Você está na página 1de 3

Semana do Alfartano

Direito Constitucional Redação


Adriane Fauth Silvia Ferreira
Lembre-se de que dicas sempre são bem-vindas,
Exercícios mas a eficiência de sua aplicação depende de conhe-
cimentos prévios, pois sem uma boa bagagem de co-
01. O remédio constitucional que representa, no plano
nhecimentos, o candidato dificilmente terá êxito.
institucional, a mais expressiva reação jurídica do
Estado às instituições que lesem, efetiva ou poten- Dicas para uma boa redação
cialmente, os direitos de conhecimento de infor- • Respeite o número de linhas mínimas
mações relativas à pessoa interessada constantes e máximas (conforme determina cada
de registros ou bancos de dados de entidades go- edital). Cada linha excedida é desconsi-
vernamentais ou de caráter público, bem como de
derada pelos corretores, por isso, seja
retificação de dados e complementação de regis-
conciso.
tros existentes, é o habeas data.
• Algumas falhas são percebidas apenas
02. Uma autoridade pública de determinado estado
com uma leitura minuciosa. Nunca
da Federação negou-se a emitir certidão com in-
formações necessárias à defesa de direito de de- entregue seu texto sem antes reler o
terminado cidadão. A informação requerida não que escreveu (use o rascunho para or-
era sigilosa e o referido cidadão havia demonstra- ganizar as primeiras ideias).
do os fins e as razões de seu pedido. • Respeite a estrutura do texto, escreva
Nessa situação hipotética, o remédio constitucional parágrafos que delimitem bem as
apropriado para impugnar a negativa estatal é o habeas partes que o compõem. Um bom texto
data. deve apresentar introdução, desen-
03. Não poderá ser conhecido habeas corpus impe- volvimento de até três parágrafos e
trado em benefício alheio por indivíduo destituído conclusão (isso depende, é claro, do
de sanidade mental que não esteja representado gênero da redação).
ou assistido por outrem. Leitura e escrita são dois processos indissociáveis.
04. O polo passivo do mandado de injunção jamais Quem quer escrever bem precisa dedicar parte de seu
poderá ser ocupado por particular. tempo à leitura dos diversos gêneros textuais e também
estar atendo às regras gramaticais.
05. Ao constatar que o esgoto produzido em uma edi-
ficação que sediava um órgão da Administração • Seja objetivo, evite clichês, frases feitas
Pública era lançado diretamente no principal rio e elementos que não agregarão ab-
da cidade, um cidadão local, inconformado com tal solutamente nada para o desenvolvi-
situação de descaso com o meio ambiente, decidiu mento de suas ideias;
pleitear, pela via judicial, a obtenção de medida • Atenção às margens e ao recuo dos
que protegesse o meio ambiente da agressão
parágrafos, pois a organização de seu
constatada.
texto interfere na inteligibilidade das
Nessa situação hipotética, para requerer a medida
protetiva pretendida, o referido cidadão deverá impetrar
ideias. Cuidado com a letra, pois os
ação popular. corretores geralmente não perdem
tempo tentando decifrar uma escrita
06. O mandado de segurança pode ser impetrado ilegível.
contra autoridade pública ou agente de pessoa
jurídica no exercício de atribuições do poder • Evite períodos longos, pontue sempre
público, como é o caso dos agentes de pessoas ju- que possível. Orações longas podem
rídicas privadas que executam, a qualquer título, prejudicar a coerência e a coesão
atividades e serviços públicos. textual.
Gabarito: • Por falar em coesão...
Coerência e Coesão
1- CORRETO
A coerência de um texto se refere ao sentido da
2- ERRADO leitura para quem lê, ou seja, tem a ver com a interpre-
3- ERRADO tabilidade e inteligibilidade daquilo que é escrito. Em
4- CORRETO outras palavras, um texto é coerente quando as ideias
apresentadas fazem sentido, comunicam um entendi-
5- CORRETO mento de modo harmônico, unificado.
6- CORRETO Para garantir-se a coerência do texto, é necessário
observar os seguintes princípios: princípio da não con-
tradição (o texto não pode conter ideias que se contra-
digam e prejudiquem a sua lógica interna); princípio da

