Você está na página 1de 249

Motores | Automação | Energia | Tintas

Conceituação

Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0

WEG Automação

Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Conceituação WEG Automação j u n / 2 0

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Triângulo Retângulo

Um ângulo interno é sempre 90 graus - (cateto oposto)2 + (cateto adjacente)2 = (hipotenusa)2

C

B A
B
A
sempre 90 graus - (cateto oposto)2 + (catet o adjacente)2 = (hipotenusa)2 C B A WEG
sempre 90 graus - (cateto oposto)2 + (catet o adjacente)2 = (hipotenusa)2 C B A WEG
sempre 90 graus - (cateto oposto)2 + (catet o adjacente)2 = (hipotenusa)2 C B A WEG

WEG Automação

sempre 90 graus - (cateto oposto)2 + (catet o adjacente)2 = (hipotenusa)2 C B A WEG

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

As funções SENO e COSSENO

Automação | Energia | Tintas As funções SENO e COSSENO SENO COSSENO Os eixos dos senos
Automação | Energia | Tintas As funções SENO e COSSENO SENO COSSENO Os eixos dos senos

SENO

| Energia | Tintas As funções SENO e COSSENO SENO COSSENO Os eixos dos senos é

COSSENO

Os eixos dos senos é o eixo vertical e o eixo dos cossenos é o eixo horizonal. Os eixos dos senos e dos cossenos tem uma escala que varia de -1 até 1, sendo o centro da circunferência o zero.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Triângulo Retângulo

| Automação | Energia | Tintas Triângulo Retângulo Funções Circulares Inversas: Se y = sen x
| Automação | Energia | Tintas Triângulo Retângulo Funções Circulares Inversas: Se y = sen x
| Automação | Energia | Tintas Triângulo Retângulo Funções Circulares Inversas: Se y = sen x
| Automação | Energia | Tintas Triângulo Retângulo Funções Circulares Inversas: Se y = sen x

Funções Circulares Inversas:

Se y = sen x então x = arcsen y. Se y = cos x então x = arccos y. Se y = tg x então x = arctg y.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Tensão e corrente elétrica

| Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica TENSÃO ELÉTRICA Energia: capacidade de um sistema de

TENSÃO ELÉTRICA Energia: capacidade de um sistema de realizar trabalho. Tensão elétrica: diferença de potencial entre dois pontos. Unidade: volt, símbolo V

CORRENTE ELÉTRICA É o resultado da aplicação de uma tensão entre dois pontos, continuamente ou durante um certo tempo. Unidade: ampére, símbolo A.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Motores | Automação | Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Alternada Contínua WEG Automação j
Motores | Automação | Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Alternada Contínua WEG Automação j

Tensão e corrente elétrica

Automação | Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Alternada Contínua WEG Automação j u n

Alternada

Automação | Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Alternada Contínua WEG Automação j u n
Automação | Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Alternada Contínua WEG Automação j u n
Automação | Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Alternada Contínua WEG Automação j u n

Contínua

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Tensão e corrente elétrica

| Energia | Tintas Tensão e corrente elétrica Em sistemas CA temos 2 tipos de cargas:

Em sistemas CA temos 2 tipos de cargas:

V I
V
I
elétrica Em sistemas CA temos 2 tipos de cargas: V I Lineares – Cargas que não

Lineares – Cargas que não provocam distorções na freqüência da rede de alimentação e não afetam a forma de onda do sistema de alimentação. Este será o foco do nosso trabalho.

Não lineares – Cargas que introduzem distorções na forma de onda de tensão e/ou corrente no sistema elétrico.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos resistivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos resistivos em CA Em um circuito puramente resist ivo alimentado

Em um circuito puramente resistivo alimentado com uma tensão alternada (CA) a tensão e a corrente estão em fase.

U =R.I ou

I = U/R

(valores eficazes para I e U)

e a corrente estão em fase. U =R.I ou I = U/R (valores eficazes para I

V

V I

I

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos resistivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos resistivos em CA Calcular V R1 e V R2 e

Calcular VR1 e VR2 e a corrente “I” do circuito abaixo.

V R1 e V R2 e a corrente “I” do circuito abaixo. V = R.I onde

V = R.I

onde I = V/R

Rtot.= R1+R2 = 4KΩ I = 12/4 = 3 mA

V1 = 3.1 = 3V

e V2 = 3.3 = 9V

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CC

Automação | Energia | Tintas Circuitos indutivos em CC A indutância ( L ) de um

A indutância ( L ) de um indutor é um parâmetro que dá a medida da capacidade que tem o indutor de armazenar energia no campo magnético, a sua unidade se chama Henry ( H).

Chave é aberta
Chave é aberta
I ( A) Auto indução Chave é fechada
I ( A)
Auto indução
Chave é fechada

t ( s)

WEG Automação

jun/2008

I

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos indutivos em CA I V V Quando uma tensão alternada
I
I

V

V
V

Quando uma tensão alternada senoidal é aplicada a um indutor ideal a corrente estará atrasada de 90º em relação à tensão.

a um indutor ideal a corrente estará atrasada de 90º em relação à tensão. WEG Automação

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos indutivos em CA Reatância indutiva = X L V φ

Reatância indutiva =

X

L

V φ V L I V R
V φ
V L
I
V R

f

L

=

w L

.

L em Henries ( H ) e f em Hertz( Hz)

Todo indutor possui uma resistência intrínseca, resultando em um circuito R e L

Para este circuito temos as seguintes expressões :

V

=

2

R

V

+

2

V

L

V = 2 R V + 2 V L

Z

=

R

2

+

X

2

L

Z = R 2 + X 2 L

Cos φ

= VR / V

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos indutivos em CA Uma bobina tem 0,1 H de indutância,

Uma bobina tem 0,1 H de indutância, alimentada com tensão de 110V,

60Hz.

Determine:

a) Reatância da bobina ( XL )

b ) Valor da corrente no circuito ( I )

da bobina ( XL ) b ) Valor da corrente no circuito ( I ) Solução:

Solução:

X L =

2.

