incluímos ou excluímos participantes, através de


categorias tais como os advérbios de inclusão / exclusão. Essas classes adicionam ou
subtraem indivíduos de um conjunto, como em Mais feijão e menos conversa! Neste
exemplo, a combinação de "mais" e "menos" com substantivos /contáveis/ produziu o
significado de adição / subtração de participantes. Se os substantivos predicados
fossem /não contáveis/, o efeito seria de Qualificação graduadora intensificadora,
como neste diálogo: Mais amor e menos confiança!

(2) Focalização

É um processo por meio do qual pomos em destaque, em realce, parte da informação


que estamos processando.
Esse processo se realiza prosodicamente (pronunciando a palavra focalizada
em tessitura diferente), lexicalmente (usando advérbios de focalização), e
sintaticamente (movendo para a esquerda o constituinte focalizado, ou destacando-o
por meio de é ... que).
Para Langacker (1991), a focalização ocorre quando acessamos porções
particulares ou aspectos do nosso universo conceptual, para representá-lo
linguisticamente. Segundo esse autor, a focalização envolve os seguintes graus: (i)
Alinhamento por figura / fundo: tradicionalmente descritos em termos de estrutura
informacional, relação “novo / velho”, “foco”, este processo se manifesta, por
exemplo, na organização da sentença complexa, em que a sentença matriz declarativa
expressa o fundo, enquanto que a subordinada expressa a figura. (ii) Composição: é
um tipo particular de focalização inerente a expressões individuais. Exemplificam a
composição as palavras compostas e as derivadas, tais como compositor, guarda-
20

roupa. (iii) Escopo: é “a seleção inicial de um conteúdo conceptual para a


apresentação linguística”: Langacker (em preparação: 3.7). Podemos ter aqui ou uma
cobertura total do domínio – o escopo máximo – ou uma cobertura limitada – o
escopo imediato -. O escopo máximo de uma expressão é o conjunto de conteúdos
conceptuais que ela evoca. Dentro do escopo máximo, há muitas vezes o escopo
imediato, que é a porção diretamente relevante para determinado propósito. Um termo
como cotovelo envolve o escopo máximo que é o corpo humano, e o escopo imediato
que é o braço, o mesmo podendo dizer-se de dedo em relação a mão, e de nó do dedo
em relação a dedo. O perfil de uma expressão é o foco específico de atenção dentro de
seu escopo imediato.
O domínio que foi escolhido via focalização torna-se proeminente / saliente.
Há dois tipos de proeminência: perfil e alinhamento trajetor / marco.

(i) Perfil é o mesmo que referente: Langacker (em preparação: 3.11). Uma
expressão pode perfilar uma coisa ou uma relação. A mudança de perfil
desencadeia uma metonímia; assim, quando num restaurante alguém diz “eu
sou tiramisu”, referindo-se à sobremesa que tinha escolhido, o perfil de
sobremesa se moveu para o de pessoa. Ao perfilar uma pessoa ou uma coisa,
damos-lhe proeminência.

(ii) Alinhamento figura / ponto de referência (Ing trajector / landmark). Quando


uma relação é perfilada, atribuímos diferente proeminência aos seus
participantes. O participante mais proeminente é a figura, concebida como a
entidade inicial que pode ser localizada, avaliada ou descrita. Ela é o primeiro
foco dentro da relação que está sendo perfilada. O participante menos
proeminente é o ponto de referência, tomado como foco secundário da cena.
Assim, em “O abajur está sobre a mesa”, abajur é a figura, e mesa o ponto de
referência. Parece haver uma regularidade no jogo entre a escolha da figura e a
escolha do ponto de referência, tanto assim que dificilmente diríamos “A mesa
está debaixo do abajur”.

2.4. Categorias semânticas do verbo

Aspecto, tempo, modo e voz são categorias semânticas do verbo. Sobre isso, ver, pelo
menos, Ilari; Basso (2008a), Castilho (2010: cap. 10).

LEITURAS SOBRE SEMÂNTICA GRAMATICAL

Bolinger (1975), Lyons (1977, vol. 2), Suñer (1982), Negrão (2002), Castilho; Moraes de Castilho
(2002), Chierchia (2003, caps. 1-4), Peres (2013), Laura (2013), Ilari (2014).

ATIVIDADES

Organize um corpus, transcrevendo sintagmas de textos de jornal. Em seguida, procure caracterizar os


diferentes sintagmas de um ponto de vista semântico, focalizando seu núcleo. Verifique se o núcleo
conservou seus traços inerentes ou se exibe traços adquiridos, explicando, neste caso, o tipo de
alteração havida.

LEITURAS SOBRE AS CATEGORIAS SEMÂNTICAS DO VERBO

Aspecto: Castilho (1968, 1999, 2010: pp. 416-440), Comrie (1981, 1981), Travaglia (1981), Soares
(1987), Barroso (1994), Bybee; Pagliuca (ed. 1994).
21

Tempo: Castilho (1967), Corôa (1993), Ilari (1997, 1999), Ilari; Mantoanelli (1997), Ilari; Basso (2008
a).

ATIVIDADES

1. Com base na literatura acima, identifique os critérios adotados para a descrição semântica do aspecto
e do tempo verbal. Pode-se afirmar que o aspecto verbal represente algumas categorias cognitivas?
Quais?
2. Compare o uso do tempo verbal em sentenças simples com seu uso nas sentenças subordinadas
substantivas e reflita sobre o papel dessa categoria numa língua como a portuguesa.
3. Estude o voz verbal na organização semântica das sentenças.

2.5. Conectividade preposicional e conjuncional

Outra categoria da Semântica gramatical é a conectividade, gramaticalizada como


preposições e conjunções. Essas classes ligam palavras e sentenças, com a diferença
de que as preposições, como classe igualmente predicadora, atribuem ao seu escopo
traços de lugar, tempo, entre outros, propriedade não exercida pelas conjunções. A
face semântica dessas classes vem sendo vigorosamente descrita.

LEITURAS SOBRE PREPOSIÇÕES E CONJUNÇÕES

Stammerjohan (Ed. 1977), Ducrot; Vogt (1978), Lemle (1984), Vandeloise (1986/1991), Guimarães
(1987), Lobato (1989), Sweetser (1990), Moraes de Castilho (1991), Pontes (1992), Risso (1993),
Longhin-Thomazi (2006, 2009), Castilho (2003 a, 2004 a, 2010: 591-610), Modolo (2004, 2006),
Lima-Hernandes; Ilari (2008 a,b).

ATIVIDADES

1. Verifique na literatura como a categoria de referenciação vem sendo estudada. Pode-se dizer que
essa categoria se limita ao campo da Gramática?
2. Redija um texto apresentando os papeis temáticos que têm sido analisados em nossas gramáticas
escolares.
3. Faça um levantamento das conjunções que introduzem sentenças substantivas e sentenças adverbiais.
Quais delas conservam um sentido identificável, e quais sofreram dessemantização? Procure explicar o
que você descobriu.

3. SEMÂNTICA DISCURSIVA: A SIGNIFICAÇÃO DO TEXTO E SUAS CATEGORIAS

Apresentação: a significação é uma categoria que só pode ser definida no texto ou no


contexto que envolve uma interação linguística. Assim, a Semântica discursiva, ou
Semântica pragmática, trata das significações geradas no espaço que medeia entre os
locutores e os signos linguísticos, significações essas não contidas nas palavras nem
nas construções gramaticais envolvidas, expressas no texto: Vogt (1977), Ilari;
Geraldi (1985).
As seguintes categorias são configuradas no espaço entre a Semântica e o
Discurso: (1) foricidade: anáfora e catáfora, (2) dêixis locativa e temporal, (3)
inferência e pressuposição, (4) paráfrase, (5) articulação tema-rema.

3.1. Foricidade: anáfora e catáfora

Entende-se por foricidade a operação desencadeada por itens lexicais que trazem de
22

novo à consideração noções já identificadas anteriormente (anáfora), ou a serem


veiculadas posteriormente (catáfora) no texto. Essa palavra deriva do Gr phoréo
(“trazer”, “conduzir”), cuja contraparte latina é fero, de onde derivou foricitas, que é o
étimo de foricidade.
Assim, em

(23) O aluno disse que ele não gosta de aulas.

se entendermos que ele aponta para um participante da situação de fala, parafraseável


por ele aí, houve uma interpretação dêitica do item. Se entendermos que ele retoma o
aluno, houve uma interpretação fórica do item. Ambas as interpretações são
perfeitamente possíveis, mostrando que há uma diferença entre retomar (= foricidade)
e indiciar (= dêixis). De novo aquela ideia segundo a qual uma mesma expressão
pode enquadrar-se simultaneamente em mais de uma categoria.
Halliday; Hasan (1976) assim descreveram a atuação da foricidade: (1)
endófora – retomada de referentes que já foram mencionados no texto (= anáfora) ou
antecipação de referentes que ocorrerão no texto (= catáfora); (2) exófora – menção a
referentes presentes na situação de fala, não verbalizados no texto. Numa sala de aula,
pode ocorrer o seguinte ato de fala:

(24) Esta é uma verdade: dentre os argumentos do autor, estes primeiros são aceitáveis,
aqueles outros não se sustentam. Falando em sustentação, pegue esse aí e preste mais
atenção.

Em (24), esta é um catafórico, anunciando o substantivo verdade e a sentença


complexa que vem depois dos dois pontos. Estes e aqueles são anafóricos, retomando
argumentos próximos (estes) ou afastados (aquele) no tempo do discurso. Esse aí
remete a um participante não verbalizado no discurso, provavelmente o lápis que caiu
da boca de um aluno sonolento.
Segundo Salum (1983), os comparatistas promoveram certa confusão no uso
dos termos designativos desses processos semânticos, tanto quanto no dos termos
designativos das classes gramaticais que os expressam. De fato, o termo grego
anaphorikòs foi traduzido no latim por relativus (de re + latum, particípio de fero) e
deiktikòs por demonstrativus (de de + monstrare, “apontar para algo retirado de um
conjunto”).
Sucedeu que os termos anáfora, uma das manifestações da foricidade, e dêixis
foram apropriados pelos gramáticos para a designação de processos semânticos, ao
passo que relativo e demonstrativo foram utilizados para a designação de classes de
palavras. Ora, outras classes além do pronome relativo retomam conceitos, e o
demonstrativo não é a única classe que indicia os referentes. E ainda por cima,
referência, vocábulo latino calcado em refero (“voltar atrás”), que é uma tradução
perfeita do grego anaphorà, passou a ser usado modernamente para designar ora o
conteúdo dos substantivos, ou seja, seu referente, acepção escolhida neste texto, ora
para designar a retomada de conteúdos, como sinônimo de anáfora. Belíssima
confusão!
Essas observações mostram que os limites entre a dêixis e a foricidade
tornaram-se pouco nítidos. Carreter (1953 / 1962: 130) agrega uma explicação
auxiliar sobre como os limites entre esses termos foram borrados: a dêixis

“consiste em assinalar algo que está presente diante de nossos olhos: aqui, ali, tu,
isto etc. Quando a função dêitica não consiste em fazer uma demonstratio ad
23

oculos, mas apenas assinala um termo da frase já anunciado, recebe o nome de


anáfora”.

Embora se pudesse de fato reduzir a dêixis e a foricidade a uma só


propriedade, considerando a anáfora numa sorte de “dêixis textual”, preferimos seguir
distinguindo os dois conceitos, dada sua diferente representação na gramática de
nossa língua.
Sumarizando, entendida como “remissão”, a foricidade representa um
segundo conhecimento da coisa, sendo que o primeiro conhecimento é dado pelos
processos de referência ou designação. Através da anáfora, retomamos um tópico
discursivo, trazendo de novo à consciência os participantes do discurso mencionados
anteriormente, ou presentes no contexto. Analisando o papel da foricidade na
construção do texto, Marcuschi; Koch (2006: 383) destacam a categoria de
MOVIMENTO que subjaz à foricidade, quando afirmam que

“Cabe, ainda, ressaltar que um texto não se constrói como continuidade progressiva
linear, somando elementos novos com outros já postos em etapas anteriores, como se
o texto fosse processado numa soma progressiva de partes. O processamento textual
se dá numa oscilação entre dois movimentos: um para frente (projetivo) e outro para
trás (retrospectivo), representáveis parcialmente pela catáfora e anáfora. Além disso,
há movimentos abruptos, há fusões, alusões etc. (grifos meus)

Marcuschi e Koch estão lidando com o movimento fictício, já referido aqui.

3.2. Dêixis locativa e temporal

Entende-se por dêixis uma categoria que depende crucialmente da situação discursiva,
e não das propriedades intensionais necessárias à configuração das categorias de
referenciação e predicação, já aqui examinadas.
Assim, o entendimento de expressões como (i) eu, este/esse, aqui, hoje; (ii)
você, esse/este, aí, amanhã; (iii) ele, aquele, lá, outrora, entre outras, depende da
situação em que elas foram veiculadas. A referência desses termos está no discurso,
na situação social concreta que envolve os falantes, e não apenas nessas palavras. As
expressões dêiticas selecionam obrigatoriamente a significação discursiva. Sem a
dêixis e o eixo que ela organiza no discurso, não há discurso.
É o que se observa no seguinte exemplo:

(25) Seguinte, meu caro, agora sou eu aqui e você lá, tá bom?

Em (25) ocorreram as seguintes expressões dêiticas: (i) eu indica o falante e


aqui, o lugar que ele ocupa; (ii) você indica o interlocutor e o lá, o lugar que ele
ocupa; (iii) agora indica um ponto na perspectiva temporal do discurso, implicitando
que desse ponto em diante a relação entre os interlocutores vai mudar. Note que se eu
corresponder a João, e você corresponder a Pedro, este bem pode retrucar que

(26) Você tá é esquecido, eu já tinha combinado isso com você faz tempo!

Em (26), os termos mudaram de designação, e agora eu = Pedro, e você =


João. Embora João continue sendo João, e Pedro, Pedro, pois são termos referenciais,
eu e você mostraram-se intercambiáveis, pois são termos dêiticos. Isso retoma a
24

conversa atual e as conversas anteriores mantidas entre ambos, pois é um termo


fórico.
O termo dêixis corresponde em português exatamente à palavra grega
déiksis, que significa literalmente “mostração”. Esse termo deriva, por sua vez, do
verbo grego déiknymi, “mostrar”, “apontar”. Nos exemplos anteriores, os itens
lexicais eu e você “apontam” verbalmente para as pessoas do discurso, aqui e lá
“apontam” verbalmente para o espaço físico ocupado por elas, e agora “aponta”
verbalmente para o tempo em que o acordo deve ser observado. E não nos
esqueçamos do adjetivo seguinte, usado para introduzir no discurso o trato que está
sendo estabelecido.
Durante uma conversa, gesticulamos e produzimos sequências sonoras. A
dêixis realiza as duas tarefas, nela confluindo o gesto de ostensão e a sequência de
sons. Por isso mesmo, a dêixis tem sido bastante estudada na literatura. Vale a pena
retomar alguns pontos desse longo percurso.
No mundo antigo, Apolônio Díscolo (século I d.C., pág. 166 da tradução
espanhola) argumentava que os pronomes de primeira e segunda pessoa:

“servem para discernir pessoas ainda não definidas, com o que as pessoas por eles
significadas se fazem definidas. É claro que as suas dêixis são as primeiras vias de
entrada das pessoas que lhes subjazem, e por isso não precisam da companhia do
artigo, já que não pode haver anáfora de pessoas que se mostram à vista”.

