Você está na página 1de 6

PROCESSO SELETIVO

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA - ANOS OPCIONAIS


SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL
C O O R D E N A D O R I A G E R A L DE GESTÃO DE TALENTOS
COORDENADORIA DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

CADERNO DE QUESTÕES DOS PROGRAMAS:

CIRURGIA GERAL- CIRURGIA DO TRAUMA /


CIRURGIA GERAL-CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

• Este caderno contém 40 (quarenta) questões objetivas de múltipla escolha, cada uma com 4 (quatro) alternativas
(A,B,C,D).
ATENÇÃO! • A duração da prova é de 3 (três) horas, considerando, inclusive, a marcação do cartão-resposta.

" • Após o sinal de início da prova, confira a paginação do seu caderno de questões.

1. Observe as seguintes recomendações relativas ao CARTÃO-RESPOSTA:


→ verifique, no seu cartão, o seu nome, o número de inscrição e o número de seu documento de identidade;
→ o CARTÃO-RESPOSTA será o único documento válido para correção eletrônica através de leitura óptica, e seu
preenchimento e respectiva assinatura são de inteira responsabilidade do candidato;
→ a maneira correta de marcação das respostas é cobrir, fortemente, com caneta esferográfica, obrigatoriamente,
de tinta azul ou preta, o espaço correspondente à letra a ser assinalada, para assegurar a perfeita leitura óptica.

2. Não haverá substituição parcial ou integral do CARTÃO-RESPOSTA, por erro do candidato.

3. O candidato será automaticamente excluído do certame se for surpreendido:


→ dando e/ou recebendo auxílio para a execução da prova;
→ utilizando-se, no decorrer da prova, de qualquer tipo de consulta a material impresso, anotações ou simila-
res, ou em comunicação verbal, escrita, ou gestual, com outro candidato;
→ utilizando aparelhos eletrônicos, tais como bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop,
receptor/transmissor, gravador, agenda eletrônica, máquina de calcular, máquina fotográfica, relógio digital com
receptor. O telefone celular deverá permanecer desligado, desde o momento da entrada no local de prova, até
a retirada do candidato do respectivo local.

4. Somente depois de decorrida uma hora do efetivo início da prova, o candidato, ainda que tenha desistido do
processo seletivo, poderá retirar-se da sala, LEVANDO o CADERNO DE QUESTÕES.
4.1 ao terminar a prova objetiva, o candidato entregará, obrigatoriamente, ao fiscal de sala, o seu CARTÃO-RESPOSTA.
5. Os três últimos candidatos deverão permanecer em sala, sendo liberados somente quando todos tiverem
concluído a prova ou o tempo tenha se esgotado e tenham sido entregues todos os CARTÕES-RESPOSTA,
sendo obrigatório o registro dos seus nomes na ata de aplicação de prova.
6. O fiscal não está autorizado a alterar quaisquer dessas instruções.

7. O gabarito da prova será publicado no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, no segundo dia útil seguinte
ao de realização da prova, estando disponível também, no site http://concursos.rio.rj.gov.br .
Boa Prova!

2012
CIRURGIA GERAL - CIRURGIA DO TRAUMA /
Residência Médica - 2012 CIRURGIA GERAL - CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

CIRURGIA GERAL 06. A queixa de otalgia é causada pelo nervo:


Com base no caso abaixo, responda às questões de
números 01 a 03. (A) laríngeo superior

Paciente vítima de incêndio em um ambiente fe- (B) laríngeo recorrente


chado. Apresenta queimadura de 2º grau acome-
tendo face anterior do tronco e face anterior de cada (C) cervical superior
membro superior. No atendimento inicial, apresen-
(D) de Arnold
ta agitação, taquipneia, rouquidão progressiva e
escarro carbonáceo.
07. Em relação às lesões cervicais penetrantes, pode-se
01. O percentual da área de superfície corporal quei-
mada é: afirmar que as lesões na zona 1:
(A) 25% (A) apresentam a mais alta mortalidade
(B) 27%
(B) são localizadas entre o ângulo da mandíbula
(C) 31%
(D) 36% e a base do crânio