Não deixe nada nem ninguén atrapalhar sua tragetória. 1


Semana do Alfartano

não tautologia (o texto não deve ficar repetindo ideias de dada expressão por outra de igual
excessivamente, visto que esse vício de linguagem sentido (sinônimo, hipônimo etc.).
confunde a comunicação efetiva dos sentidos do texto);
QUESTÕES
e princípio da relevância (as ideias devem ser necessá-
rias ao sentido e apresentadas de modo completo e em Crônicas contemporâneas
diálogo entre si, sem fragmentação, isto é, sem junção O gênero da crônica, entendida como um texto curto
aleatória de ideias desconectadas). de periódico, que se aplica sobre um acontecimento
A coesão, por sua vez, diz respeito à ligação das pessoal, um fato do dia, uma lembrança, um lance narra-
ideias do texto. Trata dos mecanismos linguísticos tivo, uma reflexão, tem movido escritores e leitores desde
empregados na busca pela coerência. Pode ser articula- os primeiros periódicos. No pequeno espaço de uma
da por meio de conjunções, quer dizer, pelos chamados crônica pode caber muito, a depender do cronista. Se ele
operadores argumentativos, que são os elementos de se chamar Rubem Braga, pode caber tudo: esse mestre
ligação que conectam as diferentes frases e ideias. maior dotou a crônica de uma altura tal que pôde dedi-
car-se exclusivamente a ele ocupando um lugar entre os
Existem operadores argumentativos de várias
nossos maiores escritores, de qualquer gênero.
ordens:
Jovens cronistas de hoje, com colunas nos grandes
Adição ou continuação: além disso; ademais; não
jornais, vêm demonstrando muita garra, equilibran-
só . . . mas também . . . ; também.
do-se entre as miudezas quase inconfessáveis do coti-
Causa e consequência: consequentemente; como diano pessoal, às quais se apegam sem pudor, e a uma
resultado; assim; portanto; logo; em razão de; em decor- espécie de investigação crítica que pretende ver nelas
rência de. algo de grandioso. É como se na padaria da esquina
Contraste e ressalva: salvo; exceto; porém; contudo; pudesse de repente representar-se uma cena de Hamlet
todavia; entretanto; embora; mas; pelo contrário; em ou de alguma tragédia grega; é como se, no banheiro do
contraste. apartamento, o espelhinho do armário pudesse revelar
Certeza: certamente; indubitavelmente; inquestio- a imagem-síntese dos brasileiros. Talvez esteja nesse
navelmente; evidentemente. difícil equilíbrio um sinal dos tempos modernos, quando,
como numa crônica, impõe-se combinar a condição mais
Condição: caso; a não ser que; a menos que. pessoal de cada um com a responsabilidade de uma
Dúvida: talvez; provavelmente; possivelmente. consciência coletivista, que a todos nos convoca.
Esclarecimento: por exemplo; isto é; equivale a (Diógenes da Cruz, inédito)
dizer; em outras palavras; dito de outro modo. 1. Está clara e correta a redação deste livre co-
Relevância: em primeiro lugar; principalmente; pri- mentário sobre o texto :
mordialmente. a. Ao frequentarem os periódicos, através de colunas
Proporção: à medida que; ao passo que. regulares, a crônica sempre esteve no agrado do público,
Intenção: com o fim de; a fim de; com o intuito de; onde o gosto é agraciado pela linguagem informal.
para. b. Detectam-se, naquele texto, profundas diferenças
Resumo (recapitulação): em suma; em síntese; em entre as crônicas de Rubem Braga, um mestre no gênero,
resumo; em vista disso. e aquelas assinadas pelos jovens escritores de hoje.
Semelhança: igualmente; da mesma forma; do c. É comum que nas crônicas da contemporaniedade,
mesmo modo; por analogia; de acordo com; assim como. os temas mais corriqueiros, busquem ganhar altura e im-
Imprevisto: inesperadamente; imprevistamente. portância, segundo requerem os jovens cronistas.
Relação de tempo: imediatamente; após; agora; d. Não há porquê um cronista contemporâneo deixar
atualmente; frequentemente; às vezes; sempre; ocasio- de se referir à mitos clássicos, embora as crônicas sejam
nalmente; simultaneamente; nesse meio tempo; nesse consideradas de acordo com um gênero menor.
ínterim. e. Um dos desafios de nosso tempo aos cronistas
Retificação: aliás; ou melhor. jovens, está na dificuldade de se conciliar o interesse ex-
tritamente individual com o interesse coletivista.
A coesão também se dá por outros modos.
_________________________________
• Coesão por referência: quando se faz
Há qualquer coisa de especial nisso de botar a cara na
referência a um termo dito anterior- janela em crônica de jornal - eu não fazia isso há muitos
mente, evitando sua repetição excessi- anos, enquanto me escondia em poesia e ficção. Crônica
va ou desnecessária. algumas vezes também é feita, intencionalmente, para
• Coesão por substituição: dá-se pela provocar. Além do mais, em certos dias mesmo o escritor
colocação de um item no lugar de mais escolado não está lá grande coisa. Tem os que
mostram sua cara escrevendo para reclamar: moderna
outro.
demais, antiquada demais.
• Coesão por elipse: quando se omite Alguns discorrem sobre o assunto, e é gostoso com-
um termo, sem comprometer a clareza partilhar ideias. Há os textos que parecem passar des-
da ideia. percebidos, outros rendem um montão de recados:
• Coesão lexical: dá-se por intermé- “Você escreveu exatamente o que eu sinto”, “Isso é exa-
dio da repetição ou da substituição tamente o que falo com meus pacientes”, “É isso que digo
para meus pais”, “Comentei com minha namorada”. Os