Mas os pronomes abarcam também os de terceira pessoa, “pois também se


realizam como anafóricos, desde que as pessoas sejam conhecidas de antemão, e
como dêiticos, se a pessoa está à vista”: Apolônio Díscolo (séc. I d.C., pág. 165 da
tradução espanhola, 1987).
Bühler (1934/1961) formulou a teoria da dêixis na Linguística moderna. Para
ele, as expressões linguísticas (“campos”, em sua terminologia) se dividem em
simbólicas e em dêiticas. Os símbolos são referencialmente estáveis, ao passo que a
dêixis depende da situação de fala em que está ancorada. Entendida também como
“ostensão”, a dêixis, segundo esse autor, representa um “primeiro conhecimento da
coisa”. Através da propriedade dêitica, inserimos entidades na corrente do discurso. O
“segundo conhecimento” ocorre quando retomamos, via foricidade, essas mesmas
entidades. Diferentes classes gramaticais codificam a dêixis: os pronomes, os
advérbios de tempo e de lugar, certos morfemas (como os de tempo), entre outros.
Câmara Jr. (1977: 90) acompanha Bühler, ao definir a dêixis como a

“faculdade que tem a linguagem de designar mostrando, em vez de conceituar. A


designação dêitica, ou mostrativa, figura assim ao lado da designação simbólica ou
conceitual em qualquer sistema linguístico. Podemos dizer que o SIGNO linguístico
apresenta-se em dois tipos – o SÍMBOLO, em que um conjunto sônico representa ou
simboliza, e o SINAL, em que o conjunto sônico indica ou mostra. O pronome é
justamente o vocábulo que se refere aos seres por dêixis em vez de o fazer por
simbolização, como os substantivos. A dêixis se baseia no esquema linguístico das
três pessoas gramaticais que norteia o discurso: a que fala, a que ouve, e todos os
mais seres situados fora do eixo falante-ouvinte”.

Benveniste (1966: 84) mostrou que os dêiticos constituem uma “irrupção do


discurso no interior da língua, porque o seu próprio sentido [...], embora releve da
língua, apenas se pode definir por alusão ao seu emprego”. Comentando este autor,
Mílton do Nascimento, em comunicação pessoal, me fez lembrar que a dêixis é uma
25

condição da linguagem: “não há enunciado sem enunciador/enunciatário sem a


construção de um EU-TU, da relação espelhada EU-TU, a qual envolve os dêiticos por
excelência, num AQUI/AGORA da enunciação”.
Para Ducrot e Todorov (1972/1998: 302), dêiticos são “expressões cujo
referente só pode ser determinado em relação aos interlocutores. Assim, os pronomes
de primeira e segunda pessoa designam respectivamente a pessoa que fala e aquela a
quem se fala”.
Segundo Lyons (1979: 290),

“todo enunciado linguístico se realiza num lugar particular e num tempo particular:
ocorre numa certa situação espaço-temporal. É produzido por uma pessoa – o
falante – e em geral se dirige a alguma outra pessoa – o ouvinte. O falante e o
ouvinte, diremos, são tipicamente distintos um do outro, podendo, certamente, haver
mais de um ouvinte, e estão, além disso, na mesma situação espaço-temporal”.

Ele acrescenta que

“a noção de dêixis – que é simplesmente a palavra grega que exprime a ação de


“apontar” ou “indicar”, e veio a ser um termo técnico da teoria gramatical – foi
introduzida para indicar os traços “orientacionais” da língua que se relacionam
com o tempo e o lugar do enunciado. Os chamados pronomes pessoais – eu, tu
(você), ele, etc. – constituem apenas uma classe dos elementos da língua cujo
significado se determina pela referência às “coordenadas dêiticas” da situação
típica do enunciado. Outros elementos que incluem um componente de dêixis são
advérbios de lugar e de tempo – como aqui, aí, ali, lá, acolá (de lugar) e agora e então
(de tempo), que indicam o “próximo” e o “não próximo” do falante (e às vezes
também do ouvinte) e o “momento em que se fala” e o “não momento em que se
fala”. São esses os exemplos mais evidentes da maneira pela qual a estrutura
gramatical de uma língua pode refletir as coordenadas espaço-temporais da
situação típica do enunciado. A situação típica no enunciado é egocêntrica: como o
papel do falante se transfere de um participante para outro numa conversa, muda-se
assim o “centro” do sistema dêitico, usando o falante eu para referir-se a si mesmo,
tu, você etc. para dirigir-se ao ouvinte. O falante está sempre no centro da situação
do enunciado”.

Lahud (1979: 40) afirma que a noção de dêixis está muito vinculada à classe
linguística dos pronomes pessoais (eu/você, mais precisamente), aos pronomes
demonstrativos (isso) e às formas temporais do verbo. Observe-se que essas classes
representam algumas categorias cognitivas: PESSOA, ESPAÇO
(proximidade/afastamento) e TEMPO. Isso faz delas uma única classe.
No PB, a dêixis tem uma codificação flexional e lexical. A pessoa só tem
flexão no verbo; nas demais classes, é o lexema que representa essa categoria. Os
itens lexicais expressam uma localização positiva e uma localização negativa dos
participantes do discurso. Localizam-nos positivamente os itens que os dispõem num
eixo de proximidade ou de não proximidade com respeito ao locutor: este/esse, aqui,
hoje fornecem uma localização próxima, ao passo que aquele, lá, ontem/amanhã
provêm uma localização remota. Localizam-nos negativamente os itens que não têm
esse poder de discriminação, como os artigos. Como já se disse, podemos também
representar a dêixis extra verbalmente, por meio da ostensão: apontar com o dedo,
estirar os lábios, como na piada do caipira, quando informou que determinado ponto
geográfico “ficava logo ali, pertinho, pertinho”. Coitado de quem acreditou!
26

3.3. Inferência e pressuposição

Inferir é criar realidades semânticas a partir daquelas previamente existentes. Veltman


(1993, s.v. inference) distingue a inferência dedutiva da inferência argumentativa.
A inferência dedutiva diz respeito ao raciocínio lógico, correspondendo à
premissa de um silogismo, levando-nos a uma conclusão. Ela corresponde ao
raciocínio:

(27) Se p, então q.

como em

(27a) Se está frio na sala, então ele fecha a janela.

A inferência argumentativa diz respeito ao raciocínio baseado no senso


comum:

(28) Se q, então p.

como em

(28a) Se ele fecha a janela, então é porque está frio na sala.

Em (28 a), praticamos uma anomalia do ponto de vista da inferência dedutiva,


aceitável, porém, do ponto de vista pragmático. A inferência argumentativa
corresponde às implicaturas de Grice (1967/1982).
As inferências podem trombar com outros processos semânticos, como neste
exemplo:

(29) Cena de inverno. A avó está sentada em sua poltrona, enquanto seu neto tecla
furiosamente seu jogo eletrônico.

Vovó: Mas que frio, nesta sala!


Neto de antigamente: Vou fechar a janela, vovó.
Neto de hoje em dia: É assim mesmo, vovó, os velhos vivem passando frio.

O neto de antigamente inferiu que sua avó lhe pedia que fechasse a janela. Sua
fala criou uma realidade semântica inexistente na fala de sua avó. O neto de hoje em
dia escolheu outro processo semântico, o da paráfrase, que não cria realidades
semânticas diferentes, o que lhe permite continuar concentrado em seu jogo.

Pressupor é entender alguma coisa que não foi dita, que não foi “posta”.
Podemos entender (30b) a partir de (30 a):

(30)
a) Locutor: Xi, cara, estou sem dinheiro nenhum.
b) Interlocutor: Até você deu agora de pedir dinheiro emprestado? Eu não tenho. Depois,
você não vai me pagar mesmo.

A pressuposição decorre do princípio da economia comunicativa: muita coisa


deixa de ser expressa no discurso, sendo então pressuposta.
27

Caffi (1993: s.v.) põe o assunto em termos dos segredos de alcova, quando
diz que “a pressuposição pode ser definida como um ‘ménage-à-trois’ entre o locutor,
a moldura de sua locução e o interlocutor”. O interlocutor entende (30b) quando o
locutor produz (30 a). Na moldura da locução, alguém não consegue um empréstimo
se há dúvidas sobre sua liquidez financeira.
PB e PE parecem distinguir-se no jogo que fazem da pressuposição. Tanto
quanto saiba, este é um recanto até aqui pouco explorado no conhecido esporte
“comparando PB e PE”, vulgo, “as aves que aqui gorjeiam...”. Vejamos alguns casos.

(31) Diálogo numa papelaria em Lisboa, sexta-feira à tarde, hora de fechar o estabelecimento.
Um brasileiro, percebendo certa irritação de parte do vendedor e já disposto a voltar no outro
dia, pergunta:
a) Os senhores fecham aos sábados?
b) Não, senhor.

O brasileiro volta no sábado, mas o estabelecimento está fechado. Na


segunda-feira, trava-se o seguinte diálogo:

c) Brasileiro: Eu voltei aqui no sábado, mas a papelaria estava fechada, apesar de minha
pergunta.
d) Vendedor: O senhor perguntou se fechávamos, disse-lhe que não, pois se não abrimos
como havemos de fechar?

O operador argumentativo portanto não tem os mesmos usos no Brasil e em


Portugal.

(32)
a) Brasil: estão fazendo uma pesquisa... não é? com os professores... (...) bem... eu fiz o
seguinte... eu contei... a aula passa:da... quantos grupos estiveram... aqui presen:tes...
fazendo aquele trabalho de:... definição: tare:fas “necessidades da sociologia do direito”...
como grupo de trabalho e contei os seguintes grupos o grupo a: o b: o c: o d: o e: o f: o h:...
e o i:... portanto temos entre oito nove grupos... no máximo... talvez eu tenha deixado algum
grupo... de fora... (EF REC 339).
b) Portugal: Portanto... vamos ter ali ao bar e tomamos uma bica.

No Brasil, portanto de (32 a) anuncia uma conclusão derivada do dito, do


posto, localizando-se entre sentenças. Em Portugal, portanto anuncia uma conclusão
derivada do pressuposto, do não dito, localizando-se à testa da sentença, como os
marcadores discursivos. No caso narrado em (32b), um grupo de amigos encontra-se
por acaso. Armado o pressuposto de que amigos reunidos tomam logo um café (=
uma bica), portanto anuncia uma conclusão sacada desse pressuposto.
Não é preciso refletir muito para concluir que as fronteiras entre as
inferências e as pressuposições exploráveis nas línguas naturais têm a robustez de um
tecido de filó. Por conta disso, não faltou quem dissesse que a pressuposição
pragmática, nascida com grande arruído na década de 1970, morreu na década de
1980. Esse parece ser nitidamente o caso de coveiros apressados. Afinal, ainda não
exploramos as formas gramaticais que criamos movidos por uma pressuposição. Quer
uma amostra grátis? Dê um pulo até Castilho (2010, seção 9.2.2.1).

3.4. Paráfrase
28

Paráfrase é a recursão dos mesmos significados, com palavras diferentes. Ela é um


dos processos constitutivos do texto, consistindo na recorrência de conteúdos. O
termo remete a diversas realidades, aqui sumarizadas.
Fuchs (1982: 49-50) assim a definiu:

“Transformação progressiva do ‘mesmo’ (sentido idêntico) no ‘outro’ (sentido


diferente). Para redizer a ‘mesma coisa’ acaba-se por dizer ‘outra coisa’, no termo
de um processo contínuo de deformações negligenciáveis, imperceptíveis.”

O paradoxo da paráfrase está nisto: é uma repetição de conteúdos que,


precisamente por terem sido repetidos, acrescentaram-se semanticamente e, nesse
sentido, mudaram. Não é preciso dizer mais nada para mostrar a importância da
paráfrase na manutenção da conversação e na criação do texto.

Vejamos este exemplo, em que M representa o segmento matriz e P, o


segmento parafraseado:

(33) Exemplo de Hilgert (2006: 290)


M então a minha de onze anos... ela supervisiona o trabalho dos cinco...
então ela vê se as gavetas estão em ordem... se o:: material escolar já foi re/arrumado para
o dia seguinte... se nenhum:: fez:: arte demais no banheiro... porque às vezes... estão
tomando banho e ficam jogando água pela janela
P quer dizer... é supervisora nata

Como se vê em (33), a paráfrase “tece a macroestrutura de um tópico


conversacional, na medida em que mantém a centração tópica” (Hilgert, 2006: 284).

São muitas as funções da paráfrase no tratamento discursivo do tópico: (1)


expansão vs. redução, (2) determinação vs. indeterminação, (3) ênfase vs. atenuação
etc.

Vejamos exemplos dos dois primeiros processos.

(34) Paráfrase expansiva/redutora. Exemplo de Hilgert (2006: 290-291)


M não que eu deseje::: liberda...de...
P deseje eh eh estar assim sem obrigações para com as crianças(D2 SP 360)

(35) Paráfrase determinadora/indeterminadora


a)
M eu noto que muito paulista fica um pouco chocado... com o linguajar carioca
P nós ficamos um pouco chocados com o esse e o erre exagerados (D2 SP 333)
b)
M agora vamos usar um termo que eu uso bastante
P e que todo mundo usa (D2 SP 333)

Em (34), foi usado o esquema “matriz expansiva  paráfrase redutora”, visto


que liberdade tem uma amplitude semântica maior do que sem obrigações.
Observe-se que em (35a) o locutor usou o esquema “genérico  específico”,
ao trocar muito paulista, ou seja, um paulista que não se sabe direito quem é, por nós,
especificando o sujeito da sentença. Já em (35b) o mesmo locutor seguiu o caminho
inverso, “específico  genérico”, localizando em si mesmo a responsabilidade pelo
uso de um termo, generalizando depois esse uso, talvez para preservar sua face de
29

bom falante do português.


Parece que as paráfrases expansivas jogam com definições, explicações – e,
portanto, com sinônimos e hipônimos. Já as paráfrases redutoras partem para os
resumos, manipulando hiperônimos. É muito provável que o desenvolvimento dessas
categorias léxico-semânticas se explique através das estratégias de parafraseamento
que usamos todo dia, mantendo uma conversa, organizando um texto.

