Você está na página 1de 11

c  c

  
 
?

c 

‘ 


   


  


 
  


     


    

! 

" ‘ 


    



# 
  

  




ŒŒ


 

Vários fenômenos acontecem na natureza e em várias dimensões. As maiorias desses


fenômenos passam despercebidas, por ser muito grande ou muito pequeno. Na verdade, nós
teríamos que ser gigantes, para seguir o percurso das nuvens pelos continentes. E teríamos que
ser ainda maior para contemplar a magnífica rotação da nossa galáxia. Por outro lado, se
fossemos pequenos como uma formiga, seriamos capazes de ver um incrível mundo em
miniatura onde criaturas curiosas, como os protistas, vivem. O microscópio é um instrumento
que nos permite visualizar essa dimensão e explorar o microcosmo. Um floco de neve, uma flor,
uma poça, parecem coisas normais, sem surpresas. Mas, se pudéssemos ver a perfeição de um
bloco de neve, as formas ocultas de uma flor e a variedade de pequenas criaturas que vivem
em uma poça, certamente ficaríamos surpresos. Estamos cercados por um fascinante e
desconhecido mundo. O microscópio é o veiculo correto para nos conduzir até esse mundo
incrível.

Normalmente, quando
queremos observar objetos
muito pequenos, percebemos
que é impossível distinguir
detalhes menores que um
décimo de milímetro pelo olho
humano. Por isso, o homem
criou instrumentos, como o
microscópio, que permitem
ultrapassar nossos limites
naturais. O projeto a seguir
contem as instruções para
construir um pequeno
microscópio. Esse é um
modelo similar do construído
por Anton van Leeuwenhoek
no séc. XVII, um dos primeiros
microscópios construídos.
Como nosso ilustre
antecessor, nosso microscópio
é baseado em uma simples,
mas poderosa lente.
ŒŒ

c    
 

Várias importantes descobertas científicas foram feitas por


amadores. Leeuwenhoek era um comerciante de tecido
simples. Em seu trabalho, ele usava ͞pérolas de vidro" para
analisar os tecidos em detalhe. Nenhum dos colegas de
Leeuwenhoek teve a idéia de se observar qualquer coisa
diferente para os têxteis, talvez porque não achavam que havia
mais nada que valia a pena olhar. Leeuwenhoek, entretanto,
incentivado por uma curiosidade natural e insaciável, começou
a observar tudo ao seu redor. Ele examinou a saliva e o sangue,
a água da lagoa, vinagre, cerveja e inúmeras outras coisas.
Potencialmente, todos os testes foram bons, mas a água da
lagoa ou até mesmo a água de uma poça de simples (o mais
sujo, melhor) foi o assunto de maior interesse para examinar.
Ele descobriu e descreveu vários microrganismos. Ele enviou
relatórios para a Academia de Ciências Inglesa, a Sociedade
Real de Londres, que esses documentos foram amplamente
distribuídos.

Assim, o fundador da microbiologia moderna era um mero


amador, mas a comunidade científica percebeu a importância
de suas descobertas somente depois de muitas décadas. O
primeiro avanço de Leeuwenhoek foi dirigir sua atenção para
tecidos de objetos naturais. Para obter ampliações cada vez
maiores, ele trabalhou em lentes menores e menores,
chegando finalmente a lentes de 1-2 mm de diâmetro. Essas
lentes pequenas e poderosas são difíceis de manusear e de
foco. Para superar estas dificuldades, Leeuwenhoek colocou s
lente entre duas folhas de metal perfuradas. Ele organizou as
amostras a serem observados na ponta de um parafuso, para
que ele pudesse regular precisamente a distância entre eles eo
objetivo. Os observadores tiveram que manter o instrumento
muito perto de seus olhos e olhar através da lente.

Basicamente, este instrumento foi composto de apenas uma lente. Dada a elevada curvatura
de suas superfícies, esta lente era muito poderosa e permitiu aumentos de até 300X, quase um
terço da ampliação de um microscópio moderno. Na óptica, este microscópio é definido como
simples, pois é formado por apenas uma lente. No mesmo período de estudos Leeuwenhoek, o
físico Robert Hooke, Inglês, já havia construído um microscópio com lentes compostas,
constituído por dois grupos de lentes: objetiva e ocular. No entanto, as té cnicas de fabricação
de lentes não estavam suficientemente desenvolvidas e por isso este tipo de instrumento teve
sérios defeitos ópticos. Isso tornava menos eficaz do que um simples microscópio. Somente no
primeiro semestre de 1800 a fabricação dos microscópios foi aperfeiçoada. Leeuwenhoek
construiu centenas de microscópios. Alguns destes são ainda hoje existem e são conservados
em museus (fig. 1).
ŒŒ

