Você está na página 1de 24

ENCONTRAMOS

A VIVIAN MAIER
Autorretrato e Street Photography

Contextualização histórica e social;


Recriação de fotografias que remontam para o imaginário
de Vivian Maier

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA
PROF.: ÂNGELA FERREIRA

LTCAV I 7050012 I ANA CRISTINA TEIXEIRA ALVES


9170443 I DULCE SOFIA DO CARMO BARROS
RESUMO:

O presente trabalho propõe uma apresentação e análise das fotografias de Vivian Maier e a
justificação da sua arte através do olhar de Roland Barthes. Serão também apresentadas
fotografias da nossa autoria que apontam para o imaginário da fotógrafa.

PALAVRAS-CHAVE:

Street Photography / Autorretrato / Noir/ Studium/ Punctum

1
Índice

SOBRE VIVIAN MAIER ...................................................................................................................... 4

STREET PHOTOGRAPHY - CONCEITO ................................................................................................ 6

CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA ...................................................................................................... 8

ANÁLISE DOS AUTORRERTATOS ....................................................................................................... 9

DESCOBRIR O STUDIUM E O PUNCTUM NAS FOTOGRAFIAS DE VIVIAN MAIER ................................ 11

CONCLUSÃO .................................................................................................................................. 14

RECRIAÇÃO DO IMAGINÁRIO DE VIVIAN MAIER .............................................................................. 15

BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................................

2
O ato de fotografar, pelo seu próprio sentido, está para além dos aspetos técnicos do clique no
obturador da câmara. O momento congelado nesse ato, ao mesmo tempo em que se torna imóvel,
depende do corte no tempo, para ser perpetuado. Isto porque o simples fato de ter sido fixado
coloca-o numa importância histórica que abrange, ao mesmo tempo, o passado, o presente e o
futuro. Curioso nas fotografias de Vivian Maier é a relação indivisível entre o tempo em que as
fotografias foram tiradas e o momento em que estas foram encontradas e levadas a público com o
reconhecimento e crítica que a consideram uma das melhores fotógrafas no âmbito da fotografia
de rua. Ao observarmos com algum cuidado o legado de Vivian, cresce-nos automaticamente a
vontade de saber mais sobre a autora e o seu percurso. Porque será que só há pouco tempo se ouve
falar dela? O enigma do tempo pode ser desmascarado, pouco a pouco, na visualização dos
documentários “Finding Vivian Maier” e “Imagine: Vivian Maier - Who Took Nanny's Pictures ”,
ambos de 2013. Com a ajuda do livro “A Cãmara Clara” de Roland Barthes, iremos pôr em
evidência o que torna as fotografias de Vivian tão especiais.

3
SOBRE VIVIAN MAIER:

O que se sabe de Vivian Maier é ainda muito pouco. Relatado por quem a conheceu como a
personificação de Mary Poppins com tons de excentricidade, Vivian percorria as ruas e espaços com
casacos pesados, tipo sobretudos, e de galochas, ainda que de Verão. Conhece-se que nasceu em
Nova York, em 1926. Apesar da mesma dar a conhecer aos outros as suas origens francesas, viveu
poucos anos em França, destino que passou a conhecer de verdade após a separação dos pais.
Volta à sua cidade natal aos 25 anos. Chicago foi a sua segunda opção, arranjando uma ocupação
como babysitter. Passou 40 anos a cuidar de crianças e, nos tempos livres, fotografava as ruas e as
suas gentes. Morreu num lar em 2009 e passou toda a sua vida no anonimato.

O seu acervo permaneceu guardado num armazém que, por falta de pagamento, passou a ser
leiloado. Foi John Maloof, um historiador, que descobriu, numa casa de leilões, uma caixa com
negativos. Maloof conta que o acaso o colocou diante de um património com 30 mil negativos e
1600 rolos de filmes não revelados. Embora não tivesse dado grande importância de inicio, - o que
lhe interessava eram os registos fotográficos que havia colecionado para a pesquisa do seu livro
sobre a cidade de Chicago, - o historiador num instante se rendeu à qualidade das imagens e decidiu
mesmo aprender fotografia e dar a conhecer o devido mérito à autora do acervo da qual apenas
conhecia o nome, escrito num envelope que acompanhava uma das primeiras caixas que comprara
por apenas 400$ (US).