3.5. Articulação tema-rema

Herman Paul (1880/1920/1970) identificou na sentença a sede do processo


informativo da língua. Essa percepção conheceu muitos desdobramentos, sobretudo
entre os linguistas da Escola de Praga.

As seguintes definições exploram a perspectiva informacional da sentença:

(1) “A sentença associa em si dois elementos, o tópico, que é aquilo sobre


que o falante quer falar, e o foco, que é aquilo que é dito sobre o tópico” (Mathesius,
1915, 1929, 1939, 1942, apud Firbaš, 1957, 1971, 1975; Daneš, 1966, 1974, 1974,
1995). Esse ponto de vista ficou conhecido como “perspectiva funcional da sentença”,
configurando a teoria da articulação tema-rema.

(2) “A oração se realiza como unidade comunicativa, bipartindo-se em tema


(ou tópico) e rema (ou núcleo, ou comentário, ou foco), ou, ainda, num segmento
comunicativamente estático, oposto a um segmento comunicativamente dinâmico”
(Ilari, 1986a/1992/2004: 37). Ilari retoma a bipartição tema-rema à página 42,
desenvolvendo o assunto da seguinte forma:

toda oração serve para realizar duas ações básicas e irredutíveis, que descrevemos
na linguagem de todos os dias mediante os predicados “falar de” e “dizer que”: o
primeiro desses predicados captaria o papel de tópico, e o segundo o papel de foco.
Toda frase envolveria, em suma, dois “atos de fala”, cada um dos quais obedece a
condições específicas.

E mais além, na página 178:

conquanto, nessa análise em atos de fala, as duas expressões falar a respeito de e


dizer que devam ser consideradas como primitivas (no sentido de que não se
deixam definir por outras expressões mais básicas), cabe perguntar que tipo de
ação verbal representam: trata-se num caso de uma ação de referência, e no outro,
de uma ação de asserção, ou informação.

O “objeto de predicação”, o “segmento comunicativamente estático”, a “o


objeto a respeito do qual se fala ou ao qual se faz referência”, a “ação de referência” é
o tema. A “predicação sobre esse objeto”, o “segmento comunicativamente
dinâmico”, a “ação de dizer que”, a “ação de asserção ou informação” é o rema.
Numa linha teórica voltada para o que se convencionou chamar
empacotamento semântico na sentença, Prince (1981) e Chafe (1970/1973, 1987 b)
pesquisaram as relações entre o status informacional e a organização sentencial. Eles
admitiram, implicitamente, uma correspondência entre elementos de informação e
estruturas sintáticas, explorando assim as propriedades discursivas da sentença.
30

O elemento de informação é um conceito que os falantes têm de um


indivíduo, de um estado de coisas, de uma qualidade, e assim por diante. Tal elemento
pode estar no foco da consciência dos falantes: neste caso, ele é ativo, e pode ser
evocado. Outro elemento pode ser inferido do elemento focal, apresentando-se no
texto como semiativo, ou accessível. Finalmente, há elementos de informação que no
início da interação não estão nem ativos nem semiativos na consciência dos falantes,
demandando deles um esforço para integrá-los no fluxo da consciência. Tais
elementos são informacionalmente novos.
Como se pode observar, tais reflexões retomam as distinções formuladas pela
teoria da articulação tema-rema, que postulara a língua como uma entidade dinâmica.
A noção de dinamicidade vem da intuição segundo a qual o rema sentencial faz
avançar o texto (Ilari, 1986a/1992/2004).
Por outro lado, o rema de uma sentença pode se transformar no tema da
sentença seguinte, mecanismo que estabelece a interface “construção da sentença /
construção do texto”.
Observando a sucessão dos temas sentenciais, Daneš (1966) fez uma
importante observação, de interesse para o estudo das propriedades discursivas do
substantivo: partindo da ideia de que tema e rema são categorias dinâmicas, o que se
aprende sobre a organização textual, quando nos deslocamos do tema sentencial para
o tópico conversacional, navegando da gramática para o discurso? Alguns esquemas
podem ser aí identificados: o tema caótico, o tema constante, o tema derivado e o
tema fendido – atenção, escrevi fendido, nada de associações vocabulares! Venham
exemplos:

(1) Tema caótico

Nas conversações mais espontâneas, não planejadas, o falante hesita em fixar-se em


determinado tema, produzindo sequências truncadas, separadas por reticências:

(36) aí a lama desceu sobre os barracos... o corpo de bombeiros ficou lá embaixo... criança
berrava pela mãe... o governador em Nova Iorque... a escola de samba... aí então... mas
do que é mesmo que eu estava falando?

(2) Tema constante

O tema é sempre o mesmo, podendo ser introduzido por um substantivo e retomado


por pronomes ou por um zero. Ele se articula com diferentes remas, num
procedimento comum nas narrativas:

(37)
a) o cinema brasileiro... nun::ca... nunca morreu... houve sempre uma continuidade... ah
marginalizado... ah completamente... (...) mas o cinema sempre... sempre continuou a
existir... o cinema brasileiro... e no começo dessa década... que nós vamos abordar aqui...
o cinema brasileiro estava exTREmamente vivo... (EF SP 153)
a) o rei vivia muito preocupado... esse rei era viúvo... e ainda por cima Ø tinha um filha
solteirona... ele concebeu um plano para casá-la... Ø começou então a procurar um
príncipe...

(3) Tema derivado


31

No processo de derivação temática, o rema da primeira sentença fornece o tema da


segunda sentença, através dos seguintes processos:

(i) Tema e rema repetem o mesmo item lexical:

(38) e eu queria uma fuga... a minha fuga... era deitar na cama. (D2 SP 360)

(ii) O tema derivado é uma nominalização do rema:

(39) o assassino foi preso ontem... sua prisão deixou todo mundo aliviado.

(iii) O tema derivado é preenchido por um substantivo inferido a partir do


rema:

(40) o diretor da escola encarregou os professores de organizar a festa... a decisão foi


tomada na última reunião.

(iv) O tema derivado tem uma relação antonímica com algum termo do rema:

(41) soluções técnicas para resolver o problema da moradia popular temos em excesso... a
escassez está na vontade política para enfrentar esse problema...

(4) Tema fendido

O primeiro tema se desdobra em diversos temas sentenciais, como em

(42) A Linguística é a ciências dos signos verbais. A Pragmática estuda as relações entre os
signos e a sociedade. A Semântica, as relações entre os signos e seus referentes. A
Gramática, as relações dos signos entre si.

LEITURAS SOBRE SEMÂNTICA DISCURSIVA

Jackendoff (1972, 1985), Ducrot (1972/1977, 1987), Silva (1973), Figueira (1974), Castro (1977), Vogt
(1977, 1980/1989), Ducrot; Vogt (1978), Lahud (1979), Guimarães (1979, 1987), Fuchs (1982), Koch
(1984, 1992), Ilari; Geraldi (1985), Ilari (1986 a, 1992/2004), Pêcheux (1988/1995), Chierchia (2003),
Hilgert (2006), Jubran; Koch (Orgs. 2006), Silva (1973).

ATIVIDADES

1. Organize um pequeno corpus de expressões parafraseadas, investigando os recursos linguísticos


movimentados por esse processo. São fortes candidatas as relações de hiperonímia e hiponímia entre a
Matriz e a Paráfrase, relações de nominalização. Exemplo: o verbo supervisionar é parafraseado pela
forma nominalizada supervisora. De que modo a paráfrase contribui para a construção do texto?
2. Investigue as expressões que funcionam como tema sentencial.
3. Investigue as expressões que funcionam como rema sentencial.
4. Se o sentido das palavras é especificado pelo contexto, analise o termo cavalaria no seguinte texto:
“As recentes manifestações de rua transformaram-se em baderna por cult de elementos que
aproveitam qualquer tipo de aglomeração para depredar vitrines e tirar algum proveito. (...) nos
filmes americanos, a cavalaria sempre chega no final. Aqui, a cavalaria chega antes”. C.H.Cony –
A sopa. Folha de São Paulo, 28/05/2014.
32

4. SEMÂNTICA COGNITIVA: PROCESSOS DE CRIAÇÃO DOS SENTIDOS

Apresentação: a Semântica cognitiva se ocupa da criação dos sentidos, operando com


os seguintes processos:

(1) Criação dos sentidos: (i) Representações das categorias cognitivas; (ii)
Emolduramento dos participantes via criação de frames; (iii) Hierarquização
dos participantes.
(2) Recriação dos sentidos: (i) Alteração da perspectiva sobre os participantes e
os eventos: metáfora e metonímia; (ii) Alteração na extensão: especialização e
generalização; (iii) Alterações na representação de PESSOA e COISA, EVENTOS,
JUNÇÃO, MOVIMENTO, ESPAÇO, QUALIDADE e QUANTIDADE;
(3) Perda do sentido: (i) Perda da motivação etimológica; (ii) Desaparecimento
de um campo semântico.

4.1. Criação dos sentidos

4.1.1. As línguas naturais como representações das categorias cognitivas de PESSOA,


COISA, LUGAR, TEMPO, VISÃO, MOVIMENTO, QUALIDADE, QUANTIDADE.

A construção do significado por meio da representação das categorias cognitivas tem


sido objeto de muitas pesquisas.
Os linguistas cognitivistas evitam cuidadosamente estabelecer relações de
causa/efeito entre as categorias cognitivas e as expressões linguísticas. Ao
emparelharem esses campos, eles se servem de predicadores tais, como “interação”,
“paralelismo”, “reflexo”, “representação” – raramente algo como “derivação”,
“consequência, relação primitivo/derivado” etc. Eles reconhecem que as línguas
naturais corporificam as categorias cognitivas de VISÃO, PESSOA, COISA, ESPAÇO e
TEMPO, MOVIMENTO, QUALIDADE, QUANTIDADE, entre outras, mediadas sempre por
sua interpretação, promovida pelas respectivas culturas. A representação dessas
categorias muda de língua para língua, ou no interior de uma mesma língua, ao longo
de seu percurso histórico. Mas as categorias cognitivas propriamente ditas
permanecem, pois integram os atributos da raça humana.
Nas seções que se seguem, rastreio a representação de algumas dessas
categorias. Para esse fim, é preciso ter em conta que as designações das categorias
cognitivas são bastante genéricas. Por PESSOA, entende-se qualquer ser animado; por
COISA, as entidades inanimadas, como os objetos; por ESPAÇO ou LUGARES, os
ambientes ocupados por PESSOAS e COISAS, entendendo-se por TEMPO uma metáfora
do ESPAÇO: o ponto inicial de um percurso ocorre num dado segmento do TEMPO,
distinto do momento em que ocorre seu ponto final; por MOVIMENTO, as deslocações
reais ou fictícias de PESSOAS e COISAS pelo ESPAÇO e pelo TEMPO; por QUALIDADE, as
propriedades intensionais de uma entidade, e por QUANTIDADE, sua extensão.
Para observar a representação linguística das categorias cognitivas,
desenvolvemos um percurso que vai das noções para as formas, trajeto conhecido
como Onomasiologia. O caminho inverso é habitualmente percorrido pelas
gramáticas, sendo conhecido como Semasiologia.
Nos quadros a seguir, os números remetem aos capítulos e suas seções na
Nova gramática do português brasileiro.

(1) Representações da categoria de PESSOA e COISA nos sistemas linguísticos


33

Quadro 2
DISCURSO SEMÂNTICA LEXICO GRAMÁTICA
1) PESSOA e ESPAÇO 1) A categoria PESSOA e COISA são A PESSOA tem a
fundamentam a relação discursiva da dêixis representadas pelas seguinte expressão
dêitica. representa as categorias seguintes classes de gramatical:
cognitivas de PESSOA e palavras:
Essas categorias são ESPAÇO: ver 2.2.2.1. 1) Flexão verbal; ver
constitutivas do 1) Pronome pessoal: capítulo 2, Q 2.10;
discurso: ver 2.3.1, 2) A categoria de ver (i) capítulo capítulo “Diversidade
2.3.2, 5.1.2 e 5.3. O PESSOA concorre para a “História da língua do português
tópico discursivo configuração da portuguesa, Q 3.8; (ii) brasileiro”, Q 4.2.
materializa a PESSOA no Semântica discursiva: capítulo “Diversidade
texto. ver 2.3.2. do português 2) Voz e modo verbais:
brasileiro, Q 4.2; (iii) ver 10.2.2.2.3 e
3) A categoria capítulo “O sintagma 10.2.2.2.4.
2) O tópico discursivo semântica de verbal”, Q 10.3.
materializa a PESSOA e a designação representa a 3) Argumentos
COISA nos textos: veja PESSOA e a COISA: ver 2) Pronomes sentenciais são
11.2.3.1. 2.3.2.1. demonstrativos e proporcionais aos
O encadeamento quantificadores pronomes pessoais: ver
temático é um 4) A foricidade é uma neutros: ver capítulo 6.4.1.1; 7.3 e 7.4.
relacionamento das retomada da PESSOA e “O sintagma
COISAS no texto: ver da COISA: ver 2.3.2.4. nominal”, Q 11.5, Q 4) A sentença
11.2.3.3. 11.6 e 11.4.2. apresentacional
5) Conotação e caracteriza-se pela
3) Os gêneros denotação constituem 3) Pronome ausência da PESSOA: ver
discursivos assentam na estratégias de possessivo: ver 8.3.2.1.
PESSOA: no diálogo, a representação da capítulo “O sintagma
primeira e a segunda PESSOA e da COISA: ver nominal”, Q 11.7; 5) A saliência da flexão
pessoas estão em 2.1.2.1. COISA possuída: ver de PESSOA favorece a
presença; na narração, a 11.5.3. concordância entre o
segunda pessoa está 6) Intensionalidade / sujeito e o verbo: ver
ausente: ver 5.3. extensionalidade são 4) Substantivo: ver 10.2.1.4.
propriedades da COISA: 11.3.2.1, capítulo “O
4) A derivação ver 2.2.2.2. sintagma nominal”. PESSOA e COISA têm a
referencial é a recursão seguinte representação
da COISA no texto: ver 7) A apresentação da 5) O artigo gramatical:
11.2.3.2. PESSOA e da COISA desempenha um
pode ser definida ou papel importante na 1) Sintagma nominal:
indefinida: ver 11.5.1.2. identificabilidade da ver o capítulo “O
COISA: ver 11.5.1.3. sintagma nominal”.

2) Nominalização: ver
11.2.1.3.

3) Minissentença
nominal: ver 8.1.1).

(2) Representações das categorias ESPAÇO e TEMPO nos sistemas linguísticos

Por comodidade, reúno as categorias ESPAÇO e TEMPO no quadro abaixo, o


que não significa que ambas ocorram em todos os itens enumerados.

