Você está na página 1de 54

CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

GERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Instrutora: Engª Milene O. de Sousa

Campina Grande, 25 de outubro de 2017


Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Generalidades

• As configurações diversas que o capricho da natureza implanta na superfície terrestre


fazem com que não seja possível encontrarmos duas bacias hidrográficas ou mesmo
dois rios que possam ser considerados iguais.

• É sempre possível encontrar alguma diferença sob determinado ponto de vista, seja
topográfico, geológico, climático, hidrológico ou geo-econômico.

2
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Generalidades

• O aproveitamento hídrico possui múltiplas finalidades, tais como:

• Controle das cheias e estiagens;

• Navegação;

• Irrigação;

• Turismo e esporte;

• Pscicultura;

• Geração de energia elétrica.

3
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Generalidades

• Dentro desse enfoque distinguem-se quanto à sua função, dois tipos de


aproveitamento:

• Aproveitamento exclusivo para produção de energia elétrica:

• Caso mais comum em bacias hidrográficas montanhosas, quando as altas


quedas impedem a construção de eclusas para navegação e a pequena
vazão não sugere seu aproveitamento para irrigação.

• Aproveitamento múltiplo:

• Caso típico de aproveitamento de rios com declividade acentuada e


uniforme e de grande volume de água.
• Presta-se, sempre, a pelo menos duas ou mais das finalidades
anteriormente listadas e constitui a tendência moderna. A Hidrelétrica de
Três Marias é o exemplo brasileiro mais notável desse tipo de
aproveitamento.
4
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Generalidades

• “A usina de Três Marias foi o primeiro empreendimento hidráulico do pais com


múltiplas finalidades;
• Controle da vazão do rio para permitir a navegação e evitar enchentes no trecho após
a barragem, irrigação, turismo e lazer e geração de energia.

• Começou a funcionar com duas unidades geradoras com 66 MW de potência cada e,


gradualmente, mais quatro entraram em operação, aumentando sua potência
instalada para 369 MW, energia suficiente para abastecer 1,1 milhão de pessoas ou
metade da população de Belo Horizonte. “

• FONTE: CEMIG

5
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Generalidades – Usina Hidrelétrica de Três Marias

Figura 1. Usina Hidrelétrica de Três Marias - MG

6
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Fatores que Influem na Localização de uma Usina Hidrelétrica

• Os fatores considerados mais importantes, senão absolutamente essenciais, são:

• Acessibilidade: traduzida pela existência de vias (rodoviária, ferroviária ou


fluvial) capazes de permitir o transporte de equipamentos de elevado peso e
tamanho (turbinas, geradores, pontes rolantes, tubulações, até o local da obra).

• Em alguns casos, a acessibilidade à usina se reveste da mais ampla importância,


através da necessidade de construção de rodovias ou ferrovias especiais,
importando, consequentemente, na avaliação do próprio custo da usina.

7
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Fatores que Influem na Localização de uma Usina Hidrelétrica

• Os fatores considerados mais importantes, senão absolutamente essenciais, são:

• Fundação: Consuma-se dizer ser uma usina hidrelétrica semelhante a um


iceberg: sua parte visível, acima dos níveis d’água, é quase sempre, inferior em
volume e em custo ao conjunto de obras imersas na água.
Figura 2. Fundação de uma Usina Hidrelétrica

8
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Fatores que Influem na Localização de uma Usina Hidrelétrica

• As fundações dependem, fundamentalmente, da configuração e textura geológica do


terreno e para suportar as pesadíssimas obras civis exigem rocha sólida e pouco
profunda.

9
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Fatores que Influem na Localização de uma Usina Hidrelétrica

• Custo de desapropriação dos terrenos: tem reflexo direto nas chamadas despesas
fixas de construção, afetando, indiretamente o custo do Kwh.

• Cumpre destacar, neste caso, a natureza da empresa concessionária, se particular ou


de poder público.

10
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Fatores que Influem na Localização de uma Usina Hidrelétrica

• Efetividade de utilização da energia gerada: refere-se à localização da central em


relação à posição geográfica do centro consumidor, afetando, essencialmente, os
custos de transmissão de energia gerada.

• Essa efetividade de utilização da energia gerada é particularmente válida para as


centrais independentes ou isoladas, já que, para os sistemas interligados, diluem-se
no próprio sistema os problemas de uma das centrais do mesmo.

11
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Classificação das Usinas Hidrelétricas

• Para a realização de um aproveitamento hidrelétrico, é necessária a existência de uma


vazão hidráulica (m³/s) e um desnível (m), o que pressupõe a existência de condições
locais naturais adequadas.

