Você está na página 1de 45

1

CONTEÚDO

1. A Liderança na Economia Neotestamentária


2. A Liderança no Ministério Neotestamentério e
entre os Ministros do Novo Testamento
3. A Administração de Deus
4. A Liderança do Novo Testamento

Prefácio

Esse pequeno livro é composto de material selecionado de


quatros livros do irmão Witness Lee. O capítulo um foi retirado
do livro “Truth Messages”, páginas 27-35; o capítulo dois
provém “The God-ordained Way to Practice the New Testament
Economy”, páginas 167-173; o capítulo três foi retirado do
Treinamento de Presbíteros, livro 9: “The Eldership and the
God-ordained Way” (1), páginas 39-54; e o capítulo quatro foi
retirado “The Apostles’ Teaching and the New Testament
Leadership, páginas 17-30. (Todas as obras referidas nesse livro
são publicadas pelo Living Stream Ministry).

Nesse pequeno livro o irmão Lee faz a seguinte afirmação


crucial:

A liderança no ministério neotestamentário não é em realidade a


liderança de uma pessoa que controla. Na restauração do
Senhor rejeitamos a noção de uma pessoa controlando
indivíduos e questões. Nós temos alguma liderança, mas não a
liderança de uma pessoa que controla. Ao contrário, temos a
liderança de uma revelação que controla em um ministério por
intermédio dos que trazem a revelação do ministério. A
revelação controla, e ela controla por meio dos que trazem a
revelação. A revelação na restauração do Senhor nos controla e
nos restringe.

A revelação que controla e restringe na restauração do Senhor é


a revelação da economia de Deus neotestamentária. O
ensinamento dos apóstolos é o ensinamento da economia de
Deus neotestamentária para dispensar o Deus Triúno no Seu
povo escolhido e redimido a fim de produzir e edificar o Corpo
de Cristo para Sua expressão para consumar na Sua expressão

2
completa eterna na Nova Jerusalém (Atos 2:42; 1Tm 1:3-4).
Cristo assume a liderança entre nós como a única Cabeça do
Corpo por meio dos Seus escravos que assumem a liderança
para seguir esse único ensinamento e ensinar essa única coisa.

Em sua carta de comunhão às igrejas da restauração do Senhor


em 24 de março de 1997, o irmão Lee disse:

O Senhor mostrou-me que Ele tem preparado muitos irmãos


que servirão como conservos comigo na maneira do
entremesclar. Sinto que essa é a provisão soberana do Senhor
para o Seu Corpo, e a maneira atual para cumprir o Seu
ministério.

Que possamos servir com o nosso irmão como conservos na


maneira do entremesclar para seguir a revelação da economia
neotestamentária de Deus para edificar o Corpo de Cristo e
consumar a Nova Jerusalém até que encontremos o Senhor.

Os Editores

3
CAPÍTULO UM

A LIDERANÇA NA ECONOMIA NEOTESTAMENTÁRIA

O CONCEITO DO SENHOR DE LIDERANÇA

O significado de liderança na Bíblia é completamente


diferente do nosso conceito natural. O que o Senhor disse a
respeito de liderança em Mateus 20:20-28 e 23:8, 10, e 11
abala o nosso pensamento humano sobre liderança. De acordo
com o conceito humano natural, um lider é superior aos outros.
Mas, nesses capítulos, o Senhor diz que qualquer que deseja ser
grande entre Seu povo deve ser um escravo. Conseqüentemente,
o conceito do Senhor de liderança é o oposto do conceito
natural. Sim, hoje, há uma necessidade de líderes entre os
filhos do Senhor. Esses líderes, porém, precisam perceber que,
na economia neotestamentária de Deus, a liderança significa
escravidão. Se você deseja ser um líder entre os filhos do
Senhor, você deve ser um escravo.

Se formos genuínos e honestos, admitiremos que amamos a


liderança, mas não a escravidão. Esse é o coração humano.
Mesmo as irmãs jovens gostam de ser líderes. Se elas não
podem ser o número um, ou ao menos o número dois, elas
estão desapontadas. Não traga o conceito natural de liderança à
sua leitura da Bíblia. Na Bíblia, eu repito, liderança significa
escravidão. Se você é verdadeiramente um escravo entre o povo
do Senhor, você deve ser voluntário para limpar a sala, o chão,
colocar em ordem as cadeiras, e servir como porteiro. Como isso
é diferente da idéia de liderança no mundo! Na restauração do
Senhor não devemos perguntar ao zelador quando vemos a
necessidade de limpeza. Antes, nós todos devemos servir como
zeladores. Vamos abandonar o nosso conceito natural de
liderança e voltarmos à Palavra pura.

CRISTO, O ÚNICO LIDER

De acordo com a economia de Deus, há somente um líder


entre Seu povo — o Senhor Jesus Cristo: “Nem sereis chamados
guias, porque um só é vosso Guia, o Cristo” (Mt 23:10, VR).
Qualquer um que me considera um líder na restauração do
Senhor não está praticando a verdade. Se alguém perguntá-lo
quem é o líder na igreja, diga-o que o líder é Cristo. Ao

4
responder dessa maneira mostra que conhecemos a verdade e
praticamos a verdade. Se alguém alega que Witness Lee é o
líder, você precisa dizer-lhe, “Witness Lee é nosso escravo”.

A Igreja Católica afirma que Pedro foi designado por Cristo


para ser o único líder. Contudo, o Novo Testamento, revela de
outra maneira. Sim, nos evangelhos e na primeira parte de Atos
Pedro é o primeiro, e seu nome é o primeiro mencionado. Mas,
em Gálatas 2:9 diz, “...Tiago, Cefas e João, que eram reputados
colunas.” Aqui, Pedro (Cefas) não é mencionado em primeiro
lugar, mas em segundo. Quando Pedro levantou com os onze no
dia de Pentecostes, ele era forte como um leão. Contudo, em
Gálatas 2, ele foi covarde, pois quando os irmãos vieram da
parte de Tiago, Pedro se recusou a comer com os gentios (v.12).
Antes desse momento, ele praticou a verdade com relação ao
comer com os crentes gentios de acordo com a visão que ele
recebera em Atos 10. Mas, quando os irmãos vieram da parte de
Tiago, ele não mais praticou a verdade nessa questão. Quando
Paulo viu que Pedro e os outros não se portavam honestamente
de acordo com a verdade do evangelho, ele o repreendeu diante
de todos (Gl 2:14). Devido a sua fraqueza, Pedro estava
danificando a verdade do evangelho, a verdade que tanto os
crentes gentios como os crentes judeus são iguais. Isso mostra
que em Gálatas 2, a autoridade espiritual de Pedro diminuiu.
Pedro não era um apóstata, mas sua capacidade espiritual era
menor do que a de Tiago. Por essa razão, em Gálatas 2:9 o nome
de Tiago é mencionado antes do nome de Pedro. Além disso, o
fato que os irmãos procediam “de Tiago” indica que Tiago
representava a igreja em Jerusalém.

Outra indicação que Tiago, e não Pedro, representava a


igreja em Jerusalém é vista em Atos 21:17 e 18: “Tendo nós
chegado a Jerusalém, os irmãos nos receberam com alegria. No
dia seguinte, Paulo foi conosco encontrar-se com Tiago, e todos
os presbíteros se reuniram”. Aqui nos é dito que Paulo e seus
cooperadores não foram à Pedro, mas à Tiago, pois todos os
presbíteros, incluindo Pedro, estavam na casa de Tiago. Ele era
aquele que representava a igreja na cidade.

Uma indicação adicional disso é vista na conferência


realizada em Atos 15. Nessa conferência de apóstolos e
presbíteros, Pedro falou primeiro e então Paulo falou. Em uma
conferência, os líderes não falam primeiro, mas por último. A
palavra final nessa conferência foi dada por Tiago, como é
5
indicado por essas palavras: “Depois que eles terminaram, falou
Tiago, dizendo: Irmãos, atentai nas minhas palavras” (At 15:13).
Então no versículo 19 Tiago deu a sua decisão: “Pelo que, julgo
eu, não devemos perturbar aqueles que, dentre os gentios, se
convertem a Deus”. Quando colocamos todos esses versículos
juntos, vemos que Pedro não era o único líder no Novo
Testamento. Quando os católicos reivindicam que Pedro era tal
líder, precisamos saber como cortar retamente a Palavra sob
esse aspecto, assim podemos apresentar uma figura clara para
eles.

A LIDERANÇA DEPENDE DA CAPACIDADE


ESPIRITUAL

A liderança entre os Seus filhos na economia


neotestamentária de Deus não é oficial, permanente ou
organizacional. Antes, a liderança depende da capacidade
espiritual. Aquele com a maior capacidade é o líder. Em um
momento essa capacidade pode estar com certo irmão, mas, em
outro momento pode estar com um irmão diferente. No dia de
Pentecostes a maior capacidade estava com Pedro, mas em Atos
15 ela estava com Tiago.

Ademais, a relação entre Barnabé e Paulo ilustra esse


principio. Atos 13:2 diz, “E servindo eles ao Senhor e jejuando,
disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para
a obra a que os tenho chamado”. Aqui vemos que Barnabé é
mencionado antes de Paulo (Saulo). Mas, quando eles estavam
na sua missão, Paulo espontaneamente assumiu a liderança (At
13:9) pois ele tinha a maior capacidade espiritual. Foi Barnabé
que levou Paulo à Antioquia, e enquanto eles estavam juntos em
Antioquia, ele assumiu a liderança. Mas Barnabé não discutiu
com Paulo quando esse tomou a liderança na missão. Barnabé
não disse; “Paulo, se afaste. Não esqueça que o meu nome foi
mencionado primeiro quando fomos chamados. Por que você
está assumindo a liderança? Pois, Barnabé percebeu que a
capacidade de Paulo era maior que a dele, ele não discutiu com
ele sobre assumir a liderança.

Todos esses fatos provam que a liderança entre os filhos de


Deus hoje não devería ser oficial, permanente ou organizacional.
Pelo contrário, depende sempre da capacidade espiritual. Essa é
a maneira ordenada por Deus para colocar de lado o conceito

6
humano de liderança. Os reis se sucederam no Antigo
Testamento. Nunca havia três ou quatro reis ao mesmo tempo.
Mas no Novo Testamento o Senhor não designou somente um
apóstolo mas doze. Mais tarde, Ele adicionou outros, como por
exemplo: Paulo, Barnabé, e Timóteo. Eu creio que houve muitos
apóstolos. Se não, como poderia haver falsos profetas em 2
Corintios 11:13? Além do mais, em cada igreja local há sempre
diversos presbíteros. A pluralidade no presbitério demonstra
que na verdade não há liderança fixa na igreja.

PRATICANDO A VERDADE COM RELAÇÃO A


LIDERANÇA

A razão pela qual menciono essa questão agora é que


alguém presumiu ser o líder da restauração do Senhor durante
os últimos anos, não somente nesse país como em toda parte do
mundo. Se os santos tivessem sido claros sobre a verdade
concernente à liderança e a tivessem praticado, ninguém teria
aceito tal reivindicação. Se ficarmos claros sobre a verdade e a
praticarmos, de agora em diante ninguém ousará dizer que ele é
o líder.

Considerar-me o líder na restauração do Senhor é não estar


claro sobre a situação real; é ser contra a prática da verdade.
Durante anos tenho estado com vocês, eu nunca assumi a
liderança. Nunca dei ordens às igrejas e tampouco aos santos
concernente ao que eles deveriam fazer. Pelo contrário, muitas
vezes presbíteros de diversas igrejas me imploravam para os
dizer o que deveriam fazer. Sempre digo a eles para irem ao
Senhor em oração e deixá-Lo guiá-los. Não há liderança
organizada na restauração do Senhor. Há muito tempo quando
deixamos as denominações, abandonamos principalmente a
hierarquia, a organização. Todos devemos odiar a hierarquia e
não aceitá-la de forma alguma. Durante os últimos anos, apesar
disso uma hierarquia começou a mover-se lentamente e
assumir liderança. Isso foi tolerado pois muitos estavam em
trevas e não praticavam a verdade. Agora, todos nós devemos
conhecer a verdade com relação a essa questão. Devemos estar
debaixo do brilhar da luz e pleno da verdade.

