Você está na página 1de 9

PSICOLOGIA

ORGANIZACIONAL E SUAS
CONTRIBUIÇÕES
Este trabalho monográfico de revisão bibliográfica tem como objetivo mostra
a contribuição da psicologia que é de extrema importância, pois proporciona a
compreensão do comportamento humano nas organizações, e o
encaminhamento de soluções interpessoais para a criação de um clima
favorável a inovação

Seguir + Rosecleia dos Santos Silva, 20 de maio de 2011




 Problema no artigo?

Psicologia Organizacional e suas contribuições

Trabalho de revisão bibliográfica apresentado como requisito parcial para a conclusão


da disciplina Psicologia, do curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos, da
Faculdade JK/ILAPE, ministrado pela Profa Angelucci Rodrigues.

Charlei Reis Dias, Francisco Duylio de Caldas Melo, Graziele Serpa Rocha Tezoni,
Kleverson Henrique F. Silva, Luciana Pereira de Lima, Luiz Carlos Alarcão da Silva,
Mauri de Souza Ferreira, Nilcimeire de Mesquita, Orlando Fernandes Valadares, Paulo
Roberto de Freitas Fernandes, Rogério Neves dos Santos, Rosângela Fonseca
Rodrigues, Rosecleia dos Santos Silva, Sirlene Oliveira de Souza, Tatiana Cristina de
Araújo, Walter Anderson Soares Moreira, Wilker Nannine Veloso de Sousa.
Brasília-DF

Dezembro/2009

Resumo

Este trabalho monográfico de revisão bibliográfica tem como objetivo mostrar para
todas empresas a contribuição da psicologia que é de extrema importância, pois
proporciona a compreensão do comportamento humano nas organizações, e o
encaminhamento de soluções interpessoais para a criação de um clima favorável à
inovação e a produtividade.

Palavras-Chave: Mudança Organizacional, Ambiente Organizacional, Problemas


Organizacionais, Solução e Comportamento Humano.

Introdução

Hoje, as empresas têm implantado dentro do corpo de Recursos Humanos um


psicólogo, pois é através do apoio dele que os colaboradores poderão ter um bom
andamento nos trabalhos organizacionais com uso de estratégias e instrumentos que
visam diagnosticar e propor soluções aos problemas na estrutura organizacional, assim
obtendo mudanças com êxito.

A grande importância da psicologia nas organizações também consiste em dar


assistência nos recrutamentos, na gestão e no desenvolvimento dos Recursos Humanos
no comprimento da missão, objetivos e no progresso das organizações.

O objetivo da psicologia na organização é dar suporte aos colaboradores no aspecto de


trabalho em grupo, ajudando a ter flexibilidade, participar efetivamente na busca de
resultados, agir criativamente e inovar processos e métodos organizacionais,
proporcionando um melhor ambiente de trabalho.

Este trabalho de analise bibliográfica foi desenvolvido por meio de técnica de pesquisa
bibliográfica, em três etapas do Método Educar pela Pesquisa (MEP), a primeira etapa –
exploração e planejamento; a segunda – desenvolvimento e a terceira – apresentação
escrita e oral.
Sumário. 4

1. Revisão Conceitual 5

1.1. O conceito da Administração. 5

1.2. O conceito da Gestão de Recursos Humanos. 5

1.3. O Conceito da Psicologia Organizacional 6

2. Revisão de Literatura. 7

2.1. A importância da Psicologia na Organização. 7

2.2. A contribuição da Psicologia na Organização. 8

2.3. Principais Benefícios da Psicologia na Organização. 9

3. Considerações Finais. 9

Conclusão. 9

Referencias Bibliográficas. 10

1. Revisão Conceitual

1.1. O conceito da Administração

Sobre o Conceito de Administração, temos afirmações de alguns autores sobre o ponto


de vista deles, que são:

Maximiano (2008)[1] diz que " A administração é o processo de tomar decisões sobre
objetivos e utilização de recursos."