• Raramente, vazões e desníveis se apresentam em condições ideais (ou quase) para


esse tipo de obra, o que exige um cuidadoso estudo e planejamento de cada caso
particular, visando sempre um menor custo do investimento por kW instalado.

• A água para sua utilização encontra-se nos mares, nos lagos e, principalmente, nos
rios.

• Estes apresentam vazões altamente variáveis no tempo e completamente aleatória,


com enormes diferenças entre seus valores mínimos, em épocas de seca, e máximos
por ocasião das épocas de chuvas.

12
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Classificação das Usinas Hidrelétricas

• Os desníveis necessários, por sua vez, podem ser naturais ou artificiais, sendo estes
obtidos pelas barragens, que podem proporcionar simultaneamente a constituição de
reservatórios regularizadores de vazões.

13
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Classificação das Usinas Hidrelétricas

• Os critérios para classificar as centrais hidrelétricas são:

• Quanto a sua potência (kW):

• Microcentrais: P ≤ 100
• Minicentrais: 100 ≤ P ≤ 1000
• Pequenas centrais: 1000 ≤ P ≤ 10000
• Médias centrais: 10000 ≤ P ≤ 100000
• Grandes centrais: P ≥ 100000.

14
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Classificação das Usinas Hidrelétricas

• Os critérios para classificar as centrais hidrelétricas são:

• Quanto a sua queda (m):

• Centrais de baixíssima queda: H < 10


• Centrais de baixa queda: 10 ≤ H < 50
• Centrais de média queda: 50 ≤ H < 250
• Centrais de alta queda: H > 250.

15
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Classificação das Usinas Hidrelétricas

• Os critérios para classificar as centrais hidrelétricas são:

• Quanto à forma de captação de água:

• Centrais em desvio e em derivação;


• Centrais em leito de rio ou de represamento.

• Quanto à forma de utilizar as vazões naturais

• Centrais a fio de água


• Centrais com regularização: diária, semanal, anual e plurianual.

• Estes critérios podem variar de acordo com empresas de fornecimento


energético.

16
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• A água represada possui energia potencial gravitacional que se converte em energia


cinética.

• Essa energia cinética é transferida às turbinas que movimentam o gerador, e o


gerador, por sua vez, converte essa energia cinética em energia elétrica a qual será
enviada através de condutores ao seu destino.
Figura 3. Vertedouro de uma Usina Hidrelétrica

17
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Após sua “produção”, a energia elétrica passa por transformadores que preparam-na
para ser transmitida.

• Durante a transmissão, parte dessa energia é “perdida” sob a forma de calor que
aquece a linha de transmissão.

• Para chegar ao usuário final, a energia elétrica passa novamente por transformadores
que a preparam para ser usada.

• Finalmente ao chegar ao usuário, ele pode transforma-la em outras formas de


energia, como por exemplo, energia sonora, ao ligar um aparelho de som, ou
transformá-la em energia luminosa, quando acendemos uma lâmpada ou mesmo
deixamos alguns aparelhos no modo standby.

• A produção da energia elétrica não é um processo tão fácil, demanda muito trabalho
e consumo de água represada.

18
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• O Brasil está entre os cinco maiores produtores de energia hidrelétrica no mundo,


segundo a ANEEL.

• Um dos destaques no Brasil é a Usina Hidrelétrica de Itaipu Binacional, maior


produtora de energia no mundo, e um empreendimento binacional desenvolvido pelo
Brasil e pelo Paraguai no Rio Paraná.

19
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Itaipu como você nunca viu

20
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Itaipu como você nunca viu

21
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Como a água corrente produz energia?

• O que tem dentro de uma usina hidrelétrica?

22
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

Figura 4. Conhecendo uma Usina Hidrelétrica internamente.

23
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Barreira:

• A maioria das usinas hidrelétricas utiliza uma barreira que segura a água e cria
um grande reservatório.

• Esse reservatório muitas vezes é usado como lago recreativo, como é o caso do
Lago Roosevelt no Grand Coulee Dam (em inglês)e, Washington.

24
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

Figura 5. Lago Roosevelt.

25
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Turbina:

• A água atinge as grandes lâminas da turbina, fazendo-as girar.

• A turbina é acoplada a um gerador localizado acima dela.

• Existem vários tipos de turbinas para as usinas hidrelétricas.

26
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Geradores

• As lâminas da turbina giram e movimentam uma série de imãs dentro do


gerador;

• Imãs gigantes rodam por molas de cobre e produzem corrente alternada (AC) ao
mover os elétricos.

27
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Linhas de energia:

• Quatro fios saem de cada usina de energia: as três fases de energia, que são
produzidas simultaneamente, mais um fio neutro ou terra comum para os três.

28
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• Fluxo de saída:

• A água usada passa por algumas tubulações e volta para o rio.

29
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas

• A água no reservatório é considerada energia armazenada.

• Quando o portão se abre, a água que passa pelo duto se torna energia cinética.

• A quantidade de eletricidade gerada é determinada por dois fatores:

• Fluxo de água

• Cabeças hidráulicas.

• A “cabeça” se refere à distância entre a superfície da água e as turbinas.

• O aumento da cabeça e do fluxo gera mais eletricidade.

• A cabeça depende da quantidade de água no reservatório.

30
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Armazenamento bombeado (ou reversível)

• Em uma hidrelétricas convencional, a água do reservatório passa pela usina, sai e


volta para o rio.

• Uma usina de armazenamento bombeado tem dois reservatórios.

• Reservatório superior: como uma usina hidrelétrica convencional, uma barreira


cria o reservatório. A água neste reservatório passa pela usina hidrelétrica para
criar eletricidade.

• Reservatório inferior – a água que sai da usina hidrelétrica vai para um


reservatório inferior em vez de voltar para o rio.

31
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Armazenamento bombeado (ou reversível)

• Utilizando uma turbina reversível, a usina pode bombear a água de volta para o
reservatório superior.

• Isto é feito nos horários de pico.

• Em resumo, o segundo reservatório preenche o reservatório superior.

• Ao bombear a água de volta para o reservatório superior, a usina tem mais água para
gerar eletricidade durante os horários de pico de consumo.

32
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Armazenamento bombeado (ou reversível)

• O coração da usina hidrelétrica é o gerador.

Figura 6. Geradores de uma Usina Hidrelétrica

33
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Funcionamento de uma usina hidrelétrica

34
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Barragem: É uma estrutura construída no leito de um rio, permitindo acumular água,


possibilitando a formação de um lado ou reservatório.

• Pode ser de terra, enrocamento (blocos de rocha compactados), alvenaria ou


concreto.

Figura 7. Barragens de Usinas Hidrelétricas

35
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Casa de Força:

• Local onde se opera a usina.

• Neste local são instalados os geradores, as turbinas e equipamentos auxiliares.

Figura 8. (a) Casa de força ; (b) Rotor sendo inserido em casa de força.

36
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

Figura 9. Rotor da Hidrelétrica de Itaipu Binacional.

37
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Vertedouro:

• Nos períodos de cheias, possibilita o controle do nível da água do lago


(reservatório). Pode ter ou não comportas.

Figura 10. Vertedouro de usinas hidrelétricas.

38
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Tomada d’água:

• Responsável pela captação da água para fazer girar a turbina.

• Equipada com comportas de fechamento e grades de proteção (proteção contra


a passagem de elementos estranhos pela turbina).
Figura 11. Tomada d´água da Usina Hidrelétrica de Xingó

39
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Conduto Forçado:

• É a canalização/tubulação que conduz água, sob pressão, para as turbinas.

• Podem ser externos ou subterrâneos.

Figura 12. Conduto forçado de uma usina hidrelétrica.

40
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Canal de Fuga:

• Local de saída da água após movimentar as turbinas.

Figura 13. Canal de fuga da usina de Belo Monte.

41
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

Figura 13. Canal de fuga da usina de Xingó.

42
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Principais partes de uma usina hidrelétrica

• Subestação Elevadora:

• Instalações onde se recebe a energia elétrica gerada pela usina, transformando-a


em alta tensão, para que possa ser transportada pelas linhas de transmissão a
grandes distâncias.
Figura 14. Subestação Elevadora da Usina de Boa Esperança.

43
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Ciclo Hidrológico

• As usinas hidrelétricas se aproveitam dos processos naturais que causam a chuva e as


enchentes dos rios.

• Todos os dias, nosso planeta perde uma pequena quantidade de água através da
atmosfera, pela ação dos raios ultravioletas que quebram as moléculas de água.

• Ao mesmo tempo, a água é emitida da parte interna do planeta Terra através da


atividade vulcânica.

• A quantidade de água criada e a quantidade de água perdida é mais ou menos a


mesma.

44
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Ciclo Hidrológico

• O volume total de água do planeta está presente em diferentes formas.

• Ela pode estar no estão liquido (oceanos, rios e chuva), sólido (geleiras) e gasoso (o
vapor d´’agua invisível no ar).

• A água muda de estado quando se move em torno do planeta, levada pelas corrente
de vento.

• As correntes de ar são geradas devido ao aquecimento pelo sol.

• Os ciclos de corrente de ar são criados devido ao maior aquecimento das áreas


próximas ao equador.

45
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Ciclo Hidrológico

• As correntes de ar direcionam o suprimento de água da terra através do ciclo


hidrológico.

• Quando o solo aquece a água, ela evapora e se transforma em vapor.

• O sol aquece o ar e assim, ele sobe na atmosfera.

• O ar se esfria ao subir e condensa.

• Quando a condensação se acumula em uma área, a água se torna pesada e volta para
a terra em forma de precipitação.

46
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Ambientais

• Motivo de polêmica nas discussões atuais sobre desenvolvimento sustentável.

• As hidrelétricas causam impactos negativos ao meio ambiente.

• A grande questão dos cientistas é saber qual a real dimensão do impacto e como eles
podem ser amenizados, já que, dentro das fontes energéticas atuais, as hidrelétricas
são consideradas fontes de energia renovável, ao contrário das fontes energéticas à
base de combustíveis fósseis, por exemplo.

47
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Ambientais

• Os primeiros impactos ambientais acontecem durante a construção das hidrelétricas.

• Para que a usina funcione é necessário um reservatório.

• Sua construção acaba afetando consideravelmente a fauna e flora local.

• De uma hora para outra, a floresta vira lago.

• Essa mudança, se não for bem orientada, pode acabar com a flora local. Além do
corte das árvores, muitas espécies acabam submersas e, consequentemente, morrem,
criando uma espécie de limbo.

• Essa flora, em alguns casos, chega a atrapalhar o próprio funcionamento das turbinas
no primeiro momento, obrigando a limpezas sistemáticas das mesmas.

48
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Ambientais

• Muitas espécies animais acabam fugindo do seu habitat natural durante a inundação.

• No caso da construção da hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, um exemplo de má


administração das questões ambientais na construção, cientistas relatam a fuga em
massa de macacos, aves e outras espécies durante os dois meses que durou a
inundação do lago de 2.430 km2.

• A estimativa é que apenas 1% das espécies sobreviveram em Tucuruí.

• Obviamente, a mitigação desse problema pode ser feita com o remanejamento


antecipado das espécies, mesmo assim, algumas espécies correm o risco de não se
adaptarem ao novo habitat.

49
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Ambientais

• Já as espécies aquáticas sofrem um impacto ainda maior.

• Como a hidrelétrica é composta de uma barragem, o fluxo natural dos peixes acabam
sendo interrompido drasticamente.

• A consequência é a proliferação de determinadas espécies em relação a outras.

• Há também espécies que normalmente sobem o leito do rio no sentido contrário da


correnteza para depositar suas ovas no período chamado de piracema.

• Para tentar amenizar o problema são construídas escadas nas barragens para que o
peixes migratórios possam circular.

• A concepção de degraus é para evitar que algumas espécies morram de exaustão ao


tentar repetir o seu fluxo natural de migração. .

50
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Ambientais

• Soma-se a esse impacto, a eutrofização das águas, que é o excesso de nutrientes,


aumenta a proliferação de microorganismo, causa comum de poluição de águas,
podendo causar também consequências para o homem, como, por exemplo,
epidemias.

• Outro problema é a mudança climática que os lagos podem causar. Afinal, como já foi
dito, aonde havia floresta agora há um lago, o que pode elevar a temperatura
ambiente e mudar o ciclo de chuvas..

51
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Ambientais

• Gases do efeito estufa – Esta é a parte mais polêmica e ainda inconclusa sobre os
impactos ambientais de uma usina hidrelétrica.

• Durante suas construções e funcionamento, as usinas hidrelétricas emitem gás


carbônico (CO2) e metano (CH4), dois dos principais causadores do aumento
prejudicial do efeito estufa.

• A questão é saber se esse impacto é tão grande quanto das termoelétricas movidas a
carvão mineral, consideradas atualmente, junto com os veículos à gasolina, as grandes
vilãs do aquecimento global.

• Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (Inpa) constataram


que, na usina de Balbina, no Amazonas, as emissões desses gases pode chegar a ser
10 vezes maior que as das termoelétricas. Este e outros estudos, no entanto, ainda
estão limitados a um determinado período de tempo.

52
Geração e Distribuição de Energia Elétrica

Centrais Hidrelétricas
Impactos Sociais

53
Obrigado pela atenção!
Contato: mileneosousa@gmail.com

GERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA