Você está na página 1de 19

Resumo

O artigo 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça contém instrumentos


jurídicos, que a Corte empregará para interpretar e julgar. Este artigo baseia-se na
teoria positivista sobre as fontes do direito internacional, considerada também
como paradigma. Surgimento do fenômeno jurídico chamado "soft law, pelo qual
muitos estudiosos Reconhecido novas fontes de direito internacional,
especificamente resoluções das organizações internacionais e atos unilaterais dos
Estados. Recentemente, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos afirmou que a
nota diplomática deve considerar como fonte, então ESTA O artigo enfoca a análise
do contexto e a relevância do mesmo.

Fontes de direito internacional - soft law - nota diplomática

Introdução

Na terminologia jurídica, o principal significado da fonte refere-se aos processos de


criação, transformação e extinção de normas legais, isto é, as chamadas fontes
formais que fazem parte de uma classificação que também inclui fontes reais (
fatores e elementos que determinam o conteúdo desses padrões) e fontes
históricas (documentos que são a base e inspiração de certos padrões). A lei geral e
cada uma de suas ramificações têm suas próprias fontes e a hierarquia que uma
delas pode ter em uma ramificação específica pode ser muito diferente em outra.

Alega-se que o formalismo das fontes do direito internacional tem sua origem na
correspondente ao declínio do período lei natural e juristas de inspiração positivista
empreendeu cada vez mais o caminho da abstração, desenvolvimento e utilização
de categorias formais para determinar as fontes do direito na sociedade
internacional1 . Geralmente, a consideração de que as fontes formais do Direito
Internacional estão contidas no artigo 38 do Estatuto da Corte Internacional de
Justiça e são os tratados não contestados; o costume; os princípios gerais do
direito e; como um meio auxiliar, as decisões judiciais e a doutrina da publicitas de
maior competição das diferentes nações.

A limitação desta lista tem causado, há muito tempo, um debate sobre a existência
de outras fontes e o valor legal delas. Neste mesmo debate considera-se que as
fontes do direito são as estabelecidas no Estatuto do Tribunal e que tem
necessariamente levantada uma nova configuração da teoria das fontes do direito
internacional, porque é mais do que uma série de limites e hierarquias doutrinais. A
doutrina das fontes é também uma prática argumentativa sobre a autoridade ou
"natureza vinculativa" de vários instrumentos legais2 . Nesse sentido, surgiu a
posição que forma uma classificação de fontes entre o chamado hard law, hard
law e soft law , soft law. A maioria da doutrina estabelece que as fontes contidas no
artigo 38 são duras e que as novas são soft law. Um fluxo da doutrina afirma que
"o artigo 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça não deve ser
erradamente referecomo a regra universal que rege a lista finita de fontes, tendo
em conta a sua obsolescência comprovada e fracasso" 3 . E que a "santificação" do
artigo 38 pela doutrina positivista encontra uma justificativa no problemalegítimo
de atenuar a própria incerteza de uma sociedade internacional desprovida de uma
autoridade exclusiva e hierárquica na produção da lei.4 .
Ainda não há uma definição única ou uma que tenha ampla aceitação entre a
doutrina legal do que soft law significa. Alan Boyle define-a como "uma descrição
simples para uma variedade de instrumentos não jurídicos obrigatórios utilizados
nas relações internacionais contemporâneas por Estados e organizações
internacionais"5 . Exemplos disso incluem resoluções de organizações internacionais
e atos unilaterais dos Estados. Algumas razões para sua consideração baseiam-se
no fato de que "a evolução política da comunidade internacional e, mais ainda, suas
flutuações econômicas são a origem das mudanças contemporâneas no direito
internacional".6 , é por isso que a extensão do espectro de fontes do direito
internacional não é uma invenção artificial da doutrina, mas algo cujo
reconhecimento é requerido de acordo com as mudanças evidentes que
aconteceram na realidade.7 .

Neste contexto, a intenção deste artigo é analisar a validade da teoria tradicional


das fontes do direito internacional é em grande parte com base nas disposições
do artigo 38 do Estatuto do Tribunal, e rever o "surgimento" de novo fontes que
reconfiguram essa teoria com a expansão dessa lista. Considere também o
fenômeno chamado de soft law, mas particular atenção a descrever como a nota
diplomática foi integrado as novas fontes, especialmente do disposto no
presente respeito pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

I. A teoria tradicional das fontes do direito internacional

A noção de "fontes" do direito internacional foi criada para constituir um quadro


conceptual de referência neste ramo do direito. Acredita-se que os pensadores
positivistas desenvolveram a teoria das fontes do direito internacional no começo
do século XX. Eles devem ser influenciados pelo esquema fornecido pela formação
de normas no direito interno, apesar de a lógica da formação do direito
internacional e do ordenamento jurídico nacional serem claramente diferentes na
medida em que o direito internacional resulta do encontro de vontades igualitárias.
independente dos Estados e não obedece a uma lógica hierárquica, formal e
unilateral8 .

Artigo 38 tem suas origens no artigo que tinha o mesmo número e a mesma
formulação do Estatuto da Corte Permanente de Justiça Internacional, que foi
estabelecido sob os auspícios da Liga das Nações em 1921. Pode-se supor que a
lista faz Artigo 38 "foi presumivelmente considerado completo ou suficientemente
completo para efeitos de decisões judiciais"9 no momento da redação do Estatuto,
porque, como ressalta Francisco Rezek, "em algum momento do texto, a
necessidade de dizer qual seria a lei aplicável na área de jurisdição nascente estava
aumentando"10 . Certamente, o artigo 38 não descreve as fontes, refere-se
simplesmente aos instrumentos internacionais que o Tribunal de Haia aplicará para
resolver as disputas que lhe são submetidas, por isso mesmo equitativo. Hugh
Thirlway chama as fontes contidas naquele artigo "as fontes formais
reconhecidas"11 .

No entanto, no momento em que esta concepção parece ter mudado, porque "este
dispositivo não significa que o direito internacional não pode ser encontrado em
outros lugares ou instrumentos, nem significa que o Tribunal está impedido de
procurá-lo"12 ou como declarado pelo Juiz da Corte Internacional de Justiça,
Mohammed Shahabuddeen, que o artigo não parece impedir a descoberta do direito
internacional em outras mídias13 . Em termos coloquiais, o artigo 38 não é todas as
fontes que são ou não todas as fontes que são. Neste cenário, uma parte
importante da doutrina do assunto concorda que as resoluções das organizações
internacionais também devem ser consideradas, assim como os atos unilaterais dos
Estados.
No entanto, a história do artigo 38 para as duas Conferências de paz de 1899 e
1907 que foram realizadas na cidade holandesa de Haia para trás, a fim de conter a
corrida armamentista de que o tempo e discutir "os benefícios da uma paz real e
duradoura ". A convocação da Primeira Conferência foi uma iniciativa do czar russo,
Nicholas II, que sugeriu a realização do evento em Haia, porque, em sua opinião,
era aconselhável não realizada na capital de um dos grandes "poderes", cujos
interesses políticos poderia ter impedido seu progresso, embora alguns
historiadores acreditam que, devido à visão eurocêntrica do tempo foi considerada
a São Petersburgo uma cidade muito distante, o que poderia desencorajar
convocado.

