Você está na página 1de 149

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA

A GUERRA SILENCIADA:
Memória histórica dos moradores do Bico do Papagaio
sobre a Guerrilha do Araguaia

WELLINGTON SAMPAIO DA SILVA

Área de Concentração: História e Cultura Histórica


Ensino de História e Saberes Históricos

João Pessoa – PB, fevereiro de 2008.


Livros Grátis
http://www.livrosgratis.com.br
Milhares de livros grátis para download.
II

A GUERRA SILENCIADA:
Memória histórica dos moradores do Bico do Papagaio sobre a Guerrilha do Araguaia

WELLINGTON SAMPAIO DA SILVA

Orientador: Dr. Elio Chaves Flores

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa


de Pós-Graduação em História, do Centro de
Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade
Federal da Paraíba – UFPB, em cumprimento às
exigências para obtenção do título de Mestre em
História, Área de Concentração em História e
Cultura Histórica.

JOÃO PESSOA – PB
2008
III

S586g Silva, Wellington Sampaio da.


A Guerra Silenciada: memória histórica
dos moradores do Bico do Papagaio sobre a Guerrilha do
Araguaia / Wellington Sampaio da Silva. – João Pessoa, 2008.

120p.

Orientador: Elio Chaves Flores.


Dissertação (mestrado) – UFPB/CCHLA.

1. História – Guerrilha do Araguaia. 2. História –


Memórias – Bico do Papagaio (TO). 3. Bico do Papagaio
(TO) – Cotidiano.

UFPB/BC CDU: 981(043)


IV

WELLINGTON SAMPAIO DA SILVA

A GUERRA SILENCIADA:
Memória histórica dos moradores do Bico do Papagaio sobre a Guerrilha do Araguaia

Avaliado em ____________ com média_______

BANCA EXAMINADORA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

_____________________________________
Profº Dr. Elio Chaves Flores
Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal da Paraíba
(Orientador)

_____________________________________
Profº Dr. Antônio Clarindo Barbosa de Souza
Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal de Campina Grande
(Examinador externo)

_____________________________________
Profª Dra. Regina Célia Gonçalves
Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal da Paraíba
(Examinadora interna)

_____________________________________
Profº Dr. Gervácio Batista Aranha
Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal de Campina Grande
(Suplente externo )

_____________________________________
Profª Dra. Rosa Maria Godoy Silveira
Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal da Paraíba
(Suplente interno)
V

DEDICATÓRIA

Dedicamos este trabalho:

aos nossos pais Wilson Ângelo da Silva e


Cléia Sampaio da Silva, pelo apoio e
incentivo;

ao nosso irmão Rodrigo Sampaio da


Silva;

e a todos os moradores do Bico do


Papagaio, que enfrentaram seus medos e
romperam o silêncio ao falar sobre suas
experiências.
VI

“A memória, onde cresce a história, que por


sua vez a alimenta, procura salvar o passado
para servir o presente e o futuro. Devemos
trabalhar de forma a que a memória coletiva
sirva para a libertação e não para a servidão
dos homens”.
Jacques Le Goff.
VII

AGRADECIMENTOS

Este trabalho para ser efetivado contou com o apoio de várias pessoas que, desde o
momento de sua elaboração, passaram a contribuir de forma direta ou indireta. A elas,
agradecemos pela torcida, vibrações positivas e paciência em nos escutar durante a fase de
construção e conclusão do mesmo.
Em primeiro lugar, agradecemos aos nossos pais Wilson Ângelo da Silva e Cléia
Sampaio da Silva, que deram o suporte psicológico e econômico durante a pesquisa. Foram
pessoas que na sua simplicidade acompanharam de perto os momentos de alegria e de
angústia pela qual passamos nestes dois anos. A eles, o nosso muito obrigado.
Ao professor Elio Chaves Flores, pela sua orientação durante nossa pesquisa. Ele, que
sempre esteve disponível e muito nos ajudou com sugestões e críticas ao trabalho. Sua
atividade foi além da relação orientador e orientando. Ao longo destes dois anos, acreditamos
ter construído um amigo. Seus atributos como bom profissional de história supera a
arrogância intelectual. É alguém que sabe, mas demonstra esse saber na simplicidade de ser
humano. A ele, o nosso muito obrigado.
A todos os professores do Programa de Pós-Graduação em História da UFPB,
sobretudo àqueles com os quais tivemos a oportunidade de conviver mais de perto, seja nas
disciplinas do curso, seja nas atividades cotidianas. Agradecemos, em especial, aos
professores Raimundo Barroso Cordeiro Júnior, Cláudia Engler Cury, Ariane Norma de
Meneses Sá, Uyguaciara Veloso, Regina Maria Rodrigues Behar, Regina Célia Gonçalves e
Rosa Maria Godoy Silveira, pelas sugestões, críticas e discussões que realizamos ao longo das
disciplinas cursadas nestes dois anos.
À excelente secretária do programa, Virgínia de Barros C. Kyotoku. Sempre atenta às
nossas necessidades, bem humorada e carinhosa, tornou a parte burocrática mais suave.
Aos colegas da turma 2006, Ádamo, Andreza, Larissa, Carlos Adriano, Daniel,
Glaudionor, Guaraciane, Luciana, Rafael, Roberto, Roni, Rosemere e Wagner. Em particular,
a Juliana Alves e Eurico Jorge, que acompanharam mais de perto, com críticas e sugestões, o
trabalho. Foi um momento ímpar em nossa experiência enquanto aprendizes de historiadores.
A todos vocês, o nosso muito obrigado.
Às professoras Cláudia Engler Cury e Regina Célia Gonçalves, coordenadoras do
Programa de Pós-Graduação em História.
VIII

À professora Rosa Maria Godoy Silveira, que, mesmo com sua agenda de
compromissos, encontrou tempo para fornecer sugestões ao nosso trabalho.
Expressamos ainda os nossos agradecimentos aos amigos conquistados nas cidades
onde realizamos nossas entrevistas. Especialmente, agradecemos ao mestre Abelardo José
Gama da Silva e a Maria de Fátima de Medeiros, pela torcida e nossa hospedagem em
Tocantinópolis. Dessa cidade, agradecemos ainda a Ilvandir Rodrigues (Vânia), Nelson
Calvacante e Ione Dias. A vocês, o nosso muito obrigado.
De Porto Franco, agradecemos a Vâner Marinho, pelas informações preliminares ainda
na fase de elaboração da pesquisa, e a Gecília Sabino, pelas informações dos moradores que
conviveram com os guerrilheiros durante o período em que estes moraram naquela cidade.
Para a conclusão da nossa pesquisa, foi imprescindível o apoio da família do professor
Wilame Gomes de Abreu, em Araguaína. Ele nos abriu as portas de sua casa e nos recebeu
com muita atenção. Como filho de Xambioá, indicou-nos as pessoas-chave para nossas
entrevistas. Além disso, não poderia esquecer de agradecer de forma muito especial a sua
mãe, dona Amancia Gomes de Abreu. Ela, também como historiadora, nos guiou e
acompanhou em algumas entrevistas em Xambioá e Araguaína. Graças ao seu apoio e
disposição, conseguimos realizar nosso estudo. A toda a família Gomes de Abreu, os nossos
agradecimentos.
De Xambioá, agradecemos à senhora Marfisa Aquino Cunha, que gentilmente nos
hospedou durante os dias de nossa permanência nessa cidade. Sua acolhida e companhia foi
muito importante para o sucesso de nosso trabalho. Ainda de Xambioá, agradecemos ao
professor Paulo Sena, por nos indicar os moradores que durante a época da guerrilha
conviveram com os militares e com os guerrilheiros. Nessa cidade, contamos com o apoio do
conterrâneo e amigo Elias, que nos aproximou de outros moradores. A todos vocês, o nosso
obrigado.
Em São Geraldo do Araguaia, contamos com o apoio da senhora Neuza Lins. Além de
falar de sua experiência durante o período da guerrilha, ela também nos indicou outras
pessoas que moraram próximos e tiveram contato com os membros do PC do B. A dona
Neuza, o nosso muito obrigado. Também agradecemos ao senhor João de Deus Nazaro, por
nos acompanhar naquele sol escaldante do Pará e nos pôr em contato com outros moradores
da região.
Do Rio de Janeiro, o nosso agradecimento especial às irmãs Ana Campos, Maria
Cecília Rondon Amarante e Joaquina Costa Neta (Religiosas do Sagrado Coração de Jesus),
por sua atenção e disponibilidade em se deslocarem até a cidade de Seropédica (RJ) e ter
IX

conseguido material indispensável à nossa pesquisa. Nesses momentos, sentimos o quanto é


importante ter amigos e amigas. As palavras são insuficientes para expressar nosso
agradecimento. Mesmo assim, o nosso muito obrigado.
De Campina Grande, também agradecemos a atenção e o empenho do amigo Severino
Nunes Duarte, por ter conseguido em Brasília referências para ampliar nosso conhecimento
sobre a guerrilha. Valeu pelo apoio e atenção.
No tocante ao período em que moramos em João Pessoa, agradecemos à senhora
Maria da Piedade Silva Ferreira e família, pelo apoio necessário à nossa instalação nessa
cidade. Somem-se a isso, a companhia e a torcida durante a fase de nossos estudos nessa
cidade.
Agradecemos à CAPES, pelo financiamento de nossa pesquisa durante um ano.Sem
esse apoio, as dificuldades seriam maiores para a conclusão da mesma. Através da bolsa
concedida por essa instituição, tivemos a oportunidade de realizar nossa pesquisa de campo
no Pará e Tocantins.
Este trabalho, portanto, é produto da contribuição de todos vocês. Após um ótimo
período de convivência e aprendizagem junto de todos vocês, concluímos parafraseando o
poeta Fernando Pessoa: “valeu a pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena”.
X

RESUMO

Este trabalho discute a Guerrilha do Araguaia a partir da memória dos moradores do Bico do
Papagaio (norte de Goiás – hoje Tocantins, sul do Pará e sul do Maranhão), pessoas comuns
(agricultores, donas de casa, garimpeiros, enfermeiras, comerciantes, barqueiros, dentre
outros) que experimentaram uma guerra que lhes era estranha e que construíram um saber
histórico sobre esse fato. Através dos pressupostos teórico-metodológicos da história oral,
analisamos os testemunhos dos moradores para a guerrilha centrados em três eixos: a
experiência cotidiana da população, as imagens construídas por esta população acerca do
comunismo e o medo e o silêncio presentes na memória dos moradores da região.
Entendemos que a presença tanto dos paulistas quanto dos militares trouxe mudanças na vida
cotidiana dos moradores. Através da tática da aproximação pela amizade e dos trabalhos
sociais realizados pelos militantes do PC do B, a população local encontrou naqueles jovens, a
maioria formada por estudantes, uma alternativa para os problemas que enfrentavam. A partir
do momento em que os militares se estabeleceram na região, percebe-se uma mudança mais
radical no cotidiano dos moradores. Seu cotidiano passou a ser vigiado e fiscalizado. Com
isso, muitas pessoas usaram a tática do silêncio e da negação para sobreviver nesse cenário. A
presença dos militares e, sobretudo, a sua propaganda, na tentativa de difamar e colocar a
população da região contra os paulistas, também influenciaram nas representações dessa
população em relação às imagens do comunismo, geralmente representado pelos moradores
de forma múltipla (gente indesejável, estrangeiros, pessoas contra o governo). Na nossa visão,
as práticas instituídas pelos militares durante a Guerrilha do Araguaia contribuíram para a
presença do medo e do silêncio entre os moradores. Através do uso de ameaças, fiscalizações,
invasões às propriedades, expulsão dos camponeses das mesmas e da exibição dos corpos dos
guerrilheiros mortos, os moradores encontraram no silêncio uma forma sutil de resistência ao
teatro do terror instituído na região do Bico do Papagaio.

Palavras-Chave: Guerrilha do Araguaia; Memória histórica; Saber histórico.


XI

ABSTRACT

This work discuss the Araguaia guerrilla warfare from the memory of Bico do Papagaio’s
residents (Goiás North – Tocantins in the present, Pará and Maranhão South), common people
(farmers, housewives, miners, nurses, traders, boaters) who experienced a war strange for
them and that built a piece of historic knowledge about this fact. Through the oral history
technical-methodological presupposes residents’ evidences for the guerrilla warfare were
analyzed and analyzed in at three axes: the population’s daily experience, images
constructed buy this population concerning communism, fear and silence present in the
memory of region’s residents. We understand that both the presence of paulistas and the
soldiers brought changes in the daily life of the residents. Using the tactics of approaching by
friendship and social works performed by the activists from PC do B, the local population
found in those young (students most of them) an alternative for the problems they were
facing. From the moment when the militants arrived in the region, a more radical change in
the daily life of residents was noted. Their daily lives started to be spied and inspected.
Therefore, many people used the silence and denying tactics to survive at this scenario. The
presence of militants and, especially its marketing in an attempt of slandering and putting the
population against the paulistas, also influenced in the representations of this population
concerning communism, generally represented in a multiple form by the residents
(undesirable people, foreigners, people against the government). In our point of view, the
practices instituted by the soldiers during the Araguaia guerrilla warfare contributed for the
presence of fear and silence among the residents. Through the use of threats, inspections,
properties invasions, expulsion of farmers and exhibition of dead bodies of guerillas, the
residents found in the silence a subtle way of resistance to the horror theater instituted in the
Bico do Papagaio region.

Keywords: Araguaia Guerilla warfare; Historic memory; Historic knowledge.


XII

SUMÁRIO
DEDICATÓRIA........................................................................................................................ V
AGRADECIMENTOS ........................................................................................................... VII
RESUMO .................................................................................................................................. X
ABSTRACT .............................................................................................................................XI
INTRODUÇÃO: O PERCURSO DE UMA PESQUISA ... ......................................................1
CAPÍTULO I: COTIDIANO DOS PAULISTAS, MORADORES E MILITARES DURANTE
A GUERRILHA DO ARAGUAIA - “SENHORES, PEÇO LICENÇA, ME OUÇAM COM
ATENÇÃO ................................................................................................................................16
1.1 Brasil, os anos de chumbo da ditadura militar – Que país é este?..................................16
1.2 O interior como o lócus para a Guerrilha do Araguaia e o projeto do PC do B para o
Brasil.............................................................................................................................19
1.3 A chegada dos paulistas ao Bico do Papagaio................................................................27
1.4 O programa dos paulistas ...............................................................................................31
1.5 A experiência da vida cotidiana durante a Guerrilha do Araguaia.................................34
CAPÍTULO II: “É COMUNISTA, É TERRORISTA, É SUBVERSIVO”: A INFLUÊNCIA
DA PROPAGANDA ANTICOMUNISTA NA MEMÓRIA DOS MORADORES DO BICO
DO PAPAGAIO .......................................................................................................................49
2.1 As imagens do comunismo no Brasil: uma longa tradição ............................................49
2.2 A estratégia militar: a propaganda anticomunista ..........................................................52
2.3 As formas de os militares combaterem o comunismo: a caça às “bruxas” ....................60
2.4 As representações dos moradores do Bico do Papagaio sobre o comunismo ................63
CAPÍTULO III: MEDO DE QUÊ? SILÊNCIO POR QUÊ? ...................................................72
3.1 O medo e o silêncio no contexto da Guerrilha do Araguaia...........................................72
3.2 As estratégias utilizadas pelos militares para perseguir e matar os guerrilheiros ..........74
3.3 As estratégias dos militares para impor medo à população............................................82
3.4 O Teatro do terror e o contrateatro .................................................................................89
3.5 Enfrentando o medo, rompendo o silêncio.....................................................................98
CONCLUSÃO........................................................................................................................104
ENTREVISTAS .....................................................................................................................108
REFERÊNCIAS .....................................................................................................................115
JORNAIS E REVISTAS ....................................................................................................119
REPORTAGEM TELEVISIVA.........................................................................................120
XIII

ANEXOS ................................................................................................................................121
ANEXO A ..........................................................................................................................122
ANEXO B ..........................................................................................................................123
ANEXO C ..........................................................................................................................125
INTRODUÇÃO

O percurso de uma pesquisa ...

O interesse em saber mais sobre a Guerrilha do Araguaia nasceu da nossa vivência na


própria região, palco do conflito. Como muitos nordestinos que migraram para o Norte do
país na década de 1960, em busca de melhoria de vida, migramos também, evidentemente,
num contexto bem diferente daqueles anos. Contudo, durante os três anos em que residimos
e trabalhamos em duas das cidades (Tocantinópolis – TO e Porto Franco – MA) que
acolheram quatro membros do que veria a se chamar Guerrilha do Araguaia, esse interesse
tornou-se mais forte. Foi então que começamos a investigar a partir de junho de 2005,
através dos relatos dos moradores, a sua versão para esse acontecimento. Formulamos
algumas questões e passamos a entrevistar alguns moradores dessas duas cidades que
tiveram contato ou ouviram falar algo sobre esses quatro rapazes que por ali passaram entre
os anos de 1967 e 1968.
Nessas entrevistas, uma questão que nos chamou a atenção logo de início foi o medo
e o silêncio que os moradores da região do Bico do Papagaio demonstram ao falarmos sobre
o assunto. Essa, portanto, foi a impressão inicial que tivemos ao esboçar a nossa pesquisa
sobre a guerrilha. Isso, também, nos impulsionou para um maior entendimento desse
emudecimento de vozes, desse sentimento de temor depois de tantos anos de uma
experiência vivida pelos moradores da região, palco da guerra. Assim, portanto, nasceu o
projeto de pesquisa A Guerra Silenciada: memória histórica dos moradores do Bico do
Papagaio sobre a Guerrilha do Araguaia.
Cabe aqui esclarecer ao leitor o porquê da região receber essa denominação. A região
recebe esse nome devido ao seu formato geográfico, é o local de encontro entre os rios
Araguaia e Tocantins, formando uma espécie de bico, semelhante ao da ave (papagaio). Em
nossa pesquisa, essa localidade corresponde ao sul do Maranhão, sul do Pará, norte de Goiás,
atualmente Estado do Tocantins.1

1
Ver mapa da região – anexo A. Também é conhecida como Região Hidrográfica Tocantins-Araguaia.
Atualmente, possui cerca de 967.059 km² (11% do território nacional) e abrange os Estados de Goiás
(26,8%), Tocantins (34,2%), Pará (20,8%), Maranhão (3,8%), Mato Grosso (14,3%) e Distrito Federal
(0,1%). No que se refere à população, cerca de 7,9 milhões de pessoas vivem nessa região, correspondendo a
4,7% da população nacional. Aproximadamente 72% da população vivem em áreas urbanas. A região é
formada pelos seguintes biomas: Floresta Amazônica, ao norte e noroeste, e Cerrado, nas demais áreas.
Existem ainda na região 10 áreas de preservação ambiental e 35 áreas indígenas. (Dados presentes no
2

Trabalhar a partir da memória dos moradores, na nossa visão, significa “dar voz” às
pessoas consideradas marginais no campo do conhecimento histórico. Isso porque a maioria
dos trabalhos sobre a chamada Guerrilha do Araguaia enfatiza ou a atuação dos militantes do
PC do B, colocando-os como verdadeiros heróis da história ou, por outro lado, a visão dos
militares que tentavam desenvolver o país, para isso, sendo necessário acabar com o
comunismo que representava, na sua ótica, uma ameaça a esse ideal de progresso. Assim,
temos uma visão ora heróica, ora bandida da guerrilha – um maniqueísmo que talvez tenha
se transferido para a população local. Vamos tentar compreendê-lo.
Diante disso, optamos pelo caminho da memória das pessoas comuns2, gente que, no
seu dia-a-dia, experimentou a convivência seja com os guerrilheiros, seja com os militares e
que, a partir daí, construiu um saber sobre a guerrilha. Assim, buscamos, com base na
metodologia da história oral, recolher e entender a visão que a população da região do Bico
do Papagaio elaborou como fruto de suas experiências. Entendemos por memória histórica
as lembranças dos moradores sobre um evento histórico (nesse caso, a Guerrilha do
Araguaia), mediada pelas suas experiências que, na maioria das vezes, se constituíram
enquanto traumáticas. São, portanto, lembranças de um acontecimento que marcou o nosso
país. Lembranças de pessoas que têm um saber baseado na experiência e não no rigor
científico.
Escolhemos trabalhar com pessoas com uma idade mínima de 45 anos, partindo do
princípio de que, na época da guerrilha, eram adolescentes ou adultos. Portanto, o nosso
objetivo não é analisar a Guerrilha do Araguaia sob o ponto de vista dos guerrilheiros,
tampouco dos militares. Não buscamos, ainda, construir uma versão definitiva do
movimento, mas relatar e discutir o mesmo a partir da ótica de um dos lados envolvidos, os
moradores da região. A opção pela história oral também nos possibilitou refletir sobre o
metier do historiador que, acostumado a trabalhar entre a poeira e as traças, ou como melhor

Relatório sobre viabilidade econômica e capacidade técnica para implantação do Memorial do Araguaia –
IAPA – Instituto de Apoio aos Povos do Araguaia [Xambioá – TO], S/d).
2
Ao nos referir às pessoas comuns, queremos destacar as narrativas dos moradores da região, palco do
movimento do Araguaia. Pessoas que têm uma tradição ágrafa e que, por isso, são colocadas à margem sua
forma de conhecimento. A partir da concepção thompsoniana de “história vista de baixo”, na qual há ênfase
nos sujeitos históricos e projetos silenciados (THOMPSON, 1987: 13), desejamos analisar, através da
memória das pessoas simples da região do Araguaia (agricultores, quebradores de coco babaçu, donas de
casa, comerciantes, barqueiros, garimpeiros e professores), suas experiências vivenciadas durante a Guerrilha
do Araguaia arquitetada pelos militantes do PC do B (Partido Comunista do Brasil). Sobre a concepção de
história vista de baixo, ver ainda SHARPE, Jim. História Vista de Baixo. In: BURKE, Peter (Org). A Escrita
da História: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. p. 39-62. Ver também HOBSBAWM, Eric.
Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 216-231. No ensaio “A história de baixo para
cima”, esse autor discutiu as dificuldades que os historiadores enfrentam ao fazer a história vista de baixo.
3

destacou Michel de Certeau, ele (historiador) através da escrita põe em cena uma população
de mortos (1982: 106), é instigado hoje a também dialogar com os vivos, e essa forma de
diálogo pode ser buscada através da história oral. Foi isso, portanto, que possibilitou a
realização de nossa pesquisa.
Como técnica, entre as possibilidades da história oral, escolhemos a entrevista
temática, visto que nosso objetivo geral foi aprofundar e compreender a experiência da
Guerrilha do Araguaia a partir da memória dos moradores do Bico do Papagaio, destacando
como esse movimento trouxe mudanças para o seu cotidiano e representou formas de
resistências, medo e expectativas. Nesse sentido, elaboramos um roteiro inicial, contendo
algumas questões, tais como: 1) Conte um pouco sobre a Guerrilha; 2) Há lembrança de
algum guerrilheiro? Qual o nome? 3) O que o senhor (a) acha deles? 4) Houve mudanças na
sua vida, na cidade durante a guerrilha? Quais? 5) Qual a sua opinião sobre a Guerrilha? 6)
Existe alguma cena marcante? Qual? (Ver anexo C – o roteiro completo de uma das
entrevistas realizadas). Durante a pesquisa, realizamos 37 entrevistas com os moradores do
Bico do Papagaio∗, além de utilizar alguns depoimentos concedidos ao pesquisador
Romualdo Pessoa Campos Filho, à pesquisadora Dácia Ibiapina da Silva, aos pesquisadores
Gláucio Ary Dillon Soares e Maria Celina D’ Araújo, aos jornalistas Luiz Maklouf
Carvalho, Elio Gaspari, Hélio Contreiras, Fernando Portela e Palmério Dória e reportagens
voltadas a temática da guerrilha realizadas pelas revistas Veja, Isto é e Época e pelo Jornal
do Tocantins.
Após a realização das entrevistas, iniciamos as transcrições, um dos procedimentos
adotados por quem trabalha com a metodologia da história oral. Sobre esse procedimento,
vários autores têm se manifestado. Para Alessandro Portelli, existe uma relação entre a
tradução de um texto escrito em determinado idioma para outro e a transcrição de fontes
orais. Nesse sentido, afirma: “A mais literal tradução é dificilmente a melhor, e uma
tradução verdadeiramente fiel sempre implica certa quantidade de invenção. O mesmo pode
ser verdade para a transcrição de fontes orais” (1997: 27).
Portanto, segundo os pressupostos de Portelli, a transcrição implica de certa forma
manipulação e interpretação. Ser fiel ao narrador não é fazer transcrições neutras, perfeitas e


As entrevistas foram realizadas em 5 cidades da região do Bico do Bico do Papagaio, distribuídas da seguinte
forma: Tocantinópolis – TO, 8 pessoas; Porto Franco – MA, 2 pessoas; Araguaína – TO, 6 pessoas; Xambioá
– TO, 15 pessoas e São Geraldo do Araguaia – PA, 6 pessoas. É importante destacar que, embora as
entrevistas tenham sido realizadas nessas cidades, os moradores, muitas vezes, na época da guerrilha
habitavam outras localidades (lugarejos e sítios), às vezes próximas dos destacamentos guerrilheiros. Uma
característica bem presente na década de 1960, nessa região, é a constante migração de nordestinos e sulistas.
4

objetivas, mas transmitir ao leitor o que o entrevistado realmente disse. Tentamos seguir, nas
transcrições, o conteúdo e os procedimentos narrativos dos entrevistados. Embora a
linguagem escrita e acadêmica exija obediência às regras gramaticais e ortográficas, nos
depoimentos orais, resolvemos optar pela maneira como cada morador fala. Assim,
procuramos conservar os erros de concordância, ortografia, as expressões regionais, como
forma de valorizar o universo geográfico e sócio-cultural das pessoas e também porque a fala
dos moradores é o nosso objeto de análise nesse trabalho. Algumas vezes, para tornar mais
inteligíveis determinadas palavras, expressões e fatos, utilizamos notas de rodapé.
É importante enfatizar que os relatos contêm muitas pausas, silêncios, frases
interrompidas e esquecimentos. Nesse sentido, utilizamos reticências para indicar os
silêncios, os esquecimentos e as interrupções de pensamento. Para as pausas menores,
usamos a vírgula, o ponto e o ponto-e-vírgula. Evidentemente que, embora tenhamos
procedido metodologicamente dessa maneira, a transcrição é apenas uma forma de traduzir
os depoimentos orais, pois o ato de falar inclui procedimentos de oralidade difíceis de serem
transcritos, como, por exemplo, a entonação, as lacunas e os gestos.
A nossa escolha, por trabalhar com a memória dos moradores, explica-se,
inicialmente, porque os trabalhos relacionados à Guerrilha do Araguaia, geralmente,
priorizaram aspectos políticos e militares. Assim, sem negar a importância dos demais
enfoques, nossa pesquisa deseja contribuir com aqueles poucos enfatizados, como o
cotidiano, o medo, as imagens que a população local “construiu” do comunismo e dos
comunistas e o próprio silêncio que permeia o assunto.
Em relação aos trabalhos que enfatizam a problemática da Guerrilha do Araguaia,
podemos classificá-los em quatro tipos. O primeiro é a própria literatura do PC do B, na qual
temos uma análise da guerrilha segundo o olhar dos militantes do partido. Embora exista
uma literatura bastante expressiva, citamos aqui obras como: Diário da Guerrilha do
Araguaia, sem autor específico, um documento escrito pelos próprios guerrilheiros no qual é
apresentado o projeto que o PC do B propunha para o Brasil; Araguaia: o partido e a
guerrilha, de Wladimir Pomar, em que o autor discute a história da criação do PC do B e
enfatiza a luta armada no campo como forma para se chegar ao socialismo, além de
contribuir para a seleção de vários documentos do partido sobre a guerrilha; Combate nas
Trevas – A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada, de Jacob Gorender,
obra em que o autor faz uma investigação pioneira sobre a luta armada, na qual liga-se o
testemunho de quem dela participou e a pesquisa histórica, e Araguaia: relato de um
5

guerrilheiro, de Glênio Sá, este último faz um relato de memória a partir de sua experiência
como guerrilheiro.3
O segundo tipo é a literatura de memória a partir da versão dos militares. É o caso de
Xambioá: Guerrilha no Araguaia, do coronel da Aeronáutica Pedro Corrêa Cabral, nele o
autor relata a sua experiência como piloto de um dos aviões que caçavam e transportavam os
guerrilheiros. O outro lado do poder, de Hugo Abreu, embora não se dedique ao estudo
específico da guerrilha, o autor destaca sua participação no governo Geisel durante os três
anos em que esteve à frente do Gabinete Militar da Presidência da República. A obra é
oportuna porque analisa as ações do governo segundo a versão de um militar. Os anos de
chumbo: a memória militar sobre a repressão, obra organizada pelos pesquisadores Maria
Celina D`Araújo, Gláucio Ary Dillon Soares e Celso Castro, na qual são apresentadas várias
entrevistas com militares que exerceram cargos nos órgãos de informação instituídos durante
o regime militar. Nesse livro, os militares também justificam algumas ações tomadas em
relação à repressão como uma reação às iniciativas da esquerda.4
O terceiro tipo são os artigos jornalísticos publicados em jornais e revistas,
principalmente ao longo do final da década de 1970 até hoje. Nesses artigos foram
destacados depoimentos de moradores, militares e ex-guerrilheiros narrando suas
experiências durante a guerra.5 Publicaram-se inúmeros artigos, dos quais alguns resultaram
em livros, como é o caso de: Guerra de Guerrilhas no Brasil, de Fernando Portela, uma
das primeiras obras sobre a guerrilha a ser publicada. Nela, Portela fez um estudo abordando

3
MOURA, Clóvis. Diário da Guerrilha do Araguaia. (Apresentação). 3 ed.: São Paulo: Alfa-Ômega, 1985.
POMAR, Wladimir. Araguaia: O partido e a guerrilha – Documentos inéditos. São Paulo: Ed. Brasil
Debates, 1980. GORENDER, Jacob. Combate nas Trevas – A esquerda Brasileira: das ilusões perdidas à
luta armada. São Paulo: Ática S.A 1987. SÁ, Glênio. Araguaia: Relato de um guerrilheiro. 2 ed., São Paulo:
Anita Garibaldi, 2004.
4
CABRAL, Pedro Corrêa. Xambioá: Guerrilha no Araguaia. Rio de Janeiro, Record,1993. ABREU, Hugo. O
outro lado do poder. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1979. D`ARAÚJO, Maria Celina. SOARES, Gláucio
Ary Dillon. CASTRO, Celso (Orgs). Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de
Janeiro: Relume-Dumará, 1994.
5
Ver VEJA. São Paulo: Editora Abril, Edição de 06 set. 1978, pp. 52-58. VEJA. São Paulo: Editora Abril,
Edição de 20 fev. 1980, p. 15. VEJA. São Paulo: Editora Abril, Edição de 13 out. 1993, p. 16-28. ISTO É.
São Paulo: Editora Três, Edição de 28 jul. 1993, p. 48-51. ISTO É Online. São Paulo: Edição nº 1697 de 05
abr. 2002. Disponível em:
<http://www.terra.com.br/istoe/1697/brasil/1697_em_busca_do_tempo_perdido.htm>. Acesso em: 24 jun.
2005. ISTO É Online. São Paulo: Edição nº 1663 de 15 ago. 2001. Disponível em: <http://www.
terra.com.br/istoe/1663/brasil/1663_arquivo_vivo.htm>. Acesso em: 07 jun. 2007. ISTO É Online. São
Paulo: Edição de 20 jun. 2007. Disponível em:< http://www.terra.com.br/istoe>. Acesso em: 18 jun.2007.
ÉPOCA. São Paulo: Editora Abril, Edição de 03 mar. 2004. Disponível em:
<http://www.defesanet.web.terra.com.br/noticia/epocaaraguaia/index.html>. Acesso em: 07 jun. 2007.
ÉPOCA. São Paulo: Editora Abril, Edição de 21 mai. 2007. Disponível em:
<http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG675559-6009,00.html>. Acesso em: 09 jun. 2007.
Jornal do Tocantins. Palmas, 21 e 22 abr. 2000.
6

a chegada dos militantes do PC do B à região do Araguaia, as três operações das Forças


Armadas para eliminar os guerrilheiros e as suas estratégias para conquistar a população
local ao seu projeto. Nessa mesma perspectiva, temos o livro Operação Araguaia: os
arquivos secretos da guerrilha, de Taís Morais e Eumano Silva, no qual os autores narram,
em forma de romance, a preparação da guerrilha, a ida dos guerrilheiros à região do
Araguaia e as operações militares para pôr fim à guerrilha. Finalmente, A Ditadura
Escancarada, de Elio Gaspari; que, embora não trate especificamente da guerrilha, dedica
um capítulo à análise desse acontecimento.6 Seu estudo sobre a guerrilha não difere dos
demais autores já citados, dando ênfase às operações militares. Contudo, devido ao acesso
que o autor teve em relação à documentação da época da ditadura militar, o seu trabalho é
fundamental para contextualizar esse período.
O quarto tipo são os trabalhos acadêmicos que, a partir do início da década de 1990,
vêm despertando o interesse dos historiadores. Nesse sentido, podemos citar a tese de
doutorado de Gilvane Felipe A Guerrilha do Araguaia (Brasil: 1966–1975), apresentada ao
Institut des Hautes Études de I`Amérique Latine (IHEAL). Université de la Sorbonne
Nouvelle (Paris III) em 1993. Essa tese prioriza os aspectos políticos da Guerrilha do
Araguaia, com ênfase na história do PCB (Partido Comunista Brasileiro) a partir de sua
fundação em 1922, sua fase de legalidade e clandestinidade, o racha em 1962 com a criação
do PC do B (Partido Comunista do Brasil), a opção deste pela luta armada, a presença dos
militantes na região do Araguaia e as campanhas das Forças Armadas para pôr fim ao
movimento guerrilheiro.7
Seguindo os mesmos pressupostos teóricos, há o livro Guerrilha do Araguaia – a
esquerda em armas, de Romualdo Pessoa Campos Filho, resultado de sua dissertação de
mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em História da UFG (Universidade
Federal de Goiás) em 1995. Esse trabalho, além de acadêmico, tem um aspecto pessoal
muito forte, visto que o autor militou no PC do B. Estudou a Guerrilha do Araguaia entre os
anos de 1991 e 1995. Através de uma pesquisa bastante ampla, recorreu à análise dos
documentos da Comissão Externa dos Desaparecidos Políticos da Câmara dos Deputados e
realizou várias entrevistas com moradores do Araguaia que participaram e/ou presenciaram o

6
PORTELA, Fernando. Guerra de Guerrilhas no Brasil. A saga do Araguaia. São Paulo: Global, 2002.
MORAIS, Taís e SILVA, Eumano. Operação Araguaia: Os Arquivos secretos da Guerrilha. São Paulo:
Geração Editorial, 2005. GASPARI, Elio. A Ditadura Escancarada. São Paulo: Companhia das Letras,
2002.
7
FELIPE, Gilvane. A Guerrilha do Araguaia (Brasil: 1966–1975). Tese de doutorado apresentada ao Institut
des Hautes Études de I`Amérique Latine (IHEAL). Université de la Sorbonne Nouvelle (Paris III), 1993.
7

conflito. Sua análise parte do materialismo histórico e destaca desde o contexto mundial –
Guerra Fria, os grupos de esquerda e o golpe de 1964, a opção do PC do B pela guerrilha
rural – até as campanhas das Forças Armadas para destruir o movimento guerrilheiro.8 Sua
análise, entretanto, não enfatizou os aspectos econômicos do mundo e do Brasil na época.
Assim, percebemos em sua abordagem a predominância dos aspectos políticos da Guerrilha
do Araguaia. No mesmo período, isto é, na década de 1990, temos a dissertação de mestrado
de Deusdedith Alves Rocha Júnior, A Guerrilha do Araguaia (1972–1974), defendida em
1995 na UnB (Universidade de Brasília). A dissertação faz um estudo da guerrilha a partir da
análise do discurso em relação aos militantes do PC do B que lutaram no Araguaia. Segundo
o autor, esse discurso classifica-se em três tipos: o do Estado, que passou a tratá-los como
terroristas; o do PC do B que os considerava guerrilheiros e o dos moradores que os
denominavam povo da mata. Além disso, a sua pesquisa também analisou as principais
características da região sul do Pará e as razões que levaram o PC do B a optar pela mesma.9
Assim como Romualdo Pessoa Campos Filho, dedica parte de seu trabalho à narrativa das
campanhas das Forças Armadas contra os militantes do PC do B. Na nossa visão, os três
trabalhos citados apresentam características comuns aos historiadores que se interessaram
pelo estudo da Guerrilha do Araguaia na década de 1990, isto é, a preocupação com o
aspecto político da mesma, na tentativa de buscar respostas para as motivações que levaram
ao início do movimento e à sua destruição pelas Forças Armadas.
Dessa forma, as pesquisas voltadas para o estudo da Guerrilha do Araguaia
apresentaram algumas peculiaridades em relação aos estudos sobre o regime militar.
Segundo Carlos Fico, a produção histórica recente relacionada ao regime militar priorizou as
questões subjetivas como o cotidiano, as emoções e as trajetórias de vida.10 No caso da

8
CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas. Goiânia: Editora da
UFG, 1997.
9
ROCHA JÚNIOR, Deusdedith Alves. A Guerrilha do Araguaia (1972–1974). Dissertação de Mestrado
apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História. Brasília: Universidade de Brasília, 1995, 158 p.
10
Quando Carlos Fico se refere à produção histórica recente sobre o regime militar, fala das dissertações e teses
produzidas no Brasil a partir do final da década de 1980. Segundo ele, nesse período que coincide com a
chegada ao país da chamada “nova história”, os historiadores abandonaram as explicações fundadas em
conceitos como classe social, modo de produção, estrutura econômica ou estrutura social e passaram a dar
ênfase às questões do indivíduo, seu cotidiano, suas emoções, suas trajetórias de vida etc., ou seja, houve
uma ênfase na valorização da subjetividade. Segundo o levantamento do Grupo de Estudos sobre a Ditadura
Militar da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o maior foco de interesse dos trabalhos voltados
para o período militar foram os temas relacionados com a arte e a cultura dessa época. Como exemplo,
temos: ARAÚJO, Arturo Gouveia. Os homens cordiais. A representação da violência oficial na literatura
dramática brasileira após-64. Dissertação de mestrado apresentada à UFPB. João Pessoa, 1991. EUGENIO,
Marcos Francisco Napolitano de. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na trajetória
da Música Popular Brasileira (1959/1969). Tese de doutorado apresentada à USP. São Paulo, 1999. VIEIRA,
Francisco Carlos Soares F. Pelas esquinas dos anos 70. Utopia e poesia no Clube de Esquina. Dissertação de
8

Guerrilha do Araguaia, o que houve foi o contrário, a predominância dos aspectos políticos
sobre os subjetivos. Evidentemente que essa escolha dos historiadores pela guerrilha, na
década de 1990, se explica pelo próprio contexto histórico do Brasil naquele momento,
quando experimentávamos os primeiros anos da volta da democracia ao país.
Dentro ainda desse quarto tipo de estudo envolvendo a Guerrilha do Araguaia,
podemos destacar a tese de doutorado de Dácia Ibiapina da Silva, Memórias da Guerrilha
do Araguaia: relatos de moradores de Palestina do Pará, defendida no Programa de Pós-
Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da UFRRJ (Universidade Federal
Rural do Rio de Janeiro), em 2002.11 Embora não seja um trabalho em história, mas em
Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, trouxe para o debate sobre a Guerrilha do
Araguaia algo não enfatizado pelos trabalhos acadêmicos anteriores – a discussão sobre a
memória dos moradores. Sua discussão percorre desde as representações/narrativas sobre a
guerrilha até os questionamentos sobre os “silêncios” nelas presentes. Enfatizando as
memórias traumáticas da guerrilha com base nos pressupostos teóricos de Michael Pollak e
da metodologia da história oral, a autora procurou ouvir pessoas que durante a Guerrilha do
Araguaia sofreram torturas, mortes de parentes/amigos e ameaças. Sua justificativa para a
escolha de Palestina é o fato de esta cidade ficar próxima ao local onde os guerrilheiros
implantaram um de seus destacamentos (Grupamento B ou Grupamento da Gameleira).
O trabalho mais recente sobre a Guerrilha do Araguaia também se enquadra nesse
quarto tipo e foi produto da dissertação de mestrado de Hugo Studart, intitulada O
Imaginário dos Militares na Guerrilha do Araguaia (1972–1974), defendida no Programa
de Pós-Graduação em História da UnB (Universidade de Brasília) em 2005 e,
posteriormente, transformada em livro, sob o título A Lei da Selva: estratégias, imaginário e
discurso dos militares sobre a Guerrilha do Araguaia, publicado em 2006.12 O seu trabalho
trouxe para o debate a versão dos militares sobre a guerrilha com enfoque no conceito de
imaginário presente em Cornelius Castoriadis. Segundo o autor, sua obra é um diálogo com a
“Nova história”, contrapondo-se às leituras tradicionais de cunho estruturalista. Hugo
Studart, através de contatos com alguns militares que atuaram no período da guerra no
Araguaia, teve acesso a documentos particulares preservados pelos mesmos, a quem sugeriu

mestrado apresentada à UFRJ. Rio de Janeiro, 1998. Para maior detalhamento dessa questão, ver FICO,
Carlos. Além do Golpe – versões e controvérsias sobre 1964 e a Ditadura Militar. Rio de Janeiro, São Paulo,
Record, 2004. p. 139-206.
11
SILVA, Dácia Ibiapina da. Memórias da Guerrilha do Araguaia: relatos de moradores de Palestina do
Pará. Tese de doutorado. UFRRJ/CPDA, 2002.
12
STUDART, Hugo. A lei da selva. Estratégias, imaginário e discurso dos militares sobre a Guerrilha do
Araguaia. São Paulo, Geração Editorial, 2006.
9

a elaboração de uma espécie de relatório narrando suas experiências, o qual foi denominado
Dossiê Araguaia. Através da análise desse dossiê, o autor discutiu o que pensavam os
militares sobre os guerrilheiros, o que temiam, suas emoções, valores, ideais, imagens e
significados que conferiram às ações. Partindo dessa análise, Studart destacou que os
militares envolvidos nas operações militares no Araguaia haviam pactuado um código de
silêncio, daí as dificuldades em falar no assunto e expor os arquivos.
Inicialmente, com base na leitura dos documentos do PC do B e do arcabouço teórico
postulado por E. P. Thompson, levantamos a hipótese de que a experiência dos guerrilheiros
na região do Bico do Papagaio poderia ser classificada enquanto Movimento do Araguaia, e
não simplesmente como Guerrilha do Araguaia. Por que Movimento? Porque o mesmo
apresentava um projeto de sociedade para o Brasil, e dividia-se em etapas que deveriam ser
observadas e cumpridas pelos militantes do PC do B, como, por exemplo, iniciar a conquista
da população local pela amizade, e não pelo trabalho político partidário. Dentro dessa
perspectiva, a chamada Guerrilha do Araguaia seria uma das etapas do Movimento, ou seja,
a guerra de guerrilhas ou a luta armada constituía um determinado momento do projeto do
PC do B para o Brasil. Entretanto, a pesquisa de campo nos apontou outra direção. Nas
entrevistas com os moradores da região, sempre que perguntávamos sobre o projeto
defendido pelos guerrilheiros para o Brasil, a resposta era o desconhecimento do mesmo, isto
é, os moradores não chegaram a conhecer os objetivos da presença daquelas “pessoas boas”
na região do Bico do Papagaio. Dessa forma, entendemos que a denominação “guerrilha”
ainda é mais apropriada para analisar a experiência das pessoas sobre esse acontecimento
através de suas memórias.
Quanto ao recorte temporal, a maioria dos pesquisadores que estudou a Guerrilha do
Araguaia considera a fase de 1972 até 1975, ou seja, o período da chegada e permanência
das Forças Armadas na região realizando as três operações militares para acabar com ela.13
No nosso estudo, essa datação foi ampliada, pois adotamos o período que se estende de
1966, quando começam a chegar à região os primeiros militantes do PC do B, ou os paulistas
para os moradores, até o momento presente. A razão para esse recorte se explica porque no

13
Durante a guerrilha, foram realizadas três campanhas pelas Forças Armadas. A primeira entre abril e junho de
1972; a segunda, entre setembro e outubro de 1972 e a terceira, entre outubro de 1973 a dezembro de 1974. É
válido ressaltar que essas campanhas militares não constituem o objetivo de nossa dissertação. Para
aprofundar a temática, e também o recorte temporal utilizado pelos pesquisadores, ver CAMPOS FILHO,
Romualdo Pessoa. Op.cit. ROCHA JÚNIOR, Deusdedith Alves. Op.cit. FELIPE, Gilvane. Op.cit. MORAIS,
Taís e SILVA, Eumano. Operação Araguaia: os arquivos secretos da Guerrilha. Geração Editorial, São
Paulo, 2005; STUDART, Hugo. Op.cit.
10

capítulo III de nossa dissertação discutiremos as motivações que vêm contribuindo para a
quebra do silêncio sobre o assunto por parte dos moradores atualmente.
Consideramos que a experiência de guerrilha, arquitetada pelo PC do B, constituiu
um projeto para a região e para o país, desde o momento da chegada de seus militantes e de
sua presença na vida cotidiana da população local. Dessa forma, a presença dos membros da
guerrilha na região do Bico do Papagaio trouxe modificações na vida dos moradores, como
veremos.
Para narrar a experiência dos moradores do Bico do Papagaio acerca da Guerrilha do
Araguaia, escolhemos percorrer os caminhos da memória. Caminhos que buscam valorizar
as experiências de pessoas comuns, simples, que vivenciaram esse acontecimento e
construíram um saber acerca do mesmo. Dentre os múltiplos caminhos teóricos que a
memória nos oferece, escolhemos trilhar os pressupostos de Maurice Halbwachs, em A
Memória Coletiva. Para ele, a memória só pode ser compreendida a partir do plano social,
ou seja, a memória do indivíduo depende de seu relacionamento com a família, com a classe
social, com a escola, com a Igreja. Somos assim influenciados pela maneira como a nossa
sociedade pensa, pelos seus valores, costumes e crenças. As lembranças surgem, então, na
medida em que os outros e a própria situação presente nos fazem lembrar. Nesse sentido,
afirma Halbwachs: “Mas nossas lembranças permanecem coletivas, e elas nos são lembradas
pelos outros, mesmo que se trate de acontecimentos nos quais só nós estivemos envolvidos,
e com objetos que só nós vimos” (1990: 26).
Segundo Halbwachs, a memória é apenas uma reconstrução do passado ela, é,
portanto, uma representação incompleta do mesmo, daí a necessidade dos outros.14 Portanto,
sendo uma representação incompleta, necessitamos de outras pessoas para que as lembranças
possam emergir, daí o seu caráter coletivo.
Outro autor que tem contribuído na reflexão em torno da memória é Jacques Le Goff,
através de seu livro História e Memória, mais especificamente no artigo “Memória”, no
qual, no seu olhar de historiador, define a memória. Para ele, a memória é entendida como a
propriedade de se conservarem certas informações. Ela é um conjunto de funções psíquicas
graças às quais o homem pode atualizar impressões ou informações passadas, ou que
representa como passadas (1996: 423). Assim, a memória é percebida como uma

14
Em sua análise sobre a memória, Halbwachs se opõe a um outro pensador, o filósofo Henri Bergson. Segundo
Bergson, o passado se conserva inteiramente dentro de nossa memória, tal como foi para nós. A memória
seria, portanto, a conservação do passado. Sobre o pensamento de Henri Bérgson, ver BOSI, Ecléa. Memória
e Sociedade. Lembranças de Velhos. 5 ed., São Paulo, Companhia das Letras, 1998. p. 44-53.
11

representação do passado. Em nosso estudo, é uma representação e reconstrução do passado


a partir do presente. Ou seja, a memória é uma interpretação constante.
Para nós, não existe uma diferenciação/oposição acirrada entre memória e história. A
memória pode contribuir com a história como fonte de conhecimento histórico. E, no caso
específico sobre a Guerrilha do Araguaia, vem contribuindo para contar uma versão da
história. Nesse sentido, a memória ajuda a contar uma versão interessada e parcial da história
desse movimento. É claro que não negamos, com isso, as particularidades de cada uma, mas
entendemos que tanto a memória quanto a história podem nos ajudar a representar o passado
e entender como determinados grupos ou sociedades viveram. Assim, afirma François
Dosse: “A memória é, portanto, como a história, um modo de seleção no passado, uma
construção intelectual, e não um fluxo externo ao pensamento” (2004: 183).
Vemos, portanto, atualmente essa memória, que é plural e fragmentada, invadindo o
território do historiador.15 Ela pode assim ser uma ferramenta fundamental do vínculo social,
da identidade individual e coletiva. Essa memória pode se encontrar no centro de uma
problemática esperando que o historiador lhe atribua um sentido, como se fosse um
psicanalista. A memória pode ajudar a própria história, se considerada numa perspectiva
interpretativa aberta em direção ao futuro. Ela pode ser fonte de reapropriação coletiva e não
apenas uma simples museografia isolada do presente. Poderá funcionar como uma ponte
entre o passado e o presente, entre o mundo dos mortos e o mundo dos vivos. A memória
não é estática, neutra e inalterável. Como afirma Michel de Certeau, “longe de ser o relicário
ou a lata de lixo do passado, a memória vive de crer nos possíveis, e de esperá-los, vigilante,
à espreita” (2005: 163).
O primeiro capítulo desta dissertação, “Cotidiano dos Paulistas, Moradores e
Militares durante a Guerrilha do Araguaia”, constitui-se da seguinte forma: inicialmente,
contamos um pouco da história da própria guerrilha e do contexto brasileiro das décadas de
1960 e 1970, as divergências dentro do PC do B quanto ao lugar para a mesma; a chegada

15
Trabalhar com a memória não é algo recente no tocante a outras ciências, como é o caso da psicologia, da
sociologia e da antropologia. Contudo, no campo da história, essa preocupação passa a ocupar um lugar de
destaque a partir dos anos de 1940, na Inglaterra, com os estudos realizados pelos marxistas e, na década de
1960, na França especialmente com a chamada “Terceira Geração da Escola dos Annales”. Assim, a
preocupação com o estudo da memória assumiu um lugar dentro dos estudos históricos, seja a memória
escrita, seja a memória oral. Sobre essa discussão, ver THOMPSON, Paul. A Voz do Passado. História
Oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. LE GOFF, Jacques. & NORA, Pierre (Orgs.). História. 1. Novos
problemas; 2. Novos objetos; 3. Novas abordagens. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976. 3 v. LE GOFF,
Jacques. História e Memória. 3 ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1994. Em relação ao Brasil, ver
FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína (Orgs). Usos e Abusos da História Oral. Rio de
Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 2005. MONTENEGRO, Antônio Torres. História Oral e Memória: a
cultura popular revisitada. São Paulo: Contexto, 1994.
12

dos primeiros militantes à região do Bico do Papagaio e as razões pelas quais foi escolhida
essa área; o projeto de guerrilha, a atuação junto às “massas” e os fragmentos da vida
cotidiana durante a guerrilha.
Nesse capítulo, realizamos um diálogo com a literatura do próprio PC do B, a
exemplo dos documentos e de autores como Jacob Gorender, Wladimir Pomar e, também, de
obras escritas por jornalistas como Fernando Portela, Taís Morais e Eumano Silva, Luiz
Maklouf Carvalho, assim como da historiografia sobre o período. Todos eles contribuíram,
de forma expressiva, para a tessitura desse primeiro capítulo, que descreve o planejamento, a
preparação e a efetivação do projeto de guerrilha do PC do B. Em relação à contextualização
do período da guerrilha, décadas de 1960 e 1970, dialogamos com autores como Carlos Fico,
Maria Helena Moreira Alves, Denise Rollemberg, Elio Gaspari e Marcelo Ridenti.16
Resolvemos utilizar inicialmente a denominação “paulistas” porque, até o momento
da chegada das Forças Armadas (abril de 1972), a população não tinha conhecimento de que
os novos moradores da região, o Paulo, a Dina, o Juca, o Amaury, o Osvaldão, o Antônio, o
Zé Carlos, a Maria fossem guerrilheiros, membros do PC do B dispostos a enfrentar a
ditadura militar pelas armas e implantar um governo socialista no país. Assim, para os
moradores, eles eram comerciantes e/ou fazendeiros de São Paulo, pois atuavam nas cidades
e povoados da região comercializando diversos produtos trazidos daquela cidade. Passaram,
então, a ser denominados pela população de “paulistas”.17 Entretanto, com a presença dos
militares na região e a propaganda realizada pelos mesmos, os paulistas passaram a ser
denominados de guerrilheiros, subversivos e comunistas. Por essas razões, no capítulo I,
optamos pelo termo paulista; já nos capítulos seguintes, utilizamos a denominação
guerrilheiros.
Para traçar e interpretar a experiência cotidiana dos paulistas, moradores e militares
durante a Guerrilha do Araguaia, optamos por dialogar com autores como Michel de

16
FICO, Carlos. Versões e Controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. In: Revista Brasileira de História.
V. 24, nº 47, São Paulo, 2004. pp. 29-60. ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta armada no
Brasil: o treinamento guerrilheiro. Rio de Janeiro, Mauad, 2001. GASPARI, Elio. Op. cit. RIDENTI,
Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 2005.
17
Embora se denominassem inicialmente de paulistas e fossem caracterizados pela população como tal, os
guerrilheiros eram naturais de diversos Estados do país. Por exemplo, o Paulo Mendes Rodrigues (Paulo) era
natural do Rio Grande do Sul, assim como João Carlos Haas Sobrinho (Juca). Dinalva Oliveira Teixeira
(Dina) era baiana, o Paulo Roberto Pereira Marques (Amaury) era mineiro, o Osvaldo Orlando da Costa
(Osvaldão) também era natural de Minas Gerais, o Antônio Carlos Monteiro Teixeira (Antônio da Dina) era
natural de Ilhéus (BA), o André Grabois (Zé Carlos) era natural do Rio de Janeiro e a Maria Lúcia Petit da
Silva (Maria) era paulista. Assim, percebemos que os chamados paulistas pela população do Bico do
Papagaio eram pessoas oriundas de vários lugares do Brasil, e não especificamente de São Paulo.
13

Certeau, Michel Maffesoli e Agnes Heller. Cada um, dentro de suas especificidades
interpretativas, contribuiu para o esboço desse capítulo.
Partindo da experiência do cotidiano, dialogamos com os posicionamentos teóricos
de E. P. Thompson. Em primeiro lugar, porque através da memória da população local,
constituída por lavradores, camponeses, quebradores de coco babaçu, donas de casa,
professores, enfermeiros e motoristas, ou seja, pessoas comuns que viveram e presenciaram
a Guerrilha do Araguaia e, assim, construíram uma interpretação para a mesma, a qual
pretendemos enfatizar neste trabalho. Dentro desse contexto, afirma Thompson:
Estou tentando resgatar o pobre tecelão de malhas, o meeiro luddita, o tecelão do
“obsoleto” tear manual, o artesão “utópico” e mesmo o iludido seguidor de Joanna
Southcott, dos imensos ares superiores de condescendência da posteridade. (...)
Suas aspirações eram válidas nos termos de sua própria experiência; se foram
vítimas acidentais da história, continuam a ser, condenados em vida, vítimas
acidentais (1987: 13).

Em segundo lugar, há outro conceito thompsoniano presente em nosso trabalho, que


é o de experiência. Para Thompson, a experiência humana destaca o que existe de mais vivo
na história. Ela expressa a presença de homens e mulheres como sujeitos da própria história,
pois não são as estruturas que a constroem, mas os sujeitos carregados de experiência.
Assim, argumenta Thompson: “O que descobrimos (em minha opinião) está num termo que
falta: experiência humana” (1981: 182). Por último, entendemos que a Guerrilha do
Araguaia está permeada de uma forte dimensão cultural, pois a presença dos guerrilheiros na
região influenciou vários aspectos da vida da população local. São concepções de mundo
bem diferentes que se intercruzaram: de um lado, o mundo do militante do PC do B,
convencido de se “fazer a revolução”, do outro, o mundo dos moradores do Bico do
Papagaio, que viam, na presença daquela gente, as novidades e a melhoria das condições de
vida de uma região que parecia esquecida. Além disso, não podemos deixar de destacar, a
partir de 1972, a presença das Forças Armadas que, com suas operações de caça aos
terroristas, modificou a dinâmica da vida dos moradores da região. Portanto, constatamos
que durante a Guerrilha do Araguaia ocorreu um “choque” político, econômico e também
cultural, especificamente no campo dos valores. Com essa hipótese, não negamos os
aspectos políticos e sociais do movimento, mas, a partir do olhar thompsoniano, desejamos
ampliar a discussão e mostrar outros aspectos.
O Capítulo II, denominamos “É comunista, é terrorista, é subversivo”: a
influência da propaganda anticomunista na memória dos moradores do Bico do
Papagaio. Nele, a partir das narrativas dos moradores, discutimos as representações acerca
14

do comunismo. Quais as imagens que a população da região criou sobre os paulistas? Como
as Forças Armadas contribuíram nessa imagem? Estas são algumas das questões que
pretendemos analisar ao longo desse capítulo. Para entender as representações do que seria o
comunismo para a população do Bico do Papagaio, decidimos, em primeiro lugar, destacar a
longa tradição existente em nosso país da imagem do comunismo. Em segundo lugar,
discutir a propaganda oficial dos militares sobre o comunismo e as formas de combate ao
que denominavam perigo à nação. Por último, a versão dos moradores da região em relação
ao comunismo e aos comunistas.
Nesse sentido, buscamos dialogar com autores como Rodrigo Patto Sá Motta através
de seu livro, Em guarda contra o “perigo vermelho”: o anticomunismo no Brasil; Marcelo
Ridenti – O fantasma da revolução brasileira, e Roger Chartier – A História Cultural:
entre práticas e representações.
A principal dificuldade na elaboração desse capítulo esteve relacionada com a falta
de uma bibliografia específica que discutisse a prática do anticomunismo durante o período
da ditadura militar. A pesquisa do Rodrigo Patto Sá Motta aborda as representações dos
comunistas no Brasil, mas o seu recorte temporal é concluído em 1964, ou seja, no momento
em que os militares passam a governar o país.
Para solucionar essa dificuldade, realizamos um trabalho de “garimpagem” junto aos
depoimentos de alguns militares ao CPDOC (Centro de Pesquisa e Documentação de
História Contemporânea do Brasil) e, partindo de seus depoimentos, encontramos algumas
imagens a respeito do comunismo e dos comunistas no país nesse período. O objetivo desse
levantamento preliminar não foi aprofundar essas imagens anticomunistas entre os militares,
mas perceber a influência dessas junto aos moradores do Bico do Papagaio.
O Capítulo III, denominado inicialmente “Medo de quê? Silêncio por quê?”,
discute a problemática do medo e silêncio que os moradores enfrentaram e (alguns) ainda
enfrentam quando discorre sobre a Guerrilha do Araguaia. Embora o medo faça parte do
cotidiano, resolvemos, devido a sua importância – forte presença na vida da população –
dedicar um capítulo específico a este tema. Isso porque durante nossas entrevistas essa
questão foi bastante enfatizada pelos depoentes. A principal idéia foi entender e interpretar o
porquê da existência do mesmo na memória dos moradores.
Partindo das argumentações de Jean Delumeau, em A História do Medo no
Ocidente, discutimos as estratégias utilizadas pelos militares para impor à população local o
medo e o silêncio em relação ao movimento. Na nossa visão, o silêncio foi reflexo do medo.
15

Diante das ameaças e torturas impostas à população local, o silêncio e o medo são
entendidos como uma forma de os moradores resistirem às pressões das Forças Armadas, ou
seja, como uma forma de defesa e não como uma simples covardia. A partir das narrativas,
também percebemos o caráter múltiplo desse medo, que se apresenta para cada depoente de
forma diferenciada. Para alguns, o medo é refletido pela guerra, para outros pelas torturas e
vigilâncias por parte das Forças Armadas. O medo presente na população do Bico do
Papagaio é abordado nesse capítulo, a partir do contexto que o Brasil experimentava –
censura, repressão e tortura contra aqueles que se colocassem contra o projeto dos militares.
Nesse capítulo, continuamos o diálogo com E. P. Thompson, principalmente através
do seu conceito de Teatro do Terror e de Contrateatro. Na visão dos militares, apenas a
morte dos guerrilheiros não era o suficiente. Era necessário exibir o corpo daqueles que
haviam se colocado contra o governo, fotografar, cortar a cabeça e comemorar suas mortes.
Tudo isso demonstra, na nossa visão, um verdadeiro teatro de terror ao qual a população
estava submetida durante os anos de guerra. Teatro este bastante presente nas narrativas dos
moradores da região. Por outro lado, da mesma forma que os militares instituíram o teatro do
terror, os guerrilheiros também criaram o seu contrateatro, isto é, estratégias para levar o
pânico e o medo aos recrutas que não conheciam a mata.
Esse capítulo se completa com a discussão sobre as motivações que vêm
contribuindo para que os moradores do Bico do Papagaio, atualmente, enfrentem o medo e
passem a romper o silêncio em falar sobre a Guerrilha do Araguaia.
Dessa forma, trilhando os caminhos da memória dos moradores do Bico do Papagaio,
esperamos contribuir no debate historiográfico em torno da Guerrilha do Araguaia. Através
dos depoimentos dessas pessoas comuns, buscamos valorizar suas experiências vivenciadas
no dia-a-dia com os guerrilheiros e os membros das Forças Armadas, seus medos e imagens
do comunismo e, assim, destacar o seu lugar enquanto sujeitos históricos. Com isso, estamos
apenas colocando um pingo d`água no oceano que é a história, ou seja, ainda há muito o que
ser estudado e discutido sobre a guerrilha. O exercício que aqui realizamos é uma
possibilidade de se contar essa história.

***
16

CAPÍTULO I

Cotidiano dos Paulistas, Moradores e Militares durante´

a Guerrilha do Araguaia

“Senhores, peço licença


Me ouçam com atenção
Vou falar sobre o Brasil
Da atual situação
Do camponês cá do norte
Que sendo o valente e forte
Ainda passa aflição”.
(Diário da Guerrilha do Araguaia).

1.1 Brasil, os anos de chumbo da ditadura militar – Que país é este?

No sentido de entender como a experiência de vida cotidiana da população do Bico


do Papagaio foi influenciada durante a época da Guerrilha do Araguaia (1966–1975),
sentimos a necessidade de explicar o próprio projeto de guerrilha que o PC do B (Partido
Comunista do Brasil) defendia para o país, os sujeitos (militantes) que aderiram a esse
projeto e a escolha da região para que suas idéias fossem colocadas em prática. Porém é
necessário ressaltar que as operações militares instauradas para prender, torturar e matar os
paulistas não constituem o objetivo central desse capítulo.
É importante, ainda, enfatizar o contexto histórico do Brasil durante a preparação e a
efetivação da luta armada no Bico do Papagaio. A década de 1960 marcou a história
brasileira como um período de forte repressão política, censura à imprensa e perseguição e
tortura contra aqueles que fizessem oposição ao regime militar. Essa repressão se
intensificou a partir de 1968, com a institucionalização do AI-5 (Ato Institucional nº. 5), que
outorgara ao, então, presidente Costa e Silva poderes de fechar o Congresso Nacional, cassar
mandatos, abrir inquéritos militares sigilosos, apontar quais eram e punir os “inimigos” do
regime. Em documentário exibido pela Rede Globo, em dezembro de 1998, no “Fantástico”,
temos os depoimentos do presidente Costa e Silva e seus ministros, durante a reunião de
homologação do AI-5. Iniciando a reunião, disse o presidente: “O presidente da República,
que se considera um legítimo representante da revolução de 1964, 31 de março, vê-se num
17

momento crítico, em que ele tem que tomar uma decisão optativa – ou a revolução continua,
ou a revolução se desagrega”.18
É válido destacar que todos os ministros presentes na reunião colocaram-se
favoráveis às medidas do AI-5. Contudo, transcrevemos trecho do depoimento do ministro
do Planejamento, Hélio Beltrão, no propósito de sintetizar esse posicionamento.
Não pode haver nenhum argumento formal, nenhuma consideração de ordem
abstrata, que justifique a permissão da implantação da desordem neste país. É
necessário realmente assumir a responsabilidade de uma ditadura, mas a ditadura
só será ditadura na medida em que os poderes excepcionais que estão sendo
conferidos ao governo forem usados arbitrariamente.19

Dessa forma, o regime militar justificava sua atuação perante a sociedade. Justificava,
também, todas as arbitrariedades que, a partir daquele ano, se radicalizaram no Brasil, apesar
de já virem acontecendo desde o golpe militar de 1964. Com o AI-5 o governo pôde ampliar
a repressão à sociedade civil, legalizando várias práticas coercitivas como a tortura. Além
disso, esse ato institucional concedia aos militares o direito de legislar em causa própria. O
próprio general Médici,20 justificando a utilização do mesmo, afirmou: “Eu posso. Eu tenho
o AI-5 nas mãos e, com ele, posso tudo” (GASPARI, 2002: 129-130).
Segundo a versão dos militares, o AI-5 teria sido uma forma de “manter a ordem” na
sociedade que resistia à ditadura através, por exemplo, das greves nas regiões metropolitanas
de Minas Gerais e São Paulo; dos choques entre estudantes e militares nas ruas ou invasões
às escolas, e da Passeata dos Cem Mil, que reuniu milhares de pessoas em protesto contra o
regime militar nas ruas do Rio de Janeiro.21
Na tentativa de justificar sua posição a favor do AI-5, o ex-ministro do Trabalho,
Jarbas Passarinho, afirmou em 1998: “Se nós tivéssemos impedido de dar ao presidente os
meios que os militares cobravam, único meio possível de manter a ordem, e nós tivéssemos
entregue o país aos comunistas. Qual era o maior arrependimento?”22 Dessa maneira, havia
toda uma construção, por parte do regime militar, na tentativa de formar uma imagem
negativa dos “comunistas”. Algo não muito recente na história oficial de nosso país, pois,

18
Em dezembro de 1998, após trinta anos da institucionalização do Ato Institucional nº 5 (AI-5), a Rede Globo
de Televisão, através do programa Fantástico, exibiu algumas reportagens narrando este acontecimento. O
programa destacou, entre outros itens, a reunião do Conselho de Segurança Nacional, em 13 de dezembro de
1968, presidido pelo, então, presidente Costa e Silva, que aprovou o AI -5.
19
Idem. Ibidem
20
Embora o AI-5 tenha sido aprovado durante o governo Costa e Silva, foi a partir do governo do general
Emílio Garrastazu Médici (1969–1974) que o mesmo passou a ser praticado.
21
Esses protestos contra os excessos das Forças Armadas foram também influenciados pelo movimento dos
estudantes franceses – “Maio de 68”. Além disso, essas ações contaram com o apoio de parte da Igreja
Católica (Ala progressista), dos intelectuais e da simpatia da população.
22
Fantástico. Rede Globo, dez. 1998.
18

desde a década de 1920, encontramos indícios de manifestações anticomunistas na


imprensa.23 Além disso, vivemos ao longo do século XX, mais especificamente após a
Segunda Guerra Mundial, com a chamada Guerra Fria, um clima acirrado opondo
comunismo e anticomunismo. No caso de nosso estudo, o discurso anticomunista foi
importante para legitimar o próprio golpe de Estado e a atuação dos militares contra os
guerrilheiros no Bico do Papagaio.
Ora, enquanto o país vivia esse clima de tensão, repressão e tortura, aqueles que se
colocavam contra o regime militar, especialmente as organizações de esquerda, sofriam
perseguições, principalmente nos grandes centros urbanos. Aos mais “radicais”, o “convite”
era “Brasil: Ame-o ou Deixe-o”.24 O governo, por outro lado, desencadeava uma intensa
propaganda para passar a imagem de “um país das mil maravilhas” – era o chamado
“milagre econômico” –, cujo lema era “Prá Frente Brasil”. Dessa maneira, dentro do projeto
de “desenvolvimento” organizado pelos militares, é importante destacar, no caso específico
do Movimento do Araguaia, a construção da BR 230, também conhecida como
Transamazônica. Segundo alguns depoimentos dos moradores do Bico do Papagaio, a
abertura dessa rodovia teria contribuído para a localização e prisão dos militantes do PC do
B.
Outra forma encontrada pelo regime militar para desviar a atenção da população do
clima de repressão que o país enfrentava foi a conquista do Tricampeonato Mundial de
Futebol em 1970. Essa conquista deixou o Brasil em delírio e levou o então presidente
Emílio Garrastazu Médici a receber os jogadores e conceder-lhes prêmios. Dessa forma,
criou-se uma idéia de que o país estava muito bem, evidentemente na versão dos militares.
23
Essa questão da representação do “ser comunista” será discutida no capítulo II de nossa dissertação. Sobre a
temática do anticomunismo no Brasil, ver: MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo
vermelho. O anticomunismo no Brasil (1917–1964). São Paulo: Perspectiva, Fapesp, 2002.
24
Ao mesmo tempo em que a violência por parte do governo às oposições aumentava, as organizações
envolvidas na luta armada tornaram-se mais ousadas, especialmente a partir de 1969. Podemos citar como
exemplo dessa ousadia, o assalto ao depósito de armas do 4º Regimento de Infantaria, em janeiro de 1969 –
Quitaúna (SP), liderado por Carlos Lamarca. Em junho desse ano, um grupo de homens armados promoveu a
fuga em massa de presos políticos da Penitenciária Lemos de Brito, no Rio de Janeiro. Comuns também
nesse período os assaltos a bancos, que forneciam recursos financeiros aos grupos guerrilheiros. Entretanto,
uma ação que provocou maior impacto, nessa época, foi o seqüestro do embaixador dos Estados Unidos no
Brasil, Charles Burke Elbrick, em setembro de 1969, pelos membros da Aliança de Libertação Nacional
(ALN) e o Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8). O Estado reagiu através dos Atos Institucionais
nº 13 e 14. O Ato Institucional nº 13 estabelecia que todos os presos políticos trocados por dignitários
seqüestrados seriam banidos do Brasil. Dessa forma, ele dava ao Executivo o poder de expulsar do país o
brasileiro que se tornasse “inconveniente”, “nocivo” ou “perigoso” à Segurança Nacional. O Ato
Institucional nº 14 foi uma emenda à Constituição de 1967, instituindo as penas de morte, prisão perpétua e
banimento. Tais medidas seriam empregadas nos casos de guerra psicológica, guerra adversa revolucionária
ou subversiva, assim como no caso de guerra externa. Para maior aprofundamento dessas questões, ver:
ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964–1984). Petrópolis, Vozes, 1984. p. 156-
159.
19

Esse “estar bem” apresentado pelos governos militares mascarava as formas de


tortura e repressão utilizadas contra os “subversivos”, “comunistas” e “terroristas”, ou seja,
os partidos e/ou grupos de esquerda que resistiam à ditadura. Mascarava para a opinião
pública os atos repressivos contra aqueles que se opunham ao governo militar e/ou o
questionavam.
Embora as ações armadas das esquerdas no Brasil tenham se intensificado após o AI-
5, isso não significa que anteriormente elas não tenham praticado tais ações. A opção pela
luta armada, segundo Denise Rollemberg, já se encontrava presente na esquerda brasileira
desde o governo constitucional de João Goulart (1961–1964), quando as chamadas Ligas
Camponesas receberam o apoio de Cuba para organizar campos de treinamentos
guerrilheiros no Brasil visando à preparação de militantes para o confronto armado.25 Além
disso, entre 1965 e 1967, o MNR (Movimento Nacionalista Revolucionário) articulou um
foco guerrilheiro na Serra de Caparaó,26 no Espírito Santo (2003: 67).

1.2 O interior como o lócus para a Guerrilha do Araguaia e o projeto do PC do B para


o Brasil

Projetos de esquerda voltados para a luta armada no Brasil não foram uma
peculiaridade do PC do B, pois outras organizações como o MNR (Movimento Nacionalista
Revolucionário), a ALN (Ação Libertadora Nacional), a VPR (Vanguarda Popular
Revolucionária) e o MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro) são alguns exemplos
de grupos que lutaram a partir dessa perspectiva. Esses grupos tiveram uma atuação
expressiva no cenário político brasileiro no início dos anos de 1960. Porém o predomínio
desse cenário ficou a cargo do PCB (Partido Comunista Brasileiro), que, embora ilegal,
viveu nesse período o seu apogeu.
Durante essa década, mais especificamente em 1962, houve a cisão do PCB (Partido
Comunista Brasileiro). Em âmbito partidário, existiam duas correntes: uma defendida por
Luís Carlos Prestes que, seguindo a diretriz de Moscou, destacava uma transição pacífica do
poder, e a outra, formada por João Amazônas, Maurício Grabois e outros, que defendia a luta

25
Sobre o apoio de Cuba à luta armada no Brasil, ver: ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta
armada no Brasil: o treinamento guerrilheiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2001.
26
Sobre a chamada Guerrilha de Caparão, ver: ROLLEMBERG, Denise. Esquerdas revolucionárias e luta
armada. In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs). O Brasil Republicano e o
tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2003. p. 45-91.
20

armada (PORTELA, 2007: 67-68). Como as idéias eram antagônicas, e não houve um
consenso entre os dois grupos, criou-se o Partido Comunista do Brasil (PC do B),
inicialmente sob a liderança de João Amazônas e Maurício Grabois. Após o
desmembramento, assim se refere o “novo” partido sobre a necessidade da luta armada: “Só
a luta decidida e enérgica, as ações revolucionárias de envergadura, darão o poder ao povo”
(POMAR, 1980: 11).
Dessa forma, entendemos, desde a criação do PC do B, a sua inclinação para a ação
revolucionária, embora não estivesse bem definido o centro dessa ação, talvez o campo. Ora,
essa necessidade da luta armada constituiu uma preocupação no PC do B, mesmo antes do
golpe militar de 1964. Com a cisão partidária, essa idéia se fortalece, ou melhor, radicaliza-
se. Contudo o PC do B ainda não tinha clara a definição do caminho da luta armada: o
campo ou a cidade (POMAR, 1980: 17). Essas divergências nos ajudam a entender o caráter
heterogêneo do “novo” partido.
Mesmo não havendo consenso sobre o caminho da luta, o PC do B começou a enviar,
entre os anos de 1964 a 1966, militantes do partido para se especializarem na guerrilha rural,
na China. Desse modo, podemos citar alguns deles, por exemplo: Osvaldo Orlando da Costa
(Osvaldão), João Carlos Haas Sobrinho (Juca), André Grabois (Zé Carlos), José Humberto
Bronca (Zeca Fogoió), Paulo Mendes Rodrigues (Paulo), Daniel Ribeiro Calhado (Doca),
Divino Ferreira de Souza (Nunes, Goiano), Gilberto Olímpio Maria (Pedro, Pedro Gil),
Miguel Pereira dos Santos (Cazuza), Nelson Lima Piauhy Dourado (Nelito) e Micheas
Gomes de Almeida (Zezinho) (GORENDER, 1987: 208).
A partir de novembro de 1967, no documento O PC do B na luta contra a Ditadura
Militar, ficou evidente que a luta armada se realizaria no interior do país. Para isso, o
terreno constituía um papel fundamental e determinante na preparação, no desencadeamento
e desenvolvimento da guerrilha. Nesse sentido, afirma o partido: “O interior é o campo
propício à guerra popular. Ai existe uma população que vive no abandono. (...) a massa
camponesa é uma grande força (...) o interior é o elo mais débil da dominação das forças
reacionárias do país” (In: POMAR, 1980: 22).
Fica evidente na visão do partido a concepção “elitista” do mesmo em relação às
populações do interior do país, “a massa camponesa”. Seu pressuposto é, nesse sentido, tão
preconceituoso quanto o dos militares. Noutras palavras, o PC do B não conhecia o interior
do país, seus militantes não estavam tão preparados quanto pensavam para sobreviverem na
mata, muitos não conheciam na prática, até sua ida para a região, as condições adversas de
21

sobrevivência naquele longínquo lugar do Brasil. Suas idéias eram até aquele momento
apenas formulações teóricas. Era necessário aprender a caçar, plantar e colher, práticas que
os jovens estudantes de classe média urbana não estavam habituados a realizar.
As dificuldades iniciais que os “paulistas” encontraram para se identificarem
enquanto camponeses, e com isso se adaptarem aos costumes dos moradores da região,
especificamente no trabalho com a terra, foram destacadas pelo ex-guerrilheiro Glênio
Fernandes de Sá (Glênio):
Nos primeiros dias de trabalho com o facão, cortando o mato, apareceram bolhas
nas palmas das minhas mãos. Como havia muito mato pra ser cortado e o serviço
não podia esperar, elas sangravam. Usei as meias como luvas, para amenizar a dor
e diminuir o atrito do cabo do facão com a pele fina (2004: 7).

Após o partido ter definido o interior como local propício para o movimento e
posteriormente para a implantação da guerrilha, cabia agora escolher em qual área/região do
Brasil a mesma poderia ser efetivada. Segundo o PC do B, a região do Bico do Papagaio (Sul
do Pará, Sul do Maranhão e Norte de Goiás – atual Estado do Tocantins) constituía o local
que oferecia excelentes condições para a instalação da luta armada. A literatura sobre a
guerrilha ressalta, como principal fator da escolha, as condições do terreno, as condições
topográficas e a cobertura vegetal. Segundo Ângelo Arroyo, a região do Araguaia constituía
o lugar ideal, ou melhor, estratégico para a atuação dos guerrilheiros:
A região do Araguaia oferece condições propícias. É zona de mata, e na mata o
inimigo não pode usar tanques, artilharia, bombardeio aéreo de precisão, etc. Tem
de estar a pé como o guerrilheiro. É uma zona de massa pobre e explorada (frente
pioneira de penetração da massa camponesa sem terra), circundada por povoados e
cidades pequenas e médias também de grande pobreza. Dispõe de caça abundante,
castanha-do-pará, babaçu e outros meios de alimentação (POMAR, 1980: 275).

Existem outros fatores que impulsionaram os militantes do PC do B na escolha dessa


região. Um deles está relacionado à própria condição de isolamento da área na década de
1960. Esse isolamento pode ser explicado pelas dificuldades de comunicação com o restante
do país e a precariedade de transportes. Era, portanto, uma região que formava um “outro
Brasil”, pouco conhecido nas regiões Centro-Sul. Era um local carente, onde a população
sobrevivia sem nenhuma assistência do governo. A carência dos moradores se explicava pela
falta de escolas, de postos de saúde, de habitações adequadas, de saneamento básico e até
mesmo de alimentação. Nesse sentido, no Diário da Guerrilha do Araguaia, documento
elaborado pelos próprios militantes do PC do B, estes contextualizam a situação
socioeconômica da região: “Todos trabalham, trabalham demais, mas apenas lhes sobram
22

ninharias. A fome é crônica. As crianças andam nuas. São brasileiros esquecidos,


analfabetos, doentes, abandonados à própria sorte” (MOURA, 1985: 24).
Essas carências aproximaram os moradores locais dos paulistas, pois uma das
orientações do PC do B era evitarem, inicialmente, toda e qualquer atuação política e se
concentrarem na conquista da população. Por isso, eles se dedicavam a ensinar o povo dos
lugarejos a ler e escrever, ajudavam na roça e davam assistência médica (PORTELA, 2002:
71).
Havia ainda na região do Bico do Papagaio os constantes conflitos envolvendo a
propriedade da terra. Local de grileiros que expulsavam, a tiros, famílias inteiras que
cultivavam a terra há cerca de 10 e 15 anos; local onde os grandes fazendeiros expulsavam e
matavam pequenos proprietários para expandir seus pastos. Não existia, na região, lei que
garantisse os direitos dos camponeses, a polícia era atrelada aos grandes fazendeiros e
grileiros, que ditavam as regras naquela vasta localidade do país.
Para entender porque essa prática acontecia nessa área, é importante esclarecer o
leitor como esta se encontrava nos anos de 1960 e 1970. A região do Bico do Papagaio
estava à margem do desenvolvimento nos moldes capitalistas em vigor em outras regiões do
Brasil, a exemplo, do Sul e Sudeste. Os depoimentos dos moradores explicam como se dava
a sobrevivência da população e como era o local naquela época. O comerciante Francisco
Maciel Lima, morador de Palestina (PA), em entrevista ao pesquisador Romualdo Pessoa,
informou: “Aqui a vida naquela época era a natureza, era colher a roça, matar cacinha e
comer. Colher a roça, vender o saquinho de arroz, tirar uma madeirinha e vender. (…) Era só
a sobrevivência. E tirar babaçu. Era catado, próprio da região” (1997: 78).
Nesse período, sua ocupação era feita por migrantes, em sua grande maioria vindos
do Nordeste. Esses buscavam novas áreas para se fixar, plantar, colher e alimentar suas
famílias. Havia também, nesse momento, um certo interesse do Estado pela região, tanto do
ponto de vista estratégico quanto econômico. Em relação ao econômico, o Estado procurou
atender aos interesses de inúmeras empresas de mineração, pecuária, pesca e extração de
madeira que, a partir da década de 1960, começaram a se estabelecer na área. Formaram-se
fazendas pertencentes ao Bradesco, Volkswagen, Manah, Óleos Pacaembu, Nixdorf,
Bamerindus, Supergasbrás e outras. Esses grupos foram atraídos para a região com a criação
23

da SUDAM (Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia), devido à distribuição


de incentivos fiscais aos empresários que desejassem expandir seus negócios na Amazônia.27
Todavia, essa iniciativa trouxe problemas para os moradores locais. Quando as
empresas chegaram para ocupar as terras que tinham ganhado ou comprado por um preço
irrisório, as mesmas já estavam ocupadas pelos posseiros, assentados ali há 10, 15 e 20 anos,
pessoas que viviam do extrativismo, do garimpo e da agricultura de subsistência. Pessoas
comuns, muitas vezes analfabetas e que não tinham nem mesmo os documentos pessoais,
muito menos o título de propriedade. Referindo-se a esse contexto da região, afirmou o
pesquisador Romualdo Pessoa Campos Filho:
Ou seja, de um lado, levas de nordestinos penetravam na região e se estabeleciam
em áreas de posses, em terras sem qualquer tipo de documentação, incentivados
pelo governo federal. De outro lado, as grandes empresas agropecuárias que ali se
instalaram encontravam formas ‘eficazes’ de expandir suas propriedades, através
da grilagem, falsificando documentos com a conivência das autoridades, ou da
violência, expulsando posseiros com a utilização de jagunços e com a ajuda da
própria polícia militar, situação conflituosa que se estende até os dias atuais
(1997: 75).

Além da iniciativa por parte do governo de atrair grandes companhias para a área,
havia o projeto de colonização ao longo da rodovia Transamazônica.28 Essa ocupação
aconteceu através das chamadas agrovilas, com o objetivo de assentar aproximadamente 100
mil famílias a partir de 1967. Entretanto o projeto fracassou. Houve uma certa resistência dos
moradores em mudar-se dos povoados para as agrovilas. A pesquisadora Dácia Ibiapina da
Silva destacou os fatores que contribuíram para esse fracasso:
O que almejavam os que migravam para esta região, na época, era um pedaço de
terra onde pudessem “se arranchar”, fixarem-se como pequenos posseiros.
Estavam acostumados a morar em casas de taipa, cobertas com folhas de
palmeiras nativas, criar galinhas e outros animais domésticos em seus terreiros,
“botar roça”, caçar, aventurar a vida nos garimpos da região, coletar castanha,
etc., como iriam se adaptar a este modelo de agrovila? (2002: 53).

Siney Ferraz, em seu estudo sobre o movimento camponês nessa localidade, também
destacou os problemas relacionados à posse da terra e o seu agravamento na segunda metade
da década de 1960. Nessa época se dá a chegada dos “sulistas”, e, com eles, a terra adquire
valor como mercadoria. Diante desse contexto, diz o autor: “Assim, agrava-se de modo
crescente o antagonismo entre posseiros e fazendeiros envolvendo outras categorias sociais.
Entra[m] em cena os grileiros, jagunços, policiais, advogados, técnicos e outras categorias
27
A SUDAM (Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia) foi criada em 1966. Fazia parte do projeto
dos militares para o “desenvolvimento” daquela região.
28
A construção da Transamazônica teve seu início em 01 de outubro de 1970. Fez parte do projeto de
“desenvolvimento” e integração do governo militar, ligando o Brasil de leste a oeste. Contudo, foi
considerada uma obra faraônica, nunca concluída.
24

ligadas ao capital, munidas de armas ou de argumentos jurídicos, com o propósito de


justificar a exploração” (2000: 50).
Desse modo, sendo um local de constante migração, essa prática facilitou a aceitação
dos paulistas por parte da população local. Havia pessoas indo e voltando, freqüentemente.
Pessoas que fugiam de suas regiões em busca de uma vida melhor, à procura, por exemplo,
de terras para plantar; pessoas que fugiam por terem cometido algum tipo de infração.29
Portanto, a população local estava acostumada com a presença de “pessoas estranhas”. Nesse
sentido, José Genoíno Neto (Geraldo), que participou do movimento sob a coordenação de
Osvaldo Orlando da Costa (Osvaldão), na localidade Gameleiro, em entrevista ao jornalista
Fernando Portela, em 1979, esclareceu:
O Araguaia, até 72, era uma região onde estava muita gente, de todos os lugares.
Tinha gente de todo o lugar do Brasil. E havia muitas pessoas perseguidas do
interior do Maranhão, do interior de Goiás (…) Então, você veja, era uma região
de pessoas estranhas, e não apenas nós. Ninguém reparou na nossa chegada (2002:
202-203).

Na memória dos moradores, também é recorrente esse não-estranhamento em relação


à presença dos novos moradores. Os paulistas são tratados pela população local como
pessoas comuns: migrantes, comerciantes, fazendeiros à procura de um lugar melhor para
viver. A partir de suas lembranças, o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé
Ernestino, que na época da presença dos paulistas era garimpeiro, referiu-se dessa maneira
aos novos moradores:
Pensava que eles era fazendeiro mesmo, que iam comprar fazenda porque aquilo lá
era tudo devoluta. E estavam invadindo terra e todo mundo queria tirar um pedaço
de terra, de terra e ele ia … ia tal com muita terra, eles compraram terrinha barato
e aí mandava demarcar 40, 50 alqueires, 100 alqueires e já tava confabulando, mais
já era pra… era estratégia deles, depois foi descoberto.30

O projeto do PC do B para o Brasil tinha como base teórica a experiência chinesa de


Mao Tsé Tung, ou seja, o caminho da revolução passaria pela guerra popular prolongada,
em que o cerco das cidades aconteceria pelo campo, em regiões que possibilitassem o apoio

29
A região do Bico do Papagaio durante a década de 1960 é um lugar de fronteira. Fronteira aqui concebida
não apenas enquanto um território físico espacial, como uma região de encontro de três Estados da Federação
(Pará, Goiás e Maranhão), mas também enquanto território social, político e simbólico. É o lugar da
confluência de múltiplos projetos: militar, população local, índios, migrantes e paulistas (guerrilheiros).
Nesse sentido, a fronteira pode ser percebida como um campo de forças, de visões de mundo e projetos de
vida diferentes. Para um aprofundamento da relação entre história, região e espacialidade, ver: BARROS,
José D`Assunção. História, região e espacialidade. In: Revista de História Regional. Vol. 10, Nº 1, Editora
da UEPG, Ponta Grossa, Verão de 2005, p. 95-129. Para um estudo do conceito geográfico de fronteira, ver:
RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo, Editora
Ática, 1993. p. 164-185.
30
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
25

da população. A guerra de guerrilhas, diferentemente das chamadas guerras regulares, tem


como particularidade desorientar o inimigo, mesmo que este seja mais forte. Nesse sentido,
afirma Mao Tsé Tung: “O inimigo avança, nós recuamos, o inimigo imobiliza-se, nós
flagelamos, o inimigo esgota-se, nós golpeamos, o inimigo retira-se, nós perseguimos”
(TSÉ-TUNG, 1981: 116).
Dentre os vários documentos do PC do B em que há influência do pensamento de
Mao Tsé Tung, o mais significativo é Guerra popular – caminho da luta armada no
Brasil, elaborado em 1969. Nele, o partido definiu a estratégia e a tática a serem utilizadas
para a tomada do poder político, a partir da guerra popular prolongada até a formação de um
exército regular, tendo como base o interior do país. Dessa maneira, a conquista do poder
político partiria do campo para as cidades. Vemos, assim, a tentativa do PC do B em adequar
a experiência chinesa à realidade brasileira. Nesse contexto, afirma o documento:

Dessa forma, a luta armada poderá surgir de distintos motivos e em vários pontos
do Brasil do interior. Em seu começo, as ações armadas têm em vista infundir mais
confiança às massas em suas forças, aumentar sua capacidade de luta e ajudá-las a
compreender a necessidade de apelar para as armas como o único meio de
conquistar uma vida melhor. Pouco a pouco, com os êxitos e as experiências
obtidas, a luta armada irá se estendendo a diferentes áreas. Chegará a ocasião em
que, devido ao fortalecimento das forças revolucionárias e à dispersão e ao
debilitamento do inimigo, a guerra popular se travará não só nas regiões mais
distantes, mas também em áreas próximas dos grandes centros. (In: POMAR,
1980: 108).

A opção do PC do B pelo maoísmo também se explica pelo contexto do comunismo


internacional. Na década de 1950, com Nikita Kruschev, tivemos as denúncias dos crimes
cometidos por Stalin e, com isso, uma crise no pensamento comunista. Durante o XX
Congresso do PCUS (Partido Comunista da União Soviética) em 1956, além de Kruschev
denunciar os crimes de Stalin, suas diretrizes apontaram para uma revisão do marxismo e
uma nova interpretação desse pensamento: a da convivência amistosa entre campos
antagônicos e da transição pacífica para se chegar ao socialismo. Diante das denúncias e dos
novos rumos para alcançar o socialismo, a intelectualidade da esquerda comunista tomou
duas posições. De um lado, ficaram aqueles que, apesar de saber dos equívocos cometidos na
URSS, resolveram dar um crédito de confiança e permaneceram ligados aos partidos
comunistas. Outros optaram por uma oposição de esquerda independente dos PCs. No caso
dos PCs, é importante destacar a posição do Partido Comunista Chinês, pois o mesmo
manteve-se fiel às posições de Stalin e, em 1963, decide romper com a URSS. A partir de
então, o pensamento de Mao Tsé Tung passou a ser visto por algumas correntes marxistas,
26

no nosso caso pelo PC do B, como uma continuidade das idéias do marxismo-leninismo.


Posição contrária teremos no PCB, que permaneceu ligado às diretrizes de Moscou.
Seguindo, pois, as premissas do maoísmo, o PC do B propunha para o Brasil o
modelo da guerra popular prolongada. Partia dos ensinamentos de Mao Tsé Tung
enfatizando a estratégia sobre como agir contra o inimigo em situação de inferioridade,
partindo da defensiva para a ofensiva, prolongando ao máximo a luta até conseguir o
desgaste necessário do adversário. Consideramos a guerra de guerrilhas, experiência
vivenciada pelos membros do PC do B no Araguaia, como uma das etapas do projeto para a
implantação do comunismo no Brasil. Entendemos que o conceito de estratégia se enquadra
na experiência dos militantes do PC do B na fase preparatória para a luta armada no Bico do
Papagaio. Pois como enfatiza Michel de Certeau, a estratégia é o cálculo ou a manifestação
das relações de forças.31 E no caso da Guerrilha do Araguaia, houve toda uma preparação
(teórica e prática) de alguns membros do partido para implantação do projeto socialista na
região. Essa estratégia do PC do B pode ser observada, como vimos, desde o envio de
militantes para o treinamento de guerrilha na China, até a maneira sutil como chegaram e se
apresentaram para a população do Bico do Papagaio. Assim, a estratégia dos membros do
partido não era inicialmente, segundo os seus próprios documentos, o trabalho político, mas
a conquista da população (“massas”), através da amizade.32 Após essa fase, num segundo
momento, se daria o trabalho de conscientização política visando conquistar os moradores
para fazer parte do movimento. Nesse sentido, a guerra popular prolongada ou a guerra de
guerrilhas aconteceria num terceiro momento, quando a população ou parte dela estivesse
conscientizada do seu papel. Porém essa fase não chegou a acontecer. Os militares, ao
chegar e permanecer na região, silenciaram o projeto do movimento e a experiência
vivenciada entre guerrilheiros e moradores. A população foi surpreendida com um grande

31
Sobre esse conceito ver CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis: Vozes,
2005. p. 26.
32
É importante ressaltar que essa afirmação não é nossa, mas do próprio PC do B através dos seus documentos.
Sobre essa estratégia do partido, confira: MOURA, Clóvis. Diário da Guerrilha do Araguaia.
(Apresentação). 3ª edição: São Paulo: Alfa-Ômega, 1985, p. 26-32. POMAR, Wladimir. Araguaia: o partido
e a guerrilha - Documentos inéditos. São Paulo: Ed. Brasil Debates, 1980, p. 28-29. GORENDER, Jacob.
Combate nas Trevas – a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Editora Ática
S.A, 1987, p. 208. Na nossa interpretação, o trabalho social realizado pelos guerrilheiros não deixa de ter um
forte aspecto político, se compreendermos política no seu sentido mais amplo. Assim, a aproximação pela
amizade ou através dos trabalhos diários e sociais pode não caracterizar um trabalho político revolucionário,
mas não deixa de ser um trabalho político em seu sentido mais amplo, visando à conquista da população para
o ideal proposto pelos membros do PC do B. A população local pode não ter percebido essa tática do partido,
já que nos seus testemunhos afirmam a não-existência do trabalho político por parte dos
paulistas/guerrilheiros.
27

número de soldados à procura dos “terroristas”, e mal entendia o que estavam falando e
pretendendo.
Nesse sentido, o senhor Davi Rodrigues de Souza (Davi dos Perdidos), morador do
povoado por nome Perdidos, pertencente ao município de São Geraldo do Araguaia – PA,
contou-nos a forma como o Exército chegou à região e como tratara os moradores, que não
entendiam o que estava acontecendo:

Logo que eu mim casei começou uma guerra que não era com polícia, era uma
guerra com pistoleiro. Um fazendeiro, que eu já tinha arrumado uma terra,
querendo tomar a terra que a gente tinha, e a gente enfrentou uma grande
dificuldade com aqueles fazendeiros e os pistoleiros. Mais antes de terminar isso
chegou o Exército, a Polícia Federal dizendo que tavam pegando terrorista, um
povo que eu não conheci muito, mais lá nos Caianos eu conheci um bucado (…) Só
que isso quando o Exército chegou, que a Polícia Federal chegou isso nasceu de
novo, queria que eu contasse a história deles como do dia do nascimento deles, dos
estudos deles que eu não conhecia … que eles eram terroristas. Isso na minha casa
que chegou o batalhão dizendo e chamando eles de terrorista. Eu digo: – Eu não
conheço eles como terrorista! – “Você conhece eles como terrorista não? Eles são
terrorista e querem mudar o regime de governo”.33

1.3 A chegada dos paulistas ao Bico do Papagaio

Seguindo as orientações do partido, os primeiros paulistas chegaram à região do Bico


do Papagaio a partir de 1966. Alguns personagens tornaram-se emblemáticos, para
entendermos a própria guerrilha, pois, segundo a população local, tornaram-se “heróis” da
luta armada. Podemos, assim, destacar a figura de Osvaldo Orlando Costa (o Osvaldão), que,
nesse mesmo ano, se instalou como posseiro no povoado conhecido como Gameleiro
(PORTELA, 2002: 75). Seguindo a mesma tática, em meados de 1967, João Carlos Haas
Sobrinho (Dr. Juca) chegou a Porto Franco, sul do Maranhão, localidade situada à margem
esquerda do rio Tocantins, em frente à cidade de Tocantinópolis, em Goiás, hoje Estado do
Tocantins. Nessa cidade, o médico instalou um pequeno hospital para atender à população
local (CAMPOS FILHO, 1997: 81-82). (Ver anexo B.1 – fotografia da casa onde residiu o
Dr. Juca em Porto Franco-MA).
Em novembro de 1967, foi a vez de Elza de Lima Monnerat (Dona Maria) e Líbero
Giancarlo Castinglia (o Joca) chegarem à região do Araguaia, estabelecendo-se entre
Apinagés (PA) e Araguatins (GO), local onde seria organizado um destacamento

33
Entrevista com o senhor Davi Rodrigues de Souza, conhecido como Davi dos Perdidos, concedida a este
pesquisador em São Geraldo do Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo
Pessoal.
28

guerrilheiro, o Destacamento A. Na época, Elza tinha 54 anos e se fazia passar pela tia do
militante Líbero Giancarlo. Juntos, montaram um pequeno comércio de peles de veado,
cobra, onça, remédios e munições (CAMPOS FILHO, 1997: 82).
Em dezembro de 1967, Maurício Grabois (o Mário) dirigiu-se a uma área próxima ao
rio Araguaia – entre Apinagés e Araguatins, no porto da Faveira, sul do Pará. No ano de
1968, chegou Gilberto Olímpio Maria (o Pedro), engenheiro com curso realizado em Praga,
na Tchecoslováquia, indo instalar-se, inicialmente, em Porto Franco junto com João Carlos
Haas Sobrinho. No mesmo ano, também chegou à região Paulo Mendes Rodrigues (o Paulo),
economista, que organizou uma roça nas proximidades de São Geraldo (sul do Pará)
(MATOS, 2004: 236).
Em 1969, chegaram à região o velho dirigente comunista João Amazônas (Cid, Tio
Cid), com mais de 60 anos, José Genoíno Neto (Geraldo), Glênio Fernandes de Sá (Glênio) e
José Humberto Bronca (o Zeca Fogoió) e se instalaram, inicialmente, nas proximidades do
município de São João do Araguaia (Pará). Como todos os demais, montaram roças e
mantiveram os primeiros contatos com a população local.
A partir de 1970 até 1972, chegaram vários militantes do PC do B com diferentes
profissões. Havia operários, camponeses, bancários, enfermeiras, engenheiros, geólogos e,
principalmente, estudantes universitários que viam na luta armada uma forma de resistência
ao regime militar vigente no Brasil. Podemos ainda destacar o operário metalúrgico Ângelo
Arroyo (Joaquim, Aluízio, Ademir), que se fixou na região conhecida como Caianos; o
goiano de origem camponesa Divino Ferreira de Souza (Nunes), a geóloga baiana Dinalva
Oliveira Teixeira (Dina), que trabalhou como camponesa e professora; a estudante
secundarista paulista Maria Lúcia Petit (Maria), que morou na região dos Caianos e atuou
como professora; a universitária Maria Helenira Rezende de Sousa Nazareth (Fátima) e o
alfaiate nordestino Antônio Ferreira Pinto (Antônio Alfaiate) (MORAIS e SILVA, 2005:
563-602).
Havia algumas regras estabelecidas pelo partido para os combatentes, conforme o
Diário da Guerrilha do Araguaia, documento elaborado pelas Forças Guerrilheiras do
Araguaia, sem um autor definido. De acordo com essas regras, o combatente, em suas
relações com o povo, deveria adotar os seguintes cuidados:
a) conhecer os problemas das massas e ajudá-las na medida do possível;
b) respeitar a família, os hábitos e os costumes das massas;
c) não tomar nada das massas, pagar o que se compra ou devolver o que se toma
emprestado;
d) não tratar as massas com arrogância;
e) realizar a propaganda revolucionária entre as massas (MOURA, 1985: 72-73).
29

Além das regras acima destacadas, havia outras que impunham ao


combatente/guerrilheiro(a) uma rígida disciplina, como acontece com as Forças Armadas.
Essa disciplinarização está contida no Regulamento de 32 artigos das Forças
Guerrilheiras do Araguaia. Esse regulamento busca o controle sobre todos os aspectos da
vida do militante, desde o seu modo de ser (simples), a obediência, o espírito de grupo, a
confiança, a disciplina, as punições para as infrações, até a entrega da vida pela causa
revolucionária (MOURA, 1985: 67-74).
Na nossa visão, fica bem evidente que, para alcançar os objetivos da guerrilha, a vida
pessoal do indivíduo foi suprimida. O importante era a causa revolucionária e não a pessoal.
A vida particular/pessoal de cada militante é colocada para um segundo plano. Em entrevista
ao jornalista Luiz Maklouf Carvalho, a ex-guerrilheira Regilena Carvalho (Lena), esposa de
Jaime Petit da Silva (Jaime), ao falar do seu cotidiano, ou melhor, do seu relacionamento
íntimo com o marido, afirmou: “O cotidiano era muito sadio. E aí é que eu acho que mata o
casamento. O casamento, você tem que ter a sua casa, a sua cama, a sua vida, o seu espaço
pra berrar um com o outro. A vida coletiva dilui o casamento”. Quando questionada sobre a
vida sexual do casal, respondeu: “Nesse período? Imagina! Não tinha tranqüilidade nem para
pensar nisso” (CARVALHO, 1998: 451).
O depoimento de Regilena Carvalho (Lena) apresenta alguns aspectos relevantes
quanto à maneira de vida do militante naquele contexto específico. Há um conflito entre as
normas estabelecidas pelo partido e a vida particular de cada sujeito. Para o projeto do PC do
B, era interessante um comportamento austero por parte dos seus membros – “ser militante
24 horas por dia”. Mas e a experiência pessoal de cada um, como fica? E a vida conjugal de
cada militante? Observamos na fala de Lena o quanto foi difícil para aqueles jovens vindos
das cidades se adaptarem à nova vida no meio da mata e junto com os companheiros.
Tiveram, portanto, que reinventar sua forma de viver, encontrar novos espaços e novas
maneiras para o relacionamento individual.
Após a sua chegada, conhecendo os problemas locais e pela sua simplicidade, os
paulistas foram conquistando a simpatia da população, como o partido já havia previsto.
Inicialmente, o trabalho político denominado “trabalho de massa” não era realizado.34
Apenas em conversas informais com os camponeses locais, geralmente eram feitas críticas à
miséria do povo, muitas vezes através de versos de cordel (MATOS, 2004: 246).

34
Cabe destacar que para o PC do B a “massa” representava os camponeses. A sua incorporação ao projeto
revolucionário dar-se-ia, conforme o partido, num segundo momento.
30

A tarefa de conquista efetiva da população local para o ideal revolucionário iniciou-


se a partir de 1972, quando o Exército já se encontrava na região. Essa conquista, segundo
Ângelo Arroyo, no seu Relatório sobre a Guerrilha do Araguaia, dava-se através da
literatura de cordel, tipo de folheto distribuído entre os moradores que narrava “A Vida de
um Lavrador”, de autoria de Lúcio Petit da Silva (Beto). Além disso, os guerrilheiros
criavam hinos de exaltação à guerrilha, teatro e festas junto aos camponeses (In: POMAR,
1980: 262).
Em relação ao recrutamento das chamadas massas, para fazer parte do movimento,
segundo Ângelo Arroyo, havia algumas regras que deveriam ser observadas:
Sobre as normas de recrutamento para a guerrilha, exigia-se que antes de trazer
qualquer elemento de massa para as fileiras dos combatentes, era preciso conhecer
bem a pessoa, saber a opinião das massas sobre essa pessoa, se trata de morador
antigo ou novo e se é estimado ou não. Antes do ingresso nas fileiras, se possível,
era necessário durante algum tempo experimentar os elementos novos na
realização de determinadas tarefas. Convinha ajudar o elemento novo a elevar seu
nível político e ideológico e ensinar os analfabetos a ler e escrever. Os recrutados
não deviam conhecer os depósitos, áreas de refúgio e locais de encontro com
outros destacamentos (In: POMAR, 1980, p. 261).

Sua forma de organização da luta armada se dava a partir de destacamentos: segundo


Jacob Gorender, no início de 1972, havia três deles montados e treinados para a guerra
(1987: 208). Assim, havia o chamado destacamento A (Faveiro), localizado próximo à
cidade paraense de Apinajês, comandado por João Carlos Haas Sobrinho (Juca); o
destacamento B (Gameleiro), sob o comando de Osvaldo Orlando Costa (Osvaldão) e
localizado próximo ao povoado de Santa Isabel, mais ou menos cinqüenta quilômetros acima
de São Geraldo e o destacamento C (Caiano), localizado próximo à cidade de Conceição do
Araguaia, comandado por Paulo Mendes Rodrigues (Paulo) (ver anexo A). Cada
destacamento possuía 21 pessoas, divididas em grupos de sete; no centro, estava a comissão
militar, formada pelo ex-deputado Maurício Grabois, o ex-metalúrgico Ângelo Arroyo, os
comandantes Osvaldão e Juca (PORTELA, 2002: 76).
A área dos destacamentos, durante a fase de preparação para a guerrilha, foi assim
descrita por Ângelo Arroyo:
A área de atuação dos destacamentos ia desde São Domingos das Latas35 até o rio
Caiano (pouco mais de 20 km de São Geraldo). Em extensão, essa área tinha cerca
de 130 km de comprimento por uns 50 km de fundo. Um total de cerca de 6.500
km². A população da área onde atuavam os destacamentos era de mais ou menos
20 mil almas, sem incluir as zonas próximas, como Marabá (18.000 habitantes),
São João (3.000 habitantes), Araguatins (5.000 habitantes), Xambioá (5.000
habitantes) (In: POMAR, 1980: 251).

35
O município de São Domingos das Latas hoje chama-se São Domingos do Araguaia.
31

Como estratégia de segurança, a maioria dos militantes do PC do B apenas sabia da


localização do seu destacamento, não conhecia, portanto, a localização dos demais. Por
exemplo, os membros do Destacamento A não sabiam da localização do Destacamento B.
Apenas a chamada Comissão Militar (CM) conhecia a localização de cada destacamento e
exercia o controle sobre os mesmos. A justificativa para a prática dessa estratégia: caso
algum militante fosse preso e submetido à tortura, não revelaria a localização dos outros
guerrilheiros.
É importante destacar, ainda, que, enquanto os guerrilheiros se encontravam no Bico
do Papagaio, preparando a guerrilha, em São Paulo, encontrava-se o Comitê Central do
partido, formado por Carlos Nicolau Danieli, Lincoln Cordeiro Oest e Lincoln Bicalho
Roque. Eles eram responsáveis por realizar a ponte entre os guerrilheiros do Araguaia e o sul
do Brasil. Coordenando a panfletagem nas cidades, davam sugestões, enviavam materiais e
também dinheiro aos militantes no Araguaia (PORTELA, 2002: 114).

1.4 O programa dos paulistas

Como afirmamos, desde o início dos anos de 1960 o Partido Comunista do Brasil (PC
do B) tinha um projeto para o país. Esse projeto tornou-se mais urgente a partir do golpe
militar de 1964. Com a presença dos militantes na região do Araguaia, a idéia era colocar em
prática tudo aquilo que o partido havia formulado na teoria, a partir de seus documentos. Um
dos mais emblemáticos desses documentos e que está diretamente relacionado com a
Guerrilha do Araguaia é o Programa dos 27 Pontos da União pela Liberdade e pelos
Direitos do Povo – ULDP, que os guerrilheiros tentaram divulgar na época de sua presença
no Araguaia. Sintetizamos aqui alguns dos pontos que consideramos relevantes para nosso
estudo.
A União do Povo do interior deve fazer-se partindo de suas reivindicações mais
sentidas e mais imediatas. Que deseja o homem do interior? Quais são os
problemas que mais o afetam? Ele quer:
1. Terra para trabalhar e título de propriedade de sua posse.
2. Combate à grilagem, com castigo severo a todos que grilarem terras.
3. Preços mínimos compensatórios para os produtos da região (...). Criação de
Distribuidoras do Estado, que adquirem por preço fixado todos os produtos que
lhes sejam oferecidos e, ao mesmo tempo, vendam com uma pequena margem de
lucro (...).
4. Facilidade para o deslocamento da produção através de diferentes meios de
transportes, e financiamento ao lavrador para compra de animais.
5. Proteção à mão-de-obra dos que trabalham nos castanhais, na estação da madeira
ou nas grandes fazendas. (...)
6. Assegurar aos ‘garimpeiros’ o direito de trabalhar livremente e a regulamentação
de sua atividade, impedindo que seja explorado na venda dos bens obtidos em seu
trabalho.
32

7. Liberdade de caça e pesca para sua alimentação, permitindo-se a venda das peles
dos animais por eles mortos para o seu próprio consumo. (...)
8. Liberdade para coletar, quebrar e vender o babaçu.
9. Redução dos impostos que recaem sobre o trabalho da terra e sobre o pequeno
comércio. Os pequenos e médios lavradores não devem pagar nenhum imposto ou
taxa ao INCRA. (...)
10. Direito de todo lavrador ou trabalhador da selva possuir sua arma de caça e de
defesa pessoal.36

O Programa dos chamados 27 pontos da ULDP (União pela Liberdade e pelos


Direitos do Povo) conclui-se através do apelo à população para tomarem parte na revolução.
Assim afirma: “É hora da decisão, de acabar para sempre com o abandono em que vive o
interior e de pôr fim aos incontáveis sofrimentos de milhões de brasileiros abandonados,
humilhados e explorados. A Revolução abrirá o caminho para uma nova vida” (MOURA,
1985: 80). Há, assim, um projeto de construção de uma nova sociedade pautada nos
princípios do modelo socialista chinês, do qual os militantes do PC do B eram seguidores.
Assim, a proposta dos guerrilheiros do Araguaia defendia, portanto, um projeto de sociedade
coletivista, se o localizarmos dentro do contexto do Brasil e do mundo das décadas de 1960 e
1970. Projeto este no qual o socialismo se daria, necessariamente, através da luta armada
(guerrilha, como o movimento ficou conhecido). Para os militantes do PC do B, essa outra
possibilidade de sociedade, a qual denominamos coletivista, era uma contraposição ao
chamado imperialismo norte-americano, ao capitalismo e ao regime militar brasileiro.
Vemos, assim, que a proposta do movimento era bastante ampla, abrangia todas as
áreas essenciais da vida da população, desde moradia, terra, educação, saúde, lazer, direitos
iguais, terras indígenas, respeito à religião, dentre outras. Citamos apenas algumas que
consideramos expressivas. Contudo, apesar dessa ampla reforma apresentada pelos
guerrilheiros, cabe questionarmos se a população local absorvia aquilo que era destacado
pelos mesmos. Segundo avaliação do próprio partido, não houve tempo disponível para que
suas propostas fossem conhecidas pela população da região. Só após a chegada dos militares,
os paulistas começaram a divulgar suas propostas. Mas já era tarde, tiveram que fugir para a

36
Além dos itens destacados, havia outros 17, que garantiam: serviço médico gratuito, escolas nos povoados,
fim das arbitrariedades políticas contra o povo, casamento civil e registro de nascimento gratuito, proteção à
mulher, estímulo ao desenvolvimento da prática esportiva, tolerância religiosa, criação de comitês populares,
elaboração de planos de desenvolvimento e urbanização das cidades, distribuição das terras improdutivas
pertencentes ao Estado à população para o cultivo durante um ano, defesa das terras indígenas,
reflorestamento e respeito à propriedade privada. (Grifos nossos). Ver Diário da Guerrilha do Araguaia.
Op. cit., p. 75-79. É importante destacarmos que, mesmo o PC do B defendendo um projeto socialista para o
país, vemos uma adaptação desse projeto à realidade brasileira. Isso fica evidente quando se afirma no
programa o “respeito à propriedade privada”. Partindo do pressuposto de ser uma proposta de cunho
socialista, parece-nos inconcebível tal iniciativa. Porém é destacando essa peculiaridade que os militantes do
PC do B procuravam conquistar a população local para aderir ao seu projeto.
33

mata. Os próprios moradores, através de seus depoimentos, também ressaltaram que os


paulistas não divulgaram qual o seu projeto para a região e o Brasil. Dessa forma, muitas das
propostas dos membros do PC do B ficaram apenas na intenção. Nesse sentido, destacando
esse desconhecimento por parte dos moradores, afirmou em seu depoimento o senhor Edézio
Gomes da Silva, morador na época da guerrilha em Palestina (PA):
Só conversa mesmo de … eles não abriam o jogo, esse povo não abria o jogo não
pra ninguém não, eles nunca falaram quem esse povo era não. Era uma pessoa, um
cidadão comum igual nós aqui, nós conversava, prosiava, mas eles nunca abriram
o jogo. E eu ainda hoje fico pensando, meu Deus, aquele povo era numa situação
que não descobria nada, não abria nada pra ninguém não.37

Na visão da ex-guerrilheira Regilena Carvalho (Lena), a indiferença dos moradores da


região ao projeto de luta armada ocorreu devido ao pouco tempo que os militantes tiveram
para convencê-los (CARVALHO, 1998: 478). Entretanto Pedro Pomar, em avaliação do
movimento, no texto “Intervenção no debate sobre o Araguaia”, afirmou ter sido um erro do
Partido não priorizar, inicialmente, o trabalho político junto às “massas” que, pela sua ótica,
é fundamental para a efetivação da luta armada (POMAR, 1980: 298-299).
Segundo o senhor Salomão Dias de Sousa, em algumas cidades da região do Bico do
Papagaio, muitas pessoas não entendiam o que estava acontecendo nem o que significava
guerrilha. Assim comenta:
As pessoas viviam sobressaltadas porque não tinha, não tinha … as pessoas de
bem, as pessoas pacatas não sabiam a fundo o que estava se passando. Ouvia falar
numa guerrilha, mas praticamente pra pessoas da cidade não existia essa guerrilha,
e as pessoas simplesmente eram assombradas porque não podia ir ou vir
tranqüilamente. Tudo, tinha alguém olhando, tinha alguém vendo o seu entrar e
sair, o que se tratava. A cidade ficou sobressaltada. Isso é a única coisa que a gente
lembra, mais ou menos lembra sobre isso aí.38

Outro aspecto importante que contribuiu para essa “falta de informação” e/ou
silenciamento, seja da população local, seja do Brasil como um todo, sobre a guerrilha está,
em nossa opinião, relacionado à censura à imprensa. De acordo com a jornalista Taís Morais,
a única matéria publicada pela imprensa, durante o período da guerrilha, foi realizada por
Henrique Gonzaga Júnior, no jornal O Estado de São Paulo, em 24 de setembro de 1972
(MORAIS e SILVA, 2005: 285-286).
Referindo-se à censura durante o período militar, Carlos Fico argumenta que não se
pode falar no estabelecimento da mesma durante esse período, pois ela nunca deixou de
existir no Brasil (2003: 187). Para o autor, nessa fase, temos no Brasil dois tipos de censura:

37
Entrevista com o senhor Edézio Gomes da Silva, concedida a este pesquisador em São Geraldo do Araguaia
– PA, em 07/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
38
Entrevista com o senhor Salomão Dias de Sousa, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
16/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
34

uma voltada para a imprensa e a outra para as diversões públicas. A primeira era praticada de
maneira acobertada, através de bilhetinhos ou telefonemas entregues às redações de jornais.
A segunda, mais antiga na história do Brasil, existia desde 1945 e era familiar aos produtores
de teatro, de cinema, aos músicos e a outros artistas. Praticada pelos censores (funcionários
especialistas), pautava-se na longa tradição da defesa da moral e dos bons costumes (FICO,
2004: 37). Dessa forma, observamos que, também através da censura, a Guerrilha do
Araguaia fora silenciada. Poucos brasileiros na realidade sabiam o que vinha acontecendo
nas décadas de 1960 e 1970 na região do Bico do Papagaio. A guerra e as formas como as
Forças Armadas barraram o projeto do PC do B foram silenciadas, de modo que os próprios
moradores da região foram intimidados a contribuir com esse silêncio durante vários anos.

1.5 A experiência da vida cotidiana durante a Guerrilha do Araguaia

Discutir a vida cotidiana durante o período da Guerrilha do Araguaia (1966–1975)


significa enfatizar, a partir da memória dos moradores, suas múltiplas experiências. O
cotidiano é, portanto, a vida de todos os dias, das relações e atividades rotineiras que, para
cada sujeito, pode se apresentar de forma peculiar, pois a vida cotidiana tem um caráter
heterogêneo, como argumenta Agnes Heller (1972: 18).
A cotidianidade dos moradores do Bico do Papagaio é narrada, em suas entrevistas,
a partir das mudanças significativas que esses sujeitos experimentaram com a permanência
na região dos militantes do PC do B (para eles os paulistas) e das Forças Armadas. Essas
mudanças podem ser observadas tanto no aspecto social (com a ajuda dos paulistas em
atividades de assistência à saúde e à educação) quanto no aspecto cultural (influência na vida
dos jovens, por exemplo). Com a presença do Exército, as mudanças percebidas pelos
moradores locais são enfatizadas através das fiscalizações, da vigilância e da repressão.
A experiência cotidiana da Guerrilha do Araguaia, partindo do pressuposto de que é
múltipla, pode ser analisada a partir de diversas perspectivas (olhares). Poderíamos estudá-la
destacando apenas a versão dos militares que viam nela o “espectro do comunismo”. Da
mesma forma, se a destacássemos pela versão dos guerrilheiros, em sua maioria ligados aos
quadros do PC do B (Partido Comunista do Brasil), poderíamos ver nesse movimento uma
ruptura com a ditadura militar instaurada no Brasil a partir de 31 de março de 1964. Nesse
sentido, a ênfase se daria num determinado projeto que foi silenciado, perseguido e
derrotado. No entanto a nossa escolha é justamente priorizar a experiência dos moradores do
Bico do Papagaio, palco desse acontecimento, tentando perceber e discutir, através de suas
35

memórias, o seu cotidiano, os seus medos e a própria imagem construída por essas pessoas
acerca do projeto dos guerrilheiros.
Nesse sentido, as leituras e os conceitos de Edward Palmer Thompson nos
proporcionam um olhar mais amplo sobre a guerrilha. Assim, conceitos como experiência,
resistência e a própria dimensão cultural do movimento permitem a ênfase em aspectos
poucos trabalhados pela produção historiográfica sobre o tema. Isso se explica porque alguns
trabalhos (dissertações e teses) sobre a guerrilha, como vimos, destacaram os aspectos
políticos e/ou militares, a luta de classes e a necessidade de implementação do projeto
comunista39. Não desejamos negar esses aspectos em nossa pesquisa, mas enfatizar, a partir
do arcabouço teórico hoje disponível, outras questões pouco trabalhadas pelos pesquisadores
no assunto.
Segundo Carlos Fico, a produção histórica recente sobre o período de 1964 apresenta
algumas peculiaridades. Uma considerável parte dela foi produzida no contexto da chegada
da “Nova História” ao Brasil. Isso significa que boa parte de sua produção não foi
influenciada pelo marxismo ou pela segunda geração dos Analles. Nesse sentido, o enfoque
central nos trabalhos desse período foram os temas relacionados à cultura (2004: 52). Ora,
para o caso dos estudos sobre a Guerrilha do Araguaia, essa perspectiva não prevaleceu. Pelo
contrário, sendo um movimento arquitetado pelas esquerdas (leia-se PC do B), visando à
instituição de uma sociedade comunista, o que houve foi o predomínio dos aspectos políticos
em detrimento das questões ditas subjetivas como o cotidiano, o medo e as representações da
própria imagem criada pela população acerca dos comunistas, as quais desejamos destacar
em nossa pesquisa.
Entendemos, pois, que essa experiência dos moradores está permeada, como afirma
Thompson, por sentimentos, reciprocidades, valores e resistência (1981: 189). Portanto, a
luta que os guerrilheiros realizaram no Araguaia, além de ter forte caráter social e político,
foi além; ela também pode ser percebida enquanto uma luta acerca dos valores. São visões
de mundo completamente diferentes que se entrecruzam. De um lado, o militante muitas
vezes convicto de sua missão de transformar o mundo. De outro, os homens e as mulheres do
Bico do Papagaio, muitas vezes esquecidos pelos poderes constituídos, vivendo à margem de
um Brasil que se achava, para alguns (militares), em “desenvolvimento”.
Assim, percebemos que o cenário escolhido pelo PC do B para a implementação de
um foco guerrilheiro formava outro Brasil, pouco conhecido e mostrado para os brasileiros.
39
Dentro dessa perspectiva, ver o trabalho de CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Op.cit. Outro trabalho que
merece destaque é o de ROCHA JÚNIOR, Deusdedith Alves. Op.cit.
36

Uma região inóspita, distante e carente, mas composta por brasileiros que sonhavam e
almejavam dias melhores. Região de homens e mulheres corajosos que souberam enfrentar
as adversidades e aí se instalar sonhando em encontrar, quem sabe, o último eldorado.40
Segundo as narrativas dos moradores da região, a partir de suas memórias,
verificamos que tanto a presença dos paulistas quanto a dos militares influenciaram a vida
cotidiana da população local. A experiência da Guerrilha do Araguaia não foi algo marcante
apenas para os guerrilheiros ou para os soldados do Exército ou da Aeronáutica, mas
também para as pessoas comuns que viviam na região, nessa época: agricultores, donas de
casa, comerciantes, estudantes, professores, motoristas etc. Assim, nos relacionamentos
dessa população, seja com os paulistas, seja com os militares, percebemos algumas
mudanças no seu ritmo de vida. Entendemos, hoje, que a experiência dos moradores do Bico
do Papagaio, a partir desse acontecimento, formou um tipo de saber histórico nascido da
convivência desses sujeitos históricos com os militantes do PC do B e também com as
Forças Armadas. Nesse sentido, concordamos com os pressupostos de Maurice Halbwachs
quando enfatiza que o passado e a história também estão presentes na vida das pessoas.
Dessa maneira afirma:
Fora das gravuras e dos livros, na sociedade de hoje, o passado deixou muitos
traços, visíveis algumas vezes, e que se percebe também na expressão dos rostos,
no aspecto dos lugares e mesmo nos modos de pensar e de sentir,
inconscientemente conservados e reproduzidos por tais pessoas e dentro de tais
ambientes, nem nos apercebemos disto, geralmente (1990: 68).

Discutir a experiência dos moradores do Bico do Papagaio a partir da memória


significa, em nossa pesquisa, não trazer e/ou resgatar o passado, como pretendiam os
românticos, pois lembrar não é reviver, mas refazer, repensar, com imagens e idéias de hoje
as experiências do passado (BOSI, 1998: 55). E, nesse lembrar dos moradores do Araguaia,
estamos atentos sobretudo ao caráter verossímil das narrativas, pois não buscamos uma
verdade definitiva sobre a guerrilha, mas narrativas que expressem as experiências daquela
população no período da guerrilha, ou seja, seus medos, expectativas, esperanças e relações
cotidianas com os guerrilheiros e militares. Nesse sentido, entendemos que suas narrativas,
embora versem sobre um mesmo acontecimento, apresentam aspectos diferentes, pois, como

40
Sobre essa problemática, ver artigo de FLORES, Elio Chaves. A Gestação do Último Eldorado Brasileiro
(1961–1988). In: Estudos Ibero-Americanos. PUCRS, v. XX, n.2, 1994, p. 131-149. Nele, o autor destaca,
dentre outros aspectos, a incorporação das grandes áreas do país, como a Amazônia Legal e o Cerrado, ao
fluxo do capitalismo do Sul-Sudeste. Nesse sentido, segundo o autor, temos durante esse período a migração
de pessoas para essas áreas.
37

afirma Halbwachs: “é impossível que duas pessoas que viram o mesmo fato, quando o
narram algum tempo depois, o reproduzam com traços idênticos” (1990: 75).
Trabalhar com a memória, para alguns, é percebido como um território arredio,
vulnerável, múltiplo, caminho não-propício para o historiador. Para outros, como é o nosso
caso, trata-se de lugar onde a história pode se constituir como um saber. Saber este que parte
da experiência dos sujeitos históricos que constroem o mesmo a partir de suas vivências.
Contudo um saber que não tem um compromisso com uma verdade universal, mas com a
verossimilhança.
Partimos do pressuposto de que a vida cotidiana não está fora da história, mas no
centro do acontecer histórico. Ela está carregada de alternativas, de escolhas, de
espontaneidade (HELLER, 1972: 20-24). No cotidiano, temos histórias de experiências de
vida, de visões múltiplas dos acontecimentos. Assim, buscaremos discutir o cotidiano dos
moradores durante a Guerrilha do Araguaia, a partir de uma diversidade de pontos de vista
(MAFFESOLI, s/d: 160). Cotidianidade perpassada por alternativas, escolhas e lugares que
marcaram a vida da população local durante a preparação e a guerra vivenciadas por esses
sujeitos.
Trabalhar o cotidiano a partir da memória não significa, na nossa concepção, fazer
uma narrativa que dê conta da totalidade sobre a Guerrilha do Araguaia, pois não
conseguimos lembrar tudo o que aconteceu, visto que a memória tem um caráter seletivo.
Seria impossível lembrar tudo aquilo que aconteceu durante um único dia. Selecionamos,
portanto, o que nos parece significativo, ou seja, acontecimentos que nos interessam, pois a
memória também é interessada. Temos, assim, o poder de escolher aquilo que deve ser
preservado e também de excluir determinados fatos que nos parecem insignificantes. É a
partir dessas observações que iremos entender como em suas lembranças a vida dos
moradores do Bico do Papagaio foi alterada pelo contato com os paulistas e com os soldados
do Exército.
Como já vimos, a presença dos paulistas na região estava voltada para uma tática de
aproximação e amizade com os moradores locais. Eles evitaram, inicialmente, qualquer tipo
de crítica política. Essa aproximação se dava através dos trabalhos que os mesmos prestavam
às comunidades locais, como atendimento médico, ensino e ajuda nos trabalhos do campo.
Além disso, freqüentavam os locais comuns que a população da região freqüentava. Dessa
forma, afirma Fernando Portela: “Ao mesmo tempo em que preparavam a guerra, eles se
misturavam ao povo, cada vez mais cativado, e, por ecletismo ideológico, iam às missas e
38

terecôs (candomblé local), participavam de forrós, sempre mantendo uma postura de


monges, pessoas de comportamento moral irrepreensível, tanto os solteiros como os
casados” (2002: 77).
No Diário da Guerrilha do Araguaia, encontramos uma passagem que resume, na
visão dos próprios guerrilheiros, como acontecia, no dia-a-dia, essa relação de amizade com
os moradores locais:
Os novos moradores estreitam suas relações com o povo, identificam-se com ele.
São estimados e estimam sinceramente os que conhecem. Amizade não se
consegue da noite para o dia. Vai-se forjando com o tempo. Uma ajuda aqui, outra
acolá, o respeito às pessoas, a atenção que se lhes presta na conversa, o interesse
pela sua vida, o conselho que se ouve dos que habitam o lugar, o desejo de
aprender com a massa – tudo isto vai tecendo os fios invisíveis da amizade
(MOURA, 1985: 26).

Fica clara na argumentação dos guerrilheiros a tática usada para se aproximar das
pessoas da região e, aos poucos, conquistar a sua simpatia. Essa convivência aconteceu de
forma natural, pois os paulistas viviam normalmente com a população local, sem despertar
suspeita de serem guerrilheiros.
Essa tática de aproximação dos moradores utilizada pelos paulistas foi destacada no
depoimento do senhor João de Deus Nazaro de Abreu, morador do povoado de nome
Caianos (PA). Falando sobre o cotidiano no período anterior à chegada dos militares, disse:
E a gente também teve uma época lá antes da guerrilha, né, nós … meu padrasto
fez um … uma festa, né, uma festa que fazia aqueles mutirão pra fazer ____
passar pasto, né, passar pasto e no fim ajuntava toda vizinhança, fazia aquele
convite, matava gado, porco e fazia aquele movimento, o pessoal trabalhava o dia
todo e de noite uma festa, né, e nessa festa o Juca foi, foi Daniel, foi tudo
ajudar roçar (…) Tinha uns três ou quatro deles lá na festa, ai foram embora,
mais brincava trabalhava assim na roça como que é costumado mesmo e ajudava
mesmo o pessoal, né, eles trabalhava era assim com honestidade mesmo, a gente
não via eles querer ser uma pessoa assim …41 (Grifos nossos).

O depoimento do senhor João de Deus demonstra as relações de reciprocidade que


existiam entre os paulistas e os moradores da região, através dos trabalhos cotidianos da
população local (mutirões, roçar, plantio), nos quais os paulistas participavam, conquistando,
dessa forma, a confiança e a amizade dessas pessoas.
Assim, o cotidiano da Guerrilha do Araguaia foi marcado por uma relação de amizade e
companheirismo. Relação esta que, além da dimensão social do trabalho desenvolvido pelos
paulistas junto à população, também se revestia de uma dimensão mais individual. Nesse
sentido, em depoimento marcado pela saudade e emoção, a senhora Djacy Santos Miranda,

41
Entrevista com o senhor João de Deus Nazaro de Abreu, concedida a este pesquisador em São Geraldo do
Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
39

moradora de Porto Franco (MA), na época auxiliar de enfermagem do médico João Carlos
Haas Sobrinho (Juca), lembrou:
Quando … o dia que ele foi embora, ele fez uma coisa … ele me disse que era um
pacto de sangue. Ele colocou um sangue meu no refrigerante e me deu pra mim
tomar, aí furou o meu dedo e tomou o meu sangue. Ele disse que aquilo ali era um
pacto de sangue pra nós ser irmãos de sangue. Eu nunca entendi isso que… Ele
disse que era pra nós ser irmão. Ele falou que era pra nós ficar sendo irmão. Agora
você é minha irmã, e eu sou seu irmão. Tá pra ele ir embora quando ele fez
isso…42

O depoimento acima demonstra que a visão que boa parte da população construiu dos
guerrilheiros é uma visão idílica, havendo maior ênfase às relações de amizade e de ajuda
aos moradores locais. No depoimento do senhor José Pereira da Silva (Zé Ernestino),
garimpeiro e na época da guerrilha morador de Xambioá (norte de Goiás, hoje Tocantins)43,
fica evidente essa relação no dia-a-dia. Comentando sobre a sua convivência com os
paulistas, afirmou:
A convivência foi o seguinte: eles tinha muito dinheiro e comprava as coisas muito
bem comprada e pagava o povo bem pago. E aí eles passaram para o lado de lá, e
aí fizeram roça, compra burro, pra eles andar montado dentro da mata, e aí eles
falava... e ninguém chamava eles de terrorista, eram os paulistas, né?, fazendeiro,
os paulista. Vão comprar fazenda, vão comprar isso, vão comprar aquilo .... e aí
ficou, criou aquela amizade. Eles lá nunca roubaram ninguém, nunca mataram
ninguém, nunca prostituíram ninguém e tinha muita e muita gente rico. Eu mesmo
andava armado no meio deles com uma espingarda calibre 32 e um revover 38 e
levava dinheiro pra comprar os cristal lá, que era um amigo meu o Orlando
Cândido, que era o único que ficou comprando cristal para nós no rio, e ai eu ia
comprar mais os home .... chegava e vendia pra ele. Mas eles nunca mexeram com
noi e fizeram uma amizade grande. Eles tinha muito médico lá, tinha doutor Paulo,
doutor Ozório, tinha a Dina, que era uma enfermeira entanto. Eles fazia um
cesariano lá dentro do mato, viu? Eles tinha tudo quanto era de remédio bom eles
tinha. Eu levei gente de mais pra tratar dileia, ferida brava ... eu levei.44

Segundo o senhor José Pereira da Silva, o que marcou a sua convivência com os
paulistas foi a generosidade presente nas atitudes dos mesmos. Característica bem valorizada
pelas pessoas comuns, pelo homem do campo, a qual os paulistas souberam utilizar para
conquistar a amizade dos moradores daquela região amazônica. Outro aspecto relevante,
ressaltado pelo senhor José Pereira, é a postura de integridade dos paulistas: “nunca
roubaram ninguém, nunca mataram ninguém, nunca prostituíram ninguém, nunca mexeram

42
Entrevista com a senhora Djacy Santos Miranda, concedida a este pesquisador em Porto Franco – MA, em
31/01/2006. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
43
A cidade de Xambioá serviu de base militar para o Exército, que montou na época uma empresa de fachada –
a “Agropecuária do Araguaia”, e para a Aeronáutica, que montou a “DDP Mineradora”. Nesse sentido,
sempre que nos referirmos às Forças Armadas, estamos falando dessas duas forças (Exército e Aeronáutica).
Foram, portanto, militares dessas duas forças que participaram das ações na região. Ver no anexo B.3 a
fotografia da pista de pouso, local onde funcionavam essas duas empresas.
44
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
40

com noi”. Assim, com essa atitude reta, os militantes do PC do B conseguiram, inicialmente,
a confiança dos moradores locais.
Podemos verificar no depoimento de seu José Pereira outra característica marcante,
observada na convivência da população local com os paulistas, sua boa situação financeira,
“eles tinha muito dinheiro, vão comprar fazenda …”, o que de certa forma demonstra o alto
investimento do PC do B no projeto de guerrilha. Para os moradores, os paulistas eram
pessoas caracterizadas pela prática da justiça, como destacou nosso entrevistado: “comprava
as coisas muito bem comprada e pagava ao povo bem pago”.
Na memória da população da região, também é freqüente a referência ao trabalho
social realizado pelos paulistas no seu cotidiano. Numa região carente da presença dos
governos estadual e federal, no seu dia-a-dia, os paulistas acabavam favorecendo a
população. É dessa forma que se refere a senhora Gecília Sabino de Sá ao trabalho do
médico João Carlos Haas Sobrinho (Juca), durante sua passagem pela cidade de Porto
Franco (Sul do Maranhão):
E a relação dele era de paternalismo. Ele era como se fosse um pai para a
população carente. Ele prestou muito serviço, inclusive todo o dinheiro que ele
ganhava ele distribuía cestas básicas pras pessoas… As pessoas fizeram dele
assim… como uma pessoa carismática mesmo. Na verdade foi o que ele foi. Muita
gente chorou… choraram… famílias inteiras. Quando ele Dr. João Carlos sumiu
foi como se fosse até uma romaria lá na porta do local onde ele morava, todo
mundo preocupado, procurando por ele e sentindo falta. Ele distribuía
medicamento, consultava, ele dava roupa e alimentação para as pessoas.45

Algo que nos parece bastante evidente na experiência cotidiana dos moradores
durante a Guerrilha do Araguaia é que a sua relação com os paulistas não constitui uma coisa
unilateral. Na nossa concepção, essa relação se dá através da simbiose, ou seja, existe uma
reciprocidade entre as partes envolvidas. Exemplo dessa relação encontramos nas narrativas
dos guerrilheiros, no Diário da Guerrilha do Araguaia: “As massas fornecem-lhes comida,
roupa, calçado, rede de dormir. Às vezes, a contribuição popular chega a ser comovente. O
lavrador que nada possui faz questão de entregar a botina que usa, a única rede, o alimento
de que necessita. Faz questão” (MOURA, 1985: 53).
A partir do momento em que o Exército e a Aeronáutica se estabeleceram na região
(1972–1975), houve uma mudança mais radical no cotidiano das pessoas. Embora boa parte
delas não soubessem a fundo o que estava acontecendo, muitas preferiam usar a tática do
silêncio. Procuravam não falar com estranhos. Isso porque, segundo os relatos de nossos

45
Entrevista com a senhora Gecília Sabino de Sá, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
24/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
41

depoentes, havia militares inseridos no meio da população local. Era preferível, portanto,
estrategicamente, ficar calado. “Ninguém sabia de nada!” Nesse sentido, afirma dona Gecília
Sabino de Sá, quando se refere às mudanças na cidade de Porto Franco nessa época:
As pessoas eram… tudo eu lembro de meu pai, era um velho muito inteligente,
sem estudo mais inteligente. E ele percebia isso aí, que se passava ao redor, e ele
chamava a gente e dizia: Olha, não converse nada, não diga nada na rua, se alguém
perguntar alguma coisa a você. Você diga que não sabe de nada porque aqui na
nossa cidade tem muita gente da Polícia Federal, e tudo que você disser como você
é criança quem vai responder sou eu. Então tome muito cuidado.46

Durante as operações militares, o panorama das cidades do Bico do Papagaio foi


modificado no seu cotidiano. Em Xambioá (norte de Goiás, atual Estado do Tocantins), local
que funcionou como ponto de apoio das Forças Armadas, João Saraiva, prefeito da cidade
nos anos de 1970 a 1973, afirmou, em entrevista ao Jornal do Tocantins, que, embora “o
relacionamento com os guerrilheiros fosse bom, prejudicou a cidade, porque as pessoas
deixaram de vir aqui; ficou tudo parado, não entrava ninguém”.47
Opinião contrária à do ex-prefeito de Xambioá nos foi apresentada pela senhora
Rubervan da Silva Nunes, que, na época da guerrilha, era proprietária do bar “Quentão”,
onde havia forró nos fins de semana. Para ela, “aquela foi a melhor época da minha vida
aqui. Nunca tive tanto movimento, nunca o bar foi tão animado”.48 Evidentemente, Rubervan
faz referência às constantes festas que os militares freqüentavam enquanto estiveram em
Xambioá. Além disso, apesar dos conflitos e medos de boa parte da população, a vida
cotidiana de algumas pessoas apresentava uma rotina mais dinâmica.
Essa dinâmica da vida cotidiana também nos é relatada por Vâner Marinho, hoje
Secretário de Cultura de Porto Franco (sul do Maranhão). Esta cidade, como já destacamos,
foi escolhida por alguns militantes do PC do B para fomentar o projeto de guerrilha na região
do Bico do Papagaio. Lá chegaram, em setembro de 1967, Maurício Grabois (o Mário),
Gilberto Olímpio Maria (o Pedro) e André Grabois (Zé Carlos). Juntos, tinham um pequeno
estoque de roupas populares e objetos de alumínio que comercializavam com as famílias da
cidade e da região. Sabemos, pois, que essa era a estratégia que os militantes do PC do B
utilizavam para conquistar a população local. Vâner Marinho, em um pequeno texto relata,
através de suas memórias, a experiência desses guerrilheiros com os jovens da cidade.
Para nós, jovens moradores de Porto Franco, isolados do mundo, onde recebíamos
informações apenas pelas ondas do rádio, a sua presença em nossa cidade, era de
uma importância muito grande. (...) Foi aí que surgiu o nosso famoso campinho ao
lado do cemitério, onde, todos os dias, íamos treinar para o jogo oficial de

46
Entrevista com a senhora Gecília Sabino de Sá, em 24/06/2005. Já mencionada anteriormente.
47
Jornal do Tocantins, 21 e 22/04/ 2000. Reportagem de Samuel Lima.
48
Revista Veja. 13 de out. de 1993. O fim da guerra no fim do mundo. p. 25.
42

domingo. Zé Carlos era o responsável pela organização da pelada. Aqueles óculos


de fundo de garrafa, a todo instante querendo escapulir, além de sua pouca
habilidade com a bola, lhe atrapalhavam bastante. Gilberto, não. Ele possuía muita
intimidade com a pelota e muitas vezes, resolvia a parada para o nosso time. Os
dois, implantaram em nossa mente, o gosto pelos treinos diários sempre a partir das
4 da tarde sob o sol escaldante, além de fornecer o indispensável: a bola. (...).49

Percebemos no relato das memórias de Vâner como os valores e os costumes dos


jovens de Porto Franco foram influenciados pela presença de alguns membros do PC do B
durante a fase preparatória para a Guerrilha do Araguaia. As experiências de vida desses
jovens foram ampliadas a partir da chegada à cidade desses novos sujeitos. Eles trazem a
novidade do que está acontecendo nos grandes centros urbanos, como, por exemplo, o corte
de cabelo.50 Além disso, há uma outra atividade cotidiana presente no relato de Vâner que
foi comum nas entrevistas dos moradores realizadas em Xambioá, Santa Cruz e São Geraldo,
o lazer. Durante os anos que antecederam a chegada das Forças Armadas, os paulistas
buscaram conquistar a amizade dos jovens da região a partir do esporte. Partidas de futebol
eram organizadas e praticadas com freqüência por alguns membros do PC do B e jovens dos
povoados próximos aos destacamentos guerrilheiros. Destacando a sua amizade com Paulo
Roberto Pereira Marques (Amaury), o senhor Bento Luiz Gomes de Abreu, disse: “Eu tinha
muita amizade com Amaury. Amaury era muito amigo da gente, a gente jogava bola.”51 Nas
lembranças de Aroldo José de Sousa Pinto, morador de Santa Cruz (PA) e, na época da
guerra, jovem, essa prática também foi destacada:
Eu na época era um rapaz mais jovem, formaram um time, e foram lá jogar, brincar
né? Não vei muita pessoa … os participantes foi, parece, Amaury, o Geraldo, que
era o José Genoíno na época, e também outros que veio também, mais um ou foi
dois, parece uma coisa assim … participaram … mais eu não lembro o nome dos
outros.52

O cotidiano e a experiência da população, durante a Guerrilha do Araguaia, também


podem ser percebidos através da tática da negação. A tática, conforme destaca Michel de
Certeau, é “a arte do fraco” (2005: 101). Pedro Corrêa Cabral, coronel da Aeronáutica, no
livro em que relata a sua memória da guerra, destacou a dificuldade que os militares tiveram
para conseguir informações sobre os guerrilheiros, pois os moradores locais negavam

49
MARINHO, Vâner. O Peladeiro Zé Carlos. Texto memorialista, mimeografado, com três páginas, no qual o
autor destaca a convivência, na sua juventude, com alguns membros do PC do B (André Grabois – o Zé
Carlos, Maurício Grabois – tio Mário, Gilberto Olimpio Maria – Gilberto e João Carlos Haas Sobrinho –
Juca), durante os anos em que esses membros do PC do B moraram em Porto Franco, sul do Maranhão.
50
Idem, ibidem.
51
Entrevista com o senhor Bento Luiz Gomes de Abreu, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
27/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
52
Entrevista com o senhor Aroldo José de Sousa Pinto, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
02/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
43

conhecer os paulistas (1993: 90). Embora o seu livro seja um romance, ele nos proporciona
conhecer um pouco do cotidiano dos moradores da região, mesmo falando do lugar social e
institucional53 diferente dos demais depoentes. Além desse destaque feito por Pedro Cabral,
temos o depoimento de Regilena Carvalho (Lena), companheira de Jaime Petit da Silva
(Jaime), que, na época, atuou no Araguaia, no destacamento C. Regilena (Lena), em
depoimento ao jornalista Luiz Maklouf Carvalho, no livro Mulheres que foram à luta
armada, afirma:
Eu e o Jaime tomamos um susto na casa da dona Valdó e do seu Manuel, um casal
de moradores amigo nosso. Estávamos lá, conversando, quando de repente chegou
um pessoal do Exército. Ela nos enfiou embaixo da cama. Eu nunca me esqueço:
o cachorro ficou olhando pra nós e abanando o rabo. Mas não latiu. Eles
disfarçaram bem, e os homens foram embora (1998: 448).

Assim, percebemos que a vida cotidiana dos moradores do Bico do Papagaio pode
ser entendida também como resistência. Para sobreviver numa área de conflito, suspeita,
tortura e perseguição, a população local encontrou brechas que podem ser explicadas através
da negação do relacionamento com os paulistas. A resistência não se dá apenas de forma
radical. Ela pode acontecer também de forma sutil, muitas vezes pelos gestos, atos e modos
de vida, ou seja, no campo dos costumes, como destaca Thompson.54 Foi assim, portanto,
que a prática da resistência aconteceu na região do Bico do Papagaio. Dessa forma
percebemos que a negação ou o silenciamento de conhecer ou relacionar-se com os
guerrilheiros podem ser entendidos como uma forma de resistência da população local ao
controle dos militares. Por outro lado, descobrimos nessa prática, uma maneira sutil de a
população colocar-se ao lado dos paulistas.
A presença das Forças Armadas na área marca, também, o cotidiano da população
pelas constantes fiscalizações e vigilância. Na época, vivia-se um clima no qual todos eram
considerados suspeitos de participar do movimento, direta ou indiretamente. Dessa forma, no
seu depoimento, o senhor Salomão Dias de Sousa, na época, taxista, narra essa atuação do
Exército, interferindo no dia-a-dia da população do Bico do Papagaio:

53
CERTEAU, Michel. A Escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense
Universitária, 1982.Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.
Segundo Certeau, toda pesquisa historiográfica se articula a partir de um lugar de produção socioeconômico,
político e cultural. (p. 66). No nosso trabalho, esse lugar social, econômico, político, cultural e institucional
foi ampliado. Ou seja, não é apenas o historiador que parte desses pressupostos, mas também os depoimentos
sobre uma vivência, uma experiência, como a de Cabral.
54
THOMPSON, E. P. Costumes em Comum: estudos sobre cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia
das Letras, 2005. Nessa obra Thompson destaca, entre outros aspectos, o modo como os costumes resistem à
implantação da sociedade “moderna” capitalista. Essa resistência é discutida pelo autor ao longo de toda a
obra, demonstrando que a institucionalização da sociedade capitalista não foi algo tão natural, como muitas
vezes é apresentada por alguns estudiosos.
44

E eu na época viajava com táxi e tive muito contato com as Forças Armadas. Eu
buscava às vezes alguém de avião que chegava aqui, ia pra cidade, resolvia alguns
problemas, levava, trazia e pegava o avião e voltava, quer dizer, até eu não sabia de
nada. Depois tive que ir a Goiânia, quando vim já foi no foco da coisa, que já se
quase não se viajava. De Guaraí pra cá praticamente não se viajava que era
barreiras e mais barreiras do Exército, e cada barreira daquela que você passava
antes de chegar na cidade quando você recebia uma senha pra apresentar na
próxima barreira e cada barreira daquela você era fiscalizado em tudo, tudo, tudo,
tudo, até os bolsos você era fiscalizado. Eu lembro muito bem que uma vez eu
estava vindo de Goiânia e começou lá em Gurupi, o Exército estava descendo, foi
quando desceu prá fazer o despejo, né? … Começou uns batalhão do Exército, um
pouco aqui, um pouco ali, eu sei que os últimos homens estavam ali na entrada do
Estreito, acampados. Era faixa de quinze mil homens mais ou menos, desde a
artilharia pesada puxada por carro. Eu não entendo bem das armas, eu não entendo
bem daquelas armas, mas eram armas pesadas, e aquele mundo de homens e aquele
mundo de carros, então eu sei bem disso. E também quando se viajava daqui para
Araguatins, pra Marabá, no caso era a mesma fiscalização. Depois da travessia do
rio, tudo quanto era de estradinha vicinal que saía na Transamazônica existia
barreira. Às vezes tinha barreira com três quilômetros de distância uma da outra
pra não entrar nem sair ninguém. Então o que se sabe mais ou menos é isso aí.
Porque a coisa grossa você já deve ter por ai nos autos… a parte escrita.55

Para o senhor Salomão Dias, o que marcou a sua experiência no cotidiano de


motorista foram as constantes barreiras que os militares organizaram para evitar a fuga dos
guerrilheiros e o envolvimento da população local com a guerrilha. Essa vigilância à vida
das pessoas, a partir de 1972, quando o Exército chegou à região, estendeu-se até 1975,
quando foram mortos os últimos militantes do PC do B que se encontravam na área.
Outro exemplo desse clima de vigilância e fiscalização na vida cotidiana dos
moradores da região pelas Forças Armadas foi mencionado pela senhora Amancia Gomes de
Abreu, na época professora primária em Xambioá, cidade onde houve uma presença maior
do Exército, pois nesta se encontrava uma das bases das Forças Armadas durante a guerra, o
que tornava mais intensa a vigilância à vida cotidiana das pessoas. Falando de seu cotidiano
na escola onde trabalhava, testemunhou:
Ah … quando eles chegaram lá … nossa! Passaram pra dentro da sala de aula da
gente. A gente não podia pegar o plano de aula da gente, eles olhava assim: “–
Esse plano de aula não está certo, você vai dar isso aqui”. Aí eu falava: – mais
como eu dar essa aula se eu fiz esse aqui? Eu pratiquei isso aqui, estudei pra mim
dar isso aqui? “– Então você não é professora! Você não tem cultura pra ser
professora”. Era desse jeito. Aí nós tinha que dá aquilo ali, escrever … e eles
ficavam lá no fundo sentado lá … Ave Maria, você ao menos tremer, tinha que dá
aquela aula ali, eu sei que morria de medo daquela aula … dava aquela aula e aí
tinha que sair de carteira em carteira e conversando e aquela coisa … Meu Deus do
Céu! E os alunos ficava assim: “– Professora, esses home não vai sair da sala não?
Esse soldado não vai sai da sala não? Ele vai prender nós tudinho aqui?” Eu digo:
– Não! “– Ah não professora, eu nunca tinha visto aula com soldado pelo meio, eu
nunca tinha visto … não … Aqui tá uma guerra aqui em Xambioá, aqui é a guerra
mesmo, nós tamo sabendo que aqui é guerra. Não vai acabar isso mais não?” E eu:

55
Entrevista com o senhor Salomão Dias de Sousa, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
16/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
45

– Paciência, tenham calma, calma que isso vai acabar. Rezem pra isso acabar. Ah,
meu Deus do Céu! Aí eles diziam: “– o que é que vocês tão falando aí?” – Não. Os
alunos tão aqui perguntando quem são vocês. “– Nós somos o Exército, nós tamo
aqui pra proteger vocês, Xambioá, as Forças Armadas está pra proteger vocês aqui
dos terroristas!” Aí um aluno levantou: “– E o que é terrorista?” “– Se não sabe o
que é terrorista não? É os comunistas que vêm aqui pra tomar tudo de vocês”. Aí
ele dava aquelas aulas pra os meninos. Aí pronto, eu calava a boca. Mandava: “–
Sente, quem vai dá aula agora sou eu”.56

Portanto, para dona Amancia, o fato de suas aulas serem vigiadas e até mesmo
modificadas pelos militares foi algo marcante em sua memória sobre o período da guerrilha.
O conteúdo não era escolhido por ela, mas pelos soldados: “esse plano de aula não está certo,
você vai dá isso aqui”, era a ordem que recebia dos militares que assistiam à aula e nela
interferiam. Mais ainda, assumiam o seu lugar de professora: “sente, quem vai dá aula agora
sou eu”. Há, ainda, segundo o depoimento de dona Amancia, uma luta de saberes. Os
militares interferiam na sua autoridade de professora: “você não tem cultura pra ser
professora”. E modificavam o conteúdo a ser ministrado por ela. Além disso, propagavam a
sua ideologia, direcionando as aulas ao projeto dos militares. Essas e outras iniciativas
praticadas pelos militares na época modificavam o dia-a-dia dos moradores da região,
sobretudo pela prática da intimidação, como é o caso do exemplo enfatizado por dona
Amancia.
Além dessa vigilância do Exército a suas aulas, dona Amancia Gomes também
lembrou as mudanças ocorridas no dia-a-dia de Xambioá com a chegada dos militares.
Segundo o seu depoimento, os costumes dos moradores foram modificados durante essa
época, as festas, as brincadeiras e o clima de harmonia (paz) que havia na cidade não existia
mais:
Aí começou o negócio dessa … dessa guerrilha. Aí daí dessa época acabou aquela
felicidade que a gente tinha lá em Xambioá, que tinha festa, todo mundo se
divertia, brincava aquela alegria tudo … Aí acabou a paz porque quando esse povo
chegaram lá … o Exército chegou aí, todo mundo já ficaram amedrontado, com
medo porque eles falavam que esse povo que tava nas matas eram terroristas.57

O senhor Alan Moraes também destacou as mudanças nos costumes cotidianos da


população de Xambioá nessa época. Segundo o seu depoimento, com a presença dos
militares, “a cidade ficou abalada, os moradores não saíam mais durante a noite, todos
ficaram assombrados”. A população foi forçada a mudar os costumes durante a presença dos
militares na cidade. Assim afirmou:
56
Entrevista com a senhora Amancia Gomes de Abreu, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
57
Entrevista com a senhora Amancia Gomes de Abreu, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
46

Ficou muito abalada, né, abalada com aquela porção de … de guerrilheiro, de


5.000 mil homens numa cidade daquela era muita gente. Muita gente estranho,
você não saía mais a noite, não tinha mais é … lazer na cidade, não tinha vida
noturna, não tinha nada, que só era homens pela cidade. Em todos os locais você
chegava, só tinha homens, tudo estranho, e foi isso aí que aconteceu assombrando
todo mundo, começou a aparecer aquela porção de aeronave, helicópteros, aviões
que ninguém conhecia na época, e assombrou todo mundo, não é?58

Ainda em seu depoimento o senhor Alan Moraes lembrou o clima de conflito,


inicialmente, estabelecido entre os moradores da cidade e os soldados. Devido ao grande
número de militares, os próprios comandantes não controlavam a tropa, que era proibida de
ir à cidade. Os pais de família recebiam ordens e ameaças para não permitir que as mulheres
saíssem às ruas. Dessa maneira disse:
O que eles faziam muito no começo quando não tinha a PE59 estava na rua, né?
Eles fugia da base e vinha pra cidade atrás de mulheres, de namorada, de alguma
coisa e eles chegava às vezes a ameaçar, entendeu? Ameaçar pai de família
dizendo que era pra prender a … prender as mulheres que os homens tavam solto,
né? E não podia deixar mulher solta na rua, eles ameaçava que não deixasse. Os
próprios comandantes mesmo ameaçava as famílias pra não deixar, eles não dava
conta de fiscalizar, que era muitos homens e eles fugia da base, fugia pelo mato à
noite, né? pra vim pra cidade, e a PE ficava rodando na cidade, prendendo, né?, os
fugitivos.60

Já aqueles moradores que mantiveram um relacionamento ou contato mais direto com


os paulistas, por morarem próximos, oferecerem comida e/ou serem atendidos pelos
membros do PC do B, além de ter seu cotidiano fiscalizado por soldados do Exército, muitos
foram, como eles mesmos dizem, “judiados”, sem entender o porquê daquilo tudo. Essa
experiência nos foi relatada pelo senhor Antônio Alves de Souza. Ele, além de ser retirado
de sua roça onde produzia para o sustento da família, foi acusado de contribuir com os
terroristas e, por isso, foi torturado. Nesse sentido, disse:
Quando eles chegaram e mandaram eu me arrancar dali, sair da casa rapidamente,
deixando tudo pra trás, aí eu saí e deixei farinha, deixei arroz, deixei as criação e
deixei tudo e a mulher gestante, quase um mês de ganhar nenê. Saí pra fora da …
da minha casa, um quilometro e pouco … Aí, desci lá pra roça. Quando cheguei
bem no acero da roça, o burro sismô, olhei assim pra eles, eles estavam tudo
deitado debaixo de uns pezinhos de manga meu, que, do lado direito de terra que
eu tinha comprado, tinha um sitiozinho de manga, uns pezinhos lá, aquela coisa …
eles tavam tudo deitado ali. Aí o burro se espantou, e eu vi quando eles
levantaram… “– Pode é que tu vai, rapaz?” Eu digo: – Não, vou ali arrancar
mandioca pra fazer farinha pra muê! “– Que fazer farinha pra muê o que, cabra
semvergonhi, você vai é arrancar mandioca pra fazer farinha pra os terroristas!” …
Aí eles foram me investigar, chegava outro, precurava uma coisa … Eu contava só
aquilo que tinha acontecido, chegava outro e dizia: “– Ah! ele não diz nada não,

58
Entrevista com o senhor Alan de Oliveira, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em 30/06/2007.
Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
59
Segundo o senhor Alan Moraes a PE era o Pelotão Especial do Exército.
60
Entrevista com o senhor Alan de Oliveira Moraes, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
30/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
47

ele não descobre nada não, esbarra aí”. Ai me pegaram, botaram um choque em
mim, botaram no beiço assim … e botaram na oreia e deram aquele choque pra eu
contar o que aconteceu. Eu digo: – comigo não aconteceu nada e nem com eles lá
também, que eu não sei. Porque eles eram morador … tavam lá o morador junto
perto de mim, e eu também tenho eles como qualquer uma pessoa, não me
impataram chegar. “– Se você acha que tá um … uns terroristas morar perto de
você é porque você era terrorista também”.61

O depoimento do senhor Antônio Alves de Souza reflete uma prática constante dos
militares no período da guerrilha, a acusação e perseguição àqueles moradores que
habitavam próximo dos destacamentos dos paulistas. Segundo o nosso entrevistado, quando
os soldados chegaram à sua propriedade, abruptamente, deram ordem para que ele e sua
família saíssem de lá – “mandaram eu me arrancar dali, sair de casa rapidamente, deixando
tudo pra trás”. Não havia, portanto, o que questionar. Como aquela família iria sobreviver?
Onde? O importante para os militares era “limpar a área” e isolar os terroristas.
Outro aspecto relevante no depoimento do senhor Antônio foi a constante vigilância
da área onde possivelmente estariam os terroristas. O exemplo dessa vigilância pode ser
observado, no momento em que, seu Antônio necessita buscar alimentos para sua família.
Nesse instante, ele é acusado de estar contribuindo com os terroristas: “você vai é arrancar
mandioca pra fazer farinha pra os terroristas!” A partir dessa acusação, iniciou-se a tortura
da sua pessoa, acusando-o de também ser terrorista, pois residia próximo à propriedade de
Dinalva Oliveira Teixeira (Dina). Para o senhor Antônio, a lembrança mais forte do período
da guerrilha, no seu cotidiano, foi a tortura pela qual passou. Lembrar esse acontecimento de
sua vida significa denunciar essa prática, para que ela nunca mais ocorra.
O senhor Alexandre de Oliveira, que foi forçado a assumir a função de guia62 dos
soldados na mata, também contou como foi torturado na época. Sua narrativa apresenta
vários pontos em comum com a de seu Antônio Alves. Narrando seu sofrimento, disse:
Me amarraram com as mãos cruzadas com os pés, passaram uma vara no meio e
me penduraram de cabeça para baixo. Volta e meia vinha um e dava botinada nas
costas que a gente chegava a dar a volta por cima. Depois chegava outro e dava
duas bofetadas de mãos juntas no ouvido, que fazia tóim. Queriam que a gente
dissesse que tava sustentando terrorista. Agora, veja o senhor, a gente mal tinha
pra forrar o estômago e ia ter jeito de sustentar os outros (DÓRIA et ali., 1978:
71-72).

Os depoimentos dos senhores Antônio Alves e Alexandre de Oliveira exemplificam a


prática da tortura aos moradores locais. Essa experiência, para muitos traumática, não foi

61
Entrevista com o senhor Antônio Alves de Souza, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
62
Os guias eram moradores da região que tinham um bom conhecimento da floresta. Eram, geralmente,
contratados pelos soldados para guiá-los durante a caçada aos paulistas, denominados pelos soldados de
terroristas.
48

algo fácil de ser contada. Vários moradores preferem esquecer e/ou narrar as experiências
dos outros. Falar do seu sofrimento é ainda uma barreira para os moradores do Bico do
Papagaio.
O importante em nossa visão é que, através da amizade, do trabalho social, do lazer,
da negação ou das formas de resistência e da vigilância, a população do Bico do Papagaio
encontrou maneiras para sobreviver numa área marcada pelo conflito. Através de sua
experiência a partir da memória, tentamos apresentar esse dia-a-dia que, mesmo sendo
fragmentário e estando fora das ilustrações dos livros, deixou traços visíveis na expressão
dos rostos, nos modos de pensar e sentir da população local.
Portanto, na nossa concepção, a experiência da Guerrilha do Araguaia a partir da
memória da população local perpassa, dentre outros aspectos, pelas ações do cotidiano dos
indivíduos e também dos grupos sociais aí envolvidos (PC do B, por exemplo). Foi uma
experiência marcada pelas relações de confiança e amizade, especialmente no contato dos
paulistas com os moradores da região. Para os paulistas, foi o momento de colocar em
prática os ensinamentos do maoísmo, que muitos foram aprofundar e treinar na China.
Período propício para enfrentar a ditadura militar pelas armas e formar com a população um
outro projeto de país. Para os moradores do Bico do Papagaio, foi o período do encontro com
pessoas dispostas a ajudar e a trabalhar por aquela população isolada e não priorizada pelos
poderes constituídos. Os paulistas, e não os terroristas, representavam, até a chegada e a
permanência dos militares, as “pessoas boas”, “amigas”, “companheiras”, “generosas” e
sempre presentes em vários momentos da vida daquele povo. Momentos de lazer e
momentos difíceis (de doenças, fome, analfabetismo, injustiça), buscando diminuir as suas
dificuldades.
Assim, a própria luta pela construção do socialismo passou, inicialmente, pelo
aspecto da amizade, da confiança, do respeito à vida e ao homem do interior do Brasil, para,
num segundo momento, haver um trabalho de conscientização política da população.
Portanto, a experiência dos guerrilheiros do Araguaia é destacada a partir da memória de
seus moradores, geralmente passando pela dimensão do cotidiano que marcou o contato de
três mundos políticos e culturais diferentes: população local, guerrilheiros e militares.

***
49

Capítulo II

“É comunista, é terrorista, é subversivo”: a influência da propaganda


anticomunista na memória dos moradores do Bico do Papagaio

2.1 As imagens do comunismo no Brasil: uma longa tradição

No Brasil, a prática do anticomunismo não é algo apenas das décadas de 1960 e


1970. Segundo o pesquisador Rodrigo Patto Sá Motta, sua existência remonta ao final da
década de 1910. Para esse autor, o anticomunismo no Brasil surgiu após a Revolução de
1917, quando as elites brasileiras, habituadas a importar tudo dos países centrais, desde
artigos de consumo a idéias, também foram responsáveis por essa prática (2002: 1).
Nesse sentido, as representações anticomunistas elaboradas e divulgadas no Brasil, a
partir de 1917, demonstram uma grande influência externa. A inspiração inicialmente, nas
décadas de 1920 e 1930, vinha da Europa Ocidental, mais especificamente da França. A
partir da Segunda Guerra Mundial, essa inspiração passou a ser os Estados Unidos.
No contexto brasileiro, há três momentos em que o anticomunismo se tornou mais
contundente. O primeiro deles foi no período entre 1935 a 1937, especialmente a partir da
chamada Intentona Comunista, ou seja, a tentativa armada de os comunistas tomarem o
poder. Nesse período, a imprensa começou a divulgar indícios encontrados pela polícia de
que um grupo de estrangeiros ligados à Internacional Comunista participara no movimento.
Portanto, criaram-se as bases para o estabelecimento de uma sólida tradição anticomunista
na sociedade brasileira. A segunda fase aconteceu durante o início da Guerra Fria, mais
especificamente nos anos de 1946 a 1950 quando, após um breve intervalo legal, o PCB
(Partido Comunista Brasileiro) foi colocado na ilegalidade, voltando a ser perseguido. Já a
terceira fase ocorreu com a crise de 1964, que resultou no golpe militar (MOTTA, 2002: 21-
22).
Segundo Rodrigo Patto Sá Motta, no período compreendido entre 1917 e 1930, o
comunismo era visto por seus adversários como uma ameaça remota, um problema
relacionado à realidade do velho mundo. Por esse motivo, raras eram as referências na
imprensa, e escassos os livros sobre o assunto. A partir de 1930, com as modificações
trazidas pelo movimento liderado por Getúlio Vargas, o comunismo passou a ser visto como
um perigo interno, merecedor da atenção cuidadosa das autoridades responsáveis pela
manutenção da ordem. Após 1930, temos um clima político favorável para que um número
50

cada vez maior de pessoas, em especial jovens e intelectuais, enxergasse no comunismo uma
saída para os problemas que o país enfrentava (2002: 6-9).
O comunismo representava, nesse período, um caminho alternativo em relação ao
modelo liberal em vigor no país. Entretanto, se temos essa atração pelo comunismo, por
outro lado também, teremos um aumento do temor ao mesmo e o alargamento do campo de
atuação anticomunista. Nesse sentido, várias obras anticomunistas são publicadas no Brasil,
tanto de autores estrangeiros (traduzidas) como de autores nacionais. Em relação aos livros
estrangeiros temos: No País dos Soviets, de Jorge Le Fevre; A Tshéka, de Jorge Popoff;
Como Matei Rasputine, do Príncipe Yussupoff; As Fôrças Secretas da Revolução, de
Leon de Poncins; O que Vi em Moscovo, de Henri Béraude e Moscovo sem Mascara, de
Joseph Douillet. Dentre os livros de escritores brasileiros temos: O Comunismo Russo e a
Civilização Cristã, do Bispo D. João Becker; A Sedução do Comunismo, de Everaldo
Backheuser; A Questão Social e a República dos Soviets, de Alberto de Brito; A Bandeira
do Sangue (combatendo o comunismo), de Alcibiades Delamare; A Rússia dos Sovietes, de
Vicente Matins; Tempestades. O bolchevismo por dentro, de Pedro Sinzig e As Falsas
Bases do Communismo Russo, de Alfredo Pereira. Essas obras foram publicadas no Brasil
a partir do final da década de 1920 e início da década de 1930 (MOTTA, 2002: 10).
Ora, o que percebemos com a publicação dessas obras é que o comunismo deixa de
ser uma ameaça longínqua e torna-se, para os setores conservadores, um problema próximo.
Assim, o crescimento do comunismo e do temor ao mesmo trouxe um desdobramento
importante, contribuindo para a criação e o fortalecimento da Ação Integralista Brasileira
(AIB), uma frente de inspiração fascista, criada em 1932, por Plínio Salgado. Embora essa
frente tenha outras motivações além da luta contra o comunismo, pois sua criação está
relacionada ao contexto mundial de crescimento das idéias autoritárias e reação antiliberal.
Partindo do princípio de que o capitalismo liberal não apresentava caminhos para solução
dos problemas, muitas lideranças passam a aceitar argumentos fascistas e autoritários. Essas
idéias fazem parte do contexto histórico do mundo após a Primeira Guerra Mundial e a crise
de 1929.
No Brasil, as representações anticomunistas tiveram três matrizes básicas: o
catolicismo, o nacionalismo e o liberalismo. De uma forma geral, em relação ao catolicismo,
suas lideranças viam no comunismo um inimigo irreconciliável da Igreja. Ele (comunismo)
era um desafio à sobrevivência da religião. Sua filosofia, segundo os católicos, negava a
existência de Deus e professava o materialismo ateu; propunha a luta de classes em oposição
51

ao amor e à caridade cristã; pretendia substituir a moral cristã e destruir a instituição da


família. O nacionalismo se colocava em oposição ao comunismo, acusando-o de ser o
inimigo, o estrangeiro, o outro que ameaçava destruir a unidade nacional. Nesse sentido, as
idéias defendidas pelos comunistas seriam formulações vindas de países estrangeiros. Já o
liberalismo, recusava o comunismo baseado em dois postulados: por um lado sufocava a
liberdade e praticava o autoritarismo político, por outro, destruía a propriedade.
Ao longo da história do Brasil, as imagens do comunismo e dos comunistas foram
representadas de forma negativa, geralmente associada ao mal. Portanto, teremos a sua
imagem associada aos demônios, a agentes patológicos, à ameaça estrangeira, ao desafio à
moral e ao inferno soviético (MOTTA, 2002: 48-72).
Segundo o historiador Elio Chaves Flores, para os arautos da ordem republicana, os
comunistas, representados através da foice e do martelo, seriam os subversivos que
ameaçavam a estabilidade, e dentro da dimensão política, eles desejavam derrubar as
instituições (2003: 62). Tais argumentos foram utilizados para a própria legitimação do
golpe militar de 1964 e a permanência dos militares no governo durante os 21 anos de
ditadura.
É importante citar tais imagens, pois, ao longo das décadas de 1960 e 1970, teremos
de certa forma uma resignificação das mesmas. Os setores conservadores da sociedade
brasileira utilizaram as mesmas para conquistar a população na luta contra o comunismo.
Assim, ao longo da década de 1960, teremos uma exacerbação do anticomunismo no Brasil.
Esse fato pode ser explicado pelo contexto histórico internacional e do país nesse período.
Essas leituras anteriores acerca do anticomunismo também são interessantes para
observarmos como os militares se apropriaram das mesmas no sentido de causar o pânico
junto à população do Bico do Papagaio.
No plano internacional, temos, no continente Americano, a Revolução Cubana,
lançando a América Latina no centro da Guerra Fria. No plano interno, temos o surgimento
de novas organizações de esquerda como Ação Popular (AP), Ligas Camponesas e Política
Operária (POLOP). No início de 1961, o anticomunismo encontrou outro desafio, o governo
Jânio Quadros, principalmente através de sua política externa independente. Nesse sentido,
afirma Thomas Skidmore:
A ambivalência de Quadros, em relação aos mais ardentes colaboradores de sua
campanha, tornou-se mais evidente ainda no campo da política externa. O
presidente, com a irrestrita cooperação do seu Ministro das Relações Exteriores,
Afonso Arinos de Melo Franco, levou o Brasil a uma “política externa
independente”. Constituía esta a resposta àquilo que se tinha transformado numa
tendência de guerra-fria no “terceiro mundo” (1988: 245).
52

As críticas aumentaram a partir do momento que o presidente Jânio Quadros


condecorou Che Guevara com a Ordem do Cruzeiro do Sul. Com a renúncia de Jânio, em 25
de agosto de 1961, alguns setores da sociedade temiam que a ascensão de João Goulart
(Jango) significasse o fortalecimento dos comunistas no país, pois João o mesmo era um
político conhecido por cultivar ligações com a esquerda. Os ministros militares de Jânio logo
se colocaram contrários à posse de João Goulart. Para resolver a crise política da época,
provocada pela renúncia de Jânio, a saída encontrada foi a adoção do sistema
parlamentarista. Com isso, Goulart assumia com os poderes limitados.
O governo de João Goulart, especialmente a partir de 1963, quando de fato passou a
administrar através do sistema presidencialista, sofreu de maneira mais acirrada, acusações
de comprometimento com os comunistas. Assim, temos um campo propício à atuação de
várias entidades anticomunistas, em especial aquelas que tiveram uma participação feminina
nas suas mobilizações. Participação esta que teve um papel fundamental para o golpe militar
de 1964. As mulheres foram mobilizadas contra o comunismo na defesa da chamada ordem
tradicional: família, religião e propriedade. Organizaram-se para manter os valores
tradicionais que acreditavam estar sendo ameaçados pelo avanço do comunismo. Ao longo
de 1962 e 1964, várias entidades femininas nasceram nos principais estados brasileiros, todas
tendo como motivação o combate ao comunismo. Entre elas: Campanha da Mulher pela
Democracia (CAMDE – Guanabara), União Cívica Feminina (UCF – São Paulo), Liga da
Mulher Democrática (LIMDE – Minas Gerais), Ação Democrática Feminina Gaúcha
(ADFG – Rio Grande do Sul) e Cruzada Democrática Feminina (CDF – Pernambuco)
(MOTTA, 2002: 241).
Contudo as entidades mais importantes e influentes do período, que desempenharam
o papel de levar a estruturação de novos grupos anticomunistas, foram: o Instituto Brasileiro
de Ação Democrática (IBAD) e o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES). O IBAD
nasceu em 1959 e ficou conhecido através da revista Ação Democrática, a qual desenvolvia
um trabalho de proselitismo anticomunista. O IPES nasceu em 1961, a partir de um grupo de
empresários do Rio de Janeiro e de São Paulo, temerosos com o crescimento da esquerda e a
ascensão de Jango.

2.2 A estratégia militar: a propaganda anticomunista

As imagens do comunismo e dos comunistas enquanto algo negativo foi construída


ao longo da história do Brasil por diversos grupos, como vimos anteriormente. Com o golpe
53

militar de 1964, essa prática ficou com as Forças Armadas e com os políticos civis que
apoiavam o golpe. Dentro do contexto da Guerrilha do Araguaia, a imagem do comunista
enquanto um “ser do mal” e “golpista” foi utilizada pelas Forças Armadas, com freqüência,
para colocar a população do Bico do Papagaio contra os militantes do PC do B. Essa prática
pode ser observada no relato de vários moradores, isto é, a propaganda contra os comunistas.
É importante destacar que a referência ao comunismo e aos comunistas, aparece nas
entrevistas, a partir do momento da chegada e permanência do Exército na região (abril de
1972 a janeiro de 1975). Até então, as leituras que a população dispõe acerca do comunismo
e dos comunistas estão relacionadas com suas experiências de vida em outros locais e
contextos. Já destacamos, ao longo deste trabalho, que a região do Bico do Papagaio é um
local, nessa época, de constante migração e deslocamento populacional. Um dos fatores que
contribuíram para essa prática, segundo os próprios moradores, foi a existência de terras
devolutas e vários garimpos. Esses fatores, portanto, atraíram pessoas de vários locais do
Brasil (Maranhão, Piauí, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais, Bahia) em busca de uma
possível melhoria de vida.
Por outro lado, é comum encontrar moradores que também migraram para outras
localidades do Brasil, especialmente o Sudeste, e lá tiveram contato com várias
representações construídas ao longo dos anos sobre o comunismo. Assim falou o senhor José
Pereira da Silva (Zé Ernestino), em referência aos comunistas:
O comunista nós viu que é porque é que esse comunista aí, eu já vinha por
dentro há muito tempo, que lá no Rio de Janeiro nessa empresa que nós
trabalhava tinha dois cara comunista, né? aí o que ele falava de … se o Partido
Comunista ganhasse, botasse um presidente da república que ganhasse, aí nós não
ia ter direito de nada, nós só tinha direito na roupa, na comida e no remédio. Todo
mundo ia trabalhar pra nação, esse negócio de comunista eu sabia.63 (Grifos
nossos).

Dessa maneira, seria ingenuidade nossa não perceber as várias influências recebidas
por essa população das leituras sobre os comunistas. Contudo essas leituras só vêm à tona a
partir do momento do trabalho dos militares. Pois, até 1972, aquelas pessoas caracterizadas
pelos moradores enquanto boas, generosas, respeitadoras, inteligentes e amigas não se
definiam como comunistas, e também os moradores não tinham conhecimento nenhum
acerca de sua participação no PC do B. Essa afirmação pode parecer esdrúxula hoje na nossa
interpretação, mas é um ponto comum em todos os depoimentos.

63
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
54

Durante a pesquisa de campo, tivemos a oportunidade de entrevistar a senhora Neuza


Rodrigues Lins, esposa de Amaro Lins, um dos militantes do PC do B que foi para a região
lutar na guerrilha e acabou se apaixonando pela camponesa (Neuza), daí passando a viver
juntos. Os demais companheiros de Amaro, porém, não concordaram com essa atitude do
militante, e ele teve que abandonar o movimento. Mesmo assim, Amaro permaneceu na
região, especificamente após a guerrilha, residindo em São Geraldo do Araguaia (PA), até o
seu falecimento em 1990. Dona Neuza, em sua entrevista, relatou que não tinha
conhecimento da ligação de seu marido com o movimento, mesmo convivendo com ele. Ela
nunca suspeitou que o Amaro fizesse parte do PC do B. Dona Neuza só tomou conhecimento
por ocasião do afastamento do marido do movimento e da chegada dos militares à região.
Nesse sentido, afirmou:
Aí veio o primeiro filho, quando ele já ia fazer dois anos foi que estourou o
negócio da guerrilha porque até aí ninguém não sabia … eu mesma que morava
com ele não tinha noção de nada, nunca tinha escapado nada (...). Então era assim
que a gente ficou e com isso eu não tinha noção de nada, meu filho ia fazer dois
anos, faltava onze dias … dez dias pra ele fazer … completar dois anos, e eu não
tinha noção de nada mais nada mesmo. Veja que a gente morar, ter um marido por
dois anos e ele ter um … mais de dois anos né? quase três anos e … Porque eu
não sou também tão desleixada, porque tem pessoas que é mesmo parasita, que
não sabe porque é vivo, mais eu não nunca fui … mais não consegui arrancar
nada, não tinha noção de nada.64

Ora, o exemplo da senhora Neuza ilustra muito bem que a população da região não
sabia que os “novos moradores” – os paulistas – eram comunistas e que queriam formar a
partir daquele lugar – a imensa mata amazônica – um novo governo revolucionário e
socialista. E esse governo se formaria a partir da guerra popular prolongada.
Os militares, sabendo das reais intenções dos guerrilheiros naquela região e que a
população local dispunha de uma relação de amizade com os membros do PC do B, ao
chegar na área, iniciou um trabalho de difamação dos paulistas, com o objetivo de afastar os
moradores dos mesmos e também encontrá-los. Para isso, utilizou como uma das estratégias
a propaganda anticomunista. A preocupação com o comunismo constituía algo muito
constante para os militares. Segundo os mesmos, era um perigo bastante presente naquele
contexto. Justificando essa preocupação dos militares, o coronel Carlos Alberto da Fontoura,
em entrevista aos pesquisadores Gláucio Ary Dillon Soares e Maria Celina D`Araújo,
afirmou: “Porque a nossa preocupação não era só o governo, era o país. E se as guerrilhas

64
Entrevista com a senhora Neuza Rodrigues Lins, concedida a este pesquisador em São Geraldo do Araguaia
– PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
55

tivessem tomado conta, teríamos tido uma guerra tremenda nos quatro cantos do país.
Porque em toda parte havia comunistas” (1994: 99).
É importante ressaltar que os militares, do Exército, Marinha ou Aeronáutica, não
constituíam uma homogeneidade, havia diferentes grupos dentro dessas instituições. Um
desses grupos ficou conhecido como “linha dura”, devido às suas posições consideradas
mais reacionárias. Dentro dessa linha, a ideologia anticomunista tornou-se uma de suas
preocupações centrais. O Brasil e o resto do mundo estavam divididos pela Guerra Fria, e era
necessário saber enfrentar esse desafio. O coronel da Aeronáutica Deoclecio Lima de
Siqueira, ao se referir ao pessoal da “linha dura” em relação ao comunismo, disse: “Hoje,
tudo isso acabou. Mas naquela época havia a exaltação do problema da guerra fria, aquele
anticomunismo exaltado” (D`ARAÚJO; SOARES, 1994: 124). Referindo-se ainda ao
comunismo segundo a versão dos militares, o coronel João Paulo Moreira Burnier, que
chefiou o Centro de Informações da Aeronáutica (CISA) entre os anos de 1968 e 1970, foi
mais além: “Eram criminosos! Estavam preparando a destruição da sociedade brasileira!”
(D`ARAÚJO; SOARES, 1994: 185). O que queremos demonstrar, citando a visão desses
militares sobre o comunismo, é, especialmente perceber, como a influência dessas idéias está
presente nos depoimentos dos moradores do Bico do Papagaio.
O perigo comunista65 era tão iminente entre os militares que, em 1967, um grupo de
oficiais da Aeronáutica fora fazer um curso no Panamá coordenado pelos Estados Unidos e
alguns países europeus como a Espanha. O chamado Curso de Gullick reuniu militares de
vários países da América Latina e tinha como objetivo combater as idéias marxistas no
continente. Como resultado desse curso, foi criado em 1968 o Núcleo do Serviço de
Informações e Segurança da Aeronáutica (N-SISA), que, mais tarde em 1970, foi
reformulado e passou a se chamar Centro de Informações da Aeronáutica (CISA).

65
No caso da Guerrilha do Araguaia, esse perigo pode ser observado pelo número exagerado de soldados
envolvidos na luta contra os militantes do PC do B. Embora não tenhamos dados oficiais sobre o efetivo de
militares que participaram da guerra, achamos conveniente a estatística apresentada por Elio Gaspari, que
calculou aproximadamente 5.000 homens das três Forças Armadas e também policiais militares dos Estados
palco do conflito, durante as três campanhas militares (2002: 400). Comentando sobre o efetivo durante a
guerrilha, o general Viana Moog, em entrevista à revista Veja, afirmou: “Foi o maior movimento de tropas
do Exército ocorrido na História do país, semelhante à mobilização da Força Expedicionária Brasileira na II
Guerra Mundial” (Veja, 13 out. 1993: 17). Todos esses soldados, para combater apenas 69 membros do PC
do B. Segundo o livro Direito à memória e à verdade, o número de guerrilheiros mortos e desaparecidos
durante a Guerrilha do Araguaia é 59. O mesmo livro ainda destaca o número de moradores da região mortos
desaparecidos – os casos reconhecidos pela CEMDP (Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos
Políticos) são 5: Lourival Moura Paulino, Antônio Alfredo de Lima, Luiz Vieira, Pedro Matias de Oliveira
(Pedro Carretel) e Antônio Araújo Veloso. Segundo a CEMDP, por falta de provas, outros 16 casos de
moradores mortos durante a guerrilha foram indeferidos por essa comissão. Ver, Direito à memória e à
verdade. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, Brasília, 2007. p. 195-271.
56

Os militares tinham uma opinião bastante clara e bem definida sobre o papel das
esquerdas na sociedade brasileira. Havia, segundo os mesmos, uma ameaça desses grupos de
esquerda ao regime militar. Qualquer oposição às idéias dos militares era interpretada
enquanto práticas subversivas e comunistas. Por isso, deveriam ser combatidas. Havia a idéia
de que era necessário defender o país do avanço do comunismo, criando uma imagem
negativa desse sistema. Nesse contexto, afirmou o coronel João Paulo Moreira Burnier:
Tínhamos a convicção de que a ideologia marxista e socialista era impraticável
para a vida, para a pessoa humana. O humano não aceita o socialismo, porque é
uma doutrina econômica que dá iguais direitos a pessoas diferentes. Uma pessoa
trabalha, guarda os seus recursos e consegue melhorar de vida. O outro,
trabalhador também, não guarda o que ganhou, torna-se um bêbado, um sem-
vergonha, e gasta todo o seu dinheiro. Não vencerá nunca. Vão ter os mesmos
direitos? Não. Cada um tem a sua função na sociedade, tem aquilo que merece
(D`ARAÚJO; SOARES, 1994: 201).

Assim, através dos militares, especialmente dos soldados e recrutas, essas idéias
foram disseminadas pela região do Bico do Papagaio. Inicialmente, os moradores resistiram
a essa propaganda, pois o Paulo, o Juca, o Osvaldo, o Ari, a Dina, o Amaury eram seus
amigos, os paulistas que muito faziam por aquela população. Já o Exército, pelo contrário,
chegou abruptamente maltratando os moradores, espancando e queimando suas roças em
busca dos terroristas, subversivos e comunistas que os moradores não conheciam por tais
adjetivos. Os próprios militares reconheceram, em vários depoimentos, o erro estratégico de
suas duas campanhas contra os paulistas. Tanto que tentaram utilizar as mesmas táticas dos
guerrilheiros para conseguir o apoio da população, através da chamada Aciso (Ação Cívico-
Social). Referindo-se à atuação dos militares na Guerrilha do Araguaia e à dificuldade inicial
de conseguir apoio da população local, o general Ivan de Souza Mendes comentou:
Então eles [os guerrilheiros] se infiltravam, ajudavam, faziam socorro médico,
viviam entre aquelas pessoas e tudo mais, e as foram conquistando. Quando
começaram as primeiras ações, a população daquela região estava com eles. E era
essa população que lhes dava as informações: “Está chegando uma tropa,
desembarcaram não sei quantos em tal lugar…” Eles organizaram a população
para isso, organizaram direitinho (D`ARAÚJO; SOARES, 1994: 172). (Grifos
nossos).

Destacando a atuação e as estratégias do Exército para vencer os militantes do PC do


B, afirmou ainda o general Ivan de Souza Mendes:
Então, o que o Exército fez? Primeiro, deixou de usar farda e, segundo, tratou de
isolar os guerrilheiros da população. Aí intensificou a busca de informações por
meio de pessoas não fardadas, agentes militares ou civis, que eram jogados lá. E
foram levantando, foram enfrentando, até acabar. Questão de paciência e firmeza.
O grupo subversivo ficou sem a população para informar, ficou cego e foi mais
fácil. Aos poucos, eles foram sendo apanhados um a um (D`ARAÚJO; SOARES,
1994: 174).
57

Dessa forma, observamos que os militares, vendo e experimentando as dificuldades,


começaram então a mudar de estratégia para eliminar aqueles que chamavam de terroristas.
Passaram a infiltrar agentes disfarçados de pessoas comuns (civis), apresentando as mesmas
características dos moradores da região, no modo de falar, vestir e comer. Com isso,
localizaram os guerrilheiros e, em seguida, isolaram a população do grupo comunista.66 Para
isso, a propaganda anticomunista, na nossa visão, foi fundamental. Pois a partir de
afirmações pontuais sobre o que seriam aqueles jovens, denominando-os de assaltantes de
bancos, criminosos que queriam derrubar o governo e tomar as propriedades dos moradores,
a população do Bico do Papagaio ficou dividida. Uma parte passou a acreditar nos militares,
e outra, silenciosa e sutilmente, continuava do lado dos paulistas. Porém essa atitude não
poderia ser percebida pelos militares. Pois os soldados utilizavam da prática da vigilância e,
se fosse descoberto que algum morador apoiava os paulistas/guerrilheiros, esse iria sofrer.
Portanto, na nossa concepção, o silenciar significou uma forma de resistência desses
moradores.
O reconhecimento dessa divisão pode ser percebido seja nos depoimentos dos
moradores da região, seja nos depoimentos dos militares que participaram das ações contra
os paulistas. Referindo-se ao apoio da população aos militares, um soldado do Exército (que
não quis identificar-se), em entrevista ao jornalista Fernando Portela, afirmou:
A gente via, não no começo, que o pessoal estava meio arredio. Mas, depois, a
população do Araguaia sentiu a realidade do que estava acontecendo e que a
ideologia dos guerrilheiros, que eles acreditavam que eram boas, que só
queriam ajudar, era uma ideologia que, no fundo, iria tirar totalmente a
liberdade do povo e criar condições completamente adversas ao nosso espírito
brasileiro (2002: 175). (Grifos nossos).

Verificamos em nossa pesquisa de campo, através dos depoimentos dos moradores,


que, geralmente, a população urbana, ou seja, das pequenas cidades da região, tinha a
tendência de apoiar as ações do Exército. Entretanto não podemos generalizar essa
afirmação, uma vez que, para muitos moradores das cidades, como é o caso de Xambioá, a
população estava dividida. Foi assim que se referiu dona Amancia Gomes de Abreu: “Que
muita gente … uma parte gostava dos guerrilheiros, a outra gostava do Exército porque diz
que tava ajudando a cidade”.67 O senhor José Pereira da Silva, o Zé Ernestino, também

66
O capitão-aviador da Aeronáutica Pedro Corrêa Cabral, em seu livro de memória sobre a Guerrilha do
Araguaia, narrou essa estratégia utilizada pelas Forças Armadas para conseguir da população local
informações sobre os paulistas. Essa estratégia é definida por Pedro Cabral como “operação inteligência”.
Ver, CABRAL, Pedro Corrêa. Op. cit. p. 14-24.
67
Entrevista com a senhora Amancia Gomes de Abreu, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
58

destacou essa divisão entre os moradores. Para ele, o marco para a mudança de opinião em
torno dos paulistas, considerados até então “gente boa” pela população, foram a chegada e a
propaganda do Exército acerca do comunismo. Nesse contexto, lembrou: “Antes do Exército
chegar todo mundo gostava dos guerrilheiros, todos gostavam dos guerrilheiros. Quando
chegou teve de separar. Separou e aí ficou todo mundo do lado do Exército, ninguém ficou
mais do lado dos terroristas”. Quando questionamos por quê, ele respondeu:
Ficou por causa dessa explicação de comunista aí. Por causa do comunista,
porque ninguém queria ser comunista. Eu tinha a minha casa e eu não queria
perder ela pra mim ficar trabalhando só pra comer, receber o remédio e a
roupa. Então é isso aí. Esse regime comunista é do governo, você vê que lá no
Fidel Castro e lá no Sadan Hussem ninguém tem nada, é tudo da nação.68 (Grifos
nossos).

Há ainda, no depoimento do senhor José Pereira da Silva, uma imagem bastante


emblemática quando os moradores se referem ao comunismo, relacionada com o fim da
propriedade – “eu tinha a minha casa e eu não queria perder”. Ora, essa visão de projeto
comunista representada pelo fim da propriedade foi algo muito presente nos depoimentos da
população do Bico do Papagaio. Essa imagem contribuiu, de forma bem eficaz, sobretudo
para dividir a população, em especial as pessoas que moravam nas cidades onde a presença
dos militares foi mais forte, a exemplo de Xambioá, Marabá e São Geraldo do Araguaia.
Por outro lado, a população rural, isto é, dos pequenos povoados, sítios e lugarejos,
tendia mais a apoiar os paulistas (guerrilheiros), devido a uma convivência maior e aos
trabalhos assistenciais prestados a ela. Essa opinião, como de muitos moradores de regiões
rurais, nos foi apresentada pela senhora Maria Oneide Costa Lima, hoje moradora de São
Geraldo do Araguaia (PA):
A população rural com os guerrilheiros. Depois eles [os militares] imitaram os
guerrilheiro, né?, fazia reunião, eles usaram a mesma tática que eles usou,69 né?,
que eles se davam mais no contato que eu tive que os que conviveram com eles,
que se davam muito melhor com eles, os guerrilheiros.70 (Grifos nossos).

A estratégia utilizada pelos militares na propaganda anticomunista, no período da


Guerrilha do Araguaia, nos foi narrada pelo senhor Divino Martins dos Santos, ex-recruta do
Exército na época. Segundo ele, o Exército sempre era destacado como o lado bom da
68
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
69
Quando a senhora Maria Oneide afirma “a mesma tática que eles usaram”, está se referindo aos trabalhos
realizados junto à população, como atendimento médico, distribuição de medicamentos, alfabetização etc,
utilizados pelos paulistas (guerrilheiros) e que, a partir da segunda campanha das Forças Armadas, devido ao
não-apoio da população na primeira investida, foram copiados pelos militares através da Aciso (Ação Cívico
– Social).
70
Entrevista com a senhora Maria Oneide Costa Lima, concedida a este pesquisador em São Geraldo do
Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
59

guerra, os soldados estavam naquela região para manter a ordem e proteger a população; já
os guerrilheiros eram subversivos, terroristas, comunistas e estavam lá para tirar o direito do
povo e implantar um governo autoritário. Assim, enquanto o outro é representado, também
se cria a própria representação do grupo ao qual pertence o nosso entrevistado, como
oposição ao outro (comunistas). Nesse sentido, afirmou:
O Exército também dava palestra nas cidades, ia nas escolas, falava, né? Falava
que o Exército tava ali, era a parte do bem, não é? Que tava protegendo a
população e que eles, os terroristas eram comunistas, queria escravizar o
povo, certo? Tirar o direito do povo, que aqui eles tavam fazendo um momento
de agradar o povo, mais quando eles tomassem o poder, o povo seria escravizado,
certo? E que eles precisam ir denunciar quando visse algum, certo?71 (Grifos
nossos).

É interessante observar, na narrativa do senhor Divino Martins, a imagem do


comunismo relacionada à escravidão. Isso demonstra a tentativa de levar à população uma
conotação sinistra para o comunismo. Nele, as pessoas não teriam liberdade e trabalhariam
como escravas para o Estado. Portanto, na visão do Exército, o comunismo seria uma
ideologia brutal e responsável pela violência. Sendo assim, as representações do mundo
social, como afirma Roger Chartier, são sempre determinadas pelos interesses dos grupos
que as inventam (1990: 17).
Dessa forma, observamos que, para o governo militar, havia a necessidade de difamar
o outro (os comunistas) e, ao mesmo tempo, construir para a população da região a imagem
de um governo preocupado com o povo e com a nação. Como declarou o senhor Divino
Martins: “a parte do bem”. Assim, vemos nessa iniciativa e/ou estratégia dos militares uma
forma de os mesmos buscarem o apoio e o consentimento da população do Bico do Papagaio
para o que vinha sendo praticado contra os paulistas, agora guerrilheiros, por eles
denominados de subversivos, terroristas e comunistas. Nesse sentido, a propaganda oficial
dentro de um governo autoritário como o implantado no Brasil ao longo dos 21 anos de
regime militar tem um objetivo claro de difundir certezas e fixar nas pessoas a imagem de
que representam o desenvolvimento, a ordem e o bem-estar do povo. Ao destacar a
importância da propaganda realizada pelo regime militar no Brasil, Marionilde Dias Brepohl
de Magalhães diz:
Sob um regime autoritário, torna-se imprescindível aos poderes oficiais, além de
difundir certezas, inculcar em seus governados que os valores transmitidos pelo
discurso ideológico podem e devem ser representados pelos detentores do poder –

71
Entrevista com o senhor Divino Martins dos Santos, conhecido como Martins, concedida a este pesquisador
em Xambioá –TO, em 06/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
60

apresentados não somente como governantes, mas como protetores da nação


(1997: 206 ).

A propaganda contra os comunistas também foi citada na entrevista do senhor José


Pereira da Silva (Zé Ernestino), ex-guia do Exército. Segundo ele, os soldados discursavam
na base e nas festas sempre enfatizando a imagem do comunista como negativa. Os
militantes do PC do B são geralmente acusados pelos militares de serem subversivos e
contrários ao governo. Falavam que, se o poder político no país fosse tomado pelos
comunistas, os bens seriam confiscados e os moradores perderiam a liberdade. Assim disse:
Fizeram a informação de que aquele pessoal era subversivo e queria mudar o
regime de militar para comunista. E o regime comunista é dessa forma,
explicou: aí ninguém vai ter direito de nada, ninguém tem minha terra, ninguém
tem minha galinha, ninguém tem meu porco, ninguém tem minha casa, é tudo da
nação. Não é essa liberdade que você tem aqui, essa pedra de cristal é minha, eu
vou vender e vou comprar um boi. Isso ele explicou direitinho para o povo todo.72
(Grifos nossos).

Essas imagens construídas pelas Forças Armadas, narradas a partir dos generais, de
ex-soldados e de um ex-guia do Exército, comprovam, de certa forma, o espectro que
rondava os militares na época acerca do comunismo e também como essa representação
marcou a população do Bico do Papagaio, que passou a identificar esse sistema político a
partir da propaganda oficial. Dessa forma, as representações do comunismo enquanto
escravidão, violência, oposição ao governo, subversão e terrorismo são freqüentes nos
depoimentos dos moradores. A estratégia das Forças Armadas ao fazer essa propaganda
anticomunista pretende, na nossa concepção, alcançar dois objetivos: primeiro, instalar o
medo junto aos moradores e, segundo, conquistar o apoio desses moradores a contribuírem
com o Exército. Entretanto, esses objetivos foram alcançados? Essa questão será respondida
a seguir.

2.3 As formas de os militares combaterem o comunismo: a caça às “bruxas”

Na nossa visão, o que ocorreu na região do Bico do Papagaio foi um foco de


enfrentamento de projetos políticos antagônicos. De um lado, os guerrilheiros influenciados
pela teoria maoísta, buscando implantar no país, através da guerra popular prolongada, o
socialismo. De outro, os militares, que viam em qualquer iniciativa das esquerdas e/ou da
sociedade civil o perigo comunista. Esse clima justificou o próprio golpe militar e todas as
iniciativas dele decorrentes. Em nome desse “perigo”, os militares passaram a justificar para

72
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
61

a sociedade civil todas as atrocidades praticadas durante esse período. As cassações de


oposicionistas, o exílio de artistas e intelectuais, a censura à imprensa, as prisões, as torturas
e a vigilância a todos que representassem ameaça ao governo eram medidas adotadas pelos
militares no combate à subversão. Havia, portanto, uma verdadeira caça às bruxas. Embora
essa prática tenha sido mais freqüente após a institucionalização do AI-5 (13 de dezembro de
1968), não significa dizer que no período anterior ao mesmo não tenha existido.
Com o golpe de 1964, podemos perceber várias ações do Executivo, para impedir o
chamado “avanço comunista no país”. Essas ações foram concretizadas, por exemplo, nas
cassações de mandatos parlamentares, nos IPMs (Inquéritos Policial-Militares) criados em
todos os níveis de governo, em todos os ministérios, órgãos governamentais, empresas
estatais, universidades federais, com o objetivo de investigar os funcionários civis e militares
comprometidos em atividades “subversivas”. Assim, uma acusação em um IPM era
suficiente para desencadear várias perseguições que podiam resultar em prisão e tortura. Em
depoimento aos pesquisadores Maria Celina D’ Araújo e Gláucio Ary Dillon Soares, o
coronel Octávio Costa assim se referiu ao clima do país nessa época, justificando os
chamados IPMs: “Sob inspiração de que aquela seria uma revolução para curar o país de
todo vírus socializante, nasceram os famosos inquéritos policiais militares, os IPM de
‘saudosa’ memória” (1994: 95).
Segundo a pesquisadora Maria Helena Moreira Alves, o governo militar utilizou três
estratégias para “varrer” o perigo comunista. A primeira, denominada por esta autora de
“estratégia política”, segundo a qual havia, por parte do governo, vigilância e controle dos
partidos políticos, do Legislativo e do Judiciário. A segunda “estratégia militar”, ou seja, o
controle sobre os próprios militares, no sentido de limitar a participação política e fazer
prevalecer os padrões hierárquicos dos pontos de vista dos oficiais detentores do poder. A
terceira “estratégia psicossocial”, isto é, aquela que estava voltada para os movimentos
sociais, as organizações classistas como os sindicatos e a UNE (União Nacional dos
Estudantes). Além disso, também fez parte desta estratégia a instalação de comissões
especiais de inquérito em todas as universidades brasileiras. O objetivo dessas estratégias era
impedir a participação de agentes comunistas nessas organizações (1984: 61-70).
Dentro dessa lógica, ruas inteiras eram bloqueadas e as casas submetidas à busca
para a detenção de pessoas cujos nomes constavam nas listas preparadas previamente. Para
os militares, devia-se varrer todos aqueles que representavam ameaça comunista (ALVES,
1984: 58-59).
62

Em relação à Guerrilha do Araguaia, um exemplo de “caça às bruxas” aconteceu com


o prefeito de Xambioá, João Saraiva, na época pertencente ao MDB (Movimento
Democrático Brasileiro). Segundo reportagem da revista Veja, um oficial do Exército teria
exigido do então prefeito um trator para melhorar as condições da pista de aviação. Como o
prefeito alegou que qualquer trator atolaria no terreno devido às chuvas de inverno, foi
ameaçado, preso e encaminhado a Araguaína. De lá voltou não mais filiado ao MDB, mas à
Arena (Aliança Libertadora Nacional) (Veja, 06 de set. 1978: 55-56).
A reportagem não informa o que aconteceu para que o prefeito mudasse de partido,
porém supomos que o mesmo tenha sido forçado a tomar essa decisão. Dessa forma, em
nível nacional ou local, qualquer forma de oposição e/ou maneira de pensar diferente dos
militares eram interpretada como prática comunista. A partir de sua filiação à Arena, João
Saraiva chegou a ser consultado várias vezes pelos militares para dar informações sobre os
moradores presos e dizer “quem era comunista ou não”. Nesse sentido, afirmou: “Os
militares traziam as pessoas para que eu dissesse quem era comunista ou não – sempre me
chamavam para isso, aconteceu várias vezes” (Jornal do Tocantins, 21 e 22 abr. 2000).
A caça às bruxas também pode ser percebida na caçada aos guerrilheiros e na
vigilância, nas ameaças, na queima das roças e nas torturas aos moradores da região.
Lembrando as intimidações e as perseguições praticadas pelos militares contra os moradores,
afirmou o senhor Edézio Gomes da Silva:
Olha, o que que eles fazia? Arrancava mandioca dos coitados tudinho, tocava fogo
em paiou de arroz de coitado aí, tá entendendo? Aí virou aquele negócio …aquela
… e a fome agora que deu, você tava com fome aqui olhando pra o seu negócio
daqui ali, e não podia ir buscar, porque se fosse entrava na peia lá. Porque eles
queria pegar o pessoal porque aquele povo não tinha mais alimento, não tinha
mais comida, e eles tavam se alimentando na casa dos posseiros, do pessoal …73

Já destacamos anteriormente que trilhar os caminhos da memória é falar do passado a


partir do presente, é lembrar através da narração a experiência vivida numa outra
temporalidade que não é a de seu acontecer. Dessa maneira, na visão dos moradores do Bico
do Papagaio, passado e presente se unem quando contam suas experiências em relação à
Guerrilha do Araguaia. E lembrando o acontecimento (especificamente o que denominamos
de “caça às bruxas”, na época), geralmente expressam suas opiniões sobre as ações praticada
pelo Estado em relação aos moradores e para matar os guerrilheiros. Nesse sentido, ao
lembrar das ações dos militares, afirmou o senhor Salomão Dias de Souza:

73
Entrevista com o senhor Edézio Gomes da Silva, concedida a este pesquisador em São Geraldo do Araguaia
– PA, em 07/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
63

Eu acho que…ao meu ver hoje, ao meu ver foi um grande exagero da nação. A
nação talvez querendo mostrar força para a Rússia, para os americanos ou sei lá
pra quem… demonstrar força. Porque na verdade uma pequena guerrilha dessa
não precisava tanto deslocamento de homens pra fazer o que eles fizeram e faziam
as coisas arbitrariamente. Às vezes matavam, arrastavam, amarrava.74

Portanto, na visão do senhor Salomão Dias, houve um exagero nas ações dos
militares. E esse exagero foi praticado para provar a força do país para outras nações.
Opinião semelhante nos foi relatada pelo senhor José Batista Neto, quando falou da forma de
agir dos militares:
O meu olhar de hoje é que o Exército não precisava chacinar igual eles fizeram
não. Aquilo era um movimento que não ia ter repercussão nenhuma, bastava o
Exército prender uma meia dúzia, mas prender dentro da … da… toda civilidade
ou expulsar da região, mais sem aquele alarme todo que iam … eles não iam ter
sucesso nenhum … fazer essa região seguir a idéia, o ideal deles, né?75

Percebemos, nas palavras do senhor José Batista, fortes críticas à forma como os
soldados do Exército atuaram na região, enfatizando especialmente a chacina que realizaram
contra os chamados guerrilheiros. Dessa forma, geralmente partindo do tempo presente de
suas lembranças, os moradores expressam sua visão sobre a caça às bruxas, ou seja, aos
comunistas, instituída na época da guerrilha pelos militares.

2.4 As representações dos moradores do Bico do Papagaio sobre o comunismo

As representações dos moradores do Bico do Papagaio dizem respeito “às


classificações, divisões e delimitações que organizam a apreensão do mundo social como
categorias fundamentais de percepção e de apreciação do real” (CHARTIER, 1990: 17). Ou
seja, a partir das lembranças dos moradores, desejamos discutir a forma como estes
imaginavam, sentiam e viam os comunistas, especificamente a partir da influência das
leituras e da propaganda dos militares. Através das entrevistas, percebemos que essas
representações são múltiplas. Algo bastante recorrente são as imagens do comunismo e
comunistas relacionadas à violência, à escravidão, ao estrangeirismo, ao banditismo, ao
terrorismo e como aquele que faz oposição aos militares. São, assim, sempre classificados
como o lado negativo da história.
A imagem dos comunistas como estrangeiros é comum na memória dos moradores
da região. Eles são vistos, portanto, como pessoas de fora querendo tomar o país – ponto de
vista esse bem presente nas entrevistas realizadas. Essa imagem foi destacada pela senhora

74
Entrevista com o senhor Salomão Dias de Souza, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
16/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
75
Entrevista com o senhor José Batista Neto, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
16/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
64

Creusa Castro de Aguiar: “Naquele tempo se pensava que era alguém de fora do país, só isso
e nada mais, sabe?”76 Imagem semelhante também foi enfatizada pela senhora Gecília
Sabino de Sá, quando se referiu aos comunistas: “Havia de que eles estavam se reunindo
para vender o país. Que o país seria invadido por Cuba. Cuba ia tomar conta do Brasil”.77
Essa mesma imagem também foi utilizada pelo senhor Antônio Almeida dos Santos,
morador de Tocantinópolis na época da guerrilha. Segundo suas lembranças, afirmou:
Tenho lembrança que em 1970 começou um clima de evasão, ou seja, os
comunistas querendo invadir a região Norte. Aí a seguir foi montado um
destacamento do Exército, ali, em Porto Franco. E veio uma turma para dar
assistência, aqui na cidade de Tocantinópolis, ou seja, em outras palavras, para
combater à evasão daquele povo e exatamente com isso se misturava diversos
políticos e ia descobrindo pessoas que eram envolvidos com o comunismo.78
(Grifos nossos).

Ora, essas representações construídas pelos moradores refletem o clima de Guerra


Fria bastante comum nos anos de 1960 e 1970. E também demonstram a influência da
propaganda dos militares, que tacham os denominados paulistas/guerrilheiros de sujeitos
vindos “de fora” para tomar o país das mãos dos militares e colocá-lo sob o comando de uma
outra nação. Nesse contexto, entra em ação o Exército, destacado por alguns moradores da
região como a instituição capaz de “combater a invasão”. Geralmente, os países mais citados
nas lembranças dos moradores são Cuba, União Soviética e Vietnã. É interessante perceber,
nos depoimentos, que não houve nenhuma referência à China, país de inspiração dos
militantes do PC do B.
Outra representação freqüente, nas memórias da população do Bico do Papagaio, é a
imagem do comunista enquanto alguém que lutava contra o governo militar. Imagem
construída a partir da própria guerra instaurada na região. Foi essa a idéia destacada pelo
senhor Raimundo Santos da Rocha (Dêga), quando se referiu aos comunistas:
Eu pensava o seguinte, que aqueles comunistas era … eu pensava sempre isso aí
… eram pessoas que tavam levantando uma bandeira contra o governo. Esse
pessoal tão levantando uma bandeira contra o governo, contra a ditadura. E esse
governo ditador mandou pegar essas pessoas. Mais eu pensava que era pra
prender, pra deixar preso … tirassem um tempo … todos eles foi morto.79 (Grifos
nossos).

76
Entrevista com a senhora Creusa Castro de Aguiar, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO,
em 24/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
77
Entrevista com a senhora Gecília Sabino de Sá, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
24/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
78
Entrevista com o senhor Antônio Almeida dos Santos, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO,
em 16/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal. É válido observar que o termo
“evasão”, destacada pelo nosso depoente, significa, conforme o contexto, invasão.
79
Entrevista com o senhor Raimundo Santos da Rocha, conhecido como Dêga, concedida a este pesquisador
em Xambioá – TO, em 01/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
65

Imagem semelhante foi descrita pelo senhor Ivaldo Santos Carvalho (Bacalhau). Para
ele, os comunistas eram pessoas violentas que lutavam contra o governo. Evidentemente, sua
imagem sobre os comunistas foi influenciada pelas representações do próprio Exército, pois
o senhor Ivaldo trabalhou como guia dos soldados, na mata, para localizar os terroristas. Por
esse motivo, além de conceituar o que na sua visão era o comunismo, ele também justifica a
sua atuação junto à tropa – “lutar pela nossa pátria”. Falando sobre os comunistas, disse:
Eu não tinha nem noção, eu pensava que era um grupo de gente que era só pra
matar mesmo, né? Função deles era destruir porque pelo que eles falavam pra
gente … a noção da gente era … era … era que eles tinha pra destruir. Eles
falavam pra gente que eles tavam aí pra formar um … um … um plano pra
tomar o Brasil, né? Então a nossa nois tava … a nossa função, o nosso direito era
lutar pela nossa pátria. Então era isso que a gente … a gente tava dentro e tinha
que se esforçar pra fazer a coisa certa, né?80 (Grifos nossos).

Na memória de alguns moradores, o comunismo é representado através do tema da


escravidão. Tal representação reflete a visão que o liberalismo defendia, em relação às
condições de trabalho nos países comunistas, tidas como degradantes. Essa imagem foi
lembrada pelo senhor Félix Pereira Leite:
Quando ouvia a palavra comunismo, a gente achava, eu pelo menos achava, na
minha experiência, como hoje ainda não tem … mas eu achava que era assim,
uma sujeição como que aconteceu o cativeiro, que eu ouvia meus pais contar
causos de um cativeiro, uma … uma… como é que se diz … era uma feitoria de
negro, fazenda de negro, aqueles patrão que tinha aquelas fazenda de negro e o
senhor tudo … Então eu pensava que era isso que queria voltar nesse tempo
também. Assujeitar.81 (Grifos nossos).

A representação do senhor Félix Pereira é bastante emblemática, pois sua imagem de


comunismo está relacionada a histórias que o pai contava, ou seja, muitas leituras de que
parte da população da região dispunha sobre o comunismo vinham de um período anterior à
própria guerrilha. Com ela, e especialmente por influência da propaganda realizada pelos
militares, essas representações passam a ter um destaque maior nas memórias da população.
Outro exemplo que enfoca essas leituras anteriores sobre o comunismo por parte dos
moradores da região foi destacado no depoimento da senhora Marfisa Aquino Cunha. Ao se
referir ao mesmo, disse: “Comunista, ainda pequena eu ouvia falar em negócio de
comunista…eu dizia pronto, é tudo bandido. Era o que eu pensava, mas eu não tinha medo

80
Entrevista com o senhor Ivaldo Santos Carvalho, conhecido como Bacalhau, concedida a este pesquisador
em Xambioá – TO, em 03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
81
Entrevista com o senhor Félix Pereira Leite, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
01/11/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal. O termo “assujeitar”, utilizado
pelo nosso depoente, significa, segundo o contexto de sua narrativa, sujeitar, isto é, submeter-se a alguém.
Optamos em nossa transcrição, como já enfatizamos, pela forma como cada depoente fala.
66

não”.82 Há, na afirmação de dona Marfisa, dois argumentos que consideramos importantes.
O primeiro, a idéia de que comunista “era bandido”, produto de uma longa tradição na
história do Brasil (“quando eu era pequena”), na qual a imagem do comunismo foi
geralmente apresentada de forma negativa. Segundo, mesmo com toda a propaganda
anticomunista realizada pelos militares, os moradores não manifestavam medo exacerbado
do comunismo em si nem do que ele representava.
De todas as representações acerca dos comunistas, uma nos chamou bastante a
atenção. Talvez seja a mais emblemática, no sentido de observar as leituras de que os
moradores dispunham no período anterior à guerrilha. Durante a realização da entrevista
com o marido, a senhora Maria da Conceição Oliveira, moradora de Tocantinópolis (TO),
ficou quieta e apenas observava a conversa. No entanto, quando se falou em comunismo, ela
interveio na conversa e lembrou das narrativas que o seu pai e o seu primeiro esposo
contavam sobre esse sistema político. Assim narrou:
Porque eu sou mais nova do que meu marido…. Mais eu ouvia ele dizer que o
comunismo, eu via ele falando, que ele era do Ceará. Olhe, minha filha, vai ter um
tempo que o comunista vai virar o mundo. Aí ele falou que o comunismo …
Pai, como é esse comunismo? Minha filha, o comunista vai ser assim: é fie
contra pai, é pai contra fie, não tem muê séria para os outro, vem e toma, não
tem filha … chega o cidadão … chegar aqui em sua casa, pega suas fia,
carrega. Eu sei que ele disse que era assim o ribuliço, meu marido quem dizia. Eu
tenho lembrança dessas palavras que ele disse, que o comunista era assim.83
(Grifos nossos).

Nas imagens presentes nas lembranças de dona Maria da Conceição, o comunismo


representava o caos, “o comunista vai virar o mundo”. É, portanto, a desordem das famílias e
da sociedade, “é fie contra pai, é pai contra fie”. É um mundo no qual não existe a harmonia,
e sim a confusão e a desordem. Representa ainda a destruição da família tradicional, as
mulheres transformando-se em propriedade coletiva: “não tem muê, seria para os outro, vem
e toma, não tem filha …” Tais imagens têm uma tradição bastante longa no Brasil, e, nos
anos de 1960 e 1970, vêm à tona com uma freqüência maior através das releituras feitas
pelos militares e, conseqüentemente, repassada para a população.
O senhor Alan de Oliveira Moraes também enfatizou, em seu depoimento, o que ele
pensava na época em relação ao comunismo. Segundo ele, as representações negativas
acerca desse sistema foram produto da propaganda dos militares, pois a grande maioria da
população do Bico do Papagaio não tinha um conhecimento maior sobre comunismo,

82
Entrevista com a senhora Marfisa Aquino Cunha, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
04/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
83
Depoimento da senhora Maria da Conceição, concedido a este pesquisador em Tocantinópolis – TO, em
01/11/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
67

prevalecendo, então, a versão dos soldados. Daí a imagem de “uma pessoa da pior espécie do
mundo”, “sem confiança” e que desejava, após conquistar o povo, “escravizá-lo”. Assim
falou:
A gente tinha na mente que era aquilo, era uma pessoa da pior espécie do mundo,
uma pessoa que ninguém poderia confiar, entendeu? Que era … pra nós era um
tipo de gente que a gente … que o Exército passava pra gente que a gente tinha
que temer, eles que eram umas pessoas muito má. [...] Hoje eu já penso
diferente, mas na época eu pensava assim. [...] Queria mais na frente escravizar a
população e papapá. Passava por aí, e trabalho forçado e tudo mais.84 (Grifos
nossos).

Algo bastante recorrente nas entrevistas é a comparação entre o tempo da guerrilha e


o tempo presente. Geralmente quando os moradores fazem essa comparação, sempre
ressaltam as diferenças entre a maneira como se pensava naquela época e a como pensa hoje.
É comum encontramos afirmações como a citada pelo senhor Alan de Oliveira Moraes
(“hoje eu penso diferente”), especialmente quando perguntávamos sobre as representações
acerca do comunismo. Portanto, as imagens sobre a Guerrilha do Araguaia e sobre os
comunistas são reelaboradas a partir do presente. São, assim, reelaborações 30 anos depois,
enfatizadas através das lembranças dos moradores que presenciaram esse acontecimento. As
lembranças são, portanto, reconstruções do passado a partir do presente. Nesse sentido,
refletindo sobre essa característica da memória, afirmou Maurice Halbwachs: “A lembrança
é em larga medida uma reconstrução do passado com a ajuda de dados emprestados do
presente, e, além disso, preparada por outras reconstruções feitas em épocas anteriores e de
onde a imagem de outrora manifestou-se já bem alterada” (1990: 71).
Embora a região do Bico do Papagaio apresentasse um certo isolamento em relação
às outras regiões do país, como enfatizamos anteriormente, isso não quer dizer que seus
moradores não recebessem informações do que acontecia no Brasil. Evidentemente, boa
parte da população vivia nesse período isolada, como os próprios moradores afirmam:
“dentro da mata”. Entretanto as populações das pequenas cidades da região, em especial os
professores, pessoas ligadas à Igreja Católica, pequenos comerciantes, motoristas e
fazendeiros demonstraram, nos seus depoimentos, que tinham um pouco de conhecimento do
que estava acontecendo no país naquela época.
Um exemplo disso nos foi relatado pelo senhor Sebastião Gomes da Silva, fazendeiro
e, na época da guerrilha, morador de Xambioá (Goiás, hoje Tocantins). O senhor Sebastião

84
Entrevista com o senhor Alan de Oliveira Moraes, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
30/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
68

em seu depoimento demonstrou uma leitura bastante apurada daquilo que acontecia no
mundo e no Brasil nas décadas de 1960 e 1970.
Segundo ele, o mundo conhecia o poderio russo, e o Brasil era governado por Médici.
Havia na Rússia o predomínio do Partido Comunista, e lá, conforme a visão do senhor
Sebastião, “a maioria das pessoas não tinha direito de possuir uma propriedade, as terras
eram da nação, do governo”. E, no Brasil, os membros do PC do B eram considerados pelo
governo como “indesejáveis”. Queriam “dar um golpe contra o governo e pedir ajuda de
fora”. Para “evitar que isso acontecesse, o governo Médici enviou as forças militares à região
para prender e matar os guerrilheiros”. Foi dessa forma que o senhor Sebastião justificou a
ação do governo na época.
Quando se referiu aos comunistas, disse:
Bom, a gente não tinha assim uma noção certa, mas o que a gente sabia é que não
era boa coisa … não era boa coisa comunismo. A idéia que a gente tinha e o
governo combatendo, né? Então a gente tinha de pensar que era uma coisa terrível
o comunismo. A gente não queria. Se o governo não queria, estava combatendo,
nós também não ia querer, certo?85

A representação destacada por seu Sebastião reflete o clima de desconfiança em


relação ao comunismo, clima esse instaurado pelos militares quando implantaram na região,
além dos combates armados contra os paulistas e moradores, uma verdadeira guerra
psicológica. E, nessa guerra, um dos elementos centrais para convencer os moradores a
ficarem do lado dos militares era a propaganda de que os paulistas eram terroristas, aliados
do comunismo internacional e que desejavam “tomar a nação”. Essa prática utilizada pelos
militares fez com que muitos moradores da região apoiassem as ações do Exército. Em
depoimento à pesquisadora Dácia Ibiapina da Silva, o senhor José Francisco de Carvalho (Zé
Moroca), morador de Palestina (Pará), ao se referir a essa escolha, afirmou:
Mas, nós falava a favor da polícia, que tava fazendo aquela defesa, né. Ninguém
sabia a finalidade e o porquê, então nós falava a favor das autoridades. Por que
nós falava das autoridades? Porque as autoridades tá em defesa do … não é que o
comandante se forma, não é para defender o Brasil? A Pátria? Não é? Então,
aquilo que nós ouvia, nosso entendimento, é que aquelas pessoas que tavam
dentro da mata, tinham se revoltado contra a bandeira, é isso que aplicavam em
nossa mente, e é o que nós entendemos naquela época (2002: 189).

É freqüente nas entrevistas imagens dos comunistas como assaltantes de bancos,


como alguém que iria se apropriar dos bens dos moradores, sinônimo de terroristas,
enganadores e matadores. Tais imagens refletem muito bem a propaganda oficial dos

85
Entrevista com o senhor Sebastião Gomes da Silva, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
69

militares sobre os militantes do PC do B. Referindo-se a essas imagens, disse a senhora


Maria Oneide Costa e Lima: “Eu pra mim que era as pessoas que eram ruim, que assaltava
bancos, que matava, que … assim sabe? E eles colocava isso na população. O Exército”.86
Imagens semelhantes foram utilizadas pelo senhor Ludovico Mateus, morador do povoado
de Santa Cruz (PA), ao comentar sobre os comunistas: “Aí só falava que era um pessoal
destruidor que vinha pra destruir o povo, nós lá que morava lá, entendeu? Primeiro eles
amansava e depois ia matar pra tomar as terras. O que eles falava era isso, entendeu?”87
A partir das narrativas dos moradores, podemos fazer o seguinte questionamento: a
propaganda anticomunista realizada pelos militares atingiu os objetivos esperados? Em sua
totalidade, a resposta é não. Isso porque observamos, segundo os depoimentos das pessoas, a
dificuldade inicial que os militares tiveram para enquadrar os chamados paulistas dentro das
imagens acima destacadas, pois a população os conhecia e não via neles essas características.
Daí, portanto, a surpresa dessa população quando os soldados chegavam em busca dos
comunistas, terroristas e subversivos que estavam na região para “destruir”, “matar”,
“roubar”, “escravizar” aquelas pessoas. Com o tempo e a partir das intimidações aos
moradores, os militares conseguiram dividir a população.
Ora, é oportuno ressaltar que, nos depoimentos dos moradores, não houve nenhuma
recorrência da imagem de comunista associada ao ateísmo. Imagem comum entre as pessoas
comuns, principalmente devido à influência do catolicismo ou do protestantismo. Para o
pensamento cristão (católico ou protestante), a filosofia comunista nega a existência de
Deus, propõe a luta de classes em oposição ao amor e à caridade cristã e pretende destruir a
instituição familiar. É importante lembrar a atuação da Igreja Católica nos anos de 1960,
mais especificamente da chamada ala conservadora, na “Marcha da Família com Deus pela
Liberdade”, nas principais capitais do país.88 Entretanto, no caso da região do Bico do
Papagaio, percebemos que essa prática do anticomunismo católico não foi tão forte.
Talvez essa propaganda tenha surtido efeito nas grandes áreas urbanas, mas entre a
população da região palco da guerrilha não foi algo determinante para suas representações

86
Entrevista com a senhora Maria Oneide Costa e Lima, concedida a este pesquisador em São Geraldo do
Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
87
Entrevista com o senhor Ludovico Mateus, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em 06/07/2007.
Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
88
A chamada Marcha da Família com Deus pela Liberdade teve o seu ápice em São Paulo no dia 19 de março
de 1964. Esta marcha pode ser caracterizada como um apoio da ala conservadora da Igreja Católica aos
grupos políticos que faziam oposição ao governo João Gulart (Jango) e ao “perigo” que, segundo esses
grupos, o país enfrentava. Para um estudo mais aprofundado da relação entre os setores conservadores do
Catolicismo e o Estado, ver ALVES, Márcio Moreira. A Igreja Católica e a política no Brasil. São Paulo:
Brasiliense, 1979.
70

acerca do comunismo. Uma outra hipótese que levantamos é a própria atuação da Igreja
Católica na região.89 Segundo as narrativas dos moradores, percebemos que na década de
1970 os religiosos desempenhavam um papel bastante expressivo na organização das
populações rurais do Bico do Papagaio, como, por exemplo, na organizações de sindicatos e
associações. Além disso, os religiosos denunciavam a prática da grilagem de terras e a
expulsão dos camponeses das mesmas. Alguns religiosos são inclusive caracterizados e
difamados pelos militares enquanto “comunistas de batinas”, como foi o caso do padre
Roberto de Valicourt (missionário francês) e da irmã Maria das Graças (de Goiânia), presos
e torturados por uma patrulha do Exército.90
Alguns moradores demonstraram um certo desconhecimento em relação ao assunto,
ou seja, afirmaram não saber o que seria comunismo. Suas justificativas para isso passavam
pelas condições da região do Bico do Papagaio, na época, lugar isolado de acesso bastante
difícil, com carência de meios de comunicação e de transporte, o que dificultava o acesso às
informações do que acontecia no resto do país. Essas dificuldades foram citadas na entrevista
com a senhora Neuza Rodrigues Lins:
Naquela época ninguém sabia o que era o PC do B, comunismo, essa coisa.
Ninguém tinha acesso a rádio, padre, televisão nem se fala, jornal até hoje não
existe aqui em São Geraldo. Em São Geraldo não existe uma banca de jornais, não
existe, então só pra ter noção do quanto que as coisas eram difíceis…91

O mesmo contexto foi enfatizado pelo senhor Horácio Maranhão, morador de


Xambioá. Em seu depoimento, lembrou-se das dificuldades enfrentadas pelos moradores da
região nos anos de 1960, as péssimas condições das estradas, o baixo nível de estudos da
população e a falta de informação dos moradores. Segundo ele, essas condições contribuíram
para o não-conhecimento da população acerca do comunismo. Nesse sentido, afirmou:
Aqui era um bucado de caboclo, ninguém sabia de nada, ninguém tinha cultura
pra nada. Eu te digo que sabia porque eu lia algum livro aqui aculá, muito pouco,

89
Sobre a atuação da Igreja Católica no Brasil e na região, há o estudo do pesquisador Scott Mainwaring, A
Igreja Católica e a política no Brasil (1916–1985), no qual o autor destaca o contexto do país na época e o
papel da Igreja Católica diante desse contexto. Além disso, discute os embates dentro do clero e da Igreja
(conservadores x progressistas). Especificamente para o caso da Igreja Católica no Amazonas, o autor
enfatiza o seu caráter progressista e, sobretudo, a atuação dos bispos Dom Estêvão Cardoso (Marabá – PA) e
Dom Pedro Casaldáliga (São Félix do Araguaia – MT). Ver, MAINWARING, Scott. A Igreja Católica e a
política no Brasil (1916–1985). Tradução de Heloisa Braz de Oliveira Prieto. São Paulo: Brasiliense, 1989.
p. 101-115.
90
Sobre as acusações ao padre Roberto de Valicourt e à irmã Maria das Graças, e as torturas por eles sofridas,
ver entrevista concedida pelo religioso em Marabá (PA) a CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha
do Araguaia: a esquerda em armas. Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 113-114.
91
Entrevista com a senhora Neuza Rodrigues Lins, concedida a este pesquisador em São Geraldo do Araguaia -
PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
71

não era muita coisa não, mas aqui eu não recebia revista, não recebia jornal, não
tinha televisão. Como era que a gente sabia disso?92

Dessa forma, segundo as lembranças dos moradores do Bico do Papagaio, as


informações aconteciam a partir do dia-a-dia no contato com os vizinhos, amigos, na igreja
através do sermão do padre e por meio do rádio que na época era privilégio de alguns. As
informações também eram repassadas pelos próprios paulistas. Vários moradores,
especialmente as pessoas que moravam no campo, freqüentavam a casa desses para
socializar a vida e receber alguma orientação. Foi dessa forma que o senhor Davi Rodrigues
de Souza destacou o relacionamento dos moradores da região com os paulistas:
A convivência é que às vezes a gente ia pra lá mesmo só pra conversar, pra tomar
uma orientação, porque a gente lá dentro daquele mato a gente já não era estudado
mais, a gente tinha que saber que tinha que saber das coisas … nem todo dia, mais
muitos dia como eu ia … Eu viajava pra Araguanã, aí chegava lá, aí eu assentava,
ia beber café, outra hora almoçava e conversar mais eles.93

Assim, percebemos que as imagens sobre comunismo entre os moradores do Bico do


Papagaio se apresentam de forma múltipla. As representações muitas vezes foram
influenciadas pela visão dos militares, em outros casos foram imagens elaboradas através de
uma tradição anticomunista mais antiga na história de nosso país, e noutros, porém, há um
completo desconhecimento sobre o tema. Portanto, nas representações do comunismo pela
população da região estão presentes imagens que o identifica como: estrangeiro, violento,
escravizador das pessoas, opositor do governo, gente que desejava invadir o país e acabar
com a família e a propriedade, dentre outras. Imagens estas elaboradas a partir da década de
1920 e ainda presentes na memória dessa população.

***

92
Entrevista com o senhor Horácio Maranhão, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
04/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
93
Entrevista com o senhor Davi Rodrigues de Souza, conhecido como “Davi dos Perdidos”, concedida a este
pesquisador em São Geraldo do Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo
Pessoal.
72

Capítulo III

Medo de quê? Silêncio por quê?

3.1 O medo e o silêncio no contexto da Guerrilha do Araguaia

Resolvemos trabalhar com a temática do medo, porque ela é recorrente nas narrativas
dos moradores do Bico do Papagaio quando falam sobre a Guerrilha do Araguaia,
especificamente a partir da presença dos militares na região (abril de 1972 a janeiro de
1975). Além disso, os trabalhos produzidos sobre a Guerrilha do Araguaia tratam essa
problemática de forma superficial. Autores como Gilvane Felipe, Romualdo Pessoa Campos
Filho, Deusdedith Alves Rocha Júnior e Hugo Studart, como já destacamos anteriormente, se
preocuparam mais em enfatizar os aspectos políticos, sociais e militares, deixando para um
segundo plano a questão do medo. Essa problemática aparece nessas obras, geralmente,
como um complemento.94
Uma pesquisa que, de certa forma, trouxe essa problemática para o debate foi a
realizada por Dácia Ibiapina da Silva.95 Embora o seu trabalho não seja de história, em sua
tese de doutorado, a autora destacou o silêncio e o medo nos relatos dos moradores de
Palestina (PA), a partir do conceito de “gestão do indizível”, do sociólogo austríaco Michael
Pollack. Contudo a ênfase maior da autora recai sobre a problemática do silêncio. Nesse
sentido, afirma:
Quem passou por experiências traumáticas e as considera difíceis de comunicar,
“indizíveis” mesmo, não esquece, e necessita encontrar formas e estratégias para
seguir vivendo, com elas e apesar delas. É isso que ele denomina de “gestão do
indizível!” (SILVA, 2002: 88).

Diante dessa escassa produção sobre a temática, e a mesma sendo recorrente em


nossas entrevistas, nasceram algumas perguntas: Medo de quê? Qual o principal motivo que
levou os moradores do Bico do Papagaio a terem medo de falar sobre o tema? Por que o

94
FELIPE, Gilvane. A Guerrilha do Araguaia (Brasil: 1966–1975). Tese de doutorado apresentada ao Institut
des Hautes Études de I`Amérique Latine (IHEAL). Université de la Sorbonne Nouvelle (Paris III), 1993.
CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas. Goiânia: Editora da
UFG, 1997. ROCHA JÚNIOR, Deusdedith Alves. A Guerrilha do Araguaia (1972– 1974). Dissertação de
mestrado apresentada ao Programa de Pós – Graduação em História. Brasília: Universidade de Brasília, 1995,
158 p. STUDART, Hugo. A lei da selva. Estratégias, imaginário e discurso dos militares sobre a Guerrilha
do Araguaia. São Paulo: Geração Editorial, 2006.
95
SILVA, Dácia Ibiapina da. Memórias da Guerrilha do Araguaia: relatos de moradores de Palestina do
Pará. Tese de doutorado. UFRRJ/CPDA, 2002.
73

silêncio/medo da memória sobre a guerra? Dentro de uma perspectiva histórica, como


defini-lo? Segundo Delumeau, embora múltiplo, o medo pode ser assim conceituado: “O
medo é aqui o hábito que se tem, em um grupo humano, de temer tal ou tal ameaça (real ou
imaginária)” (DELUMEAU, 1989: 24). Partindo desse pressuposto, talvez o mesmo tenha
surgido devido ao contexto do momento da guerrilha, pois a região do Bico do Papagaio foi,
durante toda a fase da guerra (1972–1975), constantemente vigiada pelas Forças Armadas.
Além disso, mesmo depois do final do conflito, houve uma intensa fiscalização aos
moradores. Ora, não podemos deixar de levar em consideração as táticas utilizadas pelos
soldados do Exército para conseguir da população local, a localização dos chamados
guerrilheiros. Na nossa visão, dentro do contexto da Guerrilha do Araguaia, o medo e o
silêncio são inseparáveis. A existência do medo contribuiu para a população silenciar
durante muitos anos sobre aquela experiência, ou seja, o silêncio dos moradores foi reflexo
do medo. Ao se referir ao panorama da região à época da guerrilha, a senhora Maria de
Fátima Costa e Silva destacou que, apesar de tantos anos, a guerrilha ainda é um assunto
difícil de ser narrado por algumas pessoas. Nesse sentido, afirmou:
Muito tensa, com muito medo. O regime colocava esse medo nas pessoas. Então
até hoje tem pessoas que tem medo. Eu conheço pessoas que tem medo de falar
sobre assunto ainda apesar de tantos de anos é um assunto comum. Mas muita
gente ainda tem medo porque naquela época a pressão era grande. Se uma pessoa
desse apoio a um guerrilheiro ele era punido de imediato com castigos severos.96

Segundo Romualdo Pessoa Campos Filho, a presença do medo na região fez parte do
cotidiano da população até meados da década de 1980. Partindo do depoimento do ex-
missionário francês da ordem dos Oblatas, Emmanuel Wambergue (Mano) disse:
Olha, até prova em contrário, no período até 80/82, a gente poderia dizer que o
que sobrou foi um grande medo (...) A partir dos anos 80 começou a se saber
melhor da história da guerrilha, por que que eles estavam aqui, o que eles
queriam, e também a influência que teve aqui, a partir dos anos 80, do PC do B. O
PC do B ficou conhecido pelo povo, pelo menos pelas lideranças. Então tem, hoje,
eu digo só hoje, um certo interesse em conhecer, por parte das lideranças, o que é
que aconteceu naquele tempo. Lideranças, por exemplo, do movimento sindical,
um outro político (...) de saber por que é que aconteceu tudo isso. Mas isso aqui é
extremamente recente. Antes o que sobrou foi um grande medo, e até hoje
provavelmente vocês vão encontrar gente que não vão falar, até hoje. Porque
a lembrança que se tem, da guerrilha, da repressão, do que aconteceu da guerrilha
mesmo (CAMPOS FILHO, 1997: 174). (Grifos nossos).

Assim, dentro do contexto da Guerrilha do Araguaia, o silêncio pode ser interpretado


como uma maneira de a população local se defender das constantes ameaças feitas pelas

96
Entrevista com a senhora Maria de Fátima Costa e Silva, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis –
TO, em 21/01/2006. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
74

Forças Armadas. O silêncio, na nossa interpretação, foi uma tática utilizada pelos moradores
para resistir à pressão de denunciar os guerrilheiros e contribuir com o Exército.
E o medo? Além ser uma defesa biológica do organismo humano, o medo é também
uma construção cultural, pois somos educados desde criança a temer algo. Dentro do
contexto da Guerrilha do Araguaia, o medo foi um recurso utilizado pelas Forças Armadas
para isolar a população dos guerrilheiros. Para isso, os militares instituíram na região
práticas como ameaças de tortura, fiscalizações, invasão às propriedades e expulsão dos
camponeses das mesmas e exibição dos corpos dos guerrilheiros mortos.
Assim, diante dessa realidade, é necessário diferenciar o medo de covardia. Se
houvesse uma sinonímia, poderíamos interpretar o medo sentido pela população do Araguaia
como um ato de covardia, de não-envolvimento dos moradores com a causa dos militantes
do PC do B, ou seja, como uma simples indiferença. Entretanto, essa prática não aconteceu.
O medo foi resultado da própria insegurança que o contexto do momento exigiu, e a
população foi levada a essa prática. Pois como afirma Delumeau: “A necessidade de
segurança é portanto fundamental; ela está na base da afetividade e da moral humanas. A
insegurança é símbolo de morte e a segurança símbolo de vida” (1996: 19).
Podemos perceber o medo estabelecido na região do Bico do Papagaio, através das
estratégias utilizadas pelas Forças Armadas, no sentido de marcar a vida da população local.
Assim, o medo pode ser percebido e/ou materializado a partir de três estratégias: as formas
de os militares perseguir e matar os guerrilheiros, os métodos utilizados por eles para
perseguir e torturar os moradores locais e o teatro do terror. Além disso, percebemos a ação
dos guerrilheiros no sentido de intimidar os soldados do Exército, levando aos mesmos o
pânico e a insegurança, o que denominamos de contrateatro.

3.2 As estratégias utilizadas pelos militares para perseguir e matar os guerrilheiros

O medo imposto à população local pode ser observado a partir do momento em que o
Exército e a Aeronáutica iniciaram a caçada aos terroristas e subversivos, em abril de 1972.
Entretanto uma pergunta se faz necessária, quando nos referimos à chegada das Forças
Armadas à região: Como o movimento teria sido descoberto? Vimos que, desde 1966, havia
a presença de militantes do PC do B na área convivendo com a população local e
participando de suas atividades cotidianas. Para explicar a descoberta do movimento, temos
várias versões. Os membros do PC do B debateram durante muitos anos, mas a polêmica
esteve presente na memória deles até a atualidade. Dessa forma, segundo a versão do PC do
75

B, o movimento teria sido descoberto pela delação. Ou seja, teria havido um “traidor”. A
partir do Relatório de Ângelo Arroyo, as suspeitas recaem sobre o ex-guerrilheiro Pedro
Albuquerque Neto (Pedro), que abandonou o movimento junto com sua mulher, Tereza
Cristina, em agosto de 1971. Os dois seguiram para Fortaleza, e Pedro Albuquerque foi
preso por se encontrar sem carteira de identidade (POMAR, 1980: 249).
Além dessa versão dada por Arroyo, o próprio PC do B, ou melhor, a ex-guerrilheira
Elza Monnerat, a partir dos anos de 1980 passou a apontar outra guerrilheira como sendo a
“traidora” do movimento, Lúcia Regina de Souza Martins (Regina). Casada com Lúcio Petit,
os comandantes a teriam obrigado a praticar aborto, pois, naquele contexto, as regras da
guerrilha não permitiam gravidez. Doente e correndo risco de morte, Lúcia Regina foi levada
por Elza Monnerat até um hospital em Anápolis (GO) e, de lá, teria fugido para São Paulo,
indo encontrar-se com a família. Por essas razões, durante muitos anos, o PC do B ora
acusava Pedro Albuquerque Neto, ora acusava Lúcia Regina por delação do movimento.
E, para os militares, quem teria sido o responsável pela sua chegada aos
guerrilheiros? Segundo o estudo realizado pelo historiador Hugo Studart, os militares
descobriram o movimento a partir do cruzamento de informações de ambos os guerrilheiros.
Assim, inicialmente, os militares souberam da existência do movimento do Araguaia, através
de Lúcia Regina. No encontro com os pais, ela teria contado sobre a guerrilha. Voltando para
São Paulo, emocionalmente fragilizada, revoltada e sentindo-se culpada pelo aborto, ela
acabou falando tudo o que sabia. Foi o seu pai quem teria procurado os militares para relatar
o que Lúcia lhe havia contado. Para Hugo Studart, os militares não deram muita atenção às
revelações de Lúcia Regina. Só a partir do final de março de 1972, com a chegada ao CIE
(Centro de Informações do Exército) e o depoimento de Pedro Albuquerque é que a guerrilha
teria sido descoberta (2006: 94).
As Forças Armadas, sabendo da existência de um movimento guerrilheiro na região
do Bico do Papagaio, iniciaram, em 25 de março de 1972, as primeiras operações em busca
de informações sobre os guerrilheiros, porém não se tinha a idéia da dimensão do
movimento. Com a presença do Exército na região, os militantes do PC do B passaram a
mudar sua estratégia que, inicialmente, estava centrada na conquista da população local.
Portanto, tiveram que, repentinamente, entrar na mata e adotar novas táticas de segurança.
Enquanto isso, a população não entendia o que estava acontecendo. Por que afinal, aquelas
pessoas boas que faziam parte do seu cotidiano e em muito lhes ajudavam fugiram para a
mata? Por que a presença de inúmeros soldados do Exército à procura de tais pessoas?
76

Nesse sentido, a partir de suas lembranças, afirmou seu Raimundo Santos da Rocha (Dêga),
morador de Xambioá e barqueiro na época:
Então quando houve essa perseguição do Exército matando ele aí o pessoal ficou
revoltado sem saber por que matavam um povo bom daqueles, porque que
matavam? Ninguém sabia porquê. Agora aqui nois não sabia o motivo porque
pegavam esse povo, ninguém sabia. Achava que era um povo muito bom … eu
pra mim era um pessoal bom demais, muito bom. Os que eu conheci era gente
muito fina.97

Durante a realização das três campanhas militares pelas Forças Armadas, nas quais os
guerrilheiros foram caçados, alguns presos, outros torturados e mortos, várias estratégias
foram usadas. Nesse período de guerra, as estratégias utilizadas pelos militares para caçar,
prender, torturar e matar os membros do PC do B também foram praticadas com o intuito de
levar o terror e o medo à população local. Nesse sentido, essas estratégias vão desde a
propaganda visando difamar os guerrilheiros, até a exposição pública dos corpos e cabeças
dos mesmos. São estas táticas usadas pelas Forças Armadas que iremos discutir ao longo
deste capítulo.
Em depoimento ao pesquisador Romualdo Pessoa, o militante do PC do B e lavrador
aposentado Amaro Lins se referiu à propaganda feita pelas Forças Armadas em relação aos
guerrilheiros:
O Exército chegava com aquela história, maltratando todo mundo, mas o pessoal
passaram... alguém, inclusive passou a não acreditar na gente e acreditar no
Exército, na mentira que eles falavam. Chamavam a gente de terroristas,
arrombador de bancos, assaltantes, e tudo isso diziam para o povo (CAMPOS
FILHO, 1997: 117).

Há alguns guerrilheiros que durante a Guerrilha do Araguaia tornaram-se, na nossa


interpretação, emblemáticos. As referências a estas pessoas são recorrentes na memória dos
guerrilheiros, na memória dos militares e também na dos moradores. Devido às constantes
referências aos mesmos, resolvemos descrever como foram capturados, mortos e
apresentados à população local. A maneira de tratar esses guerrilheiros revela uma das
estratégias do poder oficial visando levar o medo e o terror aos moradores da região. Dentre
os 69 guerrilheiros presentes no Araguaia, escolhemos a narrativa da execução de quatro:
João Carlos Haas Sobrinho (Juca), Lúcia Maria de Souza (Sônia), Arildo Valadão (Ari) e
Osvaldo Orlando da Costa (Osvaldão). Pelo trabalho desenvolvido e sua popularidade junto
aos camponeses, esses guerrilheiros são bem lembrados entre a população do Araguaia.

97
Entrevista com o senhor Raimundo Santos da Rocha, conhecido como Dêga, concedida a este pesquisador
em Xambioá – TO, em 01/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
77

João Carlos Haas Sobrinho (Juca) nasceu em São Leopoldo (RS), em 24 de maio de
1941. Filho de classe média, formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, onde iniciou sua participação política através do Centro Acadêmico de
Medicina, do qual foi presidente e, em seguida, da União Estadual dos Estudantes. A sua boa
formação acadêmica e forte liderança tornou Juca uma das figuras mais respeitadas no PC do
B. Durante a Guerrilha do Araguaia, João Carlos atuou junto à chamada Comissão Militar,
como responsável pelo setor de saúde. Conhecendo bem os problemas da região,
especializou-se em doenças típicas do lugar, como malária e leishmaniose. Morreu, segundo
informações dos militares, em 30 de setembro de 1972, durante a segunda campanha das
Forças Armadas. Antes de atuar no Araguaia, João Carlos Haas morou em Porto Franco
(MA), onde manteve um relacionamento bastante intenso com a população dessa cidade,
participando ativamente de sua vida social.98 Preocupado com as condições de saúde dessa
população, fundou um pequeno hospital para atendimento aos doentes. (Ver anexo B.2 –
fotografia do posto médico onde trabalhou o Dr. Juca em Porto Franco – MA).
A sua popularidade junto aos moradores reflete-se na forma como João Carlos foi
executado. A sua morte aconteceu no momento em que Juca tentava contato com o
Destacamento C. Assim relatou Ângelo Arroyo:
Em todas as casas de moradores havia soldados. Juca resolveu, porém, aproximar-
se de uma das casas para se orientar melhor. Viu que lá também havia tropa.
Retrocedeu e se juntou ao grupo. No momento em que iam saindo, Gil perguntou,
talvez um pouco alto, se poderia amarrar a botina. Imediatamente ouviu-se uma
rajada. Juca e Flávio caíram mortos (POMAR, 1980: 258).

Após sua morte, o seu corpo foi fotografado e exposto para a população de Xambioá.
Sua execução serviria de exemplo e também de tática para impor aos moradores da região o
medo, bastante recorrente durante a presença do Exército e ainda constante na memória dos
habitantes do Araguaia. Dona Joaquina Ferreira da Silva, moradora de Xambioá, declarou à
Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos ter visto o corpo do Dr. João Carlos Haas
Sobrinho (Juca) na delegacia daquela cidade embrulhado em um plástico preto. 99
Lúcia Maria de Souza (Sônia) nasceu em São Gonçalo (RJ), em 22 de junho de 1944.
Abandonou em 1971 a Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro para se dedicar à
Guerrilha do Araguaia, participando do Destacamento A (região de Brejo Grande), onde
atuou como parteira. Foi morta em combate100 numa operação comandada pelo major Lício

98
Ver Capítulo I de nossa dissertação. Sua chegada a Porto Franco aconteceu em 1967.
99
Relatório dos Mortos e Desaparecidos Políticos. Disponível em:
<http://www.desparecidospoliticos.org.br/araguaia/j_carlos.html> Acesso em: 26/05/2007.
100
Segundo documentação do Exército, Lúcia Maria de Souza (Sônia) foi morta em 24 de outubro de 1973.
78

Augusto Ribeiro e Sebastião Rodrigues de Moura (major Curió). Conhecida por sua
coragem, Sônia, antes de ser morta, teria ferido o major Lício no rosto e o capitão Sebastião
Moura no braço. Mesmo ferida, com cerca de 20 balas cravadas no corpo, a guerrilheira
ainda conseguiu arrastar-se até ser encontrada pelos militares. Interrogada sobre o seu nome,
teria respondido: “Guerrilheiro não tem nome, tem causa”. Seu corpo foi abandonado na
mata sem sepultura (STUDART, 2006: 369).
Partindo de suas lembranças, dona Margarida Ferreira Félix, moradora de São
Domingos do Araguaia (PA), narrou a morte de Sônia, por quem tinha grande simpatia:
Sônia foi emboscada e metralhada nas pernas e coxas. Quando lhe deram voz de
prisão e pediram para colocar as mãos na cabeça, ela levou a mão esquerda para
cima e a direita puxou o revólver 38, que efetuou dois disparos, um atingindo a
face do major Curió e outro o braço de um chamado dr. Ivan. Em seguida, ao
ouvir gemidos, sorriu e disse: “Uau, tem gente ferido aí...” Dominada, ainda
respondeu duas perguntas. Na primeira, ao perguntarem seu nome, teria afirmado:
“Guerrilheira não tem nome”, e na segunda, a razão de sua luta: “estou atrás da
liberdade e de um mundo melhor” (CAMPOS FILHO, 1997: 152).

Assim, percebemos que o discurso revolucionário da guerrilheira na hora da morte


ainda está bem presente na memória dos moradores da região. Além disso, sua morte passou
a ser bastante divulgada pelos militares, sobretudo o ato de os soldados terem deixado o seu
corpo sem sepultura. Essa estratégia, na nossa concepção, contribuiu para a difusão do clima
de terror e medo entre a população local. O poder oficial violava, assim, um costume
presente em nossa cultura ocidental helênica – o direito ao sepultamento. Tradição esta que
não foi garantida a nenhum dos guerrilheiros mortos em combate. Pois ainda hoje os
familiares lutam pelo direito de terem os seus mortos identificados e dignamente sepultados.
O nosso terceiro guerrilheiro, Arildo Aírton Valadão (Ari), nasceu em Itaici (ES), no
dia 28 de dezembro de 1948. Estudou Física na Universidade Federal do Rio de Janeiro,
onde foi presidente do Diretório Acadêmico do Instituto de Física. Casou-se com Áurea
Elisa Valadão pouco antes de mudar para o sudoeste do Pará, onde extraía dentes e fazia
pequenos tratamentos junto a população. Teria sido morto pelos militares em 26 de
novembro de 1973, sendo o primeiro guerrilheiro que teve a cabeça decepada por um
mateiro101 a serviço do Exército. No Relatório sobre a luta no Araguaia, Ângelo Arroyo
narrou a execução de Arildo Valadão (Ari):
No dia 24, quando voltavam de um contato com a massa, os companheiros Ari,
Raul e Jonas pararam próximo de uma grota. Ari e Raul se aproximaram da grota
para melhor se orientarem. Jonas ficou de guarda, perto das mochilas. Ouviu-se
um tiro e Ari caiu. Em seguida ouviram-se mais dois tiros. Raul correu. O
comando do Destacamento BC, que também ouvira os tiros, enviou quatro

101
Segundo os entrevistados, o mateiro era um morador da região que tinha um bom conhecimento da floresta.
79

companheiros para pesquisar o que teria havido. Logo adiante, esses


companheiros encontraram o corpo de Ari sem a cabeça (POMAR, 1980: 269).

Segundo a senhora Joana Almeida, esposa de Luís Vieira, camponês que se integrou
à guerrilha juntamente com dois filhos, a morte de Arildo Valadão (Ari), aconteceu da
seguinte maneira: “O Ari (Arildo Valadão) foi morto e quem cortou a cabeça dele foi um
guia... eles criavam uma equipe de guias, que se chamavam zebras, e eles foi quem faturaram
o Ari” (CAMPOS FILHO, 1997: 149). O que é importante observar, seja na versão de
Arroyo, seja na versão da moradora Joana Almeida, é a ênfase dada à estratégia de se cortar
a cabeça do guerrilheiro, pois Ari foi apenas o primeiro de vários outros militantes que
tiveram a cabeça cortada pelo Exército e/ou pelos chamados bate-paus.102
O senhor Antônio Alves de Souza foi alguém que experimentou de perto as formas
de intimidação do Exército para com os moradores da região, narrando como foi tratado
pelos militares quando esteve preso. Afirmou ter visto a cabeça de um dos guerrilheiros, a
qual lhe foi apresentada. No entanto não soube identificar de quem era:
Quando foi no outos dia tornaram chamar … me tornaram chamar … cheguei lá,
mim deram um bucado de choque, mim afogaram de novo outra vez, só uma vez
mim afogaram … mim deram um bucado de choque, choque eles mim deram
muito, mim bateram … quando chegou um cara num saco … dentro daquele saco
vi a cabeça de um companheiro lá, uma pessoa lá … . “– Deita bem aqui!” comigo
né? Aí eu mim deitei, tinha de deitar, ou deitar ou morria … como eles fazia com
muito … aí eu mim deitei, quando mim deitei aí ele …sacudiram … jogaram
aquele saco … caiu aquela cabeça perto de mim … “– Conhece esse daí?” Eu
disse: – Eu não conheço ninguém! Esse daí não. “– É teu companheiro rapaz! Teu
companheiro e tu não conhece?” Eu digo: – Não, companheiro meu não! “– Pois
é! Pois olhe, do jeitinho que esse foi você vai também, viu?”103 (Grifos nossos)

Segundo os militares, agir com tamanha violência era justificado como uma forma de
reação à violência inicial dos guerrilheiros (STUDART, 2006: 190). Essa tese dos militares e
do próprio Estado não justifica as arbitrariedades praticadas pelo mesmo. Houve uma
“guerra suja”, como alguns militares reconhecem, mas essa não pode ser concebida como
uma inevitabilidade histórica. Ela foi uma escolha desse Estado repressor, pois imaginamos
que havia outras formas de se enfrentar as práticas denominadas pelos militares como
“terroristas” e “guerrilheiras”, sem que houvesse esse radicalismo das Forças Armadas.
Assim, na nossa visão, o uso de tal tática demonstra, em primeiro lugar, um meio de levar à

102
Nome dado pelos moradores aos jagunços (capangas) da região. O dicionário Aurélio apresenta uma das
definições para “bate-pau”: o indivíduo armado e posto a serviço da polícia rural. Ver FERREIRA, Aurélio
Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição, Rio de Janeiro: Editora Nova
Fronteira, 1986. p. 240. No contexto da Guerrilha do Araguaia, era aquele indivíduo que andava armado à
frente da patrulha.
103
Entrevista com o senhor Antônio Alves de Souza, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
80

população o medo e o terror institucionalizado pelo próprio Estado. Em segundo lugar,


agindo com violência, a população seria intimidada a não se envolver com a causa dos
guerrilheiros.
Dentre os guerrilheiros que lutaram no Araguaia, Osvaldo Orlando da Costa
(Osvaldão) foi um dos que mais marcaram a população do Araguaia. Nasceu em Passa
Quatro (MG), em 27 de abril de 1938. Foi estudante da Escola Técnica Nacional do Rio de
Janeiro até entrar na clandestinidade, em 1964. Estudou até o terceiro ano de Engenharia de
Minas em Praga, na Tchecoslováquia. Negro de pele escura, com 1m98cm de altura, era
considerado pela população do Araguaia como uma pessoa de temperamento afável, bom
caráter e corajoso. Foi um dos primeiros militantes do PC do B a chegar à região, em fins de
1966, e um dos últimos guerrilheiros a serem abatidos, em abril de 1974, aos 36 anos.
Tornou-se uma pessoa respeitada e querida pela população e pelos companheiros. Devido à
fama que conquistou na região, a captura de Osvaldão representava para os militares um
verdadeiro troféu. Mata-lo significava muito mais que eliminar um perigo físico, material.
Tendo-se tornado mito, símbolo de ousadia, resistência e coragem revolucionárias, sua
existência representava uma ameaça à ação militar. Matar o guerrilheiro, portanto,
significaria desmobilizar os guerrilheiros que ainda resistiam à ação das Forças Armadas.
A senhora Joana Almeida, moradora de São Domingos do Araguaia (PA), em
depoimento a Romualdo Pessoa, assim caracteriza Osvaldão:
Ele tinha uma... um setor dele lá nas Abóboras, uma propriedade dele. Ele era um
pretão, alto, forte, o pé deste tamanho, mas você precisava ver a capacidade que
tinha aquele cara. Ele era educado demais. (...) Ele conhecia tudo (...) era um
mariscador de primeira. O Osvaldo (...) era conhecido a meu ver como a flor da
subversão. Porque se era subversivo, ele era considerado como a flor da
subversão. É, todo mundo [os militares] tinha medo, quando vinha de lá do Rio de
Janeiro, do ... lá do São Paulo, lá do Rio Grande do Sul, lá do Oiapoque, lá de
Macapá, de todos esses lugares, de Manaus, já vinham sabendo de Osvaldão, que
era ... era o elemento mais temido. E ele não era fácil não ... ele não era fácil
(1997: 81).

Osvaldo Orlando da Costa (Osvaldão) foi morto pelo mateiro Arlindo Vieira (Piauí),
na região de São Geraldo (PA). Após uma longa caçada pela mata, num clima úmido e
quente da Floreta Amazônica, Arlindo Piauí e uma equipe de cinco militares finalmente
localizaram o guerrilheiro que havia se tornado o mito entre os moradores do Araguaia. A
partir das pegadas de sua sandália de borracha feita com pneu, os militares tinham certeza de
que estavam no caminho certo. Enquanto abria os braços para afastar o capim, foi
surpreendido pelo tiro da espingarda A-12 de Arlindo e, em seguida, já caído pelo tiro da
pistola 45 de um militar na cabeça. Sua morte foi comemorada pelos militares com tiros de
81

foguete. Além disso, o soldado Raimundo Pereira, em entrevista à revista Época, confessou:
''Naquele dia teve festa: fizeram churrasco no quartel em Marabá, com direito a cerveja para
todo o mundo'' (ÉPOCA, 03 de mar. de 2004).
Após mais de três décadas do final da guerrilha, uma pergunta ainda é constante entre
os pesquisadores no assunto. Quem teria dado ordens para executar os prisioneiros do
Araguaia? Há, assim, um grande silêncio por parte das Forças Armadas para responder a este
questionamento. Num estudo recente sobre a Guerrilha do Araguaia, o historiador e
jornalista Hugo Studart104 buscou respostas na versão dos próprios militares para esta
pergunta. Segundo Studart, os militares afirmam que sempre as ordens eram orais, dadas por
um chefe no pé do ouvido a um subordinado de confiança (2006: 267).
Em entrevista concedida a Studart, um militar (não quis se identificar) que atuou em
uma das equipes de operações especiais no Araguaia disse:
Nós não tínhamos a menor idéia de onde vinham as ordens. Ninguém perguntava.
Mas o que a gente sabia é que a ordem era a de não fazer prisioneiros. Certa vez
me explicaram que a existência da guerrilha no Araguaia não poderia vazar em
hipótese alguma. Havia o risco da Amazônia ser declarada zona independente pela
China e por outros países comunistas. Por isso os guerrilheiros não podiam
retornar para contar a história (2006: 267).

O depoimento do militar é importante porque, além de indicar de onde procediam as


ordens, também nos alerta para o próprio contexto do período, isto é, a luta contra o
comunismo e as tentativas de representá-lo de uma forma negativa para a população.105
Assim, a Guerrilha do Araguaia está inserida dentro de um contexto internacional de
combate ao comunismo, segundo o discurso dos militares. Por isso, justificavam-se também
as estratégias violentas utilizadas para caçar e exterminar os militantes do PC do B, e as
táticas para levar aos moradores locais o clima de tensão e terror.
Dessa forma, concordamos com os pressupostos de Roger Chartier, quando afirma
que as lutas de representação têm tanta importância quanto as lutas econômicas para se
compreender os mecanismos pelos quais um grupo impõe a sua concepção do mundo social,
os seus valores e o seu domínio (1990: 17). Assim, os acontecimentos ocorridos durante a
Guerrilha do Araguaia estavam inseridos em um sistema de representações e valores da
sociedade brasileira das décadas de 1960 e 1970 que demonstram a polarização do
maniqueísmo: marxismo versus anticomunismo.

104
Ver STUDART, Hugo. Op.cit.
105
Conforme discutimos no capítulo II de nossa dissertação.
82

As ordens para matar os comunistas tornaram-se ainda mais difíceis de serem


localizadas devido à falta de documentação escrita sobre a guerrilha. Membros das Forças
Armadas chegaram a denunciar a existência de uma operação montada com o objetivo de
não deixar vestígios do conflito – “operação limpeza”. Nessa operação, segundo os militares,
teriam sido queimados todos os documentos relacionados à guerra e também os corpos dos
guerrilheiros.106 Nesse sentido, afirma o coronel Pedro Corrêa Cabral:
Do dia 20 ao dia 31, o pessoal da segunda seção vai realizar o que denominamos
´Operação Limpeza`. Esta operação tem por objetivo, literalmente, limpar a área
para evitar que a imprensa, que é muito abelhuda, venha bisbilhotar depois que
formos embora e descubra corpos enterrados por aí (CABRAL, 1993: 243).

Vemos, portanto, a tentativa do Estado em silenciar a história, quando não permite o


acesso à documentação oficial sobre a guerrilha. Nesses documentos, poderiam constar,
dentre outras coisas, a localização dos corpos dos guerrilheiros. Entretanto, para o poder
oficial, essa história deve ser esquecida. A Guerrilha do Araguaia, nessa perspectiva, não
passou de uma tentativa frustrada do comunismo tomar o poder, e assim, é uma página que
não deve ser lembrada. Com o medo imposto aos moradores da região, percebemos outra
forma de o poder oficial silenciar durante um bom tempo as suas memórias.
Segundo Studart, a ordem para queimar os documentos referentes à guerrilha teria
sido dada por Ernesto Geisel em fins de 1974, após o CIE (Centro de Informações do
Exército) ter detectado que não haveria mais nenhum guerrilheiro vivo na região (2006:
270).

3.3 As estratégias dos militares para impor medo à população

A segunda estratégia que as Forças Armadas utilizaram para levar o medo à


população da região foram as constantes perseguições aos moradores. Num clima em que
todos eram tidos como suspeitos, o medo fazia parte do dia-a-dia das pessoas que moravam
no Bico do Papagaio. Durante a busca de informações sobre os guerrilheiros, muitos
moradores eram presos e torturados. Geralmente os locais para onde esses prisioneiros eram
levados ficavam em Marabá, Bacaba (Pará) e Xambioá (norte de Goiás, hoje Tocantins). Em
Xambioá, segundo depoimentos de alguns moradores, os prisioneiros eram jogados num
imenso buraco, cavado na base militar, com uma enorme grade jogada por cima (apelidado
de Vietnã), onde ficavam dezenas deles. Nus ou apenas de calção, os presos enfrentavam um

106
Segundo o coronel da Aeronáutica Pedro Corrêa Cabral, os corpos de vários guerrilheiros teriam sido
jogados e queimados na Serra das Andorinhas – PA (Veja, 13 de out. 1993: 16). Ver, no anexo B.4, a foto do
rio Araguaia e ao fundo a Serra das Andorinhas.
83

sol muito intenso e chuvas constantes, comuns na região. A água para beber era jogada
raramente e, a comida era servida poucas vezes. As necessidades fisiológicas eram feitas ali
mesmo, o que causava um cheiro insuportável. O senhor José Pereira da Silva (Zé Ernestino)
foi guia do Exército no período da guerrilha. Narrando sua vivência com os soldados e
explicando o porquê de sua atuação junto aos mesmos, disse:
Porque os outro pessoal que eles … por exemplo, o Sebastião Reinaldo que
morava lá em Xambioá e mudou pro São Geraldo, ele vendeu muita coisa pra
eles, munição, vendeu comida e tudo, e eles … o Exército foi lá e com ele lá, e ele
negou tudinho, mentiu. E teve um senhor Zé Novato também que era comprador
de pedra sabe, convivia com eles lá, com eles e aí mentiu, negou que não conhecia
ninguém e foi descoberto, esse povo bebeu água de camburão lá. Foi preso e
botaram dentro de um buraco de quatro metro de fundura com chapéu de arame, e
bebeu água de camburão, viu? Porque mentiu.107 (Grifos nossos)

Em entrevista concedida à revista Veja, o maranhense Alexandre Oliveira, guia do


Exército durante algumas campanhas militares, relatou:
Eu não fui guia. Fui é preso, mesmo. Me amarraram as mãos cruzadas com os pés,
passaram uma vara e me penduraram de cabeça para baixo. Volta e meia vinha
um e dava botinada nas costas. Depois chegava outro e dava duas bofetadas nos
ouvidos (VEJA, 6 de set. de 1978: 57-58).

A prática de investigar os moradores e principalmente torturar aqueles que tinham


um contato maior com os guerrilheiros e moravam próximos aos mesmos, foi constante
nessa época. Em vários depoimentos, encontramos referência a essa prática do Exército, a
que os moradores se referem com o uso da palavra judiar. Falando dessa experiência
traumática, o senhor Antônio Alves de Souza, morador das Abóboras, povoado próximo a
São Geraldo do Araguaia (PA), disse:
Quando foi no outro dia, o helicopo chegou, me pegaram jogaram dentro e
truxeram pra cá. Cheguei aqui quando eu bati na pista aqui foi mesmo que bater
na mão de um bucado de gavião. Me pegaram logo, me saíram arrastando por
cima de um bucado de toco com a corda amarrada no pescoço … por cima de um
bucado de toco … de toco, aí levaram e me amarraram num pé de palmeira lá …
um toco de palmeira. Em baixo no toco da palmeira tinha um monte de formiga de
fogo, eles assanharam aquelas formiga de fogo e foram amarraram … ali as
formigas invadiu meu corpo todinho, me morderam o tanto que quiseram, eu não
podia me mexer … Me morderam … de vez em quando eles chegava e batia, de
vez em quando chegava e batia com o facão … Nunca fiquei bom direito, me
bateram muito. Quando foi a partir das 5 horas da tarde me tiraram, levaram pro
… pra base … lá pra barraca. Ai me botaram aquele choque, botaram choque,

107
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal. A expressão “beber água
de camburão”, segundo seu Zé Ernestino, significa que a água dada aos prisioneiros ficava em tambores de
ferro geralmente expostos ao sol.
84

tiraram e me bateram muito com uns talo de coco … com uns talo de coco era só
pegando e … “– e ele não conta não, peraí que vai contar!” … me arrastaram
assim, tinha uns tambor de água, desses tambor de 200 litro, pegava e tocava a
cabeça pra baixo dentro daquele tambor. Quando tava já na hora de bater as botas,
eles tirava pra fora … tomava aquele foigo … “– Conta, covarde, o que é que tu
fazia pra os terrorista!” Eu não fazia nada. Nem eu fazia pra eles e nem eles fazia
pra mim também. Eles tocava a vida deles pra lá e eu tocava a minha lá pra minha
casa! “Não, ele não conta não!” Aí começaram a me judiar o resto do dia até umas
horas.108

A prática da tortura não aconteceu apenas com os moradores locais, ela também foi
utilizada com os religiosos que na época prestavam serviço naquela região do país. Padres e
freiras, além de vigiados, eram, em muitos casos, acusados de serem guerrilheiros ou estar
contribuindo com os mesmos. Por isso, o Exército utilizava a tortura para obter informações
desses religiosos e também provocar medo na população. Contando sua experiência como
soldado durante a guerrilha, o senhor Divino Martins dos Santos destacou essa estratégia:
Tivemos uma vez em Palestina e lá na época prenderam um padre, uma freira
simplesmente porque eles eram irlandês, né?, recebia cartas dos familiares escrita
em inglês, certo? E o pessoal achava que eles eram terroristas, então torturaram
demais esse padre, a freira, né? O padre porque ele falava português muito ruim e
ele era irlandês e recebia estas cartas em inglês, e a freira era brasileira, mais nas
aulas de catequese ela rodava músicas de Roberto Carlos, e o pessoal lá achava
que isso não era certo, coisas de Igreja e botar músicas de Roberto Carlos. E
quando ela ia banhar no rio, ela vestia maiô. Então o pessoal da comunidade: “ela
não é freira porque veste maiô … e num sei quê” … E como é que essa freira ia
banhar no rio se não fosse de maiô? Então torturaram demais, inclusive o tenente
determinou que eu torturasse a freira, não é? E ele tava torturando o padre e
mandou que eu torturasse a freira, e ela virou pra mim: “– Meu filho, não faz isso
comigo não, eu tô menstruada, o senhor quer vê?” Eu falei: – Não, não precisa a
senhora fica quietinha aí que ninguém vai te torturar. Eu não vou e não vou aceitar
ninguém te torturar não. E ele torturou muito o padre e depois eles embarcaram
eles lá, e eu não sei daí pra frente o que aconteceu não.109

É importante destacar que a Igreja Católica, nesse período, desempenhava um papel


social bastante forte na região. Era comum a crítica à injustiça social, à fome, à miséria e ao
analfabetismo, fazendo com que os religiosos fossem chamados de “padres comunistas”.
Dessa forma, o clima tenso instaurado pela presença do Exército (1972–1975)
contribuiu, em nossa visão, para a exacerbação do medo entre a população. Vivia-se uma
época em que as pessoas simples do Bico do Papagaio eram colocadas na linha de fogo, pois,
além das constantes fiscalizações (barreiras) nas estradas, havia, em muitas cidades, o toque
de recolher, durante o qual a população era proibida de sair às ruas a partir de determinada

108
Entrevista com o senhor Antônio Alves de Souza, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
109
Entrevista com o senhor Divino Martins dos Santos, conhecido como Martins, concedida a este pesquisador
em Xambioá – TO, em 06/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal. O padre citado no
depoimento do Sr. Divino Martins é o Pe. Roberto de Valicourt, e a freira era a Irmã Maria das Graças.
85

hora da noite e as mulheres não podiam andar sozinhas porque temiam ser atacadas pelos
soldados. Foi dessa maneira que o senhor Ivaldo Santos Carvalho, conhecido como
“Bacalhau”, lembrou o panorama de Xambioá na época da presença do Exército:
Ah, moço … aqui ficou … gente não podia sair de casa de noite, dava oito hora,
oito e meia tinha que recolher todo mundo. Pegaram essa bem aqui mesmo, minha
esposa que tava uma vez doente … eu trabalhava com eles, mais eu tava de folga
em casa eu, eu já tinha trabalhado com eles, já tinha saído, eu fui comprar um
remédio pra ela na farmácia bem ali no mercado, eu fui abordado por eles, toda
valencia que tava o capitão Izaias com eles fazendo rodízio, né? … é fazendo
ronda aí, foi que chegou, foi quem mim livrou, capitão Izaias.110

A vida simples, pacata e sossegada da população, na qual o tempo é quase estático,


nesse período, passava pela tensão e a turbulência de uma guerra que os moradores pouco
entendiam porque estava acontecendo. Algo bastante comum nas cidades da região,
especificamente em Xambioá, foi a propaganda contra os chamados terroristas. Cartazes
com fotos dos guerrilheiros eram fixados nos postes e paredes. O senhor Edson Costa,
barqueiro em Xambioá na época, disse:
O Exército quando chegou aqui eles partiram primeiro foi quando … colocando
umas fotografias nos par … nas portas aí … dizendo, dizendo que era procurado
aqueles elementos e tal … Então todo mundo foi olhando e com o retrato … esse
aqui eu conheço, esse aqui eu conheço, esse aqui eu conheço … vamos dizer eles
tavam até ontem aqui, né?, hoje o Exército chegou … e eles já tinham saído …
com o retrato correu a notícia logo. E todo mateiro que olhava na foto conhecia
eles, né? Então dizia – esse aqui eu conheço, fulano de tal, esse aqui eu conheço
também, é a Dina, esse aqui é o Paulo, esse aqui é o Daniel e assim foi falando …
. O Exército pegou e fez logo conhecimento com os mateiros e por aí por
intermédio dos mateiros conseguiram encontrar muitas coisas que eles estavam
querendo.111

A mesma informação também nos foi transmitida pelo senhor José Pereira da Silva
(Zé Ernestino): “Botaram retrato de todo … dos 69 nas prefeituras, coletorias, portas de
escola. Botaram no São Geraldo, botaram em Araguaína, em toda cidade aqui do Araguaia
toda tinha a fotografia dos 69 terroristas como eles botaram. Portas de mercado…” 112
Percebemos, assim, que o medo foi institucionalizado pelo Estado, pois as estratégias
usadas pelas Forças Armadas durante a guerrilha demonstram o objetivo central de provocar
a intimidação/insegurança na população local, para que não se envolvesse e/ou apoiasse o
projeto guerrilheiro. Assim, o próprio medo contribuiu para a instauração/imposição do
silêncio sobre a guerra.

110
Entrevista com o senhor Ivaldo Santos Carvalho, conhecido como Bacalhau, concedida a este pesquisador
em Xambioá - TO, em 03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
111
Entrevista com o senhor Edson Costa, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em 01/07/2007.
Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
112
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
86

No depoimento concedido ao pesquisador Romualdo Pessoa, o senhor Abdias Soares


Silva, narrando sua experiência como prisioneiro, destacou a forma como os militares
tratavam os moradores. Assim afirmou:
E aí eles similavam tanta coisa pra intimidar a gente, fazia que tavam matando
gente, com a porta fechada, batiam na porta, e faziam aquela loucura toda, a noite
inteira, não deixava ninguém dormir não, era uma zoada danada... era helicóptero
passando por cima, ficava meia hora em cima do prédio lá, só fazendo zoada,
aquela zoadona de helicóptero... E quando parava um pouquinho eles faziam
aquela zoada, e batiam na porta, faziam que tavam matando gente, gente gritando,
gente chorando... Perguntava se a gente conhecia o pessoal, a mim eles só
perguntavam isso. O que é que aquela pessoal queria, o que é que eles tavam
fazendo. Eu contava o que eu sabia, que eu ouvia falar, né? Não tinha.... não tinha
como contar muita coisa, como também o Pedro Borba... quando eles me
investigavam o Pedro Borba também, e quando nós passamos cinco dias... então
eles torturavam muita gente, a gente via mesmo que eles torturavam, a gente
percebia e o pessoal falava... (1997: 143).

Portanto, através da tortura psicológica, da humilhação dos moradores, de sua tortura


física113 e também da queima de suas roças, o Exército tentava conseguir informações sobre
os guerrilheiros. A partir de abril de 1973, depois de duas operações sem obter sucesso, as
Forças Armadas iniciam a chamada Operação Sucuri.114 Nessa fase, os “agentes disfarçados”
tinham a missão de coletar informações da população sobre os guerrilheiros. Agindo
disfarçados, os militares conseguiriam romper a resistência dos moradores em dar
informações sobre os guerrilheiros. Os 32 agentes do CIE (Centro de Informações do
Exército) foram enviados a diversos pontos do Araguaia. E, antes de seu desembarque,
foram treinados durante meses. O CIE chegou a comprar uma fazenda nas proximidades,
para que os seus agentes aprendessem a trabalhar com enxada, adquirissem calos nas mãos e
passassem a falar com o sotaque típico do lugar, visando fazer amizades com os moradores.
Alguns agentes chegaram a passar por posseiros, comerciantes, vendedores ambulantes,
funcionários do Ministério da Saúde e técnicos do INCRA (Instituto Nacional de
Colonização e Reforma Agrária). Foi nesse período que o medo se tornou mais intenso entre
os moradores. Em quem confiar? As vidas dos moradores eram constantemente vigiadas. Era
preciso localizar aqueles que estariam ajudando os comunistas. Com essa tática, o Exército
aumentava ainda mais o clima de desconfiança e medo na população local. Esses agentes

113
Sobre a existência da prática da tortura, o general Ernesto Geisel, em depoimento ao CPDOC, afirmou: “A
tortura em certos casos torna-se necessária, para obter confissões. (...) Não justifico a tortura, mas reconheço
que há circunstâncias em que o indivíduo é impelido a praticar a tortura, para obter determinadas confissões
e, assim, evitar um mal maior”. In: Maria Celina D`Araújo e Celso Castro. Ernesto Geisel. Rio de Janeiro:
FGV, 1997, p. 225.
114
O nome dessa operação faz analogia à cobra – sucuri – comum na região que engole suas presas. Ver.
GASPARI, Elio. A ditadura escancarada. As ilusões armadas. Companhia das Letras: São Paulo, SP, 2002.
p. 433.
87

foram inseridos após duas tentativas de investidas fracassadas. A partir desse momento, o
Exército entendia que as operações deveriam ser mantidas em silêncio. O próprio general
Médici declarou: “Era preciso esconder as operações para que elas tivessem sucesso”
(GASPARI, 2002: 435).
Ao final da Operação Sucuri, em 7 de outubro de 1973, o Exército realizou o
chamado dia D. A partir dessa data, foram presos cerca de 160 moradores que, segundo a
versão do Exército, estariam envolvidos com os guerrilheiros. Esses moradores foram,
portanto, apontados pelos agentes da Operação Sucuri como amigos dos guerrilheiros:
A primeira ação nessa 3ª Fase foi desencadeada no próprio dia 7 de outubro, com
a prisão de 160 moradores da região que funcionavam ou eram suspeitos de
funcionar como rede de apoio dos guerrilheiros. Essa ação teve como objetivo,
além de retirar o apoio da Guerrilha, deixar claro a essas pessoas de que lado
estavam a Lei e a Ordem. Na reeducação dessas pessoas teve que ser empregado
algum rigor, uma vez que o caboclo daquela região só conhecia uma lei: a lei do
mais forte. Mesmo porque não havia tempo de usar a psicologia. O Exército
queria fazer entender quem, a partir daquele momento, estava mandando. Após,
todos os detidos foram libertados e passaram a temer mais ao Exército do que aos
guerrilheiros (STUDART, 2006: 217-218).

Em depoimento à revista Veja, Antônio Venâncio de Jesus, antigo bate-pau da PM e


morador de São Geraldo (PA), contou como o Exército intimidava a população local,
especialmente nessa fase da guerra:
Quando o Exército voltou, pôs pra quebrar: pegou todo mundo e levou pra
Marabá, pra Araguaína, pra todo canto (…) Foi preso quem ajudava e quem não
ajudava terroristas (…) Até saber quem devia e quem não devia, todo mundo
sofreu, não é? (VEJA, 6 de set. de 1978: 56).

As constantes tentativas de intimidação à população demonstram o esforço dos


militares em conquistar/convencer os moradores a apoiar o governo no combate aos
guerrilheiros. Algo que, segundo nossos depoimentos, não foi conquistado, pois houve
resistência dos moradores a ajudarem as Forças Armadas, o que pode ser observado pelo
silêncio e/ou negação da população em conhecer os membros do PC do B.
Embora as Forças Armadas não tenham conquistado em sua totalidade a população
local contra os guerrilheiros, é importante ressaltar a existência de alguns guias entre os
militares, que eram moradores da região. Esses guias podem ser divididos em dois tipos:
aqueles moradores que, após serem presos e espancados sob torturas, acabavam sucumbindo
e tornavam-se guias ou informantes. Esse é o caso do camponês José Veloso. Outro tipo são
aqueles moradores que se aproveitavam da situação para ganhar dinheiro ou garantir sua
impunidade. Esses muitas vezes atuavam armados à frente das patrulhas e eram chamados de
88

bate-paus. Um exemplo desse tipo de guia foi Arlindo Vieira (Piauí), que matou o
guerrilheiro Osvaldo Orlando da Costa (Osvaldão).
Durante a terceira fase da guerra, as Forças Armadas passaram a oferecer
recompensas pela captura e execução dos guerrilheiros. Nesse momento, o papel
desempenhado pelos chamados bate-paus foi imprescindível, pois estes eram responsáveis
por procurá-los e matá-los. Os militares ofereciam a quantia de 5 mil cruzeiros por cada
guerrilheiro vivo e, para cada guerrilheiro morto, o valor de 10 mil cruzeiros. Em seguida foi
criada uma nova tabela de preços para os mortos em função do cargo que ocupavam no
movimento. Assim, guerrilheiros como Osvaldão, Dina e membros da Comissão Militar
(Maurício Grabois e Ângelo Arroyo) valeriam 10 mil cruzeiros cada. Já os comandantes e
subcomandantes de destacamento valeriam 5 mil cruzeiros (STUDART, 2006: 246).
Partindo do princípio de que o medo pode ser percebido de forma múltipla, vimos
que a presença marcante das Forças Armadas, o número excessivo de soldados, armas,
helicópteros e aviões incutiram em muitos moradores o medo de que os combates aos
guerrilheiros fossem estendidos a toda população da região, ou seja, a guerra na visão dos
moradores poderia ter um alcance bem maior – a existência de uma guerra civil. Nesse
contexto, afirma a senhora Creusa Castro de Aguiar, moradora de Nazaré, norte de Goiás,
hoje Tocantins, à época da guerrilha:
A gente ficava assim com medo é de ter guerra. O medo do pessoal, da
comunidade era medo de guerra. Que esse povo115 aparecesse lá, de repente
aparecesse o Exército, e aí todo mundo ia morrer, aí o negócio era esse. A
preocupação era essa. 116

Opinião semelhante nos foi dada pelo senhor Antônio Almeida dos Santos, lavrador e
morador de Tocantinópolis, ao se referir à guerrilha:
As poucas notícias da Guerrilha do Araguaia e aonde aqui perto tinha
acampamento, aqui próximo de Xambioá, nessa mata aqui próximo de Araguatins
– o acampamento do povo da mata,117 deixava todo mundo surperticioso,
apavorado, em outras palavras, com medo de uma represália a qualquer hora, e o
clima foi tenso. (...) O medo que uma brigada, que alguém pagasse custo … Era o
medo que a gente tinha. A gente tinha medo de que tivesse um confronto e quem
não deve ia pagar junto. Era o medo que a gente tinha na época.118 (Grifos
nossos)

115
Aqui a depoente se refere aos guerrilheiros.
116
Entrevista com a senhora Creusa Castro de Aguiar, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO,
em 24/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo pessoal.
117
Povo da mata – termo usado por alguns moradores para se referir aos guerrilheiros.
118
Entrevista com o senhor Antônio Almeida dos Santos, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis –
TO, em 16/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo pessoal.
89

O depoimento do senhor Antônio Almeida caracteriza bem o clima na região do Bico


do Papagaio durante a guerrilha, destacado como “supersticioso” “apavorado” e “tenso”.
Nesse contexto, as palavras do nosso depoente resumem a sensação de insegurança por parte
da população, ou seja, os moradores tinham medo de uma ação mais ofensiva por parte dos
militares, na qual todos acabassem sendo envolvidos: “e quem não deve ia pagar junto”.
Devido ao medo presente na população, muitos moradores denominam a fase da
guerrilha como uma “época de conversar pouco e de saber com quem conversar”, pois, no
período, qualquer indício de conhecimento ou contato com os guerrilheiros era interpretado
pelos militares como alguém ligado ao movimento. O medo de ser judiado fazia com que
muitos moradores não conversassem sobre o assunto na época. Foi assim que se referiu o
senhor João de Deus Nazaro de Abreu:
É pra algumas pessoas eu tive, assim porque naquela época a gente tinha que
conversar pouco e saber com quem conversar, porque se não a gente ia ser
alguma coisa … Se a gente conversasse sobre o movimento do pessoal do
Exército, dos policial, né?, as vezes a gente ia ser judiado, às vezes alguma
palavra que a gente dizia eles pensava que a gente era também do lado do pessoal,
né?, da guerrilha, né?119

Observação semelhante fez o senhor Edézio Gomes, quando lembrou do clima de


medo instaurado na região com a presença dos militares: “Naquele tempo a gente tinha
medo, claro que tinha. Hoje eu não tenho medo mais não, eu conto o que eu sei, o que eu vi.
Mas naquele tempo quem era doido pra falar alguma coisa moço, você tá maluco?! Falava
não, falava mais era cochichando assim caladinho ali, mas pra falar, não, pera aí”.120

3.4 O Teatro do terror e o contrateatro

Outra forma de causar medo à população se dava através do que denominamos do


121
“teatro do terror” , pois a punição aos guerrilheiros não acontecia apenas no ato da
execução, mas estendia-se na mutilação pós-morte e na apresentação dos corpos aos
moradores locais. Essa prática é bastante enfatizada pelos moradores locais que
presenciaram várias cenas de corpos de guerrilheiros sendo apresentados como troféus nos

119
Entrevista com o senhor João de Deus Nazaro de Abreu, concedida a este pesquisador em São Geraldo do
Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
120
Entrevista com o senhor Edézio Gomes da Silva, concedida a este pesquisador em São Geraldo do Araguaia
– PA, em 07/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
121
Conceito utilizado por E. P. Thompson para explicar a forma como na Inglaterra do século XVIII punia os
transgressores. Ver THOMPSON, E. P. Folclore, Antropologia e História Social. In: Peculiaridade dos
ingleses e outros ensaios. Org. Antônio Luigi Negro e Sergio Silva. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2001. p.
242.
90

helicópteros.122 Além disso, muitos tiveram a cabeça cortada, o corpo perfurado por muitas
balas, e outros foram fotografados após a execução pelos militares. Um caso bastante citado
pelos moradores se refere à execução de Osvaldo Orlando da Costa, o Osvaldão, um negro
de aproximadamente dois metros de altura. Entretanto a morte por si não bastava, era preciso
apresentar o corpo do capitão sem vida à população. Para isso, utilizaram um helicóptero e
passaram pelas principais cidades da região com o corpo de Osvaldão pendurado a uma
corda, como um prêmio, símbolo da vitória das Forças Armadas sobre os terroristas e
comunistas. Porém, mais do que a vitória, a exibição do seu corpo reflete o que E. P.
Thompson denominou de teatro do terror. Através dele, a população local sentia-se
amedrontada e sem ter a quem recorrer. Dessa forma, as constantes cenas de guerrilheiros
mortos e expostos à população marcaram a vida de quem presenciou a guerrilha. Marcas
muitas vezes traduzidas pelo medo falar da guerra e pelo silêncio em relação ao assunto.
A lógica, portanto, era mostrar à população local o que acontecia com os terroristas,
para que ninguém ousasse apoiar suas idéias. Nesse sentido, narra a senhora Creusa Castro
de Aguiar:
Passava também muito avião aqui, era avião direto. Até que um certo dia passou
tipo assim uma rede assim pendurado, né?… e o povo disseram que era uma
pessoa que ia pendurado. Disseram que era um Geraldão. Aí disse que a polícia
tinha matado essa pessoa e que estava levando não sei se prá Brasília ou São
Paulo, né?… nesse avião.123

Além desse depoimento, que demonstra o teatro do terror instituído pelas Forças
Armadas durante a guerrilha, há uma entrevista do senhor João Bosco Lopes da Silva,
morador de Xambioá à época da guerra, ao Jornal do Tocantins, na qual afirma:
Eu vi o “Joca” – João Haas – morto num carro, exposto para todo mundo ver. Ele
estava tão perfurado de balas que não dava para reconhecer. Tinha perto de uns
500 tiros no corpo dele. Fizeram questão de mostrar ao povo e para que alguém
reconhecesse o corpo.124

Com essa prática, as Forças Armadas intimidavam e causavam pânico entre os


moradores do Bico do Papagaio, instituindo um verdadeiro clima de terror. O medo tornou-
se algo freqüente entre os moradores, deixou de ser uma simples defesa e tornou-se
síndrome, marcou o psicológico de boa parte da população da região, causando bloqueio e
silêncio sobre essa experiência que marcou a história de nosso país. Referindo-se a essas

122
Isto é, nº. 1697, 05 de abr. de 2002.
123
Entrevista com a senhora Creusa Castro de Aguiar, concedida a este pesquisador em Tocantinópolis – TO,
em 24/06/2005. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo pessoal. O “Geraldão” a qual a nossa
depoente fala, é na verdade o Osvaldão. Um dos chefes dos destacamentos da guerrilha.
124
Jornal do Tocantins, 21 e 22 de abril de 2000. Xambioá convive com espectro da Guerrilha. Grifos nossos.
91

características do medo, as quais citamos acima, o historiador francês Jean Delumeau


afirmou:
O medo é ambíguo. Inerente à nossa natureza, é uma defesa essencial, uma
garantia contra os perigos, um reflexo indispensável que permite ao organismo
escapar provisoriamente à morte. Mas se ultrapassa uma dose suportável, ele se
torna patológico e cria bloqueios (1989: 19).

Percebemos, portanto, que a experiência de medo vivenciada durante a guerra


marcou profundamente boa parte dos moradores do Bico do Papagaio. Tendo suas vidas
vigiadas e constantemente ameaçadas pelo poder oficial, não restou outra saída – a opção
pelo silêncio, ou seja, não falar sobre a guerra. Recordá-la leva a lembranças que muitos
desejam esquecer, ou mesmo apagar de suas memórias. Esse é o desafio encontrado em
nossas entrevistas – quebrar o silêncio e fazer falar. Muitos moradores ficam desconfiados ao
tocarmos no assunto. Na nossa visão, isso se explica porque após a guerra, as Forças
Armadas continuaram presentes na região. Os moradores continuaram sendo
fiscalizados/vigiados e, de certa forma, essa vigilância marcou a vida dessas pessoas. Muitos
tentaram esconder a amizade conquistada pelos guerrilheiros, a simpatia e o respeito que
sentiam por eles. Ao narrar sua experiência de trabalho, como enfermeira, junto ao Dr. João
Carlos Haas Sobrinho, em Porto Franco (MA), afirmou a senhora Djacy Santos Miranda:

Ave Maria … de mais. Olhe, ele tinha tanta roupa… ele saiu, só levou três mudas
de roupa e par de sapato e um chinelo. Tudo ele deixou comigo, deixou aqui… “–
Não se um dia eu voltar eu pego, se não tu dá pra alguém que precisa ai”. Aí sabe
o que é que eu fiz? Chegou aquele clima todo, pegando aquele pessoal que era
comunista … Ah!… ele ficou sabendo por isso que a Polícia Federal perguntava
muito aqui na cidade por ele, né? Que ele aí foi eles quem contaram que ele era.
Aí eu com medo de chegarem até a mim, eu tá com as coisas dele, eu peguei e
enterrei tudinho as coisas dele, dei, desfiz das coisas …. Enterrei tudo. As
roupas desfiz de tudo… dei logo … pra não ficar com nada … se eles
chegassem aqui, que se não eles iam achar que ela é também da mesma linha! Não
é? Ela compartilhava da guerrilha. E aí eu fiquei com medo e dei as fotografias
dele tudo. Aí a polícia andou muito investigando aqui a vida dele. Nunca
chegaram até a mim não.125 (Grifos nossos)

Dessa forma, o medo e a insegurança eram algo freqüente entre os moradores do


Bico do Papagaio. O medo de ser chamado de comunista, terrorista e subversivo, como a
propaganda oficial destacava, fazia com que as pessoas simples, como é o caso de nossa
depoente, tentassem esconder o seu relacionamento com os membros da guerrilha. Assim, a
propaganda anticomunista tornou-se parte do dia-a-dia dos lavradores, garimpeiros,
camponeses, quebradores de coco, comerciantes, barqueiros, enfermeiras da região. Na

125
Entrevista com a senhora Djacy Santos Miranda, concedida a este pesquisador em Porto Franco – MA, em
31/01/2006. Gravação em fita microcassete e transcrita. Arquivo Pessoal.
92

maioria das cidades, cartazes com as fotografias dos membros do PC do B eram expostos,
classificando-os de terroristas, arrombadores de bancos, assaltantes, dentre outros. Portanto,
havia uma preocupação em se criar uma imagem assustadora dos militantes do PC do B que,
na nossa visão, também contribuiu para o medo/silêncio das pessoas em falar sobre o
assunto.
O medo, embora seja um fenômeno geral presente em várias sociedades ao longo do
tempo, também apresenta um caráter particular. Mesmo sendo analisado como uma defesa
essencial e como uma garantia contra os perigos, ele é percebido pelos sujeitos históricos de
forma singular. No caso da Guerrilha do Araguaia, o medo pode ser observado também
como uma maneira de os moradores locais sobreviverem numa área de conflito. Nesse
sentido, o mesmo foi concretizado nas diversas ações que a população praticou diante das
fiscalizações, ameaças, torturas, perseguições e vigilâncias impostas pelas Forças Armadas.
Essas ações, na nossa concepção, foram: a negação de conhecer algum guerrilheiro, o
silêncio sobre o assunto, e, em muitos casos, o não-apoio às Forças Armadas nas operações
de caça aos militantes do PC do B. Entendemos, portanto, que o medo presente na população
do Bico do Papagaio aconteceu dentro de um contexto específico pelo qual o nosso país
passava – época de censura, perseguição, repressão e tortura a todos que fossem contrários
aos militares. Dessa maneira, não é nosso objetivo generalizá-lo, mas discuti-lo dentro da
experiência dos moradores dessa região.
Contudo sabemos que a experiência do medo não é algo fácil de analisar, pois
partimos de um fenômeno individual e, dentro do campo histórico, colocamos um caráter
coletivo. Segundo Delumeau, essa postura não é problemática, pois os comportamentos de
uma multidão exageram, complicam e transformam os excessos individuais (1989: 24).
Dessa forma, concordamos com Maurice Halbwachs quando afirma que a memória possui
um caráter social, ou seja, a memória é coletiva e só pode ser compreendida a partir do plano
social (1990: 26). Assim, embora os depoimentos de nossos sujeitos enfatizem aspectos
diferentes da experiência da guerrilha, encontramos na maioria deles referências ao medo.
Mesmo que o mesmo seja percebido e vivenciado de forma particular.
Partimos do pressuposto de que esse medo tenha contribuído para o silenciamento em
torno do assunto. Ora, além do silêncio do Estado, demonstrado, por exemplo, através da
censura e da não-liberação da documentação oficial sobre o movimento, existe o silêncio de
boa parte da população que vivenciou de perto a experiência da guerrilha. Analisando os
silêncios existentes na história, Marc Ferro classifica-os em três tipos: o primeiro é aquele
93

que pode ser encontrado em qualquer que seja a instância produtora da história. Ele acontece
em torno das origens e da legitimidade de uma igreja, dinastia ou partido. O segundo tipo, no
qual se enquadra a nossa problemática, é o silêncio que, com certa cumplicidade, é
compartilhado com a sociedade, seja de forma espontânea, seja pela força. Já o terceiro tipo
está centrado num silêncio político, ou seja, na recusa que determinados povos, como, por
exemplo, os africanos, apresentam ao lembrar o seu passado de múltiplas humilhações
(1992: 37).
Percebemos, inicialmente, durante a nossa pesquisa de campo, um olhar de
desconfiança por parte dos moradores. O nosso receio era não conseguir que as pessoas
falassem/narrassem suas experiências, pois, decorridos mais de trinta anos do fim da guerra,
talvez o medo ainda esteja bem presente nas suas memórias. Contudo, aos poucos, alguns
moradores superaram esse desafio e expressaram através de suas lembranças seus
testemunhos sobre a experiência com os paulistas/guerrilheiros e os militares. Entretanto
alguns moradores ainda não se sentem à vontade para falar sobre a guerrilha. Em alguns
casos, entramos em contato várias vezes com determinadas pessoas para que narrassem suas
experiências, mas elas resistiram a falar. “Eu não sei nada dessa guerra”, “venha outra hora”,
“faz muito tempo, eu não lembro mais”, foram algumas das desculpas encontradas por
alguns moradores para não falar.
Durante a realização da pesquisa junto aos moradores do Bico do Papagaio, tivemos
a oportunidade de entrevistar pessoas que, a partir de suas memórias e, especialmente, de seu
lugar social, perceberam a experiência da guerrilha de forma diferente. Uma dessas pessoas
nos surpreendeu com a sua vivência desse acontecimento. Entre os moradores da região,
encontramos alguém que vivenciou o outro lado da história, ou seja, um homem que serviu
ao Exército como recruta – soldado – durante a guerra. A partir desse encontro,
especificamente após ouvi-lo, percebemos que a experiência da guerra não foi algo
traumático apenas para os moradores e os guerrilheiros, essa experiência foi muito além, ela
também se constituiu enquanto violência e medo para muitos dos soldados (recrutas), que
serviam às Forças Armadas naquela época. Pois, assim como os moradores e guerrilheiros
vivenciaram o clima de terror e medo, muitos dos recrutas também experimentaram as
mesmas sensações.
Assim como o Exército levou o medo à população do Bico do Papagaio através do
que denominamos de teatro do terror, os guerrilheiros também formaram o seu
94

contrateatro126, ou seja, com suas táticas e estratégias provocaram medo nos soldados.
Portanto, o medo foi algo presente nos três grupos sociais envolvidos na guerrilha:
moradores, guerrilheiros e soldados (recrutas).
Do lugar do recruta (soldado), encontramos o senhor Divino Martins dos Santos
(Martins), morador de Xambioá e funcionário da ADAPEC (Agência de Defesa
Agropecuária do Estado do Tocantins). Martins nos falou que, na década de 1970, serviu ao
Exército e, nesse período, foi enviado para compor as tropas militares no Bico do Papagaio
no combate aos guerrilheiros do PC do B, durante a segunda campanha (setembro a outubro
de 1972). Partindo de suas memórias, assim narrou sua chegada na área do conflito:
Eu cheguei aqui através do … do… do Exército. O Exército tava na época
cumprindo o meu dever cívico de servir ao Exército e fui mandado pra cá. Olha,
realmente foi uma decisão difícil, foi um anúncio que causou uma reflexão muito
grande na gente é … até porque quando a gente vai pro Exército, a gente imagina
que aquilo lá a gente vai aprender coisa boa e não vai ter problema, vai vestir
aquela farda, dá tiro, aprender marchar, correr aquelas coisas toda, e a guerra
mesmo assim a gente não pensa nela não, certo? Não o país não tá em guerra eu
vou lá só cumprir o meu dever, aprender algumas coisas e vou sair. E de repente
você está lá e surge uma coisa desse tipo, não é fácil, certo? Mais eles preparam o
soldado muito bem, né?, eles tem psicólogo, toda uma equipe de profissionais que
eles preparam o indivíduo, né?, um indivíduo bem … muitas vezes sente parte do
meio e não fica assombrado. Mais eu não gostei da experiência, certo? Porque
primeiro, foi as condições de sobrevivência, né?, nós estávamos aí num estado
real de guerrilha e faltava muito … alimentação era muito carente, era muito
fraca, a gente recebia uma tal de ração fria que era uma alimentação pré-fabricada
e vinha com muito sal, era vinha salsicha em lata, vinha é … feijoada em lata e
umas bolacha muito seca.127

Na sua entrevista, Martins enfatizou que a vivência no ambiente de guerra foi uma
experiência traumática. Após três meses atuando nesse ambiente, ele acrescentou as marcas
deixadas por esse trabalho em sua vida depois do fim da guerrilha:
Então foi … foi uma experiência muito terrível que eu tive, certo? E eu peguei
uma psicose aí de dá tiro, eu tive problemas depois que eu dei baixa do Exército,
eu ficava parece com aquela … aquele barulho daquelas explosões na cabeça e
passou muito tempo pra mim esquecer aquilo, chegou ao ponto de eu dá baixa e
fui ser expetor de treinamento num curso de capatazia rural pela Secretaria de
Agricultura do Estado de Goiás. E um dia, eu peguei uma arma uma carabina 22,
né?, eu chamo flober, ela era 15 tiro, e eu discareguei ela todinha dentro do
alojamento à noite, certo? Quando eu vi tinha feito aquilo … e o pessoal vieram
mim procurar porque … eu disse: - Tive na guerrilha ai lá eu dei muito tiro, deu

126
Aqui fazemos uso de outro conceito utilizado por E. P. Thompson. Para ele, dentro do contexto da Inglaterra
do século XVIII, havia um duplo componente: o controle político e o protesto, ou rebelião. Assim, enquanto
os donos do poder representam um teatro de majestade, superstição, poder, riqueza e justiça sublime, os
pobres encenam seu contrateatro, ocupando o cenário das ruas dos mercados e empregando o simbolismo do
protesto e do ridículo. Dessa forma, assim como há a violência do Estado, existe também a violência do
protesto, aqui percebida em nossa pesquisa como oposição às estratégias das Forças Armadas na tentativa de
levar o medo à população e aos guerrilheiros. Sobre o conceito de contrateatro, ver: THOMPSON, E. P. op.
cit. p. 237-238.
127
Entrevista com o senhor Divino Martins dos Santos, conhecido como Martins, concedida a este pesquisador
em Xambioá – TO, em 06/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
95

esse problema, me deu … eu fui olhando pra arma me deu aquela vontade de
carregar a arma, ai aconteceu.128

A narrativa do senhor Martins é importante, na nossa visão, porque ele fala do lugar
de quem vivenciou as dificuldades e os medos na imensa Floresta Amazônica, terra ainda
desconhecida para os soldados. Entretanto, para os guerrilheiros, a floresta já constituía uma
terra conhecida, pois sua presença na região desde 1966 tornou esse ambiente familiar para
os mesmos. Diante desse contexto, os guerrilheiros criaram o que denominamos contrateatro,
isto é, uma forma de intimidar e levar medo e pânico aos soldados do Exército. Portanto,
entendemos a tática do contrateatro praticado pelos guerrilheiros como uma estratégia de
resistência e também de oposição ao teatro do terror. Ora, mesmo sendo uma prática menos
intensa que do teatro do terror, ou seja, o contrateatro foi mais setorizado, na medida em que
atingiu especialmente os soldados, isso não significa que ele não tenha provocado efeitos na
tropa. O depoimento do senhor Martins é emblemático nesse sentido. Para ele, a guerra
realizada pelos guerrilheiros era algo “psicológico”. Em nossa interpretação, o contrateatro, a
partir da narrativa do senhor Martins, foi responsável por retardar várias vezes as ações dos
militares, levar os recrutas a cometerem suicídio e a chorar para não entrar na floresta.
Assim, enfatizando essas questões, afirmou seu Martins:
Eles não entregavam com vida, eles não tinham diálogo, né? Então chegar a
encontrar, ali tinha que abrir fogo, certo? Eles não entregavam com vida, eles
atiravam mesmo sabendo que ia morrer, eles abriam fogo, porque mesmo que eles
fossem … fossem presos se estivessem em condições é … de soltar um soldado,
tomar a arma dele e matar o soldado, eles suicidarem imediatamente. Então o
objetivo dele era aniquilar o Exército e provocar pânico, já que eles eram em
número menores, pelo menos provocar pânico na tropa, né?, deixar a tropa em
pânico. Então a gente andava em fila indiana na mata, e eles tinham maior
cobertura na mata que eles conheciam, né?, eram em menor número, e as armas
deles eram de repetições carabinas, espingarda 20, 12, fuzil de repetição, né?,
carabina 38. Então eles, eles atiravam no primeiro ou no último, certo? Então
matavam o primeiro ou o último da fila, certo? Escreviam em folha com espinho
aquelas folhas grandes e pregavam nos troncos das árvores aonde a trilha
passava, então a gente chegava e encontrava uma folha fincada com espinho
no troco da árvore. Ali tava escrito lá: “seus cachorros do governo! Sés
passaram em tal lugar a gente tava lá … fulano aquele que tava atrás, fulano
ainda mirou ele mais ficou com dó …” certo? Então aquilo … aquele cara …
aquele que foi mirado, aquele cara entrava em pânico, ele chorava, ele gritava,
ali ele já tava com pânico, certo? Não queria ser o último mais, né? Ele queria
ficar no meio. E aí você imagina assim, dentro de uma mata em estado de guerra,
e ninguém querer ficar na extremidade da fila, certo? Então era uma guerra mais
psicológica, certo? Pânico, né?, eles criavam pânico na tropa, certo? E com isso,
retardava muitas vezes a ação deles, eles conseguia mais espaço, considerando

128
Entrevista com o senhor Divino Martins dos Santos, conhecido como Martins, concedida a este pesquisador
em 06/07/2007. Citada anteriormente.
96

que eles eram em menor número, né?, conseguiria mais espaço … provocava
pânico.129 (Grifos nossos)

Dessa forma, a narrativa do senhor Martins, demonstra o medo que boa parte dos
soldados sentia na mata para enfrentar os guerrilheiros. Por outro lado, confirma de certa
forma o despreparo dos soldados nessas primeiras campanhas do Exército, contra os
militantes do PC do B – afirmação bastante recorrente nos depoimentos dos ex-guerrilheiros
e dos moradores da região. Essa falta de preparação dos soldados também foi relatada pelo
senhor Bento Luiz Gomes de Abreu, que na época da guerra trabalhou junto com um tio num
pequeno bar onde vendia refrigerantes para os soldados na base de Xambioá. Logo, foi
alguém que experimentou de perto o contato com os soldados. Em sua entrevista,
percebemos que o contrateatro dos guerrilheiros provocava nos recrutas insegurança e medo.
E, para não enfrentar os militantes do PC do B na mata, alguns chegavam a cometer o
suicídio. Nesse sentido afirmou: “Os soldados suicidava pra não entrar no mato, dava um tiro
na cabeça pra não entrar no mato, aconteceu bem uns três casos desses. Aí a polícia ocultava.
Aí o cara – pelo amor de Deus! Rapaz o que é que cê tá fazendo?”130
A mesma afirmação foi lembrada pelo Brigadeiro Sérgio Luiz Burger, em entrevista
ao jornalista Hélio Contreiras. Segundo Sérgio Luiz, a tropa estava despreparada para a luta
contra os guerrilheiros, o que provocou pânico nos soldados. Diante desse cenário de
despreparo, o brigadeiro lembrou o suicídio de um soldado. Esse cenário, portanto, trouxe
repercussão negativa para o restante da tropa que assistiu à atitude do soldado. Assim,
afirmou:
Com a luta armada, o governo foi obrigado a intensificar a mobilização das Forças
Armadas. No início, estávamos despreparados para a ação policial e para
combater a própria guerrilha. Prova disso foi o suicídio de um soldado do Exército
no seu primeiro dia em Xambioá, o que demonstrou seu despreparo psicológico
para enfrentar aquele tipo de cenário, e a repercussão do suicídio não foi,
obviamente, positiva entre nós (1998: 62).

O reflexo desse contrateatro também pode ser percebido através das estratégias
utilizadas por alguns soldados, para não se depararem com os guerrilheiros na mata. O
senhor José Pereira da Silva (Zé Ernestino), que atuou como guia na época, relatou que dava
dicas para os soldados não encontrarem com os guerrilheiros. É interessante perceber que

129
Entrevista com o senhor Divino Martins dos Santos, conhecido como Martins, concedida a este pesquisador
em 06/07/2007. Citada anteriormente.
130
Entrevista com o senhor Bento Luiz Gomes de Abreu, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
27/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
97

essa era uma exigência e/ou necessidade dos próprios sargentos: “eu não vim matar ou
morrer”. Nesse sentido, afirmou:
Teve um sargento que se ele saiu com 50 soldados e não deu um tiro em
ninguém e não levou nenhum tiro porque ele pegou a minha dica. Ele falou:
eu não vim matar e nem morrer. Eu disse: então você vai por ali e volte por
aqui que você não topa com ninguém. Ele chegou no Xambioá e me abraçou, me
deu um abraço e agradeceu demais – puta, rapaz, você é um cara mais intiligente
que já teve no mundo, que eu não vim aqui matar ninguém nem morrer. Aí eu dei
a dica pra você não peitar com ninguém porque eu sabia que tava morto, os home
tudo …131 (Grifos nossos).

Outro exemplo do que denominamos de contrateatro foi o ataque dos guerrilheiros ao


posto da Polícia Militar do Pará, localizado na Transamazônica, próximo à cidade de São
Domingos. Em entrevista concedida ao pesquisador Romualdo Pessoa Campos Filho, o
senhor Pedro Matos do Nascimento (Pedro Marivetti), na época lavrador, contou em detalhes
como ocorreu o ataque:
Quando eles chegaram, ai eu perguntei: “Como é que foi o negócio lá rapazes?”
Aí eles passaram a contar. Que eles ficaram bem pertinho, igual a abelhas, só a
cabecinha de fora, que quando os soldados chegaram, meio de porre, e tal, aí
abriram lá porta. Aí eles desceram e cercaram a casa. (…) Ah, me recorda bem, o
Nunes, inclusive o goiano, de Goiânia, o Nunes… tava no grupo. O Nunes foi
realmente quem botou a porta adentro. Aí chamaram os caras. Chamaram, eles
estremeceram lá dentro, eles disseram: “Não adianta, tá cercado e fica quietinhos,
abra a porta…”. Aí ele demoram lá e o Nunes pegou e meteu a portinha… meteu o
pé, a porta caiu dentro, aí, todo mundo… aí renderam os caras lá… Parece que
dois, ou três, não me recordo bem… parece que era três. Renderam os caras lá e
disse: “De cueca todo mundo aí.” Aí tomaram a roupa deles, levaram tudo que
eles tinha lá. De comida, farda, coturnos, as armas, munição, bibico [boné],
levaram tudo, deixaram só de cueca no meio da pista lá [rindo] (1997: 133).

Segundo o depoente, os policiais “estremeceram” no momento do ataque, foram


“rendidos”, e suas roupas, armas e pertences tomados: “deixaram só de cueca no meio da
pista …”. Essas iniciativas, apesar de localizadas, provocaram nos militares insegurança e
medo. Embora os guerrilheiros fossem em número bem reduzido, o depoimento do seu
Pedro demonstra, na nossa visão, a prática da estratégia do contrateatro. Os guerrilheiros não
desejavam matar os policiais – segundo a narrativa do depoente – mas causar-lhes a sensação
de insegurança, para que essa insegurança fosse divulgada entre os demais militares.

131
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
98

3.5 Enfrentando o medo, rompendo o silêncio

Fazer os moradores falarem sobre suas experiências durante a Guerrilha do Araguaia


constituiu, durante muitos anos, um desafio para pesquisadores e jornalistas que estudaram o
acontecimento. Não foi nada fácil, para a população do Bico do Papagaio, enfrentar seus
medos e romper o silêncio, após um período de forte perseguição e repressão a todos que se
envolveram com os paulistas. A partir do final dos anos de 1970, com a Lei da Anistia,
algumas reportagens foram realizadas sobre a Guerrilha do Araguaia.132 No entanto, apenas a
partir da década de 1990, com a luta dos familiares de desaparecidos políticos, o Estado
brasileiro reconheceu a morte de 136 militantes políticos e, assim, através da Lei 9.140 de
dezembro de 1995, garantiu o pagamento de indenizações aos familiares desses militantes.133
Mas é importante ressaltar que a mencionada lei não reconheceu a indenização às pessoas
que foram presas e torturadas durante a ditadura.
Numa região marcada pelo medo, percebemos que, mesmo em 2001, segundo
reportagem da revista Isto É, algumas pessoas ainda não podiam falar sobre o movimento, o
Exército havia proibido que os moradores prestassem depoimentos. Um exemplo desse fato,
destacado pela própria revista, aconteceu com o senhor José Veloso de Andrade, que, na
época da guerra, foi guia do Exército (ISTO É, 15 de ago. de 2001). O exemplo destaca as
constantes ameaças às pessoas simples da região para silenciar sobre a experiência da
guerrilha. Em nossa pesquisa, encontramos o senhor José Pereira da Silva, ou Zé Ernestino
como é conhecido. Ele trabalhava como garimpeiro nos anos de 1960 e 1970 em Xambioá e
foi alguém que conheceu de perto tanto os paulistas, com quem negociava pedras de cristais,
quanto os militares. Sendo um profundo conhecedor da região, foi chamado para ser guia dos
soldados. Narrando a sua experiência, disse: “Aí quando o Exército chegou ... aí todo mundo
teve de ficar do lado do Exército, se não quis sofrer, né? Ficou muita gente do lado do
Exército, e quem não ficou sofreu de mais, né?” Continuando a conversa, perguntamos qual
a sua função junto aos militares? Então respondeu:
Dando uma dica porque eles não iam entrar lá na mata, que eles não conheciam
nada. Lá dento da mata, os soldado que entrasse lá sem um guia, ele se perdia na
hora. É por isso que morreu muito soldado, foi por isso, eles tentaram aí prender
um cara lá na morada dele, viu?, e aí só via pegar tiro. Eu dava dica por onde a

132
Ver reportagens sobre a Guerrilha do Araguaia em: Isto É. São Paulo, 27 de set. 1978. Veja. São Paulo, 06
de set. de 1978. Jornal da Tarde. São Paulo, 13 de jan. 1979.
133
Ver Lei 9.140, de 4 de dezembro de 1995. Reconhece como mortas pessoas desaparecidas em razão de
participação, ou acusação de participação em atividades políticas, no período de 2 de setembro de 1961 a 15
de agosto de 1979. Disponível: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/leis/L9140.htm> Acesso em:
17/06/2007.
99

gente podia ir e também não podia prender que os homens não se entregava, era
bobagem se entregar e tinha sargento que era muito açoito.134

Perguntamos ainda, a seu Zé Ernestino, se ele em algum momento teve medo de falar
sobre a guerrilha. Ele respondeu: “Não, até 10 anos eu não falei nada. Porque foi uma ordem
do Exército. A ordem é o seguinte, depois que recebi o certificado militar … você vai jurar
como não falar o que você viu na guerrilha.” Assim, percebemos a influência dos militares
para que a experiência da guerrilha não fosse divulgada. Tal experiência devia ser silenciada.
Hoje, apesar da desconfiança que alguns moradores demonstram ao tocarmos no
assunto, não há tanta resistência em se falar sobre ele. Essa atitude nos possibilitou fazer o
seguinte questionamento: Quais motivações estão contribuindo para que os moradores da
região quebrem o silêncio e enfrentem o medo? A partir dos depoimentos dos próprios
moradores, levantamos as seguintes motivações: a primeira delas está relacionada com o
contexto histórico. Assim como o medo e o silêncio foram influenciados pelo contexto
histórico do país nos anos de 1960 e 1970, contribuindo com a insegurança e o terror,
enfrentar o medo e romper o silêncio também foram possibilitados pelo contexto do Brasil a
partir do final da década de 1980. Essa constatação aparece em várias entrevistas, em que
são enfatizados o clima de democracia, a anistia e a liberdade que as pessoas têm hoje, mas
que naquela época (anos 1960/1970) não existia. Há, assim, no depoimento do senhor Davi
Rodrigues, uma relação bastante forte entre o passado, “antes não podia dizer que a ditadura
não prestava”, e o presente, “hoje a gente pode”. Foi desta maneira que se referiu seu Davi
Rodrigues de Souza (Davi dos Perdidos):
Porque eu tava de frente pros militares e eu tinha vontade de falar uma coisa e não
podia falar, porque eu ia sofrer naquele momento, e eu deixava de falar coisa que
eu precisava falar, mais pra ele não, porque era eu falar e pegar porrada, era eu
falar e pegar os choque, e eu deixava de falar … Isso aconteceu comigo não foi só
uma vez … porque era de frente eles, junto com eles preso, humilhado e eu tinha
que deixar de falar, eu sabia, precisava mais não podia, porque ia mim prejudicar.
Depois disso, hoje eu posso falar, hoje eu tenho liberdade de falar . E essa
liberdade de falar já faz tempo que vei, só que tem que saber falar, e como se
defender, porque hoje não, você fala o que você sente, o que você precisa falar
não prejudicando alguém. Mais se alguém precisa de ser prejudicado pode falar,
se alguém não presta pode falar que ele não presta, e antes não podia dizer que a
ditadura não prestava, não podia dizer que aquele militar tava errado, não podia
dizer que alguém do INCRA estava errado, não podia dizer que um delegado
estava errado, não podia denunciar porque ia preso. Hoje a gente pode.135

134
Entrevista com o senhor José Pereira da Silva, conhecido como Zé Ernestino, concedida a este pesquisador
em Araguaína – TO, em 26/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
135
Entrevista com o senhor Davi Rodrigues de Souza, conhecido como Davi dos Perdidos a este pesquisador
em São Geraldo do Araguaia – PA, em 05/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
100

Apesar de romper o silêncio e falar sobre a sua experiência na época da guerrilha, o


depoimento do senhor Davi Rodrigues deixou algumas lacunas, ou seja, existem algumas
cenas e fatos que o mesmo vivenciou e que ainda são mantidos em silêncio. Quando
questionamos o porquê, ele respondeu: “Porque eu não quero. Tem uma história que eu não
quero lhe dizer, porque pra mim eu sinto demais. E eu não quero contar. A certeza é que eu
sei, mais eu não quero contar … eu sinto demais. Eu não quero contar, eu não quero falar
….”. Assim, lembrar determinados fatos ainda causa sofrimento a alguns moradores. E isso
ficou evidente no rosto e no semblante de seu Davi durante a entrevista.
A ênfase na democracia foi também lembrada pelo senhor Alan de Oliveira Moraes.
Para ele, o rompimento do silêncio aconteceu após 10 anos do final da guerra. Hoje, vivendo
num país democrático, seu depoimento “não vai prejudicar ninguém”. Nesse sentido, disse:
“Então, hoje, como nós estamos num … num sistema diferente, democrático, eu não tenho
medo não. Falo de peito aberto, sem medo nenhum. Sei que não vai ser … como se diz, não
vai prejudicar ninguém, né, então é isso aí”.136
Outra motivação freqüente nas entrevistas, especialmente com pessoas que foram
judiadas (torturadas), está relacionada com o processo de indenização. Para elas, a quebra do
silêncio e a superação do medo é uma forma de se fazer ouvir, uma maneira de o Estado
reconhecer o erro e pagar por ele. Foi essa motivação que fez o senhor Antônio Alves de
Souza contar em detalhes a sua vida e, principalmente, a maneira como foi judiado pelo
Exército, durante a guerrilha. Assim falou:
Tive muito medo, tanto medo eu tive, que os meus fie principalmente aquele …
um que nasceu quase no dia que fui pego, que tava só com seis dias, vei saber
dessa história depois que … tá com uns 5 anos mais ou menos, que ele vei saber
dessa história. Ele tá com trinta e poucos anos de idade, viu?, e vei saber isso há
uns 5 anos mais ou menos, vei saber. Por quê? Eu tava aqui em casa trabalhando
bem ali, quando chegou um companheiro, o dito Beca, que foi um dos preso que
tava lá junto comigo … chegou aqui um companheiro falado comigo, que lá do
outro lado tinha uma mulher, que tava colhendo com essas pessoas sofrido,
sobrevivente … que nois somos sobrevivente … eles dizem lá que sobrevivente
são eles lá … mais nois somos sobrevivente, porque nois escapemos daquilo …
então tava precurando esse povo que participava dessa época da guerrilha, pra
fazer um histórico que ela queria entrar com aqueles histórico na justiça e
ação, que era pra pessoa ser indenizado. Contei tudo pra ela, fizemo aquele
histórico, e então, ela começou a mandar pra lá … e assim de vez em quando,
eu venho fazendo, de vez em quando eles precisam de uma história qualquer,
eu vou e conto. Mais antes eu tinha medo sabe por que, porque quando foi no
dia que ele liberou nois aqui, ele chamou noís três que iam liberar … quatro fomo
liberado eu, Zé Novato, Beca e Dotorzinho, nós fomo liberado nois quatro, ele
chamou e disse: “– Olha, vocês viram passar essa cena aqui com vocês? Se
passou-se, se passou-se? Viram com os outros?” – Vimo! “– Pois bem aqui esse

136
Entrevista com o senhor Alan de Oliveira Moraes, concedida a este pesquisador em Araguaína – TO, em
30/06/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
101

lugar que eu tô te precurando vai ficar, porque se vocês disserem abrir a boca e
contar, quando o pente fino vier é arrastando tudo, porque por enquanto foi só a
vassoura arrastou o grosso … a metade e quando o pente fino vier arrasta tudo. E
vocês contarem essa história, ai vocês são os primeiros que vai!” Aí nóis fiquemo
com medo de abrir a boca e contar … a gente falava: - Não, não aconteceu nada
não! O que nois dizia era isso, não aconteceu nada não. Ai quando vei essa
mulher com esse negócio aqui, aí foi que eu tive aquela coragem de sair
contando pra todo mundo … e hoje eu conto pra todo mundo, né.137 (Grifos
nossos)

Portanto, segundo o senhor Antônio Alves, os militares teriam exigido o silêncio a


respeito de tudo que haviam praticado contra os moradores. Através das ameaças, como a
exemplificada por ele, muitos se calaram durante anos. A ameaça dos militares era que, se a
pessoa falasse podia ser presa novamente, e até morta. A guerra continuava, e aquela era
apenas uma etapa em que, “a vassoura arrastou o grosso, o pente fino quando vier arrasta
tudo”. Essa maneira de intimidação marcou a vida dos moradores da região, sendo proibidos
de falarem de suas experiências e obrigados a silenciarem, como narrou seu Antônio. Hoje,
diante da possibilidade de receber suas indenizações, procuram falar, rompem o silêncio, na
esperança de encontrar justiça.
Enfrentar o medo e romper o silêncio aparece em nossas entrevistas como uma
maneira de ser reconhecido pela história. Foi essa a motivação destacada pelo senhor Ivaldo
Santos Carvalho (Bacalhau), ao narrar sua experiência como guia dos soldados. Segundo ele,
houve muito sofrimento e nenhum reconhecimento por parte do Estado pelo seu trabalho.
Dessa forma, falar sobre a guerrilha, hoje, permite que o seu trabalho seja reconhecido.
Nesse sentido, assegurou:
É porque, moço, pelo que eu passei, a gente ainda hoje tem medo de … de … de
ter assim um … um … eu não quero mais aquilo de jeito nenhum não, o apuro que
eu passei eu não quero mais não. Que, além da gente não ter reconhecimento de
nada, … que pelo menos era pra nosso nome ficar na história, que nóis fumo
uns batalhador, né? Fumo ajudante da preservação do país, né? Então eu
acho que a gente merecia um … um … pelo menos o nome ter uma … reputação
qualquer, né?138 (Grifos nossos)

A memória é, portanto, interessada. Ela é a reconstrução das experiências passadas a


partir de interesses do presente. Dentro dessa perspectiva, enfatiza Dora Schwarztein: “Los
individuos construyen sus memorias en respuesta a circustancias cambiantes” (2001: 74).
Assim, podemos perceber, nas entrevistas realizadas, essa preocupação nas lembranças dos

137
Entrevista com o senhor Antônio Alves de Souza, concedida a este pesquisador em Xambioá – TO, em
03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal. O “outro lado”, referido pelo nosso entrevistado,
é a cidade de São Geraldo do Araguaia (PA).
138
Entrevista com o senhor Ivaldo Santos Carvalho, conhecido como Bacalhau, concedida a este pesquisador
em Xambioá - TO, em 03/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
102

moradores do Bico do Papagaio. Portanto, a memória como afirma Michel de Certeau, “é


tocada pelas circunstâncias, como um piano que “produz” sons ao toque das mãos” (2005:
163). O interesse em se preservar para a história o que aconteceu no Bico do Papagaio
também esteve presente na entrevista do senhor Divino Martins dos Santos. Como
destacamos anteriormente, ele participou como recruta da segunda operação do Exército. No
seu depoimento falou:
Também hoje, já vejo essa situação de outro ângulo, acho que a memória de um
povo é a história e … né?, a memória do passado, e a gente tem que reviver ela
… tem os nossos filhos, os nossos netos têm de saber os acontecimentos. E se eu
calar, acho que eu tô levando uma parte da história comigo, não é? Tenho que
deixar aí.139 (Grifos nossos)

Dessa forma, identificamos no depoimento do senhor Martins a necessidade de


contar e preservar a história da Guerrilha do Araguaia. Ou seja, hoje, narrar esse
acontecimento o faz participar dessa história e valorizar o seu lugar enquanto sujeito
histórico.
A quarta motivação na nossa visão foi o turismo. Com as constantes visitas à região
de pesquisadores e jornalistas em busca de informações sobre o movimento, especialmente a
partir da década de 1990, vários moradores passaram a enfrentar o medo e romper o silêncio.
Sentem, dessa maneira, a necessidade de fazer com que suas narrativas sejam conhecidas e
reconhecidas. A partir dos seus relatos, principalmente os publicados pela imprensa, a região
do Bico do Papagaio passou a ser mais notada pelos brasileiros, e percebida como um lugar
exótico onde a história e a natureza se cruzam. Por esse motivo, a importância de se
conhecer a história da guerrilha tornou-se, para os empresários e comerciantes, algo
extremamente necessário para os seus empreendimentos. Dessa forma, podem atrair para a
região, especialmente nos meses de julho e agosto, período de veraneio, vários turistas.
Nesse sentido, em entrevista à revista Isto é, o advogado mineiro Geraldo Magela de
Almeida, proprietário de um hotel em Araguanã (TO), declarou: “Unir a beleza do rio
Araguaia com as histórias dessa época é a receita mágica para atrair turistas” (ISTO É, 28 de
jul. de 1993: 50).
Portanto, o cenário da Guerrilha do Araguaia vem deixando de ser o lugar do medo e
do silêncio e se tornando, para alguns, um lugar de turismo e lazer. Entretanto boa parte da
população ainda continua, pelo que observamos, seja através das reportagens, seja através de

139
Entrevista com o senhor Divino Martins dos Santos, conhecido como Martins, concedida a este pesquisador
em Xambioá – TO, em 06/07/2007. Gravação digital e transcrita. Arquivo Pessoal.
103

nossa presença, à margem desse novo status da região, vivendo nas mesmas condições da
década de 1970.

***
104

CONCLUSÃO

Analisarmos a experiência da Guerrilha do Araguaia a partir da memória histórica


dos moradores da região do Bico do Papagaio constituiu-se, neste trabalho, num lugar de
construção de saberes. Um saber nascido através da experiência de pessoas que vivenciaram
um acontecimento que foi ao longo dos anos bastante enfocado na imprensa, nos
depoimentos dos militantes do PC do B e de alguns militares.
Contudo estamos convencidos que história da Guerrilha do Araguaia não se conclui,
sempre podendo ser reescrita a partir de novas perguntas feitas ao passado. Aqui discutimos
a visão dos moradores da região centrados em três eixos: o cotidiano, as representações
acerca do comunismo e o medo/silêncio que permeiam o tema.
Em relação ao cotidiano, vimos que antes da chegada e da permanência das Forças
Armadas à região, a presença dos paulistas trouxe várias influências na vida dos moradores.
Na sua atuação, os paulistas passaram a realizar aquilo que o Estado não oferecia (assistência
médica, alfabetização, ajuda nos afazeres do dia-a-dia) e, com isso, conquistaram a simpatia
de muitos moradores. Eram “gente boa”, “nunca roubaram, mataram ou mexeram com nós”,
atributos esses sempre presentes nas falas das pessoas comuns da região (barqueiros, donas
de casa, professores, agricultores, motoristas, garimpeiros etc).
Assim, nos seis anos que antecederam as expedições militares, os moradores
experimentaram uma convivência junto aos paulistas, na qual os costumes do homem
comum do interior eram valorizados. Valores como honestidade, generosidade e
companheirismo foram geralmente ressaltados como características daqueles jovens
estudantes que “pretendiam mudar o mundo”. Porém a população do Bico do Papagaio não
ficou sabendo na época dessa intenção.
A mudança mais radical na vida dos moradores aconteceu com a chegada e
permanência dos militares na região. A partir de então, suas vidas passaram a ser vigiadas,
seus hábitos modificados e sua amizade com os paulistas interpretada como indício de
subversão, terrorismo, levando muitos a silenciarem. As ameaças de tortura (judiação)
calaram as vozes daquela população durante anos; a lembrança do passado (da guerra) trazia
de volta o sofrimento pelo qual aquele povo passou.
Para sobreviver na época do conflito, os três grupos envolvidos (moradores, paulistas
e militares) buscaram resignificar seu cotidiano, hábitos e costumes. Os moradores
105

utilizaram em muitos casos a tática do silêncio e da negação. Resolveram não falar sobre
suas experiências e amizade com os paulistas e/ou negar essa convivência. Os paulistas,
desde o momento que chegaram à região, passaram a reinventar novas formas de viver. Eles,
em sua maioria jovens estudantes de classe média urbana, modificaram seus costumes de
acordo com a realidade do homem do interior. Com a chegada das Forças Armadas, tiveram
que abandonar suas propriedades, seus novos amigos (os moradores da região) para se
esconder na mata, tornando-se, a partir de então, guerrilheiros. Buscavam resistir, defender-
se da caçada aos comunistas e terroristas, assim nomeados pelos militares. E os militares,
especialmente os envolvidos diretamente no conflito (recrutas, sargentos), atuaram como
divulgadores do sentimento anticomunista presente naqueles anos de Guerra Fria. Em nome
da ordem e da defesa nacional, propagaram junto aos moradores da região que aqueles
jovens tão queridos entre eles eram perigosos, assaltantes de bancos, terroristas, comunistas
que tencionavam dominar e em seguida escravizar suas famílias e tomar-lhes as propriedades
e bens. Diante dessas imagens e das ameaças utilizadas pelos militares, a população viu-se
dividida. Assim, com base nos depoimentos dos moradores, não se pode afirmar que houve
uma indiferença total aos paulistas/guerrilheiros, nem que houve um apoio total aos
militares. No que se refere às imagens do comunismo entre os moradores do Bico do
Papagaio, percebemos uma certa peculiaridade em relação aos centros urbanos do país, pois,
nesses centros, deu-se uma grande influência do anticomunismo católico, que via no
comunismo uma ameaça à fé e aos “bons costumes”. No caso da região estudada, essa
imagem não foi encontrada nos depoimentos dos moradores. A maior influência para que se
gerasse uma visão negativa dos comunistas resultou da propaganda realizada pelos militares.
Como estratégia para a divisão dos moradores, os militares fizeram uso do medo.
Medo esse que durante o regime militar passou a ser institucionalizado pelo próprio Estado.
A quem reclamar da ameaças e torturas? Ao governo? À justiça? Não havia, assim, uma
saída para aquela situação. As formas utilizadas pelos militares para caçar e matar os
guerrilheiros, exibindo-os sem vida à população, o número exagerado de soldados e o
aparato utilizado nas operações demonstram a intenção de causar pânico na população do
Bico do Papagaio. Será que essa prática seria inevitável?
Como vimos, segundo os depoimentos dos próprios moradores, houve na época
excesso nas ações do Estado. Dessa maneira caracterizaram as ações dos militares o senhor
Salomão Dias de Souza e o senhor José Batista Neto, ao lembrar da guerrilha.
106

Houve, portanto, a partir da visão dos moradores entrevistados neste trabalho, um


exagero nas ações das Forças Armadas (Exército e Aeronáutica) em relação aos “paulistas” e
aos próprios moradores da região que tiveram um contato maior com os mesmos. Em muitos
casos, os militares justificavam a violência contra os guerrilheiros e os moradores como uma
necessidade e uma inevitabilidade histórica, quando, de fato, foi uma escolha por parte do
Estado.
Diante da violência institucionalizada, a opção pelo silêncio sobre a guerra foi a
forma sutil de resistência de uma população que não tinha outra saída naquele contexto. As
formas violentas utilizadas pelos militares deixam marcas ainda hoje. A desconfiança, o não
querer falar sobre a guerrilha ainda em prática hoje são apenas alguns exemplos das
cicatrizes deixadas pelo conflito na vida da população. Durante o nosso trabalho de campo,
constatamos que muitas pessoas não gostam de falar sobre o assunto. Para isso, criaram
táticas para não conceder à entrevista – “venha uma outra hora” e “já faz tanto tempo que
não me lembro mais” - são alguns pretextos utilizados corriqueiramente por aquelas pessoas
que não queriam falar, procedimento esse que procuramos respeitar.
É importante destacar ainda que, dentro do contexto da Guerrilha do Araguaia, o
medo e o silêncio caminham juntos. Verificamos que o silêncio da população foi decorrente
do medo imposto pelos militares. Segundo a memória dos moradores, não houve um medo
exacerbado do comunismo, apesar de toda a propaganda realizada pelos militares, como
vimos. O medo tão presente na população foi resultado das estratégias pelos militares, das
intimidações, das ameaças, do teatro do terror instituído na região, das torturas aos
moradores, da vigilância e da perseguição, e não dos guerrilheiros em si.
O próprio medo presente ainda hoje na memória de muitos moradores também
demonstra as marcas deixadas pela guerrilha. Durante anos, muitos moradores conviveram
com marcas daquela experiência. Elas estão presentes, em alguns casos, no próprio corpo
daqueles que foram “judiados”, como explicou o testemunho do senhor Antônio Alves de
Souza. Para outros moradores, estão presentes na fobia que sentem, como o exemplo
destacado pelo senhor Ivaldo Santos Carvalho que, durante anos, não podia escutar barulho
de tiros, ou do senhor Ludovico Mateus em relação ao barulho de helicópteros.
Por outro lado, os guerrilheiros também criaram o seu contrateatro. Embora sua
dimensão fosse menor e, portanto, mais setorizada, isso não invalida as estratégias utilizadas
pelos membros do PC do B, na tentativa de se oporem ao teatro do terror dos militares. Sua
prática retardou as ações dos militares e, sobretudo, levou aos recrutas o medo de entrar na
107

mata e combater os guerrilheiros. Dessa maneira, a sensação de insegurança e medo foi


sentida por todos, embora de forma diferenciada e múltipla.
Em especial aqueles moradores que de uma forma, ou de outra se envolveram com os
paulistas, após o final do conflito foram tratados por outros moradores com indiferença. Essa
foi a constatação feita pela senhora Neuza Lins, quando ela e o marido Amaro Lins se
mudaram para São Geraldo do Araguaia.

Portanto, os testemunhos da memória histórica dos moradores ouvidos neste estudo


mostram o quanto foi difícil a experiência daquela população na fase da guerrilha e após o
seu término. Apesar de todos os problemas que a população enfrentou e ainda enfrenta nessa
região do país, encontramos durante o nosso trabalho de pesquisa algumas pessoas que se
dispuseram a falar - muitas sendo ouvidas pela primeira vez, outras já acostumadas a falar
sobre o assunto. Essas pessoas, motivadas por razões múltiplas, como vimos, enfrentaram o
medo e romperam o silêncio para expor suas experiências, registrar para a história o que
viram, ouviram e sentiram durante os anos da guerrilha. Graças a elas, conseguimos analisar
a memória histórica dos moradores sobre a Guerrilha do Araguaia.

***
108

ENTREVISTAS

Ao longo desta pesquisa, realizamos 37 entrevistas com os moradores da região do


Bico do Papagaio. Iniciamos as mesmas em junho de 2005 e concluímos em julho de 2007.
Foram, portanto, 37 pessoas entrevistadas ao longo desses dois anos. Entretanto, duas dessas
consultadas não estão citadas aqui nessa relação. Uma delas, que já havia sido entrevistada
em junho de 2005, não foi encontrada durante o período de nossa volta à região (junho e
julho de 2007), impossibilitando a autorização para uso do seu depoimento. A outra
concedeu a entrevista, porém não nos autorizou a utilizá-la em nossa pesquisa, não assinando
a “carta de cessão de direitos”. Há outro depoimento que apenas foi uma participação
especial da moradora, isto é, durante uma de nossas entrevistas com o senhor Félix Pereira
Leite, a sua esposa, dona Maria da Conceição Oliveira, interrompeu o nosso diálogo com o
senhor Félix e falou de sua visão acerca do comunismo. Achamos sua versão importante
para o nosso estudo e, assim, incluímos esse depoimento ao trabalho.
Também utilizamos fragmentos de depoimentos com moradores concedidos a outros
pesquisadores e jornalistas que escreveram sobre a Guerrilha do Araguaia. O objetivo desse
procedimento foi ampliar a visão dos moradores acerca desse acontecimento. Desse modo,
utilizamos depoimentos concedidos a Romualdo Pessoa Campos Filho, a Dácia Ibiapina da
Silva, a Luiz Maklouf Carvalho, a Fernando Portela e a Palmério Dória. Da mesma forma,
utilizamos depoimentos de militares concedidos aos pesquisadores Gláucio Ary Dillon
Soares e Maria Celina D`Araújo, e aos jornalistas Elio Gaspari e Hélio Contreiras. Também
utilizamos entrevistas e reportagens das revistas Veja, Isto é, Época e ao Jornal do
Tocantins.

Concedidas a Wellington Sampaio da Silva

• ALAN DE OLIVEIRA MORAES – Natural de Xambioá – TO. Atualmente comerciante em


Araguaína – TO. Na época da guerrilha, morava em Xambioá e trabalhava com um tio no bar
Quentão, local freqüentado pelos militares na cidade. Entrevista realizada em Araguaína –
TO, em 30 de junho de 2007. Duração de 20 minutos e 51 segundos.

• AMANCIA GOMES DE ABREU – Natural de Porto Franco – MA. Professora aposentada,


residente em Araguaína – TO. Durante a guerrilha era professora em Xambioá. Entrevista
realizada em Araguaína – TO, em 26 de junho de 2007. Duração de 38 minutos e 47
segundos.
109

• ANTÔNIO ALMEIDA DOS SANTOS – Natural de Tocantinópolis – TO. Lavrador e


atualmente residente em Tocantinópolis. Entrevista realizada em Tocantinópolis, em 16 de
junho de 2005. Duração de aproximadamente 15 minutos.

• ANTÔNIO ALVES DE SOUZA – Natural de São Luis – MA. Lavrador que durante a
guerrilha morava nas Abóboras, povoado localizado no Pará, próximo à cidade de São
Geraldo do Araguaia (PA). Sua propriedade ficava próxima à casa de Divalva Oliveira
Teixeira (Dina). Atualmente reside em Xambioá – TO. Entrevista realizada em Xambioá, em
03 de julho de 2007. Duração de 37 minutos e 44 segundos.

• AROLDO JOSÉ DE SOUSA PINTO – Natural de Marabá – PA. Atualmente funcionário


público na cidade de Xambioá. Na época da guerrilha, morava em Santa Cruz, povoado
pertencente a São Geraldo do Araguaia (PA). Entrevista realizada em Xambioá, em 02 de
julho de 2007. Duração de 39 minutos e 40 segundos.

• BENTO LUIZ GOMES DE ABREU – Natural de Xambioá – TO. Atualmente trabalha como
motorista e reside em Araguaína – TO. Na época da guerrilha, era adolescente e tinha uma
boa amizade com Paulo Roberto Marques (Amaury). Entrevista realizada em Araguaína, em
27 de junho de 2007. Duração de 24 minutos e 25 segundos.

• CECÍLIA ALVES LOPES DO CARMO – Natural de Riachão – MA. Proprietária do Hotel


Nossa Senhora de Fátima em Xambioá, local que hospedou alguns militares durante a
guerrilha, como o general Hugo Abreu. Entrevista realizada em Xambioá, em 03 de julho de
2007. Duração de 35 minutos e 29 segundos.

• CREUSA CASTRO DE AGUIAR – Natural de Nazaré – TO. Hoje funcionária pública


aposentada e residente em Tocantinópolis – TO. Entrevista realizada em Tocantinópolis, em
24 de junho de 2005. Duração de 20 minutos.

• DAVI RODRIGUES DE SOUZA (Davi dos Perdidos) – Natural de Brejos dos Paraibanos –
MA. Na época da guerrilha, morava no povoado de nome Perdidos, próximo a São Geraldo
do Araguaia (PA). É agricultor e atualmente mora em São Geraldo do Araguaia. Entrevista
realizada em São Geraldo do Araguaia, em 05 de julho de 2007. Duração de 43 minutos e 56
segundos.

• DIVINO MARTINS DOS SANTOS – Natural de Corumbaíba – GO. Atuou como recruta do
Exército durante a segunda campanha das Forças Armadas contra os guerrilheiros.
Atualmente é funcionário público do Estado do Tocantins e reside em Xambioá – TO.
Entrevista realizada em Xambioá, em 06 de julho de 2007. Duração de 50 minutos e 19
segundos.

• DJACY SANTOS MIRANDA – Natural de Porto Franco – MA. Trabalhou junto ao o


médico João Carlos Haas Sobrinho, na função de auxiliar de enfermagem, durante o tempo
em que este morou em Porto Franco. Atualmente reside em Porto Franco. Entrevista
realizada em Porto Franco, em 31 de janeiro de 2006. Duração de 30 minutos.

• EDÉZIO GOMES DA SILVA – Natural de São Domingos dos Efei – MA. Na época da
presença dos paulistas, morava em Palestina (PA). Atualmente é comerciante e reside em
São Geraldo do Araguaia (PA). Entrevista realizada em São Geraldo do Araguaia, em 07 de
julho de 2007. Duração de 40 minutos e 54 segundos.

• EDSON COSTA – Natural de Marabá – PA. No período da guerrilha, era barqueiro


transportando mercadorias e passageiros pelo rio Araguaia. Hoje aposentado e residente em
110

Xambioá (TO). Entrevista realizada em Xambioá, em 01 de julho de 2007. Duração de 23


minutos e 43 segundos.

• FÉLIX PEREIRA LEITE – Natural de Loreto – MA. No período da guerrilha, trabalhava


como lavrador em Tocantinópolis – GO. Atualmente reside em Tocantinópolis – TO.
Entrevista realizada em Tocantinópolis, em 01 de novembro de 2005. Duração de 20
minutos.

• GECÍLIA SABINO DE SÁ – Natural de Presidente Dutra – MA. Atualmente professora e


reside em Porto Franco (MA). Entrevista realizada em Porto Franco, em 24 de junho de
2005. Duração de 20 minutos.

• GENTIL BARROS SOBRINHO – Natural de Xambioá – TO. Atualmente arquiteto e


empresário em Xambioá. Entrevista realizada em Xambioá, em 06 de julho de 2007. Duração
de 31 minutos e 39 segundos.

• HORÁCIO DE ALBUQUERQUE MARANHÃO – Natural de Uruçuí – PI. Atualmente


fazendeiro e morador de Xambioá. Entrevista realizada em Xambioá, em 04 de julho de
2007. Duração de 29 minutos e 02 segundos.

• IONE DIAS DE OLIVEIRA – Natural de Tocantinópolis – TO. Hoje professora e moradora


de Tocantinópolis. Entrevista realizada em Tocantinópolis, em 11 de janeiro de 2006.
Duração de 15 minutos.

• IVALDO SANTOS CARVALHO – (Bacalhau) - Natural de Porto Nacional – TO. Durante a


guerrilha atuou junto aos soldados do Exército como guia. Atualmente reside em Xambioá
(TO). Entrevista realizada em Xambioá, em 03 de julho de 2007. Duração de 33 minutos e
56 segundos.

• JOÃO DE DEUS NAZARO DE ABREU – Natural Santa Filomena – PI. Lavrador e


morador do povoado chamado de Perdidos, próximo a São Geraldo do Araguaia (PA). Foi
alguém que teve bastante contato com os paulistas. Hoje, mora em São Geraldo do Araguaia.
Entrevista realizada em São Geraldo do Araguaia, em 05 de julho de 2007. Duração de 56
minutos e 06 segundos.

• JOSÉ BATISTA NETO – Natural de Maceó – AL. Na época da guerrilha morava em


Tocantinópolis (GO), onde reside até hoje. Entrevista realizada em Tocantinópolis, em 19 de
junho de 2005. Duração 15 minutos.

• JOSÉ PEREIRA DA SILVA (Zé Ernestino) – Natural de Gerumenha – PI. Na época da


guerrilha trabalhou junto aos soldados do Exército como guia. Atualmente reside em
Araguaína (TO). Entrevista realizada em Araguaína, em 26 de junho de 2007. Duração de 1
hora e 55 segundos.

• LUDOVICO MATEUS FILHO – Natural de São Geraldo do Araguaia – PA. Na época da


guerrilha morava no povoado de Santa Cruz (PA) e teve contato com alguns paulistas.
Atualmente reside em Xambioá. Entrevista realizada em Xambioá, em 06 de julho de 2007.
Duração de 24 minutos e 21 segundos.

• LUIVAN GOMES DE ABREU – Natural de Xambioá – TO. No período da guerrilha era


adolescente em Xambioá e teve contato com alguns paulistas. Atualmente reside em
Araguaína (TO). Entrevista realizada em Araguaína, em 09 de julho de 2007. Duração de 16
minutos.
111

• MARFISA AQUINO CUNHA – Natural de Canto Grande – MA. Na época da guerrilha


moradora de Xambioá, onde reside até hoje. Entrevista realizada em Xambioá, em 04 de
julho de 2007. Duração de 16 minutos e 54 segundos.

• MARIA DA CONCEIÇÃO OLIVEIRA – Natural de Santana do Cariri – CE. Atualmente


moradora de Tocantinópolis (TO). Participação especial na entrevista com o senhor Félix
Pereira Leite. Tocantinópolis, em 01 de novembro de 2005.

• MARIA DE FÁTIMA COSTA E SILVA – Natural de Nazaré – TO. Professora e moradora


de Tocantinópolis. Entrevista realizada em Tocantinópolis, em 21 de janeiro de 2006.
Duração de 15 minutos.

• MARIA ONEIDE COSTA LIMA – Natural de São Geraldo do Araguaia – PA. Professora e
moradora de São Geraldo do Araguaia. Entrevista realizada em São Geraldo do Araguaia em
05 de julho de 2007. Duração de 19 minutos e 15 segundos.

• MIZAEL PEREIRA DA CUNHA – Natural de Canto Grande – MA. Lavrador e morador de


Xambioá. Entrevista realizada em Xambioá, em 04 de julho de 2007. Duração de 18 minutos.

• NEUZA RODRIGUES LINS – Natural de Cocobassulândia – PA. Viúva de Amaro Lins, ex-
guerrilheiro que se casou com Neuza e saiu do movimento. Atualmente reside em São
Geraldo do Araguaia (PA). Entrevista realizada São Geraldo do Araguaia, em 05 de julho de
2007. Duração de 1 hora e 13 minutos.

• RAIMUNDO GOMES SILVA – Natural do Estado do Maranhão, não citou a cidade. Foi
guia do Exército na época da guerrilha. Atualmente mora em São Geraldo do Araguaia (PA).
Entrevista realizada em São Geraldo do Araguaia, em 05 de julho de 2007. Duração de 22
minutos e 25 segundos.

• RAIMUNDO SANTOS DA ROCHA (Dêga) – Natural de Carolina – MA. Na época da


guerrilha trabalhava como barqueiro transportando mercadoria e pessoas pelo rio Araguaia.
Atualmente reside em Xambioá. Entrevista realizada em Xambioá, em 01 de julho de 2007.
Duração de 44 minutos e 53 segundos.

• ROSA GONÇALVES DE ARAÚJO – Natural de Carolina – MA. Proprietária de uma


pensão em Xambioá (TO), na qual se hospedavam alguns paulistas como o Osvaldão, o
Paulo. Moradora de Xambioá. Entrevista realizada em Xambioá, em 02 de julho de 2007.
Duração de 17 minutos e 33 segundos.

• SALOMÃO DIAS DE SOUSA – Natural de Loreto – MA. No período da guerrilha


trabalhava com taxista em Tocantinópolis (TO). Atualmente é comerciante em
Tocantinópolis. Entrevista realizada em Tocantinópolis, em 16 de junho de 2005. Duração de
15 minutos.

• SEBASTIÃO GOMES DA SILVA – Natural de D. Pedro – MA. Na época da guerrilha e


ainda hoje fazendeiro e morador de Xambioá. Foi prefeito da cidade durante os anos de 1959
a 1961. Entrevista realizada em Xambioá, em 03 de julho de 2007. Duração de 33 minutos e
28 segundos.

• WILAME GOMES DE ABREU – Natural de Xambioá – TO. No período da guerrilha era


adolescente nessa cidade. Atualmente é professor universitário no Curso de Direito e
Administração da Faculdade Católica de Araguaína (TO). É filósofo. Entrevista realizada em
Araguaína, em 09 de julho de 2007. Duração de 1 hora e 20 minutos.
112

Concedidas a Romualdo Pessoa Campos Filho

• ABDIAS SOARES SILVA – Farmacêutico em São Domingos do Araguaia (PA) desde a


época da guerrilha, tendo sido preso pelo Exército. Entrevista concedida a CAMPOS FILHO,
Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas. Goiânia: Editora da
UFG, 1997. p. 143.

• AMARO LINS – Lavrador em São Geraldo (PA). Participou do movimento, mas por ter se
envolvido por uma moradora da região, foi afastado do PC do B. Entrevista concedida a
CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas.
Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 117.

• EMMANUEL WAMBERGUE – (Mano) – Ex-missionário da Ordem dos Oblatas. Atuou no


sul do Pará como dirigente da CPT (Comissão Pastoral da Terra). Entrevista concedida a
CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas.
Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 174.

• FRANCISCO MACIEL LIMA – Comerciante na época da guerrilha em Palestina (PA).


Entrevista concedida a CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a
esquerda em armas. Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 78.

• JOANA ALMEIDA – Esposa de Luís Vieira, camponês que se integrou à guerrilha


juntamente com dois filhos. Moradora de São Domingos do Araguaia (PA). Entrevista
concedida a CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em
armas. Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 81. p. 149

• MARGARIDA FERREIRA FÉLIX – Camponesa da região de São Domingos do Araguaia


(PA). Teve fortes ligações com os paulistas. Entrevista concedida a CAMPOS FILHO,
Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas. Goiânia: Editora da
UFG, 1997. p. 152.

• PEDRO MATOS DO NASCIMENTO – (Pedro Marivetti) – Cultivou roça na época da


guerrilha, quando manteve contato com os paulistas. À época foi preso pelo Exército.
Atualmente é pedreiro em São Domingos do Araguaia (PA). Entrevista concedida a
CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas.
Goiânia: Editora da UFG, 1997. p. 133.

Concedidas a Dácia Ibiapina da Silva

• JOSÉ FRANCISCO DE CARVALHO – (Zé Moroca) – Na época da guerrilha era agricultor


na região de Palestina (PA). Conheceu os paulistas e militares enquanto trabalhava na roça.
Atualmente é comerciante na Palestina. Entrevista concedida a SILVA, Dácia Ibiapina da.
Memórias da Guerrilha do Araguaia: relatos de moradores de Palestina do Pará. Tese de
doutorado. UFRRJ/CPDA, 2002. p. 189.

Concedida a Luiz Maklouf Carvalho

• REGILENA CARVALHO – (Lena) – Militante do PC do B e companheira de Jaime Pettit


da Silva (Jaime). Depoimento concedido a CARVALHO, Luiz Maklouf. Mulheres que
foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998. p. 448. p. 451.
113

Concedidas a Elio Gaspari

• EMILIO GARRASTAZU MÉDICI – General que governou o Brasil de 1969 a 1974.


Entrevista concedida a GASPARI, Elio. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia
das Letras, 2002. p. 435.

Concedidas a Hélio Contreiras

• SÉRGIO LUIZ BURGER – Brigadeiro que participou da luta no Araguaia em 1973.


Depoimento concedido a CONTREIRAS, Hélio. Militares: confissões: histórias secretas
do Brasil. Rio de Janeiro, Mauad, 1998. p. 62.

Concedidas à revista Veja

• ALEXANDRE OLIVEIRA – Ex-guia do Exército na época da guerrilha. Entrevista


concedida a VEJA, 6 de set. de 1978. pp. 57-58.

• ANTÔNIO VENÂNCIO DE JESUS - Ex-guia do Exército durante a guerrilha. Entrevista


concedida a VEJA, 6 de set. de 1978.. p. 56.

• JOÃO SARAIVA – Prefeito de Xambioá na época da guerrilha. Entrevista concedida a


VEJA, 6 de set. de 1978. p. 56.

• RUBERVAN DA SILVA NUNES – Proprietária do bar Quentão, na época da guerrilha local


bastante freqüentado pelos militares. Entrevista concedida a VEJA, 15 out. de 1993. p. 25.

Concedidas a Fernando Portela

• JOSÉ GENOÍNO NETO – (Geraldo) – Ex-guerrilheiro preso durante a primeira campanha


das Forças Armadas em 18 de abril de 1972. Depoimento concedido a PORTELA, Fernando.
Guerra de Guerrilhas no Brasil. A saga do Araguaia. São Paulo: Global, 2002. pp. 202-
203.

Concedidas a Palmério Dória

• ALEXANDRE DE OLIVEIRA – Ex-guia durante a guerrilha. Entrevista concedida a


DÓRIA, Palmério et al., A Guerrilha do Araguaia. História Imediata. Nº 1, São Paulo, Alfa-
Omega, 1978. pp. 71-72.

Concedidas a Gláucio Ary Dillon Soares e Maria Celina D`Araújo

• CARLOS ALBERTO DA FONTOURA – Coronel do Exército que em 1969, chefiou o SNI


(Serviço Nacional de Informações). Entrevista concedida a D`ARAÚJO, Maria Celina.
SOARES, Gláucio Ary Dillon. CASTRO, Celso (Orgs). Os anos de chumbo: a memória
militar sobre a repressão. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. p. 99.

• DEOCLECIO LIMA DE SIQUEIRA – Em 1974 era tenente-brigadeiro e foi diretor de


Pessoal da Aeronáutica e, em seguida, do Departamento de Aeronáutica Civil. Depoimento
concedido a D`ARAÚJO, Maria Celina. SOARES, Gláucio Ary Dillon. CASTRO, Celso
(Orgs). Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de Janeiro: Relume-
Dumará, 1994. p. 124.
114

• IVAN DE SOUZA MENDES – Em 1974 era general de brigada, posto no qual comandou a
8ª Região Militar sediada em Belém, e a Escola de Comando e Estado Maior do Exército
(ECEME), integrando ainda o corpo permanente da Escola Superior de Guerra (ESG).
Depoimento concedido a D`ARAÚJO, Maria Celina. SOARES, Gláucio Ary Dillon.
CASTRO, Celso (Orgs). Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de
Janeiro: Relume-Dumará, 1994. p.172. p. 174.
• JOÃO PAULO MOREIRA BURNIER – Chefiou o Centro de Informações da Aeronáutica
(CISA). Depoimento concedido a D`ARAÚJO, Maria Celina. SOARES, Gláucio Ary Dillon.
CASTRO, Celso (Orgs). Os anos de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de
Janeiro: Relume-Dumará, 1994. p. 185). p. 201.

Concedidas à revista Isto é

• GERALDO MAGELA DE ALMEIDA – Natural de Minas Gerais. Advogado e proprietário


de um hotel em Araguanã (TO). Entrevista concedida a ISTO É, 28 de jul. de 1993. p. 50.

Concedidas à revista Época

• RAIMUNDO PEREIRA – Soldado durante a guerrilha. Entrevista concedida a Época, 03 de


mar. de 2004.

Concedidas ao Jornal do Tocantins

• JOÃO BOSCO LOPES DA SILVA – Morador de Xambioá. Entrevista concedida ao Jornal


do Tocantins, 21 e 22 de abril de 2000.

• JOÃO SARAIVA – Prefeito de Xambioá na época da guerrilha. Entrevista concedida ao


Jornal do Tocantins, 21 e 22 abr. 2000.

***
115

REFERÊNCIAS

ABREU, Alzira Alves de. Os anos de chumbo: memória da guerrilha. In: FERREIRA,
Marieta de Moraes (Coord.). Entre – Vistas: abordagens e usos da história oral. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1994. p. 14-32.

ABREU, Hugo. O outro lado do poder. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1979.

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,
2005.

ALVES, Marcio Moreira. A Igreja Católica e a política no Brasil. São Paulo: Brasiliense,
1979.

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964–1984). Petrópolis:


Vozes, 1984.

AMADO, Janaína. A Culpa Nossa de Cada Dia: Ética e História Oral. In: Ética e História
Oral – Projeto História. Maria A. Antonacci (org.) – Abril/97. São Paulo: PUC-SP, nº. 15.

BARROS, José D`Assunção. História, região e espacialidade. In: Revista de História


Regional. Vol. 10, Nº 1,UEPG, Ponta Grossa, Verão de 2005, p. 95-129.

BOSI, Eclea. Memória e Sociedade. Lembranças de Velhos. 5ª edição, São Paulo,


Companhia das Letras, 1998.

CABRAL, Pedro Corrêa. Xambioá: Guerrilha no Araguaia. Rio de Janeiro: Record,1993.

CAMPOS FILHO, Romualdo Pessoa. Guerrilha do Araguaia – a esquerda em armas.


Goiânia: UFG, 1997.

CARVALHO, Luiz Maklouf. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo,
1998.

CARVALHO, Luiz Maklouf. O Coronel rompe o silêncio. São Paulo: Objetiva, 2004.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. Rio
de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

__________________. A invenção do cotidiano: artes do fazer. Petrópolis: Vozes, 2005.


116

CHARTIER, Roger. A História Cultural. Entre Práticas e Representações. Lisboa: Difel,


1990.

CONTREIRAS, Hélio. Militares: confissões: histórias secretas do Brasil. Rio de Janeiro:


Mauad, 1998.

D`ARAÚJO, Maria Celina. SOARES, Gláucio Ary Dillon. CASTRO, Celso (Orgs). Os anos
de chumbo: a memória militar sobre a repressão. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

D`ARAÚJO, Maria Celina. SOARES, Gláucio Ary Dillon. CASTRO, Celso (Orgs). Visões
do golpe: a memória militar sobre 1964. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

D`ARAÚJO, Maria Celina; CASTRO, Celso. Ernesto Geisel. Rio de Janeiro: FGV, 1997, p.
225.

DELUMEAU, Jean. História do Medo no Ocidente. Tradução de Maria Lucia Machado.


São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DÓRIA, Palmério et al., A Guerrilha do Araguaia. História imediata. Nº 1, São Paulo,


Alfa-Omega, 1978. p. 71-72.

DOSSE, François. A oposição História/Memória. In: História e Ciências Sociais. Tradução


de Fernanda Abreu. Bauru, São Paulo: Edusc, 2004. p. 169-191.

______________. A História em migalhas: dos “Annales” à “Nova História”. Campinas:


São Paulo:Universidade Estadual de Campinas, 1992.

FELIPE, Gilvane. A Guerrilha do Araguaia (Brasil: 1966–1975). Tese de doutorado


apresentada ao Institut des Hautes Études de I`Amérique Latine (IHEAL). Université de la
Sorbonne Nouvelle (Paris III), 1993.

FERRAZ, Siney. O Movimento Camponês no Bico do Papagaio: Sete Barracas em busca


de um elo. 2 ed. Imperatriz-MA: Ética Editora., 2000.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª


edição, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Orgs). O Brasil Republicano.


O tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Livro 4.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína (Orgs). Usos & Abusos da História
Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

FERRO, Marc. A história vigiada. São Paulo: Martins Fontes, 1992.


117

FICO, Carlos. Além do Golpe – Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio
de Janeiro, São Paulo: Record, 2004.

FICO, Carlos. Versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. In: Revista
Brasileira de História. V. 24, nº 47, São Paulo, 2004. p. 29-60.

___________. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da


repressão. In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (Orgs). O Brasil
Republicano. O tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século
XX. Livro 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 169-205.

FLORES, Elio Chaves. A condição republicana: eventos de ironia e sátira. João Pessoa,
PB: Manufatura, 2003.

FLORES, Elio Chaves. A gestação do Último Eldorado Brasileiro (1961–1988). In: Estudos
Ibero-Americanos. PUCRS, v. XX, n.2, 1994, p. 131-149.

GASPARI, Elio. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GORENDER, Jacob. Combate nas Trevas – a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à
luta armada. São Paulo: Ática S.A, 1987.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HELLER, Agnes. O quotidiano e a história. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e


Leandro Konder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 3 ed. Campinas, SP: UNICAMP, 1994.


LE GOFF, Jacques. & NORA, Pierre (Orgs.). História. 1. Novos problemas; 2. Novos
objetos; 3. Novas abordagens. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976. 3 v.

MAFFESOLI, Michel. O conhecimento do quotidiano: para uma sociologia da


compreensão. Tradução de José Lamy. Lisboa: Veja, s/d.

MAGALHAES, Marionilde Dias Brepohl de. A lógica da suspeição: sobre os aparelhos


repressivos à época da ditadura militar no Brasil. Rev. bras. Hist. [online]. 1997, vol. 17,
no. 34 [citado 2008-03-22], p. 203-220. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010201881997000200011&lng=
pt&nrm=iso>. ISSN 0102-0188. doi: 10.1590/S0102-01881997000200011

MAINWARING, Scott. A Igreja Católica e a política no Brasil (1916–1985). Tradução de


Heloisa Braz de Oliveira Prieto. São Paulo:Brasiliense, 1989.

MATTOS, Paulo Henrique Costa. Vida Vermelha – história da esquerda no Brasil dos
primeiros partidos à luta armada no Araguaia. Gurupi, Tocantins: Veloso Edições, 2004.
118

MONTENEGRO, Antônio Torres. História Oral e Memória: a cultura popular revisitada.


São Paulo: Contexto, 1994.

MORAIS, Taís e SILVA, Eumano. Operação Araguaia: os Arquivos secretos da Guerrilha.


São Paulo: Geração Editorial, 2005.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o perigo vermelho. O Anticomunismo no


Brasil (1917–1964). São Paulo: Perspectiva, Fapesp, 2002.

MOURA, Clóvis. Diário da Guerrilha do Araguaia. (Apresentação). 3ª edição: São Paulo:


Alfa-Ômega, 1985.

PERROT, Michelle. Os Excluídos da História. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
PINSKY, Carla Bassanezi (Org). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.
POMAR, Wladimir. Araguaia: o partido e a guerrilha – Documentos inéditos. São Paulo:
Brasil Debates, 1980.

PORTELA, Fernando. Guerra de Guerrilhas no Brasil. A saga do Araguaia. São Paulo:


Global, 2002.

PORTELLI, Alessandro. O que faz a história oral diferente. Projeto História, Nº 14, São
Paulo: PUC, fevereiro/1997, p. 25-39.

____________________. Tentando aprender um pouquinho – Algumas reflexões sobre a


ética na história Oral. In: Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em História e
do Departamento de história. PUC –SP, abril/1995. p. 13-33.

PRINS, Gwyn. História Oral. In. BURKE, Peter (org). A Escrita da História: Novas
Perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1992.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França.
São Paulo: Ática, 1993.

Relatório sobre viabilidade econômica e capacidade técnica para implantação do Memorial


do Araguaia – IAPA – Instituto de Apoio aos Povos do Araguaia: [Xambioá – TO], S/d.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 2005.

ROCHA JÚNIOR, Deusdedith Alves. A Guerrilha do Araguaia (1972–1974). Dissertação


de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História. Brasília: Universidade
de Brasília, 1995, 158 p.

ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta armada no Brasil: o treinamento


guerrilheiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2001.

_____________. Esquerdas revolucionárias e luta armada. In: FERREIRA, Jorge e


DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs). O Brasil Republicano e o tempo da
119

ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro:
Civlilização Brasileira, 2003. p. 45-91.

SÁ, Glênio. Araguaia: Relato de um guerrilheiro. 2ª edição, São Paulo: Anita Garibaldi,
2004.

SARLO, Beatriz. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de


Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SCHWARZSTEIN, Dora. História Oral, memória e histórias traumáticas. In: Revista da


Associação Brasileira de História Oral. Nº. 4, 2001, p. 73-83.

SILVA, Antônio Ozai da. História das Tendências no Brasil (Origens, cisões e propostas).
2 ed. São Paulo, s/d.

SILVA, Dácia Ibiapina da. Memórias da Guerrilha do Araguaia: relatos de moradores de


Palestina do Pará. Tese de doutorado. UFRRJ/CPDA, 2002.

SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castelo. 9ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1988.

STUDART, Hugo. A lei da selva. Estratégias, imaginário e discurso dos militares sobre a
Guerrilha do Araguaia. São Paulo: Geração Editorial, 2006.

THOMPSON, E. P. A Miséria da Teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.


_______________. A Formação da Classe Operária Inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1987. Vol. I.

_______________. Costumes em Comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São


Paulo: Companhia das Letras, 2005.

_______________. As peculiaridades dos ingleses e outros ensaios. Org. Antônio Luigi


Negro e Sérgio Silva. Campinas: Unicamp. 2001.

THOMPSON, Paul. A voz do passado. História Oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TSÉ-TUNG, Mao. Escritos militares. Goiânia: Libertação, 1981, v. 1.

JORNAIS E REVISTAS

Jornal do Tocantins – 21 e 22 abr. 2000.


Revista Veja. São Paulo: Abril, Edição de 06 de set de 1978. pp. 52-58.
Revista Veja. São Paulo: Abril, Edição de 20 fev. 1980.
Revista Veja. São Paulo: Abril, Edição 1309, Ano 26, nº 41, de 13 out.1993. pp. 16-28.
120

Revista Isto É. São Paulo: Três, Edição de 28 jul. 1993, pp. 48-51.
Revista Isto É Online. São Paulo: Edição nº 1663 de 15 ago. 2001. Disponível em:
<http://www. terra.com.br/istoe/1663/brasil/1663_arquivo_vivo.htm>. Acesso em: 07 jun.
2007.

Revista Isto É Online. Edição 1697. 05 abr.2002. Disponível em:


<http://www.terra.com.br/istoe/1697/brasil/1697embuscadotempoperdido.02.htm > Acesso
em: 24 jun 2005.

Revista Isto É Online. São Paulo: Edição de 20 jun. 2007. Disponível em:<
http://www.terra.com.br/istoe>. Acesso em: 18 jun.2007.

Revista Época. São Paulo: Editora Abril, Edição de 03 mar. 2004. Disponível em:
<http://www.defesanet.web.terra.com.br/noticia/epocaaraguaia/index.html>. Acesso em: 07
jun. 2007.

Revista Época. São Paulo: Editora Abril, Edição de 21 mai. 2007. Disponível em:
<http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG675559-6009,00.html>. Acesso em:
09 jun. 2007.

Revista Tocantins Total – 2005.

Relatório dos Mortos e Desaparecidos Políticos. Disponível em:


<http://www.desparecidospoliticos.org.br/araguaia/j_carlos.html> Acesso em: 26/05/2007.

BRASIL. Lei 9.140, de 4 de dezembro de 1995. Reconhece como mortas pessoas


desaparecidas em razão de participação, ou acusação de participação em atividades políticas,
no período de 2 de setembro de 1961 a 15 de agosto de 1979. Disponível:
<http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/leis/L9140.htm> Acesso em: 17/06/2007.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial sobre Mortos e
Desaparecidos Políticos. Direito à memória e à verdade. Brasília, 2007.

REPORTAGEM TELEVISIVA

Fantástico – Rede Globo – dez.1998.


121

ANEXOS
122

ANEXO A

Fonte: MORAIS, Taís e SILVA, Eumano. Operação Araguaia: Os Arquivos secretos da


Guerrilha. São Paulo: Geração Editorial, 2005.
Os grifos sobre as cidades foram feitos pelo autor da Dissertação, para identificar os locais
onde foram realizadas as entrevistas.
123

ANEXO B

Anexo B.1 - Casa onde residiu João Carlos Haas Sobrinho (Dr. Juca) em Porto Franco – MA.
Fonte: Arquivo do autor.

Anexo B.2 - Posto médico onde trabalhou João Carlos Haas Sobrinho (Dr. Juca) em Porto Franco – MA.
Atualmente funciona o Fórum da cidade.
Fonte: Arquivo do autor.
124

Anexo B.3 - Pista de pouso em Xambioá – TO. Local onde funcionava a Base da Aeronáutica e do Exército
durante a guerrilha. Fonte: Arquivo do autor.

Anexo B.4 - Rio Araguaia e ao fundo a Serra das Andorinhas - PA. Fonte: Arquivo do autor.
125

ANEXO C

Entrevista Duração: 37:44

Entrevista realizada em Xambioá – TO, em 03 de julho de 2007.

Wellington. Primeiro eu quero que o senhor falasse o seu nome completo e a sua idade.

Antônio. O meu nome completo é Antonio Alves de Souza.

Wellington. Seu Antônio tem quantos anos?

Antônio. Eu tenho 68 anos, sou de 32.

Wellington. O senhor é natural de Xambioá?

Antônio. Do Maranhão.

Wellington. De qual cidade do Maranhão?

Antônio. Sou de São Luís do Maranhão.

Wellington. E como o senhor chegou aqui a Xambioá?

Antônio. Xambioá eu cheguei aqui na era de 53 em Xambioá, cheguei em 53, no dia 15 de


julho de 53. E ai daí pra cá eu tenho lutado aí por essas mata, trabalhando … no Pará não é?
Que dizer … foi … foi aqui em Xambioá em 53, ai eu venho trabalhando dentro dessas mata
pra Marabá … até agora tô dentro da mata. Aí cheguei a me localizar em 70 … é em 68 eu
me localizei na região por nome Abóbora em 68 … . Fiquei lá morando lá nas Abóbora em
68, passei 68, 69 ai em 70… quando foi em 71 começaram chegar um pessoal pra lá … tá
certo … mais a gente não conhecia aquele pessoal, né? Quando foi na era de 72 ai foi …
chegou os militar em busca daquele pessoal que tava chegando … aqui no Pará. Chegou os
militar, inclusive que quando foi em 72, eu não lembro a época do 72 o dia, a época … o dia
certo que eles chegaram lá em casa, era uma base de umas seis horas da tarde … em precura
desse pessoal que tava nas matas que eles chamava de terroristas. E eu era um dos que
morava perto de um deles, era vizinho de um deles que era o mais bravo que eles contava
que era uma senhora Dina, dizia que era a Dina era a valente, Dina, Osvaldão esse pessoal aí
… . Aí quando dei fé minha casa tava … pelas seis hora da tarde … minha casa tava cercada
por militar … chegaram, precuraram onde é que morava a Dina, aí eu mostrei a casinha – ela
mora aqui atrás. Precuraram se eu podia ir lá com eles, eu digo – vou, só que eles não tão aí
não, eles passaram hoje as seis horas da manhã, passaram pra Esperancinha pra onde tava
uma … uma vizinha deles lá doente, ela tava doente, então eles foram pra lá. Ele disse –
mais você pode ir lá na casa dele mais eu? Eu disse – posso! E nisso eu fui saindo … aí o
soldado falou assim: - Não deixa esse aí e leva esse outro! Que era um cunhado meu. Meu
cunhado foi mais eles e eu fiquei, tinha quatro militar lá dentro de casa, né?, e os outros uns
cinco ou seis desceram pra lá. Aí chegaram lá riviraram a casa deles tudo … dos terroristas
como ele chamavam, riviraram tudo jogaram tudo no meio da casa e ai vieram … trouxeram
um bucado de bagulhagem e vieram … quando chegaram em casa eles precuraram pra mim
126

se eu ia tocar fogo na casa no outro dia. Eu não ia dizer que não ia, que tava junto com os
militar … eu digo – não, toco! – Você toca mesmo? Eu disse: - toco! – Pois amanhã a tarde
eu passo por aqui pra saber se você tocou fogo na casa! E é pra você tocar fogo na casa
mesmo! E aquelas criação que eles tem lá, que eles tem muita criação, aquelas criação que
tem lá você pega tudinho e dá cum sumiço naquela criação tudo amanhã mesmo! Porco, tem
um porco lá no chiqueiro você pega e mata e dá pra vizinhança. Eu digo – tá bom! Mais
nisso, não chegou eu fazer aquele serviço. Quando foi logo cedinho chegou um guia que ia
com eles que foi o cara que levou eles até lá em casa, o senhor José Caboco. Zé Caboco
chegou com a vizinhança ali dele toda lá e pegou as galinhas, pegou porco matou tudo,
acabou com aquilo tudo. Mais quando foi as nove horas do dia eu fui e toquei fogo na casa
como eles tinham mandado eu tocar fogo na casa. E fiquei esperando ele passar lá … fez
hora e eles não passaram. Quando foi no outro dia, negócio de umas oito horas do dia que eu
dei fé o terreiro tava qualhado deles. – Tocou fogo na casa? Ai eu fui: - Toquei! Certo, tocou
que eu passei por lá! Tá bom, aí falaram comigo e saíram foi simbora. Quando tava com uns
três méis eles rodando ali por dentro … todo dia eles passava lá em casa, todo dia, todo dia, e
falaram pra mim assim: - olha, você fica aqui na expectativa se aparecer esse pessoal você
corre na base mais perto que tiver aqui, você vai avisar que se você não avisar o negócio é
mais pesado pra você, e você tem que avisar. E se você avisar e nós pegar o cara que você
viu e avisou você tem um dinheiro bom. – Tá bom! Eu fiquei naquela expectativa se
aparecer gente tem de avisar, se não avisar o negócio pega pra mim, né? Mais não. Nunca
mais apareceu, ninguém nunca apareceu lá. Também eu nunca fui avisar pra eles nada,
sempre eles passava e precurava: - cadê os home? Eu digo: - nunca mais eu vi, do dia que
saíram daí nunca mais eu vi. Que quando a Dina passou lá em casa no dia que ela saiu pra ir
lá na casa de ____ ele pediu pra mim ir botá de comer pra os bixos dela lá, tinha um milho lá
numa vazia no armário e era pra mim ir lá e botá ração pras galinhas, pros porcos que tavam
no chiqueiro e as galinhas, né? Mais num chegou eu ir botar ração pra eles, eles tinham
deixado muito lá no terreiro. Eu digo: - do dia que eles passaram aqui, nunca mais eu vi eles
não. Aí quando foi com uns oito dias, eles chegaram lá em casa de novo. Eu tava com um
paiô, uns dez sacos de farinha feito, que eu tava fazendo farinha que era pra levar pras
Abóbora que era ponto de castanha. Eu vendia farinha pras Abóbora e para Fortaleza, e tinha
25 sacos de farinha dentro do paiô e tinha um bucado de farinha dentro de umas coxas, na
oficina e eu tava com 40 calhas de mandioca na água que era pra fazer farinha. Quando eles
chegaram e mandaram eu me arrancar dali, sair da casa rapidamente, deixando tudo pra trás,
ai eu saí e deixei farinha, deixei arroz, deixei as criação e deixei tudo e a mulher gestante,
quase um mês de ganhar nenê. Saí pra fora da … da minha casa, um quilometro e pouco …
Eu morava lá pra cima da mata, naquele tempo as moradas, os morador tudo era longe. Aí
fiquei … ali eu fui passar fome, com arroz muito arroz que eu tinha no paiô, farinha, as
criação mais eu não podia ir lá na casa que os militar tava toda hora rodando ali, eu não
pudia, não tinha mais licença ir lá na casa não e a mulher passando fome … Aí foi tempo que
a mulher ganhou menino. E eu sem puder arrumar nada que o que eu tinha tava tudo preso
pra lá sem eu puder encostar lá pra apanhar. Eu fui lá nas Abóbora na base, cheguei lá falei
com o chefe que ficava sempre lá, eu digo: - não eu vim aqui porque minha mulher ganhou
menino, tá com seis dias hoje que minha mulher ganhou menino, e eu quero a permissão sua
pra mim ir lá na minha roça e pegá uma mandioca pra fazer farinha pra ela. Ele olhou assim
pra mim e disse, assim: - Rapaz, você quer fazer essa farinha não é pra os terroristas não? Eu
digo: - Não, é pra minha mulher que tá de resgardo, tá lá minha mulher passado fome! E ele
disse: - Vai, você pode ir, vai vê sua farinha, mais você tem que fazer pouca! Eu digo: - Não,
vou fazer pouca, não vou fazer muita não, vou fazer pouca. Nesse intervalo que nois tava lá
passando necessidade, eu fui lá duas veiz, lá na casa, lá na minha casa a meia noite pra
roubar o que era meu pra poder comer. Nesse dia eu trouxe um pouco de arroz, truxe uma
127

farinha e truxe dois frangos … A meia noite eu saí pra lá pra pegar … e não fui mais. Aí
quando foi nesse dia que eu peguei essa permissão que eles me autorizaram pra mim pegar lá
… arrancar mandioca e fazer farinha, pra mim não ir só tinha um vizinho assim que tinha os
garotinhos de 8 a 10 anos, eu fui lá pedir a ele, eu digo: - Dodô deixa teu menino ir lá na roça
mais eu pegar … pra mim arrancar uma mandioca pra fazer farinha pra muê, que a muê ta
assim … e eu tô sismado de ir sozinho que os militar tão por ai! Ele disse: - Vai Jorge! Que
era o nome do menino. - Vai Jorge mais o seu Antônio! Ai o menino saiu mais eu. Chegou lá
em casa eu peguei o menino botei em cima do animal e vumbora meu filho na roça arrancar
mandioca e vem já! Aí desci lá pra roça, quando cheguei bem no acero da roça o burro
sismô, olhei assim pra eles, eles estavam tudo deitado debaixo de uns pezinhos de manga
meu, que do lado direito de terra que eu tinha comprado tinha um sitiozinho de manga uns
pezinhos lá, aquela coisa … eles tavam tudo deitado ali. Aí o burro se espantou e eu vi
quando eles levantaram … Pode é que tu vai rapaz? Eu digo: - Não, vou ali arrancar
mandioca pra fazer farinha pra muê! Que fazer farinha pra muê o que, cabra semvergonhi,
você vai é arrancar mandioca pra fazer farinha pra os terroristas! Eu digo: - Não, eu fui
ontem pedir a permissão lá nas Abóbora, lá na base eu pedi permissão e o chefe mandou que
eu viesse arrancar mandioca pra fazer essa farinha. - Que nada, vamo voltar pra trás! E eu
voltei pra trás mais eles. Já saíram de lá comigo amarrado. Quando cheguei bem no terreiro
de minha barraca que era onde eu morava, eles meteram a mão em mim derribaram, me
bateram logo um bucado, né … bateram muito, mandaram o menino embora, aí o menino foi
embora ai me tocaram no rumo de casa, mais antes de chegar lá em casa tinha uma
estradinha que saia lá na casa de um vizinho por nome Adilino. Me tocaram pra lá antes, eu
disse: - rapaz deixa eu passar ao menos lá por casa! Ele disse: - Não, você vai é por aqui!
Meteu logo a mão em mim. Aí eu cheguei lá e o compadre Adilino me viu: - Compadre o
que é que foi? Eu digo: - Não tô sabendo de nada! Disse: – E a comadre? Eu digo: - Não
sabe de nada também. Que ela tinha ficado por lá, por lá por casa não tinha mais passado. Aí
me tocaram lá pras Abóbora … cheguei lá negócio de umas 10 horas do dia … cheguei lá
nas Abóbora, passei o resto do dia preso lá. Quando foi no outro dia, o helicopo chegou, me
pegaram jogaram dentro e truxeram pra cá. Cheguei aqui quando eu bati na pista aqui foi
mesmo que bater na mão de um bucado de gavião. Me pegaram logo, me saíram arrastando
por cima de um bucado de toco com a corda amarrada no pescoço … por cima de um bucado
de toco … de toco, ai levaram e me amarraram num pé de palmeira lá … um toco de
palmeira. Em baixo no toco da palmeira tinha um monte de formiga de fogo, eles
assanharam aquelas formiga de fogo e foram amarraram … ali as formigas invadiu meu
corpo todinho me morderam o tanto que quiseram, eu não podia me mexer … me morderam
… de vez em quando eles chegava e batia, de vez em quando chegava e batia com o facão …
nunca fiquei bom direito, me bateram muito. Quando foi a partir das 5 horas da tarde me
tiraram, levaram pro … pra base … lá pra barraca. Quando cheguei lá tinha um dipindurado
num pau assim … não era nem um pau, era um cano de ferro, passado assim … e ele lá
dipindurado com as faixas amarradas assim nas pernas e um ferro assim … de vez em
quando ele ia lá e tocava um choque nele, de vez em quando ele ia lá e tocava um choque.
Tinha outro deitado pra lá todo machucado, inclusive esse senhor que tava lá todo
machucado era um dotorzinho e esse que tava lá dipendurado era … era … (Tempo pra
lembrar o nome)

Wellington. Esse senhor também era morador daqui seu Antônio?

Antônio. Ele morava lá na mata … pegaram ele lá na mata … lá nessa mesma região da
Abóbora. Aí me botaram pra sentar lá em cima _____ aí eles foram me investigar, chegava
outro, precurava uma coisa … eu contava só aquilo que tinha acontecido, chegava outro e
128

dizia: - Ah! ele não diz nada não, ele não descobre nada não esbarra ai. Aí me pegaram,
botaram um choque em mim, botaram no beiço assim … e botaram na oreia e deram aquele
choque pra eu contar o que aconteceu. Eu digo: - comigo não aconteceu nada e nem com eles
lá também que eu não sei. Porque eles eram morador … tavam lá o morador junto perto de
mim e eu também tenho eles como qualquer uma pessoa, não me impataram chegar. Se você
acha que tá um … uns terroristas morar perto de você é porque você era terrorista também.
Eu digo: - Eu não sabia o que é que eles eram, pra mim ele era igualmente eu ou outro
qualquer e ou … a mata é pública pra qualquer um chegar e morar né. Aí me botaram aquele
choque, botaram choque, tiraram e me bateram muito com uns talo de coco … com uns talo
de coco era só pegando e … e ele não conta não, peraí que vai contar! … me arrastaram
assim tinha uns tambor de água, desses tambor de 200 litro, pegava e tocava a cabeça pra
baixo dentro daquele tambor. Quando tava já na hora de bater as botas eles tirava pra fora …
tomava aquele foigo … - conta covarde o que é que tu fazia pra os terrorista! Eu não fazia
nada. Nem eu fazia pra eles e nem eles fazia pra mim também. Eles tocava a vida deles pra
lá e eu tocava a minha lá pra minha casa! Não ele não conta não, ai começaram a me judiar o
resto do dia até umas horas. Me tocaram e levaram lá pro chiqueiro, um curral que eles
fizeram … de arame … todos fios de arame asssim … cercado assim … tinha um pezinho de
coco assim … que era a casa a nossa casa lá … que lá não tinha casa, não tinha nada, um
curral … aí cheguei lá tinha aquele magote de gente, tinha muita gente … só conhecido meu
que eu sabia de nome tinha Zé Novato, Zé Maria, tinha Beca, Zé Madalena que é o marido
dessa veia Madalena que tá … que mora lá em cima, Zé Madalena, Zé das Graças, Zé Borge,
que era os que eu conhecia de nome, por nome e mais outras pessoas que eu não sabia como
era o nome e podia precurar, porque a gente chegava lá não podia conversar com ninguém
… me botaram lá. Quando foi no outro dia cedo … chamaram: - Busca o novato lá pra mim!
Me pegaram e mim arrastaram de novo pra me investigar, precurando o que é que eu tinha
feito prus terroristas … - Não, não fiz nada, esse povo era um povo que morava pertinho de
mim, mais eu não sei quem era esse povo, não sei como era o nome deles, sei que eles eram
vizinho lá perto, mais esse povo nunca fizeram nada pra mim e eu nunca fiz nada pra eles. -
Não ele não conta não! Tornava a botar choque, era choque … afogava de novo … eles só
num fizeram foi mim dipindurar, dipindurar lá como os outros tava eles não dipinduraram
não, mais o choque eles dava direto … batiam … até que eles viram que eu não contava
mesmo … mim tiraram e botaram debaixo _____. Quando foi no outos dia tornaram chamar
… me tornaram chamar … cheguei lá mim deram um bucado de choque mim afogaram de
novo outra vez, só uma vez mim afogaram … mim deram um bucado de choque, choque eles
mim deram muito, mim bateram … quando chegou um cara num saco … dentro daquele
saco vi a cabeça de um companheiro lá, uma pessoa lá … . – Deita bem aqui! Comigo, né?
Ai eu mim deitei, tinha de deitar, ou deitar ou morria … como eles fazia com muito … aí eu
mim deitei, quando mim deitei aí ele …sacudiram … jogaram aquele saco … caiu aquela
cabeça perto de mim … - Conhece esse daí? Eu disse: - Eu não conheço ninguém! Esse daí
não. – É teu companheiro rapaz! Teu companheiro e tu não conhece? Eu digo: - Não
companheiro meu não! – Pois é! Pois olhe do jeitinho que esse foi você vai também, viu?
Você vai do mesmo jeitinho que esse foi você vai também! Eu digo: - olha sabe de uma
coisa eu tô entregue a mão … eu tô nas mãos de Deus, primeiramente eu tô nas mãos de
Deus e segunda na mão de vocês. Vocês é quem faz de mim o que quiser … e se é de tá
desse jeito, mim judiando desse jeito assim … é melhor matar logo mesmo rapaz … . – Tira
ele, leva lá pro curral! Aí ficou … de vez enquando um chegava mim investigava, de vez
enquando um chegava e investigava … e eu contando só aquele causo que justamente tinha
acontecido. Aí eu passei lá dessa vez eu passei 22 dia preso. Todo dia eles investigava …
agora só que bater mesmo eles não bateram mais. O derradeiro dia que foi … que eles mim
bateram … eles mim investigaram … viram que eu não contava uma … uma mentira, porque
129

se eu contasse uma coisa e outra coisa era mentira, e eu não ia contar mentira, ia contar a
verdade. Então eles viram que eu não contava uma mentira … eles disseram assim: - Não,
ponha lá aquele negócio! Bota aqui nele, que já já ele conta. Aí o cara vei, um senhor de
Romeu, e esse senhor de Romeu dizem que era o pesado … era o que gostava de bater. Veio
aqui por trás de mim segurou minha cabeça e apertou, apertou, apertou, apertou e aí quando
eu vi que aquilo ia estorar, eu digo: - Vocês pode estourar, vocês pode matar mais eu não
vou contar uma mentira nem condenar ninguém, que eles queria que eu mentisse porque eu
tava contando a verdade, e se eu contasse outra coisa era mentira. Eles queria que eu
mentisse e condenasse algumas pessoas e eu não podia condenar ninguém, porque eu não
tinha visto ninguém fazer outras coisa, nada pra eles né. Vocês pode fazer o que quiser, mais
eu só conto o que aconteceu. Aí foi a hora que chegou … um outro lá que eu não conheço,
naquele tempo lá tudo era doutor … chegou lá … aí disse: - Não, tira isso daí da cabeça dele!
Aí tiraram e mim levaram pra lá … ______. Quando eles tiraram aqui tava pra estorar …
fiquei com uma dor de cabeça muitos anos de sete anos pra foi que vei melhorar mais um
pouquinho depois de muito remédio que eu tenho tomado. Foi que veio melhorar um
pouquinho. Aí fiquei lá … todo dia na investigação, e chegando gente e eles batendo pra lá
… . Zé Novato ficou numa situação que ainda hoje é alejado, nunca mais foi homem pra
nada, Zé Madalena esse eles mataram. Um dia por essa hora assim (aproximadamente 16:00
h) ele escapuliu de lá de um buraco, que esse era preso com nois não, era num buraco bem
pertinho de nois assim. E esse escapuliu … foi aquele ribuliço no mundo lá … na base … e
aí pegaram ele e ninguém viu mais ele, eles mataram. Zé Novato saiu todo esbagaçado de
taca, é mole nunca mais foi home pra nada e assim foi com muitas pessoas … judiaram na
pusição de não ser mais home pra nada. Eu eles mim bateram e muito, ainda hoje eu trabalho
mais mim sentido muito ruim, nunca fui mais home pra dizer assim eu tenho aquela
resistência como eu tinha antes, aquela força … eu sinto dó no meu corpo, de vez enquando
eu sinto aquelas pontadas … aquelas coisas tudo … . E assim eu passei nessa sujeição lá com
eles, nesse sufrimento, eu passei 22 dias. Minha muê pra lá sofrendo não sabia nem pra onde
é que eu tava nem notícia minha daqui ela não sabia, ela pensava que eu andava era na mata
aí junto com eles caçando os terroristas como eles chamavam. Mais eu tava era aqui
sofrendo. Aí com 22 dia foi que eles mim liberaram. Nesse dia que eles me liberaram,
liberaram eu, Zé Novato, Beca e doutor ____. Eles chegaram lá e precuram esse negócio de
umas 8 pra 9 horas do dia. E no outro dia nois ia embora, eles iam liberar nois, mais só no
outro dia porque naquele dia não tinha avião pra levar nois, aí nois … eu fui e falei assim …
Eu mais o Beca falei assim: - É se ele liberasse hoje quisese que nois fosse simbora hoje,
hoje eu ia de imbora a pé, aí eles escutaram, o guarda que ficava assim escutaram, aí foi e
falou pra eles. Você que ir embora hoje? Eu digo: - Não, se é pra nois ir amanhã … se você
quer mandar nois ir imbora amanhã … se quiser mandar nois ir imbora hoje, nois vamos de a
pé, tem nada não! Pois vai até do outro lado! Aí pegaram nois deram as coisas que tomaram
de nois que foi a roupa que nois tinha levado … aí deram de novo, nois tava só de cueca lá
dentro … pegaram a roupa e entregaram pra nois e nois saimo. Botaram dentro da avoadeira
e nois viemo pra o outro lado. Aí de lá nois fomo imbora pra casa. E assim são muitas coisas
que a gente conta e eu como se diz tem muitas coisas que passou e a gente passa por alto pra
contar, entendeu? A gente não lembra tudo na hora pra contar.

Wellington. Seu Antônio quando ele jogou a cabeça lá do guerrilheiro assim o senhor não
sabia quem era mesmo não? Ou o senhor já tinha …

Antônio. Eu tinha visto ele uma vez, só que tava muito desfigurado pra mim conhecer, mais
depois foi que disseram era de fulano de tal. Eu já tinha visto ele … só uma vez não, muitas
vezes que eles passavam lá pra casa da Dina … eles sempre gostava de visitar a Dina né, eles
130

tudo como bem … os que eu conhecia de nome era a Dina, o Antônio que era o marido da
Dina, Zé Francisco, Raul e o … como era o nome … Zé Francisco, Raul, Mundico que eu
conheci de ____, Helena e Aura esses eu conheci de nome, que já tinha visto passar, eu
conhecia de nome … eu conhecia pelo nome e via muitos, mas não sabia como era o nome
deles não. E sim tinha o Ari também … o Ari esse eu conhecia, que o Ari foi um que teve até
uma farmácia aqui no São Geraldo, teve uma farmaciazinha … eu também conheci.

Wellington. E o senhor era vizinho deles na verdade?

Antônio. Só da Dina, os outros era vizin porque naquele tempo vizin de uma légua duas
léguas era vizin. _____ ele morava mais fora … ele morava uma base de uma légua de
distância de nois, agora pertinho só a Dina mesmo, que era assim uma faixa de uns 250
metros lá pra casa dela, direto assim … indo pela estrada dava mais longe um pouco, mais
indo direto assim dava 250, nois escutava todo mundo no meio deles lá.

Wellington. Seu Antônio, e eles realizavam algum trabalho lá com a população local? O
senhor sabe dizer se eles faziam isso?

Antônio. O … os guerrilheiros? Os terroristas? Não, eles não tinham muito … eles não teve
tempo da fazer serviço. A única mente eles tava se alicerçando, porque eles chegaram
compraram aqueles direito de posse … compraram do velho Raimundo Cantuara. Esses
direito que eu morava era do filho do Raimundo Cantuara e eles compraram do velho
Raimundo Cantuara. Eles compraram esses direito de posse e tavam se alicerçando né, eles
tavam comprando muito era criação … criação eles tavam comprando muito. Eles tavam no
psicoise de trabalhar, de fazer serviço ali como … o Antônio da Dina um dia me chamou: -
Seu Antônio vamos dar uma volta no mato pra mim ter uma prática mais certa aonde é a
minhas divisa, que você conhece a mata, eu não conheço … aonde é minha divisa que eu
esse ano quero botar uma roça! Ele queria botar uma roça naquele ano, ele tava falando que
ia botar roça … Aí eu andei na mata mais ele de manhã pra mei dia eu andei na mata mais
ele mostrando, eu digo: - olhe seu Antônio, mais ou menos dessa base daqui par cá é meu
limite, e pra cá é o seu limite … daqui aonde dê você deve trabalhar! Naquele tempo a mata
era grande não tinha muito morador. Ele disse: - Tá bom, eu quero saber que pra mim não
chegar a atingir o seu lado nem você atingir o meu.

Wellington. Seu Antônio e eles nessa conversa poucas que teve com o senhor. Eles nunca
falaram de onde eles eram? O que é que eles tavam fazendo?

Antônio. Nunca, o que eles me falaram era só unicamente que andavam aventurando pra vê a
… caçando um lugar pra se aquetarem pra trabalhar que pra onde eles moravam não tinha
mais um lugar de trabalhar, então eles queria era um lugar que eles descansassem e ali
naquela região tava sendo um lugar muito bom pra eles se aquetarem e trabalharem, é … o
que eles me contavam era isso.

Wellington. Seu Antônio aí durante essa época que eles conviveram lá com o senhor, o
senhor nunca chegou a perceber que eles eram pessoas diferentes, estudadas … o senhor
nunca teve essa desconfiança, não?

Antônio. Não, saber se eles eram umas pessoas estudadas, pessoas que intindia a gente sabia
que eles eram por causo do trabalho deles mesmo, né. Porque a mulher mesmo foi uma
mulher que chegou lá em casa um dia e a minha menina mais velha, que acabou de sair
131

daqui indagora, tava muito doente, entendeu? Tava muito doente … aí ela gostava muito da
menina, a menina nesse tempo era pequeneninha assim … aí quando ela foi que passou …

Wellington. A Dina?

Antônio. É a Dina … quando ela passou disse assim: - Cadê a Cunhã? Minha Cunhãzinha!
A minha muê disse: - Ela tá deitada, ela tá com uma febre mais monstra do mundo! Então
ela entrou lá dentro, lá de casa … - virgem! eu vô já voltar ali em casa pegar um remédio pra
ela. Voltou lá na casa e trouxe uns comprimidos. Ai mandou a muê dá: - Faça um cházin e
dê esse comprimido aqui pra ela. A muê fez o chá aí deu um comprimido, aí pronto, a febre
desapareceu. Ela deu só dois comprimidos e aí nunca mais ela teve febre enquanto nois
moremos lá. Então eu sabia que eles eram uma pessoa mais ou menos, né? A gente já sabia
que tinha um deles que era farmacêutico aqui, a gente conheceu ele lá, que ele era
farmacêutico aqui, a gente comprava remédio na mão dele também. Sabia que eles não eram
uma pessoa muito … besta a toa não, era uma pessoa estudada.

Wellington. Seu Antônio os participantes desse movimento que o senhor citou aí o nome
deles, muitas vezes eles foram chamados de terroristas como o senhor citou, eram chamados
também de comunistas …

Antônio. E os militar mesmo quando chegaram lá só chamava eles só de terroristas, só


terrorista, só terrorista.

Wellington. E quando o senhor escutava essa palavra terrorista o que é que vinha em sua
cabeça?

Antônio. Eu não intindia … eu não intindia nada … pra mim isso ai era uma coisa … que
você sabe a gente não tando atualizado naquele … coisas … nois mora lá no meio da mata
não sabia nem o que significava essa parte … negócio de terrorismo … essas coisas … não
intindia. E se falava muita veiz em terrorista aquilo era lá pra outros cantos aqui não existia,
não é?

Wellington. É … o senhor foi alguém que experimentou mesmo a tortura que eles fizeram
com o senhor, bateram, deram choque … e com os guerrilheiros que eles chamavam
terroristas, o senhor chegou a presenciar assim a morte de algum? A tortura de algum na
época?

Antônio. Só não porque eu não vi eles lá nas Abóbora pegaram um lá e eu não vi, soube
apenas que tinham pêgo e trazido pra cá … e eu não vi eles torturar nenhum deles porque eu
não conhecia nenhum pêgo aqui junto com eles, né, o que eu vi foi só essa cabeça desse um
que eles chegou com ele lá … na base quando eu tava preso aqui. Que a base era aqui desse
lado, lá em cima … aculá … que eu até fui lá com aquele … um jornalista … Eduardo …
que ele pediu pra mim ir lá … pra mim … pra saber … eu vou levar … e levei ele lá tudo e
mostrei direitinho pra ele onde é que era. Agora eles torturar nenhum deles … eu não vi não.
Porque o que pegava não chegava ao nosso conhecimento pra dizer assim chegar e mostrar
pra gente … pegava e de lá mesmo transportava ele pra outro canto.

Wellington. O senhor também conheceu o Osvaldão?

Antônio. O Osvaldão não. Esse aí não conheci não. Passou esse movimento todo …
132

Wellington. Na sua opinião, seu Antônio, já que o senhor experimentou todo esse martírio,
né? O senhor acha que a população daqui, os moradores da região se davam melhor com
esses chamados guerrilheiros ou com o Exército?

Antônio. Eu pra mim … eu mim dava melhor com eu, ou com os que chamavam terroristas,
eu mim dava melhor com eles, porque? Foi uma pessoa que chegou lá mesmo pra de junto
de nois, eles não passaram um ano lá junto de nois … lá pertinho vizinho com nois … não
passaram um ano … mais por aonde eles moraram que passaram mais de ano, e lá perto de
nois passaram quase um ano, eu nunca subi de um … de uma confusão de nenhum deles.
Dizem o povo que esse Osvaldão matou gente pra cá, mais esse negócio de matar gente isso
é comum … dependendo da ação de um, mais que eu mesmo vê eles alguma coisa não. Pra
mim … eu acho que com eles era melhor de que com o Exército, porque o Exército …
quando ele chegou lá ele não foi indentificar e saber quem era os morador quem era as
pessoas que morava, porque nois ali, nois morava a 5 a 5 anos que nois morava no lugar, e o
Exército chegou não foi identificar ninguém, saber quem era as pessoas quando chegou já foi
levando os que eram terroristas como eles chamavam e os que não era terrorista foi
chegando e metendo o cacete e matando e fazendo tudo … porque eles mataram não foi só
os terroristas não, como eles chamavam de terroristas, mataram os morador também … os
proprietários também eles mataram muito né, que não tinha nada a ver. Zé Madalena foi um
dos que morreu, Zé da Engraça foi um dos que morreu né, Hermogeni eu acho que esse já
morreu também e outros mais que eles matava por lá por dentro da mata. Então eles não
chegaram pra identificar ninguém, pra dizer assim pronto fulano você mora, quem é que é
você, como é o seu nome, não … chegou foi logo metendo o cacete … do primeiro dia que
chegaram foi logo fazendo isso. E os terroristas como eles chamavam nunca fizeram essa
coisa, unicamente tratava a gente com distinção, com amor.

Wellington. Há alguma cena em toda essa experiência que o senhor acabou de contar que o
senhor nunca esqueceu? Algo assim que marcou a sua vida nessa época?

Antônio. Tem sim.

Wellington. Então me conte uma coisa dessas que o senhor nunca esqueceu?

Antônio. Primeiro que eu nunca esqueci foi do que eu sufri, do que eu passei, isso ai eu
nunca esqueci e nunca me esqueço. Outra também que eu nunca esqueci foi o que eu vi
fazerem com os outros também … pegar uma pessoa sem conhecimento, inucente sem saber
de nada, pegar, pegar bater até na hora quase de morrer, isso eu nunca mim esqueci … nunca
esqueci de uma cena dessa não, e assim são mais que a gente com o tempo …

Wellington. Seu Antônio diante disso o senhor em algum momento teve medo de falar sobre
essa história de relatar o que o senhor me contou aqui?

Antônio. Tive muito medo, tanto medo eu tive, que os meus fie principalmente aquele um
que nasceu quase no dia que fui pêgo que tava só com seis dias vei saber dessa história
depois que … ta com uns 5 anos mais ou menos que ele vei saber dessa história. Ele tá com
trinta e poucos anos de idade, viu? E vei saber isso há uns 5 anos mais ou menos vei saber.
Por que? Eu tava aqui em casa trabalhando bem ali quando chegou um companheiro o dito
Beca que foi um dos preso que tava lá junto comigo … chegou aqui um companheiro falado
comigo, que lá do outro lado tinha uma mulher que tava colhendo com essas pessoas sofrido,
133

sobrevivente … que nois somos sobrevivente … eles dizem lá que sobrevivente são eles lá
… mais nois somos sobrevivente porque nois escapemos daquilo … então tava precurando
esse povo que participava dessa época da guerrilha pra fazer um histórico que ela queria
entrar com aqueles histórico na justiça e ação que era pra pessoa ser indenizado. Eu fui e
falei com Beca, eu digo: - Eu não vou contar esse causo! Ele disse: - Não, para aí eu também
dizia isso,mais contei o meu causo! E são muitas pessoas que já contou aqui essas histórias
que já ta lá com ela, e ela falou que é pra você ir que é pra nois fazer esse histórico lá. Eu
digo: - Rapaz sabe de uma coisa, eu vou! E aí eu fui mais eles, cheguei lá fui contei esse
histórico tudinho pra ela … contei quando começou … só não tudo porque a gente não
lembrava tudo na hora certa, né, mais contei o histórico pra ela tudo, tudo, tudo que
aconteceu, o que eu passei tudo, o que eu vi passar com os outros … aconteceu com os
outros, o que passou-se comigo. Contei tudo pra ela fizemo aquele histórico e então ela
começou a mandar pra lá … e assim de vez em quando eu venho fazendo, de vez em quando
eles precisam de uma história qualquer eu vou e conto. Mais antes eu tinha medo, sabe
porque, porque quando foi no dia que ele liberou nois aqui, ele chamou noís três que iam
liberar … quatro fomo liberado eu, Zé Novato, Beca e Dotorzinho nós fomo liberado nois
quatro, ele chamou e disse: - Olha, vocês viram passar essa cena aqui com vocês? Se passou-
se, se passou-se? Viram com os outros? – Vimo! Pois bem aqui esse lugar que eu tô te
precurando vai ficar, porque se vocês disserem abrir a boca e contar, quando o pente fino
vier é arrastando tudo porque por enquanto foi só a vassoura arrastou o grosso … a metade e
quando o pente fino vier arrasta tudo. E vocês contarem essa história aí vocês são os
primeiros que vai! Aí nóis fiquemo com medo de abrir a boca e contar … a gente falava: -
Não, não aconteceu nada não! O que nois dizia era isso, não aconteceu nada não. Ai quando
vei essa mulher com esse negócio aqui ai foi que eu tive aquela coragem de sair contando
pra todo mundo … e hoje eu conto pra todo mundo, né.

Wellington. Seu Antônio o senhor já prestou depoimento pra muitas pessoas não é?

Antônio. Muitos.

Wellington. Lembra o nome de alguma?

Antônio. Eu já prestei depoimento não é isso? Bem lembro o nome de … de jornalista


mesmo por nome só lembro mesmo da Miryam, eu já contei muita história pra ela aqui … da
Miryam, Eduardo, conhece também?

Wellington. Eduardo não.

Antônio. Mora em Goiânia. Eduardo e … bom … desses assim só que eu lembro … mais só
que tem mais outros que eu já contei também depoimento.

Wellington. Hoje não há mais medo de falar.

Antônio. Hoje não, não tenho mais medo de falar. Hoje a qualquer hora que chegar qualquer
uma pessoa aqui pra mim contar um causo do que eu mim lembrar do que tá na minha mente
eu conto o que aconteceu.
Livros Grátis
( http://www.livrosgratis.com.br )

Milhares de Livros para Download:

Baixar livros de Administração


Baixar livros de Agronomia
Baixar livros de Arquitetura
Baixar livros de Artes
Baixar livros de Astronomia
Baixar livros de Biologia Geral
Baixar livros de Ciência da Computação
Baixar livros de Ciência da Informação
Baixar livros de Ciência Política
Baixar livros de Ciências da Saúde
Baixar livros de Comunicação
Baixar livros do Conselho Nacional de Educação - CNE
Baixar livros de Defesa civil
Baixar livros de Direito
Baixar livros de Direitos humanos
Baixar livros de Economia
Baixar livros de Economia Doméstica
Baixar livros de Educação
Baixar livros de Educação - Trânsito
Baixar livros de Educação Física
Baixar livros de Engenharia Aeroespacial
Baixar livros de Farmácia
Baixar livros de Filosofia
Baixar livros de Física
Baixar livros de Geociências
Baixar livros de Geografia
Baixar livros de História
Baixar livros de Línguas
Baixar livros de Literatura
Baixar livros de Literatura de Cordel
Baixar livros de Literatura Infantil
Baixar livros de Matemática
Baixar livros de Medicina
Baixar livros de Medicina Veterinária
Baixar livros de Meio Ambiente
Baixar livros de Meteorologia
Baixar Monografias e TCC
Baixar livros Multidisciplinar
Baixar livros de Música
Baixar livros de Psicologia
Baixar livros de Química
Baixar livros de Saúde Coletiva
Baixar livros de Serviço Social
Baixar livros de Sociologia
Baixar livros de Teologia
Baixar livros de Trabalho
Baixar livros de Turismo