c   
 
c 

Durante a década de 50, na "Scientific American Magazine", D.L. Stong redescobriu o


microscópio de Leeuwenhoek velho e melhoraram muito. Adaptou-o para usar lâminas de
microscópio e apresenta um espelho móvel à luz direta por meio dos slides. Outra inovação do
Stong é o método de preparação da lente objetiva. Leeuwenhoek era capaz de produzir lentes
pequenas pelo polimento manual, utilizando pó abrasivo. Parece que ele também obteve estas
lentes de fundo de alta temperatura lâmpadas de vidro fundido. Provavelmente, ele explorou a
tensão de superfície do vidro fundido para a obtenção de gotas esféricas de alta qualidade.
Stong propôs um método simples de obter essas esferas. Ele derreteu a parte central de uma
vareta de vidro em um bico de Bunsen, a fim de obter um fio de vidro fino, então ele trouxe
este fio perto da chama para a produção de esferas de vidro de alta qualidade (ver figura 4).

Recentemente, na revista "Scienza & Vita͟ edição de Dezembro de 1993, que apresentou um
modelo de microscópio esfera de vidro derivado do modelo Stong, que introduziu algumas
outras melhorias. O primeiro diz respeito à estrutura mecânica, que foi feito mais fácil de usar,
e o segundo é um novo sistema de iluminação. No lugar do espelho, com a qual era muito difícil
de observar objetos claramente, neste novo modelo, existe uma luz com um difusor circular
que mantém o ideal de iluminação em todos os momentos.

Este microscópio pode chegar a uma ampliação de 200 vezes ou mais, dando imagens
surpreendentemente claras. Sua construção dá a possibilidade de desfrutar a sensação
experimentada por cientistas há trezentos anos. O microscópio abre um campo fantástico de
experiências para os amadores, na preparação de amostras para observar e na criação de
lâminas permanentes. Para os professores esta poderia ser uma interessante experiência de
laboratório, a fim de que, cada aluno pode ter um pequeno microscópio feito com suas
próprias mãos. Além disso, durante esta experiência, o professor teria a oportunidade de
introduzir conceitos fundamentais da Óptica e Biologia.
ŒŒ

 !"#$c%& &'(%


Œ)Œ

O microscópio descrito pode ser dividido em quatro partes:

©? Ótica
©? aerramentas de aoco
©? Estrutura de Suporte
©? Sistema de iluminação
Œ*Œ

A parte óptica é formada pela objetiva. No nosso caso é uma esfera de vidro pequeno com um
diâmetro compreendido entre 1,2 e 2,5 mm, o que funciona como uma lupa. Dando a sua
pequena dimensão, é muito poderoso e deve ser mantido a uma distância de poucos décimos
de milímetro de objetos a serem observados.

THE PREPARATION Oa THE OBJECTIVE

Para fabricar a lente objetiva (fig. 4) você precisa de um bastão de vidro com um diâmetro de 3
a 5 mm, um bico de Bunsen e um par de pinças. Você pode obter estas ferramentas para um
baixo preço em uma loja de química. Para o bico de Bunsen, você vai pr ecisar de um pequeno
tanque de gás, uma válvula redutora de pressão e um tubo de borracha. Esses objetos são
fáceis de encontrar em qualquer loja de ferragens nas proximidades. Usando um queimador de
gás de um fogão, é preciso muita paciência e não é fácil de obter resultados satisfatórios: a
chama não fornece o calor suficiente para vidro e há sempre o risco de queimar os dedos.

Por outro lado, com o bico de Bunsen, você tem uma chama concentrado e poderosa, cuja
intensidade pode ser regulada. Este aparelho permite que você trabalhe enquanto está sentado
e isso é muito importante para a fabricação dessas delicadas lentes objetivas.
Œ+Œ