π .60.0,1 = 37,7Ω

I = V / X L = 110 / 37,7 = 2,9A

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos indutivos em CA Para o circuito abaixo, pede-se deter minar:

Para o circuito abaixo, pede-se determinar: - a) Impedância; -b) Corrente e

φ

tensão em R e em L; - c) cos corrente.

; -d) Formas de onda da tensão total e da

cos corrente. ; -d) Formas de onda da tensão total e da a) X L =

a)

X L = 2.

π

.f.L =6,28.212.0,1 = 133.1Ω

logo

Z =

b) I

=

2 2 (133,1) + ( 100 ) U 10 V = = 60 mA Z
2
2
(133,1)
+
(
100
)
U
10 V
=
= 60 mA
Z
166 Ω

= 166Ω

U R = R.I =100Ω.60mA =6V

c) cos

φ

=

100 / 166 = 0,6

φ

U L = X L .I = 133Ω.60mA = 8V

=

53º

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CA

d)

U I U I
U
I U
I
Δ t t t
Δ
t
t
t
| Tintas Circuitos indutivos em CA d) U I U I Δ t t t Obs:
| Tintas Circuitos indutivos em CA d) U I U I Δ t t t Obs:

Obs: A defasagem no tempo é 0,67ms. Aplicando regra de três determina- se a defasagem em graus. O período das oscilações é T = 1 /212 = 4,71ms que corresponde a 360º. Quantos graus correspondem a 0,67ms ?

φ = ( 0,67x360)/4,71 = 51,2º a diferença se deve a erros de leitura e arredondamento

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos indutivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos indutivos em CA Para o circuito pede-se determinar : a)

Para o circuito pede-se determinar : a) Impedância; b) Correntes (total , no indutor e no resistor ); c) angulo de defasagem.

.

a) Calculemos primeiramente a reatância do

indutor

. a) Calculemos primeiramente a reatância do indutor X L = 2. π .f.L = 377.0,212

X L = 2.

π .f.L = 377.0,212 = 80Ω

Como R = 60Ω

Z =

60.80

(80)

2

+ (60)

2

=

48

Ω

b)O valor da corrente total será portanto

I = U / Z = 110V / 48Ω = 2,3A

I R = U / R = 110V / 60Ω

= 1,83A

I L = 110V / 80Ω =1,37A

φ

c) Cos

WEG Automação

= 1,83 / 2,3 = 0,8

= 37º

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos

Motores | Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos WEG Automação j u n / 2
Motores | Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos WEG Automação j u n / 2
Motores | Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos WEG Automação j u n / 2

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CC

Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos em CC Ao ser ligado a uma tensão, o

Ao ser ligado a uma tensão, o capacitor ficará carregado com a mesma tensão da fonte, armazenando uma carga Q cujo valor é função da tensão aplicada e de uma característica do capacitor chamada de capacitância (C).

Q = U. C U C Q = Coulombs (C) U = Volts (V) C
Q
=
U. C
U
C
Q
= Coulombs (C)
U
= Volts (V)
C
= Farads (F).

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos em CA Um capacitor ideal ligado à uma tensão

Um capacitor ideal ligado à uma tensão alternada senoidal, a corrente estará 90º adiantada em relação à tensão.

a corrente estará 90º adiantada em relação à tensão. V C I C I C V
V C I C I C V C 90º
V
C
I
C
I
C
V
C
90º

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos em CA Uma medida da velocidade de car ga

Uma medida da velocidade de carga ( ou de descarga ) é dada pela constante de tempo do circuito definida como sendo:

τ ( tau ) = R.C como sendo o tempo até 63% da tensão da fonte.

que a tensão leva para ir de zero

E E
E
E

V CC

V CC τ =R.C 0,63V C C

τ=R.C

0,63V CC

Capacitor carregando

0,37E τ =R.C
0,37E
τ =R.C

E

Capacitor descarregando

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Associação de capacitores:

Circuitos Capacitivos em CA Associação de capacitores: C eq = C 1 +C 2 Potência reativa
Circuitos Capacitivos em CA Associação de capacitores: C eq = C 1 +C 2 Potência reativa

Ceq = C1 +C2

Potência reativa de capacitores:

Q C

=

2 .

π . f .C .Un

2

1000

reativa de capacitores: Q C = 2 . π . f . C . Un 2

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Reatância capacitiva:

| Tintas Circuitos Capacitivos em CA Reatância capacitiva: - É a medida da oposição oferecida pel

- É a medida da oposição oferecida pelo capacitor à passagem da corrente alternada. É calculada por :

1

X

=

=

C

2 .π .

f C

.

1

ϖ .

C

C em Farads (F), f em Hertz (Hz), X C em Ohms (

Ω )

Para calcularmos o módulo da corrente no circuito poderemos usar a lei de Ohm, isto é :

V C

X C

c

volts ; X

C =

;

=

amperes

I =

onde

V

=

Ohms

I

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Automação | Energia | Tintas Circuitos Capacitivos em CA I Calcule a intensidade da corrente no
I
I

Calcule a intensidade da corrente no circuito ao lado e desenhe o diagrama fasorial.

Solução: Como são dados C e a freqüência, podemos calcular a reatância capacitiva ( Xc ) :

X

C =

I

1

 

2

.π .

,

60 0 1 10

.

.

V

120

 

=

=

 

Z

26526 6

,

6

=

= 26.526,6 Ω

4 5 mA

,

WEG Automação

V C

I C

=   Z 26526 6 , 6 = = 26.526,6 Ω 4 5 mA , WEG
=   Z 26526 6 , 6 = = 26.526,6 Ω 4 5 mA , WEG

90º

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Circuito RC série

| Tintas Circuitos Capacitivos em CA Circuito RC série Em um circuito puramente resistivo a te

Em um circuito puramente resistivo a tensão e a corrente estão em fase, e num circuito puramente capacitivo a corrente esta 90º adiantada em relação à tensão. Num circuito como o da Figura abaixo a corrente continua na frente da tensão mas com um angulo menor do que 90º.