Suponha que alguém reivindique para ser nomeado o líder


na restauração. Não devemos considerar a sua palavra; ao
contrário, devemos ir àquele que diz que o designou. Se um
zelador que trabalha na Casa Branca diz que o presidente deu a
7
ele um ordem com relação a você, não considere a palavra do
zelador por ela mesma. Ao contrário, entre em contato com o
presidente e pergunte-o sobre isso. Você não dever seguir a
ordem do zelador simplesmente porque vem em nome do
presidente. Se você acolher a palavra do zelador cegamente,
você não tem culpa, mas foi enganado, pois está em trevas e
deficiente da verdade. Você nunca deveria fazer alguma coisa ou
acreditar em algo porque a reivindicação é feita por um certo
irmão que diz assim. O que importa é o que o Senhor diz e o que
a Bíblia ensina, não o que um irmão diz. Como precisamos
aprender e praticar a verdade concernente a isso!

Durante anos estive com o irmão Nee. Nós nunca o


consideramos um líder oficial, e ele nunca considerou a si
mesmo dessa maneira. Sempre que alguém o considerava como
um líder e vinha a ele para instruções, o irmão Nee não diria
uma palavra. Somente quando uma pessoa vinha a ele para
comunhão, ele abriria a si mesmo para compartilhar algo. Ele
nunca assumiu que ele era o líder oficial. Do mesmo modo, não
considero-me como um líder oficial na restauração do Senhor
hoje.

UMA CABEÇA

O Novo Testamento revela que todos os filhos de Deus são


um Corpo. Apesar que há muitos membros, há somente uma
Cabeça. Entretanto, de acordo com o nosso conceito natural, há
muitas subcabeças. Nós consideramos os ombros, os braços, as
mãos e os dedos como subcabeças. Entretanto, há somente
uma Cabeça que dá ordens para todos os membros diretamente,
não através de subcabeças. Na restauração do Senhor não há
organização; há somente um organismo, o Corpo. Portanto, não
há qualquer tipo de subcabeças. Não consider os braços ou os
ombros como subcabeças. O Corpo tem somente uma única
cabeça — Cristo. Se a nossa visão concernente a liderança é
clara, ninguém será capaz de nos enganar.

OBEDECENDO ÀQUELES QUE SÃO LÍDERES

Nós vimos um aspecto da verdade concernente à liderança,


do ponto de vista da economia neotestamentária de Deus não
há uma lidereança permanente, oficial. Agora, precisamos

8
considerar outro aspecto. Hebreus 13:17 diz, “Obedecei aos
vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por
vossa alma, como quem dever prestar contas, para que façam
isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós
outros”. Todos nós devemos obedecer aos líderes. Isso não
significa que os presbíteros exerçam autoridade sobre nós;
significa que como aqueles que são mais velhos e têm mais
experiência, eles assumem a liderança e precisamos segui-los.
Obedecer significa seguir.

Considerando os presbíteros, Pedro diz, “Nem como


dominadores dos que vos foram confíados, antes, tornando-vos
modelos do rebanho” (1Pe 5:3). Os presbíteros devem assumir a
liderança por se tornarem padrões, não dominando sobre os
santos. Se os presbíteros vêem que o chão está sujo, eles não
deveriam sentar no trono e convocar os serventes para limpá-lo
por eles. Ao contrário, eles deveriam assumir a liderança de
limpar o chão e por meio disso dando o exemplo para outros o
seguirem.

Apesar que os presbíteros não devem dominar sobre o


rebanho de Deus, Pedro diz, “Rogo igualmente aos jovens: sede
submissos aos que são mais velhos” (1Pe 5:5ª). Além disso, há
ocasiões quando os mais velhos precisam se submeter aos mais
jovens. Como Pedro diz, “Outrossim, no trato de uns como os
outros, cingi-vos todos de humildade” (v.5b). Desta maneira,
não somente os jovens se submetem aos mais velhos, mas
todos, incluindo os mais velhos, se submetem uns aos outros
em humildade. Que figura maravilhosa é essa! É absolutamente
diferente do conceito natural de liderança na mentalidade caída.
A liderança na igreja não é aquela de Ninrode, que construiu a
cidade de Babel. Antes, é uma liderança que edifica o Corpo.

A AUTORIDADE DOS APÓSTOLOS

Em conclusão, precisamos dizer uma palavra a respeito dos


apóstolos. Os apóstolos têm autoridade? De acordo com o meu
conhecimento do Novo Testamento, os apóstolos não têm
autoridades em si mesmos para controlar igrejas. Somente a
palavra ministrada por eles tem autoridade. Se as igrejas e os
santos continuam de acordo com a palavra, de acordo com
oráculo de Deus, os apóstolos não têm autoridade para tocar as
igrejas. Mas se uma igreja se perde ou é enganada, então os
apóstolos tem a obrigação e responsabilidade para tratar com a
9
situação de acordo com a palavra de Deus, a qual tem
autoridade. Por isso Paulo diz, “Que preferis? Irei a vós outros
com vara ou com amor e espírito de mansidão?” (1Co 4:21). Ele
também disse a eles que estava presente em espírito para tratar
com o pecador entre eles e expulsá-lo (1Co 5:3-5). A autoridade
dos apóstolos é espiritual e está no seu ministério da palavra.
Eles não têm autoridade posicional para interferir com os
assuntos da igreja.
Entre os filhos de Deus na economia neotestamentária de
hoje, não há verdadeiramente liderança no sentido natural. Não
há uma liderança oficial, permanente e organizacional entre os
apóstolos. O mesmo é verdade com relação aos presbíteros na
igreja local. Além disso, todas as igrejas estão no mesmo nível;
não há unificação organizacional. Da mesma maneira, todas as
regiões, distritos, e áreas da obra estão no mesmo nível.
Portanto, todos os apóstolos, todas as igrejas locais, todos os
presbíteros, e todas as regiões da obra estão no mesmo nível.
Não há organização, não há hierarquia, não há liderança
permanente e oficial. Antes, todos respeitamos e honramos o
encabeçamento do Senhor Jesus Cristo. Se virmos isso,
cortaremos retamente a palavra da verdade concernente a
liderança entre o povo de Deus hoje.

10
CAPÍTULO DOIS

A LIDERANÇA NO MINISTÉRIO
NEOTESTAMENTÁRIO E ENTRE OS MINISTROS DO
NOVO TESTAMENTO

Leitura Bíblica: Atos 1:17, 25; Ef 4:3-6; 1Tm 1:3-5; 6:3-5; 2Jo
9-11

UMA ÚNICA LIDERANÇA

No Novo Testamento há somente um único ministério e


uma única liderança no ministério. Embora exista a verdade da
liderança no ministério do Novo Testamento, o Senhor não
designou oficialmente alguém para ser um lider. A primeira
parte de Atos nos mostra que Pedro estava assumindo a
liderança entre os apóstolos (cf. Atos 1:15; 2:14). Contudo, o
Senhor Jesus não designou Pedro para ser o líder oficial. A
liderança era algo espontânea de acordo com a vida, de acordo
com a necessidade real, e de acordo com a situação. A liderança
é formada pelo crescimento de vida e é um resultado da
necessidade. Se não há necessidade, nenhuma liderança pode
ser manifestada. O ambiente forma e constitui a liderança.

Há somente uma única liderança visto que o ministério é


um (Atos 1:17, 25). Porque o ministério é um, não deveria existir
mais de uma liderança. Também há uma única liderança já que
Deus, o Senhor, e o Espírito são todos um (Ef 4:4-6). Desde que
há um Deus, um Senhor, e um Espírito, como poderia existir
mais de uma liderança? A única liderança é para manter a
unidade do Espírito para o Corpo de Cristo (Ef 4:3). Hoje o
cristianismo é dividido porque há muitas lideranças. Cada líder
tem um grupo que é a esfera da sua liderança, e aquela esfera
se torna um divisão. Assim, se a questão da liderança não é
aplicada ou vista adequadamente, criará divisão.

A LIDERANÇA NO ENSINAMENTO DOS


APÓSTOLOS

A liderança é produzida, fortalecida, e também limitada e


restrigida, no ensinamento dos apóstolos. Em 1 Timóteo 1:3-4
Paulo exortou a Timóteo a permanecer em Eféso a fim de fazer
uma coisa com um propósito definido. Ele estava lá para exortar
11
os dissidentes para que não ensinassem coisas diferentes da
economia de Deus na fé. Ele tinha que exortá-los para não
ensinar coisas que eram diferentes do ensinamento dos
apóstolos, que está relacionado a economia neotestamentária de
Deus para dispensar o Deus Triúno no Seu povo escolhido e
redimido para que Cristo possa ter um Corpo para expressar a
Si mesmo e para que o Deus Triúno possa ter uma completa,
eterna expressão na Nova Jerusalém. Qualquer ministro que
prega ou ensina deveria levar a cabo esse ministério. Caso
contrário, esse pregador ou esse ministro deveria ser limitado.
Paulo tinha autoridade para exortar as pessoas a não
ensinarem diferentemente da economia de Deus. Timóteo
deveria dizer aqueles dissidentes que a sua maneira de
ensinamento deveria ser restringido e corrigida. Primeira
Timóteo nos mostra que existia alguma liderança que exortava
as pessoas ensinar a coisa certa.

Também podemos ver a liderança do ensinamento dos


apóstolos em 2 João 9-11 onde João exorta os crentes a não
receberem aqueles que iam além do ensinamento de Cristo. Ir
além do ensinamento de Cristo é ir além do ensinamento dos
apóstolos. Em 2 João 10-11 diz, “Se alguém vem ter convosco e
não traz essa doutrina, não o recebais em casa, nem lhe deis as
boas-vindas. Porquanto aquele que lhe dá boas-vindas faz-se
cúmplice das suas obras más”. João exorta a proibir os crentes
de receber esse tipo de ministros. Dizer “bem-vindo” para
alguém era usado como saudação. Os crentes não deviam
mesmo saudar aqueles que vinham a eles e não traziam o
ensinamento de Cristo. Essa exortação forte mostra a liderança
no ministério neotestamentário.

Paulo, em sua obra no ministério neotestamentário,


exercitou a liderança para corrigir aqueles que ensinavam
erroneamente, e João exercitou sua liderança para exortar os
crentes a não receber aqueles que ensinavam heresia, que não
estava de acordo com o ensinamento dos apóstolos. Os
apóstolos que participavam no ministério da economia
neotestamentária realmente exercitavam alguma liderança.

NÃO A LIDERANÇA EM ORGANIZAÇÃO

Tal liderança exercitada por Paulo e João não era uma


liderança em organização. Os primeiros doze apóstolos foram
designados pelo Senhor Jesus, mas eles não eram organizados.
12
A designação do Senhor Jesus era igual entre os doze. No Novo
Testamento não podemos ver uma organização com um quadro
de membros, um presidente, um secretário, ou outros cargos.
Todas as principais denominações têm um quadro de membros
e um presidente. A Igreja Católica tem o papa como a cabeça da
sua organização hierarquica. Mas a liderança no ministério do
Novo Testamento não é a liderança no sentido mundano de
controlar os outros. Na restauração do Senhor não temos um
quadro de membros com um presidente.

Ademais, essa liderança não é a liderança dos atos dos


ministros, mas em seu ensinamento, para restringi-los de serem
divisivos. Alguns vezes no Novo Testamento Paulo disse aos
seus cooperadores para irem a certo lugar(1Co 4:17) ou
permanecer em outros lugares (Tt 1:5). Mas, basicamente
falando, a liderança não é exercida sobre os atos dos ministros.
Ninguém deveria exercitar qualquer controle sobre a obra do
Senhor. Se alguém tem o encargo para ir ao Alaska, ele dever
estar claro que isso é do Senhor. Ninguém controla a sua ida
ou não, mas ele precisa estar claro se a sua decisão é ou não
através da comunhão com o Senhor e o Corpo. Não há restrição
aplicada aos movimentos dos obreiros, mas se alguém se
levanta para ensinar algo além do ensinamento dos apóstolos, a
liderança pode se levantar para dizê-lo para não ensinar
diferentemente. A liderança que é mostrada no Novo Testamento
reside principalmente nos ensinamentos dos ministros, não nos
atos dos cooperadores.

