Você está na página 1de 5

COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ ALOÍSIO ARAGÃO

COLÉGIO DE APLICAÇÃO – ÓRGÃO SUPLEMENTAR DA UEL


ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

DISCIPLINA: Prática em Centro Cirúrgico e Central de Material. CARGA HORÁRIA:

PROFESSOR(A): Almeir Evangelista Sanches

CURSO: Técnico em Enfermagem HORÁRIO: 7:40 as 12:00


Matutino.
TURMA: 3 semestre julho 2013.

EMENTA

Visão de cuidados de Enfermagem com o paciente cirúrgico e técnicas em Enfermagem das Unidades de
Centro Cirúrgico, Sala de Recuperação Pós-anestésica e Clínica Cirúrgica. Revisão fisiopatológica das
principais afecções cirúrgicas. Realização dos cuidados em Enfermagem ao paciente cirúrgico no
transoperatório . Interação do técnico em enfermagem-cliente na situação cirúrgica no trabalho
humanizado.

OBJETIVOS
COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ ALOÍSIO ARAGÃO
COLÉGIO DE APLICAÇÃO – ÓRGÃO SUPLEMENTAR DA UEL
ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Geral:
Possibilitar ao acadêmico a prestação de assistência sistematizada do tecnico em enfermagem ao cliente
cirúrgico nas Unidades de Centro Cirúrgico, Sala de Recuperação Pós-anestésica e Clínica Cirúrgica, de
acordo com os princípios éticos e humanísticos que regem a profissão e com o contexto social, político,
econômico e cultural em que o indivíduo e sua família estejam inseridos, tendo em vista as premissas do
Sistema Único de Saúde .

Especificos:
A disciplina espera conduzir o aluno a:
- desenvolver conhecimentos e habilidades necessárias para o atendimento do cliente cirúrgico;
- compreender as características do cuidado no contexto das unidades de Clínica Cirúrgica (UCC); Centro
Cirúrgico (CC) e Sala de Recuperação Pós-Anestésica (SRPA);
- conhecer o trabalho do tecnico em Enfermagem na UCC, CC e SRPA, sob os aspectos assistenciais.
- conhecer a estrutura física e organizacional da UCC, CC e SRPA, bem como os principais aspectos que
envolvem o cuidado de enfermagem nestas unidades;
- entender as prioridades de atendimento ao cliente cirúrgico nos diferentes momentos e ambientes de sua
internação hospitalar, quais sejam: pré-operatório mediato, na UCC; pré-operatório imediato, na sua
recepção no CC; trans-operatório, na sala de operações; pós-operatório imediato, na SRPA; e pós-operatório
mediato, de volta à UCC.
- conhecer as principais afecções cirúrgicas e os cuidados de enfermagem específicos a cada uma delas;
- conhecer os problemas de enfermagem que acometem o cliente cirúrgico na relação com os aspectos
socioambientais que interferem no processo saúde-doença;
-Realizar técnicas em enfermagem com o paciente cirúrgico como: Degermação, Sondagem, limpeza e
preparo das salas operatórias,auxiliar anestesiologista, administrar medicação na SRPA quando necessário.
-

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

2
COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ ALOÍSIO ARAGÃO
COLÉGIO DE APLICAÇÃO – ÓRGÃO SUPLEMENTAR DA UEL
ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Introdução à Enfermagem Cirúrgica


Conceito, objetivos e princípios básicos.
A importância da enfermagem na prevenção da contaminação no ambiente cirúrgico.