Atualmente são conhecidas como as coleções mais importantes do trabalho de Vivian Maier: as de
John Maloof, que detém 90% da sua obra, e as de Jeffrey Goldestein, que adquiriu de outros
compradores a quantidade de 15.000 negativos. Os dois colecionadores têm divulgado, cada um à
sua maneira, o trabalho da fotógrafa e são conhecidas as seguintes publicações:

4
- Vivian Maier. Street Photographer (2011);
- Vivian Maier. Out of the Shadows (2012);
- Vivian Maier. Self-Portraits (2013);
- Finding Vivian Maier (2013) – documentário;
- Imagine: Vivian Maier - Who Took Nanny's Pictures (2013) – documentário.

Ambos comercializam impressões profissionais da obra de Maier, através de galerias de arte em


Nova York .

O fenómeno de Vivian é, sem dúvida, um paradoxo, na medida em que a autora preservara as suas
imagens do mundo, enquanto que os seus coletores têm obtido incessantes lucros e
exposição nos media, mais ainda se tivermos em conta a quantidade de imagens
inéditas, filmes, gravações de áudio e documentos que não foram catalogados.

Maier insere-se na descendência das mulheres fotógrafas que abundaram desde a invenção
do invento fotográfico, passando por Julia Margaret Cameron, Geneciéve Elisabeth Disdéri ou
Gisèle Freund. Ao contrário do que possam pensar as feministas dos tempos modernos sobre a
reclusão do sexo feminino na época de 50, Maier poderia ter tido uma carreira reconhecida em
qualquer jornal dos Estados Unidos. No entanto, a autora, mulher independente desde os seus
20 anos, prefere tornar-se babysitter pela maneira em que este tipo de trabalho lhe possibilitava
deambular pelas ruas, tal flâneur , sem a vigilância constante de um chefe de gabinete, fazendo-se
acompanhar pela cumplicidade e boa disposição gratuita das crianças que tomava conta.

5
STREET PHOTOGRAPHY - CONCEITO:

Vivian foi contemporânea de Diane Arbus. Ambas exploraram o universo da fotografia de rua a
preto e branco. Diferem apenas na objetividade dos seus trabalhos: enquanto Arbus procurou dar a
conhecer as camadas das classes mais desfavorecidas da sociedade norte-americana, Maier
preferiu investigar o mundo quotidiano, no qual se cruza com todo o tipo de personagens.

Sobre o género de fotografia que pratica, a Street Photography, sabemos que em 1851, o francês
Charles Nègre foi o primeiro fotógrafo a alcançar a sofisticação técnica para registar os
movimentos das pessoas na rua. Mas é Eugène Atget considerado o pai deste estilo fotográfico,
pela sua popularidade como fotógrafo parisiense. Houve um grande desenvolvimento nesta época
e Atget ajudou a promover as ruas da cidade como um tema digno para a fotografia. Ele trabalhou
na cidade de Paris a partir da década de 1890 à década de 1920. O tema principal de seu trabalho era
principalmente a arquitetura e, embora às vezes fotografasse trabalhadores, as pessoas não eram
o seu principal objetivo.

De Paris para o mundo, foi no século XX que a fotografia de rua despontou e ganhou a sua
popularidade e com isso, grandes nomes surgiram e servem de inspiração para os dias atuais:
Henri Cartier-Bresson e Robert Doisneau, foram especialistas nessa prática.

A fotografia de rua mostra a cultura local, arquitetura e retrata pessoas em cenas do seu dia-a-dia,
reforçando a espontaneidade de um momento passageiro da vida de quem está a ser retratado.
Geralmente são imagens misteriosas que contam uma história e têm o potencial de marcar uma
época. Não basta fotografar tudo o que acontece, é também importante tentar explorar o quotidiano
e com isso contar uma história. A fotografia de rua passa ao observador a sensação do que é estar
ali, naquele lugar, naquele momento. Para isso, há que ter em conta o ambiente, a história contada, a
luz e a composição.

6
Este tipo de fotografia não procura a técnica perfeita; uma foto tirada rapidamente num momento
decisivo pode ter alguns erros técnicos e é o que dá à foto um certo carácter e charme, além de
transmitir autenticidade e realidade. Ou seja, hoje em dia, todo o tipo de câmeras podem ser utilizadas na
fotografia de rua, desde as DSLR´s aos telemóveis. Uma abordagem comumente utilizada é a abordagem
zonal - definindo uma distância de foco fixo e começando a partir dessa mesma distância - como uma
alternativa ao foco manual e ao foco automático. As distâncias focais tradicionais de 28 mm a 50 mm são
usadas principalmente por causa do seu ângulo de visão e maior profundidade de campo, mas o uso de outros
focos não é excluído. A abordagem zonal também torna mais fácil fotografar sem enquadramento, isto é,
através do visor LCD . Alguns fotógrafos usam as câmeras do seu dispositivo móvel para fazer fotografia de
rua, devido à alta qualidade que estes dispositivos oferecem: muitos megapixéis, grande resolução e boa
adaptação a situações com pouca luz. De nomear que um dos pontos a favor é o seu tamanho pequeno que
dificilmente chama a atenção, permitindo tirar fotos espontâneas.

A Street Photography pode ser confundida com a fotografia documental. No entanto, o estilo
documental é definido pela sua mensagem premeditada e intenção de gravar os eventos
particulares da história. A abordagem documental inclui aspectos do jornalismo, arte, educação,
sociologia e história. Na documentação da pesquisa social, as imagens são muitas vezes
destinadas a assegurar o caminho para a mudança social. A fotografia de rua não tem
esses mesmos interesses, permitindo-lhe oferecer uma verdadeira representação do mundo. As
fotografias de rua são imagens que refletem a sociedade, mostrando cenas não manipuladas.

7
CONTEXTO HISTÓRICO:

Nos anos cinquenta, aquando do regresso de Vivian aos Estados Unidos, as cidades de Nova York
e Chicago mostravam caraterísticas de um aparatoso progresso. A multiplicidade de etnias devido à
procura de trabalho fazia prever o boom económico do Pós-Guerra no Ocidente e dava um ar
cosmopolita às cidades. Note-se que a lente de Vivian tomava de assalto as ruas por onde passava
de clique veloz e certeiro, dando ênfase à diversidade e empoderamento das cidades. A presença
das crianças como modelos era uma constante e mostravam as diversas caras da sociedade:
pobres, ricas, negros, latinos, ou americanos que, abandonados à sua sorte, estavam por momentos
resguardados de baixo das saias das suas amas. Estamos perante o testemunho de uma nova
infância – a infância das crianças que nasceram órfãs do carinho dos pais, ainda que em torno de
uma sociedade produtiva, industrializada e em expansão.

8
ANÁLISE DOS AUTORRETRATOS

Das fotografias resultantes dos acervos conhecidos de Vivian Maier, a maior parte corresponde a
fotografias quase instantâneas que traduzem o instante decisivo referido por Roland Barthes no
seu livro A Camara Clara. Mais tarde analisaremos os elementos da fotografia que a tornam especial
– referimo-nos ao Studium e ao Punctum.

No entanto, nem só de street photography se define o trabalho de Vivian Maier. São inúmeros os
autorretratos encontrados por entre caixas e caixas de arquivos. Este tipo de fotografia parece
contrastar com o mundo observado por Vivian, dando a entender que a própria não se identifica com
a realidade em que está inserida.

O uso de espelhos e reflexos é reproduzido vezes sem conta e a sua cara neutra, cujos olhos dão a
sensação da busca incessante por um sentido de identidade e pertença, criam a atmosfera
enigmática ideal que vai de encontro ao histórico de relatos sobre o seu anonimato. Aliás, um dos
relatos de uma pessoa que privava com Vivian, inserido no documentário Finding Vivian Maier, diz
que a própria terá mesmo dito tratar-se de uma espiã. Consideramos a possibilidade de a autora ter
a certeza da qualidade dos seus trabalhos e ter imaginado um futuro de estrelato post-mortem e
daí ter colocado o seu acervo à mercê das leiloeiras, encenando todo este enredo que agora está,
aos poucos, a ser descoberto.

Nos seus autorretratos, Vivian Maier alia o noir à fotografia. O estilo noir impõe a dramatologia nos
olhares, pelos quais se expia pelos vidros das janelas e pelos espelhos, enquanto que pela sombra,
se controla de soslaio e com olhar investigativo o que se cerca. Os jogos de olhares ocorrem a partir
do visor da câmara, numa dialética entre o mostrar e o esconder, entre espiar e ser espiado. Isso
porque o universo noir existe o culto à desconfiança. Segundo Márcia Ortegosa, espiar é impor-se
sobre o outro, ao contrário de contemplá-lo. O ato de espiar define-se, assim, como uma
transgressão, sendo que as câmaras são objetos de mediação desse olhar, na busca de pistas

9
ocultas. Por sua vez, seria uma forma de Vivian “encenar agressões”. Câmaras fotográficas e armas
efetuam disparos, logo, simbolicamente, a câmara exalta a agressividade. Mais uma vez, sublinha
Ortegosa, matar é cativar a imagem, petrificando-a - apertar o gatilho é clicar no botão do obturador.
A câmara, tal como a arma do caçador, dá segurança ao fotógrafo. (Ortegosa, 2010)

Resumidamente, fotografar é instituir uma relação de domínio sobre o outro, apoderar-se dele,
subjugar a cena pelo olhar, pois “transforma as pessoas em objetos que podem ser simbolicamente
possuídos”, conforme Susan Sontag (Sontag, 2004).

Analisando as fotografias de Vivian Maier, é possível presenciar que o cinema neorrealista italiano
e a nouvelle vague francesa foram estéticas perseguidas pela babysitter. Os seus autorretratos
evocam Rita Hayworth no espelho em A Dama de Xangai, de Orson Welles, assim como Le Beau
Serge, de Chabrol - o primeiro filme do novo cinema francês. É possível notar a influência de
fotógrafos como Edward Steichen, Dorothea Lange, Walker Evans, Eugene Smith e Wegee na
construção da cena e escolha dos personagens. São quase todos outsiders, como ela, ou mulheres
da classe alta, que servem de contraponto aos bargantes e marginais captados pela sua câmara.
(Filho, 2014)

10
DESCOBRIR O STUDIUM E O PUNCTUM NAS FOTOGRAFIAS DE VIVIAN MAIER

A quem faz a fotografia, o fotógrafo, Roland Barthes chama de Operator ; ao suporte, a cena, ele
chama de Spectrum ; e a quem observa, de Spectator . Studium refere-se a elementos presentes no
Spectrum que deixam vislumbrar uma emoção generalizada e incutida pelos saberes inerentes à
situação social em que se encontra o Spectator . São emoções com enquadramento político e
histórico. Outro elemento cuja intenção coopera com as emoções é o Punctum . O Punctum é, nada
mais nada menos, que o elemento que, ao mesmo tempo, fere e atrai o autor para a fotografia,
tornando-a inesquecível. Por vezes, este Punctum pode ter características metonímicas, ou seja,
pode catalogar a parte pelo todo; ou paradoxal, tendo em conta que, não querendo o autor mostrar
mais do que aquilo que interessa, acaba por mostrar além do visível, ou seja, deixar suscitar
interpretações pelo Spectator . A sensação da ferida causada pelo Punctum pode, assim, antever um
Satori . O Satori é como a cicatriz que fica cravada na pele. “Pela marca de alguma coisa, a foto não é
mais uma qualquer. Essa alguma coisa deu um estalo” (Barthes, 1984) e provocou um estado de
iluminação profundo e duradouro.

Ao analisarmos as fotos de Vivian, chama-nos logo à atenção essas sensações provocadas pelo
Punctum. Quão estranho será a alteração do nosso estado de espírito ao visualizarmos as fotos de
uma desconhecida? É esta transformação interna que nos dá a certeza da grandiosidade das
fotografias de Vivian Maier e a importância da autora para a História da Fotografia.

11
Figura 1- Rapariga no carro - Vivian Maier

As suas fotografias, no geral, exploram com emoção o cotidiano das pessoas que circulam pela
cidade. Esta foto mostra um retrato de uma jovem mulher dentro de um carro, enfatizando a sua
expressão descontraída e calma na presença de Maier. A mensagem primordial desta imagem é o
sentido de beleza. Considerando as intervenções de Roland Barthes para o estudo do significado
da fotografia, podemos considerar que esta foto, por toda a sua dimensão possui uma emansidão
de curiosidade que não distrai o observador para qualquer recanto da imagem, ao primeiro contato,
para além da rapariga, pois tudo o mais é secundário. A expressão da modelo suscita, além da
descontração, algum sentido de arrojo e ousadia: não só pelo à-vontade da personagem para posar
para um desconhecido mas, também, pelo ar inocente e o quase sentido de desejo que emana a sua
beleza, recordardando o comportamento da personagem Lolita, do livro de Vladimir Nabokov
(1955). Estamos na presença do Punctum.
12
Embora esta imagem tenha sido tirada um pouco afastada do sujeito, existem pequenos detalhes
como o manípulo da porta semi-cortada na parte inferior esquerda que só numa segunda
observação se tornam evidentes. Para nós, que vivemos na década millenial, o que nos atrai em
segundo plano é o guiador do automóvel. Trás-nos à memória uma época que não vivemos mas
que vimos nos filmes e que consideramos digno de prestígio. Está assim detetado o Spectrum que
põe em evidência o contexto histórico, social e económico da rapariga e, por assim dizer, da própria
Vivian que, mesmo tendo a profissão de babysitter, dava-se ao luxo de poder interagir com o mundo
dos mais favorecidos, ainda que não se ensaiasse em, de vez em quando, prosseguir por alguns
becos e vielas.

Posteriormente à análise da foto, tentamos reproduzi-la. Como foi uma foto pensada e estudada,
decidimos fazer um close, deixando de lado qualquer distração que o manípulo pudesse suscitar.

Figura 2- Outra rapariga no carro - Ana Alves

13
RECRIAÇÃO DO IMAGINÁRIO DE VIVIAN

14
Figura 3- Dulce Barros

15
Figura 4- Dulce Barros

16
Figura 5- Dulce Barros

17
Figura 6- Dulce Barros

18
Figura 7- Dulce Barros

19
Figura 8- Dulce Barros

20
Figura 9- Ana Alves

21
CONCLUSÃO:

Retomando o mote inicial do tempo nas fotografias de Vivian Maier, concluímos que existe um
momento oportuno na sua espontaneidade, ao que Roland Barthes chamaria Kayrós. No entanto,
a longa espera na revelação dos seus negativos, assim como a longa espera em que o observador
participa, dá-nos a certeza da grandiosidade do trabalho de Vivian passados 40 anos: estamos
também presentes do fenómeno da expetação, defendido por Lissovsky. Assim sendo, partilhamos
com Vivian, agora nós, espetadores, a temporalidade da espera “como se a imagem lançasse o
desejo para além daquilo que ela dá a ver” (Barthes, 1984).

22
BIBLIOGRAFIA:

Barthes, R. (1984). A Câmara Clara. Em R. Barthes,A Câmara Clara . Nova Fronteira

Filho, A. G. (06 de 07 de 2014).http://cultura.estadao.com.br . Obtido de Estadão:


http://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,fotografa-vivian-maier-ganha-
nova-biografia,1523785, a 1 Janeiro 2018

Lisoxsky, Maurício, A Máquina de Esperar, Mauad, 2008


Ortegosa, M. (2010). Cinema Noir: Espelho e Fotografia. Em M. Ortegosa,Cinema Noir: Espelho e
Fotografia. São Paulo: Annablume.
Sontag, S. (2004). Sobre Fotografia. Em S. Sontag, Sobre Fotografia. Companhia das Letras.

23

Você também pode gostar