-V R

R=1K V C V=120V / 60Hz C=0.1μF
R=1K
V C
V=120V / 60Hz
C=0.1μF

WEG Automação

φ

I

V R

menor do que 90º. -V R R=1K V C V=120V / 60Hz C=0.1μF WEG Automação φ

V

menor do que 90º. -V R R=1K V C V=120V / 60Hz C=0.1μF WEG Automação φ

V C

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Circuito RC série:

Definimos

a impedância do circuito como sendo :

Z =V/ I

Definimos a impedância do circuito como sendo : Z =V/ I A impedância é a soma

A impedância é a soma dos efeitos da resistência ( R = Vr / I ) e da reatância

capacitiva ( XC = VC / I ) na oposição à passagem da corrente.

A corrente no capacitor continua adiantada em relação à tensão no capacitor ( V C ) . A corrente na resistência ( I ) está em fase com a tensão na resistência( Vr ).

Observe que

algebricamente e sim vetorialmente.

para obter a tensão total do circuito somamos

V R com V C mas não

Do diagrama fasorial obtemos as relações básicas deste circuito:

V

2

2

C

=V

+

2

V r

ou

V

=

V 2 2 C = V + 2 V r ou V = 2 C V

2

C

V

2

+ V

r

se dividirmos por I 2 a primeira igualdade

obteremos

do circuito

a expressão que calcula a impedância

Z =

R

2

+ X

2

C

Z = R 2 + X 2 C

O angulo de defasagem

φ também pode ser calculado a partir do

diagrama fasorial sendo dado por :

Cos

φ = Vr/V logo

φ = arccos(Vr/V)

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Circuito RC série

| Tintas Circuitos Capacitivos em CA Circuito RC série Para o circuito da figura abaixo calcule

Para o circuito da figura abaixo calcule :

a) Impedância ( Z); b) corrente ( I );

d) Defasagem entre

c) tensão em C e em

I e V.

R;

-V R

R=40K V C V=120V / 60Hz
R=40K
V C
V=120V / 60Hz

C=0.1μF

φ I V Vr V C
φ
I
V
Vr
V
C

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos Capacitivos em CA

Circuito RC série

| Tintas Circuitos Capacitivos em CA Circuito RC série a) Primeiramente deveremos calcular a reatância X

a) Primeiramente deveremos calcular a reatância

X C = 1 / ( 2.

π .60.0,1.10-6 ) =26.525Ω

A impedância é onde Z =

( 2. π .60.0,1.10-6 ) =26.525 Ω A impedância é onde Z = 40 2 +
( 2. π .60.0,1.10-6 ) =26.525 Ω A impedância é onde Z = 40 2 +

40 2

+ 26,5

2

= 48K

b) = U / Z = 120V / 48K = 2,5 mA

c) VC = XC.I = 26,5K.2,5mA = 66,25V

e

Vr = R.I = 40K.2,5mA = 100V

d) cos

φ

= Vr/V

cos

φ

= 100/120 = 0,83 logo

φ

= 33º

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

Circuito RLC série

| Energia | Tintas Circuitos RLC em CA Circuito RLC série A tensão total aplicada é

A tensão total aplicada é a soma vetorial das tensões VC , VR e VL . No diagrama fasorial a tensão na resistência está em fase com a corrente, a tensão na indutância está adiantada de 90º enquanto a tensão no capacitor está atrasada de 90º.

enquanto a tensão no capacitor está atrasada de 90º. ( a ) ω V L I

( a )

a tensão no capacitor está atrasada de 90º. ( a ) ω V L I V

ω

V L

I

V C

tensão no capacitor está atrasada de 90º. ( a ) ω V L I V C

V R

( b )

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

| Automação | Energia | Tintas Circuitos RLC em CA Circuito RLC série Na Fig. o

Circuito RLC série

Na Fig. o circuito é indutivo

Para obter a expressão da tensão total e da impedância devemos fazer a soma

VL

> VC.

vetorial das três tensões. V L V φ V L - V C V R
vetorial das três tensões.
V L
V
φ
V L - V C
V R
V
C

Diagrama fasorial com a soma vetorial das três tensões

V

=

R

2

+(

V

L

-V

C

)

2

das três tensões V = R 2 +( V L - V C ) 2 e

e

Z

=

R

2

+(

X

L

- X

C

)

2

= R 2 +( V L - V C ) 2 e Z = R 2

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

| Automação | Energia | Tintas Circuitos RLC em CA Circuito RLC série Ressonância série: se

Circuito RLC série

Ressonância série: se XL = XC; Z = R; I em fase com V Freqüência de ressonância – f0:

f

0

=

1 2. π . LC .
1
2.
π
.
LC
.

L dado em Henries ( H ); C em Farads ( F); - f0 em Hertz (Hz)

-

-

O circuito da Figura anterior temos as seguintes características :

Na freqüência f0, o circuito é puramente resistivo. A corrente é máxima de valor V/R.

Abaixo de f0 a impedância será capacitiva (XC>XL).

Acima de f0 a impedância será indutiva ( XC < XL ).

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

| Automação | Energia | Tintas Circuitos RLC em CA Circuito RLC paralelo No circuito da

Circuito RLC paralelo

No circuito da fig. abaixo a tensão é a mesma em todos os elementos. Ao lado temos o diagrama fasorial com a representação das três correntes e da tensão total.

a re presentação das três correntes e da tensão total. WEG Automação ω I C I

WEG Automação

ω I C I R V I L I R V I L - I
ω
I
C
I
R
V
I
L
I R
V
I L - I C
φ

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

Circuito RLC paralelo

Energia | Tintas Circuitos RLC em CA Circuito RLC paralelo Para este circuito são válidas as

Para este circuito são válidas as expressões :

2 2 I = I +( I - I ) R C L
2
2
I
=
I
+(
I
- I
)
R
C
L

Z =

R X

X

 

.

L

.

