Você está na página 1de 4

E.E. DONA ANTÔNIA VALADARES DE 1 E 2 (C) comunicar o desaparecimento da ariranha azul.

GRAUS- R.0.3.5.B.2 (D) convidar as pessoas a visitarem a região de Curuçá, no sertão


Rua Jacinta Braga,73 – Centro – São José da da Bahia.
Varginha – MG 35694-000
SIMULADO AVALIATIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA O CONTO DA MENTIRA
Rogério Augusto
Aluno:__________________________ Todo dia Felipe inventava uma mentira. “Mãe, a vovó tá
no telefone!”. A mãe largava a louça na pia e corria até a sala.
Aluno ____________________________ Encontrava o telefone mudo.
O garoto havia inventado morte do cachorro, nota dez
Série: 6º ano II valor: 4 pontos
em matemática, gol de cabeça em campeonato de rua. A mãe
A LUA NO CINEMA tentava assustá-lo: “Seu nariz vai ficar igual ao do Pinóquio!”.
A lua foi ao cinema, Felipe ria na cara dela: “Quem tá mentindo é você! Não existe
passava um filme engraçado, ninguém de madeira!”.
a história de uma estrela O pai de Felipe também conversava com ele: “Um dia
que não tinha namorado. você contará uma verdade e ninguém acreditará!”. Felipe ficava
Não tinha porque era apenas pensativo. Mas no dia seguinte...
uma estrela bem pequena, Então aconteceu o que seu pai alertara. Felipe assistia a
dessas que, quando apagam, um programa na TV. A apresentadora ligou para o número do
ninguém vai dizer, que pena! telefone da casa dele. Felipe tinha sido sorteado. O prêmio era
Era uma estrela sozinha, uma bicicleta: “É verdade, mãe! A moça quer falar com você no
ninguém olhava pra ela, telefone pra combinar a entrega da bicicleta. É verdade!”
e toda a luz que ela tinha A mãe de Felipe fingiu não ouvir. Continuou preparando
cabia numa janela. o jantar em silêncio. Resultado: Felipe deixou de ganhar o
A lua ficou tão triste prêmio. Então ele começou a reduzir suas mentiras. Até que um
com aquela história de amor, dia deixou de contá-las. Bem, Felipe cresceu e tornou-se um
que até hoje a lua insiste: escritor. Voltou a criar histórias. Agora sem culpa e sem medo.
– Amanheça, por favor! No momento está escrevendo um conto. É a história de um
menino que deixa de ganhar uma bicicleta porque mentia...
Paulo Leminski. Distraídos venceremos. São Paulo, Brasiliense,
1993. 4- Felipe começou a reduzir suas mentiras porque
1 - Nos versos “Não tinha porque era apenas / uma estrela bem (A) começou a escrever um conto.
pequena” da segunda estrofe do poema, o uso da palavra (B) deixou de ganhar uma bicicleta.
“porque” introduz (C) inventou ter sido sorteado por um programa de TV.
(A) a causa de não ter namorado. (D) seu pai alertou sobre as consequências da mentira.
(B) uma oposição a um filme engraçado.
(C) a consequência de uma história de amor. 5- No trecho “A mãe tentava assustá-lo. ”, o termo destacado
(D) uma comparação do tamanho da estrela com a intensidade substitui
da luz. (A) pai de Felipe. (B) Pinóquio. (C) cachorro. (D) Felipe.

2- Este poema 6- No desfecho do conto, ficamos sabendo que Felipe


(A) explica o nascimento do cinema. (A) continua contando mentira para seus pais.
(B) faz a propaganda de um filme engraçado. (B) decide ler todos os livros sobre o Pinóquio.
(C) apresenta as características de uma lua solitária. (C) torna-se um escritor e volta a criar histórias.
(D) conta a história de uma estrela que não tinha namorado. (D) escreve um livro de normas para o campeonato de rua.

POR ONDE ANDARÁ SEVERINO? Olá, mãe!


A última ariranha-azul em liberdade no mundo mora no Brasil, Mãe, eu queria te dizer ...
mas está desaparecida há dois meses. Se não for encontrada, a (não te chamando de mamãe como no tempo em que a vida era
espécie corre o risco de extinção. você,
Apelidada de Severino, a ave habita a região de Curuçá, no mas te chamando de mãe
sertão da Bahia. Segundo a coordenação de comitê de deste meu outro tempo de silêncio e solidão.)
Recuperação da Ariranha-Azul, uma equipe de estudiosos e
moradores já esta à procura de Severino. Há suspeitas de que ele Mãe, eu queria te dizer
tenha sido atacado por gaviões. (sem cara de quem pede desculpa pelo que não fez ou pensa que
A ariranha-azul é a menor arara brasileira que existe, mede fez)
menos de 30 centímetros e pesa cerca de 400 gramas. Hoje há que amar virou uma coisa difícil
cerca de 40 espécies em cativeiro no mundo todo (no Brasil são e muitas vezes o que parece ingratidão,
sete). Seu pequeno tamanho e a beleza da cor azul infelizmente ou até indiferença,
atraem os traficantes de animais, que caçam e vendem as é apenas a semente do amor
ararinhas como animais domésticos. que brotou de um jeito diferente
O Estado de S. Paulo, 9/12/2000. Estadinho. e amadureceu diferente
no atrapalhado coração da gente.
3- A finalidade deste texto é
(A) divulgar a beleza das aves de nosso país. Acho que era isso, mãe,
(B) informar que gaviões são animais predadores. o que eu queria te dizer.
Carlos Queiroz Telles. Sonhos, grilos e paixões 13- Para conceder a paz a Catuboré, o Deus Tupã
(A) transformou a alma do jovem no pássaro irapuru.
7- O eu poético deseja, por meio deste texto, (B) desapareceu com todas as cobras venenosas.
(A) demonstrar seu sentimento de amor. (C) criou a primavera para celebrar o casamento.
(B) reviver um tempo de silêncio e solidão. (D) convocou toda a tribo para tocar flauta.
(C) revelar que está insatisfeito com as atitudes da mãe.
(D) agradecer à mãe pelo tempo em que a vida era mais simples. A lebre e a tartaruga
Era uma vez... uma lebre e uma tartaruga. A lebre vivia
8- O eu poético escreve uma mensagem à mãe por meio de caçoando da lentidão da tartaruga.
(A) um conto. (B) um poema. Certa vez, a tartaruga, já muito cansada por ser alvo de
(C) uma crônica. (D) uma propaganda. gozações, desafiou a lebre para uma corrida.
A lebre, muito segura de si, aceitou prontamente. Não
9- O verso que comprova para quem o texto foi escrito é perdendo tempo, a tartaruga pôs-se a caminhar, com seus
(A) “acho que era isso, mãe...” passinhos lentos, porém firmes.
(B) “que amar virou uma coisa difícil”. Logo a lebre ultrapassou a adversária e, vendo que
(C) “no atrapalhado coração da gente” ganharia fácil, parou eresolveu cochilar.
(D) “deste meu outro tempo de silêncio e solidão” Quando acordou, não viu a tartaruga e começou a
correr.
10- Na primeira estrofe do poema, o eu poético utiliza-se dos Já na reta final, viu finalmente a sua adversária cruzando
parênteses para a linha de chegada, toda sorridente.
(A) pedir desculpa pelo que pensa que fez. Moral da história: Devagar se vai ao longe!
(B) contar que a semente do amor brotou de um jeito diferente.
(C) explicar o porquê do uso da palavra “mãe” ao invés de http://www.qdivertido.com.br/verconto.php?codigo=29
“mamãe”.
(D) opinar sobre o sentimento de ingratidão ou indiferença 14- O episódio da narrativa que contribui para a vitória da
demonstrado. tartaruga é
(A) a decisão da lebre de parar e cochilar.
Irapuru – o canto que encanta (B) o desafio de realizar uma corrida com a lebre.
(C) o desafio de correr para garantir a vantagem.
Certo jovem, não muito belo, era admirado e desejado (D) a decisão firme de caminhar com passos lentos.
por todas as moças de sua tribo por tocar flauta
maravilhosamente bem. Deram-lhe, então, o nome de Catuboré, 15- O trecho que expressa uma opinião a respeito de um dos
flauta encantada. Entre as moças, a bela Mainá conseguiu o seu personagens é
amor; casar-se-iam durante a primavera. (A) “Logo a lebre ultrapassou a adversária...”
Certo dia, já próximo do grande dia, Catuboré foi à (B) “Era uma vez... uma lebre e uma tartaruga.”
pesca e de lá não mais voltou. (C) “A lebre, muito segura de si, aceitou prontamente.”
Saindo a tribo inteira à sua procura, encontraram-no (D) “Quando acordou, não viu a tartaruga e começou a correr.
sem vida, à sombra de uma árvore, mordido por uma cobra
venenosa. Sepultaram-no no próprio local. 16- A finalidade deste texto é ensinar ao leitor que
Mainá, desconsolada, passava várias horas a chorar sua (A) o sono renova as energias do corpo.
grande perda. A alma de Catuboré, sentindo o sofrimento de sua (B) a caçoada do adversário garante a vitória.
noiva, lamentava-se profundamente pelo seu infortúnio. Não (C) o êxito depende de dedicação e persistência.
podendo encontrar paz, pediu ajuda ao Deus Tupã. Este, então, (D) o esporte é necessário para manutenção da saúde.
transformou a alma do jovem no pássaro irapuru, que, mesmo
com escassa beleza, possui um canto maravilhoso, semelhante 17- As características do texto “A lebre e a tartaruga”, tais como
ao som da flauta, para alegrar aalma de Mainá. – o tipo de personagens
O cantar do irapuru ainda hoje contagia com seu amor e a presença de moral –, exemplificam o texto conhecido como
os outros pássaros e todos os seres da natureza. (A) receita.
(B) fábula.
(Waldemar de Andrade e Silva. Lenda e mitos dos índios (C) campanha publicitária.
brasileiros. São Paulo: FTD, 1997.) (D) história em quadrinhos.

11- Catuboré foi à pesca e de lá não mais voltou porque 18ª) Leia o texto para responder a questão abaixo:
(A) apaixonou-se por uma índia de outra tribo. Quintais
(B) encontrou uma flauta encantada. Na casa do meu avô, havia quatro quintais.
(C) dormiu à sombra de uma árvore. No principal, o portão se abria para a rua, e ali ficava a
(D) foi mordido por uma cobra. casa propriamente dita, e por cima do muro baixo a gente via as
cabeças das pessoas que passavam pela rua, sempre tão
12- No trecho “Deram-lhe, então, o nome de Catuboré, flauta devagar. Às vezes vinha dar na varanda o cheiro do rio, um
encantada.” Do primeiro parágrafo do texto “Irapuru – o canto cheiro de pano e de barro. Na garagem descoberta, sobre os
que encanta”, o termo destacado se refere cascalhos, dormia a Variant marrom do meu avô.
(A) ao grande dia. À esquerda, separado por um muro com uma passagem,
(B) ao certo jovem. ficava o universo dos abacateiros e o quartinho que o meu avô
(C) à bela Mainá. chamava de Petit Trianon. Nós apanhávamos abacates para fazer
(D) a sua tribo. boizinhos com palitos de fósforo. O Petit Trianon eu não me
lembro para que servia, ficava quase sempre fechado. Mas eu A consequência que o fenômeno da desertificação acarretará às
tinha pesadelos com ele. gerações futuras e ao
À esquerda, separado por outro muro com outra nosso planeta é
passagem, ficava um universo híbrido em que cabiam orquídeas (A) o aumento gradual de focos de incêndio por dia na
numa estufa, galinhas, goiabeiras [...] Amazônia.
À direita do quintal principal, ficava o último, e quase (B) a destruição anual de milhares de quilômetros quadrados
proibido. Havia o muro, mas na passagem tinha um portãozinho de florestas.
baixo de madeira, que às vezes a gente pulava por prazer. [...] (C) o aumento da produção de madeira legal na região Norte
do país.
No trecho do terceiro parágrafo “Mas eu tinha pesadelos com (D) a destruição dos garimpos em Mato Grosso, Pará e em
ele.”, a palavra grifada se refere ao Rondônia.
(A) muro com uma passagem.
(B) avô. 21ª) Leia o texto para responder a questão a seguir:
(C) quartinho. O Xá do Blá-blá-blá
(D) cheiro de chuva. Era uma vez, no país de Alefbey, uma triste cidade, a mais
triste das cidades, uma cidade tão arrasadoramente triste que
19ª) Leia o texto para responder a questão a seguir: tinha esquecido até seu próprio nome. Ficava à margem de um
O NAMORO NA ADOLESCÊNCIA mar sombrio, cheio de peixosos – peixes queixosos e pesarosos,
Um namoro, para acontecer de forma positiva, precisa de tão horríveis de se comer que faziam as pessoas arrotarem de
vários ingredientes: a começar pela família, que não seja muito pura melancolia, mesmo quando o céu estava azul.
rígida e atrasada nos seus valores, seja conversável e, ao mesmo Ao norte dessa cidade triste havia poderosas fábricas nas
tempo, tenha limites muito claros de comportamento. O quais a tristeza (assim me
adolescente precisa disto, para se sentir seguro. O outro aspecto disseram) era literalmente fabricada, e depois embalada e
tem a ver com o próprio adolescente e suas condições internas enviada para o mundo inteiro, que parecia sempre querer mais.
que determinarão suas necessidades e a própria escolha. São Das chaminés das fábricas de tristeza saía aos borbotões uma
fatores inconscientes, que fazem que a Mariazinha se encante fumaça negra, que pairava sobre a cidade como uma má notícia.
com o jeito tímido do João e não dê pelota para o herói da O trecho do texto que indica uma consequência é
turma, o Mário. Aspectos situacionais, como a relação (A) “uma triste cidade, a mais triste das cidades”.
harmoniosa ou não entre os pais do adolescente, também (B) “Ficava à margem de um mar sombrio, cheio de peixosos “.
influenciarão (C) “que faziam as pessoas arrotarem de pura melancolia”.
no seu namoro. Um relacionamento onde um dos parceiros vem (D) ”Ao norte dessa cidade triste havia poderosas fábricas”.
de um lar em crise é, de saída, dose de leão para o outro, que
passa a ser utilizado como anteparo de todas as dores e 22ª) Leia o texto abaixo.
frustrações. Geralmente, esta carga é demais para o outro Monumentos recentes
parceiro, que também enfrenta suas crises pelas próprias Os homens passam, as ideias ficam. Para não deixar os
condições de adolescente. Entrar em contato com outra pessoa, homens passarem, a sociedade faz deles monumentos. São
senti-la, ouvi-la, depender dela afetivamente e, ao mesmo transformados em estátua, em placa e em nome de rua, os
tempo, não massacrá-la de exigências, e não ter medo de se homens considerados importantes em seu tempo. O
entregar, é tarefa difícil em qualquer idade. Mas é assim que monumento é uma escolha da época.
começa este aprendizado de relacionar-se afetivamente e que Muitas vezes, a sociedade escolhe os homens por causa
vai durar a vida toda. das ideias, que, antes dos autores, já eram considerados
grandes.
De acordo com o texto, a frase: “Mas é assim que começa este A partir de 2003 foram erguidas em Belo Horizonte
aprendizado de relacionar-se afetivamente e que vai durar a vida algumas estátuas que, por uma curiosa característica, chamam a
toda.” refere-se à seguinte fase do aprendizado: atenção do povo: são do tamanho de pessoas vivas em situações
(A) as fases do namoro: começo, meio e fim. absolutamente comuns. Uma passeia numa praça;
(B) a forma positiva de como o namoro deve acontecer. outra descansa em um banco; duas outras conversam. Os novos
(C) ao namoro que inicia na adolescência. habitantes de bronze das ruas olham os cidadãos nos olhos, de
perto, sem barreiras físicas como pedestais ou cercas.
20) Leia o texto para responder a questão a seguir:
A exploração da madeira na Amazônia De acordo com esse texto, as novas estátuas de Belo Horizonte
Cerca de 600 mil pessoas vivem da madeira na região chamam atenção do povo porque
Norte, destruindo anualmente milhares de quilômetros A) foram consideradas homens importantes em seu tempo.
quadrados de florestas, ao que se soma a destruição na região B) foram erguidas em Belo Horizonte só a partir de 2003.
Centro-Oeste e o pouco que resta da mata Atlântica. Em 1999, C) são do tamanho de pessoas vivas em situações comuns.
segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), D) são monumentos recentes escolhidos pela sociedade.
ocorreram, entre julho e dezembro, mais de 1000 focos de
incêndio por dia na Amazônia, dois terços deles em Mato Grosso, 23ª) Leia:
no Pará e em Rondônia. A isto se soma o envenenamento dos Aulas com pipas!
rios provocado pelas descargas de mercúrio dos garimpos. Os Sabia que é possível aprender muita coisa enquanto você se
números da destruição de nossas florestas têm crescido a cada diverte com esse brinquedo?
ano e algumas áreas do país já sofreram o fenômeno da Papagaio, pandorga, arraia, cafifa ou, simplesmente, pipa.
desertificação. Não importa o nome que receba esse brinquedo, feito com
varetas de madeira leve, papel fino e linha: qualquer pessoa tem
Sabemos que fatos como este continuam acontecendo e que tudo para se encantar com ele! Pudera: colocar uma pipa para
cada vez mais nosso planeta está sendo ameaçado.
bailar no ar é a maior diversão! E sabia que, na sala de aula, a
pipa tem muito a ensinar?
Nas aulas de português, as pipas inspiravam poesias e
redações e a professora de história aproveitava para,
obviamente, falar um pouco sobre a história das pipas. Quer
saber o resultado de tanta integração? Excelentes notas no final
do ano e um grande festival de pipas para comemorar!
Ah! E se você há muito tempo gosta de soltar
papagaios por aí, responda depressa: está tomando os cuidados
necessários para não sofrer um acidente?
Então, anote algumas dicas: nunca use cerol – uma
mistura de cola e vidro moído, extremamente cortante e
perigosa – e procure soltar suas pipas em lugares apropriados,
longe de fios elétricos.

Ao terminar o ano, a consequência de tanto entusiasmo pelo


brinquedo foi
A) a melhoria da disciplina na escola.
B) a pesquisa de outros nomes para pipa.
C) o crescimento das notas dos estudantes.
D) o aumento de cuidados com as pipas.

24ª) Leia o texto abaixo.


Passeio pelo campo
Começaram as férias. Valentina se prepara para passar
uns dias na casa de seus avós. Por isso, está um pouco inquieta,
afinal, viajará sozinha, experiência que realiza pela primeira vez.
Os pais a acompanham até a rodoviária, de onde se
despedem com beijos, abraços e muitas recomendações:
– Comporte-se bem! Avise assim que chegar... Ajude seus
avós nas tarefas de casa!
O ônibus parte rapidamente. Valentina, emocionada, olha
pela janela e acena para seus pais, que respondem da plataforma
da estação.
Fica olhando... cada vez os vê menores, como pontinhos
agitando as mãos, em alegre despedida.
À medida que se distancia, ficam para trás a cidade, seus
altos edifícios e grandes casas, as enormes chaminés das
fábricas, suas amplas avenidas e uma multidão de pessoas, que
se dirigem a todas as partes.
Nesse texto, a menina vê os pais cada vez menores porque
A) ela fechava os olhos com sono.
B) ela se afastava da estação.
C) os altos edifícios ficaram na frente dos seus pais.
D) os pais estavam sentados no banco da estação.

GABARITO
1. 9. 17.

2. 10. 18.

3. 11. 19.

4. 12. 20.

5. 13. 21

6. 14. 22

7. 15. 23

8. 16. 24