Você está na página 1de 16

Diretrizes para o Projeto

de Estruturas de Edificações

Prof. Henrique Innecco Longo


longohenrique@gmail.com

Departamento de Estruturas
Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro

2014
Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 1

Diretrizes para o Projeto


de Estruturas de Edificações
Prof. Henrique Innecco Longo
e-mail: longohenrique@gmail.com

1 Requisitos para garantir a qualidade do projeto


A qualidade do projeto é fundamental não apenas para garantir a segurança e o bom desempenho da
estrutura, mas também para assegurar a durabilidade da obra. De acordo com a norma NBR-6118
(2014), as estruturas de concreto devem atender aos seguintes requisitos mínimos de qualidade
durante sua construção e ao longo de toda a sua vida útil:

• Capacidade resistente - consiste basicamente na segurança à ruptura.

• Desempenho em serviço - consiste na capacidade de a estrutura manter-se em condições plenas


de utilização, não devendo apresentar danos que comprometam em parte ou totalmente o uso
para o qual foi projetada.

• Durabilidade - consiste na capacidade de a estrutura resistir às influências ambientais previstas


e definidas em conjunto pelo autor do projeto estrutural e o contratante, no início dos trabalhos
de elaboração do projeto.

Outros requisitos fundamentais para garantir a qualidade do projeto

A qualidade da solução adotada deve também considerar:

• Projeto arquitetônico

• Condições funcionais

• Fases construtivas

• Aspectos estruturais

• Integração com os demais projetos (instalações elétricas, hidráulicas, ar condicionado etc)

• Condições impostas ao projeto


Para tipos especiais de estruturas e de situações não usuais (explosões, impactos etc), devem ser
atendidas exigências estabelecidas em normas específicas.

• Documentação da solução adotada


Essa documentação é constituída por desenhos, especificações e critérios de projeto. As
especificações e os critérios podem constar nos desenhos ou em documento separado.

• Avaliação da conformidade do projeto


Deve ser realizada antes da fase de construção e, de preferência, simultaneamente com a fase do
projeto por profissional independente e diferente do projetista.
Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 2

2 Durabilidade das estruturas de concreto


Pela NBR-6118 (2014), as estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que
sob as condições ambientais previstas e quando utilizadas conforme preconizado em projeto
conservem sua segurança, estabilidade e aptidão em serviço durante o período correspondente à sua
vida útil.

Fatores que afetam a durabilidade da estrutura

• Mecanismos de envelhecimento e deterioração da estrutura

• Agressividade do meio ambiente

Critérios de projeto que visam a durabilidade

A norma NBR-6118 (2014) estabeleceu os seguintes critérios para garantir a durabilidade da estrutura:

• Drenagem para evitar a acumulação de água

• Formas arquitetônicas e estruturais adequadas

• Qualidade do concreto de cobrimento das armaduras

• Detalhamento das armaduras

• Controle da fissuração

• Medidas especiais de proteção e de conservação

• Inspeção e manutenção preventiva

3 Planejamento do projeto de estruturas


Para garantir a qualidade do projeto, medidas preventivas devem ser tomadas desde o início dos
trabalhos para garantir a qualidade da execução de uma obra. O engenheiro deve fazer um
planejamento dos trabalhos para a elaboração do projeto estrutural, considerando o prazo para a sua
elaboração. É preciso também estimar a equipe de trabalho (engenheiros, técnicos, desenhistas,
estagiários) e a sua qualificação.

O escritório de engenharia deve também ter programas, computadores, impressoras e demais


equipamentos compatíveis com as características e o grau de complexidade do projeto. É necessário
se fazer um levantamento preliminar de custos e verificar a viabilidade do trabalho a ser
desenvolvido.

Ao analisar um projeto o engenheiro deve ter, além de capacitação técnica e experiência, uma visão
global da totalidade, sempre com uma postura crítica e questionadora, consciente de seu papel no
contexto social.
Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 3

4 Análise preliminar

Análise dos dados e plantas disponíveis


Nem sempre os dados disponíveis são suficientes para uma análise mais consistente,
principalmente em projetos mais complexos. A presença do engenheiro no local da futura
construção se torna necessária para o bom conhecimento dos problemas, que podem
ficar mascarados na análise realizada em uma sala fechada de um escritório de projeto. A
idéia não é apenas fazer um simples levantamento de informações, mas com base nelas fazer
uma análise das condições iniciais que certamente irão interferir na definição e na
elaboração do projeto. Algumas perguntas são fundamentais e devem ser consideradas:

• A planta de situação disponível é suficiente para o conhecimento da região?


• Qual o tipo de edificação?(residencial, comercial, industrial ,hospital, escola etc.)
• As características geográficas da região são favoráveis?Como é o acesso à obra?
• Quais as características do terreno? O terreno é plano?
• A sondagem disponível é suficiente?
• As condições climáticas podem interferir na execução da construção?
• A ação do vento pode provocar esforços significativos na estrutura?
• Quais as características das construções próximas?

