Você está na página 1de 347

Relatório de Análise

Desligamentos Forçados do Sistema de Transmissão


Edição | 2016
Catalogação na Fonte
Centro de Documentação - CEDOC

A265r
Agência Nacional de Energia Elétrica (Brasil).

Relatório de Análise : desligamentos forçados do


Sistema de Transmissão / Agência Nacional de Energia
Elétrica. – Brasília : ANEEL, 2016.

346 p. : il.

1. Setor elétrico - Brasil. 2. Sistema de Transmissão


Brasileiro. 3. Operador Nacional do Sistema Elétrico -
ONS. 4. Agência estadual de energia elétrica. I. Título.
II. Série.
I - Apresentação

O presente Relatório de Análise oferece uma visão geral dos desligamentos


forçados ocorridos no sistema de transmissão brasileiro, no período de 1º de
agosto de 2014 a 31 de julho de 2015. O documento compila informações do
Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS e dos Agentes de Transmissão,
além da análise crítica da fiscalização. O Relatório de Análise possibilita também,
a seleção de instalações que demandam uma maior atenção, orientando as
ações futuras da fiscalização da ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


2
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
II - Créditos

O presente relatório foi elaborado pela Superintendência de Fiscalização dos Serviços


de Eletricidade – SFE, pelos seguintes profissionais:

Superintendente José Moisés Machado da Silva


Assessor Renato Braga de Lima Guedes

Equipe Antônio de Almeida Castro


Camila Justino Ferreira do Nascimento
Felipe Gabriel Guimarães de Sousa
Paschoal Guido Júnior
Rodrigo Pereira Barbosa
Saulo Rabelo de Martins Custódio
Tito Ricardo Vaz da Costa

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


3
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Sumário

1. Introdução ........................................................................................................................... 16
2. Objetivos ............................................................................................................................. 20
3. Visão geral do Sistema de Transmissão Brasileiro .............................................................. 21
4. A metodologia de análise de perturbações ........................................................................ 23
5. Campanhas de Fiscalização ................................................................................................. 44
6. Resumo das medidas sugeridas após as análises realizadas............................................... 46
6.1. Solicitações de Planos de Melhorias ........................................................................... 46
6.2. Empreendimentos para acompanhamento diferenciado ........................................... 49
6.3. Grupos de trabalho resultantes .................................................................................. 50
7. Perturbações Analisadas ..................................................................................................... 51
7.1. Perturbações ocorridas na região Sudeste, Centro-Oeste e no estado do Tocantins 51
7.1.1. Perturbações na Transmissora CELG G&T ........................................................... 53
7.1.2. Perturbações na Transmissora CEMIG-GT .......................................................... 65
7.1.3. Perturbações na Transmissora FURNAS .............................................................. 68
7.1.4. Perturbações na Transmissora SMTE ................................................................ 100
7.2. Perturbações ocorridas nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Pará.. 107
7.2.1. Perturbações na Transmissora BRILHANTE ....................................................... 109
7.2.2. Perturbações na Transmissora EATE ................................................................. 119
7.2.3. Perturbações na Transmissora EBTE ................................................................. 121
7.2.4. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE ................................................. 127
7.2.5. Perturbações na Transmissora ENTE................................................................. 149
7.2.6. Perturbações na Transmissora ITATIM ............................................................. 151
7.3. Perturbações ocorridas nos estados do Acre e Rondônia ........................................ 156
7.3.1. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE ................................................. 157
7.3.2. Perturbações na Transmissora JTE .................................................................... 177
7.3.3. Perturbações na Transmissora TME .................................................................. 182
7.4. Perturbações ocorridas nos estados da Região Sul .................................................. 184
7.4.1. Perturbações na Transmissora CEEE-GT ........................................................... 186
7.4.2. Perturbações na Transmissora COPEL-GT ......................................................... 228
7.4.3. Perturbações na Transmissora ELETROSUL....................................................... 234

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


4
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4.4. Perturbações na Transmissora ETAU ................................................................ 239
7.4.5. Perturbações na Transmissora TSBE ................................................................. 243
7.5. Perturbações ocorridas nos estados do Pará, Amazonas e Macapá ........................ 247
7.5.1. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE ................................................. 249
7.5.2. Perturbações na Transmissora MACAPÁ .......................................................... 258
7.5.3. Perturbações na Transmissora MANAUS TR ..................................................... 270
7.5.4. Perturbações na Transmissora XINGU .............................................................. 285
7.6. Perturbações ocorridas nos estados da Região Nordeste ........................................ 297
7.6.1. Perturbações na Transmissora CHESF ............................................................... 299
7.6.2. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE ................................................. 307
7.6.3. Perturbações na Transmissora ENCRUZO ......................................................... 321
7.6.4. Perturbações na Transmissora ETN................................................................... 325
7.6.5. Perturbações na Transmissora IENNE ............................................................... 328
7.6.6. Perturbações na Transmissora TAESA ............................................................... 335
8. Considerações Finais ......................................................................................................... 344
9. Referências Bibliográficas ................................................................................................. 345

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


5
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Lista de Figuras

Figura 1 – Ações conforme a resposta dos agentes, seguindo a Pirâmide de Conformidade. ... 17
Figura 2 – Ciclo de Atividades ..................................................................................................... 17
Figura 3 – Sistema de Transmissão - Horizonte 2015 (Fonte: ONS)............................................ 21
Figura 4 – Estratificação dos desligamentos forçados analisados .............................................. 22
Figura 5 – Estratificação dos desligamentos forçados analisados .............................................. 22
Figura 6 – Divisão geográfica utilizada para análises de desligamentos forçados ...................... 23
Figura 7 – Fluxograma de Análise de Desligamentos Forçados .................................................. 27
Figura 8 – Fluxograma da etapa de Pré-Análise .......................................................................... 28
Figura 9 – Fluxograma da etapa de Análise Conclusiva .............................................................. 35
Figura 10 – Exemplo de Plano de Melhorias ............................................................................... 36
Figura 11 – Exemplo de propriedades de registro fotográfico com data, hora e localização. ... 37
Figura 12 – Campos de inserção de informações ....................................................................... 38
Figura 13 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da LT sob análise................. 39
Figura 14 – Tipos de curtos-circuitos e fases envolvidas nos desligamentos da LT sob análise . 39
Figura 15 – Localização das faltas da LT sob análise considerando-se os trechos oriundos da
transposição completa ................................................................................................................ 39
Figura 16 – Localização das faltas, com as respectivas causas, ao longo da LT sob análise,
considerando-se o comprimento total normalizado em 100% .................................................. 40
Figura 17 – Distribuição dos desligamentos da LT, com as respectivas causas, ao longo da janela
de análise .................................................................................................................................... 40
Figura 18 – Campos de inserção de informações ....................................................................... 41
Figura 19 – Representação gráfica das causas dos desligamentos ............................................. 41
Figura 20 – Distribuição das faltas por equipamento ................................................................. 42
Figura 21 – Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao
longo da janela de análise ........................................................................................................... 42
Figura 22 – Informações Meteorológicas: (a) Descargas atmosféricas; (b) Incidência de
queimadas (Fonte: INPE) ............................................................................................................. 43
Figura 23 – Exemplo de traçado de linha de transmissão: (a) visão geral; (b) visão detalhada. 43
Figura 24 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para
análise ......................................................................................................................................... 51
Figura 25 – Estados com instalações analisadas (SP, MG, RJ, ES, GO e TO)................................ 51
Figura 26 – Fase do meio propícia à construção de ninhos ........................................................ 59
Figura 27 – Detalhe de ninho construído na fase do meio ......................................................... 59
Figura 28 – Fezes das aves no isolador ....................................................................................... 59
Figura 29 – Dispositivo instalado na fase do meio para dificultar a construção de ninhos ........ 59
Figura 30 – Evidência da queimada 30/08/2014 ........................................................................ 66
Figura 31 – Evidência da queimada 18/09/2014 ........................................................................ 66
Figura 32 – Torre 157 da LT 500kV Luziânia/Paracatu 4 ........................................................... 102
Figura 33 – Torre 50 da LT 500kV Luziânia/Paracatu 4 ............................................................. 102

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


6
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 34 – Instalação de isoladores separadores no meio do vão .......................................... 102
Figura 35 – Isoladores separadores instalados no meio do vão ............................................... 102
Figura 36 – Instalação de isoladores separadores no meio do vão .......................................... 105
Figura 37 – Isoladores separadores instalados no meio do vão ............................................... 105
Figura 38 – Vão nº 25 atingido pela queimada dia 21/08/2014 ............................................... 106
Figura 39 – Vão nº 565 atingido pela queimada dia 10/09/2014 ............................................. 106
Figura 40 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para
análise ....................................................................................................................................... 107
Figura 41 – Estados com instalações analisadas (MS, MT e PA) ............................................... 107
Figura 42 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS ........... 110
Figura 43 – Localização das faltas da LT 230 kV Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS considerando
as transposições ........................................................................................................................ 111
Figura 44 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS .... 111
Figura 45 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV
Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS .............................................................................................. 112
Figura 46 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C 1 MS ................ 115
Figura 47 – Localização das faltas da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C 1 MS considerando as
transposições ............................................................................................................................ 115
Figura 48 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C 1 MS ......... 116
Figura 49 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV
Chapadão / Imbirussu C 1 MS ................................................................................................... 116
Figura 50 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Juba / Brasnorte C 1 MT ......................... 122
Figura 51 – Localização das faltas da LT 230 kV Juba / Brasnorte C 1 MT considerando as
transposições ............................................................................................................................ 122
Figura 52 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Juba / Brasnorte C 1 MT ................. 123
Figura 53 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV JUBA /
BRASNORTE C1 MT.................................................................................................................... 123
Figura 54 – Propostas de instalação de cabos contrapeso contínuos nos trechos mais críticos da
LT 230 kV Juba / Brasnorte C1 MT ............................................................................................ 124
Figura 55 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C 1 MT ............... 128
Figura 56 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C 1 MT ........ 128
Figura 57 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV Nobres /
Nova Mutum C 1 MT ................................................................................................................. 129
Figura 58 – Novas causas dos desligamentos da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C 1 MT
informadas pela ELETRONORTE ................................................................................................ 130
Figura 59 – Distribuição das faltas por equipamento da SE Marabá ........................................ 132
Figura 60 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da SE Marabá .................... 132
Figura 61 – Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao
longo da janela de análise da SE Marabá .................................................................................. 133
Figura 62 – Distribuição das faltas por equipamento da SE Rurópolis ..................................... 137
Figura 63 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da SE Rurópolis ................. 138

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


7
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 64 – Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao
longo da janela de análise da SE Rurópolis ............................................................................... 139
Figura 65 – Distribuição das faltas por equipamento da SE Vila do Conde .............................. 142
Figura 66 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da SE Vila do Conde .......... 143
Figura 67 – Destaques dos problemas internos aos Compensadores Síncronos da SE Vila do
Conde que provocaram desligamentos .................................................................................... 143
Figura 68 - Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao
longo da janela de análise da SE Vila do Conde ........................................................................ 144
Figura 69 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Chapadão / Inocência C 3 MS ................ 152
Figura 70 – Localização das faltas da LT 230 kV CHAPADAO / INOCENCIA C 3 MS considerando
as transposições ........................................................................................................................ 152
Figura 71 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Chapadão / Inocência C 3 MS ......... 153
Figura 72 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV
Chapadão / Inocência C 3 MS.................................................................................................... 153
Figura 73 – Nova classificação das causas dos desligamentos apresentada pela Itatim para a LT
230 kV Chapadão / Inocência C 3 MS........................................................................................ 154
Figura 74 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para
análise ....................................................................................................................................... 156
Figura 75 – Estados com instalações analisadas (AC e RO) ....................................................... 156
Figura 76 – Causas dos desligamentos ...................................................................................... 179
Figura 77 – Cronograma de instalação do registrador de perturbações .................................. 180
Figura 78 – Ilustração da solução underbuilt cable a ser implantada pela JTE ......................... 181
Figura 79 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para
análise ....................................................................................................................................... 184
Figura 80 – Estados com instalações analisadas (Região Sul) ................................................... 184
Figura 81 – Fases desligadas na LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS .............................. 191
Figura 82 – Atuação do Religamento Automático (RA) da LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C1
................................................................................................................................................... 192
Figura 83 – Ilustração dos indícios de presença de pássaros entre os quilômetros 17 e 23 e no
quilômetro 139 da LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS .................................................. 192
Figura 84 – Indícios de presença de pássaros na LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS,
caracterizados pelos vestígios e fezes ....................................................................................... 193
Figura 85 – Dispositivos anti-pouso ao longo da LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS .... 193
Figura 86 – Fluxograma para tomada de decisão sobre classificação de ocorrências em linhas
de transmissão adotado pela CEEE-GT ..................................................................................... 194
Figura 87 – Ninho de gavião sobre o fase A (meio) da LT 230 kV C.Industrial / V.Aires C 1 RS 199
Figura 88 – Atuação correta do Religamento Automático (RA) da LT 230 kV Presidente Médici /
Camaquã ................................................................................................................................... 209
Figura 89 – Localização do indício de presença de pássaros entre os quilômetros 15 e 31 e
entre os quilômetros 43 e 143 da LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã ............................ 210
Figura 90 – Localização das linhas de transmissão da CEEE-GT no estado do Rio Grande do Sul
................................................................................................................................................... 210

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


8
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 91 – Ilustração de (a)umidade relativa e (b) precipitação pluviométrica no estado do Rio
grande do Sul............................................................................................................................. 211
Figura 92 – Distribuição dos desligamentos no tempo das linhas de transmissão da CEEE-GT 211
Figura 93 – Representação dos isoladores de vidro com cobertura polimérica de borracha de
silicone (Room Temperature Vulcanidez Silicone Rubber - RTV)............................................... 213
Figura 94 – Representação de ensaio de isolamento com o RTV ............................................. 213
Figura 95 – Instalação do RTV na LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã ............................ 214
Figura 96 – Ilustração da não ocorrência de desligamentos nos vãos onde foram instalados RTV
na LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã............................................................................. 214
Figura 97 – Acidente envolvendo aeronave agrícola na LT 230 kV Presidente Médici / Quinta
ilustrando a dificuldade de visualização das fases. ................................................................... 218
Figura 98 – Fases desligadas na LT 230 kV Scharlau / Charqueadas ........................................ 223
Figura 99 – Fiação do painel de relés auxiliares do transformador TR-6 de 230/13,8 kV ........ 226
Figura 100 – Painel de comando dos transformadores com melhoria de identificação dos
transformadores da Subestação Porto Alegre 6 ....................................................................... 227
Figura 101 – Ilustração do ponto de conexão da alimentação CC do circuito de comando do
disjuntor de transferência 230 kV ............................................................................................ 230
Figura 102 – Distribuição das causas dos desligamentos na janela de análise ......................... 231
Figura 103 – Representação dos diagramas unifilares setores de 13,8 e 34,5 kV da Subestação
Figueira ...................................................................................................................................... 232
Figura 104 – Localização das faltas por porcentagem da LT 525 kV Blumenau / Curitiba C 1
SC/PR ......................................................................................................................................... 235
Figura 105 – Distribuição das causas dos desligamentos da LT 525 kV Blumenau / Curitiba C 1
SC/PR ......................................................................................................................................... 235
Figura 106 – Fluxograma para tomada de decisão sobre inspeção e classificação de ocorrências
em linhas de transmissão adotado pela ELETROSUL ................................................................ 237
Figura 107 – Área de abrangência da perturbação de 2/1/2015 às 23:41h, na LT 230 kV Barra
Grande / Campos Novos C1 ...................................................................................................... 240
Figura 108 – Localização das faltas por porcentagem da LT 525 kV Itá / Nova Santa Rita C2 .. 244
Figura 109 – Fases Envolvidas nos desligamentos da LT 525 kV Itá / Nova Santa Rita C2........ 244
Figura 110 – Distribuição das causas dos desligamentos da LT 525 kV Itá / Nova Santa Rita C2
................................................................................................................................................... 245
Figura 111 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para
análise ....................................................................................................................................... 247
Figura 112 – Estados com instalações analisadas (AM, PA e AP).............................................. 247
Figura 113 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV TUCURUI/ALTAMIRA C1. ...................... 250
Figura 114 – Tipos de curto-circuito da LT 230 kV Tucurui/Altamira C1................................... 250
Figura 115 – Fases envolvidas nas ocorrências da LT 230 kV Tucuruí/Altamira C1. ................. 251
Figura 116 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV
Tucuruí/Altamira C1. ................................................................................................................. 251
Figura 117 – Causas dos desligamentos na SE Tucuruí ............................................................. 254
Figura 118 – Localização das faltas na SE Tucuruí..................................................................... 254

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


9
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 119 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da SE Tucuruí ..... 255
Figura 120 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C1 e LT 500 kV
Jurupari/Oriximiná C2. .............................................................................................................. 259
Figura 121 – Tipos de curto-circuito da LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C1 e LT 500 kV
Jurupari/Oriximiná C2. .............................................................................................................. 260
Figura 122 – Fases envolvidas nas ocorrências da LT 500 kV JURUPARI/ORIXIMINÁ C1 e LT 500
kV JURUPARI/ORIXIMINÁ C2. .................................................................................................... 260
Figura 123 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV
Jurupari/Oriximiná C1 e LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C2........................................................ 261
Figura 124 – Causas dos desligamentos na SE Macapá ............................................................ 265
Figura 125 – Localização das faltas na SE Macapá .................................................................... 265
Figura 126 – Causas dos desligamentos na SE Oriximiná.......................................................... 268
Figura 127 – Localização das faltas na SE Oriximiná ................................................................. 268
Figura 128 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Oriximiná/Silves C1 .............................. 271
Figura 129 – Fases envolvidas nos desligamentos da LT 500 kV Oriximiná/Silves C1 .............. 272
Figura 130 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV
Oriximiná/Silves C1 ................................................................................................................... 272
Figura 131 – Vista aérea da subestação Oriximiná com entradas da LT 500 kV Oriximiná /
Jurupari C1 e C2 e LT 500 kV Oriximiná / Silves C1 e C2 ........................................................... 273
Figura 132 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Oriximiná/Silves C2 .............................. 276
Figura 133 – Tipos de curto-circuito ......................................................................................... 277
Figura 134 – Fases envolvidas nas ocorrências ......................................................................... 277
Figura 135 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV
Oriximiná/Silves C2 ................................................................................................................... 277
Figura 136 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Silves/Lechuga C1................................. 280
Figura 137 – Tipos de curto-circuito da LT 500 kV Silves/Lechuga C1 ...................................... 280
Figura 138 – Fases envolvidas nos curtos-circuitos da LT 500 kV Silves/Lechuga C1 ............... 281
Figura 139 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV
SILVES/LECHUGA C1 .................................................................................................................. 281
Figura 140 – Causas dos desligamentos da SE Lechuga ............................................................ 283
Figura 141 – Localização das faltas na SE Lechuga.................................................................... 284
Figura 142 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Xingu/Jurupari C1 ................................. 286
Figura 143 – Tipos de curto-circuito da LT 500 kV XINGU/JURUPARI ....................................... 286
Figura 144 – Fases envolvidas nas ocorrências da LT 500 kV XINGU/JURUPARI ...................... 287
Figura 145 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise ............................ 287
Figura 146 – Causas dos desligamentos na SE Jurupari ............................................................ 290
Figura 147 – Localização das faltas na SE Jurupari .................................................................... 290
Figura 148 – Causas dos desligamentos na SE Xingu ................................................................ 294
Figura 149 – Localização das faltas na SE Xingu ........................................................................ 294
Figura 150 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para
análise ....................................................................................................................................... 297
Figura 151 – Estados com instalações analisadas (Região Nordeste) ....................................... 297

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


10
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 152 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Arapiraca III / Penedo C S9 AL .............. 300
Figura 153 – Localização dos desligamentos da LT 230 kV Arapiraca III / Penedo C S9 AL ...... 300
Figura 154 – Fases envolvidas dos desligamentos da LT 230 kV Arapiraca III / Penedo C S9 AL
................................................................................................................................................... 301
Figura 155 – Distribuição dos desligamentos da LT 230 kV Arapiraca III / Penedo C S9 AL ..... 301
Figura 156 – Diagrama unifilar da Subestação Fortaleza .......................................................... 304
Figura 157 – Localização das faltas na LT 230 kV Encruzo Novo / Miranda II C 1 MA .............. 322
Figura 158 – Causas dos desligamentos na LT 230 kV Encruzo Novo / Miranda II C 1 MA....... 322
Figura 159 – Exemplo de cronograma de execução de reforço ................................................ 323
Figura 160 – Distribuição temporal dos desligamentos LT 500 kV Colinas / Rib. Gonçalves C 2
................................................................................................................................................... 329
Figura 161 – Causas de desligamentos automáticos na LT 500 kV Colinas / Rib. Gonçalves C 2
TO/PI.......................................................................................................................................... 330
Figura 162 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Rib. Gonçalves / S.João Piauí C L4 PI .... 336
Figura 163 – Tipos de curtos-circuitos observados na LT 500 kV Rib. Gonçalves / S.João Piauí C
L4 PI ........................................................................................................................................... 336

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


11
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Lista de Tabelas

Tabela 1 – Relação das instalações analisadas pela SFE com desligamentos no período de 1º de
agosto de 2014 a 31 de julho de 2015. ....................................................................................... 24
Tabela 2 – Reuniões internas ...................................................................................................... 29
Tabela 3 – Ofícios enviados ......................................................................................................... 29
Tabela 4 – Reuniões com Agentes .............................................................................................. 33
Tabela 5 – Reuniões com a liderança .......................................................................................... 35
Tabela 6 – Resumo da sugestão de direcionamento da Campanha de Fiscalização .................. 45
Tabela 7 – Resumo dos Planos de Melhorias solicitados ............................................................ 46
Tabela 8 – Empreendimentos de ampliações e reforços indicadas para acompanhamento
diferenciado ................................................................................................................................ 49
Tabela 9 – Obras de PMI indicadas para acompanhamento diferenciado ................................. 50
Tabela 10 – Resumo das perturbações analisadas nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e no
estado do Tocantins .................................................................................................................... 52
Tabela 11 – Resumo das perturbações analisadas nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso
do Sul e Pará .............................................................................................................................. 108
Tabela 12 – Definição dos trechos e programações de instalação dos cabos contrapeso
contínuos na LT 230 kV Juba / Brasnorte C1 MT....................................................................... 125
Tabela 13 – Resumo das perturbações analisadas nos estados do Acre e Rondônia ............... 156
Tabela 14 – Resumo das perturbações analisadas na região Sul .............................................. 184
Tabela 15 – Resumo das perturbações analisadas nas regiões ................................................ 248
Tabela 16 – Resumo das perturbações analisadas nas regiões ................................................ 298

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


12
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Lista das principais siglas citadas neste documento

ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

BC Banco Capacitor

BCS Banco Capacitor Série

BtB Back to Back

CA Corrente Alternada

CC Contrato de concessão

CC Corrente Contínua

CE Compensador Estático

CLP Controlador Lógico Programável

DC Direct Current

DJ Disjuntor

ECE Esquema de Controle de Emergência

EPE Empresa de Pesquisa Energética

GOOSE Generic Object Oriented Substation Event

GPS Global Positioning System

GSC Generator Station Coordinator

HVDC High Voltage Direct Current

IED Intelligent Electronic Device

LDOV Localizadores de Falta por Ondas Viajantes

LT Linha de Transmissão

MAC Media Access Control

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


13
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
MACH Modular Advanced Control System for HVDC

MOV Metal Oxid Varistor

OeM Operação e Manutenção

ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico

RA Religamento Automático

RAP Relatório de Análise da Perturbação

REA Resolução Autorizativa

RPD Registrador Digital de Perturbação

RT Reator

SB Barra
Superintendência de Concessões, Permissões e Autorizações de Transmissão e
SCT
Distribuição
SE Subestação

SFE Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Eletricidade

SGI Sistema de Gestão das Intervenções

SGPMI Sistema de Gestão do PMI

SGR Sistema de Acompanhamento de Recomendações e Providências em Andamento

SIGET Sistema de Gestão da Transmissão

SIN Sistema Interligado Nacional

SIPER Sistema Integrado de Perturbações

SLT Sistema de Localização de Tempestades

SOTF Switch Onto Fault

TC Transformador de Corrente

TDD Transferência Direta de Disparo

TP Transformador de Potencial

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


14
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
TR Transformador

VLAN Virtual Local Area Network

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


15
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
1. Introdução

Foi implementada uma mudança estratégica na atuação da Superintendência de Fiscalização


dos Serviços de Eletricidade (SFE), visando à otimização dos recursos de fiscalização, à
avaliação contínua da prestação dos serviços e o alinhamento dos agentes fiscalizados com os
compromissos firmados em relação à qualidade, para a prevenção de possíveis falhas, para a
efetiva correção de irregularidades identificadas e para a melhoria do desempenho
regulatório.

A mudança buscou focalizar as atividades de fiscalização em ações preventivas e aumentar a


efetividade da área, por meio da utilização de técnicas de inteligência analítica e do
aperfeiçoamento do planejamento das atividades, em alinhamento às melhores práticas
regulatórias internacionais.

A nova forma de trabalho consiste em uma mudança de paradigma, a partir da adoção de


novas técnicas de fiscalização embasadas em referências mundiais, como os relatórios da
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD, 2014)1. A nova
estratégia é fortemente calcada na utilização de inteligência analítica e de técnicas de
fiscalização baseada em evidências, num contexto de regulação responsiva (Responsive
Regulation).

Nos termos dos relatórios da OCDE, a abordagem da regulação responsiva sugere que as
atividades de fiscalização devem ser moduladas de acordo com o perfil e o comportamento de
cada agente regulado. Nesse sentido, as agências reguladoras devem adotar estratégias de
incentivo e fiscalização diferenciadas baseadas no comportamento e no histórico dos agentes.
Dessa forma, a regulação responsiva promove a melhoria do desempenho dos agentes ao
reduzir os custos daqueles que apresentam melhor performance regulatória.

A análise de dados, a utilização de técnicas de inteligência analítica e o monitoramento da


atuação dos agentes permite a avaliação cautelosa do segmento transmissão, propicia a
identificação de problemas a serem resolvidos pelos agentes setoriais e o levantamento das
mudanças necessárias na regulamentação. Além disso, é possível realizar o planejamento e a
preparação de grandes campanhas de fiscalização organizadas, por exemplo, por temas, por
região ou por concessionária.

Neste contexto, as ações adotadas serão proporcionais à resposta dos agentes à regulação e à
fiscalização, conforme a teoria de Responsive Regulation e seguindo uma filosofia baseada na
Pirâmide de Conformidade, como ilustrado na Figura 1.

1
OECD. (2014). Regulatory Enforcement and Inspections, OECD Best Practice Principles for Regulatory
Policy. OECD Publishing.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


16
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 1 – Ações conforme a resposta dos agentes, seguindo a Pirâmide de Conformidade.

Para aqueles agentes que cumprem com suas obrigações contratuais e regulamentares, caberá
apenas a verificação deste comportamento. De outro modo, aos que querem cumprir, mas por
algum motivo não estão atendendo às expectativas do regulador e da sociedade, caberá à
fiscalização diagnosticar os problemas e incentivar sua correção. Por fim, as sanções se
destinarão especificamente aos agentes que insistem em permanecer no descumprimento da
legislação ou não são capazes de responder satisfatoriamente às ações preventivas.

Esta forma de atuação mostra-se adequada, pois a aplicação de sanções nem sempre é o
melhor instrumento para resolver todos os problemas setoriais. A organização do setor, a
regulamentação coerente e a publicidade de informações têm sido apontadas como melhores
práticas de fiscalização regulatória, restando para as ações fiscalizadoras os problemas mais
graves ou sem resposta dos agentes.

Uma vez delineado o Projeto Fiscalização Estratégica, teve início a sua implantação, com a
definição de um novo fluxo de atividades de fiscalização, dividido em quatro etapas, conforme
a Figura 2.

•Usar Inteligência Analítica no •Investigar os indícios de


tratamento de Dados e problemas apontados no
Indicadores. Monitoramento
•Monitorar a evolução dos •Analisar detalhadamente os
Indicadores e emitir Alertas problemas evidenciados
•Divulgar Relatórios de •Elaborar Relatórios
Desempenho Analíticos
Monitoramento Análise

P D
A C

Ação
Acompanhamento
Fiscalizadora
•Acompanhar a resolução dos
•Realizar a Ação Fiscalizadora problemas evidenciados na
(REN 63/2004) Análise
•Instaurar Processo •Divulgar Relatórios de
Administrativo Punitivo Acompanhamento
•Emitir Termos de Notificação •Elaborar Relatórios de
Resultados

Figura 2 – Ciclo de Atividades

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


17
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A primeira etapa consiste no monitoramento dos serviços de distribuição e transmissão. O
monitoramento tem como objetivos (i) a garantia do recebimento dos dados de fluxo
contínuo, como indicadores, reclamações, informações de ocorrências, (ii) a verificação da
qualidade dos dados recebidos e (iii) o tratamento dos dados recebidos, com a geração de
gráficos, rankings, linhas de tendências, os quais servirão de base para a elaboração da Agenda
de Trabalho, que apontará empresas ou temas para as fases de análise, acompanhamento ou
ação de fiscalização.

A partir dos resultados de monitoramento, são definidas campanhas anuais de fiscalização


com divulgação dos principais assuntos a serem fiscalizados pela SFE e que deverão ser objeto
de ações de melhorias pelos agentes.

Com base na Agenda de Trabalho, são realizadas análises aprofundadas dos temas ou
empresas consideradas prioritárias na fase de monitoramento. A fase de análise tem como
principal objetivo a elaboração e divulgação dos Relatórios Analíticos. Os Relatórios são
apresentados aos agentes setoriais para que adotem as providências necessárias para a
correção das falhas apontadas. Podem ser solicitados dados adicionais visando à
complementação de informações ou realizadas inspeções documentais ou de campo para
subsidiar as atividades de análise.

No caso dos desligamentos forçados são selecionadas as subestações e linhas de transmissão


nas quais tiveram origem o maior número de desligamentos forçados em um período de doze
meses, conforme os critérios de seleção descritos neste Relatório. Nesta seleção foram
considerados os desligamento com origens internas2 e secundária3.

Não foram considerados desligamentos com causa externa, ou seja, desligamentos resultantes
de: (i) atuação correta da proteção do componente em virtude de falhas externas, (ii)
desligamento por atuação correta da proteção de outro componente, (iii) desligamento por
configuração ou (iv) desligamento por atuação de Sistema Especial de Proteção - SEP. Do
mesmo modo, também não foram avaliados os desligamentos com causa operacional, ou seja,
cuja causa é de natureza elétrica sistêmica (oscilação, sobretensões, sobrefrequências, etc.).

A metodologia para a análise dos desligamentos forçados de instalações de Transmissoras de


Energia Elétrica em consequência de diagnóstico técnico prévio realizado também será
detalhada neste documento e está em conformidade com a Nota Técnica nº 103/2016-

2
A origem da causa do desligamento é classificada como Interna quando a causa se relaciona com as
partes principais do componente em análise, em geral energizadas, incluindo seus equipamentos
terminais (Ex.: isoladores, o lado primário de transformadores de instrumentos, estator, mancal, eixo de
um gerador, disjuntores, seccionadoras, etc.).

3
A origem da causa do desligamento é classificada como Secundária quando a causa se relaciona com
os equipamentos secundários, complementares ou auxiliares do componente em análise (Ex.: fiação,
proteção, controle, comando, serviços auxiliares, sistema de ventilação e resfriamento, etc.).
Enquadra-se também nesse tipo de classificação o desligamento do componente em análise por atuação
incorreta de seu sistema de proteção na ocasião de falhas externas, dado que a anormalidade, neste
caso, encontra-se na parte secundária do componente em análise.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


18
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SFE/ANEEL, de 29 de junho de 2016. O trabalho envolve a consulta a sistemas informatizados
do ONS e da ANEEL, reuniões presenciais com concessionárias e terceiros, além de
processamento e a análise de dados e informações.

O presente relatório apresenta a visão da SFE quanto ao período de 1º/8/2014 a 31/7/2015.


Este documento consolida todo o trabalho do ciclo e apresenta os encaminhamentos adotados
para cada instalação analisada.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


19
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
2. Objetivos

O objetivo da análise de desligamentos forçados da rede de operação é obter informações


precisas e de qualidade quanto ao desempenho do sistema. Isso é possível por meio de uma
crítica quanto às informações disponíveis nos sistemas de gestão do ONS e ANEEL e interações
com os agentes e demais partes envolvidas.

Dessa forma, é possível antever riscos ao desempenho do sistema, identificar possíveis


soluções de planejamento ou solicitar planos de melhorias específicos. Também com base nas
informações levantadas é possível estabelecer estratégias para atuação da fiscalização.

Este relatório apresenta os resultados da análise dos desligamentos forçados automáticos ou


manuais, com origem interna ou secundária, independentemente de serem desligamentos
permanentes ou fugitivos.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


20
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
3. Visão geral do Sistema de Transmissão Brasileiro

O Sistema de Transmissão brasileiro pode ser ilustrado pela Figura 1 a seguir, considerando o
horizonte de 2015. Esse sistema era composto por 129.258 km de linhas de transmissão e
321.936 MVA de potência de transformação instalada.

Figura 3 – Sistema de Transmissão - Horizonte 2015 (Fonte: ONS)

No período de 1º de agosto de 2014 a 31 de julho de 2015, ocorreram 3.386 desligamentos


forçados, de origem interna ou secundária, em equipamentos e linhas de transmissão da Rede
Básica e da Rede Complementar do Sistema Interligado Nacional – SIN, ocorridos. A Figura 4
mostra a estratificação desses desligamentos.

Por meio dessa estratificação percebe-se que 73,3% dos desligamentos ocorreram em linhas
de transmissão e 92,4% na Rede Básica.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


21
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
2500

2000
Quantitativo de desligamentos

1500

1000

500

0
Linha de Linha de
Subestação Subestação
Transmissão Transmissão
COMPLEMENTAR BÁSICA
Total 83 173 822 2308

Figura 4 – Estratificação dos desligamentos forçados analisados

Com relação às classificações dos desligamentos, a Figura 5 demostra a situação no período.


Percebe-se que as causa indeterminadas, as descargas atmosféricas e as falhas humanas foram
responsáveis por 57% das ocorrências no período.
2
0%
76 73
107 2% 2%
129 3%
4%
148 957 Indeterminada
5% 28% Descarga Atmosférica
201 Falhas Humanas
6% Equipamentos e Acessórios
Queimada / Fogo sob a Linha
Proteção, Medição e Controle
346 Vegetação
10%
Fiação AC - DC
Chuva/Temporal
Meio Ambiente/Fenômenos Naturais
486 Corpos Estranhos e Objetos
375 15%
11% Diversos

480
14%

Figura 5 – Estratificação dos desligamentos forçados analisados

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


22
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
4. A metodologia de análise de perturbações

Nesse primeiro ciclo de trabalho foram selecionadas as subestações e linhas de transmissão


nas quais tiveram o maior número de desligamentos forçados no período de 1º de agosto de
2014 a 31 de julho de 2015, conforme metodologia de monitoramento e diagnóstico técnico
preventivo dos serviços de transmissão e de distribuição de energia elétrica, estabelecida na
Nota Técnica nº 217/2015-SFE, de 15/12/2015.

Os desligamentos selecionados para análise foram distribuídos em 6 grupos, seguindo critérios


geográficos e de natureza elétrica, conforme destacado na Figura 6.

Figura 6 – Divisão geográfica utilizada para análises de desligamentos forçados

O estado do Pará contém instalações em dois grupos de análise distintos.

As instalações selecionadas passaram por estudos específicos com objetivo de identificar os


problemas que levaram ao alto número de desligamentos forçados e para que fossem
estabelecidas medidas que evitem a repetição dos mesmos.

A seleção das instalações de transmissão para análise seguiu os seguintes critérios:

 Linhas de transmissão com dez ou mais desligamentos forçados no período avaliado;


 Linhas de transmissão com cinco ou mais desligamentos forçados e corte de carga
resultante maior do que zero no período avaliado;
 Subestações com dez ou mais desligamentos forçados no período avaliado;

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


23
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
 Subestações com cinco ou mais desligamentos forçados e corte de carga resultante
maior do que zero no período avaliado;

Não foram considerados desligamentos com causa externa, ou seja, desligamentos resultantes
de: (i) atuação correta da proteção do componente em virtude de falhas externas, (ii)
desligamento por atuação correta da proteção de outro componente, (iii) desligamento por
configuração ou (iv) desligamento por atuação de Sistema Especial de Proteção - SEP. Do
mesmo modo, também não foram avaliados os desligamentos com causa operacional, ou seja,
cuja causa é de natureza elétrica sistêmica (oscilação, sobretensões, sobrefrequências, etc.)

Aplicando esses critérios foram selecionadas 50 linhas de transmissão e 28 subestações,


responsáveis por 1.142 desligamentos forçados, o que representa 34% do total de
desligamentos no período. As instalações selecionadas para a análise estão relacionadas na
Tabela 1 a seguir.

Tabela 1 – Relação das instalações analisadas pela SFE com desligamentos no período de 1º de
agosto de 2014 a 31 de julho de 2015.

Grupo de Total de
Transmissora Instalação
Transmissoras Desligamentos

BRILHANTE CELEO LT 230 kV ANASTACIO / SIDROLANDIA 2 C 1 MS 7


BRILHANTE CELEO LT 230 kV CHAPADAO / IMBIRUSSU C 1 MS 25
CEEE-GT CEEE-GT LT 138 kV JACUI / SANTA MARIA1 C 1 RS 18
CEEE-GT CEEE-GT LT 138 kV SANTA MARIA1 / ALEGRETE C 1 RS 76
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV BAGE2 / LIVRAMENTO 2 C 1 RS 16
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV C.INDUSTRIAL / V.AIRES C 1 RS 16
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV ITAUBA / NOVA STA RITA C 1 RS 12
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV PASSO REAL / V.AIRES C 1 RS 10
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV PRE.MEDICI / BAGE2 C 1 RS 5
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV PRE.MEDICI / CAMAQUA C 1 RS 44
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV PRE.MEDICI / QUINTA C 1 RS 34
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV SANTA MARIA 3 / ALEGRETE2 C 1 RS 20
CEEE-GT CEEE-GT LT 230 kV SCHARLAU / CHARQUEADAS C 1 RS 24
CEEE-GT CEEE-GT SE PORTOALEGRE6 6
CELG G&T CELG-GT LT 230 kV FIRMINOPOLIS / PALMEIRAS C 1 GO 13
CELG G&T CELG-GT LT 230 kV ITAPACI / BARRO ALTO C 1 GO 9
CELG G&T CELG-GT LT 230 kV PLANALTO / ANHANGUERA C 1 GO 10
CELG G&T CELG-GT SE ANHANGUERA 7
CEMIG-GT CEMIG-GT LT 500 kV JAGUARA-SE / SAO SIMAO-SE C 1 MG 10
CHESF CHESF LT 230 kV ARAPIRACA III / PENEDO C S9 AL 11
CHESF CHESF SE FORTALEZA 32
COPEL-GT COPEL-GT SE FIGUEIRA 11
EATE ALUPAR SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE) 1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


24
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Grupo de Total de
Transmissora Instalação
Transmissoras Desligamentos

EBTE ALUPAR LT 230 kV JUBA / BRASNORTE C 1 MT 12


ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV NOBRES / NOVA MUTUM C 1 MT 10
ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV TUCURUI / ALTAMIRA C 1 PA 6
ELETRONORTE ELETRONORTE SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE) 12
ELETRONORTE ELETRONORTE SE RUROPOLIS 5
ELETRONORTE ELETRONORTE SE TUCURUI 8
ELETRONORTE ELETRONORTE SE VILA DO CONDE 20
ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV ABUNA / RIO BRANCO I C 2 RO/AC 10
ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV ARIQUEMES / JI-PARANA C 1 RO 6
ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV PORTO VELHO / ABUNA C 2 RO 12
ELETRONORTE ELETRONORTE SE C.PORTO VELHO 34
ELETRONORTE ELETRONORTE SE LECHUGA (ELETRONORTE/MANAUS TR) 2
ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV COELHO NETO / PERITORO C 1 MA 19
ELETRONORTE ELETRONORTE LT 230 kV P.DUTRA / PERITORO C 1 MA 5
ELETRONORTE ELETRONORTE SE IMPERATRIZ (ELETRONORTE/TAESA) 21
ELETRONORTE ELETRONORTE SE RIB.GONCALVES (ELETRONORTE/IENNE/TAESA) 2
ELETRONORTE ELETRONORTE SE SAO LUIS II 10
ELETROSUL ELETROSUL LT 525 kV BLUMENAU / CURITIBA C 1 SC/PR 11
ENCRUZO CELEO LT 230 kV ENCRUZO NOVO / MIRANDA II C 1 MA 6
ENTE ALUPAR SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE) 2
ETAU ETAU LT 230 kV BARRA GRANDE / C.NOVOS C 1 SC 5
ETN CTEEP SE J. CAMARA III 13
FURNAS FURNAS LT 345 kV BARRO BRANCO/OURO PRETO 2 C 1 MG 5
FURNAS FURNAS LT 345 kV CORUMBA / BRAS. SUL C 1 GO/DF 15
FURNAS FURNAS LT 345 kV ESTREITO / FURNAS C 1 MG 10
FURNAS FURNAS LT 345 kV FURNAS / M. MORAES C 1 MG 25
FURNAS FURNAS LT 345 kV L.C.BARRETO/POCOS CALDAS C1 SP/MG 12
FURNAS FURNAS LT 500 kV GURUPI / MIRACEMA C 1 TO 15
FURNAS FURNAS SE ADRIANOPOLIS 10
FURNAS FURNAS SE BANDEIRANTES 19
FURNAS FURNAS SE BARRO ALTO 8
FURNAS FURNAS SE BRAS. SUL 7
FURNAS FURNAS SE CAMPOS 26
FURNAS FURNAS SE IBIUNA 16
FURNAS FURNAS SE RIO VERDE FUR 6
FURNAS FURNAS SE SAO JOSE 23
FURNAS FURNAS SE TIJUCO PRETO 16

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


25
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Grupo de Total de
Transmissora Instalação
Transmissoras Desligamentos

IENNE CTEEP LT 500 kV COLINAS / RIB.GONCALVES C2 11


TO/PI
IENNE CTEEP SE RIB.GONCALVES (ELETRONORTE/IENNE/TAESA) 1
ITATIM STATE GRID LT 230 kV CHAPADAO / INOCENCIA C 3 MS 11
JTE CELEO LT 230 kV VILHENA / JAURU C 1 RO/MT 24
JTE CELEO LT 230 kV VILHENA / JAURU C 2 RO/MT 20
Macapá ISOLUX LT 500 kV JURUPARI / ORIXIMINA C 1 PA 7
Macapá ISOLUX LT 500 kV JURUPARI / ORIXIMINA C 2 PA 5
Macapá ISOLUX SE JURUPARI (MACAPÁ/XINGU) 3
Macapá ISOLUX SE MACAPA 11
Macapá ISOLUX SE ORIXIMINA 11
Manaus TR ABENGOA LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 1 PA/AM 15
Manaus TR ABENGOA LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 2 PA/AM 23
Manaus TR ABENGOA LT 500 kV SILVES / LECHUGA C 1 AM 11
Manaus TR ABENGOA SE LECHUGA (ELETRONORTE/MANAUS TR) 4
SMTE STATE GRID LT 500 kV LUZIANIA / PARACATU 4 C 1 GO/MG 12
SMTE STATE GRID LT 500 kV SERRA MESA 2 / LUZIANIA C 1 GO 17
TAESA TAESA LT 500 kV RIB.GONCALVES / S.JOAO PIAUI C L4 PI 10
TAESA TAESA SE B.J.LAPA II 6
TAESA TAESA SE IMPERATRIZ (ELETRONORTE/TAESA) 4
TAESA TAESA SE RIB.GONCALVES (ELETRONORTE/IENNE/TAESA) 3
TME ELETRONORTE LT 500 kV JAURU / SUB CUIABA C 1 MT 13
TSBE ELETROSUL LT 525 kV ITA / NOVA STA RITA C 2 SC/RS 22
Xingu ISOLUX LT 500 kV XINGU / JURUPARI C 1 PA 7
Xingu ISOLUX SE JURUPARI (MACAPÁ/XINGU) 13
Xingu ISOLUX SE XINGU 17

Uma vez selecionado o desligamento forçado a ser analisado, foram realizadas as atividades
descritas no fluxograma apresentado na Figura 7.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


26
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Desligamentos
Forçados

Pré-Análise

Necessidade Necessidade SIM


NÃO Decisão sobre Planos de Esclarecimento de
de Reunião Convocação
Melhorias específicos Pontos Relevantes
Presencial de Terceiros

SIM NÃO

Necessidade
NÃO
de Relatório Análise Conclusiva
Analítico

SIM
SIM
Emissão de Relatório
de Análise
Pontos
Emissão de Relatório
Relevantes
Analítico
Esclarecidos

NÃO

Figura 7 – Fluxograma de Análise de Desligamentos Forçados

Na etapa denominada ‘Pré-Análise’, foram realizados estudos sobre os desligamentos forçados


por meio de consultas aos sistemas de apoio do Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS
e ANEEL. Esta etapa é detalhada no fluxograma apresentado na Figura 8.

Para cada instalação foram coletadas individualmente as informações relacionadas às


perturbações no Sistema Integrado de Perturbações (SIPER do ONS). Neste sistema, são
disponibilizados dados condensados pela equipe de proteção do ONS, relato da perturbação
pela ótica dos Agentes e pela equipe de tempo real e pós-operação do ONS, existência de
recomendações, tempo de disponibilização e retorno à operação dos equipamentos,
características das Linhas de Transmissão, como comprimento da linha, existência e tempo
configurado de religamento automático, entre outros dados.

Nos casos em que a perturbação passou por uma reunião de análise, com a participação dos
diversos agentes do setor elétrico, e possuía Relatório de Análise de Perturbação – RAP, as
informações contidas nesses relatórios também foram levadas em consideração no universo
de dados de estudo do equipamento selecionado.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


27
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Pré-análise
Código da Consulta ao Avaliação das NÃO Consulta ao
Perturbação Possui RAP
SIPER informações SGI

SIM

Consulta ao Avaliação das


SGR informações

Avaliação das Consulta ao SIM


Avaliação das Realizada
informações SGR informações Intervenção

SIM
NÃO

Consulta ao NÃO Existe


SGPMI recomendação

Consolidação das
informações do
equipamento

Melhorias SIM Avaliação das Avaliação das


previstas informações informações
LEGENDA
SIPER Sistema Integrado de Perturbações
SIM RAP Relatório de Análise da Perturbação
NÃO SGI Sistema de Gestão de Intervenção
Sistema de Acompanhamento de
Consulta ao Melhorias SGR
Recomendações e Providências em
Andamento
SIGET previstas
NÃO
SGPMI Sistema de Gestão do PMI
SIGET Sistema de Gestão da Transmissão

Figura 8 – Fluxograma da etapa de Pré-Análise

Com vistas à verificação da execução de atividades, estudos e prováveis soluções de


problemas, foi consultado o Sistema de Gestão de Intervenção (SGI, do ONS) paras funções
selecionadas. Com este mesmo objetivo, pesquisou-se o atendimento às recomendações feitas
pelo Operador Nacional do Sistema aos Agentes no Sistema de Acompanhamento de
Recomendações e Providências em Andamento (SGR, do ONS).

Também foi realizada consulta de obras, reforços e melhorias, nos Sistema de Gestão do PMI
(SGPMI, do ONS) e Sistema de Gestão da Transmissão (SIGET, da ANEEL), envolvendo os
equipamentos selecionados, no intuito de se encontrar a existência de nexo causal entre os
problemas evidenciados e uma possível solução para se evitar recorrência do mesmo fato
gerador.

Na consolidação dos dados desses sistemas buscou-se mapear padrões e principais formas de
problemas para cada instalação e/ou empresa avaliada. As informações obtidas foram
discutidas previamente entre a equipe de análise em reuniões internas entre os especialistas
da SFE conforme mostra a Tabela 2.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


28
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Tabela 2 – Reuniões internas
Data Interessados Assunto
6/4/2016 SFE Metodologia de Análise de desligamentos forçados
15/4/2016 SFE Pré-análise de desligamentos forçados
20/4/2016 SFE Pré-análise de desligamentos forçados
29/4/2016 SFE Pré-análise de desligamentos forçados
5/5/2016 SFE Pré-análise de desligamentos forçados
13/5/2016 SFE Análise de desligamentos forçados no âmbito do segmento
transmissão .
16/5/2016 SFE Pré-análise de desligamentos forçados
23/5/2016 SFE Análise de desligamentos forçados no âmbito do segmento
transmissão .
2/6/2016 SFE Pré-análise de desligamentos forçados
8/6/2016 SFE Análise de desligamentos forçados no âmbito do segmento
transmissão .

Concluída a ‘Pré-Análise’ (ver Figura 7), o passo seguinte corresponde à avaliação de


necessidade de convocação dos agentes para uma reunião presencial. Nos casos em que se
julgaram necessárias as reuniões presenciais foram enviados ofícios para convocação das
mesmas (Tabela 3). Essas reuniões foram realizadas por grupos de transmissoras, seguindo os
dados acionários declarados no Sistema Controle da Composição Acionária – CAC, disciplinado
pela Resolução Normativa nº 378, de 10 de novembro de 2009.

Ademais, foi solicitado ao ONS um prazo de pelo menos 10 dias para a convocação com vistas
a emissão de Relatórios de Análise de Perturbações – RAPs. O prazo tem por objetivo a
preparação prévia dos agentes envolvidos e da ANEEL, tendo em vista o possível envolvimento
de instalações sob análise.

Tabela 3 – Ofícios enviados


Número do Ofício Data de envio Destinatário Assunto
Convocação de reunião para análise das
126/2016- instalações com maior número de
18/3/2016 CEMIG-GT
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da CEMIG-GT.
Convocação de reunião para análise das
128/2016- instalações com maior número de
22/3/2016 CELG-GT
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da CELG-GT.
Convocação de reunião para análise das
145/2016- instalações com maior número de
6/4/2016 FURNAS
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede de FURNAS.
Convocação de reunião para análise das
160/2016- EATE, EBTE e instalações com maior número de
20/4/2016
SFE/ANEEL ENTE desligamentos
forçados na rede da ALUPAR.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


29
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Número do Ofício Data de envio Destinatário Assunto
Convocação de reunião para análise das
169/2016- SMTE e instalações com maior número de
20/4/2016
SFE/ANEEL ITATIM desligamentos
forçados na rede da State Grid.
Convocação de reunião para análise das
170/2016- instalações com maior número de
20/4/2016 CELG-GT
SFE/ANEEL desligamentos forçados na rede da CELG-
GT.
Convocação de reunião para análise das
172/2016- instalações com maior número de
22/4/2016 Brilhante
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da BRILHANTE.
Convocação de reunião para análise das
173/2016- instalações com maior número de
22/4/2016 Encruzo
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da ENCRUZO.
Convocação de reunião para análise das
174/2016- instalações com maior número de
22/4/2016 JTE
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da JTE.
Convocação de reunião para análise das
177/2016- Eletrobrás instalações com maior número de
25/4/2016
SFE/ANEEL ELETRONORTE desligamentos
forçados na rede da ELETRONORTE.
Convocação de reunião para análise das
190/2016- instalações com maior número de
27/4/2016 CEEE-GT
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da CEEE-GT.
Convocação de reunião para análise das
instalações com maior número de
206/2016-
6/5/2016 MANAUS TR desligamentos
SFE/ANEEL forçados na rede da MANUAS TR (GRUPO
ABENGOA).
Convocação de reunião para análise das
208/2016- instalações com maior número de
6/5/2016 XINGU
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da ISOLUX.
Convocação de reunião para análise das
211/2016- instalações com maior número de
6/5/2016 CHESF
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da CHESF.
Convocação de reunião para análise das
212/2016- CTEEP, ETN e instalações com maior número de
6/5/2016
SFE/ANEEL IENNE desligamentos
forçados na rede da CTEEP
Convocação de reunião para análise das
213/2016- instalações com maior número de
6/5/2016 TAESA
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da TAESA.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


30
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Número do Ofício Data de envio Destinatário Assunto
Convocação de reunião para análise das
214/2016- instalações com maior número de
6/5/2016 COPEL GT
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da COPEL-GT.
Convocação de reunião para análise das
215/2016- instalações com maior número de
6/5/2016 ELETROSUL
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da ELETROSUL.
Convocação de reunião para análise das
216/2016- instalações com maior número de
6/5/2016 TSBE
SFE/ANEEL desligamentos
forçados na rede da TSBE.
Transmissoras
011/2016-
12/5/2016 de Energia Formato de Plano de Melhorias
SFE/ANEEL*
Elétrica
Avaliação da minuta do Plano de Melhorias
apresentado pela CEMIG-GT para as
219 /2016- Campanhas de Fiscalização e
12/5/2016 CEMIG-GT
SFE/ANEEL posicionamento a respeito dos
desligamentos forçados na LT 500 kV
Jaguara – São Simão C1
Convocação de reunião para análise das
222/2016- instalações com maior número de
16/5/2016 TME
SFE/ANEEL desligamentos forçados da Transmissora
Matogrossense de Energia S.A. – TME.
Retificação de data de reunião para análise
223/2016- das instalações com maior número de
16/5/2016 COPEL GT
SFE/ANEEL desligamentos forçados na rede da COPEL-
GT.
Retificação de data de reunião para análise
224/2016- das instalações com maior número de
16/5/2016 ELETROSUL
SFE/ANEEL desligamentos forçados na rede da
ELETROSUL.
Retificação de data de reunião para análise
225/2016-
16/5/2016 TSBE das instalações com maior número de
SFE/ANEEL desligamentos forçados na rede da TSBE.
Solicitação de Planos de Melhorias para os
227/2016- ITATIM e desempenhos das instalações das
19/5/2016
SFE/ANEEL SMTE concessionárias ITATIM e SMTE (Grupo
State Grid).
Solicitação de Plano de Melhorias para o
228/2016- desempenho da LT 230 kV JUBA /
19/5/2016 EBTE
SFE/ANEEL BRASNORTE
C1 MT, sob concessão da EBTE.
Solicitação de Planos de Melhorias para os
desempenhos das LTs 230 kV VILHENA /
229/2016-
19/5/2016 JTE, Brilhante JAURU C1 e C2, sob concessão da JTE, e da
SFE/ANEEL LT 230 kV CHAPADÃO / IMBIRUSSU C1, sob
concessão da Brilhante (Grupo CELEO).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


31
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Número do Ofício Data de envio Destinatário Assunto
Solicitação de Planos de Melhorias para os
desempenhos da LT 138 kV SANTA MARIA 1
231/2016-
23/5/2016 CEEE-GT /
SFE/ANEEL ALEGRETE C1 e das LTs 230 kV PRE. MEDICI
/ CAMAQUÃ C1 e PRE. MÉDICI / QUINTA.
Solicitação de Planos de Melhorias para os
239/2016- desempenhos das LTs 230 kV Arapiraca
30/5/2016 CHESF
SFE/ANEEL III/Penedo CS e da Subestação de Fortaleza,
sob concessão da CHESF.
Solicitação de Planos de Melhorias
especifico para o desempenho e
240/2016-
30/5/2016 ETN informações da SE
SFE/ANEEL João Câmara III, cuja concessão foi
outorgada à ETN.
Solicitação de Plano de Melhorias
especifico para o desempenho e
241/2016-
30/5/2016 IENNE informações da LT 500
SFE/ANEEL kV COLINAS/ RIB.GONCALVES C2, cuja
concessão foi outorgada à IENNE.
Solicitação de Plano de Melhorias
específico para o desempenho do Banco de
242/2016-
30/5/2016 TAESA Capacitores
SFE/ANEEL Serie Variável BC5 da SE Imperatriz, cuja
concessão foi outorgada à TAESA.
Solicitação de Planos de Melhorias para o
desempenho da LT 500 kV Oriximiná-Silves
257/2016-
7/6/2016 MANAUS TR e
SFE/ANEEL da LT Silves – Lechuga, sob concessão da
Manaus Transmissora.
Solicitação de Planos de Melhorias para o
desempenho das SE Macapá, SE Oriximiná,
SE
260/2016- MACAPÁ e Jurupari e SE Xingu sob concessão da
8/6/2016
SFE/ANEEL XINGU MACAPÁ Linhas de Macapá Transmissora
de Energia Ltda.
e da XINGU Linhas de Xingu Transmissora
de Energia Ltda.
Solicitação de Plano de Melhorias
especifico para o desempenho das LT
269/2016- 230kV
15/06/2016 CELG-GT
SFE/ANEEL Itapaci/Barro Alto C1 e LT 230kV
Planalto/Anhanguera C1, cuja concessão foi
outorgada à CELG-GT.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


32
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Número do Ofício Data de envio Destinatário Assunto
Solicitação de Plano de Melhorias
especifico para o desempenho das LT
500kV
Gurupi/Miracema C1; LT 345kV
Corumbá/Bras. Sul C1; LT 345kV
Estreito/FURNAS C1; LT 345kV
270/2016-
15/06/2016 FURNAS FURNAS/M. Moraes C1; LT 345kV L. C.
SFE/ANEEL Barreto/Poços de Caldas C1; LT 345kV
Barro Branco/Ouro
Preto2 C1; SE Bandeirantes; SE Barro Alto;
SE Campos e SE São José , cuja concessão
foi
outorgada à FURNAS.
*Ofício Circular com orientações sobre o formato dos Planos de Melhorias

As reuniões presenciais foram realizadas com o objetivo de esclarecer pontos relevantes


identificados na etapa de ‘Pré-Análise’. Para tal, foram elaborados anteriormente e
apresentado durante as reuniões relatórios analíticos que continham um resumo das
ocorrências, os problemas encontrados e as eventuais dúvidas restantes da análise. Essas
reuniões também foram utilizadas para apresentação e discussões sobre os Planos de
Melhorias previamente solicitados, como é o caso das campanhas de fiscalização.