Como a restauração do Senhor está espalhada por todo o


mundo, quem pode conduzir os atos de tantos cooperadores e
aqueles que servem? Nós não temos um quadro ou uma missão
para dirigir os atos dos cooperadores. Ninguém tem a posição
para guiar os atos dos ministros. Eles precisam orar e buscar a
direção do Senhor e ter comunhão com os amados santos que
estão concernentes ao mover do Senhor na terra hoje. Através
da oração e comunhão com os santos, eles estarão claros se eles
devem ficar onde eles estão ou ir a outro lugar. Eles estarão
claros se devem ir por si mesmos ou com alguns outros. O que é
ensinado ou pregado pelos obreiros, contudo, deve ser restrito.
Há necessidade de muita liderança nesse campo.

Na restauração o ministro de Deus, não há liberdade para


pregar tudo o que gostamos de pregar ou ensinar. Nossa
pregação e nosso ensino tem que ser restringido sob a liderança
13
pela revelação da economia neotestamentária de Deus. Se
alguém na restauração do Senhor começou a ensinar, enfatizar
ou promover alguma coisa contrária ou diferente da economia
neotestamentária de Deus, haveria a necessidade de alguma
liderança para que isso seja restringido. Por conseguinte, não
haveria nenhuma confusão. Se todos nós tivéssemos uma
revelação clara do ministério de Deus na economia
neotestamentária, nunca haveria confusão na restauração do
Senhor.

No passado a restauração do Senhor foi pertubada por


alguns que enfatizavam a questão do falar em linguas. A
maioria dos cristãos ainda não aceitaram a questão do falar em
línguas, e na realidade esse questão produziu muito dano ao
mover do Senhor na terra. Com a questão do falar em línguas o
débito é maior que o crédito. No princípio da restauração do
Senhor na China continental, sofremos uma grande perda
quando tentamos praticar o falar em línguas. Por fim, os
cooperadores espontaneamente concluiram que o falar em
línguas não era benéfico para o mover do Senhor na terra.

Uma certa revista carismática editou um artigo no qual o


escritor disse que tinha contatado duzentas pessoas que
reivindicavam que falam em línguas. Sem exceção, todas essas
duzentas duvidavam se a línguas faladas eram genuínas. No
entanto, o escritor os encourajou para continuar a falar em
línguas não obstante as suas dúvidas acerca da genuinidade do
que eles expressavam. Lemos esse artigo publicamente no
treinamento de 1963. Quando perguntei aos treinandos se
Pedro e os outros no dia de Pentecostes tinham alguma dúvida
se as línguas faladas por eles eram genuinas. Certamente Pedro
e os outros não tinham tais dúvidas. Contudo, esses duzentos
faladores de línguas tinham dúvidas pois as línguas que
falavam não eram genuínas.

Além disso, em 1963 e 1964 havia reportagens nos jornais


sobre uma profecia pentecostal que um tremor de terra afligiria
a cidade de Los Angeles e que a cidade cairia no oceano. Não
obstante, a data prognosticada passou, e nada aconteceu.
Certamente essa falta de cumprimento é suficiente para provar
que essa profecia era uma fraude. Por diversos anos, nós na
restauração do Senhor na China estávamos sob a influência do
pentecostalismo. Por meio da nossa experiência podemos
testificar que nosso envolvimento com pentecostalismo foi mais
14
uma perda que um ganho. O maior dano do pentecostalismo é
que torna dificil aos crentes apreciar a união orgânica, interior
com o Deus Triúno. Muitos crentes são interessados em falar
em línguas, cura, e milagres, mas não no desenvolvimento e
cultivo da união orgânica com o Deus Triúno.

Desde o princípio da restauração do Senhor nos Estados


Unidos, disse aos santos que cria que existia a questão do falar
de línguas na Bíblia, mas de acordo com nossa observação e
experiencia o falar de linguas do movimento carismático hoje
não é genuino, mas fabricado humanamente. Alguns dizem que
podem ensinar a outros falarem em línguas. Eles fazem isso
encorajando-os a falar síbalas sem sentido. Obviamente, esse
“falar em línguas” não é um dialeto genuino. Falar em línguas
dessa maneira não ministra vida e não edifica os crentes.
Quando alguns estavam enfatizando o falar em línguas na
restauração do Senhor isso criou um problema. Não dei ordens
para proibir isso, mas fiz o possível para ter uma comunhão
completa com os santos dizendo-os que o falar em línguas não
ministra vida ou ajuda de qualquer modo a restauração do
Senhor.

Há um perigo de ensinamentos entrando entre nós que


enfatiza outras coisas do que a economia neotestamentária. Não
precisamos exercitar muita liderança sobre esses tipos de
coisas, mas precisamos ensinar aos santos na restauração do
Senhor a aprender a economia do Novo Testamento. Ao
aprender a economia de Deus, os santos terão habilidade para
discernir o que é necessário e o que não é necessário. Os santos
que têm a visão da economia neotestamentária de Deus não se
importariam por ensinamentos que enfatizam e acentuam
outras coisas. Por causa da nova maneira do Senhor, a porta
está amplamente aberta para todos falarem e agirem. Por isso,
devemos ser restringidos pela visão celestial, e revelação da
economia do Novo Testamento.

A LIDERANÇA EM REALIDADE

A liderança no Novo Testamento em realidade não é a


liderança de uma pessoa que controla. Na restauração do
Senhor, rejeitamos a noção de uma pessoa controlando pessoas
e questões. Realmente temos alguma liderança, mas não a
liderança de uma pessoa que controla. Ao contrário, temos a

15
liderança de uma revelação controladora de um ministério
através dos que trazem a revelação do ministério. A revelação
controla, e ela controla por meio dos que trazem a revelação. A
revelação na restauração do Senhor nos controla e nos
restringe.

O ministério entre nós não é um ministério de uma pessoa


sozinha, mas o único ministério do Novo Testamento, o
ministério do mover do Senhor na terra na dispensação da
igreja. O mover do Senhor na terra é por meio do Seu único
ministério, e todos participamos nesse único ministério. Mesmo
a nossa saída para visitar as pessoas ao bater suas portas é
parte desse único ministério. A liderança não é a liderança de
uma pessoa sozinha que está controlando pessoas na
restauração do Senhor. A liderança na restauração do Senhor é
a liderança da revelação dada por Deus que nos restringe, nos
dirige e nos controla deste modo a confusão e divisão podem ser
evitadas.

Agradecemos ao Senhor pelo único ministério e pela única


liderança nesse ministério. Estou tão feliz que todos nós
recebemos uma revelação sob uma liderança, tomando um
caminho e alcançado um objetivo. Se todos os santos na
restauração do Senhor se levantassem para assumir a maneira
ordenada por Deus a fim de praticar a economia do Novo
Testamento, que impacto teríamos! Na nova maneira do Senhor,
todos os santos têm muitas oportunidades para servir ao
Senhor ao bater às portas, batizar as pessoas, estabelecer
reuniões de casa, ensinar a verdade, e ajudar as pessoas a
crescer em vida. Devemos cooperar com o Senhor para assimilar
a nova maneira, a maneira ordenada por Deus, para praticar a
economia do Novo Testamento. Realmente creio que isso trará o
Senhor Jesus de volta.

16
CAPÍTULO TRÊS

A ADMINISTRAÇÃO DE DEUS

A ADMINISTRAÇÃO DE DEUS NO ANTIGO


TESTAMENTO

A administração de Deus na terra está muito relacionada à


administraçãs das igrejas. Se virmos a administração de Deus
na terra, temos que ver a administração da igreja. Para estudar
essa questão, devemos voltar ao princípio do mover de Deus
entre a humanidade no Antigo Testamento.

Um Reino de Sacerdotes e uma Nação Santa

No livro de Gênesis depois da queda de Adão, Deus se


moveu na terra entre Seu povo escolhido. Por meio do Seu
mover no livro de Gênesis, Deus ganhou algumas pessoas
importantes e finalmente Ele ganhou a casa de Israel. As
pessoas cruciais que Ele ganhou foram Adão, Abel, Enos,
Enoque, Noé, Abraão, Isaque e Jacó com José. Por intermédio
de Jacó com José, Deus ganhou a casa de Israel como um
pequeno grupo de pessoas, mas naquela casa não podemos ver
muito da administração de Deus. Nós não podemos ver muito
da administração de Deus até chegarmos à época de Moisés
descrita em Êxodo.

Em Êxodo 19 no Monte Sinai o Senhor disse aos filhos de


Israel que Ele queria que eles fossem um “reino de sacerdotes” e
uma “nação santa” (v.6). A nação de Israel tinha provavelmente
cerca de dois milhões de pessoas naquela época. Os filhos de
Israel não foram salvos individualmente do Egito. Eles foram
salvos corporativamente como uma raça inteira de pessoas. Eles
não sairam do Egito um por um como indivíduos, mas sairam
como um povo corporativo, até mesmo como uma nação e reino.
Quando eles vieram à Sinai, Deus os chamou um reino de
sacerdotes e uma nação santa. No reino em Sinai, a
administração de Deus começou entre o Seu povo na terra.

17
O Governo de Deus é pela Sua Palavra Imediata mais
Sua Palavra Escrita e Constante por meio de Alguns
Representantes

A administração de Deus tampouco era uma autocracia por


um ditador nem uma democracia do povo. A administração
entre os filhos de Israel era uma teocracia, mostrando que o
próprio Deus veio para governar, dirigir, administrar o povo de
Deus diretamente mas por meio de alguns representantes.
Entre os filhos de Israel, esses representantes eram os
sacerdotes, e os anciãos trabalhando juntos para a teocracia de
Deus. Os sacerdotes eram aqueles que receberam a palavra de
Deus, o falar de Deus, as instruções de Deus. O falar de Deus,
Sua palavra constante e imediata, era a constituição viva dos
filhos de Israel. Até que a lei fosse dada, não havia o falar
constante de Deus, mas havia sempre o Seu falar imediato. A lei
era o falar constante de Deus. A lei como a Constituição dos
Estados Unidos, pode ser considerada a primeira constituição
escrita do povo de Deus escrita pelo próprio Deus. O Antigo
Testamento, contudo, nos mostra que a constituiçao escrita por
Deus por ela mesma não era adequada. Ainda havia a
necessidade da constituição imediata de Deus, Seu falar
imediato. O falar imediato de Deus sempre vem junto com a Sua
palavra escrita. A teocracia entre a nação de Israel era um
governo de acordo com o falar constante de Deus como escrito
na lei ou o falar imediato de Deus como revelado por meio do
peitoral do sumo sacerdote por meio do Urim e do Tumim (Ex
28:30; Lev 8:8; Nm 27:21; Dt 33:8; 1Sm 28:6; Ed 2:63; Ne 7:65).

A parte extremamente crucial no governo de Deus era o


falar imediato de Deus por meio do Urim e do Tumim no peitoral
do sumo sacerdote. Entre o povo de Israel, havia os anciãos de
um lado e os sacerdotes de outro lado. Apesar que a Escritura
não indica claramente como os anciãos foram produzidos, ela
nos diz como os sacerdotes foram produzidos. Deus escolheu
toda a nação de Israel para ser o reino de sacerdotes. Ele
pretendia que todo varão israelita deveria ser um sacerdote.
Mas os filhos de Israel caíram e falharam para alcançar o
propósito de Deus. Assim, Deus inverteu Sua escolha de toda
nação de Israel como sacerdotes para uma familia, a casa de
Arão. A casa de Arão tornou-se a casa dos sacerdotes para
substituir a nação de sacerdotes. Arão como o pai foi designado
por Deus para ser o sumo sacerdote, e todos os seus filhos

18
tornaram-se os sacerdotes (Ex 28:1). Essa foi a maneira pela
qual os sacerdotes foram produzidos no Antigo Testamento.

Entre os sacerdotes estava o sumo sacerdote com as suas


vestes sacerdotais. A parte mais importante dessas vestimentas
era o peitoral na estola sacerdotal (Ex 28:15-30). No peitoral
estavam doze pedras preciosas gravadas com o nome das doze
tribos de Israel (vv. 17-21). Há muito tempo li um artigo com
relação ao Urim e ao Tumim escrito por um estudioso hebraico.
De acordo com esse artigo, os doze nomes das doze tribos de
Israel eram compostas de dezoito das vinte e duas letras do
alfabeto hebraico. As quatro letras que sobraram foram
colocadas em uma peça chamada Tumim. A palavra Tumim
designa perfeição ou conclusão. Assim, no peitoral, com a peça
adicional chamada Tumim, todas as vinte e duas letras do
alfabeto hebraico podem ser encontradas.

Além disso, de acordo com esse artigo, o Urim, que significa


luz, era um iluminador inserido no peitoral embaixo das doze
pedras. As doze pedras no peitoral estavam normalmente sob o
brilhar do Urim. Quando o sumo sacerdote ia à presença de
Deus com o peitoral, repentinamente um pedra inscrita com um
certo nome se tornava escura. Essa escuridão de um pedra
específica era o falar imediato de Deus. Era dessa maneira que
letra após letra, o sumo sacerdote era capaz de soletrar uma
palavra, então uma sentença, então um parágrafo, até que o
pleno julgamento de Deus fosse determinado. Era necessário ter
o alfabeto hebraico completo com as vinte e duas letras para
que qualquer palavra pudesse ser composta.

O escritor desse artigo disse que foi através do Urim e do


Tumim que o pecado de Acã foi descoberto em Josué 7. Pelo
Urim e o Tumim, eles souberam que aquele que tinha pecado
pertencia a tribo de Judá. Por fim a familia e a pessoa foram
descobertas (vv.16-18). O peitoral do sumo sacerdote é
chamado o peitoral do julgamento em Êxodo 28:30 pois ele fala
imediatamente por Deus. Onde quer que houvesse um problema
que não pudesse ser resolvido ou decidido pela lei escrita, o
sumo sacerdote conduzia o peitoral a presença de Deus para
esperar em Deus e ler as letras. Então ele recebia o falar de
Deus. Essa era a maneira de receber a revelação imediata de
Deus com relação a Sua administração. Ademais, esse é o
motivo pelo qual alguns estudiosos chamaram a administração
divina de Deus no Antigo Testamento de teocracia.
19
Depois que o sumo sacerdote recebia o falar imediato de
Deus, ele não executava ou levava a cabo o que Deus tinha
falado diretamente. Ao contrário, ele passava a palavra que ele
tinha recebido aos anciãos, e esses se tornavam os
administradores diretos entre o povo de Deus. Josué poderia ser
considerado o ancião-líder entre o povo de Deus no seu tempo.
Eleazar, um descendente de Arão, era o sumo sacerdote que
acompanhava Josué. Deus pediu a Moisés para dizer a Josué
que se ele quisesse conhecer a vontade ou liderança de Deus,
deveria ir a Eleazar, o sacerdote, que perguntaria “O qual por
ele consultará, segundo o juízo do Urim, perante o SENHOR” (NM
27:21). Essas duas pessoas continuaram o mover do Senhor
juntos. Um carregava a responsabilidade para ir à presença de
Deus a fim de receber o falar de Deus imediato, e o outro
recebeu o falar divino da administração entre o povo de Deus.
Em princípio, a administração de Deus foi executada pelos
anciãos de acordo com o falar divino recebido através do Urim e
do Tumim. Quando os sacerdotes se tornaram fracos, como por
exemplo, no tempo de Eli (1Sm1:12; 3:12-14), os profetas eram
levantados para fortalecerem o falar de Deus (3:20-21). O falar
imediato de Deus através dos sacerdotes, foi pelo Urim e o
Tumim, mas o falar imediato de Desu através dos profetas foi
pelo Espírito de Deus vindo sobre certas pessoas capacitando-as
a falar a palavra de Deus.

Mais tarde no Antigo Testamento, os filhos de Israel


seguiram a maneira mundana para ter um rei. Isso ofendeu a
Deus (1 Sm 8:4-7). Seu desejo por um rei desagradou a Deus
pois eles queriam um homem para reinar sobre eles
preferivelmente que Deus. Deus permitiu-os que tivessem um
rei, mas como resultado eles sofreram(vv. 10-18). Seguindo esse
rei, Saul, Deus estabeleceu um homem como rei de acordo com
o Seu coração, um homem chamado Davi (At 13:21-22). Mesmo
com Davi ainda havia a necessidade da estola sacerdotal (1 Sm
23:9-12; 30:7-8; 2 Sm 6:14; 1 Cr 15:27).

Quando o reinado se tornou fraco, os profetas foram


levantados. Quando Davi pecou, Natanael veio para repreendê-
lo e ajudá-lo na administração de Deus (2 Sm 12:1-25). Todos
os profetas da época de Davi até a época de Malaquias (Ml 1:1)
foram pessoas usadas por Deus para falar Sua palavra imediata
para o Seu povo a fim de ajudar os administradores, os reis,
executando a administraçao de Deus entre o Seu povo.

20
Tudo o que acontece no Antigo Testamento era uma figura
do governo do Novo Testamento. Se entendermos a
administração de Deus no Seu mover no Novo Testamento hoje,
temos que voltar ao Antigo Testamento para receber o
entendimento pleno da pratica da administração de Deus. A
administração de Deus é governada diretamento pelo proprio
Deus. Esse governo divino direto é a teocracia. Precisamos ver o
principio do governo divino de Deus entre o Seu povo. Seu
governo é pelo o Seu falar imediato mais a Palavra escrita
constante. O falar imediato não era igualmente através dos
sacerdotes ou dos profetas, mas tampouco os sacerdotes nem os
profetas eram os administradores diretos. A administração
direta tampouco era dos anciãos, dos juizes, ou dos reis.

A ADMINISTRAÇÃO DE DEUS NO NOVO


TESTAMENTO

Os Presbíteros Designados pelos Apóstolos

Agora chegamos ao Novo Testamento. No Antigo


Testamento não somos capazes de descobrir como foi produzido
o primeiro grupo de anciãos. Também não há uma palavra
direta no Novo Testamento que nos diga como foi produzido o
primeiro grupo de presbiteros na igreja no Novo Testamento.
Tanto Pedro como João eram presbiteros na igreja em
Jerusalém (1Pe 5:1; 2Jo 1; 3 Jo 1). Tiago também era um
presbítero em Jerusalém (Gl 2:9; At 12:17; 15:2, 13; 21:18). Ele
era um irmão de carne do Senhor Jesus (Gl 1:19; Mt 13:55) e
não foi salvo antes da morte do Senhor (Jo 7:3, 5). Tiago creu no
Senhor, por ver a morte do Senhor ou por meio da aparição do
Senhor a ele em Sua ressurreição ( 1Co 15:7). Assim, da época
da sua salvação até que se tornou um presbistero foi muito
pequeno. Por fim, ele se tornou o presbítero líder na igreja em
Jerusalém. A igreja em Jerusalém é representada pelo nome de
Tiago em Gálatas 2:12, e no livro de Atos, ele é proeminente
entre os presbíteros em Jerusalém (12:17; 15:13; 21:18). Como
Tiago, Pedro e João foram produzidos como presbísteros? A
Bíblia não diz-nos diretamente.

Quando o apóstolo Paulo foi levantado pelo Senhor e


enviado pelo Espirito Santo, o Senhor o usou para estabelecer
novas igrejas. Atos 14:23 nos diz que Paulo retornou para
designar os presbíteros em cada uma das novas igrejas

21
provavelmente dentro do mesmo ano. A designação dos
presbiteros é registrada claramente em Atos 14:23. Os
presbísteros foram estabelecidos entre os santos pelos apóstolos
que tinham pregado o evangelho para eles e que os tinham
formado como igreja local. Tito 1:5 nos diz que os apóstolos que
estabeleceram as igrejas tinham a posição e o direito para
enviar representantes para estabelecer presbíteros. Esse foi o
caso de Tito. Ele estava representando o apóstolo Paulo para
estabelecer presbíteros em cada cidade na ilha de Creta. Esses
versículos nos mostram que os presbíteros foram produzidos
apropriadamente no Novo Testamento através da designação po
aqueles que pregaram o evangelho a eles, que os ensinaram a
verdade, e que os formaram com os santos em uma igreja local.
Esses apóstolos deveriam ser aqueles que designavam os
presbiteros para executar a administração de Deus em cada
igreja local.

No princípio da restauração do Senhor na China


continental, adotamos pelo menos oitenta porcento das práticas
dos irmãos unidos. Percebemos em 1935 que não poderiamos
segui-los plenamente, pois constatamos seu erro sério na
questão da prática da igreja. A luz que o irmão Nee recebeu
durante aquela época está no seu livro intitulado “The Assembly
Life”. Essas mensagens foram dadas por ele em 1934.

Quando o irmão Nee começou a ver a luz com relação a


prática bíblica da vida da igreja, de alguma maneira ele estava
ainda confinado pela nossa humildade. Ele disse, “Hoje somos
os apóstolos não oficiais, mesmo os apóstolos não oficiais têm o
direito não oficial para designar os presbíteros não oficiais”.
Nos éramos muito humildes. Não nos sentiamos bem ao
reconhecer que éramos os apóstolos naquela época. Mas nos
diziamos: “Se não formos os apóstolos hoje, ao menos somos os
apóstolos não oficiais. Caso contrário, como as igrejas
apareceram? Sem dúvida, todas as igrejas na China vieram do
ensinamento do irmão Nee. Se ele não era um apóstolo, pelo
menos era um apóstolo não oficial.

Depois de um curto periodo de tempo, outro livro foi


publicado em chinês pelo irmão Nee intitulado “A Vida Cristã
Normal da Igreja”. Nesse livro o irmão Nee se tornou corajoso.
Ele disse que se aqueles que pregam o evangelho, ensinam a
verdade e estabelecem e formam igrejas não são apóstolos,
então quem são eles? Ele se tornou muito forte nessa questão.
22
Ele suprimiu a negação da palavra não-oficial e disse que
éramos os apóstolos oficiais e que os presbíteros estabelecidos
por nós eram os presbísteros oficiais. Por isso, não éramos
presbíteros não-oficiais. Éramos presbíteros oficiais. Eu percebo
que alguns de vocês ainda são jovens, mas comparado como os
presbíteros estabelecidos por Paulo em Atos 14:23, vocês não
são tão jovens. Aqueles presbiteros foram designados por Paulo
no mesmo ano que as suas igrejas foram estabelecidadas.

O Ensinamento dos Apóstolos — a Constituição do


Reino de Deus no Novo Testamento

Nós vimos que no Antigo Testamento a lei poderia ser


considerada a constituição escrita do povo de Deus. O que
substitui a lei no Novo Testamento para a administração de
Deus entre o Seu povo? Sabemos que Cristo substituiu a lei,
mas estamos nos referindo ao aspecto e sentido de substiuição
da lei na administração de Deus. No Novo Testamento o
ensinamento dos apóstolos substitui a lei. Atos 2:42 diz, “E
perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão”.
Imediatamente depois que os três mil foram salvos no dia de
Pentecostes, eles começaram a perseverar no ensinamento e na
comunhão dos apóstolos. O reino de Deus no Antigo
Testamento, a constituição era a lei, e no reino de Deus do Novo
Testamento, a constituição é o ensinamento dos apóstolos.

O ensinamento dos apóstolos é o Novo Testamento


completo. Ele compreende primeiramente o ensino do Senhor
Jesus nos quatro evangelhos. O primeiro grupo de apóstolos
foram incumbidos pelo Senhor Jesus para ensinar aos novos
crentes o que o Senhor os tinha ensinado. Isso é claramente
registrado em Mateus 28:19-20. O ensinamento dos apóstolos
também inclui o que é registrado em Atos, nas Epístolas, e no
livro de Apocalipse. Na conclusão do livro de Apocalipse, João
nos diz que ninguém deveria adicionar alguma coisa ou tirar
algo da revelação divina (22:18-19). Isso significa que com livro
de Apocalipse, o ensinamento dos apóstolos foi completo.
Daquela época em diante, não é permitido a ninguém adicionar
ou tirar alguma coisa. Se você adicionar algo, sofrerá pragas; e
se tirar algo, sofrerá a perda da benção divina. O Novo
Testamento inteiro, que é o ensinamento completo dos
apóstolos, deve ser considerado a constituição do reino do Novo
Testamento.

23
Os Presbíteros como Sacerdotes e Administradores

Paulo em sua primeira epístola aos Corintios, tornou muito


clara essa questão da administração de Deus no Novo
Testamento. Ele exortou os irmãos em Corinto para remover um
certo homem pecador da comunhão da igreja (5:13), que
também é a comunhão dos apóstolos e dos santos. Seu desejo
foi que essa pesssoa maligna fosse removida da igreja, mas ele
não faria isso por si mesmo pois, não era o administrador
direto. Por isso, ele exortou aqueles que estavam na
administração direta da igreja. Pelo ensinamento e exemplo do
Novo Testamento, podemos perceber que alguns presbíteros
foram estabelecidos na igreja em Corintio. Paulo deu essa
incumbência aos irmãos, mas ele não levou a cabo a
administração. Os presbíteros eram os administradores diretos
da igreja em Corínto. A constituição escrita do reino de Deus do
Novo Testamento é o ensinamento dos apóstolos, o Novo
Testamento completo, e os presbíteros são os administradores
diretos nesse reino.

Ademais, na era do Novo Testamento ainda há algum falar


imediato. No Novo Testamento temos a realidade do sumo
sacerdote e dos sacerdotes. No Antigo Testamento os sacerdotes
eram um grupo, e os anciãos outro grupo. Mas, no Novo
Testamento esses grupos são um. Todos os crentes em Cristo,
incluindo os presbíteros são sacerdotes de Deus (1Pe 2:5; Ap
1:6). Todos os presbíteros são sacerdotes, e Cristo é o Sumo
Sacerdote (Hb 3:1). Onde está Cristo? Sabemos que Ele está
assentado a destra de Deus nos céus (Rm 8:34), mas devemos
ver que para o movimentar de Deus entre nós na terra, nosso
Sumo Sacerdote, Cristo, está em nós (8:10). Todos os
presbíteros precisam declarar que Cristo, o Sumo Sacerdote,
está neles. Temos esse Sumo Sacerdote (Hb 8:1). Os presbíteros,
que também são sacerdotes, deveriam ser um com o governo de
Deus na administração da igreja. Se há um problema na igreja
sob a administração dos presbíteros, como devemos resolvê-los?
No Antigo Testamento era necessário estudar a lei para
descobrir o que fazer a fim de resolver o problema. Se há um
problema na igreja, temos que estudar nossa constituição do
Novo Testamento.

Os Estados Unidos são um bom exemplo de um país


governado por sua constituição. O maior poder nos Estados
24
Unidos não é do presidente nem do congresso. É a constituição.
Por causa do poder da constituição dos Estados Unidos, o
presidente Nixon foi forçado a demitir-se do seu cargo. Por fim,
a constituição é mais poderosa que o presidente. Devemos
admitir que hoje o maior poder da igreja é o ensinamento dos
apóstolos. Se há um problema na igreja, temos que ir ao Novo
Testamento para ver o que ele diz sobre esse problema
específico. Não deveríamos dizer que somos a favor ou contra
alguma coisa até que venhamos a constituição do Novo
Testamento para ver o que ela tem a dizer. Quando se levanta
algum problema, devemos aprender a ser silenciosos e ir a
Palavra escrita de Deus, a constituição do Novo Testamento,
sem nenhuma opinião. Temos uma constituição completa com
muito mais detalhes que a constituição dos Estados Unidos.

Se não pudermos achar alguma coisa em nossa


constituição escrita com relação direta a um certo problema ou
se achamos algo e não estamos claros como aplicá-la,
precisamos do falar imediato. A época e a maneira de executar a
constituição escrita ainda precisa do falar imediato do Senhor.
Como podemos ter o falar imediato do Senhor? Temos que estar
na presença do Senhor, permanecer na Sua presença, e esperar
Nele, perguntando-O para nos mostrar o que fazer. Então temos
que ler o peitoral com todas as suas letras. As pedras no
peitoral com as letras se refere aos santos, o povo de Deus.
Temos que ler o povo da igreja. Ao ler o povo da igreja na
presença do Senhor, com o Senhor, e com Seu amor que
capacita simbolizado pelo peitoral, receberemos alguma
instrução acerca de como e quando executar o que está na
constituição escrita. Isso é receber o falar imediato de acordo
com o ensinamento escrito dos apóstolos. É claro, não devemos
fazer nada que é contra os ensinamentos dos apóstolos. No
Antigo Testamento ninguém fazia algo contra a lei, mas para
executar a lei havia também a necessidade do falar imediato do
próprio Deus. Quando temos Seu falar imediato, não falamos a
nossa própria palavra. O que falamos não é algo de democracia
ou autocracia, mas é teocracia visto que o próprio Deus está
falando imediatamente de acordo com Sua constituição escrita
para governar e administrar Seu povo.

Todos os presbíteros da igreja precisam perceber que eles


são sacerdotes verdadeiros. Eles são os presbíteros e os
sacerdotes. Como um presbítero, você tem o Sumo Sacerdote
dentro de você, e pode compartilhar da Sua capacidade de amar
25
como é simbolizado pelo Seu peito. Você ama os santos com o
amor de Cristo e vai a Sua presença com esse amor que
capacita, esperando Nel e lendo as letras nas pedras do peitoral,
isto é, lendo todos os membros da igreja. Ao ler os membros da
igreja, tomando as letras da máquina de escrever divina, a
palavra, a frase, a sentença, o paragrafo, e mesmo um capítulo
virá para você, dizendo-lhe o que deve fazer e como fazê-lo.

Devemos também lembrar o princípio do presbitério. Os


presbíteros são sempre em pluralidade. Porque os presbíteros
são em pluralidade, há necessidade de muita comunhão. A
comunhão genuina deve ser na presença do Senhor. Se
qualquer comunhão entre os presbíteros não é na presença do
Senhor, não é comunhão genuina. Assim, todos os presbíteros
deveriam exercitar a prática de estar na presença do Senhor em
comunhão. Nesse tipo de comunhão, certamente o “Urim” e o
“Tumim” na capacidade de amor de Cristo falará. Então os
presbíteros saberiam o que está no coração do Senhor com
relação ao Seu povo e o que Ele deseja para administração da
da igreja na sua localidade. Os presbíteros são tanto os
sacerdotes recebendo a palavra imediata de Deus, como os
administradores para administrar o que eles têm recebido do
Senhor. O princípio do Antigo Testamento com respeito à
administração de Deus é o mesmo no Novo Testamento.

Os Profetas e Mestres

Além dos presbíteros como sacerdotes e administradores,


há os profetas e mestres como ilustrado em Atos 13:1-4. Em
Atos 13 na igreja em Antioquia havia profetas e mestres. Esses
profetas e mestres são aqueles que ajudam no sacerdócio e no
presbitério. Eles são equivalente aos profetas do Antigo
Testamento que ajudavam os anciãos, os reis, e os sacerdotes.
Hoje na administração de Deus na terra, o principio é o mesmo.
Salvo aqueles que são os sacerdotes para receber a revelação do
Senhor diretamente e os administradores para executar o que
Deus falou, há os profetas e os mestres para ajudar o
presbitério e o sacerdócio.

26
A Relação dos Apóstolos com as Igrejas e os Presbíteros
Depois que Eles Foram Estabelecidos

Depois que os apóstolos designam os presbíteros e confiam


a igreja as mãos dos presbíteros, o que farão os apóstolos no
futuro? Alguns dizem que os apóstolos não tem mais nenhuma
relação com a igreja. De acordo com o seu sentimento a
designação dos presbíteros pelos apóstolos foi o término da
relação dos apóstolos com as igrejas. Eles dizem isso empregado
a comunhão do irmão Nee em “A Vida Cristã Normal da Igreja”
como base. Na pagina 44 desse livro, o irmão Nee diz, “Uma vez
que a igreja é estabelecida, toda responsabilidade foi entregue
aos presbiteros locais, e a partir daquele dia os apostolos não
exerciam nenhum controle em qualquer dos seus negocios”1.
Nessa citaçao do livro do irmão Nee, deveríamos notar a
expressão “nos seus negócios”. Alguns citam as palavras do
irmão Nee sem perceber o significado dessa expressão. (O irmão
Nee em seu livro intitulado “Church Affairs”, pp. 143, 8-14,
corrige o uso errado da sua palavra)2. Os apóstolos devem
permanecer sem tocar a administração da igreja local em seus
negócios, não em sua necessidade do ensinamento dos
apóstolos, instrução e exortação.

Nós vimos que Paulo escreveu uma carta à igreja em


Corínto exortando-os a remover um certo homem pecador da
comunhão da igreja. O apóstolo ordenou a igreja para fazer isso
– “Expulsai, pois, de entre vós o malfeitor” (1Co 5:13). Isso
significa que o apóstolo tomou a igreja de volta sob a sua
administração? Não, de forma alguma. Se esse fosse o caso, ele
não teria a necessidade de dizer a outros para remover o
pecador. Ele mesmo faria isso diretamente. Nesse sentido, Paulo
como apóstolo não tocou na administração da igreja, mas
permaneceu ensinando, instruindo, e exortando a igreja.

Há um outro aspecto do relacionamento dos apóstolos com


a igreja local, que o irmão Nee nos falou, em 1 Timóteo 5.
Primeira Timóteo 5:19-20 diz, “Não aceites denúncia contra
presbítero, senão exclusivamente sob o depoimento de duas ou
três testemunhas. Quanto aos que vivem no pecado, repreende-
os na presença de todos, para que também os demais temam”.
Timoteo foi exortado pelo apóstolo para receber uma acusação
contra um presbítero. Isso indica que os apóstolos tinham
1
Pagina referente a versão em lingua inglesa;
2
Pagina referente a versão em lingua inglesa;

27
autoridade para tratar com os presbíteros mesmo depois que
eles tinham sido designados por esses para serem presbíteros.
Se há um problema entre os presbíteros, nesse caso eles
deveriam ir aos apóstolos, e os apóstolos têm que julgar. Os
apóstolos têm a autoridade para repreender um presbítero
pecador na frente de outros. Os apóstolos não devem tocar a
administração da igreja, mas isso não significa que os
apóstolos não têm nenhuma relação com a igreja local depois
que os seus presbíteros foram estabelecidos.

Os presbíteros incorretos e pecadores podem ser acusados


pelos santos, e essa acusação deve ir aos apóstolos. Por fim, os
apóstolos tornam-se um pequeno tribunal de justiça para julgar
a situação. De acordo com 1 Coríntios 6 mesmo os santos
podem formar uma pequena corte de justiça para julgar os
casos entre si mesmos (vv. 1-3). Os apóstolos deveriam fazer um
julgamento em casos com relação aos supostos danos de certos
presbíteros. É de responsabilidade dos apóstolos justificá-los ou
condená-los. De acordo com 1 Timóteo 5:20, se um presbítero é
julgado pecador, ele pode ser reprovado diante de outros. Um
presbitero pecador deveria receber reprovação pública por causa
da sua posição pública. Baseado na palavra de Paulo a Timóteo
nessa questão, como podemos dizer que os apóstolos, que
designaram os presbíteros e entregaram as igrejas a eles, não
tem nenhuma relação com a igreja ou os presbíteros uma vez
que eles foram estabelecidos?

O livro completo de Primeira Coríntios é um “livro que


pertuba”. O que o apóstolo escreve perturbou a igreja em
Corínto. Todo o livro pode ser considerado uma ordem à igreja
local. Primeira Corintios 11:34 diz, “Se alguém tem fome, coma
em casa, a fim de não vos reunirdes para juízo. Quanto às
demais cousas, eu as ordenarei quando for ter convosco”.
Mesmo depois de ter exortado a igreja para cuidar de tantas
coisas, Paulo diz que porá em ordem as questões restantes
quando ele vier. Precisamos voltar-nos a Palavra. Ela é a nossa
maior autoridade, nossa constituição. Esse versículo nos diz
que algumas coisas não foram postas em ordem pelo apóstolo
Paulo. Em sua epistola para a igreja em Corínto, muitas coisas
foram postas em ordem pela exortação de Paulo, como por
exemplo: a questão do casamento, o comer de coisas
sacrificadas a ídolos, o cobrir da cabeça, a ceia do Senhor, etc.
Paulo exortou-os para tratar com pelo menos onze problemas
em sua comunhão com eles. Ele exortou a igreja para fazer
28
muitas coisas. Como apóstolo ele não tinha a posição para
administrar a igreja, mas ele tinha a posição, o direito, e a
responsabilidade para exortar os presbíteros a fazê-lo.

As Igrejas São Locais em Administração mas Não


Absolutamente Independentes

Temos que perceber outro item importante da Palavra. As


igrejas são certamente locais na sua administração, mas elas
nao são absolutamente independentes. Na nossa história da
restauração do Senhor, fomos advertidos pela autonomia
praticada pelos Irmãos Unidos. Todos os estados dos Estados
Unidos têm a sua própria administração e governo, mas eles
não são estritamente independentes. Os estados são separados
até um certo ponto, mas isso não significa que eles são
absolutamente independentes. Se os estados fossem
absolutamente independentes, os Estados Unidos, não seriam
um país. Se tornaria cinquenta países. As igrejas locais não são
absolutamente independentes. Embora os apóstolos não toquem
nos negócios da igreja, isso não significa que cada igreja local se
torna uma entidade independente. Isso também não significa
que uma vez que as igrejas estavam sob o ensinamento dos
apóstolos eles se tornaram um federação.

Em 1 Coríntios 4:17 Paulo diz, “Por esta causa, vos mandei


Timóteo, que é meu filho amado e fiel no Senhor, o qual vos
lembrará os meus caminhos em Cristo Jesus, como, por toda
parte, ensino em cada igreja”. Em todas as igrejas o apóstolo
Paulo ensinou a mesma coisa. Seu ensinamento era o mesmo
universalmente, não mudando em qualquer lugar. Com relação
a essa questão, precisamos observar as sete epístolas às sete
igrejas locais em Apocalipse 2 e 3. A palavra do Senhor para
uma igreja é a palavra falada pelo Espírito para todas as igrejas
(Ap 2:1, 7). No começo de cada epístola, o Senhor está falando à
uma igreja especifica (2:1, 8, 12, 18; 3:1, 7, 14), mas no final de
todas as epístolas, a Palavra diz, “Quem tem ouvidos, ouça o
que o Espírito diz às igrejas” (2:7, 11, 17, 29; 3:6, 13, 22). O
que foi dito pelo Senhor à igreja em Éfeso foi uma palavra que
todas as igrejas deveriam ouvir. Cada epístola foi uma palavra
especifica para uma certa igreja, ainda que essa palavra
especifica foi ouvida e tomada por todas as igrejas.

De um lado, os presbíteros das igrejas têm o direito e a


posição para executar a administração local das igrejas
29
independentemente. Por outro lado, todas as igrejas deveriam
ouvir a palavra que os apóstolos receberam de Deus, que é o
ensinamento do Novo Testamento. De um lado, as igrejas são
locais separadamente. Por outro lado, todas as igrejas locais
ainda são um Corpo de Cristo que é um organismo, não uma
federação que é uma organização. Precisamos nos reunir como
igrejas locais separadamente de acordo com o que o Novo
Testamento diz, mas todas as igrejas locais são ainda um Corpo
de Cristo.

A propósito, gostaria de adicionar uma pequena palavra. Na


nossa comunhão muitos de nós estão acostumados a dizer,
“Irmão Lee diz...” Peço a vocês, de agora em diante, não digam,
“Irmão Lee diz...”. Ao contrário, vocês deveriam dizer, “Primeira
Timóteo diz...”, ou, “Primeira Corintios diz...” Desde o começo da
restauração do Senhor nos Estados Unidos, transmiti a Palavra
do Senhor para vocês. Vocês podem ter recebido a Palavra do
Senhor através do meu falar e ensinamento, mas o que falei era
Sua Palavra. Todos precisamos nos voltar a pura Palavra de
Deus e discernir acuradamente o que diz Sua Palavra pura.

O Ensinamento dos Apóstolos É a Liderança


Verdadeira

Em 1986 tivemos um treinamento de presbíteros acerca da


unanimidade (veja Treinamento de Presbíteros, Livro 7:
Unanimidade para o Mover do Senhor). Naquela época falei
sobre a liderança dos apóstolos e a liderança no ministério do
Senhor, mas não senti que o que disse foi entendido de
acuradamente por alguns. Por causa do desentendimento, dei
as duas últimas mensagens do treinamento de verão de 1987
sobre essa questão (veja os capítulos dezessete e dezoito de The
God-ordained Way to Practice the New Testament Economy).
Naquelas mensagens, chamei a atenção que a liderança no
ministério do Novo Testamento na realidade não é a liderança
de uma pessoa que controla. Ao contrário, temos a liderança de
uma visão controladora em um ministério por meio daqueles
que trazem a revelação no ministério. A liderança do Novo
Testamento é o ensinamento dos apóstolos.

Nos quatro evangelhos a liderança estava com o Senhor


Jesus. Essa era a liderança em uma pessoa. O Senhor Jesus
era o líder que tinha a liderança. Nos quatro evangelhos o
Senhor Jesus enviou Seus discíspulos para certos lugares. Seus
30
discípulos deveriam obedecer qualquer coisa que Ele dizia. Em
Atos e nas Epístolas, Pedro e Paulo foram supostamente os
lideres, mas na maior parte, eles não enviaram ninguém para
nenhum lugar para a obra. Todos os obreiros que sairam foram
enviados pelo Espírito Santo. Atos 13 nos diz Barnabé e Saulo
foram “enviados pelo Espírito Santo” (v. 4) de Antioquia aos
gentios. É claro, Paulo exortou alguns dos irmãos mais jovens
que o seguiam de perto, como Timóteo e Tito, para ir a certos
lugares e fazer certas coisas (1Co 4:17; Tt 1:5). Ele exortou a
ambos para virem até ele, e eles receberam essas ordens (2 Tm
4:9; Tt 3:12). Mas há ao menos um caso que é referido em 1
Corintios 16:12 que precisamos ver: “Acerca do irmão Apolo,
muito lhe tenho recomendado que fosse ter convosco em
companhia dos irmãos, mas de modo algum era a vontade dele
ir agora; irá, porém, quando se lhe deparar boa oportunidade”.
Paulo tinha muito encargo para ajudar aos corintios a resolver
seus problemas, e seus problemas envolviam a ele e Apolo. Por
essa razão, Paulo esperava que Apolo fosse ver os corintios
pessoalmente. Paulo não disse que ele exortou Apolo. Ele disse,
“Lhe tenho recomendado”. Recomendar alguém para fazer algo é
muito diferente de exortá-lo. Paulo disse, “muito lhe tenho
recomendado...mas de modo algum era a vontade dele de ir
agora”. Apesar que Paulo o recomendou, Apolo ainda tinha a
liberdade, a autonomia, para não fazê-lo. E ele não fez o que
Paulo queria. Apolo disse que iria quando tivesse oportunidade.
Isso pode ser um versículo pequeno, mas é muito importante
com relação a verdade concernente a liderança. Esse versículo é
uma prova forte que Paulo não exercitava qualquer controle
sobre a obra do Senhor.

Paulo não era o lider no mover de Deus no Novo


Testamento no sentido de comandar os cooperadores para fazer
as coisas. Pedro e Paulo não eram estritos na questão do
movimento dos cooperadores. Se eles recomendavam um obreiro
para fazer algo, e esse sentia que não deveria fazê-lo, não havia
problema. Mas todos os apóstolos eram muito estritos no
ensinamento dos apóstolos. Em Primeira Timóteo 1:3-4 Paulo
recomendou Timóteo para permanecer em Éfeso a fim de
exortar alguns não ensinarem diferentemente da economia de
Deus do Novo Testamento. Os apóstolos não tolerariam
qualquer ensinamento que fosse diferente da economia
neotestamentária de Deus. O apóstolo João já idoso, em sua
segunda epístola, disse aos santos para não receberem ninguém
que trouxesse um ensinamento diferente de Cristo (vv.9-10). Ele
31
disse que esses iam além do ensinamento de Cristo. Isso
significa que eles iam além do ensinamento concernente a
Cristo, que é o ensinamento básico do Novo Testamento, o
ensinamento dos apóstolos. João era estrito até ao ponto que
mesmo exortou os santos a não saudá-los. Na questão do
ensinamento dos apóstolos, eles eram muitos estritos. Isso
prova que o ensinamento dos apóstolos na verdade é a
verdadeira liderança no Novo Testamento.

32
CAPÍTULO QUATRO

Leitura Bíblica: Atos 2:36; 5:31; Ap 1:5; Ef 1:22; Cl 1:18; 1Co


11:3; Hb 13:24; Rm 12:8; 1Tm 5:17; 3:2; 1Pe 5: 2-3; 1Ts 5:12;
Hb 13:17; Gl 2:7; Rm 11:13; 1Co 16:12; 1Tm 1:3-4; 2Jo 9-11;
2Co 13:10; 1Co 4:17b-21; 7:17b; 16:1; 11:2; 2Ts 3:6, 9, 12, 14;
1Co 1:10; 5:11-13; 11:34b; 2Co 10:6; At 14:23; Tt 1:5; 1Tm
5:19-20; Êx 28:29-30; Nm 27:15-23; 1Sm 3:1, 19-21; At 15:6,
23, 28; 2:42; 13:1

ESBOÇOS

I. O encabeçamento de Cristo:
A. Cristo foi feito Senhor e Cristo por Deus – At 2:36
B. Cristo sendo exaltado como Líder sobre todos os
governadores – At 5:31
C. Cristo foi feito o Soberano de todos os reis da terra –Ap
1:5
D. Cristo foi designado para ser a Cabeça sobre todas as
coisas para a igreja – Ef 1:22
E. Cristo é a Cabeça de igreja – Cl 1:18
F. Cristo é a Cabeça de todo homem sob o encabeçamento
de Deus – 1Co 11:3

II. A liderança na vida da igreja:


A. Os presbíteros assumindo diligentemente a liderança na
vida da igreja – Hb 13:24; Rm 12:8
B. Os presbíteros labutando em ensinar aos santos – 1Tm
5:17b; 3:2
C. Os presbíteros apascentam a igreja como o rebanho de
Deus, supervisionando-a de acordo com Deus, e
tornando-se padrões do rebanho, não dominando o
rebanho – 1Pe 5:2-3
D. Ser considerado, obedecido e honrado pelos santos – 1 Ts
5:12; Hb 13:17; 1Tm 5:17ª

III. A liderança no ministério:


A. Pedro assumiu a liderança no ministério
neotestamentário entre os judeus – Gl 2:7b
B. Paulo assumiu a liderança no ministério
neotestamentario entre os gentios – Gl 2:7ª; Rm 11:13
C. A liderança do ministério neotestamentário é muito mais
elevada no ensinamento do Novo Testamento do que a
liderança dos ministros do Novo Testamento:
33
1. Os líderes não são estritos em direcionar o mover dos
seus cooperadores – cf 1Co 16:12
2. Os líderes são estritos no ensinamento do Novo
Testamento – cf 1Tm 1:3-4; 2Jo 9-11
D. Deus delegou autoridade aos líderes:
1. Para edificação e não para destruição – 2 Co 13:10
2. No seu ensinamento – 1Co 4:17b-21; 7:17b; 16:1;
11:2; 2Ts 3:6, 9, 12, 14
3. Ao tratar com os problemas e negócios da igreja – 1Co
1:10; 5:11-13; 11:34b
4. Ao punir os santos desobedientes – 2 Co 10:6
5. Ao designar e tratar com os presbíteros – At 14:23; Tt
1:5; 1Tm 5:19-20

IV. O governo de Deus na administração das igrejas:


A. Não é autocracia, nem democracia, mas teocracia
B. O governo teocrático entre o povo de Israel no Antigo
Testamento:
1. Por meio do sacerdócio com o Urim e o Tumim – Ex
28:29-30; Nm 27:15-23
2. Por meio da coordenação dos profetas – 1Sm 3:1, 19-
21
C. O governo teocrático nas igrejas do Novo Testamento:
1. Por meio do Espírito que habita nos espíritos dos
apóstolos e presbíteros, ambos são sacerdotes do Novo
Testamento, com a revelação do ensinamento do Novo
Testamento – At 15:6, 23, 28, 2:42; 1Ts 5:12; 1Tm 3:2;
5:17
2. Por meio da coordenação dos profetas do Novo
Testamento – At 13:1

Nesse capítulo teremos mais comunhão com respeito a


liderança do Novo Testamento. A liderança apropriada é uma
grande questão. Em qualquer instituição humana há a
necessidade de uma liderança apropriada. Se um país tem um
presidente excelente, será um país excelente. Se, por outro lado,
a liderança é pobre, o povo do país sofrerá. Mesmo em uma
familia, ter uma liderança apropriada ajuda a todos na família.
Sem uma liderança apropriada, há confusão e desordem. Deus
não é um Deus de confusão, mas de paz e ordem (1Co 14:33,
40). Qualquer situação de confusão não é de Deus; tudo de
Deus é sempre em ordem. O universo é tão grande, mas os seus
bilhões de itens estão em uma ordem apropriada. Porque tudo
está em ordem na criação de Deus, a terra está em uma
34
situação de descanso e paz. Uma pequena mudança nessa
ordem, contudo, faria a terra incapaz de nos sustentar.