Para Fayol ( 1996 apud MAXIMIANO 2008, p.50)[2]:

•A administração é a função distinta das demais funções da empresa, como finanças,


produção e distribuição.
•A Administração compreende cinco funções: planejamento, organização, comando,
coordenação e controle.

A visão de Terry (apud SILVA 2005, p.06)[3] é " A administração é um processo


distinto, que consiste no planejamento, organização, atuação e controle para determinar
e alcançar os objetivos da organização pelo uso de pessoas e recursos."

1.2. O conceito da Gestão de Recursos Humanos

A gestão de Recursos Humanos é uma área que foca as políticas e práticas empresariais
para a administração de pessoas em seu ambiente de trabalho.

De acordo com Chiavenato (2004 apud FIDELIS E BANOV 2007, p.19)[4] o termo RH
ou Gestão de Pessoas pode se referir a:

•Um departamento: unidade operacional que presta serviços nas áreas de recrutamento,
seleção, treinamento, remuneração, comunicação, higiene, segurança no trabalho,
benefícios, etc.

•Uma prática: refere-se ao modo como as empresas operam as atividades de descrever


cargos, recrutar, selecionar, treinar, remunerar, motivar, avaliar, entre outras.

•Uma profissão: engloba os profissionais que trabalham diretamente com Recursos


Humanos: selecionadores, treinadores, administradores de salários, engenheiro de
segurança, médico do trabalho, etc.

Sabendo que atualmente o conhecimento sobre a administração de Recursos Humanos é


fundamental para qualquer profissional e empresa, BOOG (1994) afirma que um forte
ponto na área de Recursos Humanos e o treinamento, que já é tradicional desde os anos
20, e que vem evoluindo qualitativamente.

Segundo o autor, foi a partir de 1930 que o treinamento ganhou novos status como
atividade administrativa, onde se origina mais informações cientificas e seguras sobre
habilitação e aprendizado profissional.

Boog (1994)[5] dizia que "O treinamento é uma instituição fundamental na gestão
empresarial."

Com isso, a aceleração de mudanças tecnológicas tem alterado a forma de gerenciar


pessoas, pois exige mais habilidades especificas.

Conceitua Marras (2002, apud FIDELIS E BANOV 2007, p. 26)[6] que "Foi nessa fase
que a área de Recursos Humanos passou a operacionalizar serviços como os de
treinamentos, recrutamento e seleção, cargos e salários, higiene e segurança no trabalho,
benefícios e outros."

Sendo assim, a idéia básica da Gestão de Recursos Humanos é que a relação entre
empresa/empregado repercute resultados obtidos pela empresa, portanto a relevância
agora é o fator humano.

1.3. O Conceito da Psicologia Organizacional

Sabemos que a psicologia estuda o comportamento humanos e seus processos mentais,


o que motiva o comportamento humano, o que sustenta, o que passam pela sensação,
emoção, percepção, aprendizagem e inteligência, o que nos afirma alguns autores
abaixo:

Zanelli, Borges-Andrade e Bastos (2004)[7] diz que " A psicologia organizacional é


dirigida para análise de características do trabalho que contribuem para o aumento da
eficiência organizacional."

Já para Fiorelli (2007)[8] "A psicologia organizacional concentra-se nos fenômenos


relacionados com o funcionamento de indivíduos em grupos com vários objetivos."

Percebemos que a psicologia organizacional, enquanto ciência do comportamento é um


instrumento à disposição do administrador como apoio nessa busca de continuo
aumento da eficiência dos processos e da melhoria da qualidade de vida na organização.

2. Revisão de Literatura

2.1. A importância da Psicologia na Organização

Sabemos que a atuação do psicólogo é de grande importância, pois com a ajuda dele a
organização poderá oferecer aos seus colaboradores um ambiente melhor e soluções aos
problemas organizacionais, fazendo com que os funcionários possam sentir-se mais
motivados para desempenhar bem suas tarefas, se importando com a psicanálise que
estuda a saúde no ambiente de trabalho, como veremos abaixo:

Para Zanelli (1994a)[9] o objetivo do psicólogo na organização é "Identificar e analisar


as necessidades derivadas, das atividades de trabalho, suas condições e implicações."
Perdigão e Rodrigues[10] diz que "A psicologia, a administração, são exemplos de
disciplinas que apresentam fundamentos teóricos e metodológicos que podem contribuir
para identificar os elementos existentes no contexto de trabalho que se configuram
como possíveis fatores de Qualidade de Vida no Trabalho – QVT e motivação."

Quanto a Fiorelli (2007)[11] " A psicologia na organização preocupa-se com o efeito


que os diferentes fenômenos provocam sobre a atividade psicológica, por exemplo, a
reação do individuo a situação de estresse, um termo que se atribui vários significados e
que se encontra virtuamente banalizado, gerando entendimentos distorcidos.

Nesse fator, podemos perceber que a psicologia na organização é importante e se


importa também com o bem-estar dos funcionários, a saúde, o estado físico e mental
dos funcionários.

2.2. A contribuição da Psicologia na Organização

Existem diversas formas e fatores nos quais a psicologia contribui e se preocupa dentro
da organização, dentre alguns deles se destacam: emoções e afetividade no trabalho,
motivação dos funcionários, psicanálise, contribui também no estudo de comportamento
dos funcionários, assistência nos recrutamentos e seleções internas ou externas,
incentivos de estratégias para melhorar o ambiente organizacional, assim como ajudar
também a desenvolver equipes multiprofissionais, avaliações de desempenho,
treinamentos e dinâmicas em grupo que contribui na harmonização entre os
funcionários buscando sempre condições favoráveis para a realização de trabalhos com
muito êxito, como algumas afirmações abaixo:

Bastos e Galvão-Martins (apud FIORELLI, 2007)[12]a psicologia pode contribuir:

•Na motivação dos funcionários, no estudo de analise da saúde mental no trabalho, com
estudos/pesquisa, com vistas à produção relativas à Psicologia Organizacional, bem
como planejamento ambiental.."

Para Vergara (1999 apud FIORELLI, 2007, p.119)[13] a psicologia contribui na


motivação, onde ele afirma " A motivação é uma forma, uma energia que nos
impulsiona na direção de alguma coisa".

Dejours e Abdoucheli ( 1994 apud FIORELLI, 2007)[14] " A motivação tem a


necessidade de um conceito para explicar comportamentos, sua extinção ou esforço".

Já Fiorelli (2007)[15] a psicologia contribui também no recrutamento e seleção de


pessoas, como diz: " Esses são dois modelos que empregam testes psicológicos e são
sugeridos a analise e críticas."
"Os mecanismos de defesa, potencialmente presentes nos processos de seleção e
desenvolvimento de pessoas"

Nesses termos, podemos verificar que a psicologia contribui e trás muitos benefícios à
organização, ela só precisa de espaço para colocar suas atividades em prática e ajudar a
organização a manter o foco em um ambiente saudável e prazeroso de se trabalhar.

2.3. Principais Benefícios da Psicologia na Organização

Como já dito em vários pontos acima, os benefícios e contribuições da psicologia para a


organização é vista de várias formas, como: promover a motivação dos funcionários,
cuidar da saúde mental de cada um deles, e dar orientações para a desenvoltura de um
bom trabalho em equipe, melhorando assim a competitividade e produtividade.

3. Considerações Finais

O objetivo deste trabalho foi, analisar a afetividade da implantação das técnicas da


Psicologia no ambiente de trabalhado aplicado em uma organização, bem como alguns
conceitos fortes e importantes pontos sobre a contribuição da psicologia nas
organizações e o conceito da administração.

Conclusão

A pesquisa desenvolvida mostrou a diferença dos conceitos de administração, da


psicologia organizacional e focou a importância e as contribuições da psicologia para o
bom desempenho dos trabalhos em uma organização. E melhor desenvoltura dos
funcionários no ambiente de trabalho, mostrou também os principais pontos e
benefícios nos quais a psicologia pode contribuir dentro da organização.