Quadro 3
DISCURSO SEMÂNTICA LEXICO GRAMÁTICA
1) ESPAÇO e TEMPO, 1) O ESPAÇO compreende As categorias de As categorias de
34

tanto quanto PESSOA, os eixos horizontal, ESPAÇO e TEMPO ESPAÇO e TEMPO têm a
fundamentam a relação vertical, transversal, são representadas seguinte representação
dêitica: ver 1.2.3, proximal / distal, pelas seguintes gramatical:
2.2.2.1. continente/conteúdo: ver classes de palavras:
14.2.2. 1) Flexão verbal modo-
2) Moldura, como 1) Pronomes temporal: ver capítulo
recorte do ESPAÇO e do 2) O TEMPO pode ser adverbiais de lugar 2, Q 2.11; capítulo 10,
TEMPO, será tematizada representado a partir dos e de tempo: ver Q 10.2.
em 2.3.2. eixos de anterioridade/ 11.4.3.
simultaneidade / 2) Há um ESPAÇO
3) Perspectiva, como posterioridade: ver 2) Certos gramatical entre o
ponto de vista sobre os 10.2.2.2.2. substantivos, como verbo e o sujeito, entre
participantes do canto da sala, fim o verbo e os
discurso, sobretudo a 3) ESPAÇOS mentais são da estrada. argumentos internos
PESSOA: ver 2.4.1.2. construídos pela mente: que pode ser
ver 11.2.2.1. 3) Verbos que preenchido ou não por
4) ESPAÇO interpessoal: indicam determinados
ver 2.3. 4) O aspecto verbal é uma deslocamento. constituintes: ver o
representação não dêitica capítulo 7.
4) TEMPO do discurso: do ESPAÇO nos estados de 4) Adjetivos
ver 2.2.2.1, 2.3.1, 5.3. coisa: ver 10.2.2.2.1. temporais e
locativos: ver 4) A categoria de
5) Tipologia textual: as 12.2.2.3. TEMPO configura a
formas temporais do sentença independente:
verbo fundamentam a 5) Advérbios ver 6.1.3.
narração e a descrição: temporais e
ver 5.2.2; 5.3; 10.1.3.; locativos: ver 5) Alguns
10.2.3. 13.2.2.3. complementos oblíquos
e adjuntos adverbiais
6) Preposições: ver expressam TEMPO: ver
capítulo “O 7.4, 7.5.
sintagma
preposicional”, Q 6) Sentenças adverbiais
14.3, 14.2.2. temporais.

7) Conjunções 7) A correlação modo-


temporais: ver temporal entre a matriz
capítulo “a sentença e as sentenças
complexa e sua dependentes
tipologia, configuram essas
Apresentação”, estruturas: (i)
seção 4.2. substantiva: ver
9.2.1.3.3.; (ii) adverbial
temporal: ver 9.2.3.5.

(3) Representações da categoria MOVIMENTO nos sistemas linguísticos

Quadro 4
DISCURSO SEMÂNTICA LEXICO GRAMÁTICA
1) O Princípio de 1) O Princípio de 1) Verbos de A categoria de
projeção interacional, projeção semântica é movimento: ver MOVIMENTO tem a
que constitui a uma representação do 10.2.1.2.2. seguinte representação
conversação, é uma das MOVIMENTO fictício: ver gramatical:
representações do 2.2.2.3. 2) Substantivos de
MOVIMENTO fictício: ver movimento: ver 1) O Princípio de
5.1. 2) Esse princípio explica 11.2.2.1. projeção, que constitui
a metonímia, ver 2.2.2.6, a sentença, representa o
2) O Princípio de 9.1.2.2, e a metáfora, ver 3) Substantivos MOVIMENTO fictício:
35

projeção textual, que 2.2.2.6. deverbais ver 6.4.


constitui o texto, /dinâmicos/: ver
representa o 11.2.1.4. 2) A metátese e
MOVIMENTO fictício: ver hipértese fonológicas
5.2. são representações do
MOVIMENTO físico: ver
capítulo 2, Q 2.11.

3) A flutuação do
morfema verbal e
nominal {-s} e do
morfema de gênero {-
a} na morfologia
representam o
MOVIMENTO físico: ver
capítulo 2, Q 2.10.

4) Os movimentos de
constituintes sintáticos
representam o
MOVIMENTO físico: ver
6.4.3, 6.5.5, 7.3.1.2,
7.4.1.2, 7.5, 9.2.1.3.2,
9.2.3, 11.4.1.4, 12.2.1.6,
13.2.1.3, 14.2.1.4.

Dada a complexidade da categoria de MOVIMENTO, o assunto será elaborado num


anexo a esta parte.

(4) Representações da categoria QUALIDADE nos sistemas linguísticos

Quadro 5
DISCURSO SEMÂNTICA LEXICO GRAMÁTICA
Num texto, a descrição 1) Predicação por 1) Verbos 1) Adjuntos
de atributos representa a qualificação: ver 2.2.2.3. predicativos: ver adverbiais
QUALIDADE: ver 5.2. 10.2.2.1.2. qualificadores: ver
2) Qualidade 7.5.2.1.
permanente, intrínseca: 2) Adjetivos
ve 10.2.1.2.1, 10.2.1.2.2. predicativos 2) Adjuntos
qualificadores: ver adnominais
3) Qualidade transitória: 12.2.2.1.3. qualificadores: ver
ver 10.2.1.2.1. 7.5.1.1.
3) Advérbios
4) Aspecto verbal predicativos 3) Minissentença
qualitativo: ver capítulo qualificadores: ver adjetival: ver 8.1.2.
10, Q 10.5. 13.2.2.1.2.
4) Minissentença
adverbial: ver 8.1.3.

5) Estrutura sentencial
atributiva: ver
10.2.1.2.1.

(5) Representações da categoria QUANTIDADE nos sistemas linguísticos


Quadro 6
36

DISCURSO SEMÂNTICA LEXICO GRAMÁTICA


1) Quantificação real e 1) Quantificação como 1) Substantivos 1) Soma de traços na
repetição de segmentos um tipo de predicação: contáveis: ver constituição do fonema:
na constituição do texto: ver 2.2.2.3; predicação 11.2.2.2. ver 1.1.3.1.
ver 5.2.3). quantificadora por
composição: ver 6.2.2. 2) Quantificadores 2) Soma de
2) Quantificação real e definidos, ou constituintes na
repetição de segmentos 2) Aspecto verbal numerais; formação (i) da sílaba,
na constituição da quantitativo: ver capítulo quantificadores ver 1.1.3.2; (ii) da
sentença: ver 2.4.4. 10, Q 10.5; aspecto indefinidos, ou palavra, ver 1.1.3.4,
verbal iterativo pronominais: ver 2.1.4; (iii) do sintagma,
3) Quantificadores e quantificador: ver 11.4.2.2, 11.5.4. ver capítulo 10; (iv) da
marcação de tópico: ver 10.2.2.2.1. sentença. ver capítulos
7.1.3. 3) Adjetivos 6 a 9.
3) Quantificação predicativos
definida, indefinida, quantificadores: ver 3) Flexão nominal de
partitiva, distributiva: 12.2.2.1.2. número: ver 2.4.2.2.
ver 10.2.2.2.1, seção 3.3.
4) Delimitação e 4) Advérbios 4) Especificação
subtração de traços: ver predicativos quantificadora do
13.2.2.1.3. quantificadores: ver sintagma nominal: ver
13.2.2.1.3. 11.5.4.

5) Conjunções 5) Soma de proposições


aditivas: ver 9.1.1. na constituição da
sentença complexa (i)
coordenada aditiva, ver
9.1.2; (ii) subordinada,
ver 9.2; (iii) correlata,
ver 9. 3.

6) Subtração de
constituintes e
dispositivo
sociocognitivo de
desativação: ver
12.2.2.1.2.

7) Subtração de
constituintes e
caracterização das
seguintes classes
gramaticais: (i)
morfema-zero, ver cap.
1.2.2.1.3.3; (ii)
argumentos sentenciais
vazios, ver 7.3.1.3,
7.4.1.2; (iii) elipse do
verbo, ver 10.2.1.6;
(iv) descontinuação do
quadro tópico, ver
5.2.4.

7) Adjuntos adnominais
e adverbiais
quantificadores: ver
7.5.1.1, 7.5.2.
37

4.1.2. Emolduramento dos participantes e dos eventos via criação de frames, scripts e
cenários.

Entende-se por “moldura” o modo estruturado segundo o qual uma cena é


apresentada ou relembrada. A moldura estrutura o sentido das palavras que, ao revés,
evocam a moldura. Falar de um elemento de uma moldura é falar dos outros
elementos ao mesmo tempo.
A teoria da Semântica da moldura (Ing Frame Semantics) foi formulada por
Fillmore (1982), e representa apenas um ponto no conjunto de suas reflexões.
Fillmore retrata-se a si mesmo como um transformacionalista, inicialmente
interessado na classificação dos verbos e sua valência. Essas pesquisas o levaram a
formular uma teoria da moldura para os casos em que não se captava toda a semântica
das expressões. Ele havia notado que determinados verbos, como os de percepção,
causação e de movimento, dependem, para sua interpretação semântica, dos domínios
que eles integram, e sua Teoria dos casos não dava conta desse fato. Como esses
domínios são cognitivamente configurados, ele concluiu que a moldura cognitiva
precede a organização da moldura dos casos: Fillmore (1982: 114-115). Assim, os
verbos que retratam um evento comercial indexam ou evocam determinada “cena”. O
verbo comprar focaliza a ação do comprador com respeito aos bens, deixando para
um segundo plano o vendedor e o dinheiro; pagar focaliza as ações do comprador
com respeito tanto ao dinheiro quanto ao vendedor, deixando em segundo plano os
bens; gastar, custar, cobrar operam semelhantemente, mudando o foco da atenção
colocado sobre os participantes desse evento.
Outro argumento que especifica uma moldura é a categoria prototípica. Assim,
um órfão prototípico é uma criança que perdeu os pais e tem de ser protegida pela
sociedade até sua maioridade, quando poderá atender às suas necessidades. Um órfão
não prototípico é aquele que matou os pais e agora pede ajuda, o que provoca o
humor.
Contextos de motivação estruturam a moldura como um sistema de categorias.
O contexto de motivação é um padrão de práticas linguísticas ou determinadas
instituições sociais que funcionam como pano de fundo para o entendimento das
expressões. Isto quer dizer que o significado não se encontra codificado inteiramente
nessas expressões. Assim, vegetariano é alguém que não come carne por motivações
próprias – não simplesmente alguém que não tem dinheiro para comprar carne. Ao
usar a língua, o falante emoldura a situação que pretende verbalizar, mostrando que
ele pretende que essa moldura seja aplicada. Para isso, ele seleciona palavras
reconhecidamente ligadas à moldura desejada. Vejam-se as palavras terra e chão. A
primeira remete à porção seca do planeta, por oposição a mar; a segunda remete
igualmente à porção seca do planeta, mas por oposição a ar. Diferentes molduras são
igualmente evocadas por costa e praia. A costa é o limite entre a terra e a água do
ponto de vista da terra, enquanto que a praia é esse mesmo limite, porém do ponto de
vista da água: “viajar de praia a praia” é fazer uma viagem por mar, enquanto que
“viajar de costa a costa” é fazer uma viagem por terra.
As palavras esquematizam o mundo diferentemente, e isto é fundamental para
o funcionamento da Semântica lexical e da Semântica discursiva. Eis aqui alguns
casos: a polissemia se fundamenta nos emolduramentos alternativos previstos pela
mesma palavra; uma mesma situação pode ser emoldurada de modos diferentes por
palavras tais como econômico / usurário, generoso / desperdiçado; contrastes lexicais
podem ser obtidos no interior da mesma moldura ou encadeando molduras; através de
38

palavras que integram o mesmo campo lexical, re-emolduramos uma cena, e assim
por diante.
Quando os elementos de uma moldura são tipos de eventos sequenciados,
temos os scripts. Assim, em Ele empurrou a porta. O quarto estava vazio, lendo o
que está entre as linhas podemos ativar o script em sua totalidade, obtendo Ele
empurrou a porta. A porta abriu. Ele olhou lá para dentro. O quarto estava vazio.
Tomando em conta alguns argumentos comuns na técnica da análise semântica,
notamos que a Semântica da moldura desenvolve com esses argumentos o seguinte
diálogo: (1) A identificação de traços semânticos através da proporcionalidade (por
exemplo: homem:mulher::garoto:moça), que funciona quando tomamos as palavras
isoladamente, escamoteia as possibilidades muito diversas desses itens em seu papel
de emoldurar as cenas. (2) Os paradigmas semânticos de ordenação dos itens lexicais
(ver, por exemplos, termos para o campo semântico “gado”) são desorientadores, pela
mesma razão. (3) A taxonomia semântica bastante praticada pela Semântica formal,
na qual os itens são ordenados em sistemas por seu grau de pertença, como “tipos” de
uma “espécie”, não toma em conta o traço emoldurador das palavras. Assim, a
sequência taxonômica para termos zoológicos Animal > vertebrado > mamífero >
cachorro > perdigueiro, não mostra que as categorias cognitivamente privilegiadas
são cachorro e animal, comuns na conversa do dia a dia, ao passo que vertebrado e
mamífero só ocorrem no discurso científico. Se um cão despenca numa piscina,
provavelmente você retratará a cena dizendo um cachorro caiu na água mais
provavelmente do que um vertebrado caiu na água / um mamífero caiu na água. (4)
Na Semântica lexical de orientação estrutural se tem buscado eliminar ou minimizar a
informação redundante na descrição dos itens lexicais. O objetivo dessas análises é
dizer o essencial a propósito de cada palavra, de forma a permitir contrastar essa
“semântica mínima” com a de outros itens. Esse objetivo é a antítese da Semântica da
moldura, que procura descobrir que funções categorizadoras as palavras
desempenham nos contextos em que seu uso é motivado. (5) A distinção entre
dicionários e enciclopédias é neutralizada pela Semântica da moldura, visto que as
informações enciclopédicas são fundamentais para entender por que, falando de um
carpinteiro, se pode dizer algo a propósito de salário, sindicato, doenças relacionadas
com essa profissão, etc.
Em suma, a Semântica da moldura permite descrever o ancoramento dos
significados nas experiências humanas e nas instituições humanas – experiências e
instituições que levam o falante a criar as categorias expressas pelas palavras. O
trabalho do semanticista é identificar a “natureza precisa da relação entre a palavra
e a categoria, e a natureza precisa da relação entre a categoria e seu plano de
fundo”: Fillmore (1982: 136).
Segundo Ferrari (2011), Georges Lakoff associou a noção de moldura à de
categorização, desenvolvendo o conceito de Modelo cognitivo idealizado (MCI), para
dar conta daquelas expressões que usamos todo dia, mas que não correspondem a um
dado da realidade física, sendo fruto de uma idealização. Os MCIs dependem de três
tipos de princípio estruturante em sua composição: a estrutura proposicional, os
esquemas imagéticos, a metáfora e a metonímia. Assim, entendemos a expressão
terça-feira porque a associamos “a um modelo idealizado que inclui o ciclo natural
estabelecido pelo movimento do sol”, ou seja, a semana: Ferrari (2011: 53-54).

