Você está na página 1de 52

EXPEDIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA


ROBERTO CLÁUDIO RODRIGUES BEZERRA

prefeito

MORONI TORGAN

vice-prefeito

JÚLIO BRIZZI
secretário de juventude

INSTITUTO JUVENTUDE E INOVAÇÃO (IJI)


JOÃO MARTINS DE OLIVEIRA NETO

presidente

EQUIPE DE ELABORAÇÃO E COORDENAÇÃO


PROJETO ACADEMIA ENEM
FÁBIO FROTA
coordenador geral

ANA CÉLIA FREIRE MAIA


coordenador adjunto

NORMANDO EPITÁCIO
supervisor de ensino

2
APRESENTAÇÃO

Desde que assumimos a Prefeitura de Fortaleza, tornamos numa prioridade o investimento


contínuo e crescente na política pública de juventude.

Tanto é que somos atualmente a Capital brasileira com o maior orçamento per capita em
programas de juventude. No ano de 2016 foram investidos R$ 29.003.960,55 em ações e pro-
jetos, valor que corresponde a 41% a mais do que o investimento de 2015.

Esses recursos viabilizam projetos como a Rede Cuca, equipamentos que oferecem oportu-
nidades de qualificação, geração de renda, inserção cultural e esportiva aos jovens, em es-
pecial das áreas mais vulneráveis da cidade; a Academia ENEM e o Juventude Sem Fronteiras,
que acabou de embarcar 98 jovens para a Espanha e para o Canadá com todas as despesas
custeadas para uma experiência de intercâmbio internacional, entre aqueles que obtiveram
as melhores notas na Academia ENEM.

No total, esses investimentos, realizados por meio da Coordenadoria Especial de Políticas


Públicas de Juventude, beneficiaram, em 2016, um total de 151.034 jovens, entre 15 e 29 anos.
Um aumento de 39% no número de atendimentos na comparação com o ano de 2015.

Quero destacar entre os projetos que fazem parte dessa política pública voltada para a nossa
juventude o Academia ENEM, o curso que está preparando estudantes de escolas públicas
para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). O projeto, que já beneficiou mais de 40 mil
jovens nos últimos quatro anos, é uma iniciativa vitoriosa, com resultados expressivos con-
quistados.

Vocês terão oportunidade de assistir às aulas ministradas no ginásio Paulo Sarasate, prepa-
radas especialmente para que cada um possa aprofundar e aprimorar os conhecimentos,
ministradas por uma equipe de professores experientes e especializados na metodologia
utilizada no ENEM.

Com isso, quem tiver uma participação efetiva no Academia ENEM, se comprometendo com
as aulas e estudando também em casa e na escola, certamente fará o ENEM com maiores
chances de conseguir uma boa colocação e do tão sonhado ingresso à Universidade.

Esta apostila é mais uma das ferramentas para ajudá-los a superar com sucesso esse ca-
minho do ENEM até o ensino superior. Portanto, aproveitem o projeto, estudem, se dediquem
para que possam colher os frutos que somente a educação pode oferecer.

Muito sucesso e boa sorte a todos!

Roberto Cláudio
Prefeito de Fortaleza
MATERIAL PEDAGÓGICO:
PORTUgUêS: sinval farias | walmir neto | gorete cavalcante
MATEMáTICA: alexandre moura | carlos davyson | fábio frota
HISTóRIA: eciliano alves | márcio michiles
gEOgRAFIA: yuri saboia
BIOLOgIA: marcos henrique
FíSICA: idelfranio
QUíMICA: felipe custódio

Índice
Linguagens e Códigos
Funções da Linguagens ..................................................................................................... 000 5 a 12
Redação ............................................................................................................................. 013 a 15

Matemática
Estatística II ........................................................................................................................ 016 a020
0

Ciências Humanas
História do Brasil ................................................................................................................ 021 a025
História Geral ..................................................................................................................... 026 a033
Geografia ........................................................................................................................... 034 a940

Gráfica Mr Digital - (85) 3023.2395

4
LINGUAGENS E CÓDIGOS
FUNÇÕES DE LINGUAGEM

COMPETÊNCIA DE ÁREA 7 - Confrontar opiniões e facilmente, para gerar credibilidade, etc. Os exemplos
pontos de vista sobre as diferentes linguagens e suas a seguir poderão dar melhor idéia acerca do que esta-
manifestações específicas. mos falando.
H21 - Reconhecer em textos de diferentes gêneros, a. A CLAREZA do texto - para citar um primeiro
recursos verbais e não-verbais utilizados com a finali- exemplo - é uma estratégia argumentativa na
dade de criar e mudar comportamentos e hábitos. medida em que, em sendo claro, o leitor/ouvinte
H22 - Relacionar, em diferentes textos, opiniões, te- poderá entender, e entendo, poderá concordar
mas, assuntos e recursos linguísticos. com o que está sendo exposto. Portanto, para
H23 - Inferir em um texto quais são os objetivos de conquistar o leitor/ouvinte, quem fala ou escre-
seu produtor e quem é seu público alvo, pela análise ve vai procurar por todos os meios ser claro,
dos procedimentos argumentativos utilizados. isto é, utilizar-se da ESTRATÉGIA da clareza.
H24 - Reconhecer no texto estratégias argumentati- A CLAREZA não é, pois, um argumento, mas é
vas empregadas para o convencimento do público, um meio (estratégia) imprescindível, para obter
tais como a intimidação, sedução, comoção, chanta- adesão das mentes, dos espíritos.
gem, entre outras. b. O emprego da LINGUAGEM CULTA FORMAL
deve ser visto como algo muito es-tra-té-gi-co
A ARGUMENTAÇÃO em muitos tipos de texto. Com tal emprego,
1. O texto argumentativo - COMUNICAR não signi- afirmamos nossa autoridade (= “Eu sei escre-
fica apenas enviar uma mensagem e fazer com que ver. Eu domino a língua! Eu sou culto!”) e com
nosso ouvinte/leitor a receba e a compreenda. Dito de isso reforçamos, damos maior credibilidade ao
uma forma melhor, podemos dizer que nós nos vale- nosso texto. Imagine, estão, um advogado es-
mos da linguagem não apenas para transmitir ideias, crevendo mal ... (“Ele não sabe nem escrever!
informações. São muito frequentes as vezes em que Seus conhecimentos jurídicos também devem
tomamos a palavra para fazer com que nosso ouvinte/ ser precários!”). Em outros contextos, o em-
leitor aceite o que estamos expressando (e não ape- prego da LINGUAGEM FORMAL e até mesmo
nas compreenda); que creia ou faça o que está sendo POPULAR poderá ser estratégico, pois, com
dito ou proposto. isso, consegue-se mais facilmente atingir o ou-
Comunicar não é, pois, apenas um fazer sa- vinte/leitor de classes menos favorecidas.
ber, mas também um fazer crer, um fazer fazer. Nes- c. O TÍTULO ou o INÍCIO do texto (escrito/falado)
se sentido, a língua não é apenas um instrumento de devem ser utilizados como estratégias ... como
comunicação; ela é também um instrumento de ação estratégia para captar a atenção do ouvinte/lei-
sobre os espíritos, isto é, uma estratégia que visa a tor imediatamente. De nada valem nossos ar-
convencer, a persuadir, a aceitar, a fazer crer, a mudar gumentos se não são ouvidos/lidos. A utilização
de opinião, a levar a uma determinada ação. Assim de vários argumentos, sua disposição ao longo
sendo, talvez não se caracterizaria em exagero afir- do texto, o ataque às fontes adversárias, as an-
marmos que falar e escrever é argumentar. tecipações ou prolepses (quando o escritor/ora-
TEXTO ARGUMENTATIVO é o texto em que dor prevê a argumentação do adversário e res-
defendemos uma idéia, opinião ou ponto de vista, ponde-a), a qualificação das fontes, a utilização
uma tese, procurando (por todos os meios) fazer com da ironia, da linguagem agressiva, da repetição,
que nosso ouvinte/leitor aceite-a, creia nela. Num tex- das perguntas retóricas, das exclamações, etc.
to argumentativo, distinguem-se três componentes: a são alguns outros exemplos de estratégias.
tese, os argumentos e as estratégias argumentativas.
TESE, ou proposição, é a ideia que defen- 2. A estrutura de um texto argumentativo
demos, necessariamente polêmica, pois a argumen- 2.1 A argumentação formal - A nomenclatura é de
tação implica divergência de opinião. A palavra AR- Othon Garcia, em sua obra “Comunicação em Prosa
GUMENTO tem uma origem curiosa: vem do latim Moderna”. O autor, na mencionada obra, apresenta
ARGUMENTUM, que tem o tema ARGU, cujo sentido o seguinte plano-padrão para o que chama de argu-
primeiro é “fazer brilhar”, “iluminar”, a mesma raiz de mentação formal:
“argênteo”, “argúcia”, “arguto”. Os argumentos de um 1. Proposição (tese): afirmativa suficientemente
texto são facilmente localizados: identificada a tese, definida e limitada; não deve conter em si mes-
faz-se a pergunta por quê? (Ex.: o autor é contra a ma nenhum argumento.
pena de morte (tese). Porque ... (argumentos). As ES- 2. Análise da proposição ou tese: definição do
TRATÉGIAS não se confundem com os ARGUMEN- sentido da proposição ou de alguns de seus
TOS. Esses, como se disse, respondem à pergunta termos, a fim de evitar mal-entendidos.
por quê (o autor defende uma tese tal PORQUE ... - e 3. Formulação de argumentos: fatos, exemplos,
aí vêm os argumentos). ESTRATÉGIAS argumentati- dados estatísticos, testemunhos, etc.
vas são todos os recursos (verbais e não-verbais) uti- 4. Conclusão.
lizados para envolver o leitor/ouvinte, para impressio-
ná-lo, para convencê-lo melhor, para persuadi-lo mais

5
FUNÇÕES DE LINGUAGEM

2.2 A argumentação informal - A nomenclatura tam- humana nas eras mais primitivas foram traduzidas por
bém é de Othon Garcia, na obra já referida. A argu- sons que expressavam sentimentos de dor, alegria ou
mentação informal apresenta os seguintes estágios: espanto. Mais tarde, as pinturas rupestres surgiram
1. Citação da tese adversária como primeiros vestígios de tentativa de preservação
2. Argumentos da tese adversária de uma era...
3. Introdução da tese a ser defendida
4. Argumentos da tese a ser defendida 5 - Citação: textual e comentada.
5. Conclusão Exemplo:
Textual: “O escravo brasileiro, literalmente fa-
lando, só tem uma coisa: a morte.” Joaquim Nabuco,
A ESTRUTURA DISSERTATIVA

grande teórico do movimento abolicionista brasileiro.


TESE ARGUMENTAÇÃO CONCLUSÃO Nabuco revela uma das características que o pensa-
mento antiescravista apresenta: a nota de comisera-
ção pelo escravo.
1º parágrafo 2º, 3º e 4º parágrafos 5º parágrafo
5 a 6 linhas 5 a 6 linhas cada um 5 a 6 linhas

OBS.: Estrutura válida para um texto dissertativo-ar- Comentada: O teórico Joaquim Nabuco, em
gumentativo de, no mínimo, 25 linhas, sem contar o sua comiseração pelo escravo brasileiro, disse que
título. este só tem a própria morte. O movimento brasileiro
A Tese de uma dissertação deve ser clara, ob- antiescravista, quando já fortalecido, deixou bem clara
jetiva e concisa, preferencialmente. Esta precisa ser essa pungente acusação nas palavras dos abolicio-
discutida, argumentada e concluída. Seguem exem- nistas.
plos de teses, visto que uma das reclamações dos
alunos é sempre esta: 6 - Pergunta ou uma sequência de perguntas:
“ – Professora, eu não sei começar!” Exemplo:
Assim, os exemplos ajudarão a resolver esse Os pensadores do século XIX propuseram
impasse, dando inúmeras possibilidades ao aluno. nos termos da época as questões que, apesar de toda
Vale lembrar que na tese deve sempre estar presente a posterior realidade, continuam a intrigar os críticos
a palavra-chave do tema proposto. sociais: como funciona a mente de um político? Quais
são os fatores imponderáveis que o levam a agir desta
MODELOS DE TESE ou daquela maneira?
1 - Cena descritiva:
Exemplo: 7 - Definição:
O som invade a cidade. Buzinas estridentes Exemplo
atordoam os passantes. Edifícios altíssimos cobrem O envelhecimento é um processo evolutivo
os céus cinzentos da metrópole. Uma fumaça densa que depende dos fatores hereditários, do ambiente e
e ameaçadora empresta a São Paulo o aspecto de da idade, embora ainda não tenham sido descobertas
fotografias antigas sombreadas pela cor do tempo. É as causa precisas que o determinam em toda a sua
a paisagem tristonha da poluição. amplitude e diversidade.

2 - Uma frase declarativa ou afirmação: 8 - Linguagem figurada:


Exemplo: Exemplo:
O artista contemporâneo, diante de um mun- Os meios de comunicação, com sua velocida-
do complexo e agitado, tem por missão traduzir o mais de estonteante de informação, fazem de cada homem
fielmente possível essa realidade. Mesmo que pare- um condômino do mundo. De repente, todos ficaram
ça impossível impedir que o subjetivismo esteja pre- sabendo quase tudo, sem tempo para digerir 90% das
sente, deve-se despir de opiniões já estabelecidas de informações que recebem; é uma ilha cercada de co-
pré-julgamentos ou preconceitos, a fim de que essa municações por todos os lados.
tradução seja fidedigna.
9 - Ideias contrastantes ou ponto de vista oposto:
3 - Frases ou expressões nominais: Exemplo:
Exemplo: Enquanto muitos políticos brasileiros praticam
Baixos salários. Médicos descontentes. En- a corrupção ao desviarem altíssimas somas em di-
fermagem pouco qualificada. Falta de medicamentos. nheiro do tesouro público, cerca de 30% da população
Desvio de verbas. Hospitais insuficientes e mal apa- sobrevive com menos de um salário mínimo. E para
relhados. Atendimento precário. Esse é o retrato da agravar, ainda temos episódios inaceitáveis como a
saúde pública brasileira. proposta de aumento do salário dos deputados de R$
12.000,00 para R$ 21.000,00!!
4 - Resgate histórico ou dados retrospectivos:
Exemplo:
As primeiras manifestações de comunicação

6
FUNÇÕES DE LINGUAGEM

10 - Comparação: Não se pode negar que ela evoluiu e transformou-se


Exemplo: na maior representante da mídia, mas, em contraparti-
A era da informática veio aprofundar os abis- da, esqueceu-se de educar, informando relativamente
mos do país: de um lado, assistimos ao avanço tecno- e entretendo de maneira discutível.
lógico desfrutado por cerca de 2% da população; de
outro, assistimos à crescente marginalização da maio- Argumentação por constatação - Para além daquilo
ria que sequer consegue alfabetizar-se minimamente. que a televisão exibe, deve-se levar em conta também
seu papel social. Quem há não renunciou um encon-
11 - Contestação ou confirmação de uma citação: tro com amigou ou a um passeio com a família para
Exemplo: não perder a novela ou a participação de algum artista
O computador liberta, afirmou Nicholas Ne- num programa de auditório? Ao que tudo indica, mui-
groponte, o pioneiro da era digital. Contudo, o modo tos têm elegido a tevê como companhia favorita.
como a informática vem se impondo parece angustiar
o homem, gerando ansiedade que, longe de libertar, Argumentação por comparação - Enquanto países
escraviza. com Inglaterra e Canadá têm leia que protegem as
crianças da exposição ao sexo e à violência na televi-
12 - Declaração surpreendente: são, no Brasil não há nenhum controle efetivo sobre a
Exemplo: programação. Não é de surpreender que muitos bra-
Jamais houve cinema silencioso. A projeção sileiros estejam defendendo alguma forma de censura
das fitas mudas era acompanhada por música de pia- sobre a TV aberta.
no ou pequena orquestra. No Japão e outras partes
do mundo, popularizou-se a figura do narrador ou co- Argumentação por testemunho - Conforme citado
mentador de imagens, que explicava a história ao pú- pelo jornalista Nelson Hoineff, “o que a televisão tem
blico. Muitos filmes, desde os primórdios do cinema, de mais fascinante para quem a faz é justamente o
comportavam música e ruídos especialmente com- que ela tem de mais nocivo para quem a vê: sua ca-
postos. pacidade aparentemente infinita de massificação”. De
fato, mais de 80% da população brasileira tem esse
A ARGUMENTAÇÃO - O desenvolvimento é a parte veículo como principal fonte de informação e referên-
mais extensa do texto dissertativo. Compreende os cia.
argumentos (evidências, exemplos, justificativas etc.)
que dão sustentação à tese - ideia central apresenta- A CONCLUSÃO DO TEXTO DISSERTATIVO
da no primeiro parágrafo. O conteúdo dos parágrafos Quando elaboramos uma dissertação, temos
de desenvolvimento deve obedecer a uma progres- sempre um objetivo definido: defender uma ideia,
são: repetir ideias mudando apenas as palavras resul- um ponto de vista. Para tanto, formulamos uma tese
ta em redundância. É preciso encadear os enuncia- interessante, que será desenvolvida com eficientes
dos de maneira que se completem (cada enunciado argumentos, até atingir a última etapa da estrutura
acrescentará informações novas ao anterior). Deve- dissertativa: a conclusão. Assim, as ideias devem
-se também evitar a reprodução de clichês, fórmulas estar articuladas numa sequência que conduza logi-
prontas e frases feitas - recursos que enfraqueçam a camente ao final do texto. Não há um modelo único
argumentação. Cabe lembrar, ainda, que a adequada de conclusão. Cada texto pede um determinado tipo
utilização de seu repertório cultural será determinante de fechamento, a depender do tema, bem como do
para diversificar e enriquecer seus argumentos. Ob- enfoque escolhido pelo autor. Em textos com teor
serve alguns exemplos de argumentação: informativo, por exemplo, caberá a conclusão que
condense as ideias consideradas. Já no caso de tex-
Tema: Televisão - tos cujo conteúdo seja polêmico, questionador, será
Argumentação por exemplificação - Já foi criada apropriada uma conclusão que proponha soluções ou
até uma campanha - “Quem financia a baixaria é con- trace perspectivas para o tema discutido. Observe al-
tra a cidadania” - para que sejam divulgados os no- guns dos procedimentos adequados para se concluir
mes das empresas que anunciam nos programas que um texto dissertativo:
mais recebem denúncias de desrespeito aos direitos Síntese da discussão - apropriada para textos expo-
humanos. O mais importante nessa iniciativa é que sitivos, limita-se a condensar as ideias defendidas ao
a participação da sociedade, que pode abandonar a longo da explanação.
passividade e interferir na qualidade da programação Retomada da tese - é a confirmação da ideia cen-
que chega às casas dos brasileiros. tral. Reforça a posição apresentada no início do texto.
Deve-se, contudo, evitar a redundância ou mera repe-
Argumentação histórica - Quem assiste à TV hoje tição da tese.
talvez nem imagine que seu compromisso inicial, Proposta(s) de solução - partindo de questões le-
quando chegou ao país, há pouco mais de meio sécu- vantadas na argumentação, consiste na sugestão de
lo, fosse com educação, informação e entretenimento. possíveis soluções para os problemas discutidos.