C

 

X

2

X

2

+

R

2

.(

X

 

X

 

)

2

C

L

L

-

C

Se XL = XC na expressão da impedância obteremos Z = R , isto é , o circuito será puramente resistivo sendo esta situação chamada de ressonância e isso ocorre na freqüência f0 dada por:

f

0

=

1 2. π . LC .
1
2.
π
.
LC
.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

Circuito RLC paralelo

Ressonância paralela:

XL = XC; Z = R; Ir em fase com V; Ic + IL = 0; ZC + ZL = valores altos

Z = R; Ir em fase com V; I c + I L = 0; ZC

Tensões altas

WEG Automação

Z = R; Ir em fase com V; I c + I L = 0; ZC

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Circuitos RLC em CA

Filtros passivos:

| Energia | Tintas Circuitos RLC em CA Filtros passivos: Genericamente, filtros são circuito que de

Genericamente, filtros são circuito que deixam passar só sinais de determinadas freqüências, atenuando outras. Podemos ter os seguintes tipos de filtros:

Filtros Passa Altas (FPA ) Filtros Passa Baixas (FPB) Filtro Passa Faixa ( FPF) Filtro Rejeita Faixa ( FRF)

Se considerarmos o filtro ideal as curvas de respostas em freqüência serão as seguintes:

ganho FPA f Ci
ganho
FPA
f Ci

ganho

ganho FPB

FPB

ganho FPB

f

CS

ganho

ganho FPF

FPF

ganho FPF
ganho FPF
ganho FPF

f Ci

f CS

WEG Automação

ganho FRF f Ci f CS
ganho
FRF
f Ci
f CS

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Resumo cargas lineares

Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /

WEG Automação

Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Resumo cargas lineares WEG Automação j u n /

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica Potência é o trabalho realizado em um determinado

Potência é o trabalho realizado em um determinado tempo. Potência de 1 watt desenvolvida quando se realiza o trabalho de um joule, em cada segundo, contínua e uniformemente. Unidade de potência: watt, símbolo W. Exemplo: Uma potência de 500 W significa que foi realizado um trabalho de 500 joules em 1 segundo O joule é a unidade de energia.

realizado um trabalho de 500 joules em 1 segundo O joule é a unidade de energia.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica Potência elétrica = capacidade de um equipamen to

Potência elétrica = capacidade de um equipamento realizar trabalho em um determinado intervalo de tempo

de um equipamen to realizar trabalho em um determinado intervalo de tempo WEG Automação j u

WEG Automação

de um equipamen to realizar trabalho em um determinado intervalo de tempo WEG Automação j u

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Energia elétrica

| Automação | Energia | Tintas Energia elétrica Energia elétrica = uso de potência elétrica em

Energia elétrica = uso de potência elétrica em um determinado intervalo de tempo

Unidade de energia: watthora (Wh)

Relação entre o Watthora e o joule:

1 Watthora = (1 joule / segundo) hora

1 hora = 3600 s

Substituindo:

1 Watthora = (1 joule / segundo) 3600 segundos = 3600 joules

Portanto:

1 Wh = 3600 J

Watthora = (1 joule / segundo) 3600 segundos = 3600 joules Portanto: 1 Wh = 3600

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Energia elétrica

| Automação | Energia | Tintas Energia elétrica Cálculo do consumo de energia elétrica Considerando um

Cálculo do consumo de energia elétrica

Considerando um banho de 10 minutos em um chuveiro elétrico de potência de 5.200W. Calcular o consumo de energia deste banho.

elétrico de potência de 5.200W. Calcular o co nsumo de energia deste banho. WEG Automação j

WEG Automação

elétrico de potência de 5.200W. Calcular o co nsumo de energia deste banho. WEG Automação j

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Energia elétrica

| Automação | Energia | Tintas Energia elétrica Considerando que o preço cobrado pela concessionária que

Considerando que o preço cobrado pela concessionária que fornece energia é R$ 0,32/kWh. Calcule o valor do consumo de energia em reais deste banho

energia é R$ 0,32/kWh. Calcule o valor do consumo de energia em reais deste banho WEG

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica POTÊNCIA APARENTE, ATIVA E REATIVA Potência aparente

POTÊNCIA APARENTE, ATIVA E REATIVA

Potência elétrica POTÊNCIA APARENTE, ATIVA E REATIVA Potência aparente Potência ativa Potência reativa WEG
Potência aparente Potência ativa
Potência aparente
Potência ativa

Potência reativa

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

Motores | Automação | Energia | Tintas Potência elétrica WEG Automação j u n / 2
Motores | Automação | Energia | Tintas Potência elétrica WEG Automação j u n / 2
Motores | Automação | Energia | Tintas Potência elétrica WEG Automação j u n / 2

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica •Obs.: A potência reativa não produz trabalho e
| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica •Obs.: A potência reativa não produz trabalho e
| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica •Obs.: A potência reativa não produz trabalho e

•Obs.: A potência reativa não produz trabalho e circula entre a carga e a fonte, ocupando espaço no sistema elétrico que poderia ser utilizado para fornecer mais energia ativa.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

Mais algumas fórmulas:

| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica • Mais algumas fórmulas: WEG Automação j u
| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica • Mais algumas fórmulas: WEG Automação j u
| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica • Mais algumas fórmulas: WEG Automação j u
| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica • Mais algumas fórmulas: WEG Automação j u
| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica • Mais algumas fórmulas: WEG Automação j u

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Potência elétrica

| Automação | Energia | Tintas Potência elétrica •Cálculo do ganho de potência aparente – S

•Cálculo do ganho de potência aparente – S, com redução da potência reativa - Q do sistema

Q=? Q=?
Q=?
Q=?

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Tarifação

Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0

WEG Automação

Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Tarifação WEG Automação j u n / 2 0

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Composição da fatura de energia elétrica

| Tintas Composição da fatura de energia elétrica A legislação brasileira permite às concessionárias

A legislação brasileira permite às concessionárias calcular as faturas em função do:

(a)

consumo (kWh) ,

(b)

demanda (kW),

(c)

fator de potência,

(d)

diferentes tipos de tarifas.