(C) são localizadas entre a cartilagem cricoide e


02. A prioridade na avaliação inicial é:
(A) entubação endotraqueal o ângulo da mandíbula
(B) analgesia com morfina (D) oferecem facilidade na abordagem cirúrgica
(C) acesso venoso e reposição volêmica
(D) resfriamento do ferimento com solução salina 08. De acordo com a distribuição trimodal da morta-
03. Em relação à lesão por inalação, pode-se afirmar que: lidade pós-trauma, a redução da mortalidade no
(A) A lesão térmica direta do pulmão é observada 1º pico pode ser obtida com:
frequentemente.
(B) A lesão das vias aéreas é principalmente quí- (A) sistemas de atendimento ao trauma com
mica. cuidados agudos ao paciente
(C) A presença de exsudato de fibrina no interior
das vias aéreas afasta a possibilidade de le- (B) prevenção da infecção pós-trauma
são por inalação.
(C) organização de estratégias de transferência
(D) Antibioticoterapia profilática está indicada pre-
cocemente. para centros de trauma

04. A afirmativa correta em relação a queimaduras é: (D) a melhora das estratégias de prevenção e con-
(A) Lesões produzidas por agentes alcalinos de- trole do trauma
vem ser neutralizadas por ácidos fracos.
(B) Ácidos penetram mais profundamente nos te- 09. Paciente vítima de acidente automobilístico relata não
cidos do que agentes alcalinos.
(C) Nas queimaduras elétricas, as lesões dos te- ter usado o cinto de segurança. É admitido na emer-
cidos superficiais são mais importantes. gência, imobilizado em prancha longa com colar
(D) Queimaduras elétricas podem acarretar cervical, e instalada máscara de O2 a 10,0 L/min.
nefropatia obstrutiva.
Com base no caso a seguir, responda às questões Verbaliza de maneira clara que não consegue res-
de números 5 e 6. pirar, e os parâmetros iniciais são: PA 80 x 60
Paciente de 60 anos do sexo masculino, tabagista, mmHg, FC 120bpm, Sat O2 86%. A prioridade no
apresenta queixa de otalgia e irritação na gargan-
ta. Posteriormente passou a apresentar voz abafa- atendimento é:
da. Realizou laringoscopia, que evidenciou tumor
de laringe. (A) realizar entubação orotraqueal

(B) avaliar o tórax e a mecânica ventilatória


05. A região anatômica da laringe em que está locali-
zado o tumor é: (C) obter dois acessos venosos periféricos
(A) glote
calibrosos
(B) subglote
(C) supraglote (D) realizar cricotireoidostomia
(D) infraglote

Secretaria Municipal de Administração 2 Processo Seletivo


Coordenadoria Geral de Gestão de Talentos - CGGT Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil
Residência Médica - 2012 CIRURGIA GERAL - CIRURGIA DO TRAUMA /
CIRURGIA GERAL - CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

10. Paciente vítima de queda de moto com TCE grave


15. Entre os fatores que atrasam ou impedem a cica-
é admitido na emergência, imobilizado em pran-
cha longa com colar cervical e máscara de O2 a trização das feridas está:
10,0 L/min. É classificado na escala de coma de
Glasgow com 7 pontos, apresenta respiração rui-
(A) uso de anti-inflamatórios não esteroidais
dosa e FR de 32 irpm. Apresenta ainda equimose
periorbital bilateral, equimose retroauricular e
(B) deficiência de vitamina A
otorragia. Foi tentada entubação orotraqueal sem
sucesso. Sendo assim, o procedimento correto é:
(C) quimioterapia com 5-fluoruracil
(A) manter cateter orofaríngeo
(B) manter cateter nasofaríngeo (D) albumina sérica menor que 3,0 g/dL
(C) realizar cricotireoidostomia
(D) tentar entubação nasotraqueal
16. Pacientes que deverão ser submetidos a cirurgias
Com base no caso abaixo, responda às questões de
número 11 a 13. que envolvam dissecção extensa ou que resultem