4.1.3. Hierarquização dos participantes: perspectiva e escopo, especificidade /


esquematicidade, figura / fundo
39

Na seção anterior vimos a importância do emolduramento dos participantes na criação


e interpretação das expressões linguísticas. Vejamos agora que processos são
utilizados pelos falantes no arranjo hierárquico dos participantes de uma cena.
Ao visualizar uma cena e seus participantes, valemo-nos de diferentes
dimensões para sua conceptualização e consequente representação na Semântica da
língua. No que se segue são examinadas algumas dessas dimensões.

(1) Perspectiva e escopo

Etimologicamente, perspectiva quer dizer “ver através de”, e escopo quer dizer
“objeto selecionado pela visão”.
O conceito de perspectiva abrange fatores tais como o ponto de vista, a
orientação, a direção do esquadrinhamento mental (Ing mental scanning), a
subjetividade / objetividade e outras distinções, especificando os participantes de uma
cena, uns em relação aos outros. É essa dimensão que explica sentenças do tipo: João
está à direita de Pedro. / Pedro está à esquerda de João, ou A cicatriz vai da virilha
ao joelho. / A cicatriz vai do joelho à virilha. [exemplos adaptados de R. Langacker
(2000: cap. 2)].
Segundo esse autor, a perspectiva é o análogo conceptual do ponto desde o
qual a cena foi vista. Esta dimensão da construção dos conceitos compreende o
arranjo do ponto de vista e a dinamicidade:

(i) O arranjo do ponto de vista é o relacionamento entre os que vêem e a coisa


vista – sendo que “os que vêem” integram o falante e o ouvinte. Os atos de fala
correspondem aos arranjos de pontos de vista. Intimamente relacionado com o
ponto de vista é o aspecto da construção dos conceitos conhecido como
subjetividade x objetividade. A subjetividade máxima ocorre quando há
predominância da primeira e da segunda pessoas, “os que vêem”, nos termos de
Langacker. A objetividade máxima ocorre quando predomina a terceira pessoa,
isto é, a “coisa vista”.

(ii) A conceptualização requer tempo, e por isso ela é inerentemente dinâmica,


visto que ela tem lugar através do processamento. Afinal, a conceptualização é
algo que acontece, não algo que exista estaticamente. É crucial para a
constituição do sentido das expressões investigar como tal sentido se
desenvolve através do processamento no tempo. A uma ordem dos eventos
corresponde uma ordem de concepção a qual, por sua vez, corresponde uma
ordem da expressão. A ordem das palavras numa sentença como “Deixei meu
emprego, casei-me e tive um filho” apresenta uma iconicidade temporal tal que,
mudada a ordem, a nova sentença leva o ouvinte a reconceptualizar os eventos
descritos, voltando atrás para captar a verdadeira sequência no tempo dos
eventos verbalizados. O significado, portanto, é dinâmico, e não está contido
unicamente no que disse o falante.

O escopo é o raio de ação, o alcance de nossa mirada na direção aos objetos.


Se esse alcance é extenso, temos o escopo máximo, exemplificado, por exemplo, pela
visão do corpo humano em seu todo. Se esse alcance é mínimo, temos o escopo
mínimo, exemplificado pela visão de uma parte do corpo humano. Essa dimensão está
por trás de formações vocabulares tais como menina do olho, por contraste com globo
40

ocular, pálpebras, etc., aparecendo também nos arranjos textuais em que se focaliza a
ribalta ou os bastidores. A diferença entre aspecto imperfectivo e aspecto perfectivo
pode igualmente ser explicada, respectivamente, em termos de escopo máximo e
escopo imediato.

(2) Especificidade / esquematicidade

Esta dimensão da construção dos sentidos diz respeito ao grau de precisão e detalhe
com o qual uma situação é caracterizada: com especificidade ou com
esquematicidade. As unidades linguísticas diferem em granularidade e resolução.
Uma expressão altamente específica descreve a situação em detalhe. Uma expressão
esquemática descreve a situação com resolução menor, de que resultam as descrições
não refinadas, refletindo apenas traços mais gerais e uma organização global. Uma
caracterização esquemática pode vir a ser instanciada por um conjunto de
caracterizações específicas. Assim, poodle é mais específico do que coisa, correr à
toda é mais específico do que fazer, e assim por diante. O seguinte esquema dispõe as
expressões linguísticas segundo sejam mais esquemáticas ou mais específicas.

Coisa  criatura  animal  mamífero  cão  poodle


Fazer  agir  mover  correr  correr à toda
+ esquemático ………………………………+ específico

Cada expressão pode evocar um conjunto de conteúdos conceptuais, chamado


base. Dentro dessa base, podemos dar proeminência a alguma substrutura,
denominada perfil. O perfil de uma expressão é aquilo a que nos referimos ou
designamos dentro da base conceptual, é uma sorte de foco de atenção. A metonímia
resulta de uma mudança no perfil, e ocorre quando uma expressão que normalmente
perfila certa entidade é usada para perfilar outra entidade, dentro da mesma base
conceptual.

(3) Figura / fundo

A dimensão figura / fundo envolve uma conceptualização em que duas estruturas


distintas são tomadas assimetricamente uma em relação a outra. A figura (Ing
foreground, onstage) é objeto do nosso interesse primeiro, ao passo que no fundo (Ing
background, outstage) são dispostos os participantes de interesse menor na cena que
está sendo descrita.
Estas categorias cognitivas foram apropriadas pelas descrições semânticas do
Aspecto (perfectivo e iterativo como figura, imperfectivo como fundo), do Tempo
verbal (distinguindo-se os tempos-figura, como o pretérito perfeito, dos tempos-
fundo, como o pretérito imperfeito) e pelas descrições sintáticas da estrutura
argumental da sentença (argumentos como figura, adjuntos como fundo).

4.2. Recriação dos sentidos

4.2.1. Alteração da perspectiva sobre os participantes e os eventos: metáfora e


metonímia

Metáfora e metonímia representam a categoria de MOVIMENTO fictício. Mas além


disso, a alteração de perspectiva motiva igualmente a mudança de sentido por
metáfora, vastamente estudada na literatura. Assim, Lat luxus “entorse”, designava
41

uma lesão física, donde Port luxação. Alguém comete algum erro quando sofre uma
lesão. Por metáfora, a palavra luxo passou a indicar despesas supérfluas, igualmente
erradas, segundo o senso comum. Mudou-se a perspectiva, que se deslocou do corpo
humano para uma atividade de outra natureza.
Lakoff e Johnson (1980/2002) escreveram um livro importante sobre a
metáfora, que eles definem inicialmente por um conjunto de propriedades negativas.
Para eles, a metáfora não é

(i) um dispositivo retórico ou decorativo, confinado à literatura;


(ii) um fenômeno secundário e relativo;
(iii) a relação entre o sentido literal e o sentido figurado;
(iv) uma propriedade de certas expressões particulares.

Ao contrário, a metáfora é

(i) um fenômeno conceitual, não necessariamente ligado a expressões


linguísticas;
(ii) um mecanismo cognitivo básico e muito difundido, que a Semântica não
deve ignorar;
(iii) o entendimento de um domínio de experiência em termos de outro;
(iv) a projeção de um conjunto de correspondências entre um domínio-fonte e
um domínio-alvo.

Várias metáforas se tornaram altamente cristalizadas na linguagem do dia a


dia, a ponto de termos perdido a percepção disso. Assim, associamos a vida a uma
viagem, o trabalho a uma batalha, a ciência a um trajeto em que nos movimentamos,
como os seguintes exemplos demonstram:

(43)
a) Sua vida o levou bem longe.
b) A relação entre eles chegou a um beco sem saída.
c) Eles alvejaram duramente meus argumentos, que agora estão caindo.
d) E justamente este argumento nos leva a outro.
e) Passemos agora à outra questão.
g) Percorrendo a narrativa, indo até ao fim, chegamos aqui a uma reviravolta nesta história.
Voltemos um pouco atrás para ver o que a nossa personagem fazia ali na cozinha,
retomando o fio da história… (exemplos adaptados de Fauconnier, 1984/1985: 176).

Nesses exemplos, o domínio-fonte é um caminho que deve ser percorrido,


uma batalha que tem de ser vencida, e o domínio-alvo é a vida, a relação, os
argumentos, e assim por diante.

Esses autores assim classificaram as metáforas:

1. Metáforas imagéticas: nas metáforas imagéticas, o domínio-fonte é, por exemplo, a


imagem visual das cores das teclas do piano:

(44) Seus dedos eram como o teclado de um piano.


42

2. Metáforas ontológicas: neste caso, as entidades são criadas através da própria


metáfora, como em

(45)
a) A inflação está devorando nossa economia (a inflação se transforma numa entidade).
b) Sua tese caiu aos pedaços (a tese é uma entidade quebrável).
c) Não desperdice/gaste/jogue fora seu tempo (o tempo é como o dinheiro).

3. Metáforas estruturais: o domínio-fonte é comparável a uma entidade física, como


em

(46)
a) O debate abalou os fundamentos da teoria (teoria como um edifício).
b) Ficou fervendo de raiva depois que leu a carta (a raiva é como um liquido guardado num
recipiente).

3. Metáforas orientadas: o domínio-fonte tem uma localização espacial, como em

(47)
a) Sua renda subiu. Levante-se, tome coragem! (a felicidade, a saúde, a virtude, os bens
“estão em cima”).
b) Sua saúde está declinando. Caiu no sono. Está se sentindo lá embaixo (o mal, a perda da
saúde, a letargia estão “embaixo”).

Os estudos de Lakoff; Johnson (1980/2002) mostraram que na criação da


metáfora podemos associar dois ou mais domínios, e com isso obtemos metáforas
primitivas ou metáforas compostas. De todo modo, o móvel da alteração do sentido
está fora do texto.
Na metonímia, alteramos os sentidos de uma palavra a partir da migração de
traços contidos na expressão linguística. Pois é, a categoria de MOVIMENTO ataca de
novo!
Se você estudar a história da conjunção adversativa mas, notará que ela
procede do advérbio de inclusão mais, exemplificado a seguir.

(48)
a) Estava a Rosita, mais seu Roberto, sem cerimônia (Laytano, 1981).
b) Passarim avôe mais baixo, quando ocê cantá mais eu.
c) Minha filha está pra casar mais o filho do Manuel cargueiro (Marroquim, 1943/1996)

Nessas amostras do PB popular, o advérbio de inclusão mais (e sua variante


dialetal mas, em (48a), agrega indivíduos a um conjunto, assumindo o papel da
preposição com.
Como entender que de um sentido de soma, de inclusão, derivou o sentido de
contrajunção, típico da adversativa? Pode jogar a culpa nas costas da metonímia. Quer
ver?
Estudando as ocorrências do advérbio mais, nota-se que ele pode aparecer em
contextos de verificação negativa, como em

(49) Agora também não falo mais, pronto!


43

O traço de /negação/ contido em não migrou para mais, dada a proximidade


sintagmática, e com isso o advérbio foi reinterpretado como uma conjunção que nega
expectativas, como em

(50) Vocês querem que eu fale, mas eu não falo, pronto!

Dizemos então que a conjunção adversativa mas surgiu por metonímia do


advérbio de inclusão mais.

4.2.2. Alteração na extensão: especialização e generalização

Ver exemplos em 5.1, lembrando-se que nas línguas naturais um mesmo fenômeno
tem mais de uma cara.

4.2.3. Alterações na representação de PESSOA e COISA, EVENTOS, JUNÇÃO,


MOVIMENTO, ESPAÇO, QUALIDADE e QUANTIDADE

Ver exemplos em 5.1.

LEITURAS SOBRE A SEMÂNTICA COGNITIVA

Lakoff (1975, 1982, 1987), Lakoff; Johnson (1980/2002), Fauconnier (1984/1985, 1996), Jackendoff
(1985/1995: Langacker (1987, 1990, 1991, 1992, 1999, 2008), Talmy (1988, 1996, 2001, 2003),
Sweetser (1990), Pontes (Org. 1990, 1992), Langacker (1991), Sacks (Org. 1992), Svorou (1993),
Goldberg (1995, Ed. 1996), Sweetser; Fauconnier (1996), Svorou (1993), Fauconnier; Swetser (eds.
1996), Fauconnier; Turner (1996, 1998, 2002), Bloom; Peterson; Nadel; Garrett (eds. 1996), Putz;
Dirven (eds. 1996), Ungerer; Schmid (1996), Silva (1997, 1999, org. 2001, 2003, 2006, 2007), Batoréo
(2000), Talmy (2001), Bluhdorn (2001), Castilho (2002 a, d), Levinson (2003), Tomasello (ed. 2003),
Croft; Cruse (2004), Abreu (2004), Lima-Hernandes (2005), Miranda; Name (Orgs. 2005), Kewitz
(2009, 2010, 2011), Abreu (2010), Ferrari (2011), Castilho (2010, cap. 14, 2011).

ATIVIDADE

1. Resenhe um dos textos acima. Em seguida, explique uma das questões adiante:
1) Qual é o campo de estudos da Semântica cognitiva?
2) O que se entende por fuzzy concepts?
2. Identifique exemplos de metáfora e metonímia em textos de jornal.
3. Espaço físico e espaço mental: o que diabo é isso?
4. Movimento físico e movimento fictício: o que diabo é isso?
5. As formas temporais do verbo sempre expressam o espaço cronológico? Que mais elas fazem?

