Você está na página 1de 15

O USO E GRAFIA DE

O USO E GRAFIA DOS PORQUÊS

 PORQUÊ (escrito junto e acentuado)


Trata-se de um substantivo que significa razão, motivo, causa. Ex.:
- Qual é o motivo de sua tristeza? ou
- Qual é o porquê de sua tristeza?
- Deve existir um porquê para você estar assim; ou
- Deve existir uma razão / um motivo para você estar assim.
Observem que este porquê, por ser substantivo, normalmente – e não sempre – pode vir
precedido ou seguido de adjuntos adnominais, isto é, podem ser precedidos de numeral, artigo,
pronomes demonstrativos, interrogativos ou seguidos de adjetivos. Ex.:
- Qual porquê (motivo) você vai alegar agora? (pronome interrogativo)
- Diga-me apenas um porquê! (numeral)
- Algum porquê deve existir! (pronome indefinido)
- O porquê verdadeiro você não disse! (artigo/ adjetivo)
Mas pode vir também sem qualquer adjunto:
- Deve existir porquê (motivo)!

ATENÇÃO: existe um método de o aluno ter a certeza absoluta sobre a classe de palavra a que
pertence este porquê. Basta tentar passar este porquê para o plural, pois de todos os porquês, este
porquê (substantivo) é o único que admite flexão de número, isto é, que pode ser passado para o
plural. Observem:
- Qual é o porquê (motivo) de sua raiva? ou
- Quais são os porquês (motivos) de sua raiva?
- Deve existir porquê (motivo)! ou
- Devem existir porquês (motivos)!
Não há outro porquê que admita plural (flexão de número), logo, se admitir essa flexão será
o porquê substantivo escrito junto e com acento.

 PORQUE (escrito junto e sem acento)


Trata-se de uma conjunção, palavra usada para criar conjunto, ou seja, para ligar uma
oração a outra. Por ser conjunção, isto é, palavra que liga uma oração a outra, este porquê (porque)
nunca vai aparecer no início (referindo-se a uma oração anterior, ou no meio de duas orações.
Nunca no fim, repita-se. Ex.:
- Alguém pode me dizer o motivo da ausência de Maria? (pergunta)
- Porque você a assusta! (resposta/ no início) ou
- Maria faltou à aula porque sua mãe adoeceu. (resposta/ no meio)
Este porquê (porque) é usado como:
 Conjunção causal, introduzindo uma oração causal – traz a causa, o motivo.
 Conjunção final, introduzindo uma oração final – traz a finalidade, o objetivo.
 Conjunção explicativa, introduzindo uma oração coordenada explicativa – traz a explicação,
o convencimento.

São exemplos:
 Conjunção Causal
- Você chegou tarde, existe uma razão?
- Sim, porque choveu muito.
- Será que ela virá à aula de recuperação?
- Com certeza, porque sua nota foi muito baixa.
Observe que poderá haver oração introduzida pela conjunção sem que haja pergunta:
- Eu sei que ela não voltará porque eu a magoei!
- Você deve fazer isso porque é sua obrigação e ponto final!
OBS.: a oração causal traz uma causa que determinou, determina ou determinará a conduta
descrita na oração principal. Seus verbos são dados no modo indicativo, indicando certeza.

 Conjunção Final
a)
- Para que você comprou este sítio?
- Porque valorize no futuro. (para que/ a fim de que)

b)
- Você precisa tomar este remédio porque sares logo!

c)
- Com qual objetivo você faz essas coisas, rapaz?
- Porque todos pensem que eu sou mal.
OBS.: a oração final traz a finalidade – e não causa – que determina a conduta. Porém,
diferentemente da oração causal, seus verbos vêm no modo subjuntivo, indicando situação
hipotética.
É oportuno advertir ainda que as conjunções causais e finais (porque) podem aparecer como
resposta dentro de uma pergunta, pois muitas vezes as pessoas respondem com perguntas. Assim
elas servirão sempre para resposta, mesmo quando embutidas em uma pergunta. Ex.:
a) Pergunta:
- Qual é o motivo de ela não ter comparecido à aula?
Reposta;
- Seria porque está chovendo ou porque ela é preguiçosa?

b) Pergunta:
- Para que você trabalha tanto?
Resposta:
- Você acha que é porque (para que) eu fique rico ou porque (para que) agrade meus pais?

c) Pergunta indireta:
- Você não deve trabalhar tanto!
Resposta:
- Você acha que é porque eu gosto?

