Você está na página 1de 36

OBRAS DA CARNE: LASCÍVIA

Êxodo 20.17 “Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher
do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu
jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo”.

-Introdução: A terceira obra da carne na lista de Gálatas 5.19-21 é a lascívia.


Alguns sinônimos de lascívia são a cobiça e a sensualidade ou luxúria.
Podemos definir lascívia como desejo impuro. Dentre os Dez Mandamentos
estava a ordem de não cobiçar nada nem ninguém.

O pecado da lascívia é internalizado na pessoa, mesmo que não


se consume um ato, mas já é pecado, por ser um desejo de forma ilícita (I
Coríntios 6.12). Ao tratar sobre a lascívia estamos falando mais dos
sentimentos pecaminosos do que do ato do pecado em si.

Pior do que cobiçar é a pessoa que provoca a cobiça. Quando um homem ou


mulher se expõe de forma sensual para que outra pessoa o deseje está
provocando o pecado da lascívia no seu próximo. Jesus disse que “qualquer
que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com
ela” (Mateus 5.28). E muitas mulheres ou até homens se vestem de forma a
chamar atenção ao desejo do outro.

O que é Lascívia?
Vamos refletir sobre algumas características da lascívia:

1- A Sensualidade:
Tiago 1.13-15 “Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque
Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. Ao
contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e
seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o
pecado, uma vez consumado, gera a morte”.

Jesus disse que os pecados como a lascívia vêm de dentro do coração


humano (Marcos 7.22).

Alguns motivos que geram a sensualidade são:

a) Ociosidade: quando a pessoa fica sem o que fazer e se entrega ao “andar


ocioso da cobiça” (Eclesiastes 6.9). Como aconteceu com Davi quando estava
à toa no terraço e viu Bate-seba tomando banho (II Samuel 11.2).

b) Falta de adoração: fomos criados para adorar ao Senhor (Isaías 43.7), mas
quando deixamos de adorar ao Senhor ficamos expostos ao pecado (Oseas
4.10). Somos o “templo do Espírito” (I Coríntios 3.16) e por isso devemos viver
para adorar a Deus e não oferecer nossos

c) Falta de temor de Deus: quando tememos a Deus, encontramos a sabedoria


para vencer as tentações e dominar nossos desejos (Provérbios 1.7), mas “o
perverso se gloria da cobiça de sua alma” (Salmos 10.3).

d) Mundanismo: os valores mundanos não estão de acordo com o evangelho,


pois devemos viver “não com o desejo de lascívia, como os gentios que não
conhecem a Deus” (I Tessalonicenses 4.5). A concupiscência da carne e dos
olhos são coisas do mundo (I João 2.16,17). Por isso, “a impudicícia e toda
sorte de impurezas ou cobiça nem sequer se nomeiem entre vós, como
convém a santos” (Efésios 5.3). Para o mundo ‘tudo pode’ ser feito sem pensar
que esteja errado.

Estas coisas que geram a sensualidade devem ser evitadas na vida cristã.
Precisamos andar sempre ocupados com coisas úteis, adorando a Deus o
tempo todo, nunca deixando de temer ao Senhor evitando os conceitos
mundanos.

A sensualidade é lascívia!

2- O Narcisismo:
Ezequiel 16.15 e 36 “Mas confiaste na tua formosura e te entregaste à lascívia,
graças à tua fama; e te ofereceste a todo o que passava, para seres dele”.

Narcisismo é o culto ao próprio corpo. Conta-se na filosofia grega de um


jovem chamado Narciso, que admirava sua própria beleza no reflexo da água e
apaixonou-se por si mesmo. Daí surge o conceito de narcisismo usando o
nome do personagem da história.

A febre das selfies nos dias atuais pode ser um sintoma do narcisismo.
Parece que as pessoas estão aficionadas por sua própria imagem. Querem ver
quantas pessoas vão curtir, comentar e compartilhar para saber de sua
popularidade.

O versículo acima demonstra que parece que Ezequiel sabia das redes
sócias que surgiriam no século XXI:

-SELFIE: “confiaste na tua formosura”;

-CURTIDAS: “graças à tua fama”;

-COMPARTILHAR: “te ofereceste a todo o que passava”.

O que será que há por traz de tanto vontade de se fotografar? Se for por
desejo de ser admirado por outras pessoas, isso pode provocar a cobiça que é
lascívia. Por isso é preciso tomar cuidado com o excesso deste tipo de prática.
Este problema chegou aos limites da indecência com a moda dos ‘nudes’,
que significa compartilhar fotos de nudez. Mais uma vez parece que Ezequiel
sabia disso ao dizer: “se ter exagerado a tua lascívia e se ter descoberto a tua
nudez” (Ezequiel 16.36).

Estamos nos referindo ao exagero destas atitudes e não dizemos que seja
pecado tirar um foto, compartilhar, curtir ou comentar. O problema consiste na
intensão, mais do que no fato.

O narcisismo é lascívia!

3- Vaidade excessiva:
I Pedro 3.3,4 “Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de
cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior
do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é
de grande valor diante de Deus”.

O padrão de beleza física tem sido perseguido pelas pessoas cada vez mais.
Mas esta exigência se tornou uma ‘ditadura da beleza’, quase que obrigando a
todas as pessoas a seguir o mesmo estilo.

Os gregos na antiguidade formaram padrões para um corpo perfeito com


cálculos matemáticos estudados e estipulados pelo filósofo Vitrúvio, que
desenhou as medidas de um corpo perfeito para homens e mulheres. Neste
período já existiam academias para exercício corporal, pinturas, esculturas e
longas discussões sobre beleza. Mesmo assim é comprovado que poucas
pessoas se aproximavam destes padrões.

Nos dias atuais a mulher tem sido tratada como mercadoria pelo mundo. As
exigências são tão severas que levam pessoas a doenças como a bulimia ou
anorexia para conseguir a magreza almejada. As cirurgias plásticas
exageradas tem ceivado vidas que são vítimas da ditadura da beleza. Homens
são intoxicados com anabolizantes que formam um corpo escultural como se
fosse um boneco inflável, que no futuro murchará ou provocará doenças
advindas destas drogas.

A vaidade, significa tudo o que é passageiro ou ilusório. A vaidade excessiva


consiste em pecado porque a pessoa está enganando a si mesma deixando de
cultivar seu ser interior e espiritual para cuidar do que é transitório (Jó 15.31).

As roupas cada vez são mais curtas, apertadas e transparentes. As pessoas


perderam a vergonha de expor sua nudez, que para Deus deve ser preservada
(Apocalipse 3.18).

O que estamos falando não é que você não possa se cuidar e se embelezar e
sim que deve tomar cuidado para não se iludir com isso, pois pode estar
engando por mentiras do mundo e cair em pecado, que são “vaidade de
vaidades, tudo é vaidade” (Eclesiastes 1.2).

Vaidade excessiva é lascívia!

Lascívia é uma obra da carne!

-CONCLUSÃO:
Precisamos aprender a respeito da sensualidade e não ter medo de falar
deste assunto, pois “estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que
não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram” (I Coríntios 10.6). A Bíblia
não tem receio de falar de sexo, então não podemos ter medo também. Por
falta de informação muitos cristãos pecam e caem (II Coríntios 12.21)

Algumas consequências da sensualidade são:

a) Falta de Juízo: por causa da sensualidade a pessoa faz coisas absurdas que
não faria em seu juízo normal, pois “a sensualidade, o vinho e o mosto tiram o
entendimento” (Oseas 4.11). A pessoa perde o senso de ridículo por causa da
sensualidade e faz coisa absurdas contra sua própria dignidade.

b) A ira de Deus: pois “Deus é o vingador” (I Tessalonicenses 4.5,6) de quem faz


estas coisas e se indigna por causa do pecado (Isaías 57.17). Por causa disso
as pessoas abandonam a presença de Deus (II Timóteo 4.3).

b) Doenças carnais e emocionais: a deformação do caráter humano que Deus


projetou para ser santo “à sua imagem e semelhança” (Gênesis 1.27), faz com
que a pessoa adoeça “recebendo injustiça por salário da injustiça que praticam.
Considerando como prazer a sua luxúria carnal em pleno dia, quais nódoas e
deformidades, eles se regalam nas suas próprias mistificações, enquanto
banqueteiam junto convosco, tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis
no pecado, engodando almas inconstantes, tendo coração exercitado na
avareza, filhos malditos” (II Pedro 2.13, 14). Por isso muitas pessoas sofrem de
distúrbios psíquicos e até físicos.

O remédio para vencer a sensualidade é aprender o que ensina a Palavra de


Deus (Romanos 7.7) e buscar conhecer o verdadeiro amor de Deus, que
também nos ensina a amar o nosso próximo e a si mesmo (Romanos 13.9).
Precisamos entregar nosso corpo e mente totalmente a Deus para vencer a
lascívia (Romanos 12.1,2).
OBRAS DA CARNE: PROSTITUIÇÃO

“Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais


da prostituição” I Tessalonicenses 4.3

-Introdução: Os desejos carnais, como a prostituição, fazem parte da natureza


terrena do ser humano (Colossenses 3.5), que surgem dentro de seu coração
(Marcos 7.21).

Existe um espírito maligno de prostituição que impede a pessoa de ver que


está errada e em pecado, por isso “o seu proceder não lhes permite voltar para
o seu Deus, porque um espírito de prostituição está no meio deles, e não
conhecem ao SENHOR” (Oseias 5.4). Por isso esta batalha é espiritual, contra
potestades (Efésios 6.12) e precisamos orar e jejuar para vencer (Marcos
9.29).

Quais os tipos de prostituição?


Vamos refletir sobre os atos que são considerados prostituição na Bíblia:

1- Prostituição espiritual:
Levítico 17.7 “Nunca mais oferecerão os seus sacrifícios aos demônios, com
os quais eles se prostituem; isso lhes será por estatuto perpétuo nas suas
gerações”.

A prostituição espiritual se refere a mistura de crenças (Deuteronômio 31.16),


quando o povo aceitava os ensinos dos povos pagãos ao seu redor e adotava
os seus deuses (Êxodo 34.15,16), o Senhor dizia que “se contaminaram com
as suas obras e se prostituíram nos seus feitos” (Salmo 106.39). Toda vez que
o povo se afastava de Deus, estavam se prostituindo com outros deuses
(Juízes 2.17).

A idolatria é um tipo de prostituição espiritual porque toda vez que o povo de


Israel seguia aos deuses da terra (Ezequiel 16.16-29, 34-36), o Senhor dizia
que “se prostituíram após os seus ídolos” (Ezequiel 6.9). O misticismo também
é um tipo de prostituição espiritual (Levítico 20.5,6).

Quando Gideão fez uma estola ou veste sacerdotal e o povo adorou a ela, o
Senhor considerou isso como uma prostituição espiritual (Juízes 8.27-33).

Havia ainda um tipo de prostituição cultual (II Reis 23.7), onde as


sacerdotisas eram prostitutas cultuais (I Reis 14.24; 15.12; 22.47), entregando
seus corpos como culto aos seus deuses.

No Apocalipse, a falsa igreja, ilustrada pela meretriz que se diz ser a ‘mulher’,
ou seja, a igreja, mas se prostitui com uma religião falsa é um símbolo da
prostituição espiritual (Apocalipse 17.1-16). Os falsos pregadores que
estão “adulterando a palavra de Deus” (II Coríntios 4.2), praticam prostituição
espiritual. Resumindo, prostituição espiritual significa “servi a dois
senhores” (Mateus 6.24).

Prostituição espiritual é uma obra da carne!

2- Prostituição comercial:
Miquéias 1.7 “Todas as suas imagens de escultura serão despedaçadas, e
todos os salários de sua impureza serão queimados, e de todos os seus ídolos
eu farei uma ruína, porque do preço da prostituição os ajuntou, e a este preço
volverão”.

Outro tipo de prostituição é a comercial, quando a pessoa vende o seu corpo


para receber um dinheiro ou algo em troca, mesmo que seja “um pedaço de
pão” (Provérbios 6.26).

Deuteronômio 23.18 “Não trarás salário de prostituição nem preço de


sodomita à Casa do SENHOR, teu Deus, por qualquer voto; porque uma e
outra coisa são igualmente abomináveis ao SENHOR, teu Deus”.

Deus não aceita a prostituição como profissão ou meio de vida, nem como
opção sexual de vida livre e sem compromisso.

Raabe foi um exemplo de prostituta que creu em Deus e teve sua vida
transformada (Josué 2.1 e 6.17-25), pois foi salva e se casou com Salmon, filho
de Calebe (I Crônicas 2.51) e foi ascendente da linhagem real de Davi e da
genealogia do Senhor Jesus (Mateus 1.5).

O livro de provérbios traz vários conselhos para os jovens não se envolverem


com prostitutas (Provérbios 7.10, 23.27; 29.3).

Sansão é um exemplo de homem que se envolveu com prostitutas e não foi


bem sucedido (Juízes 16.1). Judá também se prostituiu com sua nora Tamar
que se fez de prostituta (Gênesis 38.13-26). O pecado de Balaão foi ensinar o
povo de Deus a prostituir (Números 25.1). A rainha Jezabel se prostituía e
ensinava a idolatria (II Reis 9.22). Estes dois últimos se tornaram símbolos do
erro e da prostituição (Apocalipse 2.14,20,21).

A Bíblia condena a prostituição e diz que o pai não pode entregar sua filha
para a prostituição (Levítico 19.29). Os sacerdotes não podiam se casar com
prostitutas, mas somente com moças virgens (Levítico 21.7 e 14). A
prostituição era condenada com pena de morte por apedrejamento
(Deuteronômio 22.21). Tanto o homem como a mulher deveriam ser mortos
(Levítico 20.10).

Prostituição comercial é uma obra da carne!


3- Adultério:
Êxodo 20.14 “Não adulterarás”.

Mateus 5.32 “Eu, porém, vos digo: qualquer que repudiar sua mulher, exceto
em caso de relações sexuais ilícitas, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que
casar com a repudiada comete adultério”.

Jesus deixou bem claro que quem deixa uma mulher para ficar com outra
está cometendo adultério. O divórcio só é concedido quando acontece traição.
Em nenhum momento existe incentivo ao divórcio, pois “quem repudiar sua
mulher e casar com outra comete adultério; e aquele que casa com a mulher
repudiada pelo marido também comete adultério” (Lucas 16.18). um novo
casamento só é permitido após a morte do primeiro cônjuge (Romanos 7.3).

Hebreus 13.4 “Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito
sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros”.

O adultério acontece quando a pessoa é casada e se envolve com alguém


para ter um relacionamento extra conjugal. Isso é uma traição que torna-se
ofensa a Deus e ao próximo.

Deus mandou o profeta Oseias se casar com uma mulher adúltera da terra
(Oseias 1.2), para servir de exemplo ao povo de como estavam traindo ao seu
Deus o Senhor para servir outros deuses (Oseias 4.12-18). Em vários textos
Deus se compara como o marido e o seu povo como sua esposa no tocante à
fidelidade (Jeremias 3.1-13).

Provérbios também traz vários conselhos para o jovem não cometer adultério
(Provérbios 2.16; 5.3) e para “afasta o teu caminho da mulher adúltera e não te
aproximes da porta da sua casa” (Provérbios 5.8). O sábio deixa bem claro
que “o que adultera com uma mulher está fora de si; só mesmo quem quer
arruinar-se é que pratica tal coisa” (Provérbios 6.32). O problema é que muitas
pessoas se acostumam com isso e não sentem que estão pecando (Provérbios
30.20).

A Bíblia diz que não precisamos fugir do diabo, mas apenas resistir a ele que
deverá fugir de nós (Tiago 4.7), mas deixa bem claro para “Afasta [foge] o
teu caminho da mulher adúltera e não te aproximes da porta da sua
casa” (Provérbios 5.8). Por isso devemos seguir o exemplo de José que fugiu
da mulher de Potifar para não pecar contra Deus (Gênesis 39.7-12).

O adultério é um tipo de prostituição!

4- Fornicação:
I Coríntios 5.1 “Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação
tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da
mulher de seu pai”. (RC)

A palavra original no grego bíblico é porneia (πορνεια), que significa relações


sexuais ilícitas1. Algumas traduções trazem a palavra imoralidade (RA –
Revista e Atualizada), ou a palavra fornicação (RC – Revista e Corrigida).

O sexo fora do casamento é considerado fornicação. Deus abençoou o


casamento e designou que cada homem deve "ter sua própria esposa" e vice-
versa (I Coríntios 7.2). Por isso a Palavra orienta que é “melhor casar do que
abrasar” (I Coríntios 7.9).

O povo de Sodoma e Gomorra foi condenado por Deus por sua vida libertina
e a prática da fornicação (Judas 1.7). A libertinagem de uma vida sexual sem
compromisso também é pecado (II Pedro 2.2,7 e 18). A Palavra de Deus
declara que os fornicadores estão entre os que não entrarão no Reino de Deus
(Apocalipse 21.8).

Como resolver estes problema? Se você estiver amasiado, deve entrar em


um acordo com seu/sua parceiro/a para regularizarem sua situação quanto
antes. Se for um namoro sem limites, deve também orar a Deus e entrar em
acordo com a pessoa amada para deixarem de praticar o ato sexual até o
casamento. Deus perdoa todos os pecados (I João 1.7-9), mas Jesus disse
para a mulher adúltera “vá e não peques mais” (João 8.11).

Fornicação é um tipo de prostituição!

5- Homossexualismo:
Romanos 1.26,27 – “Por causa disso Deus os entregou a paixões
vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por
outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também
abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão
uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com
homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão”.

O homossexualismo é tão antigo quanto a humanidade. Na Bíblia é chamado


pelas palavras ‘sodomita’, referindo-se a Sodoma onde os homens ficavam
com homens ou a palavra ‘pederasta’ que se refere ao sexo de homens com
rapazes mais jovens, que no caso também é pedofilia.

Os homens de Sodoma desejaram os anjos que foram buscar a família de Ló


e pediram: “traga-os para nós aqui fora para que tenhamos relações com
eles” (Gênesis 19.4,5). Deus viu o pecado de Sodoma e Gomorra e se
aborreceu muito (Gênesis 13.13), por isso o Senhor destruiu aquela terra
(Gênesis 19.24-28).
Os homens de Gibeá também quiseram abusar sexualmente de um levita que
era forasteiro e se hospedara na casa de um homem (Juízes 19.22,23). Por fim
cometeram um dos piores crimes de estupro contra a mulher do levita (Juízes
19). Este pecado foi uma grande ofensa para Deus (Oseias 9.9 e 10.9).

Levítico 18.22 - “Não te deitarás com varão, como se fosse mulher; é


abominação”.

O pecado da homossexualidade aborrece muito a Deus porque intenta contra


a imagens e semelhança do Criador, adulterando a sua natureza original
(Gênesis 1.27). Por isso Deus se irou tanto contra “Sodoma, e Gomorra, e as
cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregado à prostituição como
aqueles, seguindo após outra carne, são postas para exemplo do fogo eterno,
sofrendo punição” (Judas 1.7). Por isso a Palavra deixa claro que “os injustos
não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras,
nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas” (I Coríntios 6.9). No Antigo
Testamento, o pecado do homossexualismo era condenado com pena de
morte (Levítico 20.13).

A cada dia mais este pecado tem ganhado prestígio na sociedade, chegando
ao ponto de considerar a homossexualidade como um tipo de vida evoluído.
Isso é cumprimento da profecia sobre a apostasia dos últimos dias (I Timóteo
1.10).

Não podemos discriminar nem fazer nada contra as pessoas homossexuais,


que devem ser alvo de nosso amor, respeito, compreensão e principalmente
alvo da evangelização. Contudo, precisamos orar por estas pessoas para que
sejam libertas e curadas por Deus. Esta obra do arrependimento é do Espírito
Santo (João 16.8-11) e nosso dever é apenas ensinar a verdade libertadora do
evangelho (João 8.32).

Para saber mais, leia o estudo: O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE


HOMOSSEXUALISMO.

Homossexualismo é um tipo de prostituição!

6- Pedofilia:
Joel 3.3 “Lançaram sortes sobre o meu povo, e deram meninos por
meretrizes, e venderam meninas por vinho, que beberam”.

A pedofilia consiste no incentivo à vida sexual antecipada de uma criança ou


adolescente que ainda está em formação física e psicológica. Ninguém tem o
direito de invadir a intimidade de uma criança ou adolescente, nem induzir a
sexualidade.
A pederastia, ou sexo entre um homem e um jovem rapaz, era um costume
no mundo grego. Vários imperadores tiveram amantes rapazes de forma
pública, como o Imperador Adriano e o jovem Antinoo e Alexandre o Grande
com o jovem Heféstion. Mas esta prática comum no meio pagão era
condenada no meio do povo de Deus como pecado.

Cantares 8.4 “Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, que não acordeis,


nem desperteis o amor, até que este o queira”.

O texto de Cantares, que fala de amor e sexualidade, aconselha as jovens de


Jerusalém a não anteciparem sua vida sentimental antes do tempo certo,
resguardando-se para o futuro. O mesmo versículo se repete três vezes
(Cantares 2.7; 3.5; 8.4).

Pedofilia é crime segundo os artigos 240 e 241 do ECA – Estatuto da Criança


e Adolescente. Infelizmente, na história da igreja cristã, muitos líderes
cometeram este crime intentando contra menores. Um dos motivos atribuídos a
isso é a proibição do casamento dos padres, que é uma “doutrina de
demônios... e proíbem o casamento” (I Timóteo 4.1 e 3).

Certamente a pedofilia como atração por menores é um distúrbio mental


doentio, que precisa ser tratado com doença, mas também não pode ser
ignorado em seu caráter criminoso.

Pedofilia é um tipo de prostituição!

7- Incesto:
Levítico 18.6 “Ninguém poderá se aproximar de uma parenta próxima para se
envolver sexualmente com ela. Eu sou o Senhor”.

O Incesto é a relação sexual entre parentes de primeiro grau. Embora a Bíblia


relate vários casos de incesto, podemos classificar em dois tipos: aqueles que
são preexistentes à lei que proíbe o incesto e os que aconteceram depois da lei
e por isso foram reprovados e cometidos conscientemente como pecado.

Com a lei ficou proibido o casamento com a madrasta (Levítico 18.8), netos
(Levítico 18. 10), cunhados (Levítico 18.16), irmãos (Deuteronômio 27.22) e
sogros (Deuteronômio 22.23).

Os casos de incesto relatados na Bíblia:

- Incestos anteriores à lei:

Abraão e Sara (Gênesis 20), que eram meio irmãos, ou seja, filhos do mesmo
pai.
Naor e Milca (Gênesis 11), Naor era irmão de Abrão e se casou com sua
sobrinha MIlca. Ló e suas filhas (Gênesis 19), Ló era sobrinho de Abraão, filho
de Harã e irmão de Milca.

As filhas de Ló o embriagaram para se relacionarem sexualmente com ele,


com o propósito de ter filhos.

Anrão e Joquebede (Êxodo 6), Anrão casou-se com sua tia Joquebede, e
tiveram filhos.

- Incestos posteriores à lei:

Tamar e Judá (Gênesis 38), Tamar era nora de Judá e se vestiu de prostituta
para enganar o seu sogro Judá e se engravidar dele.

Amnon e Tamar (II Samuel 13), eram filhos de Davi e meio irmãos. Amnon
fingiu-se de doente e estuprou sua irmã Tamar, que era virgem.

Absalão se deitou com as concubinas de seu pai Davi (que no caso seriam
suas madrastas) para o humilhar (II Samuel 16.22).

Na cultura do povo de Deus havia um costume de se casar com parentes


para manter sua raça pura. Por isso era comum o incesto. Mas após a lei este
costume foi delimitado (Levítico 20.17).

Incesto é um tipo de prostituição!

8- Abuso sexual:
Deuteronômio 22.25-29 “Mas se for no campo que o homem achar a moça
que é desposada, e o homem a forçar, e se deitar com ela, morrerá somente o
homem que se deitou com ela; porém, à moça não farás nada. Não há na
moça pecado digno de morte; porque, como no caso de um homem que se
levanta contra o seu próximo e lhe tira a vida, assim é este caso; pois ele a
achou no campo; a moça desposada gritou, mas não houve quem a livrasse.
Se um homem achar uma moça virgem não desposada e, pegando nela,
deitar-se com ela, e forem apanhados, o homem que se deitou com a moça
dará ao pai dela cinquenta siclos de prata, e porquanto a humilhou, ela ficará
sendo sua mulher; não a poderá repudiar por todos os seus dias”.

O pecado de abusar sexualmente de uma jovem foi condenado com a pena


de morte quando esta for forçada e apesar de gritar não conseguir socorro. No
caso da moça solteira e sem compromisso o homem teria que se casar e
assumir como esposa para sempre. Embora neste último caso pareça estranho
para nós hoje, no tempo era aceitável pois a moça uma vez abusada não
conseguiria outra pessoa que a aceitasse.

Alguns casos de abuso sexual na bíblia são:


- Diná filha de Jacó foi forçada por Siquém (Gênesis 34.1-27);

- a esposa do levita que foi abusada pelos homens de Gibeá até a morte (Juízes
19.22-28);

- Tamar que foi estuprada pelo próprio irmão Amnom (II Samuel 13.1-22);

- Absalão que abusou das concubinas de seu pai (II Samuel 16.22).

Levítico 18.19 “Não se aproxime de uma mulher para se envolver


sexualmente com ela quando ela estiver na impureza da sua menstruação”.

Um fato comum de abuso sexual, que acontece dentro dos casamentos é o


sexo durante a menstruação (Ezequiel 22.10). Isso no tempo bíblico era um
preceito litúrgico referente à necessidade de pureza para os rituais. Mas Deus
em sua sabedoria orientou isso para preservar a mulher.

Durante a menstruação, a mulher fica mais sensível, dolorida e ressecada,


sem ter o mesmo prazer e por isso o ato sexual pode ser com muito mais atrito,
o que define como um abuso, pois se a mulher não estiver sentindo prazer, a
relação sexual será forçada.

Onã foi castigado por Deus porque tinha relações sexuais com sua esposa e
não queria ter filhos com ela, então jogava o sêmen na terra (Gênesis 38.9).
Este ato era praticamente um estupro, pois usava de sua mulher para ter
prazer sem se preocupar com ela.

Este detalhe deve ser apenas como um alerta, pois se a mulher não estiver
disposta, não pode ser forçada a ter relações sexuais, mas deve ser conquista
e o homem precisa saber esperar o tempo certo.

Abuso sexual é um tipo de prostituição!

9- Masturbação:
Levítico 15.16,17 e 32 “Também o homem, quando se der com ele emissão
do sêmen, banhará todo o seu corpo em água e será imundo até à tarde. Toda
veste e toda pele em que houver sêmen se lavarão em água e serão imundas
até à tarde. Esta é a lei daquele que tem o fluxo, e daquele com quem se dá
emissão do sêmen e que fica por ela imundo”.

A masturbação consiste em produzir o próprio prazer acariciando o corpo.


Quase sempre a masturbação está associada ao desejo por alguém, o que já
se configura como pecado (Mateus 5.28). A pornografia também é um grande
incentivo ao vício da masturbação.

O texto bíblico, quando se refere à ‘emissão de sêmen’, significa a polução


noturna (Deuteronômio 23.10), no caso do homem, já maduro e que por muito
tempo sem ter relações sexuais, quando ia para a guerra, por exemplo
(Deuteronômio 23.9), o seu próprio corpo libera o sêmen durante a noite.
Mesmo assim era considerado como impureza (Deuteronômio 23.11). O sêmen
era considerado imundo (Levítico 22.4).

Ter a polução noturna em si não é considerado pecado para nós cristãos, a


partir da Nova Aliança em Jesus, que nos libertou de ritos e cerimonialismo
(Colossenses 2.20-23). E emissão de sêmen pode acontecer com qualquer
homem de forma involuntária. Mas também pode ser associada ao desejo. A
questão em si não é o sêmen liberado e sim como, se foi por indução baseada
em lascívia ou não.

A questão da masturbação em ligação com a obra da carne da prostituição


consiste em que muitas vezes nem é preciso estar em contato com outra
pessoa para se prostituir, pois ao se masturbar, logo está desejando pecar
(Tiago 1.14).

A masturbação é um tipo de prostituição!

10- Prostituição virtual:


Mateus 5.27,28 “Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo:
qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração,
já adulterou com ela”.

A pior de todas as características da prostituição atualmente é a


acessibilidade que o mercado da pornografia tem investido de forma que nas
mãos de todas as pessoas, em seus celulares e quaisquer aparelhos possam
ser acessados sites pornográficos.

O inimigo sabe que contaminando nossos olhos estará sujando todo o nosso
corpo, pois se “os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas.
Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas
serão!” (Mateus 6.23). Uma vez a imagem gravada na mente da pessoa, nunca
mais se esquecerá o que viu, pois os olhos são uma porta de entrada de nosso
ser (Números 15.39).

Por traz das telas dos aparelhos “Aguardam o crepúsculo os olhos do


adúltero; este diz consigo: Ninguém me reconhecerá; e cobre o rosto” (Jó
24.15). Então no mundo secreto da pornografia, as pessoas estão “detrás das
portas e das ombreiras pões os teus símbolos eróticos, puxas as cobertas,
sobes ao leito e o alargas para os adúlteros; dizes-lhes as tuas exigências,
amas-lhes a coabitação e lhes miras a nudez” (Isaías 57.8). Até parece que o
profeta estava vivendo nos dias atuais.

O que acontece nos últimos dias foi profetizado sobre a apostasia final onde
as pessoas “tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecado,
engodando almas inconstantes” (II Pedro 2.14). Um grande perigo da
pornografia é o vício que ela provoca, fazendo até mesmo que não haja mais
prazer por uma pessoa de verdade, que muitas vezes destrói casamentos.

Pais devem tomar cuidado com o que filhos estão vendo e com quem estão
se relacionando no mundo virtual. O envio de ‘nudes’, ou fotos de nudez, está
cada vez mais comum entre os adolescentes, expondo sua intimidade e
causando constrangimento à família.

A pornografia é um tipo de prostituição!

Fuja da prostituição!

-CONCLUSÃO:
I Coríntios 6.15,16 e 18 “Não sabeis que os vossos corpos são membros de
Cristo? E eu, porventura, tomaria os membros de Cristo e os faria membros
de meretriz? Absolutamente, não. Ou não sabeis que o homem que se une
à prostituta forma um só corpo com ela? Porque, como se diz, serão os dois
uma só carne. Fugi da impureza. Qualquer outro pecado que uma pessoa
cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o
próprio corpo”.

A grande estratégia de satanás ao levar uma pessoa a se prostituir de


qualquer das formas acima é poder adentrar dentro do santuário de Deus, que
é o nosso corpo (I Coríntios 3.16). Então devemos “fazei, pois, morrer a vossa
natureza terrena: prostituição, impureza, paixão
lasciva, desejo maligno” (Colossenses 3.5). Peça perdão ao Senhor por seus
pecados e receba a libertação.

Não podemos julgar as pessoas e nem esquecer que Jesus perdoou uma
mulher adúltera mostrando que a prostituição tem perdão, basta a pessoa se
arrepender (João 8.1-11). Cristo ainda disse que no Reino dos céus, as
meretrizes que se converteram precederiam os religiosos (Mateus 21.31,32).
Devemos pregar o evangelho de Deus mostrando que as pessoas podem ser
libertas da prostituição. Embora também não podemos negligenciar que todo
tipo de prostituição impede a entrada no Reino de Deus se não arrependermos
(I Coríntios 6.9).

Deus liberta da prostituição!


OBRAS DA CARNE: INIMIZADES

Romanos 12.10-21

-Introdução: A inimizade é uma obra da carne (Gálatas 5.20), ou seja a nossa


carne nos faz aborrecer com nosso próximo, “por isso, o pendor da carne
é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode
estar” (Romanos 8.7). O texto de Romanos 12 traz uma série de orientações
com valores para a vida cristã: o amor (v.9,10), o fervor espiritual (v.11, 12), a
solidariedade (v.13-16) e as adversidades (v.17-21).

O mundo vive em guerra há tantos séculos, que as pessoas parecem não


conseguir viver sem brigar. Se tornou parte de sua rotina, de sua natureza
estar sempre lutando contra algo ou alguém. Esta é a razão porque o mundo
está tão dividido e as pessoas são inimigas umas das outras.

Como superar inimizades?


Vamos estudar um pouco sobre a inimizade:

1- O nosso verdadeiro inimigo - SATANÁS:


I Pedro 5.8 “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em
derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”.

Desde o jardim do Éden, quando Deus lançou a maldição sobre a serpente,


dizendo: “porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu
descendente” (Gênesis 3.15), o diabo se tornou o maior inimigo da
humanidade. O próprio nome Satanás ou satan (‫)שטָׂ ן‬ ָׂ significa adversário,
inimigo e acusador.

A estratégia de Satanás é enganar, porque é mentiroso (João 8.44), então


provoca as pessoas umas contra as outras para haver contendas. Mas o
verdadeiro cristão consegue discernir suas provocações “porque a nossa luta
não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades,
contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do
mal, nas regiões celestes” (Efésios 6.12). Então o único inimigo que o cristão
tem é espiritual e não carnal, por isso não precisamos ter inimizade com
ninguém.

O cristão só tem um inimigo que é Satanás!

2- Origem e Tipos de Inimizades:


Tiago 4.1 e 4 “De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De
onde, senão dos prazeres que militam na vossa carne? ... Infiéis, não
compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que
quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”.

Como já foi dito, o cristão não tem desculpas nem motivos para ter inimizade
com ninguém, absolutamente. O apóstolo Tiago pergunta de onde vêm as
inimizades e conclui que é do mundanismo, dos desejos carnais, que lutam
dentro das pessoas (Tiago 4.2,3). Então podemos entender que a origem das
inimizades é uma vida mundana, baseada no orgulho pessoal (Tiago 4.5).

Contudo, podemos também definir algumas rações para inimizades, que


lamentavelmente acontecem até mesmo com cristãos, pois a Palavra diz” “se
possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens” (Romanos
12.18). Existem situações em que conflitos são quase inevitáveis.

Tipos de inimizades:

a) Por falar a VERDADE: Gálatas 4.16 “Tornei-me, porventura, vosso inimigo,


por vos dizer a verdade?”. O cristão tem um compromisso em falar somente a
verdade, então se alguém gosta de mentira, logo não gostará do cristão. Jesus
mesmo avisou que seríamos injuriados por pessoas mentirosas (Mateus 5.11).
Mas não podemos falar a verdade para ferir as pessoas e sim
falar “a verdade em amor” (Efésios 4.15).

b) Por causa da FÉ: Filipenses 3.18 “Pois muitos andam entre nós, dos quais,
repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando,
que são inimigos da cruz de Cristo”. Muitas pessoas não aceitam a fé do seu
próximo e suas convicções, por isso consideram cristãos como seus inimigos.
Também há cristãos que dão mau testemunho e alimentam este tipo de
sentimento.

c) Por diferenças de OPINIÃO: II Timóteo 3.3 “desafeiçoados, implacáveis,


caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem”. Este texto fala sobre
as pessoas nos últimos dias, mesmo diante da tecnologia, da evolução da
comunicação, da cultura, as pessoas ainda se tornam inimigas porque pensam
diferente umas das outras. Por causa disso devemos “evita discussões
insensatas, genealogias, contendas e debates sobre a lei; porque não têm
utilidade e são fúteis” (Tito 3.9). Quanto a isso, a Palavra de Deus nos orienta
a “não o considereis por inimigo, mas adverti-o como irmão” (II
Tessalonicenses 3.15). Esta é na verdade uma questão de maturidade, pois a
nossa razão não pode ser maior que o dever de amar (I Pedro 4.8).

d) Por que são inimigos de TODOS: I Tessalonicenses 2.15 “os quais não
somente mataram o Senhor Jesus e os profetas, como também nos
perseguiram, e não agradam a Deus, e são adversários de todos os homens”.
Infelizmente existem pessoas que não sabem viver em paz, pois “para os
perversos, diz o meu Deus, não há paz” (Isaías 57.21). São pessoas que o
inimigo, Satanás lhes usa para criar inimizade por onde passam, com
comportamento “enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e
contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações,
suspeitas malignas” (I Timóteo 6.4). Devemos também orar por estes e pedir
ao Senhor os liberte, pois ainda não conheceram o amor de Deus.

Como cristãos precisamos entender estes tipos de inimizades e aprender a


evitar estas coisas.

Lute para não ter inimigos!

3- Como solucionar inimizades?


Efésios 2.14 e 16 “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e,
tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade, ... e
reconciliasse ambos em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz,
destruindo por ela a inimizade”.

Quem tem Jesus deve viver em paz, porque Jesus é a nossa paz e desfez
toda inimizade. Este sentimento ruim de ser inimigo dos outros foi retirado de
nós quando nascemos de novo e recebemos um novo coração (Ezequiel
11.19), para amar a todas as pessoas (Marcos 12.31).

Então o que fazer?

a) ORAR: Mateus 5.43,44 “Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e
odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai
pelos que vos perseguem”. A primeira atitude de um cristão para tudo é “orai
sem cessar” (I Tessalonicenses 5.17). Nesta oração devemos pedir perdão
pelos nossos pecados como Jesus ensinou (Mateus 6.12) e perdoar a pessoa
que nos ofendeu (Mateus 6.14,15). Não temos opção, devemos perdoar.

b) RECONCILIAR: Mateus 18.15-17 “Se teu irmão pecar [contra ti], vai argui-lo
entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir,
toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas
ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça. E, se ele não os atender,
dize-o à igreja; e, se recusar ouvir também a igreja, considera-o como gentio e
publicano”. Jesus deu a ordem correta para a forma de se reconciliar com
alguém. Primeiro devemos procurar a pessoa só. Depois, podemos levar uma
testemunha, alguém para ajudar, que seja um pacificador (Mateus 5.5). Por
último o assunto pode ser levado à igreja. Acontece que a pessoa que promove
contendas faz o contrário: primeiro conta pra todo mundo, depois arruma uma
testemunha e por último a pessoa fica sabendo (Provérbios 16.28 e 26.20).
Jesus nos ensinou a procurar as pessoas que nos ofendem e “entra em
acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a
caminho” (Mateus 5.25), porque sabe que uma pequena discussão pode virar
uma rixa (Provérbios 17.14), e quanto antes resolver melhor.

Se você tiver algum inimigo, primeiro ore por ele e por sua vida também, para
que seu coração seja totalmente livre desta obra da carne que é a inimizade.
Deus irá proporcionar o momento em que se encontrará com a pessoa para dar
e receber o perdão.

Procure resolver qualquer inimizade!

Seja amigo e não inimigo!


-CONCLUSÃO:

II Timóteo 2.14, 23 e 24 “Recomenda estas coisas. Dá testemunho solene a


todos perante Deus, para que evitem contendas de palavras que para nada
aproveitam, exceto para a subversão dos ouvintes. ... E repele as questões
insensatas e absurdas, pois sabes que só engendram contendas. ... Ora, é
necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando
para com todos, apto para instruir, paciente”.

Estes conselhos de Paulo a Timóteo são muito úteis para não ter inimigos.
Primeiro, evitar palavras que possam provocar problemas. Segundo, evitar
questões que podem causar confusão. Terceiro, procurar ser uma pessoa
mansa como Jesus ensinou (Mateus 11.19).

O cristão não precisa ter inimigos, pois Deus “nos reconciliou consigo mesmo
por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação” (II Coríntios 5.18),
também somos mensageiros de uma “palavra de reconciliação” (II Coríntios
5.19).

Você pode viver sem inimigos!


OBRAS DA CARNE: FEITIÇARIAS

Deuteronômio 18.10,11 “Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o
seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro,
nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem
consulte os mortos”.

-Introdução: A feitiçaria é uma obra da carne (Gálatas 5.20), que pode ser
percebida em todas as culturas e povos do mundo. O texto de Gálatas traz a
palavra no plural ‘feitiçarias’, para designar que existem vários tipos e níveis de
práticas feiticeiras. Mas o que é feitiçaria? A base de uma feitiçaria é o desejo
mal e uma tentativa de manipular espiritualmente as pessoas. Por exemplo,
quando alguém faz algum feitiço para conquistar outra pessoa, ou para ficar
rico, etc.

Ente os povos antigos como os egípcios, babilônios e cananeus era comum a


prática de feitiçaria (Êxodo 8.7; 9.11; Deuteronômio 18.9-14; I Samuel 28.1-15;
I Crônicas 10.3). A feitiçaria no Antigo Testamento era castigada com pena de
morte (Êxodo 22.18; Levítico 20.27).

Satanás tentou Adão e Eva ao dizer-lhes: "Vós sereis como Deus" (Gênesis
3.5), e esta foi a primeira prática feiticeira, pois através de uma manifestação
diabólica em uma serpente e pela manipulação de um objeto (fruto) com
objetivo de receber poderes especiais.

Como descobrir a feitiçaria?


Vamos estudar os tipos de feitiçarias:

1- Necromancia:
Isaías 8.20 “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos,
que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor
dos vivos se consultarão os mortos?”.

A necromancia é o culto aos mortos. A palavra necromancia vem do grego


nekrós (νεκρός), que significa morte e mancia ou manteía (μαντεία) que
significa adivinhação. A prática da necromancia está relacionada à feitiçaria e
adivinhação, como aconteceu através da feiticeira de Em-Dor, que enganou
Saul dizendo que o espírito de Samuel, o profeta já morto, teria lhe aparecido (I
Samuel 28.7-25).

Toda e qualquer prática de homenagem, orações a pessoas que já morreram,


tentativas de se comunicar com pessoas mortas e veneração de antepassados
ou ancestrais, são práticas de necromancia, condenadas pela Palavra que
diz: “quando alguém se virar para os necromantes e feiticeiros, para se
prostituir com eles, eu me voltarei contra ele e o eliminarei do meio do seu
povo”.. (Levítico 20.6).

Leia mais sobre o assunto no estudo O CULTO AOS MORTOS.

Culto aos mortos é um tipo de feitiçaria!

2- Adivinhação:
Levíticos 19.21 “Não vos voltareis para os necromantes, nem para
os adivinhos; não os procureis para serdes contaminados por eles. Eu sou o
SENHOR, vosso Deus”.

A tentativa de adivinhar as coisas é uma forma de manipular as pessoas e


coisas ou o tempo, por isso é um tipo de feitiçaria. Ciganas, cartomantes,
pessoas que leem búzios e tantos outros métodos, tentam praticar adivinhação.
Contudo, a adivinhação muitas vezes é usada de forma sutil através de
suposições, que é uma atitude de esperteza para enganar as pessoas.

Os reis pagãos tinham adivinhos que consultavam, com fazia


Nabucodonosor, quando mandou chamar os médios e magos várias vezes
(João 2.2; 4.7; 5.7, 11). Alguns reis de Israel se envolveram com práticas de
adivinhação como Manasses que “adivinhava pelas nuvens, era agoureiro e
tratava com médiuns e feiticeiros’ (II Reis 21.6).

A Palavra de Deus declara com muita firmeza que Deus não se agrada de
adivinhação (Deuteronômio 18.10). Deus mesmo promete que “eliminarei
as feitiçarias das tuas mãos, e não terás adivinhadores” (Miqueias 5.12).

Sabemos que o diabo promove este tido de coisa, pois é “mentiroso e pai da
mentira” (João 8.44). Certa vez o apóstolo Paulo se encontrou com “uma jovem
possessa de espírito adivinhador” (Atos 16.16) e repreendeu o espírito maligno
para sua libertação (Atos 16.18).

Adivinhação é um tipo de feitiçaria!

3- Agouro:
Jeremias 27.9 “Não deis ouvidos aos vossos profetas e aos vossos
adivinhos, aos vossos sonhadores, aos vossos agoureiros e aos vossos
encantadores, que vos falam, dizendo: Não servireis o rei da Babilônia”.

Agouro significa mau pressentimento. Também é uma forma de adivinhação,


além de prática de feitiçaria, pois é uma forma de manipular pessoas
espiritualmente. O agoureiro sempre prediz coisas ruins. Alguns são muito
espertos e dizem coisas óbvias, que todos sabem que acontece.
A Palavra de Deus nos diz claramente para “não agourareis, nem
adivinhareis”(Levítico 19.26b), pois isso desagrada ao Senhor. Ninguém precisa
de alguém para dizer o futuro, muito menos de profetas da desgraça. Deus é o
único que sabe o que pode acontecer, além de ter o poder de mudar todas as
coisas (Isaías 41.26 e 45.21).

Balaão era um vidente agoureiro, que anunciavas as coisas que poderiam


acontecer. Era pago por reis para profetizar o bem a seu respeito a fim de
animar o exército e ganhar a confiança do povo (Números 22.7). Até que foi
chamado para amaldiçoar o povo de Israel e Deus lhe enviou um anjo, que
apareceu barrando o seu caminho ao ponto de sua jumenta falar (Números
22.21-33). Então Balaão deixou de fazer agouros (Números 24.1).

Sobre este assunto, leia também o estudo CUIDADO COM OS


AGOUREIROS.

Agouro é um tipo de Feitiçaria!

4- Sacrifícios pagãos:
II Reis 17.17 “Também queimaram a seus filhos e a suas filhas como sacrifício,
deram-se à prática de adivinhações e criam em agouros; e venderam-se para
fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocarem à ira”.

Um sacrifício pagão significa toda e qualquer forma de culto que não seja ao
único Deus verdadeiro, que deve ser adorado em “espírito e em verdade” (João
4.24). A única exigência do Senhor para nós ao cultuarmos a Ele é um coração
quebrantado (Salmos 51.19). Deus não exige ofertas exageradas nem qualquer
comportamento irracional (Romanos 12.1,2). Qualquer comportamento
exagerado pode ultrapassar a adoração simples e sincera exigida por Deus.

No tempo do rei Manasses o povo se desviou dos caminhos de Deus


praticando sacrifícios pagãos a outros deuses, pois o rei Manasses “queimou
seus filhos como oferta no vale do filho de Hinom, adivinhava pelas nuvens, era
agoureiro, praticava feitiçarias, tratava com necromantes e feiticeiros e
prosseguiu em fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocar à
ira” (II Crônicas 33.6). Como dizem estes dois últimos textos, isso provocava a
ira Divina.

O sacrifício de Cristo por nós é único e suficiente, pois Jesus morreu “uma
vez por todas” (Hebreus 7.27). A palavra ‘missa’ significa sacrifício e tem o
objetivo de repetir o que Cristo fez na cruz, mas isto é impossível (Hebreus
9.12, 26). A morte sacrificial de Jesus foi para sempre a única forma de
recebermos a Salvação e todas as bênçãos que conquistou por nós (Hebreus
10.2 e 10).
Não precisamos fazer sacrifícios para comprar bênçãos, pois isso seria
também uma forma de manipular as coisas espiritualmente, o que é feitiçaria.
Qualquer tentativa de ‘vender’ ou ‘comprar’ bênçãos não passa de cópia de
práticas feiticeiras.

Além disso, devemos tomar cuidado em não participar de cultos místicos,


disfarçados como o Halloween (leia o estudo O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE O
HALLOWEEN), festas juninas e quermesses, onde alimentos são oferecidos a
ídolos (I Coríntios 8.1-10).

Sacrifícios pagãos são formas de feitiçaria!

5- Mágica:
Atos 19.19 “Também muitos dos que haviam praticado artes mágicas,
reunindo os seus livros, os queimaram diante de todos. Calculados os seus
preços, achou-se que montavam a cinquenta mil denários”.

As práticas de magia ou mágica são condenadas pela palavra de Deus


(Isaías 47.9-12). Pode ser considerada uma obra de feitiçaria porque manipula
pessoas e coisas atribuindo poder sobrenatural ao mágico. O principal motivo
para a mágica ser considerada erra é o fato de se basear na arte de enganas
as pessoas (Atos 8.11).

No Antigo Testamento existem claras reprovações a práticas de magia


(Deuteronômio 18.11). Alguns exemplos de pessoas que praticaram mágica no
Antigo testamento:

a) Os encantadores de Faraó: que fizeram varas se transformar em cobra


(Êxodo 7.11).

b) Os magos da Babilônia: que foram chamados duas vezes para revelar o


sonho do rei Nabucodonosor (Daniel 2.2 e 4.7) e não conseguiram (Daniel 2.10
e 27). Também foram chamados pelo rei Belsazar para interpretar a escrita na
parede (Daniel 5.7) e também não conseguiram (Daniel 5.11 e 15).

c) Encantadores de serpentes: práticas místicas muito comuns no oriente médio


(Eclesiastes 10.11 e 8.17), que dizem conseguir encantar víboras de forma que
não os piquem.

No Novo Testamento, as práticas de magia são citadas três vezes:

a) O mágico Simão: que ao ver o poder de Deus agindo na vida dos apóstolos,
propôs pagar para adquirir a mesma capacidade e foi advertido (Atos 8.9-24).

b) O mágico Barjesus: também chamado de Elimas, que significa mágico, que se


opôs quando Paulo pregava para o procônsul Sérgio Paulo e foi severamente
repreendido pelo apóstolo e ficou cego (Atos 12.6-11).
c) Os livros de magia: muitas pessoas em Éfeso se converteram e queimaram
seus livros de magia (Atos 19.19), obedecendo ao que manda a lei

(Deuteronômio 7.25).

Sem dúvida alguma a mágica engana as pessoas e se baseia na mentira, por


isso é reprovada pela Palavra de Deus. Temos um poder muito maior em
nossas vidas que é a presença do Espírito Santo, que opera sinais e
maravilhas (João 14.12 e Atos 16.17,18).

Mágica é um tipo de feitiçaria!

6- Animismo:
Atos 17.23 “porque, passando e observando os objetos de vosso culto,
encontrei também um altar no qual está inscrito: AO DEUS DESCONHECIDO.
Pois esse que adorais sem conhecer é precisamente aquele que eu vos
anuncio”.

O animismo significa atribuir poder a objetos ou coisas, como se fossem


animados e não apenas inanimados, como na verdade são. Práticas como
simpatias, uso de amuletos, benzições, passes, energizar cristais, água benta
ou orada, lencinhos ungidos, rosa ungida, sal grosso, plantas para espantar
mal olhado, etc... são formas de manipular objetos atribuindo poderes aos
mesmos.

O povo de Israel absorveu costumes pagãos de levantar altos e postes (II


Crônicas 33.19), onde criam habitar os deuses e isso desagradava ao Senhor
(Ezequiel 6.6), visto que atribuíam poderes a estes lugares. Também faziam
cozidos com propósito de enfeitiçar as pessoas (Ezequiel 13.18 e 20).

Uma das desculpas para utilizar objetos como ‘símbolos’ para transmitir
poder são os ‘lenços’ de Pedro que foram levados para tocar em enfermos para
serem curados (Atos 19.12). Embora isto tenha sido fato, não existe nenhuma
orientação ou mandamento para fazer isso novamente.

Já no caso da unção com óleo, não há problema porque o azeite se desfaz


absorvido pela pele ou evaporando e por isso não se torna objeto de culto,
além de ter sido orientado por Jesus a seus discípulos (Marcos 6.13) e
passado destes para nós (Tiago 5.14).

Sabemos que todo o poder pertence a Jesus “no céu e na terra” (Mateus
28.18). Ninguém tem poderes especiais a não ser que seja concedido pelo
Espírito Santo como um dom espiritual. Por isso as crenças animistas são
absurdas e contrárias à Palavra de Deus.

Atribuir poder a objetos é uma forma de feitiçaria!


7- Astrologia:
Deuteronômio 4.19 “Guarda-te não levantes os olhos para os céus e, vendo
o sol, a lua e as estrelas, a saber, todo o exército dos céus, sejas seduzido a
inclinar-te perante eles e dês culto àqueles, coisas que o SENHOR, teu Deus,
repartiu a todos os povos debaixo de todos os céus”.

Vários povos pagãos da antiguidade adoravam os astros. Durante muitos


séculos, os metafísicos explicavam fenômenos naturais dando-lhes sentido
espiritual. Os gregos tinham o costume de consultar oráculos. Pitágoras viveu
entre 580 a 500 a.C. e acreditava que os astros são deuses.

A astrologia é uma forma de feitiçaria, pois através do estudo dos astros são
construídas normas que dizem marcar o destino das pessoas. É uma forma de
controlar as pessoas por meios espirituais e tentativa de manipular o tempo.

A Palavra de Deus diz muito claramente que os astros, o sol, a lua, as


estrelas e planetas foram criados por Deus e têm a função de demarcar ou
ajudar o ser humano a entender os tempos e épocas (Gênesis 1.14-18). Por
exemplo, através da lua se pode contar as semanas e meses, através do sol é
possível contar os anos e as estrelas ajudam os navegadores a calcular o
tempo e espaço.

Os magos que foram ao encontro do menino Jesus, certamente eram


astrônomos estudiosos das estrelas e natureza (Mateus 2.1-7), tementes a
Deus, conhecedores das Escrituras e por isso provavelmente não acreditavam
nas estrelas como os astrólogos. O que os magos procuravam era o Messias e
a estrela foi apenas um guia para os levar a Jesus.

A Palavra de Deus reprova todas as formas de astrologia ou culto aos astros


(Isaías 47.13,14), que foram criados por Deus e revelam a sua glória (Salmos
19.1), mas não devem ser adorados nem reconhecidos como fonte de qualquer
poder.

Astrologia é um tipo de feitiçaria!

Não aceite nada de feitiçaria!

-CONCLUSÃO:
I Samuel 15.22 “Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a
obstinação é como a idolatria e culto a ídolos do lar. Visto que rejeitaste a
palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei”.

A rebelião é comparada à feitiçaria, pois esta também é um ato de rebeldia


contra Deus, por não aceitar a forma normal das coisas e querer manipular
tudo espiritualmente. Muitos cristãos rebeldes, estão influenciados por espíritos
feiticeiros, que Satanás por sua própria essência conduz as pessoas a se
rebelar contra Deus e seus líderes.

A mais conhecida feiticeira da Bíblia foi a rainha Jezabel (II Reis 9.22), que
praticou e incitou o povo a práticas místicas, além de perseguir os profetas de
Deus. Reis como Josias e Ezequias aboliram a feitiçaria no meio do povo (II
Reis 23.24), renovando a Aliança com o Senhor.

Durante a inquisição, aconteceu uma grande caça às bruxas, quando


centenas de feiticeiras foram condenadas à fogueira. Hoje não precisamos
perseguir as pessoas que se envolvem com ocultismo, macumbas e todas as
outras formas de feitiçarias. Hoje em dia acontece um movimento oposto, uma
verdadeira campanha publicitária divulgando e mascarando a bruxaria através
de filmes que procuram atrair crianças e jovens.

A Palavra de Deus já diz que estas coisas fazem parte do Reino de Deus
(Apocalipse 21.8 e 22.15). Nosso dever como cristãos é orar por estas pessoas
e ensinar a verdade. Além disso, não precisamos ter medo destas coisas, pois
o poder de Deus é muito maior que tudo (Lucas 10.19).

Feitiçaria é uma obra da carne!

OBRAS DA CARNE: IDOLATRIA

Êxodo 20.1-5

-Introdução: A idolatria é uma obra da carne (Gálatas 5.19), que pode ser
encontrada em todas as culturas da humanidade. Em povos mais longínquos e
antigos, percebe-se vestígios da idolatria. Para o ser humano é fácil se apegar
a coisas visíveis e dar significado espiritual do que ter uma fé baseada no que
não se vê (II Coríntios 5.7 e Hebreus 11.1) em um Deus invisível (I Timóteo
1.17).

Leia mais sobre o tema no estudo IDOLATRIA.

Como saber se algo é idolatria?


Vamos estudar ao que a Bíblia ensina a respeito da idolatria:

1- O que é idolatria?
Romanos 1.25 “pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando
e servindo a criatura em lugar do criador, o qual é bendito eternamente.
Amém!”.
A palavra ídolo significa inútil, detestável. Deus abomina a idolatria porque
um objeto criado não pode ser cultuado como se fosse o Criador. Idolatria
significa homenagear, se encurvar, prestar culto, louvor ou fazer petições a
qualquer pessoa ou coisa no lugar de Deus, pois Jesus é o único mediador
entre Deus e os homens (I Timóteo 2.5). Conversar com uma imagem, fazer
pedidos, cantar para ela ou fazer promessas é idolatria.

Deus nunca permitiu que se conhecesse sua aparência para que não
acontecesse a idolatria por meio da adoração de uma imagem sua
(Deuteronômio 4.15,16). Deus pode ser adorado apenas “em espírito e em
verdade” (João 4.24).

O problema da idolatria consiste em colocar qualquer coisa no lugar de


Deus. O ser humano foi criado para a glória de Deus (Isaías 43.7) e o Senhor
não divide sua glória com ninguém (Isaías 42.8). Quando Deus deixa de ser o
lugar central na vida de uma pessoa, esta está servido a dois senhores e
praticando a idolatria (Mateus 6.24).

Deus abomina a idolatria!

2- Tipos de idolatria:
A idolatria pode se apresentar de várias maneiras, tentando enganar e
conquistar adeptos. Alguns tipos de idolatria são:

a) Idolatria de imagens de escultura:

Isaías 45.20 “Congregai-vos e vinde; chegai-vos todos juntos, vós que


escapastes das nações; nada sabem os que carregam o lenho das suas
imagens de escultura e fazem súplicas a um deus que não pode salvar”.

Quando uma pessoa pega qualquer objeto e atribui poderes, Deus se


aborrece muito (Isaías 40.18-20). A idolatria mais comum é a de imagens que
representam divindades ou santos, que na verdade são considerados divinos
por lhes atribuírem poderes que somente Deus tem.

b) Idolatria da natureza:

Deuteronômio 4.16-19 “para que não vos corrompais e vos façais alguma
imagem esculpida na forma de ídolo, semelhança de homem ou de mulher,
semelhança de algum animal que há na terra, semelhança de algum volátil que
voa pelos céus, semelhança de algum animal que rasteja sobre a terra,
semelhança de algum peixe que há nas águas debaixo da terra. Guarda-te
não levantes os olhos para os céus e, vendo o sol, a lua e as estrelas, a saber,
todo o exército dos céus, sejas seduzido a inclinar-te perante eles e dês culto
àqueles, coisas que o SENHOR, teu Deus, repartiu a todos os povos debaixo
de todos os céus”.
Deus não admite nenhuma imagem, nem de sol ou de lua ou qualquer outra
coisa que esteve nos céus, assim como de homem ou de animais que são da
terra ou das águas. A astrologia é um tipo de idolatria e adorar animais com
fazem no hinduísmo também é idolatria.

c) Idolatria de pessoas:

Mateus 10.37, 38 “Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é
digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno
de mim e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim”.

Devemos amar a Deus sobre todas as coisas (Marcos 12.30.31). Jesus


disse que aquele que ama mais os seus parentes e amigos do que ele, não é
digno de servi-lo. Colocar a mulher, filhos ou amigos, acima de Deus é uma
forma de idolatria. Também fanatismo de time de futebol, partido político,
religião, artistas da TV ou cantores é idolatrar. Na verdade a imagem mais
adorada pela humanidade hoje é a si próprio (hedonismo), por isso Jesus
incluiu a negação do próprio eu (Mateus 10.38).

O rei Nabucodonosor foi castigado por seu orgulho e querer ser adorado
como se fosse um deus (Daniel 3 e 4). Quando o rei Herodes recebeu a glória
das pessoas atribuindo divindade à sua pessoa, foi ferido por Deus (Atos
12.21-23). Os apóstolos Paulo e Silas se recusaram a ser reconhecidos como
deuses por causa dos milagres que aconteciam (Atos 14.11-18) e
pregavam “afirmando não serem deuses os que são feitos por mãos
humanas” (Atos 19.26).

d) Idolatria de coisas:

Mateus 6.24 “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de


aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao
outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas”.

O animismo é a crença de que um objeto tem poder de fazer


algo. O dinheiro é o objeto mais idolatrado que existe, mas a Bíblia diz: “Fazei,
pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva,
desejo maligno e a avareza, que é idolatria” (Colossenses 3.5). Precisamos
aprender a perder o amor por coisas e objetos, principalmente o dinheiro (I
Timóteo 6.7-10).

Desfaça de todos os tipos de idolatrias!

3- Consequências da idolatria:
Algumas consequências da idolatria são:

a) Abandonar a presença de Deus:


Apocalipse 22.15 “Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os
assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira”.

A Bíblia diz que os idólatras não entrarão no Reino de Deus (Efésios 5.5),
então idolatria é o pecado de desprezar o próprio Deus.

b) Se tornar inútil como os ídolos:

Salmos 115.4-8 “Prata e ouro são os ídolos deles, obra das mãos de homens.
Têm boca e não falam; têm olhos e não veem; têm ouvidos e não ouvem; têm
nariz e não cheiram. Suas mãos não apalpam; seus pés não andam; som
nenhum lhes sai da garganta. Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem
e quantos neles confiam”.

A pior consequência da idolatria é a pessoa se tornar inútil como o ídolo,


como sendo cego, surdo e mudo espiritualmente.

c) A presença de demônios nos ídolos:

I Coríntios 10.19-21 “Que digo, pois? Que o sacrificado ao ídolo é alguma


coisa? Ou que o próprio ídolo tem algum valor? Antes, digo que as coisas que
eles sacrificam, é a demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero
que vos torneis associados aos demônios. Não podeis beber o cálice do
Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do
Senhor e da mesa dos demônios”.

O que há atrás dos ídolos são demônios que enganam até os religiosos
através da idolatria. Uma prova disso é o sincretismo, ou mistura de crenças
que pode ser percebida entre o catolicismo e o candomblé, pois cada santo do
catolicismo tem um nome diferente nas religiões afros para designar o mesmo
ídolo.

Idolatria é tudo o que se coloca no lugar de Deus!


-CONCLUSÃO:

Deuteronômio 7.25,26 “As imagens de escultura de seus deuses queimarás; a


prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti,
para que te não enlaces neles; pois são abominação ao SENHOR, teu Deus.
Não meterás, pois, coisa abominável em tua casa, para que não sejas
amaldiçoado, semelhante a ela; de todo, a detestarás e, de todo, a abominarás,
pois é amaldiçoada”.

O que devemos fazer com as imagens? Destruí-las, sem aproveitar nada é o


que a Bíblia orienta fazer, bem como a tudo o que tiver origem pecaminosa
(Atos 19.19).
Alguns exemplos de idolatria disfarçada na Bíblia:

- O bezerro de ouro que Arão fez para representar o Senhor enquanto Moisés se
demorava no monte com Deus e o povo foi ferido por isso (Êxodo 32.4-35).

- A serpente de bronze que Moisés fez com a ordem de Deus para que o povo
fosse curado das feridas das víboras que castigavam ao povo (Números 21.9),
mas começaram a idolatrar a sua imagem até que o rei Ezequias a destruiu (II
Reis 18.4).

- A veste sacerdotal de outro que Gideão fez e que o povo começou a adorar a
este objeto e se afastar do Senhor (Juízes 8.27-33).

A idolatria precisa sempre ser combatida porque é uma obra da carne, que
sempre estará perseguindo ao ser humano, “portanto, meus amados, fugi
da idolatria” (I Coríntios 10.14).

Fuja da idolatria!

OBRAS DA CARNE: IMPUREZA

“Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza,


tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de
Deus” II Coríntios 7.1

-Introdução: Uma coisa impura é porque foi contaminada por algo sujo ou
estranho. O povo de Deus tinha sempre em mente a visão do que é puro ou
impuro, preocupando-se sempre em não se contaminar (Ageu 2.13,14). Nos
rituais de purificação, o povo devia lavar as suas vestes (Êxodo 19.10) e
oferecer sacrifício pelo pecado (Levítico 16.16-19 e 30).

Alguns exemplos de rituais de purificação na Bíblia:

Purificação dos objetos do templo (I Crônicas 23.28 e 29.4).

Purificação do templo (II Crônicas 29.15-18 e Neemias 13.9).

Purificação do altar (Êxodo 29.36 e Levítico 8.15).

Purificação dos levitas (Números 8.6-21 e Neemias 13.22).

Purificação da mulher após o parto (Levítico 12.4-7).

Purificação de pessoas com hemorragia (Levítico 15.13).

Purificação do leproso (Levítico 13.7-35 e 14.1-52).

Purificação de uma casa com a água purificadora (Números 19.1-22).


Hoje sabemos que a purificação de nossos pecados vem pelo sangue de
Jesus (Hebreus 9.13,14 e 22,23) e não apenas por rituais (Hebreus 10.2).
Quando nos arrependemos e confessamos somos perdoados e purificados
pelo sangue de Jesus (I João 1.7-9). Também nos conservamos limpos “tendo
purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade” (I Pedro 1.22), além
de acreditar “purificando-lhes pela fé o coração” (Atos 15.9) e estudar a
Bíblia “para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de
água pela palavra” (Efésios 5.26).

Como purificar minha vida?


Vamos refletir alguns tipos de impureza que precisamos vencer:

1- Impureza na MENTE:
Hebreus 10.22 “aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de
fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água
pura”.

A primeira característica da impureza está em nossas mentes. A malícia


muitas vezes faz com que as pessoas só pensem coisas ruins do seu próximo
(I Coríntios 14.20). Por isso o apóstolo Paulo profetizou que no fim dos tempos
as pessoas viveriam “pela hipocrisia dos que falam mentiras e que
têm cauterizada a própria consciência” (I Timóteo 4.2), o que impede as
pessoas de abrir sua mente para a verdade.

Como Cristãos, devemos procurar ter “a mente de Cristo” (I Coríntios


10.16), “levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo” (II Coríntios
10.5), procurando pensar que agrada ao Senhor.

Como diz o ditado popular: ‘mente vazia é oficina do diabo’. Então a Palavra
de Deus nos orienta em que devemos pensar: “Finalmente, irmãos, tudo o que
é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro,
tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se
algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento” (Filipenses
4.8). Peça a Deus que purifique os seus pensamentos e se ocupe sempre com
coisas que edificam para preencher sua mente.

Para saber mais sobre o assunto, leia o estudo: VENCENDO OS MAUS


PENSAMENTOS.

Os maus pensamentos são uma forma de impureza!

2- Impureza nos OLHOS:


Mateus 6.23 “se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em
trevas. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas
serão!”.
Jesus sabia que os olhos são uma porta de entrada para nosso ser e através
dos olhos, imagens são gravadas em nosso mente de forma que nunca mais
se apaga. Mas Deus em sua sabedoria, criou em nós as pálpebras que se
fecham espontaneamente e que precisamos aprender a fechar voluntariamente
para não ver coisas impuras.

Jesus também disse que o olhar cobiçando uma outra pessoa é pecado
(Mateus 5.28), também chamada de “concupiscência dos olhos” (I João 2.16),
que é o olhar com desejo impuro.

Entre as sete coisas que Deus mais abomina, estão os “olhos


altivos” (Provérbios 6.17), que é um ato de orgulho olhando as pessoas como
se estivesse por cima, estão.

A cegueira espiritual acontece quando os olhos já estão tão impuros, que já


não conseguem mais enxergar sua realidade, “pois aquele a quem estas coisas
não estão presentes é cego, vendo só o que está perto, esquecido
da purificação dos seus pecados de outrora” (II Pedro 1.9). Assim como Deus
fez com Saulo, precisamos reconhecer nossa cegueira espiritual e pedir que o
Senhor tire as escamas de nossos olhos (Atos 9.18).

Precisamos pedir a Deus que purifique nossos olhos, dizendo como o


salmista “Não porei coisa injusta diante dos meus olhos; aborreço o proceder
dos que se desviam; nada disto se me pegará” (Salmos 101.3). Esta fala
deveria ser colocada em nossos celulares, computadores e televisores, para
lembrarmos de não ver coisas impuras, nem dar ibope para o que não agrada a
Deus e não edifica a família.

Ver coisas impuras traz contaminação!

3- Impureza no CORAÇÃO:
Salmos 51.2, 7 e 10 “Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-
me do meu pecado. purifica-me com hissopo, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei
mais alvo que a neve. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro
de mim um espírito inabalável”.

O coração é o centro de nosso ser, onde abrigamos nossos sentimentos e


emoções. Se o coração estiver sujo, tudo o mais será impuro em nossas vidas.
O amor é a principal forma de manter o coração limpo, pois nosso coração foi
feito para amar (I Pedro 1.22).

Além disso, precisamos entregar nosso coração ao Senhorio de Jesus Cristo


(Romanos 10.9,10), que preenche nosso coração. Um coração que é de Jesus
não é lugar de mágoas, malícias ou qualquer impureza.
Jesus disse que de dentro do coração vem os pecados (Marcos 7.21), mas “o
intuito da presente admoestação visa ao amor que procede de coração puro, e
de consciência boa, e de fé sem hipocrisia” (I Timóteo 1.5). Somente Deus
pode limpar nosso coração.

Jesus contou as parábolas comparando com a vida no campo, de forma que


as pessoas entendessem. Na parábola do trigo e do joio (Mateus 13.24-30),
Jesus disse que “enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou o
joio no meio do trigo” (Mateus 13.25), mostrando que o inimigo tenta sujar
nossos corações para impedir que sejamos frutíferos lançando raízes de
amargura (Hebreus 12.15). Na parábola do semeador (Mateus 13.3-9 e 19-23),
Jesus disse que as pedras, os espinhos e a semente que cai à beira do
caminho representam corações que endureceram, que foram feridos e
que “todos os que ouvem a palavra do reino e não a compreendem, vem o
maligno e arrebata o que lhes foi semeado no coração” (Mateus 13.19).

Infelizmente, muitas pessoas já estão com seus corações tão endurecidos


que “tendo-se tornado insensíveis, se entregaram à dissolução para, com
avidez, cometerem toda sorte de impureza” (Efésios 4.19). Nosso coração
precisa ser maleável e sensível à vontade de Deus. A “couraça da
justiça” (Efésios 6.14) serve para proteger nosso peito para que nada fira nosso
coração.

Não deixe nada suar o seu coração!

4- Impureza nos LÁBIOS:


Isaías 6.5 “Então, disse eu: ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de
lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos
viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos!”.

A impureza nos lábios provém de coisas que falamos e não agradam a Deus.
Jesus disse que o que sai da boca contamina o homem (Mateus 15.18) e
que “a boca fala do que o coração está cheio” (Mateus 12.34), logo, estando
impuro o coração, os lábios demonstram isso.

O profeta Isaías confessou seu pecado de ter lábios impuros, dizendo que
seu povo também estava com pecado em sua fala. Então um serafim pegou
uma brasa do altar e queimou os lábios de Isaías para purificar sua vida e fazer
dele um profeta para falar as palavras de Deus (Isaías 6.6,7).

Dominar a língua é muito difícil, pois ela se torna “um mal incontido” (Tiago
3.8), mas a busca da santidade passa pelo controle das palavras “porque todos
tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça no falar,
é perfeito varão, capaz de refrear também todo o corpo” (Tiago 3.2). Então
devemos ouvir mais e falar menos (Tiago 1.19).
Precisamos orar como o salmista que pediu ao Senhor: “Põe guarda,
SENHOR, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” (Salmos 141.3) e crer
na promessa de Deus que declara: “então, darei lábios puros aos povos, para
que todos invoquem o nome do SENHOR e o sirvam de comum
acordo” (Sofonias 3.9). Por isso, todo cristão deve evitar conversas que não
edificam e sempre procurar assuntos que abençoam as pessoas.

Embora o mundo tenha costumes de palavras torpes, como cristãos devemos


ter uma “linguagem sadia” (Tito 2.8) e expressões ofensivas, de duplo sentido
ou palavrões “nem se nomeie entre vós” (Efésios 5.3). As palavras de um
cristão devem ser “sempre agradável, temperada com sal” (Colossenses 4.6).
Como o tempero que não pode ser muito nem pouco, devemos temperar
nossas palavras.

A impureza dos lábios vem das palavras sujas!

5- Impureza nas MÃOS:


Tiago 4.8 “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. purificai as
mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração”.

A impureza nas mãos consiste em tocar coisas impuras (Isaías 52.11). No


tempo bíblico isso era levado muito a sério advertindo as pessoas para não
tocar em nada contaminado (Números 16.26). Os fariseus repreenderam Jesus
porque seus discípulos não lavaram as mãos para comer, o que era
considerado um ritual de purificação, então Jesus os repreendeu porque era
uma tradição de homens incapaz de purificar o interior do ser humano (Marcos
7.2-5).

As mãos podem estar impuras por se levantar contra o seu próximo


(Deuteronômio 27.24), ou por se fechar para não ajudar quem precisa (I
Coríntios 5.9-11). Outra coisa séria é quando a pessoa se levanta contra sua
liderança espiritual, pois a Palavra nos adverte “dizendo: não toqueis nos meus
ungidos, nem maltrateis os meus profetas” (Salmos 105.15). De modo geral
somos orientados a “não toqueis em coisas impuras” (II Coríntios 6.17), para
buscar a cada dia mais a santificação.

O mundo todo está sujo por causa do pecado (Tiago 4.4), por isso
precisamos o tempo todo lavar nossas mãos e todo o nosso ser, caso
tenhamos tocado algo impuro (Romanos 6.19).

Procure manter suas mãos limpas!

Jesus purifica sua vida!


-CONCLUSÃO: I João 3.3 “E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta
esperança, assim como ele é puro”.
Os impuros não herdarão o Reino de Deus (Efésios 5.5; I Coríntios 6.9-18;
Apocalipse 21.8 e 22.15)

Precisamos buscar a santificação, “porquanto Deus não nos chamou para


a impureza, e sim para a santificação” (I Tessalonicenses 4.1). Uma coisa é
considerada santa ou profana dependendo do uso que fazermos (Romanos
14.14). Para quem busca santidade, tudo em sua vida pode ser considerado
puro, pois “todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e
descrentes, nada é puro” (Tito 1.15). Precisamos buscar a presença
do “Espírito purificador” (Isaías 4.4), que nos santifica.

Não podemos nos julgar puros aos próprios olhos, mas devemos nos
perguntar sempre se “seria, porventura, o mortal justo diante de Deus? Seria,
acaso, o homem puro diante do seu Criador?” (Jó 4.17). Então devemos lutar
contra nossa própria carne fazendo “morrer a vossa natureza
terrena” (Colossenses 3.5), para que “despojando-vos de toda impureza e
acúmulo de maldade” (Tiago 1.21), sabendo que Jesus é o único que pode nos
purificar (Tito 2.14).

Fuja de toda impureza!

DISCERNINDO O QUE É CARNAL OU ESPIRITUAL

“Porque a carne milita contra o espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são
opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso
querer” Gálatas 5.17

-Introdução: Existe uma luta entre duas realidades dentro de nós semelhante
a água e óleo que mesmo estando juntos num mesmo recipiente, não se
misturam.

Precisamos entender que somos ao mesmo tempo carnais e espirituais, por


isso acontece uma batalha dentro de nós e buscar discernir entre carne e
espírito “Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para
a vida e paz” (Romanos 8.6). As consequências de ser carnal ou espiritual
fazem toda a diferença.

Como discernir o que é carnal ou espiritual?


Vamos refletir sobre as características de coisas carnais e espirituais:

1- A Carne – pecado e morte:“Porque a carne milita contra o espírito...”


A carne é nossa matéria, nosso corpo com desejos e sentimentos carnais.
Precisamos vencer muitas vontades da carne, mas muitas vezes não
conseguimos entender isso.

“o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são
loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (I
Coríntios 2.14).

Esta inclinação da carne tem consequências negativas (Romanos 8.5,6),


tendo como última consequência a morte (Romanos 6.23).

Você sabe qual a consequência do pecado?

O prazer é momentâneo, mas a consequência é duradoura!

2- O Espírito – vida e paz: “... e o Espírito, contra a carne, porque são


opostos entre si, ...”
O espírito diz respeito a nossa vida espiritual, que só podemos perceber se a
presença de Deus está em nós.

“Vós, porém, não estais na carne, mas no espírito, se, de fato, o Espírito de
Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é
dele” (Romanos 8.9).

Precisamos alimentar cada vez mais nossa vida espiritual para ser fortes
espiritualmente. Para isso devemos “vigiai e orai, para que não entreis em
tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca” (Marcos
14.38). Se espírito está pronto, então devemos prepara-lo cada vez mais para
vencer as fraquezas da carne. O que você tem buscado mais: o espírito ou a
carne? O lado que mais alimentarmos será o mais forte!

CONCLUSÃO: “para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer”.

Podemos vencer o pecado e nossa carne não fazendo aquilo que é do nosso
próprio querer, como Jesus ensinou a negar a si mesmo (Marcos 8.34). Isso só
é possível “se, pelo espírito, mortificardes os feitos do corpo” (Romanos 8.12)

“porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção,
mas o que semeia para o espírito do Espírito colherá vida eterna” (Gálatas 6.8).

Assim como a água e o óleo são diferentes e não se misturam, mesmo que
juntos e se forem agitados, mas logo se diferenciam, precisamos aprender a
discernir o que é espiritual e o que é carnal em nossas vidas.

Qual você vai escolher?

Busque ser espiritual!


Seminário

OBRAS DA CARNE
Apóstolo Alex Braz
(31) 98884-2028