Você está na página 1de 2

O projeto de 1895

Enquanto regressava de Berlim, ocasião em que visitara seu amigo Fliess,


Sigmund Freud, ainda no trem, rascunhou em algumas folhas avulsas o que viria a ser
o esboço do artigo: Projeto Para Uma Psicologia Cientifica (Freud, 1895).
O trabalho originalmente sem nome, possui história curiosa, permanecendo
inédito por 55 anos, relegado durante todo esse tempo ao esquecimento de um fundo
de gaveta. Seu aparecimento e seu batismo se devem a Anna Freud, Marie Bonaparte
e Ernest Kris responsáveis por sua edição e posterior publicação.
Em uma das suas primeiras tentativas de sistematizar o conhecimento a respeito
dos processos psíquicos, de maneira a torná-los "claros e livres de contradição", Freud
trata de conceitos fundamentais, como a natureza dos neurônios e suas conexões,
antes mesmo que constatações empíricas sobre esta célula nervosa fossem realizadas.
É com espírito científico que Freud, naquele momento em que concebia o Projeto,
apresenta sua teoria sobre processos psíquicos através da dinâmica de “neurônios”.
O Projeto suscita a discussão em torno da possibilidade de uma Psicologia entendida
como ciência natural, cujo objeto de estudo é delineado de maneira clara, à luz do
paradigma da Física, isto é, por meio de um conceito termodinâmico.
O debate sobre o Projeto de Freud, é especialmente importante porque nos
apresenta uma valiosa tentativa de Freud em um esforço profundamente científico, para
abordar o psiquismo e seus fenômenos. É justamente a partir das questões conflitantes
apresentadas no referido trabalho, que Freud irá se emancipar da visão mais estreita de
uma teoria neurológica e avançar com o desenvolvimento de suas teorias que já traziam
em seu gérmen bases para a construção de sua metapsicologia, o que fundará um novo
campo, a Psicanálise.
A dinâmica psíquica, assim considerada, inclui em sua investigação teórica uma
tentativa de representação do corpo, uma descrição da localização e da projeção das
sensações e uma teoria específica quanto ao objeto externo, da ilusão dos sentidos e
da alucinação. Para Garcia-Roza (2004), Freud lidava com os mesmos tipos de
problemas característicos do pensamento científico do final do século 19, pois
compartilhava com seus contemporâneos a crença de que os processos psíquicos
poderiam ser descritos através de leis científicas.
Em uma carta a Fliess, de 1896, Freud comenta: "se eu pudesse fornecer uma
descrição completa das características psicológicas da percepção e dos registros
mnemônicos, descreveria uma nova psicologia" (Freud, 1990, p. 337).
Sua ideia era conseguir dados mensuráveis para suas hipóteses sobre histeria
e neuroses, e também levantar novas questões sobre o funcionamento do aparelho
psíquico das quais se indagava desde 1893 no artigo Esboços para a Comunicação
Preliminar. Para Freud nos casos patológicos, as quantidades de energia física que
circulavam no organismo poderiam escolher vias de descarga diferentes, psíquica
ou somática, em função do grau de resistência ou de facilitação existente nas
redes. Essa hipótese permitiria explicar que a conversão histérica e os atos
compulsivos obsessivos seriam o resultado da descarga no corpo de uma
quantidade excessiva de excitação que se torna incontrolável.
A presente proposta de retorno ao Projeto de 1895 visa investigar o
contexto histórico e a importância que ele teve para Freud, seu autor, naquele
exato momento de sua construção, haja vista, que no Projeto há dois resultados
científicos simultâneos e contrários: O fracasso de sua tentativa levou ao
desenvolvimento da Psicanálise.

Referências:
Freud, Sigmund. Projeto Para Uma Psicologia Científica. v. I. Edição Standard
brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. J. Salomão. Rio
de Janeiro: Imago, 2006.

Leitura complementar:

FREUD, Sigmund. (1897-1904) A correspondência completa de Sigmund Freud para


Wilhelm Fliess. Editada por Jeffrey .M. Masson. Rio de Janeiro: Imago, 1986.

__________. (1893-1895) Estudos Sobre a Histeria. v. II. Edição Standard brasileira das
obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro:
Imago, 2006.

__________. (1893) “Sobre o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos:


Comunicação Preliminar”. Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de
Sigmund Freud, volume II. Rio de Janeiro, Imago, 2006

__________. (1900) “A Interpretação dos sonhos”. v. IX. Edição Standard brasileira das
obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro:
mago, 2006.

__________. (1904) O método psicanalítico de Freud. v. VII. Edição Standard brasileira


das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro:
Imago, 2006.