Você está na página 1de 49

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty

Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd
fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx
Currículo e
cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq
Programa
wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui
Série educação
opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg
hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc
vbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq
wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui
opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg
hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc
vbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq
wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui
opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg
hjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbn
mqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert
yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopas
Circulação interna
dfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklz
xcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnm
qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty 0
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

“...mire, veja: o mais importante e


bonito do mundo é isto;
que as pessoas não estão sempre iguais,
ainda não foram terminadas,
mas que elas vão sempre mudando.
Afinam ou desafinam. Verdade maior.
Ê o que a vida me ensinou.”
João Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas

1
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

SUMÁRIO

UNIDADE 1 - Diálogos sobre currículo e intenções educativas ................3


1.1- Currículo: conversando sobre seu significado e conceito .....................5
Atividade de Sistematização.................................................................6
1.2-Teorias sobre o currículo -
Uma análise para compreensão e mudança..................................................6
1.3- Currículo oculto....... ............. ........ .....................................................9
1.4- Documentos de identidade....................................................................9
Refletindo............................................................................................11
UNIDADE 2 - O currículo nas escolas brasileiras ...................................12
2.1 - Indagações ao Currículo .................................................................... 12
Currículo conhecimento e cultura .....................................................12
Indagações sobre currículo................................. ....................... ....... 13
2.2 - Parâmetros Curriculares Nacionais ...................................................15
2.3 - A escola em ciclos de formação ........................................................18
UNIDADE 3 - Caminhando entre teoria e prática educativa....................27
3.1- Análises preliminares sobre teoria
e prática do currículo no cotidiano ............................................................27
Avaliação do currículo no cotidiano escolar...................................... 27
O que a escola precisa ensinar ......................................... .................. 33
3.2 - Reflexões sobre constituição de professoras e currículo de Arte...... 34
3.3 - A rotina nas pedagogias da educação infantil: dos binarismos
à complexidade .................................................................................. 36
Referências .............................................................................................. 45
Atividades Avaliativas ............................................................................. 46

2
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

UNIDADE I
Diálogo sobre currículo e intenções educativas

Conceituar é uma tarefa que exige muitos cuidados, especialmente quando ao assunto é tão
amplo. Tentar condensar idéias em um conceito é um pouco complexo. Partiremos então das análises
propostas por alguns teóricos sobre currículo.

”O currículo aparece, assim, como o conjunto de objetivos de aprendizagem selecionados que


devem dar lugar à criação de experiências apropriadas que tenham efeitos cumulativos avaliáveis,
de modo que se possa manter o sistema numa revisão constante, para que nele se operem as
oportunas reacomodações" Sacristan 2000, p.46

O currículo adulto é constituído por todos aqueles aspectos do ambiente escolar que, sem fazer
parte do currículo oficial, explícito, contribuem, de forma implícita para aprendizagens sociais
relevantes (...) o que se aprende no currículo oculto são fundamentalmente atitudes,
comportamentos, valores e orientações. Silva 2001. p. 78

“... o conhecimento não é exterior ao poder, o conhecimento não se opõe ao poder. O


conhecimento não é aquilo que põe em xeque o poder: o conhecimento é parte inerente ao poder
(...), o mapa do poder é ampliado para incluir os processos de dominação centrados na raça, na
etnia, no gênero e na sexualidade.” Silva 2001p. 148-149

O conceito de currículo (ou conceitos) abarca muito mais que a concepção de estrutura
organizada de conteúdos a serem ensinados nas escolas. É importante lembrar que em Educação nada
acontece desconectado do mundo e da sociedade na qual o ser humano encontra-se inserido, pelo menos,
não deveria acontecer. O discurso pedagógico muitas vezes é eficiente para convencermos sobre a escola
e currículo. Mas é importante valorizar o enfoque dado pelo pesquisador espanhol Gimeno Sacristan ao
apontar que

“A própria complexidade dos currículos modernos do ensino obrigatório é reflexo da


multiplicidade de fins aos quais a escolarização se refere, isso é fato consubstancial à própria
existência da instituição cultural e de socialização em termos reais e concretos. Sacristan
2000,p.17

Vivemos um período no qual a escola se estrutura em perfil mercantilista. O currículo é


formatado pelos livros didáticos ou sistemas de ensino apostilados, no caso das instituições particulares.
Nas escolas públicas as práticas são variadas desde o uso dos livros oferecidos pelo Ministério de
Educação ao programa estruturado pela equipe pedagógica e professores das escolas de acordo com a
possibilidade e estrutura de cada uma. A matriz encontra-se nos Parâmetros Curriculares Nacionais e
outros documentos de igual teor.
Considerando a importância da escola e sua relação curricular e cultural analisemos o pensamento
de Sacristan em seu livro “Currículo”- uma reflexão sobre a prática e apresentamos a seguir fragmento
desse texto, indispensável ao nosso diálogo.
Aproximação ao conceito de currículo, por Gimeno Sacristan
“ [...] Quando se fala de currículo como seleção particular de cultura, vem em seguida à mente uma
imagem de uma relação de conteúdos intelectuais a serem aprendidos, pertencentes a diferentes âmbitos da
ciência, das humanidades, das ciências sociais, das artes, da tecnologia, etc. - esta é a primeira acepção e a mais
elementar. Mas a função educadora e socializadora da escola não se esgota aí, embora se faça através dela, e
por isso mesmo, nos níveis do ensino obrigatório, também o currículo estabelecido vai logicamente além das
finalidades que se circunscrevem a esses âmbitos culturais, introduzindo nas orientações, nos objetivos, em
seus conteúdos, nas atividades sugeridas, diretrizes e componentes que colaborem para definir um plano

3
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

educativo que ajude na consecução de um projeto global de educação para os alunos. Os currículos, sobretudo
nos níveis da educação obrigatória, pretendem refletir o esquema socializador, formativo e cultural que a
instituição escolar tem.
Situando-nos num nível de análise mais concreto, observando as práticas escolares que preenchem o
tempo dos alunos nas escolas, percebemos que fica muito pouco fora das tarefas ou atividades, ritos, etc.
relacionados com o currículo ou a preparação das condições para o seu desenvolvimento. A escola educa e
socializa por mediação da estrutura de atividades que organiza para desenvolver os currículos e das formas
destes e também pelas práticas que se realizam dentro dela.
O ensino não é mais do que o processo desenvolvido para cumprir essa finalidade. Algo que se
esquece muitas vezes, que se quer analisar os processos de ensino-aprendizagem a partir de uma determinada
perspectiva científica e técnica, esquecendo do verdadeiro encargo. Por diversos tipos de condicionamentos,
os currículos tendem a recolher toda complexa gama de pretensões educativas para os alunos de um
determinado nível e modalidade de educação. Pode ser que o currículo não se esgote em seus conteúdos
estritos todos os fins educativos, nem as funções não - manifestas da escola, mas é evidente que existe uma
tendência progressiva para assumi-los no caso dos níveis obrigatórios de ensino. Daí que boa parte do que é
objeto da didática seja composta pela análise dos pressupostos, dos mecanismos, das situações e das
condições relacionadas com a configuração, o desenvolvimento e avaliação do currículo.”

Ao afirmar, no texto acima, que “ por diversos tipos de condicionamentos, os currículos tendem a
recolher toda complexa gama de pretensões educativas para os alunos de um determinado nível e
modalidade de educação”, Sacristan nos convida , a pensar a educação como uma ação repleta de
intencionalidade.
Em busca de contextualização essa discussão leia a reportagem a seguir publicada no jornal on-
line Ambiente Brasil:
dengue
02/04/2005
Combate à dengue passa a fazer parte do currículo escolar no Amapá

Conscientizar a população estudantil sobre os riscos que a dengue pode causar à saúde é o objetivo do projeto
Ações Educativas Culturais de Combate
à Dengue, promovido pela Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura de Macapá,
A idéia é informar os estudantes sobre os perigos da doença. O projeto prevê ações educacionais que serão
incluídas no currículo escolar. Com isso, os alunos poderão começar dentro da própria casa o processo de
conscientização dos familiares.
Diretores e professores das escolas da rede municipal de ensino ficaram responsáveis pela promoção de
atividades interdisciplinares que trabalhem questões de prevenção e ação terapêutica.
Segundo o secretário de saúde da prefeitura de Macapá, Gilson Rocha, com a chegada do inverno na região
Norte a preocupação com o aumento de casos da doença aumenta. É que com as chuvas, o mosquito
transmissor da dengue se multiplica em recipientes que podem armazenar água.
"A melhor forma de prevenir é envolver a comunidade e através da parceria acabar com os focos. Latas,
garrafas, pneus e o lixo em geral devem ser acomodados de forma que não permita o acúmulo de água",
esclareceu o secretário.
A dengue é uma doença causada pelo mosquito Aedes aegypti e está classificada em dois tipos: clássica e
hemorrágica. Os sintomas são febre alta, dor de cabeça, nos olhos e nas costas. Em alguns casos aparecem
manchas vermelhas na pele. (Sândala Barros / Agência Brasil)

Visite o endereço :http://www.ambientebrasil.com.br/noticias/index. php3?action=ler&id=18609


Comente esta notícia :
Em sua opinião, é viável incluir assuntos e temas do cotidiano, como a dengue no
currículo escolar? Como isso ocorreria na prática? Qual seria a intencionalidade dos
órgãos públicos com essa ação?_______________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________

4
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

____________________________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________________________
1.1 Currículo: conversando sobre seu significado e conceito
Desde seu surgimento segundo registros datados no séc.XVII, o currículo compreendia a
associação entre o conceito de ordem e método objetivando o controle do ensino e da aprendizagem e
como agente facilitador da administração escolar. Essa finalidade do currículo é discutida no texto
publicado pelo Centro de Estudos de Avaliação Educacional da UFRJ, analisemos o texto a seguir.

MODELOS DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR


Um dos textos mais conhecidos e utilizados no Brasil para a organização curricular é o clássico “Princípios
Básicos de Currículo e Ensino”, que, embora datado do final da década de 40, fundamentou a construção de
propostas curriculares por várias décadas. Nesse texto, Ralph Tyler se propõe a “desenvolver uma base
racional para considerar, analisar e interpretar o currículo e o programa de ensino de uma instituição
educacional”. A base racional proposta pelo autor centra-se em quatro questões fundamentais que, uma vez
respondidas, permitem a elaboração de qualquer currículo ou plano de ensino:
Que objetivos educacionais deve a escola procurar atingir?
Que experiências educacionais podem ser oferecidas que tenham probabilidade de alcançar esses
propósitos?
Como organizar eficientemente essas experiências educacionais?
Como podemos ter certeza de que esses objetivos estão sendo alcançados?
Essa base racional para a elaboração de programas de ensino não se preocupava com a organização
do sistema, pressupondo-a como dada. Por exemplo, se utilizamos o modelo de Tyler para organizar o
currículo de uma escola de ensino fundamental, não temos informações sobre como dividimos os anos ou os
ciclos escolares, sobre se organizamos a escolarização por disciplinas ou por núcleos temáticos, sobre como
selecionar as disciplinas que deveriam constar do currículo. Essas decisões precedem, para Tyler, o processo
de elaboração curricular.
Ainda hoje, as questões formuladas por Tyler tendem a servir de guias para a maioria dos projetos
curriculares elaborados por administradores ou supervisores dos sistemas educacionais. É verdade, também,
que nem sempre as respostas apontam os mesmos caminhos trilhados por Tyler, cuja matriz básica era o
comportamentalismo. Se observarmos os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), propostos pelo MEC,
verificamos que, a despeito da matriz construtivista, a organização do material segue uma racionalidade que
em muito pouco difere daquela enunciada porTyler. Todos os documentos apresentam a mesma estrutura
básica com objetivos, conteúdo, critérios de avaliação e orientações didáticas. A primeira pergunta de Tyler
encaminha a resposta aos dois primeiros elementos dessa estrutura: objetivos e conteúdos; a segunda e a
terceira nos permitem definir orientações didáticas e ordená-las seguindo os princípios de coerência horizontal
e vertical; e a quarta, aponta para os procedimentos de avaliação dos programas implementados. O modelo
curricular sobre o qual se assentam os PCN foi elaborado pelo psicólogo espanhol Cesar Coll e tem uma lógica
muito próxima das preocupações de Tyler.
A visão de conjunto dos componentes curriculares do ensino obrigatório parte do âmbito legal,
passando pelas finalidades do sistema educacional, definidas na LDB 9394/96, com o objetivo de definir as
unidades de tempo do currículo (ciclos) e as áreas nas quais esse currículo está organizado. No desdobramento
do modelo, no entanto, o autor não define os critérios que seriam utilizados para a determinação dos ciclos ou
das áreas.

Continuemos nossa reflexão sobre o conceito de currículo a partir das idéias de Sacristan, Fourquin e Mc
Laren destacados no texto em análise.
• O currículo tem que ser entendido como a cultura real que surge de uma série de processos, mais
que como um objeto delimitado e estático que se pode planejar e depois implantar; aquilo que é,
na realidade, a cultura nas salas de aula, fica configurado em uma série de processos: as decisões
prévias acerca do que se vai fazer no ensino, as tarefas acadêmicas reais que são desenvolvidas, a
forma como a vida interna das salas de aula e os conteúdos de ensino se vinculam com o mundo
exterior, as relações grupais, o uso e o aproveitamento de materiais, as práticas de avaliação etc.
(Sacristán, J.G., 1995, p.86-87).

5
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

• Currículo é o conjunto daquilo que se ensina e daquilo que se aprende, de acordo com uma ordem
de progressão determinada, no quadro de um dado ciclo de estudos. Um currículo é um programa
de estudos ou um programa de formação, mas considerado em sua globalidade, em sua coerência
didática e em sua continuidade temporal, isto é, de acordo com a organização seqüencial das
situações e das atividades de aprendizagem às quais dá lugar. (Forquin, 1996, p.188).
• O currículo representa muito mais do que um programa de estudos, um texto em sala de aula ou o
vocabulário de um curso. Mais do que isso, ele representa a introdução de uma forma particular
de vida; ele serve, em parte, para preparar os estudantes para posições dominantes ou
subordinadas na sociedade existente. O currículo favorece certas formas de conhecimento sobre
outras e afirma os sonhos, desejos e valores de grupos seletos de estudantes sobre outros gru-
pos, com freqüência discriminando certos grupos raciais, de classe ou gênero. (McLaren,
1977, p. 216)

Atividade de sistematização
Marque as opões que mais se aproximam ao conceito de currículo que você já presenciou na sua vida
escolar.
( ) Os currículos escolares transcendem os guias curriculares.
( ) O material escrito e apresentado no planejamento representa toda a dimensão curricular.
( ) O currículo vivido não é contemplado nas discussões e nos documentos oficiais.
( ) É a partir do currículo oculto que diferentes mecanismos de poder penetram na escola sem que
estejam explícitos no currículo formal ou vivido.
( ) O currículo é um conjunto de objetivos, conteúdos, experiências de aprendizagem e avaliação.
( )O currículo escolar lida apenas com o conhecimento escolar, mas com diferentes , aspectos da cultura.
( ) A seleção de conteúdos e procedimentos que comporão o currículo é um processo político.

Para ter acesso ao texto original, na íntegra, acesse o endereço eletrônico:


Disponível em http://www.boaaula.com.br/iolanda/disciplinas/curriculo/defcurriculo.html acesso em 30
/03/08
Teorias sobre currículos - Uma análise para compreensão e mudança
Baseados no texto “Teorias sobre currículos - Uma análise para compreensão e mudança” de
Homburg e Silva, organizamos alguns pontos importantes abordados pelas autoras procurando
apresentá-las em forma de tópicos. 0 Texto foi publicado na Revista de divulgação técnico-
científica do Instituto Catarinense de Pós Graduação- ICPG.
Procure realizar a leitura do texto para melhor compreensão do esquema apresentado abaixo
e verificar na íntegra as transcrições realizadas com o intuito de preservar as idéias escritas no
original, apresentadas com destaque.

TEORIAS SOBRE CURRÍCULOS


TEORIA TRADICIONAL
 Tem como principal foco identificar os objetivos da educação escolarizada, formar o trabalhador
especializado ou proporcionar uma educação geral, acadêmica, à população. Principal representante Bobbit
propunha que a escola funcionasse como uma empresa comercial ou industrial. Período vivido pelo teórico
no qual diversas forças políticas, econômicas e culturais buscavam garantir sua ideologia utilizando a
educação.

 O modelo que Bobbit baseado na teoria de administração econômica de Taylor e tinha como palavra-
chave a eficiência.

 O currículo - uma questão de organização e ocorria de forma mecânica e burocrática, especialistas em


currículo deviam fazer um levantamento das habilidades a ser incluídas no mesmo, e posteriormente
medidas por instrumentos de medição para dizer com precisão se elas foram aprendidas.

 “Ralph Tyler consolidou a teoria de Bobbit quando propõe que o desenvolvimento do currículo deve

6
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

responder a quatro principais questões: que objetivos educacionais deve a escola procurar atingir; que
experiências educacionais podem ser oferecidas que tenham probabilidade de alcançar esses propósitos;
como organizar eficientemente essas experiências educacionais e como podemos ter certeza de que esses
objetivos estão sendo alcançados.”

 Para Tyler, propunha realizar “estudos sobre os próprios aprendizes, sobre a vida contemporânea fora
da educação, bem como obter sugestões dos especialistas das diversas disciplinas." Deveriam se respeitar ao
compromisso da escola em relação ao contexto da filosofia social e educacional e da psicologia da
aprendizagem com as quais se envolviam.
 John Dewey - teoria mais progressista, porém ainda tradicional que se preocupava mais com a
democracia do que com o funcionamento da economia. Valorizava os interesses e às experiências das
crianças e jovens. A escola era vista como local de vivências valorizando a prática de princípios
democráticos, sem muita preocupação com a preparação para a vida ocupacional adulta. Concluindo,
valorizavam: conteúdos, objetivos e ensino destes conteúdos de forma eficaz para ter a eficiência nos
resultados.
TEORIAS CRÍTICAS
 Anos de 1960 em todo o mundo, surgiram as primeiras teorizações questionando o pensamento e a
estrutura educacional tradicionais e as concepções sobre o currículo.
 As teorias críticas, base em uma análise marxista. Estabelecia uma relação entre Ideologia e Educação
 Althusser pontuou que a sociedade capitalista depende da reprodução de suas práticas econômicas
para manter a sua ideologia. A escola instrumento do capitalismo para manter sua ideologia
 Pelo currículo, ainda na visão de Althusser, a ideologia dominante transmite seus princípios, por meio
das disciplinas e conteúdos que reproduzem seus interesses, dos mecanismos seletivos que fazem com que
crianças de famílias menos favorecidas saiam da escola antes de chegarem a aprender as habilidades próprias
das classes dominantes, e por práticas discriminatórias que levam as classes dominadas a serem submissas e
obedientes à classe dominante”. (SILVA, 2003).
 Bowles e Gintis, escola é reprodutora de um sistema dominante através do seu funcionamento, as
relações sociais do local de trabalho. As escolas dirigidas aos trabalhadores subordinados - privilegiam
relações sociais os estudantes aprendem a subordinação. ”As escolas dirigidas aos trabalhadores dos
escalões superiores da escala ocupacional tendem a favorecer relações sociais nas quais os estudantes têm a
oportunidade de praticar atitudes de comando e autonomia”. (SILVA, 2003, p. 33).

 Boudieu e Jean-Claude - crítica sobre a educação afastando- se um pouco das análises marxistas.
Reprodução social ocorre por meio da reprodução cultural com garantia da hegemonia da classe dominante.

 “A reprodução cultural atua como educação excludente, eliminando do processo educacional as


crianças de famílias menos favorecidas que não têm como compreendera linguagem e os processos culturais
das classes dominantes.”

 Cultura vista como terreno de luta a cultura, no qual ocorrem diferentes concepções de vida social.
 Por esta análise, “entendemos que não existe uma ou outra cultura, sendo que a mesma é construída
no processo educacional e social e não pode ser apenas transmitida, pois os sujeitos que estão envolvidos
nesse processo devem participar desse “terreno de luta”, criando e dando sentido aos seus conhecimentos”.

 Michael Apple - a seleção que constitui o e Lrríeulo é o resultado de um processo que reflete os
interesses particulares das classes e dos grupos dominantes. “Crítica à função da escola como simples
transmissora de conhecimentos determinados por interesses dominantes, principalmente valores
capitalistas, e questiona o papel do professor nesse processo”.

 Henry Giroux “acreditava que as teorias tradicionais, ao se concentrarem em critérios de eficiência e


racionalidade burocrática, deixavam de levar em consideração o caráter histórico, ético e político das ações
humanas e sociais e do conhecimento, contribuindo, assim, para a reprodução das desigualdades e das
injustiças sociais. O currículo é compreendido por meio dos conceitos de emanciparão e libertação.
Vivenciando um processo pedagógico às pessoas se tomam “conscientes do papel de controle e poder
exercido pelas instituições e pelas estruturas sociais que elas podem se tomar emancipadas ou libertadas de

7
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

seu poder e controle”.


