Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO


ESCOLA NORMARL SUPERIOR – ENS
CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS – LÍNGUA PORTUGUESA

PLANO DE DISCIPLINA

1. IDENTIFICAÇÃO

CURSO: Licenciatura em Letras – Língua Portuguesa PERÍODO: 3º ANO: 2018/1

COMPONENTE: Filosofia da Educação SIGLA: ENSN0102

CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 horas


CRÉDITOS: 4
TEÓRICA: 40 horas PRÁTICA: 20 horas

PROFESSOR: MSc. Antonio Enrique Fonseca Romero PRÉ-REQUISITO: Nenhum

2. EMENTA
A Filosofia da Educação como conteúdo específico e como objeto de pesquisa que implica
metodologia e estudo científico próprio na dinâmica das ciências da educação. O olhar dos
filósofos sobre as particularidades e horizontes do fenômeno educativo. As relações entre
Filosofia e Pedagogia no processo de formação de professores. A Filosofia, Educação, Ideologia
e emancipação histórica no horizonte do sujeito e sua autonomia cidadã.

3. OBJETIVOS
GERAL
* Analisar as relações entre ciência e educação, observando criticamente as
concepções que norteiam o ato educativo nas diferentes épocas das
sociedades.
* Desenvolver a atitude crítica e os processos de reflexão sobre si mesmo,
para a produção do conhecimento e análise das ciências que fundamentam a
educação.
ESPECÌFICOS
1. Analisar o paradigma científico e educacional da modernidade e discutir a sua razão
instrumental e ideológica liberal e neoliberal para a partir daí fundamentar e propor novos
modelos científicos, filosóficos, pedagógicos, educativos e novas formas de compreensão e
relação com a realidade educacional.
2. Discutir a crise do modelo teórico-prático moderno (científico) mecanicista e
matematizador e de seu método empírico-analítico fragmentário e excludente desde a
perspectiva dos fundamentos epistemológicos da educação.
3. Tematizar a leitura e a escrita de textos Científicos, Filosóficos e Didático-
Pedagógicos, considerando seus aspectos empírico-racionalistas e metodológicos; fazendo uso
de instrumentos como: especulação teórica, pesquisa de campo, exploração da subjetividade,
técnicas de coleta de dados in loco, sínteses e análises críticas dos temas e textos propostos.
4. Estimular o acadêmico(a) na produção de conhecimento científico, sócio-crítico-
criativo-transformador.

4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
NO DE
MÊS CONTEÚDO
AULAS

* Apresentação do Plano de Ensino e do Processo


Fevereiro Avaliativo – Debate e Acréscimo das contribuições dadas pelos 8
acadêmicos (as) ao Plano de Ensino.
* * INTRODUÇÃO – O que é Filosofia e por que Vale a pena
Estudá-la.
Março 16
* * Filosofia, Ciência e Vida.
* * Por que: Filosofia da Educação?
* * Anotações sobre a Filosofia da Educação de Anísio
Abril Teixeira. 16
UNIDADE I – Lei No. 9394, de 20 de Dezembro de 1996 (LDBEN)

1.1. Título I – Da Educação


Maio 1.2. Título II – Dos Princípios e Fins da Educação Nacional. 16
1.3. Título III – Do Direito da Educação e do Dever de Educar.
1.4. Título IV – Da Organização da Educação Nacional.
1.5. Título V – Dos Níveis e das Modalidades da Educação e Ensino.
1.5.1. Seção IV – Do Ensino Médio.
Junho 1.5.2. Capítulo III – Da Educação Profissional. 16
1.5.3. Capítulo IV – Da Educação Superior.
1.5.4. Título VI – Dos Profissionais da Educação.
1.5.5. Título VII – Dos Recursos Financeiros.
1.5.6. Título VIII – Das Disposições Gerais.

UNIDADE II – Simpósio: Sobre a Pedagogia – Immanuel Kant.

UNIDADE III – Educação e Luta de Classes – Aníbal Ponce.

3.1. A Educação na Comunidade Primitiva.


3.2. A Educação do Homem Antigo.
3.3. A Educação do Homem Feudal.
3.4. A Educação do Homem Burguês.
3.5. A Nova Educação.

UNIDADE IV – Entre a Ciência e a Sapiência: o dilema da


Educação. Rubem Alves.

4.1. Carta aos que mandam na Educação.


4.2. Sobre livros e leitura.
4.3. Aos que Moram nos Templos da Ciência.
4.4. Sobre Computadores e Deus.

UNIDADE V – Tópicos em Filosofia da Educação

5.1. Educação e Sociedade: as Relações de Trabalho.


5.2. Filosofia da Educação no Brasil: Raízes Históricas.
5.3. Por uma Educação Libertadora e Humanista: Paulo Freire,
Bakunin, Dermeval Saviani.

UNIDADE VI – Simpósio / Pedagogia da Autonomia: Saberes


Necessários à Prática Educativa. Paulo Freire.

* Balanço Geral do Componente Filosofia da Educação.

5. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Os estudos serão realizados através de diversos métodos didático-pedagógicos,


especialmente, do Princípio Pedagógico da Pesquisa, como: seminários investigativos,
debates, mesas redondas, oficinas, simpósios, estudo e reflexão de textos previamente
construídos pelos acadêmicos(as), a partir das dinâmicas realizadas no desenvolver das aulas e
apresentados por eles, de maneira a criar a possibilidade com os acadêmicos(as) de articular as
formulações conceituais com as diferentes abordagens teóricas e práticas deles, com o intuito de
alcançar uma maior compreensão sociocultural da importância da reflexão epistemológica,
filosófica, científica, educativa e ética para o desenvolvimento do mundo; assim como, a
necessidade de lutar dentro dos termos da racionalidade, da justiça e da sapiência por criar uma
sociedade mais humana, justa e verdadeira em harmonia com o meio vital de existência, e, o
outro como diferente.
Elementos imprescindíveis serão os diversos recursos pedagógicos como: filmes,
revistas pedagógico-científico-filosóficas, textos escolhidos, a Internet, entre outros; os quais
servirão para realizar discussões e debates sobre suas temáticas, permitindo a elaboração de
reflexões escritas, onde se exercitarão os acadêmicos e acadêmicas no raciocínio lógico, crítico
e analítico, sendo tratados todos os temas interdisciplinarmente, isto é, contextualizando com
outras ciências humanas e exatas, com outros componentes da matriz curricular; assim como,
com a situação educacional, política, socioeconômica e cultural, isto, em âmbito local, regional e
internacional.
Todavia, com o componente curricular serão trabalhados os livros propostos na
bibliografia básica, com a qual se pretende criar o Método Filosófico-Pedagógico da Pesquisa
entre os acadêmicos (as), assim como desenvolver as competências e habilidades para o estudo
da Filosofia, a análise crítica dos processos de ensino-aprendizagem, a pesquisa e a
comunicação desta em diversos eventos da área, tendo como objetivo aprender a ler-analisar-
interpretar-escrever-comunicar, que se caracteriza pelo seguinte: promover o contato direto
com fontes bibliográficas originais, desenvolver a compreensão lógica e hermenêutica através da
leitura e discussão em grupo, proporcionar a disponibilidade de autores e recursos para
compreensão dos clássicos da Filosofia, da Ciência Cognitiva e da Educação.
Dar-se-á orientação individual ou em grupo, fora da sala de aula, com o intuito de
clarificar possíveis dúvidas apresentadas pelos discentes no processo de desenvolvimento do
componente ou na elaboração de suas reflexões escritas.
6. AVALIAÇÃO

Relação
Avaliação/Data Estratégias Critérios e Pontuação com os
Objetivos

• Resenha Crítica Grupal. Elaboração


de uma (03) laudas; seguindo a lógica
Introdução, Desenvolvimento e
Considerações Finais – I-D-C. Valor
do exercício 2,0 (dois vírgula zero)
• Apresentação e Debate dos
AP1: 10/04 pontos. 1–4
Textos Propostos para Estudo.
• Apresentação do Texto com Valor
de 2,0 (Dois vírgula zero) pontos.
• Prova Escrita Individual, com valor
de 6,0 (Seis vírgula zero) pontos

• Elaboração de Artigo Grupal.


Construção de Artigo, onde será
• Simpósio: Saberes trabalhada uma Problemática Atual da
Necessários à Prática Realidade Educacional, com dez (10)
Educativa. Tendo presente a laudas; seguindo a lógica Introdução,
Didática, isto é, os recursos Desenvolvimento e Considerações
utilizados na Apresentação, o Finais – I-D-C. Valor do exercício 3,0
Conteúdo e o Referencial Teórico (Três vírgula zero) pontos.
AP2: 12/06 1–4
selecionado, em sua Análise • Apresentação do Texto com Valor
Crítica; assim como, a de 2,0 (Dois vírgula zero) pontos.
Contextualização do problema Trabalho Grupal.
em questão com a realidade
Local, Regional, Nacional e • Simpósio, com valor de 2,0 (Dois
Internacional. vírgula zero) pontos. Produção Grupal.
• Prova Escrita Individual, com valor
de 3,0 (Três vírgula zero) pontos
 Será levada em consideração a
capacidade hermenêutica, exegética,
argumentativa, propositiva e
atualizadora dos temas abordados,
assim como, a relação e diálogo com os
PF: 26/06 autores debatidos em Sala de Aula. 1-4
 Prova Escrita.
 A Prova Escrita-Individual, terá um
valor de 0,0 (Zero vírgula zero) pontos
até 10,0 (Dez vírgula zero) pontos e
constará de todo o conteúdo visto ou
trabalhado no componente curricular.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BÁSICAS
ALVES, Rubem. Entre a Ciência e a Sapiência: O Dilema da Educação. São Paulo: Loyola,
2001.

CAMPOS, Manuel do Carmo da Silva (Org.). Tópicos de Filosofia da Educação. Manaus: BK,
2017.

CARNEIRO, Moaci Alves. LDB Fácil: leitura crítico-compreensiva – artigo a artigo. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1998.

KANT, Immanuel. Sobre a Pedagogia. 5 ed. Tradução de Francisco Cock Fontanella. Piracicaba:
UNIMEP, 2006.

LDB. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, Coordenação
de Edições Técnicas, 2017.

PONCE, Aníbal. Educação e Luta de Classes. 22 ed. Tradução de José Severo de Camargo
Pereira. São Paulo: Cortez, 2007.

COMPLEMENTARES

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 1995.


ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência: Introdução ao Jogo e suas Regras. Ed. Brasiliense. São
Paulo, 1987.
BACHELARD, Gaston. A Epistemologia. Tradução Fátima Lourenço Godinho e Mário Carmino
Oliveira. Lisboa: Edições 70, 2006.
BACHELARD, Gaston. A Formação do Espírito Científico: contribuição para uma psicanálise do
conhecimento. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
BACHELARD, Gaston. Ensaio sobre o conhecimento aproximado. Tradução de Estela dos
Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.
BACHELARD, Gaston. O novo espírito científico. Tradução de António José Pinto Ribeiro.
Lisboa, Portugal: Edições 70, 2008.
BACHELARD, Gaston.O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo:
Martins Fontes, 1990.
BARBIER, René. A pesquisa-ação. Brasília: Plano, 2002.
BARBOSA, Walmir de Albuquerque; MELO, Sandro Nahmias. Manual de Normas para
Elaboração de Monografias, Dissertações e Teses. Manaus: UEA, 2005.
BOOTH, Wayne C. A Arte da Pesquisa. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues (Org). Pesquisa Participante. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.
CASALI, Alípio. Conhecimento, pesquisa e educação. Campinas: Papirus, 2001.
CENDALES G, Lola. El Processo de la Investigación Participativa. In. Aportes 20: Investigación,
Acción, Participación. 5 ed. Bogotá: Dimensión Educativa, 1990.
CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 2000.
DESCARTES, René. Discurso do Método. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo:
Martins Fontes, 1996.
DESCARTES, René. Regras para a Direção do Espírito. Lisboa: Edições 70, 1986.
DURKHEIM, Emile. Qué es Educación? Textos Seleccionados y Comentados por Rafael Avila P.
Bogotá: Nueva América, 1988.
ELIAS, Norberto e SCOTSON, John L. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações
de poder a partir de uma pequena comunidade. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 2000.
FAZENDA, Ivani. Metodologia da Pesquisa Educacional. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2004.
FOLSCHEID, Dominique. WUNENBURGER, Jean-Jacques. Metodologia Filosófica. 2 ed.
Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
FOUREZ, Gérard. A Construção das Ciências: introdução à Filosofia e à ética da ciência.
Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1995.
GAMBOA, Sílvio Sánchez. Pesquisa em Educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Argos,
2007.
GENTILI, Pablo (Org.). Pedagogia da Exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 9 ed.
Tradução de Vânia Paganini Thurler e Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.
GHEDIN, Evandro (Org.). Ética e Educação. Manaus: FSDB, 2009.
GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.
HABERMAS, Jürgen. Conocimiento e Interés. Traducción de Manuel Jiménez, José F. Ivars y
Luis Martín Santos. Buenos Aires, Argentina: Taurus, 1990.
HABERMAS, Jürgen. Técnica e Ciência como Ideologia. Tradução Felipe Gonçalves da Silva.
São Paulo: UNESP, 2014.
HORKHEIMER, Marx. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2000.
HORKHEIMER, Max. Eclipse da razão. São Paulo: Antauro, 2000.
JONAS, Hans. Matéria, Espírito e Criação: dados cosmológicos e conjecturas cosmogônicas.
Tradução de Wendell Evangelista Soares Lopes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
JONAS, Hans. O Princípio Responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica.
Tradução do original alemão Marijane Lisboa, Luiz Barros Montez. Rio de Janeiro, RJ:
Contraponto; PUC-Rio, 2006.
JONAS, Hans. O Princípio Vida: fundamentos para uma biologia filosófica. Tradução de Carlos
Almeida Pereira. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.
KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 2002.
KUHN, Thomas S. A Estrutura das revoluções científicas. 6 ed. Tradução de Beatriz Vianna
Boeira e Nelson Boeira. São Paulo, SP: Perspectiva, 2001.
LUCIANO, Gersém José dos Santos. Educação para manejo do mundo: entre a escola ideal e a
escola real no Alto Rio Negro. Rio de Janeiro: Contra capa; Laced, 2013.
LUDWIG, Celso Luiz. A alternativa jurídica na perspectiva da libertação: uma leitura a partir da
filosofia da Libertação de E. Dussel. Petrópolis: Vozes, 1995.
MARTINICH, A. P. Ensaio Filosófico: o que é, como se faz. 2 ed. Tradução de Adail U. Sobral.
São Paulo: Loyola, 1996.
MATURANA, Humberto. A Ontologia da Realidade. Organizadores Cristina Magro, Miriam
Graciano e Nelson Vaz. Belo Horizonte: UFMG, 1997.
MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Organização e Tradução Cristina
Magro, Victor Paredes. Belo Horizonte: UFMG, 2001.
MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. Tradução de José
Fernando Campos Fortes. Belo Horizonte: UFMG, 1998. (2002. 3ª Reimpressão).
MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.
MORANDI, Franc. Filosofia da Educação. Bauru-Sp: Edusc, 2002.
MOREIRA, Marco Antônio; MASSONI, Neusa Teresinha. Epistemologias do Século XX. São
Paulo: EPU, 2011.
MOREIRA, Marco Antônio; MASSONI, Neusa Teresinha. Epistemologias do Século XX. São
Paulo: EPU, 2011.
MORIN, Edgar. O método 3. O conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina, 1999.
PENNA, Antônio Gomes. Introdução à epistemologia. Rio de Janeiro: Imago, 2000.
POLITZER, Georges. Princípios elementares da Filosofia. Tradução Silvio Donizete Chagas. São
Paulo: Centauro, 2001.
POPPER, Karl R. A Lógica das Ciências Sociais. Tempo Brasileiro, 2004.
POPPER, Karl. A Lógica da Pesquisa Científica. Tradução de Leônidas Hegenberg e Octanny
Silveira da Mota. 11 ed. São Paulo: Cultrix, 2004.
PORTA, Mário Ariel Gonzalez. A Filosofia a Partir de seus Problemas. Didática e Metodologia do
Estudo Filosófico. Ed. Loyola. São Paulo, 2002.
REGO, Tereza Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 2000.
RUSS, Jacqueline. Os Métodos em Filosofia. 2 ed. Preparada por France Farago. Tradução de
Gentil Avelino Titton. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 21 ed. São Paulo: Cortez,
2000.
TEODORO, Antônio; VASCONCELOS, Maria Lúcia. Ensinar e aprender no ensino superior: por
uma epistemologia da curiosidade na formação universitária. São Paulo: Cortez, 2003.
THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-ação. 4 ed. São Paulo: Cortez: Autores
Associados, 1988.
TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa
qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2010.
UCHÔA, Joel Pimentel de. Reflexões sobre a Leitura em Filosofia. Goiânia: UFG, 2000.
ZUIN, Antônio Álvaro Soares; PUCCI, Bruno; RAMOS-DE-OLIVEIRA, Newton. Adorno. O poder
educativo do pensamento crítico. Petrópolis: Vozes, 2000

Local/Data: Manaus – Amazonas. 19 de Local/Data: Manaus – Amazonas. 19 de


Fevereiro de 2018. Fevereiro de 2018.

___________________________________
_________________________________
Assinatura do Professor: MSc. Antonio
Assinatura do Coordenador(a):
Enrique Fonseca Romero