Análise do projeto de arquitetura


As plantas de arquitetura devem ser estudadas antes da elaboração do projeto estrutural.
Nesta análise, o engenheiro deve apontar os fatores que possam dificultar os cálculos da
estrutura e interferir na construção. As possíveis modificações e sugestões devem ser
discutidas com o arquiteto para evitar problemas futuros. Sempre que possível, o projeto
arquitetônico deve ser feito com a colaboração do engenheiro estrutural. Algumas questões
devem ser consideradas:

• Os cômodos dos pavimentos vão propiciar uma boa distribuição de pilares e vigas?
• Os pilares poderão ser projetados desde a cobertura até a fundação?
• Será preciso fazer modificações na arquitetura para melhorar o projeto de estruturas?

Definição do sistema estrutural do pavimento


Os sistemas estruturais de um pavimento de uma edificação em concreto armado podem ser:

• lajes maciças e vigas

• lajes lisas sem vigas

• lajes nervuradas apoiadas em vigas ou apoiadas diretamente em pilares

• lajes mistas

• lajes pré-moldadas

• lajes steel deck

` Como escolher o melhor sistema estrutural de um pavimento?


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 4

A figura 1 mostra uma planta de arquitetura de um pavimento tipo de um edifício residencial. Qual
o melhor sistema estrutural para este pavimento?

6m

6m

30m
6m

6m

6m

6m 6m 6m

Fig. 1 – Planta esquemática de arquitetura de um pavimento tipo


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 5

5 A escolha da melhor solução para o projeto de estruturas


A escolha do sistema estrutural mais adequado depende de vários fatores característicos de cada
projeto. O custo da construção normalmente é o fator mais importante. No entanto, outros fatores
podem influenciar esta escolha.

Fatores que influenciam a escolha da melhor solução

• Viabilidade econômica
• Facilidade e tempo de execução
• Características da obra
• Aspectos estéticos e funcionais
• Mão-de-obra disponível
• Disponibilidade de equipamentos

Critério de escolha da melhor solução

Depois de determinarmos os fatores que influenciam a escolha, a questão principal é saber


como escolher a melhor solução estrutural para o projeto. Para isso, é recomendável que se faça
uma análise comparativa entre as possíveis soluções, considerando todos os fatores que
influenciam na escolha. Na prática, determinados fatores são mais importantes em
determinadas construções. Geralmente, a melhor solução é a que atende um maior número de
fatores. Com o computador, a análise comparativa de soluções se torna bem mais fácil, tendo
em vista que todos os cálculos são feitos de uma maneira bem mais rápida e precisa.

6 Etapas do projeto de estrutura de edificações


Após a análise preliminar dos dados e plantas disponíveis e a definição da melhor solução, o projeto
de edificações pode ser elaborado com as seguintes etapas:

Escolha dos materiais


De acordo com a NBR-6118 (2014), o concreto com armadura passiva é dividido em classes
que vão desde a classe C20 até a classe C90. Nos projetos de estruturas de concreto armado,
deve ser utilizado aço nas categorias CA-25, CA-50 e CA-60. Os diâmetros e seções
transversais nominais devem ser os estabelecidos na NBR 7480.

Lançamento da estrutura
Este lançamento consiste em posicionar as lajes, vigas e pilares nos pavimentos da
edificação.

Levantamento dos carregamentos


Nesta etapa é feito o levantamento dos carregamentos verticais atuantes nos pavimentos
(cargas permanentes e variáveis), definido pela NBR-6120 (1978) e as ações horizontais, tais
como ação do vento pela NBR-6123 (1990) e ações provenientes das imperfeições
geométricas globais.

Pré-dimensionamento da estrutura
Este pré-dimensionamento é feito por métodos numéricos aproximados para estimar
dimensões dos elementos estruturais, bem como também estimar os esforços atuantes e as
armaduras. Este pré-dimensionamento é muito importante para que o engenheiro possa ter
ordem de grandeza dos valores e para a verificação dos resultados do computador.
Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 6

Modelagem da estrutura
É necessário escolher um modelo que represente satisfatoriamente o comportamento da
estrutura. A escolha do modelo vai depender de diversos fatores, tais como a complexidade
da estrutura, tipo de carregamento e importância da obra.

Análise da estrutura
Esta etapa geralmente é feita com um programa de computador para cálculo dos
deslocamentos e dos esforços atuantes na estrutura, considerando também as combinações
das ações.

Dimensionamento e detalhamento da estrutura


As armaduras dos elementos estruturais são calculadas e detalhadas também por programas
de computador, levando-se em consideração os esforços calculados na análise da estrutura.

Verificação dos resultados do computador


São utilizados métodos aproximados para esta verificação dos resultados obtidos pelo
computador.

Elaboração de plantas de fôrmas e de armaduras


As plantas de fôrmas podem ser feitas por programas de computador tipo CAD. As plantas
de amaduras podem ser feitas também por programas, sendo que alguns até geram
automaticamente estas plantas a partir dos esforços calculados.

Verificação das plantas


É preciso verificar se as plantas de fôrmas e de armaduras estão de acordo com o projeto.

Elaboração da memória de cálculo


A memória de cálculo é imprescindível para o controle da qualidade do projeto, tendo em
vista que esse documento se constitui em um registro dos cálculos, que podem servir de
base para outros projetos e para possíveis modificações futuras.

Verificação do projeto como um todo


È uma das etapas mais importantes do projeto e deve ser feita com bastante cuidado. A
verificação do projeto consiste, basicamente, em verificar se o projeto estrutural, conforme
definido nos documentos apresentados, atende às exigências de qualidade que lhe foram
prefixadas pela norma. Para isto, as informações constantes desses documentos devem ser
avaliadas comparativamente com os documentos de referência, previamente identificados e
classificados.

7 A importância da noção da ordem de grandeza


A noção da ordem de grandeza é fundamental para o engenheiro em todas as fases do projeto. Se
não houver um acompanhamento sistemático dos resultados computacionais, grandes erros podem
ser cometidos no projeto. Uma boa formação teórica, muita experiência e uma noção precisa da
ordem de grandeza são requisitos fundamentais para o trabalho do engenheiro. O engenheiro deve
ter sempre em mente esta noção da ordem de grandeza até mesmo quando fizer uma simples conta
de uma expressão matemática. Para isso, é possível simplificar as contas, arredondando-se os
números para que o resultado possa ser verificado de uma maneira mais fácil. Os métodos
aproximados de cálculo, muito utilizados no passado, podem também sempre ser utilizados no
projeto para a verificação dos resultados dos programas de computador.
Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 7

8 Plantas de localização e de situação arquitetura


Na figura 2 está mostrada uma planta de localização e na figura 3 a planta de situação. É importante
observar que nestas plantas não estão mostradas as reais condições do terreno e da vizinhança.

Fig.2 – Edifício na Rua Ovídio de Carvalho - Planta de localização

Fig.3 – Edifício na Rua Ovídio de Carvalho - Planta de Situação


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 8

9 Plantas de arquitetura
Nas figuras seguintes estão mostradas plantas de arquitetura de edificações residenciais.

Fig. 4 – Edifício Afonso Pena - Pavimento Tipo

Fig. 5 – Edifício Afonso Pena - Corte transversal BB


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 9

Fig. 6 – Edifício João de Barros - Pavimento Tipo

Fig. 7 – Edifício João de Barros - Corte AA


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 10

Fig. 8 – Edifício João de Barros - Pavimento Térreo

Fig. 9 – Edifício João de Barros - Subsolo


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 11

Fig. 10 – Edifício João de Barros - Pavimento de Uso Comum

Fig. 11 – Edifício João de Barros - Cobertura


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 12

9 Plantas de fôrmas
A figura 12 mostra a planta de fôrmas de um pavimento com lajes maciças e vigas da planta de
arquitetura da figura 1.

P1 P2 V1 P3 P4

L1 L2 L3 6m

P6 V2 P7 P8
P5

L4 L5 L6 6m

P9 P10 V3 P11 P12

30m L8 6m
L7 V12
6m
V11

P14 V4
P13
P16
P15

6m
L9 L10 L11

V5
P17 P18 P19 P20

6m
V10
V7

V8

V9

L12 L13 L14

P21 P22 V6 P23 P24

6m 6m 6m

Fig. 12 – Planta de fôrmas de um pavimento com lajes maciças e vigas


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 13

A figura 13 mostra a planta de fôrmas do mesmo pavimento da figura 1 com lajes lisas e vigas no
contorno e em volta dos elevadores.

P1 P2 V1 P3 P4

6m

P6 P7 P8
P5

6m

P9 P10 P11 V2 P12

30m
6m
V3
6m
V7

P14
P13
P16
P15 V4

6m

P17 P18 P19 P20

6m
V6

V8

P21 P22 V5 P23 P24

6m 6m 6m

Fig. 13 – Planta de fôrmas de um pavimento com lajes lisas e vigas no contorno


Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 14

A figura14 mostra a planta de fôrmas também do mesmo pavimento anterior com lajes nervuradas
apoiadas em vigas.

P1 P2 V1 P3 P4

L1 L2 L3 6m

P8
P5 P6 V2 P7

L4 L5 L6 6m

P9 V3 P12

30m L8
Y V12 6m
L7
X 6m
V11
P14 V4
P13
P16
P15

6m

P17 P18 V5 P19 P20

6m
V10
V7

V8

V9

P21 P22 V6 P23 P24

6m 6m 6m
Diretrizes para o Projeto de Estruturas de Edificações - Prof. Henrique Longo pág. 15

Bibliografia
ABECE, “Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto”
Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (ABECE)., 2007.

LONGO, H.I – Apostilas, Escola Politécnica, UFRJ, 2013, 21014.

NORMA NBR-6118,“Projeto de Estruturas de Concreto– Procedimentos”, ABNT, maio, 2014.

NORMA NBR-6120, "Cargas para o Cálculo de Estruturas de Edificações", ABNT, nov.1980.

NBR-6123, “Forças devidas ao Vento em Edificações”, ABNT, novembro, 1990.

NORMA NBR-7191, “Execução de Desenhos para Obras de Concreto Simples ou Armado”,


ABNT, fev. 1982.

Você também pode gostar