 É por meio do currículo e na escola que as crianças devem exercer práticas democráticas: Para sua
libertação, deverão participar discutir e colocar em questão as práticas sociais, políticas e econômicas,
analisando seu contexto e percebendo seu caráter de controle. Os professores têm a responsabilidade de
permitir e instigar o aluno a participar, questionar e refletir.
 “Numa pedagogia oposta à pedagogia do colonizador (que na falta de melhor expressão chamamos de
pedagogia do conflito), o educador reassume a sua educação e seu papel eminentemente crítico: à
contradição (opressor-oprimido, por exemplo), ele acrescenta a consciência da contradição, forma gente
insubmissa, desobediente, capaz de assumir a sua autonomia e participar na construção de uma sociedade
mais livre”. (GADOTTI, 1989, p. 53).
 Paulo Freire - não elaborou uma teoria sobre currículo, mas o discute, baseando-se na filosofia com
enfoque na educação de adultos. Critica o currículo caracterizado pelo conceito de educação bancária, ou
seja, há uma transferência de conhecimentos, informações e fatos dos professores para seus alunos de
maneira passiva. Assim “propõe um novo conceito de educação problematizadora, no qual defende que não
existe uma separação entre o ato de conhecer e aquilo que se conhece e que o conhecimento é sempre
intencionado, ou seja, dirigido para alguma coisa. O conhecimento envolve intercomunicação e é por meio
dela que os homens se educam”
 O ato pedagógico é como um ato dialógico. A diferença ente esta teoria e a tradicional está na forma
como se constroem os conteúdos. Ele usava as “experiências de seus alunos para determinar os conteúdos
programáticos, tornando, assim, o conhecimento significativo ' para quem aprende. No entanto, não nega o
papel dos especialistas para organizar os temas de forma interdisciplinar. Os conteúdos são definidos junto
com os educandos e na realidade em que estão situados. Freire (2003) elimina a diferença entre cultura
popular e cultura erudita e permite que a primeira também seja considerada conhecimento que
legitimamente faz parte do currículo”
 Michael Young. Essa crítica era baseada na sociologia e passou a ser conhecida como Nova Sociologia da
Educação. Diferentemente das outras teorias que tinham como base as críticas sobre as teorias tradicionais
de educação, esta tinha como referências antiga sociologia da educação, que seguia uma tradição de
pesquisa empírica sobre os resultados desiguais produzidos pelo sistema educacional, preocupada
principalmente com o fracasso escolar de crianças das classes operárias. A Nova Sociologia da Educação
tinha uma preocupação com o processamento de pessoas, e não do conhecimento. A questão básica era a
conexão entre currículo e poder, entre a organização do conhecimento e a distribuição de poder.
Questionava por que era atribuída mais importância a certas disciplinas e conhecimentos do que a outros.
Basil Berstein também, de acordo com Silva (2003), elaborou sua teoria na linha sociológica, definindo que a
educação formal encontra sua realização em três sistemas de mensagem: o currículo, a pedagogia e a
avaliação. O currículo define o que conta como conhecimento válido; a pedagogia define o que conta como
transmissão válida do conhecimento; e a avaliação, o que conta como realização válida desse conhecimento.
Sua preocupação estava na organização estrutural do currículo e como os diferentes tipos de organização
estão ligados a princípios diferentes de poder e controle.

 Abordaremos as teorias pós-críticas levando em consideração a diversidade das formas culturais do


mundo contemporâneo. Essa diversidade cultura, o multiculturalismo vem em confronto ás idéias
tradicionais de currículo, principalmente o do segmento universitário que privilegiava a cultura dominante:
branca, masculina, européia e heterossexual. Sendo assim surge a necessidade de se contemplar no currículo
aspectos representativos das diversas culturas.
TEORIAS PÓS-CRÍTICAS

 Surgem as perspectivas: a liberal ou humanista e a mais crítica. A linha liberal defende idéias de
tolerância, respeito e convivência harmoniosa entre as culturas, e a visão crítica pontua que, dessa forma,
permaneceriam intactas as relações de poder, em que a cultura dominante faria o papel de permitir que
outras formas culturais tivessem seu “espaço”.

 As desigualdades criadas dentro do processo escolar não aparecem apenas nas relações de poder
entre grupos dominantes a partir de questões econômicas, mas também nas diferenças raciais, de sexo e
gênero, quando são colocados como dominantes valores, como a superioridade masculina e a branca.

8
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

 As relações de gênero são uma das questões muito presentes nas teorias pós-críticas, que questionam,
não apenas as desigualdades de classes sociais. O feminismo aparece para questionar o predomínio de uma
cultura extremamente patriarcal, na qual existe uma grande desigualdade entre homens e mulheres. A
começar pelo acesso à educação que era desigual para homens e mulheres e, dentro do currículo, havia
distinções de disciplinas masculinas e femininas determinando carreiras exclusivamente masculinas. Ter o
simples acesso às instituições e conhecimentos tidos como masculinos não bastava para o valor feminino
ser percebido.

 A intenção era que os currículos valorizassem as experiências, os interesses, os pensamentos e os


conhecimentos femininos, dando- lhes igual importância. O currículo oficial valorizava a separação entre
sujeitos, o domínio e o controle, a racionalidade e a lógica, a ciência e a técnica, o individualismo e a
competição, tudo o que reflete experiências e interesses masculinos. Por meio de discussões curriculares
sobre gênero, procuramos perceber os interesses e valores femininos, como importância das ligações
sociais, intuição, artes e estética, comunitarismo e cooperação. As questões raciais e étnicas também
começaram a fazer parte das teorias pós-críticas do currículo, tendo sido percebida a problemática da
identidade étnica e racial. O currículo não pode se tomar multicultural apenas incluindo informações sobre
outras culturas. Precisa considerar as diferenças étnicas e raciais como uma questão histórica e política. È
necessário na organização do currículo, proporcionar os mesmos significados e valores a todos os grupos,
sem supervalorização de um ou de outro.

 A teoria pós-colonial, juntamente com o feminismo e com o movimento negro, procurou incluir as
formas culturais e experiências de grupos sociais descriminados pela identidade européia dominante. Teve
como objetivo estudar as relações de poder entre nações que compõem a herança econômica, política e
cultural de seus países colonizadores. Questionou as relações de poder e as formas de conhecimento pelas
quais a posição européia se mantém privilegiada. Existe uma preocupação com as formas culturais que estão
no centro da sociedade de consumo que definem novas idéias de imperialismo cultural, mantendo sempre a
hegemonia das culturas colonizadoras.

1.2 CURRÍCULO OCULTO


A primeira pessoa a utilizar a expressão “currículo oculto”, foi Philip Jackson, um educador
americano, em seu livro Life in Classrroms para referir-se às “características estruturais da sala de aula
que contribuíam para o processo de socialização”. Mas, a origem da noção de currículo oculto, é anterior,
pois temos em 1938 John Dewey referindo-se a uma “aprendizagem colateral” de atitudes que ocorre de
modo simultâneo ao currículo explícito.
Temos então, que a ideia de que o currículo escolar é concretizado de duas maneiras, a explícita e
formal, e a implícita e informal, não é recente.
Segundo Giroux, todas as discussões em torno do papel implícito e explicito da escolarização
chegam a diferentes conclusões, mas todos concordam que as escolas não ensinam os alunos apenas a
“ler, escrever, calcular, entre outros conteúdos”, mas que elas são também agentes de socialização e
sendo um espaço social, tem um duplo currículo, o explicito e formal, e o oculto e informal.
O currículo oculto é geralmente associado as mensagens de natureza afetiva, como atitudes e
valores, porém não é possível separar os efeitos destas mensagens das de natureza cognitiva.
Logo, o currículo oculto está junto com as normas de comportamento social como as de
concepções de conhecimentos, que são ligadas as experiências didáticas.
O currículo oculto está oculto para o estudante, no qual há uma intenção oculta, que é conhecida
por quem a ocultou (o professor, o sistema, etc.).
Muitos professores não são conscientes do currículo oculto. Eles estabelecem o contrato didático,
o qual traduz os seus objetivos e não percebem que o currículo oculto é subjacente ao contrato didático
Ou seja, o currículo oculto pode estar sendo utilizado na relação pedagógica sem que o professor
perceba. Ele utiliza a sua experiência para transmitir o conteúdo da disciplina e esta experiência é uma
forma de currículo oculto.
Concluindo, currículo oculto além de ser toda a característica de uma sala de aula que
proporciona a socialização, é também a maneira como o professor ensina, todo a experiência que ele

9
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

adquiriu ao longo de sua vida profissional, interfere no jeito de ensinar e isso faz com que ele saiba a
melhor maneira de ensinar.

1.3 Documentos de Identidade


O autor e pesquisador Thomaz Tadeu é citado na maioria dos textos que abordam a temática de currículo
e identidade. Apresentamos ao leitor a resenha elaborado pelo professor Osvaldo Mariotto com o intuito
de que tenham maiores informações mas também, que busquem a leitura dessa obra em seu texto original.

Documentos de Identidade
Osvaldo Mariotto Cerezer
Professor Departamento de História - UNEM AT

A obra intitulada Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo, de Tomaz Tadeu
da Silva, (2002) faz uma importante análise sobre as teorias do currículo, desde sua origem até as teorias pós-
criticas, e a contribuição destas nos estudos sobre o currículo e suas implicações na formação da subjetividade
e identidade dos sujeitos. As teorias do currículo procuram justificar a escolha de determinados conhecimentos
e saberes em detrimento de outros, considerados menos importantes.
Para a teoria tradicional, o currículo deveria conceber uma escola que funcionasse de forma
semelhante a qualquer empresa comercial ou industrial. Sua ênfase estava voltada para a eficiência,
produtividade, organização e desenvolvimento. O currículo deve ser essencialmente técnico e a educação vista
como um processo de moldagem. Na década de 1960 surgem as teorias críticas que questionam o status quo
visto como responsável pelas injustiças sociais e procura construir uma análise que permita conhecer não como
se faz o currículo, mas compreender o que o currículo faz. Seguindo Althusser, a escola é compreendida como
aparelho ideológico do Estado, que produz e dissemina a ideologia dominante através, principalmente, dos
conteúdos. Bowles e Gintis dão ênfase à aprendizagem por meio da vivência e das relações sociais na escola
que irão repercutir na formação de atitudes necessárias no mercado de trabalho capitalista. Bourdieu e
Passeron desenvolvem o conceito de “reprodução" e “capital cultural”, onde a cultura dominante incorpora,
introjeta e internaliza determinados valores dominantes através do currículo escolar.
Na década de 1970, o movimento de reconceptualização critica o currículo por considerá-lo
tecnocrático. Este se limitou às questões fenomenológicas, hermenêuticas e autobiográficas de crítica aos
currículos tradicionais. Na concepção fenomenológica o currículo é concebido como um lugar de experiência e
como local de interrogação e questionamento da experiência. A hermenêutica contesta a existência de um
significado único e determinado e defende a idéia de interpretação múltipla dos textos não só escritos, mas
qualquer conjunto de significado. Na autobiografia, o currículo é entendido de forma ampla, como experiência
vivida. Aqui se entrelaçam o conhecimento escolar, as histórias de vida e o desenvolvimento intelectual e
profissional, permitindo a transformação do próprio eu.
Para Michael Apple, o currículo representa, de forma hegemônica, as estruturas econômicas e sociais
mais amplas. Assim, o currículo não é neutro, desinteressado. O conhecimento por ele corporificado é um
conhecimento particular. Importa saber qual conhecimento é considerado verdadeiro. A reprodução social não
se dá de forma tranqüila, há sempre um processo de contestação, conflito, resistência. Henry Giroux concebe o
currículo como política cultural, sustentando que o mesmo não transmite apenas fatos e conhecimentos
objetivos, mas também constrói significados e valores sociais e culturais. Vê o currículo por meio dos conceitos
de emancipação e libertação.
Paulo Freire critica o currículo existente através do conceito de “educação bancária”. Nesse contexto,
o currículo tradicional está afastado da situação existencial das pessoas que fazem parte do processo de
conhecer. O currículo deve conceber a experiência dos educandos como a fonte primária para temas
significativos ou geradores. Sua teoria é contestada na década de 1980 por Dermeval Saviani na pedagogia
histórico-crítica ou pedagogia crítico-social dos conteúdos. A educação só será política quando esta permitir às
classes dominadas se apropriarem dos conhecimentos transmitidos como instrumento cultural que permitirá
uma luta política mais ampla. A crítica de Saviani à pedagogia libertadora de Paulo Freire está na ênfase dada
por esta aos métodos e não à aquisição do conhecimento.
Ao analisar as influências da “nova sociologia da educação” sobre os estudos curriculares, Tomaz
Tadeu da Silva salienta que a preocupação da mesma estava voltada para as questões de relação entre
currículo e poder, entre a organização do conhecimento e a distribuição do poder. O currículo é visto como

10
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

uma "construção social”. Basil Bernstein analisa o currículo a partir de duas distinções fundamentais: o
currículo tipo coleção e o currículo integrado. Para o primeiro, as áreas e os campos do conhecimento são
organizados de forma isolada. No segundo, há uma diminuição das distinções entre as áreas do conhecimento.
A classificação determina o que é legítimo ou ilegítimo incluir no currículo. A classificação para Bernstein é uma
questão de poder.
O autor, ao abordar o currículo oculto, analisa-o como sendo aquele que, embora não faça parte do
currículo escolar, encontra-se presente nas escolas através de aspectos pertencentes ao ambiente escolar e
que influenciam na aprendizagem dos alunos. Na visão crítica, o currículo oculto forma atitudes,
comportamentos, valores, orientações etc., que permitem o ajustamento dos sujeitos às estruturas da
sociedade capitalista. Na perspectiva das abordagens sobre diferença e identidade, o currículo multiculturalista
se apresenta como uma possibilidade de abordagem e inclusão dos grupos raciais e étnicos, pois representa
um importante instrumento de luta política. A análise crítica divide o currículo multiculturalista entre as
concepções pós-estruturalista e materialista. Para a primeira, a diferença é um processo lingüístico e discursivo.
Para o materialismo de inspiração marxista, os processos institucionais, econômicos e estruturais, fortalecem a
discriminação e desigualdades baseadas na diferença cultural. Importa compreender como as diferenças são
produzidas através das relações de desigualdade. Para obter a igualdade, é necessário uma modificação
substancial do currículo existente.
As perspectivas críticas sobre relações de gênero e pedagogia feminista passaram a ser questionadas
por não levarem em consideração a questão de gênero e da raça no processo de produção e reprodução das
desigualdades. Nesse contexto, o currículo refletia e reproduzia uma sociedade masculina.
A pedagogia feminista passa a desenvolver formas de educação que levassem em consideração os
valores feministas, para contrapor-se à pedagogia tradicional de valorização do masculino. O currículo é visto
como um artefato de gênero, pois corporifica e ao mesmo tempo produz relações de gênero.
Em relação ao currículo como narrativa étnica e racial, a questão central consistia em compreender e
analisar os fatores que levavam ao fracasso escolar as crianças e jovens pertencentes a grupos étnicos e raciais
minoritários. Na perspectiva critica, o currículo lidaria com a questão da diferença como uma questão histórica
e política, pois não importa apenas celebrara diferença e a diversidade, mas questioná-la. Para a teoria quer, a
identidade sexual, assim como a de gênero, é uma construção social. Para ela, a identidade é sempre uma
relação dependente da identidade do outro. Não existe identidade sem significação, assim como não existe
identidade sem poder. A teoria pretende questionar os processos discursivos e institucionais, as estruturas de
significação sobre o que é correto ou incorreto, o que é moral ou imoral, o que é normal ou anormal.O
movimento pós-moderno toma como referência social a transição entre a modernidade iniciada com o
Renascimento e Iluminismo e a pós-modernidade iniciada na metade do século XX. Questiona as pretensões
totalizantes de saber do pensamento moderno. Nesse contexto, o pensamento moderno prioriza as grandes
narrativas, vistas como vontade de domínio e controle dos modernos. Nesta perspectiva, a pós-modernidade
questiona as noções de razão e racionalidade. Duvida do progresso, nem sempre visto como algo
desejável e benigno. Critica o sujeito racional, livre, autônomo, centrado e soberano da
modernidade.
Para o pós-modernismo, o sujeito não é o centro da ação social. Ele não pensa, fala e
produz: ele é pensado, falado e produzido. Fundamentado em Foucault, Derrida entre outros, o pós-
estruturalismo coloca sua ênfase na indeterminação e na incerteza sobre o conhecimento. Destaca o processo
pelo qual algo é considerado verdade, ou seja, como algo se tornou verdade. Seguindo Derrida, o pós-
estruturalismo questionaria as concepções de masculino/feminino; heterossexual/homossexual; branco/negro;
cientifico/ não científico dos conhecimentos que constituem o currículo. Já a teoria pós-colonial dá ênfase ao
hibridismo, mestiçagem, entendendo a cultura nos espaços coloniais e pós-coloniais como uma complexa
relação de poder onde ambas dominadora e dominada são modificadas. Com as teorias criticas e pós-criticas,
não podemos mais ver o currículo como algo inocente,desinteressado.

As discussões sobre currículo apresentadas até aqui apontam para a necessidade do entendimento
de um conceito mais amplo e complexo, distanciando da concepção de “ apenas conteúdos curriculares”.

Refletindo...
Retorne ao esquema apresentado sobre as teorias de currículo e organize no quadro a seguir as suas

11
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

ideias. Escreva as informações que sintetizem cada tendência curricular.

TEORIAS DO CURRÍCULO FATORES IMPORTANTES

12
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

UNIDADE II
O currículo nas escolas brasileiras

“Lutar pela igualdade sempre que as diferenças nos discriminem; lutar pelas diferenças
sempre que a igualdade nos descaracterize.”
Boaventura de Souza Santos

CURRÍCULO, CONHECIMENTO E CULTURA


Antonio Flavio Barbosa Moreira Vera Maria Candau
Questões referentes ao currículo têm-se constituído em freqüente alvo da atenção de
autoridades, professores, gestores, pais, estudantes, membros da comunidade. Quais as razões dessa
preocupação tão nítida e tão persistente?
Será mesmo importante que nós, profissionais da educação, acompanhemos toda essa discussão
e nela nos envolvamos? Não será suficiente deixarmos que as autoridades competentes tomem as
devidas decisões sobre o que deve ser ensinado nas salas de aula? Para examinarmos possíveis respostas
a essas perguntas, talvez seja necessário esclarecer o que estamos entendendo pela palavra currículo, tão
familiar a todos que trabalhamos nas escolas e nos sistemas educacionais. Por causa dessa familiaridade,
talvez não dediquemos muito tempo a refletir sobre o sentido do termo, bastante freqüente em conversas
nas escolas, palestras a que assistimos, textos acadêmicos, notícias em jornais, discursos de nossas
autoridades e propostas curriculares oficiais.
À palavra currículo ,associam-se distintas concepções, que derivam dos diversos modos de
como a educação é concebida historicamente, bem como das influências teóricas que a afetam e se
fazem hegemônicas em um dado momento.

Diferentes fatores sócio-econômicos, políticos e culturais contribuem, assim, para que currículo venha a
ser entendido como:
(a) os conteúdos a serem ensinados e aprendidos;
(b) as experiências de aprendizagem escolares a serem vividas pelos alunos;
(c) os planos pedagógicos elaborados por professores, escolas e sistemas educacionais;
(d) os objetivos a serem alcançados por meio do processo de ensino;
(e) os processos de avaliação que terminam por influir nos conteúdos e nos procedimentos selecionados
nos diferentes graus da escolarização.
Sem pretender considerar qualquer uma dessas ou de outras concepções como certa ou como
errada, já que elas refletem variados posicionamentos, compromissos e pontos de vista teóricos, podemos
afirmar que as discussões sobre o currículo incorporam, com maior ou menor ênfase, discussões sobre os
conhecimentos escolares, sobre os procedimentos e as relações sociais que conformam o cenário em que
os conhecimentos se ensinam e se aprendem, sobre as transformações que desejamos efetuar nos alunos e
alunas, sobre os valores que desejamos inculcar e sobre as identidades que pretendemos construir.
Discussões sobre conhecimento, verdade, poder e identidade marcam, invariavelmente, as discussões
sobre questões curriculares (Silva, 1999a).
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf
2.1- Indagações ao Currículo
Continuemos nossas discussões a partir da análise do documento “Indagações sobre Currículo”
publicado pelo MEC . O trecho a seguir foi escrito por Moreira e Candau (2007). Solicitamos que tenha
acesso ao documento em sua íntegra no site oficial e enriqueçam cora as informações e discussões.

CURRÍCULO, CONHECIMENTO E CULTURA

13
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Antonio Flavio Barbosa Moreira Vera Maria Candau


Questões referentes ao currículo têm-se constituído em freqüente alvo da atenção de autoridades,
professores, gestores, pais, estudantes, membros da comunidade. Quais as razões dessa preocupação tão
nítida e tão persistente?
Será mesmo importante que nós, profissionais da educação, acompanhemos toda essa discussão e
nela nos envolvamos? Não será suficiente deixarmos que as autoridades competentes tomem as devidas
decisões sobre o que deve ser ensinado nas salas de aula? Para examinarmos possíveis respostas a essas
perguntas, talvez seja necessário esclarecer o que estamos entendendo pela palavra currículo, tão familiar
a todos que trabalhamos nas escolas e nos sistemas educacionais. Por causa dessa familiaridade, talvez
não dediquemos muito tempo a refletir sobre o sentido do termo, bastante freqüente em conversas nas
escolas, palestras a que assistimos, textos acadêmicos, notícias em jornais, discursos de nossas
autoridades e propostas curriculares oficiais.
À palavra currículo,associam-se distintas concepções, que derivam dos diversos modos de como
a educação é concebida historicamente, bem como das influências teóricas que a afetam e se fazem
hegemônicas em um dado momento. Diferentes fatores sócio-econômicos, políticos e culturais
contribuem, assim, para que currículo venha a ser entendido como:
(a) os conteúdos a serem ensinados e aprendidos;
(b) às experiências de aprendizagem escolares a serem vividas pelos alunos;
(c) os planos pedagógicos elaborados por professores, escolas e sistemas educacionais;
(d) os objetivos a serem alcançados por meio do processo de ensino;
(e) os processos de avaliação que terminam por influir nos conteúdos e nos procedimentos selecionados
nos diferentes graus da escolarização.
Sem pretender considerar qualquer uma dessas ou de outras concepções como certa ou como
errada, já que elas refletem variados posicionamentos, compromissos e pontos de vista teóricos, podemos
afirmar que as discussões sobre o currículo incorporam, com maior ou menor ênfase, discussões sobre os
conhecimentos escolares, sobre os procedimentos e as relações sociais que conformam o cenário em que
os conhecimentos se ensinam e se aprendem, sobre as transformações que desejamos efetuar nos alunos e
alunas, sobre os valores que desejamos inculcar e sobre as identidades que pretendemos construir.
Discussões sobre conhecimento, verdade, poder e identidade marcam, invariavelmente, as discussões
sobre questões curriculares (Silva, 1999a).
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf

INDAGAÇÕES SOBRE CURRÍCULO

A publicação Indagações sobre Currículo tem por objetivo promover a reflexão sobre
as concepções de currículo e seus desdobramentos.
A elaboração do material obedeceu a uma metodologia democrática, participativa e
contou com a contribuição de profissionais indicados pelo Consed, Undime e as diversas secretarias do
MEC. O documento também foi debatido em Seminário Nacional realizado em duas edições, no 2o
semestre de 2006.
Professores do Ensino Fundamental, da Educação Infantil e Gestores constituem o público
principal ao qual se dirige este documento. Mas todos estão convidados a conhecê-lo e debatê-lo.
Foram trabalhados cinco eixos organizadores:
1. Currículo e Desenvolvimento Humano;
2. Educandos e Educadores: seus Direitos e o Currículo;
3. Currículo, Conhecimento e Cultura;
4. Diversidade e Currículo;
5. Currículo e Avaliação.
Indagações ao currículo do ensino médio
As indagações não devem ser restritas a um único campo ou eixo. É necessário
que se repense a escola como um todo. Mas nosso foco é discutir a organização do

14
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

currículo a partir do sistema no qual cada instituição esteja organizada, e ainda, acompanhar as políticas
públicas Nesse contexto, existem muitas variantes envolvidas, o que exige um olhar atento a
complexidade da educação.
“Quando se critica a escola básica afirmando ser de má qualidade, logo se pensa em treinar
seus profissionais. Se a prática é de má qualidade só há uma explicação, a má qualidade no
preparo dos mestres. Essa lógica mecânica justifica que todo governo e toda agência
financiadora coloquem como prioridade qualificar e requalificar, treinar e retreinar os
professores.” (Arroyo 1999)

A existência de diretrizes curriculares não garante uma educação de qualidade, nem mesmo o sucesso
do currículo. No Brasil os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN'S foram estruturados com o intuito
de garantir, de certa forma, um fio condutor para a educação. No entanto, a amplitude de sua proposta
deixou os educadores confusos sobre o que ensinar. Os desencontros entre conteúdos e metodologia
tem sido constante no cenário educacional.
Apresentamos a seguir fragmento do texto Desencontros do ensino médio de Cláudio Moura e
Castro, no qual o autor critica a ineficiência das estratégias brasileiras para a solução do problema
educativo.
Sobre o autor: Doutor em Economia pela Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos,e
colunista de Veja, Cláudio de Moura Castro questiona no artigo a seguir o que considera os dilemas atuais
do ensino médio. Vítima de uma escola “descentralizada, heterogênea e superficial”, o aluno
brasileiro,segundo ele, não consegue enxergar sua realidade naquilo que estuda. Faltam estímulo e razão
para se desenvolver e seguir adiante, justamente numa fase da vida “em que se burilam o espírito de
cidadania e a identidade cultural”. Para corroborar seus pensamentos, Moura Castro aponta as falhas e os
méritos da educação nos quatro cantos do globo e descreve as alternativas praticadas em diversos países
para superar e resolver problemas específicos do ensino médio. Para o especialista, o que mudam são as
fórmulas encontradas para lidar com as divergências insolúveis de objetivos. Cada país tem a sua, o que
reflete sua história e cultura.

Dilemas verde-amarelos
Cláudio de Moura Castro é formado em Economia pela UFMG, com mestrado
pela Universidade de Yale.

Os problemas com o nosso ensino médio começam com a invencível heterogeneidade fraqueza do
ensino fundamental. Chegam ao Médio alunos de excelente nível e outros meramente alfabetizados. E como
a matrícula no Médio triplicou nos últimos dez anos, é inevitável que ele reproduza a heterogeneidade do
Fundamental. Como bem sabemos, as piores deficiências estão no ensino do português, das matemáticas e
das ciências naturais. Os alunos chegam com péssima base e 'há um déficit crônico de professores capazes de
ensinar corretamente tais disciplinas. Só esse problema já seria mais do que suficiente para dar pesadelos em
quem se preocupe com a qualidade da educação no Brasil.
Como só há um modelo de escola, todos devem seguir o mesmo currículo. Na prática, acontece outra
coisa. Temos Parâmetros Curriculares Nacionais muito flexíveis e amplos. Sendo amplos demais, não são bons
guias para a maioria das escolas. As escolas públicas, necessitadas de uma boa orientação sobre o que ensinar,
ficam bastante perdidas diante das idéias pouco explícitas dos PCNs. Na prática, ninguém sabe o que deve ser
ensinado, e as autoridades não sabem o que foi ensinado - ao contrário da Inglaterra, onde o assunto de cada
aula é determinado centralmente.
Nas escolas privadas - que poderiam melhor decifrar os Parâmetros - reina supremo o verdadeiro
currículo: o vestibular da universidade federal mais próxima. Isso vale tanto naquelas onde alguns poucos
alunos poderiam almejar aprovação em uma carreira competitiva como na vasta maioria que irá para carreiras
cujo ingresso é mais fácil.
Por tudo que sabemos de teoria cognitiva, o preço de ensinar demais é os alunos aprenderem de
menos. Não deve ser por outra razão que todos os países educacionalmente bem-sucedidos têm graus de
exigência diferentes para os alunos cursando o Médio - ou cursando níveis equivalentes de escolaridade.
Pagamos caro pelo ineditismo da nossa decisão de criar um modelo de escola única.
Os vestibulares das federais (e das estaduais paulistas e paranaenses) são calibrados para escolher,

15
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

dentre o 1% de melhor desempenho, quais irão ingressar em Medicina. Por isso, são exames difíceis e
detalhados.
Entram em minudências e cobrem uma enormidade de temas. O resultado é inevitável. A extensão do
que se pede nos vestibulares migra para o que acontece nas salas de aula do Médio. Se os pais dos alunos das
escolas privadas souberem que a escola não está ensinando tudo o que pode cair no vestibular, o mundo vem
abaixo. Na prática, o inchaço curricular impede que haja qualquer profundidade no tratamento do que é
ensinado.
Como resultado, o aprendizado é superficial e de pouca conseqüência. Não há tempo para aplicar o
que foi aprendido, portanto, não chega mesmo a ser aprendido. É o ensino escravizado ao vestibular.
Como em poucos estados há aferição de qualidade ao fim do Médio, nem sequer sabemos o que foi
aprendido em cada escola. Temos apenas a amostragem do Saeb - que nos dá péssimas notícias para o ensino
dos estados e do país. Mas, mesmo nos estados que aplicam testes em todas as escolas, tais resultados não
são analisados.
Como foi dito, nas privadas prevalece o excesso de ambição do vestibular. Também nas escolas
públicas todos têm o mesmo currículo, como se fosse possível que todos aprendessem o mesmo. Como isso é
impossível, aprende-se muito pouco, pois se perde o foco.
http://www.reescrevendoaeducacao.com.br/

2.2 - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

A elaboração de currículos em qualquer instituição precisa nortear-se pelas legislações vigentes


no país. A Lei de Diretrizes e Bases n° 9394/96 (LDB) explicita, em alguns de seus artigos, balizamentos
curriculares que devem ser seguidos em todo o território nacional:
Art. 9 A União incumbir-se-á de:
IV- estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão
os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum.
Art. 26 Os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, ser
complementada em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar, por uma parte diversificada,
exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela.
Art. 27 Os conteúdos curriculares da educação básica observarão, ainda, as seguintes diretrizes:
I. a difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres dos cidadãos, de
respeito ao bem comum e à ordem democrática;
II. consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento;
III. orientação para o trabalho;
IV. promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não- formais.
Como podemos observar, a União deverá, a partir de diretrizes gerais fixadas pelo artigo 27,
definir diretrizes para a construção de currículos em todo o país. O artigo 26 estabelece que esses
currículos devem ter uma base comum nacional. A definição das diretrizes curriculares e da base comum
nacional ficou a cargo do Conselho Nacional de Educação. Em 1995, o MEC iniciou um processo de
elaboração de Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), com o objetivo de torná-los a base comum
nacional, obrigatória em todo o país. O Conselho Nacional de Educação, no entanto, frustrou essa
expectativa, definindo que os PCN constituem um guia curricular como outros existentes e que eles não
podem ser utilizados para fins de avaliação do sistema educacional. Em 1998, o mesmo CNE definiu as
diretrizes curriculares para a educação fundamental e média (resoluções 02 de 07/04/98 e 03 de
26/06/98).
Os PCN, no entanto, já estavam elaborados e, embora não obrigatórios, vêm sendo adotados por
inúmeras redes de ensino ao longo do país. É, portanto, fundamental que sejam analisados.
Estrutura Geral dos PCN

O documento é norteado pelos objetivos do ensino fundamental, em consonância com as


diretrizes gerais estabelecidas pela LDB apresentadas a seguir:

16
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

• compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e
deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio
às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito;
• posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais,
utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas;
• conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais
como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de
pertinência ao País;
• conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos
socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em
diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e
sociais;
• perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus
elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambiente;
• desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas
capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção social, para
agir com perseverança na busca de conhecimento e no exercício da cidadania;
• conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos
aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde
e à saúde coletiva;
• utilizar as diferentes linguagens - verbal, matemática, gráfica, plástica e corporal - como
meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir das produções culturais, em
contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação;
• saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e
construir conhecimentos;
• questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para
isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando
procedimentos e verificando sua adequação.
Os PCN são um guia curricular organizado por disciplinas e por ciclos. O ensino fundamental é
dividido em quatro ciclos, cada um composto por dois anos letivos. Em cada ciclo, propõe-se que o aluno
cumpra atividades escolares reunidas em torno de disciplinas-língua portuguesa, matemática, ciências,
história, geografia, educação artística e educação física. Essas disciplinas são consideradas fundamentais
para que os alunos possa adquirir o conhecimento relevante e socialmente necessário. Por outro lado, o
documento aponta o fato de que há “questões urgentes que devem necessariamente ser tratadas, como a
violência, a saúde, o uso de recursos naturais, os preconceitos, que não têm sido contempladas por essas
áreas” (Brasil, 1997a, p.23). Como fazer para abordá-las? Os PCN propõem que estas questões
constituam temas transversais que atravessariam todas as áreas. São eles: ética, saúde, meio ambiente,
orientação sexual e pluralidade cultural.
Áreas de Conhecimento
Cada uma das áreas apresentadas na figura constitui um volume do documento e segue a mesma
estrutura:
Caracterização da área: trata-se de uma introdução em que a área é apresentada e na qual se
define o estado atual da discussão sobre o seu ensino.
1. Objetivos gerais da área: são apresentados os objetivos gerais da área, em consonância com
os objetivos gerais do ensino fundamental. Trata-se de objetivos amplos para a área ao longo de todo o
ensino fundamental. Por exemplo, para a língua portuguesa, um dos objetivos gerais da área é: expandir o
uso da linguagem em instâncias privadas (família, amigos etc) e utilizá-la com eficácia em instâncias
públicas, sabendo assumir a palavra e produzir textos - tanto orais como escritos - coerentes, coesos,
adequados a seus destinatários, aos objetivos a que se propõem e aos assuntos tratados.
Cada área de conhecimento será trabalhada ao longo dos 8 anos letivos, divididos em 4 ciclos de
dois anos letivos. Para cada ciclo, os PCN apresentam um guia curricular completo e detalhado

17
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

envolvendo:

1. Objetivos da área para o ciclo:


• São estabelecidos a partir dos objetivos gerais do ensino fundamental e dos objetivos gerais da
área. Trata-se de objetivos mais específicos, explicitando comportamentos esperados do aluno em relação
ao conteúdo da área em cada ciclo.
• São definidos, no documento, da seguinte forma: a partir do reconhecimento das diferenças
existentes entre os alunos, fruto do processo de socialização e do desenvolvimento individual, a escola irá
potencializar as capacidades dos alunos de modo a auxiliá-los a desenvolver, dentro de sua
potencialidade, as capacidades de ordem cognitiva, afetiva, ética, estética e as de relação interpessoal e de
inserção social.
• Por exemplo, para a área de língua portuguesa, 1o ciclo, um dos objetivos é: compreender o
sentido nas mensagens orais e escritas de que é destinatário direto ou indireto: saber atribuir significado,
começando a identificar elementos possivelmente relevantes segundo os propósitos e intenções do autor.
2. Conteúdos da área para o ciclo:
A seleção de conteúdos deve levar em conta sua relevância social e sua contribuição para o
desenvolvimento intelectual do aluno.
• São categorizados em conteúdos de natureza: conceitual (conceitos, fatos e princípios);
procedimental e atitudinal, segundo a distinção estabelecida por Coll.
• Em matemática, são exemplos de conteúdos:
• Natureza conceitual e procedimental: compreensão e utilização das regras do sistema de
numeração decimal para leitura, escrita, comparação e ordenação de números naturais de qualquer ordem
de grandeza.
• Natureza atitudinal: confiança em suas possibilidades para propor e resolver problemas.
3. Critérios de avaliação da área para o ciclo:
• Representam as aprendizagens essenciais ao final de cada ciclo e possíveis à maioria dos
alunos submetidos às condições de aprendizagem propostas, ou seja, são um conjunto de objetivos
comportamentais.
• Apontam experiências educativas a que os alunos devem ter acesso e que são consideradas
essenciais para o seu desenvolvimento e socialização.
• Devem refletir de forma equilibrada os diferentes tipos de capacidades e as três dimensões de
conteúdos.
• Por exemplo, os PCN de língua portuguesa definem, entre muitos outros, o seguinte critério de
avaliação: narrar histórias conhecidas e relatos de acontecimentos, mantendo o encadeamento dos fatos e
sua seqüência cronológica, ainda que com ajuda de outras pessoas.
4. Orientações didáticas:
• Compõem-se da análise das diferentes relações que ocorrem entre alunos- professor-saber e de
diferentes variáveis didáticas presentes no processo de ensino-aprendizagem.
• Em cada área de conhecimento ou tema transversal, as orientações didáticas permeiam as
explicações sobre o ensinar e o aprender, sobre os blocos de conteúdos ou eixos temáticos.
• Em matemática, por exemplo: o professor deve pedir aos alunos que recortem números em
jornais e revistas e façam a leitura deles (do jeito que sabem).
Temas Transversais
Os temas transversais propostos pelos PCN se apresentam como uma alternativa de organização
do conhecimento no currículo. O documento afirma que a organização dos currículos por disciplinas é
incapaz de dar conta de temáticas sociais relevantes. A sociedade e os modos de produção estão cada dia
mais complexos e globais e a estruturação disciplinar do conhecimento deve atender às novas demandas
da sociedade. Dessa forma, os PCN propõem que as temáticas fundamentais para a inserção dos alunos na
vida social sejam tratadas transversalmente, isto é, sejam incorporadas às diferentes disciplinas sempre
que os conteúdos e objetivos a serem trabalhados por essas disciplinas o permitirem.
• Os temas transversais não constituem novas áreas

18
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

• Os temas transversais devem ser integrados às diferentes áreas


• As questões relativas aos temas transversais devem ser explicitamente trabalhadas e conteúdos
de áreas diferentes devem ser utilizados de forma a respondê-las.
2.3 - A escola em Ciclos de Formação
Refletiremos sobre os ciclos a partir das concepções de Miguel Arroyo, por isso, acompanhe a
apresentação do autor...
“Os ciclos não são mais uma proposta isolada de algumas escolas, a nova LDB os legitimou e
estão sendo adotados por muitas redes escolares. Este texto se pergunta pelo tipo de profissional que está
sendo formado nessa modalidade de organização do trabalho pedagógico. A reflexão está estruturada
em duas partes. A primeira reflete sobre o caráter formador do repensar das concepções e práticas de
formação que acontecem na implantação dos ciclos. A segunda parte reflete sobre as virtualidades
formadoras de todo o processo de desconstrução de uma estrutura centrada nas Temporalidades ou
Ciclos do Desenvolvimento Humano,"
Considerando ser este um texto a ser trabalhado na íntegra, sugerimos como atividade prática, que faça
anotações em formato de esquema. Durante a leitura destaque as idéias que são importantes no texto.
Assim ao final terá delimitado a estrutura de seu resumo.

Ciclos de Desenvolvimento Humano e Formação de Educadores


Miguel G. Arroyo

A organização da escola em ciclos está se tomando uma realidade em numerosas redes municipais e
estaduais e no Distrito Federal. Milhares de professores, de dirigentes e técnicos estão empenhados na
implantação dos ciclos. A nova LDB incorporou essa modalidade de organização da educação básica no art. 23,
conseqüentemente os ciclos não são mais uma proposta inovadora isolada de algumas escolas ou redes, trata-
se de uma forma de organizar os processos educativos que está merecendo a devida atenção dos
formuladores de políticas e de currículos, de administradores e de formadores. Por que tanta tensão e
curiosidade?
Observo que a atenção por parte dos professores se deve em grande parte a uma sensação de
ameaça. Estamos tão acostumados com a organização seriada que ela passou a fazer parte de nosso
imaginário escolar. Desde criancinhas nos levaram às primeiras séries, fizemos o curso-percurso subindo por
andares, por séries ou fomos retidos e tentamos de novo subir essas rampas tão escorregadias. Formamo-nos
professores regentes das primeiras séries, licenciados de séries avançadas. Lecionamos por anos na estrutura
seriada, na organização gradeada e disciplinar do trabalho. Para o sistema seriado fomos formados e ele
terminou nos formando e deformando, Trazemos suas marcas em nossa pele, em nossa cultura profissional.
Desconstruir a organização seriada e sua lógica é desconstruir um pedaço de nós. Os ciclos ameaçam nossa
auto-imagem.
Toda nova organização do trabalho educativo traz conseqüências sérias em todos os níveis, sobretudo
em nossa auto-imagem profissional. As pesquisas e a reflexão teórica voltam-se para as propostas pedagógicas
que estão implementando os ciclos. A formação de profissionais da educação básica se pergunta pelo tipo de
profissional que está sendo requerido, ou melhor, que está se formando nessa modalidade de organização do
trabalho pedagógico. Nessas preocupações situo minha reflexão, tendo como referência o convívio direto com
profissionais que estão implantando os Ciclos de Desenvolvimento Humano. Nos seminários e congressos de
professores, nos encontros com dirigentes municipais e estaduais sempre nos colocam as mesmas questões:
como nos preparar para trabalhar com ciclos? Quanto tempo dedicamos à preparação, que cursos oferecemos,
que competências prévias desenvolvemos, como avaliamos se os profissionais estão prontos para iniciar a
organização dos ciclos?
Essas questões refletem uma determinada concepção e prática de formação, muito arraigada na nossa
tradição pedagógica, na formulação de políticas e até na orientação ou filosofia dos cursos de formação e
qualificação. Nas propostas pedagógicas que acompanho e que tem como um dos objetivos organizar os
processos de trabalho em ciclos, a questão da formação de educadores tem centralidade. Várias
administrações criaram ou dinamizaram centros de aperfeiçoamento de seus profissionais e mantêm um
diálogo estreito com as escolas Normais e cursos de pedagogia e licenciatura. Diríamos que as experiências de
ciclo vêm sendo um campo fecundo para repensar concepções e práticas de formação de educadores. Essa é

19
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

uma das questões que trabalho neste texto.


Há um outro tipo de questão que aflora na prática: em que sentido podemos dizer que os professores
e as professoras estão se formando como novos profissionais na medida em que participam da reestruturação
do sistema escolar, de sua lógica seriada e se inserem em um processo de construir outra lógica estruturante
de seu trabalho? Pretendo neste texto refletir sobre os aprendizados que estamos fazendo, os
questionamentos que afloram, a maneira como os próprios educadores se defrontam com sua formação e sua
qualificação, inserindo-se em coletivos de profissionais de ciclos. A prática pode reforçar velhas concepções,
mas pode também questioná-las e, dependendo da natureza das práticas, pode formar novos sujeitos, novos
profissionais.
Divido meu texto em duas partes, na primeira aponto como a organização do trabalho em Ciclos de
Desenvolvimento Humano nos leva a questionar e superar determinadas concepções e práticas de formação e
qualificação, o que provoca um processo formador. Na segunda parte reflito sobre as virtualidades formadoras
de todo o percurso de desconstrução da estrutura seriada e de construção de uma estrutura centrada nas
temporalidades ou nos Ciclos do Desenvolvimento Humano.

Questionando a concepção precedente de formação

Faz parte do pensar mais tradicional que a qualificação dos profissionais se coloque como um pré-
requisito e uma precondição à implantação de mudanças na escola. Daí a pergunta que sempre nos é feita:
quanto tempo demoramos na preparação para a intervenção? Faz parte de nossa tradição. Se pretendemos
introduzir uma nova prática, nova metodologia, um novo currículo ou uma nova organização escolar, a
primeira questão a colocarmos seria quem vai dar conta das inovações e como preparar, capacitar os
professores para as novas tarefas. O caráter antecedente de toda qualificação é aceito como algo
inquestionável, não apenas quando pensamos na formação de professores, como também quando estes
pensam na educação de seus alunos. Qual o sentido do tempo de escola? Ser o tempo antecedente,
precedente à vida adulta, à vida profissional. Aceitamos que ao tempo de fazer terá de preceder o tempo de
aprender a fazer. Ao tempo de intervir, terá de preceder o tempo de aprender, de qualificar-se para intervir
com qualidade.
Sempre nos disseram que o domínio da teoria precede à prática. Essa concepção de educação
precedente polariza a vida em dois tempos: de aprender e de fazer, de formação e de ação. Polariza a teoria e a
prática, o pensar e o fazer, o trabalho intelectual e o manual. Polariza e separa as minorias pensantes e as
maiorias apenas ativas. Essa mesma concepção tem inspirado o pensar a formação e a qualificação de
professores. Tem marcado as políticas e os currículos.
Quando se critica a escola básica afirmando ser de má qualidade, logo se pensa em treinar seus
profissionais. Se a prática é de má qualidade só há uma explicação, a má qualidade no preparo dos mestres.
Essa lógica mecânica justifica que todo governo e toda agência financiadora coloquem como prioridade
qualificar e requalificar, treinar e retreinar os professores. É dominante a idéia de que toda inovação ou
melhoria educativa deve ser precedida de um tempo longo e caro de preparo daqueles que vão implementá-la.
Ninguém ouse dirigir carro nesse trânsito urbano maluco sem antes aprender as leis de trânsito, treinar-se em
longas horas de auto-escola, passar na prova e obter carteira de habilitação. Essa semelhança está tão
internalizada em nosso pensamento pedagógico que passamos meses e anos requalificando, gastamos tempo,
dinheiro e energias treinando para a intervenção sempre ' adiada por falta de preparo adequado.