Cada tipo de tarifa se encaixa em uma tipificação do perfil do consumidor, conforme tabela a seguir.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Composição da fatura de energia elétrica

| Tintas Composição da fatura de energia elétrica Grupo A - Alta Tensão Grupo B -

Grupo A - Alta Tensão

Grupo B - Baixa Tensão

A-1 - 230 kV ou mais; A-2 - 88 a 138 kV; A-3 - 69 kV; A-3a - 30 a 44 kV; A-4 - 2,3 a 13,8 kV; A.S. - 2,3 a 13,8 kV (Subterrâneo).

B-1 - Residencial; B-1 - Residencial Baixa Renda; B-2 - Rural; B-3 - Não Residencial Nem Rural; e B-4 - Iluminação Pública.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Parâmetros para tributação

| Energia | Tintas Parâmetros para tributação 1) Consumo Registro de energia elétrica consumida durante

1) Consumo Registro de energia elétrica consumida durante um intervalo de tempo. No cálculo das faturas é considerado o período mensal e a unidade é o kWh (quilo watts hora).

2) Demanda Demanda corresponde ao consumo de energia dividido pelo tempo adotado na verificação. Conforme legislação brasileira é determinado para fins de faturamento que este período seja de 15 minutos.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Parâmetros para tributação

3) Fator de Potência

| Tintas Parâmetros para tributação 3) Fator de Potência Conforme legislação brasileira, o fator de potência

Conforme legislação brasileira, o fator de potência deverá ter como limite mínimo o valor de 0,92. Caso ocorra valores menores o consumidor será penalizado.

Nota(1): Para maiores detalhes consulte as Normas disponibilizadas no site ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica - Brasil, ou consulte sua concessionária.

Para medição do fator de potência adota-se um intervalo de tempo (15 min ou 1h, por exemplo) para realização da medição. O menor valor será considerado para cobrança do excedente de reativo na fatura no mês.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Sistema tarifário

| Automação | Energia | Tintas Sistema tarifário A Estrutura Tarifaria Horo-sazonal considera algumas

A Estrutura Tarifaria Horo-sazonal considera algumas condições, onde o perfil do consumidor e a disponibilidade de fornecimento de energia é levado em consideração.

1)

Divisão do Dia •Horário de Ponta - Corresponde ao intervalo de 3 horas consecutivas, ajustado de comum acordo entre a concessionária e o cliente, situado no período compreendido entre as 18h e 21h e durante o horário de verão das 19h à 22h. •Horário Fora de Ponta - Corresponde às horas complementares ao horário de ponta

2) Divisão do Ano

• Período Seco - Compreende o intervalo situado entre os meses de maio a novembro de cada ano (sete meses).

• Período Úmido - Compreende o intervalo situado entre os meses de dezembro de um ano a abril do ano seguinte (cinco meses).

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Sistema tarifário

| Automação | Energia | Tintas Sistema tarifário Com as considerações citadas temos basicamente os

Com as considerações citadas temos basicamente os seguintes tipos de tarifação:

-Tarifa monônia

- Tarifa binômia:

- convencional

- horossazonal verde

- horossazonal azul

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Sistema tarifário

| Automação | Energia | Tintas Sistema tarifário Tarifa Monômia - tarifa de fornecimento de energia

Tarifa Monômia - tarifa de fornecimento de energia elétrica constituída por preços aplicáveis unicamente ao consumo de energia elétrica ativa (baixa tensão).

Tarifa Binômia - conjunto de tarifas de fornecimento constituído por preços aplicáveis ao consumo de energia elétrica ativa e à demanda faturável (alta tensão). A estrutura tarifária binômia está dividida em convencional e horossazonal, no que diz respeito aos componentes de energia e demanda, bem como a relatividade de preços nos diversos horários.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Sistema tarifário

| Automação | Energia | Tintas Sistema tarifário Tarifa Binômia Tarifa Convencional Estrutura caracterizada

Tarifa Binômia

Tarifa Convencional Estrutura caracterizada pela aplicação de tarifas de consumo de energia elétrica e/ou demanda de potência, independentemente das horas de utilização do dia e dos períodos do ano, e aplicada aos consumidores atendidos em tensão inferior a 69 kV com demanda contratada inferior a 300 kW e que não tenham optado pela tarifa horossazonal.

Tarifa Horossazonal As tarifas horossazonais, por sua vez, estão divididas em VERDE e AZUL. Tais tarifas têm preços diferenciados em relação às horas do dia (ponta e fora de ponta) e aos períodos do ano (úmido e seco).

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Motores | Automação | Energia | Tintas Cálculo das faturas 1) Cálculo da fatura - Tarifa

Cálculo das faturas

1) Cálculo da fatura - Tarifa Monômia - Convencional - Grupo B O faturamento é obtido pelo produto do consumo medido pela respectiva tarifa em vigor.

Fc = C x Tc

Fc - valor da fatura, R$

C - consumo de energia elétrica medido no mês, kWh

Tc - Tarifa de consumo, R$/kWh

2) Cálculo da fatura – Tarifa Binômia - Tarifa Convencional - Grupo A Somente aplicável de forma opcional aos consumidores dos tipos A-3a, A-4 e A- S. Tem-se:

Ft = Dfat x Td + C x Tc

Ft - valor da fatura, R$ Dfat - valor da demanda faturável, kW Td - tarifa de demanda, R$/kW

C - consumo de energia elétrica medido no mês, kWh

Tc - tarifa de consumo, R$/kW/h

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Produtos

Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0

WEG Automação

Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0
Motores | Automação | Energia | Tintas Produtos WEG Automação j u n / 2 0

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Capacitores para correção do fator de potência Capacitores
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Capacitores para correção do fator de potência Capacitores
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Capacitores para correção do fator de potência Capacitores
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Capacitores para correção do fator de potência Capacitores

Capacitores para correção do fator de potência

Capacitores para iluminação e motores monofásicos

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores As linhas de capacitores para corrente alternada produzidos

As linhas de capacitores para corrente alternada produzidos pela WEG, estão divididas para 3 tipos de aplicações: Correção do Fator de Potência (C.F.P.), motores monofásicos (motor run) e Iluminação (lighting). Conforme tabela 01.

