Você está na página 1de 12

Discente: Jorge Palhau 2ºE

Docente: João Brito

Faculdade De Desporto

Dossier de Futebol
Dezembro 2008

Introdução

As aulas de cariz prático foram um tónico para a assimilação de conteúdos. Foram


abordados princípios tácticos fundamentais do jogo.
Situações de contextos diferentes, de várias fases do jogo para melhor compreensão do
essencial de um jogo de futebol.
O futebol é um desporto ganho nos “detalhes” e, a equipa que, melhor preparada estiver
a ível táctico e, na interpretação do próprio jogo, acaba, no final por vencer.
De realçar, que a intensidade do treino e das situações particulares e individuais do jogo,
contribuem como factor preponderante para os jogadores se saírem bem nas suas
funções dentro do terreno de jogo.
As aulas de natureza teórica, surgiram como forma de interpretação da componente
prática e, levantaram muitas questões. Fundamentaram a questão prática dando-lhe
credibilidade.
A teoria ajudou a interpretar as situações de jogo e, a reflectir a nível táctico.
Príncipios Tácticos

Os princípios tácticos, ou de jogo, definem-se como ideias fundamentais e


essenciais para o futebol, que formam um verdadeiro método de trabalho, com
dois objectivos específicos, preparar o jogador com competências que lhe
permitam resolver com êxito os numerosos problemas tácticos que o futebol
apresenta a cada instante na competição e, dotar o jogador de uma formação
mental táctica ou de jogo, que lhe permita, de acordo com o decorrer do jogo,
tomar iniciativas ou alterar as estratégias delineadas para o jogo, desenvolvendo
a sua inteligência de jogo, através de três mecanismos, percepção, decisão e
execução.

Clássicos

Os princípios tácticos clássicos, dividem-se em gerais, ofensivos e defensivos, e


são um conjunto de ideias de fácil percepção e análise rápida que, de acordo com a
dinâmica de jogo, pretendem dar ao jogador uma ideia global do jogo.
Estes princípios desenvolvem algumas qualidades morais e intelectuais que de forma
sistemática se vão trabalhando nos treinos com a realização dos jogos tácticos reduzidos
e jogos simplificados.
Apresentam características como: São fundamentais nos escalões de iniciação ao
futebol, permitem a aquisição de uma concepção táctica global e geral, facilitam a
interpretação dos princípios tácticos de evolução e, são de fácil compreensão e analise
rápida.

GERAIS DEFENSIVOS OFENSIVOS


 Fazer o mais fácil  Segurança em  Jogar a toda a
 Acompanhar a todas as situações largura do campo
jogada  Saber colocar-se  Ganhar a
 Mobilidade  Saber recuar linha de fundo
constante  Marcação como  Domínio do
 Jogar no sinónimo de 2x1
comprimento e antecipação e  Domínio do
na largura do intercepção bloqueio
campo  Cooperação com o  Ocupar os
 Visão periférica colega espaços vazios,
 Dominar a ideia ultrapassado jogando sem bola
de bloco  Sair a jogar  golo
 Dominar a ideia de  Jogar com o  Rematar e
mudança de jogo guarda redes continuar em jogo
 Passar a bola e até ao final da
procurar um jogada
espaço para  Dominar os
receber fundamentos
técnicos
individuais
Modernos

Os princípios tácticos modernos estão divididos em princípios defensivos e ofensivos,


de acordo com a dinâmica geral do jogo. Foram, subdivididos, segundo uma ordem
lógica e encadeada das fases de jogo.
Os princípios defensivos, reportam a contenção, que após a perda da posse de bola é a
acção a desenvolver, procurando encontrar um equilíbrio nas tarefas defensivas, ponto
de partida para a recuperação da posse da bola (recuperação).
Os princípios ofensivos estão subdivididos no grupo de controle ou manutenção da
bola, logo após a recuperação da sua posse, no sentido de procurar um domínio no
início da fase ofensiva. Em seguida, deve procurar-se a mobilidade, não só individual
mas, também colectiva, que nos levará a penetrar nas linhas defensivas do adversário
(penetração) e, por ultimo, o grupo da improvisação pois, o futebol é um jogo com
alterações constantes e, depende da preparação técnica individual que permite a um
jogador mudar de acção no momento menos esperado.