Durante as reuniões presenciais os agentes foram incentivados a apresentar sua visão sobre as
ocorrências, conforme itens mínimos definidos no ofício de convocação. Foram discutidos
pontos relevantes das ocorrências e ao final feito um registro da reunião. Nesse registro
constam obrigações resultantes às partes, prazos e solicitações de informações adicionais, de
acordo com a necessidade.

Nos casos de divergências quanto às conclusões dos Agentes e as conclusões da equipe de


análise da SFE-ANEEL, foram realizadas discussões com terceiros para o esclarecimento de
pontos considerados relevantes.

Tabela 4 – Reuniões com Agentes


Data Interessados Assunto
18/4/2016 SFE e CEMIG-GT Análise de desligamentos forçados da CEMIG-GT
19/4/2016 SFE e CELG-GT Análise de desligamentos forçados da CELG-GT
3/5/2016 SFE e FURNAS Análise de desligamentos forçados de FURNAS
Análise de desligamentos forçados da State Grid (SMTE e
4/5/2016 SFE e State Grid
ITATIM)
Análise de desligamentos forçados da CELEO (Brilhante,
9/5/2016 SFE e CELEO
Encruzo e JTE)
12/5/2016 SFE e CEEE-GT Análise de desligamentos forçados da CEEE GT

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


33
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data Interessados Assunto
18/5/2016 SFE e CHESF Análise de desligamentos forçados da CHESF
SFE E MANAUS Análise de desligamentos forçados da MANAUS
18/5/2016
TR TRANSMISSORA
SFE, CTEEP, Análise de desligamentos forçados das concessionárias
19/5/2016
IENNE E ETN CTEEP, IENNE e ETN
SFE E ISOLUX Análise de desligamentos forçados da ISOLUX (LMTE e
19/5/2016
(LMTE E LXTE) LXTE)
20/5/2016 SFE e TAESA Análise de desligamentos forçados da TAESA
24/5/2016 SFE e CELG-GT Análise de desligamentos forçados da CELG GT
Análise de desligamentos forçados da Alupar (EATE, EBTE
25/5/2016 SFE e Alupar
e ENTE)
SFE, ELETROSUL
25/5/2016 Análise de desligamentos forçados da ELETROSUL E TSBE
e TSBE
30/5/2016 SFE E COPEL GT Análise de desligamentos forçados da COPEL GT
SFE,
Análise de desligamentos forçados da ELETRONORTE e
1/6/2016 ELETRONORTE e
TME
TME
14/6/2016 SFE e ONS Classificação e análise de desligamentos forçados

Para direcionar a proposta de encaminhamento que foi dada em cada um dos casos, fez-se
necessária a etapa denominada ‘Análise Conclusiva’. Essa etapa está descrita na Figura 9.

A Análise Conclusiva inicia-se por meio da consulta ao Sistema de Gestão da Fiscalização –


SIGEFIS, onde verificou-se a existência de possíveis fiscalizações envolvendo as instalações em
estudo. Além disso, essa etapa é utilizada para validação de eventuais informações novas com
a área de Monitoramento.

Com a ciência desses dados se discutiu internamente os encaminhamentos a serem dados


para cada instalação analisada. Esses encaminhamentos foram debatidos com a liderança da
SFE, por meio de reuniões técnicas (

Tabela 5), onde foram decididas para quais instalações seriam solicitados planos de melhorias
específicos. As informações foram consolidadas, com o parecer de um diagnóstico, proposta
de prognóstico e documentação dessas conclusões.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


34
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Análise Conclusiva

LT ou SE sob Consulta ao Fiscalização SIM SIM Repasse de dados


análise AI emitido
SIGEFIS anterior ao GIPD

NÃO NÃO

Consolidação de Validação c/ SIM Necessidade


informações Monitoramento de validação

Fechamento de NÃO
diagnóstico

Fechamento de Documentação
prognóstico de conclusões

LEGENDA
SIGEFIS Sistema de Gestão da Fiscalização

Figura 9 – Fluxograma da etapa de Análise Conclusiva

Tabela 5 – Reuniões com a liderança


Data Interessados Assunto
6/4/2016 SFE Metodologia de Análise de desligamentos forçados
13/5/2016 SFE Análise de desligamentos forçados no âmbito do segmento
transmissão .
23/5/2016 SFE Análise de desligamentos forçados no âmbito do segmento
transmissão .
8/6/2016 SFE Análise de desligamentos forçados no âmbito do segmento
transmissão .

Plano de Melhorias

Nos casos em que se julgou necessário, foi solicitada a apresentação de um Plano de melhorias
para resolver ou mitigar os desligamentos forçados observados. Esse plano contém a
caracterização dos problemas, detalhamento de ações e investimentos (se houver) para
correção dos mesmos, forma de se dar publicidade da execução dos atos e resultados
esperados.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


35
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
As ações e investimentos foram subdivididos em curto, médio e longo prazo. As ações de curto
prazo são aquelas com potencial para gerar resultados em até 3 meses. As de médio prazo são
aquelas que gerem resultados em até 6 meses e as de logo prazo as que propiciem efeitos em
até 1 ano.

O Plano de Melhorias seguiu o formato disponível no site da ANEEL, conforme o link:


http://www.aneel.gov.br/fiscalizacao-dos-servicos-de-eletricidade, na caixa de Avisos e
Comunicados. A figura a seguir exemplifica como o Plano de Melhorias deve ser preenchido.

Figura 10 – Exemplo de Plano de Melhorias

Os Planos de Melhorias propostos pelas empresas foram avaliados pela SFE, que pôde propor
alterações para o atendimento aos aspectos relacionados com a correção das falhas dentro de
um prazo adequado, objetivando sempre resultados relacionados com a melhoria do
desempenho dos agentes e instalações para uma adequada prestação do serviço.

Destaca-se que a proposição das ações necessárias para a melhoria do desempenho das
instalações, os adequados cumprimentos dessas ações propostas e a concretização dos
resultados esperados, são de inteira responsabilidade das empresas. Nesse etapa de
elaboração dos planos de melhorias, coube à equipe de Análise somente a tarefa de analisar a
admissibilidade dos planos propostos, os quais serão acompanhados de acordo com as formas
de medições propostas pelas empresas.

Caso a comprovação das ações envolva alterações de procedimentos, é necessário que a


empresa aponte previamente o número de referência do procedimento que será alterado e,
após a conclusão da ação, indique os trechos do texto que foram alterados. Nos casos de
comprovações de ações por meio de fotos, faz-se necessária a exigência de disponibilização do

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


36
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
arquivo eletrônico corresponde ao registro fotográfico, com indicação de data, hora e
localização (conforme Figura 11).

Uma vez definido o Plano de Melhorias, as ações da empresa serão acompanhadas até a sua
execução ou até o final dos prazos estabelecidos.

A responsabilidade pelo acompanhamento dos planos de melhorias é da equipe de


Acompanhamento e Execução. A medição dos resultados será realizada pela equipe de
Monitoramento. Para execução dessas atividades serão emitidas notas técnicas específicas.

Figura 11 – Exemplo de propriedades de registro fotográfico com data, hora e localização.

Ferramentas de auxílio à análise de perturbações

Devido ao volume significativo de informações constantes no rol dos trabalhos de análise, foi
criada uma planilha com o intuito de extrair rapidamente informações sobre os perfis dos
desligamentos das linhas de transmissão. A Figura 12 mostra a interface de inserção dos dados
referentes aos desligamentos de uma determinada linha de transmissão a ser analisada.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


37
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 12 – Campos de inserção de informações

Os dados inseridos na planilha foram:


i. Data do desligamento;
ii. Causa do desligamento;
iii. Distância da localização da falta com relação a um dos terminais da LT;
iv. Tipo de curto-circuito;
v. Fases envolvidas no desligamento;
vi. Comprimento da LT.

Após o fornecimento desses dados, a planilha gerou automaticamente as seguintes


informações gráficas:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


38
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 13 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da LT sob análise

Figura 14 – Tipos de curtos-circuitos e fases envolvidas nos desligamentos da LT sob análise

Figura 15 – Localização das faltas da LT sob análise considerando-se os trechos oriundos da


transposição completa

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


39
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 16 – Localização das faltas, com as respectivas causas, ao longo da LT sob análise,
considerando-se o comprimento total normalizado em 100%

Figura 17 – Distribuição dos desligamentos da LT, com as respectivas causas, ao longo da janela
de análise

Com base nas informações gráficas geradas pela planilha de análise, foi possível saber
rapidamente quais as principais causas de desligamentos da LT, os tipos de curtos-circuitos
predominantes, as localizações das maiores incidências de faltas de acordo com as causas, os
possíveis efeitos que as transposições completas da linha podem causar na distribuição
espacial dos desligamentos e os períodos temporais da janela de análise que concentraram as
maiores quantidades de desligamentos com as respectivas causas.

De maneira análoga, foi criada outra planilha com o intuito de extrair rapidamente
informações sobre os perfis dos desligamentos ocorridos em subestações. A Figura 18 mostra
a interface de inserção dos dados referentes aos desligamentos ocorridos em uma subestação:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


40
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 18 – Campos de inserção de informações

Os dados a serem inseridos na planilha são:

1. Data do desligamento;
2. Causa do desligamento;
3. Equipamento onde ocorreu a falta.

Após o fornecimento desses dados, a planilha gera automaticamente as seguintes


informações gráficas:

Figura 19 – Representação gráfica das causas dos desligamentos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


41
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 20 – Distribuição das faltas por equipamento

Figura 21 – Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao


longo da janela de análise

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


42
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Outra fonte de informações utilizada foram os dados meteorológicos do Instituto Nacional de
Pesquisas Espaciais – INPE. No site é possível verificar condições de chuvas, ventos, risco de
queimadas, descargas atmosféricas, entre outros.

(a) (b)

Figura 22 – Informações Meteorológicas: (a) Descargas atmosféricas; (b) Incidência de


queimadas (Fonte: INPE)

(a) (b)

Figura 23 – Exemplo de traçado de linha de transmissão: (a) visão geral; (b) visão detalhada.

Com base nos dados meteorológicos e conhecendo o traçado da linha, por meio de arquivos
disponibilizados pelos agentes, foi possível complementar as informações disponíveis nos
sistemas do ONS.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


43
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
5. Campanhas de Fiscalização

As Campanhas de Fiscalização consistem em ações preventivas de incentivo à melhoria da


qualidade do serviço. Os principais objetivos das Campanhas de Fiscalização são:

 Orientar os agentes acerca dos assuntos relevantes relacionados com a qualidade do


serviço;
 Alertar os agentes a respeito dos assuntos que apresentam elevados indícios de
problemas na prestação do serviço;
 Promover a autorregularização dos agentes não conformes; e
 Aumentar a percepção do risco regulatório.

Conforme descrito na Nota técnica nº 219/2015-SFE/ANEEL, de 16 de dezembro de 2015, a


escolha dos assuntos que compõem as Campanhas de Fiscalização considerou a estratificação
das causas dos desligamentos forçados de equipamentos e linhas de transmissão, priorizando
as causas que levaram a um maior número de desligamentos no sistema de transmissão.

No presente ciclo de análise, as falhas humanas deram origem a 14% do número total de
desligamentos forçados. De outro modo, 957 desligamentos forçados tiveram a causa
classificada como indeterminada, o que representa 28% dos desligamentos ocorridos no
período (Figura 5). A não identificação da causa dos desligamentos dificulta a adoção das
medidas necessárias para evitar novas ocorrências .

Como temas de campanha, foram selecionadas as causas de desligamentos forçados de maior


relevância. Assim, os desligamentos forçados causados por falhas humanas e a adequada
identificação das causas de desligamentos foram os temas das Campanhas de Fiscalização para
o ano de 2016. Com isso, espera-se reduzir a incidência de falhas humanas na operação do
sistema de transmissão e melhorar a qualidade do processo de identificação das causas dos
desligamentos forçados.

Por meio da Nota técnica nº 031/2016-SFE/ANEEL, de 11 de março de 2016, foram


estabelecidas as ações para a execução da Campanha de Fiscalização das transmissoras de
energia elétrica no ano de 2016. A proposta detalhou as empresas que prioritariamente
deveriam ser verificadas, indicando ainda assuntos e instalações de maior relevância.

Ficou definido que as ações sugeridas para as Campanhas de Fiscalização seriam diferenciadas
por grupos de importância. As transmissoras foram divididas em 2 conjuntos: transmissoras
em geral e transmissoras sob atenção.

As transmissoras sob atenção estão destacadas na Tabela 6. Para cada transmissora é


discriminado se o ponto de atenção refere-se à falha humana acidental, falha humana
relacionada ao sistema de proteção ou causa indeterminada. O termo ‘Sim’ designa que a
transmissora está sob atenção para o tema.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


44
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Tabela 6 – Resumo da sugestão de direcionamento da Campanha de Fiscalização

Falhas Humanas
Empresas Indeterminadas
Acidental Proteção
CEEE GT Sim Sim Sim
CELG GT Não Sim Sim
CEMIG GT Não Sim Não
CHESF Sim Sim Não
COPEL GT Sim Sim Não
CTEEP Sim Sim Não
ELETRONORTE Sim Sim Sim
ELETROSUL Sim Não Sim
FURNAS Sim Sim Sim
IENNE Não Não Sim
JTE Não Não Sim
Macapá TRA Sim Sim Não
Xingu TRA Sim Sim Não

Para as transmissoras em geral foram realizadas ações de divulgação dos números setoriais
relacionados a desligamentos por falhas humanas e causas indeterminadas, alertando as
concessionárias quanto à importância em reduzir esses números.

Para as transmissoras sob atenção, além das ações previstas para o grupo geral, realizaram-se
reuniões técnicas específicas. Nessas reuniões a ANEEL apresentou o quadro da empresa e
solicitou Plano de Melhorias para resolver ou mitigar os desligamentos provocados por falhas
humanas e causas indeterminadas. Foi aberto prazo para apresentação desse plano com um
cronograma limitado.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


45
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
6. Resumo das medidas sugeridas após as análises realizadas

A seguir apresentamos um resumo das medidas sugeridas pela equipe de análise face aos
prognósticos apresentados ao longo desse Relatório. Basicamente, as análises apontaram a
necessidade de solicitação de 62 (sessenta e quatro) planos de melhorias, a inclusão de 11
(onze) empreendimentos no acompanhamento diferenciado de obras, nos termos da Nota
Técnica nº 2011/2015-SFE/ANEEL, a criação de grupos de estudos para análise das instalações
susceptíveis a queimadas; análise dos requisitos de teleassistência de instalações; e de
estruturação de um plano de manutenção diferenciada para as linhas e subestações que
compõe o tronco de interligação Norte-Sudeste.

6.1. Solicitações de Planos de Melhorias

Os Planos de Melhorias solicitados podem ser resumidos por meio da Tabela 7 a seguir:

Tabela 7 – Resumo dos Planos de Melhorias solicitados

Rótulos de Linha Contagem de Entrega


ABENGOA 3
Desligamentos forçados causados por vegetação 3
LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 1 PA/AM 1
LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 2 PA/AM 1
LT 500 kV SILVES / LECHUGA C 1 AM 1
ALUPAR 1
Desligamentos forçados causados por descargas atmosféricas 1
LT 230 kV JUBA / BRASNORTE C 1 MT 1
CEEE-GT 5
Campanha - causas humanas - acidental - proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados causa indeterminada 3
LT 138 kV SANTA MARIA1 / ALEGRETE C 1 RS 1
LT 230 kV PRE.MEDICI / CAMAQUA C 1 RS 1
LT 230 kV PRE.MEDICI / QUINTA C 1 RS 1
CELEO 4
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados causados por descargas atmosféricas 3
LT 230 kV CHAPADAO / IMBIRUSSU C 1 MS 1
LT 230 kV VILHENA / JAURU C 1 RO/MT 1
LT 230 kV VILHENA / JAURU C 2 RO/MT 1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


46
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
CELG-GT 4
Campanha - causas humanas - proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados causados por pássaros 2
LT 230 kV ITAPACI / BARRO ALTO C 1 GO 1
LT 230 kV PLANALTO / ANHANGUERA C 1 GO 1
CEMIG-GT 2
Campanha - causas humanas - proteção 2
Todas as concessões de transmissão 1
Todas as concessões de transmissão - 87N 1
CHESF 3
Campanha - causas humanas - acidental e proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados causados por queimadas 1
LT 230 kV ARAPIRACA III / PENEDO C S9 AL 1
Desligamentos forçados nos CEs 1
SE FORTALEZA 1
COPEL-GT 2
Campanha - causas humanas - acidental 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - causas humanas - proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
CTEEP 3
Campanha - causas humanas - acidental e proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
Prestação de informações corrretas no SIPER 1
Todas as concessões de transmissão 1
ELETRONORTE 8
Campanha - causas humanas - acidental - proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados causados por descargas atmosféricas 1
LT 500 kV JAURU / SUB CUIABA C 1 MT 1
Desligamentos forçados causados por vegetação 1
LT 230 kV NOBRES / NOVA MUTUM C 1 MT 1
Desligamentos forçados nos BCs Série 1
SE IMPERATRIZ (ELETRONORTE/TAESA) 1
Desligamentos forçados nos CEs 1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


47
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE SAO LUIS II 1
Desligamentos forçados nos CSs 2
SE IMPERATRIZ (ELETRONORTE/TAESA) 1
SE VILA DO CONDE 1
ELETROSUL 2
Campanha - causas humanas - acidental 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
FURNAS 13
Campanha - causas humanas - acidental e proteção 1
Todas as concessões de transmissão 1
Campanha - indeterminadas 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados causados por descargas atmosféricas 1
LT 345 kV BARRO BRANCO / OURO PRETO 2 C 1 MG 1
Desligamentos forçados causados por queimadas 5
LT 345 kV CORUMBA / BRAS. SUL C 1 GO/DF 1
LT 345 kV ESTREITO / FURNAS C 1 MG 1
LT 345 kV FURNAS / M. MORAES C 1 MG 1
LT 345 kV L.C.BARRETO / POCOS CALDAS C 1 SP/MG 1
LT 500 kV GURUPI / MIRACEMA C 1 TO 1
Desligamentos forçados nos BCs Shunt 2
SE CAMPOS 1
SE SAO JOSE 1
Desligamentos forçados nos CEs 3
SE BANDEIRANTES 1
SE BARRO ALTO 1
SE CAMPOS 1
ISOLUX 7
Campanha - causas humanas - acidental e proteção 2
Todas as concessões de transmissão 2
Campanha - causas humanas - proteção LT 230 kV Tucuruí/Altamira 1
Todas as concessões de transmissão 1
Desligamentos forçados nos BCs Série 4
SE JURUPARI (MACAPÁ/XINGU) 2
SE ORIXIMINA 1
SE XINGU 1
STATE GRID 4
Desligamentos forçados causados por descargas atmosféricas 1
LT 500 kV SERRA MESA 2 / LUZIANIA C 1 GO 1
Desligamentos forçados causados por ventos 3
LT 230 kV CHAPADAO / INOCENCIA C 3 MS 1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


48
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 500 kV LUZIANIA / PARACATU 4 C 1 GO/MG 1
LT 500 kV SERRA MESA 2 / LUZIANIA C 1 GO 1
TAESA 1
Desligamentos forçados nos BCs Série Variável 1
SE IMPERATRIZ (ELETRONORTE/TAESA) 1
Total Geral 62

6.2. Empreendimentos para acompanhamento diferenciado

Ao longo das análises foram identificadas obras que tem potencial de reduzir
significativamente os desligamentos forçados observados no ciclo de análise. Para esses casos,
não fazia sentido a solicitação de Planos de Melhorias. Contudo, tendo em vista a sistemática
de acompanhamento diferenciado de empreendimentos, o prognóstico foi a inclusão dessas
obras naquele rol. Os empreendimentos indicados para o acompanhamento diferenciado
estão relacionadas a seguir:

Tabela 8 – Empreendimentos de ampliações e reforços indicadas para acompanhamento


diferenciado

Código
Concessionária Outorga Descrição
SIGET
Construção do 2º circuito em 230kV
interligando a SE Barro Alto à SE Itapaci, de
CELG GT T2014-074 CC003/2014 responsabilidade do agente Lago Azul
Transmissão (previsão de conclusão em
julho/2016)
Adequação do arranjo de barramentos em
230kV para barra dupla quatro chaves, de
CELG GT T2011-159 REA3217/2011 responsabilidade do agente CELG-GT
(previsão de conclusão em
dezembro/2016);
3º banco de autotransformadores de
CELG GT T2009-179 REA2089/2009
230/138kV, 100MVA SE Anhanguera
Instalação de dois transformadores
CELG GT T2014-102 REA5444/2015 230/138/13,8kV (6x75MVA) e conexões em
substituição aos TRs 1 e 2 SE Anhanguera
SE Rurópolis - Instalação do AT3 230/138-
ELETRONORTE T2012-010 REA3361/2012 13,8 kV 100 MVA e adequação dos setores
138 kV e 230 kV
Modernização das proteções da LT 230 kV
CEEE-GT REA4347/2013
Scharlau / Charqueadas C1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


49
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Tabela 9 – Obras de PMI indicadas para acompanhamento diferenciado

Concessionária Número do PMI Descrição


Revitalização do sistema de proteção, controle e
FURNAS 1007/2014
supervisão dos CE1 e CE2 SE Bandeirantes – GO
Revitalização do sistema de proteção, controle e
FURNAS 1008/2014
supervisão dos CE1 e CE2 SE Bandeirantes – GO
Substituição de diversos itens do CE1 na Se
FURNAS 1012/2014
Bandeirantes
Substituição de diversos itens do CE1 na Se
FURNAS 1013/2014
Bandeirantes
Revitalização do sistema de proteção, controle e
FURNAS 1114/2014
supervisão do CE1 SE Campos – RJ

Ao todo são 10 empreendimentos selecionados, sendo que 5 deles fazem parte de programas
de Plano de modernização de Instalações – PMI.

Além dos empreendimentos já outorgados, identificou-se ainda situações de estudos de novos


empreendimentos. Nesses casos, as empresas foram orientadas a incluir nos Planos de
Melhorias as ações necessárias para a emissão de novas outorgas. Nessa situação destacaram-
se as situações dos compensadores síncronos das SEs Vila do Conde e Imperatriz e os
compensadores estáticos da SE Fortaleza.

6.3. Grupos de trabalho resultantes

Durante as análises dos desligamentos forçados, foram identificadas a necessidade de


aprofundar mais em problemas específicos. Nesses casos, foram formados grupos de trabalhos
específicos.

Um dos grupos criados tem por objetivo a análise das instalações susceptíveis a queimadas,
mapeando as linhas vulneráveis e verificando a situação dessas quanto à permissão de limpeza
de faixa de servidão. O trabalho pode envolver a interação com órgãos ambientais executivos
e seccionais, estudos de projetos de P&D afetos ao tema e reuniões com agentes regulados.

Outro grupo de trabalho analisará os requisitos de teleassistência de instalações com objetivo


de subsidiar as áreas de regulação da ANEEL, no sentido de sugerir melhorias aos regulamento
afetos ao tema. Percebeu-se durante as reuniões de análise de perturbações da rede básica,
realizadas no primeiro semestre, que os tempos de recomposição do sistema são fortemente
influenciados pela ausência de requisitos de teleassistência.

Por fim, tendo em vista a suspensão das obras outorgadas a holding Abengoa e considerando o
cronograma da usina hidroelétrica de Belo Monte, criou-se um grupo de trabalho com objetivo
de estruturar um plano de manutenção diferenciada para as linhas e subestações que compõe
o tronco de interligação Norte-Sudeste.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


50
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7. Perturbações Analisadas

A seguir discorremos sobre as análises realizadas com divisão por grupo.

7.1. Perturbações ocorridas na região Sudeste, Centro-Oeste e no estado do Tocantins

Os critérios de seleção elegeram o total de 291 desligamentos envolvendo as regiões Sudeste,


Centro Oeste e estado do Tocantins, sendo estes em 22 instalações, das quais 10 são
subestações e 12 linhas de transmissão. A distribuição percentual com relação aos 1.142
desligamentos sob análise deste relatório está demostrada na Figura 24.

Figura 24 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para


análise

Figura 25 – Estados com instalações analisadas (SP, MG, RJ, ES, GO e TO)

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


51
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A Tabela 10 apresenta um resumo das perturbações analisadas.

Tabela 10 – Resumo das perturbações analisadas nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e no


estado do Tocantins
Perturbações Corte de
Total de
Transmissora Instalação com Corte de Carga Total
Desligamentos
Carga no Período

CELG G&T LT 230 kV FIRMINOPOLIS / PALMEIRAS C 1 GO 0 0,00 13


CELG G&T LT 230 kV ITAPACI / BARRO ALTO C 1 GO 8 599,00 9
CELG G&T LT 230 kV PLANALTO / ANHANGUERA C 1 GO 2 450,00 10
CELG G&T SE ANHANGUERA – GO 5 339,00 7
LT 500 kV JAGUARA-SE / SAO SIMAO-SE C 1
CEMIG-GT MG 0 0,00 10
LT 345 kV BARRO BRANCO / OURO PRETO 2 C
FURNAS 1 MG 3 289,00 5
FURNAS LT 345 kV CORUMBA / BRAS. SUL C 1 GO/DF 0 0,00 15
FURNAS LT 345 kV ESTREITO / FURNAS C 1 MG 0 0,00 10
FURNAS LT 345 kV FURNAS / M. MORAES C1 MG 0 0,00 25
LT 345 kV L.C.BARRETO / POCOS CALDAS C 1
FURNAS SP/MG 0 0,00 12
FURNAS LT 500 kV GURUPI / MIRACEMA C 1 TO 0 0,00 15
FURNAS SE ADRIANOPOLIS – RJ 0 0,00 10
FURNAS SE BANDEIRANTES – GO 0 0,00 19
FURNAS SE BARRO ALTO – GO 1 96,00 8
FURNAS SE BRAS. SUL – DF 1 156,00 7
FURNAS SE CAMPOS – RJ 1 365,00 26
FURNAS SE IBIUNA – SP 0 0,00 16
FURNAS SE RIO VERDE FUR – GO 1 19,00 6
FURNAS SE SAO JOSE – RJ 0 0,00 23
FURNAS SE TIJUCO PRETO – SP 0 0,00 16
SMTE LT 500 kV LUZIANIA / PARACATU 4 C 1 GO/MG 0 0,00 12
SMTE LT 500 kV SERRA MESA 2 / LUZIANIA C 1 GO 0 0,00 17

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


52
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.1.1. Perturbações na Transmissora CELG G&T

A CELG-GT foi convocada através do Ofício nº 128/2016-SFE/ANEEL, de 22 de março de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 19 de abril de 20164 para prestar
esclarecimentos relacionados aos desligamentos selecionados na sua rede e apresentação de
minuta de Plano de Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta
concessionária foi selecionada (desligamentos de causa indeterminada e por falhas humanas
relacionadas a sistemas de proteção). Por restarem pendências após a reunião, a CELG-GT foi
novamente convocada através do Ofício nº 170/2016-SFE/ANEEL, de 20 de abril de 2016, para
reunião técnica realizada na sede da CELG-GT, em Goiânia, no dia 24 de maio de 20165 para
complementação de informações.

LT 230 kV FIRMINOPOLIS / PALMEIRAS C 1 GO

Linha de transmissão em operação comercial desde 24/06/2012 com 48km de extensão sem
religamento automático. Essa linha de transmissão é originada do seccionamento da LT 230kV
Anhanguera/Firminópolis, autorizada pela REA nº 1829/2009.

A obra foi fiscalizada em 2012 (processo nº 48500.001603/2012-66) processo já finalizado na


esfera administrativa, com termo de arquivamento e sem informações relevantes relacionadas
ao ativo em análise.

No período selecionado foram analisados 13 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
15/9/14 1:51 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
15/9/14 13:11 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
16/9/14 5:27 Proteção Indeterminada Fase-Terra
17/9/14 4:07 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
20/9/14 4:42 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
27/9/14 3:04 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
2/10/14 15:25 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
5/10/14 5:58 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
10/10/14 23:04 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Fase-Terra
14/10/14 5:42 Proteção Outras - Humanas Própria Empresa Sem Natureza Elétrica
24/10/14 6:10 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
22/11/14 21:08 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
3/3/15 17:01 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

4
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.002947/2016-00
5
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003820/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


53
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que sempre que o disjuntor 724 da SE Planalto era
aberto através de trip, da proteção de distância do relé REL670, possivelmente era enviado via
rede CELG-GT uma mensagem GOOSE para o relé REL670 da SE Palmeiras que enviava sinal de
trip para o Disjuntor 734 da SE Palmeiras e após 176ms provocava a abertura deste.

Em 14/10/2014 a CELG-GT fez alteração do endereço VLAN na SE Palmeiras, intervenção esta


que não solucionou o problema.

Em 05/11/2014 a CELG-GT alterou e revisou o MAC Address dos relés da SE Palmeiras e fez um
teste com a injeção de um sinal de defeito no Relé REL670 na SE Planalto, vão LT 230kV
Planalto/Anhanguera, verificando que não ocorreu desligamento indevido da LT 230kV
Firminópolis/Palmeiras por mensagem GOOSE via rede. A solução do defeito também pôde ser
comprovada pelo desligamento de 03/06/2015 da LT 230kV Planalto/ Anhanguera, sem
impacto na operação da LT 230kV Firminópolis/Palmeiras.

Conforme informações da Transmissora, este problema de configuração se deu pelo fato dos
projetos utilizados nas intervenções na SE Planalto e SE Palmeiras serem similares e realizados
pela mesma empreiteira contratada para a execução das obras.

Como medidas para minimizar a recorrência deste tipo de desligamento, a CELG-GT alega estar
aprimorando os procedimentos relacionados a testes de aceitação de fábrica, testes de
aceitação em campo e testes de aceitação de rede junto aos fabricantes para certificar o
desempenho da rede de comunicação dos IEDs na subestação, além de analisar o tráfego de
pacotes na rede corporativa e fora desta, com verificação dos endereçamentos das mensagens
GOOSE, VLANs e MAC Address. Medidas a serem aplicadas para projetos futuros.

Foram verificadas 2 ocorrências relacionadas a descarga atmosférica.

Prognóstico:

A maior problemática da linha sob análise foi o desempenho desta por problemas de
configuração relacionadas a rede de dados. Percebe-se que a CELG-GT mapeou e solucionou o
problema, implementando ações com vistas à redução desta causa, não necessitando de
acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência para esta matéria. No
entanto, o desempenho das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados
continuamente através dos indicadores de desligamentos forçados realizados pela SFE, e caso
os índices não sofram a melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo
posterior.

Quanto ao desempenho da linha frente a descargas atmosféricas, a instalação não extrapola o


índice de 2 desligamentos por 100 km por ano para o nível de tensão de operação da linha de
transmissão constante nos Procedimentos de Rede, cabendo apenas o contínuo
monitoramento deste índice.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


54
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV ITAPACI / BARRO ALTO C 1 GO

Linha de transmissão em operação comercial desde 28/04/1996 com 68km de extensão sem
religamento automático. Essa linha de transmissão não possui disjuntor de linha no terminal
de Itapaci, sendo ligada diretamente no barramento de 230kV desta subestação. Essa
configuração força as proteções a atuarem sobre os disjuntores de alta dos transformadores
TR1 e TR2 230/69kV, provocando corte das cargas dos consumidores ligados neste barramento
quando de perturbações nessa linha de transmissão.

Como o atendimento da SE Itapaci é radial e só por meio deste circuito, mesmo que a LT
possuísse disjuntor na entrada de linha, possivelmente haveria também o corte de carga
quando de ocorrências na linha. Essa situação está em vias de ser solucionada com a entrada
em operação comercial de duas obras:

1. T2014-074 – CC003/2014 – Construção do 2º circuito em 230kV interligando a SE


Barro Alto à SE Itapaci, de responsabilidade do agente Lago Azul Transmissão
(previsão de conclusão em julho/2016);
2. T2011-159 – REA3217/2011 – Adequação do arranjo de barramentos em 230kV para
barra dupla quatro chaves, de responsabilidade do agente CELG-GT (previsão de
conclusão em dezembro/2016);
a. OBS.: o consumidor livre Maracá será responsável pela adequação da sua
conexão no barramento de 230kV.

No período selecionado foram analisados 9 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
28/8/14 5:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/9/14 18:47 Proteção Indeterminada Sem Natureza Elétrica
9/10/14 3:20 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/11/14 6:38 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
11/12/14 22:07 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
19/12/14 4:11 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/4/15 5:18 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
21/5/15 12:35 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
24/6/15 18:58 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo Sobrecarga

Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu três desligamentos por descarga atmosférica, que
pelo comprimento da linha de transmissão não atenderia ao critério de desempenho proposto
pelos Procedimentos de Rede para esta causa.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


55
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Também foi verificado que grande parte das ocorrências não possui determinação da causa
nem foi possível o levantamento de um padrão de fase ou distância nos desligamentos
analisados, uma vez que nas informações prestadas pelos localizadores de falta divergem
entre os dois terminais desta linha. Conforme informações da CELG-GT, já foram realizados
testes nos RDPs de sua propriedade e serão feitas validações com FURNAS para alinhamento
relacionadas a estas divergências de localização.

Foi constatado que pela topologia descrita na introdução acima, dos 9 desligamentos, 8
resultaram em corte de carga, totalizando aproximadamente 600MW.

Conforme informações da CELG-GT, na reunião do dia 24 de maio de 2016, após investigação


mais detalhada verificou-se que a causa dos desligamentos, inclusive os classificados como
descarga atmosférica, é a mesma da LT 230kV Planalto – Anhanguera C1, também objeto deste
relatório, que é a presença de ninhos de pássaros na linha de transmissão.

O desligamento do dia 24/06/2015 foi devido ao ajuste da função de sobrecorrente de


retaguarda (51) estar ajustado em valores próximos da corrente de carga em horários de
ponta. Os ajustes foram reavaliados e alterados no dia 08/08/2015.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização da obra de


adequação do arranjo de barramentos em 230kV para barra dupla quatro chaves na SE Itapaci
– T2011-159, relativo ao atraso da obra, (processo nº 48500.004892/2014-17) com notificação
da empresa em dezembro de 2014. Esse processo se encontrava na diretoria para deliberação
quando da elaboração do presente relatório.

Prognóstico:

A divergência de classificação foi atribuída ao fato do Centro de Operação do Sistema utilizado


pela CELG-GT para operação dos seus ativos ser feito em conjunto com os ativos da
distribuidora da região de goiás. Essa situação está em vias de solução, uma vez que a previsão
fornecida pelo agente para entrada de operação comercial do Centro de Operação da
Transmissão ser de 01/09/2016. Ademais, o tema de desligamentos como causa
indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o ano de 2016, e a CELG-GT foi
convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este item específico que será
acompanhado por esta Superintendência.

Após reuniões com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sobre análise foi o
desempenho desta causada pela presença de ninhos de pássaros na linha de transmissão. Por
solicitação desta Superintendência, a CELG-GT foi demandada a apresentar Plano de Melhorias
para a redução dos desligamentos motivados pela presente causa, que será acompanhado
pela equipe da ANEEL.

Quanto ao desligamento por falha no ajuste da proteção, como a causa do problema foi
pontual e solucionada após identificação pelo agente, esta matéria não será item de
acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o desempenho
das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


56
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a
melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

Pela característica operacional da linha de transmissão, descrita na introdução acima, as obras


citadas serão incluídas na agenda de trabalho para acompanhamento pela equipe da SFE no 2º
semestre de 2016 (T2014-074 e T2011-159).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


57
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV PLANALTO / ANHANGUERA C 1 GO

Linha de transmissão em operação comercial desde 04/08/2013 com 116km de extensão sem
religamento automático. No período selecionado foram analisados 10 desligamentos,
totalizando o corte de 450MW de carga em 2 ocorrências, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
15/9/14 1:51 Condutor Rompimento/Desconexão Fase-Terra
15/9/14 13:11 Condutor Rompimento/Desconexão Fase-Terra
16/9/14 5:27 Condutor Rompimento/Desconexão Fase-Terra
17/9/14 4:07 Estrutura/Pórtico Outras - Corpos Estranhos e Objetos Fase-Terra
20/9/14 4:42 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/9/14 3:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
5/10/14 5:58 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/10/14 23:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/10/14 5:42 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
3/6/15 11:34 Proteção Erro de Fiação DC - Projeto Sem Natureza Elétrica

Diagnóstico:

O desligamento do dia 15/09/2014 teve como causa, a queda de cabo para raio sobre a linha
nas proximidades do quilômetro 86 a partir da SE Anhanguera. O cabo para raios ficou
pendurado entre as fases A e B originando dois desligamentos posteriores, um inclusive com
corte de carga de 380MW. Em 16/09/2014 o cabo para raio foi recomposto e foram feitos
reparos nas fases danificadas.

Conforme informações da CELG-GT, caso a tentativa de religamento se dê com sucesso para a


primeira ocorrência, não é realizado o acionamento da equipe de linha de transmissão para a
execução de inspeção, sendo este feito a partir de um segundo evento, caso venha ocorrer.

Durante a análise foi identificado que após a recomposição do cabo, a linha de trip da proteção
primária permaneceu aberta na régua de bornes, esquecida desta forma após manutenção
realizada na referida linha de transmissão. Durante a manutenção também foram bloqueadas
todas as funções da proteção alternada, exceto a função direcional de sobrecorrente residual
temporizada que atuou nas perturbações dos dias 17 e 20/09/2014. Após a identificação deste
problema o sistema de proteção da linha foi normalizado.

O desligamento do dia 17/09/2014 foi causado por ninho de pássaro na fase Branca na
estrutura próxima ao quilômetro 86 a partir da SE Anhanguera.

Os desligamentos apontados como causa indeterminada se deram todos com o envolvimento


da fase Branca da linha de transmissão. Em três ocasiões os eventos ocorreram nas
proximidades do quilômetro 40 e um nas proximidades do quilômetro 105, a partir da SE
Anhanguera.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


58
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Conforme esclarecimento prestado pela CELG-GT, todos os eventos classificados como
indeterminado possuem a mesma causa da ocorrência do dia 17/09/2014. Apesar de haver 6
transposições no decorrer da linha de transmissão, os pontos de incidência das aves é maior
nos trechos onde a fase Branca está disposta como sendo a fase do meio da linha de
transmissão, sendo este o local favorável às aves construírem seus ninhos.

Figura 26 – Fase do meio propícia à Figura 27 – Detalhe de ninho construído na


construção de ninhos fase do meio

Figura 28 – Fezes das aves no isolador Figura 29 – Dispositivo instalado na fase do


meio para dificultar a construção de ninhos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


59
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
O desligamento provocado no dia 14/10/2014 foi durante teste programado para identificação
do desligamento incorreto da LT 230kV Firminópolis/Palmeiras, também analisado neste
relatório.

O desligamento do dia 03/06/2015 se deu por atuação indevida do 50BF na SE Anhanguera por
ligação física indevida, não constante em projeto, do relé para a linha de trip. Esse mesmo fato
desligou dois transformadores 230/138kV da SE Anhanguera, também objeto deste relatório.
Essa ocorrência gerou o corte de 154MW de carga, atribuída a outra função transmissão.

Conforme informações da CELG-GT, no dia 29 de março ocorreu a mudança de vão da LT


230kV Anhanguera-Goiânia Leste para entrada do novo Trafo-6 de 230/138kV na SE
Anhanguera, com esta mudança de vão e adequação de projeto, ocorreu este erro. O setor de
Proteção e Medição verificou todo o projeto e declarou ter resolvido esta anomalia, retirando
o positivo deste relé para linha do 50BF.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Anhanguera (processo nº 48500.001214/2015-83), com notificação da empresa em junho de
2015, onde, entre outros assuntos, também foram levantadas as ocorrências relacionadas à LT
230kV Planalto/Anhanguera (anos de 2013 e 2014). Esse processo se encontrava em fase de
elaboração do Auto de Infração quando da elaboração do presente relatório.

Prognóstico:

A maior problemática da linha sobre análise foi o desempenho desta causada pela presença de
ninhos de pássaros na fase do meio da linha de transmissão. Por solicitação desta
Superintendência, a CELG-GT foi demandada a apresentar Plano de Melhorias para a redução
dos desligamentos motivados pela presente causa, que será acompanhado pela equipe da
ANEEL.

Quanto a problemática de recomposição da linha sem identificação do defeito, resultando na


operação com o cabo para-raios pendurado entre fases, a CELG-GT alegou estar seguindo os
seus procedimentos e não acredita ser necessário percorrer a linha para todo desligamento,
sendo esta postura inclusive a utilizada pelo setor. Desse modo, como a causa do problema foi
pontual e solucionada após identificação pelo agente, esta matéria não será item de
acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o desempenho
das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos
indicadores de desligamentos forçados realizados pela SFE, e caso os índices não sofram a
melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

A divergência de classificação foi atribuída ao fato do Centro de Operação do Sistema utilizado


pela CELG-GT para operação dos seus ativos ser feito em conjunto com os ativos da
distribuidora da região de Goiás. Essa situação está em vias de solução, uma vez que a previsão
fornecida pelo agente para entrada de operação comercial do Centro de Operação da
Transmissão ser de 01/09/2016. Ademais, o tema de desligamentos como causa
indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o ano de 2016, e a CELG-GT foi

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


60
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionado a este item específico que será
acompanhado por esta Superintendência.

Quanto às falhas humanas observadas, este tema também está na Campanha de Fiscalização
para o ano de 2016, e a CELG-GT foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados
a este item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


61
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE ANHANGUERA - GO

O ponto crítico verificado após a análise foi a transformação 230/138kV da subestação,


cabendo aqui um breve histórico das ocorrências relacionadas a esta transformação antes de
se analisar os desligamentos selecionados.

Em setembro de 2009, através da REA 2089/2009, a ANEEL autorizou a CELG-GT a implantar


reforços na SE Anhanguera com a inserção do 3º banco de autotransformadores de
230/138kV, 100MVA. No entanto, esta obra só entrou em operação comercial em abril de
2015.

O atraso das obras do 3º banco de autotransformadores de 230/138kV, 100MVA, composto de


três unidades monofásicas com 33MVA cada com o remanejamento do módulo de entrada de
linha, em 230kV, da linha de transmissão Anhanguera – Goiânia Leste, para viabilizar o
posicionamento do 3º banco de autotransformadores de 230/138kV, 100MVA – T2009-179, foi
fiscalizado (processo nº 48500.004892/2014-17). A notificação da empresa se deu em
dezembro de 2014. Esse processo se encontrava na diretoria para deliberação quando da
elaboração do presente relatório.

Assim, até abril de 2015 a subestação operava com dois bancos monofásicos de
transformadores 230/138kV, de 100MVA cada – 3x33MVA, sendo o TR1 da marca COEMSA
datado de 1971 e o TR2 da marca GE datado de 1975. Além disso, existia uma unidade
monofásica para ser utilizada como reserva.

Em 16/09/2013 ocorreu um sinistro na fase A do TR2, sendo utilizada a fase reserva para
retorno à operação do banco.

Em 16/10/2013 ocorreu novo sinistro no TR2, desta vez envolvendo a fase C. Haja vista a
inexistência de unidades reservas disponíveis, foi utilizada uma unidade de transformação
vinda da SE Cachoeira Dourada, com tap fixo e terciário em 66kV. Por conveniência operativa
essa unidade passou a operar substituindo a fase A e a fase reserva substituindo a fase C.

Devido a limitações na unidade de Cachoeira Dourada, o TR2 passou a operar sem paralelismo
com o TR1, com a segregação das barras de 138kV.

Em 26/02/2015, ocorreu um problema no comutador sob carga da fase B do TR1. Para retorno
em operação do banco, foi utilizada uma das unidades do 3º banco autorizado pela REA
2089/2009.

Em 19/04/2015 foram desligados os dois transformadores para possibilitar a energização do


banco autorizado pela REA 2089/2009, em condição definitiva e com as três unidades
monofásicas novas.

Priorizou-se a energização do TR1, com a utilização da unidade reserva, ficando este em


operação em paralelo com o recém energizado TR6. O TR2 ficou fora de operação por
dificuldades de encontrar peças de reposição para o equipamento.

Essa situação perdurou até 14/02/2016, quando se conseguiu reparar a unidade sinistrada do
TR1 e energização do TR2 com a unidade reserva e a unidade de Cachoeira Dourada. O TR1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


62
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
continuou a operar em paralelo com o TR6 (com esquema de controle de emergência – ECE
configurado pois não atende ao critério n-1 em determinados cenários de carga – IO-
EE.CO.5GB_Rev34 do ONS), e o TR2 de forma isolada com a segregação das barras de 138kV,
situação está que estava vigente até a elaboração do presente relatório.

Em outubro de 2014, através da REA 4891/2014, a ANEEL autorizou a CELG-GT a implantar


reforços na SE Anhanguera com instalação do segundo transformador 230/69/13,8kV
(3x16,67MVA) (T2014-026).

Em setembro de 2015, através da REA 5444/2015, a ANEEL autorizou a CELG-GT a implantar


reforços na SE Anhanguera com instalação de dois transformadores 230/138/13,8kV
(6x75MVA) e conexões em substituição aos TRs 1 e 2 (T2014-102).

No período selecionado foram analisados 7 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
TR 230 / 69 kV ANHANGUERA 3
7/9/14 9:37 Para-raio Explosão
GO
TR 230 / 138 kV ANHANGUERA 2 Sistema
7/11/14 14:24 Defeito
GO Ventilação/Resfriamento
TR 230 / 138 kV ANHANGUERA 2 Detector Temperatura -
19/1/15 17:56 Proteção
GO Falha/Defeito
TR 230 / 138 kV ANHANGUERA 1
26/2/15 19:46 Bucha Nível Baixo de Óleo
GO
TR 230 / 138 kV ANHANGUERA 2
4/4/15 12:20 Mufla Isolação - Falha/Defeito
GO
TR 230 / 138 kV ANHANGUERA 1
3/6/15 11:34 Proteção Erro de Fiação DC - Projeto
GO
TR 230 / 138 kV ANHANGUERA 6
3/6/15 11:34 Proteção Erro de Fiação DC - Projeto
GO

Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que todos os desligamentos envolveram


transformação, sendo uma no transformador 230/69kV e seis nos transformadores
230/138kV. Em todas as ocorrências teve-se corte de carga, totalizando 339MW de carga
interrompida atribuída aos transformadores e 154MW atribuída a outra função transmissão na
ocorrência do dia 03/06/2015.

Na ocorrência do dia 07/09/2014 ocorreu a explosão do para-raios da fase C do lado de alta do


TR3. Conforme informações da CELG-GT o equipamento estava no final de vida útil e houve a
substituição dos dispositivos nas três fases.

A perturbação do dia 07/11/2014, pode ser classificado como falha humana, uma vez que a
ventilação forçada do 1º estagio do transformador se encontrava desligada de forma
equivocada.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


63
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Os desligamentos do dia 03/06/2015 se deram por atuação indevida do 50BF na SE
Anhanguera por ligação física indevida, não constante em projeto, do relé para a linha de trip.
Esse mesmo fato desligou a LT 230 kV Planalto/Anhanguera C1, também objeto deste
relatório. Essa ocorrência gerou o corte de 154MW de carga, atribuída a outra função
transmissão.

Conforme informações da CELG-GT, no dia 29 de março ocorreu a mudança de vão da LT


230kV Anhanguera-Goiânia Leste para entrada do novo Trafo-6 de 230/138kV na SE
Anhanguera, com esta mudança de vão e adequação de projeto, ocorreu este erro. O setor de
Proteção e Medição verificou todo o projeto e declarou ter resolvido esta anomalia, retirando
o positivo deste relé para linha do 50BF.

Os demais desligamentos, se deram por falha de calibração no relé de temperatura de óleo


(26), vazamento de óleo na bucha e baixa isolação na mufla do cabo que vai para o
fechamento do delta em 13,8kV.

Em todos os casos, a CELG-GT fez intervenções para retornar os equipamentos à operação.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Anhanguera (processo nº 48500.001214/2015-83), com notificação da empresa em junho de
2015. Esse processo se encontrava em fase de elaboração do Auto de Infração quando da
elaboração do presente relatório.

Prognóstico:

Percebe-se que todos os desligamentos envolvem a transformação da subestação e acarreta o


corte de cargas. Como característica principal das causas, se tem o final de vida útil dos
equipamentos da transformação 230/138kV, datando da década de 70.

Pela característica operacional da subestação, descrita na introdução acima, e tendo em vista


que a entrada em operação das obras citadas deve solucionar grande parte das causas dos
desligamentos sob estudo, estas serão incluídas na agenda de trabalho para acompanhamento
pela equipe da SFE no 2º semestre de 2016 (Códigos SIGET: T2014-026 e T2014-102).

Quanto às falhas humanas observadas, este tema está na Campanha de Fiscalização para o ano
de 2016, e a CELG-GT foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionado a este item
específico que será acompanhado por esta Superintendência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


64
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.1.2. Perturbações na Transmissora CEMIG-GT

A CEMIG-GT foi convocada através do Ofício nº 126/2016-SFE/ANEEL, de 18 de março de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 18 de abril de 20166 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos de causa indeterminada e por falhas humanas relacionadas a
sistemas de proteção).

LT 500 kV JAGUARA-SE / SAO SIMAO-SE C 1 MG

Linha de transmissão em operação comercial desde 24/06/1978 com 343km de extensão e


religamento automático configurado de 5s. No período selecionado foram analisados 10
desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
30/8/14 17:02 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
30/8/14 17:02 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
18/9/14 11:54 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
18/9/14 12:00 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
18/9/14 12:16 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
16/10/14 9:33 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha
Resistência
21/10/14 18:02 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
21/10/14 18:02 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
2/3/15 19:44 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/3/15 15:34 Sem Localização Específica Queda Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a análise percebeu-se que a principal causa das ocorrências foi decorrente de
queimadas, que podem ser agrupadas em 3 eventos distintos. No evento do dia 30/08/2014 a
CEMIG-GT identificou através de inspeção aérea foco de queimada no vão entre as torres 649
e 650 da linha de transmissão, segundo o agente como sendo fora da faixa de servidão da
linha. Na ocorrência do dia 16/10/2014 apesar da classificação como queimada, o religamento
automático atuou de forma satisfatória.

No evento do dia 18/09/2014 houve várias tentativas de religamento da linha de transmissão,


ficando a mesma fora de operação de 11:54h às 14:33h. Segundo a CEMIG-GT se tratou de um
incêndio de grandes proporções, provavelmente criminoso, em canavial no município de

6
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.002788/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


65
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Chaveslândia, que se propagou sob a área de servidão entre as torres 18 e 28 da linha de
transmissão.

Adicionalmente, a CEMIG-GT declarou ter realizado as inspeções de faixa, aérea e terrestre de


rotina e apresentou documentação comprobatória de medição e pagamento da limpeza de
faixa realizada no ano de 2014. Além disso, apresentou notícia publicada em jornal, cartilhas,
atas de reuniões e palestras relacionadas à campanhas de conscientização realizadas no ano
de 2015.

Figura 30 – Evidência da queimada Figura 31 – Evidência da queimada 18/09/2014


30/08/2014
Os dois desligamentos classificados como descarga atmosférica (21/10/2014 18:02) estão
relacionados com a mesma perturbação, e foram assim classificados pois o Sistema de
Localização de Tempestades – SLT da CEMIG-GT, detectou raios nas proximidades da
ocorrência. Conforme informado pela CEMIG-GT em 27/10/2014 foi realizada inspeção não
sendo encontrado nenhum tipo de avaria no cabo.

O desligamento classificado como causa indeterminada (2/3/15 19:44) possui características


de desligamento que pode se relacionar com descarga atmosférica, no entanto, como o SLT da
CEMIG-GT não detectou nenhuma descarga atmosférica nas proximidades da linha, nem foram
encontrados indícios que justificassem o desligamento, restou ao mesmo ser classificado como
indeterminado.

O desligamento devido a queda de torre (9/3/15 15:34) se deu na estrutura 616 devido a
carreamento de solo da base da torre por água de chuva. Como medida descrita pela CEMIG-
GT foi realizada a realocação da estrutura para um local estável do terreno e refeitas curvas de
nível e construídas novas curvas de nível para assegurar estabilidade e segurança para a nova
base da estrutura 616. A linha de transmissão foi restabelecida às 15h15min do dia 12/03,
após manutenção.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificaram dois eventos realizados em


maio de 2011, sendo fiscalizações de Operação e Manutenção na SE Jaguara (processo nº
48500.002080/2011-94) e na SE São Simão (processo nº 48500.002082/2011-83), que são

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


66
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
processos já finalizados na esfera administrativa, com termos de arquivamento e sem
informações relevantes relacionadas ao ativo em análise.

Prognóstico:

A maior problemática da linha sobre análise é o desempenho desta com relação a queimadas.
Apesar de se ter identificado outros 6 desligamentos ainda no ano de 2015, e fora da janela de
análise, também classificados com esta mesma causa, sendo 4 em agosto e 2 em setembro,
essa temática possui forte influência da natureza ou de terceiros. Percebe-se que a CEMIG-GT
já possui ciência do problema e vem propondo e implementando ações com vistas à redução
desta causa, não necessitando de acompanhamento diferenciado por parte desta
Superintendência para esta matéria. No entanto, o desempenho das ações realizadas pela
empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos indicadores de desligamentos
forçados realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a melhora desejada, esta
instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

Quanto ao desempenho da linha frente a descargas atmosféricas, mesmo contabilizando o


desligamento classificado como indeterminado, a instalação não extrapola o índice de 1
desligamento por 100km por ano para o nível de tensão de operação da LT constante nos
Procedimentos de Rede, cabendo apenas o contínuo monitoramento deste índice.

Entende-se que a ocorrência por queda de torre se deu devido a fenômeno natural (chuva) e
foi um defeito pontual com a atuação da empresa para a correção do problema, não
merecendo nenhuma atividade específica por parte da fiscalização.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


67
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.1.3. Perturbações na Transmissora FURNAS

FURNAS foi convocada através do Ofício nº 145/2016-SFE/ANEEL, de 6 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 3 de maio de 20167 para prestar
esclarecimentos relacionados aos desligamentos selecionados na sua rede.

Por meio de relatório, encaminhado em 13 de maio de 2016, FURNAS complementou as


informações pendentes em decorrência da reunião.

LT 345 kV BARRO BRANCO / OURO PRETO 2 C 1 MG

Linha de transmissão em operação comercial desde 14/10/2013 com 58km de extensão e


religamento automático monopolar configurado de 1,5s. No período selecionado foram
analisados 5 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
19/10/14 15:07 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/1/15 14:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/1/15 17:22 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
27/2/15 14:30 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
30/5/15 9:56 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica

Diagnóstico:

Na análise foram percebidos dois desligamentos por descarga atmosférica, um sem


determinação de causa e um acidental durante a realização de serviços na LT 345kV Barro
Branco/Padre Fialho na SE Barro Branco (manutenção corretiva na chave 8013MG). Três
eventos geraram corte de carga (25/01/2015; 26/01/2015 e 30/05/2015), totalizando 289MW.

Na ocorrência do dia 26/01/2015 se verificou que houve recusa de abertura do disjuntor


central do vão da LT no terminal de Barro Branco. FURNAS informou que essa recusa se deu
por falha em um contato da seccionadora isoladora do disjuntor, que reportava condição de
vão aberto para o relé de proteção, impedindo desta forma a decisão da lógica de disparo e
comando para o disjuntor. Segundo FURNAS o problema já foi solucionado.

Em todas as ocorrências não houve atuação do religamento automático. Com exceção da


ocorrência de 30/05/2015, onde este não atuou pela característica acidental do desligamento,
todas as recusas de religamento foram devido a equívoco no ajuste da proteção, resolvido em
31/03/2015.

Conforme FURNAS, as ações para se reduzir os desligamentos estão relacionadas ao


desempenho da LT frente a descarga atmosférica.

7
Registro de reunião documento SIC nº 48534.003680/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


68
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Segundo o agente, os cortes de carga ocorreram devido a descoordenações de proteção
identificadas no empreendimento da SE Barro Branco da acessante Samarco. Os problemas
identificados foram resolvidos, havendo expectativa de desligamentos com a seletividade
esperada.

Prognóstico:

Os temas de desligamentos como causa indeterminada, assim como falha humana acidental
estão na Campanha de Fiscalização para o ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar
Plano de Melhorias relacionados a estes itens específicos que serão acompanhados por esta
Superintendência.

Após reunião com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sob análise foi o
desempenho desta frente a descarga atmosférica. Por solicitação desta Superintendência,
FURNAS foi demandada a apresentar Plano de Melhorias para a redução dos desligamentos
motivados pela presente causa, que será acompanhado pela equipe da ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


69
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 345 kV CORUMBA / BRAS. SUL C 1 GO/DF

Linha de transmissão em operação comercial desde 02/03/1997 com 254km de extensão sem
religamento automático. No período selecionado foram analisados 15 desligamentos,
resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
9/8/14 0:43 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/8/14 1:00 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/8/14 0:50 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/9/14 5:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/10/14 17:52 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/10/14 18:27 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/11/14 22:31 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/12/14 21:21 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
21/12/14 21:00 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
22/1/15 6:55 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo Fase-Terra
5/2/15 20:42 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
5/4/15 13:20 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
20/4/15 3:36 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/6/15 23:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/7/15 3:11 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Na análise se percebeu quatro desligamentos por descarga atmosférica, que pelo


comprimento da linha de transmissão não atenderia ao critério de desempenho proposto
pelos Procedimentos de Rede para esta causa. Três ocorrências envolveram a fase vermelha e
duas nas proximidades do quilômetro 190 a partir do terminal da subestação Brasília Sul.