5. SEMÂNTICA DIACRÔNICA: A MUDANÇA DO SENTIDO E SEUS PROCESSOS

Apresentação: processos de mudança do sentido, dessemanticização /


ressemanticização

A Semântica diacrônica tem sido pouco versada, não dispomos ainda de um programa
compartilhado para seu estudo.
Tem-se manifestado preferência por esses estudos no campo da Semântica
lexical, sobretudo por lexicólogos e dicionaristas. Vejamos uma amostra do que se
tem escrito sobre isso.
Ullman (1964: 409-438) identificou as seguintes causas da mudança
44

semântica: (i) causas linguísticas: palavras usadas frequentemente numa sequência


trocam propriedades, por metonímia; galgo designa hoje uma raça de cão, mas a
palavra indicava a origem desse cão, em canis gallicus “cão da Gália”; (ii) causas
históricas: o significado das palavras não acompanha a rapidez das mudanças
tecnológicas; empregamos hoje a palavra carro, derivada de carrus, que era um
veículo de tração animal; (iii) causas sociais: o pronome de tratamento você, hoje
informal, deriva de Vossa Mercê, tratamento dado aos reis; (iv) causas psicológicas:
palavras tabu são substituídas por outras; a doninha era um animal tabu, por isso em
várias línguas a palavra foi substituída por senhorinha. Guérios (1956) estudou este
fenômeno na língua portuguesa. O mesmo Ullmann (1964: 205) dá um interessante
exemplo de dessemanticização, sempre lembrado pelos romanistas: no latim, testa
significava “panela, vaso”, donde Port testa “parte da frente da cabeça”,
metaforicamente associada a um objeto redondo como o vaso. Em outras línguas
românicas, essa forma passou a ser entendida como a cabeça mesma, como Fr tête, It
testa. Outro exemplo semelhante é a palavra escrúpulo, Lat scrupulus “pedrinha
aguda ou pontiaguda”, figuradamente, “inquietação, ansiedade”, decerto quando uma
dessas pedrinhas entram no sapato.
Lyons (1977: 620) pondera que nos últimos cinquenta anos [isto é, entre 1920
e 1970], os mais importantes desenvolvimentos da semântica diacrônica foram os
seguintes: (i) aplicação dos princípios estruturalistas à história dos campos
semânticos, (ii) implementação do princípio segundo o qual a história do vocabulário
de uma língua não pode ser estudada independentemente da história social, política e
econômica do povo que a fala – derivando daqui os estudos sobre as palavras e as
coisas, (iii) entendimento de que variações diacrônicas e dialetais são inseparáveis.
A direção (i) foi versada por Baldinger (1970) e Stengaard (1991). Esta autora
estudou minuciosamente a semântica dos verbos Lat stare “ficar de pé”, sedere “ficar
sentado”, iacere “ficar deitado” em sua mudança para as línguas românicas do séc.
XIII, mostrando a perda do campo semântico dos verbos de posição estática. Os
verbos românicos que daí derivaram assumiram um sentido abstrato. No português,
por exemplo, os verbos ser e estar não mais especificam a posição física do sujeito,
fato que era corrente no português arcaico: Moraes de Castilho (2013).
Nesta gramática, proponho que dois processos de mudança semântica atuam
simultaneamente: a dessemanticização, seguida da ressemanticização, que afetam as
“quatro Semânticas” aqui propostas. A dessemanticização é a perda do sentido da
palavra, seguida imediatamente pela ressemanticização, que é a criação de sentidos
novos para as mesmas expressões.
Para bem avaliar esses processos, será conveniente estudá-los no interior das
categorias semânticas definidas anteriormente, em particular:

(i) Referenciação: PESSOA e COISA


(ii) Predicação e EVENTO
(iii) Apresentação
(iv) Verificação
(v) Foricidade
(vi) Dêixis
(vii) Junção
(viii) Campos semânticos

Identifica-se no tratamento diacrônico dessas categorias um ritmo


compartilhado, que pode ser assim apresentado: (1) movimento do concreto para o
abstrato, (2) alteração da extensão: especialização e generalização, (3) melhora e piora
45

semântica. Veremos a seguir como essas mudanças operam

5.1. Referenciação: PESSOA e COISA

Muitas palavras portuguesas vieram da designação de atividades rurais – pois em seus


primórdios os antepassados latinos eram um povo essencialmente rural. Com o tempo,
essas palavras passaram a designar entidades abstratas:

(51) Lat caducus é a fruta podre que cai da árvore: cf. Lat cadere, verbo que significa “cair”.
Hoje o termo designa o estado de alguém que se esquece das coisas, não sabe bem o que diz.

(52) Lat sementem deu em Port semente. Da mesma raiz temos o verbo seminare “semear”,
donde derivou seminário, lugar em que se debatem ideias, esperando que frutifiquem.

Expressões referenciadoras mudam seu sentido via designação de um conjunto


menor (= restrição, especialização) ou maior de indivíduos (= expansão,
generalização). Em todos esses casos, sua extensão foi alterada.

(53) Estilo, de stylus, designava qualquer objeto pontiagudo para gravar as letras numa
superfície de cera. A partir daqui, especializou-se com o sentido de “forma peculiar de
desenvolver um texto escrito”.

(54) Mobília significava anteriormente um dado objeto móvel, passou a funcionar como o
hiperônimo de mesa, cadeira, escrivaninha, estante, etc., generalizando-se.

(55) Pecúnia significava “riqueza em gado”, passou a designar qualquer riqueza.

(56) Lat spatium, de onde derivou Port espaço, designava restritivamente apenas o lugar em
que os carros correm, expandindo seu uso para designar qualquer lugar.

Bréal (1911: 107) diz que a restrição é mais frequente que a generalização,
dado o permanente descompasso entre a palavra e a coisa que ela representa.
Algumas palavras passam por uma melhora semântica, tornando-se mais
aceitáveis em sociedade, digamos assim. O esquecimento da etimologia das palavras
parece estar por trás desses processos de melhoras e pioras semânticas.
Comecemos pelas melhoras semânticas:

(57) Minister, “o menor dos servidores”, formada pelo adjetivo minus + sufixo superlativo –
ter, passou a designar um alto funcionário.

(58) Magister, de magis + -ter, significada “o maior dos servidores”. Essa palavra deu origem
a mestre, que nos dias de hoje, bem...

(59) Lat dextra “lado direito do corpo”, associado a coisas positivas, donde destreza.

E a seguir, algumas doses de piora semântica:

(60) Sinistro, Lat sinister, “lado esquerdo do corpo”. Tendo-se associado a esse lado, por
tabu, fatos negativos, sinistro passou a designar as grandes desgraças, sofrendo uma piora
semântica.

(61) Cretino, primeiramente, “cristão”, passou a “pessoa de mau caráter”: Ullman (1964:
480).
46

Palavras que expressam “um golpe de” (como paulada, porrada), outras de
sentido negativo (como horror), entre outras, vêm assumindo um sentido coletivo,
ressemantizando-se, como em

(62)
a) Recebeu uma porrada de propostas para vender sua casa.
b) Recebeu um horror de propostas para vender sua casa.
c) Recebeu um montão de propostas para vender sua casa.

5.2. Predicação e EVENTO

A representação de alguns eventos sofreu mudança semântica, de um sentido concreto


para um sentido abstrato, como nestes exemplos:

(63) Os sulcos paralelos deixados pelo arado eram chamados lira. Quando o arado se
desviava, ou quando a semente era lançada fora da lira, o evento era denominado delirare.
Hoje, delirar é perder momentaneamente a razão.

(64) Lat legere, palavra já lembrada aqui, significava “colher uma planta, um fruto”, sentido
ainda conservado em legume, planta que colhemos para comer. O sentido se abstratizou para
ler, “colher as palavras num texto, apreendendo suas ideias”.

As muitas pesquisas sobre gramaticalização identificaram igualmente um


ritmo na mudança semântica, de eventos concretos para a designação de eventos
abstratos. Assim, Lat sedere “estar assentado”, e stare “estar de pé”, eram verbos que
descreviam concretamente uma posição do corpo humano, e, portanto, selecionavam
sujeito /+humano/:

(65)
a) Galaaz já não podia estar, de tão ferido.
b) Então, seve em sua câmara (= sentou-se em seu quarto)

Ambos verbos perderam esses sentidos, transformando-se em verbos


funcionais, ligando um adjetivo ao sujeito, como em:

(66)
a) Esse preço é muito alto.
b) O livro está rasgado.

Manobrar vem de Lat manu operare “trabalhar com a mão”, e projetava,


portanto, argumentos com traço inerente /concreto/, como em (a). O sentido de (b) é
mais abstrato

(67)
a) Manobrava a enxada com vigor.
b) Manobrava a opinião pública com habilidade.

(68) Reformar significava originalmente “retornar à forma anterior”. Atualmente, essa palavra
tanto significa “melhorar algo”, como em “reformar a casa”, quanto, na linguagem
administrativa, “aposentar”: Ilari (2013).
47

Localize agora o radical dos verbos adiante exemplificados, e verifique o que


está sendo deslocado para trás, e que parte do corpo da caça foi focalizada pelo
caçador:

(69) Recuar “deslocar-se para trás”, acuar “encurralar a caça”

Sem dúvida, mais um caso de melhora semântica.


A ampliação do uso dos verbos suporte tem contribuído para o surgimento de
novas expressões que representam o EVENTO:

(70)
a) Vou dar uma passada em sua casa mais tarde  vou passar.
b) A morena deu uma olhada meio de través para o rapaz  olhou.
c) Mais tarde eu dou uma revisada no texto  revisarei

Substantivos de sentido negativo ou grosseiro assumem um papel predicativo,


intensificando expressões de QUALIDADE, passando por uma melhoria semântica:

(71)
a) Este camarada é bom da peste.
b) Remédio bom pra caralho!

Em (71), os substantivos peste e caralho tomam por escopo o adjetivo bom,


superlativizando a QUALIDADE por eles expressa.
Se nos concentrarmos no estudo da predicação verbal, mudanças de sentido
poderão ser identificadas (i) na expressão do Tempo, (ii) na expressão do Aspecto,
(iii) na expressão da voz.
O atual imperfeito do subjuntivo expressava passado remoto no latim,
mudando para a indicação do passado próximo:

(72)
a) Lat. habuisset “tivesse havido”
b) cp com Port houvesse.

Novas formas temporais foram criadas nas línguas românicas, como o futuro
do pretérito.
A gramaticalização de verbos deu origem aos verbos auxiliares, que
contribuíram fortemente para a criação de formas de interpretação aspectual, como as
perífrases estar + gerúndio, ter + particípio, e assim por diante: ver cap. 10.
Quanto à diacronia da voz verbal, muito se tem discutido sobre a reanálise
semântica da passiva pronominal, que perdeu no PB seu valor passivo, assumindo o
sentido de indeterminação do sujeito:

(73) Lê-se a mão. Preços módicos e resultados garantidos.

A voz média indicava no indo-europeu um interesse especial do sujeito na


execução do EVENTO expresso pelo verbo. Observa-se no PB contemporâneo uma
alteração desse sentido, que se especializou para indicar posse, como em:

(74) Não me ponha a mão no vaso,


48

que passa a significar

(75) Não ponha a mão no meu vaso.

5.3. Apresentação

Muitos termos foram ressemantizados, passando a funcionar como expressões


apresentacionais. Ter, do Lat tenere, significava “agarrar com as mãos, possuir”, mas
foi ressemantizado em usos tais como

(76) Tem muita gente hoje aqui.

Diferentes expressões vêm se especializando no papel de introduzir


participantes no discurso. Esse é o caso de verbos, adjetivos, entre outras classes.
Preposições e locuções prepositivas têm perdido o sentido de localização de pessoas e
coisas no espaço, transformando-se em expressões de apresentação: ver 2.2.2.2.

5.4. Verificação

Um programa de Semântica diacrônica aplicado à verificação deve incluir o estudo


das alterações em expressões de

 inclusão
 exclusão
 focalização
 afirmação
 negação, particularmente os advérbios redobrados de negação, como nunca
jamais, nenhum não, não já, nunca senão, etc.

Passo a palavra a você.

5.5. Foricidade

Adjetivos que representam a categoria de QUALIDADE, como famoso, conhecido,


mantêm esse sentido, mas passam a funcionar como anafóricos, como em:

(77) Foi em resposta a essa solicitação do Itamarati que o embaixador do Brasil expediu
para nossa chancelaria o hoje famoso telegrama 293. Exemplo de Ilari (2013). Expressões
semelhantes: o conhecido / falado / mencionado deputado.

O mesmo autor identificou dêiticos que passam a funcionar como anafóricos:

(78) quem detidamente apreciar um a um seus argumentos, há de necessariamente


convencer-se de que o contemporâneo ou já perdeu toda a razão ou tem gosto particular em
ser apanhado na mais palpável contradição.

Segundo Ilari (2013), contemporâneo soa aqui como um anafórico, que retoma
O Correio, o jornal concorrente citado linhas acima”.

Expressões sinônimas podem atuar como fóricos, como em


49

(79) A Presidente disse na entrevista que... Em seguida, a mandatária deixou a sala.

Neste exemplo, a foricidade assenta na sinonímia entre presidente e


mandatária.

5.6. Dêixis e redobramento de locativos

Os dêiticos locativos do português arcaico, tais como y, en, eram frequentemente


redobrados por um sintagma preposicional, como em (80 a, b); essa estrutura
provocou alterações sintáticas importantes, como demonstrado por Moraes de
Castilho (2013: 37). Por outro lado, o desaparecimento do dêitico locativo transmite
seu sentido ao sintagma preposicional redobrador, como se vê em (80c):

(80)
a) e que dedes () meadade de uino no lagar e meadade de todo pam que y lauorardes na eyra
(séc. XIII).
b) Outrosy dementres que for en corte del rey, des aquel dya que se en partir de sa casa por
todo huu dia seya y seguro el con todas sas cousas (séc. XIII).
c) Neste lugar, erigiremos uma nova capital para nosso país”, por “aqui neste lugar...”

5.7. Junção

(1) Preposição ni

A preposição em está em processo de substituição por ni, no PB. Temos aqui um caso
de regularização morfológica: essa preposição dispõe duma forma de base, o ditongo
nasal [~ey] e das formas amalgamadas no, na, num, numa, de que ni representa uma
sorte de generalização morfológica, pondo-se de lado a categoria de gênero:

(81) Niquique ele chegue, mande embora (< no que é que).

(2) Conjunção adversativa só que

Longhin-Thomazi (2003) estudou a formação da conjunção adversativa só que, que


aparece em:

(83) Você ia passear agora, só que terá de deixar para mais tarde.

(3) Conjunções correlatas

Módolo (2004) estudou o processo de criação das conjunções correlatas não só...
como também, tão... quanto, mais ... do que, tão... quanto. Ele demonstrou que no
primeiro caso, associaram-se as seguintes categorias semânticas: negação (não),
focalização (só), comparação (como) e inclusão (também): ver 9.3.

5.8. Desaparecimento de um campo semântico

Stengaard (1991) estudou o campo semântico “posição corporal” nas línguas


românicas, tendo constatado o desaparecimento de verbos que designavam “estar
sentado” e “estar de pé”, como em:
50

(84)
a) estar sentado: Galaaz seve (= sentou-se) logo depois da batalha.
b) estar de pé: Galaaz nom esteve (não conseguiu ficar de pé), de tão cansado.

LEITURAS SOBRE SEMÂNTICA DIACRÔNICA

Ullman (1962/1973), Lyons (1977/1984), Stengaard (1991), Ilari (2013), Castilho (2013).

ATIVIDADES SOBRE SEMÂNTICA DIACRÔNICA

1. Faça um estudo diacrônico das representações de uma das categorias cognitivas, lidando com as
mudanças em sua representação nos campos lexical, semântico, discursivo e gramatical, a partir de
documentos de temporalidade definida. Essa atividade deverá ser desenvolvida em grupo.
2. Resenhe Ilari; Basso (2008 a). Fixando-se numa das categorias aí mencionadas (o aspecto, por
exemplo), verifique se sua expressão é estável na língua, ou se novas expressões têm sido criadas.
3. Repita o mesmo exercício, investigando as preposições do eixo vertical.
4. Consultando textos que integrem diferentes tradições discursivas, elenque as expressões utilizadas
para a introdução de participantes de uma cena, pesquisando a diacronia dessas expressões.
5. Em várias passagens deste texto mencionam-se fatos diacrônicos tais como mudança de sentido
concreto para abstrato, específico para genérico. Com base no corpus abaixo, identifique outras
ocorrências desse tipo e procure fazer alguma generalização.