Entre as prinicipais características, distinguem-se: os princípios modernos são,


fundamentais em todas as etapas de aprendizagem do futebol e, também no alto
rendimento; acentuam e concedem um sentido mais prático na interpretação do jogo, ou
seja, facilitam a sua leitura; desenvolvem uma concepção de jogo mais específica
(inteligência de jogo) e, por último, a FIFA difunde-os em todos os programas de
formação de treinadores.

PRINCIPIOS DEFENSIVOS

CONTENÇÃO EQUILIBRIO RECUPERAÇÃO

TEMPORIZAÇÃO MARCAÇÃO DOBRAS

RECOLOCAÇÃO COBERTURA ANTECIPAÇÃO

COMPENSAÇÃO INTERCEPÇÃO

ENTRADA
Definição dos Princípios Defensivos

Contenção

A principal tarefa de um jogador logo após a perda da posse da bola é prevenir o


desenvolvimento de uma jogada de ataque da equipa adversária, tanto quanto possível,
no mesmo local onde se perdeu a bola. O seu sucesso depende da intervenção defensiva
dos jogadores colocados naquela zona do campo.Caracteriza-se, por, Recolocação ou
Recuperação no terreno, ou seja, movimentos de retorno realizados pelos jogadores da
equipa que perde a posse de bola para no menor tempo possível voltar a ocupar as suas
posições defensivas e, Temporização, procurando impedir a progressão ofensiva do
adversário, pressionando o portador da bola (acção que deve ser desenvolvida pelo
defensor mais próximo do mesmo).
O objectivo principal é evitar um ataque rápido por parte da equipa adversária, criando
condições para que a sua equipa se recoloque e, rapidamente assuma as suas tarefas
defensivas.

Equilíbrio

Quando o adversário se aproxima da zona de baliza da equipa defensora, deve fazer-se


uma marcação mais directa, cabendo aos defensores estabelecer um equilíbrio entre o
número de atacantes e de defesas, tendo em conta que a equipa adversária na fase
ofensiva procurará obter superioridade numérica que lhe dê vantagem no ataque,
devendo os defesas, através de movimentações individuais e colectivas, procurar um
equilíbrio defensivo.
Os princípios tácticos deste grupo são, a marcação, cobertura, compensação e
vigilância.

1. Marcação

É a posição que o jogador adopta quando está a desempenhar uma tarefa defensiva quer
seja a prever, antecipar e a contrariar os movimentos do adversário. O objectivo
principal da marcação é a neutralização das acções ofensivas do adversário, quer sejam
efectuadas com bola, procurando recuperar a sua posse, quer seja sem bola, procurando
prevenir acções ofensivas que se possam vir a desenvolver.
Distinguem-se a marcação individual e a marcação à zona.
A marcação individual é uma marcação que o defesa exerce sobre um jogador em
particular e tem por objectivo neutralizar todas as acções ofensivas de um determinado
atacante, através de uma marcação directa e pressionante que procura reduzir a área de
acção do adversário. Este tipo de marcação, para ser eficaz, requer uma excelente
condição física e uma enorme capacidade de luta e sacrifício.
A marcação à zona, Como o seu nome indica consiste na distribuição racional do
terreno de jogo em zonas e das funções defensivas. Cada jogador mantém a sua posição
no campo e marca todos os jogadores que passem pela sua zona. Se o jogador que estão
a marcar mudar para outra zona, imediatamente as tarefas defensivas são transferidas
para outro colega de equipa.
A comunicação e o entendimento entre os defensores deve ser perfeitamente clara, uma
vez que a aplicação deste tipo de marcação resulta claramente do jogo de equipa, tendo
por princípio a colaboração mútua e recíproca, uma vez que uma das fraquezas da
marcação à zona é a introdução de dois atacantes na zona, criando assim superioridade
numérica, que só pode ser combatida com um excelente entrosamento entre os defesas.

2. Cobertura

É estar em situação e poder ajudar um companheiro que pode ser ultrapassado por um
adversário.

3. Compensação

Quando um jogador ultrapassado pelo adversário, procura o mais rápido possível


ocupar o lugar do companheiro que saiu em sua ajuda ao encontro do adversário que o
ultrapassou.

Recuperação

Quando se consegue retardar o ataque da equipa adversária e a progressão do adversário


e, se logra obter um equilíbrio nas tarefas defensivas e passar à fase de recuperação da
posse de bola através da aplicação de príncipios como, dobras, antecipação, intercepção.

1. Dobra

È a acção defensiva que se executa de forma inteligente na qual dois jogadores exercem
uma pressão intensa sobre o portador da bola, de forma sincronizada, com o único
objectivo de ganhar a posse de bola.

2. Antecipação

É o movimento realizado pelo defesa sobre a bola, antecipando a acção que o adversário
que a vai receber irá realizar.

3. Intercepção

É impedir que uma bola passada por um adversário chegue ao seu destino, cortando a
sua trajectória e ganhando a posse da bola.
PRINCIPIOS OFENSIVOS

Controle Mobilidade Penetração Improvisação

Posse de bola Desmarcação Tabelas Ataque

Organização ofensiva Apoio Ocupação do espaço Ritmo de jogo

Controle do jogo e do
Mudança de ritmo Superioridade numerica
espaço

Mudança de direcção Progressão

Definição dos Princípios Ofensivos

Mobilidade

É a base para desorganizar a acção defensiva do adversário até porque, quanto mais
próximo chegamos da linha defensiva adversária, mais apertada fica a marcação
adversária, bem como a atenção dos defesas contrários.
A mobilidade, com ou sem bola, detém igual importância, embora a mobilidade sem
bola seja mais importante e eficaz que a mobilidade com bola (drible).
Isto, se tivermos em conta que um jogador que tente driblar na zona defensiva
adversária, é mais fácil de neutralizar. Não quer dizer que não se deva fazer. O jogador
que a realiza deve ser inteligente na escolha dos espaços.
A mobilidade sem bola, dá-nos a possibilidade de criar espaços livres que poderão vir a
ser aproveitados por companheiros de equipa.

1. Desmarcação

É evitar ou fugir da marcação efectuada por um adversário, quando um jogador da nossa


equipa se encontra em posse de bola.
É a acção efectuada por um jogador ao ocupar os espaços livres, criando linhas de
passe.
2. Apoios

É a acção que todos os membros da equipa devem realizar à volta do portador da bola,
disponibilizando-se para o substituir na condução da bola ou dando-lhe a possibilidade
de progredir com a bola até à conclusão do ataque.

3.Mudanças de ritmo

É uma acção de cariz individual que se caracteriza pela alteração de movimentos,


quanto à velocidade (lentos ou rápidos)

4.Mudanças de direcção

Dinâmica de características individuais que, assentam nos movimentos de alteração de


sentidos de jogo, realizados pelos jogadores portadores da bola nas diferentes direcções
(esquerda, direita, para trás, para a frente, diagonal, lateral).

Penetração

Acções de jogo que promovem a dinâmica ofensiva vertical até à baliza adversária,
tendo por objectivo a obtenção de superioridade numérica na zona defensiva adversária,
com a qual se procura quebrar as acções defensivas do adversário, com altas
possibilidades de finalização. Estas acções caracterizam-se pela sua alta velocidade e
excelente mobilidade.
Estes movimentos podem ser conseguidos através de tabelas, exploração de espaços
livres e, por fim, progressão para a baliza contrária.

1. Tabelas

São conhecidas como jogadas 1-2, caracterizam-se pela recepção e rápida devolução da
bola entre dois ou mais jogadores da mesma equipa.
As tabelas são jogadas de acção rápida onde o jogador que recebe a bola tem como
prioridade a sua devolução com apenas um toque.

2. Espaços livres

São os locais do campo que ficam desertos quer pelo prévio abandono dos
companheiros do portador da bola, quer pelo defesa que o acompanha (criação).
Acção consequente de um jogador que se desloca para um espaço livre promovendo a
sua ocupação.
Desta forma, torna-se evidente que foi criado e ocupado um espaço livre mas, para que
este seja bem aproveitado é obrigatório que a bola chegue nas devidas condições ao
jogador que o ocupou.
3. Progressão

A progressão, em jogo, é toda a acção individual e colectiva que, permitem levar ou


enviar a bola na direcção da baliza contrária.

Improvisação

A palavra improvisação significa de grosso modo “sem preparação”. No entanto, no


futebol tem um significado bastante diferente. O seu significado radica em saber
adaptar-se a situações, negativas ou positivas, que se apresentam no decorrer de um
jogo de futebol.
Esta adaptação tem por base a inteligência, a cultura táctica e a experiência de cada
jogador e, são aspectos importantes para a escolha da resposta mais acertada aos
diferentes problemas que se apresentam ao longo do jogo. Um jogador experiente sabe
sempre o que fazer em determinada situação, porque já a viveu anteriormente.
Situações de Jogo

Situação de passe/desmarcação

Posse de bola em campo reduzido/ alargado


Triângulos (sinalização com cones) - mudança de sentido do passe e preocupação em
nos movimentarmos no espaço vazio para a receber a bola

Situação 1x0

Recepção da bola após passe (longo ou rasteiro) e finalização

Situação 2x1

Em campo reduzido e, com bola controlada, tentar ultrapassar o defesa e concretizar

Situação 3x2

Perante dois defesas procurar o golo, com jogadas de bom entendimento entre os
elementos que atacam. Os defesas devem procurar o equilíbrio.
Abordagem da defesa à “zona”. Respectivos defesas responsáveis por uma área do
campo.

Modelo Holândes

Campo com duas balizas. A equipa que marca permanece em campo e, ataca para a
baliza contrária após fazer golo. A equipa que sofre dá lugar a outra equipa que tem
como função evitar que a bola entre na sua baliza.

Situação 1x1 em campo reduzido

Sem guarda-redes. Uso do drible para criar desqulíbrios e fazer golo sem oposição.

Situação 2x2

Com guarda-redes. Um dos jogadores ocupava a baliza. Na prática 2x1.

Situação Defesa/ Ataque em meio campo

Os jogadores que atacavam procuravam a manutenção da posse de bola, fazendo-a rodar


por todos os intérpretes. O objectivo era criar linhas de penetração para mais facilmente
chegar à baliza e finalizar.
Por outro lado, a equipa que defendia procurava retardar as acções ofensivas e roubar a
posse de bola com o objectivo de, passar a linha de meio campo com a bola controlada.
Importante realçar que, foram perceptíveis quase todos os princípios tácticos defensivos
e ofensivos.
Conclusão

Os princípios tácticos devem desde cedo ser interiorizados pelos jovens jogadores de
forma, a entenderem, os processos de jogo e a adaptarem-se a diferentes contextos de
jogo.
Um jogador deve ser inteligente e perspicaz ao ponto de muitas vezes dentro do próprio
calor do jogo, readaptar-se a uma situação que surgiu e, que não tenha sido abordado
pelo treinador na antevisão da partida.
Necessário uma base teórica para a assimilação destas pequenas particularidades dentro
do jogo que, passam despercebidas ao adepto mais desatento.
A componente prática é, contudo fundamental. O jogador deve saber-se colocar e,
passar por todos os princípios tácticos. Importante para crescer como jogador e, para
saber mais e se sentir mais à vontade na posição que ocupa dentro do campo.
As aulas de futebol, no âmbito da disciplina, foram preponderantes para perceber a
objectividade destes princípios. O futebol não é um jogo isolado e, necessita destes elos
de ligação para que se torne mais atractivo.
Em suma, a percepção do aluno destas componentes permite-lhe um maior
conhecimento do jogo e dá-lhe a oportunidade de “ver” o jogo com outros olhos.