Assistência de Enfermagem no Período Perioperatório


Enfermagem na Unidade de Clínica Cirúrgica (UCC) e o Processo de Cuidar no Período Pré-operatório
Mediato - caracterização do período pré-operatório; objetivos e importância da assistência de enfermagem
no pré-operatório; avaliação de enfermagem e planejamento da assistência em pré-operatório; preparo físico
e emocional do paciente em pré-operatório.
. Enfermagem na Unidade de Centro Cirúrgico (CC) - Estrutura física e organizacional do CC; planta física,
normas governamentais de construção, fluxograma de materiais e equipamentos, controle de infecção (áreas,
zoneamento, iluminação, ventilação, segurança); a estrutura organizacional e administrativa do CC
(filosofia, metas, objetivos; atribuições de cada elemento da equipe cirúrgica; material e equipamentos).
. Enfermagem na Unidade de Centro Cirúrgico (CC) e o Processo de Cuidar no Período Pré-operatório
Imediato e no Trans-operatório - Planejamento da assistência de enfermagem ao paciente antes da cirurgia;
planejamento da assistência de enfermagem ao paciente no Centro Cirúrgico durante a cirurgia; recursos
para a assistência de enfermagem em Centro Cirúrgico (hemostasia, bisturi elétrico, acessos cirúrgicos e
riscos, posição cirúrgica, tipos de anestesia, ação das principais drogas anestésicas, cuidados de enfermagem
de acordo com as drogas administradas)
Enfermagem na Unidade de Recuperação Pós-Anestédica (RPA) - Estrutura física e organizacional da
unidade de RPA; e o Processo de Cuidar no Período Pós-operatório Imediato - caracterização do período
pós-operatório imediato; planejamento da assistência de enfermagem ao paciente no seu pós-operatório
imediato e principais complicações do período pós-operatório imediato; critérios de avaliação e alta em RPA.

Enfermagem no Centro de Materiais e Esterilização (CME) – Estrutura física e organizacional do CME;


métodos de esterilização e validação; instrumental cirúrgico (acondicionamento e cuidados); fluxograma de
materiais; dimensionamento de pessoal.
2.6. Enfermagem na Unidade de Clínica Cirúrgica (UCC) e o Processo de Cuidar no Período Pós-operatório
Mediato - caracterização do período pós-operatório mediato e tardio; objetivos e importância da assistência
de enfermagem no pós-operatório mediato; avaliação e planejamento da assistência em pós-operatório
mediato; desconfortos e complicações mais comuns no pós-operatório mediato; preparo para a alta.

Assistência de Enfermagem nas Principais Afecções Cirúrgicas


Assistência de Enfermagem ao Paciente submetido a Cirurgias do Aparelho Digestivo.
Assistência de Enfermagem ao Paciente submetido a Cirurgia Urológica.
Assistência de Enfermagem a Paciente submetida a Cirurgia Ginecológica e da Mama.
Assistência de Enfermagem em Ortopedia e Traumatologia - traumatismos ósteo-articulares.
Assistência de Enfermagem ao Paciente submetido à Cirurgia Cardíaca e cateterismo.
Assistência de Enfermagem ao Paciente submetido à Cirurgia Pulmonar.
Assistência de Enfermagem ao Paciente submetido à Cirurgia Vascular Periférica.
Assistência de Enfermagem ao Paciente submetido à Neurocirurgia.
Assistência de Enfermagem ao Paciente Queimado.

3
COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ ALOÍSIO ARAGÃO
COLÉGIO DE APLICAÇÃO – ÓRGÃO SUPLEMENTAR DA UEL
ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

METODOLOGIA

Estudo de caso.
Conhecimento do matérias e equipamentos do Centro Cirurgico e CME.
Ténicas de Degermação, antissepsia dos braços , paramentação e abertura dos materiais
esterelizados na sala de cirurgia.
Conhecimento teórico X prático: discussão em grupo.

RECURSOS

Materias disposto no centro cirurgico.


Aula pratica laboratório de Enfermagem.
Video de técnicas cirúrgicas.

AVALIAÇÃO DO ENSINO – APRENDIZAGEM

A avaliação do processo de ensino e aprendizagem tem finalidade diagnóstica, formativa e somativa. Deve
ser realizada no transcorrer das atividades propostas de forma contínua e sistemática.
Para a avaliação serão utilizados os seguintes critérios: conhecimentos teóricos e sua associação com a
prática, desenvolvimento de técnicas e habilidades, assiduidade, pontualidade, interesse e participação do
acadêmico.

CRONOGRAMA DE AULAS (previsão: data X carga horária X conteúdo)

4
COLÉGIO ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ ALOÍSIO ARAGÃO
COLÉGIO DE APLICAÇÃO – ÓRGÃO SUPLEMENTAR DA UEL
ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Aula pratica todas as Segundas e Quartas feiras das 7:40 as 12:00 horas.
Os conteúdos diários são desenvolvidos conforme números de cirurgias agendadas e
fluxo de pacientes.

REFERÊNCIAS