Você está na página 1de 6

O sacramento do batismo






O santo batismo é o fundamento de toda a vida


cristã
O batismo é o nascimento. Como a criança que nasce depende dos pais para
viver, também nós dependemos da vida que Deus nos oferece. No batismo, a
Igreja reunida celebra a experiência de sermos dependentes, filhos de Deus. Por
meio desse sacramento, participamos da vida de Cristo. Jesus Cristo é o grande
sinal de que Deus cuida de nós.
Foto: Arquivo CN

O santo batismo é o fundamento de toda a vida cristã, a porta da vida no Espírito,


que abre o acesso aos demais sacramentos. Por meio dele, somos libertados do
pecado e regenerados como filhos de Deus, tornamo-nos membros de Cristo,
incorporados à Igreja e feitos participantes de sua missão: “ Baptismus est
sacramentum regenerationis per aquam in verbo (o batismo é o sacramento da
regeneração pela água na Palavra)” .
Quando recebemos o sacramento do batismo, transformamo-nos de criaturas para
filhos amados de Deus. Muitos pensam que os sacramentos em geral são obras
eclesiásticas, ou seja, “ invenções” da Igreja. Isso não é verdade, os sacramentos
são, sem sombra de dúvidas, criados por Jesus Cristo, o próprio Deus Encarnado.

O profeta João Batista, primo de Jesus, que veio ao mundo para preparar os
caminhos para a vinda do Messias, foi quem batizou as pessoas para a vinda de
Cristo (cf. Mc 1,2s). Ele sabia que o seu batismo era temporário, pois logo depois
dele viria seu primo Jesus, que batizaria no Espírito Santo, ou seja, o profeta
batizava com água e Jesus batizava com o Espírito Santo. A Bíblia sugere o
batismo de todos, o que inclui as crianças.

““ Disse-lhes Pedro: “ Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome


de Jesus Cristo, para perdão dos pecados. E recebereis o dom do Espírito
Santo” (Atos 2, 38-39). A promessa diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos
os que estão longe – a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar” .”

Quando o batismo é válido?

O batismo é ordinariamente válido quando o ministro (bispo, presbítero ou


diácono) – ou em caso de necessidade qualquer pessoa batizada – derrame água
sobre o batizando, enquanto diz: ““ N…, eu te batizo em nome do Pai, do Filho e
do Espírito Santo”” . Isso supõe a fé em Jesus Cristo, pois sem a fé o batismo
não passa de uma encenação.

Não só o batismo na Igreja Católica é válido, pois aqueles realizados em crianças


ou adultos em algumas outras igrejas também o é. Batizam validamente: as
Igrejas Orientais; a Igreja Vetero-Católica; a Igreja Episcopal (Anglicana) do
Brasil; a Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB); a Igreja Evangélica de
Confissão Luterana do Brasil (IECLB); e a Igreja Metodista.

O batismo, em outras Igrejas, é válido se realizado com águas e na mesma fé,


utilizando a fórmula trinitária. Por razões teológicas, ou pelo sentido que dão ao
sacramento, a Igreja Católica tem reservas quanto à validade do batismo
realizado em algumas Igrejas e o considera inválido quando realizado em certas
expressões religiosas.

Jesus disse aos discípulos: “ “Vão e façam com que todos os povos se tornem
meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, e
ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês”” (cf. Mt 28,19-20). O
Cristo Ressuscitado envia sua Igreja ao mundo, pois a salvação é oferecida a
todos.
Para ser salvo, é preciso ter fé em Jesus e segui-Lo, mas ninguém O segue
sozinho. Pelo batismo, passamos a fazer parte da comunidade dos seguidores de
Jesus, participantes da vida de Deus, que é Pai, Filho e Espírito Santo. O batismo
é um dom de Deus para nós, dom que nos torna filhos amados, e não apenas
simples criaturas. Ele nos mostra que fomos feitos para a comunhão com Aquele
que é o Senhor de tudo e com os nossos irmãos, incluindo aquelas que acreditam
em Jesus Cristo, mas não são católicos como nós.

São Paulo nos diz: ””Pois todos vocês, que foram batizados em Cristo, se
revestiram de Cristo. Não há mais diferenças entre judeu e grego, entre escravo e
homem livre, entre homem e mulher, pois todos vocês são um só em Jesus
Cristo”” (Gl 3,27-28)

Para que existe o batismo?