O desligamento do dia 22/01/2015 foi devido à operação incorreta da proteção diferencial do


reator RT3 da linha de transmissão. Na ocasião essa proteção era eletromecânica, substituída
em 17/09/2015 através do PMIS nº 413/2012, cujo relatório do ONS identificando a
necessidade data do ano de 2003 (RE 3/010/2003). Na perturbação deste desligamento houve
o corte de 165MW de carga, contabilizados no transformador que originou o evento.

Foi verificado que grande parte das ocorrências não possui determinação da causa, espaçadas
ao longo de todo o ano e sem padrão de envolvimento de fases ou quilometragem da falta.

Conforme FURNAS, quando os desligamentos são de natureza fugitiva e não há identificação


de descargas atmosféricas pelo Sistema de Detecção de Descargas Atmosféricas estas são
classificadas como Indeterminada.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


70
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Quanto as ações para minimizar o risco de recorrência de desligamentos nesta instalação
FURNAS apresentou atividades relacionadas à queimadas e vegetação.

Prognóstico:

O tema de desligamentos como causa indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o


ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este
item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

Após reunião com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sobre análise foi o
desempenho desta por queimadas. Por solicitação desta Superintendência, FURNAS foi
demandada a apresentar Plano de Melhorias para a redução dos desligamentos motivados
pela presente causa, que será acompanhado pela equipe da ANEEL.

Quanto ao desempenho da linha frente a descargas atmosféricas apesar da instalação


extrapolar o índice de 1 desligamentos por 100 km por ano para o nível de tensão de operação
da LT, constante nos Procedimentos de Rede, não se evidenciou que este fato é o principal
problema do ativo. Assim, será dado foco para a melhoria de classificação das perturbações e
ações relacionadas a se evitar desligamentos por queimadas. No entanto, o desempenho das
ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos
indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a
melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


71
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 345 kV ESTREITO / FURNAS C 1 MG

Linha de transmissão em operação comercial desde 08/10/2009 com 112km de extensão e


religamento automático tripolar configurado de 1,5s. No período selecionado foram analisados
10 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
3/10/14 12:43 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/10/14 12:43 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/10/14 11:31 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
13/10/14 11:34 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
14/10/14 11:49 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
15/10/14 13:09 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
16/10/14 11:27 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
16/10/14 11:37 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/1/15 23:16 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
22/4/15 3:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Na análise se percebeu três desligamentos por queimada, concentrados em dois dias do ano e
envolvendo a fase Azul da linha de transmissão nos primeiros 50 quilômetros a partir da
subestação FURNAS.

Foi verificado que grande parte das ocorrências não possui determinação da causa, no entanto
se concentraram em um mês do ano (outubro/2014). Dos seis desligamentos apontados com
causa indeterminada três se deram com o envolvimento da fase Branca e dois com
envolvimento da fase Azul da linha de transmissão linha de transmissão. Em cinco ocasiões os
eventos ocorreram nos primeiros 20 quilômetros a partir da subestação FURNAS.

Foi verificada 1 ocorrência relacionada a descarga atmosférica.

Em todas as 10 ocorrências o religamento não foi sustentado por reincidência da falha ou não
houve religamento por configuração da proteção ou por inconsistência da lógica dos relés do
terminal seguidor (subestação Estreito).

A inconsistência da lógica dos relés do terminal seguidor (subestação Estreito) é um problema


que existe desde outubro de 2013 e já se tentou duas intervenções que não solucionaram o
problema. Quando da análise dos desligamentos havia a recomendação do ONS RE 3
0170/2015 para a resolução do defeito.

Observando a janela de maio de 2015 a janeiro de 2016, se verifica apenas um desligamento


para esta linha de transmissão classificado como indeterminada.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


72
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Conforme FURNAS, quando não há identificação de queimada pela área de manutenção estas
são classificadas como indeterminada.

O agente informou que devido à época de período seco, que coincide com o período dos
desligamentos e a proximidade entre os eventos, levam a prováveis queimas dos canaviais
existentes fora das faixas como a causa dos desligamentos, mas a falta de confirmação pela
concessionária não permitiu esta classificação.

Quanto a inconsistência da lógica dos relés do terminal seguidor, FURNAS alega que fez nova
intervenção, em 04/04/2016, com resultados satisfatórios e realizou baixa na recomendação
do ONS em 20/04/2016.

Prognóstico:

O tema de desligamentos com causa indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o


ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este
item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

Após reunião com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sobre análise foi o
desempenho desta por queimadas em canaviais fora da faixa da linha de transmissão. Por
solicitação desta Superintendência, FURNAS foi demandada a apresentar Plano de Melhorias
para a redução dos desligamentos motivados pela presente causa, que será acompanhado
pela equipe da ANEEL.

Quanto ao desempenho da linha frente a descargas atmosféricas a instalação não extrapola o


índice de 1 desligamentos por 100 km por ano para o nível de tensão de operação da linha de
transmissão constante nos Procedimentos de Rede, cabendo apenas o contínuo
monitoramento deste índice.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


73
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 345 kV FURNAS / M. MORAES C1 MG

Linha de transmissão em operação comercial desde 15/05/1968 com 104 km de extensão e


religamento automático tripolar configurado de 1,5s. No período selecionado foram analisados
25 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
1/9/14 16:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/9/14 12:15 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 13:01 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 13:05 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 13:10 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 13:23 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 14:44 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 14:45 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
17/9/14 14:58 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
19/9/14 14:27 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
19/9/14 14:35 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
19/9/14 14:35 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
29/9/14 15:22 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
13/10/14 11:26 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
13/10/14 11:26 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
14/10/14 11:48 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
14/10/14 13:27 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
14/10/14 13:27 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
15/10/14 14:30 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
16/10/14 11:20 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
16/10/14 11:30 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
16/10/14 11:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/10/14 11:38 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/10/14 11:38 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/10/14 13:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Na análise se percebeu dezenove desligamentos por queimada, concentrados em dois meses


do ano (setembro e outubro). Sete ocorrências envolveram a fase Azul da linha de
transmissão, mesma quantidade envolvendo a fase Branca e cinco envolvendo a fase
Vermelha. Em quatorze eventos os desligamentos se deram nas proximidades do quilômetro
50 a partir da SE FURNAS. Os outros cinco ocorreram nas proximidades do quilômetro 20.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


74
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Cinco desligamentos não possuem determinação da causa, concentrados em dois meses do
ano (setembro e outubro). Três ocorrências envolveram a fase Azul da linha de transmissão e
duas envolvendo a fase Branca. Todos os desligamentos se deram nas proximidades do
quilômetro 20 a partir da SE FURNAS.

O desligamento de causa acidental foi devido a um erro na abertura de links no momento da


isolação da proteção principal, durante manutenção preventiva nos relés de proteção, levando
à operação acidental, durante os testes, da função de falha de disjuntor do disjuntor DJ8218
associado à barra BR81 345kV da UHE Mascarenhas de Moraes.

Em 20 ocorrências o religamento não foi sustentado por reincidência da falha ou por posterior
desligamento.

Observando a janela de fevereiro de 2015 a janeiro de 2016, se verifica apenas um


desligamento para esta linha de transmissão classificado como indeterminada.

Conforme FURNAS, quando não há identificação de queimada pela área de manutenção, estas
são classificadas como indeterminada.

O agente informou que devido à época de período seco, que coincide com o período dos
desligamentos e a proximidade entre os eventos, levam a prováveis queimas dos canaviais
existentes fora das faixas como a causa dos desligamentos, mas a falta de confirmação pela
concessionária não permitiu esta classificação para todos os eventos.

Prognóstico:

Os temas de desligamentos como causa indeterminada, assim como falha humana relacionado
à sistema de proteção, estão na Campanha de Fiscalização para o ano de 2016, e FURNAS foi
convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a estes itens específico que serão
acompanhados por esta Superintendência.

Após reunião com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sobre análise foi o
desempenho desta por queimadas em canaviais fora da faixa da linha de transmissão. Por
solicitação desta Superintendência, FURNAS foi demandada a apresentar Plano de Melhorias
para a redução dos desligamentos motivados pela presente causa, que será acompanhado
pela equipe da ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


75
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 345 kV L.C.BARRETO / POCOS CALDAS C 1 SP/MG

Linha de transmissão em operação comercial desde 02/11/1969 com 198 km de extensão e


religamento automático tripolar configurado de 1,5s. No período selecionado foram analisados
12 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
27/8/14 1:05 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
5/9/14 22:57 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/9/14 22:20 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/10/14 19:56 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
18/10/14 14:46 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
18/10/14 14:46 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
25/10/14 22:32 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/10/14 4:37 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
28/10/14 4:38 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/11/14 4:59 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/11/14 0:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/11/14 20:54 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Na análise se percebeu dois desligamentos por queimada, sendo estes relacionados a mesma
perturbação.

Foi verificado que grande parte das ocorrências não possui determinação da causa, no entanto
se concentraram em três meses do ano (setembro a novembro/2014). Dos dez desligamentos
apontados como causa indeterminada sete se deram com o envolvimento da fase A da linha
de transmissão. Em seis ocasiões os eventos ocorreram entre os quilômetros 50 e 100 e três
entre os quilômetros 100 e 150, a partir da SE UHE Luis Carlos Barreto de Carvalho.

Observando a janela de fevereiro de 2015 a janeiro de 2016, se verifica cinco desligamentos


para esta LT classificados como indeterminadas.

Conforme FURNAS, quando os desligamentos são de natureza fugitiva e em sequência ocorre o


religamento automático com sucesso, torna-se dispensável a inspeção na linha. Diante disso,
quando não há identificação de queimada pela área de manutenção estas são classificadas
como indeterminada.

O agente informou que devido à época de período seco, que coincide com o período dos
desligamentos e a proximidade entre os eventos, levam a prováveis queimas dos canaviais
existentes fora das faixas como a causa dos desligamentos, mas a falta de confirmação pela
concessionária não permitiu esta classificação.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


76
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

O tema de desligamentos como causa indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o


ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este
item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

Após reunião com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sobre análise foi o
desempenho desta por queimadas em canaviais fora da faixa da linha de transmissão. Por
solicitação desta Superintendência, FURNAS foi demandada a apresentar Plano de Melhorias
para a redução dos desligamentos motivados pela presente causa, que será acompanhado
pela equipe da ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


77
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 500 kV GURUPI / MIRACEMA C 1 TO

Linha de transmissão em operação comercial desde 02/03/1999 com 255 km de extensão e


religamento automático tripolar configurado de 3s. No período selecionado foram analisados
15 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
6/8/14 12:20 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
26/9/14 19:49 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/10/14 4:50 Sem Localização Específica Pássaro Curicaca Fase-Terra
23/10/14 18:17 Isolador/Cadeia Pássaro Curicaca Fase-Terra
26/10/14 11:39 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/10/14 18:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/11/14 4:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
22/11/14 2:35 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/11/14 5:41 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
3/2/15 6:14 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/2/15 21:02 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/3/15 5:53 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/3/15 19:35 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/4/15 13:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/7/15 18:01 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica

Diagnóstico:

Na análise se percebeu dois desligamentos por pássaros Curicaca, em dia, quilometragem e


fases distintos. Houve um desligamento classificado como descarga atmosférica, com atuação
correta do religamento automático.

Foi verificado que grande parte das ocorrências não possui determinação da causa, espaçadas
ao longo de todo o ano e sem padrão de envolvimento de fases ou quilometragem da falta. Em
dez dos doze desligamentos de causa indeterminada o religamento automático obteve sucesso
em sua atuação.

Observando a janela de agosto de 2015 a janeiro de 2016, se verifica seis desligamentos para
esta LT classificados como indeterminada.

Durante a análise verificou-se o incêndio no Banco de Capacitores Série da LT (13/10/2014),


com retorno do equipamento à operação em 13/12/2014. Diversos itens deste banco de
capacitor foram substituídos pelo SGMPI nº 001016/2014, concluído em 16/07/2015 (SGI nº
00.022.321-15).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


78
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Conforme FURNAS, quando os desligamentos são de natureza fugitiva e em sequência ocorre o
religamento automático com sucesso, torna-se dispensável a inspeção na linha. Diante disso,
quando não há identificação pela área de manutenção estas são classificadas como
indeterminada.

O agente informou que os desligamentos coincidem com épocas de período seco ou de chuva,
levando a prováveis queimas ou descargas atmosféricas como a causas dos desligamentos,
mas a falta de confirmação pela concessionária não permitiu esta classificação.

Prognóstico:

O tema de desligamentos como causa indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o


ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este
item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

Após reunião com o agente percebeu-se que a maior problemática da linha sob análise foi o
desempenho desta por queimadas. Por solicitação desta Superintendência, FURNAS foi
demandada a apresentar Plano de Melhorias para a redução dos desligamentos motivados
pela presente causa, que será acompanhado pela equipe da ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


79
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE ADRIANOPOLIS

No período selecionado foram analisados 10 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
31/10/14 13:26 TR 345 / 138 kV ADRIANOPOLIS 2B RJ Conservador Nível Alto de Óleo
1/11/14 11:17 TR 345 / 138 kV ADRIANOPOLIS 2B RJ Conservador Nível Alto de Óleo
10/12/14 5:55 SB 138 kV ADRIANOPOLIS O1 RJ Proteção Erro de Ajuste - Cálculo

9/2/15 16:33 BC 345 kV 160 MVar ADRIANOPOLIS 10 RJ Fusível Animais, Pássaros, Insetos

10/2/15 21:19 BC 345 kV 160 MVar ADRIANOPOLIS 10 RJ Fusível Queima

Transformador de
17/3/15 16:45 BC 13P8 kV 50 MVar ADRIANOPOLIS 6 RJ Explosão
Corrente
11/4/15 11:43 SB 138 kV ADRIANOPOLIS I RJ Seccionadora Defeito
12/4/15 8:09 TR 345 / 138 kV ADRIANOPOLIS 1B RJ Proteção Relé de Proteção - Falha/Defeito
12/4/15 8:32 TR 345 / 138 kV ADRIANOPOLIS 1B RJ Proteção Relé de Proteção - Falha/Defeito
10/7/15 1:28 TR 345 / 138 kV ADRIANOPOLIS 2A RJ Enrolamento Falha

Diagnóstico:

As ocorrências dos dias 31/10/2014 e 01/11/2014 se deram no TR2B por nível alto de óleo
devido a expansão do mesmo por elevação de temperatura. Foi desativado o disparo por nível
alto de óleo e mantido somente o alarme. Conforme FURNAS essa é sua filosofia de operação
após finalização do prazo de garantia. Conforme informações do agente a idade das fases do
TR2B são: fase A – 1978; fase B – 2012 e fase C – 1982.

O evento do dia 10/12/2014 teve início com uma falha interna na LT 138kV Adrianópolis/Cepel
C2 com posterior desconexão de todos os equipamentos do setor de 138kV da SE Adrianópolis
pela atuação incorreta da proteção de barras, causado por ajuste inadequado. Houve o corte
de 539MW de carga, atribuídas ao equipamento que originou a perturbação. A substituição da
proteção de diferencial de barras foi finalizada em 27/04/2015, através do PMI nº 87/2011,
que apontou a necessidade para o ano de 2012.

As duas ocorrências no BC10 (09 e 10/02/2015), se deram por atuação do desbalanço de


tensão, provocado por queima de elo fusível. Em uma dessas ocorrências a provável causa da
queima do elo fusível foi a entrada de um pássaro na área do banco. A substituição dos
elementos defeituosos se deu em 11/02/2015 (SGI nº 00.005.938-15).

O evento relacionado ao BC06 (17/03/2015) se deu pela explosão do transformador de


corrente de neutro. Conforme informações de FURNAS, devido ai fenômeno destrutivo da
ocorrência não se conseguiu identificar a causa da explosão, sendo o TC substituído por outro
com as mesmas características técnicas, finalizado em 19/03/2015 (SGI nº 00.011.409-15).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


80
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
O desligamento do dia 11/04/2015 ocorreu por uma falha na chave seccionadora 6325 que
permaneceu aberta após quebra da haste da fase A. A substituição dos elementos defeituosos
foi finalizada em 17/04/2015 (SGI nº 00.015.507-15).

As duas ocorrências no TR1B (12/02/2015), se deram por defeito na caixa do relé 50BF do
DJ626 (lado de 138kV). A substituição dos elementos defeituosos foi finalizado em 27/04/2015
(SGI nº 00.013.168-15).

A ocorrência no TR2A (10/07/2015) se deu por vazamento de óleo na bucha da fase B do lado
de 138kV. A fase B foi substituída pela fase reserva através do SGI nº 00.027.776-15.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Adrianópolis (processos nº 48500.002496/2015-36 e 48500.002495/2015-91), com notificação
da empresa em outubro de 2015. Esse processo já se encontra finalizado na esfera
administrativa, com termo de arquivamento.

Prognóstico:

Devido a diversidade de causas, o caráter pontual destas, a solução das falhas e a não
recorrência do mesmo defeito na janela de análise, estas matérias não serão item de
acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o desempenho
das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos
indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a
melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


81
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE BANDEIRANTES - GO

No período selecionado foram analisados 19 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações

Data do
Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Desligamento
Forçado
CE 100 / -50 MVar
8/8/14 10:22 Proteção Acidental - Serviços/Testes
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar Instrumento de Medição -
28/10/14 22:11 Sistema Ventilação/Resfriamento
BANDEIRANTES 1 GO Falha/Defeito
CE 100 / -50 MVar Instrumento de Medição -
28/10/14 23:05 Proteção
BANDEIRANTES 1 GO Falha/Defeito
CE 100 / -50 MVar Sistema de Controle e Supervisão
5/11/14 8:05 Indeterminada
BANDEIRANTES 1 GO Digital
CE 100 / -50 MVar Sistema de Controle e Supervisão
15/11/14 4:33 Indeterminada
BANDEIRANTES 1 GO Digital
CE 100 / -50 MVar
23/11/14 1:13 Sistema Ventilação/Resfriamento Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar
9/12/14 5:13 Reator e Tiristor Explosão
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar
23/2/15 10:26 Sistema Ventilação/Resfriamento Falha
BANDEIRANTES 2 GO
CE 100 / -50 MVar
8/3/15 7:23 Sistema Ventilação/Resfriamento Outras - Equipamentos e Acessórios
BANDEIRANTES 1 GO
BC 345 kV 91P5 MVar
24/3/15 15:57 Proteção Indeterminada
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar
14/4/15 8:47 Sistema Ventilação/Resfriamento Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
BANDEIRANTES 2 GO
BC 345 kV 91P5 MVar
17/4/15 15:38 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
BANDEIRANTES 1 GO
BC 345 kV 91P5 MVar
23/4/15 13:54 Proteção Indeterminada
BANDEIRANTES 1 GO
BC 345 kV 91P5 MVar
24/4/15 13:30 Proteção Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar
4/5/15 22:03 Sistema Ventilação/Resfriamento Defeito
BANDEIRANTES 2 GO
BC 345 kV 91P5 MVar
21/5/15 18:01 Proteção Indeterminada
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar
23/5/15 8:49 Sistema Ventilação/Resfriamento Erro de operação - instalação
BANDEIRANTES 1 GO
BC 345 kV 91P5 MVar
21/7/15 15:37 Fusível Rompimento/Desconexão
BANDEIRANTES 1 GO
CE 100 / -50 MVar
29/7/15 20:38 Sistema Ventilação/Resfriamento Baixo Fluxo de Água
BANDEIRANTES 2 GO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


82
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que todos envolveram equipamentos relacionados


com compensação de reativo. Nove desligamentos se deram no Compensador Estático 1 (CE1),
quatro no Compensador Estático 2 (CE2) e seis no Banco de Capacitor 1 (BC1).

Das nove ocorrências envolvendo o CE1 oito teve o sistema de resfriamento como causador do
desligamento do equipamento, sendo os motivos elencados a seguir:

1- Alta condutividade do circuito principal de água;


2- Erro de medição do sistema de resfriamento;
3- Alarme indevido de vazamento de água;
4- Baixo fluxo de água por manobra indevida das bombas;

O desligamento do dia 09/12/2014 no CE1 se deu por explosão de duas bobinas do TCR do
ramo CA, com retorno do equipamento após intervenção em 10/12/2014 (SGI nº 00.050.729-
14).

No CE2 três eventos também tiveram o sistema de refrigeração como ocasionador do


desligamento do equipamento. Em duas ocorrências o problema ocorreu por vazamento de
água e um por falha no cartão eletrônico.

A ocorrência do dia 04/05/2015 no CE2 se deu por quebra da correia do ar condicionado que
atende a sala de controle.

Em cinco eventos do BC1 houve atuação do desbalanço de corrente, sem causa específica. Um
evento se deu por fusível rompido na fase A.

Foram identificados os PMIs nº 1007/2014, 1008/2014, 1012/2014 e 1013/2014 para a


revitalização do sistema de proteção, controle e supervisão dos CE1 e CE2.

Segundo FURNAS, os desligamentos dos compensadores estáticos tem motivação em falhas de


componentes eletrônicos, sinalizando fim de vida útil destes componentes, sejam de proteção
controle e supervisão ou problemas com o sistema de refrigeração.

Já para os bancos de capacitores o agente alega que estes são equipamentos compostos de
vários componentes e conexões que quando sujeitos a temperaturas elevadas podem ter
alteradas suas características de projeto, causando desequilíbrios entre as fases e gerando
correntes de desbalanço a valores de atuação de proteção. Uma vez desligados
automaticamente, são realizadas inspeções sendo que se nada de anormal for encontrado,
classifica-se a causa como indeterminadas, pois se esgotaram todas as ações para identificar a
causa. Na tentativa de restabelecimento pode ocorrer atuação da proteção em função desta
mudança de característica, justificando um reajuste de offset da proteção, que neste caso são
classificadas equivocadamente como “Erro de ajuste” pelo ONS. Os demais desligamentos dos
equipamentos ocorreram por queima de elos fusíveis devido à ocorrência de transitórios.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Bandeirantes (processo nº 48500.001205/2012-40) processo deliberado pela diretoria
colegiada da ANEEL (despacho nº 763 de 29 de março de 2016).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


83
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

O tema de desligamentos como causa indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o


ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este
item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

Verificou-se que a principal fonte de desligamentos está relacionado ao sistema de


resfriamento dos compensadores estáticos. Assim, por solicitação desta Superintendência,
FURNAS foi demandada a apresentar Plano de Melhorias para a redução dos desligamentos
nestes tipos de equipamentos desta subestação, que será acompanhado pela equipe da
ANEEL.

Identificou-se que os PMIs nº 1007/2014, 1008/2014, 1012/2014 e 1013/2014 para a


revitalização do sistema de proteção, controle e supervisão dos CE1 e CE2 devem ser
acompanhados de forma diferenciada pela fiscalização.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


84
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE BARRO ALTO - GO

No período selecionado foram analisados 8 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
CE 33 / -22 MVar BARRO ALTO Sistema
27/9/14 16:34 Defeito
1 GO Ventilação/Resfriamento
CE 33 / -22 MVar BARRO ALTO Sistema
28/9/14 12:50 Defeito
1 GO Ventilação/Resfriamento
11/12/14 0:52 CE 33 / 22 MVar BARRO ALTO 1 GO Serviço Auxiliar AC Animais, Pássaros, Insetos

28/2/15 16:45 BC 230 kV 27P7 MVar BARRO ALTO 2 GO Proteção Indeterminada

6/3/15 10:18 CE 33 / 22 MVar BARRO ALTO 1 GO Painel Acidental - Serviços/Testes

25/3/15 11:47 BC 230 kV 27P7 MVar BARRO ALTO 2 GO Disjuntor Câmara ou Polos - Falha/Defeito

22/4/15 15:57 CE 33 / 22 MVar BARRO ALTO 1 GO Tiristor Cartão Eletrônico - Falha/Defeito


22/7/15 10:42 CE 33 / 22 MVar BARRO ALTO 1 GO Tiristor Cartão Eletrônico - Falha/Defeito

Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que todos os desligamentos envolveram


equipamentos relacionados com compensação de reativo. Seis desligamentos se deram no
Compensador Estático 1 (CE1) e dois no Banco de Capacitor 2 (BC2).

As ocorrências dos dias 27 e 28/09/2014 estão relacionadas a um problema no sistema de


resfriamento da sala das válvulas. Em 02/10/2014 foi realizada a troca do filtro das válvulas
que solucionou o problema (SGI nº 00.039.132-14).

A ocorrência do dia 11/12/2014 está relacionada a alta temperatura por falta de alimentação
auxiliar do CE. Neste evento um gambá provocou curto circuito nos polos do disjuntor
localizado no cubículo CC2-1, do serviço auxiliar, ocasionando seu desarme por sobrecorrente.
Segundo FURNAS, havia serviços de ampliação que exigiram abertura de tampas de canaletas e
portas do cubículo de 13,8kV da SE para o lançamento de novos cabos, o que propiciou a
entrada do animal no equipamento.

No desligamento do dia 28/02/2015 o agente não conseguiu identificar anomalias que


justificassem a atuação da proteção de sobrecorrente de neutro.

A perturbação do dia 06/03/2015 foi causada durante a implantação do SINOCON, com a


energização acidental do circuito de disparo.

O evento do dia 25/03/2015 teve como causa a falha na abertura do polo B do disjuntor
DJ7028C. Nesta perturbação houve o corte de 96MW de carga pois houve o desligamento da
LT 230kV Itapaci-Barro Alto C1, também analisada neste relatório. Segundo o agente, o
disjuntor foi substituído por outro de igual modelo e a causa da falha de abertura do polo foi
por montagem equivocada do equipamento pelo próprio fabricante.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


85
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Os desligamentos dos dias 22/04/2015 e 22/07/2015 estão relacionadas a falha no cartão de
controle de pulsos do TCR. Segundo FURNAS, devido a idade do equipamento não se tem mais
assistência do fabricante, logo não se sabe a origem da falha.

Ainda segundo o agente, os desligamentos do compensador estático tem motivação em falhas


de componentes eletrônicos, sinalizando fim de vida útil destes componentes, sejam de
proteção controle e supervisão ou problemas com o sistema de refrigeração.

Quanto ao banco de capacitores, os chaveamentos excessivos deste equipamento, por


necessidade sistêmica, através do controle automático de inserção pelo CE, podem estar
acelerando o fim da sua vida-útil.

Prognóstico:

Verificou-se que a principal fonte de desligamentos está relacionada com o CE1, que conforme
a transmissora é um equipamento em final de vida útil. Assim, por solicitação desta
Superintendência, FURNAS foi demandada a apresentar Plano de Melhorias para a redução
dos desligamentos motivados pela presente causa, que será acompanhado pela equipe da
ANEEL.

Salvo casos pontuais, os eventos relacionados ao BC2 já foram solucionados e não se


repetiram na janela avaliada. Assim, por serem desligamentos pontuais esta matéria não será
item de acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o
desempenho das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente
através dos indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices
não sofram a melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


86
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE BRAS. SUL - DF

No período selecionado foram analisados 7 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
19/10/14 11:01 TR 345 / 138 kV BRAS. SUL 2 DF Proteção Acidental - Serviços/Testes
19/10/14 11:17 TR 345 / 138 kV BRAS. SUL 2 DF Proteção Acidental - Serviços/Testes
22/1/15 6:55 TR 345 / 138 kV BRAS. SUL 2 DF Bucha Falha
19/3/15 14:39 TR 345 / 138 kV BRAS. SUL 1 DF Proteção Acidental - Serviços/Testes
1/4/15 9:48 TR 345 / 138 kV BRAS. SUL 1 DF Proteção Acidental - Serviços/Testes
5/5/15 13:42 TR 345 / 230 kV BRAS. SUL 6 DF Proteção Acidental - Serviços/Testes
16/7/15 11:33 TR 345 / 230 kV BRAS. SUL 5 DF Cubículo Acidental - Serviços/Testes

Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que todos os desligamentos envolveram


transformação, sendo duas nos transformadores 345/230kV e cinco nos transformadores
345/138kV.

Nas duas ocorrências do dia 19/10/2014 a causa foi o aterramento indevido da barra de
neutro (do transformador reserva, que estava sendo utilizado na substituição de uma fase do
TR2) quando da manutenção no TR4.

A ocorrência do dia 22/01/2015 se deu por falha no isolador de sustentação do barramento de


transferência de 345kV de sua fase reserva, que estava operando em substituição à fase C.
Nesta perturbação houve o corte de 165MW de carga e rejeição de 60MW.

As duas ocorrências relacionadas ao TR1 (19/03/2015 e 01/04/2015) foram causadas durante a


execução de lançamentos de cabos no painel de proteção e controle.

A ocorrência do dia 05/05/2015 foi durante a realização de manutenção preventiva nos relés
dos BCs 3 e 4 e a do dia 16/07/2015 durante manutenção preventiva para limpeza dos
cubículos.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de Ocorrência na


SE Brasília Sul (processo nº 48500.001429/2013-32), com notificação da empresa em junho de
2013. Esse processo já se encontra finalizado na esfera administrativa, com termo de
arquivamento.

Prognóstico:

Percebe-se que apesar dos desligamentos envolverem a transformação da subestação a causa


principal dos desligamentos são equívocos das pessoas envolvidas com os serviços, sejam eles
de obra ou manutenção.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


87
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Logo, como o tema falhas humanas acidentais está na Campanha de Fiscalização para o ano de
2016, FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este item
específico que será acompanhado por esta Superintendência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


88
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE CAMPOS - RJ

No período selecionado foram analisados 26 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
7/8/14 10:03 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Painel Acidental - Serviços/Testes
19/8/14 18:57 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 2 RJ Fusível Queima
27/8/14 10:18 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Fusível Queima
3/9/14 18:43 TR 345 / 138 kV CAMPOS 2A RJ Proteção Relé de Proteção - Falha/Defeito
15/9/14 1:15 BC 345 kV 60 MVar CAMPOS 10 RJ Sem Localização Específica Indeterminada
15/9/14 5:47 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Fusível Queima
30/10/14 9:59 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 2 RJ Fusível Queima
13/11/14 22:59 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Fusível Queima
21/12/14 0:51 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 2 RJ Fusível Queima
23/12/14 20:28 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Disjuntor Defeito
14/1/15 14:01 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Fusível Queima
15/1/15 21:28 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Capacitor e Tiristor Falha
5/3/15 17:51 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Cabo de Fibra Ótica Mau contato fiação AC/DC
5/3/15 23:07 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Cabo de Fibra Ótica Mau contato fiação AC/DC
5/3/15 23:29 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Cabo de Fibra Ótica Mau contato fiação AC/DC
Outras - Proteção, Medição,
17/3/15 16:11 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Sistema Ventilação/Resfriamento
Controle
19/3/15 18:19 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Fusível Queima
21/3/15 7:05 BC 138 kV 50 MVar CAMPOS 1 RJ Fusível Queima
Outras - Proteção, Medição,
29/3/15 20:50 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Sistema Ventilação/Resfriamento
Controle
7/4/15 3:36 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Sistema Ventilação/Resfriamento Baixo Fluxo de Água
Baixo Fluxo de Água de
9/4/15 11:43 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Sistema Ventilação/Resfriamento
Resfriamento
21/4/15 15:54 BC 345 kV 60 MVar CAMPOS 10 RJ Proteção Indeterminada
Sistema de Controle e Supervisão
7/7/15 12:13 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Causa a ser Determinada
Digital
Sistema de Controle e Supervisão
7/7/15 13:12 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Causa a ser Determinada
Digital
Sistema de Controle e Supervisão
7/7/15 14:33 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Causa a ser Determinada
Digital
Sistema de Controle e Supervisão
9/7/15 7:05 CE 100 / -60 MVar CAMPOS 1 RJ Indeterminada
Digital

Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que, com exceção de um desligamento, todos


envolveram equipamentos relacionados com compensação de reativo. Treze desligamentos se
deram no Compensador Estático 1 (CE1) e doze em Banco de Capacitor - BC, sendo sete no
BC1, três no BC2 e dois no BC10.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


89
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A ocorrência que não envolveu a compensação de reativos deu-se no dia 03/09/2014 com o
desligamento do TR2A da subestação por defeito no relé diferencial. Nesta perturbação houve
o corte de 365MW de carga, devido à atuação Esquema de Controle de Emergência – ECE. A
normalização da proteção diferencial primária do TR2A se deu em 03/11/2014 (SGI nº
00.044.865-14).

Seis das sete ocorrências no BC1, bem como as três ocorrências no BC2 e as duas no BC10 o
desligamento se deu por atuação do desbalanço de tensão. Nas ocorrências do BC1 e BC2 o
desbalanço foi provocado por queima de elo fusível. Nos desligamentos do BC10 não houve a
identificação da causa. Em todas as ocorrências houve intervenção do agente com a
substituição dos elementos defeituosos.

A ocorrência do dia 23/12/2014 no BC1, diferente das anteriores, foi provocada por forte
vazamento de óleo de acionamento hidráulico da fase B do disjuntor DJ6112C. A intervenção
para solução do vazamento foi finalizada em 24/12/2014 (SGI nº 00.052.883-14).

Os eventos relacionando o CE1 tiveram causas diversas, sendo elas:

1- Uma por atuação do relé de bloqueio quando do acesso da equipe ao painel de


controle das válvulas para verificação do estado do sistema. A equipe de
manutenção estava registrando as indicações do estado do equipamento em
funcionamento normal para uma eventual comparação futura, o equipamento não
possuía alarmes ou problemas para serem diagnosticados. (Dia 07/08/2014)
2- Uma por falha interna na sala de válvulas dos tiristores TCR2 (Dia 15/01/2015). Dia
16/01/2015 foi realizada a troca do capacitor do circuito snubber (SGI nº
00.001.911-15)
3- Três no mesmo dia por uma má conexão da fibra óptica (Dia 05/03/2015)
4- Duas por travamento do Controlador Lógico Programável – CLP que realiza o
controle do sistema de refrigeração das válvulas. O reestabelecimento do
equipamento se deu após o reset nos CLPs. (Dias 17 e 29/03/2015)
5- Duas por baixo fluxo de água no sistema de refrigeração (Dias 07 e 09/04/2015).
Dia 09/04/2015 foi realizada a troca do filtro deste sistema (SGI nº 00.014.834-15)
6- Em quatro ocorrências não se teve a identificação da causa, sendo três destes
eventos no mesmo dia. (Dias 07 e 09/07/2015)

Foi identificado o PMI nº 1114/2014 para a revitalização do sistema de proteção, controle e


supervisão do CE1, sem marco para a data de entrada em operação comercial.

Segundo FURNAS, os desligamentos do compensador estático tem motivação em falhas de


componentes eletrônicos, sinalizando fim de vida útil destes componentes, sejam de proteção
controle e supervisão ou problemas com o sistema de refrigeração. Quanto ao banco de
capacitores, os desligamentos deste equipamento ocorrem por falha/defeito na proteção e
queima de elos fusíveis devido à ocorrência de transitórios afetando o banco de capacitores.

Ainda segundo o agente, o desligamento do dia 03/09/2014 não se deu por defeito no relé, e
sim por mau contato da fiação no circuito secundário da malha diferencial no lado de alta do

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


90
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
TR2 encontrado após inspeção e testes pela equipe de manutenção na proteção e circuitos
associados.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Campos (processo nº 48500.005290/2012-15) processo já finalizado na esfera administrativa,
com termo de arquivamento.

Prognóstico:

Verificou-se que a principal fonte de desligamentos está relacionada com o CE1, que conforme
a transmissora é um equipamento em final de vida útil, e os Bancos de Capacitores, por
falha/defeito na proteção e queima de elos fusíveis devido à ocorrência de transitórios. Assim,
por solicitação desta Superintendência, FURNAS foi demandada a apresentar Plano de
Melhorias para a redução dos desligamentos motivados pelas presentes causas, que serão
acompanhados pela equipe da ANEEL.

O evento relacionado ao TR2A foi solucionado e não se repetiu na janela avaliada. Assim, por
ser um desligamento pontual esta matéria não será item de acompanhamento diferenciado
por parte desta Superintendência. No entanto, o desempenho das ações realizadas pela
empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos indicadores de desligamentos
forçados realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a melhora desejada, esta
instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

Identificou-se que o PMI nº 1114/2014 para a revitalização do sistema de proteção, controle e


supervisão do CE1, sem marco para a data de entrada em operação comercial deva ser
acompanhado de forma diferenciada pela fiscalização.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


91
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE IBIUNA - SP

No período selecionado foram analisados 16 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
Sistema
31/8/14 9:00 CV 345 kV IBIUNA 3 SP Falha
Ventilação/Resfriamento
23/9/14 4:08 CV 345 kV IBIUNA 6 SP Proteção Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
6/10/14 16:24 BC 345 kV 220 MVar IBIUNA ZRM SP Unidade Capacitiva Falha
13/10/14 16:28 BC 345 kV 220 MVar IBIUNA ZRK SP Unidade Capacitiva Falha
13/10/14 23:21 CS 330 / -220 MVar IBIUNA 3 SP Sistema de Excitação Queima
25/10/14 4:59 BC 345 kV 220 MVar IBIUNA ZRM SP Unidade Capacitiva Falha
1/11/14 19:11 BC 345 kV 296 MVar IBIUNA ZRL SP Disjuntor Câmara ou Polos - Falha/Defeito
3/11/14 14:26 CS 330 / -220 MVar IBIUNA 1 SP Sistema de Excitação Acidental - Serviços/Testes
9/11/14 7:30 FI 345 kV IBIUNA ZRE SP Sem Localização Específica Animais, Pássaros, Insetos
11/11/14 15:36 FI 345 kV IBIUNA ZRN SP Reator não Manobrável Fogo
19/12/14 20:16 FI 345 kV IBIUNA ZRK SP Unidade Capacitiva Defeito
13/2/15 13:57 CS 330 / -220 MVar IBIUNA 4 SP Proteção Relé de Proteção Descalibrado
8/3/15 1:38 RT 500 kV 180 MVar IBIUNA 3 SP Enrolamento Falha
21/3/15 7:38 FI 345 kV IBIUNA ZRM SP Unidade Capacitiva Falha
25/3/15 14:28 RT 500 kV 180 MVar IBIUNA 3 SP Transformador de Corrente Baixa isolação fiação AC/DC
29/3/15 13:31 CV 345 kV IBIUNA 3 SP Disjuntor Outras - Fiação AC / DC

Diagnóstico:

Oito ocorrências envolveram os filtros da subestação, sendo cinco eventos por danificação de
capacitor. Segundo FURNAS, os bancos de filtro na SE de Ibiúna possuem uma alta cadência de
operação e os surtos de manobras colaboram para a degradação acelerada/stress do referido
componente.

No desligamento do dia 01/11/2014 a falha se deu na fase B do disjuntor DJ14AF3 do banco de


filtros ZRL, que permaneceu fechada após o comando de abertura. A intervenção no disjuntor
foi finalizada em 04/11/2014 (SGI nº 00.044.835-14). Conforme informações do agente a falha
no equipamento decorreu do número excessivo de operações.

O PMI nº 1057/2014 entrou em operação comercial em 31/07/2016 e constava da substituição


de quatro disjuntores, entre eles o DJ14AF3.

No evento do dia 09/11/2014 se deu pelo pouso de uma ave no banco de filtro ZRE. A
manutenção corretiva foi finalizada em 10/11/2014 (SGI nº 00.046.020-14).

O desligamento do dia 11/11/2014 se deu por incêndio no reator da fase branca do banco de
filtro ZRN. Intervenção finalizada em 12/11/2014 (SGI nº 00.046.457-14).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


92
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em três ocorrências houve o envolvimento de compensadores síncronos. Uma no CS1
(03/11/2014) com atuação do sistema de excitação da máquina durante intervenção (SGI nº
00.043.143-14); uma no CS3 (13/10/2014) por elemento queimado na ponte de tiristores do
sistema de excitação (SGI nº 00.041.583-14, finalizado em 14/10/2014); e uma no CS4
(13/02/2015) por atuação indevida do relé de gás no transformador elevador ZW.2, reajustado
em 13/02/2015 (SGI nº 00.006.422-15).

Em três eventos houve o envolvimento de conversores. Dois no CV3, sendo, um (31/08/2014)


por vazamento de água na moto bomba do sistema de refrigeração com manutenção corretiva
em 01/09/2014 (SGI nº 00.034.362-14); e um (29/03/2015) por configuração, devido a mau
contato no link de alimentação do disjuntor de by pass do CV1 no terminal de Foz do Iguaçu.
Um no CV6 (23/09/2014) por defeito em entrada analógica do cartão eletrônico, substituído
em 23/09/2014 (SGI nº 00.038.046-14).

Dois desligamentos envolveram o reator 03. Um por dano na fase B (08/03/2015), sem
esclarecimento da causa. A substituição pela fase reserva se deu no dia 08/03/2015 (SGI nº
00.009.732-15 e 00.009.733-15). Um (25/03/2015) por falha no condutor do secundário do TC
de bucha da fase vermelha.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Ibiúna (processo nº 48500.001563/2015-03), com notificação da empresa em dezembro de
2015. Esse processo se encontrava em fase de elaboração do Auto de Infração quando da
elaboração do presente relatório.

Prognóstico:

Devido ao porte da subestação, a diversidade de causas, o caráter pontual destas, a solução


das falhas e a não recorrência do mesmo defeito na janela de análise, estas matérias não serão
item de acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o
desempenho das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente
através dos indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices
não sofram a melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


93
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE RIO VERDE FUR - GO

No período selecionado foram analisados 6 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
Com/Contr Mecânico -
12/8/14 10:44 TR 230 / 138 kV RIO VERDE FUR 2 GO Comutador
Falha/Defeito
Transformador de
17/10/14 19:12 SB 230 kV RIO VERDE FUR A GO Explosão
Corrente

3/12/14 10:10 BS 230 kV 216 MVar RIO VERDE FUR P2 GO Painel Acidental - Serviços/Testes

4/12/14 14:55 BS 230 kV 33P9 MVar RIO VERDE FUR MI GO Outras Localizações Baixa Pressão de Ar ou SF6

20/3/15 18:22 BS 230 kV 216 MVar RIO VERDE FUR P2 GO Proteção Relé Auxiliar DC - Falha/Defeito

Metal Oxide Varistor -


5/6/15 19:45 BS 230 kV 216 MVar RIO VERDE FUR P2 GO Outras causas
MOV

Diagnóstico:

A ocorrência do dia 12/08/2014 se deu durante teste na supervisão de paralelismo que por
uma falha no SPS (Controlador Digital de Supervisão de Paralelismo) houve comando indevido
de mais de um tap, ocasionando a discrepância de taps entre as fases do TR2. A substituição
do SPS se deu em 23/08/2014 (SGI nº 00.030.316-14).

A explosão do TC no dia 17/10/2014 se deu na fase Azul do vão de amarre associado a Barra A.
O TP da LT 230 kV Rio Verde - Itumbiara C2 foi danificado por estilhaços da explosão do TC,
sendo necessário isolar o mesmo para a liberação da linha de transmissão à operação. A
proteção primária que utilizava o TP de linha foi ligada provisoriamente ao TP de Barra B, até a
substituição do TP da linha de transmissão. O TP da linha de transmissão retornou em
operação em 16/12/2014 (SGI nº 00.039.511-14). Nesta ocorrência houve o corte de 19MW de
carga. Segundo FURNAS a explosão do TC se deu por final de vida útil do equipamento (TC do
tipo AOT-245kV – de 1982) sendo os serviços concluídos em 21/10/2014, ficando a operação
da proteção em barra única durante o período de reparo (SGI nº 00.042.423-14).

As quatro ocorrências em Banco de Capacitor Série de LT ocorreram por eventos distintos,


sendo um no banco de capacitor série LT 230kV Itumbiara/Rio Verde C1 e três no da LT 230kV
Rio Verde/Barra do Peixe C2.

O evento do dia 03/12/2014 ocorreu devido a um erro de isolação do circuito de fechamento


do disjuntor do banco de capacitor série durante testes de comando de by pass remoto.

O desligamento do dia 04/12/2014 foi provocado por baixa pressão de ar no Cap Thor da fase
azul, retornando em 05/12/2014 após normalização da pressão de ar (SGI nº 00.050.319-14).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


94
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A ocorrência do dia 20/03/2015 se deu por falha na abertura no disjuntor de by pass por
problemas mecânicos. A manutenção corretiva foi realizada em 30/04/2015 (SGI nº
00.013.556-15).

A perturbação do dia 05/06/2015 ocorreu por danificação da unidade MOV. Segundo FURNAS,
o equipamento contém sete unidades MOV e pode operar normalmente com no mínimo
quatro dessas unidades, sendo três utilizadas como reserva quente. Segundo o agente foi
realizada a alteração da informação no sistema de proteção do banco relacionada ao número
de unidades existentes.

Prognóstico:

Devido a diversidade de causas, o caráter pontual destas, a solução das falhas e a não
recorrência do mesmo defeito na janela de análise, estas matérias não serão item de
acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o desempenho
das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente através dos
indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a
melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


95
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE SAO JOSE - RJ

No período selecionado foram analisados 23 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
12/8/14 18:19 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Indeterminada
29/8/14 18:04 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Indeterminada
6/9/14 19:34 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Indeterminada
Transformador de
28/9/14 20:36 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 3 RJ Defeito
Potencial
14/10/14 9:49 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 3 RJ Fusível Queima
16/10/14 8:32 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 3 RJ Proteção Indeterminada
4/11/14 2:50 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 2 RJ Fusível Queima
7/11/14 10:09 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 2 RJ Proteção Indeterminada
4/12/14 16:30 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 3 RJ Localização Ignorada Indeterminada
29/12/14 13:11 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 2 RJ Fusível Queima
31/3/15 11:58 TR 500 / 138 kV SAO JOSE 14 RJ Proteção Baixa isolação fiação AC/DC
29/4/15 12:18 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Indeterminada
11/5/15 13:32 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Indeterminada
19/5/15 13:21 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Indeterminada
Sem Localização
1/7/15 12:02 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 4 RJ Indeterminada
Específica
Sem Localização
1/7/15 14:24 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 3 RJ Indeterminada
Específica
Sem Localização
1/7/15 14:28 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Indeterminada
Específica
Transformador de Falta de Tensão - Secundário
13/7/15 13:34 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ
Potencial AC/DC
14/7/15 13:24 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 2 RJ Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
14/7/15 13:37 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 2 RJ Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
15/7/15 13:41 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Erro de Ajuste - Execução
16/7/15 14:11 BC 138 kV 150 MVar SAO JOSE 1 RJ Proteção Acidental - Serviços/Testes
16/7/15 14:11 BC 138 kV 100 MVar SAO JOSE 2 RJ Proteção Acidental - Serviços/Testes

Diagnóstico:

Na análise dos desligamentos se percebeu que com exceção de um desligamento todos


envolveram equipamentos relacionados com compensação de reativo. Vinte e dois em Banco
de Capacitor, dez no BC1, seis no BC2, cinco no BC3 e um no BC4.

A ocorrência que não envolveu a compensação de reativos ocorreu dia 31/03/2015 com o
desligamento do TR14 da subestação por provável baixa isolação temporária no circuito de
micro-switch da fase azul da válvula de segurança provocada por umidade.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


96
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Todos os desligamentos nos Banco de Capacitor se deram por atuação do desbalanço de
tensão, sendo as causas distribuídas conforme abaixo:

1- No BC1: sete sem identificação da causa; uma por terminal quebrado na caixa de
passagem do transformador de potencial; uma por equívoco de medição; e uma
durante realização de ajuste na medição;
2- No BC2: três por queima de elo fusível; duas por equívoco de medição; e uma
durante realização de ajuste na medição;
3- No BC3: duas sem identificação de causa; duas por queima de elo fusível; uma por
degradação da tensão medida no tap do banco em função de vazamento de óleo
do transformador de potencial neste tap;
4- No BC4: uma sem identificação da causa;

Segundo FURNAS, o banco de capacitores é um equipamento composto de vários


componentes e conexões que quando sujeito a temperaturas elevadas podem ter alteradas
suas características de projeto, causando desequilíbrios entre as fases e gerando correntes de
desbalanço a valores de atuação de proteção. Uma vez desligados automaticamente, são
realizadas inspeções sendo que se nada de anormal for encontrado, classifica-se a causa como
indeterminadas, pois se esgotaram todas as ações para identificar a causa. Na tentativa de
restabelecimento pode ocorrer atuação da proteção em função desta mudança de
característica, justificando um reajuste de offset da proteção, que neste caso são classificadas
equivocadamente como “Erro de ajuste” pelo ONS. Os demais desligamentos dos
equipamentos ocorreram por queima de elos fusíveis.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


São José (processo nº 48500.002385/2013-68) e de ocorrência envolvendo a subestação
(48500.003327/2012-71), processos já finalizados na esfera administrativa com termo de
arquivamento.

Prognóstico:

O tema de desligamentos como causa indeterminada está na Campanha de Fiscalização para o


ano de 2016, e FURNAS foi convocada a apresentar Plano de Melhorias relacionados a este
item específico que será acompanhado por esta Superintendência.

Verificou-se que a principal fonte de desligamentos está relacionado a banco de capacitores.


Assim, por solicitação desta Superintendência, FURNAS foi demandada a apresentar Plano de
Melhorias para a redução dos desligamentos neste tipo de equipamento desta subestação,
que será acompanhado pela equipe da ANEEL.

O evento relacionado ao TR14 foi fugitivo e não se repetiu na janela avaliada. Assim, por ser
um desligamento pontual esta matéria não será item de acompanhamento diferenciado por
parte desta Superintendência. No entanto, o desempenho das ações realizadas pela empresa
estarão sendo monitorados continuamente através dos indicadores de desligamentos forçados
realizados por esta SFE, e caso os índices não sofram a melhora desejada, esta instalação
passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


97
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE TIJUCO PRETO - SP

No período selecionado foram analisados 16 desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado

30/9/14 8:20 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 9 SP Fusível Queima

Transformador de
13/10/14 23:19 SB 345 kV TIJUCO PRETO A1 SP Explosão
Corrente
29/10/14 5:36 TR 765 / 345 kV TIJUCO PRETO 7 SP Para-raio Explosão

4/11/14 10:15 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 4 SP Condutor Animais, Pássaros, Insetos

Transformador de
20/11/14 14:51 SB 345 kV TIJUCO PRETO A1 SP Explosão
Corrente
28/12/14 20:42 CS 330 / -220 MVar TIJUCO PRETO 1 SP Proteção Indeterminada
Transformador de
28/12/14 20:42 SB 345 kV TIJUCO PRETO A1 SP Explosão
Corrente

15/1/15 14:43 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 8 SP Fusível Queima

19/1/15 18:21 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 9 SP Fusível Queima

3/2/15 16:40 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 9 SP Fusível Rompimento/Desconexão

11/2/15 18:32 TR 765 / 345 kV TIJUCO PRETO 7 SP Proteção Baixa isolação fiação AC/DC
13/2/15 18:26 TR 765 / 345 kV TIJUCO PRETO 7 SP Proteção Baixa isolação fiação AC/DC

27/2/15 18:15 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 9 SP Unidade Capacitiva Falha

9/3/15 13:22 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 6 SP Unidade Capacitiva Falha

11/4/15 23:17 CS 330 / -220 MVar TIJUCO PRETO 1 SP Sistema de Excitação Defeito
Sem Localização
6/7/15 20:12 BC 345 kV 200 MVar TIJUCO PRETO 7 SP Indeterminada
Específica

Diagnóstico:

Oito ocorrências envolveram banco de capacitores. Uma no BC4 (04/11/2014) provocado pelo
contato de uma ave na fase branca do equipamento. Uma no BC6 (09/03/2015) por capacitor
danificado. Uma no BC7 (06/07/2015) sem identificação da causa. Uma no BC8 (15/01/2015)
por capacitor e elo fusível danificados. Quatro no BC9 por capacitor e elo fusível danificados.

Dois eventos relacionando o Compensador Síncrono tiveram origem no desligamento de


outros componentes, sendo o do dia 28/12/2014 relacionado ao desligamento dos
barramentos de 345kV e do dia 11/04/2015 relacionado ao distúrbio na LT 345kV Itapeti/Santo
Ângelo C2. Em ambos os casos FURNAS não conseguiu através das oscilografias do sistema de
excitação identificar a causa dos desligamentos.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


98
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
As três ocorrências envolvendo as barras foi por explosão de TC associado ao disjuntor DJ8404.
Em duas dessas ocorrências a explosão foi na fase Azul (13/10/2014 e 20/11/2014) e uma na
fase Vermelha (28/12/2014). Em todos os casos houve intervenções e retorno dos TCs
danificados. Conforme FURNAS, após testes realizados pelo CEPEL, a causa básica das falhas
está associada a deterioração do isolamento destas unidades que tem em torno de 35 anos de
operação.

A ocorrência do dia 29/10/2014 envolvendo o TR7 foi provocada por explosão do para-raios da
fase azul do terciário do transformador. A manutenção do para-raio foi concluída em
29/10/2014 (SGI nº 00.044.143-14). Interessante notar que o transformador autorizado pela
REA 2010/2009 entrou em operação comercial em 29/10/2014. Conforme FURNAS a provável
causa da explosão seria um transitório acima dos valores especificados, em função da primeira
energização desta unidade.

As ocorrências dos dias 11 e 13/02/2015 envolvendo o TR7 foram ocasionadas por baixa
isolação no cabeamento referente à proteção de pressão de gás, sendo a primeira ocorrência
na fase vermelha do comutador LTC1 do autotransformador e na segunda na fase vermelha do
comutador do LTC2. Em 27/04/2015 houve a substituição dos cabos e das micro switches das
válvulas de alívio de pressão do LTC1 e LTC2 (SGI nº 00.014.346-15).

O atraso das obras do 4º banco de autotransformadores de 765/345kV, 100MVA, composto de


três unidades monofásicas com 500MVA cada – T2009-135, foi fiscalizado (processos nº
48500.001882/2012-68 e 48500.000716/2014-14). A notificação da empresa se deu em abril
de 2012. Esse processo se encontrava apensado ao processo de TAC quando da elaboração
deste relatório.

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Tijuco Preto (processo nº 48500.002143/2013-74). Esse processo já se encontra finalizado na
esfera administrativa, com termo de arquivamento.

Prognóstico:

Devido o porte da subestação, a diversidade de causas, o caráter pontual destas, a solução das
falhas e a não recorrência do mesmo defeito na janela de análise, estas matérias não serão
item de acompanhamento diferenciado por parte desta Superintendência. No entanto, o
desempenho das ações realizadas pela empresa estarão sendo monitorados continuamente
através dos indicadores de desligamentos forçados realizados por esta SFE, e caso os índices
não sofram a melhora desejada, esta instalação passará por nova análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


99
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.1.4. Perturbações na Transmissora SMTE

A SMTE foi convocada através do Ofício nº 169/2016-SFE/ANEEL, de 20 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 04 de maio de 20168 para prestar
esclarecimentos relacionados aos desligamentos selecionados na sua rede.

Por meio da carta SGBH/OM/022/16, datada de 13 de maio de 2016, a SMTE complementou


as informações pendentes em decorrência da reunião.

LT 500 kV LUZIANIA / PARACATU 4 C 1 GO/MG

Linha de transmissão em operação comercial desde 18/02/2008 com 118km de extensão e


religamento automático configurado de 5s. No período selecionado foram analisados 12
desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
1/10/14 12:22 Condutor Vento Forte Bifásica
20/10/14 18:06 Condutor Vento Forte Bifásica
20/10/14 18:06 Condutor Vento Forte Bifásica
20/10/14 18:13 Condutor Vento Forte Bifásica
20/10/14 18:13 Condutor Vento Forte Bifásica
26/2/15 15:54 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
26/2/15 15:54 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
26/2/15 15:54 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
17/3/15 13:44 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
17/3/15 13:44 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
22/4/15 15:56 Condutor Vento Forte Bifásica
22/4/15 15:57 Condutor Vento Forte Bifásica

Diagnóstico:

Durante a análise percebeu-se duas causas como principal fonte de desligamentos, ambas
relacionadas a fenômenos naturais, a saber, vento forte e descarga atmosférica. As sete
ocorrências por vento forte se concentraram em três dias do ano e as cinco de descarga
atmosférica em dois.

Dez das doze ocorrências foram a 25km dos terminais das SEs, sendo quatro referenciados a
partir do terminal de Luziânia e seis do terminal de Paracatu 4.

Também em dez dos doze desligamentos ou o religamento não foi sustentado por reincidência
da falha ou não houve religamento por não ter decorrido o tempo de guarda da proteção. Em

8
Registro de reunião DOC SIC nº 48534.003385/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


100
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
uma das duas atuações bem sucedida do religamento , o mesmo não deveria ter sido realizado
pois o desligamento ocorreu dentro do tempo de guarda da proteção (ocorrência do dia
26/02/2015 às 15:54h).

Durante a análise verificou-se que havia um erro de ajuste no tempo de guarda, configurado
para 30s onde o correto era 60s. Conforme informações da SMTE a troca do ajuste foi
realizada em 20/03/2015.

Mesmo com o reajuste do tempo de guarda, ocorreu no dia 22/04/2015, nova atuação do
religamento sem a decorrência do tempo de guarda. A SMTE alegou que o problema ocorreu
na unidade de proteção alternada do terminal da SE Luziânia por um atraso de processamento
do bloco temporizador de bloqueio da lógica de religamento utilizado na proteção alternada e
não no ajuste de tempo do reclaim time. O bloco temporizador foi substituído por outro com
tempo de processamento menor (6ms, o anterior era de 200ms) em 29/05/2015.

Quanto a distribuição por fase, percebeu-se que nas ocorrências fase-terra, todas envolveram
a fase Branca. Já nas bifásicas a divisão é de seis envolvendo as fases Azul-Branca e 3
envolvendo as fases Vermelha-Azul.