Paciente é vítima de ferimento penetrante na parte em largas superfícies cruentas devem ser testa-
anterior do tórax por arma branca. No atendimen-
to inicial, apresenta hipotensão arterial, distensão dos para avaliação do estado da coagulação. Os
das veias do pescoço e abafamento das bulhas
cardíacas. testes comumente solicitados incluem o tempo

11. A apresentação clínica descrita nesse caso é cha- de protrombina ativada (TAP) e o tempo de ativa-
mada tríade de:
ção parcial da tromboplastina (TTPA), que podem
(A) Beck
(B) Charcot ser utilizados para determinar a localização do
(C) Arnold
defeito na cascata da coagulação. Um paciente
(D) Renault
com TAP prolongado com TTPA normal sugere:
12. O diagnóstico provável é:
(A) pneumotórax hipertensivo (A) anormalidades dos fatores dependentes da vi-
(B) hemotórax
tamina K
(C) tamponamento cardíaco
(D) pneumotórax simples (B) anormalidades dos fatores intrínsecos

13. O tratamento inicial de escolha é: proximais


(A) toracocentese
(C) a presença de um fator patológico inibidor
(B) pericardiocentese
(C) drenagem torácica (D) a presença de heparina circulante em atividade
(D) intubação e ventilação com pressão positiva

14. O conhecimento da anatomia do diafragma é de 17. Na avaliação de pacientes vítimas de traumatismo


fundamental importância para o acesso e
clampeamento da aorta em sua porção penetrante do pescoço nas zonas II e III, o método
supracelíaca, manobra que pode representar a di-
ferença entre vida e morte de um paciente vítima diagnóstico adequado para afastar a existência de
de traumatismo penetrante de abdome com lesão
lesão carotídea é:
vascular. Quanto à morfologia habitual do múscu-
lo diafragma, é correto afirmar que:
(A) angiotomografia
(A) A secção do pilar diafragmático esquerdo faci-
lita o acesso à aorta.
(B) arteriografia
(B) A aorta é a única estrutura encontrada no hia-
to aórtico. (C) ultrassonografia com Doppler
(C) A inserção periostal posterior alcança a 12ª
vértebra torácica e a 1ª vértebra lombar. (D) exame físico
(D) As inserções laterais se estendem da 4ª cos-
tela anteriormente à 12ª posteriormente.

Processo Seletivo 3 Secretaria Municipal de Administração


Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Coordenadoria Geral de Gestão de Talentos - CGGT
CIRURGIA GERAL - CIRURGIA DO TRAUMA /
Residência Médica - 2012 CIRURGIA GERAL - CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

18. Pacientes vítimas de trauma torácico contuso cau- 20. Um paciente de 35 anos é vítima de agressão por

sados por impactos muito violentos podem apre- projétil de arma de fogo com orifício de entrada na

sentar a condição chamada de tórax instável flail região glútea direita, sem orifício de saída. Ao to-

chest, que deve ser diagnosticado prontamente. que retal, há sangue na luva e uma retoscopia

Em um paciente que chega à emergência já mostra perfuração transfixante do reto cerca de


8,0 cm da margem anal. A conduta terapêutica
entubado e sob ventilação mecânica, o diagnósti-
indicada é:
co deve ser suspeitado quando se encontra:
(A) laparotomia exploradora e sigmoidostomia em
(A) movimento paradoxal de parte da parede
alça
torácica anterior unilateral detectado ao exa-
(B) sutura da lesão via retal e drenagem pré-sacral
me físico
(C) retossigmoidectomia abdominal à Hartmman
(B) múltiplas fraturas costocondrais bilaterais vis-
(D) antibioticoterapia e dieta sem resíduos
tas na tomografia computadorizada

(C) fraturas múltiplas unilaterais na linha axilar 21. Um paciente de 18 anos de idade sofre acidente
anterior em mais de cinco costelas, demons- de motocicleta e dá entrada na emergência hemo-
tradas na radiografia anteroposterior de tórax dinamicamente normal, descorado, com TCE,

(D) fratura ou luxação manubrioesternal percebi- hemopneumotórax direito e dor abdominal.