 Conjunção Explicativa
- Ela faltou à aula, porque eu a vi no bar.
- Fica aqui comigo, porque eu estou vendo tudo.
OBS.: a oração coordenada explicativa não traz causa nem finalidade. Ela apenas traz um
argumento para explicar – e não justificar – ou convencer sobre a afirmação contida na oração
anterior.
ATENÇÃO: as conjunções, como outras classes de palavras, podem ser substituídas por outras
palavras pertencentes à mesma classe. Daí a necessidade de conhecer a possibilidade de troca,
pois há concursos em que se exige que se faça este tipo de procedimento, além de ser um
mecanismo importante para a identificação e escrita correta dos porquês. Vejamos:
Conjunções Causais
a) - Ela não trabalhará hoje porque o irmão morreu; ou
- Ela não trabalhará hoje visto que (já que, uma vez que) o irmão morreu.

b) - Porque o irmão morreu, ela não trabalhará hoje. Ou


- Como (visto que, já que) o irmão morreu ela não trabalhará hoje.
OBS.: a palavra “como” só será conjunção quando significar “porque” e vier no início da frase.

Conjunções finais
a) - Deves tomar este remédio porque te cures; ou
- Deves tomar este remédio a fim de que (para que, com o objetivo de) que te cures.

Conjunções Explicativas
a) - Ela colou na prova porque eu vi; ou
- Ela colou na prova pois (outrossim) eu vi.

Há ainda outra particularidade dessa conjunção (porque). Ela não pode vir seguida (nem
escrita, nem subentendida) na oração das palavras motivo, razão ou causa. Assim, se houver uma
palavra “porque” seguida de palavra motivo (razão ou causa) escrita ou subentendida, esta palavra
não será conjunção. Ex.:
a) - Por que (motivo) você não veio? A palavra sublinhada não será conjunção (porque).
b) - Só eu sei por que (razão/motivo) você faltou! A palavra sublinhada não será conjunção.

Agora,
c) - Você não veio porque choveu? Como a palavra sublinhada não aceita as palavras motivo,
razão ou causa depois dela, ela poderá ser uma conjunção se este porquê (ainda indefinido)
não puder ser trocado por:
- pelo (a) qual
- pelos (as) quais
- motivo pelo qual

Exemplificando com o exemplo acima:


- Você não veio porque choveu. Como a palavra sublinhada acima (porque) não pôde ser seguida
da palavra “motivo” tente ainda trocá-la por uma das locuções acima:
- Você não veio “pelo qual” choveu.
- Você não veio “motivo pelo qual” choveu.
Pelos exemplos acima é fácil de se ver que não houve possibilidade de substituição. Nesse
caso o porquê em questão será uma conjunção e escrito junto e sem acento (porque).
Entretanto, se pudesse haver substituição, o porquê seria escrito separadamente e sem
acento uma vez que este porquê também não aceita as palavras motivo, razão ou causa depois
dele, mas trata-se de pronome relativo e não conjunção (por que). Observem:
- Esses são os caminhos por que passei. Não aceita a palavra motivo.
- Esses são os caminhos pelos quais passei. Esse porquê pode ser substituído por pelos quais, logo
não é a conjunção “porque”.
 POR QUE (escrito separado e sem acento)
Trata-se de uma locução pronominal relativa que significa:
- pelo (a) qual;
- pelos (as) quais; ou ainda
- motivo pelo qual.
Exemplos:
- Ninguém tomou conhecimento do problema por que (pelo qual) passei.
- A faculdade por que (pela qual) passou foi regulamentada.
- Não há por que (motivo pelo qual) chorar.
Como já se disse no item anterior (sobre as conjunções) este porquê (por que) não pode ser
seguido das palavras motivo, razão ou causa, sejam elas escritas ou subentendidas.
E há ainda mais uma particularidade. Essa locução por ser pronominal e relativa somente
aparecerá no meio de oração. Nunca no início e nunca no fim.