Para reduzir as formações de bolhas na esfera de vidro criada, lave bem a vareta de vidro com
água e sabão, evite tocá-la na parte central. Depois de ter ligado o bico de Bunsen e ajustada a
chama, esquente a parte central da haste, enquanto gire o material que entre seus dedos.
Quando o vidro estiver suficientemente flexível, retire-o do fogo e puxe-o firmemente em
ambas as extremidades até obter um fio de vidro com um diâmetro de cerca de 0,3 milímetros.
Com a pinça, quebre o fio no meio, sem tocá-lo com os dedos. Coloque uma das pontas da linha
ao lado da chama até que ele comece a derreter, formando uma pequena bola. Aproxime essa
bola da chama até que a bola atinge 1,5 a 2 mm de diâmetro, em seguida, remova o fio do fogo
e deixe esfriar a bola. Agora quebre o fio cerca de 10 mm a partir da bolinha. Você usará esse
fio para colar a lente objetiva no seu encaixe. O que garante a forma esférica da bola de vidro é
a tensão de superfície do vidro fundido. No entanto a força gravitacional tende a defo rmar a
esfera, de modo a obter as lentes objetivas de qualidade, é necessário ficar dentro de pequenas
dimensões.

Será necessário preparar, pelo menos, uma dúzia de bolas de vidro pequenas, então com uma
lente forte, escolher um do tamanho correto, sem bolhas de ar e outras imperfeições. Esta será
a lente objetiva do microscópio. As outras objetivas boas serão mantidas em reserva. Haverá
vestígios de hidrocarbonetos na esfera de vidro que foi fabricada. A esfera deve ser limpa
delicadamente com um pano molhado com álcool ou saliva. O poder de ampliação da objetiva é
maior quanto menor o seu tamanho. Como você pode determinar o poder de ampliação? Basta
resolver a seguinte equação: I = 333 / d, onde é ͞I͟a potência de ampliação e ͞d͟ é o diâmetro
da esfera, expressa em mm. Por exemplo, com uma esfera de 1,66 mm de diâmetro, você
obterá cerca de uma ampliação de 200 X.

c 
c  

Para focalizar o microscópio, você deve mover o objetivo próximo, ou ainda a partir da
amostra. Por esta razão, a lente é fixa em uma lâmina de metal ligado a dois parafusos. O
primeiro deve ter uma altura maior e permite um movimento mais rápido, mas menos preciso
(ajuste grosseiro). A segunda, com um tom mais fino permite uma focagem precisa de ajuste
(fino).

Uma segunda lâmina de metal é parafusada, abaixo do plano superior e suporta o parafuso de
ajuste grosseiro. Estas duas lâminas de metal, com uma espessura de um milímetro, podem ser
de latão ou aço. A objetiva é montada abaixo da lâmina de metal superior sobre um buraco que
vamos chamar encaixe. Na figura 3 são mostradas as dimensões para fazer o encaixe da
objetiva. A curva de U das duas lâminas de metal mantém os parafusos alinhados, o que evita a
instabilidade da lente objetiva.

Como você pode ver nas figuras 2 e 3, a lâmina é um pouco curvada, senão poderia vibrar
livremente no plano onde esta a lente objetiva. Para dar estabilidade, é necessário dobrar a
lâmina que suporta o parafuso de ajuste grosseiro ligeiramente para cima, desta forma a lâmina
estabiliza-se. Complete essas operações antes de colocar a lente objetiva, para evitar correr o
risco de descolamento e danificá-lo. A ponta do parafuso micrométrico deve ser suavizada para
evitar riscar o plano superior.
Œ,Œ

   

A construção da estrutura de apoio é particularmente simples. É necessário construir uma


pequena caixa aberta em dois lados. Para a base e as duas paredes que você pode usar placas
de madeira com pregos e fixar com cola. Para a parte superior, onde você colocou as lâminas
de vidro, e onde o parafuso de focagem slides, é necessário utilizar um material suave, mas
dura, por exemplo, aórmica (Laminado melamínico). Nesse plano, é necessário fazer um buraco
de cerca de 10 mm de diâmetro para permitir a passagem da luz do iluminador. Você também
deve fazer dois furos para os parafusos que prendem a lâmina de ajuste grosseiro. Em uma das
duas paredes laterais do palco que você deve fazer um sulco para definir a lâmina. O plano
superior deve ser fixado à base com parafusos de modo que ele possa ser removido.?

  c  c
 

Além da lente objetiva, o sistema de iluminação é a parte mais crítica do instrumento. Se ela
estiver bem ajustada, que permite que objetos para ser visto com uma nitidez impressionante
para um instrumento tão simples, caso contrário, listras de luz irá confundir todos os deta lhes.
É importante que a fonte de luz tenha uma forma circular, um brilho uniforme e uma dimensão
adequada. O sol não é uma boa fonte. É muito forte e sua superfície emissora é muito pequena.
Usando a luz solar, os objetos aparecem como aglomerados de grân ulos extremamente
contrastantes, sem detalhes. Eu tentei usar um espelho oscilante para coletar a luz proveniente
de diferentes fontes (lâmpadas ou janelas), de acordo com as sugestões acima de Stong. É uma
solução simples, mas o ajuste do espelho é muito crítica e, além disso, se você mover o
microscópio, você vai perder o ajuste que você tem alcançado. Se você coletar a luz de uma
lâmpada de néon, devido à sua forma alongada, os objetos que você observa serão distintos em
uma única direção. Por razões semelhantes, é necessário excluir a utilização de lâmpadas nuas.