Nos esclarecimentos prestados pela SMTE na reunião do dia 04/05/2016 a empresa


apresentou a classificação de todos os desligamentos rotulados no SIPER como descarga
atmosférica como também sendo causados por vento forte.

Conforme informado pela empresa, as faltas monofásicas se deram por aproximação entre os
cabos condutores e a estrutura.

Já para as faltas bifásicas a empresa alega que os eventos ocorrem quando da transição entre
dois tipos de estruturas de torre, sendo estas a raquete e cross rope. Ainda segundo a SMTE, a
análise dos desligamentos mostrou que a incidência dos curtos ocorrem no meio dos vão, em
função de balanço assíncrono dos cabos condutores.

Ciente do problema desde 2010, a empresa alegou ter realizado uma primeira tentativa para
redução dos desligamentos com a instalação de isoladores separadores nas torres do tipo
raquete, no decorrer dos anos de 2010 e 2011, em vão cujos desligamentos eram frequentes.
No entanto, essa solução não surtiu o efeito desejado.

Como o efeito desejado não foi alcançado com a solução descrita anteriormente, a SMTE alega
ter realizado, no decorrer dos anos de 2014 e 2015, a instalação de isoladores separadores no
meio dos vãos com maior incidência de desligamentos por ventos fortes.

Por não ser uma solução convencional a SMTE está verificando a eficiência da solução ao longo
do tempo e analisando a durabilidade dos isoladores separadores e integridade dos cabos
condutores.

O agente apresentou cronograma de atividades contendo etapas de estudo, implantação e


análise das soluções.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


101
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 32 – Torre 157 da LT 500kV Figura 33 – Torre 50 da LT 500kV
Luziânia/Paracatu 4 Luziânia/Paracatu 4

Figura 34 – Instalação de isoladores Figura 35 – Isoladores separadores instalados


separadores no meio do vão no meio do vão

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Luziânia (processo nº 48500.004461/2015-31), com notificação da empresa em dezembro de
2015, onde, entre outros assuntos, também foram levantadas as ocorrências relacionadas a LT
500kV Luziânia/Paracatu 4 (anos de 2012 a 2015). Esse processo se encontrava em fase de
elaboração do Auto de Infração quando da elaboração do presente relatório.

Prognóstico:

A maior problemática da linha sob análise é o desempenho desta com relação a vento forte.
Por solicitação desta Superintendência, a SMTE foi demandada a apresentar Plano de
Melhorias para a redução dos desligamentos motivados pela presente causa, que será
acompanhado pela equipe da ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


102
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 500 kV SERRA MESA 2 / LUZIANIA C 1 GO

Linha de transmissão em operação comercial desde 30/05/2008 com 310km de extensão e


religamento automático configurado de 5s. No período selecionado foram analisados 17
desligamentos, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
21/8/14 15:29 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
10/9/14 13:41 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/9/14 14:10 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
1/10/14 13:52 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
2/10/14 16:54 Condutor Vento Forte Bifásica
28/10/14 23:58 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica-Terra
22/11/14 13:22 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
22/11/14 14:26 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
5/12/14 16:29 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
23/12/14 6:25 Condutor Rompimento/Desconexão Fase-Terra
31/12/14 2:37 Condutor Vento Forte Bifásica
31/12/14 6:18 Condutor Vento Forte Bifásica
31/12/14 6:19 Condutor Vento Forte Bifásica
21/1/15 13:08 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
10/2/15 17:48 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/4/15 13:49 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
5/4/15 14:45 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica

Diagnóstico:

Durante a análise percebeu-se duas causas como principal fonte de desligamentos, ambas
relacionadas a fenômenos naturais, a saber, vento forte e descarga atmosférica. As quatro
ocorrências por vento forte se concentraram em dois dias do ano e as cinco de descarga
atmosférica em quatro.

Verificou-se que em cinco ocasiões a causa não estava classificada no sistema SIPER do ONS.

No período de análise existiram dois eventos por queimada e um por rompimento de cabo
condutor.

Não foi possível identificar um padrão de localização das faltas, nem de envolvimento de fases.

Em nove dos dezessete desligamentos ou o religamento não foi sustentado por reincidência da
falha ou não houve religamento por não ter decorrido o tempo de guarda da proteção, sendo
que em duas ocasiões este estava desabilitado por serviços de outro agente em trecho de

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


103
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
cruzamento com a linha de transmissão. Nas oito ocasiões restantes o religamento atuou com
sucesso.

Identificou-se que em 04/05/2015, através do SGI nº 00.017.759-15, foi realizada a retirada de


acessórios de isoladores poliméricos da LT 500kV Luziânia/Samambaia C1 para serem
instalados na LT 500kV Serra da Mesa 2/Luziânia C1 (SGI nº 00.017.761-15). Observou-se que
após essa atividade, na janela de monitoramento de fevereiro de 2015 a janeiro de 2016,
surgiu um desligamento no dia 07/10/2015 na LT 500kV Luziânia/Samambaia C1 classificado
como vento forte.

Observando o desempenho da LT 500kV Serra da Mesa 2/Luziânia C1 no período de agosto de


2015 a janeiro de 2016, verificou-se 16 desligamentos, onde oito deles estão classificados
como vento forte e sete como descarga atmosférica.

Nos esclarecimentos prestados pela SMTE na reunião do dia 04/05/2016 a empresa


apresentou a classificação de todos os desligamentos rotulados no SIPER como indeterminada
e com natureza elétrica bifásica como também sendo causados por vento forte (três casos).
Para as de natureza elétrica monofásica, o agente classificou o evento do dia 10/09/2014
como queimada e o do dia 10/02/2015 como descarga atmosférica.

Com relação ao desempenho frente a ventos fortes o agente afirma ter ciência do problema
desde 2010. A empresa alegou ter realizado uma primeira tentativa para redução dos
desligamentos com a instalação de isoladores separadores nas torres do tipo raquete, no
decorrer dos anos de 2010 e 2011, em vão cujos desligamentos eram frequentes. No entanto,
essa solução não surtiu o efeito desejado.

Como o efeito desejado não foi alcançado com a solução descrita, a SMTE alega ter realizado,
no decorrer dos anos de 2014 e 2015, a instalação de isoladores separadores no meio dos vãos
com maior incidência de desligamentos por ventos fortes.

Por não ser uma solução convencional a SMTE está verificando a eficiência da solução ao longo
do tempo e analisando a durabilidade dos isoladores separadores e integridade dos cabos
condutores.

O agente apresentou cronograma de atividades contendo etapas de estudo, implantação e


análise das soluções.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


104
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 36 – Instalação de isoladores Figura 37 – Isoladores separadores instalados
separadores no meio do vão no meio do vão

Sobre a transferência de isoladores separadores da LT 500kV Samambaia/Luziânia C1 para a LT


500kV Serra da Mesa 2/Luziânia C1, a SMTE informou que a instalação da LT 500kV
Samambaia/Luziânia C1 em Novembro/2014 (SGI nº 00.045.636-14) teve com o objetivo
avaliar a eficácia da solução adotada como projeto piloto. Análises realizadas pela empresa
identificaram a necessidade de instalação dos isoladores-separadores na a LT 500kV Serra da
Mesa 2/Luziânia C1, devido a frequência superior de desligamentos forçados causados pela
aproximação dos cabos condutores quando submetidos a fortes rajadas de ventos, sendo o
projeto então transferido para esta linha de transmissão.

Com relação ao desempenho frente a descargas atmosféricas o agente alega estar estudando
soluções desde 2013 visando a redução da resistência de aterramento das torres das linhas de
transmissão de 500kV. Conforme informado pela SMTE a análise dos sistemas de aterramento
existentes e o estudo de melhorias já foram realizados, sendo prevista para o segundo
semestre de 2016 a implantação da solução recomendada: melhoria do sistema de
aterramento (cabo contrapeso) aplicado de forma a diminuir a resistência de aterramento.

O agente apresentou cronograma de atividades contendo etapas de estudo, implantação e


análise das soluções.

Com relação a queimadas, o agente não apresentou informações adicionais relacionadas ao


desligamento do dia 01/10/2014. Para o desligamento do dia 21/08/2014 a SMTE alega que a
limpeza da faixa estava programada e teve início no dia 01/09/2014. Já para o evento do dia
10/09/2014 o agente alega que o vão atingido está sobre vegetação nativa do cerrado e não
permite o corte raso.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


105
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 38 – Vão nº 25 atingido pela queimada Figura 39 – Vão nº 565 atingido pela
dia 21/08/2014 queimada dia 10/09/2014
No caso do rompimento de cabo condutor, no dia 23/12/2014, a SMTE retornou com a LT em
operação no mesmo dia às 16:47h (SGI nº 00.052.725-14).

Em levantamento das ações fiscalizadoras feitas, se identificou a fiscalização de O&M na SE


Luziânia (processo nº 48500.004461/2015-31), com notificação da empresa em dezembro de
2015, onde, entre outros assuntos, também foram levantadas as ocorrências relacionadas a LT
500kV Serra da Mesa 2/Luziânia C1 (anos de 2012 a 2015). Esse processo se encontrava em
fase de elaboração do Auto de Infração quando da elaboração do presente relatório.

Prognóstico:

A maior problemática da linha sobre análise é o desempenho desta com relação a vento forte
e descarga atmosférica. Por solicitação desta Superintendência, a SMTE foi demandada a
apresentar planos de melhorias para a redução dos desligamentos motivados pelas presentes
causas, que serão acompanhados pela equipe da ANEEL.

Os temas de queimada e queda de cabo condutor, por não serem a principal problemática no
desempenho dessa linha de transmissão, não merecem atividades específicas por parte da
fiscalização. No entanto, o desempenho das ações realizadas pela empresa estarão sendo
monitorados continuamente através dos indicadores de desligamentos forçados realizados por
esta SFE, e caso os índices não sofram a melhora desejada, esta instalação passará por nova
análise em ciclo posterior.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


106
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2. Perturbações ocorridas nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Pará

Os critérios de seleção elegeram o total de 105 desligamentos envolvendo as estados de Mato


Grosso, Mato Grosso do Sul e Pará, sendo estes em 10 instalações, das quais 5 são
Subestações e 5 Linhas de Transmissão. A distribuição percentual com relação aos 1.142
desligamentos sob análise deste relatório está demostrada na Figura 40.

Figura 40 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para


análise

Figura 41 – Estados com instalações analisadas (MS, MT e PA)

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


107
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A Tabela 11 apresenta um resumo das perturbações analisadas.

Tabela 11 – Resumo das perturbações analisadas nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso
do Sul e Pará

Perturbações Corte de
Total de
Transmissora Instalação com Corte de Carga Total
Desligamentos
Carga no Período
LT 230 kV ANASTACIO / SIDROLANDIA 2 C 1
BRILHANTE MS 1 39,11 7
BRILHANTE LT 230 kV CHAPADAO / IMBIRUSSU C 1 MS 0 0,00 25
EATE SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE) 0 0,00 1
EBTE LT 230 kV JUBA / BRASNORTE C 1 MT 0 0,00 12
ELETRONORTE LT 230 kV NOBRES / NOVA MUTUM C 1 MT 0 0,00 10
ELETRONORTE SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE) 0 0,00 12
ELETRONORTE SE RUROPOLIS 2 119,00 5
ELETRONORTE SE VILA DO CONDE 0 0,00 20
ENTE SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE) 0 0,00 2
ITATIM LT 230 kV CHAPADAO / INOCENCIA C 3 MS 0 0,00 11

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


108
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2.1. Perturbações na Transmissora BRILHANTE

A BRILHANTE foi convocada através do Ofício nº 172/2016-SFE/ANEEL, de 22 de abril de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 18 de abril de 20169 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos de causa indeterminada).

LT 230 kV ANASTACIO / SIDROLANDIA 2 C 1 MS

Linha de transmissão em operação comercial desde 12/11/2010 com 105,1km de extensão.


Possui religamento automático (RA) de 5s tripolar, cujo terminal líder é a SE Sidrolândia 2.
Quadro resumo das perturbações
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
13/8/14 5:28 Condutor Vento Forte Fase-Terra
18/10/14 19:47 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
22/1/15 21:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
31/1/15 11:09 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
6/2/15 13:09 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
15/4/15 18:44 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
20/4/15 19:38 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 7 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 4 ocorrências por descargas atmosféricas (4 RA com sucesso);


 2 ocorrências com causa indeterminada (1 RA com sucesso e 1 sem);
 1 ocorrência por queimada (RA com sucesso). Houve corte de 39,11 MW de carga. No
entanto, esse corte foi devido aos desligamentos das LTs 138 kV Corumbá – Corumbá 2
circuitos 1 e 2, somente nos terminais de Corumbá 2, pelas atuações incorretas das
respectivas proteções de sobretensão (linhas de transmissão sob concessão da
Energisa MS).

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

9
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003442/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


109
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
; 0; 0%
; 0; 0%
Queimada / Fogo sob a
Linha; 1; 14%

Indeterminada; 2; 29% Descarga Atmosférica;


4; 57%

Figura 42 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS

Constata-se que a causa principal dos desligamentos da linha de transmissão sob análise é
descarga atmosférica (4 ocorrências, representando 57% dos desligamentos), seguida pela
classificação causa indeterminada (2 ocorrências, representando 29% dos desligamentos).
Segundo estabelecido no Submódulo 2.4 dos Procedimentos de Rede, o limite de
desligamentos por descargas atmosféricas para LTs de 230kV é de 2 desligamentos por 100 km
por ano. Desse modo, a LT sob análise ficou no limite desse tipo de desligamento, podendo ser
superado caso algum dos desligamentos classificados como causa indeterminada seja
reclassificado como descarga atmosférica.

Faz necessário realizar uma observação com relação ao critério de seleção utilizado para a
análise dos desligamentos da LT 230 kV Anastácio/ Sidrolândia 2 C1. Esta linha de transmissão
havia sido selecionada para análise devido ao fato de apresentar 7 desligamentos forçados na
janela de observação, sendo que um desses desligamentos havia provocado corte de carga. No
entanto, após a realização dos trabalhos analíticos, a SFE constatou que o corte de carga
verificado foi em decorrência do desligamento de outras linhas de transmissão de 138 kV,
cujas concessões pertencem à concessionária Energisa MS, por atuações incorretas das
respectivas proteções de sobretensão. Contudo, optou-se por manter a linha de transmissão
no rol de análise pelo fato de terem sido constatados vários desligamentos por descargas
atmosféricas e causas indeterminadas, causas essas que podem ser gerenciadas pela
transmissora.

Durante a análise das localizações das faltas, um fato que despertou dúvidas foi a localização
da falta do dia 15/4/2015 às 18h44min informada pela Brilhante no SIPER. Consta que o curto-
circuito ocorreu a 110 km do terminal Anastácio. Entretanto, a LT 230 kV Anastácio /
Sidrolândia 2 C 1 possui somente 105,1 km de comprimento, o que indicaria que a falta teria
ocorrido fora da linha de transmissão sob análise. Após ser questionada sobre o fato durante a
reunião na sede da ANEEL, a Brilhante esclareceu, por meio da correspondência Celeo Redes
017/16, de 19/5/2016, que a localização correta da falta seria a 92,7km do terminal Anastácio.

Conforme apresentado na Figura 43 a seguir, considerando-se os trechos resultantes da


transposição completa da linha de transmissão, observou-se que houve uma concentração de
5 desligamentos (71% do total) no quarto trecho da linha de transmissão e 2 desligamentos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


110
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
(29% do total) no terceiro trecho da linha de transmissão, tendo como origem o terminal da SE
Anastácio. Todas as faltas foram monofásicas e todas as fases estiveram envolvidas, com
predominância das fases A e C (3 envolvimentos de cada). Na Figura 44 estão mostradas as
localizações das faltas separadas pelas respectivas causas, tendo como referência o
comprimento total da LT em percentuais.

Figura 43 – Localização das faltas da LT 230 kV Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS considerando


as transposições

Figura 44 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS

A Figura 45 mostra a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015). Não se constatou um padrão evidente para as ocorrências.

No dia 9/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e de
representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por meio da correspondência Celeo Redes
017/16, de 19/5/2016, protocolada na ANEEL em 20/5/201610.

A SFE questionou o motivo pelo qual o religamento automático da linha de transmissão


durante a ocorrência do dia 18/10/2014 às 19h47min não obteve sucesso e se havia sido
providenciada a correção do problema.

10
DOC SIC nº 48513.012370/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


111
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 45 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV
Anastácio / Sidrolândia 2 C 1 MS

A concessionária respondeu primeiramente que a ocorrência em destaque havia sido


classificada como causa indeterminada no SIPER devido a falha durante a consistência das
informações. Segundo consta no relatório de inspeção enviado pela empresa (Informe de OeM
nº 0000014 de 29/10/2014), a causa correta do desligamento foi vento forte. Nesse
documento foram apresentadas evidências de que houve descarga da fase A para a estrutura
da torre 108 e que havia diversas árvores tombadas próximas ao local da ocorrência,
reforçando a justificativa da nova classificação da causa do desligamento. Desse modo, é
razoável aceitar que o religamento automático da linha de transmissão não tenha tido sucesso
devido à aproximação entre o cabo condutor e a estrutura por tempo prolongado.

Adicionalmente, a concessionária informou que em agosto de 2015 foi realizado um evento


interno de capacitação, com participação de representantes do ONS, objetivando a melhoria
da qualidade na consistência das informações prestadas pela equipe no SIPER.

A SFE questionou sobre as ações que a concessionária está tomando visando às reduções dos
desligamentos por descargas atmosféricas e por causas indeterminadas.

Com relação às causas indeterminadas, a concessionária respondeu que irá incluir no SGPMI,
ainda em 2016, a instalação de localizadores por ondas viajantes na LT 230kV
Anastácio/Sidrolândia 2 C1. Quanto às descargas atmosféricas, foi informado que os
indicadores desse tipo de desligamento estão sendo monitorados e que, com a melhoria na
precisão da localização das faltas, serão implantadas as melhorias necessárias no sistema de
aterramento da LT.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


112
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

As principais causas de desligamentos da LT 230kV Anastácio/Sidrolândia 2 C1 foram descargas


atmosféricas (4 desligamentos) e causa indeterminada (2 desligamentos). Ressalta-se que o
limite de desligamentos por descargas atmosféricas definido no Submódulo 2.4 dos
Procedimentos de Rede não foi excedido durante a janela de tempo analisada. Cabe destacar
que a referida linha de transmissão somente entrou no ROL das instalações sob análise da SFE
devido a um dos 7 desligamentos ter provocado corte de carga, segundo consta no SIPER,
sendo esse fato descaracterizado após análise detalhada da ocorrência.

A concessionária informou que está tomando providências no sentido de melhorar a


capacitação da equipe no preenchimento e na consistência das informações no SIPER e que irá
incluir no SGPMI a instalação de localizador de faltas por ondas viajantes a fim de se aumentar
a precisão na localização dos defeitos. Quanto às descargas atmosféricas, está monitorando os
indicadores e irá, se necessário, realizar melhorias no aterramento da linha de transmissão.

Com base no exposto, a SFE decidiu por não solicitar, por enquanto, planos de melhorias
específicos para a LT 230kV Anastácio/Sidrolândia 2 C1. No entanto, o desempenho e as
classificações das ocorrências dessa linha de transmissão continuarão a ser monitorados por
esta Superintendência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


113
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV CHAPADAO / IMBIRUSSU C 1 MS

Linha de transmissão em operação comercial desde 26/8/2012 com 321,4km de extensão.


Possui religamento automático (RA) de 5s tripolar, cujo terminal líder é a SE Chapadão.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
24/9/14 12:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/10/14 15:25 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
1/10/14 15:32 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
17/10/14 13:57 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
18/10/14 21:01 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
19/10/14 18:42 Condutor Vento Forte Fase-Terra
23/10/14 16:45 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
3/11/14 17:25 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
10/11/14 22:18 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
10/12/14 23:32 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/12/14 23:33 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica-Terra
15/12/14 16:53 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
31/12/14 21:16 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
10/1/15 18:33 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/1/15 18:36 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/1/15 21:21 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
20/1/15 0:29 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
31/1/15 15:17 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
4/3/15 14:52 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
6/3/15 5:34 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
26/3/15 21:30 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica-Terra
5/5/15 19:53 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
8/7/15 22:47 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica-Terra
9/7/15 5:10 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
11/7/15 8:10 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 25 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 18 ocorrências por descargas atmosféricas (15 RA com sucesso e 3 sem);


 5 ocorrências com causa indeterminada (4 RA com sucesso e 1 sem);
 1 ocorrência por queimada (RA com sucesso);
 1 ocorrência por vento forte (RA com sucesso).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


114
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 46 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C 1 MS

Constata-se que a causa principal dos desligamentos da linha de transmissão sob análise é
descarga atmosférica (18 ocorrências, representando 72% dos desligamentos), seguida pela
classificação causa indeterminada (5 ocorrências, representando 20% dos desligamentos).
Segundo estabelecido no Submódulo 2.4 dos Procedimentos de Rede, o limite de
desligamentos por descargas atmosféricas para linhas de transmissão de 230kV é de 2
desligamentos por 100 km por ano. Desse modo, o limite para a linha de transmissão sob
análise seria de 8 desligamentos durante a janela de um ano analisada, o qual foi excedido em
10 desligamentos.

Conforme apresentado na Figura 47 a seguir, considerando-se os trechos resultantes da


transposição completa da linha de transmissão, observou-se que houve uma concentração de
14 desligamentos (56% do total) no terceiro trecho da linha de transmissão, tendo como
origem o terminal da SE Imbirussu. Houve predominância de faltas monofásicas (21
desligamentos, representando 84% do total) e todas as fases estiveram envolvidas, com
predominância das fases B e C (13 envolvimentos de cada). Na Figura 47 estão mostradas as
localizações das faltas separadas pelas respectivas causas, tendo como referência o
comprimento total da linha de transmissão em percentuais.

Figura 47 – Localização das faltas da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C 1 MS considerando as


transposições

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


115
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 48 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C 1 MS

A Figura 49 mostra a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015). Constata-se a predominância de desligamentos no período entre
outubro de 2014 e janeiro de 2015 (17 desligamentos, representando 68% do total).

Figura 49 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV


Chapadão / Imbirussu C 1 MS

No dia 9/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e de
representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por meio da correspondência Celeo Redes
017/16, de 19/5/2016, protocolada na ANEEL em 20/5/201611.

Primeiramente, a concessionária informou que havia algumas divergências entre as bases de


dados do SIPER (ONS) e da empresa com relação às classificações das causas dos

11
DOC SIC nº 48513.012370/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


116
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
desligamentos forçados. Tais divergências deviam-se a falhas no momento da consistência das
informações no SIPER pela equipe da própria empresa.

A SFE questionou o motivo pelo qual o religamento automático da LT não obteve sucesso
durante as ocorrências dos dias 23/10/2014 às 16h45min, 19/1/2015 às 21h21min e
20/1/2015 às 0h29min, as quais foram classificadas como descarga atmosférica.

Em resposta, a concessionária apresentou relatórios de inspeção referentes a cada uma das


três ocorrências destacadas (Informes de OeM nº 01447 de 29/10/2014, nº 001580 de
21/1/2015 e nº 001578 de 23/1/2015), por meio dos quais reclassificou as causas das
ocorrências (uma por causa indeterminada e duas por vento forte). Desse modo, seria
aceitável o insucesso do religamento automático, haja vista o defeito estar supostamente
mantido no momento da atuação do religamento.

Adicionalmente, a concessionária informou que em agosto de 2015 foi realizado um evento


interno de capacitação, com participação de representantes do ONS, objetivando a melhoria
da qualidade na consistência das informações prestadas pela equipe no SIPER.

A SFE questionou sobre as ações que a concessionária está tomando visando às reduções dos
desligamentos por causas indeterminadas e por descargas atmosféricas.

Com relação às causas indeterminadas, a concessionária respondeu que está implantando


localizadores de faltas por ondas viajantes nas SEs Chapadão e Imbirussu. A SFE consultou o
SGPMI e constatou que a Brilhante solicitou a inclusão dessas instalações no PMI no dia
12/8/2014 (Num. Obra 001387/2014 e 001388/2014) e que o ONS as cancelou para efeito de
PMI no dia 13/8/2014 com a justificativa de que foram aprovadas e que iriam compor o Anexo
do PAR. Essas obras foram incluídas pelo MME, em abril/2016, no documento “Consolidação
de Obras de Transmissão – Volume III – Reforços de Pequeno Porte – Período 2015 a 2017”
como sendo reforços a serem implementados pela Brilhante mediante autorização da ANEEL e
ressarcimento por meio de reajuste na RAP após a entrada em operação, conforme disposto
na Resolução Normativa nº 443/2011. No momento da elaboração deste relatório, a minuta da
Resolução Autorizativa ainda se encontrava sob análise da Diretoria da ANEEL. A Brilhante
informou que necessitará de 10 meses para a implantação dos reforços após serem
autorizados.

Quanto às descargas atmosféricas, foram apresentados estudo de melhorias realizados em


março de 2014 referentes aos valores das resistências de aterramento da linha de transmissão
e foi informado que a concessionária implantou tais melhorias no período de maio a outubro
de 2014. Segundo a empresa, o desempenho anual da linha de transmissão com relação a
descargas atmosféricas vem melhorando e se aproximando do limite estabelecido no
Submódulo 2.4 dos Procedimentos de Rede. Desse modo, a principal ação em andamento
atualmente consiste na melhoria da qualidade na identificação das causas dos desligamentos a
fim de se reduzir a quantidade de causas indeterminadas e melhorar a confiabilidade do
indicador de desempenho.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


117
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

A principal causa de desligamentos da LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C1 foi descargas


atmosféricas (18 desligamentos). Ressalta-se que o limite de desligamentos por descargas
atmosféricas definido no Submódulo 2.4 dos Procedimentos de Rede foi excedido em 10
desligamentos durante a janela de tempo analisada. Ademais, foram constatados 5
desligamentos classificados como causa indeterminada nesse período.

A concessionária informou que está tomando providências no sentido de melhorar a


capacitação da equipe no preenchimento e na consistência das informações no SIPER e que já
foi incluída no SGPMI a solicitação para instalação de localizador de faltas por ondas viajantes
a fim de se aumentar a precisão na localização dos defeitos. A SFE constatou que esse reforço
consta em minuta de Resolução Autorizativa a ser aprovada e publicada pela Diretoria da
ANEEL. A concessionária informou que, tão logo seja autorizada a realizar o empreendimento,
deverá concluí-lo no prazo máximo de dez meses. Desse modo, a SFE entende não ser
pertinente, por enquanto, solicitar Plano de Melhoria especificamente para a redução das
causas indeterminadas de desligamentos da linha de transmissão.

Quanto aos desligamentos forçados por descargas atmosféricas, a SFE solicitou, por meio do
Ofício nº 229/2016-SFE/ANEEL de 19/5/2016, um Plano de Melhoria objetivando a redução
drástica dessa causa de desligamentos na LT 230 kV Chapadão / Imbirussu C1. A data fixada
para entrega do Plano de Melhoria solicitado para avaliação da SFE foi 1º de junho de 2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


118
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2.2. Perturbações na Transmissora EATE

A EATE foi convocada através do Ofício nº 160/2016-SFE/ANEEL, de 20 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 2 de maio de 201612 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos.

SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE)

Banco de capacitores série 500 kV 279 MVar BC3, em operação comercial desde 1º/2/2003,
conectado à LT 500 kV Marabá/Tucuruí C3.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
24/4/15 14:00 BS 500 kV 279 MVar MARABA 3 PA Proteção Acidental - Serviços/Testes

Diagnóstico:

Foi verificada uma ocorrência no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de
2015), cuja causa informada no SIPER foi desligamento acidental durante serviços e testes.
Cabe destacar que o referido desligamento foi selecionado para compor o rol da análise
porque a SE Marabá como um todo apresentou um quantitativo igual ou superior a 10
desligamentos durante a janela analisada.

A SFE constatou que houve atuação acidental da proteção do banco de capacitores série BC3
durante uma intervenção para correção de falhas no seu sistema de proteção. Tal atuação da
proteção foi motivada por uma falha durante a substituição de um módulo de comunicação. A
concessionária informou que a equipe de manutenção identificou um travamento pontual no
sistema de controle e proteção MACH2 B que ocasionou o by pass do BC3. Após o
reestabelecimento do sistema, não se verificaram alarmes ou sinalizações de problemas no
supervisório, permanecendo o sistema disponível e sem restrições. Ademais, a SFE constatou
que a ausência de registros no SGI da realização dessa intervenção.

Questionada sobre os motivos de não haver registros no SGI, a concessionária informou que a
intervenção foi classificada como Tipo 4, a qual deve ser informada em tempo real ao ONS,
sendo este o motivo por não constar no SGI.

Com relação ao processo de intervenção, a concessionária informou que possui um contrato


de OeM firmado junto à ELETRONORTE, sendo essa empresa a responsável pela realização das
intervenções no BC3. Além disso, foi informado que, por critério de segurança, a EATE mantém
em tempo integral na SE Marabá um Analista Pleno de Proteção e Controle altamente
capacitado no sistema de proteção e controle de bancos série.

12
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003392/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


119
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

Com base nas análises realizadas, a SFE decidiu por não solicitar, por enquanto, planos de
melhorias específicos para o Banco de capacitores série 500 kV 279 MVar BC3 da SE Marabá
por entender que a ocorrência analisada decorreu de um problema pontual. No entanto, o
desempenho e as classificações das ocorrências desse equipamento continuarão a ser
constantemente monitorados por esta Superintendência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


120
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2.3. Perturbações na Transmissora EBTE

A EBTE foi convocada através do Ofício nº 160/2016-SFE/ANEEL, de 20 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 2 de maio de 201613 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos.

LT 230 kV JUBA / BRASNORTE C 1 MT

Linha de transmissão em operação comercial desde 20/12/2010 com 232 km de extensão.


Possui religamento automático (RA) de 5s tripolar, cujo terminal líder é a SE Juba.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
23/9/14 16:07 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
18/10/14 15:27 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
18/10/14 15:47 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica-Terra
12/12/14 2:56 Teleproteção Indeterminada Sem Natureza Elétrica
17/12/14 17:03 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Trifásico-Terra
21/12/14 17:25 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
5/2/15 14:15 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
27/3/15 1:49 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
6/4/15 1:02 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
6/4/15 1:04 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
16/4/15 13:09 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
16/4/15 14:47 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 12 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 11 ocorrências por descargas atmosféricas (8 RA com sucesso e 3 sem);


 1 ocorrência com causa indeterminada (RA não atuou devido à recepção indevida de
sinal de TDD mantido no terminal Juba).

Constata-se que a causa principal dos desligamentos da linha de transmissão sob análise é
descarga atmosférica (11 ocorrências, representando 92% dos desligamentos). Segundo
estabelecido no Submódulo 2.4 dos Procedimentos de Rede, o limite de desligamentos por
descargas atmosféricas para linhas de transmissão de 230kV é de 2 desligamentos por 100 km

13
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003392/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


121
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
por ano. Desse modo, o limite para a linha de transmissão sob análise seria de 6 desligamentos
durante a janela de um ano analisada, o qual foi excedido em 5 desligamentos.

Cabe destacar que, segundo informado pela concessionária no SIPER, o desligamento


classificado como causa indeterminada ocorreu no dia 12/12/2014 às 2h58min somente no
terminal da SE Juba e foi provocado por recepção de transferência de disparo (TDD mantido)
por atuação do esquema de teleproteção da linha de transmissão. Não foi observado um
defeito na linha que pudesse ter provocado o desligamento. Desse modo, não é possível incluir
esse desligamento na análise de localização das faltas ao longo da linha de transmissão nem na
análise dos tipos de curto-circuitos e das fases envolvidas.

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 50 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Juba / Brasnorte C 1 MT

Conforme apresentado na Figura 50 a seguir, considerando-se os trechos resultantes da


transposição completa da linha de transmissão, observou-se que houve uma concentração de
6 desligamentos (55% do total) no terceiro trecho da linha de transmissão, tendo como origem
o terminal da SE Brasnorte. Houve predominância de faltas monofásicas (9 desligamentos,
representando 82% do total) e todas as fases estiveram envolvidas (5 envolvimentos da fase A,
5 envolvimentos da fase B e 4 envolvimentos da fase C). Na Figura 52 estão mostradas as
localizações das faltas separadas pelas respectivas causas, tendo como referência o
comprimento total da linha de transmissão em percentuais.

Figura 51 – Localização das faltas da LT 230 kV Juba / Brasnorte C 1 MT considerando as


transposições

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


122
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 52 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Juba / Brasnorte C 1 MT

A Figura 53 mostra a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015).

Figura 53 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV JUBA /


BRASNORTE C1 MT

No dia 2/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e de
representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por meio da correspondência CA EBTE –
072/2016, de 11/5/2016, protocolada na ANEEL em 13/5/201614.

A SFE questionou sobre quais ações a concessionária está tomando visando à redução dos
desligamentos por descargas atmosféricas e se há algum erro no projeto de coordenação de
isolamento da LT 230kV Juba/Brasnorte C1.

A concessionária informou que já realizou avaliações em campo das condições do sistema de


aterramento da linha de transmissão e identificou valores de resistência elevados em diversas

14
DOC SIC nº 48513.011792/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


123
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
torres, com destaque para os trechos entre as estruturas 99 a 109 e 320 a 358. Desse modo,
no ano de 2015 foram implementadas algumas ações objetivando a redução dos valores das
“resistências de pé de torre”, quais sejam:

a) Verificações no sistema de aterramento existente com o intuito de identificar


eventuais corrosões ou maus contatos nas conexões enterradas. Não foram
identificadas evidências de problemas;
b) Ampliação da área de contato do sistema de aterramento consistindo no lançamento
de novas fases de aterramento nas estruturas 357 e 359;
c) Instalação de sistema de aterramento complementar através de eletrodos
baroquímicos verticais nas bases das torres dos trechos 327 a 329 e 350 a 352.

Como resultado das ações realizadas, a concessionária informou que já se observaram


melhoras no desempenho da linha de transmissão, tendo em vista a redução dos
desligamentos forçados provocados por descargas atmosféricas no período de dezembro de
2015 a maio de 2016. Ademais, a empresa informou que está implantando melhorias
adicionais para a resolução definitiva do problema, consistindo na instalação de cabos
contrapeso contínuos nos trechos considerados mais críticos visando à redução das
resistências de aterramento para valores inferiores a 15 ohms. A seguir é mostrada uma
ilustração da solução em implantação:

Figura 54 – Propostas de instalação de cabos contrapeso contínuos nos trechos mais críticos da
LT 230 kV Juba / Brasnorte C1 MT

A seguir é mostrada a programação realizada pela empresa para a instalação dos cabos
contrapeso nos trechos mais críticos da linha de transmissão:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


124
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Tabela 12 – Definição dos trechos e programações de instalação dos cabos contrapeso
contínuos na LT 230 kV Juba / Brasnorte C1 MT

Segundo estimativas da concessionária, a previsão é de que o serviço esteja concluído até o


final de 2016.

Com relação ao questionamento sobre a possibilidade da existência de erros no projeto de


coordenação de isolamento da linha de transmissão, a concessionária respondeu que essa
possibilidade está afastada, haja vista terem sido contratadas empresas renomadas para a
execução de todas as etapas de construção da linha de transmissão, as quais observaram
criteriosamente os padrões técnicos nacionais e internacionais (ABNT e IEC-ANSI) e os
requisitos do edital do Leilão ANEEL 004/2008.

A SFE questionou o motivo pelo qual o religamento automático da linha de transmissão não
obteve sucesso durante as ocorrências dos dias 23/9/2014 às 16h7min, 18/10/2014 às
15h47min e 6/4/2015 à 1h2min, as quais foram classificadas como descarga atmosférica.

Em resposta, a concessionária informou que, para os dois primeiros desligamentos destacados


(dias 23/9/2014 e 18/10/2014), as informações prestadas no SIPER pela própria concessionária
não foram suficientes. Após a realização das devidas inspeções em campo, constataram-se
cadeias de isoladores danificadas provavelmente durante as descargas atmosféricas que
provocaram as faltas. No momento em que o religamento automático atuou, após 5 segundos
dos desligamentos, os mesmos curtos-circuitos foram reestabelecidos, atuando a lógica SOTF e
desligando novamente a linha de transmissão. Quanto ao desligamento do dia 6/4/2015, o
religamento automático não obteve sucesso por falta de condições de sincronismo na SE
Brasnorte (terminal seguidor) após o envio de tensão pelo terminal da SE Juba (terminal líder),
haja vista terem ocorrido desligamentos simultâneos dos dois circuitos da LT 230 kV Juba /
Brasnorte. Os valores ajustados para a diferença angular (20°) e para a diferença de tensão
(13kV) não estavam atendidos no momento do religamento automático, justificando,
portanto, seu insucesso. A empresa informou que tais parâmetros foram posteriormente
alterados tendo por base os estudos sistêmicos realizados pelo ONS após a análise desta
ocorrência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


125
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A SFE questionou se o problema de comunicação com o COT-TBE-SUL, relatado pelo ONS
durante a ocorrência do dia 23/9/2014, já havia sido solucionado e quais providências haviam
sido tomadas pela empresa.

A concessionária informou que o problema consistiu na perda do circuito de voz entre o hot
line do COT-TBE e o COSR-NCO devido a falha na interligação do roteador da EBTE localizado
nas instalações do ONS e apresentou documentações comprovando que foram realizadas
tratativas do problema nos dias 25 e 26/9/2014, sendo que, após as intervenções, os testes no
sistema foram considerados satisfatórios.

A SFE questionou a quantidade de religamentos manuais da linha de transmissão que o


operador pode realizar após ter ocorrido religamento automático sobre a falta e não ter sido
feita inspeção no local da ocorrência.

A concessionária não informou um número de tentativas definido, informando apenas que,


caso não haja condições impeditivas próprias para o religamento da linha de transmissão,
ocorre a disponibilização para o ONS coordenar a energização, o qual pode solicitar uma ou
mais tentativas de religamento manual, conforme o normativo Procedimentos Sistêmicos para
a Operação da SE JUBA – IO‐OI.CO.JB.

A SFE questionou quais ações estão sendo tomadas a fim de se evitarem os desligamentos
simultâneos dos circuitos 1 e 2 da LT 230 kV Juba / Brasnorte.

A concessionária informou que ambos os circuitos compartilham as mesmas estruturas (torres


de circuito duplo) e que o projeto de coordenação de isolamento comtemplou essa
configuração. Informou também que as ações que estão sendo tomadas visando à melhoria
dos valores das resistências de aterramento das torres irão contribuir para a redução dos
desligamentos simultâneos de ambos os circuitos.

Prognóstico:

A principal causa de desligamentos da LT 230 kV Juba / Brasnorte C1 foi descargas


atmosféricas (11 desligamentos). Ressalta-se que o limite de desligamentos por descargas
atmosféricas definido no Submódulo 2.4 dos Procedimentos de Rede foi excedido em 5
desligamentos durante a janela de tempo analisada.

A concessionária informou que já tomou algumas medidas que apresentaram melhorias nos
valores das resistências de aterramento das torres e que está em processo de instalação de
cabos contrapeso contínuos interligando as estruturas mais críticas, cuja previsão de conclusão
dos serviços está para o final de 2016.

Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 228/2016-SFE/ANEEL, de


19/5/2016, um Plano de Melhoria objetivando a redução drástica dessa causa de
desligamentos na LT 230 kV Juba / Brasnorte C1. A data fixada para entrega do Plano de
Melhoria solicitado para avaliação da SFE foi 1º de junho de 2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


126
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2.4. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE

A ELETRONORTE foi convocada através do Ofício nº 177/2016-SFE/ANEEL, de 25 de abril de


2016, para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 16 de maio de 201615 para
prestar esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de
Plano de Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta
concessionária foi selecionada (desligamentos por falhas humanas acidentais e relacionadas
aos sistemas de proteção e por causas indeterminadas).

LT 230 kV NOBRES / NOVA MUTUM C 1 MT

Linha de transmissão em operação comercial desde 15/11/2009 com 110 km de extensão.


Possui religamento automático (RA) de 5s tripolar, cujo terminal líder é a SE Nobres.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
13/8/14 13:18 Condutor Vegetação Fase-Terra
30/9/14 13:08 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
8/10/14 15:28 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/10/14 23:52 Proteção Indeterminada Fase-Terra
16/10/14 13:23 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
16/10/14 13:47 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Trifásico-Terra
16/10/14 14:51 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Trifásico-Terra
11/1/15 21:14 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/1/15 19:48 Sem Localização Específica Indeterminada Sem Dados
14/5/15 20:10 Proteção Causa a ser Determinada Sem Dados

Diagnóstico:

Foram verificadas 10 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 6 ocorrências com causa indeterminada (Sem informações sobre o desempenho do


religamento automático);
 3 ocorrências por descargas atmosféricas (Sem informações sobre o desempenho do
religamento automático);
 1 ocorrência por vegetação (Houve bloqueio do RA por atuação de TDD mantido).

Constata-se que a causa principal dos desligamentos da linha de transmissão sob análise é
Indeterminada (6 ocorrências, representando 60% dos desligamentos), seguida por Descarga

15
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003551/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


127
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Atmosférica (3 ocorrências, representando 30% dos desligamentos) e por Vegetação (1
ocorrência, representando 10% dos desligamentos). Segundo estabelecido no Submódulo 2.4
dos Procedimentos de Rede, o limite de desligamentos por descargas atmosféricas para linhas
de transmissão de 230kV é de 2 desligamentos por 100 km por ano. Desse modo, o limite para
a linha de transmissão sob análise é de 4 desligamentos devidos a essa causa durante a janela
de um ano analisada, o qual não foi atingido.

Durante a análise das informações constantes no SIPER, constatou-se baixa qualidade das
informações prestadas pela ELETRONORTE. Não foram informados os tipos de curtos-circuitos
nem as fases envolvidas nem as localizações das faltas para 4 dos 10 desligamentos analisados,
além de ter sido informada a localização de uma das faltas internas como sendo em uma
distância maior que o comprimento da linha de transmissão. A baixa qualidade das
informações comprometeu os trabalhos de análise da SFE.

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 55 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C 1 MT

Na Figura 56 estão mostradas somente as localizações das faltas que foram informadas pela
ELETRONORTE no SIPER separadas pelas respectivas causas, tendo como referência o
comprimento total da LT em percentuais.

Figura 56 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C 1 MT

A Figura 57 mostra a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015). Observa-se que 5 desligamentos ocorreram no mês de outubro de

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


128
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
2014, sendo que 3 foram verificados no mesmo dia (16/10/2014) e classificados como
Descarga Atmosférica.

No dia 1º/6/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e
de representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por mensagens de correio eletrônico enviadas
nos dias 15 e 16 de junho de 2016.

Primeiramente, a ELETRONORTE informou que, após a realização de investigações mais


detalhadas das ocorrências, chegou-se à conclusão de que diversas causas informadas
inicialmente no SIPER deveriam ser reclassificadas. Desse modo, com base nas reclassificações
realizadas pela concessionária, obteve-se uma nova representação gráfica das causas dos
desligamentos da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C1, a qual está mostrada na Figura 58. A
partir das novas informações, constata-se que a principal causa observada durante a janela de
tempo analisada foi Vegetação (6 ocorrências, representando 60% do total).

Figura 57 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV Nobres /


Nova Mutum C 1 MT

A SFE questionou quais providências estavam sendo tomadas a fim de que fossem prestadas
todas as informações necessárias no SIPER referentes aos desligamentos e a fim de que se
eliminassem os desligamentos classificados como causa indeterminada, principal causa
informada inicialmente no SIPER pela concessionária.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


129
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 58 – Novas causas dos desligamentos da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C 1 MT
informadas pela ELETRONORTE

A ELETRONORTE respondeu que está revisando os procedimentos de análise de ocorrências


atualmente implantados, objetivando o cadastramento no SIPER das causas efetivas dos
desligamentos. Informou ainda que as providências requeridas constariam nos Planos de
Melhorias referentes à Campanha de Fiscalização de Causas Indeterminadas.

Adicionalmente, a ELETRONORTE informou que revitalizou seus oscilógrafos com a instalação


de módulos localizadores de faltas por ondas viajantes nas linhas do SIN, objetivando redução
de tempo com maior assertividade na localização e na causa dos desligamentos.

A SFE questionou quais ações efetivas estavam sendo implementadas para que fossem
resolvidos definitivamente os problemas referentes aos envios indevidos de sinais de TDD e de
TDD Mantido entre os terminais da LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C1.

A ELETRONORTE respondeu que, após a realização de investigação detalhada, identificou-se


uma inversão de fiação no equipamento de teleproteção. Segundo a empresa, após a correção
da inversão da cablagem, não se verificou reincidência do problema. Foi informado ainda que
consta no SGR que a correção do problema ocorreu no dia 23/2/2016.

Prognóstico:

Conforme reclassificação das causas dos desligamentos apresentada pela ELETRONORTE,


constatou-se que a principal causa observada durante a janela de tempo analisada foi
Vegetação (60%). Constatou-se também que 50% das faltas não possuíam localização definida.

Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 266/2016-SFE/ANEEL, de


13/6/2016, um Plano de Melhorias objetivando a redução drástica dessa causa de
desligamentos na LT 230 kV Nobres / Nova Mutum C1. Nesse mesmo Plano deverão ser
incluídas ações efetivas visando ao aprimoramento da precisão dos sistemas de localização de
faltas. A data fixada para entrega do Plano de Melhorias solicitado para avaliação da SFE foi 27
de junho de 2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


130
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE)

Subestação responsável pela interligação da região Norte ao sistema Interligado Nacional –


SIN. Toda a energia produzida pela UHE Tucuruí e escoada para as regiões Nordeste, Sudeste e
Centro-Oeste passa por esta subestação. Está em operação comercial desde a década de 1980.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
3/9/14 21:47 TR 500 / 230 kV MARABA 1 PA Transformador de Corrente Explosão
Sistema
17/11/14 14:12 CS 150 / -90 MVar MARABA 1 PA Curto-Circuito - Secundário DC
Ventilação/Resfriamento
10/12/14 16:16 BS 500 kV 283 MVar MARABA 2 PA Seccionadora Umidade
10/12/14 16:29 BS 500 kV 283 MVar MARABA 2 PA Seccionadora Umidade
23/12/14 14:58 CS 150 / -90 MVar MARABA 1 PA Localização Ignorada Indeterminada
13/1/15 4:31 BS 500 kV 348 MVar MARABA 1 PA Localização Ignorada Indeterminada
Outras - Proteção, Medição,
16/1/15 7:44 BS 500 kV 348 MVar MARABA 1 PA Metal Oxide Varistor - MOV
Controle
6/3/15 16:11 BS 500 kV 348 MVar MARABA 1 PA Proteção Indeterminada
17/3/15 10:35 RT 500 kV 163 MVar MARABA 12 PA Proteção Acidental - Serviços/Testes
30/3/15 16:07 CS 150 / -90 MVar MARABA 1 PA Serviço Auxiliar AC Ruído na Fiação Secundária
21/5/15 6:14 BS 500 kV 283 MVar MARABA 2 PA Localização Ignorada Indeterminada
5/6/15 16:08 CS 150 / -90 MVar MARABA 1 PA Proteção Acidental - Serviços/Testes

Diagnóstico:

Foram verificadas 12 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), as quais se deram em diversos equipamentos da subestação, conforme relação a seguir:

• 4 ocorrências no Compensador Síncrono CS 150/-90 MVar MARABA 1 PA (1


Indeterminada, 1 Acidental durante serviços e testes, e 2 nos circuitos
secundários);

• 3 ocorrências no Banco de Capacitores Série BS 500 kV 348 MVar MARABA 1 PA (2


indeterminadas e 1 falha intermitente no canal de fibra ótica);

• 3 ocorrências no Banco de Capacitores Série BS 500 kV 283 MVar MARABA 2 PA (2


por umidade e 1 indeterminada);

• 1 ocorrência no TR 500/230 kV MARABA 1 PA por explosão de TC;

• 1 ocorrência no Reator RT 500 kV 163 MVar MARABA 12 PA por causa acidental


durante serviços e testes.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


131
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A Figura 59 mostra as distribuições gráficas dos desligamentos por equipamento da
subestação. Observa-se que 11 dos 12 desligamentos observados (92% do total) foram
verificados em equipamentos de compensação de reativos, quais sejam: Compensador
Síncrono CS1 (4 desligamentos); Bancos de Capacitores Série BS1 e BS2 (3 desligamentos em
cada) e Reator 500kV RT12 (1 desligamento).

Figura 59 – Distribuição das faltas por equipamento da SE Marabá

Com relação às causas dos desligamentos informadas no SIPER, observa-se na Figura 60 que
50% dos desligamentos estão classificados como causa indeterminada (4 desligamentos) ou
acidental durante serviços e testes (2 desligamentos).

Figura 60 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da SE Marabá

Com relação à distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise (Figura 61),
observa-se uma concentração de 8 desligamentos (67% do total) nos meses de
dezembro/2014 (3 desligamentos), janeiro/2015 (2 desligamentos) e março/2015 (3
desligamentos).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


132
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 61 – Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao
longo da janela de análise da SE Marabá

No dia 1º/6/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e
de representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por mensagens de correio eletrônico enviadas
nos dias 15 e 16 de junho de 2016.

Inicialmente, a ELETRONORTE apresentou a reclassificação de alguns desligamentos. Com base


nessas novas informações, constatou-se que 5 desligamentos (42% do total) foram devidos a
falhas humanas acidentais durante a realização de serviços nos equipamentos.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


133
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A SFE questionou quais providências estavam sendo tomadas a fim de que fossem prestadas
todas as informações necessárias no SIPER referentes aos desligamentos e a fim de que se
eliminassem os desligamentos classificados como causa indeterminada, principal causa
informada inicialmente no SIPER pela concessionária.

A ELETRONORTE respondeu que está revisando os procedimentos de análise de ocorrências


atualmente implantados, objetivando o cadastramento no SIPER das causas efetivas dos
desligamentos. Informou ainda que as providências requeridas constariam nos Planos de
Melhorias referentes à Campanha de Fiscalização de Causas Indeterminadas.

Adicionalmente, a ELETRONORTE informou que revitalizou seus oscilógrafos com a instalação


de módulos localizadores de faltas por ondas viajantes nas linhas do SIN, objetivando redução
de tempo com maior assertividade na localização e na causa dos desligamentos.

A SFE questionou se as intervenções nos equipamentos da subestação eram realizadas por


equipe própria ou terceirizada.

A ELETRONORTE respondeu que os serviços de manutenção são realizados por equipe própria.
Já os serviços de ampliação e modernização da instalação são realizados com mão de obra
terceirizada, mas com fiscalização da ELETRONORTE.

A SFE questionou sobre como era o procedimento da concessionária para a realização da


análise preliminar de riscos (APR) antes das intervenções.

A ELETRONORTE respondeu que realiza a análise dos riscos em 3 etapas, quais sejam:

1 - Durante o Planejamento, é elaborada pelo encarregado de cada equipe a análise de


risco de cada um dos serviços e desligamentos.

2 - No dia que antecede a execução, as equipes se reúnem e discutem o planejamento,


reavaliam a APR e preparam o material para execução da manutenção.

3 - No início do desligamento ou manutenção a equipe realiza um nivelamento geral e


avalia as condicionantes.

Em seguida, a SFE questionou quais eram os motivos para haver um número significativo de
ocorrências no compensador síncrono e nos bancos de capacitores série 500 kV BC1 e BC2 da
SE Marabá. Além disso, foi questionado sobre quais providências estavam sendo tomadas
visando à eliminação das ocorrências nesses equipamentos.

A ELETRONORTE respondeu que no Compensador Síncrono as ocorrências estão relacionadas


às seguintes causas e foram adotadas as seguintes contramedidas:

Causa 1 - Falha Humana na transferência de fonte de alimentação 125 VCC do Compensador


Síncrono.

Contramedida:

- Elaborada Lição Ponto a Ponto (LPP) com a sequência de manobras e cuidados na


transferência de fonte de alimentação de 125 VCC do Compensador Síncrono da SE
Marabá e repasse deste procedimento para as equipes de operação e manutenção.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


134
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Causa 2 - Baixa isolação do cabo de alimentação 440 VCA do sistema de refrigeração do
Compensador Síncrono.

Contramedidas:

- Provisoriamente foi recuperada a isolação dos cabos de alimentação 440 VCA do


sistema de refrigeração do Compensador Síncrono;

- Efetuada aquisição de novos cabos para substituição;

- Programada a troca dos cabos de 440 VCA para o período de 03 a 30/10/2016.

Causa 3 - Desligamento do MBCS2-01 por acionamento indevido da bomba de lubrificação CC


através do relé auxiliar 27ATX2 durante execução de limpeza do painel QPC1-CSI.

Contramedidas:

- Os operadores da SE Marabá foram orientados quanto aos riscos e procedimentos


para realizar limpeza de painéis de proteção energizados;

- Foram identificados e sinalizados os pontos de trip nos painéis pelas equipes de


proteção e operação;

- Instalada placa de alerta nos painéis quanto ao risco de trip por toque nos relés.

Causa 4 - Curto circuito no relé auxiliar RFF que supervisiona a tensão de alimentação da barra
de 440VCA, provocando mistura de polaridade (CA e CC).

Contramedida:

- Foi realizada melhoria com a substituição dos relés de Falta de Fase (RFF) pelo
modelo RM35TF, de fabricação Schneider, em todas as gavetas do Compensador
Síncrono.

Na Compensação Série as ocorrências estão relacionadas às seguintes causas e foram adotadas


as seguintes contramedidas:

Causa 1 - A causa de desligamento da compensação série ocorreu devido à atuação indevida


do sistema de proteção do MOV causada por falha na fibra ótica 03 (3031).

Contramedidas:

- Substituída a fibra 3 pela 2 para normalizar os canais de fibra ótica;

- Implantado o monitoramento dos canais de fibra ótica do sistema de proteção e


controle do banco série;

- Aquisição de uma nova coluna de fibra ótica para a Compensação Série.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


135
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

Com base nas análises realizadas e nas reclassificações das causas apresentadas pela
ELETRONORTE, a SFE concluiu que a principal causa de desligamentos na SE Marabá no
período analisado foi falha humana acidental durante serviços e testes. Tendo em vista que já
foi solicitado um Plano de Melhorias à ELETRONORTE para redução, em toda a empresa, de
desligamentos forçados por falhas humanas acidentais, tema de uma das Campanhas de
Fiscalização de 2016, decidiu-se por não solicitar um plano específico para tratar esse mesmo
problema na SE Marabá. Entretanto, foi solicitado que a ELETRONORTE incluísse no Plano de
Melhorias da Campanha ações específicas visando à redução dos desligamentos provocados
por falhas humanas acidentais na Regional de Marabá. A data fixada para entrega do Plano de
Melhorias solicitado para avaliação da SFE foi 15 de junho de 2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


136
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE RUROPOLIS

Subestação localizada no Oeste do estado do Pará. Está conectada na ponta do circuito radial
em 230 kV proveniente da subestação Tucuruí denominado “Tramo Oeste”.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
Transformador de
1/3/15 15:24 TR 230 / 138 kV RUROPOLIS 1 PA Saturação (TC ou Núcleo de Trafo)
Corrente
Transformador de
20/3/15 6:26 TR 230 / 138 kV RUROPOLIS 2 PA Saturação (TC ou Núcleo de Trafo)
Corrente
Transformador de
25/3/15 6:37 TR 230 / 138 kV RUROPOLIS 1 PA Saturação (TC ou Núcleo de Trafo)
Corrente
Transformador de
25/3/15 6:40 TR 230 / 138 kV RUROPOLIS 2 PA Saturação (TC ou Núcleo de Trafo)
Corrente
29/7/15 22:15 TR 230 / 138 kV RUROPOLIS 2 PA Proteção Erro de Ajuste - Cálculo

Diagnóstico:

Foram verificadas 5 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), sendo que duas apresentaram cortes de cargas. As ocorrências se deram nos seguintes
equipamentos da subestação:

• 4 ocorrências por saturação de TC de 13,8 kV (duas ocorrências no terciário do TR1


230kV, provocando corte de 44 MW de carga no dia 1/3/2015 e 75 MW no dia
25/3/2015, e duas ocorrências no terciário do TR2 230 kV);

• 1 ocorrência por erro de ajuste/cálculo no TR2 230 kV.

A Figura 62 mostra as distribuições gráficas dos desligamentos por equipamento da


subestação.

Figura 62 – Distribuição das faltas por equipamento da SE Rurópolis

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


137
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Com relação às causas dos desligamentos informadas no SIPER, observa-se na Figura 63 que
80% dos desligamentos foi devido a saturação de TC.

Figura 63 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da SE Rurópolis

Com relação à distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise (Figura 64),
observa-se que todos os desligamentos causados por saturação de TC ocorreram no mês de
março de 2015. Após esse mês, não foram verificadas novas ocorrências por essa causa na
janela de análise.

No dia 1º/6/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e
de representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por mensagens de correio eletrônico enviadas
nos dias 15 e 16 de junho de 2016.

A SFE questionou sobre quais providências estavam sendo tomadas a fim de se eliminarem os
problemas de saturação dos TCs dos terciários dos transformadores da SE Rurópolis.

A ELETRONORTE respondeu que os TCs de 13,8kV foram substituídos no período de 14 a 18 de


março de 2016, durante as atividades de modernização da SE Rurópolis.

A SFE questionou qual era a data real e confiável prevista para a energização dos
empreendimentos autorizados à ELETRONORTE por meio da Resolução Autorizativa nº
3.361/2012, os quais têm como objetivo permitir o aumento de carga e melhorar a
confiabilidade da subestação Rurópolis, adequando-a aos Procedimentos de Rede.

A ELETRONORTE informou que, conforme data cadastrada no SIGET, a previsão de conclusão


dos referidos empreendimentos é 19/08/2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


138
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 64 – Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao
longo da janela de análise da SE Rurópolis

Prognóstico:

Com base nas análises realizadas, a SFE concluiu que a principal causa de desligamentos na SE
Rurópolis no período analisado foi a saturação dos TCs de 13,8kV dos terciários dos
transformadores 230/138kV TR1 e TR2. Tendo em vista que, segundo informado pela
ELETRONORTE, esses TCs já foram substituídos no período de 14 a 18 de março de 2016, a SFE
decidiu por não solicitar, por enquanto, planos de melhorias específicos para essa subestação.
Ademais, será incluída no acompanhamento diferenciado a execução das obras objeto da
Resolução Autorizativa nº 3.361/2012, as quais têm como objetivo permitir o aumento de

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


139
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
carga e melhorar a confiabilidade da subestação Rurópolis, adequando-a aos Procedimentos
de Rede.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


140
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE VILA DO CONDE

Subestação responsável pelo suprimento de energia elétrica da região de Belém e das demais
cargas residenciais e industriais do norte do estado do Pará. Está em operação comercial desde
a década de 80.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
CS 150 / -90 MVar VILA DO Surtos ou Transitório - Secundário
18/8/14 15:42 Serviço Auxiliar DC
CONDE 2 PA DC
BC 230 kV 111 MVar VILA DO
22/8/14 14:20 Fusível Queima
CONDE 1 PA
TR 230 / 13P8 kV VILA DO CONDE
25/8/14 9:14 Proteção Acidental - Serviços/Testes
TF1 PA
BC 230 kV 111 MVar VILA DO
22/9/14 13:47 Isolador/Cadeia Falha
CONDE 2 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO Outras - Equipamentos e
11/10/14 5:54 Adução e Sucção
CONDE 2 PA Acessórios
CS 150 / -90 MVar VILA DO Outras - Equipamentos e
11/10/14 8:13 Adução e Sucção
CONDE 2 PA Acessórios
CS 150 / -90 MVar VILA DO
3/11/14 11:47 Proteção Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
26/12/14 14:42 Mancal Nível Alto de Óleo
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
26/12/14 15:18 Mancal Nível Alto de Óleo
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
29/12/14 2:52 Sistema Ventilação/Resfriamento Defeito
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
28/1/15 11:55 Proteção Relé Auxiliar DC - Falha/Defeito
CONDE 2 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
30/1/15 10:42 Outras Localizações Nível Baixo de Água
CONDE 2 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
7/4/15 9:32 Sistema Ventilação/Resfriamento Nível Baixo de Água
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
12/4/15 7:56 Serviço Auxiliar DC Defeito
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
12/4/15 12:48 Síncrono Umidade
CONDE 2 PA
TR 500 / 230 kV VILA DO CONDE
26/5/15 13:15 Comutador Indeterminada
1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO
30/6/15 23:24 Regulador de Tensão Defeito
CONDE 1 PA
CS 150 / -90 MVar VILA DO Sistema de Controle e Supervisão Outras - Proteção, Medição,
7/7/15 2:41
CONDE 2 PA Digital Controle
CS 150 / -90 MVar VILA DO Sistema de Controle e Supervisão
7/7/15 5:29 Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
CONDE 2 PA Digital
CS 150 / -90 MVar VILA DO
9/7/15 12:03 Sistema Ventilação/Resfriamento Defeito
CONDE 2 PA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


141
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Diagnóstico:

Foram verificadas 20 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), as quais se deram em diversos equipamentos da subestação, conforme relação a seguir:

• 9 ocorrências no Compensador Síncrono 2 por causas variadas;

• 7 ocorrências no Compensador Síncrono 1 por causas variadas;

• 1 ocorrência no Banco de Capacitores Shunt 230kV BC2 por falha em isolador


interno ao banco;

• 1 ocorrência no Banco de Capacitores Shunt 230kV BC1 por rompimento de elos


fusível em célula capacitiva;

• 1 ocorrência no TR1 230/138 kV por causa acidental por serviços e testes;

• 1 ocorrência noTR1 500/230 kV por causa indeterminada.

A Figura 65 mostra as distribuições gráficas dos desligamentos por equipamento da


subestação. Observa-se que 18 dos 20 desligamentos observados (90% do total) foram
verificados em equipamentos de compensação de reativos, sendo que 16 (80% do total)
ocorreram nos Compensadores Síncronos CS1 (7 desligamentos) e CS2 (9 desligamentos).

Figura 65 – Distribuição das faltas por equipamento da SE Vila do Conde

Com relação às causas dos desligamentos informadas no SIPER, observa-se na Figura 66 que
não existe um padrão para as causas dos desligamentos, tendo sido declaradas 13 causas
distintas.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


142
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 66 – Representação gráfica das causas dos desligamentos da SE Vila do Conde
Observa-se que, dos 16 desligamentos ocorridos nos Compensadores Síncronos, 10 deles
(63%) foram devidos a algum tipo de problema interno aos equipamentos, conforme
destacado na Figura 67, evidenciando deficiências no processo de manutenção. Além disso, 4
desligamentos foram devidos a nível alto de óleo ou a nível baixo de água, os quais também
estão relacionados, de certa forma, a falhas na manutenção. Outro fator que também pode
estar contribuindo com o baixo desempenho dos Compensadores Síncronos é o fato de estes
equipamentos já estarem em operação há mais de trinta anos.

Figura 67 – Destaques dos problemas internos aos Compensadores Síncronos da SE Vila do


Conde que provocaram desligamentos
Com relação à distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise (Figura 68),
observa-se que somente nos meses de fevereiro e março de 2015 não ocorreram
desligamentos na SE Vila do Conde.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


143
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
No dia 1º/6/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e
de representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por mensagens de correio eletrônico enviadas
nos dias 15 e 16 de junho de 2016.

A SFE questionou sobre quais providências estavam sendo tomadas a fim de se eliminarem os
desligamentos nos Compensadores Síncronos CS1 e CS2 da SE Vila do Conde.

Figura 68 - Distribuição dos desligamentos por equipamento, com as respectivas causas, ao


longo da janela de análise da SE Vila do Conde

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


144
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A ELETRONORTE respondeu que as ocorrências estão relacionadas às seguintes causas e que
foram adotadas as seguintes contramedidas:

Causa 1 - Transitório sistêmico provocou um afundamento das tensões das alimentações dos
módulos GPR1 e GPR2, afetando também as alimentações dos dois reguladores UCD1 e UCD2
e ocasionando falha de comunicação dos módulos GPR1 e GPR2 com o regulador ativo (UCD1),
o que por sua vez acarretou falhas das pontes retificadoras 1 e 2, o que levou os valores de
tensão e corrente no rotor da máquina a zero.

Contra medida:

- Realizado o processo de modernização dos retificadores, garantindo com isso


segurança e estabilidade do serviço auxiliar dos compensadores síncronos.

Causa 2- Atuação indevida do transmissor de nível de água na caixa de fuga.

Contramedida:

- Reparametrizada a transmissão de nível de água da caixa de fuga.

- Revisão geral dos transmissores de nível e de pressão dos compensadores síncronos


de Vila do Conde.

Causa 3 – Reset da AK em função de congelamento de lógicas nas suas CPUs 1 E 2.

Contramedida:

- O fabricante Siemens realizou a mudança da lógica na UCD1 AK1703, solucionando o


problema.

Causa 4 - Presença de Hidrogênio no sistema de água de refrigeração, gerando baixo fluxo de


água em função de falha de estanqueidade do radiador de refrigeração do Compensador
Síncrono.

Contramedida:

- Substituído o radiador defeituoso e inspecionados os demais radiadores.

Causa 5 - Baixo nível de água no reservatório de água de refrigeração do compensador


síncrono, devido a falha em instrumento.

Contramedida:

- Substituição das placas de controle do transmissor de nível danificadas pela umidade.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


145
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Causa 6 - Falta de alimentação CC no seu sistema de excitação quando de manobra para
interligar barras 1 e 3 e 2 e 4 de 125 VCC.

Contramedida:

- Substituído o Retificador 1 do CS.

Causa 7 - Baixa isolação no disjuntor principal devido a penetração de umidade no cubículo do


polo.

Contramedida:

- Substituição das juntas do polo e construção de abrigo para proteção da chuva;

- Instalação de resistência de aquecimento nos cubículos do disjuntor VCDJ2 12;

- Construído abrigo para os disjuntores dos CS a fim de proteger da chuva;

- Revisadas as coifas dos equipamentos associados ao VCCS2 02.

Causa 8 - Entrada indevida em operação da bomba de lubrificação CC em função de problemas


na medição de rpm feita pelo regulador de tensão UCD1 no sistema de excitação. Defeito no
cabo de interligação do regulador 1 ( UCD1) Cartela de coleta de dados.

Contramedida:

- Substituído o cabo de interligação do regulador 1 ( UCD1).

Causa 9 - Perdas de comunicação dos módulos UCD3 (GPR1) e UCD4 (GPR2) com o regulador
UCD1 processador da placa CP2012 (CPU 2) do AK1703 com oxidação em seus terminais.

Contramedida:

- Substituição de um cabo DB25 que interliga o módulo GEDIR UCD1-1 ao regulador


CRIO UCD1, bem como a substituição da CPU CRIO do UCD2. Após tais ações, foram
normalizadas as comunicações do UCD1 com os módulos UCD3 e UCD4, bem como foi
normalizada toda a funcionalidade do regulador UCD2, liberando assim a máquina
para a operação.

Causa 10 – Perda de refrigeração do compensador por erro na lógica da UCD AK1703 onde foi
verificado que nenhum aeroventilador estava selecionado, o que impedia que o automatismo
funcionasse da forma correta para refrigeração do compensador.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


146
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Contramedida:

- Reinicialização do AK1703 permitindo carregar os firmwares de módulos que não


estavam se comunicando com a CPU2, impedindo a partida dos aeroventiladores.

- Preventivamente são realizadas inspeções nos módulos das UCD's da AK-1703


quando de intervenções no compensador.

A SFE questionou sobre como foi realizado o procedimento de isolação do CS1 durante a
intervenção do dia 25/8/2014. Foi questionado ainda se a ELETRONORTE seguiu um roteiro de
manobra para essa intervenção e quais medidas a empresa está tomando para se evitarem
reincidências do problema.

A ELETRONORTE informou que existia ordem de manobra, porém não constava a etapa de
isolação do trip a fim de possibilitar a manobra monopolar da Chave Seccionadora. Informou
ainda que foi revista a ordem de manobra e inserida essa etapa.

Contramedidas:

- Elaborada LPP (Lição Ponto a ponto) com instruções com passo a passo para manobra
da Chave S1 sem provocar trip;

- Reciclagem dos operadores nas manobras de isolação dos compensadores síncronos


baseado na LPP;

- Incluída nas ordens de manobra o bloqueio e inibição da proteção 59 NY antes da


abertura da Chave Seccionadora S1.

Por fim, a SFE questionou sobre quais inspeções foram feitas a fim de se identificar a causa do
desligamento do transformador TR1 500/230 kV da SE Vila do Conde no dia 26/5/2015 às
13h15min, a qual estava classificada no SIPER como Causa Indeterminada.

A ELETRONORTE respondeu que foi realizada inspeção no dispositivo Treetech – Supervisor de


paralelismo e que foram identificados comandos indevidos de comutação de tap.

Contramedida:

- Foi revisado o projeto e retirado o comando de comutação de tap via Supervisor de


Paralelismo

Prognóstico:

A SFE concluiu que a grande maioria dos desligamentos verificados durante a janela de tempo
analisada ocorreu nos Compensadores Síncronos da SE Vila do Conde (16 desligamentos,
representando 80% do total) e que foram causados por problemas relacionados a deficiências
no processo de manutenção.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


147
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 266/2016-SFE/ANEEL, de
13/6/2016, um Plano de Melhorias objetivando a redução drástica dos desligamentos dos
Compensadores Síncronos CS1 e CS2 da SE Vila do Conde. Nesse mesmo Plano deverão ser
incluídas ações visando ao aprimoramento do processo de manutenção realizado pelas
equipes da subestação e ações visando à realização de estudos de viabilidade para a
substituição/remoção desses equipamentos. A data fixada para entrega do Plano de Melhorias
solicitado para avaliação da SFE foi 27 de junho de 2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


148
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2.5. Perturbações na Transmissora ENTE

A ENTE foi convocada através do Ofício nº 160/2016-SFE/ANEEL, de 20 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 2 de maio de 201616 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos.

SE MARABA (ELETRONORTE/EATE/ENTE)

Banco de capacitores série 500 kV 279 MVar BC4, em operação comercial desde 12/2/2005,
conectado à LT 500 kV Marabá/Tucuruí C4.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
2/9/14 6:15 BS 500 kV 279 MVar MARABA 4 PA Localização Ignorada Indeterminada
24/3/15 18:26 BS 500 kV 279 MVar MARABA 4 PA Proteção Indeterminada

Diagnóstico:

Foram verificadas duas ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho
de 2015), cujas causas de ambas informadas no SIPER foram indeterminadas. Cabe destacar
que os referidos desligamentos foram selecionados para compor o rol da análise porque a SE
Marabá como um todo apresentou um quantitativo igual ou superior a 10 desligamentos
durante a janela analisada.

A SFE constatou que a ENTE não informou no SIPER a causa nem o desempenho das proteções
associadas ao desligamento verificado no dia 2/9/2014 às 6h15min. Em resposta, a
concessionária informou que houve uma falha de procedimento de prestação/consistência de
informações por parte das equipes da ENTE ocasionada por perda de prazo e, também, por tal
ocorrência não ter sido oriunda de perturbação no sistema, haja vista o disjuntor de by pass do
banco de capacitores série não ter aceitado comando após a energização da LT devido ao fato
de o mini disjuntor 1DJ-9 do circuito AC estar desarmado. Ao ser rearmado o mini disjuntor, o
banco de capacitores foi normalizado.

Com relação ao desligamento do dia 24/3/2015 às 18h26min, consta no SIPER que a LT 500 kV
Tucuruí-Marabá C4 foi desligada por provável descarga atmosférica, pois havia chuva intensa
na região. O religamento automático atuou com sucesso em ambos os terminais, porém o BC4
não voltou automaticamente pela atuação do relé de bloqueio devido a discordância de polos
do disjuntor de by pass.

A SFE questionou sobre os critérios adotados pela concessionária para realizar inspeções no
equipamento a fim de se identificarem as causas das ocorrências.

16
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003392/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


149
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em suma, a concessionária limitou-se a responder que os critérios adotados são os da
ELETRONORTE, empresa contratada para prestar serviços de OeM nas instalações sob
concessão da ENTE na SE Marabá.

Prognóstico:

Com base nas análises realizadas, a SFE decidiu por não solicitar, por enquanto, planos de
melhorias específicos para o banco de capacitores série 500 kV 279 MVar BC4 da SE Marabá
por entender que as ocorrências analisadas decorreram de problemas pontuais e que a
concessionária possuía informações referentes às causas das ocorrências. No entanto, o
desempenho e as classificações das ocorrências desse equipamento continuarão a ser
constantemente monitorados por esta Superintendência.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


150
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.2.6. Perturbações na Transmissora ITATIM

A ITATIM foi convocada através do Ofício nº 169/2016-SFE/ANEEL, de 20 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 4 de maio de 201617 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos.

LT 230 kV CHAPADAO / INOCENCIA C 3 MS

Linha de transmissão em operação comercial desde 12/10/2011 com 134,11 km de extensão.


Possui religamento automático (RA) de 5s tripolar, cujo terminal líder é a SE Inocência.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
1/10/14 16:31 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
17/12/14 18:10 Sem Localização Específica Vento Forte Fase-Terra
17/12/14 20:38 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
29/12/14 14:22 Sem Localização Específica Vento Forte Fase-Terra
4/1/15 17:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 17:56 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 17:56 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 18:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 18:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/1/15 17:13 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica-Terra
27/2/15 20:48 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 11 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

• 5 ocorrências com causa indeterminada (3 RA com sucesso e 2 sem sucesso devido


ao tempo de respeito do religamento);

• 4 ocorrências por descargas atmosféricas (3 RA com sucesso e 1 sem);

• 2 ocorrências por vento forte (1 RA com sucesso e 1 sem).

17
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003385/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


151
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Constata-se que a causa principal dos desligamentos da LT sob análise é Indeterminada (5
ocorrências, representando 45% dos desligamentos), seguida por Descarga Atmosférica (4
ocorrências, representando 36% dos desligamentos) e por Vento Forte (2 ocorrências,
representando 18% dos desligamentos). Segundo estabelecido no Submódulo 2.4 dos
Procedimentos de Rede, o limite de desligamentos por descargas atmosféricas para LTs de
230kV é de 2 desligamentos por 100 km por ano. Desse modo, o limite para a LT sob análise é
de 4 desligamentos durante a janela de um ano analisada, o qual foi atingido.

Conforme apresentado na Figura 70 a seguir, considerando-se os trechos resultantes da


transposição completa da LT, observou-se que houve uma concentração de 5 desligamentos
(45% do total) no segundo trecho da LT, tendo como origem o terminal da SE Chapadão.
Houve predominância de faltas monofásicas (10 desligamentos, representando 91% do total) e
todas as fases estiveram envolvidas, com predominância da fase A (7 envolvimentos da fase A,
3 envolvimentos da fase B e 2 envolvimentos da fase C). Na Figura 56 estão mostradas as
localizações das faltas separadas pelas respectivas causas, tendo como referência o
comprimento total da LT em percentuais.

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 69 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV Chapadão / Inocência C 3 MS

Figura 70 – Localização das faltas da LT 230 kV CHAPADAO / INOCENCIA C 3 MS considerando


as transposições

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


152
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 71 – Localização das faltas ao longo da LT 230 kV Chapadão / Inocência C 3 MS

A Figura 72 mostra a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015).

Figura 72 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV


Chapadão / Inocência C 3 MS

No dia 4/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e de
representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por meio da correspondência
SGBH/OM/022/16, de 13/5/2016.

Primeiramente, a concessionária informou que realizou inspeções mais detalhadas que


produziram reclassificações nos desligamentos informados no SIPER. Segue a nova
classificação das causas dos desligamentos apresentada pela Itatim:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


153
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 73 – Nova classificação das causas dos desligamentos apresentada pela Itatim para a LT
230 kV Chapadão / Inocência C 3 MS

Baseado nas informações contidas na Figura 73, observa-se que a principal causa de
desligamentos para a LT 230 kV Chapadão / Inocência C 3 consiste em Ventos Fortes (73%),
seguida por Descarga Atmosférica (27%). Desse modo, não constam mais registros de causas
indeterminadas para essa LT na janela analisada.

A SFE questionou sobre o fato de o religamento automático não ter sido bem sucedido
durante as perturbações dos dias 1/10/2014 e 15/1/2015, as quais estavam originalmente
classificadas no SIPER como Descarga Atmosférica e Causa Indeterminada. Tendo em vista que
a concessionária reclassificou as causas de ambas as ocorrências para Vento Forte, torna-se
justificável o insucesso verificado.

A SFE questionou ainda sobre quais ações a concessionária está tomando visando à redução
dos desligamentos provocados por vento forte e descargas atmosféricas.

A concessionária respondeu que os desligamentos provocados por ventos fortes são


decorrentes do balanço assíncrono dos condutores, os quais acabam por se aproximarem
muito entre si ou das estruturas das torres. Nesse sentido, está sendo desenvolvido um plano
de ação para identificar os pontos críticos de ocorrência do problema para posterior
implantação de melhorias. Dentre as melhorias propostas está a instalação de isoladores
separadores de fases nas torres e nos vãos com maiores incidências de desligamentos por
ventos.

Adicionalmente, a concessionária informou que está sendo implantado um projeto piloto para
monitoramento meteorológico das LTs visando ao mapeamentos das localidades que possuem
alta incidência de ventos fortes, descargas atmosféricas e chuvas.

Com relação especificamente ao tratamento dos desligamentos provocados por descargas


atmosféricas, a concessionária informou que estava prevista para a segunda quinzena do mês
de maio de 2016 a verificação dos aterramentos de todas as torres da LT 230 kV Chapadão /
Inocência C 3.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


154
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

Conforme reclassificação das causas dos desligamentos apresentada pela Itatim, constatou-se
que a principal causa observada durante a janela de tempo analisada foi Ventos Fortes (73%).

Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 227/2016-SFE/ANEEL, de


19/5/2016, um Plano de Melhoria objetivando a redução drástica dessa causa de
desligamentos na LT 230 kV Chapadão / Inocência C 3. A data fixada para entrega do Plano de
Melhoria solicitado para avaliação da SFE foi 1º de junho de 2016.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


155
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.3. Perturbações ocorridas nos estados do Acre e Rondônia

Os critérios de seleção elegeram o total de 119 desligamentos envolvendo os estados de Acre


e Rondônia, sendo estes em 7 instalações, das quais 6 são Subestações e 1 Linhas de
Transmissão. A distribuição percentual com relação aos 1.142 desligamentos sob análise deste
relatório está demostrada na Figura 74.

Figura 74 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para


análise

Figura 75 – Estados com instalações analisadas (AC e RO)

A Tabela 13 apresenta um resumo das perturbações analisadas.

Tabela 13 – Resumo das perturbações analisadas nos estados do Acre e Rondônia

Perturbações Corte de
Total de
Transmissora Instalação com Corte de Carga Total
Desligamentos
Carga no Período

ELETRONORTE LT 230 kV ABUNA / RIO BRANCO I C 2 RO/AC 1 97.00 10


ELETRONORTE LT 230 kV ARIQUEMES / JI-PARANA C 1 RO 2 41.00 6
ELETRONORTE LT 230 kV PORTO VELHO / ABUNA C 2 RO 2 278.00 12
ELETRONORTE SE C.PORTO VELHO 2 442.00 34
JTE LT 230 kV VILHENA / JAURU C 1 RO/MT 0 0.00 24
JTE LT 230 kV VILHENA / JAURU C 2 RO/MT 0 0.00 20
TME LT 500 kV JAURU / SUB CUIABA C 1 MT 0 0.00 13

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


156
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.3.1. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE

A ELETRONORTE foi convocada através do Ofício nº 177/2016-SFE/ANEEL, de 25 de abril de


2016, para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 16 de maio de 201618 para
prestar esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de
Plano de Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta
concessionária foi selecionada (desligamentos por falhas humanas acidentais e relacionadas
aos sistemas de proteção e por causas indeterminadas).

LT 230 kV ABUNA / RIO BRANCO I C 2 RO/AC

Linha de transmissão em operação comercial desde 22 de dezembro de 2013 com 299 km de


extensão. Esta linha possui religamento automático (RA) configurado em 5 segundos tripolar
sendo Abunã o terminal líder.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
15/10/14 20:25 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
15/10/14 20:25 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
15/10/14 20:30 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
15/10/14 20:30 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
19/10/14 11:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/11/14 17:13 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/12/14 19:50 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
3/4/15 4:32 Proteção Indeterminada Fase-Terra
4/5/15 15:03 Sem Localização Específica Indeterminada Sem Dados
28/6/15 13:56 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 10 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

• 4 desligamentos por queimadas – RA sem sucesso devido ao Reclaim Time

• 5 desligamentos por causa indeterminada (3 RA com sucesso e 2 RA sem sucesso


devido ao Reclaim Time)

• 1 desligamento por descarga atmosférica. Houve divergências nas informações


fornecidas pelos localizadores de faltas dos terminais da linha de transmissão

18
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003551/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


157
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
De acordo com a análise, as principais causas dos desligamentos estão listadas abaixo:

• No desligamento do dia 15/10/2014, classificado como queimada, houve corte de


carga de 97MW. Na ocasião foi desligado o CE1 da SE Rio Branco sinalizando
defeito crítico no SVC e alta temperatura na sala de válvulas.

• Problemas associados ao Localizador de Faltas

• 5 causas indeterminadas

• 2 causas inicialmente classificadas como descarga atmosférica foram


posteriormente reclassificadas como queimada

Constata-se que a causa principal registrada nos desligamentos da linha de transmissão sob
análise está relacionada às queimadas que ocorrem na região, provocando curto na linha de
transmissão e seu consequente desligamento.

A fim de esclarecer a SFE a respeito dos procedimentos adotados nos casos de desligamentos
por descarga atmosférica, a ELETRONORTE informou que não dispõe de equipamentos
próprios para monitoramento das condições climáticas, utilizando, porém, de informações
meteorológicas complementares disponibilizadas por entidades de monitoramento. Ainda, faz
consulta a população sobre a ocorrência de descargas atmosféricas, chuvas, ventos, etc. nas
proximidades das linhas de transmissão, bem como pesquisa os registros de descargas
atmosféricas dos satélites RINDAT/STARNET disponibilizados pelo CPTEC/INPE, além do
cadastramento no sistema de análise de perturbação da ELETRONORTE da localização por
georeferenciamento das torres de transmissão.

Ainda referente aos desligamentos na linha em referência, a ELETRONORTE informou que


revitalizou os oscilógrafos das linhas de transmissão, com a implementação de LDOV -
localizadores de falta por ondas viajantes, GPS e Concentradores de Oscilografias e vem
avaliando os oscilogramas obtidos pelos oscilógrafos e módulos LDOV, quando de baixa
impedância, comumente observadas quando defeitos envolvem descarga atmosférica.

Já com relação aos desligamentos provocados por queimada, a ELETRONORTE informa que
tem adotado os seguintes procedimentos para mitigar estes desligamentos:

• Campanhas de Conscientização para população;

• Realização da Campanha Educativa sobre Queimadas;

• Relatório de Atividades do Contrato de Roço na Faixa de Servidão;

• Tratativa junto aos Órgãos Ambientais para a Expansão da Faixa de Servidão;

• Melhoria de critérios para realizar a seletividade da vegetação para roço;

• Antecipação do período para início da realização do roço.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


158
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

Conforme reclassificação das causas dos desligamentos apresentada pela ELETRONORTE,


constatou-se que a principal causa observada durante a janela de tempo analisada foi
Queimada. Constatou-se também que 50% das faltas foram classificadas como indeterminada.

Com base no exposto, a SFE solicitou um Plano de Melhoria com relação à classificação das
causas indeterminadas informadas no SIPER, por meio do Ofício 177/2016-SFE/ANEEL, de 25
de abril de 2016. Já com relação aos desligamentos associados às queimadas, a princípio, a SFE
não solicitou um Plano de Melhoria visto que será criado um grupo de estudos específicos
quanto ao tema.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


159
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV ARIQUEMES / JI-PARANA C 1 RO

Esta linha de transmissão possui com 164 km de extensão e foi seccionada na SE Jaru,
tornando-se, portanto 2 (duas) linhas (entrada em operação 13/9/2015): LT Ariquemes/Jaru
com 83,82Km e LT Jaru/Ji-Paraná com 80,69Km. Esta linha não possui Religamento
Automático.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
11/10/14 15:38 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
3/12/14 11:52 Teleproteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
17/3/15 4:01 Teleproteção Erro de Fiação DC - Execução Fase-Terra
28/3/15 19:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/3/15 5:24 Teleproteção Erro de Fiação DC - Execução Fase-Terra
29/3/15 23:38 Teleproteção Erro de Fiação DC - Execução Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 6 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), sendo que os desligamentos dos dias 3/12/2014 e 28/3/2015 provocaram corte de
carga de 24 MW e 17 MW respectivamente. As causas informadas no SIPER estão
apresentadas a seguir:

• 1 desligamento com corte de carga por Erro no comissionamento: envio de TDD


indevido ocasionando corte de carga na CERON;

• 1 desligamento por Descarga Atmosférica;

• 1 desligamento com corte de carga classificado como causa indeterminada;

• 3 desligamentos com a seguinte causa: Equipamento de Teleproteção DIP5000


(alternada) enviou sinal de TDD à SE Ji-Paraná por falha no 138 kV. Erro era um
jumper no borne e, segundo consta no SIPER, foi corrigido em 09/04/2015.

Com relação à descarga atmosférica, a ELETRONORTE informou que, a fim de minimizar o risco
de recorrência de desligamentos, vem verificando a resistência de aterramento das torres e do
cabo contrapeso, conforme plano de manutenção registrado no Sistema SAP R3, para as
devidas correções quando detectadas.

Os outros desligamentos verificados estão associados à falha humana como Erros de fiação:
conexão indevida; jumper no Borne do Equipamento de Teleproteção. A ELETRONORTE
informa que tem orientado seu corpo técnico a respeito do procedimento para verificação da
isolação correta dos sistemas de proteção e teleproteção quando da realização de atividades e
testes, seguindo o Planejamento de Atividades de Operação, Manutenção e Comissionamento,

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


160
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
assim como a tem feito a verificação da fiação de teleproteção a fim de eliminar o envio de
TDD ocasionado por sinal espúrio no equipamento.

A ELETRONORTE informa também que trabalha com equipe própria e capacitada para
realização de testes, comissionamentos e todos os processos de operação e manutenção.

Com relação aos testes de integração do 3º circuito da LT, a ELETRONORTE informou que a
Coordenação do Comissionamento do Projeto do 3º Circuito na Regional utilizou
colaboradores da Equipe Sistêmica da ELETRONORTE pertencentes às Regionais de Rondônia,
Acre e Mato Grosso e da Sede.

Prognóstico:

Com base no exposto e tendo em vista que esta SFE já solicitou, por meio do Ofício nº
177/2016-SFE/ANEEL de 25/4/2016, um Plano de Melhorias (Campanhas) objetivando a
redução drástica de causa provocadas por falhas humanas em todas as concessões da
empresa, não foi solicitado um plano para falha humanas específico para esta linha de
transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


161
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV PORTO VELHO / ABUNA C 2 RO

Linha de transmissão em operação comercial desde 22/12/2012 com 188 km de extensão.


Possui religamento automático (RA) tripolar configurado em 5 segundos sendo Porto Velho o
terminal líder.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
22/8/14 15:16 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
22/8/14 15:33 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/8/14 15:20 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/8/14 15:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
24/8/14 14:33 Condutor Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
5/10/14 18:10 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
4/3/15 12:36 Sem Localização Específica Indeterminada Sem Dados
28/3/15 16:25 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/5/15 13:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/6/15 15:47 Sem Localização Específica Indeterminada Sem Dados
16/7/15 15:17 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/7/15 14:54 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 12 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

• 2 desligamentos com Corte de Carga: em 16/7/2015 (126MW) e em 30/7/2015


(152MW). Ambos classificados como Indeterminados. Na descrição são informados
problemas associados a proteção;

• 11 desligamentos por causa Indeterminada. Em 4/3/2015 o RA não atuou. A


ELETRONORTE não informou a causa da não atuação neste caso. Nos outros
desligamentos, houve atuação do religamento automático, sendo que, nos casos
de reincidência, o RA não atuou (Reclaim Time);

• 1 desligamento por Queimada.

Dentre os problemas encontrados, destacam-se:

• No Desligamento do dia 26/5/2015 - foi detectado uma inversão de polaridade no


TC do fechamento de neutro que alimentava a proteção 87R, o que
consequentemente a fazia operar para curtos monofásicos externos ao reator;

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


162
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
• 16/7/2015 (Corte de Carga de 126MW) e 30/7/2015 (Corte de Carga de 152MW) -
Proteção diferencial de linha (87L), em ambas as cadeias, estava bloqueada devido
à falha de telecomunicação entre os terminais;

• 4/3/2015 – O religamento automático – RA não atuou devidamente em função de


erro na lógica da função SOTF. Esta anormalidade foi corrigida e em outros
desligamentos ocorridos após esta data, obtiveram RA com sucesso;

• Falha na comunicação entre os COR-Acre, a supervisão da SE Abunã e COSR-NCO


(ONS) – A ELETRONORTE informou que se encontrava na fase final de
comissionamento das obras do contrato 4500079459 e que neste período a LT
Porto Velho/Abunã C1, encontrava-se desligada atendendo os serviços da
Eletrobrás ELETROSUL.

Conforme exposto, e embora a causa tenha sido classificada como indeterminada, constata-se
que os principais problemas nesta LT são por falha humana.

Prognóstico:

Com base no exposto e tendo em vista que a SFE já solicitou, por meio do Ofício nº 177/2016-
SFE/ANEEL de 25/4/2016, um Plano de Melhorias (Campanhas) objetivando a redução drástica
de causa provocadas por falhas humanas, assim como redução dos desligamentos classificados
como indeterminadas, em todas as concessões da empresa, não foi solicitado plano para falha
humanas ou de causa indeterminada específico para esta LT.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


163
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE C.PORTO VELHO

Esta Subestação entrou em operação comercial em 15/11/2011. Foi construída em função da


entrada em operação das usinas do Complexo Madeira. Possui transformação de Corrente
Alternada para Corrente Contínua através de 2 bipolos que transportam a energia gerada nas
usinas até a Subestação de Araraquara II em São Paulo. Possui duas unidades conversoras Back
to Back (BtB) que conecta o setor de 500kV com o Setor 230kV (Sistema Acre-Rondônia) da
subestação, ambos em corrente alternada.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
CV 500 kV C.PORTO VELHO
11/8/14 8:29 Localização Ignorada Indeterminada
56 RO
CV 500 kV C.PORTO VELHO
11/8/14 21:11 Proteção Sem Dados - Proteção, Medição, Controle
12 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/8/14 7:17 Localização Ignorada Indeterminada
C.PORTO VELHO FH41 RO
TR 500 / 37P8 kV C.PORTO
21/8/14 11:18 Localização Ignorada Indeterminada
VELHO TF8 RO
CV 500 kV C.PORTO VELHO
21/8/14 16:31 Proteção Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
12 RO
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão Erro de Configuração de Lógica -
8/9/14 8:25
C.PORTO VELHO FH41 RO Digital Concepção
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão Erro de Configuração de Lógica -
8/9/14 8:25
C.PORTO VELHO FH42 RO Digital Concepção
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão Erro de Configuração de Lógica -
8/9/14 8:25
C.PORTO VELHO FH53 RO Digital Concepção
BC 500 kV 263 MVar
22/9/14 9:42 Painel Com/Contr Elétrico - Falha/Defeito
C.PORTO VELHO FH51 RO
BC 500 kV 263 MVar
22/9/14 9:42 Painel Com/Contr Elétrico - Falha/Defeito
C.PORTO VELHO FH52 RO
CV 230 kV C.PORTO VELHO
1/10/14 0:01 Sistema Ventilação/Resfriamento Defeito
34 RO
CV 500 kV C.PORTO VELHO
1/10/14 0:01 Sistema Ventilação/Resfriamento Defeito
12 RO
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão Erro de Configuração de Lógica -
3/10/14 2:35
C.PORTO VELHO FH41 RO Digital Concepção
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão Erro de Configuração de Lógica -
3/10/14 2:35
C.PORTO VELHO FH51 RO Digital Concepção
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão Erro de Configuração de Lógica -
3/10/14 2:35
C.PORTO VELHO FH42 RO Digital Concepção
SB 230 kV C.PORTO VELHO
11/10/14 2:15 Sem Localização Específica Chuva/Temporal
PT1 RO
BC 500 kV 142 MVar
5/11/14 15:36 Painel Outras - Proteção, Medição, Controle
C.PORTO VELHO FH44 RO
TR 230 / 37P8 kV C.PORTO
27/11/14 10:15 Sistema Ventilação/Resfriamento Baixo Fluxo de Água de Resfriamento
VELHO TF11 RO
TR 500 / 37P8 kV C.PORTO
27/11/14 10:15 Sistema Ventilação/Resfriamento Baixo Fluxo de Água de Resfriamento
VELHO TF10 RO
10/12/14 19:05 TR 500 / 254 kV C.PORTO Tiristor Defeito

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


164
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
VELHO TF6 RO
BC 500 kV 263 MVar
22/12/14 7:16 Proteção Subtensão - Circuito AC/DC
C.PORTO VELHO FH51 RO
BC 500 kV 263 MVar
22/12/14 7:16 Proteção Subtensão - Circuito AC/DC
C.PORTO VELHO FH41 RO
BC 500 kV 263 MVar Sistema de Controle e Supervisão
21/2/15 4:59 Ruído na Fiação Secundária
C.PORTO VELHO FH41 RO Digital
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 16:36 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH41 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 16:36 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH51 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 16:36 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH42 RO
BC 500 kV 142 MVar
21/3/15 16:36 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH44 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 20:16 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH53 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 22:20 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH52 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 22:20 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH51 RO
BC 500 kV 263 MVar
21/3/15 22:20 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
C.PORTO VELHO FH41 RO
TR 500 / 254 kV C.PORTO
31/3/15 6:35 Sistema Ventilação/Resfriamento Fusível Queimado (IGN) - Secundário DC
VELHO TF5 RO
TR 500 / 37P8 kV C.PORTO
30/6/15 2:43 Proteção Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
VELHO TF10 RO
TR 230 / 37P8 kV C.PORTO
30/6/15 2:43 Proteção Cartão Eletrônico - Falha/Defeito
VELHO TF11 RO

Diagnóstico:

Foram verificadas 34 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

Segundo classificação no SIPER:

• 3 desligamentos por causa indeterminada;

• 16 desligamentos associados a problemas de proteção: Erro de configuração de


lógica, Erro de ajustes, etc.;

• 12 desligamentos associados a falha/defeito em equipamentos tais como: Cartões


Eletrônicos, Ruído na Fiação, Fusível Queimado, etc.;

• 1 desligamento classificado como Chuva / Temporal;

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


165
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
• 2 desligamentos associados ao sistema de resfriamento da conversora BtB.

Foi constatado que em sua maioria, os problemas encontrados são relacionados ao sistema de
proteção e defeito nos equipamentos.

A fim de esclarecer as razões para os problemas encontrados que vem ocasionando


desligamentos na Subestação Coletora Porto Velho, segue abaixo cópia dos questionamentos
da SFE assim como as respostas da ELETRONORTE:

 Quais as razões para a ocorrência de tantos problemas relacionados aos sistemas de


proteção e a defeitos em equipamentos?

- A ELETRONORTE realizou inúmeras ações e adequações para possibilitar e agilizar a entrada


em operação das usinas, num momento extremamente delicado do ponto de vista do cenário
eletroenergético que marcou o sistema elétrico nacional.

- O aproveitamento energético do Rio Madeira é inédito e complexo em diversos aspectos


técnicos e regulatórios, além de retomar a aplicação da tecnologia HVDC em linhas de
transmissão longas no Brasil após quase 20 anos. O planejamento deste empreendimento
deixou de detalhar algumas questões que impactaram o desenvolvimento dos projetos dos
diversos agentes envolvidos, especialmente dos sistemas de proteção e controle, de
coordenação de ações automáticas para operação com as duas usinas, os dois elos de corrente
contínua, dois conversores Back to Back. Por exemplo, o edital de leilão das usinas não faz
qualquer referência a necessidade de integração com o Controle Mestre. Em decorrência
disso, esta integração ocorreu tardiamente, causando inúmeros contratempos, atrasos, custos
e dificuldades técnicas. A contratação dos GSCs pelas usinas ocorreu quando o Controle
Mestre já estava em fase de instalação pela ELETRONORTE e não foi solicitado às usinas o
fornecimento de simulador do GSC, inviabilizando testes de integração no simulador. Isto
requereu que a ELETRONORTE investisse tempo e dinheiro para desenvolver ferramentas que
simulassem o comportamento das usinas para viabilizar os testes de fábrica e no simulador do
ONS

- Os GSC não ficaram prontos a tempo. Mais uma vez a ELETRONORTE teve que adequar o
projeto, desenvolvendo soluções provisórias em seus controles, inclusive no Controle Mestre,
atendendo solicitações do ONS. Foi desenvolvido um GSC provisório, modificados ajustes,
flexibilizadas instruções operativas, realizados estudos, para possibilitar a operação com
número reduzido de geradores e de filtros, inclusive expondo seus equipamentos a situações
operacionais limites.

- As usinas utilizam diferentes tipos de geradores, reguladores de tensão e reguladores de


velocidade, sendo que nunca se tinha utilizado este tipo de turbina com potência tão elevada.
Desta forma, iniciou-se a operação, com pouquíssimos geradores, com características
dinâmicas diferentes entre as várias combinações gerador/regulador, interagindo entre si, sem
que estudos detalhados e ajustes personalizados tenham sido feitos pela usinas e sem
experiência operacional prévia. Como consequência a regulação e o controle de frequência
esperado a ser realizado pelas usinas não aconteceu, pelo contrário, apareceram oscilações,
durante as quais alguns geradores chegavam a ser motorizados. Mais uma vez o Controle

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


166
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Mestre teve de ser modificado, extrapolando suas funções previstas inicialmente, sendo
necessário aperfeiçoar a modulação de frequência, sem a qual não teria sido possível operar o
sistema.

- Esta questão é muito complexa. Muitos problemas foram identificados, especialmente nas
usinas, por exemplo, a utilização de medição de potência ativa para determinar se um gerador
estava em operação, levando a comportamentos inimagináveis, como a indicação pelos GSC de
que geradores teriam religado durante perturbações e oscilações, que levavam a instabilidade.

- A segmentação do empreendimento entre diversos lotes e agentes mostrou-se inadequada


em todos os aspectos técnicos e financeiros, somente acarretou problemas, atraso de
cronograma, dificultando o projeto, a operação e a manutenção, pelas dificuldades para a
definição e coordenação das ações que envolvem vários agentes, especialmente quando o
objetivo é implantar melhorias não previstas no edital. Talvez a mais emblemática seja o
transformador “provisório” TF-13. Não foi previsto no edital, mas a ELETRONORTE não mediu
esforços em promover as adequações solicitadas e que sempre foram solicitadas em caráter
temporário e provisório, como sua operação em paralelo com o BtB. Foram solicitadas à
ELETRONORTE várias alterações para remediar a operação, antes mesmo de iniciar a operação
do HVDC como o apoio para a implantação de um Sistema Especial de Proteção em cinco
subestações da ELETRONORTE em Rondônia.

- A grande maioria das ocorrências envolvendo o Controle Mestre deveu-se a problemas no


GSC e no TF-13, que não foram previstos originalmente nos editais.

- A ELETRONORTE em todos os momentos não mediu esforços e sempre agiu de forma


proativa para solucionar todos os problemas operacionais que um empreendimento deste
porte requer, um verdadeiro desafio. Entretanto a ELETRONORTE não é culpada por inúmeros
fatores que extrapolam a nossa responsabilidade e que levaram a esta situação.

- Salientamos que um projeto desta complexidade é esperado e plenamente justificável que


aconteçam erros de implementação sejam nos projetos funcionais ou nas lógicas. A estrutura
de suporte e supervisão de operação e manutenção contratada pela ELETRONORTE junto ao
fabricante tem resolvido estes problemas assim que são identificados. Já os problemas que
advém da integração com outros agentes, como as usinas e o bipolo 2, não dependem
exclusivamente da ELETRONORTE e muitos deles tiveram sua origem em condições não
previstas em edital.

 Há problemas de projeto, estudos de graduação das proteções, parametrização,


comissionamento, qualidade dos equipamentos, capacitação das equipes de
manutenção, etc?

 FILTROS

- A Eletrobrás ELETRONORTE vem realizando análises criteriosas, em conjunto com o


Fabricante, sobre o desempenho dos filtros, analisando as perturbações e esclarecendo as
atuações das respectivas proteções, constantes na resposta ao item g) do oficio nº 470/2015 –
SFE/ANEEL de 22/09/2015.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


167
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
- Em relação ao aumento da suportabilidade dos filtros de 500 kV, a Eletrobrás ELETRONORTE
esclarece que a suportabilidade dos componentes é adequada e que suas configurações, rating
e modulação foram ratificadas com a aprovação do projeto básico, conforme despacho Nº
1453, de 5 de abril de 2011 que resolve:

“I - Aprovar a conformidade das características técnicas do projeto básico das instalações de


transmissão do empreendimento Estação Retificadora nº 01 CA/CC 500/±600 kV, 3150 MW na
SE Coletora Porto Velho e Estação Inversora nº 01 CC/CA ±600/500 kV, 2950 MW na SE
Araraquara 2 com as especificações e requisitos técnicos das instalações de transmissão
descritas no Anexo I do Contrato de Concessão de Transmissão nº 012/2009-ANEEL.”

- Em complementação as informações já prestadas, apresentamos o histórico das ações


adotadas, bem como os resultados obtidos para cada uma das funções de proteção dos filtros:

a) CAPACITOR UNBALANCE PROTECTION

- A Eletrobrás ELETRONORTE informa que o resultado das análises realizadas pelo Fabricante
ratificou que as atuações da proteção Capacitor Unbalance TRIP foram adequadas:

- Na ocorrência do dia 30/03/2015 às 17:32:45, a proteção Capacitor Unbalance Trip do filtro


FH 52 atuou corretamente. Vale destacar que a atuação da proteção foi devido a presença de
alta corrente de inrush gerando elevados níveis harmônicos de baixa frequência, durante
manobras de energização do transformador conversor TF6 do Bipolo 1.

- Cabe ressaltar que a Eletrobrás ELETRONORTE mitigou a geração alta corrente de inrush
durante a manobra de energização de seus transformadores conversores, a partir de
07/05/2015, quando finalizou os ajustes mecânicos nos disjuntores associados aos
transformadores conversores do Bipolo 1, bem como a calibração nos respectivos relés T183
(Controlador de fechamento dos polos dos disjuntores considerando fluxo remanente do
transformador), conforme SGIs (nº 16.063-15, 16.076-15, 15.959-15, 16.056-15, 16.650-15 e
16.642-15). Ressaltamos que o ONS confirmou a eficácia das medidas adotadas pela empresa,
conforme pode ser demonstrado na transcrição da folha n° 4 da Memória da Reunião ANEEL
realizada em 28/09/2015, referente aos ofícios nº 467 e 468/2015-SFE/ANEEL:

“O ONS informou que foram tomadas medidas satisfatórias para ajustes nos sincronizadores
associados aos disjuntores que manobram os transformadores conversores dos bipolos e do
Back-to-Back.”

- Após a conclusão dos trabalhos não foram observadas reincidências de atuação dessa
proteção, quando da manobra de energização de transformadores conversores, pertencentes
aos ativos sob responsabilidade da ELETRONORTE

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


168
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
b) RESISTOR OVERLOAD PROTECTION

- A ELETRONORTE informa que a atuação da proteção Resistor Overload Trip ocorreu nos
filtros FH 42, FH 53 e FH 54, relatados no item g. As atuações da proteção Resistor Overload
Trip do filtro FH 53 ocorreram durante as manobras de energizações do transformador
conversor do Bipolo 2, já as atuações da citada proteção no filtro FH 42 ocorreram durante as
manobras de energizações dos transformadores conversor dos Bipolos 1 e 2, enquanto houve
uma atuação da referida proteção do filtro FH 54 durante a manobra de energização do
transformador elevador da SAESA.

- Nos estudos realizados para análise do desempenho dos filtros de 500 kV, em PSCAD, pelo
fabricante ABB, apresentaram resultados que mostram que o dispositivo de manobra
controlada dos disjuntores dos transformadores conversores aplicado no Bipolo 2, por não
considerar fluxo remanente, pode causar corrente de inrush elevadas causando o
desligamento dos filtros CA do Bipolo 1.

Diante das constatações acima, a Eletrobrás ELETRONORTE tomou as seguintes providencias:

- A ELETRONORTE mitigou a geração alta corrente de inrush durante a manobra de


energização de seus transformadores conversores, a partir de 07/05/2015, quando finalizou os
ajustes mecânicos nos disjuntores associados aos transformadores conversores do Bipolo 1,
bem como calibração nos respectivos relés T183 (Controlador de fechamento dos polos dos
disjuntores considerando fluxo remanente do transformador), conforme SGIs (nº 16.063-15,
16.076-15, 15.959-15, 16.056-15, 16.650-15, 16.642-15).

- A ELETRONORTE realizou atividades específicas de pesquisa no filtro FH 53 com objetivo de


identificar alguma anormalidade no sistema de proteção do referido equipamento. No dia
21/10/2015 (SGI nº 43.297-15) foram realizados testes no sistema de medição das proteções
Resistor Overload Protection e Low Voltage Capacitor Protection do filtro FH 53, os quais
resultaram em uma adequação do sistema de medição, para mitigar a atuação das referidas
proteções quando da presença de elevadas correntes de inrush, as quais eram responsáveis
pela geração de elevados níveis harmônicos de baixa frequência, durante manobras de
energização dos transformadores conversores.

- Cabe ressaltar que as pesquisas sobre as atuações das proteções citadas somente foram
possíveis após levantamento de dados das perturbações provocadas pelas manobras de
energização dos transformadores conversores do Bipolo 2, durante os teste de
comissionamento e que as mesmas demonstraram terem sido efetivas, no sentido de evitar
atuações dessas proteções relacionadas com o filtro FH53.

- Adicionalmente, o ONS, a SAESA e a ESBR adotaram medidas para mitigar a geração de altas
correntes de inrush durante a manobra de energização dos transformadores elevadores das
usinas para evitar reincidência de atuações similares como da referida proteção do filtro FH 54.
Os referidos agentes avaliaram e implantaram procedimentos operativos para energização dos
transformadores elevadores por meio de tensão proveniente das próprias máquinas, com
sincronização pelo lado de 500 kV na alta dos transformadores elevadores. Destacamos que o

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


169
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
assunto foi registrado na folha n° 4 da Memória da Reunião ANEEL realizada em 28/09/2015,
referente aos ofícios nº 467 e 468/2015-SFE/ANEEL:

“O Operador também informou que estão sendo implantados procedimentos pelas usinas de
Santo Antônio e Jirau para energização dos transformadores elevadores por meio de tensão
proveniente das próprias máquinas, com sincronização pelo lado de 500 kV na alta dos
transformadores elevadores, evitando impactos para os equipamentos da SE Coletora Porto
Velho.”

- A Eletrobrás ELETRONORTE informa que o resultado das análises realizadas pelo Fabricante
ratificou que as atuações da proteção RESISTOR OVERLOAD TRIP foram adequadas, uma vez
que após a realização das ações acima citadas, não foram observadas atuação desta proteção
nas condições mencionadas.

c) LOW VOLTAGE CAPACITOR PROTECTION

- A ELETRONORTE informa que a atuação da proteção Low Voltage Capacitor Overcurrent Trip
ocorreu nos filtros FH 41, FH 51, FH 52 e FH 53. A finalidade dessa proteção é a de detectar
queima de elementos do banco de capacitores dos filtros, do ramo HP3, contudo esta
proteção é sensível à presença de alta corrente de inrush gerando elevados níveis harmônicos
de baixa frequência, durante manobras de energização dos transformadores, e também é
sensível a variação de frequência sistêmica originada durante distúrbios no Complexo Madeira.

- A ELETRONORTE ressalta que a operação do elo de corrente continua sem comunicação


entre os terminais inversor e retificador utiliza o modo de operação “Backup Sychronous
Control” e nesta modalidade o desempenho das ações que envolvem a alteração da ordem de
corrente, tais como redistribuição de potência entre os elos e de controle de frequência, fica
comprometido conforme previsto no projeto. Portanto nesta condição, caso ocorram
distúrbios no elo de corrente continua, o controle de frequência do sistema 500 kV da SE
Coletora Porto Velho passa a ser das usinas de Jirau e Santo Antônio.

- Como visto nas perturbações dos dias 21 e 22/03/2015, nos momentos em que o controle de
frequência foi realizado pelas usinas, foram observadas excursões dinâmicas de frequência
sistêmica que causaram o desligamento dos filtros por atuação da proteção em questão.

 Quais ações a ELETRONORTE está tomando para reduzir os desligamentos causados


por esses tipos de problemas?

Diante das constatações acima, a Eletrobrás ELETRONORTE tomou as seguintes providências:

- A ELETRONORTE mitigou a geração alta corrente de inrush durante a manobra de


energização de seus transformadores conversores, a partir de 07/05/2015, quando finalizou os
ajustes mecânicos nos disjuntores associados aos transformadores conversores do Bipolo 1,
bem como calibração nos respectivos relé T183 (Controlador de fechamento dos polos dos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


170
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
disjuntores considerando fluxo remanente do transformador), conforme SGIs (nº 16.063-15,
16.076-15, 15.959-15, 16.056-15, 16.650-15, 16.642-15);

- A Eletrobrás ELETRONORTE realizou atividades específicas de pesquisa no filtro FH 53 com


objetivo de identificar alguma anormalidade no sistema de proteção do referido equipamento.
No dia 21/10/2015 (SGI nº 43.297-15) foram realizados testes no sistema de medição das
proteções Resistor Overload Protection e Low Voltage Capacitor Protection do filtro FH 53, os
quais resultaram em uma adequação do sistema de medição, para mitigar a atuação das
referidas proteções quando da presença de elevadas correntes de inrush, as quais eram
responsáveis pela geração de elevados níveis harmônicos de baixa frequência, durante
manobras de energização dos transformadores conversores. Cabe ressaltar que as pesquisas
sobre as atuações das proteções citadas somente foram possíveis após levantamento de dados
das perturbações provocadas pelas manobras de energização dos transformadores
conversores do Bipolo 2, durante os teste de comissionamento e que as mesmas
demonstraram terem sido efetivas, no sentido de evitar atuações dessas proteções
relacionadas com o filtro FH53.

- A ELETRONORTE e o fabricante realizaram estudos para reproduzir as condições sistêmicas


(Manobras de energização de transformadores conversores com correntes de inrush elevadas
e excursões dinâmica da frequência em Porto Velho) com o objetivo de analisar o desempenho
dos filtros de 500 kV. Como resultado deste estudo foi proposto novo ajuste de trip da referida
proteção, ampliando a temporização de um segundo para trinta segundos. O novo ajuste da
proteção Low Voltage Capacitor Overcurrent Trip dos filtros de 500 kV, foi implantado no dia
17/01/2016, conforme SGI 1.333-16.

d) PROTEÇÃO DE SOBRETENSÃO DOS FILTROS

- O ONS, com a participação dos agentes envolvidos, vem realizando os estudos pré-
operacionais para a integração do Complexo Gerador do Rio Madeira, e por meio dos
relatórios recomenda aos agentes a implantação e/ou alteração dos ajustes sistêmicos
necessários nas instalações da rede básica, inclusive da proteção de sobretensão dos filtros.

- Diante isso, a ELETRONORTE atendeu, antes da entrada em operação do Bipolo 1 em


novembro de 2013, as recomendações para a implantação dos ajustes da proteção de
sobretensão dos filtros contempladas no relatório RE-ONS 3/047/2013 "ESTUDOS PRÉ-
OPERACIONAIS PARA INTEGRAÇÃO DO MADEIRA COM O 1º BIPOLO EM OPERAÇÃO" – Volume
1, emitido em 12/06/2013 e revisado em 27/06/2013 (Revisão 1) e em 16/01/2014 (Revisão 2).

- As restrições e as medidas operativas necessárias para viabilizar a operação inicial do Bipolo


01 do Complexo Madeira, em configuração bipolar, juntamente com a estação conversora
Back-to-Back e sem o transformador provisório, foram apresentadas no relatório RE-ONS
3/047/2013 ESTUDOS PRÉ-OPERACIONAIS PARA INTEGRAÇÃO DO COMPLEXO GERADOR DO
RIO MADEIRA CONSIDERANDO A ENTRADA EM OPERAÇÃO DO 1º BIPOLO - VOLUME 2 -
OPERAÇÃO INICIAL EM CONFIGURAÇÃO BIPOLAR, encaminhado aos agentes envolvidos em

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


171
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
13/02/2014. Neste relatório não contemplam adequações necessárias nos ajustes de
sobretensão dos filtros.

- O terceiro relatório, ONS RE 3/068/2013 ESTUDOS PRÉ-OPERACIONAIS PARA INTEGRAÇÃO


DO COMPLEXO GERADOR DO RIO MADEIRA CONSIDERANDO A ENTRADA EM OPERAÇÃO DO
2º BIPOLO – Volume 2- OPERAÇÃO INICIAL DO BIPOLO 2, recebido dia 17/12/2015, apresenta a
análise do desempenho em regime permanente e dinâmico do 2º bipolo do elo de transmissão
em corrente contínua, visando identificar eventuais restrições e medidas operativas
necessárias para a sua operação inicial com ordens de potência até 1.575 MW, operando
stand-alone e em conjunto com o Bipolo 01 e a estação conversora Back-to-Back, sob a
coordenação do Controle Mestre do sistema de transmissão em corrente contínua e dos
respectivos GSC das usinas de Santo Antônio e Jirau.

- Destaca-se que as recomendações visando adequações nos valores dos ajustes da proteção
de sobretensão dos filtros dos filtros do Bipolo 1, contidas no referido relatório, foram
implantados dia 17/01/2016 conforme SGI 1.333-16, atendendo plenamente a data
recomendada pelo ONS. Ressalta-se o fato de que esta proteção é de caráter sistêmico e de
que a definição e a os ajustes são de responsabilidade do ONS, cabendo aos agentes realizar as
devidas implantações, após a emissão do referido relatório.

e) CONTROLE MESTRE

- A ELETRONORTE apresenta o histórico das inúmeras ações, ajustes e adequações


desenvolvidas no Master Control e controle do Bipolo 1 para agilizar a entrada em operação
das usinas, num momento extremamente delicado do ponto de vista do cenário
eletroenergético que marcou o sistema elétrico nacional, desde o ano de 2013. Cabe ressaltar
que as questões que demandaram soluções alternativas e provisórias ocorreram em razão de
situações não previstas no edital.

- O aproveitamento energético do Rio Madeira é inédito e complexo em diversos aspectos


técnicos e regulatórios, além de retomar a aplicação da tecnologia HVDC em linhas de
transmissão longas no Brasil após algumas décadas. O planejamento deste empreendimento
deixou de detalhar algumas questões que impactaram o desenvolvimento dos projetos dos
diversos agentes envolvidos, especialmente dos sistemas de proteção e controle e em
particular do Master Control, a quem cabe coordenar ações automáticas para operação dos
dois elos de corrente contínua, dois conversores Back-to-Back e das usinas Jirau e Santo
Antonio.

- Reiteramos que no item 3 da carta ONS-1901/100/2014, de 03/12/2014, encaminhada à


Diretoria Geral desta agência, foram relatadas as situações não previstas originalmente e que
demandaram da ELETRONORTE ações proativas para viabilizar adequações nos controles
Bipolo 1 e Master Control, dentre as quais destacamos:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


172
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
• Alteração das tabelas de controle de reativos – sequencia de inserção de filtros
possibilitando a entrada em operação do Bipolo 1 com um número reduzido de
unidades geradoras;

• Adequações no controle de frequência (parcelas proporcional e integral) em virtude


dos problemas dos reguladores de velocidades das unidades geradoras das usinas do
complexo Madeira;

• Comissionamento do Master Control com GSC - Generation Station Coordinator ;

• Necessidade de alteração de parâmetros e inclusão de novas funções de controle dos


Bipolos, não contempladas no edital de licitação e na fase de projeto básico.

- A ELETRONORTE implantou em 06/01/2015 uma lógica de correção do comportamento dos


sinais MAX_GEN, considerando um valor de potência pré-falta com tempo fixo. Esta ação foi
necessária porque as informações de potência despachada pelas usinas, proveniente do GSC,
correspondem aos valores instantâneos de potência.

- Cabe ressaltar que desde a implantação da citada lógica, foi observada uma melhora no
desempenho do corte de geração quando comparada à condição anterior.

- Diante do exposto, a Eletrobrás ELETRONORTE atendeu a recomendação desta agência e


ressalta que está à disposição para, em conjunto com as usinas, buscar aperfeiçoamentos e
melhorias na referida lógica, como o cálculo da potência mecânica dos geradores realizado
pelos GSCs das Usinas. Neste caso, a inclusão do cálculo da potência mecânica nos GSCs
proverá informações com maior precisão, visto que as usinas possuem todos os dados
elétricos e mecânico das suas máquinas, características intrínsecas aos reguladores de
velocidade de cada unidade, bem como informações sobre os seus transdutores e respectivas
constantes de tempo. Devido a complexidade de desta lógica foi acordado com o ONS que a
lógica será implantada em etapas. A primeira, prevista para julho de 2016 consiste de
implantar a lógica, porém ficando inoperante, mas com as suas variáveis calculadas
disponibilizadas em oscilografias. À medida que a análise das ocorrências indicarem um
desempenho satisfatório, poderá então ser colocada em operação. O ONS solicitou menos 60
dias para avaliação.

- Esta dificuldade deve-se a complexidade do empreendimento e a falta de um simulador do


GSC no ONS.

- Foram realizadas várias reuniões com o ONS e as usinas para discutir as melhorias a serem
realizadas. A última reunião, realizada em 17/05/16 deixou evidente que as melhorias ainda
possíveis de serem realizadas, serão implantadas no GSC de Santo Antônio para deixar pelo
menos cinco geradores em operação, mesmo que o Controle Mestre envie MAX_GEN_PWR
menor. Fica assim evidente que as melhorias possíveis e viáveis de serem implantadas no
Controle Mestre já foram efetivadas .

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


173
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
f) ENERGIZAÇÃO DE TRANSFORMADORES

- A ELETRONORTE mitigou a geração alta corrente de inrush durante a manobra de


energização de seus transformadores conversores, a partir de 07/05/2015, quando finalizou os
ajustes mecânicos nos disjuntores associados aos transformadores conversores do Bipolo 1,
bem como a calibração nos respectivos relés T183 (Controlador de fechamento dos polos dos
disjuntores considerando fluxo remanente do transformador), conforme SGIs (nº 16.063-15,
16.076-15, 15.959-15, 16.056-15, 16.650-15 e 16.642-15)

- Após a realização das intervenções, a ELETRONORTE monitorou as manobras de energização


dos transformadores conversores, e apresenta na tabela abaixo os valores obtidos de
correntes de inrush nas energizações desses equipamentos através de dispositivos que levam
em conta o fluxo remanente:

DATA POLO Corrente

1 10/07/2015 11:53 P1 72A

2 10/07/2015 13:51 P2 81A

3 11/08/2015 05:53 P1 78A

4 11/08/2015 06:00 P2 70A

5 20/08/2015 16:37 P1 85A

6 27/08/2015 13:27 P1 63A

7 02/09/2015 14:51 P2 67A

8 03/09/2015 20:45 P2 67A

Os resultados evidenciam correntes mínimas de inrush durante as manobras de energização


dos transformadores conversores e, conforme previsto, não foram identificados reincidências
de desligamentos de filtros de 500 kV do Bipolo 1 e Back-to-Back nestas ocasiões.

Ressaltamos que o ONS confirmou a eficácia das medidas adotadas pela ELETRONORTE,
conforme pode ser demonstrado na transcrição da folha n° 4 da Memória da Reunião ANEEL
realizada em 28/09/2015, referente aos ofícios nº 467 e 468/2015-SFE/ANEEL:

“O ONS informou que foram tomadas medidas satisfatórias para ajustes nos sincronizadores
associados aos disjuntores que manobram os transformadores conversores dos Bipolos e dos
Back-to-Back.”

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


174
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
 Existe equipe própria capacitada e especializada para executar manutenções
preventivas e corretivas nos equipamentos dos sistemas das conversoras BtB, corrente
continua, tiristores e Controle Mestre?

- O quadro de pessoal da ELETRONORTE lotado na CPV para atendimento a manutenção do


BP1 e BtB é próprio, composto por 02 engenheiros eletricistas, 01 engenheiro mecânico e 10
técnicos, que possuem experiência na área. Além destes, os 11 operadores realizam também
algumas atividades básicas de manutenção, como Manutenção Autônoma dos geradores de
emergência, dos transformadores conversores e do sistema de incêndio. Todo este pessoal
acompanhou o comissionamento do BP1 em campo, que serviu como aprendizado. Além
disso, quatro colaboradores participaram do desenvolvimento do projeto do BP1 na
ABB/Suécia. Complementando o quadro há ainda técnico eletrotécnico que foi cedido da
ELETROSUL para a ELETRONORTE e que acompanhou o comissionamento do BtB.

- Foram contratados junto ao fornecedor vários treinamentos para capacitar o pessoal de


manutenção e de operação. Além disso, a ELETRONORTE contratou outros treinamentos
específicos, como por exemplo, Universidade de Uberlândia (curso de HVDC e eletrodo).
Aspectos Gerais da Transmissão em Corrente Contínua – HVDC, ministrado pelo Professor PhD
José Carlos de Oliveira da Universidade Federal de Uberlândia.

- Antes da entrada em operação o pessoal de operação e manutenção também conheceram as


instalações de Ibiúna e Foz do Iguaçu de FURNAS e a conversora Igarabi, para conhecer os
processos semelhantes em operação.

- Existe também uma estrutura na própria regional de operação em Porto Velho para suporte
para manutenção, especialmente para a manutenção de linhas, telecomunicações e funções
administrativas, bem como as áreas de engenharia de operação e engenharia de manutenção
em Brasília, que também participaram do desenvolvimento do projeto do BP1 na ABB Suécia,
acompanharam o comissionamento em campo e os estudos no simulador do ONS.

- Esclarecemos que os ativos referentes ao BtB foram incorporados pela ELETRONORTE a partir
de 30/06/15, porém deste o início de 2015 iniciou-se o processo de transferência de
informações da ELETROSUL, para viabilizar tanto a operação e manutenção pela
ELETRONORTE. Houve período inclusive de operação compartilhada entre as empresas e
participação conjunta na manutenção. Treinamentos feitos com a ELETROSUL destaca-se que
os equipamentos do BP1 e do BtB são do mesmo fornecedor ABB, o desenvolvimento do
projeto ocorreu em paralelo, com participação em conjunto da engenharia de projeto e de
manutenção da ELETRONORTE e da ELETROSUL. Várias definições de projeto foram discutidas
e definidas por consenso entre as empresas. Durante os testes em fábrica, por exemplo, o
pessoal da ELETRONORTE acompanhou os testes do BtB.

- Observamos ainda que há semelhança entre BP1 e o BtB de equipamentos, filosofia de


projeto e o próprio sistema de proteção e controle. Isto facilitou sobremaneira a absorção da
operação e manutenção.

- A ELETRONORTE possui ainda um contrato de suporte a manutenção com a ABB, que


disponibiliza cinco engenheiros nas instalações da ELETRONORTE em campo, para apoio às

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


175
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
atividades de manutenção de equipamentos e de proteção e controle, bem como a análise de
ocorrências. Dentro deste contrato a ELETRONORTE pode acionar outros especialistas para
desenvolver estudos, implementar melhorias, analisar ocorrências e realizar treinamentos.

 Quais ações a ELETRONORTE está tomando para reduzir os desligamentos causados


por Falha Humana?

- Os procedimentos básicos para operação e recomposição do sistema HVDC estão


normatizados e implantados junto às equipe de Operadores de Sistema e de Instalação.
Adicionalmente aos treinamentos rotineiros que são ministrados pela Eletrobrás
ELETRONORTE, está previsto para o ano de 2016, com o suporte técnico do Cepel, o
desenvolvimento inovador das lógicas de controle do sistema HVDC no simulador OTS, o que
permitirá aperfeiçoar o processo de capacitação dos Operadores utilizando cenários de
perturbações, manobras especiais, além do aspecto comportamental, inclusive com avaliação
da comunicação operacional.

As ações de manutenção são precedidas de planejamento detalhado das atividades. Existem


procedimentos normalizados para as atividades. Além disso, estas atividades são
supervisionadas e orientadas pela equipe de suporte da ABB no âmbito do sistema HVDC.

- As ações corporativas e específica para a SE Coletora Porto Velho estão descritas nos Planos
de Melhorias elaborados.

Prognóstico:

Com base no exposto constata-se que os problemas encontrados na Subestação Coletora


Porto Velho que causaram desligamento de equipamentos foram por causa de falha humana
principalmente por proteção.

Tendo em vista que a SFE já solicitou, por meio do Ofício nº 177/2016-SFE/ANEEL de


25/4/2016, um Plano de Melhorias (Campanhas) objetivando a redução drástica de causa
provocadas por falhas humanas, assim como redução dos desligamentos classificados como
indeterminadas, em todas as concessões da empresa, não foi solicitado um plano para falha
humanas específico para esta subestação.

Ainda com relação ao Plano de Melhoria para falhas humanas e com relação à SE Coletora
Porto Velho, foi proposto que o plano tenha especial atenção a divisão da Coletora Porto
Velho além das regionais Tucuruí e Marabá, subestações tratadas neste relatório.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


176
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.3.2. Perturbações na Transmissora JTE

A JTE foi convocada através do Ofício nº 174/2016-SFE/ANEEL, de 22 de abril de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 18 de abril de 201619 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos de causa indeterminada).

LT 230 kV VILHENA / JAURU C 1 e C 2 RO/MT

Ambas as linhas de transmissão, circuitos 1 e 2 entre a subestação Vilhena no estado de


Rondônia e a subestação Jauru no estado do Mato Grosso estão sob concessão da Jauru
Transmissora de Energia – JTE pertencendo ao grupo CELEO Redes. As linhas de transmissão
estão em operação comercial desde 2009 e possuem 345 km de extensão. Possuem
religamento automático configurado para 1 segundo nos casos de religamento monopolar e 4
segundos quando tripolar.

Abaixo segue quadro resumo das perturbações ocorridas no período analisado para cada
circuito.

Quadro resumo das perturbações (C 1)


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
3/10/14 13:56 Sem Localização Específica Indeterminada Trifásica
15/10/14 17:14 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/10/14 15:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/10/14 15:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
6/12/14 20:35 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
10/1/15 15:23 Sem Localização Específica Indeterminada 0
10/1/15 15:23 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 14:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 18:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/1/15 17:07 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/2/15 16:05 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
26/2/15 12:27 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
2/3/15 16:45 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/3/15 18:08 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica-Terra
7/3/15 6:05 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
11/3/15 14:47 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
11/3/15 15:05 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

19
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003442/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


177
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
2/4/15 15:29 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/4/15 16:50 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/4/15 15:48 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/4/15 15:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/4/15 16:32 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/4/15 16:32 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/6/15 17:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Quadro resumo das perturbações (C 2)


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
6/8/14 15:21 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Bifásica
17/9/14 15:43 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
3/10/14 13:56 Sem Localização Específica Indeterminada Trifásica
17/10/14 16:25 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
17/10/14 16:28 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
17/10/14 16:28 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
27/10/14 14:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/10/14 15:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/10/14 15:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
8/1/15 17:27 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 14:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/2/15 16:05 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
26/2/15 12:27 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
3/3/15 18:08 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/3/15 6:05 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
11/3/15 14:47 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
11/3/15 15:05 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
29/4/15 15:01 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica-Terra
29/4/15 16:32 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica-Terra
30/4/15 15:43 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificados 44 registros no total (somando-se os circuitos 1 e 2) no período analisado


(1º de agosto de 2014 a 31 de julho de 2015), cujas causas informadas no SIPER estão
apresentadas a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


178
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
• 44 ocorrências no período analisado:

• 33 registros com causa indeterminada: 6 desligamentos, sendo


algumas ocorrências com mais de 1 registro para cada circuito,

• 10 registros por descarga atmosférica: 5 ocorrências no total e todas


com simultaneidade em ambos os circuitos

• 1 ocorrência por queimada;

Foi constatado que em 10 ocorrências houve desligamento simultâneo nos 2 circuitos sempre
por descarga atmosférica, uma vez que nesses casos, há o desligamento de ambos os circuitos.

Todos os desligamentos por Descarga Atmosférica foram registradas em fevereiro ou março de


2015.

Em algumas ocorrências analisadas com relação à descarga atmosférica as informações dadas


pelo agente foram incompletas e/ou imprecisas, como por exemplo: no sequencial de eventos
recebido pelo ONS não foi registrada a operação da proteção do circuito 2; ocorrências com
nova falta e não foi registrado no SIPER.

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 76 – Causas dos desligamentos

Constata-se que em 75% das ocorrências não foi identificada a causa, sendo classificadas como
causa indeterminada.

A JTE informou que a dificuldade em determinar a causa está relacionada à necessidade de


identificação pelas equipes de LT das evidências dos desligamentos.

Prognóstico:

A Celeo Redes está implantando em suas concessionárias o sistema de localização de faltas por
ondas viajantes para melhorar a eficiência na localização das faltas.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


179
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em resposta ao Oficio Circular nº 008/2015 da SCT/ANEEL, a Jauru Transmissora de Energia
encaminhou o cronograma de execução de cada reforço sob sua responsabilidade relacionado
no Anexo VI do documento “Consolidação de Obras de Transmissão 2015 – Volume I – RB e
DIT” emitido pelo Ministério de Minhas de Energia.

Segue abaixo o cronograma referente à instalação do Registrador de Perturbações com ondas


viajantes:

Figura 77 – Cronograma de instalação do registrador de perturbações

Referente aos desligamentos por descargas atmosféricas a JTE informou que embora tenha
implementado (entre maio e abril de 2010 e julho 2011) melhorias no sistema de aterramento,
aumento na isolação e instalação de para-raios de LT com o objetivo de melhoria no
desempenho frente a descargas atmosféricas, o monitoramento do desempenho da LT não
apresentou melhoras em longo prazo.

Com isto, a JTE contratou o Lightning Research Center – LRC (UFMG-CEMIG) que apresentou
em jun/2015 o estudo “Melhoria de desempenho da Linha de Transmissão de 230 kV Vilhena -
Jauru frente a descargas atmosféricas” realizado pelo LRC – Núcleo de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico em Descargas Atmosféricas – UFMG.

A JTE informou que o estudo avaliou diversas topologias de melhorias na LT para o


desempenho convergir no limite de 2 desligamentos de descargas atmosféricas a cada 100 km
(atendendo os requisitos dos Procedimentos de Redes) e em todos os casos de estudo, entre
outras ações, o LRC indicou a utilização do método inovador “underbuilt cable”, que
corresponde a instalação de cabos aéreos abaixo das fases, conforme a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


180
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 78 – Ilustração da solução underbuilt cable a ser implantada pela JTE

Ainda referente ao novo método, a JTE informa que devido este método ser inovador e ainda
não ter sido testado em grande escala para linhas em funcionamento, foi solicitado ao LRC um
projeto de Pesquisa e Desenvolvimento, cuja proposta foi apresentada em abril de 2016 com o
tema “Aplicação e Aferição de Novas Tecnologias para Melhoria de Desempenho de Linhas de
Transmissão Instaladas em Condições Extremamente Inóspitas frente a Descargas
Atmosféricas”

O projeto está em fase de assinatura de contrato entre as partes, com previsão de início em
jun/2016 e com prazo total de execução de 3 anos, contemplando a instalação do “underbuilt
cable” em 100 km de linha nos primeiros 12 meses e o monitoramento dos resultados por 2
anos.

A JTE informa que as ações adicionais ao “underbuilt cable” indicadas no estudo do LRC, tais
como instalação de para-raios de LT e aumento do contrapeso, serão consideradas em 2016 no
sistema SGPMR, ciclo 2016-2019.

Quanto aos desligamentos forçados por descargas atmosféricas, a SFE solicitou, por meio do
Ofício nº 229/2016-SFE/ANEEL de 19/5/2016, um Plano de Melhoria específico para as linhas
de transmissão Jauru-Vilhena 230 kV circuitos 1 e 2, objetivando a redução drástica dessa
causa de desligamentos.

Com base no exposto e tendo em vista que esta SFE já solicitou, por meio do Ofício nº
174/2016-SFE/ANEEL de 22 de abril de 2016, um Plano de Melhorias (Campanhas) objetivando
a redução drástica de causa classificadas como indeterminadas em todas as concessões da
empresa, não foi solicitado um plano específico para melhoria das causas indeterminadas para
estas linhas.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


181
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.3.3. Perturbações na Transmissora TME

A TME foi convocada através do Ofício nº 222/2016-SFE/ANEEL, de 16 de maio de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 16 de maio de 201620 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos.

LT 500 kV JAURU / SUB CUIABA C 1 MT

Linha de transmissão em operação comercial desde 23 de novembro de 2009 com 348 km de


extensão sob concessão da Transmissora Matogrossense de Energia S.A. - TME. Esta linha
possui religamento automático.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
13/9/14 15:28 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
23/9/14 18:56 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
4/10/14 16:22 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
4/10/14 16:22 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
13/10/14 18:37 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
17/10/14 17:49 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
18/10/14 15:44 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
18/10/14 16:28 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
23/1/15 15:41 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
27/3/15 16:43 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
27/3/15 16:45 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
22/5/15 17:01 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
9/6/15 3:55 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 13 registros de ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31


de julho de 2015), de responsabilidade da TME, cujas causas informadas no SIPER estão
apresentadas a seguir:

• 1 desligamento por causa indeterminada

• 12 desligamentos por descarga atmosférica:

20
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003551/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


182
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
• 11 desligamentos descritos como PROVÁVEL descarga atmosférica.
Não foram encontradas informações referentes à oscilografia nem
sobre as confirmações das causas dos desligamentos.

• 7 desligamentos concentrados nos meses de setembro e outubro

• 6 RA com sucesso nas faltas monofásicas. Quando a falta é bifásica, o


RA não atua por configuração.

A principal causa dos desligamentos nesta linha de transmissão é devido à Descargas


Atmosféricas. A TME informou que os procedimentos adotados para confirmar as causas dos
desligamentos são as inspeções locais pela equipe de linha de transmissão nas torres próximas
da quilometragem indicada pelo localizador de falta e a análise das oscilógrafas pela equipe de
proteção. Informa também que não possui equipamentos meteorológicos para identificação
das descargas atmosféricas. A TME utiliza os dados dos órgãos competentes que dispõe dessas
informações, sob demanda.

Prognóstico:

Com base no exposto e com base nas soluções apresentadas pela empresa, a SFE solicitou
através do Oficio 265/2016-SFE/ANEEL de 13 de junho de 2016, que seja proposto pela TME,
um Plano de Melhoria específico para a linha de 500kV Jauru/ Cuiabá – circuito 1 referente aos
Desligamentos por descarga atmosférica.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


183
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4. Perturbações ocorridas nos estados da Região Sul

Os critérios de seleção elegeram o total de 330 desligamentos envolvendo os estados da


Região Sul, sendo estes em 16 instalações, das quais 2 são Subestações e 14 Linhas de
Transmissão. A distribuição percentual com relação aos 1.142 desligamentos sob análise deste
relatório está demostrada na Figura 79.

Figura 79 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para


análise

Figura 80 – Estados com instalações analisadas (Região Sul)

A Tabela 14 apresenta um resumo das perturbações analisadas.

Tabela 14 – Resumo das perturbações analisadas na região Sul


Perturbações Corte de
Total de
Transmissora Instalação com Corte de Carga Total
Desligamentos
Carga no Período
CEEE-GT SE PORTOALEGRE6 3 67,00 6
CEEE-GT LT 230 kV SCHARLAU / CHARQUEADAS C 1 RS 0 0,00 24
CEEE-GT LT 230 kV SANTA MARIA 3 / ALEGRETE2 C1 RS 6 246,30 20
CEEE-GT LT 230 kV PRE.MEDICI / QUINTA C 1 RS 0 0,00 34
CEEE-GT LT 230 kV PRE.MEDICI / CAMAQUA C 1 RS 0 0,00 44
CEEE-GT LT 230 kV PRE.MEDICI / BAGE2 C 1 RS 1 36,60 5
CEEE-GT LT 230 kV PASSO REAL / V.AIRES C 1 RS 0 0,00 10
CEEE-GT LT 230 kV ITAUBA / NOVA STA RITA C 1 RS 0 0,00 12

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


184
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Perturbações Corte de
Total de
Transmissora Instalação com Corte de Carga Total
Desligamentos
Carga no Período
CEEE-GT LT 230 kV C.INDUSTRIAL / V.AIRES C 1 RS 0 0,00 16
CEEE-GT LT 230 kV BAGE2 / LIVRAMENTO 2 C 1 RS 1 11,00 16
CEEE-GT LT 138 kV SANTA MARIA1 / ALEGRETE C 1 RS 0 0,00 76
CEEE-GT LT 138 kV JACUI / SANTA MARIA1 C 1 RS 0 0,00 18
COPEL-GT SE FIGUEIRA 5 99,20 11
ELETROSUL LT 525 kV BLUMENAU / CURITIBA C 1 SC/PR 0 0,00 11
ETAU LT 230 kV BARRA GRANDE / C.NOVOS C 1 SC 1 116,00 5
TSBE LT 525 kV ITA / NOVA STA RITA C 2 SC/RS 0 0,00 22

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


185
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4.1. Perturbações na Transmissora CEEE-GT

A CEEE-GT foi convocada através do Ofício nº 190/2016-SFE/ANEEL, de 27 de abril de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 12 de maio de 201621 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos por falhas humanas do tipo Acidental e em Sistemas de Proteção e
desligamento forçado com causa indeterminada).

Por meio de relatório, de 25 de maio de 2016, a CEEE-GT complementou as informações


pendentes em decorrência da reunião.

LT 138 kV JACUI / SANTA MARIA1 C 1 RS

Linha de Transmissão em 138 kV, com 86 km e sem religamento automático, com 18


desligamentos no período analisado, sendo 9 classificados como chuva/temporal, 7 como
indeterminada, 1 como pássaro e 1 como defeito conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa Descrição da Natureza Elétrica
Forçado
5/8/14 6:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
6/8/14 1:41 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
31/8/14 0:59 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
2/9/14 7:51 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
28/9/14 14:12 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Trifásica
26/10/14 2:23 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
4/12/14 23:40 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/12/14 9:55 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Bifásica-Terra
19/12/14 3:03 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/1/15 23:56 Transformador de Potencial Defeito Falta de Tensão / Subtensão
10/4/15 3:41 Isolador/Cadeia Pássaro Curicaca Fase-Terra
16/5/15 8:25 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/5/15 21:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/6/15 20:53 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
10/6/15 23:12 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
Evolução Fase-Terra / Bifásica-
17/6/15 22:45 Sem Localização Específica Chuva/Temporal
Terra
17/6/15 23:18 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
23/7/15 16:38 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra

21
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003524/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


186
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Diagnóstico:

Foram analisados 18 desligamentos da LT 138 kV Jacuí / Santa Maria C1, sob concessão da
CEEE-GT, dos quais 9 foram classificados como chuva/temporal, 7 como indeterminada, 1
como pássaro e 1 como defeito, sempre com atuação da proteção de distância da LT.

Dos 18 desligamentos, 17 tiveram recomposição em até 3 minutos e 1 provocou corte de carga


(128 MW), destacado a seguir:

Em 12/01/2015, às 23:56, ocorreu o desligamento automático da linha de transmissão de 138


kV Jacuí – Passo Real C1, fase B, provocado pela explosão do TC no terminal de Jacuí, causando
danos no painel de proteção. Durante a eliminação do defeito, ocorreu o desligamento
automático, somente no terminal de Jacuí, das LTs 138 kV Jacuí – Passo Real C2, Cruz Alta 1 –
Jacuí, e Jacuí – Santa Maria 1, provocados por desarme dos mini disjuntores dos TPs de barra
de 138 kV, acarretando na falta de potencial nas linhas de transmissão, levando as atuações
das proteções primárias de distância das linhas. Foram interrompidos 128 MW das
distribuidoras AES SUL e RGE, contabilizadas no desligamento da LT 138 kV Jacuí / Santa Maria
C1. As cargas foram restabelecidas aproximadamente após 45 min do início da perturbação.

A CEEE-GT informou que efetuou manutenção nos circuitos secundários de potencial e


substituiu o transformador avariado.

Em relação ao desligamento de 10/04/2015, às 3:41, a transmissora esclareceu que houve


falha no processo de apuração das causas. A perturbação foi cadastrada indevidamente como
pássaro, sendo na realidade de causa indeterminada.

Os desligamentos classificados como chuva/temporal tiveram característica de defeito fugitivo


e foram associados às condições meteorológicas da região no momento das ocorrências.

Prognóstico:

Desligamentos geralmente associados a chuva/temporal, além de desligamentos com causa


indeterminada.

Por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa


Indeterminada a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes, com isso se espera uma redução na
indeterminação das classificações dos desligamentos.

Por se tratar de uma linha com menor quantidade de desligamentos, quando comparada às
demais linhas analisadas, não foi solicitado plano de melhorias específico para este
equipamento neste momento. Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


187
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja
para a redução dos desligamentos, seja para algum tema relacionado a essa Linha de
Transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


188
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 138 kV SANTA MARIA1 / ALEGRETE C 1 RS

Linha de Transmissão em 138 kV e com 197 km de extensão, com religamento monopolar


configurado em 1 segundo, em operação desde 30/07/1969. No período selecionado foram
analisados 76 desligamentos, sendo a linha de transmissão selecionada para análise que mais
desligou. Dos 76 desligamentos, 66 foram classificados como sendo de causa indeterminada e
10 como chuva/temporal, conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
1/8/14 19:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/8/14 20:27 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/8/14 21:41 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/8/14 23:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/8/14 0:31 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
4/8/14 20:37 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
11/8/14 20:52 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
18/8/14 4:24 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/8/14 4:39 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/9/14 20:10 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
16/9/14 9:29 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
17/9/14 2:47 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
28/9/14 1:22 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
28/9/14 23:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/10/14 23:36 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
12/11/14 0:45 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/11/14 0:46 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/11/14 5:23 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/12/14 18:59 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/12/14 4:40 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
17/12/14 11:57 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/12/14 23:42 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/12/14 3:53 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/1/15 23:04 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
15/1/15 0:51 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 1:28 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/1/15 1:55 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/1/15 2:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/1/15 14:57 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
28/1/15 9:18 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
11/2/15 5:22 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


189
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
12/2/15 4:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/2/15 2:03 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/2/15 22:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/2/15 23:22 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/3/15 4:18 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/3/15 1:22 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/3/15 20:52 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/4/15 2:53 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/4/15 19:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/4/15 19:48 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/4/15 12:23 Sem Localização Específica Indeterminada Sem Natureza Elétrica
4/5/15 21:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
5/5/15 6:33 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/5/15 0:44 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/5/15 0:24 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/5/15 23:25 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/5/15 23:33 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
18/5/15 3:16 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
24/5/15 3:19 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
28/5/15 0:50 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
28/5/15 3:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/6/15 6:44 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/6/15 4:47 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/6/15 22:23 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/6/15 22:09 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/6/15 2:27 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/6/15 4:55 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/6/15 20:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/6/15 22:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/7/15 3:53 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/7/15 19:49 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/7/15 20:48 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
10/7/15 3:42 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/7/15 20:09 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
14/7/15 22:43 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/7/15 0:31 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/7/15 21:08 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
18/7/15 4:07 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/7/15 3:27 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


190
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
20/7/15 0:49 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/7/15 14:46 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
21/7/15 22:00 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/7/15 21:07 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/7/15 23:39 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/7/15 6:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 76 desligamentos da LT 138 kV Santa Maria


1 / Alegrete C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 66 foram classificados como causa
indeterminada e 10 como chuva/temporal.

Entre os desligamentos, observa-se que 34 ocorreram entre os quilômetros 110 e 130 da Linha
de Transmissão e outros 15 desligamentos em até 30 km de algum dos terminais. Ainda,
observa-se que 79% dos desligamentos ocorreram nas fases B e C, com maior incidência nesta
última (43%).

Figura 81 – Fases desligadas na LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS

Em relação a atuação do Religamento Automático monopolar da linha, conclui-se que em 72%


dos desligamentos, houve atuação correta do Religamento, ao passo que nos 28% restantes
houve recusa, seja por atuação de proteção de distância em segunda zona, ou reincidência do
defeito dentro do tempo de guarda, ou ainda por discordância de polos.

Em reunião técnica realizada entre a SFE-ANEEL e a CEEE-GT, foram esclarecidos alguns


pontos, principalmente em relação à quantidade de ocorrências com causa indeterminada. Os
desligamentos cadastrados sem identificação da causa apresentam características
semelhantes, tais como natureza fugitiva do defeito, falta do tipo fase-terra e com indícios de
baixa impedância. Ocorrem geralmente em uma condição climática de tempo bom, associada
a uma condição de umidade elevada e entre 19h e 06h. Conforme estudo realizado em projeto

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


191
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
de P&D da CEEE-GT22, duas causas são prováveis para os desligamentos: pássaros ou umidade
elevada.

Figura 82 – Atuação do Religamento Automático (RA) da LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C1

A hipótese da umidade elevada é validada por meio de exclusão das demais causas e a partir
de correlação estatística apontada no estudo realizado.

Em relação aos desligamentos com possível causa relacionada à pássaros, existe pouca
confirmação durante as inspeções de campo pós ocorrência. Ainda assim, o período em que os
desligamentos ocorreram (mês e horário), são típicos da presença de pássaros. Os indícios de
dejetos em algumas torres em regiões das linhas de transmissão com incidência de
desligamentos, mesmo que as inspeções pós ocorrência não tenham identificado sinais de
descarga por cadeia de isoladores sujas, sugerem ser essa a causa de parte dos desligamentos.

As imagens a seguir ilustram a suspeita de desligamentos provocados por pássaros:

Figura 83 – Ilustração dos indícios de presença de pássaros entre os quilômetros 17 e 23 e no


quilômetro 139 da LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS

22
DOC SIC nº 48534.003524/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


192
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 84 – Indícios de presença de pássaros na LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS,
caracterizados pelos vestígios e fezes

A CEEE-GT esclarece que já vem instalando dispositivos anti-pouso ao longo de suas linhas de
transmissão com indícios de desligamentos provocados por dejetos de pássaros. Ainda, irá
intensificar a instalação de tais dispositivos nas linhas com maior número de desligamentos
forçados sem causa identificada.

Figura 85 – Dispositivos anti-pouso ao longo da LT 138 kV Santa Maria1 / Alegrete C 1 RS

Em relação à hipótese de os desligamentos terem sido causados por elevada umidade, cumpre
esclarecer que o assunto será melhor discutido quando da análise da LT 230 kV Presidente
Médici / Camaquã, no decorrer deste relatório.

Ainda sobre a quantidade de desligamentos de causa indeterminada, a CEEE-GT apresentou o


processo de classificação de ocorrências e identificação de causas, conforme fluxograma a
seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


193
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 86 – Fluxograma para tomada de decisão sobre classificação de ocorrências em linhas
de transmissão adotado pela CEEE-GT

Em relação ao processo de classificação, mesmo que uma ocorrência tenha característica de


alta impedância, com inspeção pós-ocorrência obrigatória, se não houve indícios de descarga,
essa pode ser classificada como indeterminada devido à falta de evidências que comprovem a
real causa. Em casos de desligamento de baixa impedância, a inspeção só ocorrerá após
análise e demanda da equipe de Engenharia de Linhas de Transmissão.

Prognóstico:

A grande maioria dos desligamentos da LT 138 kV Santa Maria 1 / Alegrete C1, de concessão
da CEEE-GT, não possui causa identificada. Dos 76 desligamentos, apenas 10 tiveram sua
classificação realizada pela transmissora, sendo todos eles relacionados a chuva/temporal,
todos com característica de defeito fugitivo. Em relação aos desligamentos de causa
indeterminada, duas hipóteses foram levantadas: umidade elevada ou presença de pássaros.

A fim de evitar a grande quantidade de desligamentos forçados nesta linha de transmissão, a


SFE encaminhou o Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, solicitando Plano de
Melhorias específico para o equipamento. A CEEE-GT encaminhou tal plano inserindo ações
como a realização de inspeção extraordinária detalhada ao longo de toda a linha de
transmissão e a instalação de dispositivos anti-pouso sempre que houver indícios de dejetos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


194
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
de pássaros. Dessa forma, espera-se uma redução de 87% na quantidade de desligamentos da
LT, quando comparado o período de Agosto/2014-Julho/2015 com Agosto/2017-Julho/2018

Ainda, por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa
Indeterminada, a CEEE-GT encaminhou Plano de Melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes.

Cumpre destacar que a referida linha de transmissão foi seccionada em 18 de maio de 2016,
na Subestação Santa Maria 3. De tal forma, será feito o acompanhamento das duas linhas de
transmissão resultantes.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


195
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV BAGE2 / LIVRAMENTO 2 C 1 RS

Linha de Transmissão em 230 kV com 151 km, com religamento automático monopolar
configurado em 1 segundo e entrada em operação comercial em 25/11/2002, conforme dados
presentes no SINDAT – ONS. Foram 16 desligamentos no período analisado, sendo 13
classificados como indeterminada, 2 como chuva/temporal e 1 como explosão conforme
quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
23/8/14 10:52 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/10/14 16:24 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/10/14 2:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
8/12/14 18:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/1/15 22:56 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/3/15 21:31 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/4/15 1:30 Transformador de Corrente Explosão Fase-Terra
24/4/15 6:10 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/4/15 6:20 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/5/15 1:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/5/15 5:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
31/5/15 10:32 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/6/15 19:43 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
29/6/15 21:19 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
4/7/15 2:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/7/15 2:38 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 16 desligamentos da LT 230 kV Bagé 2 /


Livramento 2, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 13 foram classificados indeterminada, 2
como chuva/temporal e 1 como explosão, sempre com atuação da proteção de distância da
linha de transmissão.

Dos 16 desligamentos, 15 tiveram atuação com sucesso do religamento automático e 1


provocou corte de carga (11 MW).

O corte de carga ocorreu em 13/04/2015, à 01:30, com o desligamento automático da linha de


transmissão de 230 kV Bagé 2 - Livramento 2, em ambos os terminais, devido a um curto-
circuito monofásico na linha, envolvendo a fase A, provocado por defeito no transformador de
corrente do terminal de Livramento 2, eliminada pelas atuações das proteções principais e
alternadas de distância.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


196
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Houve atuação do esquema de religamento automático monopolar da linha sem sucesso,
devido a reincidência do defeito, vindo a ocorrer a sua abertura tripolar definitiva.

Às 01h32min e 01h36min foram feitas tentativas de restabelecimento da linha pelo terminal


de Bagé 2, atuando as mesmas proteções.

Na segunda tentativa a falha foi eliminada em 975 milissegundos pelas atuações das proteções
principais e alternadas de distância em 2ª zona no terminal de Bagé 2 e pela atuação incorreta
do esquema de falha do disjuntor 52-12 do terminal de Livramento 2 que comandou os
desligamentos das LTs 230 kV Alegrete 2 / Livramento 2, Cerro Chato / Livramento 2 e
Livramento 2 / Rivera, além do transformador TR-1, de 230/69/13,8 kV - 50 MVA. No período
houve interrupção de 11 MW de cargas da AES-SUL na subestação Livramento 2.

Às 23h16min foi normalizada a linha de transmissão Bagé 2 - Livramento 2 após substituição


do transformador de corrente avariado, conforme SGI 015.331-15.

Para os desligamentos de causa indeterminada, segue a mesma análise já apresentada neste


relatório, qual seja, as hipóteses de desligamentos provocados por umidade ou dejetos de
pássaros.

Os desligamentos classificados como chuva/temporal tiveram característica de defeito fugitivo


e foram associados às condições meteorológicas da região no momento das ocorrências.

Prognóstico:

Desligamentos geralmente com causa indeterminada e 1 desligamento com interrupção no


fornecimento de cargas, causado por explosão de TC da LT.

Por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa


Indeterminada, a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes. Com isso se espera uma redução na
indeterminação das classificações dos desligamentos.

Por se tratar de uma linha com menor quantidade de desligamentos, quando comparada às
demais linhas analisadas, não foi solicitado plano de melhorias específico para o equipamento.
Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a
SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja para a redução dos desligamentos,
seja para algum tema relacionado a essa Linha de Transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


197
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV C.INDUSTRIAL / V.AIRES C 1 RS

Linha de Transmissão em 230 kV e com 101 km de extensão, com religamento automático


monopolar ajustado em 1 segundo e tripolar ajustado em 3 segundos e entrada em operação
comercial em 24/10/1975. Foram 16 desligamentos no período analisado, sendo 7
classificados como indeterminada, 6 como Animais, Pássaros, Insetos e 3 como
chuva/temporal conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
29/8/14 20:18 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/8/14 3:00 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/9/14 14:23 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/9/14 14:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/9/14 14:28 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/9/14 15:50 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/2/15 12:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/2/15 15:32 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Bifásica
30/4/15 7:52 Estrutura/Pórtico Animais, Pássaros, Insetos Sem Natureza Elétrica
10/5/15 6:09 Estrutura/Pórtico Animais, Pássaros, Insetos Fase-Terra
11/5/15 9:18 Estrutura/Pórtico Animais, Pássaros, Insetos Fase-Terra
11/5/15 11:08 Estrutura/Pórtico Animais, Pássaros, Insetos Fase-Terra
25/6/15 3:54 Estrutura/Pórtico Animais, Pássaros, Insetos Fase-Terra
25/6/15 11:48 Estrutura/Pórtico Animais, Pássaros, Insetos Fase-Terra
13/7/15 5:44 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/7/15 9:01 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 16 desligamentos da LT 230 kV Cidade


Industrial / Venâncio Aires C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 9 tiveram causa
determinada, sendo 6 como Animais, Pássaros, Insetos e 3 como chuva/temporal, e 7
classificados como indeterminada, todos com atuação de proteção de distância da linha de
transmissão.

Dos 16 desligamentos, 11 ocorreram na fase A e 4 na B. Não houve corte de carga.

Houve 13 desligamentos entre os quilômetros 66 e 75 da linha de transmissão.

Entre os dias 30/04 e 25/06/2015, foram observados 6 desligamentos relacionados a ninho de


pássaros ao longo da linha de transmissão, assim distribuídos: 1 no dia 30/04, 1 no dia 10/05, 2
no dia 11/05 e 2 no dia 25/06/2015.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


198
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A transmissora informou que, após cada um dos desligamentos, foi realizada manutenção
corretiva de emergência e retirado ninho de gavião sobre as torres, conforme Figura 87.

Figura 87 – Ninho de gavião sobre o fase A (meio) da LT 230 kV C.Industrial / V.Aires C 1 RS

Para os desligamentos de causa indeterminada, segue a mesma análise apresentada ao longo


deste relatório para a CEEE-GT, qual seja, as hipóteses de desligamentos provocados por
umidade ou dejetos de pássaros, reforçada pela presença de ninhos em alguns dos
desligamentos.

Os sistemas de proteção da linha em análise foram substituídos em 14/03/2015, conforme SGI


06.438-15, sendo implantado o esquema de religamento automático.

Após a implantação do RA, foram observadas 8 ocorrências, com 3 falhas de atuação (1 por RA
não estar na posição monopolar, 1 por reincidência do defeito e 1 por RA desabilitado por
intervenção)

Os desligamentos classificados como chuva/temporal tiveram característica de defeito fugitivo


e foram associados às condições meteorológicas da região no momento das ocorrências.

Todas as ocorrências tiveram tempo de recomposição inferior a 4 minutos.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


199
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Prognóstico:

Desligamentos geralmente com causa indeterminada ou associados à presença de ninhos de


gaviões.

Por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa


Indeterminada, a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes, com isso se espera uma redução na
indeterminação das classificações dos desligamentos.

Por se tratar de uma linha com menor quantidade de desligamentos, quando comparada às
demais linhas analisadas, não foi solicitado plano de melhorias específico para este
equipamento neste momento. Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-
SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja
para a redução dos desligamentos, seja para algum tema relacionado a essa linha de
transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


200
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV ITAÚBA / NOVA STA RITA C 1 RS

Linha de transmissão em 230 kV, com 204 km de extensão, com religamento automático
monopolar configurado em 1 segundo e entrada em operação comercial em 17/06/2016.
Foram 12 desligamentos no período analisado, sendo 6 classificados como indeterminada, 4
como chuva/temporal, 1 por rompimento/desconexão e 1 por vegetação conforme quadro
abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
11/8/14 22:52 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/12/14 18:15 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/12/14 18:16 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
24/1/15 19:36 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/3/15 14:07 Condutor Vegetação Fase-Terra
25/3/15 12:42 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
6/4/15 23:02 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/6/15 20:14 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
23/6/15 23:36 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/7/15 8:35 Isolador/Cadeia Rompimento/Desconexão Fase-Terra
13/7/15 22:15 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
29/7/15 0:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 12 desligamentos da LT 230 kV Itaúba /


Nova Santa Rita C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 6 tiveram causa determinada, sendo
4 como chuva/temporal, 1 por rompimento/desconexão e 1 por vegetação, além de 6
classificados como indeterminada, todos com atuação de proteção de distância da LT.

Dos 12 desligamentos, 1 ocorreu na fase A, 5 na B e 6 na C. Não houve corte de carga.

Houve 6 recusas de atuação de RA (50%), sendo 3 por reincidência do defeito e 3 por falha no
RA.

Em relação ao desligamento de 20/03/2015, às 14:07, a transmissora esclareceu que realizou a


classificação (vegetação) baseada nas características do defeito, quais sejam, defeito fugitivo e
curto-circuito de alta impedância, mesmo não sendo observada evidência durante inspeção.
Dessa forma, não foi possível realizar poda ou corte do indivíduo arbóreo. Também não foi
observada reincidência do defeito.

Sobre o desligamento de 13/07/2015, às 8:35, a CEEE-GT informou que houve a ruptura do


pino do isolador devido a corrosão. Houve falha de avaliação do inspetor que realizou a
inspeção. Foi realizada manutenção corretiva de emergência, conforme SGI 28.065-15.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


201
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Os desligamentos classificados como chuva/temporal tiveram característica de defeito fugitivo
e foram associados às condições meteorológicas da região no momento das ocorrências.

Para os desligamentos de causa indeterminada, segue a mesma análise apresentada ao longo


deste relatório para a CEEE-GT, qual seja, as hipóteses de desligamentos provocados por
umidade ou dejetos de pássaros.

Prognóstico:

Desligamentos geralmente com causa indeterminada ou relacionadas a questões climáticas.

Por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa


Indeterminada, a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes, com isso se espera uma redução na
indeterminação das classificações dos desligamentos.

Por se tratar de uma linha com menor quantidade de desligamentos, quando comparada às
demais linhas analisadas, não foi solicitado plano de melhorias específico para este
equipamento neste momento. Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-
SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja
para a redução dos desligamentos, seja para algum tema relacionado a essa linha de
transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


202
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV PASSO REAL / V.AIRES C 1 RS

Linha de transmissão em 230 kV, com 136 km de extensão, com religamento automático (RA)
monopolar ajustado em 1 segundo e tripolar ajustado em 3 segundos e entrada em operação
comercial em 24/10/1975. Foram 10 desligamentos no período analisado, sendo 4
classificados como indeterminada, 4 como chuva/temporal, 1 por causa acidental e 1 por
vegetação conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
30/8/14 23:21 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
4/10/14 6:27 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/10/14 12:19 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/10/14 12:29 Condutor Vegetação Fase-Terra
6/11/14 21:04 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Trifásica
21/2/15 22:35 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/3/15 21:18 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/6/15 3:26 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
10/7/15 15:23 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
31/7/15 9:30 Painel Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 10 desligamentos da LT 230 kV Passo Real /


Venâncio Aires C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 6 tiveram causa determinada, sendo
4 como chuva/temporal, 1 por causa acidental e 1 por vegetação, além de 4 classificados como
indeterminada.

Em nenhum dos 10 desligamentos foi observada a interrupção do fornecimento de cargas da


região.

Em relação ao desligamento de 20/10/2014, às 12:29, classificado como vegetação, a


transmissora esclareceu que a ocorrência se deu em função da derrubada de Eucalipto por
terceiros, fora da faixa de servidão. Houve a ruptura do condutor, com atuação de
sobrecorrente direcional. Foram feitas 3 tentativas de restabelecimento, com atuação de
SOTF. Normalização à 00:08 do dia 21/10/2018, após retirada da árvore e reparo do cabo.

A causa acidental se deu em 31/07/2015, às 9:30, onde ocorreu o desligamento forçado da LT


230 kV Passo Real / Venâncio Aires C1, apenas no terminal do Passo Real, sem natureza
elétrica. Conforme serviço programado na subestação Passo Real, ao desligar o disjuntor da
linha 52-4 houve o desarme do disjuntor de transferência 24-1 sem indicar proteção. Às 09:36
foi normalizada a linha de transmissão. A transmissora informou que foram realizadas
inspeções e repetida a manobra de by pass da linha de transmissão, onde não foram

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


203
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
encontradas anormalidades que justifiquem a ocorrência. A CEEE-GT permanecerá
acompanhando o desempenho destes sistemas de proteção.

Os desligamentos classificados como chuva/temporal tiveram característica de defeito fugitivo


e foram associados às condições meteorológicas da região no momento das ocorrências.

Para os desligamentos de causa indeterminada, segue a mesma análise apresentada ao longo


deste relatório para a CEEE-GT, qual seja, as hipóteses de desligamentos provocados por
umidade ou dejetos de pássaros.

As proteções da linha de transmissão foram substituídas em 01/02/2015. Também foi feita a


instalação de religamento automático.

Após a implantação do RA, foram observadas 5 ocorrências, com 2 falhas de atuação (1 por
mau posicionamento de chave que habilita o RA e 1 por não haver natureza elétrica)

Prognóstico:

Desligamentos geralmente com causa indeterminada ou a questões climáticas, além de 1


desligamento acidental e um por vegetação.

Por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa


Indeterminada a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes, com isso se espera uma redução na
indeterminação das classificações dos desligamentos.

Por se tratar de uma linha com menor quantidade de desligamentos, quando comparada às
demais linhas analisadas, não foi solicitado plano de melhorias específico para este
equipamento neste momento. Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-
SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja
para a redução dos desligamentos, seja para algum tema relacionado a essa linha de
transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


204
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV PRE.MEDICI / BAGE2 C 1 RS

Linha de Transmissão em 230 kV, com 49 km de extensão, sem religamento automático e data
de entrada em operação em 22/12/1985. Foram 5 desligamentos no período analisado, sendo
1 com interrupção de cargas conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
12/4/15 9:18 Painel Humanas - Outra Empresa Sem Natureza Elétrica
26/4/15 9:32 Painel Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
26/4/15 13:45 Painel Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
3/7/15 4:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/7/15 15:57 Condutor Vegetação Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 5 desligamentos da LT 230 kV Presidente


Médici / Bagé2 C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 2 foram classificados como Acidental -
Serviços/Testes, 1 como Indeterminada, 1 por vegetação e 1 como Humanas - Outra Empresa,
conforme detalhado a seguir:

Em 12/04/2015, às 9:18, ocorreu o desligamento automático, somente no terminal de


Presidente Médici, da LT 230 kV Presidente Médici / Bagé2 C1, provocado acidentalmente
durante serviços da ELETROSUL no sistema de alimentação em corrente contínua. Em função
da indisponibilidade da LT 230 kV Bagé 2 / Livramento 2, que se encontrava em intervenção,
houve corte de 36,6 MW de cargas. O processo de recomposição se deu em 15 minutos

Em 26/04/2015, às 09:32, houve o desligamento forçado acidental apenas no terminal de P.


Médici, sem natureza elétrica, durante intervenção SGI 16.861-15 para investigação da
ocorrência do dia 12/04/15. O processo de recomposição se deu em 6 minutos.

Em 26/04/2015, às 13:45, ocorreu o desligamento forçado acidental apenas no terminal de P.


Médici, sem natureza elétrica, durante intervenção SGI 16861-15 para investigação da
ocorrência do dia 12/04/15. A recomposição ocorreu em 1 minuto.

Em 03/07/2015, às 04:26, ocorreu o desligamento automático por curto monofásico, fase A,


de causa indeterminada, com atuação de proteção de distância. Houve demora na
recomposição (4:42) devido recusa no comando de fechamento do disjuntor de P. Médici por
problema nos contatos da seccionadora seletora de barra.

Em 25/07/2015, às 15:57, houve o desligamento automático da linha de transmissão por curto


monofásico, fase A, provocado por queda de eucalipto fora da faixa de servidão a 3 km da
Subestação Bagé2, com atuação de proteção de sobrecorrente residual. Demora na

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


205
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
recomposição (7:47) devido necessidade de retirada da árvore (SGI 29.890-15). Houve,
também, demora na inspeção devido a necessidade de desligamento da equipe de
manutenção de linhas de transmissão, cuja sede se localiza em Pelotas, há cerca de 200 km do
local da queda da árvore. Às 15:58 e 16:37, foram feitas tentativas de restabelecimento da
linha pelo terminal de Presidente Médici atuando as mesmas proteções.

Cumpre destacar que a LT 230 kV Presidente Médici / Bagé2 C1 não possui religamento
automático.

Prognóstico:

Desligamentos geralmente com causa relacionada a falhas humanas, seja de terceiros, seja da
CEEE-GT durante investigação de outros desligamentos.

Por se tratar de uma linha de transmissão com uma pequena quantidade de desligamentos e
por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos relacionados à
Falhas Humanas, não foi solicitado plano de melhorias específico para este equipamento neste
momento. A CEEE-GT já encaminhou plano de melhorias com ações que visam reduzir a
quantidade de desligamentos relacionados a Falhas Humanas em toda a Concessão. Cumpre
ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE
poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja para a redução dos desligamentos, seja
para algum tema relacionado a essa linha de transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


206
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV PRE.MEDICI / CAMAQUA C 1 RS

Linha de Transmissão em 230 kV, com 197 km de extensão, com religamento automático
monopolar com tempo de 1 segundo e entrada em operação comercial em 03/08/1975. No
período selecionado foram analisados 44 desligamentos, sendo a segunda linha de
transmissão selecionada para análise que mais desligou. Dos 44 desligamentos, 39 foram
classificados como sendo de causa indeterminada e 5 como chuva/temporal, conforme quadro
abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
1/8/14 7:45 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
3/8/14 2:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
4/8/14 3:59 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
4/8/14 20:45 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/8/14 22:59 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/9/14 3:05 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
5/11/14 7:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
8/11/14 22:57 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/11/14 21:33 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/11/14 14:54 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/11/14 3:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
6/12/14 4:40 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
8/12/14 21:57 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/1/15 21:41 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
4/2/15 18:34 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
22/3/15 3:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/4/15 6:43 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/4/15 3:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
13/5/15 23:25 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/5/15 6:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/5/15 4:17 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
24/5/15 19:06 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/5/15 5:25 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/6/15 2:13 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/6/15 20:48 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/6/15 1:39 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
10/6/15 2:44 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
12/6/15 2:33 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/6/15 21:45 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/6/15 19:38 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/6/15 6:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


207
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
19/6/15 21:32 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/6/15 3:30 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/7/15 5:27 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Bifásica-Terra
6/7/15 0:35 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/7/15 21:42 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/7/15 20:24 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/7/15 3:47 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/7/15 21:09 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
18/7/15 0:46 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/7/15 0:11 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
19/7/15 10:10 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
22/7/15 3:02 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
22/7/15 21:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 44 desligamentos da LT 230 kV Presidente


Médici / Camaquã, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 39 foram classificados como causa
indeterminada e 5 como chuva/temporal.

Entre os desligamentos, observa-se que 28 ocorreram em até 40 km de algum dos terminais.

A referida linha de transmissão é dotada de esquema de teleproteção do tipo bloqueio,


proteções primária e secundária com relés do tipo residual de sobrecorrente de neutro (67N) e
distância (21), ambos do tipo eletromecânico. O esquema de proteção prevê abertura
monopolar para faltas do tipo fase-terra com religamento monopolar automático com tempo
de 1 segundo, quando da atuação da proteção primária (relé 67N) e abertura tripolar, sem
religamento automático quando da atuação da proteção secundária (relé 21). Para faltas do
tipo bifásicas, bifásicas à terra, ou trifásicas a eliminação do defeito é realizada pela proteção
de distância, implicando na abertura tripolar, sem a presença de religamento automático.

Em relação a atuação do Religamento Automático monopolar da linha, conclui-se que em 82%


dos desligamentos, houve atuação correta do Religamento, ao passo que nos 18% restantes
houve recusa, seja por atuação de proteção de distância em segunda zona, por característica
do defeito, por erro de fiação ou por falha no contato do relé 79X.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


208
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 88 – Atuação correta do Religamento Automático (RA) da LT 230 kV Presidente Médici /
Camaquã

Em reunião técnica realizada entre a SFE-ANEEL e a CEEE-GT, foram esclarecidos alguns


pontos, principalmente em relação à quantidade de ocorrências com causa indeterminada. Os
desligamentos cadastrados sem identificação de causa apresentam características
semelhantes, tais como natureza fugitiva do defeito, falta do tipo fase-terra e com indícios de
baixa impedância. Ocorrem geralmente em uma condição climática de tempo bom, associada
a uma condição de umidade elevada, no horário entre 19h de um dia até 06h do próximo, ou
seja, em período noturno. De forma semelhante à LT 138 kV Santa Maria 1 / Alegrete, duas
causas são prováveis para os desligamentos: pássaros ou umidade elevada.

A hipótese da umidade elevada é validada por meio de exclusão das demais causas e a partir
de correlação estatística.

Em relação aos desligamentos com possível causa relacionada à pássaros, existe pouca
confirmação durante as inspeções de campo pós ocorrência. Ainda assim, o período em que os
desligamentos ocorreram (mês e horário), sendo típicos da presença de pássaros, e os indícios
de dejetos em algumas torres em regiões das linhas de transmissão com incidência de
desligamentos, mesmo que as inspeções pós ocorrência não tenham identificado sinais de
descarga por cadeia de isoladores sujas, sugerem ser essa a causa de parte dos desligamentos.

A Figura 89 ilustra a suspeita de desligamentos provocados por pássaros:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


209
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 89 – Localização do indício de presença de pássaros entre os quilômetros 15 e 31 e
entre os quilômetros 43 e 143 da LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã

A CEEE-GT esclarece que já vem instalando dispositivos anti-pouso ao longo de suas linhas de
transmissão com indícios de desligamentos provocados por dejetos de pássaros. Ainda, irá
intensificar a instalação de tais dispositivos nas linhas com maior número de desligamentos
forçados sem causa identificada.

Em relação à hipótese de os desligamentos terem sido causados por elevada umidade, foi
realizado o projeto de P&D ANEEL Nº 0089-0372007, destacando a umidade como fator
preponderante para causas de desligamentos forçados associada a distribuição de campo
elétrico.

O tipo de clima na região favorece a criação de condições de intensa umidade, especialmente


no período de inverno, quando os desligamentos se intensificam. As figuras a seguir
apresentam a localização da linha de transmissão e a distribuição sazonal da humidade e
precipitação no Rio Grande do Sul, reforçando a influência destes fatores nos desligamentos:

Figura 90 – Localização das linhas de transmissão da CEEE-GT no estado do Rio Grande do Sul

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


210
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
(a) (b)

Figura 91 – Ilustração de (a)umidade relativa e (b) precipitação pluviométrica no estado do Rio


grande do Sul.

A seguir é apresentada a distribuição dos desligamentos no tempo, reforçando uma maior


quantidade de desligamentos das linhas de transmissão da concessionária em análise nos
períodos mais úmidos do ano e geralmente em período noturno.

Figura 92 – Distribuição dos desligamentos no tempo das linhas de transmissão da CEEE-GT

Ainda, como forma de reforçar a tese da correlação entre umidade e desligamentos, será
transcrita parte da conclusão do projeto de P&D supracitado:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


211
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
“O problema de desligamentos transitórios na LT CAM x UPME foi avaliado no
projeto de P&D ANEEL Nº 008-0372007 cujo relatório aqui se apresenta. Dentre
os vários fatores investigados, destaca-se o problema ambiental, onde a
umidade é o fator preponderante. Apesar do atendimento às normas
pertinentes, as cadeias de isoladores utilizadas falham em situações que ainda
não apresentam comprovação técnica, no âmbito das avaliações realizadas
neste projeto. (...)