A questão do Tribunal sobre as barragens não foi mencionada no programa russo,


mas sua incorporação não recebeu objeções durante a segunda sessão plenária. A
proposta foi apresentada pelo Barão Marschall von Bieberstein e Sir Edward
Fry. Por sua vez, o Instituto de Direito Internacional tinha sido estudando o assunto
há muito tempo: em 1875, na sua reunião em Haia, nomeou uma comissão para
analisar e elaborar um projeto para a organização de um tribunal prémio
internacional, mas não foi até 1887 que adotou seus regulamentos em relação às
barragens marítimas.

o Tribunal aplicará este preceito. O Tribunal não pode considerar os motivos de


nulidade dos direitos estabelecidos falhas processuais na legislação apresadora
potência beligerante, se você entender que as consequências são contrárias à
justiça e equidade "14 .

Os comentários ao artigo 7º que são consignados nos respectivos trabalhos


preparatórios não se referem às questões que se referem actualmente às fontes do
direito internacional, mas têm a ver com as questões relativas aos casos de
intervenção do tribunal, isto é, , sua competência para julgar. Os considerandos
preambulares referem-se à criação de um tribunal internacional "cuja jurisdição e
procedimento foram cuidadosamente regulados". No final, a Convenção do Tribunal
de 18 de outubro de 1907 não foi ratificada por nenhum Estado, portanto nunca
entrou em vigor.

Por outro lado, o artigo 14 do Pacto da Liga das Nações confiou ao Conselho da Liga
para analisar a criação de uma Corte Permanente de Justiça que tinha autoridade
para ouvir e resolver qualquer controvérsia de caráter internacional que lhe fosse
apresentada pelas partes. conflito, além de criar competência para emitir opiniões
consultivas sobre qualquer controvérsia, questão ou consulta que o Conselho ou
Assembléia apresentou. Nos primeiros dias de 1920, o Conselho nomeou um
Comitê Consultivo de Juristas e encarregou seus membros de preparar um relatório
sobre o estabelecimento da Corte. O comitê trabalhou na cidade de Haia, sob a
presidência do barão Édouard Descamps, que em agosto do mesmo ano apresentou
seu relatório contendo o esboço da corte.que, por sua vez, instruiu sua Terceira
Comissão a examinar a constituição da Corte. Em dezembro de 1920, o Comitê
apresentou seu rascunho revisado à Assembléia, que finalmente aprovou por
unanimidade. Este projeto tornou-se o Estatuto do Tribunal Permanente de Justiça
Internacional.

Como afirma Lucas Carlos Lima, "os Estados só permitiriam a existência de uma
Corte Permanente se identificassem precisamente o que seria o direito de ser
aplicado por aquele tribunal". Se no procedimento de arbitragem estivesse claro
que as partes escolheriam quais regras compunham o litígio, em um procedimento
judicial, essa prerrogativa não era translúcida "15 , deve-se acrescentar que
também houve discordância entre os autores do Estatuto em relação a um amplo
poder de interpretação e apreciação que poderia significar uma capacidade
legislativa16 e estas são as principais razões pelas quais a Comissão de Juristas
elaborou o artigo 38 nos seguintes termos:

"O Tribunal aplicará:

1. Convenções internacionais, gerais ou especiais, que estabelecem as regras


expressamente reconhecidas pelos Estados em disputa;

2. Costume internacional como evidência de uma prática geral aceita como


sendo de direito;

3. Os princípios gerais de direito reconhecidos pelas nações civilizadas;

4. Sujeito às disposições do artigo 59, decisões judiciais e a doutrina dos


publicitários mais qualificados, como meio auxiliar para a determinação de
regras de direito.

Esta disposição não prejudica a possibilidade de o Tribunal, se as partes


concordarem, decidir ex aequo et bono "17 .

Após a criação da Organização das Nações Unidas e da Corte Internacional de


Justiça, esta foi dotada de um Estatuto que, como já mencionado, estabeleceu com
o mesmo número e projeto de artigo 38 do Estatuto da Corte Permanente. A
doutrina então começou a considerar a posição positivista de que o conteúdo do
artigo 38 alistava as fontes do direito internacional e, portanto, constituía o núcleo
da teoria das fontes desse ramo do direito. É evidente que "a redação do artigo 38
é um reflexo do seu tempo e das fontes geralmente aceitas pela comunidade
internacional"18 . Também foi decidido que "não deve ser visto como uma camisa
de força que reprime a expressão de normas legais internacionais, também devem
ser tidas em conta as mudanças substanciais queocorreram nas relações
internacionais ... que são mais complexas e é necessária uma mentalidade mais
aberta para aceitar e compreender as novas manifestações jurídicas internacionais
"19 . Nesta perspectiva "a maior crítica da doutrina tradicional das fontes é quenão
é capaz de explicar ou regular a vasta massa de quasiactividade legislativa que
gera direito internacional que os Estados devem ter em conta em suas atividades e
relacionamentos Dia Dia"20 . A posição anterior, é claro, é uma questão de debate,
discussão e controvérsia. "A própria noção de 'fontes' e levanta uma debates
apaixonados a tal ponto que as 'fontes' pode parecer impossívelencontrar" diz Marc
Bossuyt como21 , que partem da idéia de que a noção é rejeitada por causa de seu
impacto doutrinário, por exemplo, porque o plural geralmente usado denota a
impossibilidade de levar a um único alicerce que seja em sentido histórico ou
lógico. Ele também afirma que alguns autores enfatizam a importância dessa
análise das formas tradicionais de formação do direito internacional. É necessário,
nesse sentido, abandonar a teoria positivista e considerar que existem fontes
adicionais?

II. A irrupção da lei branda

Do ponto de vista da teoria tradicional das fontes do direito internacional, esta tem
três fontes principais que são tratados, princípios de direito aduaneiros e gerais,
tendo como seus principais criadores os mesmos sujeitos reconhecidos pela
disciplina jurídica. internacional É considerar que a sociedade internacional é
essencialmente descentralizada. Os poderes de criação da lei e aplicação da lei não
pertencem a uma entidade centralizada. Não há Estado mundial e os principais
temas do direito internacional são também os principais criadores do
direito22 . Neste contexto, o soft law teve um desenvolvimento doutrinal concebido
para explicar um novo fenômeno em relação à criação do direito internacional.23 .

O termo soft law consagrado na literatura jurídica desde os finais dos anos sessenta
e o termo foi cunhado originalmente por Lord McNair para designar os princípios
abstractos no direito ao invés de hard law, onde o concreto, operacional, a lei vem
da prova judicial. Isabelle Duplessis diz que parte da doutrina alega que a soft
lawde provocar uma confusão conceitual para o detrimento da teoria das fontes
listadas no artigo 38 do Estatuto do Tribunal e que, em última análise, a soft
law inegavelmente perturba a teoria tradicional das fontes do direito
internacional24 . O jurista francês Allain Pellet afirma que o macio ou direita soft
law também é chamado pelos juristas franceses como o direito "verde", "soft",
"declamatório", nãomencionar aqueles que estão negadores dos termos "prélei", "
direita "," meta direita ", etc. "Esses apelos imaginadas descrever uma única
realidade: a combinação de uma área cinzenta onde os juristas clássicos se
recusamver regras e regulamentos que são degradados entre a 'boa lei' de
positivista e voluntarista legais 'o direito'"25 .

Alan Boyle afirma que existem diferentes razões pelas quais os instrumentos
de soft law representam uma alternativa atraente para o direito tradicional . Ele
vale a pena mencionar, por exemplo, em primeiro lugar, que pode ser mais fácil
para chegar a um acordo quando o caminho não é obrigatória e que os
instrumentos de soft lawpermitir que os Estados para acordam em previsões mais
detalhadas e precisas para os seus compromissos legais e as consequências do não
- cumprimento Eles são mais limitados. Em segundo lugar, os Estados podem evitar
o processo interno de ratificação ou controles legais ou constitucionais, bem como
evitar a responsabilização pelos compromissos assumidos; terceiro, instrumentos
de soft law são flexíveis e fáceis de alterar ou substituir, especialmente na dinâmica
das organizações internacionais, onde podem ser substituídas por uma nova
resolução.26 . Inquestionavelmente, sua vantagem é oferecer aos atores
internacionais maior flexibilidade em relação às fontes tradicionais de direito, como
o tratado ou o costume. Uma vez adotado, o instrumento de soft lawpodeser
revisado ou alterado rapidamente27 .