Na organização dos ciclos não seguimos essa visão precedente de formação. Na medida em que
vamos construindo propostas inovadoras, em que a organização dos ciclos entra como uma das inovações
centrais, fomos questionando essa concepção e essa prática de formação. Fomos questionando o papel dos
cursos e dos centros de aperfeiçoamento. Não separamos a equipe de coordenação pedagógica para planejar
ações e a equipe de qualificação para previamente dar cursos. Não apenas porque essa visão polariza os
tempos de pensar e fazer, de teoria e de prática, os tempos de formação e de ação-intervenção, mas por algo
muito sério, ela carrega uma concepção de educador que prioriza domínios e competências pontuais. Se se
pretende inovar métodos, na visão tradicional, se propõe treinar no domínio de novos métodos. Se se
pretende organizar a escola em ciclos, na visão tradicional, se propõe que aprendam primeiro o que é ciclo,
conteúdos de ciclos, avaliação de ciclo, passagem ou retenção no ciclo etc. Nessa visão tradicional, o

20
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

profissional da educação básica é visto como alguém competente em tarefas, um tarefeiro. Competente em
práticas, um prático. A experiência nos levou a perguntar se quando as tarefas mudam o professor de
educação básica muda. Se quando mudam suas competências, muda seu papel social e cultural. Será que a
cada inovação de conteúdo, método ou organização mudará o papel social da educação, da escola e o papel e
a função social e cultural dos educadores? Defrontando- nos com tais questões, vamos desconstruindo a visão
precedente.
Uma tarefa de formação,
A visão tradicional parece supor que nosso papel muda em cada conjuntura, o que reflete uma visão
pobre da educação básica e dos educadores. Reflete os estragos que a visão tecnicista fez na concepção de
educação básica e na figura social de seus profissionais e de sua formação. Reflete, ainda, os estragos
ocasionados por ela nas políticas de formação, nos currículos, nos cursos e nas instituições formadoras. A visão
tecnicista, utilitária e mercantil desqualificou a educação básica, o papel de seus profissionais e os processos de
sua formação, marginalizou o que há de mais permanente as dimensões históricas que a função de educador
acumulou como tarefa social e cultural, como ofício. Desqualificadas e ignoradas essas dimensões e funções
mais permanentes e históricas, reduziu a educação ao ensino, à transmissão de informações, ao treinamento
de competências demandadas em cada conjuntura de mercado. Desqualificou o próprio ofício de mestres.
O perfil de profissional que restou é esse que estamos formando ou deformando nas últimas décadas.
Todos que temos experiência em cursos de magistério, de licenciatura, de habilitações em administração,
supervisão e orientação, temos experimentado, com pesar, como é difícil pensar nas dimensões mais
permanentes do ofício de mestres, de educadores, como é difícil ler e debater sobre essas dimensões, como os
futuros professores, diretores, supervisores preferem saber o como e o que fazer, diante do novo currículo, da
nova metodologia e da nova organização.
Os futuros profissionais da escola e aqueles que nela trabalham internalizaram a concepção
precedente: só interessa aprender o que os prepare para tarefas concretas, para intervenções pontuais. A
estrutura de muitos currículos dos cursos de formação e de qualificação ainda mantém essa lógica precedente.
Muitos, entretanto, tentam superá-la. As propostas inovadoras que acompanho também tentam. Veremos
como.
O que pretendo destacar é que o questionamento dessa concepção precedente de formação, a
tarefeira, pode ser um tempo de qualificação. Um tempo a ser explorado pedagogicamente, redefinindo
imagens de formação e sobretudo auto-imagens de professor qualificado. Pode ser um tempo propício para
redefinir até preconceitos que existem no interior da categoria. Lembro-me que em um dos debates uma
professora ponderou:
Agora entendo melhor porque somos divididos em categorias, não pelo que fazemos, nem pela
competência que temos, mas pela formação precedente e pela titulação. As professoras P1 somos
consideradas de segunda categoria, sem prestígio, com piores salários e com menores possibilidades de
avançar na carreira, apenas porque somos diferentes na titulação, ainda que sejamos tão competentes na
qualificação adquirida no trabalho. De fato, a centralidade dada à formação precedente condiciona o ser
profissional. Equacioná-la devidamente pode nos ajudar a superar preconceitos. Pensemos em outras questões
levantadas e que preocupam os professores.

Como definir o perfil de educador?


Outra questão que nos é colocada com freqüência quando apresentamos a organização por ciclos:
como definir as competências, as incumbências, o perfil de professor que dará conta da organização escolar
por ciclos? Antes de organizar os cursos, é definido esse perfil? Que cursos, matérias, carga horária são
necessários?
No processo de elaboração e implementação das propostas pedagógicas nas redes municipais e
estaduais e no Distrito Federal também surgiram essas preocupações. Cada profissional parecia perguntar-se:
que profissional devo ser agora? Que competências devo dominar para dar conta da minha turma, do meu
ciclo, da nova organizado escolar?
A maneira mais tradicional de responder a essa questão seria a seguinte: se a nova LDB no seu art. 23
sugere que o sistema escolar seja organizado em ciclos, que profissional ela propõe para dar conta dessa nova
organização escolar? A própria LDB define as competências necessárias e as condições para a implantação dos
ciclos? Existe algum parecer oficial, alguma resolução que defina essas competências e essas condições? Com

21
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

base nesse levantamento, poderíamos equacionar os cursos de formação e requalificação necessários para
termos profissionais capacitados para implementar a nova organização escolar. Seguindo nossa tradição,
deveríamos esperar que algum parecer dos conselhos listasse as competências a serem formadas e até
definisse a carga horária, as matérias, o número de alunos por turma, se devemos reter no meio ou no final do
ciclo... Toda inovação deveria ser decretada, tutelada, regulamentada, autorizada.
Rotulo de tradicional essa forma de pensar a formação de profissionais da educação básica porque é
com essa lógica que temos equacionado em nossa tradição pedagógica as políticas de formação, os currículos
e as competências requeridas dos mestres. Estes aparecem como super-heróis que em cada conjuntura, em
cada cena do filme, tem de dar conta das novas competências, dos novos conhecimentos, conteúdos e
técnicas, das incumbências (termo comum usado nos pareceres oficiais dos conselhos) que lhes são atribuídas
pelas leis, pelas reformas curriculares, pelas políticas oficiais, ou, como agora se diz, demandadas pelos
avanços da sociedade do conhecimento, da informática e das tecnologias. Nessa lógica, pensar nos currículos e
nos cursos de formação será readaptá-los ao sempre inconcluso propósito de preparar os mestressuper- heróis
da escola, capacitá-los para dar conta do novo filme, das novas (sempre novas e tão velhas!) “incumbências
atribuídas pela lei".'
As propostas pedagógicas que acompanho e que estão organizando a escola em Ciclos de
Desenvolvimento Humano não têm seguido essa lógica na formação de professores, ao contrário, tentam
superá-la. Do processo de superação procuramos fazer um tempo de re-qualificação. Na medida em que
avançamos na implantação dos ciclos, percebemos que não é esse o melhor caminho para definir o perfil do
educador. Que lógica tradicional é essa? Ajuda-nos a equacionar o profissional que vem se formando no
processo de organização da prática educativa em ciclos?
Entender bem essa lógica tradicional é importante para hão cair nela, para superá-la. É uma lógica
dedutiva. Temos de reconhecer que tal lógica vem nos colocando por décadas no mesmo beco sem saída.
O grave é que gestores de políticas e pareceres de dignos conselheiros continuam presos a essa lógica
dedutiva. Os primeiros parágrafos dos pareceres iniciarão lembra, >do que a nova legislação educacional
brasileira corporificada nos estatutos legais (enumeram-se os estatutos legais) atribui aos professores de
educação básica tais incumbências (enumeram-se com detalhes). Conseqüentemente, conclui-se que a
formação de um profissional capaz de exercer plenamente e com a devida competência as atribuições que lhe
foram legalmente conferidas deverá seguir tal currículo, com determinada carga horária, em determinados
níveis e centros de formação, ou que ele deverá freqüentar tais cursos de requalificação. Cumpridos os dignos
pareceres, só nos resta esperar no fim da linha, e os centros de formação lançarão no mercado a cada ano, em
solenes formaturas, os profissionais que a sociedade e a escola esperam e que as leis e políticas decretaram.
Como lógica parecerista, perfeita, porém distante da lógica social. Porquê? Esse pensar dedutivo
parece supor que os estatutos legais, as políticas, as normas criam a realidade social, que os papéis e as
funções sociais podem ser definidos e modificados com políticas e normas, a cada demanda, em cada
conjuntura histórica como o mocinho muda de papel em cada cena do filme, dependendo do script definido.
Parece supor ainda que propondo um script novo, uma nova forma ou formato curricular e colocando a massa
informe dos formandos e treinandos nesse formato formaremos novos papéis sociais para novas práticas.
Insisto, não se implantarão propostas inovadoras listando o que queremos inovar, listando as competências
que os educadores devem aprender e montando cursos de treinamento para formá-los. Uma vez formados,
teremos novos profissionais inovadores e poderemos iniciar tranqüilos as propostas? Uma visão ingênua que
ao longo das experiências vamos redefinindo e superando.
Esse sonho de criar novos papéis sociais atribuindo incumbências, propondo formatos, é muito antigo.
Quantos manuais desde o Medievo e o Renascimento se propuseram a formar o bom menino, o perfeito
monge, o heróico militar, o digno príncipe, a perfeita casada e até o bom selvagem? Pouco sabemos da eficácia
desses manuais na conformação de crianças, de monges, de militares, de príncipes, de casados e de casadas e
de bons selvagens. Faz muito tempo que esses manuais saíram de moda e a crença de que é por aí que se
conformam papéis sociais, também. Por que manter essa crença quando pensamos na formação de
professores?
Poderíamos fazer pesquisas históricas para entender porque apenas quando pensamos e decidimos
sobre o ofício dos mestres da educação básica mantemos esse pensamento tão ingênuo. Será porque
identificamos tanto as professoras com a infância que terminamos por infantilizá-las ou tratá-las como
crianças, sempre inacabadas? Será porque a maioria são professoras, mulheres? Haveria um viés de gênero?
Sobre a formação de outros papéis sociais não temos essa postura, nem sequer em relação aos professores de

22
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

educação superior, e menos ainda em relação aos médicos, advogados, engenheiros... Deixamos que esses
papéis se conformem na dinâmica social após titulados ou diplomados. Avançando na implantação dos Ciclos
de Desenvolvimento Humano, essa lógica dedutiva e essa ingênua pretensão de redefinir os papéis de
profissionais da educação básica vão ficando mais desencontrados com o sentido das propostas pedagógicas.
Na medida em que outro profissional vai se explicitando, percebemos o que há de mais permanente no ofício
de mestre. A experiência de reorganizar a estrutura escolar nos defronta com velhos papéis sociais e culturais.
Os professores se reencontram com outras identidades. Isso é formador.

É curioso constatar que é no campo da formação de profissionais de educação básica onde mais
abundam as leis e os pareceres de conselhos, os palpites fáceis de cada novo governante, das equipes técnicas,
e até de agências de financiamento, nacionais e internacionais. Na formação de profissionais do magistério
superior, ou para as áreas de saúde, engenharia, direito, arquitetura, não se adota a mesma lógica dedutiva,
nem se prescrevem e modificam com tanta facilidade as atribuições e incumbências por meio de leis e
pareceres. É outro olhar sobre a construção histórica desses papéis sociais. Os próprios profissionais, suas
corporações, suas organizações representativas têm peso, são guardiões de seu ofício, de seu ethos, de sua
qualidade e sua identidade. Participam na definição de sua qualificação e colaboram. Essa história vem de
longe e é respeitada. Uma história bem diferente do trato dado à formação de professores de educação básica,
do trato dado ao ofício tão antigo, mais do que esses outros ofícios, de educar crianças, adolescentes e jovens.
A forma como esse ofício é tratado nas políticas é como se fosse um fazer e pensar indefinido, deformado.
Cada governante, legislador ou conselheiro, cada tecnocrata de banco se julga no direito de conformá-lo à
mercê de cada demanda conjuntural.
Não é ingênuo pensar que as atribuições listadas em cada nova lei, nova política, novo parecer
possam, por um passe de mágica, alterar o histórico ofício de mestre que os professores repetem? É curioso
com que facilidade cada lei ou parecer lista novas atribuições com a pretensão de formar um novo perfil, mais
moderno e atualizado de educador. O grave não ê, apenas, essa ingênua pretensão. O grave é confundir a
função histórica de educador com detalhes, com capacidades de elaborar o projeto de escola, por exemplo, ou
com aprender as técnicas de condução de uma reunião com as famílias, ou aprender novos critérios de
enturmação, de avaliação, de aceleração. É grave porque distraídas as leis e os pareceres com detalhes, os
currículos, as pesquisas e as políticas de formação não chegam ao cerne do ofício de mestres, do papel social
de educador, do que é a qualidade constitutiva, do que é historicamente identitário do pensar e agir
educativos. É isso que deve ser formado e qualificado. Outra concepção e outra prática de formação.
O permanente no ofício de mestre
As propostas pedagógicas que acompanho não equacionam a formação e a qualificação dos
professores segundo essa lógica tradicional. Ao contrário, pretende-se superá-la. Partimos de outro olhar, de
outra concepção do ofício de mestre, do educador, do sempre velho e sempre novo papel de pedagogo. A
hipótese que nos orienta é a de que os profissionais da educação básica estão mais feitos do que essa lógica
dedutiva supõe; de que a melhor estratégia é partir da formação que eles já têm, assumir que a função de
educador carrega dimensões definidas socialmente, partir do que há de permanente nesses velhos papéis
sociais. É outra lógica para a formação dos profissionais da educação básica.

O ofício de mestre é anterior à escola e nela se reproduz. Foi se conformando ao longo da história,
acompanhando os lentos processos de desenvolvimento humano, os processos civilizatórios e educativos, as
tensões sociais, culturais e políticas. De lá vêm nossos mestres ancestrais. Sua configuração social e cultural
situa-se nos tempos de longa duração. Cada educador dificilmente consegue fugir de ethos, estilos, culturas,
práticas, identidades que têm uma longa história. O ofício de mestre, inclusive mestre-escola, se confundiu e
ainda se confunde com outros ofícios próximos, presentes em todas as culturas. Os sempre presentes
condutores da infância, os pedagogos, os iniciadores nas culturas, nos saberes, valores, métodos e crenças. Os
socializadores, formadores de hábitos e condutas, sistematizadores do conhecimento.
Funções sociais e culturais que permanecem tão parecidas, tão constantes, herdando saberes e
técnicas, por vezes resistindo a atribuições legais, a rotinas burocráticas. Resistindo porque sua formação
histórica se materializou em práticas, símbolos em tecidos e tramas, em complexas redes sociais e escolares
por onde passa a construção do conhecimento e da cultura.
Em vão pretender alterar com pareceres, com listagem de atribuições e incumbências um ofício tão

23
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

definido historicamente, tão parecido em todas as culturas e em todas as instituições educativas. Um ofício
tornado público, situado no campo dos direitos. Quem não constatou que todas as escolas são tão próximas
em lugares tão distantes, em formações sociais tão diversas? Os tecidos do desenvolvimento humano, da
cultura e do conhecimento são tão próximos! E o ofício de mestre também.
Penso que uma das tarefas urgentes das pesquisas e análises, das políticas e dos currículos de
formação é superar a visão tradicional e avançar em outro olhar que leve as pesquisas, teorias, políticas e
currículos na direção do que há de mais constante, mais permanente no velho e sempre novo ofício de educar,
de humanizar, de formar as mentes, os valores, os hábitos, as identidades, de produzir e aprender o
conhecimento. Não é essa a função social e cultural da educação básica e de seus mestres? Não é esse o sub-
solo, tão denso quanto tenso, no qual sempre se situou o ofício de mestre, a função pedagógica?
Situados nessa perspectiva, podemos equacionar a formação dos professores para a implantação dos
Ciclos de Desenvolvimento Humano, tentando explorar as proximidades existentes entre o que é constitutivo
do ofício de mestre, as velhas e renovadas funções educativas, o permanente em toda ação cultural e
educativa. Como? Tentando aproximar a concepção de ciclo dos estreitos e históricos vínculos entre educação,
formação e desenvolvimento humano.
Na medida em que a organização da escola e do sistema escolar vai sendo questionada, percebemos
que sua estrutura, as séries, as grades, as disciplinas, a organização dos tempos, espaços e do trabalho
materializam uma determinada concepção de educação básica e de seu profissional, conseqüentemente
exigem capacidades adequadas a essa estrutura. Levados por esse caminhar nos defrontamos com as grandes
questões e as permanentes dimensões da formação dos educadores, da configuração de seu papel social e
cultural.
Na implantação das propostas pedagógicas que se empenham em organizar a escola por ciclos,
percebemos que é reforçado o que há de mais permanente na função social e cultural dos profissionais da
educação. Não se trata de acrescentar novas incumbências a serem treinadas previamente, mas de criar
situações coletivas que propiciem explicitar e cultivar o papel, os valores e saberes educativos que cada
educador já põe em ação em sua prática, nas escolhas que faz cada dia no trato com os educandos. Preferimos
nos basear no acúmulo de saberes, pensamentos e valores que informam o que há de mais educativo no ofício
de mestres, que todos cultivam na diversidade de práticas, de culturas e identidades de cada um.
Cada professor, os coletivos de profissionais carregam cada dia para a escola uma imagem de
educador que não inventam, nem aprenderam apenas nos cursos de formação e treinamento. É sua imagem
social, é seu papel cultural, são formas de se relacionar como adultos com crianças, adolescentes ou jovens.
São aprendizados feitos em outros papéis sociais: no convívio e no cuidado com irmãos e irmãs, nos papéis de
parentes, avós, pais e mães, no aprendizado feito nos grupos de idade, nas amizades, nos movimentos sociais,
nas organizações da categoria, nas experiências escolares, nas relações dos tempos de formação, no
aprendizado de ser criança, adolescente, jovem e adulto. A nova LDB em seu art. 1o coloca a educação e a
formação nessa pluralidade de vivências sociais e culturais, de aprendizados. Fomos acumulando saberes,
valores, formas de diálogo, de relações, de intercâmbios que levamos para o que há de mais permanente e
definidor de toda ação educativa: ser uma relação, um diálogo de pessoas, de sujeitos sociais, culturais, de
gerações. Na prática educativa socializamos os aprendizados que fizemos e fazemos, que a sociedade
acumulou, que nós acumulamos como indivíduos e como coletivo.
Organizar os processos educativos em Ciclos de Desenvolvimento Humano ou tendo como eixo o
desenvolvimento humano, suas temporalidades, nos situa ou ressitua nessas dimensões mais permanentes do
fazer educativo, do ofício de educadores. Conseqüentemente, não se trata de acrescentar novas competências
a serem previamente treinadas, mas de voltar o olhar dos mestres para essas dimensões, para esse lastro de
competências, de saberes e valores acumulados e freqüentemente marginalizados e ignorados nos programas
de qualificação. Diríamos que o melhor processo de formação é explicitar, trazer à tona essas dimensões
permanentes soterradas sob os escombros e o entulho burocrático, rotineiro de atribuições acidentais. Trata-
se de inverter prioridades. Priorizar as dimensões constitutivas do ofício de mestres, secundarizar o que
soterrou essas dimensões. Deixar que aflore e seja assumido o educador que há em cada profissional
da escola, que seja assumida a qualificação que carrega cada coletivo de professores. Criar um clima
propício ao reencontro com sua identidade, com os saberes coletivos que vêm de longe e que foram
aprendidos em múltiplas relações humanas e educativas. Trabalhar as competências coletivas nas práticas em
que se expressam. Por aí nos afastamos da estreita, antecedente e treinadora concepção de formação e
qualificação. Afastamo-nos de uma concepção pontual, conjuntural de qualificação e do ofício de educador,

24
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

sempre incerto, mutável, à mercê da última lei, da última reforma, do ultimo currículo ou didática.
O complexo processo histórico de construção de papéis sociais, do papel de pedagogo, educador ou
mestre não se altera com normas, políticas, intervenções pontuais. Estas passam e com elas passa a ilusão de
gestores e teóricos. As dimensões configuradas lentamente para ofícios que fazem parte de uma longa história
de humanização e formação humana permanecem. É aí que pretendemos amarrar a qualificação dos
educadores.
O que estou sugerindo é que a tentativa de organizar o sistema escolar por Ciclos de Desenvolvimento
Humano nos foi levando a descobrir e mexer nas dimensões mais constitutivas do ofício de mestres, e não
apenas em novas atribuições e incumbências. Em outros termos, dependendo do patamar em que coloquemos
a organização por ciclos, poderemos estar tocando níveis mais superficiais ou mais profundos da escola e do
perfil de educador. Chegamos a um ponto importante para equacionar a formação de professores e a
organização dos ciclos. A questão que se coloca é se a organização dos ciclos nos leva ou não ao encontro
dessas questões de fundo, se tocamos na visão de educação básica, do papel social e cultural de seus
profissionais, ou a concepção de ciclos que em muitas redes está sendo implantada nos deixa na periferia, na
epiderme dessas questões de fundo, nos desvia dessas questões para nos preocupar apenas com com-
petências pontuais.

