Você está na página 1de 7

BREVES COMENTÁRIOS À POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LEI

Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010.

Waldir Ventura
Professor do Curso de Tecnologia em Logística UNAERP –
Universidade de Ribeirão Preto – Campus Guarujá
wventura@terra.com.br

Resumo
Ao perceber que no Brasil, o lixo e os resíduos sólidos acumulados em locais de
proteção ambiental, bem como em grandes centros e a falta de uma política de educação
ambiental mais eficiente fez-se com que fosse criada a Lei que estabelece a Política
Nacional de Resíduos Sólidos. A norma visa buscar soluções para os brasileiros,
administrando os materiais inservíveis para que não sejam descartados na natureza.

Palavras-chave: Resíduos Sólidos, Meio Ambiente, Políticas Públicas.

1. Introdução

As constantes descargas de lixo em ambientes protegidos associadas aos constantes


despejos de dejetos e objetos das mais variadas espécies em rios, vias públicas,
terrenos e em muitos locais que deveriam ser protegidos, trouxeram para o povo
brasileiro transtornos generalizados porque o descarte de materiais inservíveis traz os mais
variados tipos de doença, tais como a dengue, a leptospirose, problemas de pele, entre
outras e tudo isto causado pela poluição ao meio ambiente.
Em vista à necessidade de corrigir os problemas de má administração, seja ela de
âmbito particular (empresas) e públicas (órgãos municipais, estaduais e federais), o
legislativo promulgou a lei 12305 em 2 de agosto de 2010 com o intuito de preencher uma
lacuna que está há mais de 21 anos se arrastava pelo Congresso Nacional (Brasil, Edições
Câmara, 2012), cujo objetivo principal é buscar soluções para os resíduos que
comprometem a vida dos brasileiros.
A lei recentemente promulgada, vem estabelecer princípios, objetivos, diretrizes,
metas e ações bem como instrumentos importantes para que soluções com relação a
proteção do meio ambiente venham ser criadas a fim de melhorar entre todos os demais
benefícios a qualidade de vida dos cidadãos, os quais serão abordados nestes comentários.

2. Relacionamento criado pela PNRS

Vê se que a PNRS, como é chamada, vem com o intuito de manter relacionamento


com os mais variados órgãos instituidores de políticas que protegem e conservam o meio
ambiente, tais como Plano Nacional de Mudança de Clima (PNMC) , de Recursos Hídricos
(PNRH), de Saneamento Básico (PLANSAB) e de Produção e Consumo Sustentável (PPCS) e
ainda apresentar “conceitos e propostas que refletem a interface entre diversos setores da
economia compatibilizando crescimento econômico e preservação ambiental com
desenvolvimento sustentável.”, o alvo direto são os resíduos sólidos urbanos (RSU)

1
exatamente para buscar soluções para o descarte e reaproveitamento dentro de políticas
sustentáveis.
Inicialmente foi apresentado um Plano preliminar para que fomentasse
discussões entre os mais variados órgãos para que pudessem chegar a um consenso a
fim de sacramentar uma legislação viável e em consonância com os problemas
brasileiros de descarte de resíduos.
De acordo com Ministra de Estado do Meio Ambiente, Izabella Mônica Vieira
Teixeira, o documento preliminar foi “criado pelo Decreto nº 7404/10 que regulamentou a
PNRS, além de parceiros institucionais e representações da sociedade civil. O próximo
passo, portanto, será ampliar esta discussão mobilizando a sociedade e envolvendo os
diversos setores em todo o território nacional”.
O objeto e o campo de aplicação estão definidos na primeira parte da lei, sendo que
o artigo 1º esclarece que a lei estabelece os princípios, objetivos e instrumentos desta
lei e as pessoas envolvidas que estarão sujeitas ao cumprimento daquilo que nela está
estabelecido.
O objetivo é instituir a PNRS e as pessoas sujeitas à mesma são as pessoas físicas ou
jurídicas de direito público ou privado que de alguma forma sejam responsáveis por gerar,
gerenciar, produzir resíduos sólidos, exceto os resíduos de materiais radioativos conforme
estabelece o parágrafo segundo, aplicando-se ainda quanto aos resíduos sólidos o que
está determinado no artigo segundo, a saber: “Art. 2º Aplicam-se aos resíduos sólidos, além
do disposto nesta Lei, nas Leis nos 11.445, de 5 de janeiro de 2007, 9.974, de 6 de
junho de 2000, 9.966, de 28 de abril de 2000, as normas estabelecidas pelos órgãos
do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama), do Sistema Nacional e Vigilância
Sanitária (SNVS), do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa) e do
Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro).”.

3. Definições necessárias para que se entenda a lei e sua aplicação

O Artigo terceiro registra uma série de definições que devem ser levadas em
consideração para que a lei seja bem entendida e todo relacionamento que ela irá
proporcionar deve seguir à estas definições para que não haja desencontro de medidas a
serem tomadas bem como decisões fora daquilo que se está pretendendo quanto aos
resíduos sólidos.
As definições são as seguintes: I - acordo setorial: ato de natureza contratual firmado
entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, tendo
em vista a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto;
II - área contaminada: local onde há contaminação causada pela disposição, regular ou
irregular, de quaisquer substâncias ou resíduos; III - área órfã contaminada: área
contaminada cujos responsáveis pela disposição não sejam identificáveis ou
individualizáveis; IV - ciclo de vida do produto: série de etapas que envolvem o
desenvolvimento do produto, a obtenção de matérias-primas e insumos, o processo
produtivo, o consumo e a disposição final; V - coleta seletiva: coleta de resíduos
sólidos previamente segregados conforme sua constituição ou composição; VI
- controle social: conjunto de mecanismos e procedimentos que garantam à
sociedade
informações e participação nos processos de formula ção, implementação e
avaliação das políticas públicas relacionadas aos resíduos sólidos; VII - destinação

2
final ambientalmente adequada: destinação de resíduos que inclui a reutilização,
a reciclagem, a compostagem, a recuperação e o aproveitamento energético ou outras
destinações admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama, do SNVS e do Suasa,
entre elas a disposição final, observando normas operacionais específicas de modo a
evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos
ambientais adversos; VIII - disposição final ambientalmente adequada: distribuição
ordenada de rejeitos em aterros, observando normas operacionais específicas de modo a
evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos
ambientais adversos; IX - geradores de resíduos sólidos: pessoas físicas ou jurídicas, de
direito público ou privado, que geram resíduos sólidos por meio de suas atividades,
nelas incluído o consumo; X - gerenciamento de resíduos sólidos: conjunto de ações
exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo,
tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e
disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de
gestão integrada de resíduos sólidos o u com plano de gerenciamento de resíduos sólidos,
exigidos na forma desta Lei; XI - gestão integrada de resíduos sólidos: conjunto de ações
voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de forma a considerar as
dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a
premissa do desenvolvimento sustentável; II - logística reversa: instrumento de
desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações,
procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos
sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos
produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada; XIII - padrões
sustentáveis de produção e consumo: produção e consumo de bens e serviços de forma a
atender as necessidades das atuais gerações e permitir melhores condições de vida, sem
comprometer a qualidade ambiental e o atendimento das necessidades das gerações
futuras; XIV - reciclagem: processo de transformação dos resíduos sólidos que envolve a
alteração de suas propriedades físicas, físico-químicas ou biológicas, com vistas à
transformação em insumos ou novos produtos, observadas as condições e os padrões
estabelecidos pelos órgãos competentes do Sisnama e, se couber, do SNVS e do Suasa; XV -
rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de
tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente
viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente
adequada; XVI - resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado
resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se
propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados: sólido ou semissólido, bem
como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu
lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d'água, ou exijam para isso soluções
técnicas ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível;
XVII - responsabilidade compartilhada pelo ciclo devida dos produtos: conjunto de
atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e
comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e
de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos
gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade
ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei; XVIII -
reutilização: processo de aproveitamento dos resíduos sólidos sem sua transformação
biológica, física ou físico-química, observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos

3
órgãos competentes do Sisnama e, se couber, do SNVS e do Suasa; XIX - serviço público de
limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos: conjunto de atividades previstas no art.
7º da Lei nº 11.445, de 2007.
Estas definições são de suma importância para aquilo que se busca que é a
adoção de políticas corretas para a preservação do meio ambiente, principalmente no
controle e destinação de resíduos sólidos para que não continuem a impactar a vida dos
brasileiros da forma como vem impactando, tais como mananciais contaminados por
descarte de produtos em lixões, esgotos sem tratamento lançados nos canais, rios e
afluentes falta de reaproveitamento de grande parte de sólidos recicláveis, entre outros.

4. Gestão integrada, gerenciamento e medidas adequadas de tratamento aos


resíduos sólidos

Para que não hajam dificuldades na interpretação da lei, nem se crie dificuldades os
artigos 4º e 5 º discorrem sobre conjunto de princípios, objetivos, instrumentos, diretrizes,
metas e ações adotados pelo Governo Federal, isoladamente ou em regime de cooperação
com Estados, Distrito Federal, Municípios ou particulares, com vistas à gestão integrada e
ao gerenciamento ambientalmente adequado dos resíduos sólidos e esclarece também
quem são os outros órgãos e medidas que integram a PNRS, a saber: a Política Nacional do
Meio Ambiente que se articula com a Política Nacional de Educação Ambiental, regulada
pela Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999, com a Política Federal de Saneamento Básico,
regulada pela Lei nº 11.445, de 2007, e com a Lei nº
11.107, de 6 de abril de 2005.

5. Os princípios e objetivos da PNRS

O artigo 6º estabelece quais são princípios da Política Nacional de Resíduos


Sólidos:
I - a prevenção e a precaução;
II - o poluidor-pagador e o protetor-recebedor;
III - a visão sistêmica, na gestão dos resíduos sólidos, que considere as variáveis
ambiental, social, cultural, econômica, tecnológica e de saúde pública;
IV - o desenvolvimento sustentável;
V - a eco-eficiência, mediante a compatibilização entre o fornecimento, a
preços competitivos, de bens e serviços qualificados que satisfaçam as necessidades
humanas e tragam qualidade de vida e a redução do impacto ambiental e do consumo de
recursos naturais a um nível, no mínimo, equivalente à capacidade de sustentação estimada
do planeta;
VI - a cooperação entre as diferentes esferas do poder público, o setor empresarial
e demais segmentos da sociedade;
VII - a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
VIII - o reconhecimento do resíduo sólido reutilizável e reciclável como um
bem econômico e de valor social, gerador de trabalho e renda e promotor de cidadania;
IX - o respeito às diversidades locais e regionais;

4
X - o direito da sociedade à informação e ao controle social;
XI - a razoabilidade e a proporcionalidade.
Associando aos princípios de direito, verifica-se que alguns princípios seguem as
doutrinas legais para fazer com que toda e qualquer atividade, ação, administração etc.,
seja feita de forma consciente e dentro da legalidade.
Os objetivos são claros e específicos, pois, o que o cidadão necessitava era
exatamente políticas e medidas que viessem de encontro aos seus anseios quanto a
administração dos problemas trazidos pelos resíduos sólidos.
Cada objetivo tem em cada inciso do artigo 7º sua especificidade e são
entendidos por qualquer pessoa preocupada com o meio ambiente:
I - Proteção da saúde pública e da qualidade ambiental;
II - não geração, redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos
sólidos, bem como disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos;
III - estímulo à adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo de bens
e serviços;
IV - adoção, desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias limpas como forma
de minimizar impactos ambientais;
V - redução do volume e da periculosidade dos resíduos perigosos;
VI - incentivo à indústria da reciclagem, tendo em vista fomentar o uso de matérias-
primas e insumos derivados de materiais recicláveis e reciclados;
VII - gestão integrada de resíduos sólidos;
VIII - articulação entre as diferentes esferas do poder público, e destas com o setor
empresarial, com vistas à cooperação técnica e financeira para a gestão integrada de
resíduos sólidos;
IX - capacitação técnica continuada na área de resíduos sólidos;
X - regularidade, continuidade, funcionalidade e universalização da prestação dos
serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, com adoção de
mecanismos gerenciais e econômicos que assegurem a recuperação dos custos dos serviços
prestados, como forma de garantir sua sustentabilidade operacional e financeira,
observada a Lei nº 11.445, de 2007;
XI - prioridade, nas aquisições e contratações governamentais, para:
a) produtos reciclados e recicláveis;
b) bens, serviços e obras que considerem critérios compatíveis com padrões de
consumo social e ambientalmente sustentáveis;
XII - integração dos catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis nas ações que
envolvam a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
XIII - estímulo à implementação da avaliação do ciclo de vida do produto;
XIV - incentivo ao desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial
voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos
sólidos, incluídos a recuperação e o aproveitamento energético;
XV - estímulo à rotulagem ambiental e ao consumo sustentável.
Por tudo o que a legislação estabelece entre objeto, princípios, objetivos e
demais pode se concluir que há uma preocupação muito grande com o meio ambiente e
com os processos a serem implantados para que as políticas de proteção ao meio ambiente
e tratamento dos resíduos sólidos sejam eficazes, para ao final trazer melhor qualidade de
vida aos cidadãos brasileiros.

5
6. Os planos dos Resíduos Sólidos.

A legislação estabelece critérios e prioridades para tratamento dos resíduos


sólidos, para isso traça diretrizes que serão comentadas em outra oportunidade, além de
invocar para fazer parte dos Planos para os Resíduos Sólidos os estados, os municípios e o
distrito federal, além da própria esfera federal porque caberá à todos unirem-se em prol
de melhorar o meio ambiente principalmente com a proteção e banimento das atividades
que descartam na natureza materiais que podem ser reutilizados se reciclados.
Como ação, de acordo com a lei, “a União elaborará, sob a coordenação do
Ministério do Meio Ambiente, o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, com vigência por prazo
indeterminado e horizonte de 20 (vinte) anos, a ser atualizado a cada 4 (quatro) anos, tendo
como conteúdo mínimo:
I - diagnóstico da situação atual dos resíduos sólidos;
II - proposição de cenários, incluindo tendências internacionais e macroeconômicas;
III - metas de redução, reutilização, reciclagem, entre outras, com vistasa reduzir a
quantidade de resíduos e rejeitos encaminhados para disposição final ambientalmente
adequada;
IV - metas para o aproveitamento energético dos gases gerados nas unidades de
disposição final de resíduos sólidos;
V - metas para a eliminação e recuperação de lixões, associadas à inclusão social e à
emancipação econômica de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis;
VI - programas, projetos e ações para o atendimento das metas
previstas;
VII - normas e condicionantes técnicas para o acesso a recursos da União, para a
obtenção de seu aval ou para o acesso a recursos administrados, direta ou indiretamente,
por entidade federal, quando destinados a ações e programas de interessedos resíduos
sólidos;
VIII - medidas para incentivar e viabilizar a gestão regionalizada dos resíduos sólidos;
IX - diretrizes para o planejamento e demais atividades de gestão de resíduos
sólidos das regiões integradas de desenvolvimento instituídas por lei complementar, bem
como para as áreas de especial interesse turístico;
X - normas e diretrizes para a disposição final de rejeitos e, quando couber, de
resíduos; XI - meios a serem utilizados para o controle e a fiscalização, no âmbito
nacional, de sua implementação e operacionalização, assegurado o controle social.
Parágrafo único. O Plano Nacional de Resíduos Sólidos será elaborado mediante
processo de mobilização e participação social, incluindo a realização de audiências e
consultas públicas.”.

7. Conclusão

Sem ter analisado todos os elementos da lei, vê-se nos elementos principais que a
PNRS vem de encontro com aquilo que se espera na proteção do meio ambiente e no
tratamento adequado dos resíduos sólidos para que estes não venham trazer problemas
inesperados para a população, nem tampouco aos mananciais que são provedores da
mais nobre fonte de matéria prima que é a água.

6
Se os resíduos sólidos forem criteriosamente tratados, com certeza, haverá melhoria
do meio ambiente e de tudo que nele há, amenizando os problemas vividos pelos animais
silvestres e pelo próprio homem.
Resta esperar para ver se todos os objetivos e metas serão alcançados por
aqueles que estão imbuídos de proteger o planeta, principalmente o quinhão de terra
que está sob sua proteção, seja Federação, Estados, Municípios e Distrito Federal. Fiquemos
no aguardo.

8. Referências:

Brasil. [Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010]. Política nacional de resíduos sólidos


[recurso eletrônico]. – 2. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2012. 73p.
(Série legislação; n.81), vista em
http://fld.com.br/catadores/pdf/politica_residuos_solidos.pdf, visitado em 13 de março
CE 2014.

Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, encontrada em:


http://www.abinee.org.br/informac/arquivos/lei12305.pdf, acessada em 12 de março de
2014.

Plano Nacional de Resíduos Sólidos – Versão Preliminar para Consulta Pública, encontrado
em
http://www.mma.gov.br/estruturas/253/_publicacao/253_publicacao02022012041757.pdf,
acessado em 13 de março de 2014.