O tipo de clima encontrado na região do trecho crítico favorece a criação de


condições de intensa umidade, especialmente no período de inverno, quando
os desligamentos se intensificam. Vale ressaltar que este problema não é
exclusivo desta linha, nem de outras já reportadas como problemáticas pela
CEEE-GT, mas sim, é um problema que se levanta em nível mundial, e que
recentemente vem recebendo mais atenção por pesquisadores do mundo
inteiro, e conhecido pelo termo de “sudden flashover”. Já existem teorias do
modo de falha em cadeias de LTs acima de 110 kV submetidas à umidade
elevada, mas que ainda não apresentam comprovação científica. Esse modo de
falha difere do modo mais comum, clássico, baseado no acúmulo de
contaminantes e aumento da corrente de fuga. O mecanismo de falha em
questão é baseado na distribuição não homogênea de umidade ao longo da
cadeia, provocando uma distribuição de impedâncias equivalentes também
não homogênea, e concentrando a tensão nos isoladores menos úmidos. Isso
ocorre devido ao efeito de campo elétrico mais intenso nos elementos da
cadeia nas proximidades do condutor, estressando eletricamente estes
elementos de forma mais acentuada, e criando um “ponto fraco” na cadeia,
onde se inicia então o processo de ruptura dielétrica. Em artigos técnico-
científicos são reportados casos semelhantes ao encontrado pela CEEE-GT em
países como China, países nórdicos, Rússia e África do Sul. Enquanto o modo de
falha não é esclarecido, sugere-se nestes artigos a substituição de isoladores de
vidro por isoladores poliméricos ou por isoladores de vidro com cobertura
polimérica de borracha de silicone ao longo do trecho crítico. A propriedade da
borracha de silicone conhecida como hidrofobicidade, ou repelência à água,
interfere no modo de falha em ambientes de elevada umidade e minimiza a
probabilidade de descargas de contorno. (...)”

Com base no projeto, foi proposta a substituição de isoladores de vidro por isoladores
poliméricos ou por isoladores de vidro com cobertura polimérica de borracha de silicone-RTV
(Room Temperature Vulcanidez Silicone Rubber), conforme figura a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


212
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 93 – Representação dos isoladores de vidro com cobertura polimérica de borracha de
silicone (Room Temperature Vulcanidez Silicone Rubber - RTV)

Foi apresentado, ainda, um comparativo entre cadeia de isoladores normal em relação a uma
cadeia de isoladores com cobertura RTV, frente a ensaio de isolamento:

Figura 94 – Representação de ensaio de isolamento com o RTV

Em posse do relatório do projeto de P&D, foram instaladas, em 2013, 30 cadeias de isoladores


de vidro recobertas com RTV num trecho de 5 km, entre os quilômetros 20 e 25 a partir de
Presidente Médici, na linha sob análise, além de 28 cadeias parciais, com um isolador com RTV
no topo. Tal ação obteve um resultado satisfatório, conforme apresentado a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


213
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 95 – Instalação do RTV na LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã

Figura 96 – Ilustração da não ocorrência de desligamentos nos vãos onde foram instalados RTV
na LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã

Ainda, foi assinado contrato entre a CEEE-GT e Fundação Universidade Regional de Blumenau
– FURB para o desenvolvimento de técnicas de mitigação de desarmes de proteção de linhas
de transmissão devido ao Sudden Flashover que prevê, dentre outras, as seguintes ações:

 Instalação de localizador de faltas por ondas viajantes, visando melhorar a precisão da


informação de localização do defeito;
 Avaliação do emprego do RTV nas cadeias de isoladores associado aos trechos
considerados críticos (expandir a aplicação dessa solução ao longo da LT);
 Aprimorar estudo de sobretensões harmônicas na linha de transmissão através de
estudo completo do perfil de tensão da mesma.

A modernização dos sistemas de proteção da linha de transmissão em análise foi recomendada


pela Avaliação Extraordinária dos sistemas de proteção de instalações de Rede Básica (Nota

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


214
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Técnica nº 058/2013-SRT-SFE/ANEEL) e incluída pela CEEE-GT no antigo sistema SGPMI (itens
2455/2015 e 2466/2015). A CEEE-GT informa que está aguardando a emissão do relatório PAR
– Plano de Ampliações e Reforços pelo ONS e a Resolução Autorizativa pela ANEEL para
executar as modernizações necessárias no sistema de proteção.

Prognóstico:

A grande maioria dos desligamentos da LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã C1, de


concessão da CEEE-GT, não possui causa identificada. Dos 44 desligamentos, apenas 5 tiveram
sua classificação realizada pela transmissora, sendo todos eles relacionados a chuva/temporal,
sendo eles com característica de defeito fugitivo. Em relação aos desligamentos de causa
indeterminada, duas hipóteses foram levantadas: umidade elevada ou presença de pássaros.

A fim de evitar a grande quantidade de desligamentos forçados nesta linha de transmissão, a


SFE encaminhou o Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, solicitando plano de
melhorias específico para o equipamento. A CEEE encaminhou tal plano inserindo ações como
a realização de inspeção extraordinária detalhada ao longo de toda a linha de transmissão e a
instalação de dispositivos anti-pouso sempre que houver indícios de dejetos de pássaros, além
da instalação de localizador de falta por ondas viajantes e de isoladores com cobertura de RTV
ao longo da linha de transmissão. Dessa forma, espera-se uma redução de 78% na quantidade
de desligamentos da linha de transmissão, quando comparado o período de Agosto/2014-
Julho/2015 com Agosto/2017-Julho/2018

Também será realizada a modernização dos sistemas de proteção da linha de transmissão, tão
logo seja incluído no PAR e autorizado pela Agência, com previsão de conclusão em 48 meses
após a emissão do Ato Autorizativo.

Ainda, por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa
Indeterminada, a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


215
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV PRE.MEDICI / QUINTA C 1 RS

Linha de Transmissão em 230 kV, com 153 km de extensão, sem religamento automático e
entrada em operação comercial em 13/01/1976. No período selecionado foram analisados 34
desligamentos, sendo a terceira linha de transmissão selecionada para análise que mais
desligou. Dos 34 desligamentos, 25 foram classificados como sendo de causa indeterminada, 5
como chuva/temporal, 2 como vento forte, 1 como descarga atmosférica e 1 como aeronave
conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
1/8/14 7:56 Núcleo Chuva/Temporal Trifásica
3/8/14 21:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
3/8/14 23:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/8/14 19:35 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
11/8/14 14:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
12/8/14 22:17 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/8/14 23:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/8/14 5:44 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
5/9/14 13:09 Sem Localização Específica Vento Forte Fase-Terra
18/9/14 0:32 Sem Localização Específica Vento Forte Fase-Terra
21/9/14 1:40 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/9/14 19:44 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
1/10/14 17:00 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
29/10/14 21:13 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
5/11/14 5:05 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
30/12/14 6:51 Cabo Para-raio Aeronave Fase-Terra
7/4/15 12:27 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/5/15 22:16 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/6/15 4:28 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/6/15 4:02 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/6/15 12:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
7/7/15 20:45 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/7/15 12:31 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
11/7/15 19:46 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
11/7/15 22:22 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/7/15 21:22 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/7/15 2:53 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
19/7/15 5:07 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
19/7/15 5:57 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
21/7/15 19:16 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/7/15 20:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


216
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
24/7/15 12:12 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/7/15 21:38 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
27/7/15 4:13 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 34 desligamentos da LT 230 kV Presidente


Médici / Quinta C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 25 foram classificados como sendo
de causa indeterminada, 5 como chuva/temporal, 2 como vento forte, 1 como descarga
atmosférica e 1 como aeronave.

Entre os desligamentos, observa-se que 20 ocorreram em até 40 km de algum dos terminais.


Ainda, 22 desligamentos envolveram somente a fase A da linha de transmissão.

Apesar da LT não possuir religamento automático, 26 dos 34 desligamentos tiveram


recomposição em até 1 minuto e somente 1 dos desligamentos teve recomposição superior a
3 minutos.

Por estar presente na mesma região da LT 230 kV Presidente Médici / Camaquã, observa-se
comportamento semelhante em relação às causas dos desligamentos. A maioria dos
desligamentos classificados como causa indeterminada apresentam hipóteses de
desligamentos causados por pássaros ou por umidade elevada na região. De forma análoga, as
análise já realizadas para a LT 138 kV Santa Maria Alegrete e para a LT 230 kV Presidente
Médici / Camaquã valem para a LT 230 kV Presidente Médici / Quinta e não serão novamente
apresentadas neste item do relatório.

O desligamento do dia 10/08/2014, às 19:35, teve característica fugitiva e foi observada


correlação com os dados da meteorologia do dia, sendo atribuída a classificação de descarga
atmosférica. De forma análoga, foi atribuída classificação de Vento Forte para os
desligamentos de 05/09/2014, às 13:09, e 18/09/2014, à 0:32.

Em relação ao desligamento de característica permanente, ocorrido em 30/12/2014, às 6:51, a


causa foi a queda de uma aeronave agrícola sobre uma das fases da linha de transmissão,
conforme Figura 97.

Foi realizada manutenção corretiva de emergência na linha de transmissão. Ainda, foi


reconhecido pelo ONS o desligamento como caso fortuito ou força maior, conforme Carta ONS
0005-430/2015.

A fim de se evitar reincidência de eventos como este, foram realizadas campanhas de


conscientização envolvendo o Sindicato Nacional das Empresas de Aviação e também
operadores aeroagrícolas e ANAC, além da participação no Seminário Nacional de Aviações
Agrícolas, em 2015.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


217
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 97 – Acidente envolvendo aeronave agrícola na LT 230 kV Presidente Médici / Quinta
ilustrando a dificuldade de visualização das fases.

Prognóstico:

A grande maioria dos desligamentos da LT 230 kV Presidente Médici / Quinta, de concessão


da CEEE-GT, não possui causa identificada. Dos 34 desligamentos, apenas 9 tiveram sua
classificação realizada pela transmissora. Em relação aos desligamentos de causa
indeterminada, duas hipóteses foram levantadas: umidade elevada ou presença de pássaros.

A fim de evitar a grande quantidade de desligamentos forçados nesta linha de transmissão, a


SFE encaminhou o Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, solicitando Plano de
Melhorias específico para o equipamento. A CEEE encaminhou tal plano inserindo ações como
a realização de inspeção extraordinária detalhada ao longo de toda a linha de transmissão e a
instalação de dispositivos anti-pouso sempre que houver indícios de dejetos de pássaros.
Dessa forma, espera-se uma redução de 71% na quantidade de desligamentos da LT, quando
comparado o período de Agosto/2014-Julho/2015 com Agosto/2017-Julho/2018.

A modernização das proteções da linha de transmissão em análise está contemplada pela


Resolução Autorizativa 4347/2013, o que permitirá a implantação de religamento automático
na LT. O empreendimento encontra-se em fase de elaboração do projeto básico. Essa obra
será incluída no rol do acompanhamento diferenciado dos empreendimentos de transmissão.

Ainda, por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa
Indeterminada, a CEEE-GT encaminhou Plano de Melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


218
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV SANTA MARIA 3 / ALEGRETE2 C 1 RS

Linha de transmissão em 230 kV, com 186 km de extensão, com religamento automático
monopolar ajustado em 1 segundo e tripolar ajustado em 3 segundos e entrada em operação
comercial em 30/07/1979. No período selecionado foram analisados 20 desligamentos, sendo
7 classificados como chuva/temporal, 6 como indeterminada, 5 como vegetação, 1 como
atuação acidental durante serviços e 1 como Rompimento/Desconexão conforme quadro
abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
7/8/14 20:53 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
14/9/14 21:29 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
16/9/14 1:47 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
6/10/14 18:54 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/10/14 1:23 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Bifásica
Fase-Terra c/ Alta
27/10/14 12:37 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
27/10/14 12:51 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
27/10/14 12:52 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
27/10/14 13:46 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
27/10/14 13:47 Condutor Vegetação
Resistência
8/12/14 14:57 Cabo Para-raio Rompimento/Desconexão Fase-Terra
11/12/14 17:44 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
20/12/14 17:20 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/12/14 17:49 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/12/14 18:07 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/12/14 18:20 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
28/12/14 3:35 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
11/2/15 5:21 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
25/3/15 21:37 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
24/5/15 5:16 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 20 desligamentos da LT 230 kV Santa Maria


3 / Alegrete 2 C1, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 7 foram classificados como
chuva/temporal, 6 como indeterminada, 5 como vegetação, 1 como atuação acidental durante
serviços e 1 como Rompimento/Desconexão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


219
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Dos 20 desligamentos, 6 provocaram corte de carga, uma vez que existe uma derivação (tap)
com alimentação de cargas em São Vicente do Sul e houve recusa de atuação do religamento
automático. Nos demais desligamentos, houve atuação do religamento automático no
terminal da Subestação de Alegrete 2 da linha de transmissão, garantindo a alimentação de
São Vicente do Sul por esta subestação. Os desligamentos com corte de carga são descritos a
seguir:

Em 27/10/2014, às 12:51, houve curto-circuito monofásico, fase A, a 70 km de Santa Maria,


provocado por vegetação, com atuação de proteção de distância. O Religamento Automático
de Santa Maria encontrava-se desabilitado. Houve o desligamento dos transformadores da SE
São Vicente do Sul, em derivação, por Subtensão, e interrupção de 36 MW. Recomposição da
linha de transmissão em 17 min e das cargas em 21 min. Anteriormente, às 12:37, havia
ocorrido desligamento similar, provocado por vegetação, mas sem corte de cargas.

Em 27/10/2014, às 12:52, ocorreu novo desligamento, por reincidência do defeito.

Ainda em 27/10/2014, às 13:47, ocorreu novo desligamento com as mesmas características,


com recomposição em 32 minutos. Foi realizada manutenção corretiva de urgência e corte da
árvore. Anteriormente, às 12:46, havia ocorrido desligamento similar, provocado por
vegetação, mas sem corte de cargas.

Em 06/10/2014, às 18:54, ocorreu o desligamento automático por curto-circuito monofásico,


fase A, de causa desconhecida. Não houve atuação de RA pois a linha de transmissão estava
transferida para o disjuntor de transferência e o RA de Santa Maria estava desabilitado. Houve
interrupção de 37 MW e recomposição em 2 minutos.

Em 08/12/2014, às 14:57, ocorreu o desligamento automático da linha de transmissão por


curto bifásico, fases A e C, a 168 km de Santa Maria, causado por rompimento do cabo de
cobertura durante vendaval na região. Houve interrupção de 47 MW de cargas e a
recomposição se deu em 28 minutos. Foi realizada atuação imediata junto a regional de
manutenção responsável pela linha de transmissão.

20/12/2014, às 18:20, ocorreu o desligamento automático por curto monofásico, fase B,


provocado por temporal, com atuação de proteção de distância e de RA somente no terminal
de Alegrete. Houve interrupção de 18 MW. A recomposição da linha de transmissão se deu em
13 min e das cargas em 16 min. No mesmo dia, haviam ocorrido 3 desligamentos anteriores ao
citado, todos em função de temporal, mas sem interrupção de cargas.

Em relação ao desligamento ocorrido em 11/12/2014, às 17:44, classificado como Acidental -


Serviços/Testes, a CEEE-GT esclarece que houve desarme acidental por batida em relé
eletromecânico durante a desinibição de proteção alternada do módulo, em função de
manutenção nos DCPs do barramento da SE Alegrete 2 (SGI 046.632-14). Houve a substituição
dos relés eletromecânicos no momento do seccionamento da linha de transmissão em Sal
Vicente do Sul.

Os desligamentos classificados como chuva/temporal tiveram característica de defeito fugitivo


e foram associados às condições meteorológicas da região no momento das ocorrências.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


220
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Cumpre destacar que, em 16 de maio de 2013 o religamento automático foi excluído
temporariamente no terminal da SE Santa Maria 3 devido às restrições dos sistemas de
proteção em operação na época, os quais não permitiam a implementação do esquema de
religamento automático tripolar. Tal religamento automático permaneceu excluído até
07/06/2015, data da conclusão do empreendimento relativo ao seccionamento da LT em
referência na Subestação São Vicente do Sul, o qual incluiu também a modernização dos
sistemas de proteção no terminal de Santa Maria 3. Atualmente as linhas de transmissão em
230 kV Santa Maria 3 / São Vicente do Sul e São Vicente do Sul / Alegrete 2 possuem os
esquemas de religamento automático habilitados em ambos os terminais.

Prognóstico:

Desligamentos geralmente associados a chuva/temporal ou vegetação, além de


desligamentos com causa indeterminada. A linha de transmissão permaneceu com
Religamento Automático desabilitado durante toda a janela de análise.

Espera-se uma redução na quantidade de desligamentos com interrupção de carga, uma vez
que a derivação em São Vicente do Sul foi substituída por um seccionamento nesta
Subestação.

Por se tratar de uma linha com menor quantidade de desligamentos, quando comparada às
linhas já analisadas, não foi solicitado plano de melhorias específico para este equipamento
neste momento. Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de
maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja para a redução dos
desligamentos, seja para algum tema relacionado a essa linha de transmissão.

Ainda, por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa
Indeterminada a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes, com isso se espera uma redução na
indeterminação das classificações dos desligamentos.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


221
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 230 kV SCHARLAU / CHARQUEADAS C 1 RS

Linha de Transmissão em 230 kV, com 73 km de extensão, sem religamento automático e


entrada em operação comercial em 30/10/1978. No período selecionado foram analisados 24
desligamentos, sendo a sexta linha de transmissão selecionada para análise que mais desligou.
Dos 24 desligamentos, 17 foram classificados como sendo de causa indeterminada, 3 como
chuva/temporal e 4 como vegetação conforme quadro abaixo:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
3/8/14 10:06 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
9/8/14 8:37 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
19/8/14 12:41 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/9/14 4:03 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
20/9/14 4:40 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
4/10/14 12:11 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/10/14 23:50 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
22/10/14 12:16 Condutor Vegetação Fase-Terra
22/10/14 12:19 Condutor Vegetação Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
27/10/14 13:33 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
28/10/14 12:40 Condutor Vegetação
Resistência
15/11/14 5:26 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
16/11/14 6:40 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
2/12/14 21:40 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/12/14 3:46 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/12/14 6:01 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
31/12/14 1:04 Sem Localização Específica Chuva/Temporal Fase-Terra
19/2/15 4:51 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
26/3/15 21:04 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
17/4/15 19:54 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/5/15 5:13 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/6/15 9:10 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
10/7/15 23:08 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
15/7/15 15:51 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 24 desligamentos da LT 230 kV Scharlau /


Charqueadas, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 17 foram classificados como sendo de
causa indeterminada, 3 como chuva/temporal e 4 como vegetação.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


222
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Entre os desligamentos, observa-se que 58 % envolveram a fase B e 29 a fase A.

Figura 98 – Fases desligadas na LT 230 kV Scharlau / Charqueadas

De forma análoga às LTs 230 kV Presidente Médici / Camaquã e Presidente Médici / Quinta e à
a LT 138 kV Santa Maria Alegrete, observa-se grande quantidade de desligamentos
classificados como de causa indeterminada, apresentando também as hipóteses de
desligamentos causados por pássaros ou por umidade elevada na região. Assim, as análises
relacionadas a estes fatores, e já apresentadas neste relatório, também valem para a linha de
transmissão em análise.

Em relação aos desligamentos do dia 22/10/2014, às 12:16 e às 12:19 e dos dias 27/10/2014,
às 13:33, e 28/10/2014, às 12:40, todos foram relacionados a presença de vegetação sob a
linha de transmissão e tiveram como característica defeito fugitivo e falta de alta impedância.
No último desligamento, houve maior tempo na recomposição devido a necessidade de
inspeção e corte do indivíduo arbóreo causador dos desligamentos.

A transmissora esclareceu que possui contrato permanente de supressão vegetal e que


executa um Plano de Manutenção Preventiva, além de inspeção aérea anual em todo o seu
sistema. Ainda, realiza pelo menos dois treinamentos ao ano envolvendo os inspetores de
linhas de transmissão, além da negociação com terceiros a respeito de autorização de abate da
vegetação fora da faixa. Informou também a CEEE-GT que adquiriu hipsômetros, a fim de
identificar riscos de crescimento e toque de vegetação sob as linhas de sua concessão.

Prognóstico:

A grande maioria dos desligamentos da LT 230 kV Scharlau / Charqueadas C1, de concessão da


CEEE-GT, não possui causa identificada. Dos 24 desligamentos, apenas 7 tiveram sua
classificação realizada pela transmissora. Em relação aos desligamentos de causa
indeterminada, duas hipóteses foram levantadas: umidade elevada ou presença de pássaros.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


223
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Os desligamentos sem causa determinada serão objeto de Plano Melhorias específico, no
contexto das Campanhas de Fiscalização. Por esse motivo não foi solicitado plano de melhorias
específico para este equipamento neste momento. Espera-se que as causas das demais linhas
sejam identificadas, e que as ações realizadas em outras linhas que obtiverem sucesso sejam
também replicadas na LT 230 kV Scharlau / Charqueadas C1. Cumpre ainda destacar que,
conforme Ofício 231/2016-SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de
Melhorias específicos, seja para a redução dos desligamentos, seja para algum tema
relacionado a essa linha de transmissão.

A modernização das proteções da linha de transmissão em análise, na Subestação Scharlau, foi


autorizada por meio da Resolução Autorizativa 4347/2013. No entanto, os equipamentos
estão sob concessão da ELETROSUL, conforme Resolução Homologatória 1918/2015. A CEEE-
GT informa que encaminhou, em 25/11/2015 à SCT/ANEEL a correspondência AT/APG 15-
0148, a qual solicita manifestação referente a definição do Agente responsável pela execução
das modernizações.

Ainda, por estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos de Causa
Indeterminada a CEEE-GT encaminhou plano de melhorias com ações que visam melhorar a
identificação das ocorrências, tais como a elaboração de documento normativo com Processo
de Apuração de Desligamentos em Linhas de Transmissão e mapeamento dos dispositivos anti-
pouso para análise de efetividade e correção de desarmes.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


224
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE PORTOALEGRE6

Subestação de Rebe Básica com dois transformadores de 230/69/13,8 kV – 83 MVA e um de


230/13,8 kV – 50 MVA, com 6 entradas de linhas em 230 kV e 4 entradas de linhas em 138 kV.
No período selecionado foram analisados 6 desligamentos, sendo 3 com interrupção de cargas
da subestação, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
30/9/14 14:56 TR 230 / 13P8 kV PORTOALEGRE6 6 RS Proteção Relé de Proteção - Falha/Defeito
1/10/14 14:20 TR 230 / 13P8 kV PORTOALEGRE6 6 RS Painel Acidental - Serviços/Testes
2/10/14 4:26 TR 230 / 13P8 kV PORTOALEGRE6 6 RS Painel Acidental - Serviços/Testes
Outras - Equipamentos e
2/11/14 17:13 TR 230 / 69 kV PORTOALEGRE6 2 RS Tanque
Acessórios
18/11/14 0:57 TR 230 / 69 kV PORTOALEGRE6 2 RS Proteção Acidental - Serviços/Testes
18/11/14 1:04 TR 230 / 69 kV PORTOALEGRE6 1 RS Disjuntor Erro de operação - instalação

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 6 desligamentos relacionados à Subestação


Porto Alegre 6, sob concessão da CEEE-GT, dos quais 3 classificados como Acidental -
Serviços/Testes (50%), 1 como Relé de Proteção - Falha/Defeito, 1 como Erro de operação -
instalação e 1 como Outras - Equipamentos e Acessórios.

Em 3 dos 6 desligamentos foi observada interrupção do fornecimento de cargas da região.

Em 30/09/2014, às 14:56, ocorreu o desligamento automático do transformador TR-6 de


230/13,8 kV por falha de proteção de sobrecorrente, sem natureza elétrica, com interrupção
de 27 MW de cargas da CEEE-GT. A recomposição se deu em 6 minutos. Foi realizada
manutenção corretiva no Team Arteche PL300

Em 01/10/2014, às 14:20, ocorreu o desligamento automático do transformador TR-6 de


230/13,8 kV sem natureza elétrica, ocorrido durante o fechamento da porta do painel pela
operação local, com o deslocamento da fiação do painel com relés auxiliares. Houve
interrupção de 23 MW de cargas, com recomposição em 4 min.

Em 02/10/2014, às 04:26, ocorreu o desligamento automático do transformador TR-6 de


230/13,8 kV sem natureza elétrica, ocorrido durante execução do SGI 39.722-14 e provocado
pelo deslocamento da fiação do painel com relés auxiliares na substituição de relé e
investigação/correção relacionadas ao desligamento do dia 01/10/2014. Houve interrupção de
17 MW de cargas, com recomposição em 2 minutos. A CEEE-GT informou que realizou
manutenção corretiva para alterar a acomodação da fiação.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


225
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 99 – Fiação do painel de relés auxiliares do transformador TR-6 de 230/13,8 kV

Em 02/11/2014, às 17:13, ocorreu o desligamento automático do transformador TR2 de


230/69/13,8 kV provocado pela formação de gases internos ao transformador, com atuação de
proteção intrínseca de gás. Foi feita tentativa de restabelecimento do transformador atuando
a proteção diferencial às 19:43. Às 21:11 o TR2 foi disponibilizado ao ONS após a intervenção
da manutenção porém somente foi ligado às 22:42h. CEEE informou que realizou intervenção
na proteção diferencial e não foram encontradas anormalidades. Foi realizada a substituição
de componentes internos do Relé Buchholz (SGI 054.185-15 em 21/02/2016).

Em 18/11/2014, às 00:57, houve o desligamento automático do lado de 230 kV do


transformador TR2 de 230/69/13.8 kV, sem natureza elétrica, ocorrido durante execução do
SGI 41650-14, para comissionamento das adequações para o telecomando da Subestação
Porto Alegre 6. Não houve interrupção de cargas.

Ainda em 18/11/2014, à 01:04, ocorreu o desligamento forçado manual acidental do


transformador TR1 de 230/69/13.8 kV, lado de 69 kV, durante manobras de recomposição do
transformador TR-2, desligado minutos antes, devido a erro da operação. A transmissora
implantou uma melhora na identificação nos painéis de comando dos transformadores,
conforme figura a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


226
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 100 – Painel de comando dos transformadores com melhoria de identificação dos
transformadores da Subestação Porto Alegre 6

A substituição dos sistemas de proteção dos transformadores TR1 e TR2 de 230/69/13,8 kV da


SE Porto Alegre 6 está inserida no PMI 2015-2018.

Prognóstico:

Desligamentos dos transformadores da Subestação Porto Alegre 6 relacionados a falhas


humanas, seja pela equipe de comissionamento ou pela equipe de operação da instalação.

Existe a previsão de substituição dos sistemas de proteção dos transformadores TR1 e TR2 de
230/69/13,8 kV da SE Porto Alegre 6, inserida no PMI 2015-2018. Espera-se uma redução na
quantidade de desligamentos por falhas desses sistemas com a substituição.

Ainda, a Empresa de Pesquisa Energética – EPE já apontou no estudo de planejamento da


região metropolitana de Porto Alegre a necessidade de atendimento do critério N – 1 na
transformação 230/13,8 kV da Subestação. Avaliações internas preliminares realizadas pela
CEEE-GT indicam a viabilidade técnica para instalação de uma segunda unidade
transformadora na Subestação Porto Alegre 6.

Por inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Desligamentos relacionados à Falhas


Humanas, conforme Nota Técnica nº 31/2016-SFE/ANEEL, não foi solicitado Plano de
Melhorias específico para esta Subestação neste momento. A CEEE-GT já encaminhou Plano de
Melhorias com ações que visam reduzir a quantidade de desligamentos relacionados a Falhas
Humanas em toda a Concessão. Cumpre ainda destacar que, conforme Ofício 231/2016-
SFE/ANEEL, de 23 de maio de 2016, a SFE poderá solicitar Planos de Melhorias específicos, seja
para a redução dos desligamentos, seja para algum tema relacionado a essa Subestação.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


227
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4.2. Perturbações na Transmissora COPEL-GT

A COPEL-GT foi convocada através do Ofício nº 214/2016-SFE/ANEEL, de 06 de maio de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 30 de maio de 201623 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos por falhas humanas acidentais e relacionadas a sistemas de
proteção).

SE FIGUEIRA

Subestação de Rebe Básica em operação comercial desde 14/11/1969 com dois


transformadores de 230/138/13,8 kV - 150MVA, com 6 entradas de linhas em 230 kV e 4
entradas de linhas em 138 kV. No período selecionado foram analisados 11 desligamentos,
sendo 10 com interrupção de cargas da subestação, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
21/9/14 13:31 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Proteção Acidental - Serviços/Testes
16/11/14 7:18 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
19/11/14 16:17 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
19/11/14 20:31 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
19/11/14 21:37 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
19/11/14 22:22 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
14/3/15 10:04 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA B PR Serviço Auxiliar DC Acidental - Serviços/Testes
14/3/15 10:04 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Serviço Auxiliar DC Acidental - Serviços/Testes
13/7/15 2:40 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Regulador de Tensão Relé Auxiliar DC - Falha/Defeito
14/7/15 11:41 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Regulador de Tensão Relé Auxiliar DC - Falha/Defeito
14/7/15 12:01 TR 230 / 138 kV FIGUEIRA A PR Regulador de Tensão Relé Auxiliar DC - Falha/Defeito

Diagnóstico:

Inicialmente, durante a análise, foi constatado que, das 11 ocorrências analisadas, 10 tiveram
interrupção do fornecimento de cargas da SE Figueira, contrastando com o número de 5
ocorrências com interrupção apresentado pelo ONS. Tais interrupções devem-se à alimentação
das cargas da cidade de Figueira pelo terciário dos transformadores da Subestação.

Das 11 ocorrências em análise, percebeu-se que 8 tiveram causa relacionada a falha humana,
seja acidental ou relacionada aos sistemas de proteção, temas dos quais a COPEL-GT foi

23
Registro de reunião DOC SIC nº 48534.002788/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


228
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
selecionada para as Campanhas de Fiscalização 2016, e 3 relacionadas a defeito em
equipamento. As 11 ocorrências serão relacionadas em detalhes.

Em 21/09/2014, às 13:31, houve o desligamento automático do autotransformador ATF-A, de


230/138/13,8 kV, somente do lado de 230 kV, provocado acidentalmente durante serviços tipo
4 (informadas em tempo real antes de seu início e sem registro no SGI), sem a na proteção, em
função de retrofit no sistema de proteção, conforme Resolução Autorizativa 2.040/09,
relacionada ao PMIS 2008. Não houve interrupção de cargas uma vez que as cargas de 13,8 kV
atendidas pela Subestação Figueira estava transferidas para o ATF-B. A Copel GT informou que
quando da realização dos testes que envolviam a função de falha de disjuntor de 138 kV, que
estava transferido, houve abertura indevida do disjuntor do lado de 230 kV, devido ao não
bloqueio desta atuação. Foi realizado o bloqueio da atuação do esquema de falha de disjuntor
sobre o disjuntor de 230 kV para continuidade dos testes.

Em 16/11/2014, às 07:18, houve o desligamento automático do ATF-A, ambos os lados, para


um curto-circuito na rede 13,8 kV, devido a erro de ajuste em relé de proteção, com atuação
incorreta da proteção diferencial. Houve interrupção de 32 MW de cargas da COPEL-D na
subestação Figueira. Às 07:23, foi normalizado o transformador. O ATF-B, de 230/138/13,8 kV
– 150 MVA da subestação Figueira estava desligado, sob intervenção.

A COPEL-GT informou que a causa do desligamento foi ajuste indevido da compensação


angular para a proteção diferencial (relés novos – obra retrofit). O defasamento angular na
área de distribuição não corresponde ao padrão adotado em outas áreas da Copel D, levando à
possibilidade de equívoco pelo ajustador.

Houve ainda reincidência do desligamento no dia 19/11/2014, pelo mesmo motivo, conforme
a seguir:

 16:17 com interrupção de 8 MW de cargas da COPEL-D e recomposição às 16:21;


 20:31 com interrupção de 9 MW e recomposição às 20:34;
 21:37 com interrupção de 6 MW e recomposição às 21:39;
 22:22 com interrupção de 6 MW e recomposição às 22:24.

O ajuste da proteção foi corrigido em programação do dia 19/11/2014 (SGI 00.047.907-14).

14/03/2015 10:04 - Desligamentos automáticos dos ATF-A e ATF-B e da LT 230 kV Figueira –


Jaguariaíva, somente no terminal de Figueira, provocados acidentalmente durante execução
de serviço tipo 4 para substituição da proteção da linha. Houve interrupção de 51 MW de
cargas da COPEL-D nos setores de 138 kV e 13,8 kV da subestação Figueira, com recomposição
às 10:22.

A COPEL-GT informou que a causa foi a desconexão do cabo de alimentação CC no painel do


disjuntor Transferência 230 kV, conforme Figura 101, durante a substituição da proteção do
circuito 230 kV Jaguariaíva na SE Figueira (empreiteira contratada). Houve desenergização de
relés repetidores de estados das chaves de by pass para os relés diferenciais dos
transformadores. Os TCs da subestação são internos aos circuitos de by pass e as proteções

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


229
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
diferenciais dos transformadores consideram a corrente do Transferência quando a chave de
by pass respectiva está fechada (intrínseco ao sistema Copel).

Figura 101 – Ilustração do ponto de conexão da alimentação CC do circuito de comando do


disjuntor de transferência 230 kV

A transmissora informou, ainda, que realizou alteração do projeto para que a informação do
estado das chaves by pass possua alimentação de corrente contínua separada do circuitos de
comando das seccionadoras para as proteções 87TA e 87TB.

Em 13/07/2015, às 02:40, ocorreu o desligamento do ATF-A, ambos os lados, pela atuação


indevida da proteção 63V do regulador de tensão da Subestação. No período houve
interrupção de cargas da COPEL-D (4 MW) ligadas ao terciário do ATF-A.

Em 14/07/2015, às 11:41, houve novo desligamento do ATF-A, dos lados de 230 kV e 138 kV,
pelo mesmo motivo, com atuação indevida da proteção sobre o disjuntor de transferência,
desligando a LT 230 kV Figueira / Londrina. No período houve interrupção de cargas da COPEL-
D (6 MW) ligadas ao terciário do ATF-A. Tal ocorrência se repetiu às 12:00.

A Copel informou que efetuou o bloqueio da atuação do relé 63V do regulador de tensão de
13,8 kV. Em 23 de agosto de 2015 foi efetuada inspeção na válvula de alívio de pressão do
regulador de tensão e foi constatada a deterioração da chave auxiliar que é acionada quando
da atuação da válvula. Devido a esta deterioração houve a perda de isolamento do plástico de
constituição da chave permitindo a circulação de corrente pelo mesmo e consequente atuação
indevida da proteção.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


230
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em relação às ocorrências, constata-se que houve dispersão no tempo na janela analisada,
uma vez que não houve interferência de tempo ou clima nas causas.

Figura 102 – Distribuição das causas dos desligamentos na janela de análise

A Copel GT esclareceu, ainda, como é feita a Análise Preliminar de Risco Técnica, internamente
conhecida como análise de risco. Antes da intervenção, tanto no escritório quanto no campo,
os desenhos e diagramas da subestação são estudados pelos técnicos que executarão o
serviço. Avalia-se o risco de trip indevido de acordo com a atividade a ser realizada, de modo
que sejam identificados nos desenhos e diagramas, bem como no local dos serviços, os pontos
de trip a serem bloqueados.

A análise de risco que envolve os sistemas de proteção é realizada por meio do exame de
diagramas elementares e esquemas de fiação, no qual são conferidos os pontos de bloqueio
de atuação necessários para evitar desligamentos acidentais.

Tal análise informa se há risco de abertura de algum elemento ou barra da subestação durante
a realização da intervenção programada. Caso positivo, esta situação é informada na
Mensagem Operativa quando da solicitação da intervenção e levada em consideração nos
estudos elétricos.

Durante reunião entre a ANEEL e a Copel, realizada em 30 de maio de 2016, foi identificado
que, em 10 das 11 ocorrências citadas, houve interrupção de cargas alimentadas pelo terciário
dos transformadores da SE Figueira (13,8 kV). Tal carga, de propriedade da Copel Distribuição e
geralmente variando de 5 a 15 MW, é alimentada em alternância pelos transformadores ATF-A
e ATF-B, sem automatismo na transferência de alimentação, e se refere à cidade de Figueira.

Existem, ainda, dois transformadores elevadores, de 13,8 / 34,5 kV de propriedade da Copel


Distribuição, conectado diretamente no barramento de 13,8 kV da Subestação, acarretando
em dificuldades tanto na operação quanto na coordenação e ajustes das proteções dos
transformadores.

Os setores de 13,8 e 34,5 kV da Subestação podem ser visualizados no diagrama unifilar a


seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


231
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 103 – Representação dos diagramas unifilares setores de 13,8 e 34,5 kV da Subestação
Figueira

Segundo informou a Copel GT, já foi identificada a necessidade de retirada dessas cargas pela
Copel Distribuição, mas não há uma priorização nesta transferência. A previsão de
transferência das cargas, de acordo com o Plano de Desenvolvimento da Distribuição – PDD
2016 da Copel Distribuição, é 2024. Ainda, não existe espaço físico na Subestação para um
eventual transformador em 138 / 13,8 kV para o atendimento às cargas da cidade de Figueira.

Prognóstico:

A maioria dos desligamentos da Subestação Figueira, da Copel GT, tem como causa falhas
humanas durante a realização de serviços na Subestação, seja por ajustes ou por ações de
empreiteira contratada. Tais desligamentos ocorreram durante a realização de retrofit no
sistema de proteção da Subestação, em atendimento à Resolução Autorizativa 2040/2009 –
PMIS, para a substituição dos relés eletromecânicos para relés digitais e substituição dos cabos

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


232
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
de controle, com lançamento e retirada de cabos antigos. As obras foram realizadas no
período de julho de 2014 a outubro de 2015, período este em que ocorreram os
desligamentos. Após a conclusão, não foi observado novo desligamento envolvendo os
transformadores da Subestação Figueira.

Em relação à carga presente no setor de 13,8 kV da Subestação, a SFE encaminhou o Ofício n°


297/2016-SFE/ANEEL para a Copel GT e Copel Distribuição solicitando ações no sentido de
agilizar a transferência das cargas, a fim de cessar a interrupção em caso de desligamento dos
transformadores da Subestação e trazer segurança à operação dos equipamentos.

Por já estar inserida nas Campanhas de Fiscalização referentes à Falhas Humanas Acidentais e
relacionadas aos sistemas de proteção, não foi solicitado Plano de Melhoria específico para os
desligamentos da Subestação Figueira. Entretanto, será realizado o acompanhamento dos
Planos referentes às Campanhas de Fiscalização e também os desligamentos referentes à
Subestação em análise, conforme Ofício nº 214/2016-SFE/ANEEL.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


233
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4.3. Perturbações na Transmissora ELETROSUL

A ELETROSUL foi convocada através do Ofício nº 215/2016-SFE/ANEEL, de 06 de maio de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 25 de maio de 201624 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos por falhas humanas acidentais e desligamento forçado com causa
indeterminada).

LT 525 kV BLUMENAU / CURITIBA C 1 SC/PR

Linha de Transmissão em 525 kV e com 138 km de extensão. No período selecionado foram


analisados 11 desligamentos, sendo 10 diretamente relacionados à vegetação e um acidental,
durante corte de vegetação, resumidos no quadro abaixo.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
3/8/14 14:32 Condutor Vegetação Fase-Terra
1/10/14 14:46 Condutor Acidental - Serviços/Testes Fase-Terra
16/11/14 16:51 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 16:33 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 16:33 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 16:55 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 16:55 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 17:38 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 17:38 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 17:49 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/1/15 17:49 Condutor Vegetação Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 11 desligamentos da LT 525 kV Blumenau /


Curitiba C1, de propriedade da ELETROSUL, sempre relacionados à presença de vegetação. Dos
11 desligamentos, 10 foram classificados como vegetação no SIPER e 1 foi classificado como
Acidental.

Dos 11 desligamentos analisados, 8 ocorreram no mesmo dia (16/01/2015), todos estes


envolvendo a fase A da LT e todos com recusa de atuação de Religamento Automático devido
a reincidência do defeito. Nos demais desligamentos, houve atuação correta de Religamento
Automático.
24
Registro de reunião DOC SIC nº 48534.004060/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


234
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em relação à localização dos defeitos, constatou-se que todos foram nas proximidades de uma
das Subestações envolvidas, sempre entre os quilômetros 25 e 36 a partir de um dos
terminais, conforme a Figura 104.

Figura 104 – Localização das faltas por porcentagem da LT 525 kV Blumenau / Curitiba C 1
SC/PR

Ainda, constatou-se clara predominância no primeiro semestre da janela de análise, ou seja,


no segundo semestre do ano de 2014, entre os meses de agosto a dezembro e também no
mês de janeiro. De acordo com informações da concessionária, isso se deve ao rápido
crescimento da vegetação neste período do ano. A Figura 105 apresenta essa distribuição
temporal.

Figura 105 – Distribuição das causas dos desligamentos da LT 525 kV Blumenau / Curitiba C 1
SC/PR
na janela de análise

Durante a reunião entre a ANEEL e a ELETROSUL, foi apresentada uma contestação em relação
aos desligamentos. Segundo a transmissora, os desligamentos do dia 16/01/15 devem ser
contados somente como 1 desligamento. Entretanto, conforme registro no SIPER, foram
contabilizados 2 desligamentos para cada perturbação, em função da reincidência do defeito,
e assim foram considerados na análise. Ainda, a ELETROSUL apresentou um novo desligamento
para este mesmo dia, ocorrido às 17:42, e outro no dia 29/09/2014, às 16:11, envolvendo a
fase C e há 34 km do terminal de Blumenau, também devido a toque de vegetação.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


235
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Segundo a transmissora, os desligamentos ocorridos entre agosto e novembro ficaram na
proximidade da Subestação de Blumenau e são em decorrência de espécie arbórea conhecida
como Taquaras. O desligamento ocorrido em 01/10/2014 foi devido ao corte de uma Taquara,
em função do desligamento ocorrido em 29/09 do mesmo ano.

Após os desligamentos relacionados, foi realizada revisão da instrução de manutenção ML 01-


04-01, inserindo procedimento específico para o corte de Taquara, chamando atenção para a
avaliação da altura e melhores técnicas de corte. Ainda, foi inserido novo item no Roteiro de
Inspeção, específico para o registro de Taquaras, bem como a realização de treinamento para
a equipe de inspeção, no período de 24 a 26/03/15, abordando temas relacionados a espécies
arbóreas de rápido crescimento, segurança no corte de vegetação e cabos baixo. Além disso,
foi realizada erradicação da vegetação utilizando máquinas pesadas.

Em relação aos desligamentos do dia 16/01/2015, todos foram causados pelo mesmo
indivíduo arbóreo, qual seja, um eucalipto. O defeito tinha característica inicialmente fugitiva,
passando a permanente posteriormente. Depois de constatada a característica permanente do
defeito, não foram realizadas mais tentativas de religamento e foi solicitada inspeção da linha.
Foi feito o corte da árvore e não foram observados novos desligamentos por vegetação na
Linha de Transmissão em análise.

Sobre as inspeções em linhas de transmissão, são ações preventivas para verificação das
condições das torres, cabos, isoladores, acessórios, sinalização e da faixa de servidão, visando
garantir a disponibilidade das instalações e a segurança de terceiros.

O programa de inspeções em linhas de transmissão é baseado em critérios que possibilitam a


definição da periodicidade e dos tipos de inspeção a serem empregadas em cada linha de
transmissão, considerando as suas características intrínsecas. São realizadas inspeções
terrestres rápidas, terrestres de isolamento, terrestres detalhadas, terrestres urbanas e
aéreas.

A limpeza da faixa de servidão é realizada basicamente por empresas terceirizadas, seguindo


uma Programação Mensal de Serviços elaborada pela ELETROSUL. Essa programação é
elaborada com base nos Pedidos de Serviços gerados pelo Sistema de Gerenciamento de
Serviços, a partir dos defeitos de vegetação alta na faixa ou fora da faixa registrados pelas
equipes de Inspeção.

Existe uma pequena parcela de supressão que é realizada pelas equipes de inspeção e de
manutenção da ELETROSUL, basicamente as situações caracterizadas por pequena quantidade
de vegetação a ser suprimida e elevado nível de urgência.

Os tipos de supressão de vegetação utilizados seguem as exigências dos órgãos ambientais,


que podem ser diferentes de uma linha para outra, e também da norma NBR 5422 – Projeto
de Linhas Aéreas de Transmissão de Energia Elétrica.

Em relação à identificação da causa das ocorrências, apesar de não ser tema para esta análise,
a ELETROSUL apresentou fluxograma para a classificação de desligamentos em linhas de
transmissão, conforme Figura 106.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


236
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 106 – Fluxograma para tomada de decisão sobre inspeção e classificação de ocorrências
em linhas de transmissão adotado pela ELETROSUL

Conforme representado no fluxograma, a definição da causa parte da análise das


características do defeito, sendo subsidiada também pelos relatos da operação, informações
sobre descargas atmosféricas informadas pelo ONS, informações de ocorrências anteriores,
localizações calculadas (função LDL) e pelos resultados de inspeções nas linhas, realizadas
pelas equipes de manutenção.

Prognóstico:

Após a análise, foi verificado que todos os desligamentos, 11 analisados pela equipe e mais 2
apresentados pela ELETROSUL, tem características relacionadas diretamente à vegetação ou
em serviço de poda de vegetação.

Foram realizadas alterações nas rotinas de corte e de inspeção de faixa de servidão, no sentido
de evitar que espécies de crescimento rápido causem novos desligamentos. Após essas
alterações, não foram verificados desligamentos significativos na linha de transmissão em
análise relacionados ao toque de árvores.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


237
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Por se tratar de causa específica, em especial os oito desligamentos no mesmo dia, e ainda por
não ser observado desligamento com mesma causa depois das soluções apresentadas, não foi
solicitado Plano de Melhoria para tratar a questão. Entretanto, será feito acompanhamento
em ciclos posteriores para verificar se de fato as ações continuam sendo executadas e os
desligamentos evitados.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


238
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4.4. Perturbações na Transmissora ETAU

Por se tratar de desligamentos específicos, com causas esclarecidas, e por já ter ocorrido
Reunião de Análise da Perturbação, com participação da ANEEL, ONS, MME e Agentes
envolvidos, e ainda por ter sido realizada fiscalização e aberto processo administrativo punitivo
para a transmissora25, relacionada ao desligamento com interrupção no fornecimento das
cargas, a ETAU não foi convocada para reunião técnica para prestar esclarecimentos
relacionados a estes desligamentos.

LT 230 kV BARRA GRANDE / C.NOVOS C 1 SC

Linha de Transmissão em 230 kV, com 34 km de extensão, com religamento automático


monopolar ajustado em 1 segundo e data de entrada em operação comercial em 29/06/2005.
No período selecionado foram analisados 5 desligamentos, sendo 1 com corte de carga,
classificados conforme o quadro a seguir:

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
23/8/14 7:37 Disjuntor Erro de operação - instalação Sem Natureza Elétrica
Fase-Terra c/ Alta
2/1/15 23:41 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
3/1/15 17:40 Condutor Vegetação
Resistência
2/4/15 0:57 Disjuntor Baixa Pressão de Ar ou SF6 Sem Natureza Elétrica
6/4/15 10:14 Disjuntor Baixa Pressão de Ar ou SF6 Sem Natureza Elétrica

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 5 desligamentos da LT 230 kV Barra Grande


/ Campos Novos C1, sob concessão da ETAU, dos quais dois estão relacionados à presença de
vegetação, 2 em falhas em equipamento e 1 por erro de operação.

A perturbação do dia 23/08/2014, às 07:37, consistiu no desligamento acidental do terminal


de Campos Novos da linha de transmissão pela atuação indevida do relé auxiliar de disparo,
provocado acidentalmente durante a manobra da chave seccionadora CS711. Não houve
atuação do religamento automático, já que não houve natureza elétrica devido a abertura
acidental. A recomposição ocorreu às 07:42.

Já as perturbações dos dias 02/04/2015, à 00:57, e 06/04/2015, às 10:14 tiveram as mesmas


características e se referem ao desligamento apenas do terminal de Barra Grande da linha de
transmissão, devido a atuação do segundo estágio da proteção intrínseca do disjuntor de 230

25
Processo ANEEL nº 48500.004510/2015-36

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


239
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
kV DJ 732 por perda de pressão de SF6 no polo da fase B do disjuntor. Em ambos os casos, não
houve atuação do religamento automático por não haver natureza elétrica do defeito, uma vez
que não houve defeito na linha.

A recomposição ocorreu às 02:45 e 10:50, respectivamente.

A ETAU realizou a substituição do polo B do disjuntor DJ 732 da Subestação Barra Grande.

A perturbação do dia 02/01/2015, às 23:41, teve início com o desligamento automático da


linha de transmissão de 230 kV Barra Grande / Campos Novos C1, em ambos os terminais,
devido a um curto-circuito monofásico de alta impedância na linha, envolvendo a fase C e
localizado a 12 km do terminal de Campos Novos, provocado por vegetação sob a linha.

Após a eliminação do defeito, em 1,8 segundos pelas atuações das proteções principal e
alternada de direcionais de sobrecorrente residuais temporizadas no terminal de Barra Grande
e principal e alternada direcional de sobrecorrente residual, associada ao esquema de
transferência de disparo permissivo por sobrealcance, no terminal de Campos Novos, ocorreu
o desligamento automático das LTs de 138 kV Rio do Sul / Salto Pilão, Lages / Lages Vidal
Ramos Jr. C1 e C2, e LT 230 kV Lagoa Vermelha 2 / Santa Marta, em ambos os terminais.

Após estes desligamentos, houve o desligamento automático dos grupos geradores G1, G2 e
G3, cada um de 230 MW, da usina hidrelétrica Barra Grande, e dos grupos geradores G1, G2, e
G3, cada um de 74 MVA, da usina hidrelétrica Garibaldi.

As usinas Barra Grande e Garibaldi estavam gerando 682 MW e 189 MW respectivamente.

No período houve interrupção de 126 MW de cargas da CELESC e RGE, atendidas pelas


subestações 230/138 kV de Lages, Rio do Sul e Lagoa Vermelha 2. A frequência da região
afetada atingiu 66 Hz.

A Figura 107 ilustra a área de abrangência da perturbação em análise.

Figura 107 – Área de abrangência da perturbação de 2/1/2015 às 23:41h, na LT 230 kV Barra


Grande / Campos Novos C1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


240
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Cabe frisar que não houve atuação de Sistemas Especiais de Proteção – SEP e que foram
adequados os desempenhos dos registradores de perturbação das Subestações Barra Grande,
Campos Novos, Lages, Rio do Sul, Santa Maria e usinas Barra Grande e Garibaldi. Não houve
registro pelo equipamento da Subestação Lagoa Vermelha 2.

Também é importante destacar que não estavam sendo realizados serviços na linha de 230 kV
Barra Grande / Campos Novos C2 (origem da perturbação) e nas LT de 138 kV Rio do Sul –
Salto Pilão, Lages – Lages Vidal Ramos Jr circuitos 1 e 2, e da linha de transmissão de 230 kV
Lagoa Vermelha 2 – Santa Marta, as quais foram desligadas na sequência da perturbação.

De acordo com o ONS, não foram constatados problemas na comunicação de voz e dados
entre o COSR-S e os centros de operação dos agentes envolvidos na ocorrência.

Diante da perturbação, foi aberta ação de fiscalização pela SFE-ANEEL com o objetivo de
analisar as responsabilidades dos agentes envolvidos nesta ocorrência. Durante a fiscalização,
analisou-se as últimas limpezas de faixa realizadas pela ETAU na linha supracitada. Constatou-
se que nos 6 (seis) meses anteriores ao evento, foram feitas 5 (cinco) limpezas de faixa no mês
de julho, 10 limpezas de faixas no mês de setembro e 2 (duas) limpezas de faixa no mês de
outubro. Daí, estranha-se o fato de não ter ocorrido limpeza de faixa na linha durante os quase
3 meses anteriores a ocorrência do evento.

A transmissora esclareceu que o desligamento teve como causa uma vegetação de rápido
crescimento, conhecida como “Maria Preta”, aliada a uma grande precipitação pluviométrica e
elevadas temperaturas na região. Ainda, recomendou, após os desligamentos, a antecipação
da Inspeção Terrestre Rápida na linha. Além disso, a Engenharia de Manutenção também
realizou, de 23 a 27/03/2015, um Treinamento de "Reciclagem para Inspetores de Linhas de
Transmissão", visando reforçar entre outros temas, o conhecimento de espécies arbóreas de
crescimento rápido nesta região.

Entretanto, a fiscalização entendeu que as limpezas de faixa deveriam ser feitas regularmente,
mesmo após o mês de outubro, principalmente em função das altas precipitações e elevada
temperatura, o que restou caracterizada a não Conformidade.

A perturbação do dia 03/01/2015, às 17:40, teve as mesmas características da ocorrência do


dia 02 do mesmo mês, supracitada, sendo causada pelo mesmo indivíduo arbóreo. Entretanto,
dadas as condições de operação do sistema da região, o desligamento se deu sem maiores
consequências para a operação e sem interrupção do fornecimento de cargas da região. A
ETAU informou que o indivíduo arbóreo foi suprimido em 11/01/2015 e não foram observados
novos desligamentos nesta LT por vegetação.

Prognóstico:

Foi constatado que dos 5 desligamentos da LT 230 kV Barra Grande / Campos Novos C2 no
período de agosto de 2014 a julho de 2015, 2 tiveram como causa a vegetação e 2 foram
relacionados a defeito em disjuntor, além de 1 por falha durante manobra em chave
seccionadora.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


241
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Por se tratar de desligamentos, por causas distintas, e por não ter se observado novo
desligamento relacionado à vegetação na linha em análise após as ações de inspeção e poda
realizados pela transmissora e relacionados à defeito no disjuntor após a substituição do
equipamento, não foi solicitado Plano de Melhoria específico para esta linha de transmissão.

Embora a concessionária não esteja incluída no conjunto das 13 transmissoras responsáveis


por mais de 80% dos desligamentos forçados por causas humanas ou indeterminadas,
conforme metodologia apresentada na Nota Técnica nº 31/2016-SFE/ANEEL, deverão ser
implementadas ações efetivas visando à eliminação desses tipos de desligamentos em todos
os ativos das concessões.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


242
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.4.5. Perturbações na Transmissora TSBE

A TSBE foi convocada através do Ofício nº 216/2016-SFE/ANEEL, de 06 de maio de 2016, para


reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 25 de maio de 201626 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos. A reunião foi realizada em conjunto com
a ELETROSUL, por possuir 80 % do controle acionário da TSBE e realizar os procedimentos de
Operação e Manutenção nos ativos desta transmissora, mediante assinatura de contrato de
O&M.

LT 525 kV ITA / NOVA STA RITA C 2 SC/RS

Linha de Transmissão em 525 kV, com 314 km de extensão, com religamento automático
tripolar ajustado em 3,5 segundos e data de entrada em operação comercial em 08/04/2014.
No período selecionado foram analisados 22 desligamentos, sendo 16 classificados como
vegetação, 4 como descarga atmosférica, 1 como queimada e 1 como indeterminada,
resumidos no quadro abaixo. Nenhum dos desligamentos ocasionou corte de carga na região.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
12/8/14 16:30 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
24/8/14 15:04 Condutor Vegetação Fase-Terra
31/8/14 1:31 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
2/9/14 12:22 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
2/9/14 12:34 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
15/9/14 0:55 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
10/10/14 12:21 Condutor Vegetação Fase-Terra
19/10/14 4:09 Sem Localização Específica Vegetação Fase-Terra
19/10/14 4:09 Condutor Vegetação Fase-Terra
19/10/14 4:10 Condutor Vegetação Fase-Terra
19/10/14 4:10 Condutor Vegetação Fase-Terra
19/10/14 4:14 Condutor Vegetação Fase-Terra
19/10/14 4:14 Condutor Vegetação Fase-Terra
19/10/14 5:25 Condutor Vegetação Fase-Terra
30/10/14 4:57 Condutor Vegetação Fase-Terra
30/10/14 5:02 Condutor Vegetação Fase-Terra
8/12/14 16:35 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
20/12/14 21:02 Condutor Vegetação Fase-Terra
20/12/14 21:04 Condutor Vegetação Fase-Terra

26
Registro de reunião DOC SIC nº 48534.004060/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


243
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
20/12/14 21:07 Condutor Vegetação Fase-Terra
1/1/15 21:53 Condutor Vegetação Fase-Terra
1/1/15 21:58 Condutor Vegetação Fase-Terra

Diagnóstico:

Durante a janela considerada, foram analisados os 22 desligamentos da LT 525 kV Itá / Nova


Santa Rita C2, sob concessão da TSBE, cuja maioria está relacionada à presença de vegetação,
sendo 16 classificados como vegetação, 4 como descarga atmosférica, 1 como queimada e 1
como indeterminada. A Figura 108 a seguir representa a localização percentual do
desligamentos ao longo da LT. O desligamento no extremo da figura (100%) deve-se a uma
falha na localização da falta, que apresentou valor fora da linha.

Figura 108 – Localização das faltas por porcentagem da LT 525 kV Itá / Nova Santa Rita C2

Ainda sobre as ocorrências, observa-se a seguinte distribuição ao longo das fases da linha de
transmissão:

Figura 109 – Fases Envolvidas nos desligamentos da LT 525 kV Itá / Nova Santa Rita C2

Em relação ao esquema de religamento automático da linha de transmissão, foi constatado


que houve 13 atuações corretas e 9 recusas de atuação, sendo 8 por reincidência do defeito e
1 pela característica permanente do desligamento.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


244
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em reunião realizada no dia 25 de maio de 2016, envolvendo a SFE-ANEEL, a TSBE e a
ELETROSUL, foi esclarecida falha ou divergência na classificação de alguns desligamentos
envolvendo a linha de transmissão em análise.