Porque o homem foi criado por Deus, tudo relacionado com


o seu corpo fisico está em ordem. Se mesmo uma pequena
desordem ocorre em nosso corpo, ficamos doentes e sofremos.
Da mesma maneira que o nosso corpo fisico está em tal ordem,
também há um ordem na igreja, que é o Corpo de Cristo (1co
12:27; Ef 1:22-23). Alguns disseram que uma vez que a igreja é
dos santos, eles são iguais em todas as maneiras, sem liderança
ou autoridade delegada entre eles. Isso é um vento de
ensinamento (Ef 4:14) que separa a igreja e traz desordem a ela.
A Bíblia diz que a igreja é a igreja de Deus (1Co 1:2; 10:32), a
igreja de Cristo (Rm 16:16), a igreja dos santos (1Co 14:33). Não
há nenhum versículo na Bíblia que diga que a igreja é a igreja
dos apóstolos. Os apóstolos nunca proclamaram a si mesmos
como proprietários da igreja. Antes, eles pregaram Cristo Jesus
como Senhor e a si mesmos como escravos às igrejas (2Co 4:5).
Porém, isso não significa que cada membro no Corpo é uma
cabeça. Pois, não é de acordo com a ordenação de Deus que
todos os membros sejam iguais sem liderança entre eles.

Quando o povo de Deus no Antigo Testamento se tornou


uma entidade coletiva, havia uma situação apropriada de ordem
entre eles. Da mesma maneira, em todo o Novo Testamento
podemos ver que Deus é inteiramente contra qualquer tipo de
confusão. Temos que ver a verdade da liderança do Novo
Testamento de acordo com a Palavra pura de Deus. A Bíblia é a
nossa “constituição”. Em um país democrático como a América,
a mais alta autoridade não é o presidente ou o congresso. É a
constituição. Para resolver qualquer questão, devemos voltar
para nossa “constituição”, a Bíblia.

35
O ENCABEÇAMENTO DE CRISTO

Com relação a liderança do Novo Testamento, a Bíblia


primeiramente fala do encabeçamento de Cristo. A única
Cabeça de todo o universo é o Senhor Jesus Cristo.

Cristo foi feito Senhor e Cristo por Deus

Cristo foi feito Senhor e Cristo por Deus (At 2:36). Como
Deus, o Senhor era o Senhor todo o tempo (Lc 1:43; Jo 11:21;
20:28). Porém, em Sua encarnação Ele se tornou um homem; o
Criador se tornou uma criatura. Como homem, Ele foi feito o
Senhor em Sua ascensão depois de ter trazido Sua humanidade
em Deus na Sua ressurreição. Além do mais, como enviado e
ungido de Deus, Ele era o Cristo desde o momento do Seu
nascimento (Lc 2:11; Mt 1:16; Jo 1:41; Mt 16:16), mas como tal
Pessoa, Ele foi feito oficialmente o próprio Cristo de Deus em
Sua ascensão.

Deus fez o homem Jesus o Senhor para encabeçar e possuir


todas as coisas. Nenhum fundador de qualquer religião, como
Maomé ou Buda, foi chamado Senhor. Somente Cristo Jesus é o
Senhor. Como cristãos temos uma percepção profunda que
Jesus é o nosso Senhor. Especialmente durante tempos de
problemas ou mesmo quando acontecem coisas boas, a primeira
coisa que falamos frequentemente é “O Senhor!” Quão bom é ter
Jesus como Senhor! Jesus foi feito o Senhor, como o Senhor de
todos (At 10:36), para possuir tudo. Se alguém não tem Jesus,
ele não tem um proprietário. Jesus também foi feito o Cristo em
Sua ressurrreição e ascensão para levar a cabo a comissão de
Deus, Seu plano e economia eterna. O Senhor é o possuidor, e
Cristo é o executor. Ele é Aquele que possui todas as coisas, e é
Aquele que cumpre a comissão de Deus.

Cristo Foi Exaltado como o Líder sobre Todos os


Governadores

Cristo foi exaltado como Líder sobre todos os governadores.


Atos 5:31 diz, “Deus, porém, com a sua destra, o exaltou a
Principe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento
e a remissão de pecados”. A maneira que Ele nos salva é por ser
o Líder. Porque Ele controla todas as coisas, Ele tem o poder,
autoridade, habilidade, e capacidade para nos salvar. Sob Sua
liderança fomos salvos. Ele tem a autoridade e o poder, caso Ele
36
assim deseje, remover um rei a fim de salvar mesmo um do Seu
povo. A descrição de faraó e o povo de Israel em Êxodo é uma
demonstração da autoridade e o poder da salvação do Senhor.
Faraó manteve todos os filhos de Israel em escravidão no Egito,
e Deus enviou Moisés para dizer a faraó para deixar o Seu povo
ir (Êx 5:1). Quando faraó recusou, o Senhor trouxe as pragas
sobre ele, e ele perguntou a Moisés para rogar ao Senhor por ele
(8:8, 28; 9:27-28; 10:16-17). Por fim, faraó estava subjugado, e
liberou o povo de Israel (11:1; 12:31). O Salvador salvou Seu
povo por meio do Seu poder e autoridade.

A autoridade e o poder do Senhor como o Líder sobre todos


os governadores pode ser vista no Seu controle sobre a situação
mundial. Minha intenção desde os principios dos anos quarenta
era evangelizar as porções nordeste da China e Mongolia. Nunca
pensei que por fim viria para America. Contudo, devido a
soberania do Senhor na situação mundial, hoje estou aqui.
Aquele que me trouxe para esse país é o Líder sobre todos os
governadores.

Cristo Foi Feito o Governador dos Reis da Terra

Cristo foi feito o Governador dos reis da terra (Ap 1:5). Na


terra temos tido muitos reis, rainhas, e presidentes, mas o
Governador de todos esses é Cristo. Deus fez Cristo o
Governador e O exaltou como o Líder.

Cristo Foi Designado para ser a Cabeça sobre Todas as


Coisas para Igreja e É a Cabeça da Igreja

Além disso, Deus designou Cristo para ser a Cabeça sobre


todas as coisas para Igreja (Ef 1:22). Tudo o que Cristo é, Ele O
é para igreja. Cristo é a Cabeça da igreja (Cl 1:18). Tudo o que a
Cabeça é, é transmitida para igreja pela circulação de vida no
Corpo.

Cristo é a Cabeça de Todo Homem sob o


Encabeçamento de Deus

Cristo também é a Cabeça de todo homem sob o


encabeçamento de Deus (1Co 11:3). Cristo é a Cabeça da igreja
corporativamente e a Cabeça de todo homem individualmente.
Entretanto, Ele próprio está sob o encabeçamento de Deus. Que
ordem maravilhosa existe no universo. Deus está acima de
37
Cristo, e Cristo está acima de todas as coisas. Como a Cabeça
de todas as coisas, Ele é a Cabeça da igreja e a Cabeça de todo o
homem.

A LIDERANÇA NA VIDA DA IGREJA

A liderança do Novo Testamento inclui os presbiteros na


igreja e aqueles que assumem a liderança no ministério. Não é
correto dizer que não há liderança na igreja. Há uma liderança
mesmo em uma vida de familia apropriada. Quando os pais
estão fora de casa, o irmão ou irmã mais velha é deixado como o
líder para os outros filhos. Se tanto os pais como os filhos mais
velhos estão fora, uma babá é deixada com as crianças
restantes para ser a líder para eles. Há necessidade de liderança
em cada situação. Os presbíteros assumem a liderança na vida
da igreja diligentemente (Hb 13:24; Rm 12:8). Todos os
presbíteros são líderes na igreja. Sem os líderes não poderíamos
ter uma vida da igreja ordenada com tantos arranjos. Antes,
teríamos confusão na vida da igreja.

A liderança na vida da igreja é levada a cabo pelo laborar


dos presbíteros no ensinamento dos santos (1Tm 5:17; 3:2) e o
seu apascentar da igreja como o rebanho de Deus,
supervisionado-a de acordo com Deus, e tornando-se padrões
do rebanho, não dominando sobre o rebanho (1Pe 5:2-3). Os
líderes na igreja devem assumir a liderança sobre todas as
coisas. Eles precisam ser a ovelha líder, a ovelha cabeça, no
rebanho. Quando a ovelha na cabeça do rebanho se move, o
resto das ovelhas seguem. Contudo, quando a ovelha na frente
não faz nada, todo o rebanho para. Se as salas no local de
reuniões precisam ser limpas, os presbíteros deveriam assumir
a liderança para limpá-las. Os presbiteros deveriam ser também
os primeiros a visitar as pessoas para evangelizar ao bater as
portas. Se os presbíteros saem para pregar o evangelho, muitos
da igreja irão segui-los. Se, de um lado, os presbíteros não
assumem a liderança para sair, mas simplesmente exortam os
santos para fazê-lo, poucos santos irão. A maneira para ser um
presbítero não é comandar outros mas assumir a liderança. Se
os presbíteros laboram em ensinar e se eles apascentam,
supervisionam, e são padrões para o rebanho, todos os santos
os respeitarão e os obedecerão como líderes.

Os presbíteros devem ser considerados, obedecidos e


honrados pelos santos (1Ts 5:12-13; hb 13:17; 1Tm 5:17). A
38
honra dada aos presbiteros pode incluir suprimento material.
Alguns presbiteros não tem um trabalho para a sua
sobrevivência porque eles são muito ocupados com as questões
da igreja. Eles não têm um salário; vivem pela fé. Os santos
deveriam honrá-los dando a eles algum suprimento material.
Essa é a ordem apropriada com uma situação apropriada e bela
da vida da igreja.

A LIDERANÇA NO MINISTÉRIO

Pedro Assumindo a Liderança no Ministério


Neotestamentário entre os Judeus e Paulo Assumindo a
Liderança no Ministério Neotestamentário entre os Gentios

A liderança no Novo Testamento também inclui a liderança


no ministério. Pedro assumiu a liderança no ministério
neotestamentário entre os judeus (Gl 2:7b). Podemos ver a
liderança de Pedro no ministério nos primeiros doze capítulos de
Atos. Paulo assumiu a liderança no ministério neotestamentário
entre os gentios (Gl 2:7ª; Rm 11:13) nos últimos dezesseis
capítulos de Atos.

A Liderança do Ministério Neotestamentário É muito


mais elevada no Ensinamento Neotestamentário Do Que a
Liderança dos Ministros do Novo Testamento

A liderança do ministério neotestamentário é muito mais


elevada no ensinamento neotestamentário do que a liderança
dos ministros do Novo Testamento. A liderança nos Estados
Unidos está mais na constituição do que na presidência. O fator
critico do governo é a constituição. Do mesmo modo, a liderança
no Novo Testamento não estava em Pedro ou Paulo tanto quanto
estava no seu ensinamento. Se Pedro ou Paulo tivessem se
desviado do seu ensinamento, os santos não os teriam seguido.
As igrejas seguiram os ensinamentos dos apóstolos, e eles
seguiram os apóstolos porque os apóstolos tinham o
ensinamento do Novo Testamento. Os apóstolos mantinham seu
ensinamento, estavam no seu ensinamento, e eram um com ele.

Em 1934 houve um dístúrbio na igreja em Xangai, dirigida


principalmente contra o irmão Nee. Naquela época, eu o
assegurei que o seguiria completamente, não porque era ele,
mas por causa do ensinamento e revelação que ele tinha trazido
para restauração do Senhor. Irmão Nee e eu não nos
39
conheciamos antigamente; não tinhamos nenhuma afeição
pessoal. Ele assumiu a liderança, e eu o seguiu porque ele tinha
a revelação no seu ensinamento e conservava a revelação. Eu
também o disse que se um dia ele se desviasse da revelação que
ele tinha transmitido para nós, eu ainda seguiria a revelação,
mas não mais o seguiria.

Hoje, por causa do dístúrbio atual na restauração do


Senhor, alguns santos estão tentando defender-me. Contudo,
não me importo em ser defendido. Antes, é o ensinamento da
restauração do Senhor que deve ser defendido. As igrejas na
restauração do Senhor não seguem um homem, mas seguem o
ensinamento desse ministério. Contudo, seguir o ensinamento e
não seguir o ministro não significa que deveríamos rejeitá-lo.
Alguns têm alterado minha palavra com relação a não seguir
um homem mas seguir o seu ensinamento e clamam seguir o
meu ensinamento enquanto rejeitam-me. Até os estudantes em
uma escola não podem receber ensino se rejeitam o professor. O
que o ministério da restauração do Senhor tem trazido as
igrejas está de acordo com o ensinamento dos apóstolos no Novo
Testamento. Por essa razão eu estou em paz. Não me importo
com dístúrbios na igreja. Os dístúrbios não podem destruír o
ministério do Novo Testamento.

Alguns têm ensinado erroneamente que as igrejas locais são


autônomas, que uma vez que um apóstolo estabelece uma igreja
local e designa os presbíteros, ele não tem nenhuma relação
com aquela igreja e deveria se afastar. Isso não é de acordo com
a Bíblia. O apóstolo Paulo estabeleceu igrejas, e designou
presbíteros nas igrejas (At 14:23; Tt 1:5). Depois disso,
entretanto, ele não se afastou das igrejas. Ele visitou a igreja em
Éfeso depois que a estabeleceu e uma vez permaneceu lá por
três anos. Mais tarde, quando ele estava retornando a
Jerusalém, ele não podia esquecer a igreja em Éfeso. Atos 20
nos diz que de Mileto ele enviou uma palavra a Éfeso e chamou
os presbíteros da igreja (v. 17). Eles vieram a ele, e falou-os uma
longa palavra, advertindo, instruindo e até os exortando. Atos
20:31 diz, “Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, por três
anos, noite e dia, não cessei de admoestar, com lágrimas, a
cada um”. O versiculo 20 diz, “Jamais deixando de vos anunciar
cousa alguma proveitosa e de vo-la ensinar publicamente e
também de casa em casa”. Sem dúvida ele ensinou aos santos
em Éfeso com relação à economia de Deus e a sua vida diária,
declarando-os alguma coisa que era proveitosa. Ele disse aos
40
presbíteros nos versículos 29 e 30, “Eu sei que, depois da
minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não
pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão
homens falando cousas pervertidas para arrastar os discípulos
atrás deles”. Isso mostra como Paulo estava preocupado pelo
futuro da igreja em Éfeso. Paulo escreveu também para a igreja
lá. Isso ilustra que os apóstolos nunca se afastaram das igrejas
estabelecidas por eles.

Aqueles que lideram no ministério não estavam estritos na


direção do mover dos seus cooperadores. Primeira Coríntios
16:12 diz, “Acerca do irmão Apolo, muito lhe tenho
recomendado que fosse ter convosco em companhia dos irmãos,
mas de modo algum era a vontade dele de ir agora; irá porém,
quando se lhe deparar boa oportunidade”. Os lideres eram
estritos, todavia, no ensinamento do Novo Testamento (1Tm 1:3-
4; 2Jo 9-11). Primeira Timóteo 1:3 diz, “Te roguei
permanecesses ainda em Éfeso para admoestares a certas
pessoas, a fim de que não ensinem outra doutrina”. Segunda
João 9-10 diz, “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo
e nela não permanece não tem Deus...Se alguém vem ter
convosco e não traz essa doutrina, não o recebais em casa, nem
lhe deis as boas vindas”. Os apóstolos não eram estritos em
direcionar um cooperador como Apolo para ir a certo lugar.
Contudo, eles eram estritos com relação ao ensinamento do
Novo Testamento. Isso prova que a liderança verdadeira no
ministério está no ensinamento dos apóstolos.

A Autoridade Delegada por Deus aos Líderes

O Novo Testamento nos mostra a autoridade delegada por


Deus nos líderes no ministério. Em uma familia há uma
autoridade delegada, no governo humano há também uma
autoridade delegada. Sem autoridades delegadas, toda a terra
seria uma anarquia e desordem e não seria agradável para viver
nela. Hoje um vento de ensinamento está soprando na
restauração do Senhor dizendo que não há autoridade delegada
na igreja. De acordo com esse ensinamento irmão Nee estava
errado em seu livro Autoridade e Submissão. Se o irmão Nee
estava errado, a Bíblia também estava errada pois ela revela
fortemente a autoridade delegada de Deus na vida da igreja e
no ministério.

41
A autoridade delegada de Deus nos líderes no ministério foi
para edificação e não para destruição (2Co 13:10). Paulo tinha
autoridade, não para destruir ou arruinar, mas para edificar. A
autoridade delegada de Deus estava no ensinamento dos líderes
(1Co 4:17b-21; 7:17b; 16:1; 11:2; 2Ts 3:6, 9, 12, 14). Paulo
exercitou sua autoridade no seu ensinamento. Ele ensinou a
mesma coisa em todo o lugar em cada igreja (1Co 4:17b), e
todas as igrejas seguiam o seu falar. Isso foi a demonstração da
autoridade delegada de Paulo. Autoridade sempre segue o falar
apropriado. O falar de um professor na escola é com autoridade.
Quando o professor fala, todos os estudantes estão sob sua
autoridade.

A liderança no ministério residia nos líderes tratando com


os problemas e negócios da igreja (1Co 1:10; 5:11-13; 11:34b).
Paulo foi forte ao tratar com a igreja em Corínto. Em 1 Coríntios
4:21 ele disse, “Que preferis? Ireis a vós outros com vara ou
com amor e espírito de mansidão? Em 11:34 ele disse, “Quanto
às demais cousas, eu as ordenarei quando for ter convosco”.

A liderança no ministério residia também nos líderes


punindo a desobediência dos santos. Em 2 Corintios 10:6 Paulo
disse, “E estando prontos para punir toda desobediência, uma
vez completa a vossa submissão”. Paulo tinha a intenção de
punir toda desobediência quando os próprios coríntios tivessem
aprendido a serem obedientes.

A liderança no ministério residia também ao designar e


tratar com os presbíteros (At 14:23; Tt 1:5; 1 Tm 5:19-20).
Primeira Timóteo 5:19-20 mostra que os apóstolos não tinham
somente autoridade para designar os presbíteros, mas eles
também tinham a autoridade para julgá-los, incluindo a
autoridade para removê-los. Isso nos mostra que os apóstolos
eram a autoridade delegada de Deus.

O GOVERNO DE DEUS NA ADMINISTRAÇÃO DAS


IGREJAS

Deus tinha um governo para Sua administração a fim de


cumprir Seu propósito mesmo entre os filhos de Israel no Antigo
Testamento. Deus tem também Sua administração na
administração das igrejas no Novo Testamento.

42
Não é Autocracia nem Democracia, mas Teocracia

O governo de Deus não é autocracia nem democracia, mas


teocracia. Autocracia é uma ditadura, e democracia é o governo
do povo. Humanamente falando, a democracia é maravilhosa,
mas trazer democracia na igreja traz as opiniões das pessoas.
Isso é igual a igreja em Laodicéia em Apocalipse 3. A palavra
Laodicéia em grego significa “a opinião do povo”. No governo dos
Estados Unidos, os membros do congresso e senadores
representam os estados para expressar a opinião do povo. O
governo de Deus na igreja não é dessa maneira. O governo de
Deus na igreja é teocracia.

O Governo Teocrático entre o Povo de Israel no Antigo


Testamento

O governo teocrático entre o povo de Israel no Antigo


Testamento foi por meio do sacerdócio com o Urim e o Tumim
(Ex 28:29-30; Nm 27:15-23). Os sacerdotes no sacerdócio
estavam próximos a Deus, mesmo um com Deus. Deus poderia
abrir a Si mesmo para eles, e eles poderiam abrir a si mesmos
para Deus dessa maneira poderia haver um entendimento
mútuo entre eles e Deus. Eles tinham habilidade, a capacidade,
para receber a revelação de Deus, o falar de Deus, oráculo de
Deus.

O sumo sacerdote usava o peitoral com doze pedras


preciosas carregando os nomes das doze tribos de Israel. Ao
peitoral foram adicionados dois itens chamados de Urim e
Tumim. Urim significa luz, e Tumim significa perfeição. O Urim
era algo que iluminava as pedras no peitoral. Os nomes das
doze tribos de Israel nas doze pedras continham apenas dezoito
das vinte e duas letras do alfabeto hebraico. Por isso, havia uma
deficiência de quatro letras no peitoral. O Tumim era algo
adicionado ao peitoral para carregar essas quatro letras
adicionais completando o alfabeto hebraico no peitoral. Essa é a
perfeição.

Quando o sumo sacerdote vinha à presença de Deus, ele


recebia o falar de Deus pelo meio do brilhar do Urim nas doze
pedras do peitoral com as vinte e duas letras do alfabeto
hebraico, incluindo o Tumim. O peitoral era como uma máquina
de escrever para formar palavras, frases, e sentenças. Então,
Deus falava aos filhos de Israel por meio do sumo sacerdote com
43
o Urim e o Tumim.(para mais detalhes, veja as mensagens 123
a 129 do Estudo-Vida de Êxodo).

O governo teocrático entre o povo de Israel no Antigo


Testamento tambem era através da coordenação dos profetas
(1Sm 3:1; 5:17). Quando o sacerdócio não estava tão forte, os
profetas o fortaleciam. Essa é a razão pela qual havia a
necessidade tanto dos sacerdotes como dos profetas.

O Governo Teocrático nas Igrejas do Novo Testamento

O governo teocrático nas igrejas do Novo Testamento é


através do Espirito que habita nos espíritos dos apóstolos e dos
presbíteros, ambos são os sacerdotes do Novo Testamento, com
a revelação do ensinamento do Novo Testamento (At 15:6, 23,
28; 2:42; 1Ts 5:12; 1Tm 3:2; 5:17). O Urim e o Tumim no
peitoral do sumo sacerdote no Antigo Testamento simbolizam o
espírito que revela, o Espírito Santo, habitando no nosso
espírito receptor, nosso espírito regenerado. Esses dois espíritos
mesclados são o Urim e o Tumim hoje. Toda vez que os
apóstolos e os presbiteros como os sacerdotes do Novo
Testamento vêm ao Senhor e esperam por Ele para Sua
administração na igreja, eles certamente recebem alguma luz e
palavra do Senhor. Dessa maneira, temos o falar de Deus na
administração da igreja para executar Seu governo teocrático.

Esse governo teocrático é também através da coordenação


dos profetas do Novo Testamento (At 13:1). Na igreja local
sempre deveria haver alguns profetas para reforçar nosso
sentimento interior. Esse é o governo teocrático do Novo
Testamento para administração de Deus na igreja a fim de
executar Sua economia neotestamentária.

Agora precisamos considerar as aplicações práticas dessa


comunhão na igreja local. Sempre que os presbíteros na igreja
local vêm ao Senhor, eles vêm como sacerdotes. Pois, carregam
a responsabilidade do presbitério, eles querem saber como
assumir a liderança, como ensinar, como apascentar, como
supervisionar e como ser modelos. Por isso, eles precisam orar
juntos, esperar no Senhor. Quando eles oram e têm comunhão,
o Espirito que habita falará e os iluminará interiormente. No
seu espírito regenerado, eles receberão algo do Senhor. Então,
eles perceberão como o Senhor quer que eles assumam a
liderança, o apascentar, o supervisionar, e como ser modelos.
44
Por que isso talvez não possa ser tão adequado ou forte, há
profetas nas igrejas. O falar dos profetas reforça o entendimento
dos presbíteros da vontade de Deus. Dessa maneira o
funcionamento dos presbíteros e dos profetas constitui um tipo
de governo para administração de Deus na Sua igreja com
vistas a cumprir Seu propósito eterno.

O governo teocrático de Deus nas igrejas do Novo


Testamento é de acordo com o Espírito que dá vida como a
consumação do Deus Triúno que habita nos líderes. Quando os
líderes vão ao Senhor para buscar Sua liderança, eles recebem
algum entendimento interior. Quandos os profetas profetizam, o
que eles dizem fortalece o sentimento dos líderes. O resultado
dessa coordenação divina dos sacerdotes e profetas do Novo
Testamento no Corpo de Cristo é a benção ordenada por Deus
(Sl 133:3). Espero que todos nós possamos ter uma visão clara
com relação a liderança do Novo Testamento, incluindo o
encabeçamento de Cristo, a liderança da vida da igreja, a
liderança no ministério, e o governo de Deus na administração
das igrejas.

45

Você também pode gostar