Uma solução fácil e eficaz é uma pequena caixa contendo uma lâmpada de lanterna elétrica,
alimentada por uma bateria descarregada (4,5 V). Esta solução dá sempre melhores condições
de iluminação e evita os problemas devido ao ajuste do espelho. Você também pode dar o
microscópio para outro observador, sem perder o ajuste da iluminação. A bateria pode ser
fixada à parede da caixa por um elástico. Além da bateria, é melhor instalar um conector de
alimentação de energia, a partir de uma baixa tensão de fornecimento de energia elétrica.
Quando o fornecimento de energia é usado, a bateria deve ser desligada.

A caixa de iluminação pode ser obtida a partir de um recipiente de filme 35 mm (24 mm x 36


mm), corte-o ao meio (para reter a tampa, derreta a borda com uma chama pequena). Coloque
a lâmpada em um suporte de lâmpada adequado inserido em um orifício lateral na caixa. Para
aumentar a eficiência do iluminador, cubra o interior da caixa com papel branco, ou melhor,
com papel de luz verde para elevar a temperatura de cor da luz. aixar a caixa para o palco com
um parafuso. A luz deve passar através de uma abertura circular feita na capa, com um
diâmetro de 8 mm. Você tem a tela de abertura com um disco plástico transparente de modo
que o filamento será escondido, e haverá um disco circular uniformemente iluminado. Essa tela
não deve ser tão transparente, permitindo que o filamento seja visto, nem tão opaco como
para absorver a luz demais. Observando a figura 3, note como a fonte de luz, o buraco no plano
Œ-Œ

superior, as lâminas da amostra, o encaixe cônico, com a lente objetiva e os olhos estão todos
no mesmo eixo vertical.

c

./ 

A objetiva tem que ser colado sob a lâmina


de metal com foco no encaixe cônico (fig.
3). Antes de fazer isso, é necessária a
pintura opaca local em preto na parte da
objetiva, uma parte da lâmina, de todos os
lados. Isso reduz os reflexos e
interferências da luz e isso deve ser feito
em ambas as faces da lâmina. Esta
operação pode ser feita facilmente por
uma lata spray, mas também é possível
pintar com um pincel.
Para colar a objetiva, colocar uma gota de
esmalte base somente no segmento de
vidro que a esfera é conectada (fig. 5). Sem
tocá-lo com os dedos, a objetiva deve ser
pressionada um pouco contra o encaixe,
para eliminar eventuais lacunas. Na
verdade, se alguma luz entrar entre as
lentes e o assento, o contraste da imagem
seria consideravelmente reduzido.

 c  

Este instrumento é
adequado para observar
objetos transparentes. Por
este motivo, é melhor
escolher objetos muito
pequenos que sejam
transparentes e finos. Você
deve colocar a amostra
sobre uma lâmina de vidro.
Com um conta-gotas,
pingue duas gotas de água
na amostra. Em seguida,
cubra esta com uma
película (fig. 6). Quando
você coloca a amostra com
a objetiva, tenha cuidado
para não bater nem para
molhar com água. Esta
lente deve ser apenas
alguns décimos de
milímetro de distância da
lamínula.
Œ0Œ

Ligue a lampada. No centro


da amostra, observe a
variação da luz através da
objetiva. Agora traga seu olho
o mais próximo quanto
possível da objetiva. Você vai
ver o campo de observação
ampliar (no início é um
problema para encontrar um
lugar para o seu nariz =P).
Agora mova os parafusos
concentrando para fazer a
imagem distinta. Movendo a
lâmina, a objetiva e o haste
de metal (fig. 7), pode
facilmente explorar o campo
de observação.

c



Nunca toque a objetiva com os dedos e, se for necessário limpá-la, delicadamente use um
algodão molhado. Enquanto isso mantenha a objetiva para baixo para evitar quebrar o fio de
vidro, a qual ele está anexado. Após o uso, guarde o microscópio e todos os seus acessórios em
uma caixa fechada.