Tomografia de abdome revela lesão hepática grau
da na radiografia de tórax em perfil
III e líquido livre na cavidade, e o tratamento con-
19. Durante a toracotomia para tratamento de servador é instituído. O paciente desenvolve icterí-
hemotórax direito consequente a uma ferida cau- cia após 14 dias de internação e é realizada

sada por projétil de arma de fogo (PAF), encontra- paracentese diagnóstica que mostra ascite biliar.

se uma lesão transfixante do lobo inferior, com A conduta correta é:

sangramento ativo. A técnica cirúrgica mais indicada (A) drenagem percutânea e colocação de prótese

para a correção da lesão é: biliar endoscópica

(A) clampeamento com pinças vasculares dos (B) laparotomia exploradora para drenagem e cor-

orifícios de entrada e saída do PAF no reção da lesão biliar

parênquima pulmonar, seguido de sutura (C) lavagem da cavidade por videolaparoscopia

(B) lobectomia inferior regrada após controle tem- (D) antibioticoterapia de largo espectro e octreotide

porário do sangramento com pinças venoso

(C) abertura de todo o trajeto entre clampes, su- 22. A drenagem mais comum da veia da glândula
tura direta dos vasos sangrantes e do suprarrenal direita é para a veia:
parênquima pulmonar seccionado (A) hepática
(D) controle do sangramento através da coloca- (B) porta
ção de balão inflável para tamponamento, atra-
(C) renal direita
vessando o parênquima através dos orifícios
(D) cava inferior
do PAF

Secretaria Municipal de Administração 4 Processo Seletivo


Coordenadoria Geral de Gestão de Talentos - CGGT Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil
Residência Médica - 2012 CIRURGIA GERAL - CIRURGIA DO TRAUMA /
CIRURGIA GERAL - CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

23. A ferida cirúrgica de um paciente levado à 27. Com o intuito de realizar a cura cirúrgica do pa-

laparotomia por ferida perfurante por arma branca, ciente, após confirmação diagnóstica, deve-se
realizar:
de cólon transverso, ocorrida 30 minutos antes, é
(A) adrenalectomia
classificada como:
(B) transplante renal
(A) limpa
(C) paratireoidectomia
(B) limpa-contaminada
(D) transplante hepático
(C) contaminada
28. Sobre o uso da tela de polipropileno na técnica de
(D) suja
Shouldice, tem-se que:
(A) Ela é fixada no ligamento inguinal.
24. O patógeno mais comumente relacionado à
(B) Ela é fixada no ligamento de Cooper.
peritonite bacteriana espontânea no adulto é:
(C) Ela é fixada no tendão conjunto.
(A) Acinetobacter sp
(D) Ela não é utilizada nesse procedimento.
(B) Pseudomonas aeruginosa
29. É uma contraindicação absoluta para a realização
(C) Streptococcus pneumoniae
de cirurgia videolaparoscópica:
(D) Escherichia coli
(A) gravidez

25. Paciente submetida à tireoidectomia total evolui, (B) cirrose hepática

4 horas após o término da cirurgia, com agitação, (C) trauma abdominal penetrante com instabilida-
de hemodinâmica
taquipneia, abaulamento em região cervical e
(D) idade superior a 80 anos
disfonia. Deve-se proceder imediatamente à se-
guinte conduta: 30. Paciente com choque hemorrágico classe IV foi
(A) abertura e drenagem da ferida operatória trazido pelo socorro avançado do Corpo de Bom-
beiros vítima de trauma toracoabdominal por PAF.
(B) entubação orotraqueal
A conduta inicial do cirurgião plantonista deve ser:
(C) sedação e oxigênio inalatório a 5 L/min (A) aplicar o ABCDE do trauma
(D) reposição intravenosa de cálcio (B) operar imediatamente para conter a hemor-
ragia
Leia o caso abaixo e responda às questões de
(C) infundir sangue O negativo
números 26 e 27.
(D) infundir expansor plasmático
Homem de 49 anos de idade, hipertenso de difícil
31. Paciente de 80 anos, coronariopata, diabético em
controle, fazendo uso de três medicações para
uso de hipoglicemiante oral e antiagregante (AAS),
controle da pressão arterial, vem apresentando fra-
é internado com quadro de colecistite aguda
queza muscular, cãibras, cefaleia e polidipsia. litiásica com indicação de tratamento cirúrgico de
urgência. O cirurgião deverá solicitar a reserva do
26. O diagnóstico mais provável é: seguinte componente sanguíneo:
(A) insuficiência renal crônica (A) plaquetas