Modelos

Descrição

Caneca

Aplicação

Norma Aplicada

CMRW

Capacitor permanente

Plástica

Motores monofásicos

IEC60252-1 e UL810

CMRW-S

Capacitor permanente com filme segmentado

Plástica

Motores monofásicos

IEC60252-1 e UL810

CDW

Capacitor permanente com dupla capacitância

Alumínio

Motores monofásicos

IEC60252-1 e UL810

CMRW-M

Capacitor permanente

Alumínio

Motores monofásicos

IEC60252-1 e UL810

CLAW

Capacitor permanente

Plástica

Iluminação

IEC61048 e IEC61049

CILW

Capacitor permanente

Plástica

Iluminação

IEC61048

UCW

Unidade Capacitiva Monofásica

Alumínio

C.F.P.

IEC60831-1/2 e UL810

UCW-T

Unidade Capacitiva Trifásica

Alumínio

C.F.P.

IEC60831-1/2 e UL810

Tabela 01

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão
Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão

Auto-regenerativo Dispositivo de proteção anti-explosão

Baixas perdas

Bobinas produzidas com filme de polipropileno metalizado com dielétrico seco

Resistências de descarga incorporadas nas UCW-T, MCW, BCW e BCW-P Fabricados em 50 e 60 HZ

Normas IEC60831/1-2 e

UL810

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores Auto Auto - - regenera regenera ç ç

AutoAuto--regeneraregeneraççãoão dodo filmefilme Causas:

regenera ç ç ão ão do do filme filme Causas: Sobretensões superiores a 10% da Un

Sobretensões superiores a 10% da Un

Sobrecorrentes superiores a 30% da In

Distorções harmônicas

Conseqüências:

Perdas de capacitância e potência em kvar Final de vida útil: expansão

Benefício:

Segurança quanto a explosão da caneca

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Capacitores para correção do fator de potência

Capacitores para correção do fator de potência Vista Vista interna interna das das UCW UCW ´
Capacitores para correção do fator de potência Vista Vista interna interna das das UCW UCW ´
Capacitores para correção do fator de potência Vista Vista interna interna das das UCW UCW ´

VistaVista internainterna dasdas UCWUCW´´ss ((FigFig 11))

UCWUCW normalnormal xx UCWUCW expandidoexpandido ((FigFig 22))

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Capacitores para correção do fator de potência

| Energia | Tintas Capacitores Capacitores para correção do fator de potência WEG Automação j u
| Energia | Tintas Capacitores Capacitores para correção do fator de potência WEG Automação j u

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores UCW (Unidade Capacitiva Weg Monofásica) Unidade capacitiva para

UCW (Unidade Capacitiva Weg Monofásica)

Tintas Capacitores UCW (Unidade Capacitiva Weg Monofásica) Unidade capacitiva para montagem de módulos e bancos

Unidade capacitiva para montagem de módulos e bancos trifásicos

Resistores de descarga não incorporados

Tensões até 550V

Substituição de células expandidas nos módulos e bancos. (Obs.:- sempre verificar as demais células – verificar se estão em fim de vida útil).

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica) Potências disponíveis

UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica)

Tintas Capacitores UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica) Potências disponíveis De 0,5 a 10kvar em 220V De

Potências disponíveis De 0,5 a 10kvar em 220V De 0,5 a 15kvar em 380/440/480V

Resistores de descarga incorporados internamente

Capa de proteção para as conexões

Terminais tipo fast-on e fenda-philips

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica) WEG Automação j

UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica)

| Energia | Tintas Capacitores UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica) WEG Automação j u n /
| Energia | Tintas Capacitores UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica) WEG Automação j u n /
| Energia | Tintas Capacitores UCW-T (Unidade Capacitiva Weg Trifásica) WEG Automação j u n /

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores BCW (Banco de Capacitores Trifásico) Unidades capacitivas

BCW (Banco de Capacitores Trifásico)

| Tintas Capacitores BCW (Banco de Capacitores Trifásico) Unidades capacitivas monofásicas ligadas em triângulo (de

Unidades capacitivas monofásicas ligadas em triângulo (de 6 a 15 UCW´s) Resistores de descarga incorporados

Através de montagem na vertical, tem- se eficiente refrigeração das unidades através de aletas Potências até 50kvar em 220V e 75kvar em 380/440/480V

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Motores | Automação | Energia | Tintas Capacitores BCWP (Banco de Capacitores Trifásico com proteção e

BCWP (Banco de Capacitores Trifásico com proteção e manobra incorporados)

Trifásico com proteção e manobra incorporados) Potências de até 75kvar em 380V; Capacitores UCW
Trifásico com proteção e manobra incorporados) Potências de até 75kvar em 380V; Capacitores UCW

Potências de até 75kvar em 380V;

Capacitores UCW conectados na configuração Delta;

Possuem proteção geral com Fusíveis NH ou Disjuntor DWA;

Relé temporizador eletrônico RTW-RE que protege os capacitores na reenergização;

Resistores de descarga incorporados;

Caixa tipo Box de fácil abertura e acesso para manutenção;

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Capacitores

Esquema de ligação triângulo de células UCW T T T 1 2 3
Esquema de ligação triângulo de células UCW
T
T
T
1
2
3

WEG Automação

triângulo de células UCW T T T 1 2 3 WEG Automação A ligação pode ser

A ligação pode ser em estrela porém não deve-se conectar o ponto comum a terra.

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Contatores para capacitores - CWMC

| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Contatos Auxiliares Contatos auxiliares normalmente
| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Contatos Auxiliares Contatos auxiliares normalmente
| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Contatos Auxiliares Contatos auxiliares normalmente

Contatos Auxiliares Contatos auxiliares normalmente abertos adiantados (NAa) de AgSnO 2 (Prata-Óxido de Estanho)

Resistências de Pré-carga Resistores de CrFeAl (Cromo-Ferro-Alumínio)

com alta resistividade (ρ =7 Ω/m) Isolamento de dupla camada (T trabalho =1400 o C) 1 a camada – Silicone (Isolamento) 2 a camada – Fibra de vidro (V-0)

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Contatores para capacitores - CWMC

| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Corrente nos contatos sem a utilização de
| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Corrente nos contatos sem a utilização de

Corrente nos contatos sem a utilização de resistores de pré-carga

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Contatores para capacitores - CWMC

| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Através dos contatos auxiliares adiantados (NAa),

Através dos contatos auxiliares adiantados (NAa), especiais para essa aplicação, em série com resistores de pré-carga, os capacitores são precarregados e em seguida os contatos principais fecham e mantém em operação normal os capacitores.

fecham e mantém em operação normal os capacitores. Corrente nos contatos com a utilização de resistores

Corrente nos contatos com a utilização de resistores de pré-carga

Este processo evita perturbações na rede e a “soldagem” dos contatos principais.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Contatores para capacitores - CWMC

| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC Categoria de Emprego AC-6b Manobra de capacitores

Categoria de Emprego AC-6b Manobra de capacitores trifásicos Valores para temperatura ambiente de 55 o C

CWMCWM 2525CC

CWMCWM 3232CC

   
   

Potência Reativa

 

kvar

220 V

10

15

kvar

380 V

15

25

kvar

440 V

20

30

Ie (AC-6b)

A

27

39

Composição dos contatos auxiliares

1NA ou 1NF

1NA ou 1NF

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Contatores para capacitores - CWMC

| Energia | Tintas Contatores para capacitores - CWMC CWMCWM 5050CC CWMCWM 6565CC Categoria de Emprego
CWMCWM 5050CC CWMCWM 6565CC Categoria de Emprego AC-6b Manobra de capacitores trifásicos Valores para temperatura
CWMCWM 5050CC
CWMCWM 6565CC
Categoria de Emprego AC-6b
Manobra de capacitores trifásicos
Valores para temperatura
ambiente de 55 o C
Potência Reativa
kvar
220 V
25
30
kvar
380 V
40
50
kvar
440 V
45
60
Ie (AC-6b)
A
66
79
Composição dos contatos auxiliares
1NA ou 1NF
1NA ou 1NF

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Disponíveis em 5 tamanhos básicos. Intensidade
| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Disponíveis em 5 tamanhos básicos. Intensidade
| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Disponíveis em 5 tamanhos básicos. Intensidade
| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Disponíveis em 5 tamanhos básicos. Intensidade
| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Disponíveis em 5 tamanhos básicos. Intensidade
| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Disponíveis em 5 tamanhos básicos. Intensidade

Disponíveis em 5 tamanhos básicos.

Intensidade de emprego de 10 a 1600A em CA e CC, com capacidade de interrupção de curto-circuito de 16 a 80kA.

Proteção de redes de distribuição, motores e geradores.

Versões bipolar, tripolar e tetrapolar de 10 a

1600A.

Regulação térmica ajustável a partir do DWA

400.

Acessórios Plug-in com dupla isolação

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA cabos Contatos auxiliares Prensa ACESSÓRIOS Conexão
cabos Contatos auxiliares
cabos
Contatos
auxiliares
em caixa moldada - DWA cabos Contatos auxiliares Prensa ACESSÓRIOS Conexão traseira Contatos de alarme

Prensa

ACESSÓRIOS

Conexão

traseira

Contatos de alarme

Barras de extensão

Bobina de mínima tensão

Tampa

frontal

Protetor de bornes

Bobina de abertura à distância

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Contatos Auxiliares Normal Alarme Sinaliza a

Contatos Auxiliares

Disjuntores em caixa moldada - DWA Contatos Auxiliares Normal Alarme Sinaliza a posiçã o aberto e
Disjuntores em caixa moldada - DWA Contatos Auxiliares Normal Alarme Sinaliza a posiçã o aberto e

Normal

Alarme

Sinaliza a posição aberto e fechado dos contatos principais do disjuntor.

Tipo Inversor: 1NAF

Sinaliza quando o disjuntor é disparado por sobrecarga ou curto-circuito.

Tipo Inversor: 1NAF

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Bobinas Disparo por subtensão: - Desarma

Bobinas

Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Bobinas Disparo por subtensão: - Desarma o

Disparo por subtensão:

-Desarma o Disjuntor quando a tensão cai entre 35 e 70% da tensão nominal.

quando a tensão cai entre 35 e 70% da tensão nominal. Disparo a distância - Desarma

Disparo a distância

- Desarma o disjuntor a distância, ao ser energizada.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Manopla Rotativa Interna - Permite o

Manopla Rotativa Interna

Disjuntores em caixa moldada - DWA Manopla Rotativa Interna - Permite o acionamento rotativo do Disjuntor;

- Permite o acionamento rotativo do Disjuntor;

- Bloqueio com até 3 cadeados na posição “desligado”

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

Intertravamento Mecânico

Disjuntores em caixa moldada - DWA Intertravamento Mecânico Impede que dois disjuntores sejam ligados ao mesmo
Disjuntores em caixa moldada - DWA Intertravamento Mecânico Impede que dois disjuntores sejam ligados ao mesmo

Impede que dois disjuntores sejam ligados ao mesmo tempo (ex.: aplicação em grupos geradores).

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Manopla para acionamento rotativo em porta

Manopla para acionamento rotativo em porta de painel

- DWA Manopla para acionamento rotativo em porta de painel Permite o acionamento do disjuntor na

Permite o acionamento do disjuntor na porta do painel, sem que esta seja aberta;

Permite a abertura da porta do painel na posição ligado (termometria);

Possui eixo prolongador permitindo a montagem do disjuntor em diferentes profundidades;

Pode ser bloqueada com 3 cadeados na posição desligado, proporcionando segurança em manutenções;

Grau de proteção IP 55.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

Manopla rotativa para Porta de Painel - Básica

- DWA Manopla rotativa para Porta de Painel - Básica Permite abertura da porta do painel
- DWA Manopla rotativa para Porta de Painel - Básica Permite abertura da porta do painel

Permite abertura da porta do painel somente na posição desligado;

Comprimento da haste ajustável;

Bloqueio com até 3 cadeados na posição desligado;