É muito óbvio que a soft law não tem aceitação na comunidade de estudiosos do
direito internacional. Permanece controverso e sempre longe do consenso e da
unanimidade. Em a um lado, ele fala em direito internacional da existência de uma
área cinzenta na qual hoje é preenchido com conceitos como soft law pesquisas são
necessárias sobre o outro lado afirma que deve ser notado que a maioria das
"fontes emergentes de direito internacional escrito estão contidos dentro do
conceito de soft law "28 . Aqui, o mais importante é que mesmo se estiver
escondido sob a sombra da lei branda, emerge um reconhecimento de novas fontes
de direito internacional.

Segundo Pellet, alguns autores consideram que a expressão "soft soft" se refere
exclusivamente à "fonte da regra considerada" e não ao seu conteúdo. Neste caso,
o termo designa apenas o surgimento de novos instrumentos que não são capazes
de conferir a si mesmos, pelo simples fato de sua existência, uma padrões de
valores obrigatórios que são portadores. Este é o caso da grande variedade de
instrumentos adotados pelas organizações internacionais:resoluções sob nomes
diferentes, tais como declarações, recomendações, diretrizes, cartas, estratégias,
programas, mas "conclusões acordados" também e "princípios orientadores",
"códigos de conduta" que podem ser adotadas tanto no contexto das organizações
conferência internacional ou diplomática, sem esquecer as declarações
interestaduais, comunicados conjuntos e outros "acordos de cavalheiros" e relativas
à lei não escrita, as "normas" altamente atenuado forma de regras
habituais. Assim, uma resolução adotada sob certas condições pode ser
considerada como um acordo de forma simplificada. Nesse mesmo prazo, poderia
ser acrescentado ao acordo executivo e à nota diplomática como modalidades dos
tratados,soft law e, portanto, criadores do direito internacional. O caso particular da
nota diplomática será discutido mais adiante.

Por sua vez, outros autores procuram para comparar a soft law o costume, como
Jean Pierre BEURIER quando ele diz que é uma concepção subjetivista de direito,
mas apesar de todos esta regra assim criado será "prova de uma prática geral
aceita como direita "29 , mas outros apontam que ela está sempre contida em
documentos físicos, consequentemente, o aparecimento da lei suave costumeira
(ou qualquer outra fonte não escrita)torna-se impossível.30 . As posições
contraditórias são mais do que evidentes e, entre os negadores, tem sido dito que
asoft law só estaria correta quando se tornasse lei difícil. Robyn Eckersley
argumentou que há questões importantes no cenário internacional e que são
necessárias estruturas fortes e executáveis. Se as implicações da soft law ainda são
debatidas, então não é uma ferramenta apropriada para implementá-la31 .

Afirmou-se que os juristas deveriam integrar soft law nas suas reflexões sobre o
sistema legal. Eles devem exorcizar a herança da Escola Realista e superar sua
exasperação inicial para refletir a negligência da lei. Isso não significa que o recurso
a instrumentos de soft law seja chamado a substituir completamente as fontes
tradicionais de direito internacional.32 .

Existem então novas fontes de direito internacional? As resoluções das


organizações internacionais e os atos unilaterais dos Estados são considerados as
expressões mais acabadas de soft law . O status legal das organizações
internacionais dentro do tema das fontes tem sido bem estudado na doutrina do
direito internacional há muito tempo. Um dos primeiros a fazê-lo foi o jurista
mexicano Jorge Castañeda Alvarez de la Rosa, que em sua obra O valor legal de
resoluções das Nações Unidas observou que a diversidade de resoluções e seu valor
jurídico desigual tornaram-se muito difícil de apreciação quanto fonte de
direito internacional33 , mas pode-se inferir no pensamento de Castañeda que,
embora essa avaliação seja difícil, conclui-se que alguns deles têm o status de
fonte do direito internacional. A este respeito, também foi expressa Grigory Tunkin,
o maior teórico do direito internacional Soviética, observando que "as resoluções
das organizações internacionais são fontes de direito internacional se tiverem sido
reconhecido por um Estado de modo a definir o lugar dessas resoluções o processo
de formação das normas do direito internacional "34 .

Consideração de actos unilaterais como uma fonte é mais complicado, mas afirmou
que já não parece defensável tentar reduzir a importância, é palpável "no
desenvolvimento das relações internacionais e influência, diretos ou indiretos, na
formação de processos normas legais internacionais "35 . O brasileiro Salem Hikmat
Nasser afirma que a questão dos atos unilaterais sempre permanece
controversa36 . Além disso, por muito tempo a doutrina negou aos atos unilaterais
"caráter jurídico e qualquer capacidade de poder vincular-se por si mesmos aos
sujeitos do direito internacional".37 . A definição de acto unilateral do Estado no
contexto do direito internacional foi estabelecido no artigo 1º do Projeto da
Comissão de Direito Internacional das Nações Unidas como "uma manifestação
inequívoca do estado, feito com a intenção de produzir efeitos jurídicos nas relações
com um ou mais Estados ou uma ou várias Organizações Internacionais e que seja
do conhecimento desse Estado ou daquela Organização Internacional " 38 . Os atos
unilaterais dos estados que mais freqüentemente se referem são notificação,
reconhecimento, protesto, renúncia e promessa.
Nasser também é da opinião de que "de fato, todos os comportamentos dos
estados pode ser traduzido em termos de actos unilaterais, cada comportamento no
corpo da prática habitual, cada ato feito no campo da negociação e conclusão de
um tratado , todo ato de qualquer natureza, legal ou não, todas as relações sociais
podem ser reduzidas a átomos de atos unilaterais "39 e que, nesse sentido, não há
dúvida de que os atos unilaterais certamente participam do processo de formação
do direito internacional, mesmo que o status de fonte formal não seja
reconhecido. O espanhol Fernando Mariño Menéndez afirma que "o ato unilateral
leva principalmente para gerar ou extinguir direitos subjetivos, ou seja, origem ou
destino relações jurídicas entre determinados assuntos.modificara ordem jurídica
internacional existente e, a este respeito, dada a sua 'autonomia' pode-se dizer que
se destina a gerar normas legais "40 .

Ferhat Horchani afirma que "os atos unilaterais são muito variados e assumem a
forma de um documento geralmente escrito e enviado por meios
diplomáticos"41 . Atos unilaterais e atos declaratórios comprovam o quanto o
voluntarismo é o centro da evolução do direito internacional. Enquanto isso, Beurier
afirma que agora há uma convergência normativa do unilateralismo contra os pólos
de poder dominantes dos Estados distantes dos princípios geradores, criando um
direito funcional, evolutivo e subjetivo.42 . O Tribunal Internacional de Justiça, com
base em um parecer consultivo de 1974 sobre o teste nuclear que as declarações
unilaterais são vinculativas comoexpressam a intenção do declarante aligado, mas,
certamente, o Tribunal de Justiça pronunciou-se sobre um ato unilateral
(declaração ) de um Estado (que também foi objeto de análise e estudos pela
Comissão de Direito Internacional das Nações Unidas que produziu o documento
"Princípios Orientadores Aplicáveis às Declarações Unilaterais de Estados Capazes
de Criar Obrigações Legais") em 200643 ). Neste parecer, o juiz dissidente Federico
de Castro postulou que "apenas actos unilaterais que são aceites pode forçar" e
outra voz discordante importante neste contexto é o de Francisco Rezek,
comoacadêmico, não um juiz do Tribunal A Haia foi, considerando que há poucos
autores que outorgam [atos unilaterais] a categoria de fonte do direito
internacional, sendo comum a memória de que não representam regras, mas atos
legais, deixando claro que enquanto produzem consequências jurídicas à medida
que acabam criando obrigações44 . Numa posição que poderia ser chamada de
intermediária, foi apoiada pelo jurista dinamarquês Max Sorensen, levanta-se a
questão da natureza do artigo 38 sob o dilema de se ele deve ser considerado
declarativo ou exaustivo. Concluindo que, se fundamento, não poderia evitar o
surgimento de novas fontes de lei produzida pelo desenvolvimento da sociedade
internacional ea sua organização progressiva, no entanto, ele ressalta que os novos
métodos de produção de Direito necessariamente estão ligadas a fontes listadas no
artigo 38, reconhecendo a possibilidade de gerar novas fontes, mas negando a
autonomia dessas45 .

Deve-se considerar que, assim como o direito internacional experimentou o


surgimento de novos atores, isto é, os sujeitos reconhecidos pelo mesmo sistema
legal. Da mesma forma, houve uma expansão significativa nos assuntos que regula,
portanto também é possível que outras fontes tenham surgido. Nesse sentido,
doutrina recente aponta para a formação do direito na ordem internacional em vez
de fontes de direito internacional. Ainda assim, analisa-se a relação entre a
formação de padrões e a criação de leis e obrigações internacionais.46 ,
especialmente levando em conta que "nada impede que novas fontes sejam
incorporadas a um sistema específico"47 . É um fato que "o surgimento de novas
fontes formais de direito internacional é apresentado mais como uma necessidade
do que como uma extravagância de doutrina"48 e que a evolução do direito
internacional vai influenciar suas fontes e é capaz de mudar a importância factual
delas49 .
Os autores discutem frequentemente novas fontes do direito internacional de forma
a caracterizá-las como duras ou brandas. Quando essas duas formas retóricas são
usados dessa maneira é difícil terminar a discussão definitivamente, não tanto por
novas fontes de considerar as duas retóricas, mas porque cada um pode ser
caracterizado como duro ou mole e não que uma caracterização parece ser um
base persuasiva para a autoridade da nova fonte. A retórica das fontes como um
todo inclui a tensão entre hard e soft. O discurso sobre cada fonte evita as
dificuldades de dependência focados em duro e macio que repete a manobra
porque cada uma das fontes clássicas tem uma natureza dupla, cada um é vigiado
pelas deficiências de tendências tanto duros e moles50 . Mesmo considerando que
eles eram duros ou suaves, há definitivamente falar de novas fontes do direito
internacional.

Foi reconhecido que há é uma categoria de actos entre os Estados que são
o produto da diplomacia e não são necessariamente obrigatório, citando como
exemplos os acordos Gentleman (Acordos de Cavaleiros), o memorando de
entendimento, declarações, declarações conjuntas, atos finais, Agendas e
Programas de Ação e Recomendações51 . Concordando que sãoproduto da
diplomacia e sua obrigação pode depender das circunstâncias, este é o lugar onde
você pode adicionar expressos e amplamente utilizado acordos executivos (que nos
Estados Unidos são também chamados de discos compactos ) e a nota diplomática
nem sempre são analisadosem estudos de soft law,mas que, sem serem resoluções
de organizações internacionais ou atos unilaterais, possuem as mesmas
características que as relativas à formação do direito internacional, sem perder de
vista o que foi dito pelo Juiz De Castro na mencionada Opinião Consultiva da Corte
(1974). ) no sentido de que, numa perspectiva, todos os actos juridicamente
vinculativos são unilaterais, até certo ponto os actos bilaterais ou multilaterais são
compostos por promessas separadas e unilaterais consideradas obrigatórias. Seja
como for, mesmo atos que pareçam unilateralmente vinculantes são bilaterais no
sentido de que eles só podem ser obrigatórios se a outra parte exigir o
cumprimento.52 .

III A nota diplomática na perspectiva do Tribunal Europeu dos


Direitos do Homem

Já foi mencionado e não pode ser ignorado que, no âmbito do direito internacional,
prevalece uma condição ambígua sobre a categoria de resoluções das organizações
internacionais; de atos unilaterais dos Estados e de alguns análogos aos tratados
(acordos executivas, memorandos de entendimento, comunicados conjuntos, para
citar alguns) como fontes autónomas de instrumentos de direito internacional, nem
que ainda não existe uma posição definitiva sobre este particular . Julio Barberis
refere que o problema consiste em determinar em que medida as empresas
jurídicas que produzem os efeitos previstos nas regras de um determinado sistema
jurídico desempenham um papel como fonte legal.53 , de modo algum só eles
considerá-los um passo na formação de fontes e são vistos como que só pode
fornecer precedentes legais constituem regras habituais que permitem que os
Estados a exercerem certos poderes. "Uma das formas de formar o costume
internacional, que pode ser considerado um costume incipiente e,
conseqüentemente, tornar-se um gerador de direitos e obrigações"54 . Alguns
acadêmicos acreditam que a natureza obrigatória de certos atos não os constitui
como fonte de direito, mas apenas influencia a formação das fontes do
direito. David Bondía afirma então que só podem ser considerados "procedimentos
de formação de normas legais internacionais"55 .

Por outro lado, ressalta-se que a validade desses instrumentos não depende de
outro ato jurídico, seja unilateral, bilateral ou multilateral e que produza efeitos
legais de acordo com seu conteúdo. Barberis afirma da mesma forma que apenas
os atos unilaterais que reúnem certas características são geradores de normas
jurídicas internacionais, no caso, de obrigações para o autor e direitos para os
beneficiários.56 . Como também foi dito "embora seja frequentemente reconhecido
que actos e declarações unilaterais por vezes criam obrigações legais
internacionais, é claro que nem todos o fazem"57 , que é os mesmos critérios que
Jorge Castaneda atribuída às resoluções das organizações internacionais, tendo em
conta a necessidade de analisar cada um delesfim de concluir sederivam obrigações
legais e, consequentemente, poderles considerar fontes do direito internacional. Em
adição, ele disse que "embora o artigo 38 da Corte Internacional de Justiça não
reconhece os atos unilaterais dos Estados, tais como procedimentos para a criação
de normas legais internacionais, as transformações na sociedade internacional, cujo
impacto é evidente nos processos de criação das normas, induzir a considerá-las
fontes de direito internacional "58.

Pode-se questionar se é o caso de acrescentar então à nota diplomática na


categoria de fonte do direito internacional, considerando que é o significado que lhe
é dado pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Este tribunal baseado em
Estrasburgo concluiu no processo Medvedyev et al. França (Requerimento 3394/03
de 29 de maio de 2010) que “as notas diplomáticas são uma fonte de direito
internacional comparável a um tratado ou acordo quando formaliza acordos entre
autoridades envolvidas, uma estada comum em um determinado assunto ou até,
por exemplo, a expressão de um desejo ou compromisso unilateral " 59 . Cardenas
Castañeda disse que a questão de quem tem a palavra final sobre se o direito
consuetudinário tenha surgido ou não é regulada pelo direito internacional, porque
esse dever é conferido sujeitos de direito internacional, mas em sua opinião,
"temos que esperar até que um tribunal internacional reconhecido declara sua
existência "60 . Esta posição poderia igualmente ser estabelecida no caso da nota
diplomática que foi expressamente reconhecida por um tribunal internacional como
fonte de direito.

O caso em questão teve origem em um pedido contra a República Francesa,


instituído na Corte Européia de Direitos Humanos, em 19 de fevereiro de 2002, por
Oleksandr Medvedyev e Boris Bilenikin, um cidadão ucraniano; Nicolae Balaban,
Puiu Dodica, Nicol Stelian Manolache e Viorel Petcu, cidadãos romenos; Georgios
Boreas, grego e; Os senhores Sergio Cabrera León e Luis Eduardo Sage Martínez de
nacionalidade chilena. Os queixosos argumentaram que tinham sido
arbitrariamente privados da sua liberdade pelas autoridades francesas que tinham
parado o seu barco e que não tinham sido colocadas atempadamente perante um
juiz ou outra autoridade com poderes judiciais. O pedido foi enviado para a Quinta
Secção do Tribunal que o declarou admitido. Os demandantes pediram que o
processo fosse ouvido pela Grande Secção, em conformidadecom o artigo 43 da
Convenção Européia sobre Direitos Humanos, tendo recebido a solicitação em 1º de
dezembro de 2008. A audiência foi realizada na sede do Tribunal em Estrasburgo
em 6 de maio de 2009.

Os fatos do caso têm suas origens quando as autoridades francesas responsáveis


pelo combate ao tráfico de drogas prestaram atenção a um navio de bandeira do
Camboja chamado Winner,Suspeitando que o navio estava transportando grandes
quantidades de drogas com a intenção de mudá-lo para outro navio nas Ilhas
Canárias da Espanha e de lá para apresentá-lo à Europa. Em uma nota diplomática
datada de 7 de junho de 2002, em resposta a um pedido da embaixada francesa
em Phnom Penh, o Ministro de Relações Exteriores e Cooperação Internacional deu
o consentimento de seu governo às autoridades francesas para intervir, de acordo
com o seguinte termos: "O Ministério de Relações Exteriores e Cooperação
Internacional apresenta suas saudações à Embaixada da França em Phnom Penh e,
em relação à sua nota 507/2002, de 7 de junho de 2002, tem a honra de confirmar
formalmente que o Governo Real Camboja autoriza as autoridades francesas a
interceptarem,Vencedor, voando a bandeira do Camboja XUDJ3, pertencente ao
'Marina Sherlock' nas Ilhas Marshall. O Ministério das Relações Exteriores e
Cooperação Internacional aproveita a oportunidade para renovar os protestos de
sua mais alta estimativa "61 .

A embaixada francesa em Phnom Penh informou o último de seu Ministério da


Defesa que o navio estava parado. Em 13 de junho de 2002, uma fragata francesa
interceptou o vencedor em alto mar perto dos mares de Cabo Verde. A tripulação
começou a jogar pacotes mar supostamente contendo drogas, alguns foram
recuperados por marinheiros franceses que por sua vez começou a disparar tiros de
advertência até que a tripulação respondeu rádio e consentiu com a detenção do
navio. Os franceses embarcaram no vencedoronde a situação se tornou muito tensa
fronteira com os franceses para disparar novamente, ferindo um membro da
tripulação que morreu dias depois em um hospital em Dakar, Senegal. O resto da
tripulação foi indiciado e transferido para um tribunal na cidade de Brest, onde
chegaram em 26 de junho e foram colocados à disposição de um juiz. Os acusados
basearam sua defesa no fato de que o Camboja não fazia parte da Convenção
Única sobre Entorpecentes de 30 de março de 1961; nem da Convenção contra o
Tráfico Ilícito de Estupefacientes e Substâncias Psicotrópicas, celebrada em Viena
em 19 de Dezembro, 1988 ou a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do
Mar de 1982 e, portanto, as autoridades francesas não tinha base jurídica para sua
prisão e acusação.

Tendo ido através dos tribunais disponíveis para direito francês, o caso foi para o
Tribunal Europeu dos Direitos Humanos pelo fato de que o acusado alegou não
para foram disponibilizados para julgar rapidamente, violando e ao devido
processo. No caso, o francês argumentou que o governo cambojano foram
autorizadas a agir sob nota diplomática de 7 de Junho de 2002, que foi rejeitada
pelos autores que alegaram que ele estava fazendo uma má interpretação pela
França a considerar uma delegação de jurisdição. A França afirmou que a nota
diplomática funciona como um tratado ad hoce justificou sua participação nos
termos estabelecidos pelo direito internacional. Este é o ponto central deste artigo:
se a nota diplomática gera lei e, portanto, pode ser considerada uma fonte de
direito internacional e, assim, fortalecer a posição da existência de outras fontes
além daquelas listadas no artigo 38 do Estatuto da Corte Internacional de Justiça.

A Grande Câmara do Tribunal de Estrasburgo conclui que a nota diplomática das


autoridades cambojanas forneceu a base legal para a intercepção e embarque
do Winnerpelos franceses, no entanto, isso não se aplica à privação da liberdade do
acusado por treze dias. No decorrer do julgamento, o governo francês argumentou
que a nota diplomática do Camboja e seu conteúdo haviam tornado a intervenção
da marinha francesa perfeitamente legal do ponto de vista do direito internacional e
essa também seria a posição assumida pela Grande Câmara do Tribunal Europeu.
em sua sentença. No processo, o Tribunal de Estrasburgo estabelece como um dos
pontos da litis determinar se a nota diplomática do Ministério dos Negócios
Estrangeiros do Camboja fornece a base legal para as medidas impugnadas. Foi
então que o Tribunal estabeleceu o supramencionado que as notas diplomáticas são
uma fonte de direito internacional comparável a um tratado.Vencedor, apoiando
ainda a consideração de que o Camboja tinha o direito de cooperar com outros
países fora da estrutura da Convenção de Montego Bay e as convenções
relacionadas à luta contra o narcotráfico.

Na respectiva sentença proferida em 29 de março de 2010, o Tribunal Europeu dos


Direitos Humanos decidiu por unanimidade que os demandantes deveriam estar sob
a jurisdição da França; por dez votos contra sete, ele considerou que houve uma
violação do Artigo 5, parágrafo 1 da Convenção Européia de Direitos Humanos (que
estabelece que todos têm direito à liberdade e segurança.) Ninguém pode ser
privado de sua liberdade, exceto nos seguintes casos: e de acordo com o
procedimento estabelecido por lei); por nove votos contra seis, ele não considerou
que o terceiro parágrafo do mesmo artigo havia sido violado (a pessoa detida ou
privada de liberdade nas condições previstas no parágrafo 1.c, O presente artigo
deverá ser conduzido sem demora na presença de um juiz ou outra autoridade
autorizada por lei a exercer poderes judiciais, e terá o direito de ser julgado dentro
de um prazo razoável ou de ser libertado durante o processo). Finalmente, o
Tribunal determinou uma indemnização pelos demandantes. Os juízes que não
consideraram a existência de uma violação do artigo 5º, parágrafo 1, formularam
uma opinião divergente. Em suas considerações referem-se ao fato da nota
diplomática do governo cambojano e argumentaram que este instrumento não
atende a todas as condições para ser considerado "certo", mas que um Os juízes
que não consideraram a existência de uma violação do artigo 5º, parágrafo 1,
formularam uma opinião divergente. Em suas considerações referem-se ao fato da
nota diplomática do governo cambojano e argumentam que este instrumento não
atende a todas as condições para ser considerado "certo", mas que um Os juízes
que não consideraram a existência de uma violação do artigo 5º, parágrafo 1º,
formularam uma opinião divergente. Em suas considerações referem-se ao fato da
nota diplomática do governo cambojano e argumentaram que este instrumento não
atende a todas as condições para ser considerado "certo", mas que umA troca de
notas é comumente confidencial e deve ser assim para ser eficaz em circunstâncias
como as que neste caso62 .

Segundo um documento oficial do Departamento Federal dos Negócios Estrangeiros


da Confederação Suíça, a nota diplomática "é a forma de correspondência mais
utilizada, tanto para questões administrativas de rotina como para questões
políticas importantes." A nota é um instrumento de correspondência diplomática e
elemento constitutivo de um acordo internacional, capaz de gerar direitos e
obrigações de direito internacional, em ambos os casos, a forma é geralmente a
mesma "63 . O mesmo documento também observa que a nota geralmente vem de
uma representação diplomática, do Ministério das Relações Exteriores do Estado
recebedor ou, mais raramente, de um Ministério técnico autorizado a negociar
diretamente com as missões diplomáticas certas questões que são de sua
competência. A nota é escrita apenas em uma língua, em estilo impessoal na
terceira pessoa do singular. Caracteriza-se também porque é assinado e não
assinado.

Certamente alguns instrumentos produzidos pelo exercício da diplomacia fazer a lei


porque não há acordo do Estado a este respeito e, cada vez mais, um setor da
doutrina partilha da opinião de que estes instrumentos, tais como a nota
diplomática, muitas vezes preferidos pelos Estados, porque são mais informais e
podem ser acordados mais rápida e facilmente, sem as solenidades e
procedimentos exigidos pelos tratados; que não devem ser publicados ou
registrados; são mais úteis em termos de confidencialidade, considerando também
que, por vezes, não são obrigatórias, uma questão que não é inteiramente
verdadeira se o acórdão do Tribunal Europeu for tido em conta. Não esqueçamos
que muitos desses atos não estão previstos nos sistemas jurídicos nacionais e,
portanto, eles não têm controle parlamentar ou mesmo legalidade. Evidentemente,
instrumentos como a nota diplomática serão cada vez mais frequentes e explorados
por sujeitos do direito internacional em detrimento do uso de tratados formais
como surgiram na época, particularmente na década de 1930 nos Estados Unidos,
os chamados acordos executivos oucompactos, especialmente na medida em que
são considerados geradores de obrigações ou fontes de direito64 . No final,
comoafirmouGrigory Tunkin, "a norma do direito internacional sóocorrequando há
acordo com a vontade dos Estados em relação ao reconhecimento de uma norma
particular como norma do direito internacional"65 . Diante dessa realidade, afirmou-
se que "se o sistema ganhar flexibilidade, terá perdido a precisão na determinação
das obrigações internacionais".66 e no mesmo tenor Jean Pierre falou BEURIER,
afirmando que "a busca do funcionalismo, paradetrimento da solenidade, se optar
por soluções pragmáticas ditadas pela urgência de encontrar uma solução" 67 .

Curiosamente, no caso a que se refere a obrigação de negociar o acesso a (Bolívia


vs Chile) Oceano Pacífico, o Tribunal Internacional de Justiça na decisão sobre
exceções preliminares, em 24 de Setembro, 2015, afirma que efeitos de
fundamentar a existência da alegada obrigação, Bolívia é baseado em "acordos,
prática diplomática e uma série de declarações atribuíveis aos representantes de
alto nível chilenos"68 . Neste sentido, a nota diplomática deve ser entendida como
fazendo parte da referida "prática diplomática", mas, como já foi assinalado, deve
ser feito um exame de seu conteúdo para determinar se é um gerador de
regulamentos ou apenas contendo disposições de natureza principalmente
administrativa. . O que também é expressamente rejeitado pelo Chile quando
argumenta que, neste caso, a questão é "governada" exclusivamente por um
tratado internacional, isto é, o Tratadode Paz de 190469 .

Na aplicação acima mencionado, as preocupações Bolívia e acrescenta um par de


notas diplomáticas, um deles Nota 686 de 19 dezembro de 1975 assinado por
Patricio Carvajal Prado, Ministro das Relações Exteriores, este afirmou que "Chile
estaria preparado para negociar com Bolívia a cessão de uma faixa de território
norte de Arica à Linha de Concórdia ". O que apresenta autonomamente ao resto do
conteúdo da Nota. Tempo do juízo, você pode analisar o valor que o Tribunal de
Haia concedido, deve ser claro se obrigações específicas ou regras legais são
gerados ou subestimação em razão do contexto e objeções já apresentada pelo
lado chileno ou, como foi bem argumentado neste artigo,

IV. Conclusões

A teoria das fontes do direito internacional não pode mais se basear no artigo 38 do
Estatuto da Corte Internacional de Justiça e deve considerar que algumas fontes
surgiram como conseqüência do dinamismo dos sujeitos que esta disciplina
reconhece. como tal e da própria sociedade global. É evidente que, no estudo dos
procedimentos técnicos para a criação de normas jurídicas internacionais, os
instrumentos que compõem o fenômeno legal da soft law devem agora ser levados
em conta.como certas resoluções de organizações internacionais e certos atos
unilaterais dos Estados. Da mesma forma, devem ser incluídas figuras jurídicas
análogas às já reconhecidas fontes, especificamente as modalidades de tratados,
como acordos executivos e a nota diplomática, cuja categoria de fonte já foi
conferida por um tribunal internacional. Sempre levando em conta que nem tudo
que produz efeitos legais é, portanto, fonte de direito, ou seja, uma análise prévia
do instrumento deve ser feita antes de se atribuir a categoria de fonte
internacional. O fato inegável é a existência de novas fontes no direito
internacional.

Obviamente, "o fenômeno contemporâneo da soft law ataca um sistema


notoriamente frágil, risível aos olhos dos realistas em sua impotência diante da
importância dos eventos internacionais"70 , mas indubitavelmente é o resultado do
dinamismo da disciplina jurídica. Muitas soluções têm sido propostas para adaptar a
teoria tradicional: Hugh Thirlway sugere que atos unilaterais deveriam ser
incorporados ao artigo 38 do Estatuto "talvez como uma subdivisão de tratados e
convenções ou como um caso especial semelhante a eles".71 . Cárdenas Castañeda
afirma que " soft law não deve ser chamado de soft", mas deve ser adicionado à
lista de fontes de hard law , usando rótulos como "resoluções de organizações
internacionais reconhecidas", "declarações resultantes de cúpulas mundiais". etc.
" O mesmo autor considera que "apesar da crença clássica de que o estudo das
fontes do direito internacional está circunscrito à lista do artigo 38 do Estatuto da
Corte Internacional de Justiça, novas tendências surgiram, argumentando que as
fontes atuais deveriam ser examinadas. ou outros candidatos devem ser
adicionados à lista "72 . Simplesmente afirma que é de suma importância acelerar o
debate sobre as mudanças e a expansão das fontes do direito internacional.

Pode-se concluir que, sem alteração do Estatuto do Tribunal Internacional de


Justiça, que parece que chegou o momento de considerar não apenas fontes do
direito internacional para as enumeradas no artigo 38 e "formalizar, se ele estar
correto prazo, a consideração fontes, particularmente as resoluções das
organizações internacionais, atos unilaterais dos Estados e alguns instrumentos
semelhantes aos tratados (tais como acordos executivas, memorandos de
entendimento e, como já foi mostrado neste artigo, a nota diplomática) diligência
sempre analisar -los para determinar se essas obrigações legais de se estabelecer
como fontes do direito internacional são liberados.

Anotações
1
Duplessis, I. "A vertigem e a lei suave: réplicas doutrinárias em direito
internacional", em Revue québécoise de droit international, Montréal, Hors-Série
2007, p. 253-254.

2
Kennedy, D. "As fontes do direito internacional", em American University
International Law Review, Washington, v. 2, n. 1, 1987, p. 20

3
Cárdenas, F. "Um apelo para repensar as fontes do direito internacional: soft law
e o outro lado da moeda", noAnuário Mexicano de Direito Internacional. México,
v. XIII, 2013, p. 395

4
Duplessis, I. op. cit., pp. 253-254.

5
Boyle, A. "Lei branda no direito internacional", em Evans, M. (Editor). Direito
Internacional. 4 th Edition. Oxford University Press, 2014, pp. 119-120.

6
Beurier, J. "L'influence de l'evolution du droit international sur ses sources",
em Revue québécoise de droit international. Montréal, v. 8, n. 2, 1993-1994,
p. 216

7
Cárdenas, F. op. cit., p. 396

8
Bossuyt, M. "Préface", em público internacional de Mulamba B. Droit: les
sources. Paris, Edições L'Harmattan, 2012, pp. 9-13.

9
Thirlway, H. As fontes do direito internacional. Fundações do direito internacional
público. Oxford Imprensa da Universidade de Oxford. 2014, p. 19

10
Rezek, F. Endereço internacional público. Curso Elementar São Paulo. Editora
Saraiva. 2000, p. 9

11
Thirlway, H. op. cit., p. 5

12
Nasser, S. Fontes e Normas de Direção Internacional: Um estudo sobre uma Lei
Mole. São Paulo, Editora Atlas, 2006, p. 61
13
Shahabuddeen, M. Precedente no Tribunal Mundial, Cambridge. Cambridge
University Press, 2007, p. 81

14
Brown, J. (Diretor). As continuações das conferências da paz de Haia. A
Conferência de 1907, Volume I, Reunião Plenária das Conferências. Nova
York Oxford University Press, 1920, p. 191

15
Lima, C. "O emergeimento da Corte Permanente de Justiça Internacional:
formação europeia e fundamento voluntarista", na Revista Eletrônica de Direito de
Direito da UFSM. Santa Maria, RS, v. 8, n. 1.2013, p. 21

16
Castañeda, J. Obras Completas. Eu das Nações Unidas. México, v. Eu, Colegio de
México-Ministério das Relações Exteriores, 1995, p. 172

17
Statut et Réglament de la Cour permanente de justice internationale: éléments
dinterpretation , Carl Heymanns Verlag, Berlim, 1934, p. 272

18
Duplessis, I. op. cit., p. 254

19
Becerra, M. "Notas sobre o direito internacional público no final do século",
em The Science of Law durante o século XX. UNAM, México, 1998, pp. 268-269.

20
Thirlway, H. op. cit., p. 28

21
Bossuyt, M. op. cit., pp. 9-13.

22
Idem.

23
Cárdenas, F. op. cit., p. 372

24
Duplessis, I. op. cit., pp. 248 e 252.

25
Pellet, A. Fontes do Direito Internacional. Contra a tirania do direito de
linha. Aspectos da formulação das normas em direito internacional da economia e
do desenvolvimento. Paris, Instituto de Direito Internacional Público e Relações
Internacionais de Thessaloniki, 1992, pp. 345-346.

26
Boyle, A. op. cit., p. 121

27
Duplessis, I. op. cit., pp. 250-251.

28
Cárdenas, F. op. cit., p. 367

29
Beurier, J. op. cit., p. 224

30
Cárdenas, F. op. cit., p. 394

31
Eckersley, R., "Soft law, hard Politics, and the climate change treat", em REUS-
SMIT, C. (Editor), The Politics of International Law, Cambridge, Cambridge
University Press, 2004, pp. 80-105.

32
Duplessis, I. op. cit., pp. 255 e 268.
33
Castañeda, J. Obras Completas. Eu das Nações Unidas. México, v. Eu, Colegio de
México-Ministério das Relações Exteriores, 1995, p. 172

34
Tunkin, G. Teoria do Direito Internacional. (Editado e traduzido por William E.
Butler) Harvard University Press, 1974. Em Kennedy, D. op. cit., p. 10

35
Bondía, D. Regime jurídico dos actos unilaterais dos Estados. Barcelona, JM
Bosch Editor, 2004,p. 13

36
Nasser, H. op. cit., p. 75

37
Bondia D. op. cit., p. 15

38
Bondia D. op. cit., p. 205

39
Nasser, H. op. cit., p. 76

40
Mariño, F. Direito Internacional Público ( Parte Geral ) . Madri Editorial
Trotta. 1995, pp. 337-344.

41
Horchani, F. Les Fontes do Direito Internacional Público. Tunes: Centre de
Publication Universitaire,2008, p. 274

42
Beurier, J. op. cit., p. 217

43
Nesse documento, a Comissão de Direito Internacional das Nações Unidas afirma
no preâmbulo que "Notando que os Estados podem encontrarvinculado por seu
comportamento unilateral a nível internacional" e que "Observando também que a
existência de um comportamento unilateral Estado obriga isso em uma
determinada situação depende das circunstâncias de cada caso ", nas Nações
Unidas. Anuário da Comissão de Direito Internacional de 2006. Nova York e
Genebra, v. 2, parte dois, 2013, p. 161

44
Rezek, F. op. cit., pp. 130-131. Não é livre que esta seção do livro de Rezek seja
intitulada "Controvérsia".

45
Sorensen, M. Manual de Direito Internacional Público, México, Fundo de Cultura
Económica, 1998,p. 154

46
Monroy, M. "Aproximação ao conceito de fontes do direito internacional",
em Revista Estudios Socio-jurídico,Bogotá, vol. 7, n. 2, Universidad del Rosario,
julho-dezembro de 2005, p. 90

47
Nasser, H. op. cit., p. 60

48
Cárdenas, F. op. cit., p. 365

49
Beurier, J. op. cit., p. 216

50
Kennedy, D. op. cit., p. 28-30.

51
Nasser, H. op. cit., pp. 114-138. A visão de que o GentlemenAcordo e do
Memorando de Entendimento e comunicados conjuntos têm as mesmas
características no que diz respeito à criação do direito internacional é
compartilhado, mas eles devem ser classificados actos unilaterais pelo fato de que
são bilaterais ou mesmo multilaterais.

52
Kennedy, D. op. cit., p. 46

53
Barberis, J. Formação do Direito Internacional, Buenos Aires, Editorial Ábaco por
Rodolfo Depalma, 1994, pp. 281-288.

54
Carrillo J. "Funções do ato unilateral no regime jurídico de espaços
marinhos". Revista Themis Saragoça 1959, p. 1. Citado em Bondía,
D. op. cit., p. 45

55
Bondía, D. op. cit., pp. 15, 56-58.

56
Barberis, J. op. cit., pp. 281-288.

57
Kennedy, D. op. cit., p. 47

58
Bondia, D. op. cit., p. 199

59
Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Julgamento Caso de Medvedyev e
outros v. França 29 de março de 2010, par. 96

60
Cárdenas, F. op. cit., p. 382. Embora ele ressalte que é preferencialmente a
Corte Internacional de Justiça.

61
Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Grande Câmara Julgamento Caso de
Medvedyev e outros v. França (pedido nº 3394/03). Estrasburgo 29 de março de
2010, p. 3

62
Independentemente poderia comentar que a Grande Câmara do Tribunal
Europeu é composto por dezassete juízes, neste caso, apenas um, o grego Christos
Rozakis, éespecialista em direito internacional,membro, incluindo o Instituto de
Direito Internacional. A maioria é constitucional ou criminal.