Referencias Bibliográficas

BASTOS, A. V. B.e GALVÃO, M. A. H. C. O que pode fazer o psicólogo


organizacional. Psicologia: Ciência e Profissão, [ S.I.; s.n]. 1990.
BOOG, Gustavo G. Manual de Treinamento e Desenvolvimento ABTD: São Paulo
MARKON Books, 1994, p.15-31, 285-303

DAVIDOFF, L. L. Introdução à Psicologia. 3 ed. São Paulo: Makron Books, 2001.

FIORELLI, J. O. Psicologia para administradores – Integrando Teoria e Prática. 5 ed.


São Paulo: Atlas, 2007.

LEMOS,A.; et al. Reflexões sobre a importância da psicologia na organização. [ S.I.;


s.n]. Disponível em: http://www.google.com.br/search?hl=pt-
BR&source=hp&q=importancia+da+psicologia+na+organiza%C3%A7%C3%A3o&btn
G=Pesquisa+Google&meta=&cts=1258052255208&aq=f&oq=. Acesso em: 12 de Nov.
2009.

MAXIMIANO, A. C. A. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas, 2008.

PERDIGÃO, C.; RODRIGUES, V. A. Uma Análise Sobre a Qualidade de Vida no


Trabalho e motivação de Perspectiva da Ergonomia da atividade. [S.I.:S.N]. Disponível
em: http://www.unidesc.com/download.php?codigoArquivo=74. Acesso em: 03 de dez.
de 2009.

ZANELLI, J. C. O Psicólogo nas Organizações de Trabalho: Formação e Atividades


Profissionais. Florianópolis, 1994.

ZANELLI, J. C.; BORGES-MARTINS, J. E. e BASTOS, A. V. B. Psicologia,


Organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

[1] MAXIMIANO,A.C.A. Teorira Geral de Administração. São Paulo: Atlas, 2008.

[2] FAYOL, H. (1996 apud MAXIMIANO 2008, p.50).

[3] TERRY,G. (apud Silva 2005, p.06).

[4] (2004 apud FIDELIS E BANOV 2007, p.19).

[5] BOOG, Gustavo G. Manual de Treinamento e Desenvolvimento ABTD: São Paulo


MARKON Books, 1994, p.15-31, 285-303

[6] Marras (2002, apud FIDELIS E BANOV 2007, p. 26)

[7] ZANELLI, J.C.; BORGES-MARTINS, J.E. e BASTOS, A.V.B. Psicologia,


Organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

[8] FIORELLI, J.O. Psicologia para administradores – Integrando Teoria e Prática. 5 ed.
São Paulo: Atlas, 2007
[9] ZANELLI, J. C. O Psicólogo nas Organizações de Trabalho: Formação e Atividades
Profissionais. Florianopolis, 1994.

[10] PERDIGÃO, C.; RODRIGUES, V. A. Uma Análise Sobre a Qualidade de Vida no


Trabalho e motivação de Perspectiva da Ergonomia da atividade. [S.I.:S.N]. Disponível
em: http://www.unidesc.com/download.php?codigoArquivo=74. Acesso em: 03 de dez.
de 2009.

[11] FIORELLI, J.O. Psicologia para administradores – Integrando Teoria e Prática. 5


ed. São Paulo: Atlas, 2007

[12] BASTOS, A.V.B.e GALVÃO, M.A.H.C. O que pode fazer o psicólogo


organizacional. Psicologia: Ciência e Profissão, [ S.I.; s.n]. 1990.

[13] Vergara (1999 apud FIORELLI, 2007, p.119)

[14] Dejours e Abdoucheli ( 1994 apud FIORELLI, 2007)

[15] FIORELLI, J.O. Psicologia para administradores – Integrando Teoria e Prática. 5


ed. São Paulo: Atlas, 2007.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião
doAdministradores.com.br.

Você também pode gostar