 POR QUE (escrito separado e sem acento)


Trata-se de uma locução pronominal relativa usada nas orações interrogativas diretas ou
indiretas.
Oração interrogativa direta é aquela que é concluída com um ponto de interrogação (?), ou seja,
a pergunta é feita de forma clara, direta. Ex.:
- Por que você matou o vizinho?
- Por que fugiu da escola?
- Por que não cria vergonha na cara?
Oração interrogativa indireta é aquela onde não há uma pergunta clara, mas leva o interlocutor a
dar uma resposta ou o próprio falante já oferece está resposta. Ex.:
- Daria tudo para saber por que (motivo) você fugiu da escola!
- Você vai me dizer por que (motivo) fugiu da escola!
- Veja por que (motivo) as crianças são mal educadas:
 pais omissos;
 pobreza;
 professores inúteis.
- Por que (motivo) vocês não entenderam ainda?
É importante lembrar que esse porquê (por que) aceita ser seguido das palavras motivo,
razão ou causa tanto escritas como subentendidas.
É também importante lembrar que esse porquê (por que) sempre aparecerá – sem acento –
no início ou no meio da oração.

 POR QUÊ (escrito separadamente e com acento)


Trata-se de uma locução pronominal interrogativa – o mesmo caso acima – porém, que só
aparece no final de frase ou de oração e, por isso, é acentuado. Ex.:
- Você não veio por quê? (interrogativa direta)
- Eu quero saber por quê! (interrogativa indireta)
- Veja então por quê.
- Um dia você vai saber por quê.
Note-se que nesse caso as palavras motivo, razão ou causa serão apenas subentendidas,
pois se escritas após o “por que” este não estará no fim, não podendo ser acentuado, portanto.
Como já se falou acima esta locução (por quê) somente deve aparecer no final de frase ou
de oração. Cumpre então saber o que caracteriza final de frase ou final de oração:
FINAL DE FRASE  é toda palavra que numa expressão venha antes de ponto final (.), ponto de
interrogação (?), ou ponto de exclamação (!). Ex.:
- Você não quer mais por quê?
- Você vai me dizer por quê!
- Eu não sei por quê.
FINAL DE ORAÇÃO  trata-se de final de oração coordenada onde as orações são apenas
justapostas para dar coesão à frase, mas poderiam sem qualquer problema, virem separadas,
Observem:
- Ela não disse por quê?
- Ela não disse nada?
Ou apenas em uma oração:
- Ela não disse por quê, ela não disse nada?
- Ela vai me dizer por quê!
- Ela tem de dar um motivo!
Ou numa oração apenas;
- Ela vai me dizer por quê, ela tem de dar uma razão!
Mas cuidado: nesses casos o porquê (por quê) em questão não vem no meio da frase mas
no fim de oração. Se a estrutura a que pertence o porquê não possuir verbo, isso não caracterizará
oração. Ex.:
Maria perguntava insistentemente:
- Por que, por quê?
Notem que o primeiro por que não pertence a uma estrutura que possua verbo. Logo, sem
verbo não há oração. Já o segundo por quê é acentuado porque está no fim de frase.

QUADRO SINÓPTICO

SIM
TENTAR PASSAR PORQUÊ
PARA O PLURAL (SUBSTANTIVO)
“PORQUÊS”

NÃO

VER SE ACEITA NÃO PODE SER TROCADO


“MOTIVO”
POR:
DEPOIS DELE
- PELO (A) QUAL
- PELOS (AS) QUAIS?

NÃO
SIM PORQUE
(CONJUNÇÃO)

ESTÁ NO FIM DE POR QUÊ


(PRONOME SIM
FRASE OU ORAÇÃO? INTERROGATIVO)
SIM

NÃO

POR QUE
(PRONOME INTERROGATIVO
OU PRONOME RELATIVO)
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO:

a) Explique o __________ de sua fuga. g) Ele ficou zangado... Será __________ não o
b) Eis __________ ele não viajou. convidei?
c) Vi o aluno __________ fostes elogiado. h) Não saia, __________ volto já.
d) Não veio ao meu aniversário, __________? i) Adoeceu, daí __________ não compareceu.
e) Fiz sinal __________ ele falasse. j) Diga o __________ de tanta confusão.
f) Perguntei __________ não quiseram viajar. k) Você não concordou, __________?
l)_______ parou? Parou _____?

. ONDE . AONDE . DONDE

a) ONDE: VERBO + EM b) AONDE: VERBO + A c) DONDE: VERBO + DE

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) Eis a cidade __________ moro. e) Não sabemos __________ vens.


b) Ali fica o lugar __________ vou. f) Quero saber __________ te diriges.
c) Não sei __________ você estuda. g) Conheço a cidade __________ nasceste.
d) Eis o lugar __________ quero chegar. h) Conheci a cidade __________ procedes.

. EM VEZ DE . AO INVÉS DE

a) EM VEZ DE: indica troca, mudança. b) AO INVÉS DE: indica oposição.


Empregue as formas acima corretamente:

a) __________ estudar, ficar conversando. d) __________ cantar, ela dança.


b) __________ ouvir música, ficar jogando. e) __________ ser honesto, é desonesto.
c) __________ tomar Coca, toma Pepsi. f) __________ ser fiel, é infiel.

. À TOA . À-TOA

a) À TOA: Depois de verbo, loc. adverbial (pode-se trocar por SEM PRESSA)
b) À-TOA: Depois de substantivo, adjetivo (pode-se trocar por DESOCUPADO)

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) O artista saiu _________ por Copacabana. d) A mulher _______ passeava _______ pela
b) Um indivíduo ______ não é digno de confiança. praia.
c) Andavam __________ pela cidade. e) Sairemos _________ por aí.
f) Ela chamou o amigo de _________.

. HÁ CERCA DE . ACERCA DE . A CERCA DE


a) HÁ CERCA DE: Faz (tempo passado) ou existe(m).
b) ACERCA DE: Sobre ou a respeito de.
c) A CERCA DE: À distância de (...).

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) Falamos __________________ pintura. f) Fomos à Europa __________________ um


b) __________________ três anos ele viajou. mês.
c) __________________ mil pessoas no pátio. g) ________________ vinte alunos na sala de
d) Você reside ________________ duas quadras. aula.
e) Conversamos __________________ futebol. h) Mora __________________ três léguas.

. EU . MIM

a) PARA EU: Antes do infinitivo.


b) PARA MIM: Sem infinitivo ou depois de adjetivo, com ou sem infinitivo.

CUIDADO: usa-se também MIM quando antes do PARA há adjetivo.


Usa-se o EU quando tal pronome for sujeito.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) Comprei uma roupa para __________. f) Comprei uma maçã para __________ comer.
b) Comprei uma roupa para _______ vesti-la hoje. g) É fácil para __________ fazer isto.
c) É difícil para __________ viajar cedo. h) Sem __________ , nada podeis fazer.
d) Não podes ir ao baile sem __________. i) Para __________, ela deve ir só.
e) Não vás até lá sem __________ ir.

SE NÃO . SENÃO

a) SE NÃO: Caso não. b) SENÃO: Em outros casos.

OBSERVAÇÃO: SENÃO é usado em outros casos. Sobretudo no sentido de DO CONTRÁRIO, PELO


CONTRÁRIO, CASO CONTRÁRIO, A NÃO SER.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) __________ estudares, não passarás. b) Estude, __________ você não passará.


c) __________ vieres, não sairemos. f) ________concordares conosco, ficaremos
d) Apressa-te ________ chegaremos atrasados. tristes.
e) ________ confia em mim, não deve sair g) Você nada fez __________ reclamar.
comigo.

. HÁ . A

a) HÁ: Faz ou existe(m). b) A: Para tempo futuro.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) __________ várias alunas no pátio. d) __________ momentos maravilhosos.


b) __________ muita gente na praia. e) Daqui __________ um mês voltaremos.
c) Daqui __________ pouco eles chegarão. f) Daí __________ alguns minutos ela apareceu.

. MAL . MAU

a) MAL: Contrário de bem. b) MAL: Equivale a logo que. c) MAL: Equivale a vício, mania.
d) MAU: Contrário de bom.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO
e) Tem o __________ de falar muito.
a) ______ cheguei à minha terra, choveu f) __________ falei, todos concordaram.
bastante. g) Este cantor canta __________.
b) Ele passou __________ na festa. h) Não é um __________ cliente.
c) O governo se saiu _______ no plano i) O homem _______ pratica, sempre o ________.
econômico. j) Ele me quer o __________.
d) Ele gosta de praticar o __________.
DEMAIS . DE MAIS

a) DEMAIS: Como advérbio ou pronome. b) DE MAIS: Depois de nada ou algo.


c) DE MAIS: A mais.

NOTAS:

DEMAIS é advérbio de intensidade quando vem perto de verbo, adjetivo ou outro advérbio.
DEMAIS é pronome indefinido quando equivale a OS OUTROS.
DE MAIS é empregado no sentido de EXAGERADO, é o contrário de DE MENOS e não vem perto de verbo
nem de advérbio.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) O homem do campo trabalha __________. c) Não dissemos nada __________.


b) Os __________ compareceram à festa. d) São estudiosos __________.
e) Nunca recebi dinheiro __________. g) Falaram algo __________?
f) O que eu ganho de menos você ganha h) Chegaram cedo __________.
________.

. ESTÁ . ESTAR

VARIÁVEL: ESTÁ, VÊ, CRÊ, RI, DÁ.


INVARIÁVEL: ESTAR, VER, CRER, RIR, DAR.

OBSERVAÇÃO: ESTÁ, com acento, ou as formas variáveis podem ser trocados por SABE; ao passo que
ESTAR com R e as formas invariáveis são trocados por SABER.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) Nosso amigo __________ doente. (está . estar)


b) Nosso amigo deve __________ doente. (está . estar)
c) Por __________ doente, ele não veio. (está . estar)
d) O empresário __________ dinheiro aos pobres. (dá .dar)
e) Ele gosta de __________ do próximo. (ri . rir)
f) O cético __________ dos males do mundo. (ri . rir)
g) Vamos __________ aquele livro. (ler . lê)
h) Ele parece __________ feliz. (está . estar)
i) Ela, que __________ feliz, vai conosco. (está - estar)
j) O sábio __________ bons livros. (lê . ler)

. TÃO POUCO . TAMPOUCO

a) TÃO POUCO: muito pouco, indica quantidade ou intensidade.


b) TAMPOUCO (ADVÉRBIO): também não, muito menos.
EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

a) Ela não estuda, __________________ c) Eles nunca fazem as tarefas, __________


trabalha. lêem.
b) Pedro vem ___________ aqui, que raramente o d) Eva fala __________!
vemos. e) Não veio, __________ ligou.
f) __________ sonho para tanta vida.
SE QUER . SEQUER

a) SE QUER: caso queira (condição).


b) SEQUER (ADVÉRBIO): ao menos, pelo menos, nem ao menos.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO
a) __________ ir só, vá!
b) Não trouxe __________ um lápis?
c) José falou __________ o dinheiro?
d) Nunca estudou __________ um capítulo.
e) Iremos já, __________ vir, levante-se.
f) Maria __________ ouvir nosso relato.

