Você está na página 1de 54

1

Estações Elevatórias

João Karlos Locastro


contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br
2
Vazão

- Saneamento I 3
Definição
• Estruturas utilizadas para o recalque de
água na captação, adução, tratamento e
distribuição de água.

Elevar a água para uma cota mais alta

- Saneamento I 4
Componentes

- Equipamentos eletromecânicos:
Bomba;

Motor;

Captação?
- Saneamento I 5
Bomba
• A determinação da bomba está sujeita aos
seguintes aspectos técnicos:
- Vazão requerida;
- Recalque desejado;
- Disponibilidade de peças e simplicidade de
reparo;
- Economia na instalação e operação.

- Saneamento I 6
Bomba

- Saneamento I 7
Bomba

- Saneamento I 8
Classificações das bombas

- Saneamento I 9
Localização das bombas quanto ao
nível de água
• Bomba afogada: quando o nível da água
está localizado a uma cota superior a
bomba;

• Bomba não afogada: quando o nível da


água está localizado a uma cota inferior a
bomba.

- Saneamento I 10
Componentes
- Tubulações:
Sucção: tubulação que liga o
reservatório inferior à bomba;

Barrilete: Conjunto de tubulações que une a


saída das bombas a tubulação de recalque.

Recalque: tubulação que liga a bomba a ETA


ou a reservatórios superiores;

- Saneamento I 11
Exemplo de Tubulações em Casa de Bombas

- Saneamento I 12
Componentes
- Construção civil
Poço de sucção: Compartimento de onde
parte a tubulação que conduz água para a
bomba;

Casa de bomba: local destinado a execução


do processo de recalque de água. Protege as
estruturas de bombas e motores contra
vandalismo e intempéries climáticas.
- Saneamento I 13
Exemplos de Poços de sucção

- Saneamento I 14
NBR 12214/92 Bombeamento
Atividades:
• Estudo de concepção elaborado conforme a
NBR 12211;

• Definição das etapas de construção;

• Localização e definição da área necessária


para implantação da estação elevatória;

- Saneamento I 15
NBR 12214/92 Bombeamento
Atividades:
• Sondagens de reconhecimento do subsolo
da área de implantação;

• Cotas dos níveis de água de montante e de


jusante;

• Disponibilidade de energia.

- Saneamento I 16
NBR 12214/92 Bombeamento
Atividades:
• Determinação das vazões;

• Definição do arranjo físico da elevatória;

• Definição do traçado das canalizações de


sucção e recalque;

• Escolha do tipo e número dos conjuntos


motor-bomba;
- Saneamento I 17
NBR 12214/92 Bombeamento
Atividades:
• Dimensionamento e seleção do material
das canalizações de sucção e recalque;

• Dimensionamento do poço de sucção;

• Dimensionamento da sala de bombas;

- Saneamento I 18
NBR 12214/92 Bombeamento
Localização da estação elevatória:
• Locais protegidos contra inundações e
enxurradas;

• Estabilidade contra erosão;

• Instalação das bombas junto à tomada de


água;

- Saneamento I 19
NBR 12214/92 Bombeamento
Recomendações:
• Quando a bomba operar afogada, deve ser
instalado um registro na tubulação de
sucção;

• A tubulação de sucção deve ser a mais curta


possível;

• Quando necessário, deve ser previsto


sistema de escorva das bombas
- Saneamento I 20
Dimensionamento do Poço de sucção
• Tubulação da seção de entrada deve ser maior
que 2,5 d e nunca inferior a 0,50 m;

• A folga entre o fundo do poço e a parte inferior


do crivo ou da seção de entrada, deve ser fixada
de 1,0 d a 1,5 d, e nunca inferior a 0,20 m;

• A distância mínima entre a parede da tubulação


de sucção e qualquer parede lateral do poço
deve ser de 1,0 d e nunca inferior a 0,30 m;

- Saneamento I 21
Dimensionamento do Poço de sucção

- Saneamento I 22
Dimensionamento de Tubulações
Tubulações de Sucção:

• Velocidade máxima: Ver tabela de diâmetros


máximos de recalque da aula passada (NBR 12214)
- Saneamento I 23
Dimensionamento de bombas
Determinação da potência de funcionamento
da bomba

Pot   * Q * Hman

Pot = Potência de funcionamento (W)


Q = Vazão (m³/s);
γ = Peso específico (9800 N/m³)
Hman = Altura manométrica (m);
- Saneamento I 24
Dimensionamento de bombas
Determinação do peso específico da água

- Saneamento I 25
Dimensionamento de bombas
Determinação da potência absorvida pela bomba

Pot
PotB 
B
PotB = Potência da bomba (W ou Kw);
Pot = Potência de funcionamento (W ou Kw);
nB = Rendimento da bomba (%);

- Saneamento I 26
Dimensionamento de bombas
Determinação da potência absorvida pela bomba

PotB
Potm 
m
Potm = Potência do motor (W ou Kw);
PotB = Potência da bomba (W ou Kw);
nm = Rendimento do motor (%);

- Saneamento I 27
Dimensionamento de bombas
Para não se trabalhar com sobrecarga no sistema
deve-se estipular folga para os motores, deste
modo, para cada potência calculada soma-se:
Motores elétricos Conversão
Até 02 cv 50%
02 a 05 cv 30%
05 a 10 cv 20%
Acima de 10 cv 10%
Conversor de unidade: 1 watt = 0,00135961931 cv
1 Kw = 1,35961931 cv
- Saneamento I 28
Dimensionamento de bombas
Potências comerciais para motores nacionais
(em cv):
1/4 – 1/3 – 1/2 – 3/4 – 1
1 ½ – 2 – 3 – 4 – 5 – 7 ½ – 10
12 ½ - 15 – 20 – 25 – 30 – 40 – 50
60 – 75 – 100 – 125

- Saneamento I 29
Exercício 1
A cidade de Assaí no estado de Paraná apresenta
em sua unidade de captação vazão aproximada de
86L/s. Considerando a temperatura da água de
23ºC estabeleça a potência instalada para
funcionamento do motor, após determinação d
altura manométrica de 50m. Dados: rendimento da
bomba=55% e rendimento do motor=85%.

- Saneamento I 30
Dimensionamento de bombas
Determinação da altura manométrica

Hman  Hmanr  Hmans

Hman = Altura manométrica;


Hmanr = Altura manométrica de recalque;
Hmans = Altura manométrica de sucção;

- Saneamento I 31
Dimensionamento de bombas
Determinação da altura man. de recalque
8 * Q²
Hmanr  Hgr  Jr * LTr 
 ² * Dr * g
4

Hmanr = Altura manométrica de recalque (m);


Hgr = Altura geométrica (m);
Jr = Perda de carga unitária no recalque;
LTr = Comprimento total de tubulação por recalque;
Dr = Diâmetro de recalque (mm).
- Saneamento I 32
Dimensionamento de bombas
Determinação da altura geométrica

Hg  C 2  C1

Hg = Altura geométrica (m);


C2 = Cota final (m);
C1 = Cota inicial (m).

- Saneamento I 33
Dimensionamento de bombas
Determinação do diâmetro da tubulação

D  1,3 * X 0 , 25
* Q
D = Diâmetro (m);
X = n/24 (fração de horas por dia);
Q = Vazão (m³/s).

- Saneamento I 34
Dimensionamento de bombas
Determinação da velocidade

Q 4Q
V 
A D²
V = Velocidade (m/s)
Q = Vazão (L/s)
A = Área (m²)
D = Diâmetro (m)
• Considerar velocidade: 0,5m/s ≤ x ≤ 4,0m/s

- Saneamento I 35
Dimensionamento de bombas
Determinação da altura man. de recalque

8 * Q²
Hmanr  Hgr  Jr * LTr 
 ² * Dr * g
4

- Saneamento I 36
Dimensionamento de bombas
Determinação da perda de carga unitária


Jr  8 fr
 ² * gDr 5

Jr = Perda de carga unitária no recalque;


Fr = Fator de atrito no recalque;
Q = Vazão (m³/s);
Dr = Diâmetro de recalque.
- Saneamento I 37
Dimensionamento de bombas
Determinação do fator de atrito

   10 
6 1/ 3

fr  0,0055 * 1   20000   
  Dr Re r  
Fr = Fator de atrito no recalque;
ε = Rugosidade (mm);
Dr = Diâmetro de recalque (m);
Rer = Número de Reynolds no recalque.
- Saneamento I 38
Dimensionamento de bombas
Determinação da Rugosidade

- Saneamento I 39
Dimensionamento de bombas
Determinação da Rugosidade

- Saneamento I 40
Dimensionamento de bombas
Determinação do número de Reynolds

4Q
Re r 
Drv

Rer = Número de Reynolds no recalque;


Q = Vazão (m³/s);
Dr = Diâmetro de recalque (m);
v = Viscosidade da água em certa temperatura.
- Saneamento I 41
Dimensionamento de bombas
Determinação da viscosidade da água

- Saneamento I 42
Dimensionamento de bombas
Determinação do comprimento total de
tubulação de recalque

LTr  Tr  Lr
LTr = Comprimento total da tubulação de recalque;
Tr = Comprimento real da tubulação (m);
Lr = Comprimento equivalente das tubulações;
- Saneamento I 43
Dimensionamento de bombas
Determinação do comprimento equivalente

- Saneamento I 44
Dimensionamento de bombas
Determinação da altura man. de recalque

8 * Q²
Hmanr  Hgr  Jr * LTr 
 ² * Dr * g
4

- Saneamento I 45
Dimensionamento de bombas
Determinação da altura man. de sucção
8 * Q²
Hmans  Hgs  Js * LTs 
 ² * Ds * g
4

Hmans = Altura manométrica de sucção;


Hgr = Altura geométrica de sucção;
Jr = Perda de carga unitária na sucção;
LTr = Comprimento total de tubulação por sucção;
Dr = Diâmetro de sucção (mm).
- Saneamento I 46
Exercício 2
Para atender a demanda de distribuição do sistema
de abastecimento da cidade de Nova Olímpia – PR
(Q: 35L/s e T: 12h) foi requerido a elaboração de
uma unidade para recalque da água. Verificou-se
ainda que o reservatório de acumulação encontra-
se a uma cota de 462m, enquanto que a bomba
utilizada para recalque situa-se a 433m do nível do
mar. Com o uso de adutoras em ferro fundido novo
determine a altura manométrica necessária para
execução do cálculo de potência.

- Saneamento I 47
Exercício 2
Dados do exercício: Hmans: 4,3m; Equipamentos
utilizados no recalque: 1 válvula de retenção; 1
registro de gaveta; 2 cotovelo de 90º; Tr: 510m.

- Saneamento I 48
Cavitação
Definição São bolhas de vapor formadas
quando a água chega a regiões de maior
pressão, havendo liberação de energia que
por sua vez é absorvida pelo rotor ou
palhetas da bomba.

Como evitar sua formação:


NPSH disponível ≥ NPSH requerido

- Saneamento I 49
Cavitação: Dimensionamento da energia
disponível para sucção
  Vs²  
NPSHd  Hatm   Hs  Hv  HS     0,6
  2g  
NPSHd = Energia disponível na instalação para sucção;
Hatm = Pressão atmosférica local (m H20);
Hs = Altura de sucção (m) (Obs: valor negativo em
bomba afogada);
Hv = Pressão do vapor em função da temperatura (m H20);
∆Hs = Perda de carga na sucção (m);
Vs = Velocidade do fluído na sucção (m³/s).
- Saneamento I 50
Cavitação em conjuntos elevatórios

- Saneamento I 51
Exercício 3
Em análise ao sistema elevatório de água da cidade
de Bonito-MS foi registrado a formação de
cavitação. Comprove por meio da aplicação de
cálculos a possibilidade de formação deste
processo. Caso o mecanismo calculado evidencie a
formação de cavitação aponte possíveis
alternativas que seriam aplicáveis para resolução
do problema. Dados: Altitude: 500m; Perda de
carga: 1,7; Altura na sucção: 3,8 m (bomba não
afogada); Q: 90L/s; D: 150 mm; NPSHrequerido:
2,2m.
- Saneamento I 52
Considerações
Estações
elevatórias

Recalcar a água para cotas superiores

Sucção Recalque

- Saneamento I 53
54