Para esses exercícios, utilize o corpus do Projeto para a História do Português Brasileiro,
disponibilizado em: https://sites.google.com/site/corporaphpb.

Referências bibliográficas
ABREU, Antônio Suárez (2010). Linguística cognitiva: uma visão geral e aplicada. São Paulo: Ateliê
Editorial.
AMARAL, Hílton (1976). Semântica da língua portuguesa. São Paulo: Editora Resenha Universitária.
BALDINGER, Kurt (1970). Teoría Semántica. Hacia una semántica moderna. Madrid: Alcalá.
BIERWISCH, M. (1971). A Classificação dos traços semânticos. Em: M. Dascal (Org. 1982, vol. III:
63-112).
BARROSO, Henrique (1994). O Aspecto verbal perifrástico em português contemporâneo. Porto: Porto
Editora.
BATORÉO, Hanna J. (2000). Expressão do espaço no português europeu. Contributo psicolinguístico
para o estudo da linguagem e cognição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Ministério
da Ciência e da Tecnologia.
BÉCARES BOTA, Vicente (1987). Ver DÍSCOLO, Apolonio (séc. I d.C./1987).
BLOOM, Paul; PETERSON, Mary A. Lynn Nadel; GARRETT, Merrill F. (Eds.1996). Language and
space. Cambridge / London: The MIT Press.
BLUHDORN, Hardarik (2001). A codificação de informação espacial no Alemão e no Português do
Brasil. Adposições e advérbios como meios paa especificar relações estáticas. São Paulo:
Humanitas / Fapesp.
BOLINGER, Dwight (1975). Aspects of language. New York: Harcourt Brace Jovanovich.
BUENO, Francisco da Silveira (1947). Tratado de semântica brasileira. São Paulo: Saraiva.
BÜHLER, Karl (1934/1961). Teoría del lenguaje. Madrid, trad. esp. deJulián Marías, 2a ed. Madrid,
Revista de Occidente, 1961.
BREAL, Michel (1911). Éssai de sémantique. Paris: Hachette.
BYBEE, Joan; PERKINS, Revere; PAGLIUCA, William (eds. 1994). The Evolution of grammar.
Tense, aspect and modality in the languages of the world. Chicago and London: The
University of Chicago Press.
CAFFI, C. Pressuposition. (1993). Em Encyclopedia of languages and linguistics. Oxford: Pergamon
Press, s.v.
CÂMARA Jr., Joaquim Mattoso (1977). Contribuição à estilística portuguesa, 3ª. edição. Rio de
Janeiro: Ao Livro Técnico.
CANÇADO, Márcia (2005). Manual de semântica. Noções básicas e exercícios. Belo Horizonte: Editora
da Universidade Federal de Minas Gerais.
CARRETER, Fernando Lázaro (1953 / 1962). Diccionario de términos filológicos. Madrid: Gredos.
51

CASTILHO, Ataliba T. de (1967). A Sintaxe do verbo e os tempos do passado em Português. Marília:


Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (Coleção Estudos).
CASTILHO, Ataliba T. de (1968a). Introdução ao estudo do aspecto verbal no português. Marília:
Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.
CASTILHO, Ataliba T. de (1999). Problemas do aspecto verbal no português falado no Brasil. Em: E.
Gärtner; C. Hundt; A. Schönberger (Eds. 1999: 17-46).
CASTILHO, Ataliba T. de (Org. 1999). História do Português Paulista, série Estudos, vol. I. Campinas:
Instituto de Estudos Linguísticos.
CASTILHO, Ataliba T. de; MORAES DE CASTILHO, Célia Maria (2002). Adjectival hedges in
Brazilian Spoken Portuguese. Em: B. Schlieben-Lange; I. G.V. Koch; K. Jungbluth (Hrsg.
2002). Dialog zwischen den Schulen. Soziolinguistische, konversationsanalyse und generative
Beitraege aus Brasilien. Muenster: Nodus Publikationen, pp. 181-191.
CASTILHO, Ataliba T. de (2002). Linguística cognitiva e tradição funcionalista. Estudos Linguísticos 32:
1-8, 2002.
CASTILHO, Ataliba T. de (2003). Análise multissistêmica das preposições do eixo transversal no
Português Brasileiro. Em: J. Ramos; M. Alckmim (Orgs. 2007). Para a história do português
brasileiro, vol. IV, pp. 53-132.
CASTILHO, Ataliba T. de (2004). Diacronia das preposições do eixo transversal no Português
Brasileiro. Em: Lígia Negri et al. (Org. 2004: 11-47).
CASTILHO, Ataliba T. de (2009). An approach to language as a complex system. Em A.T. de Castilho
(Org.). História do português paulista, vol. I. Campinas: Setor de Publicações do IEL/Fapesp,
pp. 119-136.
CASTILHO, Ataliba T. de (2010). Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Editora
Contexto, cap. 2.
CASTILHO, Ataliba T. de (2011). Some representations of MOTION in EP and BP standards. Em: A.S.
da Silva; A. Torres; M. Gonçalves (Orgs. 2011). Línguas pluricêntricas. Variação linguística e
dimensões sociocognitivas. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia da Universidade
Católica de Braga, pp. 45-60.
CASTILHO, Ataliba T. de (2013). Definindo um programa funcionalista-cognitivista de mudança
semântica. Texto apresentado à disciplina LL 125 – Seminário de Semântica Histórica,
Universidade Estadual de Campinas, 2o. semestre de 2013.
CASTRO, Walter de (1977). Metáforas machadianas. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
CHIERCHIA, Gennaro (2003). Semântica. Tradução revista por Rodolfo Ilari. Campinas / Londrina:
Editora da Unicamp / Editora da Universidade Estadual de Londrina.
COMRIE, Bernard (1976). Aspect: an introduction to the study of verbal aspect and related problems.
Cambridge: Cambridge University Press.
COMRIE, Bernard (1981). Aspect and voice: some reflections on perfect and passive. Syntax and
Semantics 14: 65-78, 1981.
CORÔA, Maria Luiza M.S. (1993). Tempo verbal: um problema discursivo ou gramatical? Boletim da
Abralin 14: 393-399, 1993.
CROFT, Willian; CRUSE, D. Alan (2004). Cognitive Linguistics. Cambridge: Cambridge University
Press.
DANEŠ, Frantiček (1966). On defining the theme in functional sentence analysis. Travaux de
linguistique de Prague 1: 225-240, 1966.
DANEŠ, Frantiček (ed. 1974). Papers on functional sentence perspective. Prague / Paris: Academia /
Mouton.
DANEŠ, Frantiček (1974). Functional sentence perspective and the organization of the text. Em: F.
Danes (Ed. 1974: 106-128).
DANEŠ, Frantiček (1995). A static view and a dynamic view on text and discourse. Travaux du cercle
linguistique de Prague 1: 185-199, 1995.
DÍSCOLO, Apolonio (séc. I d.C./1987). Sintaxis. Introdución, traducción y notas por Vicente Bécares
Botas. Madrid: Gredos.
DUCROT, Oswald (1972/1977). Dire et ne pas dire: principes de sémantique linguistique. Paris:
Herman. Tradução para o português de C. Vogt; R. Ilari; R.A. Figueira: Princípios de
Semântica Linguística (dizer e não dizer). São Paulo: Cultrix / Universidade Estadual de
Campinas, 1977.
DUCROT, Oswald; TODOROV, Tzvetan (1972/1998). Dicionário enciclopédico das ciências da
linguagem. Lisboa: Publicações Dom Quixote / São Paulo: Perspectiva.
DUCROT, Oswald; VOGT, Carlos (1978). De magis a mais: une hypothèse sémantique. Revue de
linguistique romane 43: 317-341, 1978.
52

DUCROT, Oswald (1987). Esboço de uma teoria polifônica da enunciação. Em: O dizer e o dito.
Campinas: Pontes, trad. de Eduardo Guimarães.
FAUCONNIER, Gilles (1984/1985). Espaces mentaux. Aspects de la construction du sens dans les
langues naturelles. Paris: Les Éditions de Minuit. Trad. para o inglês: Mental Spaces.
Cambridge: The MIT Press, 1985.
FAUCONNIER, Gilles (1996). Mappings in thought and language. Cambridge: Cambridge University
Press.
FAUCONNIER, Gilles; SWEETSER, Eve (Eds. 1996). Spaces, worlds and grammar. Chicago:
University of Chicago Press.
FAUCONNIER, Gilles; TURNER, Mark (1996). Blending as a central process of grammar. Em: Adele
Goldberg (Ed. 1996). Conceptual structure, discourse and language. Stanford: CSLI
Publications, pp. 1-17.
FAUCONNIER, Gilles; TURNER, Mark (1998). Conceptual integration networks. Cognitive Science
22 (2): 133-187, 1998.
FAUCONNIER, Gilles; TURNER, Mark (2002). The way we think: conceptual blending and the
mind’s hidden complexities. New York: Basic Books.
FERRARI, Lilian (2011). Introdução à Linguística Cognitiva. São Paulo: Editora Contexto.
FIGUEIRA, Rosa Attié (1974). Verbos introdutores de pressupostos. Campinas: Universidade
Estadual de Campinas, Dissertação de mestrado.
FILLMORE, Charles (1968). The case for case. Em: E. Bach; Harms (1968). Universals in Linguistic
Theory. New York: Holt, Rinehart & Winston, pp. 1-88.
FILLMORE, Charles (1975). Santa Cruz lectures on dêixis 1971. Bloomington: Indiana University
Linguistics Club.
FILLMORE, Charles (2003). The case for case reopened. Syntax and Semantics. Republicado em, do
autor, Form and meaning in language. Stanford: CSLI, pp. 175-199.
FIRBAŠ, Jan (1964). On defining theme in functional sentence analysis. Travaux Linguistiques de
Prague 1: 267-280, 1964.
FIRBAŠ, Jan (1992). Functional sentence perspective in written and spoken communication.
Cambridge / New York: Cambridge University Press.
FUCHS, Catherine (1982). La paraphrase. Paris: Presses Universitaires de France.
GREIMAS, A. J. (1966/1973). Semântica estrutural. São Paulo: Cultrix.
GUÉRIOS, Mansur (1956 / 1979). Tabus linguísticos. São Paulo: Companhia Editora Nacional.
GUIMARÃES, Eduardo (1979). Modalidade e argumentação linguística. São Paulo: Universidade de
São Paulo, Tese de doutoramento.
GUIMARÃES, Eduardo (1987). Texto e argumentação. Um estudo de conjunções do Português.
Campinas: Editora Pontes.
GOLDBERG, Adele E. (1995). Constructions: a construction grammar approach to argument
structure. Chicago: University of Chicago Press.
GUIRAUD, Pierre (1955/1975). A semântica. São Paulo: Difusão Européia do Livro.
GOLDBERG, Adele E. (Ed. 1996). Conceptual structure, discourse and language. Stanford: CSLI
Publications.
GRUBER, Jeffrey (1976). Lexical structures in syntax and semantics. Amsterdam: North Holland.
HALLIDAY, Mark Alexander Kirkwood; HASAN, Rukaya (1976). Cohesion in English. London:
Longmans.
HALLIG, Rudolf; VON WARTBURG, Walther (1952/1963). Système raisonné des concepts pour
servir de base à la lexicographie. Berlin: Akademie Verlag, 2ème. Éd., 1963).
HEINE, Bernd; CLAUDI, Ulrike; HÜNNEMEYER, Friederike (1991). From cognition to grammar.
Evidence from African languages. Em: Traugott/Heine (Orgs. 1991, Vol. I, 149-188).
HILGERT, José Gaston (1989). A paráfrase: um procedimento de constituição do diálogo. São Paulo:
Universidade de São Paulo, Tese de doutoramento.
HILGERT, José Gaston (2006). Parafraseamento. Em C.C.S. Jubran; I.G.V. Koch (Orgs. 2006).
Gramática do Português culto falado no Brasil. Construção do texto, vol. I. Campinas:
Editora da Unicamp/Fapesp, pp. 275-300).
ILARI, Rodolfo; MANTOANELLI, Ivone (1983). As formas progressivas do português. Cadernos de
Estudos Linguísticos 5: 27-60, 1983.
ILARI, Rodolfo; GERALDI, João Wanderley (1985). Semântica. São Paulo: Ática.
ILARI, Rodolfo (1986a/1992/2004). Perspectiva funcional da frase portuguesa. Campinas: Editora da
Unicamp, 3a. ed., 2004.
ILARI, Rodolfo (1986b). Delocutivos nós também temos, falô? Cadernos de Estudos Linguísticos 10:
81-86, 1986.
53

ILARI, Rodolfo (1987). Algo sobre não só mas também. D.E.L.T.A. 3 (1): 111-116, 1987.
ILARI, Rodolfo (1997). A expressão do tempo em português. São Paulo: Contexto / Educ.
ILARI, Rodolfo (2001). Introdução à semântica. Brincando com a gramática. São Paulo: Contexto,
5ª.ed.
ILARI, Rodolfo (2002). Introdução ao estudo do léxico. Brincando com as palavras. São Paulo:
Contexto.
ILARI, Rodolfo; BASSO, Renato (2008a). O verbo. Em R. Ilari; M.H.M.Neves (Orgs. 2008)
Gramática do português culto falado no Brasil, vol. III. Campinas: Editora da
Unicamp/Fapesp, 163-370; 2a. edição: R. Ilari (Org. 2014: 65-242).
ILARI, Rodolfo et alii (2008b). A preposição. Em R. Ilari e M.H.Moura Neves (Orgs. 2008).
Gramática do português culto falado no Brasil, vol. II. Campinas: Editora da Unicamp, pp.
623-808.
ILARI, Rodolfo (2008c). As conjunções. Em: R. Ilari; M. H. M. Neves (Orgs. 2008). Gramática do
português culto falado no Brasil, vol. III. Campinas: Editora da Unicamp/Fapesp, 809-864.
ILARI, Rodolfo (2013). Projeto de Semântica Diacrônica. Anotações ao jornal Brado Conservador,
RN, edição de 3 de agosto de 1877. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte,
inédito.
ILARI, Rodolfo (2014b). Palavras de classe aberta. Gramática do Português Culto Falado no Brasil,
vol. II. São Paulo: Editora Contexto.
ILARI, Rodolfo (Org. 2015). Palavras de classe fechada. Gramática do Português Culto Falado no
Brasil, vol. III. São Paulo: Editora Contexto.
JACKENDOFF, Ray (1972). Semantic interpretation in generative grammar. Cambridge, Mass.: MIT
Press.
JACKENDOFF, Ray (1985). Semantics and cognition. Cambridge: The MIT Press, 7th printing.
JACKENDOFF, Ray (1992). Language of the mind: essays on mental representation. Cambridge:
Cambridge University Press.
JACKENDOFF, Ray (2002). Foundations of language: brain, meaning, grammar, evolution. Oxford /
New York: MIT Press.
JUBRAN, Clélia Cândida Spinardi; KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça (Orgs. 2006). Gramática do
Português Culto Falado no Brasil, vol. I, Construção do texto falado. Campinas: Editora da
Unicamp.
JUBRAN, Clélia Cândida Spinardi (Org., no prelo). A construção do texto falado. Gramática do
Português Culto Falado no Brasil, vol. I. São Paulo: Editora Contexto, 2 a. edição, no prelo.
KEMPSON, Ruth M. (1977/1980). Teoria semântica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, tradução de W.
Dutra.
KOCH, Ingedore G. Villaça (1984). Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez.
KOCH, Ingedore G. Villaça (1992). A Inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 9a. ed., 1993.
KEWITZ, Verena (2009). A representação do ESPAÇO no Português Paulista: uma abordagem
sociocognitiva. Em: Morais, M.A.C.R.; Andrade, M.L.C.V.O. (Orgs. 2009) História do
Português Paulista, Campinas: Publicações IEL / Fapesp, vol. II, p. 181-195.
KEWITZ (sobre papeis temáticos)
KOCH, Ingedore G. Villaça (2004b). Sobre a seleção do núcleo das formas nominais anafóricas na
progressão referencial. Em: Ligia Negri et alii (Orgs. 2004). Sentido e significação. Em torno
da obra de Rodolfo Ilari. São Paulo: Editora Contexto, pp. 244-262.
LAHUD, Michel (1979). A propósito da noção de dêixis. São Paulo: Editora Ática.
LAKOFF, George (1982). Categories: an essay in cognitive linguistics. Em: Linguistics in the Morning
Calm. Selected Papers from SICOL-1981. Seoul: Hanshin Publishing Co., pp. 139-209.
LAKOFF, George (1975). Hedges: a study in meaning criteria and the logic of fuzzy concepts. Em:
Hockney et al. (Eds.) Contemporary research in philosophical logic and linguistic semantics.
Dordrecht: D. Reidel Publishing Co., pp. 121-171.
LAKOFF, George / JOHNSON, Mark (1980/2002). Metaphors we live by. Chicago and London: The
University of Chicago Press. Metáforas da Vida Cotidiana. São Paulo: Editora da PUC de São
Paulo / Mercado de Letras, 2002, tradução de Vera Maluf.
LAKOFF, George (1982). Categories: an essay in cognitive linguistics. Em: Linguistics in the Morning
Calm. Selected Papers from SICOL-1981. Seoul: Hanshin Publishing Co., pp. 139-209.
LAKOFF, George (1987). Women, Fire and Dangerous Thinks. What categories reveal about the mind.
Chicago: The University of Chicago Press.
LAKOFF, R. (1971). If´s and´s and but´s about conjunction. Em: C. Fillmore / D.T. Langedoen (Eds.
1971). Studies in linguistic semantics. New York: Holt, Rinehart and Winston.
54

LANGACKER, Ronald (1987). Foundations of cognitive grammar, vol. 1, Theoretical prerequisites.


Stanford: Stanford University Press.
LANGACKER, Ronald (1990). Concept, image and symbol: the cognitive basis of grammar. Berlin
and New York: Mouton de Gruyter.
LANGACKER, Ronald (1991). Foundations of cognitive grammar, vol. 2, Descriptive Application.
Stanford: Stanford University Press.
LANGACKER, Ronald (1992). Prepositions as grammatical(izing) elements. Leuvense Bijdragen 81:
287-309, 1992.
LANGACKER, Ronald (1999). Grammar and conceptualization. Berlin and New York: Mouton De
Gruyter.
LANGACKER, Ronald (2008). Cognitive grammar: a basic introduction. Oxford: Oxford University
Press.
LAURA, Fábio Izaltino (2013). Abordagem multissistêmica da marcação de Tema no português
paulista. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, tese de doutoramento.
LEECH, Georg (1974). Semantics. Harmondsworth: Penguin Books.
LEVINSON, Stephen. Space in language and cognition. Explorations in Cognitive Diversity.
Cambridge University Press, 2003.
LIMA-HERNANDES, Maria Célia (2005). A Interface sociolinguística / gramaticalização:
estratificação de usos de tipo, feito, igual e como, sincronia e diacronia. Campinas:
Universidade Estadual de Campinas: Tese de doutoramento.
LOBATO, Maria Lúcia Pinheiro (Org. 1976). A semântica na linguística moderna. O léxico. Seleção,
introdução e revisão técnica. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora.
LONGHIN-THOMAZI, Sanderléia, Roberta (2006). Gramaticalização de conjunções coordenativas: a
história de uma conclusiva. Gragoatá 21, 2006.
LONGHIN-THOMAZI, Sanderléia, Roberta (2009). Grammaticalization of conjunctions. Em: A.T. de
Castilho (Org. 2009: 577-583).
LYONS, Jonh (1977 /1984). Semantics. London: Longmans, 2 vols. Tradução para o português:
Semântica estrutural. Lisboa: Editorial Presença, 1984. Ver vol. II, p. 620.
LYONS, John (1979). Introdução à linguística teórica. São Paulo: Ed. Nacional/Ed. da Universidade
de São Paulo.
MARCUSCHI, Luiz Antônio; KOCH, Ingedore G. Villaça (2006). Referenciação. Em C.C.S. Jubran;
I.G.V. Koch (Orgs. 2006). Gramática do Português Culto Falado no Brasil. A construção do
texto, vol. I. Campinas: Editora da Unicamp, pp. 381-399.
MARQUES, Maria Helena Duarte (1976). Estudos semânticos. Rio de Janeiro: Grifo.
MIRANDA, Neusa Salim; NAME, Maria Cristina (Orgs.). Linguística e Cognição. Juiz de Fora:
Universidade Federal de Juiz de Fora, 2005.
MIRANDA, Neusa Salim; SALOMÃO, Maria Margarida Martins (Orgs.). Construções do Português
do Brasil. Da gramática ao discurso. Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de
Minas Gerais, 2009.
MÓDOLO, Marcelo (2004). Gramaticalização das conjunções correlativas. São Paulo: Universidade
de São Paulo, Tese de doutoramento.
MÓDOLO, Marcelo (2006). A estrutura correlativa alternativa ‘quer...quer’ de uma perspectiva
multissistêmica. Em: T. Lobo; I. Ribeiro; Z. Carneiro; N. Almeida (Orgs. 2006: 313-334).
MORAES DE CASTILHO, Célia Maria (1991). Os Delimitadores no português falado no Brasil.
Campinas: Unicamp, Dissertação de mestrado.
MORAES DE CASTILHO, Célia Maria (2013). Fundamentos sintáticos do português brasileiro. São
Paulo: Editora Contexto.
MORRIS, Charles W. (1938). Foundations of the theory of signs. Chicago: The University of Chicago
Press. Fundamentos da Teoria dos Signos. Rio de Janeiro / São Paulo: Livraria Eldorado
Tijuca / Editora da Universidade de São Paulo, tradução para o português de Mílton José
Pinto.
MULLER, Ana Lúcia; NEGRÃO, Esmeralda Vailati; FOLTRAN, Maria José (Orgs. 2003). Semântica
formal. São Paulo: Editora Contexto.
NEGRÃO, Esmeralda V. (2002). Distributividade e genericidade nos sintagmas introduzidos por cada
e todo. Revista do GEL, número especial: 185-205, 2002.
OGDENS, C.K.; RICHARDS, I. A. (1923/1972). O significado de significado. Um estudo da
influência da linguagem sobre o pensamento e sobre a Ciência do Simbolismo. Rio de Janeiro:
Zahar Editores, tradução de A. Cabral.
PAUL, Herman (1880/1920/1970). Princípios fundamentais da história da língua. Lisboa: Fundação
Calouste Gulbenkian, tradução de Maria Luisa Schemann.
55

PÊCHEUX, Michel (1995). Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas Ed.
Da Universidade Estadual de Campinas, 2a. ed., trad. de Eni Orlandi et al.
PEREIRA, Eduardo Carlos (1907/1918). Grammatica expositiva. São Paulo: Companhia Editora
Nacional.
PERES, João Andrade; MÓIA, Telmo (1995). Áreas críticas da língua portuguesa. Lisboa: Caminho.
PERES, João Andrade (2013). Semântica do sintagma nominal. Em: E.B.P. Raposo et al (Orgs.).
Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, vols. 1, pp. 735-814.
PINTO, Mílton José (1977). Análise semântica de línguas naturais: caminhos e obstáculos. Rio de
Janeiro: Forense Universitária.
PONTES, Eunice (Org. 1990). A Metáfora. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas.
PONTES, Eunice (1992). Espaço e Tempo na Língua Portuguesa. Campinas: Pontes.
PONTES, Joel (1974). Palavras luso-brasileiras de futebol. Recife: Editora Universitária.
PÜTZ, Martin ; DIRVEN, René (Eds. 1996). The construal of space in language and thought. Berlin
and New York: Mouton de Gruyter.
PRINCE, Ellen (1981). Toward a taxonomy of given-new information. Em: P. Cole (Ed. 1981).
Radical Pragmatics. New York: Academic Press, pp. 223-256).
RECTOR, Mônica R.S.; YUNES, Eliana (1981). Manual de semântica. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico.
REHFELDT, Gládis Knak (1980). Polissemia e campo semântico. Estudo aplicado aos verbos de
movimento. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
RISSO Mercedes Sanfelice (1996). O articulador discursivo ‘então’. Em: A. T. de Castilho; Margarida
(Orgs. 1996: 423-452).
SACKS, Sheldon (Org. 1992). Da metáfora. São Paulo / Campinas: Editora da PUC de São Paulo /
Pontes.
SAID ALI IDA, Manuel (1930). Meios de expressão e alterações semânticas. Rio de Janeiro: Briguiet.
SEGRE, Cesare (1974). Os signos e a crítica. São Paulo: Perspectiva, tradução de Carlos Vogt e
Rodolfo Ilari.
SILVA, Augusto Soares da. (1997). A Linguística cognitiva. Uma breve introdução a um novo
paradigma em lingüística. Revista Portuguesa de Humanidades, vol. I (1-2), 59-101.
SILVA, Augusto Soares da. (1999). A Semântica de deixar. Uma contribuição para a abordagem
cognitiva em semântica lexical. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação para a
Ciência e a Tecnologia.
SILVA, Augusto Soares da (Org. 2001). Linguagem e cognição. A perspectiva da linguística cognitiva.
Braga: Associação Portuguesa de Linguística / Universidade Católica Portuguesa, 2ª. ed.,
2003.
SILVA, Augusto Soares da (2003). O poder cognitivo da metáfora e da metonímia. Revista Portuguesa
de Humanidades 7 (1/2): 13-75.
SILVA, Augusto Soares da (2006). O mundo dos sentidos em português. Polissemia, semântica e
cognição. Coimbra: Almedina.
SILVA, Augusto Soares da (2007). Os estudos de Linguística Cognitiva do Português. Revista
Portuguesa de Humanidades | Estudos Linguísticos 11 (1): 51-83, 2007.
SILVA, Ignácio Assis da (1973). A dêixis pessoal. São Paulo: Universidade de São Paulo, Tese de
doutoramento.
SILVA JÚNIOR, Pacheco da (1903). Noções de semântica. Rio de Janeiro: Francisco Alves.
SOARES, Maria Aparecida B.P. (1987). A semântica do aspecto verbal em russo e em português. Rio
de Janeiro: Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coleção Teses.
SPITZER S.J., Carlos (1936/1955). Dicionário analógico da língua portuguesa, 4ª. edição publicada pelo
Pe. Lidvino Santini S.J. Rio de Janeiro / Porto Alegre / São Paulo: Editora Globo.
STAMMERJOHANN, H. (1977). Elementi di articolazione dell’italiano parlato. Studi di Grammatica
Italiana 6: 109-11.
STENGAARD, Birte (1991). Vida y muerte de um campo semântico. Un estúdio de la evolución
semântica de los verbos latinos stare, sedere e iacere del latín al romance del s. XIII.
Tubingen, Max Niemeyer Verlag.
SUÑER, Margarita (1982). Syntax and semantics of Spanish presentational sentence-types.
Washington: Georgetown University.
SVOROU, Soteria (1993). The Grammar of space. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins
Publishing Company.
SWEETSER, E. (1990). From etymology to pragmatics. Metaphorical and cultural aspects of semantic
structure. Cambridge/New York: CUP.
SWEETSER, Eve; FAUCONNIER, Gilles (Eds. 1996). Spaces, worlds and grammar. Chicago and
London: The University of Chicago Press.
56

TALMY, Leonard (1988). Force dynamics in language and cognition. Cognitive Science 12: 49-100,
1988.
TALMY, Leonard (1996). Fictive motion in language and ‘ception’. Em: P. Bloom / M. A. Peterson /
Lynn Nadel / M. F. Garrett (Eds. 1996, pp.211-276).
TALMY, Leonard (2000). Toward a cognitive semantics. Cambridge: The MIT Press, 2 vols.
TALMY, Leonard (2001). Force dynamics in language and cognition. Toward a cognitive semantics.
Cambridge/London: The MIT Press, vol. I, pp. 409-470.
TALMY, Leonard (2003). Concept structuring systems in language. Em: M. Tomasello (Ed. 2003, vol.
2: 15-46).
TOMASELLO, Michael (Ed. 2003). Constructing a language. A usage-based theory of language
acquisition. Cambridge: Harvard University Press.
TRASK, R.L. (2004). Dicionário de linguagem e lingüística. São Paulo: Contexto, tradução de
Rodolfo Ilari.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos (1981). O Aspecto verbal no português. Uberlândia: Universidade Federal
de Uberlândia.
UNGERER, F.; SCHMID, H.-J.S. (1996). An introduction to cognitive linguistics. London: Longmans.
ULLMAN, Stephen (1962/1973). Semântica. Uma introdução à ciência do significado. Tradução de
J.A. Osório Mateus. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
VOGT, Carlos (1977). O intervalo semântico. São Paulo: Editora Ática.
VOGT, Carlos (1980/1989). Linguagem, pragmática e ideologia, 2ª. edição. São Paulo: Hucitec /
Campinas: Fundação de Desenvolvimento da Unicamp.
WEINREICH, Uriel (1972). Pesquisas em teoria semântica. Em: L.M.P.Lobato (Org. 1977). A
semântica na linguística moderna. O léxico. Seleção, introdução e revisão técnica. Rio de
Janeiro: Francisco Alves Editora, pp. 165-273.