2 Voce é do tamanho do seu sonho.


Semana do Alfartano

estímulos são valiosos pra quem nesses tempos andava


meio assim: é como me botarem no colo - também eu
preciso. Na verdade, nunca fui tão posta no colo por
leitores como na janela do jornal. De modo que está
sendo ótima, essa brincadeira séria, com alguns textos
que iam acabar neste livro, outros espalhados por aí.
Porque eu levo a sério ser sério… mesmo quando parece
que estou brincando: essa é uma das maravilhas de
escrever. Como escrevi há muitos anos e continua sendo
a minha verdade: palavras são meu jeito mais secreto de
calar.
(LUFT, L. Pensar é transgredir. Rio de janeiro: Record,
2004.)
2. Os textos fazem uso constante de recurso que
permitem a articulação entre suas partes. Quanto à
construção do fragmento, o elemento
a) “nisso” introduz o fragmento “botar a cara na janela
em crônica de jornal”.
b) “assim” é uma paráfrase de “é como me botarem
no colo”.
c) “isso” remete a “escondia em poesia e ficção”.
d) “alguns” antecipa a informação “É isso que digo
para meus pais”.
e) “essa” recupera a informação anterior “janela do
jornal”.
_________________________________
Cultivar um estilo de vida saudável é extremamente
importante para diminuir o risco de infarto, mas também
de problemas como morte súbita e derrame. Significa
que manter uma alimentação saudável e praticar ativida-
de física regularmente já reduz, por si só, as chances de
desenvolver vários problemas. Além disso, é importante
para o controle da pressão arterial, dos níveis de coles-
terol e de glicose no sangue. Também ajuda a diminuir
o estresse e aumentar a capacidade física, fatores que,
somados, reduzem as chances de infarto. Exercitar-se,
nesses casos, com acompanhamento médico e modera-
ção, é altamente recomendável.
(ATALIA, M. Nossa vida. Época. 23 mar. 2009).
3. As ideias veiculadas no texto se organizam es-
tabelecendo relações que atuam na construção do
sentido. A esse respeito, identifica-se, no fragmento,
que
a) a expressão “Além disso” marca uma sequenciação
de ideias.
b) o conectivo “mas também” inicia oração que
exprime ideia de contraste.
c) o termo “como”, em “como morte súbita e
derrame”, introduz uma generalização.
d) o termo “Também” exprime uma justificativa.
e) o termo “fatores” retoma coesivamente “níveis de
colesterol e de glicose no sangue”.

Gabarito:
1-B
2-A
3 - A.

Não deixe nada nem ninguén atrapalhar sua tragetória. 3