Segundo esclarecimentos da transmissora, dos 22 desligamentos em análise, 21 foram de


característica fugitiva e 1 permanente. Ainda, dos 21 fugitivos, 20 foram causados por
vegetação fora da faixa de servidão e 1 não teve a causa determinada. O desligamento
permanente foi causado por vegetação dentro da faixa de segurança.

O defeito permanente ocorreu em 10/10/2014, às 12:21, consistindo no desligamento


automático da linha de transmissão devido a um curto-circuito monofásico envolvendo a fase
B, causado por vegetação. A falta, localizada a 180 km de Itá, foi eliminada em 54,6ms pelas
atuações das proteções principal e alternada pelos esquemas POTT 21NP, proteção de
distância de terra, 1ª zona, e por atuação da transferência direta de disparo, em ambos os
terminais da linha.

Às 18h55min a operação da linha de transmissão 525kV Itá - Nova Santa Rita C2 foi liberada
após corte de árvore, sendo energizada às 22:01.

Sobre o defeito inicialmente classificado como queimada, a TSBE esclarece que a real causa foi
vegetação fora da faixa de servidão e que a classificação adotada pelo ONS não corresponde à
verdadeira causa. Segundo a transmissora, o ONS classifica as ocorrências de acordo com as
informações preliminares registradas no SIPER e no período da ocorrência, não havia
consistência dos dados com os agentes, acarretando diversas inconsistências nas
classificações.

Em relação à distribuição temporal dos desligamentos, percebe-se clara concentração no


primeiro semestre da janela de análise, ou seja, no segundo semestre do ano de 2014. Tal fato
pode ser explicado pela característica climática da região e pela data de entrada em operação
da linha, estando dentro da chamada “curva da banheira”, ou seja, dentro dos primeiros
meses de operação, período em que se espera uma quantidade maior de desligamentos,
sendo inclusive, isento do desconto na parcela variável.

Figura 110 – Distribuição das causas dos desligamentos da LT 525 kV Itá / Nova Santa Rita C2
na janela de análise

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


245
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Em função da quantidade de desligamentos relacionados à vegetação, a transmissora realizou
identificação e eliminação da vegetação causadora dos desligamentos observados, além de
inspeções para identificação de situações potencialmente causadoras de novos desligamentos
e corte preventivo de vegetação ao longo da linha de transmissão com potencial de risco a
curto e médio prazos.

Ainda, destaca a TSBE que a linha de transmissão teve sua faixa de segurança estabelecida
através do corte seletivo, por exigência do órgão licenciador (IBAMA) que limitou o
desmatamento a 3 metros de largura do eixo da linha de transmissão, liberando o corte da
vegetação que aparentemente colocava em risco a segurança de sua operação.

Após as medidas de inspeção e corte seletivo de vegetação, não foi observado novo
desligamento da linha de transmissão em análise.

Em relação às rotinas de inspeção em linhas de transmissão, limpeza da faixa de servidão e de


identificação da causa dos desligamentos forçados, a TSBE utiliza a estrutura da ELETROSUL,
uma vez que possuem contrato de Operação e Manutenção, já descrita no item 7.4.3 deste
Relatório.

No caso específico dos desligamentos observados no período considerado, tendo em vista que
as instalações se encontravam dentro do prazo de vigência da garantia contratual de
construção, foi acionada a empresa executante da obra para solucionar os problemas
detectados.

Prognóstico:

Foi constatado que dos 22 desligamentos da Linha de Transmissão 525 kV Itá / Nova santa Rita
C2 no período de agosto de 2014 a julho de 2015, 21 tiveram como causa a vegetação, sendo
20 fora da faixa de servidão e 1 dentro da referida faixa. O desligamento restante não teve
causa identificada.

Por se tratar de um caso específico, e por não ter se observado novo desligamento relacionado
à vegetação na linha em análise após as ações de inspeção e poda realizados pela
transmissora, não foi solicitado Plano de Melhoria específico para este equipamento.

Embora a concessionária não esteja incluída no conjunto das 13 transmissoras responsáveis


por mais de 80% dos desligamentos forçados por causas humanas ou indeterminadas,
conforme metodologia apresentada na Nota Técnica nº 31/2016-SFE/ANEEL, deverão ser
implementadas ações efetivas visando à eliminação desses tipos de desligamentos em todos
os ativos das concessões. A transmissora esclareceu, ainda, que está realizando nova inspeção
detalhada na linha de transmissão visando a identificação de novos indivíduos arbóreos que
coloquem em risco a operação da linha de transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


246
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.5. Perturbações ocorridas nos estados do Pará, Amazonas e Macapá

Os critérios de seleção elegeram o total de 143 desligamentos envolvendo os estados do


Amazonas, Pará e Amapá, sendo estes em 15 instalações, das quais 8 são Subestações e 7
Linhas de Transmissão. A distribuição percentual com relação aos 1.142 desligamentos sob
análise deste relatório está demostrada na Figura 111.

Figura 111 – Distribuição do grupo em relação ao total de desligamentos selecionados para


análise

Figura 112 – Estados com instalações analisadas (AM, PA e AP)

Tabela 15 apresenta um resumo das perturbações analisadas.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


247
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Tabela 15 – Resumo das perturbações analisadas nas regiões

Perturbações Corte de
Total de
Transmissora Instalação com Corte de Carga Total
Desligamentos
Carga no Período

ELETRONORTE LT 230 kV TUCURUI / ALTAMIRA C 1 PA 3 485.00 6


ELETRONORTE SE TUCURUI 7 1,017.00 8
ELETRONORTE SE LECHUGA (ELETRONORTE/MANAUS TR) 1 41.00 2
Macapá LT 500 kV JURUPARI / ORIXIMINA C 1 PA 2 683.00 7
Macapá LT 500 kV JURUPARI / ORIXIMINA C 2 PA 1 335.00 5
Macapá SE JURUPARI (MACAPÁ/XINGU) 0 0.00 3
Macapá SE MACAPA 0 0.00 11
Macapá SE ORIXIMINA 0 0.00 11
Manaus TR LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 1 PA/AM 1 130.00 15
Manaus TR LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 2 PA/AM 1 15.00 23
Manaus TR LT 500 kV SILVES / LECHUGA C 1 AM 1 217.00 11
Manaus TR SE LECHUGA (ELETRONORTE/MANAUS TR) 1 41.00 4
Xingu LT 500 kV XINGU / JURUPARI C 1 PA 1 132.00 7
Xingu SE JURUPARI (MACAPÁ/XINGU) 0 0.00 13
Xingu SE XINGU 4 552.00 17

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


248
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.5.1. Perturbações na Transmissora ELETRONORTE

A ELETRONORTE foi convocada através do Ofício nº 177/2016-SFE/ANEEL, de 25 de abril de


2016, para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 16 de maio de 201627 para
prestar esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de
Plano de Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta
concessionária foi selecionada (desligamentos por falhas humanas acidentais e relacionadas
aos sistemas de proteção e por causas indeterminadas).

A ELETRONORTE possui 3 instalações analisadas nesse grupos de análise. A seguir apresenta-se


a análise detalhada de cada uma dessas instalações.

LT 230 kV TUCURUI / ALTAMIRA C 1 PA

Linha de transmissão em operação comercial desde 06/06/1998 com 325 km de extensão. Não
possui religamento automático.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
13/11/14 13:42 Para-raio Queda Fase-Terra
13/2/15 10:28 Proteção Surtos ou Transitório - Secundário DC Sem Natureza Elétrica
13/2/15 11:06 Proteção Surtos ou Transitório - Secundário DC Sem Natureza Elétrica
18/4/15 23:31 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/5/15 14:48 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
Erro de Configuração de Lógica -
21/7/15 15:00 Proteção Concepção Fase-Terra

Diagnóstico:

Foram verificadas 06 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 2 na execução de serviços (1 corte de carga de 147 MW e 1 de 188 MW);


 3 erro na proteção (1 corte de carga de 179 MW);
 1 por causa indeterminada (1 corte de carga de 150 MW).

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

27
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003551/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


249
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 113 – Causas dos desligamentos da LT 230 kV TUCURUI/ALTAMIRA C1.

Verifica-se que a causa principal dos desligamentos dessa linha de transmissão foi o Erro no
Sistema de Proteção (3 ocorrências, representando 50% dos desligamentos) e Erro na
Execução de Serviços (2 ocorrências com 33% dos desligamentos). Destaca-se ainda uma
ocorrência classificada como Indeterminada (17% do total das ocorrências).

Houve distribuição igual de desligamentos no 1º terço e 2º terço das linhas de transmissão,


com 1 desligamentos cada, tomando por origem o terminal de Tucuruí. Destaca-se que três
desligamentos (60% do total), tiveram suas origens em subestações.

No gráfico da Figura 114, temos os tipos de curtos-circuitos na linha sob análise:

Figura 114 – Tipos de curto-circuito da LT 230 kV Tucurui/Altamira C1.

Demonstra-se que a maioria das ocorrências foi do tipo trifásico, dada a origem da maioria das
ocorrências em subestações. Verifica-se ainda duas ocorrências do tipo monofásico e
nenhuma do tipo bifásico.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


250
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
No gráfico da Figura 115, observa-se a igual distribuição de ocorrências nas fases Branca e
Vermelha, com uma ocorrência cada, e três ocorrências trifásicas.

Figura 115 – Fases envolvidas nas ocorrências da LT 230 kV Tucuruí/Altamira C1.

A seguir, demonstra-se a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015).

Figura 116 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 230 kV


Tucuruí/Altamira C1.

Do gráfico observa-se que os desligamentos foram pontuais durante o período de análise, com
alguns períodos sem ocorrências.

No dia 1/6/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e de
representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por mensagens de correio eletrônico enviadas
nos dias 15 e 16 de junho de 2016.

A ELETRONORTE informou que tem trabalhado para corrigir os Erros da Lógica de Proteção nas
subestações terminais desta linha. Informou ainda que para as causas de Surtos ou Transitório
– Secundário DC foi causado pela falta de aterramento da blindagem de cabo de controle. O
agente informou que está executando ações para implantar o aterramento no cabo de

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


251
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
controle, de forma a evitar novas ocorrências. A SFE questionou se houve reincidência nas
ocorrências e a ELETRONORTE informou não haver novos desligamentos devido às estas
causas. Informou ainda que as ações tomadas para mitigar os problemas constam do Plano de
Melhoria apresentado à ANEEL.

A ELETRONORTE entrou na Campanha de Desligamentos por Falhas Humanas Acidentais e de


Proteção, e por Causas Indeterminadas. Durante a reunião, a ELETRONORTE apresentou as
ações que está tomando para mitigar tais problemas.

Para Falhas Humanas Acidentais, o agente incluiu no Plano de Melhoria ações que incluem a
revisão e melhoria no Normativo de Planejamento de Serviços de Manutenção, o treinamento
das equipes de manutenção e o estabelecimento de novo indicador preventivo dos
desligamentos por falha no Planejamento de intervenções.

Para Causa Indeterminadas, a ELETRONORTE respondeu que está revisando os procedimentos


de análise de ocorrências atualmente implantados, objetivando o cadastramento no SIPER das
causas efetivas dos desligamentos. Informou ainda que as providências requeridas constariam
nos Planos de Melhorias referentes à Campanha de Fiscalização de Causas Indeterminadas.

Prognóstico:

Com base no exposto, a SFE concluiu que a principal causa de desligamentos na LT 230 kV
Tucuruí/Altamira C1 no período analisado foi falha humana, acidental e no sistema de
proteção. Tendo em vista que já foi solicitado um Plano de Melhorias à ELETRONORTE para
redução, em toda a empresa, de desligamentos forçados por falhas humanas acidentais, tema
de uma das Campanhas de Fiscalização de 2016, decidiu-se por não solicitar um plano
específico para tratar esse mesmo problema na LT 230 kV Tucuruí/Altamira C1. Entretanto, foi
solicitado que a ELETRONORTE incluísse no Plano de Melhorias da Campanha ações específicas
visando à redução dos desligamentos provocados por falhas humanas acidentais na Regional
de Tucuruí.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


252
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE TUCURUI

Subestação em operação comercial desde 22/11/1984.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
25/12/14 10:28 TR 500 / 69 kV TUCURUI TF5 PA Enrolamento Falha
25/12/14 16:46 TR 500 / 69 kV TUCURUI TF5 PA Proteção Erro de Fiação AC - Execução
27/12/14 9:22 TR 500 / 69 kV TUCURUI TF5 PA Proteção Erro de Fiação AC - Execução
13/2/15 0:36 TR 500 / 230 kV TUCURUI 2 PA Proteção Outras - Humanas Própria Empresa
Surtos ou Transitório - Secundário
13/2/15 10:28 TR 500 / 230 kV TUCURUI 2 PA Proteção
DC
Surtos ou Transitório - Secundário
13/2/15 11:06 TR 500 / 230 kV TUCURUI 2 PA Proteção
DC
1/3/15 11:38 SB 500 kV TUCURUI 2 PA Proteção Humanas - Outra Empresa
10/5/15 17:56 TR 230 / 69 kV TUCURUI TF1 PA Condutor Rompimento/Desconexão

Diagnóstico:

Foram verificadas 8 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 02 por atuação incorreta da proteção (147 MW);


 03 por Falha interna ao transformador (147 MW);
 02 por Erro de Fiação AC – Execução (155 MW e 81 MW);
 02 por Surtos ou Transitórios – Secundário DC (161 MW e 181 MW);
 02 por Falha Humana (1 própria empresa, 1 outra empresa);
 01 por rompimento/desconexão (73 MW).

Destaca-se que o número de registros no SIPER não confere com o número real de ocorrências
na instalação. No total são 12 desligamentos, sendo 6 na mesma data (25/12/2014), o que foi
objeto do RAP 3/0016/2015. A representação gráfica das causas dos desligamentos é
apresentada a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


253
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 117 – Causas dos desligamentos na SE Tucuruí

Verifica-se que a causas dos desligamentos nesta subestação foram distribuídas, com Falha
Interna no Transformador (representando 33% das ocorrências), Erro de Fiação AC/Execução
(17%), Outros- Humanos – Própria Empresa (17%), Surto ou Transitório – Secundário DC (17%),
Humanos – Outra Empresa (8%) e Rompimento – Desconexão (8%).

Compilando as causas, verifica-se que a maior parte das ocorrências foram causadas por erro
na execução de serviços, podendo ser classificadas como ocorrências causadas por Falhas
Humanas Acidentais na Execução de Serviços.

A Figura 118 mostra a localização das faltas nesta instalação:

Figura 118 – Localização das faltas na SE Tucuruí

A localização das falhas deu-se em sua maioria no Transformador 500/69 kV TF5, com 7
ocorrências, seguida por 3 no Transformador 500/230 kV, com uma no Barramento de 500 kV
e uma no Transformador 500/69 kV TF1. Destaca-se que as 7 ocorrências no Transformador
500/69 kV TF5 deu-se nas datas de 25/12/2014, durante uma ocorrência e consequente
tentativas de manutenção e execução de serviços.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


254
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
A seguir, demonstra-se na Figura 118 verifica-se a distribuição dos desligamentos ao longo da
janela de análise (agosto/2014 a julho/2015).

Figura 119 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da SE Tucuruí

Do gráfico observa-se que os desligamentos foram pontuais durante o período de análise.

A ELETRONORTE entrou na Campanha de Desligamentos por Falhas Humanas Acidentais e de


Proteção, e por Causas Indeterminadas. Durante a reunião, a ELETRONORTE apresentou as
ações que está tomando para mitigar tais problemas.

Para Falhas Humanas Acidentais, o agente incluiu no Plano de Melhoria ações que incluem a
revisão e melhoria no Normativo de Planejamento de Serviços de Manutenção, o treinamento
das equipes de manutenção e o estabelecimento de novo indicador preventivo dos
desligamentos por falha no Planejamento de intervenções.

Para Causa Indeterminadas, a ELETRONORTE respondeu que está revisando os procedimentos


de análise de ocorrências atualmente implantados, objetivando o cadastramento no SIPER das
causas efetivas dos desligamentos. Informou ainda que as providências requeridas constariam
nos Planos de Melhorias referentes à Campanha de Fiscalização de Causas Indeterminadas.

Prognóstico:

Com base no exposto, a SFE concluiu que a principal causa de desligamentos na SE Tucuruí no
período analisado foi falha humana acidental na execução de serviços. Para a ELETRONORTE já
foi solicitado um Plano de Melhorias para a redução, em toda a empresa, de desligamentos
forçados por falhas humanas acidentais, tema de uma das Campanhas de Fiscalização de 2016.
Entretanto, dada a importância da SE Tucuruí, foi solicitado que a ELETRONORTE incluísse no
Plano de Melhorias da Campanha ações específicas visando à redução dos desligamentos
provocados por falhas humanas acidentais na Regional de Tucuruí.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


255
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE LECHUGA (ELETRONORTE/MANAUS TR)

Subestação em operação comercial desde 03/07/2013.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
18/4/15 21:42 TR 230 / 138 kV LECHUGA 601 AM Condutor Isolação - Falha/Defeito
25/4/15 11:51 TR 230 / 138 kV LECHUGA 601 AM Condutor Isolação - Falha/Defeito

Diagnóstico:

Foram verificadas 2 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 02 por isolação – falha/defeito, no mesmo equipamento, em 18/04/15 e 25/04/15.


 Desligamentos no TR 230/138 kV Lechuga devido à obras de ampliação na SE
LECHCUGA.

No dia 1/6/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da SFE e de
representantes da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos durante as
análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse modo,
foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu por meio de
documentações entregues durante a reunião e por mensagens de correio eletrônico enviadas
nos dias 15 e 16 de junho de 2016.

A ELETRONORTE entrou na Campanha de Desligamentos por Falhas Humanas Acidentais e de


Proteção, e por Causas Indeterminadas. Durante a reunião, a ELETRONORTE apresentou as
ações que está tomando para mitigar tais problemas.

Para Falhas Humanas Acidentais, o agente incluiu no Plano de Melhoria ações que incluem a
revisão e melhoria no Normativo de Planejamento de Serviços de Manutenção, o treinamento
das equipes de manutenção e o estabelecimento de novo indicador preventivo dos
desligamentos por falha no Planejamento de intervenções.

Para Causa Indeterminadas, a ELETRONORTE respondeu que está revisando os procedimentos


de análise de ocorrências atualmente implantados, objetivando o cadastramento no SIPER das
causas efetivas dos desligamentos. Informou ainda que as providências requeridas constariam
nos Planos de Melhorias referentes à Campanha de Fiscalização de Causas Indeterminadas.

Prognóstico:

Com base no exposto, a SFE concluiu que a principal causa de desligamentos na SE Lechuga no
período analisado foi falha humana acidental no sistema de proteção. Tendo em vista que já
foi solicitado um Plano de Melhorias à ELETRONORTE para redução, em toda a empresa, de
desligamentos forçados por falhas humanas acidentais, tema de uma das Campanhas de

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


256
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Fiscalização de 2016, decidiu-se por não solicitar um plano específico para tratar esse mesmo
problema na SE Lechuga.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


257
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.5.2. Perturbações na Transmissora MACAPÁ

A MACAPÁ foi convocada através do Ofício nº 205/2016-SFE/ANEEL, de 6 de maio de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 20 de maio de 201628 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos e apresentação de minuta de Plano de
Melhorias para os temas de Campanha de Fiscalização 2016 nos quais esta concessionária foi
selecionada (desligamentos por falhas humanas acidentais e relacionadas aos sistemas de
proteção).

A MACAPÁ possui 5 instalações analisadas nesse grupos de análise. A seguir apresenta-se a


análise detalhada de cada uma dessas instalações.

LT 500 kV JURUPARI / ORIXIMINA C 1 e C 2 PA

Linhas de transmissão em operação comercial desde 12/06/2013 com 350 km de extensão.


Possuem religamento automático (RA) de 1s monopolar e de 5s tripolar, cujo terminal líder é a
SE Oriximiná.

Quadro resumo das perturbações (C 1)


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
17/9/14 15:53 Sem Localização Específica Indeterminada Bifásica
26/11/14 15:33 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
31/3/15 17:55 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
9/4/15 20:15 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica-Terra
21/7/15 14:55 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
21/7/15 15:00 Sem Localização Específica Indeterminada Sem Natureza Elétrica
24/7/15 13:37 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

Quadro resumo das perturbações (C 2)


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
26/11/14 15:30 Sem Localização Específica Queimada / Fogo sob a Linha Fase-Terra
Erro de Configuração de Lógica -
14/3/15 19:04 Proteção Sem Natureza Elétrica
Concepção
9/4/15 20:15 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
18/4/15 19:46 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
24/4/15 19:42 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra

28
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003664/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


258
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Diagnóstico:

Foram verificadas 12 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 3 ocorrências por descargas atmosféricas (2 RA somente em um dos terminais, 1 sem


sucesso);
 6 ocorrências com causa indeterminada (2 RA com sucesso, 4 sem sucesso);
 2 ocorrências por queimada (1 RA com sucesso, 1 sem sucesso, ocorrências sem
descrição no SIPER);
 1 por atuação acidental de proteção (bloqueio de R.A);

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 120 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C1 e LT 500 kV


Jurupari/Oriximiná C2.

Verifica-se que a causa principal dos desligamentos dessas duas linhas de transmissão sob
análise foram devidas à Descargas Atmosféricas (3 ocorrências, representando 25% dos
desligamentos), com a maioria sendo classificada como Indeterminada (50% do total das
ocorrências).

Houve distribuição igual de desligamentos no 1º terço e 2º terço das linhas de transmissão,


com 3 desligamentos cada, tomando por origem o terminal líder de Oriximiná. Destaca-se que
cinco desligamentos (42% do total), foram classificados como Sem Localização.
No gráfico da Figura 121 tem-se os tipos de curto-circuito nas linhas sob análise:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


259
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 121 – Tipos de curto-circuito da LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C1 e LT 500 kV
Jurupari/Oriximiná C2.

Demonstra-se que a maioria foi do tipo monofásico, com dois do tipo bifásico e um
monofásico. Destaca-se que em duas ocorrências não houve descrição do tipo de falta por
parte do agente.

Figura 122 – Fases envolvidas nas ocorrências da LT 500 kV JURUPARI/ORIXIMINÁ C1 e LT 500


kV JURUPARI/ORIXIMINÁ C2.

No gráfico da Figura 122 observa-se a predominância de ocorrências na fase C (Vermelha),


com seis ocorrências, e três ocorrências na fase B (Branca) e duas na fase A (Azul).

A seguir, na Figura 123 verifica-se a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de


análise (agosto/2014 a julho/2015).

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


260
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 123 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV
Jurupari/Oriximiná C1 e LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C2.

Do gráfico observa-se que os desligamentos foram pontuais durante o período de análise, com
alguns períodos sem ocorrências. Contudo, destacam-se o grande número de ocorrências
classificadas como Indeterminada.

Em 19/05/2016 foi realizada reunião presencial com representantes do grupo ISOLUX, do qual
fazem parte a Linhas de Xingu Transmissora de Energia (LXTE) e a Linhas de Macapá
Transmissora de Energia (LMTE). Na ocasião o agente realizou apresentação onde esclareceu
alguns pontos sobre as ocorrências nas Linhas de Transmissão. Para a LT 500 kV
Jurupari/Oriximiná C1, o agente informou que três ocorrências antes classificadas como
Indeterminada tiveram como causa Vegetação na faixa de servidão. Contudo, duas ocorrências
ainda ficaram classificadas como sendo Indeterminada. Para a LT 500 kV Jurupari/Oriximiná C2
o agente demonstrou que os dados levantados pela ANEEL conferiam com os seus, contudo
não pôde justificar duas ocorrências classificadas como Indeterminada.

A empresa ainda demonstrou as ações que está tomando para a redução de ocorrências por
Queimadas, através do levantamento de pontos da faixa de servidão passível de roço,
obtenção de autorização do IBAMA para roço, a limpeza na faixa de servidão e realização de
campanha anual junto à população local para evitar queimadas.

Observou-se que o número de Descargas Atmosféricas no sistema da ISOLUX não demonstrou


ser acima daquele determinado nos Procedimentos de Rede.

A LMTE foi uma das empresas que entraram na Campanha de Desligamentos por Falhas
Humanas Acidentais e de Proteção, e durante a reunião, a ISOLUX apresentou as ações que
está tomando para mitigar tais problemas.

Para Falhas Humanas Acidentais, o agente demonstrou ações que incluem a reciclagem e o
treinamento das equipes de operação e manutenção incluindo treinamento nos
Procedimentos de Rede, Procedimentos Internos, Procedimentos de Programação de
Intervenções e Análise de risco nas programações de intervenções. Com relação às Falhas
Humanas por Sistema de Proteção, as ações incluem a mudança nas lógicas de proteção e a
correção de erros no comissionamento das subestações.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


261
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Para as ocorrências com Causas Indeterminadas, o agente informou que está executando
melhoria nos recursos de localização de falta por ondas viajantes nos Registradores Digitais de
Perturbação (RDP), por meio da reconfiguração de parâmetro no módulo de ondas viajantes
das SE Tucuruí, SE Xingu, SE Jurupari, SE Oriximiná, SE Laranjal e SE Macapá, juntamente com
treinamento das equipes de operação.

Prognóstico:

Com base no exposto, a SFE entendeu que os esclarecimentos do agente devido às ações já
realizadas evidenciavam que os problemas levantados já haviam sido tratados, não sendo
necessário solicitar Plano de Melhoria para estas instalações.

A SFE continua monitorando as instalações e caso entenda necessário poderá voltar a analisar
os desligamentos forçados que eventualmente ocorram.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


262
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE JURUPARI (MACAPÁ/XINGU)

Subestação em operação comercial desde 12/06/2013. Esta subestação tem partes


pertencentes às concessões da Linhas de Xingu Transmissora de Energia (LXTE) e a Linhas de
Macapá Transmissora de Energia (LMTE). Foram 13 ocorrências na concessão da LXTE e 3
ocorrências na concessão da LMTE. Por tratar-se do mesmo grupo controlador para as duas
concessões, a análise das perturbações foi compilada em apenas um diagnóstico. O quadro a
seguir lista as perturbações ocorridas nesta instalação.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado

31/3/15 17:55 BS 500 kV 383 MVar JURUPARI CORX2 PA Proteção Indeterminada

1/6/15 14:28 BS 500 kV 383 MVar JURUPARI CORX2 PA Serviço Auxiliar DC Outras - Fiação AC / DC

1/6/15 14:28 BS 500 kV 383 MVar JURUPARI CORX1 PA Serviço Auxiliar DC Outras - Fiação AC / DC

A análise realizada está descrita no item 7.5.4.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


263
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE MACAPA

Subestação em operação comercial desde 21/01/2014.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
CE 160 / -100 MVar MACAPA
11/9/14 14:47 Localização Ignorada Indeterminada
1 AP
CE 160 / -100 MVar MACAPA
18/9/14 9:04 Localização Ignorada Indeterminada
1 AP
SB 230 kV MACAPA 1
13/10/14 2:29 Transformador de Corrente Erro de Fiação AC - Execução
AP
SB 230 kV MACAPA 1
14/10/14 0:07 Transformador de Corrente Erro de Fiação AC - Execução
AP
CE 160 / -100 MVar MACAPA
14/10/14 0:07 Barramento Relé de Proteção - Falha/Defeito
1 AP
SB 230 kV MACAPA 1
14/10/14 11:25 Transformador de Corrente Erro de Fiação AC - Execução
AP
CE 160 / -100 MVar MACAPA Sistema
11/11/14 10:32 Acidental - Serviços/Testes
1 AP Ventilação/Resfriamento
CE 160 / -100 MVar MACAPA
7/4/15 22:31 Seccionadora Vandalismo
1 AP
SB 230 kV MACAPA 1 Erro de Configuração de Lógica -
20/4/15 23:58 Proteção
AP Concepção
CE 160 / -100 MVar MACAPA
11/6/15 0:54 Serviço Auxiliar AC Vandalismo
1 AP
CE 160 / -100 MVar MACAPA
16/6/15 2:38 Serviço Auxiliar AC Vandalismo
1 AP

Diagnóstico:

Foram verificadas 11 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 05 ocorrências na execução de serviço (04 destas nas datas de 13 e 14/10/2014);


 03 por vandalismo;
 01 por erro na lógica de proteção;
 02 por causa indeterminada.

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


264
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 124 – Causas dos desligamentos na SE Macapá

Verifica-se que a causas dos desligamentos nesta subestação foram devidas à Erro na Execução
de Serviço (46%), Vandalismo (27%), Erro na Lógica de Proteção (9%) e duas ocorrências
classificadas como sendo de Causa Indeterminada (18%).

As duas ocorrências classificadas como Indeterminadas não tiveram suas causas informadas
pelos Agentes, nem as proteções atuadas e sem as causas apuradas.

A Figura 125 mostra a localização das faltas nesta instalação:

Figura 125 – Localização das faltas na SE Macapá

A localização das falhas deu-se em sua maioria no Compensador Estático 160/-100 MVar, com
seis ocorrências, representando 55% do total. Seguido tem-se 4 ocorrências em um
Transformador de Corrente da LT Macapá-Ferreira Gomes, e por último uma única ocorrência
no Barramento de 230 kV desta subestação. Destaca-se que as 4 ocorrências no TC deu-se nas
datas de 13 e 14/10/2014, durante manutenção e execução de serviços.

Em 19/05/2016 foi realizada reunião presencial com representantes do grupo ISOLUX, do qual
fazem parte a Linhas de Xingu Transmissora de Energia (LXTE) e a Linhas de Macapá
Transmissora de Energia (LMTE). O agente foi questionado quanto às equipes de manutenção
serem da própria empresa ou terceirizadas, e a quantidade e periodicidade dos treinamentos.
Foi dado destaque ao fato que ocorrências em subestações classificadas como Indeterminadas

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


265
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
e sem informações de localização não são aceitáveis, devido às ferramentas disponíveis aos
operadores/mantenedores para diagnosticar os problemas dentro de uma subestação. A
equipe de Análise também deu destaque aos casos de Vandalismo na subestação e solicitou
esclarecimentos do agente quanto aos casos assim classificados.

O agente informou que para mitigar as Falhas Humanas Acidentais durante a manutenção e a
execução dos serviços tem realizado ações de reciclagem e treinamento das equipes de
operação e manutenção incluindo treinamento nos Procedimentos de Rede, Procedimentos
Internos, Procedimentos de Programação de Intervenções e Análise de risco nas programações
de intervenções.

Com relação às ocorrências causadas por Vandalismo, o agente explanou as situações


ocorridas e as ações que tem tomado para evitar o roubo de cabos de controle na Subestação.
Tais ações incluíram a substituição da cerca em alambrado da Subestação por muro de
concreto alto com concertina em todo o perímetro da instalação, e a contratação de serviços
de vigilância armada que faz rondas dentro da área da subestação. O agente informou que tais
ações já tiveram resultado efetivo, com a mitigação de eventos causados por vandalismo.

Prognóstico:

Com base no exposto, a SFE entendeu que os esclarecimentos do agente devido às ações já
realizadas evidenciavam que os problemas levantados já haviam sido tratados, não sendo
necessário solicitar Plano de Melhoria para estas instalações.

A SFE continua monitorando as instalações e caso entenda necessário poderá voltar a analisar
os desligamentos forçados que eventualmente ocorram.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


266
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE ORIXIMINA

Subestação em operação comercial desde 12/06/2013.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Equipamento
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Desligado
Forçado
CE 332 / -222 MVar
16/9/14 12:03 Sistema Ventilação/Resfriamento Acidental - Serviços/Testes
ORIXIMINA 1 PA
BS 500 kV 383 MVar
16/9/14 15:46 Proteção Acidental - Serviços/Testes
ORIXIMINA CJRP2 PA
BS 500 kV 383 MVar
16/9/14 16:19 Proteção Acidental - Serviços/Testes
ORIXIMINA CJRP2 PA
CE 332 / -222 MVar
17/9/14 8:57 Sistema Ventilação/Resfriamento Acidental - Serviços/Testes
ORIXIMINA 1 PA
CE 332 / -222 MVar Sistema de Controle e Supervisão
25/9/14 16:08 Acidental - Serviços/Testes
ORIXIMINA 1 PA Digital
BS 500 kV 383 MVar
25/10/14 19:50 Metal Oxide Varistor - MOV Defeito
ORIXIMINA CJRP1 PA
CE 332 / -222 MVar
5/12/14 12:27 Sistema Ventilação/Resfriamento Acidental - Serviços/Testes
ORIXIMINA 1 PA
CE 332 / -222 MVar
14/4/15 5:14 Sem Localização Específica Indeterminada
ORIXIMINA 1 PA
CE 332 / -222 MVar Erro de Operação - Centro de Operação -
17/4/15 10:41 Transformador de Conexão ao Sistema
ORIXIMINA 1 PA Agente
BS 500 kV 383 MVar
24/4/15 19:42 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo
ORIXIMINA CJRP2 PA
BS 500 kV 383 MVar
1/6/15 14:28 Serviço Auxiliar DC Outras - Fiação AC / DC
ORIXIMINA CJRP2 PA

Diagnóstico:

Foram verificadas 11 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

• 06 ocorrências na execução de serviço e testes (05 na mesma semana e na mesma SGI,


01 em outro serviço);

• 01 defeito em equipamento (falha em Varistor – MOV);

• 01 por erro de operação (durante execução de testes);

• 01 por erro no ajuste de proteção (proteção do Banco Série);

• 01 no erro de serviço auxiliar – erro de fiação (recomendação de alterar a descrição


pois a falta foi externa à subestação).

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


267
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 126 – Causas dos desligamentos na SE Oriximiná

As causas dos desligamentos na SE Oriximiná foram devidas à Erro na Execução de Serviço


(60%), Erro no serviço auxiliar (10%), Erro no ajuste de proteção (10%), Erro de operação (10%)
e Defeito em Equipamento (10%).

A Figura 127 mostra a localização das faltas na SE Oriximiná:

Figura 127 – Localização das faltas na SE Oriximiná

Tem-se que a maioria das faltas foi localizada no Compensador Estático 332/-222 MVar com 6
ocorrências, no Banco Série 500 kV 383 MVar CJRP2 com 1 ocorrência, e no Banco Série 500 kV
383 MVar CJRP1 com 4 ocorrências.

Em 19/05/2016 foi realizada reunião presencial com representantes do grupo ISOLUX, do qual
fazem parte a Linhas de Xingu Transmissora de Energia (LXTE) e a Linhas de Macapá
Transmissora de Energia (LMTE). O agente foi questionado quanto às equipes de manutenção
serem da própria empresa ou terceirizadas, e a quantidade e periodicidade dos treinamentos.
Foi dado destaque ao fato que ocorrências em subestações classificadas como Indeterminadas
e sem informações de localização não poderão são aceitáveis, devido às ferramentas
disponíveis aos operadores/mantenedores para diagnosticar os problemas dentro de uma
subestação. A equipe de Análise também deu destaque ao fato de todas as ocorrências

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


268
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
acontecerem nos equipamentos de controle de reativo da subestação, e a maioria delas
acontecerem durante a execução de serviços.

O agente informou que para mitigar as Falhas Humanas Acidentais durante a manutenção e a
execução dos serviços tem realizado ações de reciclagem e treinamento das equipes de
operação e manutenção incluindo treinamento nos Procedimentos de Rede, Procedimentos
Internos, Procedimentos de Programação de Intervenções e Análise de risco nas programações
de intervenções.

Para a minimização de riscos e redução de desligamentos na SE Oriximiná, o agente propôs o


estudo e a implantação do reajuste de proteção, especificamente do ajuste do parâmetro de
nível de corrente da função de condução à plataforma nos Banco Série 500 kV 383 MVar CJRP1
e CJRP2 no que, segundo o agente, é a causa de desligamentos indevidos nestes
equipamentos. O agente informou que está implantando esta mudança desde setembro de
2015.

Com relação aos desligamentos no Compensador Estático 332/-222 MVar demonstrou ter
tomado ações para mitigar as ocorrências, por meio da mudança de procedimentos de
manutenção, que incluíram a inspeção detalhada e manutenção preventiva anual, a limpeza
de isoladores e componentes externos, medição de capacitância e resistência de isolação.

Prognóstico:

Com base no exposto, a SFE acatou os esclarecimentos do agente quanto às ações realizadas
pelo agente para a mitigação de ocorrências no Compensador Estático, a SFE entende que as
ações realizadas pelo agente foram suficientes para a mitigação dos problemas, e por esse
motivo não foi solicitado Plano de Melhoria para este equipamento.

Contudo, a equipe de Análise da SFE destaca que esta instalação será monitorada e os
resultados da janela de análise futura (1º de agosto de 2015 a 31 de julho de 2016) serão
comparados com os da janela de análise atual (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de 2015).
Caso não atendam os critérios de desempenho esperado, são passíveis de fiscalização pela
equipe da SFE.

Durante a reunião com o agente, foi informado à SFE que a ISOLUX vem realizando ações para
atuar na diminuição de ocorrências nos bancos de capacitores, através de ajuste do sistema de
proteção, por meio da substituição de cartões de controle de corrente de fuga à plataforma
nos Bancos Capacitores Série.

A SFE solicitou por meio do Ofício nº 260/2016-SFE/ANEEL, de 08/06/2016, um Plano de


Melhoria objetivando a redução dos Desligamentos em Bancos de Capacitores Série por Fuga à
Plataforma. No mesmo documento foi solicitado que no Plano constem ações para mitigação
dos desligamentos acidentais em Serviços/Testes.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


269
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
7.5.3. Perturbações na Transmissora MANAUS TR

A MANAUS TR foi convocada através do Ofício nº 206/2016-SFE/ANEEL, de 6 de maio de 2016,


para reunião técnica realizada na sede da ANEEL no dia 18 de maio de 201629 para prestar
esclarecimentos relacionados a estes desligamentos.

A MANAUS TR possui 4 instalações analisadas nesse grupos de análise. A seguir apresenta-se a


análise detalhada de cada uma dessas instalações.

LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 1 PA/AM

Linha de transmissão em operação comercial desde 03/07/2013 (fonte: SINDAT) com 335 km
de extensão. Possui religamento automático (RA) de 1s monopolar e de 5s tripolar, cujo
terminal líder é a SE Oriximiná.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
20/8/14 14:05 Condutor Vegetação Fase-Terra
4/9/14 13:13 Condutor Vegetação Fase-Terra
5/9/14 15:44 Condutor Vegetação Fase-Terra
13/9/14 12:48 Condutor Vegetação Fase-Terra
Evolução Fase-Terra /
25/10/14 19:50 Condutor Vegetação
Trifásica
20/11/14 11:09 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
27/12/14 14:11 Condutor Vegetação Fase-Terra
27/12/14 14:11 Condutor Vegetação Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
27/12/14 15:15 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
7/2/15 12:27 Condutor Vegetação
Resistência
16/2/15 14:16 Sem Localização Específica Vegetação Fase-Terra
16/4/15 2:47 Proteção Erro de Ajuste - Cálculo Fase-Terra
7/5/15 4:12 Condutor Vegetação Fase-Terra
7/5/15 4:15 Condutor Vegetação Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
25/6/15 12:39 Condutor Vegetação
Resistência

29
Registro de reunião documento DOC SIC nº 48534.003663/2016-00

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


270
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Diagnóstico:

Foram verificadas 15 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014 a 31 de julho de


2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 13 ocorrências por vegetação (4 RA com sucesso, 4 com bloqueio, 3 com RA


desabilitado, 2 sem informação);
o 1 ocorrência resultou em corte de 130 MW de carga devido à erro na lógica de
proteção.
 1 desligamento acidental (RA corretamente no terminal de Oriximiná, bloqueio no
terminal de Silves);
 1 desligamento por erro de ajuste de proteção (bloqueio de RA).

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 128 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Oriximiná/Silves C1

Verifica-se que a causa principal dos desligamentos da linha de transmissão sob análise é
devido à Vegetação (13 ocorrências, representando 87% dos desligamentos), com uma por
erro de ajuste na proteção e outra por atuação acidental durante a realização de testes (SGI
n.º 044.989-14). Na ocorrência classificada como Erro de Ajuste, vale notar que no SIPER o
agente citou como causa inicial do problema a falta à vegetação abaixo da linha, sendo que foi
agravada devido a problemas de ajuste.

Considerando-se a extensão da linha de transmissão, observa-se a concentração de 4


desligamentos (31% do total) no primeiro trecho da linha de transmissão, considerando como
origem o terminal da SE Oriximiná. Contudo, nota-se a predominância de faltas sem
localização específica (69% do total).

Houve predominância de faltas monofásicas com 15 desligamentos, representando 100% do


total, e com o envolvimento de todas as fases, com predominância da fase A (9 ocorrências
(60%), 4 ocorrências na fase B (27%) e 2 envolvimentos da fase C (13%)), conforme pode ser
observado na Figura 129.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


271
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 129 – Fases envolvidas nos desligamentos da LT 500 kV Oriximiná/Silves C1

No gráfico a seguir, verifica-se a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015).

Figura 130 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV


Oriximiná/Silves C1

Depreende-se do gráfico que os desligamentos foram bem distribuídos durante o período de


análise, demonstrando que o efeito da vegetação foi contínuo durante o ano.

Pela análise das ocorrências nas Linhas de Transmissão 500 kV Oriximiná / Silves C1, 500 kV
Oriximiná / Silves C2, LT 500 kV Silves/ Lechuga C1 destaca-se a causa das ocorrências como
curto-circuito fase-terra devido à vegetação.

Na data de 18/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da
SFE e de representante da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos
durante as análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse
modo, foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu
parcialmente por meio de documentação entregue durante a reunião, qual seja, apresentação
sobre as causas do desligamento e o Relatório MTE – Apresentação ANEEL – 18-05-2016.

Primeiramente, a concessionária demonstrou os dados próprios sobre os desligamentos,


incluindo a localização e o número de desligamentos, sendo 27 causados por vegetação para

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


272
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
as linhas de transmissão. Na reunião, o agente demonstrou estar ciente do problema e
esclareceu que realizou o roço nas linhas de transmissão somente no início de operação das
mesmas, sendo que durante um período de 18 meses não houve manutenção da vegetação
abaixo das linhas. Nesse período, devido às características da região, a vegetação cresceu
novamente aos níveis anteriores. O agente, contudo, demonstrou a realização de roço na linha
LT 500 kV Silves/ Lechuga C1, conforme estabelecido no Licenciamento Ambiental para esta
instalação, ou seja, roçada baixa em toda a extensão da faixa de servidão da linha.

LT 500 kV Oriximiná / Jurupari

LT 500 kV Oriximiná / Silves

Figura 131 – Vista aérea da subestação Oriximiná com entradas da LT 500 kV Oriximiná /
Jurupari C1 e C2 e LT 500 kV Oriximiná / Silves C1 e C2

Conforme demonstra a Figura 131, durante a análise observou-se que o padrão construtivo da
LT 500 kV Oriximiná / Silves difere do utilizado na LT 500 kV Oriximiná / Jurupari, o que pode
explicar a diferença de desempenho das linhas, para efeito de faltas por aproximação de
vegetação.

Em 23/05/2016, foi realizada reunião com o Superintendente da SFE, onde ficou concordado
os seguintes pontos: solicitar à Manaus Transmissora um Plano de Melhorias específico para a
redução de desligamentos forçados causados por vegetação, com foco na frequência de roço
da faixa de servidão dos trechos considerados mais críticos das linhas sob concessão. Além

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


273
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
disso, o superintendente solicitou que seja apresentado pelo agente o histórico da execução
de roço na faixa de servidão das linhas da concessão, bem como que a empresa apresente um
plano de execução do roço para a próxima janela de análise (ago/15 - jul 16).

Na data de 16/06/2015 a Manaus Transmissora encaminhou resposta aos questionamentos


realizados durante a reunião presencial, onde ficaram esclarecidos a causa de alguns
desligamentos nas linhas. Na mesma ocasião, o agente enviou planilha em Excel detalhando os
pontos aonde foram realizadas as roçadas, conforme solicitado pelo Superintendente.

Prognóstico:

Ficou evidente que a principal causa observada durante a janela de tempo analisada foi
Vegetação.

Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 257/2016-SFE/ANEEL, de


07/6/2016, um Plano de Melhoria objetivando a redução drástica dessa causa de
desligamentos na linha de transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


274
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 500 kV ORIXIMINA / SILVES C 2 PA/AM

Similarmente ao Circuito 1 desta linha de transmissão, o Circuito 2 entrou em operação


comercial desde 03/07/2013 (fonte: SINDAT) e possui 335 km de extensão. Possui religamento
automático de 1s monopolar e de 5s tripolar, cujo terminal líder é a SE Oriximiná.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
9/8/14 15:54 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Bifásica
4/9/14 14:04 Condutor Vegetação Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
19/9/14 15:42 Condutor Vegetação
Resistência
10/10/14 5:56 Condutor Vegetação Fase-Terra
25/10/14 19:50 Condutor Vegetação Fase-Terra
29/10/14 13:47 Condutor Vegetação Fase-Terra
17/11/14 10:26 Proteção Acidental - Serviços/Testes Sem Natureza Elétrica
Fase-Terra c/ Alta
27/12/14 15:15 Condutor Vegetação
Resistência
29/12/14 13:54 Sem Localização Específica Indeterminada Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
7/2/15 14:44 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
7/2/15 16:16 Condutor Vegetação
Resistência
12/2/15 16:34 Condutor Vegetação Fase-Terra
27/2/15 1:44 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
8/3/15 15:03 Condutor Vegetação Fase-Terra
14/3/15 18:58 Condutor Vegetação Bifásica
5/4/15 14:31 Sem Localização Específica Vegetação Fase-Terra
5/4/15 14:31 Sem Localização Específica Vegetação Fase-Terra
12/4/15 14:55 Sem Localização Específica Vegetação Fase-Terra
12/4/15 15:01 Condutor Vegetação Fase-Terra
12/4/15 18:15 Condutor Vegetação Fase-Terra
16/4/15 2:47 Condutor Vegetação Fase-Terra
7/5/15 4:15 Condutor Vegetação Fase-Terra
17/6/15 13:37 Condutor Vegetação Fase-Terra

Diagnóstico:

Para o Circuito 2, foram verificadas 23 ocorrências no período analisado (1º de agosto de 2014
a 31 de julho de 2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a seguir:

 19 desligamentos por vegetação (5 RA com sucesso, 4 com bloqueio, 4 com RA


desabilitado, 4 sem informação);

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


275
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
o 1 ocorrência resultou em corte de 15 MW de carga, por falha no RA no
terminal de Silves.
 2 desligamentos por descarga atmosférica (1RA com sucesso e 1 sem sucesso por erro
na lógica de proteção);
 1 desligamento acidental (RA sem sucesso e sem bloqueio);
 1 desligamento com causa indeterminada (RA com sucesso no terminal de Oriximiná,
sem sucesso no terminal de Silves).

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

Figura 132 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Oriximiná/Silves C2

A causa principal dos desligamentos da linha de transmissão sob análise é devido à Vegetação
(19 ocorrências, representando 83% dos desligamentos), duas por Descarga Atmosférica (9%
do total), uma por atuação acidental e uma classificada como Indeterminada (4% cada).

Observa-se a distribuição dos desligamentos, sendo 5 no primeiro terço da LT (22% do total), 3


no segundo terço (13% do total) e 2 no 3º terço (8% do total), considerando como origem o
terminal da SE Oriximiná. Contudo, novamente nota-se a predominância de faltas sem
localização específica, com 11 ocorrências (48% do total).

Sobre a natureza das faltas, tem-se a predominância de faltas monofásicas, conforme


mostrado no gráfico da Figura 133, com 15 desligamentos, representando 94% do total, de
faltas monofásicas, e uma bifásica, correspondendo à 6% do total.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


276
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 133 – Tipos de curto-circuito

Sobre as fases envolvidas, tem-se o envolvimento de todas as fases, com predominância da


fase A com 10 ocorrências (44%), 4 ocorrências na fase B (17%) e 8 envolvimentos da fase C
(4%), conforme pode ser observado na Figura 134.

Figura 134 – Fases envolvidas nas ocorrências

No gráfico a seguir, verifica-se a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015).

Figura 135 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV


Oriximiná/Silves C2

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


277
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Depreende-se do gráfico que os desligamentos foram bem distribuídos durante o período de
análise, demonstrando que o efeito da vegetação foi contínuo durante o ano.

Pela análise das ocorrências nas Linhas de Transmissão 500 kV Oriximiná / Silves C1, 500 kV
Oriximiná / Silves C2, LT 500 kV Silves/ Lechuga C1 destaca-se a causa das ocorrências como
curto-circuito fase-terra devido à vegetação.

Na data de 18/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da
SFE e de representante da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos
durante as análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse
modo, foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu
parcialmente por meio de documentação entregue durante a reunião, qual seja, apresentação
sobre as causas do desligamento e o Relatório MTE – Apresentação ANEEL – 18-05-2016.

Primeiramente, a concessionária demonstrou os dados próprios sobre os desligamentos,


incluindo a localização e o número de desligamentos, sendo 27 causados por vegetação para
as linhas de transmissão. Na reunião, o agente demonstrou estar ciente do problema e
esclareceu que realizou o roço nas linhas de transmissão somente no início de operação das
mesmas, sendo que durante um período de 18 meses não houve manutenção da vegetação
abaixo das linhas. Nesse período, devido às características da região, a vegetação cresceu
novamente aos níveis anteriores. O agente, contudo, demonstrou a realização de roço na linha
LT 500 kV Silves/ Lechuga C1, conforme estabelecido no Licenciamento Ambiental para esta
instalação, ou seja, roçada baixa em toda a extensão da faixa de servidão da linha.

Em 23/05/2016, foi realizada reunião com o Superintendente da SFE, onde ficou concordado
os seguintes pontos: solicitar à Manaus Transmissora um Plano de Melhorias específico para a
redução de desligamentos forçados causados por vegetação, com foco na frequência de roço
da faixa de servidão dos trechos considerados mais críticos das linhas sob concessão. Além
disso, o superintendente solicitou que seja apresentado pelo agente o histórico da execução
de roço na faixa de servidão das linhas da concessão, bem como que a empresa apresente um
plano de execução do roço para a próxima janela de análise (ago/15 – jul/16).

Na data de 16/06/2015 a Manaus Transmissora encaminhou resposta aos questionamentos


realizados durante a reunião presencial, onde ficaram esclarecidos a causa de alguns
desligamentos nas linhas. Na mesma ocasião, o agente enviou planilha em Excel detalhando os
pontos aonde foram realizadas as roçadas, conforme solicitado pelo Superintendente.

Prognóstico:

Ficou evidente que a principal causa observada durante a janela de tempo analisada foi
Vegetação.

Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 257/2016-SFE/ANEEL, de


07/6/2016, um Plano de Melhoria objetivando a redução drástica desses tipos de
desligamentos na linha de transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


278
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
LT 500 kV SILVES / LECHUGA C 1 AM

Linha de transmissão em operação comercial desde 03/07/2013 (fonte: SINDAT) com 244 km
de extensão. Possui religamento automático de 1s monopolar e de 5s tripolar, cujo terminal
líder é a SE Silves.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Descrição da Natureza
Desligamento Descrição do Local Descrição da Causa
Elétrica
Forçado
20/8/14 14:36 Condutor Vegetação Fase-Terra
13/9/14 14:35 Condutor Vegetação Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
13/9/14 16:28 Condutor Vegetação
Resistência
19/11/14 16:42 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
25/11/14 15:01 Sem Localização Específica Descarga Atmosférica Fase-Terra
26/11/14 15:37 Proteção Relé de Proteção - Falha/Defeito Fase-Terra
Fase-Terra c/ Alta
3/12/14 14:30 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
3/12/14 14:37 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
3/12/14 15:20 Condutor Vegetação
Resistência
Fase-Terra c/ Alta
3/12/14 15:47 Condutor Vegetação
Resistência
10/12/14 13:10 Proteção Indeterminada Sem Natureza Elétrica

Diagnóstico:

Para esta Linha de Transmissão, foram verificadas 11 ocorrências no período analisado (1º de
agosto de 2014 a 31 de julho de 2015), cujas causas informadas no SIPER estão apresentadas a
seguir:

 7 desligamentos por vegetação (6 RA com sucesso, 1 com bloqueio por erro de lógica) ;
 2 desligamentos por descarga atmosférica (1RA com sucesso e 1 com bloqueio);
 1 ocorrência resultou em corte de 217 MW de carga, devido à lógica de proteção e
bloqueio do RA
 1 por defeito no relé de proteção (sem descrição no SIPER);
 1 desligamento com causa indeterminada (bloqueio de RA, causa não atualizada no
SIPER)

A representação gráfica das causas dos desligamentos é apresentada a seguir:

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


279
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 136 – Causas dos desligamentos da LT 500 kV Silves/Lechuga C1

Para esta Linha de Transmissão, verifica-se que a causa principal dos desligamentos sob análise
é devido à Vegetação (7 ocorrências, representando 64% dos desligamentos), duas por
Descarga Atmosférica (18% do total), uma por atuação acidental e uma classificada como
Indeterminada (9% cada).

Quanto a distribuição dos desligamentos, considerando como origem o terminal da SE Silves,


fica demonstrada a ocorrência de 8 no primeiro terço da linha de transmissão (73% do total), 1
no terceiro terço (9% do total), uma classificada como com origem em SE (9%) e uma
classificada como sendo sem localização (9%).

Houve predominância de faltas monofásicas, conforme mostrado no gráfico da Figura 137,


com 10 desligamentos, representando 91% do total, e com o envolvimento das fases A e B,
com distribuição igual para as duas (5 ocorrências cada, representando 46%), e uma
classificada como Indeterminada, conforme pode ser observado na Figura 137.

Figura 137 – Tipos de curto-circuito da LT 500 kV Silves/Lechuga C1

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


280
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
Figura 138 – Fases envolvidas nos curtos-circuitos da LT 500 kV Silves/Lechuga C1

No gráfico a seguir, verifica-se a distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise


(agosto/2014 a julho/2015).

Figura 139 – Distribuição dos desligamentos ao longo da janela de análise da LT 500 kV


SILVES/LECHUGA C1

Verifica-se que os desligamentos aconteceram no período até dezembro de 2014, com


predominância dos meses de novembro e dezembro.

Pela análise das ocorrências nas Linhas de Transmissão 500 kV Oriximiná / Silves C1, 500 kV
Oriximiná / Silves C2, LT 500 kV Silves/ Lechuga C1 destaca-se a causa das ocorrências como
curto-circuito fase-terra devido à vegetação.

Na data de 18/5/2016 foi realizada reunião na sede da ANEEL com a presença da equipe da
SFE e de representante da concessionária no intuito de apresentar os resultados obtidos
durante as análises das ocorrências e discutir soluções para os problemas constatados. Desse
modo, foram feitos alguns questionamentos, aos quais a concessionária respondeu
parcialmente por meio de documentação entregue durante a reunião, qual seja, apresentação
sobre as causas do desligamento e o Relatório MTE – Apresentação ANEEL – 18-05-2016.

Primeiramente, a concessionária demonstrou os dados próprios sobre os desligamentos,


incluindo a localização e o número de desligamentos, sendo 27 causados por vegetação para

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


281
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
as linhas de transmissão. Na reunião, o agente demonstrou estar ciente do problema e
esclareceu que realizou o roço nas linhas de transmissão somente no início de operação das
mesmas, sendo que durante um período de 18 meses não houve manutenção da vegetação
abaixo das linhas. Nesse período, devido às características da região, a vegetação cresceu
novamente aos níveis anteriores. O agente, contudo, demonstrou a realização de roço na linha
LT 500 kV Silves/ Lechuga C1, conforme estabelecido no Licenciamento Ambiental para esta
instalação, ou seja, roçada baixa em toda a extensão da faixa de servidão da linha.

Em 23/05/2016, foi realizada reunião com o Superintendente da SFE, onde ficou concordado
os seguintes pontos: solicitar à Manaus Transmissora um Plano de Melhorias específico para a
redução de desligamentos forçados causados por vegetação, com foco na frequência de roço
da faixa de servidão dos trechos considerados mais críticos das linhas sob concessão. Além
disso, o superintendente solicitou que seja apresentado pelo agente o histórico da execução
de roço na faixa de servidão das linhas da concessão, bem como que a empresa apresente um
plano de execução do roço para a próxima janela de análise (ago/15 - jul/16).

Na data de 16/06/2015 a Manaus Transmissora encaminhou resposta aos questionamentos


realizados durante a reunião presencial, onde ficaram esclarecidos a causa de alguns
desligamentos nas linhas. Na mesma ocasião, o agente enviou planilha em Excel detalhando os
pontos aonde foram realizadas as roçadas, conforme solicitado pelo Superintendente.

Prognóstico:

Ficou evidente que a principal causa observada durante a janela de tempo analisada foi
Vegetação.

Com base no exposto, a SFE solicitou, por meio do Ofício nº 257/2016-SFE/ANEEL, de


07/6/2016, um Plano de Melhoria objetivando a redução drástica desses tipos de
desligamentos na linha de transmissão.

RELATÓRIO DE ANÁLISE DE DESLIGAMENTOS FORÇADOS


282
DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO
SE LECHUGA (ELETRONORTE/MANAUS TR)

Subestação em operação comercial desde 03/07/2013.

Quadro resumo das perturbações


Data do
Desligamento Equipamento Desligado Descrição do Local Descrição da Causa
Forçado
TR 500 / 230 kV LECHUGA 701 Erro de Configuração de Lógica -
4/9/14 13:13 Proteção
AM Concepção
TR 500 / 230 kV LECHUGA 703 Erro de Configuração de Lógica -
4/9/14 13:13 Proteção
AM Concepção
TR 500 / 230 kV LECHUGA 702 Erro de Configuração de Lógica -
4/9/14 13:13