Adão e Eva pecaram gravemente, desobedecendo a Deus, querendo ser iguais a


Ele. Foram, por isso, expulsos do Paraíso, passaram a sofrer e morreram. Deus os
castigou e transmitiu a todos os filhos de Adão, ou seja, a todos os homens, o
pecado original. Mas o Senhor prometeu a Adão e Eva que enviaria Seu próprio
Filho, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, que seria igualmente homem,
para morrer na Cruz e pagar assim o pecado de Adão e Eva e todos os outros
pecados.

Não basta, entretanto, que Jesus tenha morrido na cruz. É preciso ainda que Sua
morte seja aplicada sobre as almas, para que elas reencontrem a amizade de
Deus, ou seja, tornem-se filhos d’Ele e tenham apagado o pecado original. Foi
então para aplicar Seu Sangue derramado na cruz sobre nossas almas que Jesus
instituiu esse sacramento.

Quando foi que Jesus instituiu o batismo?


Jesus o instituiu logo no início de Sua pregação, quando entrou no rio Jordão
para ser batizado por São João Batista. O batismo de João não era um
sacramento. Apenas quando Jesus santificou as águas do Jordão com Sua
presença e que a voz do Pai se faz ouvir ””Este é meu Filho bem amado, em
quem pus minhas complacências” , e que o Espírito Santo aparece sob a forma
de uma pomba” (foi então uma visão da Santíssima Trindade), é que fica
instituído o batismo.

Essa instituição é confirmada por Jesus quando Ele diz a Seus apóstolos: ““ Ide e
ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito
Santo”.” Leia, na Bíblia, o Evangelho de São Mateus 3,13.

Matéria e forma

Jesus instituiu, então, o batismo e determinou que seria usada a água como
matéria desse sacramento. Foi também Jesus quem determinou a forma: ““ Eu o
batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém”.” O rito do
batismo consiste, assim, em derramar água na cabeça da pessoa que vai ser
batizada, ao mesmo tempo em que se diz a forma. Mas, só isso não basta. É
preciso ainda que o ministro tenha a intenção de fazer o que faz a Igreja Católica
no sacramento do batismo.

A Santa Igreja acrescentou também diversas orações preparatórias que


completam a cerimônia. Quem já assistiu a um batismo sabe que o padre usa o
sal bento, o óleo dos catecúmenos (o santo crisma), entrega a vela acesa aos
padrinhos, veste a roupa branca no batizado e, principalmente, reza as orações
contra o demônio, para que o pai da mentira nem se aproxime do batizado. Esse é
o batismo católico, o único instituído por Jesus, o único capaz de nos tornar
filhos de Deus.

Leia também:
:: Por que batizar uma criança?
:: Como escolher o padrinho do meu filho?
:: A Igreja Católica anula casamento?
:: O que é a Crisma?

O Ministro do Batismo

Normalmente, o ministro do batismo é um padre. É ele quem recebeu de Deus o


poder de trazer a fé ao coração da pessoa batizada, tornando-a filha de Deus. No
entanto, pode acontecer que seja preciso batizar às pressas alguém. Se não
houver um padre por perto, qualquer pessoa pode batizar, desde que queira fazer
o que a Igreja Católica faz no batismo, que use água e diga as palavras da forma
do batismo.

Além da pessoa que está sendo batizada, do ministro que batiza, há também, na
cerimônia, os padrinhos que seguram a criança. Normalmente, escolhe-se para
padrinhos um homem e uma mulher. Eles devem ser bons católicos, pois a
função dos padrinhos é dar o exemplo, ajudar os afilhados a aprender o
Catecismo, a rezar, a conhecer e amar a Deus. São os padrinhos que respondem,
no nosso lugar, as perguntas que o ministro faz durante a cerimônia.

Os efeitos do batismo

O batismo nos dá, pela primeira vez, a graça santificante, que é a amizade e a
presença de Deus no nosso coração. Junto com a graça recebemos o dom da fé,
da esperança e da caridade, assim como todas as demais virtudes que devemos
procurar proteger no nosso coração. O batismo apaga o pecado original, apaga os
pecados atuais e todas as penas ligadas aos pecados, ele imprime na nossa alma o
caráter de cristão, fazendo de nós, filhos de Deus, membros da Santa Igreja
Católica e herdeiros do Paraíso, tornando-os capazes de receber os outros
sacramentos. Por isso tudo, vemos que ser batizado é absolutamente necessário
para a salvação.