Você está na página 1de 4

CEP Escola de Música de Brasília

Coordenação de Matérias Teóricas


Disciplina: Percepção e Estruturação Musical – PEM
Prof.: Umberto Freitas

ACORDES (1)
Tríades e tétrades – cifragem alfanumérica
1. Acordes tríades
Três ou mais notas executadas simultaneamente formam um acorde. No sistema tonal, utiliza-se um tipo
especial de acorde: a tríade. Elas são fundamentadas sobre os graus das escalas e constituem-se de três
notas: a fundamental, a 3ª (terça) e a 5ª (quinta).

1.1. Disposição das notas dentro do acorde


Para representar os acordes, usa-se a forma esquemática vista acima, utilizando-se somente três notas
dispostas na forma fundamental-3ª-5ª, em posição fechada. Porém, de acordo às intenções e às
possibilidades do compositor, arranjador ou intérprete, pode-se dispor as notas do acorde em qualquer
posição, e duplicadas à vontade. O acorde dó-mi-sol, por exemplo, poderia ser realizado nas formas a
seguir (e muitas outras).

1.2. Posição fechada e posição aberta


Quando nenhuma nota do acorde pode ser intercalada entre duas notas adjacentes do acorde, diz-se que
está em posição fechada; do contrário, a acorde encontra-se em posição aberta. O segundo acorde abaixo,
por exemplo, está em posição aberta, porque entre o dó e o sol pode ser intercalada a nota mi, e entre o
sol e o mi agudo pode ser intercalada a nota dó.

Exercícios
Nos exercícios ao final desta apostila, indique com PA os acordes em posição aberta e com PF os acordes
em posição fechada
1.3. A posição da nota mais aguda
Também chamada posição do soprano – em alusão à disposição das notas em uma harmonia a 4 vozes
mistas (soprano, contralto, tenor e baixo) –, a posição da nota mais aguda costuma ser considerada pela
teoria e, sobretudo, na percepção auditiva de acordes.

Exercícios
Nos exercícios no final dessa seção, indique a posição do soprano acima do acorde com o algarismo ordinal
correspondente (como nos exemplos, acima).

1.4. O baixo. Inversões


A nota mais grave do acorde é chamada de baixo. Quando a fundamental está no baixo – ou seja, quando é
a nota mais grave do acorde –, o acorde está no estado fundamental. Quando qualquer outra nota que não
seja a fundamental encontra-se no baixo, diz-se que o acorde está invertido. Quando a terça do acorde está
no baixo, o acorde está na primeira inversão; quando a quinta do acorde está no baixo, temos a segunda
inversão.

Exercícios
Nos exercícios no final dessa seção, indique a inversão e a nota do acorde que se encontra no baixo (como
nos exemplos, acima).

1.5. Classificação e cifragem alfabética das tríades


A cifragem alfabética, alfanumérica ou popular indica, por meio de um conjunto de letras, algarismos e
caracteres especiais, a fundamental e o tipo do acorde. Este tipo de cifragem informa a estrutura (tipo) do
acorde, mas não indica a função do acorde na tonalidade ou sua posição sobre os graus da escala. É usada
na música popular, em songbooks, em estúdios de gravação, em arranjos, devido a ser de fácil leitura e
realização.

O quadro a seguir mostra algumas das normas mais utilizadas na cifragem alfanumérica de acordes tríades
maiores, menores, diminutos e aumentados.

Nota do acorde Nomenclatura Cifragem

fundamental nome da nota (sist. latino) ou letra (sist. letra correspondente à


anglo-saxão): dó – C; ré – D; mi – E; fá – F; fundamental, seguida do
sol – G; lá – A; si – B, seguida do acidente, se for o caso
respectivo acidente, se for o caso
5ª justa 3ª maior perfeito maior

3ª menor perfeito menor ...m

5ª diminuta (pressup. 3ª menor) diminuto ...dim


...(b5)1

5ª aumentada (pressup. 3ª aumentado ...aum


maior)
...(#5)2

Exemplos:

Inversões

Inversões são indicadas escrevendo-se a letra correspondente à nota que está no baixo sob uma barra
horizontal ou após uma barra inclinada.

Exercícios
Classifique e cifre as seguintes tríades, indicando a posição aberta ou fechada, a posição do soprano, a cifra
alfanumérica e a inversão.

1
O acidente, nesse caso, não se refere ao fato de que a nota foi bemolizada, mas simplesmente indica que a 5ª do
acorde é diminuta. Assim, por exemplo, o acorde si-ré-fá (Si com quinta diminuta) não tem a sua quinta bemolizada e,
no entanto, é cifrado B(b5). Os parênteses são, aqui, obrigatórios, para que se separe convenientemente o acidente
da letra que indica a fundamental do acorde, eliminando qualquer ambigüidade.
2
Idem anterior. O acorde láb-dó-mi (Láb com quinta aumentada), por exemplo, não tem a sua quinta sustenizada, mas
cifra-se Ab(#5). Os parênteses, aqui, são também obrigatórios.
2. Tétrades
Adicionando mais uma terça à tríade, encontra-se a sétima do acorde. Os acordes de sétima são também
chamados tétrades (acordes de sétima). Para as tétrades (acordes de sétima), repetem-se os
procedimentos para a cifragem da tríade, adicionando-se a indicação da sétima do acorde, como segue:

Nota do acorde Nomenclatura Cifragem

7ª maior ...com 7ª maior 7M

7ª menor ...com 7ª menor ....7

diminutos 7ª menor ...meio-diminuto ....Ø


diminuto com 7ª menor m7(b5)

7ª diminuta diminuto ....O

Exemplos:

2.1. Inversões das tétrades


Como feito com as tríades, indica-se a nota do baixo após barra inclinada ou sob barra horizontal.

Exercícios
Classifique e cifre as seguintes tétrades.