Concepções de ciclo que deformam


As expectativas quanto à organização da escola em ciclos nem sempre são coincidentes, as
experiências vêm sendo bastante variadas e até desencontradas. Estão sendo implantados ciclos que não
passam de amontoados de séries, ciclos de progressão continuada, ciclos de competências, de alfabetização -
por exemplo os CBAs -, como poderíamos ter ciclos de “matematização” ou do domínio contínuo de quaisquer
outros conteúdos, habilidades e competências, ciclos de ensino-aprendizagem das disciplinas e até ciclos do
antigo primário e do antigo ginásio. Na maioria dessas propostas a lógica seriada não é alterada, por vezes é
reforçada, apenas o fluxo escolar pode ser amenizado com mecanismos de não reprovação, de aceleração ou
de adiamento da retenção. Devemos perguntar-nos em que o perfil de professor muda nessas concepções de
ciclo: elas formam ou deformam?
Nessas concepções de ciclo pouco há a mudar no perfil de professor, apenas algumas sensibilidades e
habilidades novas que podem ser adquiridas em cursos de treinamento antes da implantação desses ciclos ou
no processo. Se a concepção de educação básica e a lógica que estrutura os processos educativos na escola
praticamente não são alteradas, o perfil de profissional será o mesmo e as habilidades e competências serão
praticamente as mesmas com pequenos retoques no percurso. Ai tem sentido apenas um treinamento
precedente. O que estou sugerindo é que há uma correspondência entre o profissional que queremos e
formamos e a concepção de educação básica que a lógica da instituição escolar objetiva ou materializa. Se essa
lógica e essa concepção se mantêm inalteradas ainda que falemos em ciclos, não há como pensar em outro
profissional nem em outras propostas para sua formação. Pequenos retoques serão suficientes.
A história das reformas mostra essa correspondência quase mecânica entre a lógica estruturante dos
sistemas escolares, a concepção de prática de educação básica, o perfil de professor e as ênfases em sua
formação. Tivemos e temos inúmeras reformas e políticas que quase nada inovam na lógica estruturante do
nosso sistema escolar, nem na concepção utilitarista e credencialista de ensino. Conseqüentemente, o perfil de
professor e as propostas para sua formação pouco têm mudado nas últimas décadas, e podemos supor que
pouco vão mudar apenas trocando série por ciclo. Que diferença há além do nome entre o antigo primário (1a a
4a), e o que várias administrações hoje passaram a chamar de 1o ciclo? Que diferença há entre o que por
décadas foi identificado como ginásio (5a a 8a) e hoje passam a chamar de 2° ciclo?
Nesses retoques, mais nominais do que reais, pouco há a pensar sobre a formação do profissional da
organização por ciclos. Em realidade, essas administrações estão brincando de mudanças apenas trocando
nomes. Os profissionais já perceberam esses truques pouco sérios. Agregar as séries do antigo primário em um
ciclo e as séries do antigo ginásio em outro ciclo, em vez de contribuir para a construção de uma organização
única de educação fundamental, que ainda não temos, pode significar um recuo à estrutura escolar
preexistente à lei 5.692, de 1971. Um retrocesso lamentável. Uma irresponsabilidade histórica.
Esses arranjos em ciclos em nada contribuirão para uma dívida antiga: formar um profissional único de
educação fundamental; ao contrário, atrasará uma necessidade que é urgente, formar profissionais que
tenham uma concepção única, uma formação orgânica com todo o percurso da educação fundamental. Essa

25
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

divisão inconseqüente o direito à educação fundamental nas velhas divisões - 1a a 4a e 5a a 8a - continua


norteando os PCNs. Tudo segue os velhos blocos pré-5.692/71: currículos para 1a- 4a (1o ciclo), currículos para 5a-
8a (2o ciclo), formação de professores para as séries iniciais de um lado, e formação de professores para 5a-8a, e
ensino médio, de outro. Que retrocesso lamentável.
Sabemos, e não há como ocultar, que essa agregação do antigo primário em 1o ciclo e do antigo
ginásio em 2o ciclo tem uma motivação administrativa: municipalizar o antigo primário. Podemos ainda
suspeitar que essa lamentável estrutura de ciclos termine por reduzir o direito popular à educação
fundamental apenas a quatro séries, o dito 1o ciclo. Há outra concepção oficial: implantar os ciclos,
amontoados de séries, para acabar com a retenção, acelerar o fluxo, ou acabar com a defasagem idade-série
em nome do respeito à diversidade de ritmos de aprendizagem, com processos mais leves de avaliação
contínua, ao longo do ciclo. Essa visão de ciclos em nada mexe com as velhas concepções de educação e de seu
profissional, antes as reforça e desqualifica. A pergunta que devemos nos fazer é se essa concepção de ciclos
não desqualifica o papel de educador e a sua formação. Nessa visão tão simplista de ciclo tem sentido
estruturar algumas horas, para que os professores aprendam algumas competências “novas”, para lidar com
"ciclos”; para que aprendam como organizar turmas, como selecionar conteúdos do programa, como avaliar
avanços, ritmos diferenciados, progressão contínua, como não reprovar mas acelerar os lentos, como agrupar
por ritmos de aprendizagem, como normalizar o fluxo escolar, como enturmar, separar os lentos e defasados
em turmas de aceleração... Se as mudanças não passam de retoques pontuais na velha lógica seriada, terá
sentido preparar antes, e será fácil e rápido preparar antes os professores para que estejam aptos a fazer essas
correções de rumo em. um sistema que continua inalterado em sua lógica e estrutura e na concepção de
educação básica que o inspira. Podemos estar fazendo apenas uma caiação que oculte e adie os crônicos
problemas, sem mudar o papel da escola e de seus profissionais, sem acrescentar nada novo a sua qualificação.
Essa concepção de ciclo pode estar deformando e não formando um novo perfil de educador.

Requalificando dimensões permanentes de nosso ofício


Entretanto, há propostas pedagógicas assumidas por profissionais das redes municipais e estaduais e
por suas administrações que tentam dar conta de outra concepção de organização da escola por ciclos, e se
perguntam como questão fundamental que concepção de ciclos deve orientar a nova organização.
Entendemos que essa concepção é inseparável do avanço do direito à educação básica, ou do direito ao pleno
desenvolvimento de todos nós como seres humanos. Essa é a visão dominante na nova LBD (art. 2º e 22°) e
essa é a visão que nos orienta ao buscar um novo ordenamento, uma lógica estruturante do sistema escolar e
da escola que dê conta dessa concepção de educação básica universal. Nesse quadro de preocupações, ciclo
não é um amontoado ou conglomerado de séries, nem uma simples receita para facilitar o fluxo escolar, acabar
com a reprovação e a retenção, não é uma seqüência de ritmos de aprendizagem. É mais do que isso. É uma
procura, nada fácil, de organizar o trabalho, os tempos e espaços, os saberes, as experiências de socialização
da maneira mais respeitosa para com as temporalidades do desenvolvimento humano. Desenvolver os
educandos na especificidade de seus tempos-ciclos, da infância, da adolescência, da juventude ou da vida
adulta. Pensamos em Ciclos de Formação ou de Desenvolvimento Humano.
As idades da vida, da formação humana passam a ser o eixo estruturante do pensar, planejar, intervir e
fazer educativos, da organização das atividades, dos conhecimentos, dos valores, dos tempos e espaços.
Trabalhar em um determinado tempo-ciclo da formação humana passa a ser o eixo identitário dos profissionais
da educação básica e de seu trabalho coletivo e individual.
0 profissional passa a se ver como um educador, um pedagogo, um adulto que tenta dar conta dessas
temporalidades do desenvolvimento humano com suas especificidades e exigências. A escola é vista como um
encontro pedagogicamente pensado e organizado de gerações, de idades diferentes. Outra concepção de
educação, outro profissional, logo, outros mecanismos para sua formação, outras dimensões a serem
privilegiadas.
Nesse quadro de propostas inovadoras, em que a superação da lógica seriada e a procura de uma nova
lógica estruturante passam a ser um dos eixos inovadores, tem sentido colocarmos as questões que o tema
aponta: que perfil de profissional vem se constituindo, formando na organização do trabalho pedagógico por
Ciclos de Desenvolvimento Humano? Que traços, que saberes, que sensibilidades, que valores, que
capacidades de escolha, que fazer pensado vão se perfilando como domínios desse profissional da educação
básica? Como pensar pedagogicamente esses processos de formação? Essas questões acompanham todos os

26
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

tempos de elaboração e implementação das propostas.


Uma das sensibilidades que vão se perfilando nos educadores que se empenham na organização da
escola por Ciclos de Desenvolvimento Humano é em relação ao sentido da educação básica. As propostas
pedagógicas que acompanho - antes de estarem preocupadas com a reprovação, com o fluxo escolar, com
acabar com as séries - estão preocupadas em recuperar a concepção de educação básica como direito ao
desenvolvimento humano, à realização humana. É a tradição que vem da paideia, da Renascença, do
humanismo presente na Ilustração, radicalizado nas lutas pelos direitos sociais, pela emancipação humana e
pela igualdade e diversidade. Nessa longa trajetória, foi se constituindo o perfil de pedagogo, educador, no que
tem de mais permanente. Foi se perfilando historicamente o ofício de mestre-educador. Essas figuras que
teriam de dar conta dos grandes questionamentos humanos.
As propostas pedagógicas que estruturam a escola em Ciclos de Desenvolvimento Humano se
colocam como questão fundamental repensar a concepção e a prática de educação básica que estão presentes
em nossa tradição e na estrutura seriada que as materializa. Essa tarefa é permanente.
A organização por ciclos é apenas uma conseqüência da mudança na concepção e na prática de
educação básica. O perfil de educador e sua formação são apenas uma conseqüência dessa mudança.
Recuperando os vínculos entre concepção de educação básica, de ciclo e de educador, estaremos colocando a
formação de educadores em patamares mais permanentes, aproximando-nos do que há de mais definidor no
pensar e fazer dos professores. Fugimos de treinamentos pontuais e precedentes.
O educador que formamos tem tudo a ver com a concepção de educação básica que inspira os
currículos, a didática, a organização escolar. A concepção de organização da escola em ciclos vai depender da
concepção de educação básica que nos orienta. Penso que não podemos interpretar o art. 23 da nova LDB, que
propõe a organização por ciclos, sem referi-lo ao art. 22o e aos art. 1o e 2o, nos quais a LDB afirma sua
concepção de educação. Pensar em organizar a escola em ciclos sem referi-los à concepção de educação básica
tão afirmada na nova lei não tem sentido.
É verdade que a LDB tem inúmeras ambigüidades em relação à concepção de educação porque opta.
Entretanto, não me parece exagero dizer que ela se afasta radicalmente da concepção utilitarista, mercantil,
credencialista e propedêutica tão marcante na lei no 5.692/71. A nova LDB recupera uma concepção mais
ampliada de educação. O art. 1o abre nosso olhar de educadores e vincula a educação à multiplicidade de
processos formadores em que nos constituímos, socializamos, aprendemos, nos tornamos sociais, culturais,
humanos. Retira a educação da estreiteza do mercado, do domínio de destrezas e habilidades para situá-la no
campo da formação humana. Os art. 2o e 22o são ainda mais explícitos, afirmando que a finalidade da
educação é o pleno desenvolvimento dos educandos. Situa como tarefa da educação desenvolver os
educandos como seres humanos em sua plenitude, recuperando a velha tradição humanista que identifica
educação com humanização. Coloca o cerne do direito à educação básica no campo dos direitos do ser
humano a se desenvolver como humano. Uma visão bem distante da prática das últimas décadas, que reduziu
o direito à educação a receber da escola as credenciais e competências demandadas pelo mercado seletivo.
Preparar para a empregabilidade.
A nova LBD nos diz que os educandos têm direito a mais. Nesse algo a mais tem sentido pensar em
Ciclos de Desenvolvimento Humano,em temporalidades da formação humana, ou em tentar organizar a escola,
os conteúdos, os tempos e espaços, os rituais de avaliação, a organização do trabalho dos mestres e
educandos para darem conta dos tempos, dos ciclos de desenvolvimento dos educandos. Insisto que essa
concepção da LDB está distante da concepção estreita de ciclos reduzidos a amontoados de séries, ciclos de
progressão, de conteúdos, ciclos de alfabetização, ciclos para facilitar o fluxo, para não reter etc. Essas
concepções não dão conta da radicalidade em que a nova LDB e todos os humanismos pedagógicos situaram a
função social e cultural da educação básica e o perfil de educador.
Sendo fiéis a esses humanismos pedagógicos, levando a organização por ciclos a essa radicalidade,
entendemos as virtualidades formadoras para os professores que se engajarem nessa construção. Organizar a
escola em Ciclos de Desenvolvimento Humano vai significando que todos repensemos nossa concepção de
educação e repensemos o papel, o perfil, a função social do educador. Significa repor nosso ofício em outros
patamares, descobrirmo-nos profissionais do pleno desenvolvimento humano. Entendermos as
temporalidades, os ciclos da formação humana, assumirmo-nos profissionais do desenvolvimento humano,
requalificarmo-nos, recuperando dimensões permanentes em nosso ofício de mestres. Participar desse
processo é formador, é ressignificar pensamentos, valores, sentimentos, imaginários, auto-imagens. É redefinir
competências, práticas, capacidades de fazer escolhas. É encontrar outro sentido para o próprio ofício de

27
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

mestre e a própria existência humana. É interessante acompanhar todo o processo de elaboração e


implementação das propostas pedagógicas que tentam recuperar outra concepção de educação básica e
tentam uma organização escolar que dê conta do desenvolvimento humano, de seus ciclos. Esse processo é
concomitante a um movimento de confronto com pensamentos, valores, representações, culturas escolares e
profissionais. É um confronto com a própria imagem de educadores. Há uma tensa desconstrução-construção
de referências, de culturas. Há um tenso processo de desenvolvimento humano, social, cultural dos
professores. Há uma formação concomitante. É freqüente ouvirmos de professores que participam de
coletivos de profissionais de ciclo: não foi fácil, perdemos o chão, o tapete de nossa cultura seriada, mas nos
fizemos outros, não somos os mesmos, não dá para voltar atrás. Somos outros e outras como professores e
como pessoas.
Possivelmente este seja um dos produtos mais fortes dessas propostas pedagógicas, não pretendem
mudanças pontuais, não têm por finalidade reprovar ou passar todo mundo, introduzir esta ou aquela temática
nas grades curriculares, avaliar desta ou daquela maneira. Não é fácil, mas muitos profissionais pretendem
como coletivos ir mais fundo: buscar um novo sentido ou reencontrar velhos sentidos no seu ofício e na função
social e cultural da escola. Penso ser esta a visão mais radical de formação presente na nova LDB, na medida
em que recoloca.a educação nos processos de desenvolvimento e formação humana e propõe uma nova
organização de escola para dar conta das especificidades de cada tempo-ciclo de desenvolvimento dos
educandos. Essa visão mais radical da educação básica é o caminho para encontrar o sempre velho e sempre
novo perfil e sentido do ofício de mestres. Estes têm o direito de ir às grandes questões que dão sentido a seu
pensar e fazer. Questões que os requalificam porque são as mesmas que o ser humano sempre se colocou, que
procurou responder, que aprendeu a responder, ou para as quais não encontramos respostas prontas.

UNIDADE
A proposta de estruturação da escola em ciclos é coerenteIII
e pertinente. No entanto, o autor nos chama
Caminhando entre teoria e prática
a atenção para os retoques que são feitos no cotidiano da escola educativa
com o intuito de adequar-se a
proposta sem perder a direção anterior do currículo seriado.

“Devemos desconfiar da certeza fácil de que aquilo que é ensinado é aprendido. Ou de


aquilo que é transmitido é assimilado.” (GALLO, 2003,p.102).

3.1-Análises preliminares sobre teoria e prática do currículo no cotidiano

Transcrevemos aqui a pesquisa realizada com o foco na avaliação do currículo no cotidiano com
o intuito de que o(a) aluno(a) analise e perceba os aspectos mais relevantes. Considere em sua leitura a
maneira como o autor compartilha seu olhar sobre a importância de se questionar o currículo. Mas para
o indivíduo posicionar-se precisa ter conhecimento da causa.
O texto encontra-se disponível no site indicado, mas tomamos a liberdade de transcrevê-lo para
utilizá-lo como base de nossos estudos.

AVALIAÇÃO DO CURRÍCULO NO COTIDIANO


Paulo Sgarbi UERJ

Partindo dos pressupostos de que currículo e avaliação são um casal que não se pode
separar, de que “todo o saber é saber sobre uma certa ignorância e, vice-versa, toda ignorância é
ignorância de um certo saber” (Santos, 2000:78) e de que é nas práticas cotidianas que saberes,
ignorâncias, currículos e avaliações ganham sentido, este estudo procura compreender como, cotidianamente,
os conhecimentos curriculados são ou não valorizados nos processos escolares. O estudo é tecido a partir das

28
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

redes estabelecidas no espaço tempo institucional das disciplinas currículo e avaliação na Faculdade de
Educação da Uerj, e a trama é estabelecida através das conversas de sala de aula, tendo como força motriz as
falas dos alunos.

Currículo e avaliação: farinha do mesmo saco


Este texto parte de alguns pressupostos, e o primeiro deles é o de que avaliação e currículo têm
relações íntimas e, por isso, objetivando não separar o casal, ao contrário, na tentativa de estreitar suas
relações, escolho por assumir, como Oliveira e Pacheco (2003:119), que nenhuma discussão curricular pode
negligenciar o fato de que aquilo que se propõe e que se desenvolve nas salas de aula dará origem a um
processo de avaliação. Ou seja, avaliação é parte integrante do currículo, na medida em que a ele se incorpora
como uma das etapas do processo pedagógico.
Um segundo pressuposto é o de que “todo o saber é saber sobre uma certa ignorância e, vice-versa,
toda ignorância é ignorância de um certo saber” Santos, 2000:78). Essa declaração deixa relativamente clara
a minha intenção de estabelecer a avaliação da aprendizagem como foco da avaliação curricular, apenas
dando centralidade à questão cognitiva ou, dito de uma outra maneira, trazendo como motor da reflexão as
relações epistemológicas entre esses currículo e avaliação, não adentrando outras questões, como as
relações existentes entre avaliadores e avaliados, jogos de poder, cargas afetivas existentes nas variadas
práticas avaliativas, questões essas que são da maior importância, mas que ficarão secundarizadas neste
estudo, sendo referidas apenas quando clarificadoras da questão central.
Um terceiro e último talvez pressuposto - “talvez”, na medida em que alguns pressupostos teimam em
aparecer no texto disfarçadamente através de escolhas de interlocução teórica ou de maneiras de
compreender ou de .outras formas ainda mais disfarçadas e quase imperceptíveis - é que o primeiro e o
segundo pressupostos ficam mais evidentes - e, por isso, pelo menos para mim, mais perceptíveis - nas práticas
cotidianas tanto de currículo quanto de avaliação.
A adoção desses três pressupostos - principais - define o projeto de texto, que tem como base a
premissa de que a avaliação curricular, tomando por base as práticas escolares cotidianas, vai acontecer de
maneira sólida através da compreensão das práticas avaliativas dos conhecimentos escolares, pois não apenas
a avaliação é parte indissociável do currículo enquanto prática - primeiro pressuposto - como as práticas
avaliativas escolares têm buscado, recorrentemente, a percepção do que se sabe ou o que não se sabe sobre
algum conhecimento - segundo pressuposto.

Trazendo a empiria para o mesmo saco


Para dar conta - com toda parcialidade com que essa expressão deve ser entendida - desse projeto, a
empiria foi feita a partir das falas dos alunos e das alunas de três turmas de licenciatura nas disciplinas
“avaliação da aprendizagem” - uma turma - e “currículo” - duas turmas -, ministradas por mim no primeiro
semestre de 2007 na Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Uerj. Para situar
melhor o leitor, é necessário que eu explique que, na Uerj, as turmas de licenciatura são formadas de alunos
dos mais variados cursos, misturando as quatro áreas básicas em que está dividido - não vou discutir o mérito
desta divisão neste estudo - o conhecimento escolar universitário, a saber: humana, sociológica, tecnológica e
biomédica. Essa informação é fundamental, pois, como vou trabalhar com os discursos sobre avaliação e
currículo tecidos pelos alunos e alunas, vamos encontrar diferenças de. concepção de avaliação e de currículo
em função da formação básica desses estudantes.
Os estudantes da turma de avaliação discutiram, a meu pedido, as práticas avaliativas por eles
experienciadas em sua vida escolar, com ênfase no curso universitário, procurando pensar possíveis reflexos
dessas experiências para a sua formação e, por conseguinte, para as intenções de práticas avaliativas que,
como professores, vão oferecer- ou já oferecem -aos seus alunos. Na mesma linha de debate, solicitei às
turmas de currículo que fizessem uma pequena análise da grade curricular dos seus cursos, procurando focar
as disciplinas que consideravam indispensáveis e as que poderiam ser banidas dos seus currículos sem perda
para a sua formação. Duas considerações são necessárias: a primeira é que, intencionalmente, a solicitação
vinculou conhecimentos a disciplinas, e essa vinculação definiu a trajetória inicial das discussões, o que se foi
desfazendo com a continuidade dos debates, na medida em que a metáfora da “grade” curricular foi sendo
aprofundada; a segunda é que, quando o mote é a disciplina, os estudantes - e eu também, pelo que fiquei
relembrando de minha vida escolar durante as nossas conversas - não conseguem dissociá-las dos professores.
Apenas para ilustrar, em uma das conversas sobre que disciplina tirar e qual deixar no currículo do seu
curso, um aluno da filosofia fez a seguinte fala :

29
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

- Pensando em 2005-13, eu tiraria a disciplina “Revolução do pensamento filosófico /”, pois foi
muito mal dada. O professor era muito complicado e a gente não conseguia entender nada direito e nada do que
foi visto faria falta, além do professor cobrar mais do que ele dava, tanto que eu fiquei reprovado. Mas, pensando
em 2006-2, eu manteria essa disciplina, pois o conteúdo dela é muito legal e fundamental pra minha formação.

Ao que eu perguntei, quase que já tendo certeza da resposta: - Era o mesmo professor?
- Claro que não, professor. Um hão tem nada a ver com o outro. Paralelamente, a turma de
avaliação vinha fazendo as suas discussões a partir da contação de fatos interessantes para cada um deles que
envolviam avaliação da aprendizagem e, também nesse debate, a relação professor / avaliação foi uma
constante, a ponto de, em determinado momento de uma das nossas conversas, uma aluna da Biologia
pergunta:
- Quer dizer que avaliar tem mais a ver com caráter, com maneira de ser do que com teoria?
- O que você acha? - devolvi a pergunta.
- Eu acho isso mesmo, pois os professores de que mais me lembro e que considero importantes
para mim são os que tinham coerência entre a aula e a avaliação, e a maioria dos que me lembro eram bem
exigentes, mas eu gostava deles e estudava a matéria, mas eles davam boas aulas, que a gente se interessava.
Nesse momento, a turma se alvoroçou e muitas conversas paralelas aconteceram, com as pessoas
discutindo a questão da exigência nas avaliações como parâmetro da maior ou menor lembrança, o que,
evidentemente, aproveitei para ampliar a discussão. A conversa se encaminhou de uma forma que me
lembrou um fato acontecido em uma outra disciplina - Trabalho com leitura e expressão escrita - lá pelos idos
de 2003, que narrei, então. A atividade - que costumo chamar de brincadeira - era basicamente a mesma, ou
seja, contar uma situação positiva e outra negativa ligadas à experiência com leitura. Era uma turma só de
professoras do ensino fundamental, com a quase totalidade trabalhando em regência de turma. A aula foi
muito dinâmica e os fatos narrados, muito deles bem engraçados, tornou-a bem leve. Ao final do tempo,
arrumei as minhas coisas e me despedi, ao que se fez um silêncio gritante, a ponto de eu ter que perguntar o
que estava havendo. Elas estavam esperando que eu, o professor, fechasse a aula, que transcorreu quase sem
a minha interferência, pois foi toda ela contação de “causos”. Eu estava tão entusiasmado com tudo o que
tinha ouvido, que achei desnecessário fazer qualquer tipo de fechamento, já que as narrativas delas tinham
sido riquíssimas e, como costumo dizer, davam panos para manga para pensar as relações conhecimentos
alunos professores. Mas, atendendo ao silêncio suplicante, inventei o seguinte:
- Vocês perceberam que, por trás dos “causos" prazerosos, as figuras são as de mãe, pai, tio, irmão
mais velho e, eventualmente de professores? Vocês perceberam, também, que as situações desconfortáveis,
foram protagonizadas, em sua grande maioria, por professores? Agora, resta a vocês uma escolha: de que lado da
memória dos seus alunos vocês querem ficar.
Dito isto, saí da sala deixando um silêncio ainda mais profundo. Mas foram elas que pediram que eu
dissesse alguma coisa. Eu disse.
Voltando à vaca fria, como se diz no popular, os debates nas três turmas trouxeram a relação entre
currículo e avaliação sem que fosse necessário teorizar a priori, até porque, como essas disciplinas são as
chamadas eletivas para os cursos de licenciatura, alguns alunos e alunas incautos fazem as duas disciplinas
comigo, e não apenas eu, mas eles, predominantemente, trazem as questões debatidas numa das aulas para a
outra. E uma das que sempre dão a maior polêmica é sobre o que é conhecimento, principalmente quando os
estudos do cotidiano são a base teórica da discussão.