Grau de proteção IP55

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

Seleção do Disjuntor

Disjuntores em caixa moldada - DWA Seleção do Disjuntor Dados da instalação para seleção do disjuntor
Dados da instalação para seleção do disjuntor
Dados da instalação para seleção do disjuntor
Disjuntor Dados da instalação para seleção do disjuntor P=1 MVA=1000 KVA U n s = 0,38
Disjuntor Dados da instalação para seleção do disjuntor P=1 MVA=1000 KVA U n s = 0,38
Disjuntor Dados da instalação para seleção do disjuntor P=1 MVA=1000 KVA U n s = 0,38

P=1 MVA=1000 KVA U ns = 0,38 kV Z = 5% =0,05

Corrente nominal

I ns = 3 . U ns

Pt

I ns = 1000 KVA

3 . 0,38 KV

I ns = 1520A

WEG Automação

Nível de curto-circuito

(Cálculo simples)

I k ” =

Pt

3 . U ns . Z%

I k ” =

1 MVA

3 .0,38 KV . 0,05

I k ” = 30 kA

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

Seleção do Disjuntor

Exemplo de seleção:
Exemplo de seleção:
moldada - DWA Seleção do Disjuntor Exemplo de seleção: 1MVA / 380V Ins = 1520A Ik”
moldada - DWA Seleção do Disjuntor Exemplo de seleção: 1MVA / 380V Ins = 1520A Ik”

1MVA / 380V Ins = 1520A Ik” = 30 kA

de seleção: 1MVA / 380V Ins = 1520A Ik” = 30 kA DWA1600S-1600-3 In = 1250
de seleção: 1MVA / 380V Ins = 1520A Ik” = 30 kA DWA1600S-1600-3 In = 1250
de seleção: 1MVA / 380V Ins = 1520A Ik” = 30 kA DWA1600S-1600-3 In = 1250

DWA1600S-1600-3

In = 1250 Icu = 50 kA

1600A

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Disjuntores em caixa moldada - DWA

Seleção do Disjuntor

| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Seleção do Disjuntor WEG Automação j
| Energia | Tintas Disjuntores em caixa moldada - DWA Seleção do Disjuntor WEG Automação j

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Fusíveis de proteção – gL/gG

| Energia | Tintas Fusíveis de proteção – gL/gG Proteção dos equipamentos e fiação (barramentos) contra
| Energia | Tintas Fusíveis de proteção – gL/gG Proteção dos equipamentos e fiação (barramentos) contra

Proteção dos equipamentos e fiação (barramentos) contra curto-circuito, atuando também como limitadores das correntes de curto-circuito.

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Fusíveis de proteção – gL/gG

| Energia | Tintas Fusíveis de proteção – gL/gG TIPOTIPO ““NHNH”” TIPOTIPO ““DD”” Classe
| Energia | Tintas Fusíveis de proteção – gL/gG TIPOTIPO ““NHNH”” TIPOTIPO ““DD”” Classe

TIPOTIPO ““NHNH””

TIPOTIPO ““DD””

Classe gL-gG - 500Vca; Elavada capacidade de ruptura:

Classe gL-gG - 500Vca; Elavada capacidade de ruptura:

Tipo D: 50kA; Tipo NH: 120kA Material cerâmico de alta qualidade;

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /

Definições e Aplicações

Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /

WEG Automação

Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /
Motores | Automação | Energia | Tintas Definições e Aplicações WEG Automação j u n /

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Definições e aplicação

O que é Fator de Deslocamento

WEG Automação

| Energia | Tintas Definições e aplicação O que é Fator de Deslocamento WEG Automação j
| Energia | Tintas Definições e aplicação O que é Fator de Deslocamento WEG Automação j

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Definições e aplicação

Automação | Energia | Tintas Definições e aplicação Fator de potência x Fator de deslocamento Fator

Fator de potência x Fator de deslocamento

Fator de Potência

Cargas lineares e não lineares

FP =

 

i

(

1

)

ef

.cos

 
( I i ( 1 ) ef ) 2 + ∑ ( I i (

(

I

i

(

1

)

ef

)

2

+

(

I

i

(

h

)

ef

)

2

I

φ

Fator de Deslocamento

Cargas Lineares

) ef ) 2 I φ Fator de Deslocamento Cargas Lineares FP = cos φ WEG

FP = cosφ

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Definições e aplicação

Automação | Energia | Tintas Definições e aplicação Fator de potência x Fator de deslocamento Fator

Fator de potência x Fator de deslocamento

e aplicação Fator de potência x Fator de deslocamento Fator de deslocamento = fator de potência
e aplicação Fator de potência x Fator de deslocamento Fator de deslocamento = fator de potência

Fator de deslocamento = fator de potência em sistemas com cargas lineares.

Fator de Potência = sistemas com cargas lineares e não lineares

WEG Automação

jun/2008

Motores | Automação | Energia | Tintas

Definições e aplicação

Triângulo das potências

Tintas Definições e aplicação Triângulo das potências In = P(kW)- motor 3.Vn.cos Φ .n POTÊNCIA APARENTE

In =

P(kW)- motor

In = P(kW)- motor 3.Vn.cos Φ .n

3.Vn.cosΦ.n

POTÊNCIA APARENTE: (kVA)

Potência Total entregue ao consumidor pela concessionária de energia elétrica.

II

kVAr ) )Reativa

VV

AAppaarreennttee ((kkVVAA))

ϕQ

Reativa ( ( kVAr

senQ

SS == VV33

S S = = V V 3 3 ϕ ϕ

ϕϕ

Reativa ( ( k V A r sen Q S S = = V V 3
= = v3 v3 V V I I sen
=
= v3
v3
V V
I I
sen
r sen Q S S = = V V 3 3 ϕ ϕ = = v3

PP == VV33

VV

II

coscosϕϕ

AtivaAtiva (( kWkW ))

S

2 = kVAr

2 + kW

2

Ativa Ativa ( ( kW kW ) ) S 2 = kVAr 2 + kW 2

P =

3 × U × I × cos ϕ ( kW )

3 × U × I × cos ϕ

(kW )

 
 

Φ = arctg

Q =

3 × U × I × sen ϕ ( kvar )

3 × U × I × sen ϕ

(kvar )

S