. MAS . MAIS

a) MAS: porém, contudo.(CONJUNÇÃO)


b) MAIS: contrário de menos.(ADVÉRBIO ou PRON. INDEFINIDO)

Empregue as formas acima:

a) Foi cedo, __________ voltou tarde.


b) Ele fez __________ por você.
c) Compramos __________ livros.
d) Vieram todos _________ cedo.
e) Marina estuda _______ também brinca.
f) Correu, _________ não ganhou.

.
A PAR - AO PAR

a) A PAR: estar ciente, bem informado.


b) AO PAR: equivalência em valores cambiais ou numéricos.

Empregue as formas acima:

a) Você está __________ do problema.


b) A moeda brasileira raramente esteve __________ do dólar.
c) Devemos ficar __________ dos fatos.
d) Este índice está __________ daquele.

. AO ENCONTRO . DE ENCONTRO

a) AO ENCONTRO: a favor de, concordância.


b) DE ENCONTRO: ser contra, oposição.

Empregue as formas acima:


a) Se concordo com você, minha opinião vai ___________ sua.
b) Na batida, o carro foi _________________ muro.
c) Se houver acordo, as opiniões foram _______________ uma e outra.
d) Esta teoria vai _______________ sua, logo são discordantes.

AFIM - A FIM DE

a) AFIM: adjetivo; equivale a igual, semelhante.


b) A FIM DE: locução prepositiva; equivale a para, com o objetivo de.

Empregue as formas acima:

a) Exercem funções __________.


b) Estudar __________ passar.
c) Sua opinião é __________ à de Paulo.
d) Elaborou o projeto __________ conseguir verbas.

DIA A DIA – DIA-A-DIA

a) DIA A DIA: diariamente, todos os dias.


b) DIA-A-DIA: cotidiano (SUBSTANTIVO). Ex.:

Empregue as formas acima:

a)Ele vem aqui ______________ . c) ____________, conhecem-se as pessoas.


b)_____________, vejo-a no clube. d)O _____________de um casal sempre tem
desentendimentos.

À MEDIDA QUE – NA MEDIDA EM QUE

À MEDIDA QUE – Locução conjuntiva proporcional, equivale a à proporção, ao passo que.


NA MEDIDA EM QUE – Locução conjuntiva causal, equivale a como (idéia de causa), porque.

Empregue as formas acima:

a) _______________ que choveu, ficamos em casa.


b) _______________ que treina, adquire mais preparo físico.
c) Suspendemos a execução do projeto, _______________ que o chefe ordenou.
d) Sorria e exultava, ________________ que ouvia as notícias do filho.

EM DOMICÍLIO – A DOMICÍLIO

. EM DOMICÍLIO – Locução adverbial de lugar só empregável com verbo ou nome que rejam a
preposição EM.
. A DOMICÍLIO – Locução adverbial de lugar só empregável com verbo ou nome que rejam a
preposição A.

Empregue as formas acima:


a) Fazemos entrega _____________________.
b) Iremos _________________ ministrar as aulas.
c) Procederemos às demonstrações ________________.
d) Levam-se compras ____________________.
e) Dão-se aulas particulares ____________________.
f) Combina-se ida ____________________.

EXERCÍCIOS BÁSICOS

01. Marque V ou F para o emprego das palavras ou expressões contidas nas frases abaixo:

a. ( ) Não fique por que houve um imprevisto.


b. ( ) Fale o porquê de tanta revolta.
c. ( ) Queremos saber aonde ficou.
d. ( ) Aonde vais tão apressado.
e. ( ) Em vez de baixar, o preço da gasolina sobe.

02. Em uma opção a norma culta da língua é desrespeitada, marque-a:


a) Sairemos à toa pelas ruas da cidade.
b) Menino à-toa irrita os pais.
c) Discutimos a cerca de música clássica.
d) Marina partiu há cerca de um ano.
e) Ele viajou há um mês.

03. Há INCORREÇÂO quanto ao padrão culto da língua em:

a) Comprei um livro para eu ler.


b) Daqui a uma hora eles virão.
c) É dificultoso para mim chegar agora.
d) Ele mora a cerca de cinco quadras.
e) Vamos conosco, se não seremos punidos.

04. Marque a opção correta quanto ao emprego de palavras ou expressões.

a) Se não fizer isso, ficarei aborrecido.


b) Falou de mais por isso ficou rouco.
c) Não falamos nada demais.
d) Eles fizeram a entrega em domicílio.
e) Mau jogador finaliza mau as jogadas.

05. A opção gramaticalmente correta é:

a) Mal fiz a refeição, passei mau.


b) Os demais falaram a mesma coisa.
c) Os clientes devem ser encaminhados em domicílio.
d)Para eu ela é uma ótima pessoa.
e)Elas estudam demais! Por que não passariam? Por que?
GABARITO DOS BÁSICOS

01. F, V, F, V, F. 02. C 03. E 04. A 05. B

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

01. (UF-PR) Complete as lacunas usando adequadamente mas / mais / mau / mal.

Pedro e João _______entraram em casa, perceberam que as coisas não estavam bem, pois sua
irmã caçula escolhera um ______ momento para comunicar aos pais que iria viajar nas férias;
_____seus dois irmãos deixaram os pais _______ sossegados quando disseram que a jovem iria
com as primas e a tia.

a) mau - mal - mais - mas b) mal - mal - mais - mais c) mal - mau - mas - mais
d) mal - mau - mas - mas e) mau - mau - mas - mais

02. (FCC) ____________você brinca? __________ ? Ora, _________ me agrada. A


experiência __________ passei, foi desagradável. Depois você saberá o ___________.

a) Porque - porquê - porque - porque - por que


b) Por que - porquê - porque - porque - porque
c) Por que - porquê - porque - porque - por quê
d) Porque - porque - por quê - porque - por que
e) Por que - por quê - porque - por que - porquê

03. (Concurso Magistério-MG) Marque a opção em que há confusão entre mal e mau:

a) Retirou-se do local, que era mau-cheiroso.


b) Como é mal-jeitoso, caiu de mau jeito.
c) Falar no mau, preparar o pau.
d) Mau proceder é substantivação de proceder mal.
e) De um mau espera-se todo mal.

04. (UFMG) "Protestei contra a voz, mandando que se calasse ________ eu não admitia
impertinência." O elemento capaz de estabelecer a ligação adequada entre as duas afirmativas é:
a) porque. b) por isso. b) por que. c) porquê d) portanto.

05. (Supletivo-MG) 1) Eu era marinheiro de primeira viagem e _________ sabia as dificuldades de


arranjar condução em determinadas horas. 2) Com um __________ pressentimento aproxima-se do
amigo e toca-lhe o ombro. 3) Naquela madrugada, ________ o sol começava a raiar, lá se iam eles
para a lavoura. 4) Não te irrites se te pagarem _______ um benefício: antes cair das nuvens que de
um terceiro andar.

A seqüência que preenche corretamente as lacunas nas frases acima é:


a) mau - mau - mal – mal d) mal - mau - mal - mal
b) mal - mal - mal - mal e) mal - mal - mau - mau
c) mau - mau - mau - mau

Nas questões de 06 a 15, preencha a lacuna com a forma correta:

06. É custoso para _____________ ir agora. (eu / mim)


07. _____________ o carro, compre-o. (Sequer / Se quer)
08. Marina parece _____________ bem. (está / estar)
09. Fazemos entrega _____________ (em domicílio / a domicílio)
10. Saiu agora _____________ chegar cedo. (afim de / a fim de)
11. ___________ de duas horas ele fala _________ de políticas públicas. (acerca / a cerca / há
cerca)
12. __________ este __________ está errado? __________? (por que / por quê / porquê /
porque)

GABARITO EXERC. PROPOSTOS: 01. C; 02. E; 03. A; 04. A; 05. D; 06. MIM; 07. SE
QUER ; 08. ESTAR ; 09. EM DOMICILIO; 10. A FIM DE; 11. HÁ CERCA, ACERCA; 12. POR
QUE, PORQUÊ, POR QUÊ.

Você também pode gostar