Você está na página 1de 6

03/04/2018 Medição do volume de anilox: sua história como importante evolução na impressão flexográfica - Associação Técnica Flexográfica

EVENTOS PRÊMIOS TREINAMENTO RECURSOS REVISTA FLEXO

FILIAÇÃO ENTRAR
0 4 d e n o v e m b ro d e 2 0 1 7  

Medição do volume de anilox: sua história


como importante evolução na impressão
exográ ca
A maioria das impressoras
exográ cas, sejam elas de
banda estreita, de teia larga
ou corrugadas,
experimentaram a frustração
do tempo e do desperdício de
material com a con guração
prolongada da impressora
para obter as densidades
corretas necessárias para os
trabalhos.

Parece ser um procedimento


padrão responsabilizar, em
ordem, a tinta ou o que os
técnicos de tinta zeram,
depois a con guração da Figura 1
Imagens e dados cortesia da Troika Systems Ltd
lâmina, depois o substrato e
as placas e, nalmente,
quando tudo mais falhar, considerar os aniloxes.

A condição e o volume real do anilox precisam ser conhecidos para minimizar o tempo e
o custo de con guração da impressora.

https://www.flexography.org/industry-news/anilox-volume-measurement-history-evolution-flexographic-printing/ 1/6
03/04/2018 Medição do volume de anilox: sua história como importante evolução na impressão flexográfica - Associação Técnica Flexográfica

História dos Métodos


EVENTOS
de Medição
PRÊMIOS
de Volume
TREINAMENTO RECURSOS
Anilox
REVISTA FLEXO

Os métodos de medição volumétrica em rolos cerâmicos ablados a laser, como em


qualquer ciência, evoluíram progressivamente e evoluíram para algo que agora pode ser
FILIAÇÃO ENTRAR  
descrito como preciso.

Originalmente, o método de medição era, naturalmente, copiado dos grá cos gravados
mecanicamente onde a contagem de tela e a abertura da célula eram facilmente
estabelecidas e, conhecendo os ângulos da ferramenta de gravação, o volume era
calculado usando fórmulas trigonométricas.

Nos primeiros dias da medição do anilox, a maioria dos gravadores usava um grá co para
dar uma indicação do volume da célula. No entanto, pode haver uma grande diferença
nos volumes devido à forma dessas células. Como mostrado na Figura 1 , se a pirâmide
a ada fosse medida com precisão em um volume de 3, a célula de corte reto achatada
teria um volume maior que 8 e a pirâmide achatada média, que é comparável às
primeiras células gravadas em cerâmica, teria um volume (se medido com precisão) de
aproximadamente 6. Medidas com grandes variações nas leituras eram boas o su ciente
naquele momento, simplesmente porque o exo ainda estava em seus estágios
evolutivos e certamente longe da qualidade que temos hoje.

Com o passar do tempo, a ablação a laser de aniloxes cerâmicos de maior duração foi um
verdadeiro passo em frente na sua fabricação. Isto permitiu a evolução de maiores
contagens de tela e estruturas celulares hexagonais (30 graus e 60 graus) e, ao longo do
tempo, a evolução de estruturas celulares abertas complexas.

Com a gravação a laser, todos os fabricantes de anilox tiveram que evoluir do método
grá co simples de medição de volume para uma técnica mais so sticada. Este foi o
método de "volume líquido - redução de tinta". Muitos fabricantes desenvolveram seu
próprio método de veri cação de volume de líquido, no entanto, eles precisavam de um
ponto de referência para usar ao declarar o volume dos aniloxes. Se eles tivessem feito
seus cálculos na célula a ada (como mostrado na Figura 2 ), esse volume seria muito
diferente daqueles que faziam referência a partir da célula normal, e certamente muito
diferente da célula inferior larga em forma de U de corte reto. exemplo. Isso explica por
que pode haver uma diferença muito real na capacidade de transporte de tinta de
https://www.flexography.org/industry-news/anilox-volume-measurement-history-evolution-flexographic-printing/ 2/6
03/04/2018 Medição do volume de anilox: sua história como importante evolução na impressão flexográfica - Associação Técnica Flexográfica

aniloxos de diferentes
EVENTOS PRÊMIOS TREINAMENTO RECURSOS REVISTA FLEXO
fabricantes, apesar de sua
documentação a rmar que
FILIAÇÃO ENTRAR eles são do mesmo volume.
 

Essa diferença foi


comprovada em pesquisa
realizada pela Troika
Systems em 2007, quando
um rolo com 12 gravuras de
100 lpi a 1.200 lpi foi levado a
15 diferentes fabricantes de
anilox, na Europa e América
do Norte, para serem
medidos usando o método
que cada um estava usando.
Figura 2 naquela hora.

Os resultados, mostrados na tabela abaixo, ilustram os volumes mínimo e máximo


declarados pelos fabricantes. Com estas variações muito signi cativas em cada banda,
não é de se admirar que as impressoras / conversores tenham tempos de con guração
de impressão tão longos e muito desperdício. Também não é surpresa que as empresas
de revestimento desperdicem tanta solução quando têm tão pouca idéia de qual é a
capacidade real de transporte de seus rolos.

À medida que telas anilox mais altas, novas células alongadas e estruturas de células
abertas evoluíram, a necessidade de medição de volume não pôde ser atendida pelos
métodos convencionais, e os sistemas de medição tiveram que evoluir. Essa variação
entre o que deveria ter sido aniloxes comparáveis tem sido muito cara para todas as
impressoras exográ cas, desde a menor teia estreita até os maiores locais corrugados.
Era hora de ajudá-los a economizar custos e tempo.

Volume Líquido - Método de Redução de Tinta

https://www.flexography.org/industry-news/anilox-volume-measurement-history-evolution-flexographic-printing/ 3/6
03/04/2018 Medição do volume de anilox: sua história como importante evolução na impressão flexográfica - Associação Técnica Flexográfica

Enquanto o teste de volume de líquido foi o primeiro passo positivo para tentar
EVENTOS PRÊMIOS TREINAMENTO RECURSOS REVISTA FLEXO
melhorar a medição volumétrica, e foi adaptado por muitos fabricantes de anilox, ele não
pode a rmar ser preciso ou consistente.
FILIAÇÃO ENTRAR  
lpi/lpcm Minimum cm3/m2 Reading Maximum cm3/m2 Reading %

Band 1 1,200/500 1.70 2.80 6

Band 2 1,000/400 2.63 4.00 5

Band 3 800/320 1.99 4.80 1

Band 4 700/280 4.50 8.30 8

Band 5 500/200 5.12 9.80 9

Band 6 400/160 6.25 12.80 1

Band 7 300/120 8.15 12.40 5

Band 8 250/100 10.60 15.30 4

Band 9 200/80 14.80 18.90 2

Band 10 180/70 13.90 20.92 5

Band 11 150/60 16.70 27.50 6

Band 12 100/40 21.50 40.81 9

Isso porque tentou seguir um processo similar à imprensa, dispensando uma quantidade
conhecida de tinta, espalhada por uma lâmina no anilox. A área de tinta espalhado sobre
foi medida em milímetros quadrados, e usando a fórmula de volume de tinta / área de
quadrado (cm 3 / m 2 ou BCM / in 2 ), foi calculado um volume. Embora esse método
tenha sido um passo positivo em relação ao método mecânico original de cálculo
volumétrico, há muitas oportunidades para erros:

Se a densidade da tinta não for absolutamente constante, variações na medição


ocorrerão. Portanto, se houver uma diferença de densidade entre os potes de tinta,
ou se a tinta nos potes evaporar durante o uso, uma variação muito real nas
medições é vista
Estudos mostraram variações muito signi cativas Os métodos de
entre operadores. Em outubro de 2010 na medição
Universidade de ClemsonA FTA realizou um estudo volumétrica em
de con abilidade e repetibilidade de calibre (R & R) rolos cerâmicos
sobre a variedade de rolos medidos com diferentes ablados a laser,
circunferências e diferentes contagens de tela. O como em qualquer
estudo, realizado sob condições controladas, ciência, evoluíram

https://www.flexography.org/industry-news/anilox-volume-measurement-history-evolution-flexographic-printing/ 4/6
03/04/2018 Medição do volume de anilox: sua história como importante evolução na impressão flexográfica - Associação Técnica Flexográfica

apresentou variações médias de mais de ± 10 por progressivamente e


EVENTOS PRÊMIOS TREINAMENTO RECURSOS REVISTA FLEXO
cento utilizando o método do volume líquido. Isso evoluíram para algo
signi cava que um anilox de 5 volumes era medido em que agora pode ser
algo entre
FILIAÇÃO 4,5 e 5,5 volumes - muito
ENTRAR além dos descrito como
 
requisitos que as impressoras precisam para gerenciar preciso.
seus aniloxes para obter produtividade ideal e
minimizar o desperdício de con guração. É
interessante notar que, durante os testes subsequentes em um fabricante de anilox
global, oito de seus usuários de volume de líquido competentes e experientes
conseguiram apenas uma variação mínima de 16% em suas medições em um teste
mestre de cinco bandas. Quando testes similares foram realizados em outro
fabricante internacional de anilox, Utilizando seis operadores muito experientes em
um rolo com bandas, os melhores resultados ainda mostraram uma variação de
14%. Essas variações estão além do que é aceitável hoje
Se o anilox passou por um banho de limpeza, ele precisa esfriar até a temperatura
ambiente antes que as medições possam ser feitas; se estiver quente, a tinta usada
para as medições evapora e dá leituras muito imprecisas
Este método não é adequado para medir estruturas de células abertas porque
simplesmente ui e não preenche as células conforme necessário

Não é de surpreender que quando os fabricantes de anilox estivessem realizando as


medições usando o método de teste de volume de líquido (apelidado de “squirt and
scrape” por alguns usuários), as impressoras descobriram que obteriam diferentes
densidades de aniloxes que eram do mesmo volume . Felizmente, muito poucos
fabricantes de anilox usam esse método hoje.

Compartilhar isso:

    

Páginas: 1 2

https://www.flexography.org/industry-news/anilox-volume-measurement-history-evolution-flexographic-printing/ 5/6
03/04/2018 Medição do volume de anilox: sua história como importante evolução na impressão flexográfica - Associação Técnica Flexográfica

Marcado com: anilox roll , Universidade


EVENTOS PRÊMIOS Clemson , TroikaRECURSOS
TREINAMENTO Systems Ltd.
REVISTA FLEXO

FILIAÇÃO ENTRAR  

    
ASSOCIAÇÃO TÉCNICA FLEXOGRÁFICA
3920 Veterans Memorial Hwy Ste 9: Bohemia NY 11716-1074: tel: 631-737-6020 | fax: 631-737-6813

COMUNICADOS DE IMPRENSA CALENDÁRIO DE EVENTOS


SOBRE NÓS CO N TATO

COPYRIGHT © 2018 ASSOCIAÇÃO TÉCNICA FLEXOGRÁFICA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

https://www.flexography.org/industry-news/anilox-volume-measurement-history-evolution-flexographic-printing/ 6/6