63
Confédération Suisse. Departamento federal dos assuntos étrangères. A
correspondência diplomática. Berne, 2009, pp. 2-3.

64
Rudiger Wolfrum identificou quatro fraquezas comuns dos tratados para a
implementação de um regime legal efetivo: 1. Celeridade: os tratados não são
capazes de responder a novos desafios no nível normativo; 2. Clareza e
uniformidade: quando um assunto é muito especializado, é difícil chegar a um
acordo entre as partes, porque elas não querem assumir obrigações que não estão
claramente definidas; 3. Universalidade da participação: por vezes, é necessário o
consentimento das partes que não têm capacidade para assinar tratados de acordo
com as regras da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados; 4. Flexibilidade
e adaptabilidade: adotar ou alterar tratados pode levar décadas. Wolfrum, R. "A
inadequação do processo legislativo por tratados internacionais: 'Soft Law' como
uma alternativa?",Desenvolvimentos do Direito Internacional na Criação de
Tratados, Berlim, Springer, 2005, p. 40. Em Cárdenas, F. op. cit., p. 388

65
Kennedy, D. op. cit., p. 10

66
Duplessis, I. op. cit., p. 253
67
Beurier, J. op. cit., p. 223

68
Corte Internacional de Justiça. Julgamento Obrigação de negociar o acesso ao
Oceano Pacífico. Objeção Preliminar. Haia, 24 de setembro de 2015. pars. 19, 31

69
Ibidem. Parágrafo 42.

70
Duplessis, I. op. cit., p. 267

71
Thirlway, H. op. cit., p. 44

72
Cárdenas, F. op. cit., p. 364

Bibliografia

Barberis, J. Formação em Direito Internacional, Editorial Ábaco por Rodolfo


Depalma, Buenos Aires, 1994. [ Links ]

Becerra Ramírez, M. "Notas sobre o direito internacional público no final do século",


em The Science of Law durante o século XX. UNAM, México, 1998. [ Links ]

Beurier, J., "L'influence de l'evolution du droit international sur ses sources",


em Revue québécoise de droit international. Montréal, v. 8, n. 2, p. 216-227, 1993-
1994. [ Links ]

Bondia García, D. Regime Jurídico dos Atos Unilaterais dos Estados. JM Bosch
Editor, Barcelona, 2004. [ Links ]

Brown Scott, J. (Diretor). As continuações das conferências da paz de Haia. A


Conferência de 1907, Volume I, Reunião Plenária das Conferências. Oxford
University Press, Nova Iorque, 1920. [ Links ]

Cardenas Castañeda, F. "Uma chamada para repensar as fontes do direito


internacional: soft law e do outro lado da moeda" em mexicana Anuário de Direito
Internacional, UNAM, v XIII, México, 2013. [ links ]

Castañeda, J. Obras Completas. Eu das Nações Unidas. v. I, Colégio do México-


Ministério das Relações Exteriores, México, 1995. [ Links ]

Confédération Suisse. Departamento federal dos assuntos étrangères. A


correspondência diplomática. Berna,
2009. https://www.bk.admin.ch/themen/lang/04929/05490/index.html . [ Links ]

D'aspremont, J. Formalismo e as fontes do direito internacional. Uma Teoria do


Entretenimento das Regras Legais. Oxford University Press, Oxford, 2011.
[ Links ]

Duplessis, I. "A vertigem e a lei branda: réplicas doutrinárias em direito


internacional", em Revue québécoise de droit international, Montréal, p. 245-
258. Hors-Série 2007. [ Links ]
Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Grande Câmara Julgamento Caso de
Medvedyev e outros v. França (pedido nº 3394/03). Estrasburgo 29 de março de
2010. [ Links ]

Evans, M. (Editor). Direito Internacional. 4 th


Edition. Oxford University Press,
Oxford, 2014. [ Links ]

Horchani, F. Les Fontes do Direito Internacional Público. Centro de Publicação


Universitária, Tunis, 2008. [ Links ]

Corte Internacional de Justiça. Julgamento Obrigação de negociar o acesso ao


Oceano Pacífico. Objeção Preliminar. The Hague, 24 de setembro de 2015.
Em http://www.icj-cij.org/docket/files/162/19020 . pdf Data da consulta: 20 de
junho de 2016. [ Links ]

Kennedy, D. "As fontes do direito internacional", em American University


International Law Review, v. 2, n.1, p. 1-96, Washington, 1987. [ Links ]

Lima, C. "O emergeimento da Corte Permanente da Justiça Internacional: formação


europeia e fundamento voluntarista", na Revista Eletrônica do Curso de Direito da
UFSM. . Santa Maria, RS, v. 8, n. 1. 2013. http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-
2.2.2/index.php/revistadireito/article/view/8724#.Viwlb3ldFjo [ Ligações ]

Mariño Menéndez, F. Direito Internacional Público ( Parte Geral ) . Madri Editorial


Trotta. 1995. [ Links ]

Monroy Cabra, M. "Abordagem ao conceito de fontes do direito internacional",


na Revista Estudos Sócio-jurídicos,Bogotá, vol. 7, n. 2, Universidad del Rosario,
julho-dezembro. p. 77-91, Bogotá, 2005. [ Links ]

Mulamba Mbuyi, B. Público internacional droit : les sources. Edições L'Harmattan,


Paris, 2012. [ Links ]

Nasser, S. Fontes e Normas da Direção Internacional: Um Estudo sobre uma Lei


Mole, Editora Atlas, São Paulo, 2006. [ Links ]

Novak Talavera, F. "A Teoria dos Atos Unilaterais dos Estados", na International
Agenda Magazine, Instituto de Estudos Internacionais da Pontifícia Universidade
Católica do Peru, Vol. 1. n. 1. Lima, 1994. [ Links ]

Pellet, A. Fontes do Direito Internacional. Contra a tirania do direito de


linha. Aspectos da formação das normas no direito internacional da economia e do
desenvolvimento. Paris, Instituto de Direito Internacional Público e Relações
Internacionais de Thessaloniki, Thessaloniki, 1992. [ Links ]

Remiro, A. Direito Internacional, Madri, McGraw Hill, 1997. [ Links ]

Rezek, F. Endereço internacional público. Curso Elementar, Editora Saraiva, São


Paulo, 2000. [ Links ]

Reus-Smit, C. (Editor), A Política do Direito Internacional, Cambridge University


Press, Cambridge, 2004. [ Links ]

Shahabuddeen, M. Precedente no Tribunal Mundial, Cambridge University Press,


Cambridge. 2007. [ Links ]
Sorensen, M. Manual de Direito Internacional Público, México, Fundo de Cultura
Económica, 1998. [ Links ]

Statut et Réglament de la Cour Permanente de Justice Internationale: Eléments


d'interpretation, Carl Heymanns Verlag, Berlim, 1934. [ Links ]

Thirlway, H. As Fontes do Direito Internacional, Oxford University Press, Oxford,


2014. [ Links ]

Nações Unidas Anuário da Comissão de Direito Internacional 2006, v. 2, parte dois,


Nova York e Genebra, 2013. [ Links ]

Artigo recebido em 4.2.2016 e aceito para publicação em 10.7.2017.

Todo o conteúdo desta revista, exceto onde identificado, está sob uma licença Creative
Commons

Campus Isla Teja - Casilla 567


Valdivia, Chile

Tel .: (56-63) 2293364

Fax: (56-63) 2221942

revider@uach.cl

Você também pode gostar