O cotidiano do poder e a configuração curricular

Este subtítulo é uma provocação e reflete as provocações que faço aos meus alunos para balançar um
pouco a grande certeza que sustenta as suas formações, principalmente, mas não exclusivamente, entre os
alunos de graduação da área tecnológica. A quase totalidade - não sei bem porque usei o quase, mas foi
instintivo, talvez para fugir da generalização - dos estudantes trazem discursos bem formatados pelos estudos
específicos que fazem, quer em relação às configurações curriculares, tanto para aprovar como para reprovar
essas configurações, quer em relação aos procedimentos possíveis de avaliação, fato que, por si só, já
apresenta um critério interessante de avaliação curricular a partir das aprendizagens cotidianas de formação
específica desses futuros - poucos atuais - professores. O que se apresenta como um processo hegemônico de

30
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

formação, pelo menos na Uerj e com os alunos que me chegam, é que os conhecimentos aprendidos estão
descolados da vida social cotidiana dos graduandos. Não é que esses conhecimentos curriculares da formação
específica não sirvam a uma prática docente, mas sim que os próprios graduandos não são levados a
compreender como esses conhecimentos, acontecem nos cotidianos das pessoas. [...] Em que pese considerar
que essa postura foi fundamental para o desenvolvimento da ciência, é preciso que compreendamos as
marcas que o pensamento moderno traz para os processos educativos, quer pela definição do que deva ser
considerado conhecimento, quer pela forma como os conhecimentos devem ser ensinados e, também, pela
definição, a priori, de como formar os transmissores desse conhecimento às novas gerações nas escolas. Em
contraposição a esta concepção de conhecimento e de formação, Nilda Alves (2001:17) nos mostra que é
preciso buscar entender, de maneira diferente do aprendido, as atividades do cotidiano escolar ou do
cotidiano comum, exige que esteja disposta a ver além daquilo que outros já viram e muito mais: que seja
capaz de mergulhar inteiramente em uma determinada realidade buscando referências de sons, sendo capaz
de engolir sentindo a variedade de gostos, caminhar tocando coisas e pessoas e me deixando tocar por elas,
cheirando os odores que a realidade coloca a cada ponto do caminho diário.
No entanto, as narrativas dos licenciandos sobre os seus cursos de formação mostram que suas
configurações passam longe de considerar o cotidiano, a vida social cotidiana como alguma coisa relevante
nas suas “grades” curriculares.
- Mesmo as disciplinas práticas são prática sobre uma determinada teoria, e não sobre uma
realidade, sobre um fato que aconteça com as pessoas em suas vidas.
Este desabafo de Rodrigo, aluno da química , é um elemento importante para avaliarmos os
currículos de nossas graduações. Gosto muito de brincar com os alunos e alunas de Física, sempre dizendo,
de maneira irônica: - Gente, temos cientistas na sala. Uma pergunta que sempre lhes faço - e a estendo aos
químicos - é se conhecem llya Prigogine . A resposta, até hoje unânime, e um terrível não.
O que essa informação, junto com outras das mais variadas ordens, me traz? Pistas, indícios e, às
vezes, evidências (Ginzburg, 1989) da identidade dos cursos de Física e Química da Uerj, que não
apresentam, em seus currículos, sequer uma referência a um cientista do porte do químico russo belga.
Mas, é claro, este episódio é apenas um exemplo e, assumindo outros caminhos dentro da mesma
lógica, pode ser estendido aos demais cursos de graduação - e até mesmo de pós-gradação - como viés de
avaliação curricular. Dito de outra forma, as escolhas teórico-epistemológico-metodológicas que
configuram os cursos dão-lhes uma certa identidade. Apenas para reforçar essa questão identitária,
imaginemos um curso de História em que todos os professores - a totalidade é para dar ares de ficção a
essa realidade inventada - fossem marxianos, e que, por isso, trouxessem os aportes teóricos da mesma
lógica para configurar o seu currículo, montando disciplinas que fossem construídas a partir da concepção
marxiana de mundo e de História. Se tirarmos dessa invenção a totalidade e a substituirmos por “uma
parcela substantiva dos professores”, era assumiria ares de verossimilhança e nossa imaginação nem
precisaria ser muito fértil para conceber um curso de História com tendência marxiana.
- Mas, e daí? - me perguntariam os leitores que, acompanhando o meu raciocínio, suporiam que
eu não sei onde quero chegar com ele.
- E daí - responderia eu achando que sei onde quero chegar - que o que fica evidenciado nessa
invenção quase possível é que a configuração curricular está montada a partir de uma correlação de forças em
que uma das maneiras possíveis de pensar o mundo quer ser a única, ou, no mínimo, a hegemônica. Mas será
que não isso que acontece com “todos” os currículos em "todos” os espaços tempos - institucionais ou não: a
busca da hegemonia, a intenção de ser a verdade, a maneira correta de se pensar o mundo e os
conhecimentos?
(Nesse momento, bem que gostaria de ouvir os leitores a respeito, pois acho que teríamos, sobre essa
questão, uma boa prosa, enriquecida, com certeza, com as experiências escolares de cada um, com seus
pontos de aproximação e afastamento. Mas, mesmo que as conversas não possam acontecer no momento da
escritura - ela poderão surgir, espero, em outros momentos de cada um dos leitores -, posso inventar algumas
possibilidades de interlocução para dar continuidade ao texto, e é isso que faço a seguir.) A significação é um
processo social de conhecimento. Toda a teorização corrente sobre a escola, a educação, o ensino, a
pedagogia, a aprendizagem, o currículo, constitui um conjunto de discursos, de saberes, que, ao explicar como
essas coisas funcionam e o que são, as institui. De acordo com Foucault, as narrativas formam o aparato de
conhecimento produzidos ; pela modernidade com o objetivo de tornar administráveis os objetos sobre os

31
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

quais falam. Conhecer o que deve ser governado, afirma ele, é parte da estratégia que permite a regulação e o
controle de indivíduos, grupos, processos e práticas. (Costa, 2002:141-2)
Essas considerações da Marisa Vorraber Costa me traduzem, de maneira muito forte, o caminho da
hegemonia, ou melhor, a coerente necessidade que uma determinada maneira de pensar o conhecimento tem
de se fazer presente em todos os espaços tempos onde o conhecimento existe, ou seja, em praticamente
todos os espaços tempos, em todas as atividades humanas - mesmo que algumas delas sejam desumanas em
todas as normas que orientam práticas, etc. Observem que a estudiosa gaúcha coloca, com clareza, que a
teorização - não necessariamente apenas sobre a escola, ensino, etc. - institui o real pelo discurso.
Assim também pensa von Foerster (1996:65-66), como se pode ver pelo fragmento do metálogo a
seguir:
Filha: Queres dizer que não se pode usar um princípio explicativo para explicar outro? Nunca?
Pai: Humm... quase nunca. É o que Newton queria dizer quando disse: Hypothesis non fíngo.
F: E o que significa isso, por favor? [Focalizem sua atenção no pai, enquanto explica o que é uma
hipótese. Notem como, ao fazê-lo, permanece dentro do domínio lingüístico e, dentro da descrição, não faz
referência a nada além da linguagem.]
P: Bem, tu já sabes o que são hipóteses. Qualquer afirmação que conecta, entre si, duas afirmações
descritivas é uma hipótese. Se ti dizes que houve lua cheia em 1o de fevereiro e novamente em 1o de março e
logo conecta essas duas observações, de certa maneira essa afirmação é uma hipótese.
F: Sim, e também sei que quer dizer non, mas e fíngol
P: Bem, fingo é uma palavra que, em latim antigo, significa faço. Forma um substantivo verbal Mio, do
qual procede a palavra “ficção”.
F: Papai, queres dizer que Sir Isaac Newton pensava que todas as hipóteses se compõem como se
fossem contos?
P: Sim, precisamente.
F: Mas não descobriu a gravidade? Com a maçã?
P: Não, querida, a inventou.
Se alguém inventa algo, então é a linguagem o que cria o mundo; se, em troca, alguém pensa que
descobriu algo, a linguagem não é mais do que uma imagem, uma representação do mundo. Acredito ter
podido demonstrar- lhes com isto é que a linguagem que gera o mundo e não o mundo que é representado
pela linguagem.
Ora, o que são nossos currículos senão uma organização discursiva? Mais ainda: o próprio
conhecimento é uma construção discursiva? Só que o discurso que organiza o currículo - e o conhecimento -
traz as marcas das forças hegemônicas que, estando no poder, ou melhor, sendo o próprio poder, definem o
que é conhecimento válido e, por isso, como os currículos devem- se comportar para que as pessoas que se
formam a partir deles apresentem uma determinada configuração. Como nos faz refletir Foucault (1987:27), o
poder produz saber (e não simplesmente favorecendo-o porque é útil);... poder e saber estão diretamente
implicados;... não há relação de poder sem constituição correlata de um campo de saber, nem saber que não
suponha e não constitua ao mesmo tempo relações de poder.

Arrumando um pouco o quebra-cabeça

A questão curricular, como muitas outras que perpassam a educação - e as que perpassam outras
atividades da vida social é não apenas complexa, mas também muito complicada. Como nos mostra Lopes e
Macedo (2002:17-8), a “pluralidade de temáticas” que caracteriza essa área de estudos “exige que a definição
do campo do currículo supere questões de natureza epistemológica". O embate entre teóricos pela hegemonia
de suas teorias explicativas é uma constante, na medida em que esses atores sociais, para usar a expressão
cunhada pelas autoras acima referidas, sendo detentores de determinados capitais social e cultural na área,
legitimam determinadas concepções sobre a teoria de Currículo e disputam entre si o poder de definir quem
tem a autoridade na área. Trata-se de um campo capas de influenciar propostas curriculares oficiais, práticas
pedagógicas nas escolas, a partir dos diferentes processos de recontextualização de seus discursos, mas que
não se constitui dessas mesmas propostas e práticas. O campo intelectual do Currículo é um campo produtor
de teorias sobre currículos, legitimadas como tais pelas lutas concorrenciais nesse mesmo campo, (ibdem) Ou
seja, e retomando a questão discursiva colocada anteriormente, trata-se de atores sociais que querem ter
sempre o papel de cacique e nunca de índio, e o que garante a posição de mando e a capacidade de

32
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

organização discursiva que veicula suas concepções teóricas sobre este assunto.
No entanto, mesmo que esses caciques se coloquem como constituidores do campo - do currículo -
pelo mais eficiente domínio do campo - de batalha -, esses modelos explicativos que, como nos colocam Lopes
e Macedo, são capazes de influenciar na adoção desta ou daquela política curricular ou de definição de práticas
educativas com base nesta ou naquela concepção de conhecimento e, portanto, de currículo, não dão conta da
complexidade do cotidiano da educação que, na grande maioria das vezes, vai acontecendo apesar das
explicações que são produzidas, e não por causa delas, contrariando as estratégias implementadas pelo poder
constituído para formatar os processos educativos. Não se veja, nessas considerações, nenhum tipo de
depreciação da produção teórica da área. Ao contrário, o que se tem pensado sobre currículo no Brasil nos
ajuda, e muito, a compreender esse intrincado quebra-cabeça. No entanto, como bem nos alerta Nilda Alves
(2001:15), o conjunto de teorias, categorias, conceitos e noções que herdamos das ciências criadas e
desenvolvidas na chamada modernidade e que continuam sendo um recurso indispensável, não é só apoio e
orientador da rota a ser trilhada, mas, também e cada vez mais, limite ao que precisa ser tecido.
A crença na teoria como limite é um achado dos mais significativos para tentarmos organizar, pelo
menos um pouco, a partir das lógicas cotidianas, a questão curricular e algumas possibilidades de sua
avaliação. Mas é de fundamental importância que, a cada possibilidade organizativa - e avaliativa coloquemos
uma pequena frase que aprendi com minha eterna mestra de literatura – e vida - brasileira, Dirce Cortes Riedel:
“Ou não”.
(Coloco, entre parênteses, uma pequena elucidação da frase para que o leitor compreenda a lógica - e
a emoção - de sua utilização. Prof3 Dirce era uma especialista em vários autores da literatura brasileira, e,
dentre eles, o de que mais gostava era Machado de Assis. Passamos um semestre inteiro estudando o autor,
com a profundidade que nossa mestra nos emprestava por seus conhecimentos. No último dia de aula, Dirce,
fechando o assunto, nos disse:
- Bem, gente, Machado de Assis é isso aí que nós vimos durante esse semestre. Ou não.
Piscou os.olhos para a turma, deu um adeusinho e saiu.)
Esse é um cuidado que, cotidianamente, devemos ter com nossas compreensões, pois elas são, como
as teorias, uma ação discursiva de nossa interpretação do que vemos acontecer nas escolas de todos os níveis
e graus. Ou seja, a constatação da recorrência de determinados procedimentos em relação aos currículos me
indica que a maioria dos professores entende currículo por X, ou que a maioria das escolas adota a concepção
Y de currículo, ou que os alunos... Ou não. Outras são as possibilidades de compreensão para além da que cada
um de nós pode ter. Nesse jogo social de compreensões possíveis, temos que negociar os sentidos. No
entanto, quando uma pessoa - ou grupo de pessoas - quer ter a hegemonia da compreensão, a negociação não
se dá, pois um sentido possível é transformado em verdade pelo uso do poder político de decidir qual o melhor
sentido das coisas. Alves e Oliveira (2002:78-9), ao traçar os “primórdios dos estudos do cotidiano escolar: o
modo oficial de 'ver' a escola e o que nela se passa”, além da felicidade do subtítulo, trazem a compreensão do
cotidiano escolar de algum tempo no passado próximo, principalmente pelos estudiosos americanos, através
da metáfora da caixa preta, descrita por elas como um instrumento ‘inventado’ para estimular em alunos a
criação de idéias, por meio de perguntas que os levam a ‘imaginar’ o que haveria dentro de uma caixa fechada,
na qual o professor colocara certos objetos que faziam barulho, tinham um certo peso, se moviam de alguma
forma, etc. Nesse sentido, interessava menos a relação do que estava lá dentro com aquilo que o aluno
inventava, e mais o que era ‘inventado’ pelo aluno, como possibilidades criativas e inventivas. (id.:79) Tomando
como base a concepção moderna de conhecimento, relacionando o conceito de caixa preta usado por Alves e
Oliveira (op. cit.) e a reportagem sobre o acidente aéreo, vou metaforizar o conhecimento cientifico como
caixa preta a partir das seguintes características: as pessoas acreditam que, em seu interior, se encontram as
verdades; poucos têm acesso a ela; o seu manuseio é prerrogativa de pessoas que têm - ou são investidas de -
poder; ela explica os fatos, os fenômenos, mas não consegue evitar que fatos e fenômenos aconteça. Como eu
gostaria que uma caixa preta pudesse evitar que um avião caísse; como eu gostaria que a ciência pudesse
evitar que o mundo fosse tão ruim para tantas pessoas. Mais uma característica que me faz comparar a ciência
com a caixa preta encontro em Veríssimo (1997:73): Essa é precisamente a organização discursiva das
linguagens, com absoluta primazia da linguagem verbal, em se tratando de conhecimento, que dá atualidade à
tirinha de Veríssimo. Por um outro ângulo, mas utilizando a mesma linguagem dos cartuns, Mariano (s/d)
mostra o que, utilizando preceitos da Física, poderíamos chamar de “diferença de potencial” entre as
linguagens de um cientista e de um não cientista:

33
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Vejamos um exemplo bem simples para retomarmos ao currículo e uma sua avaliação possível a partir
dos estudos do cotidiano:
O tráfico de drogas costuma usar crianças como olheiros e como entregadores de mercadoria, as
chamadas, no Rio de Janeiro, de “aviõezinhos". Essas crianças, em sua maioria meninos, têm, quando fazem
entregas, que receber o dinheiro correspondente ao material que estão entregando, o que faz com que eles
desenvolvam e aprendam uns com os outros noções seguras de operações matemáticas, até porque a vida
deles depende disso. Aí, esses meninos vão pra escola e a professora lhes apresenta um sonoro “arme e
efetue”, ao que alguns deles respondem que não sabem fazer, embora, em seus cotidianos de trabalho,' façam
essas operações do arme e efetue com bastante facilidade. A questão é que, bastante recorrentemente, as
escolas dizem que o “arme e efetue" é que é Matemática, e não as operações - ilegais, do ponto de vista legal -
matemáticas que eles desenvolvem para a sua sobrevivência nesse mundão de muitas atividades de trabalho
informal. Novamente, caímos - desculpem-me a cumplicidade da primeira pessoa do plural - isto é, eu caí na
questão da linguagem, que é a definidora do que é conhecimento e o que não é, que determina o que está no
currículo e o que não está, o que “cai na prova” e o que não cai. Até porque, como diz o poeta Manoel de
Barros, “tudo que eu não invento é falso” (1997:67). Logo, fica “por cima da carne-seca” - como se diz no
popular - os que inventam as coisas para elas existirem. Assim é com a ciência, com o conhecimento, com o
currículo...
Nesse momento do texto, vou apresentar uma linha lógica de raciocínio que aponta uma discussão
que tem permeado, desde há muito, as questões curriculares.
Se a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência
humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da
sociedade civil e nas manifestações culturais (Brasil, 1996:art. 1o); se a “legislação disciplina a educação escolar,
que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias” (ib.); se, ainda, “a
educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social” (ib.); e tomando por base que a
União incumbir-se-á de [...] estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios,
competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os
currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum (id.:art. 9o), podemos
inferir que a responsabilidade de definição dos currículos das formações básica e média, principalmente, está
nas mãos - talvez possamos dizer que está nas cabeças - do Estado, o que me parece absolutamente normal e
coerente com as funções do Estado. Resta-nos saber que Estado é esse, a quem serve e por quem quer ser
servido, que discursos esse Estado produz para serem apenas discursos e o que é produzido para,
transformado em ato, beneficiar todas as pessoas que formam a nação, tanto os mais ricos quanto os menos
abastados, e que o grau de riqueza não signifique o grau de direitos e deveres.

Oliveira (2003), ao analisar os fazeres pedagógicos em uma escola municipal do Rio de Janeiro,
procura compreender os sentidos emancipatórios desses fazeres e como esses sentidos são tecidos naquele
cotidiano. Evitando generalizações, seu estudo nos dá pistas de como, no cotidiano das pessoas e grupos
sociais, as aprendizagens vão-se dando para além das propostas curriculares reguladoras, como professores e
alunos vão-se movendo no próprio currículo outorgado e tecendo outras “maneiras de fazer” com suas
“astúcias de caçadores” (Certeau, 1994). Esse movimento se dá diuturnamente no cotidiano e, para a autora,
no processo de conquista da democracia social, é através desse que movimento logramo superar as formas
regulatórias que se exercem sobre o “mais fraco”, garantindo ao mais forte a manutenção do poder social, [e
esta superação] aparece como um imperativo para a viabilização da construção da sociedade democrática
através das lutas sociais emancipatórias. Como já anunciado, é curiosamente através de mecanismos
regulatórios que essas lutas podem e devem ser travadas. Recuperar a dimensão da regulação que limita o
poder do mais forte, ampliando os espaços de ação tática do mais fraco, é pois um dos desafios
contemporâneos para a emancipação social, na medida em que essa limitação/ampliação circunscreve
possibilidades de construção e ampliação da democracia.

Mesmo que o poder constituído, através de suas normas e modelos, prescrevam um ensino com base
em determinados conhecimentos, que são os considerados válidos e, portanto, os que devem ser aprendidos,
o cotidiano de cada escola, de cada sala de aula teima em acontecer por atalhos ao caminho “principal”.
Contrariamente ao postulado moderno de que só nos caminhos eram produzidos conhecimentos, acredito

34
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

que, nesses atalhos, que acontecem no mesmo espaço dos caminhos, mas em tempo de movimentação
diferente, como compreende Certeau (1994), são cotidianamente tecidos conhecimentos, que fazem parte das
aprendizagem ensinos dos mais variados espaços tempos em que elas ocorram, inclusive - e privilegiada-
mente - no espaço tempo escolar.

Desmontando o quebra-cabeça
Quem já montou um desses jogos de muitas peças sabe da sensação desconfortável que é, por
exemplo, por acidente, alguém esbarrar no lugar onde ele está sendo montado e desfigurar o que vinha tão
pacientemente sendo feito. Mas devo fazer um certo corte no texto para comentar algumas coisas que
considero interessantes e importantes no processo de escrita, e uma dessas coisas é, para mim, a invenção de
metáforas. Num momento, a idéia do quebra-cabeça parecia perfeita, pois expressava a existência de uma
imagem concebida a priori a ser “montada” pelos muitos sujeitos escolares nos seus cotidianos. Esses, do
ponto de vista dos acontecimentos escolares, já estariam preorganizados pelos desenhos curriculares postos.
No entanto, o avanço do texto veio mostrando que, tão recorrente quanto a tentativa de se montar
um desenho preconcebido chamado currículo, estão os mais variados esbarrões cotidianos nos lugares onde se
busca montar esse quebra cabeça chamado currículo, a ponto de, praticamente, perdermos a noção do
desenho preconcebido, mostrando que há modos de fazer e de criar conhecimento no cotidiano diferente
daqueles aprendidos, na modernidade, com a ciência e em todos os espaços/tempos organizados, como no
mundo do trabalho e dos movimentos sociais, em especial os sindicados e os partidos políticos. Ou seja,... os
conhecimentos são criados não só pelos caminhos já sabidos e consagrados, e que precisam ser questionados
permanentemente, mas também nesse tecer constante de encontros e de desencontros cotidianos. (Macedo
et al, 2002:17-18)
Desmontar o quebra-cabeça e andar por atalhos dos "caminhos já sabidos e consagrados” são,
parodiando o ditado popular, faces representativas da mesma moeda curricular. O que se inventa de atalho ou
de esbarrão, cotidianamente, já é, em si mesmo, uma atitude avaliativa dos currículos reguladores, cuja
existência é fundamental até como espaço tempo de desobediência, ou melhor dizendo, de extrapolação dos
caminhos da obediência.
Ou não.
O que a escola precisa ensinar?
Paulo Araújo

Um dos maiores desejos dos professores é que os pais participem mais da educação dos filhos. É o
que revelou uma pesquisa feita pela revista Nova Escola e pelo lbope no final do ano passado. Os pais
precisam acompanhar o processo de aprendizagem e se tornar mais parceiros da escola. Os especialistas
apontam que uma das melhores maneiras de fazer isso é se informar sobre o projeto pedagógico e o
currículo da escola - ainda mais agora que as aulas estão recomeçando.
“Tão importante quanto participar das reuniões de pais e mestres é saber o que deveria ser ensinado e
cobrado nas avaliações”, aponta Elvira Souza Lima, consultora do Ministério da Educação. “Só com
informação é possível exigir boas aulas. Não se deve reclamar somente quando chega uma nota “baixa".
Quatro boas atitudes para você tomar em relação ao currículo
1 - Aproveite o início do ano para falar com a diretora, a coordenadora pedagógica ou a professora. Tire
todas as dúvidas sobre o projeto pedagógico da escola. Informe-se também sobre as medidas que dão
identidade à escola (preocupação com o meio ambiente, as artes, o esporte etc.). Você tem o direito de ser
informada sempre que o projeto pedagógico sofre alguma alteração - até para que não haja conflito com o
que é cobrado pelo professor. Solicite uma cópia do texto do projeto pedagógico.
2 - Outra atitude importante é buscar informações sobre os principais pontos do currículo escolar da
rede à qual pertence a escola de seu filho. Ele é um documento oficial e de domínio público. Portanto,
deve estar disponível no site da Secretaria de Educação ou, em caso de escola particular, no site da
instituição.
3 - Um bom currículo traz informações sobre todos os conteúdos que precisam ser ensinados, de acordo
com a série ou ciclo. Procure saber também se há reuniões para formação permanente dos professores.
- Se você não entender algumas passagens do texto, não tenha vergonha de pedir explicações e exemplos
práticos sobre o que é exigido de seu filho ao longo do ano.

35
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

3.2- Reflexões sobre constituição de professoras e currículo de Arte

Realizamos, enquanto pesquisadoras, um investigação a respeito da constituição de professoras de


Arte, na cidade de Uberlândia-MG. A pesquisa deu seus frutos e dentre eles se encontra o capítulo do
livro Currículos, saberes e culturas escolares, organizado pela professora Selva Guimarães.
Deste capítulo, apresentamos algumas conclusões que contemplam o currículo constituído pelas
professoras. A pesquisa tem como colaboradoras professoras de Arte, as repercussões geradas pelas ações
interativas nos grupos de estudo, dos saberes docentes e do currículo no Ensino de Arte. As professoras
colaboradoras, envolvidas na investigação, atuam na Rede Municipal de Ensino (RME) de Uberlândia-
MG e se encontram regularmente no grupo de Estudos de Arte no Centro Municipal de Estudos e Projetos
Educacionais “Julieta Diniz” - CEMEPE. O Centro tem como objetivo promover a capacitação
profissional dos educadores e funcionários da (RME), possui sede própria para acolher, diariamente, os
profissionais da educação das diversas áreas do conhecimento.
Considerando a contribuição de Alves e Oliveira (2002.p.97) sobre currículo nos identificamos
com a concepção apresentada, de que as práticas curriculares cotidianas são “multicoloridas" pois suas
tonalidades vão depender sempre das possibilidades daqueles que as fazem e das circunstâncias das quais
estão envolvidos. Assim, as professoras investigadas foram escolhidas por se constituírem como grupo e
vivenciarem momentos de estudo e troca de experiências no espaço do CEMEPE - um local intersticial de
formação continuada, mas também um espaço de trocas e convivência.
Optamos por trabalhar com as quatro professoras que apresentaremos ao longo do texto utilizando
nomes fictícios, homenageando poetisas brasileiras, às quais admiramos: Adélia, Cecília, Clarice e Cora.
No corpo do texto publicado são apresentadas as professoras e seus fazeres e saberes. Para nossa reflexão
abordaremos as conclusões com o olhar apurado e enriquecido pelas idéias de todos os autores com os
quais dialogamos até aqui.

Refletindo.....
Se deveras o papel nem sempre é branco como a primeira manhã, que cortem o nosso papel ao final
desse percurso? Arriscamos em afirmar que ele se encontra multicor. Recebeu versos, falas, olhares,
tonalidades e agora se confirma na mistura de tudo isso. O que aprendemos nesse percurso? Os
saberes da experiência são mais importantes dentre os saberes? Existe a dicotomia entre teoria e
prática? O professor constrói a sua prática por meio da socialização dos saberes? Tem o grupo um
papel tão relevante na constituição dos professores? Quais marcas as professoras imprimem na construção do
currículo?
Nós nos atrevemos a dialogar sobre estas questões, cientes do alerta do filósofo e professor Sílvio
Gallo, de desconfiarmos de que tudo foi aprendido e assimilado. Não temos o controle sobre os
processos, mas ousamos a apontar algumas considerações que julgamos pertinentes.
Os relatos das professoras e suas reflexões apontam que a experiência segundo
Tardif & Lessard (2005) compreendida como significante, relevante e enraizada na
vivência de fatos marcantes, pois foi evidenciada no cotidiano das professoras.
A socialização e o convívio com os Grupos de Estudos de Arte têm sua
importância comprovada nas pesquisas realizadas por Braga (2005) e Sousa (2006).
Adélia retorna a essa questão quando revela que a escrita do livro Possibilidades e Encantamentos foi
instigante levando-a a organizar-se mentalmente. O desafio da escrita levou essas professoras
pesquisadas à busca de entendimento da própria prática e encaminhou-as à pesquisa para realização dos
projetos na escola, em prêmios, para a pesquisa acadêmica e para o envolvimento com o CEMEPE e/ou
NUPEA.
Outro fator importante a ser mencionado é a qualidade dos projetos apresentados e das Mostras
Visualidades realizadas pelas professoras, que evidenciam a relação da teoria e da prática, como ações
interligadas e não dicotômicas. Ressaltamos, também, a preocupação e o cuidado das professoras em não
trazer para si a conclusão da poetisa Cora Coralina de que na prática, a teoria é outra, como sendo uma
experiência comum no Ensino de Arte.

36
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Adélia e Cora encontram-se envolvidas no Mestrado em Educação já em fase de produção textual


e final para a defesa de suas dissertações. A contribuição das professoras no Grupo de Estudo, já citado
ao longo desse texto, como, extremamente, relevante e ocorre também no desenvolvimento da pesquisa.
Entendemos que surgem modificações no ensino que emergem da construção de saberes classificados por
Santomé (1998, p. 101) como “saber acadêmico transformador”, isto é, o conhecimento que influencia,
revisa e transforma paradigmas dominantes. A história do Ensino de Arte no Brasil é marcada por
características que se aproximam mais do academicismo. Ações transformadoras que instiguem a
construção de conhecimentos são bem-vindas na escola. Cecília desenvolve projetos na escola e tem
socializado nas reuniões de grupos e na publicação, participou de dois prêmios sendo vencedora em um e
finalista em outro. Clarice é participante ativa com produção no NUPEAe colaboradora no CEMEPE.
Focalizando o currículo de Arte, compreendemos que ele emerge da vivência e experiência das
professoras, cuja estrutura surge do trabalho coletivo e se caracteriza pelas escolhas pessoais.
Escolhas que se encontram relacionadas à constituição das professoras e que emergem
mediante as propostas apresentadas aos alunos. Atitude pedagógica ressaltada por Santomé
(1998) como alerta aos professores, pois
na hora de planejar um projeto curricular é preciso levar em consideração que existem diferentes
classes de conhecimento e que cada uma delas é reflexo de determinados propósitos,
perspectivas, experiências, valores e interesses humanos. (Santomé, 1998,p.100)

O currículo, conforme Sacristán (2000), é construído no e pelo contexto no qual se insere, ou


seja, na sala de aula, na sua dimensão pessoal, social, histórica, escolar e política. Analisando por este
enfoque percebemos que a prática das professoras pesquisadas encontra-se marcada pela cultura popular
local e/ou nacional ou por necessidades apontadas por seus alunos. As reflexões sobre os diversos
assuntos propostos nos grupos de estudos possibilitam a reestruturação da prática pedagógica e da
proposta curricular e, conseqüentemente, o fortalecimento da concepção de sua formação continuada
como um elemento indispensável.
Refletindo sobre a formação das professoras reiteramos que a participação no NUPEA possibilita
às professoras um aprofundamento teórico- conceitual sobre assuntos que surgem no cotidiano da sala de
aula e que necessitam de constante discussão e estudo.
As dificuldades relacionadas aos materiais necessários a um fazer artístico e à sua superação
merecem destaque. Levando em consideração a busca pela solução ou substituição de materiais pelos
alunos e docentes, que criam novas possibilidades e desdobramentos para o fazer da arte, entendemos
essa carência como um fator positivo. Por outro lado, focalizamos também o desejo de algumas
professoras em oferecer aos alunos vivências significativas, que as conduzem à obtenção de materiais
com recursos próprios, fato recorrente em diversas áreas educacionais. A escassez de material
compromete a viabilização de propostas curriculares no ensino de Arte, direcionadas pela disponibilidade
de determinados recursos, e não apenas, pela prática pedagógica deste ou daquele professor.
Como contribuição para novas pesquisas, deixamos alguns questionamentos que consideramos
pertinentes, pois ao terminar uma investigação, o coração e os pensamentos do pesquisador pulsam para
um novo processo investigativo. Como as professoras conseguiram produções tão particulares e bem
estruturadas mesmo diante das dificuldades relacionadas aos materiais, aos tempos escolares e outras
tantas questões? Quais motivos distanciam outros professores da Rede Municipal de Ensino do convívio
para estudos e dificultam sua freqüência nos espaços abertos para a formação continuada no Ensino de
Arte? Como encurtar a distância entre o ensino público e o privado, a fim de ampliar as discussões e
trocas de idéias e sugestões entre educadores de segmentos tão distintos e, paradoxalmente, tão
próximos?
Refletindo sobre as questões apresentadas por Bernard Charlot (2003), sobre o saber,
optamos por trazer a esse contexto seu pensamento com o intuito de contribuir para a compreensão do
tema.
Não há saber (de aprender) senão na relação (com o aprender). Toda relação com o saber (com o aprender) é
também uma relação com o mundo, com os outros, consigo. Não existe saber (de aprender) senão quando
está em jogo a relação com o mundo, com os outros e consigo. (CHARLOT,2003,p.33)

37
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Estaria Charlot falando apenas aos professores? Não. O pensador fala de gente, de educação.

O movimento para a aprendizagem se dá pelo desejo, sentimento inerente ao ser humano que vive A
rodeado pela constatação de sua incompletude. É um exercício de educar-se mediado pela relação com ROTINA
ou outro. São tantas as Adélias, Cecílias, Clarices e Coras que povoam as escolas, ávidas pela troca de
NAS
experiências que resultam no tingimento diário do papel em branco, pois, certamente, muitas manhãs
PEDAGO
virão e com elas novas oportunidades de relações de aprender o mundo. Novas cores para o papel, que
aos nossos olhos, jamais esteve branco. GIAS DA
EDUCAÇ
ÃO INFANTIL: dos binarismos à complexidade
Maria Carmen Silveira Barbosa
Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Os séculos XIX e XX estabeleceram um corpo de saberes e fazeres que possibilitaram tanto a


construção social do conceito de infância como a constituição de instituições de educação infantil e de
pedagogias para educá-la e cuidá-la. A categoria rotina emerge como o núcleo central em que operam
essas pedagogias. É possível afirmar que os grandes temas em torno do quais se sustentam os discursos
políticos e técnicos sobre as pedagogias da educação infantil podem ser resumidamente definidos como: a
existência de um discurso que institui um estatuto para a infância; a organização de espaços sociais
adequados para a educação e cuidado das crianças; o nascimento de um profissional para atuar na
educação infantil; a definição de valores para a socialização das crianças derivados de algum tipo de
compreensão sobre a educação; a criação de instrumentos de trabalho e alternativas de intervenções; a
seleção de metodologias e de conteúdos; a produção de materiais e equipamentos educacionais; as
decisões sobre a organização espacial; as discussões sobre os usos do tempo; a organização da vida
cotidiana das instituições e das pessoas sob a forma de rotina.
Para Gagnebin (1996, p.84), a reflexão sobre a pedagogia nasceu conjuntamente com a reflexão
filosófica no pensamento de Platão. A partir dos escritos desse filósofo, emergiram as duas grandes
correntes que, ao longo dos séculos, nortearam as discussões sobre a educação. Apesar de à primeira vista
parecerem contraditórias, “essas duas linhas podem conduzir, em contextos diferentes, o discurso
pedagógico de um mesmo pensador”
(p.85). Conforme a mesma autora, nas Leis e em várias partes da República, Platão trata a
infância como um mal necessário, uma condição para tornar- se um cidadão e, para ter sucesso nessa
transformação é preciso que a criança seja corrigida, guiada do abandono das paixões e encaminhada para
a razão. Por outro lado, na Alegoria das Cavernas, presente na República, ele fala da capacidade inata de
aprender, na capacidade de conversão da alma humana.
Essa divisão dicotômica dos conceitos sobre as capacidades de aprendizagem humana é a base
sobre a qual foram constituídas as pedagogias situadas em dois pólos opostos, com sentidos contrários e
antagônicos, que foram mantidas, ao longo dos anos, nos discursos relativos à educação. Pode-se afirmar
que, desde o século XVIII, as disputas engendradas entre os pensadores iluministas e os filósofos
românticos pautaram e acabaram produzindo visões de mundo, de infância e de educação representados
através de conceitos organizados em polaridades.
A linguagem e o discurso pedagógico, ao serem constituídos por um repertório de palavras e
idéias em oposição, provocavam uma visão das pedagogias como absolutamente livres ou absolutamente
autoritárias. E, mesmo quando os autores clássicos demonstram uma escrita com contradições e conflitos,
estes não foram muito analisados nem divulgados procurando-se criar um discurso harmônico e
homogêneo.
Esses diferentes discursos deram origem às propostas pedagógicas que articularam essas idéias de
diferentes modos, não sendo assim unívocos e sendo concretizados através de práticas pedagógicas.
Ao longo dos séculos esses discursos vêm, disputando no espaço social, o seu lugar como
verdade absoluta, como compreensão real da natureza dos sujeitos/crianças e sobre a forma como estes
deviam ser cuidados e educados. Wallon (1981, p.73), afirma que essa contradição pesa sobre a cabeça

38
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

dos educadores. Por um lado, eles defendem a concepção de que é preciso assumir, por sua condição, o
papel de exercer sobre as crianças e os jovens a transmissão das idéias, dos usos e dos costumes que lhes
permita adaptar-se melhor à sociedade e, por outro, a idéia de que é melhor desenvolver as
potencialidades e as aptidões dos indivíduos para que eles tenham êxito no seu futuro, desenvolvendo-se
pessoalmente e criativamente. De cada uma dessas concepções vão surgir diferentes projetos
pedagógicos.
Esses discursos antagônicos e apresentados em oposição recíproca enfatizam prioritariamente um
dos aspectos de duplas como: a natureza e a cultura, o espírito e o corpo, o intelectual e o manual, a
passividade e a atividade, a liberdade e a submissão, a iniciativa e a disciplina, a dependência e a
autonomia, a teoria e a prática, o sujeito e o objeto, entre outros.
Tais polaridades que, inicialmente estavam estabelecidas como antagônicas acabaram sendo
redimensionadas ao longo da elaboração deste estudo, tanto no que diz respeito à análise dos textos
pedagógicos dos autores fundadores das pedagogias da educação infantil quanto às observações
realizadas na pesquisa de campo pois, em ambas as fontes, deparei-me muito mais com a constante
emergência das contradições do que com uma coerência interna dentro de cada uma delas.
A partir dessa constatação verifiquei que as antinomias necessitavam ser problematizadas e
historicizadas para dar visibilidade a cada um dos pólos e permitir verificar, assim, o poder que está
presente em cada uma delas e as suas possibilidades pedagógicas. Procurando sintetizar e atualizar tais
antinomias, que estão profundamente arraigadas nos discursos e nas práticas pedagógicas, escolhi
trabalhar a partir das pesquisas realizadas por Basil Bernstein nas quais esse autor redimensiona a
discussão acerca da polarização das pedagogias.

1. Pedagogias Antinômicas
Nas décadas de 60 e 70, Basil Bernstein realizou vários estudos sobre a socialização das crianças
na escola, sendo algumas dessas pesquisas realizadas em pré-escolas. Ele chegou a algumas conclusões
que nos parecem relevantes para a presente pesquisa. Bernstein concluiu que existem duas importantes
concepções de pedagogias as quais denominou de visíveis e invisíveis (a partir do ponto de vista da
criança ou do aluno).
Para exemplificar essas pedagogias ele descreve a execução de uma atividade pedagógica com
denominação semelhante - a pintura - em duas pré- escolas com propostas pedagógicas diferenciadas.
Numa delas, as crianças sentam-se em filas, o professor distribui desenhos padronizados, dá seis lápis de
cor e pede a elas para pintarem as figuras. O professor interfere, perguntando: de que cor é mesmo tal
coisa? O professor exerce sua função explicitamente, o lugar que as crianças ocupam já está previamente
definido, a seqüência da atividade já é conhecida e as crianças sabem quais são seus limites e
possibilidades.
Em outra pré-escola, mais parecida com as idealizadas e preconizadas nos nossos dias, a situação
é diferente: as crianças têm folhas grandes de papel, escolhem as cores, o professor apóia e age de modo
indireto, realizando uma pedagogia invisível que é criada “por uma hierarquia implícita, por regras de
seqüência implícitas e critérios implícitos, múltiplos e difusos” (Bernstein, 1986, p. 184). Nas pedagogias
invisíveis, o controle dos professores não está claro, estes criam um ambiente que a criança irá recriar
tendo aparentemente largos poderes sobre o que seleciona e como o estrutura, bem como sobre a escala
de tempo das suas atividades; a criança aparentemente regula os movimentos e suas relações sociais; a
ênfase sobre a transmissão dos conhecimentos e a aquisição de aptidões é reduzida, ou melhor, a ênfase é
posta sobre as inter-relações, tem classificações e enquadramentos relativamente fracos; os critérios de
avaliação pedagógica são múltiplos e difusos e, por isso, dificilmente mensuráveis. (idem, p. 185)
Bernstein continua seu artigo, demonstrando como as pedagogias invisíveis centram sua atenção
no conhecimento do educador em relação aos estágios do desenvolvimento das crianças, na sua prontidão,
nas atividades e nos jogos. O professor observa as ações das crianças, reflete sobre isso e propõe novas
atividades. Segundo o autor, a criança é “filtrada através desta vigilância e, assim, é implicitamente
moldada de acordo com a interpretação, avaliação e diagnóstico”. Aos poucos, as crianças introjetam o
código sem dar-se conta.
Para Bernstein, tanto as pedagogias visíveis como as invisíveis operam com conceitos como

39
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

tempo, espaço e controle social. Nas pedagogias visíveis, a progressão das transmissões estão ordenadas
no tempo e por regras explícitas. O currículo regula a seleção das disciplinas, os conteúdos das mesmas e
sua adequação ao grupo etário. Nas invisíveis, as progressões temporais dependem das teorias de
desenvolvimento interno, dos campos cognitivo, motor e afetivo, e os conteúdos são decididos
coletivamente. Em uma as crianças sabem o que se espera delas, na outra, não.
Quanto ao controle social nas pedagogias visíveis, a hierarquia é explícita, as regras são
apresentadas e com elas as punições. Os princípios da ordem devem ser aceitos, não sendo necessário
compreendê-los. Nas invisíveis, o controle é inerente a uma elaborada comunicação interpessoal, o
contexto é de vigilância, e, a criança fica exposta em sua subjetividade, sendo, muitas vezes, maior o
poder e o controle.
Apesar das rotinas pedagógicas parecerem encaixar-se, com maior facilidade nas pedagogias
visíveis, elas também estão presentes nas propostas pedagógicas das 'pedagogias invisíveis. Isso acontece
porque as instituições educacionais como um corpo social delimitado, com uma ordem social e moral,
necessita assegurar a sua continuidade por meio de rituais bem definidos. De acordo com Bernstein
(1986), a convivência na escola pode modificar a identidade de muitas crianças, os seus modos de pensar
e sentir, transformar a natureza de suas relações com a família e a comunidade e possibilitar- lhes o
acesso a outros estilos de vida e a outros modos de relações sociais.
Domingos, interpretando esses conceitos de Bernstein, afirma: a escola em sua prática educativa
transmite dois complexos de pensamento distintos e interligados; um deles refere-se à formação do caráter
e outro às aprendizagens formais. Portanto, há duas estruturas de relações sociais (que se inter-relacionam
profundamente): uma que controla a transmissão de ordem moral, que o autor denomina ordem
expressiva e outra que controla o currículo e a pedagogia denominada de ordem instrumental.(1986,
p.117) . Pelo que verifiquei até o presente momento sobre a execução das rotinas nas instituições
observadas, elas operam com o objetivo de estruturar, organizar e sistematizar as ordens moral e formal -
acentuando seus esforços na ordem moral - afinal, um dos principais papéis da escolarização inicial é o de
transformar as crianças em alunos. Para desempenhar esse papel, as rotinas utilizam-se de rituais -
cerimônias, castigos, imagem de condutas, caráter, modos valorizados de ser e proceder - que relacionam
os indivíduos com a ordem social do grupo, criando um repertório de ações que são compartilhadas com
todos e que dá o sentimento de pertencimento e de coesão ao grupo. A rotina desempenha um papel
estruturante na construção da subjetividade de todos que estão submetidos a ela.
Esses rituais são geralmente decididos pelos adultos, mas também as crianças os estabelecem. As
rotinas pedagógicas da educação infantil agem sobre a mente, as emoções e o corpo das crianças e dos
adultos. É importante que as conheçamos e saibamos como operam, para que possamos estar atentos às
questões que envolvem nossas próprias crenças e ações. Afinal, reconhecer limites pode ajudar a
enfrentá-los. Aceitar o tédio e declará-lo com consciência pode ser uma ótima premissa para aproximar-se
da novidade. Vivê-lo em silêncio, quase envergonhando-se da repetição que se faz cotidianamente, é um
modo para conferir-lhe, nem sempre conscientemente, a dignidade de um modelo cognitivo, transmitindo-
o às crianças e aos colegas com os quais trabalhamos. (Scchetto apud Mongay & Cunill, 1995, p.XII)

40
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

2. Pedagogias Explícitas e Pedagogias Implícitas


A rotina pedagógica é uma prática educacional constituída com base em uma política social e
cultural que está profundamente vinculada à emergência e à vida concreta das instituições da
modernidade. As sociedades modernas ocidentais caracterizam-se, prioritariamente, por serem
disciplinadoras e normalizadoras (Foucault, 1987,1991), usando, para atingir esses objetivos, tanto
instrumentos ligados à violência como à coerção. Contudo, isso não significa que elas também não
contenham movimentos de ruptura com o estabelecido, de diferenciações em que os usuários não são
apenas consumidores passivos das normas, mas interagem, interferem e usam aquilo que lhes é fornecido
de modo diferente (De Certau, 1994; Santos, 1995).
Levando-se em consideração as transformações realizadas no contexto social contemporâneo,
observa-se que este passa a ter exigências cada vez mais fortes de um predomínio do autocontrole e da
interiorização das normas muito mais do que a coerção externa, Para que o mundo funcione de modo
eficaz, diminui-se o uso da força explícita, mas isso não significa que ela tenha sido definitivamente
suprimida. Correspondendo a esse movimento da sociedade, passou-se de uma pedagogia visível, relativa
às necessidades do capitalismo do início do século, à produção de discursos pedagógicos novos. Esse
processo desencadeou mudanças também nas práticas pedagógicas, sendo possível observar tal evidência
nas propostas da educação infantil.
As pedagogias novas, do final do século XIX e do início do século XX, colocaram em evidência
as idéias de criatividade, de livre expressão, de oficinas e laboratórios, de trabalhos em grupo, de
atividades variadas, isto é pedagogias do fazer rápido, em que as atividades estão desarticuladas e pobres
em significados. Nelas não existem desafios, e os educadores não intervém no sentido de ampliar o
campo de experiência das crianças. Tonucci sugere que há:

uma hiper-estimulação da criança que produzirá muito, mas de maneira estéril. Os resultados são
muitos e vistosos, mas os processos são pobres, pontuais e duram o tempo da realização e muitas
vezes esta é repetitiva. (1986, p.24)

Do ponto de vista dessa reflexão, é preciso considerar que tal perspectiva trouxe para as crianças
e os adultos um novo modo de vida nas escolas infantis. Apesar de as diversas mudanças pedagógicas
apontarem para uma maior democratização dos espaços educativos, observa-se que estes continuam com
falta de politização dessas atividades, o apoderar-se - das crianças e adultos - da gestão do seu
conhecimento. Poder, ao vivenciar tais experiências, fazê-lo de modo consciente. Conforme Tonucci
(1986), isso pode ocorrer quando os alunos examinarem: de novo, na escola, as suas experiências,
conhecerá seu ambiente e recuperará a sua história, tudo isto em contato com o ambiente social de outras
crianças e de adultos, rica e articulada, significada, dando-lhe poder sobre as situações.
Como referem os autores suecos Dahlemberg e Asen (1994):

Em tal sociedade mutante, onde se pode apenas ter pistas dos contornos do futuro, as crianças
devem ser preparadas para tomar parte ativa e construtiva no desenvolvimento e mutação da
sociedade. Pedagogia na sociedade complexa e invisível de hoje deve considerar a idéia de tornar
visível o invisível para as crianças e os jovens. Numa sociedade moderna onde o conhecimento e
a informação estão ligados não apenas à produção de bens, mas também à comunicação, símbolos
e relacionamentos, tornar-se-á crescentemente importante desenvolver não apenas habilidades
básicas tradicionais, mas também criatividade, competência comunicativa e capacidade de
solucionar problemas, (p.165)

O quadro a seguir apresenta algumas características das duas pedagogias antinômicas que foram
apresentadas anteriormente. Na coluna da esquerda, observa-se um padrão de formação vinculado às
idéias de manutenção e na coluna da direita, idéias de transformação social, num típico movimento
polarizador.

41
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Pedagogias Explícitas Pedagogias Implícitas


Rigidez na execução das Flexibilidade para atender ao
seqüências previamente propostas. imprevisto, ao novo, ao inesperado.
Padronizadas, estandartizadas. Diferenciadas, atendendo às
necessidades individuais e
Baseadas no poder adulto, em Baseada no encaminhamento efetuado
propostas pedagógicas fechadas e pelos adultos mas respeitando e
na submissão infantil. incentivando a iniciativa e a
participação infantil. Construída com a
cooperação entre todos.

Visa ao pensamento e às atitudes Visa à possibilidade de um


heterônomas permanente pensamento e
comportamento autônomo.
Apresenta a sociedade como algo ao Pensamento reflexivo? possibilidade
qual se conformar e se adaptar. de criar, de atuar.

Poder centralizador. Poder descentralizado, poderes


dispersos e ativos

Reguladora, com controle externo. Auto-reguladoras com controle interno

Ritualizada. Enfraquecimento do ritual ou dos


rituais construídos.
Sanções expiatórias.

A princípio poder-se-ia pensar que as rotinas estão representadas principalmente pelo lado direito
do quadro e que elas, em geral, têm servido mais para a manutenção do que para a criação, mais para a
regulação que para a emancipação das pessoas que a elas estão subordinadas.
Essa divisão, que sempre me pareceu adequada, passou a ser contestável ou não suficiente para
abrigar o que foi encontrado na literatura sobre o tema e na pesquisa de campo realizada.
Até bem pouco tempo - para não dizer até hoje - era o que vulgarmente conhecíamos como
“pedagogia tradicional" e “pedagogia nova” - os universos dos nossos programas de ensino e da nossa
didática, ainda que, há muito, nossa educação não se sustentasse em nada disso”(Ghiraldelli Jr. 1996, p.
124).
Uma das maiores dificuldades foi classificar as atitudes, os comentários e as propostas das
professoras nessas duas polaridades. Não foi encontrada uma pureza na prática pedagógica; o que se
verificou foi uma tensão permanente entre esses elementos acrescidos da dicotomia encontrada entre o ser
e o dever ser, entre a intenção e a realização. A complexidade da vida, em um contexto educacional,
demonstra que a polarização pode ser um instrumento analítico importante, mas ele não consegue dar
conta da amplitude de elementos que funcionam conjuntamente.
Além disso, era possível observar que, mais do que produzir conhecimentos, procurava-se
produzir nas salas, nas relações entre os adultos e as crianças, sujeitos com características muito
semelhantes. É importante aprofundar essa questão para que se possa ter um pouco mais de clareza a
respeito de como se produz liberdade e, não se deixar cair naquilo que é apenas uma estratégia para a
manutenção.
Se, em meados do século XX, a coluna do lado direito do quadro era aquela que encerrava as
proposições mais de acordo com as suas teorias pedagógicas para a construção de uma sociedade
igualitária (política) e que levam em consideração a idéia da construção do conhecimento
(epistemologia). È possível observar que ela não é um bloco, que essa coluna efervesce, tem uma energia
em movimento. Para exemplificar pode-se tomar o item participação. A princípio, a idéia da participação
de todos nas decisões é o caminho considerado mais democrático, mas se observarmos, certos modelos de
gestão escolar, muitas vezes a participação de todos é mais uma forma de controle do que de

42
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

democratização.
É preciso reconsiderar essa divisão, não para voltar às pedagogias explicitas, mas para poder
reconsiderar as pedagogias implícitas e verificar suas contradições internas. Também é preciso pensar
com cuidado nessas proposições, pois elas encerram ambigüidades que devem estar presentes nas
reflexões acerca de toda a educação e, neste caso, especificamente da educação infantil. Como avalia
Brunner (1996,1997), os estudos feitos nos últimos anos sobre a educação das crianças pequenas
levantaram várias antinomias, e hoje “graças a uma maior lucidez” é possível tirar lições para o futuro a
partir delas.

As antinomias não são apenas fonte de confusão, mas também de reflexão fecunda, pois nos
lembram de que as verdades não existem independentemente dos pontos de vista daqueles que as
proclamam (1996, p. 125)

Para esse autor, desde os anos 60, as pesquisas indicavam que as crianças pequenas eram seres
muito mais ativos do que reativos do ponto de vista cognitivo, muito mais atentas ao mundo social em
que se situam, tinham movimentos muito mais de interação do que de passividade, isto é, eram muito
mais inteligentes do que se tinha suposto anteriormente. E, com toda a certeza, elas não habitavam um
mundo onde apenas reinava a confusão e a falta de sentido; era possível observar que elas pareciam em
busca de uma estabilidade previsível (1996, p. 131). Segundo Bruner, o conhecimento humano:

se desenvolve melhor quando é participativo, pró-ativo, comunitário, cooperativo e quando há o


esforço para construir significações mais do que para recebê-las. (Bruner, 1996, p. 142)

Para ele, três desconcertantes dicotomias têm sido mantidas nas pesquisas e nas práticas da
educação infantil. A dicotomia entre o desenvolvimento do potencial de cada um dos seres humanos e a
preservação da cultura estabelecida; os talentos individuais inatos e as possibilidades e o direito de ter
acesso aos instrumentos da cultura; o saber local e o saber universal.

As pedagogias das instituições de cuidado e educação das crianças pequenas devem observar que tais
espaços de educação coletiva também são lugares para formular pedagogias onde se pode criar e
recriar, “reinventar, polir, refrescar a cultura de cada geração” (idem, p.137).

Para Bruner, as escolas podem elaborar novas culturas, pois, sendo espaços para a atividade
comum, podem ser portadoras de uma contracultura. Elas podem aprender a utilizar de outra maneira as
ordens impostas, usar de forma astuta, pirata, clandestina (De Certau, 1994,1997).
Ao longo das observações realizadas no trabalho de campo e das leituras feitas ao longo da
elaboração desta pesquisa, encontrei uma série de antinomias, compreendendo situações de conflito, em
que se encontram duas proposições, contraditórias, que podem ser separadas e justificadas com
argumentos de igual força e rigor, as quais permeiam as práticas discursivas da Educação Infantil.

43
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Segurança & Imposição Exterior & Interior


Cuidado & Educação Poder Centralizado & Poder Capilar
Coletivo & Individual Ocupado & Ocioso
Trabalho & Brincadeira Ensino & Aprendizagem
Criança & Aluno Autonomia & Heteronomia
Iniciativa & Obstáculos Conhecimento cotidiano & Conhecimento
científico
Fixo & Transformável Famílias incluídas & Famílias excluídas
Homogêneo & Heterogêneo Disciplina imposta & Organização espontânea

Ação & Contenção Inovação & Tradição


Separação & Encontro Resistência & Conformismo
Livre & Dirigido Coadjuvante & Protagonista
Atenção & Controle Espontâneo & Dirigido
Imposição & Proposição Coesão do grupo & Autonomia individual
Cultura da infância & Cultura infantil Massificadas & Individualizada
Prazer & Desprazer Fechada à comunidade & Aberta à comunidade

Repressão & Resistência Esperado & Inusitado


Apoio em uma pedagogia & Submissão a uma Diferente & Habitual
pedagogia
Igualdade & Diversidade Conteúdo & Expressão
Código forte & Código Fraco Solitário & Solidário
Confiança & Risco Cooperativo & Competitivo
Mantenedora & Inovadora Liberdade & Norma
Adultos & Crianças Particular & Universal
Dependente & Independente Mostrar & Esconder
Socialização & Sociabilidade Privacidade & Plubicização

Institucional & Doméstico Convicção & Tolerância


Público & Privado Natural & Cultural
Símbolos & Alegorias Aceitação & Recusa
Mesma idade & Idade diferente Criação & Tradição
Variação & Repetição Dispersão & Concentração
Masculino & Feminino Obrigatório & Suplementar

Na perspectiva de tais polarizações, como pode ser visto no quadro acima, as pedagogias
caracterizam-se como saberes antinômicos atravessados constitutivamente por oposições não-removíveis
como as apontadas. Isto ocorre porque a pedagogia é um saber historicamente situado e integrado aos
processos sociais, culturais e econômicos.
A tarefa do lluminismo é limitada pelo reconhecimento de que existem múltiplas reivindicações e
que estas estão historicamente delimitadas e emergem das lutas e tensões sociais do mundo em que
vivemos, e que a produção das possibilidades humanas sempre contém contradições. (Popkewitz apud
Dahlembreg, G.&Asen, G„ p.170)
Se, na era moderna, essas ambivalências eram consideradas irredutíveis, é possível pensar que, na
contemporaneidade, pode-se dar um passo além. Jameson (1994, p.95), ao discutir os dualismos
constituidores da modernidade, afirma que alguma coisa aconteceu com eles pois: sempre constituíam, no
período moderno, uma ocasião para uma brilhante e nova visão do mundo, enquanto que, no período pós-
moderno, o máximo que oferecem é o material para uma ginástica mental de sofismas e paradoxos, para
voltar assim à vocação arcaica do primeiro ou primordial de todos os dualismos: a oposição mítica entre

44
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

identidade e diferença. Mas isso ocorre somente quando a luta entre as idéias do Velho e do Novo já
foram abandonadas pelo terceiro termo de práxis política ou projeto coletivo.
Para o mesmo autor, se não é possível resolver as contradições para chegar a esse novo termo, o
fundamental é tentar pensar os dois lados da contradição ao mesmo tempo, procurar usá-las ativamente,
produtivamente, umas com as outras denunciando os julgamentos absolutos e as afirmações totalizantes:

as contradições de nossas contradições não se transformam necessariamente em nossas aliadas,


mas alteram as regras do jogo de maneira tão certa como o próprio tempo, quando ele faz os
problemas que enfrentamos se empinarem como flamingos de Alice e tomarem uma forma
inesperada, (idem, p.95)

Talvez a atitude pedagogicamente mais fecunda, como afirmam Bertolini (1996) e Cambi (1995),
seja a de trabalhar com a aproximação das polaridades, vendo-as não como oposições, mas como
antinomias pedagógicas, isto é, procurando:

admitir tais antinomias como expressão da intrínseca complexidade e problematicidade do fato


educativo e afirmar a necessidade de proceder não a escolha de um dos dois termos antinômicos
(o que conduziria a uma posição unilateral e portanto desequilibrada), mas a um esforço de
síntese dinâmica. (Bertolini, 1996,p.23)

As pedagogias passam a ser vistas, assim, como uma atividade social complexa, que deve ser
pensada sem a perspectiva da manutenção ou da ênfase em apenas um lado da dicotomia mas, procurando
encontrar estratégias e caminhos que reconheçam as ambigüidades - ativando-as, criando espaços
comuns, pontos de cruzamento, pondo-as em confronto, jogando com a sua polivalência, com seu jogo de
sentidos. Pode-se estabelecer como imagem dessa concepção, a das estrelas binárias, que são estrelas
duplas, constituídas de dois corpos que rotam, incessantemente, em tomo uma da outra.
As pedagogias não podem continuar excluindo as tensões, pois estas fazem parte constitutiva das
identidades de crianças e adultos no mundo atual. Viver é dramático, conflitivo, tenso. As sociedades
globalizadas também.
O italiano Gianni Rodari, em seu belíssimo livro A Gramática da Fantasia, sugere um jogo para
fazer com as crianças seu nome: Os Binômios Fantásticos. Nesse jogo, o autor propõe que o educador
liste dois grupos de palavras diferentes, estranhas, substantivos e adjetivos, e que posteriormente tais
palavras sejam transcritas em pequenos papéis que serão colocados em dois recipientes. Cada criança,
retira de cada recipiente uma palavra e procura, através de uma relação insólita, fazer com que sua
imaginação crie, produza uma frase. Essa será uma frase sem um sentido usual e que um novo sentido a
palavras até a pouco restritas.
A discussão que pretendi levantar neste artigo é o de tentar “o avesso do avesso”, isto é, juntar
palavras que parecem conter contradições, que parecem ser uma a negação da outra, e uni-las, instituindo,
assim, o fantástico. A criação seja ela pedagógica ou não, ocorre quando se tenta aproximar idéias que
não eram, a princípio, conciliáveis, mas que explodem ao serem articuladas, fazendo surgir o que não
estava dado. Assim as rotinas pedagógicas que eram vistas inicialmente apenas em seu caráter de
reprodução ou de afirmação do controle também podem ser vistas como potencializadoras, geradoras do
novo, da transgressão, do inusitado.

Notas
As práticas pedagógicas organizadas por esses autores provavelmente também teriam as suas diferenças
das teorias, como até hoje vemos, mas esta é apenas uma suposição.
Um texto denominado Sociologia e Educação, publicado originalmente em 1951, pertencente a uma
coletânea organizada por Jesus Palacios denominada Psicologia e Educación.
A pesquisa de campo foi realizada em 1996 e 97 em 3 escolas brasileiras e em 1998 foram feitas visitas
a escolas estrangeiras não com o objetivo da comparação mas o da problematização das questões
pesquisadas.
Vários outros autores trabalham com a perspectiva de dividir, para compreender, as escolas infantis em
modelos educativos. Podemos lembrar de Plaisance (apud Frangos, 1996, p.63), distingue os modelos
expressivos dos modelos produtivos a partir da origem de classe dos alunos e, Tonucci (1986, p.21) que

45
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

divide as escolas infantis nas das lições, das atividades e da investigação.


Bernstein afirma que as idéias de Piaget, Freud e Chomski, apesar das suas incompatibilidades internas,
tornam-se uma teologia da educação pré-primária e são elas que dão o suporte para à criação das
pedagogias invisíveis.
Essa separação é controversa quando falamos de crianças tão pequenas na creche e na pré-escola. As
crianças são um todo onde as duas ordens estão presentes, mas a instituição separa essas ordens tanto na
constituição da sua pedagogia como na divisão do trabalho entre profissionais: monitor, atendente e
professor.
Apesar de termos uma discussão sobre se a creche e a pré-escola são instituições escolares ou não-
escolares, estamos, em minha opinião pessoal, vivendo um período de transição, onde de uma
perspectiva educacional se está passando para uma de escolarização no Brasil.
Não utilizei a denominação de Bernstein, pois acrescentei alguns elementos novos aos elementos por ele
apresentados originalmente.
As classificações das pedagogias em grandes grupos serviram tanto para a classificação dos projetos
pedagógicos existentes como para os educadores exercitarem um exame de consciência e uma auto-
avaliação (classificatória) com questões como: em que estágio do desenvolvimento educacional me
encontro? Sou reprodutivista ou revolucionário? Isso contribuiu muito mais para a estigmatização do
que para a mudança pedagógica.
Alguns autores como Candal (1999), Latour (1997), Charlot (1978), Jensen (1998) contribuíram
efetivamene com a organização os dados foram os demais autores citados anteriormente neste capítulo.
As antinomias são situações de conflito aberto em que duas proposições contraditórias procuram
justificar-se com argumentos de igual força e rigor.

Refletindo
Repensando sobre as pedagogias apresentadas no texto percebemos que a escola
brasileira, orientada pelo governo, especificamente pelas diretrizes do MEC, tem lutado
para manter ações homogêneas, salas e alunos em “pé de igualdade” e garantir a educação para todos.
Vis pedagogias passam a ser vistas, assim, como uma atividade social complexa, que deve ser pensada
sem a perspectiva da manutenção ou da ênfase em apenas um lado da dicotomia mas, procurando
encontrar estratégias e caminhos que reconheçam as ambigüidades - ativando-as, criando espaços
comuns, pontos de cruzamento, pondo-as em confronto, jogando com a sua polivalência, com seu jogo
de sentidos", p.65 12)

Redija um texto estabelecendo a relação entre currículo e prática pedagógica na escola brasileira da
atualidade, tendo como suporte os textos e estudos realizado ao longo dessa disciplina.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________

46
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Referências
REFERÊNCIAS

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos


parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEE,
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 15a ed., São Paulo: Paz e
Terra, 2000. (Coleção Leitura)
BRAGA, Beloní Cacique; CICILLINI, Graça A.,'SILVEIRA, Teresa Cristina M. da. O papel nem
sempre é branco como a primeira manhã: a constituição de professoras e o Currículo no Ensino de Arte.
IN.FONSECA, Selva Guimarães. Currículos, saberes e culturas escolares.São Paulo: Alínea.2007.p.85-
103
SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade uma introdução às teorias do currículo.
BH.Autêntica, 1999.p.11-17
MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu da. (orgs.).Currículo, cultura e sociedade. 5. ed. São
Paulo: Cortez, 2001.
SACRISTAN, J.Gimeno. O Currículo - uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed. 2000
3.ed..p.13-53
ARAÚJO, Paulo. O que a escola precisa ensinar disponível em http://revistaescola.
abril.com.br/online/redacao/anamaria/20080318_posts.shtml acesso em 17 de maio de ?008.
ARROYO, Miguel G. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de educadores.
Educação. Sociedade Campinas, v. 20, n. 68,1999. Disponível em: http://www.scielo.
br/scielo.php?script=sci_arttext&piG=S0101-73301999000300008&lng=Pt&nrm=iso. Acesso em: 12
Maio 2008. doi: 10.1590/S0101-73301999000300008

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. A rotina nas pedagogias infantis: dos binarismos à complexidade.
Disponível em www.curriculosemfronteiras.com.br acesso em 27 de maio de 2008.

CASTRO,Cláudio Moura. Desencontros do ensino médio. Disponível em http://www.


reescrevendoaeducacao.com.br acesso em 15 de maio de 2008.

HOMBURG, Nice;SILVA Rúbia. Uma análise para compreensão e mudança -Disponível em


www.icpg.com.br/hp/revista/download.exec.php7rpa_ chave=25444f7b96f6c76e1 e89, com acesso em
10 de maio/2008

Sites para Pesquisa:

www.curriculosemfronteiras.ora

http://www.scielo.br/scielo.php?scrÍDt=sci arttext&pid=S0101-73301999000300008- &lna=pt&nrm=iso

www.icpg.com.br/hp/revista/download.exec.php?rpa_chave=25444f7b96f6c76e1e89

47
Biblioteca online – sem valor comercial. Proibida a venda e a reprodução.

Atividades Avaliativas

1) Sendo a dicotomia inevitável na educação escolar, quais estratégias podemos utilizar para
minimizar as grandes diferenças apresentadas entre currículo e prática pedagógica?

2) Ao fazer um resgate das experiências vividas como alunos é possível perceber em algumas
práticas o formato de escola na qual estudamos e sua possível tendência. Redija um texto
relatando suas experiências e lembranças do tempo de escola procurando resgatar as questões
discutidas.

3) A escola hoje é regida por qual pedagogia? Justifique sua resposta.

4) Em sua opinião, quais são os momentos mais importantes na constituição de um indivíduo


como professor? Quais saberes são construídos pelos professores no exercício da profissão?

5) No Brasil de hoje, como o governo ou Estado articula as questões curriculares na prática


vivida pelos professores e alunos na escola? Existe interferência perceptível na estrutura
curricular, levando em consideração que já existem diretrizes e parâmetros curriculares
circulando nas escolas?

48