(B) insuficiência hepática (B) plasma fresco

(C) hiperaldosteronismo primário (C) sangue total


(D) fator VII
(D) diabetes mellitus

Processo Seletivo 5 Secretaria Municipal de Administração


Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Coordenadoria Geral de Gestão de Talentos - CGGT
CIRURGIA GERAL - CIRURGIA DO TRAUMA /
Residência Médica - 2012 CIRURGIA GERAL - CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA

32. Mulher jovem submetida à apendicectomia video- 36. Para o tratamento dos tumores retais baixos com
laparoscópica evolui nas primeiras 48 horas de pós-
estadiamento T1N0M0, a técnica cirúrgica MENOS
operatório com dor em fossa ilíaca esquerda, que-
da do hematócrito, massa endurecida na parede invasiva é:
abdominal e equimose em flanco esquerdo. TC de (A) NOTES
abdome evidencia volumoso hematoma envolvendo
(B) TEM
o local da inserção do trocarte sem líquido livre na
cavidade. A estrutura vascular acometida pela pun- (C) Milles
ção do trocarte foi:
(D) videolaparoscópica
(A) a veia ilíaca esquerda
(B) a veia ovariana esquerda 37. O tratamento cirúrgico do megacólon adquirido de-
(C) a veia hipogástrica verá ser realizado pela cirurgia de:
(D) um vaso epigástrico inferior
(A) Miles
33. Paciente de 78 anos é internado com quadro de (B) Duhamel
obstrução intestinal com instabilidade hemodinâ-
mica. Após ressuscitação volêmica, foi submeti- (C) Hartmann

do à laparotomia exploradora na qual se observou (D) Altemeier


lesão estenosante, tipo anel de guardanapo, loca-
lizada no cólon sigmoide, com válvula ileocecal 38. O tratamento clínico tópico com o uso de
competente e ceco com diâmetro de 7,0 cm. A
bloqueador dos canais de cálcio é utilizado na
melhor opção terapêutica é:
seguinte patologia orificial:
(A) retossigmoidectomia com anastomose primária
(B) transversostomia descompressiva (A) fissura

(C) ileostomia em alça (B) condilomatose


(D) colectomia total com ileostomia terminal (C) hemorroida

34. Paciente jovem, vítima de atropelamento, deu en- (D) fístula


trada na sala de emergência com quadro de dor
abdominal sem instabilidade hemodinâmica. TC 39. A fístula retovaginal baixa tem como principal agente
evidenciou pneumoperitônio sem líquido livre na etiológico:
cavidade. É submetida à videolaparoscopia, que
evidencia lesão de 2 cm no cólon transverso, sem (A) radioterapia
peritonite. A melhor conduta é: (B) diverticulite
(A) exteriorização da lesão
(C) trauma obstétrico
(B) colectomia tipo Hartmann
(D) câncer
(C) sutura primária da lesão
(D) drenagem da cavidade
40. O tratamento cirúrgico ideal da mucocele intacta

35. No câncer de cólon esquerdo estágio II, o melhor do apêndice cecal é:


tratamento eletivo com caráter curativo é:
(A) hipertermoquimioterapia intraperitoneal
(A) quimioterapia + radioterapia
(B) apendicectomia com ressecção do mesoapêndice
(B) quimioterapia neoadjuvante + cirurgia
(C) radioterapia + cirurgia (C) colectomia direita

(D) cirurgia + quimioterapia adjuvante (D) cecostomia

Secretaria Municipal de Administração 6 Processo Seletivo


Coordenadoria Geral de Gestão de Talentos - CGGT Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil