Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

LICENCIATURA EM MÚSICA

MUSICOTERAPIA

A APLICAÇÃO DE RECURSOS DA EDUCAÇÃO

MUSICAL EM MUSICOTERAPIA

RIBEIRÃO PRETO/SP

2018

ISMAEL FONSECA ROA MANHANI 828043


A APLICAÇÃO DE RECURSOS DA EDUCAÇÃO

MUSICAL EM MUSICOTERAPIA

Trabalho apresentado à UNAERP,


como requisito parcial de avaliação
na Disciplina Musicoterapia.
Profª.Me.: Erika de Andrade Silva.

RIBEIRÃO PRETO/SP

2018

RESUMO

Este trabalho trata a respeito da musicoterapia em relação ao homem, segundo

(SILVA, 2009), o autor (BRUSCIA, 2000) diz que o ser humano é capaz de com a

música criar significação e beleza pelo som.


(SILVA, 2009), também fala que a música tem suas representações

simbólicas. Podendo assim uma atividade musical promover o desenvolvimento

psíquico de um indivíduo que por sua vez acessa dados significativos seus.

Os aspectos físicos, emocionais e psíquicos do ser são estimulados através da

música pela reabilitação e tratamento. (SILVA, 2009) diz que (BRUSCIA, 1991)

afirma que a musicoterapia é a combinação da saúde, música e educação. Na

antiguidade já era mencionado por alguns filósofos as propriedades curativas da

música. Jean Shenck, afirma que a música tem eficiência no tratamento da

melancolia.

A musicoterapia nasce na esperança de tratamento das pessoas com profunda

depressão por conta da epidemia poliomielite na Argentina. (SILVA, 2009).

No Brasil, a musicoterapia se originalizou no Conservatório Brasileiro de

Música no Rio de Janeiro em 1948, conforme explica (SILVA, 2009). Mais tarde foi

criada a especialização para educadores musicais pela professora Clotilde Espindola

Leining na faculdade de artes do Paraná (FAP); (SILVA, 2009) diz que o curso

passou a ser uma graduação de 4 (quatro) anos criado no conservatório do Rio de

Janeiro.

É utilizado através da música, experiências musicais como ferramentas,

auxiliando na criação e vínculo entre terapeuta e paciente.

Segundo (SILVA, 2009), é proporcionado vivencia em vários níveis através da

musicoterapia, como físico, cognitiva, emocional, psíquico, psicofisiológico, social e

espiritual.

A música é o principal agente de transformação na terapia, segundo diz as

abordagens de Nordoff-Robbins: a Musicoterapia Criativa; e André Brandalise: a

Musicoterapia Músico-Centrada; conforme explica (SILVA, 2009).


É ilimitável a potencialidade dos seres humanos em relação a música; ou seja

todos desde o nascimento trazem consigo uma musicalidade, seja ela grande ou

pequena. Segundo (SILVA, 2009) mesmo que o paciente não seja músico, pode

submeter-se ao tratamento com musicoterapia, pois se consideramos a música desde o

nascimento, mesmo quem não é músico a terapia através da potencialidade do

paciente melhor ocorre. A musicalidade se dá desde do ventre, conforme (SILVA,

2009).

Conforme explica (SILVA, 2009), existem várias formas e áreas educacionais

que contém música, como a educação musical, educação musical especial,

musicoterapia em psicopedagogia e musicoterapia em educação.

Apesar de ser diferente a relação professor-aluno e terapeuta- paciente em

termos das funções, Leal afirma que todo o educador sempre agirá terapeuticamente,

conforme (SILVA, 2009).

(SILVA, 2009), fala também que não é somente utilizado instrumentos para

produzir sons, mas sim sons do corpo e afins que resultem em um resultado e

potencializam o aprendizado musical.


BIBLIOGRAFIA

SILVA, Érika de Andrade. 2009. A APLICAÇÃO DE RECURSOS DA

EDUCAÇÃO MUSICAL EM MUSICOTERAPIA. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil :

s.n., 2009. 17.