7
FUNÇÕES DE LINGUAGEM

Com interrogação (retórica) - só deve ser utilizada reflete com exatidão a essência do país que re-
quando trouxer implícita a crítica procedente, que ins- presenta.
tigue a reflexão do leitor. É preciso evitar perguntas c) informar à população sobre a alteração que a
que repassem ao leitor a incumbência de encontrar bandeira oficial do país sofrerá.
respostas que deveriam estar contidas no próprio tex- d) alertar a população para o desmatamento da
to. Mata Atlântica e fazer um apelo para que as
derrubadas acabem.
EXERCÍCIO DE APRENDIZAGEM e) incentivar as campanhas ambientalistas e eco-
MOMENTO ENEM: - Cientistas da Grã-Bretanha lógicas em defesa da Amazônia.
anunciaram ter identificado o primeiro gene humano
relacionado com o desenvolvimento da linguagem, o Textos para as questões 4 e 5
FOXP2. A descoberta pode ajudar os pesquisadores a Texto I - É praticamente impossível imaginarmos nos-
compreender os misteriosos mecanismos do discurso sas vidas sem o plástico. Ele está presente em em-
- que é uma característica exclusiva dos seres huma- balagens de alimentos, bebidas e remédios, além de
nos. O gene pode indicar porque e como as pessoas eletrodomésticos, automóveis etc. Esse uso ocorre
aprendem a se comunicar e a se expressar e porque devido à sua atoxicidade e à inércia, isto é: quando
algumas crianças têm disfunções nessa área. Segun- em contato com outras substâncias, o plástico não as
do o professor Anthony Monaco, do Centro Wellcome contamina; ao contrário, protege o produto embalado.
Trust de Genética Humana, de Oxford, além de aju- Outras duas grandes vantagens garantem o uso dos
dar a diagnosticar desordens de discurso, o estudo plásticos em larga escala: são leves, quase não alte-
do gene vai possibilitar a descoberta de outros genes ram o peso do material embalado, e são 100% reciclá-
com imperfeições. Dessa forma, o prosseguimento veis, fato que, infelizmente, não é aproveitado, visto
das investigações pode levar a descobrir também es- que, em todo o mundo, a percentagem de plástico re-
ses genes associados e, assim, abrir uma possibilida- ciclado, quando comparado ao total produzido, ainda
de de curar todos os males relacionados à linguagem. é irrelevante.
Disponível em: http://www.bbc.co.uk. Acesso em: 4 Revista Mãe Terra. Minuano, ano I, n. 6 (adaptado).
maio 2009 (adaptado).
Texto II - Sacolas plásticas são leves e voam ao vento.
QUESTÃO 01 - Para convencer o leitor da veracidade Por isso, elas entopem esgotos e bueiros, causando
das informações contidas no texto, o autor recorre à enchentes. São encontradas até no estômago de tar-
estratégia de: tarugas marinhas, baleias, focas e golfinhos, mortos
a) citar autoridade especialista no assunto em por sufocamento. Sacolas plásticas descartáveis são
questão. gratuitas para os consumidores, mas têm um custo in-
b) destacar os cientistas da Grã-Bretanha. calculável para o meio ambiente.
c) apresentar citações de diferentes fontes de di- Veja, 8 jul. 2009. Fragmentos de texto publicitário do
vulgação científica. Instituto Akatu pelo Consumo Consciente.
d) detalhar os procedimentos efetuados durante o
processo da pesquisa. QUESTÃO 04 - Na comparação dos textos, observa-
e) elencar as possíveis consequências positivas -se que:
que a descoberta vai trazer. a) o texto I apresenta um alerta a respeito do efeito
da reciclagem de materiais plásticos; o texto II
QUESTÃO 02 - Para convencer o leitor, o anúncio justifica o uso desse material reciclado.
emprega como recurso expressivo, principalmente: b) o texto I tem como objetivo precípuo apresentar
a) as rimas entre Niciga e nicotina. a versatilidade e as vantagens do uso do plás-
b) o uso de metáforas como “força de vontade”. tico na contemporaneidade; o texto II objetiva
c) a repetição enfática de termos semelhantes alertar os consumidores sobre os problemas
como “fácil” e “facilidade”. ambientais decorrentes de embalagens plásti-
d) a utilização dos pronomes de segunda pessoa, cas não recicladas.
que fazem um apelo direto ao leitor. c) o texto I expõe vantagens, sem qualquer res-
e) a informação sobre as consequências do consu- salva, do uso do plástico; o texto II busca con-
mo do cigarro para amedrontar o leitor. vencer o leitor a evitar o uso de embalagens
plásticas.
QUESTÃO 03 - A figura é uma adaptação da bandeira d) o texto I ilustra o posicionamento de fabrican-
nacional. O uso dessa imagem no anúncio tem como tes de embalagens plásticas, mostrando por
principal objetivo. que elas devem ser usadas; o texto II ilustra o
a) mostrar à população que a Mata Atlântica é mais posicionamento de consumidores comuns, que
importante para o país do que a ordem e o pro- buscam praticidade e conforto.
gresso. e) o texto I apresenta um alerta a respeito da pos-
b) criticar a estética da bandeira nacional, que não sibilidade de contaminação de produtos orgâ-

8
FUNÇÕES DE LINGUAGEM

nicos e industrializados decorrente do uso de ferenças dos falares entre indivíduos, pois am-
plástico em suas embalagens; o texto II apre- bos consideram que pessoas de mesmo nível
senta vantagens do consumo de sacolas plásti- sociocultural falam de forma semelhante.
cas: leves, descartáveis e gratuitas. b) à delimitação dialetal no Brasil assemelhar-se
ao que ocorria na România Antiga, pois am-
QUESTÃO 05 - Em contraste com o texto I, no texto bos consideram a variação linguística no Brasil
II são empregadas, predominantemente, estratégias como decorrente de aspectos geográficos.
argumentativas que: c) à variação sociocultural entre brasileiros de dife-
a) atraem o leitor por meio de previsões para o fu- rentes regiões, pois ambos consideram o fator
turo. sociocultural de bastante peso na constituição
b) apelam à emoção do leitor, mencionando a mor- das variedades linguísticas no Brasil.
te de animais. d) à diversidade da língua portuguesa na România
c) orientam o leitor a respeito dos modos de usar Antiga, que até hoje continua a existir, manifes-
conscientemente as sacolas plásticas. tando-se nas variantes linguísticas do portu-
d) intimidam o leitor com as nocivas consequên- guês atual no Brasil.
cias do uso indiscriminado de sacolas plásticas. e) à existência de delimitações dialetais geográ-
e) recorrem à informação, por meio de constata- ficas pouco marcadas no Brasil, embora cada
ções, para convencer o leitor a evitar o uso de um enfatize aspectos diferentes da questão.
sacolas plásticas.
QUESTÃO 09 - O texto exemplifica um gênero textual
QUESTÃO 06 - O texto e a imagem têm por finalidade híbrido entre carta e publicidade oficial. Em seu con-
induzir o leitor a uma mudança de comportamento a teúdo, é possível perceber aspectos relacionados a
partir do(a): gêneros digitais. Considerando-se a função social das
a) consumo de produtos naturais provindos da informações geradas nos sistemas de comunicação e
Amazônia. informação presentes no texto, infere-se que:
b) cuidado na hora de comprar produtos alimentí- a) a utilização do termo download indica restrição
cios. de leitura de informações a respeito de formas
c) verificação da existência do selo de padroniza- de combate à dengue.
ção de produtos industriais. b) a diversidade dos sistemas de comunicação
d) certificação de que o produto foi fabricado de empregados e mencionados reduz a possibili-
acordo com os princípios éticos. dade de acesso às informações a respeito do
e) verificação da garantia de tratamento dos recur- combate à dengue.
sos naturais utilizados em cada produto. c) a utilização do material disponibilizado para do-
wnload no site www.combatadengue.com.br
QUESTÃO 07 - Confrontando-se as opiniões defendi- restringe-se ao receptor da publicidade.
das nos dois textos, conclui-se que: d) a necessidade de atingir públicos distintos se re-
a) ambos os textos tratam da questão do uso da vela por meio da estratégia de disponibilização
língua com o objetivo de criticar a linguagem do de informações empregada pelo emissor.
brasileiro. e) a utilização desse gênero textual compreende,
b) os dois textos defendem a ideia de que o estudo no próprio texto, o detalhamento de informa-
da gramática deve ter o objetivo de ensinar as ções a respeito de formas de combate à den-
regras prescritivas da língua. gue.
c) a questão do português falado no Brasil é abor-
dada nos dois textos, que procuram justificar QUESTÃO 10 - Diante dos recursos argumentativos
como é correto e aceitável o uso coloquial do utilizados, depreende-se que o texto apresentado:
idioma. a) se dirige aos líderes comunitários para tomarem
d) o primeiro texto enaltece o padrão estrito da lín- a iniciativa de combater a dengue.
gua, ao passo que o segundo defende que a b) conclama toda a população a participar das es-
linguagem jornalística deve criar suas próprias tratégias de combate ao mosquito da dengue.
regras gramaticais. c) se dirige aos prefeitos, conclamando-os a organi-
e) o primeiro texto prega a rigidez gramatical no zarem iniciativas de combate à dengue.
uso da língua, enquanto o segundo defende d) tem como objetivo ensinar os procedimentos téc-
uma adequação da língua escrita ao padrão nicos necessários para o combate ao mosquito
atual brasileiro. da dengue.
e) apela ao governo federal, para que dê apoio aos
QUESTÃO 08 - De acordo com as informações pre- governos estaduais e municipais no combate ao
sentes no texto, os pontos de vista de Serafim da Silva mosquito da dengue.
Neto e de Paul Teyssier convergem em relação:
a) à influência dos aspectos socioculturais nas di-

9
FUNÇÕES DE LINGUAGEM

EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Curiosidade. Mente aberta. Vontade de arriscar.


“Para atender às necessidades de todos os cidadãos, E quando o problema parece insolúvel, quando o de-
a CAIXA oferece diversos tipos de conta, adequados safio é muito
a cada perfil de cliente, e garante as melhores tarifas duro, dizer: vamos lá.
sobre os serviços bancários. Está esperando o quê? Soluções de energia para um mundo real.
Vem pra CAIXA você também!” Jornal da ABI. nº 336, dez. de 2008, (adaptado).
http://www.caixa.gov.br/voce/contas/index.asp QUESTÃO 03 - O texto publicitário apresenta a oposi-
QUESTÃO 01 - Os textos, orais ou escritos, buscam ção entre “impossível’’, ‘’impraticável’’, ‘’não’’ e ‘’sim’’,
sempre um efeito sobre o receptor. Pode-se afirmar ‘’sim’’. Essa oposição, usada como um recurso argu-
que, nessa peça publicitária, a principal intenção é: mentativo, tem a função de:
a) informar. b) consultar. a) minimizar a importância da invenção do avião
c) ordenar. d) convencer. por Santos Dumont.
e) proporcionar prazer. b) mencionar os feitos de grandes empreendedo-
res da história do Brasil.
Em Touro Indomável, que a cinemateca lança nesta c) ressaltar a importância do pessimismo para pro-
semana nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, mover transformações.
a dor maior e a violência verdadeira vêm dos demô- d) associar os empreendimentos da empresa pe-
nios de La Motta – que fizeram dele tanto um astro trolífera a feitos históricos.
no ringue como um homem fadado à destruição. Di- e) ironizar os empreendimentos rodoviários de Vis-
rigida como um senso vertiginoso do destino de seu conde de Mauá no Brasil.
personagem, essa obra-prima de Martin Scorcese é
daqueles filmes que falam à perfeição de seu tema Amor é fogo que arde sem se ver;
(o boxe) para então transcendê-lo e tratar do que im- é ferida que dói e não se sente;
porta: aquilo que faz dos seres humanos apenas isso é um contentamento descontente;
mesmo, humanos e tremendamente imperfeitos. é dor que desatina sem doer;
Revista Veja, 18 fev. 2009 (adaptado).
É um não querer mais que bem querer;
QUESTÃO 02 - Ao escolher este gênero textual, o
é solitário andar por entre a gente;
produtor do texto objetivou:
é nunca contentar-se de contente;
a) construir uma apreciação irônica do filme.
é cuidar que se ganha em se perder;
b) evidenciar argumentos contrários ao filme de
Scorcese.
É querer estar preso por vontade;
c) elaborar uma narrativa com descrição de tipos
é servir a quem vence, o vencedor;
literários.
é ter com quem nos mata lealdade.
d) apresentar ao leitor um painel da obra e se posi-
cionar criticamente.
Mas como causar pode seu favor
e) afirmar que o filme transcende o seu objetivo
nos corações humanos amizade,
inicial e, por isso, perde sua qualidade.
se tão contrário a si é o mesmo Amor?
DIGA NÃO AO NÃO
Luís de Camões
Quem disse que alguma coisa é impossível?
Olhe ao redor. O mundo está cheio de coisas que,
QUESTÃO 04 - O poema pode ser considerado como
segundo os pessimistas, nunca teriam acontecido.
um texto:
“Impossível”.
a) argumentativo. b) narrativo.
“Impraticável”.
c) épico. d) de propaganda.
“Não”.
e) teatral.
E ainda assim, sim.
Sim, Santos Dumont foi o primeiro homem a decolar
a bordo de um
Dario vinha apressado, guarda-chuva no braço esquer-
avião, impulsionado por um motor aeronáutico.
do e, assim que dobrou a esquina, diminuiu o passo
Sim, Visconde de Mauá, um dos maiores empreende-
até parar, encostando-se à parede de uma casa. Por
dores do Brasil,
ela escorregando, sentou-se na calçada, ainda úmida
inaugurou a primeira rodovia pavimentada do país.
da chuva, e descansou na pedra o cachimbo. Dois ou
Sim, uma empresa brasileira também inovou no país.
três passantes rodearam-no e indagaram se não se
Abasteceu o primeiro voo comercial brasileiro.
sentia bem. Dario abriu a boca, moveu os lábios, não
Foi a primeira empresa privada a produzir petroléo na
se ouviu resposta. O senhor gordo, de branco, sugeriu
Bacia de Campos.
que devia sofrer de ataque.
Desenvolveu um óleo combustível mais limpo, o OC
Plus. TREVISAN, D. Uma vela para Dario. Cemitério de
O que é necessário para transformar o não em sim? Elefantes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964
(adaptado).

10
FUNÇÕES DA LINGUAGEM

QUESTÃO 05 - No texto, um acontecimento é narrado


em linguagem literária. Esse mesmo fato, se relatado
em versão jornalística, com características de notícia, Disponível em: http://www.uol.com.br. Acesso em: 15
seria identificado em: fev. 2009.
a) Aí, amigão, fui diminuindo o passo e tentei me QUESTÃO 06 - Observe a charge, que satiriza o
apoiar no guarda-chuva... mas não deu. Encos- comportamento dos participantes de uma entrevista
tei na parede e fui escorregando. Foi mal, cara! coletiva por causa do que fazem, do que falam e do
Perdi os sentidos ali mesmo. Um povo que pas- ambiente em que se encontram. Considerando-se os
sava falou comigo e tentou me socorrer. E eu, elementos da charge, conclui-se que ela:
ali, estatelado, sem conseguir falar nada! Cru- a) defende, em teoria, o desmatamento.
zes! Que mal! b) valoriza a transparência pública
b) O representante comercial Dario Ferreira, 43 c) destaca a atuação dos ambientalistas.
anos, não resistiu e caiu na calçada da Rua da d) ironiza o comportamento da imprensa.
Abolição, quase esquina com a Padre Vieira, no e) critica a ineficácia das políticas.
centro da cidade, ontem por volta do meio-dia.
O homem ainda tentou apoiar-se no guarda- Jogar limpo - Argumentar não é ganhar uma discus-
-chuva que trazia, mas não conseguiu. Aos po- são a qualquer preço. Convencer alguém de algo é,
pulares que tentaram socorrê-lo não conseguiu antes de tudo, uma alternativa à prática de ganhar
dar qualquer informação. uma questão no grito ou na violência física – ou não
c) Eu logo vi que podia se tratar de um ataque. física. Não física, dois pontos. Um político que mente
Eu vinha logo atrás. O homem, todo aprumado, descaradamente pode cativar eleitores. Uma publici-
de guarda-chuva no braço e cachimbo na boca, dade que joga baixo pode constranger multidões a
dobrou a esquina e foi diminuindo o passo até consumir um produto danoso ao ambiente. Há mani-
se sentar no chão da calçada. Algumas pesso- pulações psicológicas não só na religião. E é comum
as que passavam pararam para ajudar, mas ele pessoas agirem emocionalmente, porque vítimas de
nem conseguia falar. ardilosa - e cangoteira - sedução. Embora a eficácia a
d) Vítima todo preço não seja argumentar, tampouco se trata de
Idade: entre 40 e 45 anos admitir só verdades científicas – formar opinião ape-
Sexo: masculino nas depois de ver a demonstração e as evidências,
Cor: branca como a ciência faz. Argumentar é matéria da vida coti-
Ocorrência: Encontrado desacordado na Rua diana, uma forma de retórica, mas é um raciocínio que
da Abolição, quase esquina com Padre Viei- tenta convencer sem se tornar mero cálculo manipula-
ra. Ambulância chamada às 12h34min por tivo, e pode ser rigoroso sem ser científico.
homem desconhecido. A caminho.
e) Pronto socorro? Por favor, tem um homem caí- QUESTÃO 07 - No fragmento, opta-se por uma cons-
do na calçada da rua da Abolição, quase esqui- trução linguística bastante diferente em relação aos
na com a Padre Vieira. Ele parece desmaiado. padrões normalmente empregados na escrita. Trata-
Tem um grupo de pessoas em volta dele. Mas -se da frase “Não física, dois pontos”. Nesse contexto,
parece que ninguém aqui pode ajudar. Ele pre- a escolha por se representar por extenso o sinal de
cisa de uma ambulância rápido. Por favor, ve- pontuação que deveria ser utilizado:
nham logo! a) enfatiza a metáfora de que o autor se vale para
desenvolver seu ponto de vista sobre a arte de
argumentar.
b) diz respeito a um recurso de metalinguagem,
evidenciando as relações e as estruturas pre-
sentes no enunciado.
c) é um recurso estilístico que promove satisfato-
riamente a sequenciação de ideias, introduzin-
do apostos exemplificativos.
d) ilustra a flexibilidade na estruturação do gênero
textual, a qual se concretiza no emprego da lin-
guagem conotativa.
e) prejudica a sequência do texto, provocando es-
tranheza no leitor ao não desenvolver explicita-
mente o raciocínio a partir de argumentos.

A gentileza é algo difícil de ser ensinado e vai muito


além da palavra educação. Ela é difícil de ser encon-
trada, generosas e desprendidas, que se interessam

11
FUNÇÕES DA LINGUAGEM

em contribuir para o bem do outro e da sociedade. um esporte, dance. Os exercícios fazem as


É uma atitude desobrigada, que se manifesta nas pessoas se sentirem bem”.
situações cotidianas e das maneiras mais prosaicas. d) “Tente algo novo, matricule-se em um curso [...]
SIMURRO, S. A. B. Ser gentil é ser Escolha um desafio que você vai gostar de per-
saudável. Disponível em: http://www.abqv.org.br. seguir.”
Acesso em: 22 jun. 2006 (adaptado). e) “Fazer parte de uma comunidade traz benefícios
- entre eles relações sociais mais significativas”.
QUESTÃO 08 - No texto, menciona-se que a gentileza
extrapola as regras de boa educação. A argumentação
As imagens seguintes fazem parte de uma campanha
construída:
do Ministério da Saúde contra o tabagismo.
a) apresenta fatos que estabelecem entre si
relações de causa e de consequência.
b) descreve condições para a ocorrência de atitu-
des educadas.
c) indica a finalidade pela qual a gentileza pode ser
praticada.
d) enumera fatos sucessivos em uma relação tem-
poral.
e) mostra oposição e acrescenta ideias.

QUESTÃO 10 - O emprego dos recursos verbais e


não-verbais nesse gênero textual adota como uma
das estratégias persuasivas:
a) evidenciar a inutilidade terapêutica do cigarro.
b) indicar a utilidade do cigarro como pesticida
contra ratos e baratas.
c) apontar para o descaso do Ministério da Saúde
com a população infantil.
d) mostrar a relação direta entre o uso do cigarro e
o aparecimento de problemas no aparelho res-
piratório.
e) indicar que os que mais sofrem as consequên-
cias do tabagismo são os fumantes ativos, ou
seja, aqueles que fazem o uso direto do cigarro.
Disponível em: www.revistaepoca.globo.com. em: 27
fev. 2012.
GABARITO DE APRENDIZAGEM
QUESTÃO 09 - Ao interagirmos socialmente, é co-
mum deixarmos claro nosso posicionamento a res- 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
peito do assunto discutido. Para isso, muitas vezes, A D D B E D E E D C
recorremos a determinadas estratégias argumentati-
vas, dentre as quais se encontra o argumento de au-
toridade. Considerando o texto em suas cinco partes, GABARITO COMPLEMENTARES
constata-se que há o emprego de argumento de auto- 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
ridade no trecho:
a) “Seja curioso, saboreie os momentos da vida e D D D A B E C E B D
tome consciência de como se sente. Refletir so-
bre suas experiências ajuda a descobrir o que
realmente importa”.
b) “As pesquisas mostram que quem tem menos
de três pessoas em sua rede de contatos próxi-
ma [...] tem mais chances de desenvolver uma
doença mental”.
c) “Caminhe ou corra, ande de bicicleta, pratique

12
REDAÇÃO

As cinco Competências da Redação do ENEM 2. Atenção à ortografia e às regras gramaticais.


Em todos os concursos que formos prestar, 3. A estética geral do texto e o respeito ao número
devemos nos atentar para os detalhes que serão co- de linhas.
brados nas provas. No ENEM, isso não é diferente. 4. Ausência de marcas da oralidade.
Como exemplo dessa conduta, no encontro de hoje, 5. Precisão vocabular.
focaremos os elementos que não devem ser esqueci- 6. Colocação das letras maiúsculas e minúsculas.
dos durante o processo de produção da prova de Re- 7. Divisão silábica na mudança de linha (transli-
dação. Um passo inicial, e relevante, é a compreen- neação).
são de cada Competência que avaliará a sua escrita.
Exemplo de parágrafo com erros da Competência I
O ser humano é por excelencia sociável, pois
nasceu para viver em grupo e interagir de forma dina-
mica, a partir de diferentes atos, junto a seus pares.
Desse modo possui direitos e deveres o que o torna
um cidadão em sua plenitude.
 Correção: excelência/ dinâmica/ Desse modo, /
deveres, /
https://www.google.com.br/search?q=imagens+das+c
ompet%C3%AAncias+do+enem&rlz=1C2RNHN_en- COMPETÊNCIA II - Compreender a proposta de re-
BR471BR471 dação e aplicar conceitos das várias áreas de conhe-
cimento para desenvolver o tema, dentro dos limites
GUIA DE REDAÇÃO DO ENEM: ENTENDA AS 5 estruturais do texto dissertativo-argumentativo. A se-
COMPETÊNCIAS - Conhecer as competências co- gunda competência cobrada na Redação do Enem é
bradas pelo Enem na prova de Redação é essencial a compreensão da proposta. Aqui o candidato preci-
para que o candidato consiga obter o melhor desem- sa entender o tema a ser desenvolvido, organizar as
penho e até alcançar a excelência: 1000 pontos (nota ideias e aplicá-las em um texto. Para isso, é preciso
máxima). Com a finalidade de ajudar você a enten- ler o tema com bastante atenção, para conseguir re-
der melhor essas 5 competências, elaboradas para a lacionar outras áreas do conhecimento e provar que
Redação do Enem, focaremos algumas evidências a sabe o que é um texto dissertativo.
seguir.
O que será avaliado?
GUIA DE REDAÇÃO DO ENEM 1. Compressão da proposta: evite ficar preso aos
textos motivadores, não os copie, mas também
não deve ignorá-los.
2. Conhecimento sobre outras áreas, como, por
exemplo, literatura, biologia, cinema, biotecno-
logia, história, entre outras.
3. Se o aluno sabe estruturar uma texto disserta-
tivo.

Exemplo de parágrafo com erros da Competência


II
O Brasil é um país com ótimos habitantes, po-
rém existem muitos brasileiros que são acomodados
Entenda as competências avaliadas na Redação do e só se importam consigo. Essa falta de cidadania e
Enem participação social acaba afetando muito o país, pois
as pessoas não fazem nada para tentar melhorá-lo.
COMPETÊNCIA I - DEMONSTRAR DOMÍNIO DA  Correção: Como se pode perceber, não está claro
NORMA CULTA DA LÍNGUA ESCRITA - A primeira de qual tema específico o produtor do texto está par-
competência cobrada é o domínio da gramática e a tindo. A linguagem é coloquial, redundante e confusa.
estética textual. O candidato deve conhecer o uso da Observe que o fato de o país ter “ótimos” habitantes
norma padrão da língua portuguesa e as suas aplica- não tem relação de sentido com a afirmação de que
ções. Serão observados os conhecimentos sobre to- eles são acomodados e egocêntricos. O termo “nada”
das as regras gramaticais, levando em consideração se configura como ideia genérica.
critérios relacionados à ortografia, regência, concor- Em suma, o parágrafo está vago, com cons-
dância e semântica. truções soltas e pouco convincentes. Logo, está
claro que não houve domínio do assunto proposto e
O que será avaliado? a sequência de ideias, a partir de uma afirmação, é
1. Diferença entre a modalidade oral e escrita. trabalhada a partir de argumentos inconsistentes.

13
REDAÇÃO

as ideias de causa-consequência, contradição,


COMPETÊNCIA III – Selecionar, relacionar, organizar temporalidade, comparação, conclusão, entre
e interpretar informações, fatos, opiniões e argumen- outras.
tos em defesa de um ponto de vista. Na terceira com- 3. Use de referências: Os lugares, pessoas, coi-
petência é cobrado se a argumentação do candidato é sas, dados, informações e fatos quem são in-
feita com base em fatos concretos para defender seu troduzidos devem ser retomados, á medida que
ponto de vista. Tudo que será escrito na Redação do o texto vai progredindo. Referências podem ser
Enem precisa estar fundamentado em algo verdadei- expressas por meio de pronomes, advérbios, e
ramente comprovado e real. O aluno pode usar da- artigos.
dos estatísticos, analogias, metáforas (comparações),
fatores com causa e consequência, enumerações e Exemplo de parágrafo com erros da Competência
citações. IV
Os cidadãos devem sempre visar ao aprimo-
O que será avaliado? ramento da sociedade em que vivem, pois eles são
1. Progressão qualitativa (relação de sentido entre partem dela. O direito de participação social torna-se
as partes do texto). um dever, pois a escolha que um cidadão toma afeta-
2. Ordem lógica entre as ideias apresentadas. rá outros e vice-versa. As pessoas que não possuem
3. Coerência: adequação entre o conteúdo do tex- o direito de intervir socialmente são chamadas “mar-
to e o mundo real. ginais”. Elas são inferiores (no meio social) aos cida-
4. Encadeamento de ideias: cada parágrafo apre- dãos, devido a sua exclusão social.
sente informações novas, coerentes com o que  Correção: Claramente, não há um elemento de co-
foi apresentado anteriormente, sem repetições nexão entre o fim da primeira ideia do parágrafo (após
ou saltos temáticos. a palavra “dela”) e o termo que dá início à outra frase
(“O direito”). Falta, nesse caso, um termo de entro-
Exemplo de parágrafo com erros da Competência samento para dar uma continuidade entre as ideias
III trabalhadas. Caberia bem o conetivo “Assim.” Tam-
De fato, muitos brasileiros são acomodados bém a segunda unidade paragráfica, ao ser iniciada,
e só querem exigir seus direitos e não querem cum- carece de um elo para dar continuidade ao que foi dito
prir os seus deveres. Outro ponto é que a maioria das anteriormente. Deixamos a sugestão “Em verdade”.
pessoas não segue o real conceito de cidadão, pois Então, o uso adequado de termos com a finalidade de
eles não respeitam e afundam o próximo. manter uma conexão com tudo aquilo que já foi dito é
 Correção: Como se pode perceber, o conteúdo essencial para a dinâmica da sequenciação das ideias
deste parágrafo se limita a dizer, praticamente, as do texto.
mesmas coisas que já foram citadas. A mudança de
uma ideia para a outra, após o uso do ponto final, é COMPETÊNCIA V - Elaborar proposta de solução
precária, tendo em vista que não há o desdobramento para o problema abordado, mostrando respeito aos
das afirmações de que os brasileiros exigem seus di- valores humanos e considerando a diversidade socio-
reitos, mas não cumpre os seus deveres. Caberia um cultural. A competência cinco é, na opinião de muitos
exemplo ou outra estratégia de argumentação. professores, a mais importante, pois a elaboração de
uma solução do problema proposto é a mais criteriosa
COMPETÊNCIA IV - Demonstrar conhecimento dos entre os corretores e onde os alunos possuem mais
mecanismos linguísticos necessários para a constru- dificuldade. O candidato deve ter levantado alguns as-
ção da argumentação. Nessa competência, será ava- pectos voltados para uma problemática, para um fato
liado se o candidato sabe escrever um texto coeso. passível de ser solucionado. Ao concluir o texto, você
Como na redação do Enem é exigido um texto dis- deve apresentar uma solução para o que foi discuti-
sertativo-argumentativo, as ideias precisam, além de do ao longo da redação.
ser sólidas, estar bem articuladas e organizadas por A proposta de intervenção deve ser detalhada de
meios de parágrafos bem elaborados. A utilização de modo a permitir ao leitor o julgamento sobre sua exe-
conectores deve ser explícita, ligando os argumentos quibilidade, portanto, deve conter a exposição da in-
e parágrafos, evitando repetições. tervenção sugerida e o detalhamento dos meios para
O que será avaliado? realizá-la. Além disso, é preciso considerar os pontos
1. Estruturação dos parágrafos: Em um texto dis- abordados durante o desenvolvimento do texto e me-
sertativo-argumentativo, o parágrafo é formado ter coerência com os argumentos utilizados, já que
por uma ideia principal à qual se ligam as ideias expressa a sua visão, como autor, das possíveis solu-
secundárias. ções para a questão discutida.
2. Estruturação dos períodos: Os períodos de um O que será avaliado?
texto dissertativo são, normalmente, estrutu- 1. Presença de proposta.
rados de modo complexo, formados por duas 2. Detalhamento dos meios para realização da so-
ou mais orações, para que se possa expressar lução proposta.

14
REDAÇÃO

3. Possibilidade de ser executada: A solução que Proposta II - Os textos abaixo são elementos me-
eu apresento é viável? ramente motivadores para você desenvolver o seu.
4. Respeito aos Direitos Humanos: A interven- Leia-os atentamente e, em seguida, produza texto
ção não pode ferir valores como cidadania, li- dissertativo-argumentativo em língua padrão. Use os
berdade, solidariedade e diversidade cultural. seus conhecimentos de mundo e as suas experiên-
cias acumuladas ao longo de sua formação. Parta do
Exemplo de parágrafo com erros da Competência seguinte tema:
V A insegurança do usuário a partir de cyberata-
Portanto, deve-se considerar a participação ques na Internet
social dos marginalizados, pois eles também com- Escreva seu texto com caneta preta e evite
põem a sociedade. Também é benéfico promover apontar qualquer expressão que denote preconceito
debates entre cidadãos a respeito de sua atuação no ou que fira os direitos humanos.
governo e estimular a reflexão sobre as atitudes toma-
das em relação à sociedade, de modo geral. Texto I - Empresas de ao menos 74 países, incluin-
 Correção: De acordo com o que o ENEM solicita do o Brasil, foram alvos de um cyberataque em “lar-
para essa parte do texto, o exemplo anterior não aten- ga escala” na sexta-feira, de 12 de maio de 2017. Os
de. Não há clareza quem fará a ação de tentar resol- ataques atingiram hospitais públicos na Inglaterra,
ver a problemática discutida, o que será feito, muito causaram a interrupção do atendimento do INSS e
menos como será feito. Essas respostas deverão es- afetaram empresas e órgãos públicos de 14 estados
tar presentes ao longo da conclusão, em pelo menos brasileiros mais o Distrito Federal. A extensão do ata-
duas ou três das sugestões da intervenção. que leva especialistas em segurança a acreditar que
https://foconoenem.com/guia-de-redacao-do-enem/ se trate de uma ação coordenada, mas não se sabe,
por enquanto, ainda a autoria.
Propostas para treinamentos
http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/hospitais-publi-
Proposta I - Os textos abaixo são elementos mera-
cos-na-inglaterra-sao-alvo-cyber-ataques-em-larga-
mente motivadores para você desenvolver o seu.
-escala.ghtml
Leia-os atentamente e, em seguida, produza texto
dissertativo-argumentativo em língua padrão. Use os
Texto II
seus conhecimentos de mundo e as suas experiên-
• Ataques usam vírus de resgate (“ransomware”),
cias acumuladas ao longo de sua formação. Parta do
que inutilizam o sistema ou seus dados, até que
seguinte tema:
seja paga uma quantia em dinheiro. Segundo a
Kaspersky, o vírus se espalha por meio de uma
A situação do indígena no Brasil no século XX
brecha no Windows.
Escreva seu texto com caneta preta e evite
• “The New York Times” diz que ação pode ter
apontar qualquer expressão que denote preconceito
usado ferramenta roubada da NSA, a agência
ou que fira os direitos humanos.
de segurança nacional dos EUA.
Texto I - De acordo com a Fundação Nacional do Ín-
Vírus de resgate
dio (FUNAI), a atual população indígena do Brasil é de
Os ataques usam vírus de resgate (ou “ran-
aproximadamente 818.000 indivíduos, representando
somware”), que inutilizam o sistema ou seus dados,
0,4% da população brasileira. ... Há, contudo, estima-
até que seja paga uma quantia em dinheiro - entre
tivas de que existam 315 mil vivendo fora das terras
US$ 300 e US$ 600 em Bitcoins, diz a Kaspersky. Ou
indígenas, inclusive em áreas urbanas.
seja, eles “sequestram” o acesso aos dados e pedem
www.coladaweb.com/geografia-do-brasil/a-situacao-
uma recompensa.
-atual-dos-indios-do-brasil
A empresa detectou 45 mil ataques, em re-
latório divulgado na tarde desta sexta-feira. A maior
Texto II - Os povos indígenas brasileiros enfrentam
parte foi registrada na Rússia.
atualmente riscos mais graves do que em qualquer
outro momento desde a adoção da Constituição de
1988. “Os desafios enfrentados por muitos povos in-
dígenas do Brasil são enormes. As origens desses
desafios incluem desde a histórica discriminação pro-
fundamente enraizada de natureza estrutural, mani-
festada na atual negligência e negação dos direitos
dos povos indígenas, até os desdobramentos mais re-
centes associados às mudanças no cenário político”.
https://nacoesunidas.org/situacao-dos-povos-indige-
nas-no-brasil-e-a-mais-grave-desde-1988-diz-relato-
ra-da-onu/ http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/hospitais-publi-
cos-na-inglaterra-sao-alvo-cyber-ataques-em-larga-
-escala.ghtml
15
MATEMÁTICA
ESTATÍSTICA II

H27 - Calcular medidas de tendência central ou de dis- o mesmo peso. Dizemos então que elas têm o mesmo
persão de um conjunto de dados expressos em uma ta- peso relativo. No entanto, existem casos onde as ocor-
bela de frequências de dados agrupados (não em clas- rências têm importância relativa diferente. Nestes casos,
ses) ou em gráficos. o cálculo da média deve levar em conta esta importância
ESTATÍSTICA : A MATEMÁTICA QUE FAZ PARTE DO NOSSO DIA relativa ou peso relativo. Este tipo de média chama-se
A DIA. média aritmética ponderada. Ponderar é sinônimo de
Sempre que lemos sobre uma pesquisa lá está pesar. No cálculo da média ponderada, multiplicamos
ela: a estatística. Já notou isso? Toda matéria de jornal cada valor do conjunto por seu “peso”, isto é, sua impor-
que fala sobre uma pesquisa realizada fala que os da- tância relativa.
dos fazem parte da estatística. Pois é, ela faz parte do A média aritmética ponderada dos valores x1 , x2 , x3 , ... ,
nosso dia a dia, e muitas vezes nem nos damos conta. xn com pesos respectivamente iguais a p1 , p2 , p3 , ... , pn
Uma pesquisa estatística consiste em um trabalho de
identificação, reunião, tratamento, análise e apresenta- x1.p1 + x 2 .p2 + x 3 .p3 + ... + xn .pn
ção de informações (dados) para satisfazer certa neces- é dada por: Xp =
p1 + p2 + p3 + ... + pn
sidade. Com o advento dos computadores de alta veloci-
dade, grandes volumes de dados podem ser obtidos nas 3. MODA - Mo
mais diferentes áreas - o genoma humano é um exemplo É o valor que ocorre com maior freqüência absoluta em
- e, assim, pesquisas estatísticas são realizadas com os uma série de valores.
mais diversos objetivos, em áreas tão diversas quanto A moda é facilmente reconhecida: basta, de acordo com
ciências médicas e biológicas, engenharias, ciências so- definição, procurar o valor que mais se repete.
ciais e econômicas, turismo, esporte, e outros. Ex: Na série {7 , 8 , 9 , 10 , 10 , 10 , 11 , 12} a moda é
igual a 10.
Há séries nas quais não exista valor modal, isto é, nas
quais nenhum valor apareça mais vezes que outros.
Ex: {3 , 5 , 8 , 10 , 12} não apresenta moda. A série é
amodal.
Em outros casos, pode haver dois ou mais valores de
concentração. Dizemos, então, que a série tem dois ou
mais valores modais.
Ex: {2 , 3 , 4 , 4 , 4 , 5 , 6 , 7 , 7 , 7 , 8 , 9} apresenta
duas modas: 4 e 7. A série é bimodal.
Obs: A moda é utilizada quando desejamos obter uma
medida rápida e aproximada de posição ou quando a
A média, a moda e a mediana são denominadas medi- medida de posição deva ser o valor mais típico da dis-
das de tendência central (ou medidas de posição) de um tribuição. Já a média aritmética é a medida de posição
conjunto de dados, pois servem para “resumir”, em ape- que possui a maior estabilidade.
nas uma informação, a característica desse conjunto de
dados (verifica-se uma tendência dos dados observados 4. MEDIANA - Md
a se agruparem em torno dos valores centrais). A mediana de um conjunto de valores, dispostos se-
gundo uma ordem ( crescente ou decrescente), é o valor
1. MÉDIA ARITMÉTICA situado de tal forma no conjunto que o separa em dois
A média aritmética dos valores x1 , x2 , x3 , ... , xn é o quo- subconjuntos de mesmo número de elementos.
ciente entre a soma desses valores e o número Dada uma série de valores como, por exemplo: {5, 2, 6,
total (n)
x + x 2 + x 3 + ... + xn
de valores, isto é: X = 1 13, 9, 15, 10}, de acordo com a definição de mediana, o
n primeiro passo a ser dado é o da ordenação (crescente
ou decrescente) dos valores: {2, 5, 6, 9, 10, 13, 15}
Propriedades da média aritmética O valor que divide a série acima em duas partes iguais é
1ª propriedade: A soma algébrica dos desvios em rela- igual a 9, logo a Md = 9.
ção à média é nula. .
2ª propriedade: Somando-se (ou subtraindo-se) uma Método prático para o cálculo da Mediana:
constante (c) a todos os valores de uma variável, a mé- 1. Se a série da série {1, 3, 0, 0, 2, 4, 1, 2, 5}
dia do conjunto fica aumentada (ou diminuída) dessa Inicialmente, devemos ordenar a série {0, 0, 1, 1, 2, 2, 3,
constante. 4, 5}. Como a série apresenta 9 termos, o valor mediano
3ª propriedade: Multiplicando-se (ou dividindo-se) todos será 5º elemento da série ordenada, isto é; Md = 2 .
os valores de uma variável por uma constante (c), a mé-
dia do conjunto fica multiplicada (ou dividida) por essa 2. Se a série dada tiver número par de termos: Neste
constante. caso, não existe um valor central, mas dois valores cen-
2. MÉDIA ARITMÉTICA PONDERADA trais. Portanto o valor mediano será a média aritmética
Nos cálculos envolvendo média aritmética simples, todas dos dois valores centrais.
as ocorrências têm exatamente a mesma importância ou Ex: Calcule a mediana da série {1, 3, 0, 0, 2, 4, 1, 3, 5, 6}

16
ESTATÍSTICA II

Inicialmente, devemos ordenar a série {0, 0, 1, 1, 2, 3, 3, 1. DESVIO MÉDIO


4, 5, 6}. Como a série apresenta 10 termos, os valores É a média aritmética dos valores absolutos dos des-
centrais são o 5º e o 6º, ou seja: 2 e 3. Logo, o valor vios tomados em relação a média.
2. VARIÂNCIA
2+3 É o valor que corresponde à média aritmética dos
Md
mediano será igual a= = 2,5
2 quadrados dos desvios em relação à média, isto é:
2

( )
n
Obs1: Quando o número de elementos da série estatís-
tica for ímpar, haverá coincidência da mediana com um ∑ fi xi − x
V= i =1
dos elementos da série. n

Obs2: Quando o número de elementos da série estatís- ∑f


i =1
i

tica for par, nunca haverá coincidência da mediana com


um dos elementos da série. A mediana será sempre a 3. DESVIO PADRÃO
média aritmética dos 2 elementos centrais da série. É a raiz quadrada da variância, isto é: σ = V
Obs3: Em uma série a mediana, a média e a moda não
têm, necessariamente, o mesmo valor.
Obs4: A mediana, depende da posição e não dos va- EXERCÍCIO DE APRENDIZAGEM
lores dos elementos na série ordenada. Essa é uma da QUESTÃO 01 (ENEM 2014) - Um pesquisador está rea-
diferenças marcantes entre mediana e média ( que se lizando várias séries de experimentos com alguns rea-
deixa influenciar, e muito, pelos valores extremos). gentes para verificar qual o mais adequado para a pro-
Vejamos: dução de um determinado produto. Cada série consiste
Em {5, 7, 10, 13, 15} a média = 10 e a mediana = 10 em avaliar um dado reagente em cinco experimentos
Em {5, 7, 10, 13, 65} a média = 20 e a mediana = 10 diferentes. O pesquisador está especialmente interessa-
Isto é, a média do segundo conjunto de valores é maior do naquele reagente que apresentar a maior quantidade
do que a do primeiro, por influência dos valores extre- dos resultados de seus experimentos acima da média
mos, ao passo que a mediana permanece a mesma. encontrada para aquele reagente. Após a realização de
cinco séries de experimentos, o pesquisador encontrou
MEDIDAS DE DISPERSÃO - As medidas de posição os seguintes resultados:
(média, mediana, moda…) descrevem apenas uma das REA- REA- REA- REA- REA-
características dos valores numéricos de um conjunto de GEN- GEN- GEN- GEN- GEN-
observações, o da tendência central. Porém, nenhuma TE 1 TE 2 TE 3 TE 4 TE 5
delas informa sobre o grau de variação ou dispersão EXPERIMEN-
1 0 2 2 1
dos valores observados. Em qualquer grupo de dados TO 1
os valores numéricos não são semelhantes e apresen- EXPERIMEN-
6 6 3 4 2
tam desvios variáveis em relação a tendência geral de TO 2
média. As medidas de dispersão servem para avaliar o EXPERIMEN-
6 7 8 7 9
quanto os dados distam do valor central. Desse jeito, as TO 3
medidas de dispersão servem também para avaliar qual EXPERIMEN-
6 6 10 8 10
o grau de representação da média. É fácil demonstrar TO 4
que apenas a média é insuficiente para descrever um EXPERIMEN-
11 5 11 12 11
grupo de dados. Três grupos podem ter a mesma média, TO 5
mas serem muito diferentes na amplitude de variação de Levando-se em consideração os experimentos feitos, o
seus dados. Por exemplo: reagente que atende às expectativas do pesquisador é o:
Consideremos os seguintes conjuntos de valores das va- a) 1 b) 2
riáveis X, Y e Z: c) 3 d) 4 e) 5
X = { 70, 70, 70, 70, 70 }
Y = { 68, 69, 70 ,71 ,72 } QUESTÃO 02 (ENEM 2015) - Um concurso e composto
Z = { 5, 15, 50, 120, 160 } por cinco etapas. Cada etapa vale 100 pontos. A pontua-
Observe que os três conjuntos apresentam a mesma ção final de cada candidato e a média de suas notas nas
média aritmética ( X = 70 ). Entretanto, é fácil notar que cinco etapas. A classificação obedece a ordem decres-
o conjunto X é mais homogêneo que os conjuntos Y e Z, cente das pontuações finais. O critério de desempate ba-
já que todos os valores são iguais à média. O conjunto Y, seia-se na maior pontuação na quinta etapa.
por sua vez, é mais homogêneo que o conjunto Z, pois
Média nas quatro Pontuação na quinta
há menor diversificação entre cada um de seus valores e Candidato
primeiras etapas etapa
a média representativa. Concluímos então que o conjun-
A 90 60
to X apresenta dispersão nula e que o conjunto Y apre-
senta uma dispersão menor que o conjunto Z. B 85 85
Estudaremos agora, três medidas de dispersão: desvio C 80 95
médio, variância e desvio padrão. D 60 90
E 60 100

17
ESTATÍSTICA II

A ordem de classificação final desse concurso e: A mediana dos tempos apresentados no quadro e:
a) A, B, C, E, D. b) B, A, C, E, D. a) 20,70 b) 20,77
c) C, B, E,A, D. d) C, B, E, D, A. c) 20,80 d) 20,85 e) 20,90
e) E, C, D, B, A.
QUESTÃO 07 (ENEM 2009) - Na tabela, são apresenta-
QUESTÃO 03 - Em um treinamento de salto em distân- dos dados da cotação mensal do ovo extra branco ven-
cia um atleta conseguiu, em seus três saltos, os seguin- dido no atacado, em Fortaleza, em reais, por caixa de 30
tes resultados: dúzias de ovos, em alguns meses dos anos 2010 e 2011.
MÉDIA ARITMÉTICA DOS ALCANCES Mês Cotação Ano
SALTOS (EM METROS ) Outubro R$ 83,00 2010
1º e 2º 7,75 Novembro R$ 73,10 2010
1º e 3º 8,25 Dezembro R$ 81,60 2010
2º e 3º 8,00 Janeiro R$ 82,00 2011
A média aritmética dos alcances, em metros, dos três Fevereiro R$ 85,30 2011
saltos foi de: Março R$ 84,00 2011
a) 7,75 b) 7,85 Abril R$ 84,60 2011
c) 7,95 d) 8,00 e) 8,15 De acordo com esses dados, o valor da mediana das
cotações mensais do ovo extra branco nesse período era
QUESTÃO 04 - Na viagem de ida para sua casa de igual a:
praia, Fábio notou que a velocidade média foi de a) R$ 83,00 b) R$ 82,00
90km/h. Utilizando o mesmo trajeto da ida, na viagem c) R$ 81,60 d) R$ 73,10 e) R$ 85,30
de volta à sua residência na cidade, a velocidade média
foi de 45Km/h. Considerando, então, a ida e a volta, a QUESTÃO 08 - O gráfico abaixo mostra o tempo de vo-
velocidade média da viagem foi de: tação de cada um dos doze primeiros eleitores a votarem
a) 67,5Km/h b) 65Km/h no segundo turno das eleições para prefeito do município
c) 63,4Km/h d) 61,5Km/h e) 60Km/h de fortaleza em uma determinada seção eleitoral.

QUESTÃO 05 (ENEM 2014) - Ao final de uma compe-


tição de ciências em uma escola, restaram apenas três
candidatos. De acordo com as regras, o vencedor será
o candidato que obtiver a maior média ponderada entre
as notas das provas finais nas disciplinas química e físi-
ca, considerando, respectivamente, os pesos 4 e 6 para
elas. As notas são sempre números inteiros. Por ques-
tões médicas, o candidato II ainda não fez a prova final Para fazer uma estimativa de quanto tempo um eleitor
de química. No dia em que sua avaliação for aplicada, gasta na votação, o mesário decide utilizar a mediana
as notas dos outros dois candidatos, em ambas as disci- dos dados para fazer seus cálculos. A mediana dos da-
plinas, já terão sido divulgadas. O quadro apresenta as dos apresentados é:
notas obtidas pelos finalistas nas provas finais. a) 14 segundos b) 16 segundos
CANDIDATO QUÍMICA FÍSICA c) 17 segundos d) 18 segundos
e) 20 segundos
I 20 23
TEXTO PARA AS QUESTÕES 09 E 10.
II X 25 Em um treinamento de salto em altura, os atletas A e B
III 21 18 realizaram 4 saltos cada um. Observe as marcas obtidas
A menor nota que o candidato II deverá obter na prova pelos atletas e responda corretamente às perguntas:
final de química para vencer a competição é: ATLETA SALTO 1 SALTO 2 SALTO 3 SALTO 4
a) 18 b) 19 A 144cm 151cm 149cm 152cm
c) 22 d) 25 e) 26 B 146cm 151cm 143cm 160cm

QUESTÃO 06 - Em uma seletiva para a final dos 100 QUESTÃO 09 - Os desvios padrões das marcas obtidas
metros livres de natação, numa olimpíada, os atletas, em pelos atletas A e B, no conjunto dos 4 saltos, foram res-
suas respectivas raias, obtiveram os seguintes tempos: pectivamente iguais a:
Raia

1 2 3 4 5 6 7 8 a) 9,5 e 12,2 b) 12,2 e 9,8


c) 9,5 e 41,5 d) 12,2 e 9,5
(segundo)
Tempo

20,90 20,90 20,50 20,80 20,60 20,60 20,90 20,96


e) 8,4 e 41,5

18
ESTATÍSTICA II

QUESTÃO 10. Para uma competição nacional de atle- dos 50 motoristas. O número de infrações cometidas por
tismo, a confederação local deverá indicar o atleta de esses motoristas, nos últimos cinco anos, produziu a se-
melhor desempenho no conjunto de saltos. Com base guinte tabela:
nos resultados obtidos, qual dos atletas deverá ser esco- no de infrações no de motoristas
lhido?
de 1 a 3 7
a) Não é possível definir o atleta de melhor desem-
penho no conjunto de saltos pois ambos tiveram de 4 a 6 10
a mesma média. de 7 a 9 15
b) B, pois ele apresenta a maior média. de 10 a 12 13
c) B, pois ele apresenta o maior desvio padrão.
d) A, pois o seu conjunto de marcas apresenta uma de 13 a 15 5
maior mediana. maior ou igual a 16 0
e) A, pois o seu conjunto de marcas apresenta uma Pode-se então afirmar que a média do número de infra-
menor dispersão. ções, por motorista, nos últimos cinco anos, para este
grupo, está entre:
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES a) 6,9 e 9,0 b) 7,2 e 9,3
QUESTÃO 01 - O consumo de energia elétrica de uma c) 7,5 e 9,6 d) 7,8 e 9,9 e) 8,1 e 10,2
residência familiar, em kWh, nos meses de janeiro a julho
de 2013, estão indicados na tabela abaixo. QUESTÃO 04 (ENEM 2011) - Uma equipe de especia-
Mês jan fev mar abr mai jun jul listas do centro meteorológico de uma cidade mediu a
kWh 140 180 160 200 150 130 160 temperatura do ambiente, sempre no mesmo horário,
durante 15 dias intercalados, a partir do primeiro dia de
Buscando uma economia na conta de energia, a família
um mês. Esse tipo de procedimento é frequente, uma
resolveu se comprometer a consumir durante cada um
vez que os dados coletados servem de referência para
dos meses restantes do ano de 2013, no máximo 80% do
estudos e verificação de tendências climáticas ao longo
consumo médio do meses indicados na tabela. Portanto,
dos meses e anos. As medições ocorridas nesse período
para atingir a meta estabelecida, o consumo mensal de
estão indicadas no quadro:
energia, em kWh, nos meses de agosto a dezembro, de-
verá ser no máximo igual a: Dia do mês Temperatura (em ºC)
a) 120 b) 122 1 15,5
c) 124 d) 126 e) 128 3 14
5 13,5
QUESTÃO 02 (ENEM 2013) - As notas de um profes-
sor que participou de um processo seletivo em que a 7 18
banca avaliadora era composta por cinco membros, são 9 19,5
apresentadas no gráfico. Sabe-se que cada membro da 11 20
banca atribuiu duas notas ao professor, uma relativa aos 13 13,5
conhecimentos específicos da área de atuação e outra,
15 13,5
aos conhecimentos pedagógicos, que a média final do
professor foi dada pela média aritmética de todas as no- 17 18
tas atribuídas pela banca avaliadora. 19 20
21 18,5
23 13,5
25 21,5
27 20
29 16
Em relação à temperatura, os valores da média, mediana
e moda são, respectivamente, iguais a:
a) 17°C,17°C e 13,5°C
b) 17°C,18°C e 13,5°C
Utilizando essa banca avaliadora resolveu descartar a c) 17°C,135°C e 18°C
maior e menor nota atribuídas ao professor. A nova mé- d) 17°C,18°C e 21,5°C.
dia em relação à média anterior, é: e) 17°C, 13,5°C e 21,5°C
a) 0,25 ponto maior b) 1,00 ponto maior
c) 1,00 ponto menor d) 1,25 ponto maior QUESTÃO 05 (ENEM 2011) - O gráfico apresenta a
e) 2,00 pontos menor quantidade de gols marcados pelos artilheiros das Co-
pas do Mundo desde a Copa de 1930 até a de 2006.
QUESTÃO 03 - Para que fosse feito um levantamento
sobre o número de infrações de trânsito, foram escolhi-

19
ESTATÍSTICA II

equipes mais bem classificadas. Dados estatísticos das


equipes mais bem classificadas (em minutos):
Equipes Média Moda Desvio-Padrão
Equipe I 45 40 5
Equipe II 45 41 4
Equipe III 45 44 1
Equipe IV 45 44 3
Equipe V 45 47 2
Utilizando os dados estatísticos do quadro, a campeã foi
a equipe:
a) I b) II
c) III d) IV e) V
QUESTÃO 09 (ENEM 2010) - Marco e Paulo foram
A partir dos dados apresentados, qual a mediana das classificados em um concurso. Para a classificação no
quantidades de gols marcados pelos artilheiros das Co- concurso o candidato deveria obter média aritmética na
pas do Mundo? pontuação igual ou superior a 14. Em caso de empate na
a) 6 gols b) 6,5 gols média, o desempate seria em favor da pontuação mais
c) 7gols d) 7,3 gols e) 8,5 gols regular. No quadro a seguir são apresentados os pontos
obtidos nas provas de Matemática, Português e Conhe-
QUESTÃO 06 (ENEM 2009) - Depois de jogar um dado cimentos Gerais, a média, a mediana e o desvio padrão
em forma de cubo e de faces numeradas de 1 a 6, por 10 dos dois candidatos. Dados dos candidatos no concurso:
vezes consecutivas,e anotar o número obtido em cada Conheci- Desvio
Mate- Portu- Me-
jogada, construí-se a seguinte tabela de distribuição de mática guês
mentos Média
diana
Pa-
freqüências. A média, mediana e moda dessa distribui- Gerais drão
ção de frequências são respectivamente: Marco 14 15 16 15 15 0,32
Paulo 8 19 18 15 18 4,97

a) 3, 2 e 1 O candidato com pontuação mais regular, portanto mais


b) 3, 3 e 1 bem classificado no concurso, é:
c) 3, 4 e 2 a) Marco, pois a média e a mediana são iguais.
d) 5, 4 e 2 b) Marco, pois obteve menor desvio padrão.
e) 6, 2 e 4 c) Paulo, pois obteve a maior pontuação da tabela, 19
em Português
d) Paulo, pois obteve maior mediana.
QUESTÃO 07 - A tabela a seguir mostra as quantidades
e) Paulo, pois obteve maior desvio padrão.
de alunos que acertaram e que erraram as 5 questões
de uma prova aplicada em duas turmas. Cada questão
QUESTÃO 10 (ENEM 2012) - Um produtor de café irri-
valia dois pontos.
gado em Minas Gerais recebeu um relatório de consulto-
Acertos Erros Acertos Erros
Questão
Turma A Turma A Turma B Turma B
ria estatística, constatando, entre outras informações, o
desvio padrão das produções de uma safra dos talhões
1 32 8 42 18
de sua propriedade. Os talhões tem a mesma área de
2 28 12 48 12 30.000m² e o valor obtido para o desvio padrão foi de
3 36 4 48 12 90 kg/talhão. O produtor deve apresentar as informações
4 16 24 24 36 sobre a produção e a variância dessas produções em
5 20 20 30 30 sacas de 60kg por hectare (10.000 m²). A variância das
produções dos talhões expressa em (sacas/hectare)² é:
A média dos alunos da turma A e a média dos alunos da
a) 20,25 b) 4,50
turma B nesta prova foram, respectivamente:
c) 0,71 d) 0,50 e) 0,25
a) 6,80 e 6,20 b) 6,60 e 6,40
c) 6,40 e 6,60 d) 6,20 e 6,80
GABARITO DE APRENDIZAGEM
e) 6,00 e 7,00
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
QUESTÃO 08 (ENEM 2010) - Em uma corrida de regu- B B D E A D A C C B
laridade, a equipe campeã é aquela em que o tempo dos
participantes mais se aproxima do tempo fornecido pelos GABARITO COMPLEMENTARES
organizadores em cada etapa. Um campeonato foi orga-
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
nizado em 5 etapas, e o tempo médio de prova indicado
pelos organizadores foi de 45 minutos por prova. No qua- E B A B B B B C B E
dro, estão representados os dados estatísticos das cinco

20
CIÊNCIAS HUMANAS
HISTÓRIA DO BRASIL

Competências trabalhadas: de Aécio Neves (MG). Já o PT manteve sua aliança com


C.1 - Compreender os elementos culturais que consti- o PMDB indicando a presidente Dilma Roussef (MG)
tuem as identidades. para reeleição em chapa com Michel Temer (SP). Em
C.3 - Compreender a produção e o papel histórico das pleno século XXI a política do café com leite é mantida
instituições sociais, políticas e econômicas, associando- e o nordeste continua sendo a força política significativa
-as aos diferentes grupos, conflitos e movimentos so- para desequilibrar as campanhas.
ciais Alves. Eciliano R.
C.5 - Utilizar os conhecimentos históricos para com- A explicação para o sucesso da política do Café com
preender e valorizar os fundamentos da cidadania e da Leite, no passado ou atualmente, é:
democracia, favorecendo uma atuação consciente do a) São Paulo, Minas Gerais e os estados nordestinos
indivíduo na sociedade juntos representam a grande maioria dos votos
A República Velha (1889 -1930) - República Oligár- no Brasil.
quica b) O poder econômico de São Paulo e Minas Gerais
• Política dos Governadores era suficiente para controlar o processo eleitoral.
• Política do Café com Leite c) A ausência das forças políticas do Rio de Janeiro e
• O café a indústria do Rio Grande do Sul garante a vitória dos grupos
• Revoltas: Guerra de Canudos, Guerra Santa do políticos tradicionais.
Contestado, Revolta da Vacina, Revolta da Chi- d) O projeto político de paulistas e mineiros, com o
bata, o Tenentismo, o Movimento Operário e a apoio dos coronéis nordestinos, baseava-se no
Semana de Arte Moderna. desenvolvimento da indústria.
• A Crise de 1929 e a Revolução de 1930 e) A manipulação das massas populares através de
A Era Vargas - O Governo Provisório políticas assistencialistas garantia o controle do
• A Revolução Constitucionalista de 1932 eleitorado.
O Governo Constituição
• A Constituição de 1934 QUESTÃO 03 (MOD ENEM H18) - O Convênio de Tau-
• Intergralistas X Aliancistas baté foi um acordo firmado, em 1906, entre os gover-
O Estado Novo nadores de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.
• O D.I.P e o rádio Seu objetivo era garantir um preço mínimo para o café,
• A participação do Brasil na 2ª Guerra Mundial na época, o principal produto da economia brasileira.
A conjuntura internacional daquele princípio de século
EXERCÍCIO DE APRENDIZAGEM 20, iniciada ainda no final do século anterior, trouxera
QUESTÃO 01 (UNI7 H11) - Observe o trecho abaixo: enormes prejuízos aos cafeicultores brasileiros. Assim,
Cícero: _ Capitão! Eu tenho que entrar para o cangaço. graças ao controle que tinham da máquina pública, eles
E me vingar de Timóteo. se utilizaram de recursos do Estado para garantir seus
Cap. Herculano: _ Ciço, você precisa entender que sua próprios lucros. Esse controle político do Estado era
vingança do “coronelzim” é apenas uma pequena parte possível graças:
em relação à vingança de todos os sertanejos em rela- a) as oligarquias que dominavam o cenário político
ção aos coronéis. do Brasil Republicano.
O Diálogo acima, retirado da telenovela Cordel Encan- b) aos “tenentes” que exerciam a fiscalização dos re-
tado, retrata a condição de insatisfação do sertanejo em cursos públicos.
relação ao poder dos “coronéis”. Sobre o fenômeno po- c) a burguesia financeira paulista que emprestava di-
lítico denominado coronelismo, assinale o item correto. nheiro ao Estado.
a) O voto aberto, o mandonismo local e o clientelis- d) aos “coronéis” nordestinos que dominavam o ce-
mo possibilitavam a criação de “currais eleitorais” nário econômico nacional.
e a prática do “voto de cabresto”. e) a burguesia industrial que foi favorecida pela que-
b) A criação da Comissão Verificadora dos Poderes da do preço do café.
garantia o resultado das eleições impedindo a
compra de votos. QUESTÃO 04 (UNI7 H18) - Em 1914, o vice-presiden-
c) A disputa pelo poder político e econômico local im- te Wenceslau Braz foi o candidato vitorioso nas eleições
pedia a aliança entre latifundiários de uma mes- para sucessão do marechal Hermes da Fonseca. A vi-
ma região. tória eleitoral do mineiro Wenceslau Braz na presidên-
d) A aliança de proprietários de terras com setores cia da República marcou o reatamento das relações
politizados do Exército permitia o controle das ca- políticas entre São Paulo e Minas Gerais, e com ela a
madas populares. retomada da política do “café-com leite”. Porém, seu go-
e) A utilização de canais de comunicação de massa verno foi marcado pelo início do processo de industriali-
com objetivos políticos garantia a vitória de candi- zação do Brasil
datos ligados ao governo. A industrialização brasileira foi favorecida pois:
a) O aumento significativo nas exportações de café
QUESTÃO 02 (UNI7 H11) - Analise o texto abaixo: conferiram grandes vultos de capital que passa-
O PSDB anunciou a escolha do senador Aloysio Nu- ram a ser investidos na indústria. Assim, a indús-
nes (SP) como candidato à Vice-Presidência na chapa

21
HISTÓRIA DO BRASIL

tria brasileira poderia competir no mercado inter- Chico — “Os navios já tão na entrada da baía de Guana-
nacional. bara. O movimento vai acontecer na data combinada”.
b) A eclosão da Primeira Guerra Mundial dificultou Zé Maria — “(empolgado) A gente vai conseguir, Chico.
as importações dos produtos europeus possibi- Nunca mais um negro vai ser açoitado na Marinha do
litando o desenvolvimento de uma “indústria de Brasil!
substituição de importações”. Esse trecho deixa claro que a revolta da chibata (1910)
c) A chegada de levas de imigrantes proporcionou a foi uma articulação dos marinheiros contra os castigos
formação de uma classe operária qualificada e, físicos estabelecidos pelos oficiais da armada sobre os
ao mesmo tempo, acostumada à exploração do soldados. Porém, outros fatores provocaram o movi-
capital; o que impediria a mobilização dos traba- mento, entre eles:
lhadores. a) A exclusão dos soldados do exercício da cidada-
d) A grande quantidade de empréstimos ingleses e nia, pois em sua maioria eram analfabetos.
norte americanos favoreceram a instalação de b) O serviço militar obrigatório estabelecido pela
uma indústria de base que serviria de fundamen- Constituição republicana de 1891.
tação para a chegada das indústrias multinacio- c) A baixa remuneração e as péssimas condições de
nais. trabalho dos marinheiros.
e) O grande investimento em estradas, ferrovias e d) A proibição dos marinheiros em contrair o matri-
usinas hidrelétricas proporcionaram as condições mônio, pois o soldado só deve amar a Pátria.
favoráveis para instalação da indústria e escoa- e) A exclusão dos marinheiros da CLT, deixando-os
mento da produção que era voltada para o mer- sem direito à férias e ao salário mínimo.
cado europeu.
QUESTÃO 08 (UNI7 H18) - “Inegavelmente a visão da
QUESTÃO 05 (UNI7 H14) indústria como alternativa para o desenvolvimento ga-
Texto 1: - A greve geral ganhou todos os trabalhado- nhou corpo ao longo dos anos 1930-40. Esboçava-se
res de São Paulo enfrentando as tropas do governo e um projeto de industrialização pesada que, a despeito
negando a mediação do Estado no conflito capital-tra- de limitado e inconcluso, foi a tônica de organização do
balho. A situação chegou a tal ponto que durante três próprio Estado. (...) O avanço do aparelho econômico
dias o Comitê de Defesa Proletária assumiu o controle do Estado foi concomitante à reformulação de suas pró-
da cidade de São Paulo. O governo abandonou a cidade prias práticas econômicas, cujo sentido último consis-
e, no fim, foi obrigado a negociar com os grevistas, aten- tia em destruir as regras do jogo segundo as quais a
dendo suas reivindicações. economia se inclinava tradicionalmente para a atividade
https://uniaoanarquista.wordpress.com/2015/06/26/a- agro-exportadora, criando condições institucionais para
-primeira-greve-geral-do-brasil-a-greve-geral-de-1917/ expandir as atividades ligadas ao mercado interno”.
MENDONÇA, Sônia Regina de. As bases do desenvol-
Texto 2: - Greve geral de 28 de abril já está na histó- vimento capitalista depende da industrialização restrin-
ria, mas promete desdobramentos Movimentação de gida à internacionalização. In LINHARES, Maria Yedda.
dimensão nunca vista tomou todo o território nacional, História Geral do Brasil. Rio de Janeiro, Campus, 1990.
com centenas de categorias que cruzaram os braços De acordo com o texto, o desenvolvimento da indústria
nos 26 estados e no Distrito Federal, dispostas a barrar brasileira ao longo dos anos 1930-40 foi possível graças
as reformas de Temer. a (o):
http://www.redebrasilatual.com.br a) entrada de empresas multinacionais e emprésti-
A análise dos textos acima permite inserir que: mos do capital estrangeiro.
a) A greve de 1917 teve um caráter exclusivamente b) intervenção direta do Estado no direcionamento
político questionando a estrutura do poder das da economia nacional.
oligarquias. c) expansão do mercado europeu consequência da
b) A greve de 2017 limitou-se a questionar a reforma 2ª Guerra Mundial.
do sistema previdenciário proposta pelo governo d) investimento em mão de obra barata pela inexis-
Temer. tência de leis trabalhistas.
c) As duas greves provocaram mudanças imediatas e) formação de um acordo com o capital inglês e
na relação capital-trabalho, atendendo à classe francês.
proletária. QUESTÃO 08 (Uni7 H24) - Leia o texto abaixo:
d) A greve geral de 1917 defendia a criação de direi- No dia 23 de novembro deste ano comemoram-se 80
tos trabalhistas enquanto que a de 2017 defende anos da Intentona Comunista. O movimento tinha como
a sua manutenção. objetivo, derrubar o atual presidente (Getúlio Vargas) e
e) As greves são mecanismos ilegais e desta forma assumir o poder no país. O grupo organizador era com-
não têm legitimidade na negociação entre traba- posto por Luís Carlos Prestes, chefe e líder, e sua mu-
lhadores e patrões. lher Olga Benário, além de Rodolfo Ghioldi, Arthur Er-
nest Ewert e Ranieri Gonzáles.
QUESTÃO 06 (UNI7 H22) - Leia, abaixo, o trecho da http://www.historiabrasileira.com/brasil-republica/inten-
novela da Rede Globo, Lado a Lado. tona-comunista/

22
HISTÓRIA DO BRASIL

Pode se apontar como consequência da eclosão da In- de fevereiro de 1945, eu me encontrava no Posto de
tentona Comunista. Comando do general Cordeiro de Faria, comandante da
a) A reação nacionalista dos integralistas que, lide- Artilharia Divisionária, quando escutei a voz do tenente-
rados por Plínio Salgado, deflagrou uma guerra -coronel, pelo rádio de campanha: “Estou no cume do
civil no país. Castelo.”
b) A insatisfação das oligarquias paulistas que orga- Joel Siilveira, correspondente de guerra. In:http://www.
nizaram a Revolução Constitucionalista. pitoresco.com/historia/guerra04.htm
c) A ação dos tenentes que, fiéis a Luís Carlos Pres- A participação do Brasil na 2ª Guerra Mundial estava
tes, apoiaram o golpe que depôs Vargas. vinculada:
d) A ação da classe trabalhadora que, liderada pelo a) A relação de hostilidade estabelecida entre Brasil
Partido Comunista Brasileiro, organizou dezenas e Itália desde o século XIX.
de greves. b) A necessidade de financiamento da indústria bra-
e) A reação dos segmentos conservadores da socie- sileira pelo capital norteamericano.
dade que, em virtude do Plano Cohen, apoiaram c) A aproximação de ideologia entre a ditadura de
a instalação de uma ditadura por Vargas. Vargas e as ditaduras europeias.
d) Ao alinhamento do Brasil aos países capitalistas
QUESTÃO 09 (ENEM 2010 H10) - Os generais abaixo- no contexto da Guerra Fria.
-assinados, de pleno acordo com o Ministro da Guerra, e) Ao apoio alemão à ampliação da produção brasi-
declaram-se dispostos a promover uma ação enérgi- leira de gêneros agrícolas na Europa.
ca junto ao governo no sentido de contrapor medidas
decisivas aos planos comunistas e seus pregadores e EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES
adeptos, independentemente da esfera social a que per- QUESTÃO 01 (CESGRANRIO) - O café, apesar de
tençam. Assim procedem no exclusivo propósito de sal- manter a condição de principal produto de exportação
varem o Brasil e suas instituições políticas e sociais da do Brasil, enfrentou sucessivos problemas nas primeiras
hecatombe que se mostra prestes a explodir. décadas do século XX, refletidos em diversas políticas
Ata de reunião no Ministério da Guerra, 28 set. 1937. do governo, como a(o):
In: BONAVIDES, P.; AMARAL, R. Textos políticos da a) compra e estocagem de excedentes para garantir
história do Brasil.v. 5. Brasília: Senado Federal, 2002 o preço do produto no mercado internacional.
(Adaptado). b) estatização do comércio do café e controle da
Levando em conta o contexto político-institucional dos produção através do Departamento Nacional do
anos 1930 no Brasil, pode-se considerar o texto como Café.
uma tentativa de justificar a ação militar que iria: c) erradicação dos cafezais para controlar o avanço
a) debelar a chamada Intentona Comunista, acaban- das pragas e liberar terras para novas culturas.
do com a possibilidade da tomada do poder pelo d) incentivo à expansão da lavoura em áreas novas,
PCB. em face da conjuntura favorável do mercado in-
b) reprimir a Aliança Nacional Libertadora, fechando ternacional.
todos os seus núcleos e prendendo os seus líde- e) encarecimento da produção em decorrência da
res. carência da mão-de-obra após a Abolição.
c) desafiar a Ação Integralista Brasileira, afastando
o perigo de uma guinada autoritária para o fas- QUESTÃO 02 (UNIFESP MOD ENEM H16) - A indus-
cismo. trialização em São Paulo, antes da década de 1930,
d) instituir a ditadura do Estado Novo, cancelando as apresentou um perfil.
eleições de 1938 e reescrevendo a Constituição a) associado à iniciativa estatal, especializado em
do País. bens de produção e com trabalhadores sindicali-
e) combater a Revolução Constitucionalista, evitan- zados e anarquistas.
do que os fazendeiros paulistas retomassem o b) dominado pelo capital internacional, diversificado
poder perdido em 1930. em termos de produção e com trabalhadores sin-
QUESTÃO 10 (Uni7 H15) - Leia o texto: dicalizados comunistas.
“No dia 20 de fevereiro de 1945, as tropas brasileiras c) independente do mercado externo, especializado
se colocaram em posição de combate, com os três re- em bens de produção e com trabalhadores sindi-
gimentos da Divisão prontos para convergir na direção calizados anarquistas.
de Monte Castelo. À esquerda dessas forças, a 10ª d) dependente da economia cafeeira, diversificado em
Divisão de Montanha norte-americana devia apoderar- termos de produção e com trabalhadores estran-
-se do monte della Torracia, garantindo, assim, o flanco geiros anarquistas.
mais vulnerável do setor defendido pelos soldados bra- e) subordinado aos grandes capitais, especializado
sileiros. Coube aos três batalhões do 1º Regimento de em produtos de exportação e com trabalhadores
Infantaria a missão de avançar sobre Castelo, dominá- dominados por sindicatos pelegos
-lo, e, de lá, expulsar os integrantes da 232ª Divisão de
Infantaria alemã. O ataque teve início na hora prevista: QUESTÃO 03 (CESGRANRIO MOD ENEM H15) - O
seis horas da manhã. E, às 17h50 da tarde daquele 21 governo Rodrigues Alves (1902-1906) foi responsável

23
HISTÓRIA DO BRASIL

pelos processos de modernização e urbanização da Ca- Elaborado pelos partidários da Revolução Constitucio-
pital Federal - Rio de Janeiro. Coube ao prefeito Pereira nalista de 1932, o cartaz apresentado pretendia mobili-
Passos a urbanização da cidade e ao Dr. Oswaldo Cruz zar a população paulista contra o governo federal. Essa
o saneamento, visando a combater principalmente a fe- mobilização utilizou-se de uma referência histórica, as-
bre amarela, a peste bubônica e a varíola. Essa política sociando o processo revolucionário:
de urbanização e saneamento público, apesar de neces- a) à experiência francesa, expressa no chamado à luta
sária e modernizante, encontrou forte oposição junto à contra a ditadura.
população pobre da cidade e à opinião pública porque: b) aos ideais republicanos, indicados no destaque à
a) mudava o perfil da cidade e acabava com os altos bandeira paulista.
índices de mortalidade infantil entre a população c) ao protagonismo das Forças Armadas, representa-
pobre. das pelo militar que empunha a bandeira.
b) transformava o centro da cidade em área exclusi- d) ao bandeirantismo, símbolo paulista apresentado
vamente comercial e financeira e acabava com os em primeiro plano.
infectos quiosques. e) ao papel figurativo de Vargas na política, enfatizado
c) desabrigava milhares de famílias, em virtude da pela pequenez de sua figura no cartaz. Reprodução
desapropriação de suas residências, e obrigava a
vacinação anti-variólica. QUESTÃO 06 (VUNESP) - Decretada a extinção da
d) provocava o surgimento de novos bairros que re- Aliança Nacional Libertadora em 1935, seus membros,
ceberiam, desde o início, energia elétrica e sane- os não moderados, organizaram a insurreição comunis-
amento básico. ta que foi abafada pelo governo Vargas. Indique a al-
e) implantava uma política habitacional e de saúde ternativa que apresenta a ação política subsequente e
para as novas áreas de expansão urbana, em relacionada com a referida insurreição:
harmonia com o programa de ampliação dos a) A proposta anti-imperialista e antilatifundiária,
transportes coletivos. contida no programa da ANL, foi completamente
abandonada.
QUESTÃO 04 (UFPE MOD ENEM H13) - O tenentismo b) Vargas, em proveito de seus planos ditatoriais, ex-
foi um movimento empreendido por jovens oficiais milita- plorou o temor que havia ao comunismo.
res durante a Primeira República. Dentre as alternativas c) Dois meses após a Intentona, todos os presos po-
a seguir, aponte a que se identifica com as aspirações líticos que aguardavam julgamento foram coloca-
desse movimento. dos em liberdade.
a) A moralização dos costumes e a ideia de solda- d) A campanha anticomunista das classes domi-
dos-corporação. nantes contribuiu para que Vargas abandonasse
b) A ideia do soldado-cidadão que devia intervir no seus planos continuístas.
processo político, a defesa do voto secreto, a e) Os revoltosos só se renderam depois de procla-
centralização do poder e a independência do po- mada a suspensão definitiva do pagamento da
der judiciário, e o ensino público. dívida externa.
c) A defesa do voto secreto e universal, incluindo os
analfabetos e mulheres e a reforma administrati- QUESTÃO 07 (MOD. ENEM H12) - O autor da constitui-
va na direção da descentralização do poder. ção de 1937, Francisco Campos, afirma no seu livro, O
d) A centralização do poder do Estado, a reforma do Estado Nacional, que o eleitor seria apático; a democra-
Ensino e a intervenção “moderadora” nos movi- cia de partidos conduziria à desordem; a independência
mentos populares e nos governos civis despre- do Poder Judiciário acabaria em injustiça e ineficiência;
parados, dentro do princípio do “soldado-profis- e que apenas o Poder Executivo, centralizado em Getú-
sional.” lio Vargas, seria capaz de dar racionalidade imparcial ao
e) Apoio às oligarquias locais, incentivo ao ensino Estado, pois Vargas teria providencial intuição do bem e
privado e religioso, moralização da administração da verdade, além de ser um gênio político.
pública e o recolhimento dos militares aos quar- CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional. Rio de Janei-
téis. ro: José Olympio, 1940 (Adaptado).
Segundo as ideias de Francisco Campos:
QUESTÃO 05 (ENEM 2012 H13)
a) somente a ditadura pessoal de Vargas poderia as-
segurar a realização de eleições.
b) o funcionamento das instituições democráticas era
um entrave ao desenvolvimento do País.
c) o poder forte era uma necessidade determinada
pela entrada do Brasil na Segunda Guerra Mun-
dial.
d) somente um executivo forte poderia assegurar a
preparação para a democracia.
e) a ditadura de Vargas seria temporária, lançando
as bases de uma completa democracia.

24
HISTÓRIA DO BRASIL

QUESTÃO 10 (UFMG ADAPTADA MOD ENEM H14) -


QUESTÃO 08 (MOD. ENEM H13) - O duelo está trava- Leia estas duas letras de samba, comparando-as:
do. De um lado, os que querem consolidar no Brasil as Eu passo gingando
mais brutais ditaduras fascistas, liquidar os últimos direi- Provoco e desafio
tos democráticos do povo e acabar a venda e a escra- Eu tenho orgulho
vização do País ao capital estrangeiro. Desse modo – o De ser tão vadio.
integralismo, como brigada de choque terrorista da rea- Sei que eles falam
ção. De outro, todos os que nas fileiras da Aliança Na- Deste meu proceder
cional Libertadora querem defender de todas as manei- Eu vejo quem trabalha
Andar no miserê.
ras a liberdade nacional do Brasil, pão, terra e liberdade
Lenço no pescoço (1933), de Wilson Batista.
para o seu povo. Este trecho de Manifesto se insere:
a) na conjuntura das vésperas da Revolução de Quem trabalha é que tem razão
1930, quando a oposição ao predomínio oligár- Eu digo e não tenho medo de errar
quico não se restringe aos Tenentes. O bonde São Januário
b) na radicalização política dos anos 30, culminando Leva mais um operário:
com a implantação da ditadura estado-novista. Sou eu que vou trabalhar.
Antigamente eu não tinha juízo
c) concedeu paternalmente à classe operária uma
Mas resolvi garantir meu futuro
legislação de proteção ao trabalho. Vejam vocês:
d) sua mais forte expressão foi Getúlio Vargas. Sou feliz, vivo muito bem
e) deu oportunidade ao surgimento de lideranças sin- A boemia não dá camisa a ninguém
dicais ligadas ao aparelho burocrático do Estado. É, digo bem.
O bonde São Januário (1940), de Wilson Batista e Ataulfo
QUESTÃO 09 (MOD. ENEM H22) - Leia o texto abai- Alves.
xo. O par de interlocutores legítimos estava formado: de
um lado o povo, a quem se apelava como fonte e base A partir dessa leitura comparativa e considerando-se o
do governo e que era identificado na população de tra- período em que foram escritas, bem como outros co-
balhadores corporativamente hierarquizada; de outro, o nhecimentos sobre o assunto, é correto afirmar que, nas
Estado, corporificado funcional e pessoalmente na figu- duas letras, se torna evidente:
ra do presidente Getúlio Vargas. a) o aumento do poder de compra dos salários no
período, com a garantia da estabilidade da moe-
GOMES, Ângela de C. A política brasileira em busca da
da pelo Governo.
modernidade:na fronteira entre o público e o privado.
b) a liberdade criativa do artista popular, o que possi-
In: SCHWARCZ, Lilia M. (Org.) História da vida privada
bilitava um debate aberto de temas polêmicos da
no Brasil. Vol. 4: Contrastes da intimidade contemporâ-
realidade nacional.
nea. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 525.
c) a adequação da produção musical urbana ao con-
A partir da citação anterior, assinale a alternativa que texto político, caracterizado pelo crescente inter-
indica corretamente as relações mantidas, no contexto vencionismo estatal.
do trabalhismo, entre a população trabalhadora no Brasil d) o crescimento da capacidade de poupança, como
e o Presidente Vargas. consequência do poder de pressão de sindicatos
a) As campanhas destinadas aos trabalhadores en- autônomos.
fatizavam a necessidade de organização em tor- e) A influência dos sindicatos no governo promoveu
no dos sindicatos e partidos políticos, principais uma valorização da atividade produtiva.
interlocutores do presidente.
b) As liberdades políticas permitiam o estabelecimen-
to, durante o Estado Novo, de uma permanente GABARITO DE APRENDIZAGEM
negociação entre os trabalhadores e o governo
através do Parlamento.
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
c) O sindicalismo corporativo era combatido pelo go- A A A B D C B E D B
verno, pois permitia a livre expressão das lutas de
classes e dos conflitos no interior da sociedade
brasileira. GABARITO COMPLEMENTARES
d) A ideologia do Estado Novo pretendia estabelecer 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
uma ligação direta entre o governante e o povo,
A D C B D B B B D C
através de cartas, programas de rádio e outros
mecanismos de comunicação.
e) Getúlio Vargas fazia chegar até a população, atra-
vés do programa A Voz do Brasil, mensagens de
estímulo à organização sindical livre, combatendo
assim o comunismo.

25
HISTÓRIA GERAL

Competência de área 3 - Compreender a produção • Separava a moral individual de moral pública.


e o papel histórico das instituições sociais, políticas • Escreveu o príncipe, onde defende que os fins
e econômicas, associando-as aos diferentes grupos, justificam os meios.
conflitos e movimentos sociais. JEAN BODIN (1530-1596)
H11 - Identificar registros de práticas de grupos so- • Na obra A República, defendia o conceito do
ciais no tempo e no espaço. soberano perpétuo e absoluto, cuja autoridade
H14 - Comparar diferentes pontos de vista, presentes representava a vontade de Deus.
em textos analíticos e interpretativos, sobre situação • Aquele que não se submetesse à autoridade do
ou fatos de natureza histórico-geográfica acerca das rei deveria ser considerado inimigo da ordem
instituições sociais, políticas e econômicas. pública e do progresso social.
H15 - Avaliar criticamente conflitos culturais, sociais, • O Rei deveria possuir um poder supremo sobre
políticos, econômicos ou ambientais ao longo da his- o Estado, respeitando, apenas, o direito de pro-
tória. priedade dos súditos.
Competência de área 6 - Compreender a sociedade THOMAS HOBBES (1588-1679)
e a natureza, reconhecendo suas interações no espa- • No livro Leviatã, ocorre uma comparação do
ço em diferentes contextos históricos e geográficos. Estado a um monstro todo-poderoso, especial-
H26 - Identificar em fontes diversas o processo de mente criado para a acabar com a anarquia da
ocupação dos meios físicos e as relações da vida hu- sociedade primitiva.
mana com a paisagem. • Para acabar com a situação “homem lobo do
H27 - Analisar de maneira crítica as interações da so- próprio homem”, a solução era entregar o poder
ciedade com o meio físico, levando em consideração a um só homem, que seria o rei, para que ele
aspectos históricos e(ou) geográficos. governasse todos os demais, eliminando a de-
Formação do Estado Nacional Moderno sordem e dando segurança a todos.
• Território com população de mesma língua, his- JACQUES BOSSUET (1627-1704)
tória e tradições comuns, governado por um rei • Reforçou a teoria da origem divina do poder do
com poderes de direito e de fato. rei.
• Centralização do poder político no rei, que pas- • Para ele o rei era um homem predestinado por
sa a ter poder de direito e de fato. DEUS para assumir o trono e governar toda a
Características gerais do Estado Moderno: sociedade.
• Idioma comum para o povo. • Não precisava dar justificativas a ninguém de
• Definição de um território. suas atitudes; somente Deus poderia julgá-las.
• Soberania governamental. • Lema de um Estado absolutista: “Um rei, uma
• Exército permanente. fé, uma lei.”
• Imposto nacional. A POLÍTICA ECONÔMICA DO ESTADO MODERNO:
• Aplicação da justiça O MERCANTILISMO
• Criação de uma burocracia. • Características do mercantilismo: metalismo,
• Centralização e unificação administrativa. balança comercial favorável, protecionismo e
• Moeda nacional intervenção estatal.
ALIANÇA REI – BURGUESIA • Sistema colonial: solução para os problemas in-
• REI ternacionais gerados pelo mercantilismo.
1. Garantia da ordem interna. • Objetivo do colonialismo: criação de um merca-
2. Proteção política. do e de uma área de população colonial inteira-
3. Incentivo e proteção à economia. mente controlados pela metrópole.
• BURGUESIA METALISMO
1. Apoio econômico à monarquia. • Considerava-se que o índice de riqueza de um
2. Auxílio na formação dos exércitos Estado correspondia à quantidade de metais
3. Apoio na organização do Estado nobres (ouro e prata) que este possuía dentro
SITUAÇÃO DA AUTORIDADE MONÁRQUICA AN- de suas fronteiras.
TES E À ÉPOCA DO REGIME ABSOLUTISTA • Aumentar a quantidade de metais nobres era
• Rei poder limitado. um dos objetivos fundamentais das práticas
• Tendências autônomas da nobreza. mercantilistas.
• Intromissão da Igreja em assuntos de política. BALANÇA COMERCIAL FAVORÁVEL
• Intromissão do parlamento no campo político. • Além de possuir metais, considerava-se que o
• Rei com plena autoridade. comércio era outro meio para se promover o
• Submissão da nobreza à autoridade real. enriquecimento do Estado, mas um comércio
• Subordinação do poder espiritual. em que o valor das exportações superasse o
• Limitação da autoridade do parlamento. valor das importações.
• Concentração de poderes em torno do rei. • O superávit representaria a entrada de metais
• Teóricos do absolutismo: Maquiavel, Jean Bo- nobres nas fronteiras do Estado.
din, Thomas Hobbes, Jacques Bossuet. PROTECIONISMO
NICOLAU MAQUIAVEL • Para manter uma balança comercial favorável
• Pregava a construção de um Estado forte, inde- ela precisava ser protegida.
pendente da Igreja e dirigido de modo absoluto • O Estado deveria incentivar a produção de ar-
por um príncipe dotado de inteligência e de in- tigos manufaturados que pudessem concorrer
flexibilidade na direção dos negócios públicos. vantajosamente no exterior e evitar a saída de

26
HISTÓRIA GERAL

materias-primas. • Em 1517 – divulga as 95 teses contrárias aos


• O Estado deveria dificultar as importações de atos ou dogmas da Igreja (Wittemberg).
produtos concorrentes. • É excomungado e condenado a morte – prote-
INTERVENCIONISMO ESTATAL gido em castelo de nobre alemão (castelo de
• Para garantir a prática mercantilista, era preciso Wartburg).
que o Estado interviesse significativamente na • Princípios básicos do luteranismo: salva-
vida econômica. ção pela fé, tradução da Bíblia, leitura e livre
• Essa intervenção deu-se por diversos meios: interpretação da Bíblia, eliminação de santos e
fixação de tarifas alfandegárias, estímulo às imagens, fim do celibato para sacerdotes, não
empresas manufatureiras e ao industrialismo, seguimento da autoridade papal, 2 sacramen-
controle sobre preços e sobre a quantidade de tos (batismo e eucaristia), submissão da Igreja
mercadorias no comércio internacional. ao Estado.
Reforma Protestante • Apoio dos nobres (interessados em terras da
Introdução Igreja).
• A Reforma Protestante foi um movimento que • Apoio de camponeses (também interessados
começou no século XVI com uma série de ten- em terras e no fim dos impostos feudais) – sem
tativas de reformar a Igreja Católica Romana, reconhecimento de Lutero.
e que culminou com a divisão e o estabeleci- • Guerra civil: Nobres (Lutero – apoiou ao massa-
mento de várias igrejas cristãs, das quais se cre de camponeses) X Camponeses (Thomas
destacam o Luteranismo, o Calvinismo e o An- Münzer – Anabatistas). Imperador (Carlos V)
glicanismo apóia o papa (Alemanha dividida entre católicos
• Percursores da Reforma: e luteranos).
• John Wycliffe – professor da Oxford e defen- • Após a derrota de Carlos V, assume Fernando
sor de uma Igreja Nacional. Destacou-se como I – é assinada a Paz de Augsburgo (1555): cada
crítico do sistema eclesiástico, fazendo duras governante (príncipe – nobre) escolhe a religião
acusações à venda de indulgências. dos súditos.
• Jan Huss - professor da universidade de praga, • Alemanha – Luterana; Áustria – Católica .
retomou as pregações de Wycliffe ao defen- • CALVINISMO
der a independência nacional da Boêmia. Foi • Ulrich Zwinglio (1489-1531) – um padre radical
queimado vivo por determinação do Concílio de suíço que forneceu as bases para Reforma cal-
Constança, 1415 vinista. Com suas idéias provocou uma guerra
• Antecedentes: civil na qual acabou morrendo.
• A igreja Católica se baseava na teologia tomis- • João Calvino (francês influenciado por Lutero).
ta do fim da Idade Média (escolástica), sistema • Teoria da Predestinação Absoluta (trabalho,
baseado no livre-arbítrio, que: pureza, cumprimento de deveres e progresso
• dava ao homem o poder de escolher o bem e econômico = sinais divinos).
evitar o mal; • Apoio da burguesia.
• levava os cristãos a uma necessidade de rece- • Crescimento do capitalismo (valorização do tra-
ber os sacramentos, a fim de tomar o caminho balho e da poupança).
do bem, sendo, portanto, necessária a classe • Inglaterra – Puritanos.
sacerdotal para ministrá-los. • França – Huguenotes.
• Muitos críticos reformistas da Igreja se basea- • Escócia – Presbiterianos (a igreja escocesa foi
vam na teologia agostiniana, que se baseava: organizada em conselhos ou presbitérios).
• na predestinação, isto é, “os homens depen- • ANGLICANISMO
diam da vontade de Deus”; • A Igreja Anglicana foi o resultado inicial do corte
• Na fé, que esta acima da razão (a fé conduz à de relações com a Igreja Católica Romana no
salvação). reinado de Henrique VIII da Inglaterra, através
• Corrupção do clero e afastamento de seus do Ato de Supremacia (Act of Supremacy) de
membros das concepções originais do cristia- 1534.
nismo (humildade, fraternidade, caridade). • Henrique VIII (Inglaterra) X Clemente VII (Papa).
• Venda de indulgências. • Interesse do rei em terras eclesiásticas. Terras
• Venda de relíquias sagradas. da Igreja confiscadas e vendidas aos nobres
• Venda de cargos no clero. (fortalecimento político do rei).
• Fortalecimento da burguesia X condenação do • Ato de Supremacia: Rei = chefe da Igreja na
lucro pela Igreja. Inglaterra. Autoridade do papa não é aceita e
• Fortalecimento das monarquias nacionais X po- latim é abolido dos cultos.
der clerical + abundância de terras da Igreja. • Culto e hierarquia semelhantes ao catolicismo.
• Renascimento cultural (questionamento de al- • Fusão de elementos católicos com elementos
guns valores tipicamente medievais). calvinistas.
• Leitura e interpretação da Bíblia restrita aos • CONTRA REFORMA OU REFORMA CATOLI-
membros do clero (Bíblia só em latim). CA
• REFORMA NA ALEMANHA • Medidas da Igreja Católica para conter o avan-
• Martinho Lutero (monge agostiniano) critica ço protestante na Europa.
costumes clericais (luxo, corrupção, indulgên- • O Concílio de Trento (1545 – 63): reafirmação
cia). do dogma da salvação por meio da fé e das

27
HISTÓRIA GERAL

boas obras, confirmou o culto à virgem e aos se desenvolveu a partir da estrutura de ensino me-
santos, a existência do purgatório, a infalibilida- dieval do Trivium e do Quadrivium, que compunham
de do Papa, o celibato do clero, proibiu a venda a sistematização do conhecimento da época. A novi-
de indulgências, manteve a hierarquia eclesiás- dade renascentista não foi tanto a ressurreição da sa-
tica, criou de seminários e o catecismo, criação bedoria antiga, mas sua ampliação e aprofundamen-
do INDEX, reativação dos Tribunais do Santo
to com a criação de novas ciências e disciplinas, de
Ofício.
• Companhia de Jesus (Inácio de Loyola - Espa- uma nova visão de mundo e do homem e de um novo
nha): ordem dos jesuítas, busca de novos fiéis conceito de ensino e educação [8]. O resultado foi um
(América), educação e catequese. grande e frutífero programa disciplinador e desenvol-
vedor do intelecto e das habilidades gerais do homem,
RENASCIMENTO - Renascimento ou Renascença que tinha origem na cultura greco-romana e que de
são os termos usados para identificar o período da fato em parte se perdera para o ocidente durante a
História da Europa aproximadamente entre fins do sé- Idade Média. O pensamento medieval tendia a ver o
culo XIII e meados do século XVII [1][2], quando diver- homem como uma criatura vil, uma “massa de podri-
sas transformações em uma multiplicidade de áreas dão, pó e cinza”, como se lê em De laude flagellorum
da vida humana assinalam o final da Idade Média e de Pedro Damião, no século XI. Mas quando se eleva
o início da Idade Moderna. Apesar destas transfor- a voz de Pico della Mirandola no século XV o homem
mações serem bem evidentes na cultura, sociedade, já representava o centro do universo, um ser mutan-
economia, política e religião, caracterizando a transi- te, essencialmente imortal, autônomo, livre, criativo
ção do feudalismo para o capitalismo e significando e poderoso, o que ecoava as vozes mais antigas de
uma ruptura com as estruturas medievais, o termo Hermes Trismegisto (“Grande milagre é o homem”) e
é mais comumente empregado para descrever seus do árabe Abdala (“Não há nada mais maravilhoso do
efeitos nas artes, na filosofia e nas ciências [3]. Cha- que o homem”). Esse otimismo se perderia novamen-
mou-se “Renascimento” em virtude da redescoberta e te no século XVI, com a reaparição do ceticismo, do
revalorização das referências culturais da antigüidade pessimismo, da ironia e do pragmatismo em Erasmo,
clássica, que nortearam as mudanças deste período Maquiavel, Rabelais e Montaigne, que veneravam
em direção a um ideal humanista e naturalista. a beleza dos ideais do classicismo mas tristemen-
te constatavam a imposssibilidade de sua aplicação
Ideias centrais - O Humanismo pode ser apontado prática universal e testemunhavam o deplorável jogo
como o principal valor cultivado no Renascimento. Ba- político, a pobreza e opressão das populações e ou-
seia-se em diversos conceitos associados: Neoplato- tros problemas sociais e morais do homem real de seu
nismo, Antropocentrismo, Hedonismo, Racionalismo, tempo.
Otimismo e Individualismo. O brilhante florescimento
cultural e científico renascentista deu origem a senti- EXERCÍCIO DE APRENDIZAGEM
mentos de otimismo, abrindo positivamente o homem QUESTÃO 01 - “...o príncipe, que trabalha para o seu
para o novo e incentivando seu espírito de pesquisa. Estado, trabalha para os seus filhos, e o amor que tem
O desenvolvimento de uma nova atitude perante a pelo seu reino, confundindo com o que tem pela sua
vida deixava para trás a espiritualidade excessiva do família, torna-se-lhe natural... O rei vê de mais longe
gótico e via o mundo material com suas belezas natu- e de mais alto; deve acreditar-se que ele vê melhor...”
rais e culturais como um local a ser desfrutado, com (Jacques de Bossuet. POLÍTICA TIRADA DA SAGRA-
ênfase na experiência individual e nas possibilidades DA ESCRITURA. Livro II, 10ª proposição e Livro VI,
latentes do homem. Além disso, os experimentos de- artigo 1º)
mocráticos italianos, o crescente prestígio do artista O trecho anterior se refere ao Absolutismo monárquico,
como um erudito e não como um simples artesão, que se constituiu no próprio modelo dos regimes polí-
e um novo conceito de educação que valorizava os ticos dos Estados europeus do Antigo Regime. Apre-
talentos individuais de cada um e buscava desenvol- sentou variáveis locais conforme se expandia na Euro-
ver o homem num ser completo e integrado, com a pa, entre os séculos XVI e XVIII. Entretanto, podemos
plena expressão de suas faculdades espirituais, mo- identificar no Absolutismo monárquico características
rais e físicas, nutriam sentimentos novos de liberdade comuns que o distinguiam, dentre as quais destacamos
social e individual [6]. Reunindo esse corpus eclético corretamente a:
de idéias, os homens do Renascimento cunharam ou a) unificações de diversas atribuições de Estado e
adaptaram à sua moda alguns outros conceitos, dos de governo na figura dos monarcas, tais como
quais se destacam as teorias da perfectibilidade e do a prerrogativa de legislar e a administração da
progresso, que na prática impulsionaram positivamen- justiça real.
te a ciência de modo a tornar o período em foco como b) substituição de um tipo de administração base-
o marco inicial da ciência moderna. ada na distribuição de privilégios e concessões
O preparo que os humanistas preconizavam para a régias por uma organização burocrática profis-
formação do homem ideal, são de corpo e espírito, ao sional que atuava em atividades desvinculadas
mesmo tempo um filósofo, um cientista e um artista, do Estado.

28
HISTÓRIA GERAL

c) implementação de práticas econômicas liberais mais caros nos mercados coloniais).


como forma de consolidar a aliança política e
econômica dos reis absolutos com as burgue- QUESTÃO 04 - O fim último, causa final e desígnio
sias nacionais. dos homens (que amam naturalmente a liberdade e o
d) submissão política dos governos reais absolutis- domínio sobre os outros), ao introduzir aquela restri-
tas à hierarquia eclesiástica, conforme definido ção sobre si mesmos sob a qual os vemos viver nos
pela doutrina do Direito Divino dos Reis. Estados, é o cuidado com sua própria conservação e
e) definição da autoridade dos monarcas absolutos com uma vida mais satisfeita. Quer dizer, o desejo de
e seus limites de poder, através da atuação dos sair daquela miséria condição de guerra que é a conse-
parlamentos nacionais constitucionalistas, con- qüência necessária (conforme se mostrou) das paixões
trolados por segmentos burgueses. naturais dos homens, quando não há um poder visível
capaz de os manter em respeito, forçando-os por medo
QUESTÃO 02 - Durante a Idade Moderna, pensava-se do castigo, ao cumprimento de seus pactos e ao res-
que todas as riquezas do mundo estavam numa posi- peito àquelas leis de natureza (...)
ção estática e constante, razão pela qual o comércio (Hobbes, T. “Das causas, geração e definição de um
era tido como uma atividade em que havia um ganha- Estado”. In: Leviatã. São Paulo: Abril Cultural, 2ª.
dor e um perdedor, sendo o seu resultado equivalente ed.,1979, p. 103.)
a uma soma zero (+1-1=0). Baseando-se nestes princí-
Considerando o fragmento anterior, podemos dizer que
pios, os Estados modernos atuaram no comércio inter-
Thomas Hobbes, pensador inglês do séc.XVII, defende
nacional sob a orientação de uma política econômica.
a noção de que:
A política mercantilista baseava-se:
a) apenas um Estado democrático, surgido de um
a) na valorização da agricultura como única fonte
ato de liberdade dos cidadãos, teria legitimidade
de riqueza.
para criar leis e zelar pela segurança e demais
b) na redução da presença do Estado na vida eco-
necessidades sociais.
nômica.
b) certos indivíduos, extraordinariamente, quando
c) na supressão dos monopólios e privilégios tradi-
apaixonados, amam dominar os outros e é pre-
cionais.
ciso forçá-los, através do castigo, a manter o res-
d) na liberdade comercial e no domínio da livre ini-
peito; essa seria a função do Estado.
ciativa.
c) o Estado resulta do desejo dos indivíduos de ga-
e) na identificação da riqueza com a posse de me-
rantir a propriedade privada, para deixar de ter
tais preciosos.
uma condição mísera e participar ativamente do
pacto social.
QUESTÃO 03 - Um mercantilista inglês escreveu: Os
d) o homem é naturalmente bom, mas a vida social
meios ordinários para aumentar nossa riqueza e te-
o corrompe, fazendo com que passe a querer
souro são pelo comércio exterior, para o que devemos
dominar a liberdade dos outros; o nascimento
obedecer sempre a esta regra: vender mais aos estran-
do Estado é diretamente responsável por essa
geiros em valor do que consumimos deles.
corrupção.
(Thomas Mun, “Discourse on England’s Treasure by
e) os homens são naturalmente inaptos para a vida
Foreing Trade”, 1664)
social, a menos que constituam uma autoridade
Sobre o mercantilismo, assinale a alternativa correta.
à qual entreguem sua liberdade em troca de se-
a) Foi uma forma de exploração da natureza, em-
gurança.
pregada aos recursos minerais, vegetais, ani-
mais e humanos que obedecia a interesses ime-
QUESTÃO 05 - Durante a Idade Moderna, pensava-
diatistas, sem preocupação com o futuro.
-se que todas as riquezas do mundo estavam numa
b) A Holanda praticava um tipo de mercantilismo
posição estática e constante, razão pela qual o co-
conhecido como metalista e industrial que veio
mércio era tido como uma atividade em que havia
a desenvolver em parceria com a Espanha no
um ganhador e um perdedor, sendo o seu resultado
século XVIII.
equivalente a uma soma zero (+1-1=0). Baseando-se
c) Portugal desenvolveu apenas o mercantilismo de
nestes princípios, os Estados modernos atuaram no
plantagem, baseado na produção tropical desti-
comércio internacional sob a orientação de uma po-
nada ao mercado internacional.
lítica econômica. A política mercantilista baseava-se:
d) As refinarias de açúcar de Sevilha substituíram
a) na valorização da agricultura como única fonte
as refinarias de Portugal, na fase do desenvol-
de riqueza.
vimento do mercantilismo industrial de Castela.
b) na redução da presença do Estado na vida eco-
e) Companhias de comércio foram instaladas por
nômica.
todos os Estados mercantilistas europeus, para
c) na supressão dos monopólios e privilégios tra-
reforçar a política comercial ou o colbertismo
dicionais.
(referência a Colbert, ministro francês, que de-
d) na liberdade comercial e no domínio da livre ini-
fendia o comércio de produtos baratos vendidos
ciativa.

29
HISTÓRIA GERAL

e) na identificação da riqueza com a posse de me- QUESTÃO 08 - Leia os textos abaixo e responda os
tais preciosos. itens a seguir:
“Há muitas maravilhas mais nenhuma é tão maravi-
QUESTÃO 06 - Um mercantilista inglês escreveu: Os lhosa quanto o homem... homem de engenho e artes
meios ordinários para aumentar nossa riqueza e te- inesgotáveis... soube aprender sozinho a usar a fala e
souro são pelo comércio exterior, para o que devemos o pensamento mais veloz que o vento... sagaz de certo
obedecer sempre a esta regra: vender mais aos es- modo na inventiva além do que seria de esperar e na
trangeiros em valor do que consumimos deles. destreza, que o desvia às vezes para a maldade, às
(Thomas Mun, “Discourse on England’s Treasure by vezes para o bem...”
Foreing Trade”, 1664) (SÓFOCLES, Antígona. Grécia, século V a.c)
Sobre o mercantilismo, assinale a alternativa correta. “Que obra de arte é o homem: tão nobre no raciocí-
a) Foi uma forma de exploração da natureza, em- nio, tão vário na capacidade; em forma o movimento,
pregada aos recursos minerais, vegetais, ani- tão preciso e admirável; na ação é como um anjo; no
mais e humanos que obedecia a interesses entendimento é como um Deus; a beleza do mundo, o
imediatistas, sem preocupação com o futuro. exemplo dos animais.”
b) A Holanda praticava um tipo de mercantilismo (SHAKESPEARE, Hamlet. Inglaterra, século XVI).
conhecido como metalista e industrial que veio
Muitas relações podem ser estabelecidas entre os tex-
a desenvolver em parceria com a Espanha no tos. Uma delas refere-se ao fato de:
século XVIII. a) O hedonismo ser um valor aceito tanto na cultura
c) Portugal desenvolveu apenas o mercantilismo Greco-romana clássica quanto na Europa Barro-
de plantagem, baseado na produção tropical ca.
destinada ao mercado internacional. b) O primeiro texto reforçar a teoria teocêntrica e o
d) As refinarias de açúcar de Sevilha substituíram segundo valorizar o antropocentrismo.
as refinarias de Portugal, na fase do desenvol- c) Ambos os textos serem racionalistas, mas apenas
vimento do mercantilismo industrial de Castela. o segundo ser fruto de uma reflexão cientifica de-
e) Companhias de comércio foram instaladas por senvolvida.
todos os Estados mercantilistas europeus, para d) Assinalar a influencia que a cultura clássica exer-
reforçar a política comercial ou o colbertismo ceu sobre o pensamento renascentista.
(referência a Colbert, ministro francês, que de- e) Serem trechos de duas obras de arte, peças de
fendia o comércio de produtos baratos vendi- teatro, sem grandes preocupações de cunho filo-
dos mais caros nos mercados coloniais). sófico ou ideológico.

QUESTÃO 07 - colônias suas filhas todos os bons QUESTÃO 09 - “o mundo todo esta cheio de pessoas
ofícios e socorros necessários para a defesa e segu- sábias, de preceptores eruditos, de grandes bibliotecas;
rança das suas vidas e dos seus bens (...). Estes be- parece-me que nem no tempo de Platão ou de Cícero
nefícios pedem iguais recompensas e, ainda, alguns havia condições de estudo como agora.”
justos sacrifícios; e, por isso é necessário que as co- Fonte: Rabelais. Pantagruel. In L. Gothier e A. Troux.
lônias também, da sua parte, sofram: 1) que só pos- Recueil de Textes d´Histoire, tomo III.
sam comerciar diretamente com a Metrópole, excluída O texto acima refere-se à intensificação da produção
toda e qualquer outra nação, ainda que lhes faça um intelectual durante o movimento renascentista. Sobre
comércio mais vantajoso; (...) Desta sorte, os justos esse movimento é correto afirmar:
interesses e as relativas dependências mutuamente a) A produção intelectual renascentista foi profun-
serão ligadas.” damente marcada por preocupações com o so-
brenatural e a vida após a morte.
Azeredo Coutinho, J. J. da Cunha. ENSAIO SOBRE
b) A preocupação maior dos mecenas, em sua
O COMÉRCIO DE PORTUGAL E SUAS COLÔNIAS,
maioria burgueses, era com o retorno financeiro
1816).
das obras de arte.
A política mercantilista baseava-se: c) As bases da ciência moderna, idéias como o ra-
a) na valorização da agricultura como única fonte cionalismo e o experimentalismo, foram elabo-
de riqueza. radas a partir do renascimento.
b) na redução da presença do Estado na vida eco- d) A produção artística do renascimento era marca-
nômica. da pelo misticismo e profundamente contraria a
c) na supressão dos monopólios e privilégios tradi- utilização da ciência.
cionais. e) A concepção cientifica do renascimento tinha a
d) na liberdade comercial e no domínio da livre ini- observação e a experimentação como funda-
ciativa. mentos únicos de suas conclusões e postula-
e) na identificação da riqueza com a posse de me- dos.
tais preciosos.
QUESTÃO 10 - “...o príncipe, que trabalha para o seu

30
HISTÓRIA GERAL

Estado, trabalha para os seus filhos, e o amor que tem b) O primeiro texto reforçar a teoria teocêntrica e o
pelo seu reino, confundindo com o que tem pela sua segundo valorizar o antropocentrismo.
família, torna-se-lhe natural... O rei vê de mais longe c) Ambos os textos serem racionalistas, mas ape-
e de mais alto; deve acreditar-se que ele vê melhor...” nas o segundo ser fruto de uma reflexão cienti-
(Jacques de Bossuet. POLÍTICA TIRADA DA SA- fica desenvolvida.
GRADA ESCRITURA. Livro II, 10ª proposição e Livro d) Assinalar a influencia que a cultura clássica
VI, artigo 1º) exerceu sobre o pensamento renascentista.
e) Serem trechos de duas obras de arte, peças de
O trecho anterior se refere ao Absolutismo monárqui-
teatro, sem grandes preocupações de cunho fi-
co, que se constituiu no próprio modelo dos regimes
losófico ou ideológico.
políticos dos Estados europeus do Antigo Regime.
Apresentou variáveis locais conforme se expandia na
QUESTÃO 02 - ”A consciência da oposição entre “coi-
Europa, entre os séculos XVI e XVIII. Entretanto, po-
sas antigas e modernas”, e com ela a formação de um
demos identificar no Absolutismo monárquico carac-
conceito de modernidade, surgiu durante o Renasci-
terísticas comuns que o distinguiam, dentre as quais
mento, no século XVI. À visão religiosa de mundo da
destacamos corretamente a:
nobreza e do clero, difundida na Idade Média, começa
a) unificações de diversas atribuições de Estado e
a contrapor-se outra visão, a burguesa. Tal mudan-
de governo na figura dos monarcas, tais como
ça coloca o homem no centro do universo (conceito
a prerrogativa de legislar e a administração da
antropocêntrico), abrindo novas perspectivas ao pen-
justiça real.
samento político e religioso, assim como ao desenvol-
b) substituição de um tipo de administração base-
vimento das ciências.”
ada na distribuição de privilégios e concessões
régias por uma organização burocrática profis- (Carlos G. Mota, HISTÓRIA MODERNA E CONTEM-
sional que atuava em atividades desvinculadas PORÂNEA.)
do Estado. Entre as características do Renascimento pode-se
c) implementação de práticas econômicas liberais apontar corretamente o(a):
como forma de consolidar a aliança política e a) declínio das concepções naturalistas e individu-
econômica dos reis absolutos com as burgue- alistas frente ao progressivo fortalecimento dos
sias nacionais. dogmas determinados pelo catolicismo.
d) submissão política dos governos reais absolutis- b) repúdio às obras artísticas e ao pensamento
tas à hierarquia eclesiástica, conforme definido filosófico produzido pela antigüidade clássica
pela doutrina do Direito Divino dos Reis. greco-romana devido à subordinação da cultura
e) definição da autoridade dos monarcas absolutos à religião ao final da Idade Média.
e seus limites de poder, através da atuação dos c) valorização dos ideais medievais ligados à mo-
parlamentos nacionais constitucionalistas, con- ral aristocrática e às instituições da cavalaria
trolados por segmentos burgueses. feudal.
d) reativação do comércio e das relações culturais
EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES entre o ocidente europeu e o oriente.
QUESTÃO 01 - Leia os textos abaixo e responda os e) supremacia dos modelos teocêntricos em subs-
itens a seguir: tituição ao geocentrismo para a explicação dos
“Há muitas maravilhas mais nenhuma é tão maravi- fenômenos naturais.
lhosa quanto o homem... homem de engenho e artes
inesgotáveis... soube aprender sozinho a usar a fala QUESTÃO 03 - ”A superioridade das Monarquias
e o pensamento mais veloz que o vento... sagaz de sobre os senhores feudais acentuou-se: os castelos
certo modo na inventiva além do que seria de esperar feudais deixaram de ser invulneráveis com o desen-
e na destreza, que o desvia às vezes para a maldade, volvimento da artilharia; a criação de exércitos profis-
às vezes para o bem...” sionais, convertidos em poderosos sustentáculos das
(SÓFOCLES, Antígona. Grécia, século V a.c) monarquias, libertaram-nas da até então imprescindí-
vel ajuda da nobreza feudal, cuja principal instituição
“Que obra de arte é o homem: tão nobre no raciocí-
militar - a cavalaria - tornou-se inútil diante da infanta-
nio, tão vário na capacidade; em forma o movimento,
ria com arcabuzes e mosquetes.”
tão preciso e admirável; na ação é como um anjo; no
entendimento é como um Deus; a beleza do mundo, o (AQUINO, Rubim Leão et alli. HISTÓRIA DAS
exemplo dos animais.” SOCIEDADES. DAS SOCIEDADES MODERNAS
ÀS SOCIEDADES ATUAIS. 2 ed. Rio de Janeiro: Ao
(SHAKESPEARE, Hamlet. Inglaterra, século XVI).
Livro Técnico, 1983. p. 24.)
Muitas relações podem ser estabelecidas entre os
Como características gerais dos Estados Modernos,
textos. Uma delas refere-se ao fato de:
que se organizavam na Europa Ocidental no período
a) O hedonismo ser um valor aceito tanto na cul-
que vai do século XV ao XVIII, pode-se mencionar en-
tura Greco-romana clássica quanto na Europa
tre outros, a:
Barroca.

31
HISTÓRIA GERAL

a) consolidação da burguesia industrial no poder e Essas afirmações de Bossuet referem-se ao contexto:


a descentralização administrativa. a) do século XII, na França, no qual ocorria uma
b) centralização e unificação administrativa, bem profunda ruptura entre Igreja e Estado pelo fato
como o desenvolvimento do mercantilismo. de o Papa almejar o exercício do poder monár-
c) confirmação das obrigações feudais e o estímu- quico por ser representante de Deus.
lo à produção urbano-industrial. b) do século X, na Inglaterra, no qual a Igreja Ca-
d) superação das relações feudais e a não inter- tólica atuava em total acordo com a nobreza
venção na economia. feudal.
e) consolidação do localismo político e a monta- c) do século XVIII, na Inglaterra, no qual foi de-
gem de um exército nacional. senvolvida a concepção iluminista de governo,
como está exposta.
QUESTÃO 04 - "Ó mar salgado, quanto do teu sal d) do século XVII, na França, no qual se consolida-
São lágrimas de Portugal! vam as monarquias nacionais.
Por te cruzarmos, quantas mães choraram, e) do século XVI, na Espanha, no momento da
Quantos filhos em vão rezaram! união dos tronos de Aragão e Castela.
Quantas noivas ficaram sem casar
Para que fosses nosso, ó mar! QUESTÃO 06 - “A monarquia absoluta foi uma forma
de monarquia feudal diferente da monarquia dos Es-
Valeu a pena? Tudo vale a pena tados medievais que a precedeu; mas a classe domi-
Se a alma não é pequena. nante permaneceu a mesma, tal como uma república,
Quem, quer passar além do Bojador uma monarquia constitucional e uma ditadura fascista
Tem que passar além da dor. podem ser todas [elas] formas de dominação burgue-
Deus ao mar o perigo e o abismo deu. sa.”
Mas nele é que espelhou o céu.” (Christopher Hill,”Um comentário”, citado por Perry
(Fernando Pessoa, MAR PORTUGUÊS. Rio de Ja- Anderson em LINHAGENS DO ESTADO ABSOLU-
neiro, José Aguilar, 1960.) TISTA.)
O poema de Fernando Pessoa se refere à conquista O texto apoia a seguinte afirmação:
dos mares pelos portugueses, o início da era moder- a) os Estados medievais precederam a monarquia.
na. Se os resultados finais mais conhecidos dessas b) a expressão “monarquia feudal” não é aplicável
“Grandes Navegações” foram a abertura de novas aos Estados medievais.
rotas comerciais em direção à Índia, a conquista de c) os Estados medievais podem ser considerados
novas terras e o espalhamento da cultura européia, Estados de transição.
alguns dos elementos desse contexto histórico cuja d) o absolutismo foi uma forma de dominação feu-
articulação auxilia na compreensão das origens dessa dal.
expansão marítima são: e) o absolutismo foi politicamente neutro do ponto
a) o avanço das técnicas de navegação; a busca de vista social.
do mítico paraíso terrestre; a percepção do uni-
verso segundo uma ordem racional. QUESTÃO 07 - O florentino Nicolau Maquiavel (1469
b) o mito do abismo do mar; a desmonetarização - 1527) rompeu com a religiosidade medieval, estabe-
da economia; a vontade de enriquecimento rá- lecendo nítida distinção entre a moral individual e a
pido. moral pública. Em seu livro “O Príncipe” preconizava
c) a busca de ouro para as Cruzadas; a descen- que:
tralização monárquica; o desenvolvimento da a) o chefe de Estado deve ser um chefe de exérci-
matemática. to. O Estado em guerra deve renunciar a todo
d) a demanda de especiarias; a aliança com as sentimento de humanidade... O equilíbrio das
cidades italianas; a ânsia de expandir o cristia- forças está inscrito nos tratados. Mas os chefes
nismo. de Estado não devem hesitar em trair sua pa-
e) o anseio de crescimento mercantil; os relatos lavra ou violar sua assinatura no interesse do
de viajantes medievais; a conquista de Portugal Estado.
pelos mouros. b) somente a autoridade ilimitada do soberano po-
deria manter a ordem interna de uma nação. A
QUESTÃO 05 - “O trono real não é o trono de um ho- ordem política internacional é a mais importan-
mem, mas o trono do próprio Deus. Os reis são deu- te; sem ela se estabeleceria o caos e a turbu-
ses e participam de alguma maneira da independên- lência política.
cia divina. O rei vê de mais longe e de mais alto; deve c) na transformação do Estado Natural para o Es-
acreditar-se que ele vê melhor...” tado Civil, legitima-se o poder absoluto do rei,
(Jacques Bossuet.) uma vez que o segundo monta-se a partir do in-
divíduo, que cede seus direitos em troca de pro-
teção contra a violência e o caos do primeiro.

32
HISTÓRIA GERAL

d) o trono real não é o trono de um homem, mas o a) buscavam alcançar uma balança comercial fa-
trono do próprio Deus... Os reis... são deuses e vorável através do liberalismo alfandegário.
participam de alguma maneira da independên- b) baseavam-se em rigorosas proibições das prá-
cia divina. O rei vê mais longe e de mais alto; ticas protecionistas e monopolistas comerciais.
deve-se acreditar que ele vê melhor... c) condenavam o dirigismo econômico e a regula-
e) há três espécies de governo: o republicano, o mentação da produção exercidos pelos monar-
monárquico e o despótico... A liberdade política cas absolutos.
não se encontra senão nos governos modera- d) fundamentavam-se na expansão do poderio na-
dos... Para que não se possa abusar do poder, val como forma de sustentar o comércio exter-
é preciso que pela, disposição das coisas, o po- no.
der faça parar o poder. e) negavam a importância dos investimentos em
atividades manufatureiras, privilegiando ape-
QUESTÃO 08 - O Absolutismo monárquico manifes- nas as agrícolas.
tou-se de formas variadas, entre os séculos XVI e
XVIII na Europa, através de um conjunto de práticas
e doutrinas político-econômicas que fundamentavam GABARITO DE APRENDIZAGEM
a atuação do Estado Nacional Absoluto. Dentre essas 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
práticas e doutrinas, identificamos corretamente a:
a) condenação da doutrina política medieval que A E A E E A E D C A
justificava a autoridade monárquica absoluta
através do Direito Divino dos Reis
b) concentração dos poderes de governo e da au- GABARITO COMPLEMENTARES
toridade política na pessoa do Rei identificado 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
com o Estado D D B A D D A B B D
c) promoção política das burguesias nacionais,
principais empreendedores mercantis da ex-
pansão econômica e geográfica do Estado Mo-
derno Absoluto
d) adoção de práticas capitalistas e liberais como
fundamento da organização econômica dos Im-
périos coloniais controlados pelas Monarquias
européias
e) rejeição dos princípios mercantilistas: dirigismo
econômico e protecionismo alfandegário

QUESTÃO 09 - A transição gradativa do Mundo Me-


dieval para o Mundo Moderno dependeu da conjuga-
ção de inúmeros fatores, europeus e extra-europeus,
que ganharam dimensões e características novas. A
inserção do Mundo não europeu no contexto do colo-
nialismo mercantilista, inaugurado pelos grandes des-
cobrimentos, contribuiu para:
a) a aceitação, sem resistência, da tutela cultural
que o europeu pretendeu exercer sobre os po-
vos da África e da Ásia.
b) acarretar profunda contenção na expansão civi-
lizatória do Mundo Pré-Colombiano.
c) o indígena demonstrar sua inadaptabilidade ra-
cial para o trabalho.
d) que o tráfico negreiro, operação comercial ren-
tável, fosse determinado pela apatia e preguiça
do ameríndio.
e) a montagem de modelo político-administrativo
caracterizado pela não intervenção do Estado
Absoluto na vida das colônias.

QUESTÃO 10 - Sobre as concepções e práticas mer-


cantilistas, adotadas pelas nações européias entre os
séculos XVI e XVIII, é correto afirmar que:

33
GEOGRAFIA

Competência de área 4 - Entender as transformações pode ser encontrado em bacias sedimentares e seus
técnicas e tecnológicas e seu impacto nos processos principais estágios de formação são:
de produção, no desenvolvimento do conhecimento e turfa ⇒ linhito ⇒ hulha ⇒ antracito
na vida social. O carvão mineral é a principal fonte de geração de
H16 - Identificar registros sobre o papel das técnicas eletricidade no mundo gerando aproximadamente
e tecnologias na organização do trabalho e/ou da vida 40% de toda eletricidade produzida no planeta atra-
social. vés das usinas termoelétricas. São pontos positivos
H17 - Analisar fatores que explicam o impacto das de seu uso o fato do mesmo ser abundante em um
novas tecnologias no processo de territorialização da grande número de países, ter uso variado (fabricação
produção. do aço, por exemplo) e uma grande facilidade de ar-
H18 - Analisar diferentes processos de produção ou mazenamento. Em contra partida é o maior poluidor
circulação de riquezas e suas implicações sócio-es- dos combustíveis fósseis (cinzas e gases), gera doen-
paciais. ças nos mineradores e sua exploração torna as áreas
H19 - Reconhecer as transformações técnicas e tec- mineradas erodidas e acidificadas.
nológicas que determinam as várias formas de uso e
apropriação dos espaços rural e urbano. • Gás Natural e Xisto Betuminoso
H20 - Selecionar argumentos favoráveis ou contrários O Gás Natural é considerado por muitos como sendo
às modificações impostas pelas novas tecnologias à um dos melhores combustíveis fósseis. O gás natural
vida social e ao mundo do trabalho. é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, origina-
Habilidades 16, 18, 19, 20 dos da decomposição de matéria orgânica fossilizada
Fontes de Energia ao longo de milhões de anos e pode ser encontrado na
Definição - Pode-se definir energia como sendo a ca- natureza associado ou não ao petróleo. Dentre suas
pacidade de produzir trabalho. Já as Fontes de ener- vantagens mais diretas observa-se que o gás natural
gia são os diversos tipos de materiais ou processos tem elevado poder calorífico e, em sua queima, apre-
dos quais se podem obter energia e podem ser dividi- senta baixos índices de emissão de poluentes, e em
das em dois grandes grupos: caso de vazamentos, tem rápida dispersão, sendo
• Renováveis - quando a renovação ocorre em ainda utilizado em aquecimento de domicílios, como
um curto período de tempo; combustível de automóveis e como matéria-prima na
• Não renováveis - quando a renovação ocorre indústria química.
em um longo período de tempo ou que ainda Como pontos negativos destaca-se a necessidade
não ocorre a renovação; de uma infraestrutura de armazenamento e transpor-
Podem ser ainda divididas em tradicionais e alterna- te especializada além do fato que os extensos gaso-
tivas, sendo as tradicionais as mais utilizadas e que dutos podem vir a gerar problemas geopolíticos. O
produzem uma maior quantidade de energia. Já as xisto betuminoso é uma rocha sedimentar e porosa,
alternativas foram criadas para viabilizar uma possí- rica em material orgânico. Em suas camadas, é pos-
vel substituição das tradicionais que são em geral não sível encontrar gás natural semelhante ao derivado
renováveis e comumente poluidoras. do petróleo, que pode ser destinado para o uso como
combustível de carros, geração de eletricidade, aque-
Fontes de Energia Tradicionais cimento de casas e para a atividade industrial. Por se
• Petróleo encontrar comprimido, o processo de extração do gás
O petróleo é resultante de transformações sofridas por é complexo e requer alta tecnologia para a perfuração
matéria orgânica sobre certas condições específicas de zonas profundas, através de um processo conhe-
de calor e pressão, sendo encontrado em bacias se- cido como fraturamento hidráulico, ou mesmo, “fra-
dimentares tanto em áreas continentais assim como cking”, através do qual se extrai o chamado gás xis-
no mar, nas regiões conhecidas como plataformas to, ou gás de folhelho (shale gas). A extração do gás
continentais. O petróleo é um recurso natural - ain- de xisto pelo fraturamento hidráulico pode ocasionar
da que não renovável - capaz de liberar uma grande elevados impactos ambientais tais como a contamina-
quantidade de energia calorifica e fornecer centenas ção de águas nos aquíferos, poluição do ar, poluição
de subprodutos, dentre os quais se destacam: gaso- sonora e a migração dos gases e produtos químicos
lina; óleo diesel; plásticos; lubrificantes; borracha sin- empregados para a superfície.
tética, etc., mantendo uma boa relação de custo-be-
nefício. Infelizmente ocorre uma grande concentração • Minerais Energético-Radioativos
de reservas juntamente com o fato de o mesmo ser A obtenção de energia nuclear se baseia no princípio
um dos maiores poluidores do ar e ocasionar grandes demonstrado por Einstein, de que nas reações nucle-
riscos ambientais ao ser transportado. ares ocorre uma transformação de massa em ener-
gia. A energia termonuclear pode ser obtida em usinas
• Carvão Mineral através da fissão (ou quebra) e por fusão (ou colisão)
O carvão mineral diferente do carvão vegetal, é o re- de átomos. São utilizados como matérias-primas para
sultado de transformações químicas que se proces- a energia nuclear os minerais radioativos, como o plu-
saram a partir de grandes florestas soterradas em tônio, o tório e o urânio. A obtenção de eletricidade
antigos períodos da história geológica da Terra (Car- através da energia termonuclear é consideravelmente
bonífero). O carvão mineral, assim como o petróleo, menos consumidora de recursos naturais visto que

34
GEOGRAFIA

a fissão nuclear é controlada em uma usina onde o índice zero de poluição, sendo útil como fonte com-
uso de 1 quilo de urânio corresponde à queima de 3 plementar de energia em áreas isoladas. Como a sua
mil toneladas de carvão ou ainda de 12 mil barris de irradiação sobre a superfície da Terra não ocorre de
petróleo. Ressaltam-se como pontos positivos as re- maneira uniforme no momento só é realmente viável
servas abundantes no mundo e o fato de durante sua em áreas ensolaradas. Possui um elevado preço na
produção não ocorrer emissão de gases poluentes, instalação em larga escala para obtenção de energia
juntamente com o fato que o avanço tecnológico tor- fotovoltaica.
nou as usinas mais seguras. Entretanto seu uso exige
um grande investimento inicial assim como sempre • Biomassa
existem os riscos de acidente nuclear e ressalta-se Biomassa é a massa total de organismos vivos numa
ainda a produção de lixo radioativo. área. Esta massa constitui uma importante reserva de
energia, pois é formada essencialmente por hidratos
• Hidráulica de carbono, sendo, portanto usadas para produzir
Apesar de ser uma fonte de energia notoriamente re- energia. Assim, biomassa é todo recurso renovável
novável, a energia hidroelétrica ou hidráulica possui oriundo de matéria orgânica (de origem animal ou ve-
as características referentes a uma fonte de energia getal) que pode ser utilizada na produção de energia.
tradicional. É uma das fontes com melhor custo be- A energia pode ser obtida através da combustão em
nefício para a produção de eletricidade, além de ser a fornos e caldeiras de diversos produtos ou ainda atra-
priori, renovável. A energia gerada é, portanto, reno- vés da gaseificação e pirólise, além da destilação da
vável, assim como não poluente e comparativamente matéria orgânica.
barata e em grande quantidade. Como ponto positivo mais direto o uso da biomassa
Traz como pontos negativos a necessidade de um aproveita restos, reduzindo o desperdício e no caso
grande investimento inicial, gerando em sua constru- do etanol e do biodiesel, os mesmos são equivalentes
ção um forte impacto ambiental e tem a sua produção à gasolina, entretanto menos poluidores. Dentre as
dependente do regime de chuvas. problemáticas de seu uso em larga escala está o fato
de que um elevado consumo esbarra na sazonalidade
Fontes de Energia Alternativas - Fontes alternati- podendo ainda gerar uma elevação do preço dos ali-
vas de energia são aquelas que se apresentam como mentos e dependendo de como se queima pode ser
alternativa ao uso das fontes tradicionais de energia muito poluente.
(petróleo, gás natural, hídrica, carvão mineral). As fon-
tes alternativas de energias são renováveis, pouco ou • Marítima
não poluentes, além de apresentar a vantagem de ter A energia Marítima ou ainda Maremotriz, é um modo
baixos índices de agressão ambiental. de geração de eletricidade através da utilização da
energia contida no movimento de massas d’água
• Eólica oceânicas. Dois tipos de energia marítima podem ser
Energia eólica é a energia cinética contida nas mas- obtidos: energia cinética das correntes marítimas e
sas de ar em movimento (vento). Uma usina eólica é energia potencial pela diferença de altura entre as ma-
composta de grandes hélices e vários geradores eóli- rés alta e baixa. O potencial de geração de energia
cos instalados em locais onde a velocidade do vento elétrica a partir do mar inclui ainda o aproveitamento
é adequada e assim, produzindo energia elétrica. É da força das ondas. Atualmente vem sendo utiliza-
exaltada por apresentar índice zero de poluição e sen- da com fonte complementar de energia com destaque
do útil como fonte complementar às fontes de energia para as comunidades insulares (ilhas). Por ser natural
tradicionais. Além disso, como a velocidade do vento e renovável, diminui os custos com matéria-prima. Al-
costuma ser maior em períodos de estiagem, é pos- guns tipos podem ocasionar desequilíbrio marinho e
sível operar usinas eólicas em sistema complementar só funciona bem em áreas com desníveis relativos de
com usinas hidrelétricas. Entretanto as variações do marés ou onde ocorre a passagem de fortes correntes
vento tornam sua produção energética instável. Os marítimas.
equipamentos ainda são caros e barulhentos, além de
ocupar áreas litorâneas extensas. • Geotérmica
A energia geotérmica (ou geotermal) é aquela obtida
• Solar pelo calor que existe no interior da Terra. Os princi-
A energia solar é aquela energia obtida pela luz do Sol pais recursos são os gêiseres que funcionam como
que pode ser captada com painéis solares e que che- fontes de vapor que apresentam erupções periódicas.
ga ao planeta nas formas térmica e luminosa. O apro- As usinas elétricas aproveitam esta energia para pro-
veitamento dessa energia começou a ser utilizada em duzir água quente e vapor, que aciona as turbinas e
1959 nos EUA, como forma de geração de energia como outra utilização temos o uso do vapor que ao
elétrica para os satélites. Pode ocorrer em forma de percorrer tubulações pode até chegar às casas e es-
energia fotovoltaica (eletricidade) e energia fototér- tufas para aquecimento. Esse tipo de fonte de energia
mica (aquecimento). A produção de eletricidade a par- possui custos mais estáveis e se mostra relativamen-
tir da energia solar vem crescendo nos últimos anos, te constante em sua produção anual. Entretanto, seu
sendo tradicionalmente usada para a obtenção de uso indiscriminado pode vir a criar uma instabilidade
energia térmica. Juntamente com a eólica possui um geológica na área onde é instalada, havendo riscos de

35
GEOGRAFIA

erupções. Deve-se ainda ressaltar que sua instalação b) o potencial energético produzido pelo seu siste-
só é viável em algumas regiões do planeta. ma elétrico.
c) a rede de linhas e equipamentos de transmissão
EXERCÍCIOS APRENDIZAGEM de energia.
QUESTÃO 01 - As usinas geotérmicas são uma forma d) a quantidade, medida em megawatts (MW), da
alternativa de geração de energia elétrica por utiliza- energia consumida.
rem as elevadas temperaturas do próprio subsolo em e) o conjunto de fontes geradoras de energia.
algumas regiões. Considere as informações do es-
quema e do mapa a seguir: QUESTÃO 05 (ENEM) - A eficiência de um processo
de conversão de energia é definida como a razão en-
tre a produção de energia ou trabalho útil e o total de
entrada de energia no processo. A figura mostra um
processo com diversas etapas. Nesse caso, a efici-
ência geral será igual ao produto das eficiências das
etapas individuais. A entrada de energia que não se
transforma em trabalho útil é perdida sob formas não
utilizáveis (como resíduos de calor).
O país cuja localização espacial proporciona condi-
ções ideais para amplo aproveitamento da energia
geotérmica é:
a) Brasil. b) Nigéria.
c) Islândia. d) Uruguai. e) Austrália.

QUESTÃO 02 - Em 2015, os Estados Unidos (EUA),


país que não é membro da OPEP, tornaram se o maior
produtor mundial de petróleo, superando grandes pro-
dutores históricos mundiais, de acordo com a publica-
ção Statistical Review of World Energy (BP) - 2015. HINRICHS, R. A. Energia e Meio Ambiente. São Pau-
Sobre essa fonte de energia, é correto afirmar: lo: Pioneira Thomson Learning, 2003 (adaptado).
a) A queda da oferta de petróleo, em2015, pelos Aumentar a eficiência dos processos de conversão de
países não membros da OPEP é resultado do energia implica economizar recursos e combustíveis.
uso de fontes de energia alternativas, como os Das propostas seguintes, qual resultará em maior au-
biocombustíveis, e também da expansão das mento da eficiência geral do processo?
termelétricas. a) Aumentar a quantidade de combustível para
b) O Brasil, país que não é membro da OPEP, des- queima na usina de força.
taca se pela exploração de jazidas de petróleo b) Utilizar lâmpadas incandescentes, que geram
em rochas vulcânicas do embasamento crista- pouco calor e muita luminosidade.
lino do pré-sal. c) Manter o menor número possível de aparelhos
c) O crescimento da produção de petróleo nos elétricos em funcionamento nas moradias.
EUA, que levou esse país à condição de maior d) Utilizar cabos com menor diâmetro nas linhas
produtor mundial em 2015, deu se pela explora- de transmissão a fim de economizar o material
ção das jazidas de óleo de xisto. condutor.
d) A elevação da produção de petróleo em países e) Utilizar materiais com melhores propriedades
da OPEP, como Arábia Saudita, Rússia e Chi- condutoras nas linhas de transmissão e lâmpa-
na, é resultado da alta dos preços dessa com- das fluorescentes nas moradias.
modity em 2015.
e) A exploração das jazidas de óleo de xisto do QUESTÃO 06 (PUCCAMP) - ...do carvão e do petró-
subsolo oceânico foram fatores para a indus- leo se produz energia termelétrica que faz movimen-
trialização de países, como México, Japão e tar grande parte do mundo. No entanto, destas fontes
EUA. pode-se afirmar que
a) desde os anos de 1970, o carvão deixou de ser
QUESTÃO 03 (Enem adaptada) - Qual das seguintes a segunda maior fonte geradora de energia,
fontes de produção de energia é a mais recomendável tendo sido substituído pelo gás natural.
para a diminuição dos gases causadores do aqueci- b) desde os anos de 1980, praticamente a metade
mento global? da energia primária utilizada no mundo provém
a) Carvão mineral. b) Gás natural. do petróleo.
c) Óleo diesel. d) Gasolina. c) nos anos de 1990, o consumo de carvão dimi-
e) Vento. nuiu, dentre outros fatores, devido às pressões
dos ambientalistas que relacionam a queima do
QUESTÃO 04 (UFRS) - Entende-se por “matriz ener- carvão à chuva ácida.
gética” de um país: d) na década de 1990, o petróleo deixou de ser a
a) o total de estações geradoras de energia.

36
GEOGRAFIA

fonte de energia mais utilizada no mundo sen- QUESTÃO 09 (ENEM)


do, gradativamente, substituído pela biomassa.
e) devido à instabilidade política do Oriente Médio,
os países europeus têm diminuído o consumo
de petróleo e aumentado a produção de novas
fontes alternativas.
QUESTÃO 07 (ENEM) - A usina hidrelétrica de Belo
Monte será construída no rio Xingu, no município de
Vitória de Xingu, no Pará. A usina será a terceira maior
do mundo e a maior totalmente brasileira, com capa-
cidade de 11,2 mil megawatts. Os índios do Xingu to-
mam a paisagem com seus cocares, arcos e flechas. ZIEGLER, M. F. Energia Sustentável. Revista IstoÉ.
Em Altamira, no Pará, agricultores fecharam estradas 28 abr. 2010.
de uma região que será inundada pelas águas da usi-
A fonte de energia representada na figura, considera-
na.
da uma das mais limpas e sustentáveis do mundo, é
BACOCCINA, D.; QUEIROZ. G.; BORGES, R. Fim extraída do calor gerado:
do leilão, começo da confusão. Istoé Dinheiro. Ano a) pelos detritos e cinzas vulcânicas.
13, no 655,28 abr. 2010 (adaptado). b) pela circulação do magma no subsolo.
Os impasses, resistências e desafios associados à c) pelas erupções constantes dos vulcões.
construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte estão d) pela queima do carvão e combustíveis fósseis.
relacionados: e) pelo sol que aquece as águas com radiação ul-
a) ao potencial hidrelétrico dos rios no norte e nor- travioleta.
deste quando comparados às bacias hidrográ-
ficas das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste QUESTÃO 10 (UFRS) - Assinale a alternativa correta
do país. com relação aos recursos energéticos.
b) à necessidade de equilibrar e compatibilizar o a) A queima de combustíveis fósseis provoca a li-
investimento no crescimento do país com os
beração de gás carbônico na atmosfera, o que
esforços para a conservação ambiental.
ocasiona o resfriamento das temperaturas glo-
c) à grande quantidade de recursos disponíveis
bais.
para as obras e à escassez dos recursos dire-
cionados para o pagamento pela desapropria- b) Os combustíveis fósseis, recursos finitos e não
ção das terras. renováveis, têm os custos econômicos de sua
d) ao direito histórico dos indígenas à posse des- exploração encarecidos, quando a sua localiza-
sas terras e à ausência de reconhecimento des- ção ocorre em consideráveis profundidades.
se direito por parte das empreiteiras. c) São chamadas de combustíveis fósseis as fon-
e) ao aproveitamento da mão de obra especiali- tes energéticas geradas pela fossilização de
zada disponível na região Norte e o interesse material orgânico. Os mais importantes com-
das construtoras na vinda de profissionais do bustíveis fósseis são o carvão, o petróleo e os
Sudeste do país. derivados do álcool.
d) Os maiores responsáveis pela poluição atmos-
QUESTÃO 08 (MACKENZIE) - O mapa representa o férica causada pela queima dos combustíveis
comércio internacional de: fósseis são os países periféricos, uma vez que
as indústrias dos países tecnologicamente mais
avançados já operam, em sua maioria, com a
chamada “tecnologia limpa”.
e) A Organização dos Países Exportadores de Pe-
tróleo (OPEP) congrega exclusivamente países
árabes, constituindo-se numa organização es-
sencialmente política, baseada no poder econô-
a) manufaturados. mico possibilitado pelo domínio da exploração
b) petróleo e derivados. do mais importante dos combustíveis fósseis.
c) aço e produtos siderúrgicos.
d) matérias primas agrícolas. EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES
e) minerais metálicos. QUESTÃO 01 (ENEM) - Em usinas hidrelétricas, a
queda d’água move turbinas que acionam gerado-
res. Em usinas eólicas, os geradores são acionados
por hélices movidas pelo vento. Na conversão direta
solar-elétrica são células fotovoltaicas que produzem
tensão elétrica. Além de todos produzirem eletricida-
de, esses processos têm em comum o fato de:

37
GEOGRAFIA

a) não provocarem impacto ambiental. suficiente para abastecer a usina construída.


b) independerem de condições climáticas.
c) a energia gerada poder ser armazenada. QUESTÃO 04 (ENEM) - Os biocombustíveis de pri-
d) utilizarem fontes de energia renováveis. meira geração são derivados da soja, milho e cana-
e) dependerem das reservas de combustíveis fós- -de-açúcar e sua produção ocorre através da fer-
seis. mentação. Biocombustíveis derivados de material
celulósico ou bicombustíveis de segunda geração
QUESTÃO 02 (ENEM) - A economia moderna depen- - coloquialmente chamados de “gasolina de capim” -
de da disponibilidade de muita energia em diferentes são aqueles produzidos a partir de resíduos de madei-
formas, para funcionar e crescer. No Brasil, o consu- ra (serragem, por exemplo), talos de milho, palha de
mo total de energia pelas indústrias cresceu mais de trigo ou capim de crescimento rápido e se apresentam
quatro vezes no período entre 1970 e 2005. Enquanto como uma alternativa para os problemas enfrentados
os investimentos em energias limpas e renováveis, pelos de primeira geração, já que as matérias-primas
como solar e eólica, ainda são incipientes, ao se ava- são baratas e abundantes.
liar a possibilidade de instalação de usinas geradoras DALE, B. E.; HUBER, G. W. Gasolina de capim e ou-
de energia elétrica, diversos fatores devem ser leva- tros vegetais. Scientific American Brasil. Ago. 2009,
dos em consideração, tais como os impactos causa- no 87 (adaptado).
dos ao ambiente e às populações locais.
O texto mostra um dos pontos de vista a respeito do
RICARDO, B.; CAMPANILI, M. Almanaque Brasil uso dos biocombustíveis na atualidade, os quais
Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, a) são matrizes energéticas com menor carga de
2007 (adaptado). poluição para o ambiente e podem propiciar a
Em uma situação hipotética, optou-se por construir geração de novos empregos, entretanto, para
uma usina hidrelétrica em região que abrange di- serem oferecidos com baixo custo, a tecnolo-
versas quedas d’água em rios cercados por mata, gia da degradação da celulose nos biocombus-
alegando-se que causaria impacto ambiental muito tíveis de segunda geração deve ser extrema-
menor que uma usina termelétrica. Entre os possíveis mente eficiente.
impactos da instalação de uma usina hidrelétrica nes- b) oferecem múltiplas dificuldades, pois a produ-
sa região inclui-se: ção é de alto custo, sua implantação não gera
a) a poluição da água por metais da usina. empregos, e deve-se ter cuidado com o risco
b) a destruição do habitat de animais terrestres. ambiental, pois eles oferecem os mesmos ris-
c) o aumento expressivo na liberação de CO2 para cos que o uso de combustíveis fósseis.
a atmosfera. c) sendo de segunda geração, são produzidos por
d) o consumo não renovável de toda água que uma tecnologia que acarreta problemas sociais,
passa pelas turbinas. sobretudo decorrente do fato de a matéria-pri-
e) o aprofundamento no leito do rio, com a menor ma ser abundante e facilmente encontrada, o
deposição de resíduos no trecho de rio anterior que impede a geração de novos empregos.
à represa d) sendo de primeira e segunda geração, são pro-
duzidos por tecnologias que devem passar por
QUESTÃO 03 (ENEM) - Deseja-se instalar uma esta- uma avaliação criteriosa quanto ao uso, pois
ção de geração de energia elétrica em um município uma enfrenta o problema da falta de espaço
localizado no interior de um pequeno vale cercado de para plantio da matéria-prima e a outra impede
altas montanhas de difícil acesso. A cidade é cruzada a geração de novas fontes de emprego.
por um rio, que é fonte de água para consumo, irriga- e) podem acarretar sérios problemas econômicos
ção das lavouras de subsistência e pesca. Na região, e sociais, pois a substituição do uso de petróleo
que possui pequena extensão territorial, a incidên- afeta negativamente toda uma cadeia produti-
cia solar é alta o ano todo. A estação em questão irá va na medida em que exclui diversas fontes de
abastecer apenas o município apresentado. Qual for- emprego nas refinarias, postos de gasolina e no
ma de obtenção de energia, entre as apresentadas, é transporte de petróleo e gasolina.
a mais indicada para ser implantada nesse município
de modo a causar o menor impacto ambiental? QUESTÃO 05 (ENEM) - Para compreender o proces-
a) Termelétrica, pois é possível utilizar a água do so de exploração e o consumo dos recursos petrolífe-
rio no sistema de refrigeração. ros, é fundamental conhecer a gênese e o processo
b) Eólica, pois a geografia do local é própria para a de formação do petróleo descritos no texto abaixo. “O
captação desse tipo de energia. petróleo é um combustível fóssil, originado provavel-
c) Nuclear, pois o modo de resfriamento de seus mente de restos de vida aquática acumulados no fun-
sistemas não afetaria a população. do dos oceanos primitivos e cobertos por sedimentos.
d) Fotovoltaica, pois é possível aproveitar a ener- O tempo e a pressão do sedimento sobre o material
gia solar que chega à superfície do local. depositado no fundo do mar transformaram esses res-
e) Hidrelétrica, pois o rio que corta o município é tos em massas viscosas de coloração negra denomi-

38
GEOGRAFIA

nadas jazidas de petróleo.” radiativos dentro do planeta. Em fontes geotérmicas,


(Adaptado de TUNDISI. “Usos de energia.” São a água, aprisionada em um reservatório subterrâneo,
Paulo: Atual Editora, 1991.) é aquecida pelas rochas ao redor e fica submetida a
As informações do texto permitem afirmar que: altas pressões, podendo atingir temperaturas de até
a) o petróleo é um recurso energético renovável a 370 ºC sem entrar em ebulição. Ao ser liberada na
curto prazo, em razão de sua constante forma- superfície, à pressão ambiente, ela se vaporiza e se
ção geológica. resfria, formando fontes ou gêiseres. O vapor de po-
b) a exploração de petróleo é realizada apenas em ços geotérmicos é separado da água e é utilizado no
áreas marinhas. funcionamento de turbinas para gerar eletricidade. A
c) a extração e o aproveitamento do petróleo são água quente pode ser utilizada para aquecimento di-
atividades não poluentes dada sua origem na- reto ou em usinas de dessalinização.
tural. Roger A. Hinrichs e Merlin Kleinbach. Energia e meio
d) o petróleo é um recurso energético distribuído ambiente. Ed. ABDR (com adaptações).
homogeneamente, em todas as regiões, inde- Depreende-se das informações acima que as usinas
pendentemente da sua origem. geotérmicas:
e) o petróleo é um recurso não renovável a curto a) utilizam a mesma fonte primária de energia que
prazo, explorado em áreas continentais de ori- as usinas nucleares, sendo, portanto, semelhan-
gem marinha ou em áreas submarinas. tes os riscos decorrentes de ambas.
b) funcionam com base na conversão de energia
QUESTÃO 06 (ENEM) - Segundo dados do Balanço potencial gravitacional em energia térmica.
Energético Nacional de 2008, do Ministério das Mi- c) podem aproveitar a energia química transforma-
nas e Energia, a matriz energética brasileira é com- da em térmica no processo de dessalinização.
posta por hidrelétrica (80%), termelétrica (19,9%) e d) assemelham-se às usinas nucleares no que diz
eólica (0,1%). Nas termelétricas, esse percentual é respeito à conversão de energia térmica em ci-
dividido conforme o combustível usado, sendo: gás nética e, depois, em elétrica.
natural (6,6%), biomassa (5,3%), derivados de petró- e) transformam inicialmente a energia solar em
leo (3,3%), energia nuclear (3,1%) e carvão mineral energia cinética e, depois, em energia térmica.
(1,6%). Com a geração de eletricidade da biomassa,
pode-se considerar que ocorre uma compensação do QUESTÃO 08 (Uel) - De maior significado que o con-
carbono liberado na queima do material vegetal pela sumo global de energia em um país é a relação entre
absorção desse elemento no crescimento das plan- o consumo e o número de habitantes, isto é, o consu-
tas. Entretanto, estudos indicam que as emissões de mo de energia per capita. Esse índice é significativo
metano (CH4) das hidrelétricas podem ser compará- porque revela:
veis às emissões de CO2 das termelétricas. a) a grande produção de carvão mineral, que é
MORET, A. S.; FERREIRA, I. A. As hidrelétricas do consumida sobretudo pela siderurgia.
Rio Madeira e os impactos socioambientais da ele- b) a grande produção de petróleo que é consumida
trificação no Brasil. Revista Ciência Hoje. V. 45, no internamente em atividades industriais.
265, 2009 (adaptado). c) o consumo médio de petróleo pela população
No Brasil, em termos do impacto das fontes de ener- e a sua distribuição pelas diferentes camadas
gia no crescimento do efeito estufa, quanto à emissão sociais.
de gases, as hidrelétricas seriam consideradas como d) a existência de grandes problemas econômicos,
uma fonte. mesmo quando esse indicador apresenta-se
a) limpa de energia, contribuindo para minimizar os com elevação.
efeitos deste fenômeno. e) o grau de industrialização: se o índice é elevado
b) eficaz de energia, tomando-se o percentual de trata-se de um país altamente industrializado,
oferta e os benefícios verificados. se ao contrário, o índice é baixo, o país possui
c) limpa de energia, não afetando ou alterando os o setor industrial pouco expressivo.
níveis dos gases do efeito estufa.
d) poluidora, colaborando com níveis altos de ga- QUESTÃO 09 (ENEM) - O potencial brasileiro para
ses de efeito estufa em função de seu potencial gerar energia a partir da biomassa não se limita a
de oferta. uma ampliação do Pró-álcool. O país pode substituir o
e) alternativa, tomando-se por referência a grande óleo diesel de petróleo por grande variedade de óleos
emissão de gases de efeito estufa das demais vegetais e explorar a alta produtividade das florestas
fontes geradoras. tropicais plantadas. Além da produção de celulose, a
utilização da biomassa permite a geração de energia
QUESTÃO 07 (ENEM) - A energia geotérmica tem elétrica por meio de termelétricas a lenha, carvão ve-
sua origem no núcleo derretido da Terra, onde as tem- getal ou gás de madeira, com elevado rendimento e
peraturas atingem 4.000 ºC. Essa energia é primei- baixo custo. Cerca de 30% do território brasileiro é
ramente produzida pela decomposição de materiais constituído por terras impróprias para a agricultura,

39
GEOGRAFIA

mas aptas à exploração florestal. A utilização de me-


tade dessa área, ou seja, de 120 milhões de hectares,
para a formação de florestas energéticas, permitiria
produção sustentada do equivalente a cerca de 5 bi-
lhões de barris de petróleo por ano, mais que o do-
bro do que produz a Arábia Saudita atualmente. José
Walter Bautista Vidal. Desafios Internacionais para o
século XXI.
Seminário da Comissão de Relações Exteriores e
de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados,
ago./2002 (com adaptações).
Para o Brasil, as vantagens da produção de energia a
partir da biomassa incluem:
a) implantação de florestas energéticas em todas as
regiões brasileiras com igual custo ambiental e
econômico.
b) substituição integral, por biodiesel, de todos os
combustíveis fósseis derivados do petróleo.
c) formação de florestas energéticas em terras im-
próprias para a agricultura.
d) importação de biodiesel de países tropicais, em
que a produtividade das florestas seja mais alta.
e) regeneração das florestas nativas em biomas
modificados pelo homem, como o Cerrado e a
Mata Atlântica.

QUESTÃO 10 (ENEM) - Considerando-se as informa-


ções do texto, é correto afirmar que:
a) o cultivo de milho ou de cana-de-açúcar favore-
ce o aumento da biodiversidade.
b) o impacto ambiental da produção estaduniden-
se de etanol é o mesmo da produção brasileira.
c) a substituição da gasolina pelo etanol em veícu-
los automotores pode atenuar a tendência atual
de aumento do efeito estufa.
d) a economia obtida com o uso de etanol como
combustível, especialmente nos EUA, vem sen-
do utilizada para a conservação do meio am-
biente.
e) a utilização de milho e de cana-de-açúcar para a
produção de combustíveis renováveis favorece
a preservação das características originais do
solo.

GABARITO DE APRENDIZAGEM
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
C C E E E C B B B B

GABARITO COMPLEMENTARES
01 02 03 04 05 06 07 08 09 10
D B D A E D D E C C

40