Você está na página 1de 3

Conferência – 20 de Março de 2018 - João Peixoto.

Através de políticas publicas e através da cidadania, moldar a sociedade.


Este tipo tem um pequeno pormenor que é o cartaz – como começou o ciclo – frase: “a
sociologia portuguesa é muito importante”.

“seria um suicídio demográfico se Portugal fechasse as fronteiras”

- O tema que propuseram tem a ver com a relevância da sociologia nas migrações, isto
é, para que é que serve estudar as migrações, qual a sua importância.

1º - Migrações e políticas públicas – a complexidade do estudo das migrações – todos


têm uma opinião, para alguns países a migração é um problema – levando muitos
políticos desenharem políticas – Trump “construir murros” – promessa eleitoral, uma
espécie de política que impeçam os fluxos de pessoas e barrem a entrada, serve como
bandeira eleitoral. As migrações são vistas como uma arma de arremeço, são uma coisa
extremamente complexo, a decisão de sair ou entrar num país, antes de tomar a decisão
tem de ver vários aspetos, se tem emprego, a escolaridade, questões de logística como,
onde vai ficar, os preços, etc. as migrações são causadas por imensos fatores, para
estudar e acabe por ficar, porque lá tem rendimentos mais elevados, saúde, por causa
das alterações climáticas (agricultor), económicas, políticas, educacionais, etc. Quando
migramos, mexemos nos salários das pessoas, se houver muita gente a entrar, vai criar
variações no emprego e no desemprego. A verdade vai contra o censo comum, baixar
os ordenados ou roubar empregos, em 99% das vezes, não acontece.
Portanto, por serem complexas não devem refletidas de animo leve, n devo fazer
afirmações bombásticas acerca das migrações sem estudar, o porque das pessoas virem,
com que finalidade, o que os levou a vir, etc. Politicas publicas relacionadas com
migrações, existem muitas, em larga parte fintam as políticas. Os migrantes são como
as infiltrações de água podemos impor barreiras ou tentar controlar, mas não
conseguimos, é uma coisa prevasiva, tem a ver com a vontade humana, desejo etc. As
migrações partem de uma descoberta, existe um sítio que é melhor para cada pessoa –
portugueses nos anos 60 – 1 milhão de portugueses foram para frança pelas condições
e conforto. Os migrantes fintam muitas vezes as políticas, mas estas têm uma certa
eficácia, quem é que tem direito a ter identidade de um país – quem decide quais é q
são as condições necessárias para adquirir essa nacionalidade, é o governo de cada país
que decide isso. As políticas de integração (prestações sociais, educação, habitação
social) – tudo isto são políticas. A política não resolve os problemas todos mas pode
ajudar a resolver algumas coisas.

Que políticas é que devemos fazer relacionadas com migrações? Duas maneiras p
desenhar políticas – política má - uma é baseada na incerteza, no medo, coisas erradas
que podem ter resultados catastróficos; a boa política é aquela que é baseada em boas
evidencias, baseadas em coisas que fomos ver se são verdades, reunir pessoas, fazer
estudos e a partir daí toma-se as decisões.

3 exemplos: que tem a ver com o caso português – boas práticas – boas políticas: nos
em Portugal temos um alto comissariado para as migrações, desde há muitos anos que
tem boas práticas, criaram um observatório que está ligado com várias entidades – eles
consultavam regularmente os centros de investigação, tem uma revista, estudos
financiados por eles que acabam por desencadear as boas políticas – por existem estas
praticas – exemplos:

1º - arrastão de carcavelos – verão houve roubos, na altura, final dos anos 90, havia
crescimento económico, havia muita gente a entrar, havia pressão migratória, haviam
algumas vozes que diziam que vinham criar problemas – a verdade é que o alto
comissariado, aconteceu vários roubos, por um grupo de pessoas – se fosse lançado
para opiniões publicas – cidadãos de descendência cigano, etc. andaram a roubar – cria
alarme público. O alto comissariado teve a iniciativa, foi tentar perceber o que se
aconteceu e percebeu que foram cidadãos de varias etnias, e foram falar a público para
desconstruir a ideia que tinham sido jovens cabo-verdianos – foram mostrar, através da
comunicação social – a verdade e não deixar que a mentira propague.

2º - estudo sobre emigração e segurança social – um dos mitos é que os estrangeiros


andam a roubar os estados onde estão emigrados – este assunto mereceu a atenção
para ser estudado, foi lançado uma quipá para perceber o que se passava em Portugal.
Perceber se estão a fazer mal ou bem, começamos a fazer contas, ou seja, quanto é que
os migrantes dão ao estado e o dinheiro que recebe do estado – basicamente todos os
que tinham contrato, as contribuições para a segurança social e depois formos ver que
o estado dava – pensões de invalidez, etc. Chegou à conclusão, que o estrangeiro são
um ganho muito grande para o estado, na altura estavam a dar cerca de 300 milhões de
euros.

3º migrações e sustentabilidade demográfica – um cruzamento de migrações – simular


o que vai acontecer a Portugal nos próximos anos se não houver migrações, migrações
0, não entra nem sai ninguém – o cenário é assustador porque para quem já estudou
um bocado de demografia, o saldo em Portugal muito baixo, existem mais pessoas a
morrer do que nascer, existe cada vez mais uma pop envelhecida. O saldo natural que
nesta altura já é negativo, somos cerca de 10milhoes, se fecharmos as portas, e em
2050/60 – seriamos 6 a 7 milhões de pessoas, 30 a 40% com mais de 65 anos. Uma coisa
difícil de sustentar até financeiramente, este cenário não é irrealista, o interior de
Portugal já acontece. Estes cenários demográficos para se evitar que vá para Portugal
temos de ter uma política migratória inteligente – 1 criar condições para que as pessoas
queiram voltar, casas a preço acessível e empregos decentes e temos de criar condições
para receber e incentivar estrangeiro.

Migrações e políticas publicas e a sociologia – a sociologia serve para mostrar que


quando nos temos alguma voz e podemos ter alguma capacidade de influência é bom
que estas coisas sejam discutidas com bases em resultados e não com base em falsas
verdades. A sociologia serve para vermos isso, para dar veracidade em de base público.
O sociólogo e o seu trabalho são elásticos, conhecer bem problemas complexos, em
Portugal temos uma boa relação com a política e por isso temos boas políticas.