Você está na página 1de 120

CÓMO COMENÇAR UNA IGREJA

Manual para pioneiros


JORGE OVANDO
COMO C OMENÇAR UMA IGREJA Manual para pioneiros
Por Jorge Ovando

Publicado por:
Ediciones IBEM
Departamento de Publicaciones de IBEM (Iglesia Bautista de la Evangelización Mundial)

Sede Central
Dr. Muñiz 473 (6700)
Luján, Buenos Aires, Argentina www.ibem.com.ar

ISBN 978-987-45961-1-6
Todos los derechos reservados.
Diseño editorial: Abigail Ovando
Primera edición 2018
Copyright © 2018 Jorge Ovando

No se autoriza la reproducción de este libro, o partes del mismo en forma alguna, ni tampoco que sea archivado en un
sistema o transmitido de manera alguna ni por ningún medio electrónico, mecánico, fotocopia, grabación u otro sin
permiso previo escrito de la casa editora.

Impreso en Ghione Impresores


Impreso en Argentina - Printed in Argentina
COMO COMENÇAR UMA IGREJA
Manual para pioneiros
JORGE OVANDO
EDIÇÕES IBEM

ÍNDICE
INTRODUÇÃO
CAPÍTULO 1, PREPARAÇÃO
CAPÍTULO 2, COMEÇA BEM
CAPÍTULO 3, EXCEDE DESLISSÕES
CAPÍTULO 4, ESTABELECE BOM HÁBITOS DO INÍCIO CAPÍTULO 5,
NÃO GERAR NENHÚN TIPO DE DEPENDÊNCIA
CAPÍTULO 6, NÃO DEIXE-SE SER GUIADO PELAS
CIRCUNSTÂNCIAS
CAPÍTULO 7, SEJA FIRME E SEGURO ANTES DA OPOSIÇÃO
CAPÍTULO 8, DEZ RAZÕES PARA ORAR, ORAR E CONTINUAR
ORANDO
CAPÍTULO 9, ACREDITAR, PREDICAR E ESPERAR O CRESCIMENTO
CAPÍTULO 10, O VERDADEIRO CRESCIMENTO
CAPÍTULO 11, CINCO RAZÕES PARA TER UM MINISTRO FELIZ
CAPÍTULO 12, CUIDADO PARA O MINISTÉRIO
CAPÍTULO 13, SEIS CHAVES PARA O DESENVOLVIMENTO DE
LÍDERES
CAPÍTULO 14, COMO EVITAR MANIUPULAÇAO
CAPÍTULO 15, COMO ESTAR EM AUTORIDADE E ENSINAR A
AUTORIDADE
CAPÍTULO 16, SERVIR A DEUS A PESAR DE TUDO CAPÍTULO 17, A
ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA IGREJA
CAPÍTULO 18, A VISÃO DA IGREJA: O SELO E O SONHO DE DEUS
CAPÍTULO 19, O MINISTÉRIO DOS CINCO PASSOS DA MISSÃO
CAPÍTULO 20, DISCIPULADO COM BASE NAS CINCO PASSOS DA
MISSÃO
CAPÍTULO 21, CUMPRIMENTO DA GRANDE COMISSÃO CAPÍTULO
22, A ADMINISTRAÇÃO DO MINISTÉRIO

Oro para que, ao ler este livro, Deus o motivará a ser um pioneiro e você
pode começar uma igreja onde não existe. Embora eu saiba que não é para
todos o chamado para ser um pioneiros, insisto que muitos mais são
chamados a dar o chute inicial. Geralmente, os pioneiros são guerreiros,
dotados de um bom caráter e firmes na fé. Na verdade, sempre leva fé para
ca- minhar com Deus. Aquele que perde a vida por amor de Cristo ganhará!
Mas aquele que rejeita servir a Cristo a perderá. Nunca haverá um momento
em que a fé não seja necessária. Sem fé é impossível agradar a Deus, sempre
devemos acreditar.

Neste livro, você aprenderá sobre o processo, os princípios e os passos a


serem tomados em consideração para iniciar uma nova igreja. Você também
aprenderá sobre experiências, estrategias e valores que podem levar uma
igreja a crescer e ter confir- mação no que empreende.
COMO COMENÇAR UMA IGREJA

Antes de começar uma aventura para começar uma igreja, você deve (1) rever
suas crenças, (2) convicções e, claro, a (3) visão que Deus lhe deu para fazer
algo assim. Você também deve sempre lembrar que Deus é aquele que chama
e se encarrega da chamada. Creio e afirmo que Deus sempre vai na frente dos
conquistadores preparando o caminho para eles e, abrindo portas e
adicionando benças.

É melhor ser encorajado a fazer algo, do que depois se arrepender de não ter
feito isso. Os cemitérios estão cheios de pessoas que sonharam e tinham
visões de Deus, mas, por dife- rentes motivos, não perceberam nada.
Incentive-se a começar, Deus irá sustentá-lo em cada estágio.

Como tenho experiência, afirmo que tudo pode ser feito com a ajuda de Deus.
Ele colocará sua vontade e as forças neces- sarias em sua vida, e somente
então você poderá ver com grande satisfação o fruto do seu trabalho.

Reflexão para começar uma igreja


1. Alguma coisa pode ser feita sem fé?
2. O que você deve verificar antes de sair para a aventura de começar uma
igreja?
(1) _______________________________________
______________________________
(2) _______________________________________
______________________________
(3) _______________________________________
______________________________
3. Quem liga e assume a chamada?

Capítulo 1
LA PREPARAÇÃO
A preparação antecede o uso, já que Deus sempre nos prepara antes de nos
usar. Grandes planos exigem mais preparação. Você deve entender que a
experiência anterior que você teve que viver, teve que ver com o desafio de
iniciar uma nova etapa. As- sim como Moisés passou quarenta anos no
deserto para depois tornar-se o grande líder do povo de Israel, José teve que
passar treze anos no Egito como escravo, prisioneiro e depois ser o primeiro-
ministro naquele país, Jesus, trinta anos antes iniciar o seu ministério público,
e Paulo 3 anos passados na Arábia antes de começar a pregar. Não se
preocupe em ser reconhecido, a exposição prematura sempre leva à
destruição.

Toda boa preparação envolve (1) oração, (2) serviço e (3) estudo, mas é
completado com (4) o “Tratamento de Deus”. Através deste tratamento, Deus
molda nosso caráter, nosso ego. Sem o tratamento de Deus, nossa formação,
permaneceria em uma mera teoria acadêmica, ou atividade sem frutos. O
tratamento de Deus é o teste, através do qual Deus nos prepara para o que
vem, além disso, eles são as vitórias que você está adicionando enquanto
você é testado. Você supera o teste, você vence apesar do teste, e você
continua marchando. Tal atitude é meritória, vale a pena definir o caráter
firme e inabalável necessário para iniciar uma igreja e continuar.

Você pode ter todo o treinamento acadêmico, ou estudo formal da Bíblia,


mas o verdadeiro credenciamento para fazer algo útil para Deus vem da nossa
comunhão diária com Ele.

O Reino de Deus é mais do que uma escola ou Instituto Bíblico. É mais do


que a aquisição de numerosos certificados ou diplomas no nosso estudo da
Bíblia. O conhecimento da Bíblia sem o tratamento de Deus e morrer para si
mesmo é reduzido a um mero conhecimento intelectual sem frutos.

Você notou que muitas pessoas sabem muito sobre a Bíblia, mas não sabem
como fazer o trabalho de Deus ou realizar um ministério de crescimento? Na
verdade, às vezes os que mais conhecem, são os mais infiéis e orgulhosos.

Hoje percebo que Deus não desperdiça lágrimas, e que o tempo que levou
minha preparação para o trabalho do ministério foi toda minha experiência
passada. As testes e os momentos difíceis que tive de suportar foram as
provações que me prepa- raram para ganhar hoje.

Todas as experiências diferentes que Deus me permitiu vi - ver me


prepararam para esse momento. As pessoas que atravessaram o meu
caminho, as coisas que ouvimos, vimos ou lemos não eram acidentais, eram
todas necessárias para minha formação ministerial. Na verdade, o que eu tive
que viver afetou notavelmente os anos que se seguiram. O mesmo acontece
com os poucos anos que vivemos na Terra, afetará, como passaremos os
milhões de anos na eternidade.

Alegrai-vos naquele dia, e alegrai-vos, pois eis que a tua recompensa é


grande no céu (Lucas 6:23).
Os ajustes são necessários

O tempo de preparação é um tempo de ajustes. Os primórdios exigem muita


concentração, e ninguém deve ser distraído pelas frentes de combate internas.
Hoje, eu percebi que meus ajustes no meu casamento, foi uma luta interna
que me distraiu muito no começo.

Em retrospectiva, reconheço que, se eu não tivesse superado minha situação


conjugal nos primeiros três anos, nunca teria alcançado o que consegui. Foi
tudo por causa da graça e da misericórdia de Deus, além de deixar meu
orgulho de lado e reconhecer que Deus me deu uma colega de equipe muito
adequado. Hoje, reconheço que minha esposa é uma parte vital da minha vida
e do meu ministério, e como sempre digo, ela cuida de tudo o que eu
descuido. Sem dúvida, nossos ajustes de casa- mento foram o que eu digo, a
melhor preparação para nossos benefícios ministeriais atuais.

Para aquele que não sabe como governar sua própria casa, como ele vai
cuidar da igreja de Deus? (1 Timóteo 3: 5)

Ter uma família ministerial

A fruta é grande quando se trata de ganhar a família para Cristo. Hoje, todos
meus filhos são líderes, responsáveis de mi- nistérios, meu genro também. É
uma delícia fazer parte de uma família ministerial.

Outra questão que me preparou para os desafios futuros foi enfrentar o teste
de Deus com fé e ser aprovado. Há uma grande diferença entre um teste de
Deus e uma conseqüência. Ambos são formativos, mas o teste é um exame, e
a conseqüência é uma punição por erros ou negligência. Você entende a
diferença?

Principalmente você deve definir o que você fará quando “o dia ruim” ou a
“noite escura da alma” vier. Porque, no começo, você pode perder tudo, mas
nunca duvide de Deus. Você lembra que, na parábola do semeador, a semente
que caiu entre as pedras não prosperou porque os problemas e as aflições o
sufocaram? Bem, por nada para afetá-lo, você deve demonstrar naqueles
momentos em que você sabe de quem você depende e confia em Sua
provisão oportuna.

É fácil ser enganado pela paz e pelo sucesso aparente para parar de orar.
Embora a Bíblia diz: quando eles dizem paz, paz, então a destruição repentina
virá sobre eles (1 Tessalonicenses 5: 3).

Se a paz e a prosperidade são sinais evidentes de benção, eles não nos


impedem de estar vigilantes em todos os momentos. Na verdade, devemos
sempre estar preparados e não ser conduzidos pelas circunstâncias.

Lembro-me de que estávamos preparados para ter uma conferência para a


família, e um pastor muito famoso prometeu sua visita. Anunciamos, e
anunciamos a conferência, insistimos tanto no convite, que tudo estava bem.
A única coisa que faltava foi que chegaria o dia e a campanha começaria.
Somente no dia anterior, o pregador me disse que não poderia vir e cancelar
sua participação. O que aconteceu? De lá eu decidi não me sur- preender
mais, quando um convidado vem, estou pronto para qualquer eventualidade.
Desta forma, também entendo que o trabalhador de Cristo deve estar
preparado para toda boa obra (2 Timóteo 3:17).

Não devemos guiar-nos por circunstâncias ou prosperidade aparente, estes


não são indicadores da benção de Deus. Jesus em seu caminho para o
Calvário, parecia ser parte de um grande fracasso, mas todos sabemos o fim
da história.

Portanto, determine fazer a vontade de Deus, apesar de tudo. Nada deve


imperdirlo! Quando você faz a vontade de Deus, independentemente de suas
circunstâncias pessoais, você verá seus efeitos milagrosos e você pode dizer
que está bem preparado para o que vem.

Para que você possa provar qual é a boa vontade de Deus, aceitável e
perfeita (Romanos 12: 2).
Reflexão para começar uma igreja

1. O que é necessário antes de ser usado por Deus?


2. O que causa exposição prematura sem uma boa preparação?
3. O que a boa preparação envolve?
(1) _______________________________________
______________________________
(2) _______________________________________
______________________________
(3) _______________________________________
______________________________
(4) _______________________________________
______________________________
4. Defina o que significa o acordo de Deus
5. O que o acordo de Deus cumpre?
6. Como deve ser o personagem de quem vai começar uma igreja?
7. Como a verdadeira acreditação é alcançada para fazer algo útil para Deus?
8. Para o que o conhecimento bíblico é reduzido sem o tra- tamento de Deus
e morrer para si mesmo?
9. Qual é o tempo de preparação?
10. O que os primórdios exigem?
11. Como o casamento está relacionado com o ministério?
12. Qual a diferença entre teste e conseqüência?
13. O que você nunca pode perder no começo?
14. O que é que nos pode enganar para parar de orar?
15. Do que depende a vontade de Deus?
16. O que nunca deveríamos parar de fazer, mesmo que es- tivéssemos em
provas?

Capítulo 2
COMEÇA BEM
O apóstolo Paulo nos ensina como começar uma igreja: e desta maneira fiz
um esforço para pregar o evangelho, e não onde Cristo já havia sido
nomeado, para não construir sobre o fundamento de outra pessoa (Romanos
15:20).

Em 2015, a população mundial atingiu 7.376.471.981 habitantes. Deixe-nos


concordar que a população do mundo cresceu consideravelmente, e hoje há
muitas pessoas que não têm contato real com uma boa igreja ou um bom
pastor. Existe uma grande necessidade do progresso real da igreja em
territórios onde ainda não há bons testemunhos de Cristo.

No meu caso particular, quando comecei o ministério, cometi o grave erro de


me deixar levar pelo entusiasmo e começar a pastorear um grupo que
simpatizasse comigo, mas que usava a construção de sua igreja anterior. Seus
pastores, quando descobriram, me exortaram com muita razão. Eu admito que
não é ético começar assim.

Então eu também descobri uma família que participou de uma de nossas


reuniões, pai, mãe e quatro filhos de diferentes idades. Geralmente, se a
família atende pela primeira vez, é nor- mal que fiquem juntos em um só
lugar. Mas esta família agiu de forma diferente. Chamou minha atenção
porque quando a reunião terminou, todos se separaram e começaram a
conversar com pessoas diferentes. Quando os vi, estavam todos em diferentes
lugares do templo, mas cada um cercado por duas ou três pessoas. Liguei
para um dos pastores assistentes e pedi-lhe que notasse o que eles estavam
falando. Em todos os casos, eles estavam convidando para uma reunião de
abertura de sua igreja. Imediatamente eu me juntei a eles e eles se
reconheceram como novos pastores na cidade. Então eu disse: “Espero que
você não tenha a intenção de começar uma igreja com nossos membros”.
Eles riram, mas eu disse muito a sério. Atuar assim não é ético.

A maneira mais honrada e possível de começar uma igreja é testemunhar,


acompanhar os novos contatos, até que você possa se juntar a um grupo de
ovelhas como o rebanho do Senhor. Isto é o que eu chamo de ter seus
próprios frutos, e assim garanto que eles terá seu próprio DNA. Se Deus está
desafiando você a co- meçar uma igreja, congregação ou célula, eu lhe
asseguro muitas bênçãos de Deus se você agir com grande determinação e fé.

Começar algo novo não é para todos, nesta lista entre os visionários e os
pioneiros. Nem todos estão dispostos a se identificar com as pequenas coisas.
Aprendi há muito tempo que existem dois tipos de pessoas no mundo.
Aqueles que empu

COMEÇA BEM

rram o barco da areia, e aqueles que uma vez o barco está no mar, pulam
dentro. É claro que aqueles que tiveram que empurrar o barco tiveram que
fazer o maior esforço para aqueles que simplesmente pulavam por dentro.

Outros trabalharam, e você entrou em seus trabalhos (João 4:38).

Quando eu comecei o ministério, não era fácil, todos pare - ciam se opor. Eu
queria sair em seis ocasiões muito claras, mas depois de orar, Deus renovou
minha visão para continuar.

Um desses problemas era que o governo da cidade não queria nos autorizar a
usar o lugar como templo. Eles argumenta- ram que estava muito perto da
Basílica (estamos a 10 quarteirões de distância). Mas, como começar bem,
não é um desejo sim- ples, mas também algo muito sério, também deve ser
oficial.
Como Deus nos havia dado a convicção de que este era o lugar e não outro,
insistimos muito com o pedido perante o Conselho Deliberativo da cidade e,
graças a Deus, eles nos deram permissão.

A visão que Deus lhe dá é fundamental para mantê-lo em qualquer etapa.


Sem a visão, você não pode fazer muito, por- que quando o teste chegar, cada
pioneiro deve retornar ao início para saber qual foi a motivação que teve para
começar. De lá, não só é iniciado, mas começa de novo e de novo, até chegar
ao fim. Isso ajuda a ter a visão clara, também para renová-la e manter o foco
nela até que seja finalizada.

Reflexão para começar uma igreja

1. O que seria antiético e baixo moral ao iniciar uma igreja?


2. Qual é a maneira mais honrosa possível de começar uma igreja?
3. O que determina a grande benção de Deus ao iniciar uma igreja?
4. Quem são os que iniciam algo novo?
5. Existem dois tipos de pessoas no mundo, com qual você se identifica e por
quê?
6. O que significa começar bem, além de um desejo simples?
7. Qual é o propósito da visão de Deus, além de nos mostrar para onde
estamos indo?

Capítulo 3
EXCEDE DESLISSÕES
Todo lugar que seu pé pisa será seu (Deuteronômio 11:24).

O texto de Deuteronômio me sugere que, onde eu vou, tenho que conquistar,


é como se Deus nos dissesse: passar, pisar e possuir. Infelizmente, tenho que
dizer que muitos são influen- ciados pelo lugar e acabam acreditando na fama
que eles têm. Embora não devamos ignorar que há lugares mais escuros e
tomados pelas forças do mal, mais do que outros, mas não por essa razão,
devemos desistir.

Porque os lugares escuros da terra estão cheios de salas de violência


(Salmo 74:20).
Há lugares que são considerados túmulos para pastores ou cemitério da
igreja. Nesses lugares, as igrejas são muito pequenas, ou estão sofrendo
grandes problemas há muito tempo e sobrevivem com grande dificuldade.
Em alguns casos, eles não têm pastor, recursos, jovens, consagração e nem
um bom testemunho. Alguns atribuem o problema ao terreno, dizem que é
muito difícil semear o evangelho, outros que é impossível fazer algo por
causa da grande oposição e que também está infecta- do com demônios. Há
também aqueles que culpam as pessoas dizendo que elas não são consagradas
e que elas também não querem trabalhar. Eu acho que é sempre mais fácil
culpar os ou- tros, do que reconhecer que somos responsáveis e não vítimas!

Você se lembra da história dos dois vendedores de calçados, a quem suas


respectivas empresas enviaram a África para ven- der seus produtos? O
primeiro, pouco depois, voltou frustra- do dizendo: “Ninguém usa sapatos
aqui”. O outro, viu nos pés descalços das pessoas o grande desafio de vender
sapatos. Ele disse: “Bom, ninguém usa sapatos aqui!” Você percebe a grande
diferença de atitude?

Onde você vai abrir uma igreja ou grupo, o que você vê ou ouve pode
encorajar ou desencorajar você. Tudo depende do olho com o qual você olha
para ele. Qual será a sua atitude? Você aceita o desafio de pregar a eles e
ensinar-lhes o evangelho ou você vai ficar com o conceito de que ninguém
quer ouvir nesse lugar porque eles não estão interessados?

Quando eu menciono onde eu estou, eles franzem a testa e me perguntam o


mesmo: “É difícil?”Eles acham que é difícil, porque sabem que em Luján há
uma grande basílica que convoca milhões de peregrinos católicos que vêm
todos os anos para visitar o virgem de Luján, e porque é um lugar
eminentemente católico, está fechada para a pregação do Evangelho. A
maioria ignora que também em Luján há muitas seitas e muito ocultismo. Eu
respondo: “Nada a ver! Deus não tem nenhum pro- blema com o catolicismo,
nem com as seitas, nem mesmo com o oculto, o problema é conosco que
pecamos por descrença, medo ou conforto. Se apenas os crentes acreditassem
no poder de Deus, muitas coisas mudariam. Edmund Burke disse: “Para que
o mundo continue como está, é necessário que o homem bom não faça nada”.
E Martin Luther King disse: “O que me assusta não são as ações e os gritos
dos bandidos, mas o silêncio das pessoas boas”.
Eu acho que a maioria dos homens que devem estar indo bem ou estão
dormindo ou estão pecando, mas apenas uma minoria está acordada e em boa
saúde espiritual. Esta minoria tem que crescer e há muitos mais que mostram
a Cristo como deveria ser.

Em lugares onde você quer começar uma nova igreja, alguns encontrarão
muitos crentes que não se reúnem e que também estão feridos. Pode ser que
essas pessoas sejam as primeiras a abordar e até se tornarem os primeiros
membros.

Caros pastores, ou líderes, não ficam tão excitados quando você recebe
membros de outras igrejas, se eles tentam descobrir por que eles saíram.
Porque, certamente, qualquer problema com o qual eles estavam associados
no lugar anterior reaparecerá.

Você conhece a história de quem estava procurando por uma igreja perfeita e
entrevistou o pastor da nova igreja? Quan- do eu contei sobre os defeitos da
igreja anterior e os motivos que a tornaram, o pastor respondeu: aqui você
encontrará o mesmo! Moral: “não há igreja perfeita para o membro perfeito”.

Você precisa trabalhar intensamente com pessoas que vêm de outras igrejas.
Todos devem ter o mesmo DNA para falar o mesmo e ter o mesmo
sentimento, doutrina e forma de doutrina.

Mas o Deus da paciência e da consolação dá-lhe uma mente de acordo


com Cristo Jesus (Romanos 15: 5).

Lembro-me de que um pastor para começar uma igreja, fez uma grande
campanha, chamado evangelista famoso e distri- buiu muitos panfletos. O
lugar que ele alugou foi preenchido com quase 700 pessoas. É claro que o
pastor estava muito feliz. Depois de dois meses eu o visitei e havia apenas
oito pessoas na reunião. Ele pensou que muitos iriam ficar com ele, mas ele
estava errado, e ele sofreu uma grande decepção.

No começo, parecia que Deus estava fazendo algo novo na cidade, mas um
olhar mais atento revelou que os participantes eram apenas visitantes e que
eles simplesmente estavam com curiosidade de ouvir algo novo.
Existem três leis que devemos ter muito em conta ao iniciar uma igreja.

• Primeira lei. Você não pode colher, o que você não semeou.Tudo o que um
homem semear, que ele também colherá (Gálatas 6: 7).

Acreditamos que podemos colher quando não sembramos, foi o que o mau
mordomo pensou. Eu sabia que você é um homem difícil, que você colhiu
onde você não semeou e pegou onde você não se dispersou (Mateus 25:24).
Aqueles que espe- ram frutas onde eles não semearam serão desiludidos. Os
frutos legítimos e duradouros são aqueles que você ganhou com seu
testemunho e trabalho. Se você semear a semente, e você regou com oração,
lágrimas e visitas, você será recompensado.

• Segunda lei. Sempre a primeira fruta é a grama, após vem a fruta


duradoura.

Pois a terra traz fruta por si só, primeiro grama, depois orelha, e em
seguida, grão integral na orelha (Marcos 4:28).

Nós tendemos a ficar entusiasmados com as pessoas que vêm às nossas


reuniões, mas se não decidirem ficar conosco, sofreremos uma grande
decepção. No que diz respeito às cam- panhas, não estou contra eles, eu os
encorajo a tê-los.Mas deve haver um trabalho de acompanhamento eficiente,
e para que isso aconteça, deve haver uma equipe de trabalho para manter a
fruta. De fato, nos acostumamos façer muitas campanhas, de cinco dias, sete
días, e ate cuarenta días.

Para que você não continue desiludindo com as pessoas, fique só animado
com Deus e tome cuidado para que seu trabal- ho seja conscienciosamente
com grande fé (convicção e deter- minação) e você verá como Deus
acrescenta aos que são salvos. Pare de pensar que as pessoas vêm porque
você é atraente, ou bom orador, não tente seduzi-los a ficar, nem oferecer
uma po- sição, porque eles serão os mesmos. Lembre-se, o escravo não
permanece na casa para sempre; o filho permanece para sempre (João 8:35).

• Terceira lei. Seja paciente esperar o fruto.

Melhor é o fim dos negócios do que o seu início (Eclesiastes 7: 8). Pessoas
impacientes não podem aguardar a germinação das sementes semeadas. O
tempo de Deus não é retardado, não avança, é sempre oportuno. Se a
semeadura for conscienciosa, a colheita é segura, não duvide da semeadura

.
Reflexão para começar uma igreja

1. O que o texto de Deuteronômio 11:24 me sugere?


2. O que podemos encontrar em alguns lugares ao iniciar uma igreja?
3. Em alguns lugares, qual é a falta de frutas?
4. Somos vítimas ou somos responsáveis?
5. Considerando a atitude do vendedor de sapatos, qual será a sua atitude em
relação às circunstâncias?
6. Com quem Deus tem problemas em todos os lugares?
7. O que as pessoas estão fazendo quando não estão indo bem?
8. Quem pode ser o primeiro membro a começar uma igreja?
9. Porque você não precisa ficar muito entusiasmado com os primeiros
participantes?
10. Quais são as três leis que devemos saber no início?
11. (1) ____________________________________
_________________________________
12. (2) ____________________________________
_________________________________
13. (3) ____________________________________
_________________________________
14. Por que não sofremos decepção como nosso trabalho deveria estar no
início?
15. Você precisa fazer algo especial para que as pessoas fi- quem com você?

Capítulo 4
ESTABELECER BEM HÁBITOS DO INÍCIO
O hábito é uma costume, que pode se tornar uma tradição e quando é uma
tradição, já se tornou uma cultura. Em outras palavras, é o que as pessoas
locais aceitaram e está tão acostumado a isso que é difícil para elas mudarem.
O obreiro da nova igreja deve tomar cuidado para não formar hábitos que
eventualmente o escravizam ou o condicionam. Todo mau hábito é uma força
que acaba sufocando.

Desde o início você tem que pensar sobre o crescimento. Se o trabalho é


saudável, ele inevitavelmente crescerá. O cres- cimento da igreja muda todos
os aspectos e quebra todos os moldes. É como se um adulto se esforçasse
para continuar ves- tindo uma camisa que ele usava como criança, além de
ser ridiculamente desconfortável, quebrará. Assim como as estruturas, elas
devem ser flexíveis e adaptáveis para conter o crescimento.

Há algum tempo eu fui convidado a pregar em Nova Or - leans, EUA. A


igreja que me convidou estava em seus inicios. O pastor veio e foi com seu
veículo levando os membros para a re- união. Ele próprio percorreu os
bairros e pegou os irmãos. Todos os domingos fiz o mesmo. Eu o avisei que,
quando a igreja crescesse, seria muito difícil para ele manter esse hábito.
Muito diferente é, se notarmos desde o início que o que fazemos não é o
ideal, mas o fazemos excepcionalmente até que as pessoas amadureçam e
possam vir por seus próprios meios.

As atividades podem ser feitas regularmente como parte de um programa, ou


excepcionalmente, para atender a uma necessidade.

Em outro caso, quando tomei conta do meu primeiro pastorado. A reunião


deveria ter começado no horário agendado, mas descobri que nunca começou
a tempo, porque quem estava presenciando isso já tinha acostumado a esperá-
lo. Claro, tudo mudou comigo. Começamos o encontro a tempo, e aquele que
sempre atrasou não gostou da mudança.

Um pastor tinha acostumado seus membros a compartilhar chá e bolos finos


após a reunião. Na época, devido à dificuldade no orçamento, ele decidiu
simplesmente compartilhar um chá e biscoitos de água. Os irmãos que se
acostumaram às bolos finos, se queixaram.

Finalmente, no início de cada igreja, como os membros são poucos, é fácil


visitá-los um por um e até várias vezes por sema- na. Mas quando a igreja
cresce, a visita se torna mais complicada. Se o pastor não avisou sobre o
crescimento e a possibilidade de uma visita mais esporádica ou apenas
quando houver necessidade, os membros reclamarão.
O que dizer também da confiança, ou a preferência que al - guns pastores ou
líderes têm para certos membros, mesmo com convites para o almoço. Se não
houver prudência no relaciona- mento, também pode haver conflitos.
Principalmente daqueles que se apegam às pessoas, ou dependem das
pessoas, ou têm medo das pessoas e não são dependentes de Deus. Lembro-
me de um pastor que se agarrava tão fortemente a um diácono e líder
matrimonial em sua igreja que, quando se mudou para fora da cidade, entrou
em uma espécie de depressão. Era difícil para ele superar essa mudança à
medida que ele se acostumar com a falta desse diácono, sentiu-se como
impotente.

O mesmo aconteceu com alguém que se tornou tão apegado a mim, que
quando nos mudamos para Luján para começar a igreja, ele sofreu muito. Eu
tive que viajar várias vezes para encorajá-lo e ajudá-lo com o desapego. Hoje
ele é um pastor e um grande servo de Deus.

Finalmente, a nova igreja, se atingir o hábito do evangelismo imediato (2)


intencional, (3) insistente e (4) sistemática e mantém uma motivação
constante e consciente para estender o reino, acabará por alcançá-lo. Isso
deve ser focado em um com- promisso real e cumprimento literal da Grande
Comissão.

Vai, pois, e faz discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai,


do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu
lhe ordenei; e eis que estou com vocês todos os dias, até o fim do mundo
Amém (Mateus 28: 19-20).

A Grande Comissão não é uma mera definição usada por Jesus, mas a
doutrina mais importante a ser tomada em consideração pela igreja. A adesão
não deve apenas tomar consciência da questão, mas cumprir a Grande
Comissão. Deste ponto de vista, deve ser entendido que a salvação é o
primeiro passo, a partir daí, a pessoa deve estar envolvida imediatamente,
intencional e insistentemente para ganhar almas.

Ganhar almas para Jesus é o mais importante no coraçao de Pai Celestial, que
nos leva a buscar e salvar o que foi perdido (Lucas 19:10).

Reflexão para começar uma igreja


Porque devemos cuidar dos hábitos?

Qual é a melhor maneira de evitar o que um hábito pode se tornar perjudicial?


O que acontece quando a igreja cresce?
O que pode acontecer quando o pastor não avisou sobre o crescimento?
Pode ser dada confiança excessiva a todos os membros?
Como o evangelismo deve ser abordado?
(1) _______________________________________
______________________________
(2) _______________________________________
______________________________
(3) _______________________________________
______________________________
(4) _______________________________________
______________________________
(5) _______________________________________
______________________________
Como deve ser tomado o mandamento da Grande Comissão?

Capítulo 5 NÃO GERAR NENHUN TIPO DE


DEPENDÊNCIA
Todas as coisas são legais para mim, mas não serei dominado por
nenhum (1 Coríntios 6:12).

Aqueles que iniciam as igrejas tendem a aceitar todos os tipos de ajuda, sem
perceber que esta ajuda pode parar, condicionar ou comprometer o progresso
do trabalho. Tanto eu me refiro àqueles que querem dar uma ajuda pontual ou
a quem deseja acompanhar o processo do novo trabalho apenas por um
tempo.

Pessoalmente, posso aceitar todos os tipos de ajuda quando sei que sua
origem é sagrada ou que não vai me ligar com corrupção ou com uma
obrigação, além de gratidão. Como pode ser que ele receba uma doação de
alguém que depois se arrepende e reivindica o que ele doou, ou uma regalia
de políticos que esperam um voto em troca? Devo saber que, para Deus, é tão
importante que eu venha a perceber a visão que ele me deu, bem como o
processo que foi realizado para alcançá-lo. Nisto há pessoas e circunstâncias
envolvidas.

Eu gosto de dizer que com Deus somos uma multidão e Ele tem muito do que
eu não tenho. Além disso, Ele já prevê tudo o que eu precisarei para o
cumprimento da visão e eu só tenho que pedir isso, para que possa ser
adicionado a mim. Com Deus, não tenho falta de nada de bom, pelo
contrário, o suficiente para abundar em boas obras. Nesta perspectiva, você
não deve depender de ninguém, mas apenas de Deus.

A este respeito, quero avisá-lo de três formas de dependên- cia nocivas que
acabam por anular a vida de fé.
Dependência de dinheiro

Porque a raiz de todo mal é o amor do dinheiro, que alguns cobiçados, se


desviaram da fé e foram perfurados com muitas dores (1 Timóteo 6:10).

Uma pequena igreja ainda não pode pagar o salário de um pastor e muito
menos comprar uma propriedade. O meu conselho para aqueles que começam
é que eles reveja o chamado de Deus e possan ver claramente (1) a chamada e
(2) a visão, também (3) ter um emprego, e (4) dedicar tempo parcial a
visitação e (5) treinar os primeriros crentes.

O pioneiro deve pagar vários preços no início: que os mem - bros o


conhecem e confiam nele, e somente quando as pessoas percebem que não há
um desejo escondido por trás do ministério, eles apoiarão a nova igreja.

No início, o futuro do trabalho é determinado

Se eu acho que não posso fazer nada com poucos recursos, estes nunca se
multiplicarão. Além disso, se eu acreditar que investir meus próprios recursos
no início do trabalho é uma perda, tenho um equívoco sobre o que Deus
aprova.

O uso de nossos próprios recursos mostra quais são nossas (1) convicções, (2)
compromisso e (3) amor pelo trabalho que estamos fazendo.

Há outra razão pela qual o pastor não deve receber um salá - rio nos estágios
iniciais da nova igreja. Você precisa do dinheiro para pagar um aluguel,
comprar equipamentos de som, cadeiras e pagar outras despesas, até chegar a
auto-suprimento. Se al- guém começa com a idéia errada de viver da igreja, a
principal motivação será o dinheiro e não as almas, dessa forma, a igre- ja
nunca se desenvolverá normalmente. O pastor deve fazer a vontade de Deus,
independentemente de ele receber ou não um pagamento. Quando você
depende da igreja para o seu sustento, é costume receber um pagamento que
lhe dá conforto, mas isso não permite que você exerça fé por si mesmo ou
pela igreja. Por- que, um hábito de dependência é desenvolvido
conscientemente ou inconscientemente do dinheiro recebido e não de Deus.

Sem fé, é impossível agradar a Deus (Hebreus 11:6).

No meu caso, minha esposa decidiu que ela iria trabalhar como enfermeira,
porque queria respeitar meu chamado com dedicação exclusiva para servir o
Senhor. Apesar desta decisão, nunca foi necessário para ela conseguir um
emprego, Deus nos forneceu desde o início com tudo o que era necessário.

Há pessoas que acreditam que receberam uma chamada, e outros que sabem
que foram chamados.

Você deve saber que, se Deus não o chamou para dedicar-se exclusivamente,
Ele não lhe dará o apoio financeiro ou a unção para realizá-lo. Há pessoas
que estão entusiasmadas em servir a Deus o tempo todo, mas não se vêem se
dedicando, nem mesmo a tempo parcial, dormem muito e ocupam seu tempo
livre em vaidades. Alguns, que acreditaram receber uma chamada, por falta
de apoio financeiro, mostram muitas deficiências. Essas pessoas, por seu
erro, mostram o ministério como a mais infeliz vocação, e fazem com que
muitos filhos venham a desprezar o sacerdócio de seus pais e seu
relacionamento com Deus e com a igreja.

Se Deus o chamou para o ministério, você será recompen - sado por fazê-lo
fielmente, com (1) mais responsabilidades, (2) com honra e (3) apoio em tudo
o que você empreende. No entanto, você deve saber que sobre o seu
ministério há uma profe- cia dada pelo profeta Isaías.

E vocês serão chamados sacerdotes do Senhor, os ministros de nosso Deus


serão chamados; Eles comerão as riquezas das nações, e com a sua glória
serão sublimes (Isaías 61:6).

Eventualmente, seu ministério lhe dará poder e autoridade sobre pessoas e


muitos bens. Quando esse dia chega, e você tem acesso a muitos recursos,
como você se comportará? Você rou- bará todo o dinheiro que pertence a
Deus ou será uma pessoa honesta? Você terá autocontrole e controle sobre
seus desejos e gostos pessoais ou você fará ostentação e satisfará todas as
suas fantasias?

Quando uma pessoa está no ministério, ele não pode fazer o que quiser, pelo
contrário, ele está sob restrição constante para que seu testemunho não seja
reprovado.

Nós não damos a ninguém qualquer oportunidade de tropeçar, para que


nosso ministério não seja abusado (2 Coríntios 6: 3).

Se ele o convocou para ser uma pessoa comum, continue sendo um membro
fiel e disposto. Embora o chamado por Deus não seja confundido.

Nos estágios iniciais do ministério você pode faltar com todos os tipos de
recursos, mas é parte do processo. (1) Nossa fé, e (2) e nossa pessoa estão
sendo testados por Aquele que pro- meteu sempre estar com nós. Mas se o
pioneiro, além de ser um novato, talvez não conheça o Deus provedor, e
ainda pode estar assustado com a falta de recursos financeiros.

Se houver poucos recursos, pode ser devido a sete razões:

1) Deus não o convocou para o que você está fazendo. Deus não suporta as
coisas que Ele não determinou.
2) Porque você deve aprender a administrar o pouco. O pouco é a semente
que o leva muito. Jesus diz: no pouco você era fiel, em muito eu vou te
colocar.
3) Por estar no pecado. Deus não pode abençoar o pecado. Pode haver
recursos, mas não de Deus. Os recursos que Deus oferece abundam e são
apreciados.
4) Por falta de fé. A falta de fé é também a falta de segu- rança, de convicção,
de visão e de confiança em Deus.
5) Por falta de visão. Se não há visão, também não há pro- visão. Não há
projetos, objetivos, objetivos ou atividades para cumprir a visão.
6) Por uma promoção pobre da visão ou falta de ensino sobre a oferta e o
dízimo. O que você quer alcançar você deve pregar. Talvez, você ainda não
tenha dito o que Deus quer que você faça ou o que é dever em relação ao
dinheiro e como hon- rar a Deus com os bens.
7) Por negligência, preguiça e mentalidade de dependência. Essas atitudes
não produz resultados, mas falhas e perdas. Pois ao que tem, dar-se-lhe-á, e
terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado
(Mateus 13:12).

Tenha cuidado para não se tornar dependente da igreja para sua sobrevivência
financeira. É um grande erro! Se você fizer isso, você pensará mesmo que a
igreja é responsável pelo seu chamado, ou você pensará que a igreja deve
crescer para garantir seu sustento, ou mais comum, que a igreja é seu
empregador.

Infelizmente, muitos estão pendurados do dinheiro e até acreditam que


dependem dele para a sobrevivência deles. Que triste! Deus é aquele que
chama, e também quem sustenta. Isso não nos isenta de uma boa
administração, nem isenta a responsabilidade da igreja de ser o meio para o
chamado a ser canalizado, e aquele que foi chamado por Deus para ser
reconhecido.

Durante os primeiros anos de nosso ministério, com a minha esposa


colocamos nosso dinheiro e até mesmo o carro, tivemos que pagar o telhado
do santuário. Eu também menciono Arlen Altieri, ela era a diretora ad
honorem da nossa Escola Cristã “Fuente de Luz”, para realizar sua visão.
Afirmo também que os pastores assistentes e suas respectivas esposas que me
acompanham são absolutamente generosos e desapegados para servir ao
Senhor, eu dou glória a Deus por suas vidas.

Algumas pessoas mostram sua falta de fé para fazer alguma coisa, a menos
que recebam uma remuneração ou um salário. Outros, renunciando ao seu
pedido de não se sentirem dignos de reconhecer e até se queixarem de fazer
algo sem ser pago por isso. A Bíblia os chama de assalariados, mas eu os
chamo inte- ressados que consideram o dinheiro como um fim em si mesmo.

Então, o homem contratado foge, porque ele é um empregado, e ele não


se preocupa com as ovelhas (João 10:13).

Aqueles que só se preocupam com o dinheiro, eles mostram a distância, e não


conseguem esconder seu principal interesse e onde eles têm seu coração.

Não coloque sua esperança em riquezas, que são incertas, mas no Deus
vivo, que nos oferece todas as coisas em abundância para o nosso gozo (1
Timóteo 6:17).

A existência terrena que temos pode ser muito inútil se não funciona para a
eternidade. Essa é a única perspectiva da rea- lidade que devemos reconhecer.
Pastores quando acreditamos que só temos que ensinar e pregar sobre aqui e
agora, estamos errados. Todo o nosso ministério deve ser orientado para o
Céu e para o dia do julgamento. Naquele dia, toda vaidade desaparecerá e
saberemos o que perdemos porque não criamos tesouros nos céus.

Mas coloque tesouros no céu, onde nem a polpa nem a ferrugem


corrompem, e onde os ladrões não atravessam e roubam (Mateus 6:20).

Quem inicia uma igreja, é alguém que deve viver com base nesta perspectiva
da vida. Não se distraia com o brilho deste mundo, nem com a atração das
riquezas, já que nenhum deles trará uma recompensa eterna.

Há também os verdadeiramente chamados que (1) confiam no Senhor e (2)


não negociam seu chamado com ninguém, (3) são fiéis a Deus e (4) sabem
que devem obedecer incondicio- nalmente, eles farão a vontade de Deus
independentemente de tudo. Quando as pessoas percebem que sua dedicação
não é para ganhar dinheiro, eles estarão mais interessados em fazer parte da
nova igreja.

Dependência de pessoas

Talvez, dependendo dos outros, seja a dependência mais co - mum. Com


respeito às pessoas que se oferecem para colaborar, devo garantir que sejam
pessoas que vão formar pessoas, e não que elas ocupem uma posição
ministerial porque não há mais ninguém. Se você se acostumar a não
depender de ninguém, você não sofrerá decepção, nem se sentirá machucado.
Além das pessoas que vão fazer algo na igreja, não é uma questão se eles
sabem como fazê-lo, é uma questão, se eles estão garantidos para fazê-lo.

Lembro-me do caso de um pastor que aceitou a ajuda por um ano de vários


seminaristas. Ele começou sua igreja com três ministérios, cada seminarista
era responsável por um: música, crianças e jovens. Quando o ano terminou,
os seminaristas partiram e a igreja teve que começar de novo, mas sem líderes
para esses ministérios.

Os seminaristas trabalharon muito, mas nao formaron pes- soas para


continuar a tarefa.

Não pode haver ministério sem um ministro. Esses ministros não


discípularam ninguém, então eles não deixaram nenhum sucessor.

O ideal é que cada atividade seja apoiada por um ministério e que cada
ministério tenha um líder comprometido com a visão da igreja. Infelizmente,
há pessoas, que são meros ativistas, mas não instrutores, nen trabalhadores da
visão. Meu conselho é que antes de iniciar um ministério, você pode formar
alguém para se responsabilizar. A regra é fácil, se não houver ninguém para
se responsabilizar, não pode haver um ministério.

O erro de muitos pastores é que eles colocam muitos chapéus ao mesmo


tempo. Eles estão em todas as atividades, fazem tudo, são homens
orquestrais, dessa maneira, eles se desgastam e limitam. Parecem filmes de
baixo orçamento, onde um extra toca vários personagens.

Outro erro comum é quando o pastor da nova igreja está sempre à espera do
apoio da igreja mãe ou da igreja que ofere- ce cobertura. Isso vai custar-lhe
desenvolver a sua própria liderança e expandir-se de forma ministerial.

Quanto mais cedo você puder parar de esperar em ajuda externa, ou que a
igreja mãe envia seus pregadores ou equipes para fornecer para algumas das
suas necessidades, mais sólida será sua projeção ministerial.

Parar a dependência não significa cortar a relação de amor, respeito, sujeição


e visão com o pastor principal ou a igreja mãe, nem acreditar que agora eles
não são mais necessários. Pelo contrário, essa relação deve crescer e se
aproximar cada vez, a fim de agregar potencial para consolidar a extensão do
reino.

O prêmio de maturidade

Minha idéia é que a igreja deve começar com o que tem e ser fiel no pequeno.
O pequeno desenvolve a humildade e nos faz confiar em Deus. Trabalhar na
pastoral e no desenvolvimento das pessoas e como os presentes são
descobertos, para treinar os novos para que eles se ocupem de tarefas
diferentes. No início, serão pequenas coisas que servem como preparação
para coisas maiores, além de provar o nível de confiança e responsabilidade
que merecem e à medida que a confiança cresce, as responsabi- lidades
também crescem.
O prêmio de maturidade é mais responsabilidade. Esta maneira de conduzir,
lhe dará uma perspectiva real do verdadeiro potencial da igreja e não que
você se projeta com base na visão final, sem o correspondente
desenvolvimento prévio. Em ou- tras palavras, quanto mais você tiver em
mente o que deseja alcançar, nunca poderá dar errado quando se trata de
estabelecer metas e objetivos e se enganar com isso. Tudo tem seu tempo, e
cada etapa requer preparação e consolidação!

Dependência de coisas

Devemos fazer uso das coisas e amar as pessoas. Imagine se a pessoa que
inicia uma igreja tem um conceito invertido, que adora coisas e usa pessoas.
Em outras palavras, você veria pessoas como itens ou meros numeros, se eles
não satisfaz seu desejo.

O rei de Sodoma, tipo de Satanás, tinha a perspectiva certa, ele disse a


Abraão: Dá-me o povo e peguei os bens para você (Gênesis 14:21).

A pedido de Deus, participei de muitos funerais e dei mui - tos mensagems.


Posso assegurar-lhe que nenhum dos que deixaram definitivamente este
mundo levou alguma coisa para outro mundo, tudo ficou aqui. Então, por que
se apegar tanto às coisas materiais? Aqui ficarám as casas, os carros, as jóias,
o dinheiro, tudo.

Ouvi uma voz do céu me dizendo: Escreva: Bem-aventura - dos os mortos


que morrem no Senhor de agora em diante. Sim, diz o Espírito, eles
descansarão dos seus trabalhos, porque os seus trabalhos com eles continuam
(Apocalipse 14:13).

Se você perceber, apenas as obras nos seguirão. Devemos estar mais


envolvidos com a vontade de Deus e o desejo de progresso em sua igreja.
Tudo o que fazemos para a extensão do seu reino e a construção de sua igreja
não serão perdidos. Devemos estar sistematicamente e intencionalmente
ocupados no progresso do Evangelho.

Deus não só nos dá a oportunidade de participar de seu trabalho, ele precisa


de nós imperativamente para realizá-lo. Em- bora, minha participação não
seja tomada como essencial, pois, se eu não fizer o trabalho de Deus, outra
fará por mim, porque a vontade de Deus deve ser inexoravelmente cumprida.
Ele não precisa de mim porque sou eu, mas porque ele teve piedade de mim.
Minha participação em seu trabalho é pura misericórdia de Deus e privilégio
imerecido. Agradeça-lhe mais!

Reflexão para começar uma igreja


Quais são os dois preços que aqueles que começam devem pagar?
(1) _____________________________________
_______________________________
(2) _____________________________________
_______________________________
Você pode aceitar algum tipo de ajuda?

Quais são os três aspectos que acontecem quando aceitamos uma ajuda que
não é conveniente?
(1) _______________________________________ _______________
(2) ____________________________________
Quando você pode aceitar uma ayuda?
Quem tem o que eu preciso?
É importante conhecer o doador para saber se podemos aceitar sua doação?
Sobre quem devo depender?
Quais são as cinco coisas que aqueles que iniciam uma igreja devem
considerar?
(1) _____________________________________
_______________________________
(2) _____________________________________
_______________________________
(3) _____________________________________
________________________________
(4) _____________________________________
________________________________
(5) _____________________________________
________________________________
Qual é o resultado de alguém que pensa que ele é chamado, e quem sabe
quem foi chamado?
As coisas que estão faltando o início de uma obra são parte do processo?
As deficiências que provam no trabalhador?
(1) ______________________________________
______________________________
(2) ______________________________________
______________________________
Qual é a falta de recursos?
Quando é determinado o final do trabalho?
O que mostra o uso de nossos próprios recursos?
Qual é o caminho errado para começar uma igreja?
O que acontece quando não fomos chamados a servir a Deus exclusivamente?
Quem é responsável pela seu chamado?
1) ______________________________________
____________________________________
2) ______________________________________
____________________________________
3) ______________________________________
____________________________________
Quem são os mercenários?
Quais são as características dos verdadeiramente chamados? 1)
______________________________________
_____________________________________ 2)
______________________________________
_____________________________________ 3)
______________________________________
_____________________________________ 4)
______________________________________
_____________________________________ 5)
______________________________________
_____________________________________ Qual é a melhor maneira de
começar um ministério? Que características deve ter quem está na liderança
de um ministério?
Qual é o erro mais comum para aqueles que não treinam trabalhadores?
O que significa parar de confiar em ajuda externa? Qual é o prêmio de
maturidade?
Qual é a verdadeira perspectiva para conhecer o verdadeiro potencial da
igreja?
O que cada estágio requer?
Como devo considerar ser participante no trabalho de Deus?

Capítulo 6 NÃO DEIXE-SE SER GUIADO PELAS


CIRCUNSTÂNCIAS
Disse Eliseu: Jeová, abra os olhos deles, para que vejam. E Jeová abriu
os olhos, e eles olharam (2 Reis 6:20).

O líder, além de motivar todos, deve se motivar. A igreja já começou e


apenas algumas pessoas participam. Novas pessoas estarão pensando, eu vou
ficar neste lugar? É uma igreja? Esse pastor inspira confiança? Em qualquer
circunstância opressiva, você tem que aprender a fazer o que David fez diante
da opo- sição e do desânimo.

E Davi ficou muito angustiado, porque o povo falou de apedrejá-lo,


porque todo o povo estava com amargura, cada um por seus filhos e
filhas; Mas David fortaleceu-se em Jeová, seu Deus (1 Samuel 30:3).

Como o começo é com poucas pessoas, o líder deve ter cuidado para não se
deixar levar pelo que ele vê. Os números no início podem diminuir,
decepcionar e até frustrar. Portanto, o líder deve ver o que os outros não
vêem, as multidões. Além disso, você não deve se deixar levar pelos
comentários negativos. Lembre-se de que foi suficiente para Elías subir uma
vez para a montanha para saber que choveria, e seu criado teve que escalar
sete vezes para ver uma pequena nuvem no horizonte.

E ele disse ao seu servo: Suba agora e olhe para o mar. E ele subiu e
olhou, e disse: Não há nada. E ele disse novamente: volte sete vezes. Na
sétima vez, ele disse: Vejo uma pequena nuvem como a palma da mão de
um homem que se levanta do mar (1 Reis 18: 43-44).

Diga aos novos que não desprezem os pequenos começos, porque são eles
que Deus aprova. Explique que o melhor é sempre para vir e que você é
pioneiro em um excelente trabalho que afetará todas as suas gerações e
descendentes em bênção. Porque realizo uma obra em vossos dias, obra em
que de modo algum crereis, se alguém vo-la contar. (Atos 13: 41).
Incentiveos a seguir para que possam ver o que está por vir.

Como David, devemos lidar com a conquista de nossa geração.

Pois Davi, tendo servido a sua própria geração de acordo com a vontade
de Deus, dormiu, e se reuniu com seus pais (Atos 13:36).

Lembro-me do caso de uma jovem que parou de frequentar a igreja, porque


ela disse: “Sinto-me só, não há pessoas da minha idade”.Nós a visitamos e
eu disse a ela: “Se todos fizerem o mesmo, nunca teremos jovens”.Ela
concordou em ficar e outros chegaram. Hoje, ela vê nossa juventude, lembra-
se daquele momento e agradece que suas filhas sejam integradas e desfrutem
do grupo.

E mesmo que seu princípio tenha sido pequeno, seu último estado será
muito bom (Jó 8:7).
Melhor é o fim dos negócios do que o seu início (Eclesiastes 7:8).

Lembro-me da quarta reunião da nossa igreja, havia cinco de nós, minha


esposa, minhas duas pequenas filhas, eu e um novo irmão, ou seja, o primeiro
membro em uma reunião for- mal. Foi assim que começou o IBEM. Ele veio
de outra igreja. Depois da minha mensagem animada, ele se aproximou de
mim e disse: “Pastor, não o desencoraje, por ser tão poucos”. Eu respondi:
“desculpe-me, mas não somos poucos, somos multidões; Você não vêe os
anjos do Senhor que acamparam em torno de nós? “ Ele riu, mas eu quis
dizer muito a sério.

Assim como Eliseu não aceitou o comentário negativo de seu servente que
tinha apenas olhos para ver o inimigo, eu nunca aceito os diminutivos na
igreja, Deus é superlativo. Nós nunca estamos sozinhos, nem desamparados.
Se Deus está conosco, somos multidões.

Olhe para Abraão, seu pai, e para Sarah que o aborreceu; porque
quando eu era apenas um, eu o chamei, e abençoei-o e multipliquei-o
(Isaías 51: 2).

Nunca cometa o erro de fazer comentários negativos pelos poucos membros,


é a multidão que virá pela fé que deve mantêlo sempre encorajado. Se há dois
ou três reunidos em nome de Jesus, Ele está no meio (Mateus 18:20). Se
Jesus está conosco, é suficiente de mais, já estamos completos nEle. Você
está com- pleto en Cristo, que é a cabeça de tudo (Colossenses 2:10).

Se você é um (1) verdadeiro chamado de Deus, e você tem um (2) bom


casamento ministerial e (3) você sabe orar, e (4) compartilha a palavra e (5)
ama as almas, você está pronto para pastorear.

Não seja impaciente pelo crescimento, ele virá, nem tenha ilusões vãs sem ter
trabalhado antes em (1) evangelização e (2) discipulado.

Se você convidar membros de outras igrejas a deixar suas igrejas e se juntar


ao seu grupo, isso é chamado de recrutamento. Você deve saber que um dia é
o mesmo, outros farão com seus membros. Muito diferente é que essas
pessoas não estão se reunindo con suas igrejas, então você pode convidar
tudo o que quiser. Lembre-se de que você deve colher o que você sembrou.

Tudo o que o homem semeia, também colherá. (Gálatas 6: 7)


O agricultor, para participar dos frutos, deve trabalhar primeiro (2
Timóteo 2: 6).

A Bíblia diz que o reino de Deus é como uma semente de mostarda, é muito
pequeno no início, mas pode crescer imensamente.

O reino dos céus é como o grão da semente de mostarda, que um homem


tomou e semeou em seu campo; que é na verdade a mais pequena de
todas as sementes; Mas quando cresceu, é o maior dos vegetais, e torna-
se uma árvore, para que os pássaros do céu venham e façam ninhos nos
seus ramos (Mateus 13: 31-32).
O começo das igrejas é como sementes insignificantes, mas podem crescer e,
de fato, crescer muito. Se você não é fiel com o pouco, o muito nunca virá.
Sempre o começo pode parecer muito pobre, mas é assim que funciona. É
mais fácil corrigir erros com um grupo pequeno do que com um grande
grupo. O pouco é a oportunidade de praticar para alcançar a experiência
necessária para gerenciá-lo muito. Pratique com o pequeno e você saberá o
que fazer com o muito.

Um dia, alguém visitou nossa igreja em seus inícios e, claro, ficou desiludido
com os poucos membros. O tempo passou e a realidade mudou. Gostaria
sinceramente dessa pessoa de nos visitar novamente para testemunhar o
crescimento e como ele nunca deveria julgar qualquer igreja por seus
humildes começos.

Reflexão para começar uma igreja

O que David fez diante da opressão, oposição ou desânimo? O que acontece


com os pequenos começos?
Na linguagem da fé, com o início da igreja, devemos nos consi-

derar poucos ou multidões?


Quando você está pronto para pastorear?
(1) __________________________________________

__________________________
(2) __________________________________________
__________________________
(3) __________________________________________
__________________________
(4) __________________________________________
__________________________
(5) __________________________________________
__________________________
Depois do crescimento genuíno?
(1) _______________________________________
______________________________
(2) _______________________________________
______________________________
O que foi semeado deve ser recrutado ou colhido?
A que semente o começo da igreja é igual?

Capítulo 7
SEJA FIRME E SEGURO ANTES DA OPOSIÇÃO
Por que eu deveria andar de luto pela opressão do inimigo? (Salmo 42: 9)

Os começos são sempre difíceis, pode ser devido a (1) inex - periência, (2)
ignorância, (3) falta de autoconfiança e (4) pessoas que não nos conhecem.
Além disso, (5) porque o início exige muito esforço e dedicação. Meus
começos não eram exceção, enfrentava várias tempestades: auto-estima
deficiente, solidão, falta de recursos, oposição, crítica, rejeição, desprezo e
ameaças. Mas não se preocupe, hoje eu sei, que tudo isso faz parte do
verdadeiro ministério.

Eu também aprendi que havia um grupo que estava muito bravo com nossa
chegada. Um dia eu ia orar às seis horas da manhã no templo, e encontrei na
porta um gato que havia sido cortado e sangrado. No entanto, posso dizer
que, além de lim- par o lugar e não contar a ninguém o que aconteceu, fiz o
que Jesus fez.

Ele afirmou Seu rosto para ir a Jerusalém (Lucas 9:51).

Eu renovei minha força na presença de Deus, e decidi continuar firme


como se nada tivesse acontecido. Em Jerusalém, o sofrimento, o Calvário
e a morte aguardavam a Jesus, mas não mostrou fraqueza. Desprezando
o opróbrio e sentando-se à direita do trono de Deus (Hebreus 12: 2).

O trabalhador de Cristo que inicia uma igreja também sofrerá muitos ataques.
Se voçe sofre por uma baixa auto-estima, você deve pedir a ajuda do Espírito
Santo para trazer à luz e aplicar os princípios da Palavra de Deus na sua vida,
e asím renovar sua mente. No entanto, voçe sempre deve agir mostrando
vitória, para não ficar triste com a opressão do inimigo. Se mos- trar alguma
fraqueza, o (1) inimigo se tornará mais forte, (2) o simples será
escandalizado, e não terá nenhum exemplo que o encoraje. Não me
interpretem mal, não peço que você aja e mostre a hipocrisia do triunfalista
egocêntrico ou vago que tem uma fachada para enganar sobre seu estado real.
Nem alguém que nega a realidade por inconsciência. Quero dizer, a fé que
tem que fazer você confessar que você é mais do que um vencedor.

Diga os fracos: sou forte (Joel 3:10).


SEJA FIRME E SEGURO ANTES DA OPOSIÇÃO

Você nem pode imaginar quantas vezes eu tive que ler o seguinte texto.
Através desta palavra, Deus me fortaleceu e me encorajou a permanecer
firme.

Porque ouvi o murmúrio de muitos, medo em todos os lugares: denuncie,


denuncie. Todos os meus amigos observaram se eu desistiria. Talvez ele se
engane, eles disseram, e prevalece- remos contra ele, e nós vamos nos vingar
dele. Mas o Senhor está comigo como um poderoso gigante; Portanto,
aqueles que me perseguem irão tropeçar, e não prevalecerão; eles ficarão en-
vergonhados, porque não prosperarão; eles terão confusão per- pétua que
nunca será esquecida. Ó Senhor dos exércitos, que prova os justos, que vê os
pensamentos e o coração, deixa-me ver vingança sobre eles; porque eu lhe
confiei minha causa (Je- remias 20: 11-13).

Somente o relacionamento com Deus nos torna fortes para enfrentar a


oposição. Se você trabalhou apenas para construir uma relação horizontal
(com homens) e não vertical (Com Deus), você será fraco, mas se seu
relacionamento com Deus for forte, você verá a diferença.

Não deixe nada intimidá-lo. Pela própria presença de Deus, somos mais do
que conquistadores. Afirme seu rosto antes da oposição e confie a Ele sua
causa. Não mostre qualquer fraqueza ao inimigo, ao contrário, dê glória a
Deus em qualquer circunstância. Ele está sempre conosco até o fim como um
poderoso gigante. Aleluia!

E de nenhuma maneira intimidados por aqueles que se opõem, o que


para eles é certamente um sinal de perdição, mas para você da salvação;
e isto de Deus (Filipenses 1:28).

Reflexão para começar uma igreja


Por que os começos podem ser difíceis?
(1) _________________________________________

_________________________
(2) ________________________________________
__________________________
(3) ________________________________________
__________________________
(4) _________________________________________
_________________________
(5) ________________________________________
__________________________
O que Jesus fez com a oposição?
O que acontece se mostramos fraqueza na oposição? (1)
_________________________________________
__________________________
(2) ________________________________________
__________________________
De acordo com Jeremias 20: 11-13, o que deve ser feito para a
oposição?
Qual relação (vertical ou horizontal) é a chave para viver na
vitória?

Capítulo 8
DEZ RAZÕES PARA ORAR, ORAR E CONTINUAR
ORANDO
Ora sem cessar (1 Tessalonicenses 5:17).

Se Deus o chamou para começar uma igreja, uma célula ou um ministério,


você deve ser uma pessoa de oração. Aqueles que oran entram em novas
dimensões espirituais. Na verdade, a oração é o motor que lubrifica todos os
andaimes da igreja, e também o que desencadeia a benção de Deus. Ninguém
pode pensar que ele fará algo sem oração. A oração é como a respi- ração
saudável de um filho de Deus e de uma poderosa igreja. Como o mandato é
orar sem cessar, o pastor da nova igreja deve orar, orar e orar, mas também
deve promover a oração desde o primeiro dia.
A prática da oração foi a primeira instrução dada pelo após - tolo Paulo a
Timóteo, e a frase “primeiro de tudo” indica o lugar ea prioridade da oração
na vida do trabalhador:

Antes de tudo, exorto orações, orações, petições e ações de graças, para


todos os homens (1 Timóteo 2: 1).

Por exemplo, orar sem cessar é uma das atividades mais importantes que
nunca devemos negligenciar. No entanto, alguns, infelizmente, não têm a
sensação de urgência para orar. É em tempos difíceis, que eles se lembram de
orar intensamente, e na- quela hora a oração é como fazer swipes na água de
alguém que está se afogando. É quase impossível orar bem nessas circuns-
tâncias. Só então você perceberá a importância de orar antes que as coisas
ruins aconteçam.

(1) Jesus não orou quando foi preso, orou antes da crise.

Não se surpreenda com o dia ruim, faça um bom reservató - rio de suas
orações perante Deus, para que os recursos que você precisará em tempo
hábil sejam liberados. Além disso, os frutos de muitas das orações serão
vistos nos próximos anos.

E quando ele tomou o livro, os quatro seres vivos e os vinte e quatro anciãos
caíram diante do Cordeiro; todos tinham harpas e taquetas de ouro cheias de
incenso, que são as orações dos santos (Apocalipse 5: 8).

(2) Ore, antes, durante e após cada atividade E, deixando-os, voltou e


orou pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras (Mateus 26:44).

Eu acho que isso pode ser o que Jesus quer dizer “ Ele orou pela terceira
vez”. Você deve orar antes, durante e depois de toda atividade. Antes, para
que Deus abrir portas, durante, para que Deus apoie e confirme com frutos, e
depois, para que Deus pre- serve o fruto, de outra forma o maligno vem e
rouba o fruto.

E estes são esses pelo caminho: em quem a palavra é semea - da, mas depois
que eles a ouvem, Satanás vem imediatamente e tira a palavra que foi
semeada em seus corações (Marcos 4:15).
(3) Orar com a família
Eu e a minha casa serviremos a Jeová (Josué 24:15).

Quando você é parte de uma família ministerial, você não deve perder a
oportunidade de orar. Cada vez que um membro da família vai em uma
missão especial, os outros cobrem isso em oração. O acordo na oração da
família é muito poderoso.

Mais uma vez, eu digo a você que, se dois de vocês concor - darem na Terra
sobre qualquer coisa que eles perguntem, será feito por eles por meu Pai, que
está nos céus (Mateus 18:19).

(4) Ore para que os trabalhadores sejan pilares

Por exemplo, uma das orações que nunca deve faltar no iní - cio da nova
igreja, e sempre é para os trabalhadores que já estão servindo e para mais
trabalhadores. Peça a Deus para adicionar aqueles que o ajudarão a cumprir a
visão que Deus lhe deu, pessoas que se juntarão para apoiar seu projeto.

Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua


seara (Mateus 9:38).

O novo trabalho precisa urgentemente de trabalhadores, e estes devem surgir


na oração. Jesus passou a noite toda orando por seus discípulos, e alguns
acreditam que, sem orar, simplesmente aparecerão um dia. Na verdade, é
certo, mas não sem primeiro orar por eles. Se você orar e pedir a Deus para
os tra- balhadores, Ele os dará a você. Ore e os céus vão se abrir. Jesus nos
ensinou a pedir para receber. Que esta oração seja parte de sua vida diária.
Peça a Deus para pessoas comprometidas, que também são fiéis para você e
sua visão. Orar com fé que Deus trará as pessoas que o apoiarão em tudo o
que você empreende.

Pedi o que quiserdes, e vos será feito (João 15:7).

Deus é aquele que acrescenta às pessoas que se juntarão à visão. Estes, não
virão como pode vir alguém que costumava manipular até mesmo para
convencer, nem será necessário recrutá-los como fazem algumas igrejas.
Deus fará o impossível. Davi disse: Abençoado seja aquele que você escolher
e atrair para você (Salmo 65: 4).

(5) Ore pela sabedoria para liderar


Também se deve orar pela sabedoria para liderar. Salomão pediu sabedoria e
Deus deu a ele.

Dê-me agora sabedoria e conhecimento, para me apresentar diante deste


povo; porque, quem será capaz de governar esse seu grande povo? (2
Crônicas 1:10).

Dê, então, ao seu servo um coração compreensivo para julgar seu povo e
discernir entre o bem e o mal; porque quem pode governar esse seu
grande povo? (1 Reis 3: 9)

(6) Ore sem cessar


Ore sem cessar (1 Tessalonicenses 5:17).

Eu recomendo que você mantenha uma média de uma reunião de oração por
semana e mais quando você está começando a igreja. Além disso, não espere
resultados rápidos dessas orações, mas você deve saber que os resultados
dessas orações virão em todo seu ministério.

Suas orações e suas esmolas subiram para um memorial diante de Deus


(Atos 10: 4).
Quando começamos a igreja, oramos todas as noites a noite toda por mais de
dois anos. Eram vigílias de oração muito intensas. Essa foi a base do nosso
ministério, orar, orar e orar.

Eu também recomendo orar no lugar onde as reuniões devem ser realizadas,


cercando-a em diversas orações, para limpar o lugar de toda caverna do
maligno.

(7) Ore pela cidade


Na fé, os muros de Jericó caíram depois de os rodearem sete dias
(Hebreus 11:30).

Também cercar a cidade em oração para quebrar os convênios feitos pelo


oculto e abençoar os bairros e desencadear a benção quando passamos por
eles. Hoje, cada um de nossos líderes e seus grupos cercam a cidade de carro
e orar pela bênção e anulação de convênios que a feitiçaria faz contra ela.

Ao lutar contra Satanás, devemos lembrar sempre que ele é um inimigo


invisível, mas muito real. Além disso, usa muitas pessoas que
conscientemente ou inconscientemente trabalham para alcançar seus fins
malignos. Quando atravessamos estradas solitárias, encontramos altares e
oferendas que alguns emissá- rios do diabo fazem aos demônios para curar
esses lugares. Na verdade, cada pastor ou líder deve estar ciente de que, de
fato, é muito provável que haja uma atividade demoníaca muito próxima e
intensa.

Em uma cidade, uma igreja não cresceu e o pastor não sabia o motivo.
Depois de orar e perguntar a Deus sobre o motivo da esterilidade, alguém lhe
disse que quem o vendesse o lugar onde o templo foi construído cometeu
suicídio. O pastor decidiu in- vestigar mais e descobriu que este homem havia
feito um pacto satânico. E foi claro que ele teve que deschacer essa aliança
em oração e tudo mudou.

Para mim, a oração e a guerra espiritual são os fundamentos sólidos para o


início e a continuidade de uma igreja. A igreja é uma entidade espiritual, e
devemos estabelecer bases espirituais claras, caso contrário, quando não
oramos muito, podemos correr o risco de parecer um clube social.

(8) Ore para que Deus o livra do mal, do maligno e de toda malignidade

Nós também não devemos parar de orar para que Deus nos livra do mal, do
maligno e de toda malignidade. Quando começamos, não sabemos o terreno
que estamos pisando, nem com quem somos. O ministério cristão é um
caminho cheio de perigos: tentações, traições, críticas, rejeições, para as quais
apenas a graça de Deus nos sustenta. Alguém disse: “pode ser que a terra
esteja todo comprometida e seja como um campo minado, não sabemos que
bomba pode explodir, devemos ter muito cuidado”.

Estima-se que depois de três anos e meio no mesmo lugar, pode-se dizer que
alguém pode saber mais ou menos o que é e com quem ele pode contar. No
entanto, ele deve sempre observar e orar para não entrar em tentação, mas
também não dar lugar ao maligno.
Não entendo quantas pessoas são tão descuidadas, mesmo sabendo que o
maligno está procurando alguém para devorar.

Seja sóbrio e veja; Para o seu adversário, o diabo, como um leão


rugindo, anda, buscando quem possa devorar (1 Pedro 5: 8).

(9) Ore com grande determinação

Também recomendo confessar o que queremos, embora esta não seja uma
oração dirigida a Deus como um pedido, mas sim uma confissão de fé,
declarando o cumprimento de suas promessas. Através dele, confessamos,
determinamos e decreta- mos coisas que não são como se fossem.

(Como está escrito: eu fiz você o pai de muitas pessoas) diante de Deus, a
quem ele acreditou, que dá vida aos mortos e chama as coisas que não
são, como se fossem (Romanos 4:17).

Toda confissão feita na fé destrói a maldição e abre as portas da bênção. Pelo


contrário, o pessimismo desencadeia uma maldição e fecha as portas. Se a
pessoa se queixa ou pensa que não pode, não pode. Nós somos e temos o que
nós confessamos. Nossas palavras determinam nossa projeção.

Cada um está plenamente convencido em sua própria mente (Romanos


14: 5).

Quando oramos, ou confessamos, devemos ter uma con - fiança absoluta no


que fazemos. A fé é a convicção e certeza que nos faz fazer o que fazemos.

É, então, fé a certeza do que se espera, a convicção do que não é visto


(Hebreus 11: 1).

Sem fé, é impossível agradar a Deus, e menos dar frutos ou os resultados que
esperamos. Para avançar e conquistar, é preciso ter uma segurança absoluta.
Deus apoia apenas a convicção da fé. Quando há convicção, há segurança e,
quando há segu- rança, as portas se abrem e o futuro pode ser visto sem
sombras ou dúvidas.

Eu asseguro-lhe que se você orar com fé, o mesmo aconte- ceu com Jabez,
também acontecerá com você.

E Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Oh, se você me abençoe e


aumente o meu território, e se sua mão estivesse comigo, e você me
livraria do mal, para que não me prejudicasse! E Deus lhe deu o que ele
pediu (1 Crônicas 4:10).

Joshua também determinou que o sol e a lua deveriam parar e Deus apoiava
sua declaração pública.

Então Josué ... disse na presença dos israelitas: Sol, pára em Gibeão; E você,
lua, no vale de Ajalón. E o sol parou e a lua parou, até que as pessoas se
vingaram de seus inimigos. Isso não está escrito no livro de Jasher? E o sol
parou no meio do céu, e não se apressou em se colocar quase um dia inteiro.
E não houve um dia assim, nem antes nem depois dele, tendo assistido a
Jeová à voz de um homem; porque Jeová lutou por Israel (Josué 10:12).

Elias também determinou que não choveria por três anos, e isso aconteceu.

Então, Elias, o tisbita, que era dos habitantes de Gileade, disse a Acabe:
Como o Senhor Deus de Israel vive, diante de quem eu parto, não haverá
chuva ou orvalho nestes anos, exceto pela minha palavra (1 Reis 17: 1).

Elias era um homem sujeito a paixões semelhantes aos nossos, e orou


fervorosamente por não chover, e não choveu na Terra por três anos e
seis meses (Tiago 5:17).

(10) Ore e repreenda o inimigo

A oração que determina as coisas é usada muito na guerra espiritual para


repreender e expulsar o inimigo, também para determinar que os lugares ou
pessoas que foram tomadas pelo inimigo são livres de presenças impuras.
Este é exatamente o caso de Josué quando ele confrontou os reis amorreus.

Josué primeiro falou com Deus, e então ele ordenou as es- trelas do céu, e
eles obedeciam.

Então Josué falou a Jeová no dia em que o Senhor entregou o amorreu


diante dos filhos de Israel, e le disse na presença dos israelitas: Sol, pára
em Gibeão; E você, lua, no vale de Ajalón. E o sol. Ele parou e a lua
parou, até que as pessoas se vingaram de seus inimigos (Josué (10: 12-
13).

Você também pode determinar as coisas com sua declaração! Se você pode
assegurar que Deus luta por você, então você também pode declarar,
determinar e decretar coisas que não são como se fossem e você as verá!

E não houve um dia assim, nem antes nem depois dele, tendo assistido a
Jeová à voz de um homem; porque Jeová lutou por Israel (Josué 10:14).

Reflexão para começar uma igreja

Qual é o motor que lubrifica todos os andaimes da igreja? Em que lugar a


oração deve ocupar na vida do trabalhador? Você pode orar pela mesma coisa
várias vezes?
Por que, como e quando orar?
(1) _______________________________________

_____________________________
(2) _______________________________________
_____________________________
(3) _______________________________________
_____________________________
(4) _______________________________________
_____________________________
(5) _______________________________________
______________________________
(6) _______________________________________
______________________________
(7) _______________________________________
__________________________________
(8) _______________________________________
__________________________________
(9) _______________________________________
__________________________________
(10) ______________________________________
___________________________________

Capítulo 9 ACREDITAR, PREDICAR E ESPERAR O


CRESCIMENTO
A glória do rei está na multidão do povo; E na falta de pessoas a
fraqueza do príncipe (Provérbios 14:28).

Nas conferências pastorais é costume perguntar: quantos membros tem a sua


igreja? Tenho notado que muitos inflam fi- guras quando se trata de
mencionar o número de membros que sua igreja possui ou o número de
conversos em uma campanha. Parece que eles querem fazer uma aparição e,
portanto, fazer parte de um círculo seleto daqueles que estão fazendo as
coisas corretamente.

Nem é igual aos ouvidos das pessoas, dizendo: “Eu sou pastor de uma igreja
de vinte membros, o que eu digo que sou pastor de uma igreja de vinte mil
membros”.

Se fossemos especialistas em crescimento, também seria importante saber:


quando seria possível alcançar esse número? O pastor foi o fundador ou a
continuação do trabalho fundado por outro? Aquele que tem vinte membros,
há quanto tempo começou?

No início, Deus colocou a lei da reprodução em todos nós, tudo é reproduzido


de acordo com sua própria espécie. Isso também é especialmente verdadeiro
quando se trata do crescimento de uma igreja.

O crescimento da Igreja baseia-se nas Escrituras. Deus ama a humanidade


perdida; Ele quer que todos sejam salvos e sejam adicionados à sua igreja, e é
por isso que Ele enviou seu Filho para vir e redimir a humanidade da
condenação eterna. É importante entender essas verdades bíblicas e
teológicas para apoiar a pregação e a motivação do evangelismo em curso e o
necessário surgimento de novas igrejas.

Na verdade, existem muitos fatores que podem influenciar o crescimento de


uma igreja. Assim como (1) o crescimento depende de Deus, (2) recebê-lo
também depende do que estamos esperando pela fé. Isso significa que, desde
o início, você deve preparar sua mente para a multiplicação, pregar sobre o
crescimento, a conquista, além do melhor futuro que aguarda os filhos de
Deus. Isto é para pregar esperança, vitória, conquista. Este tipo de pregação
irá alimentar a auto-estima das pessoas e prepará-las para que possam receber
o que Deus preparou para aqueles que as amam (1 Coríntios 2: 9). As pessoas
gostam de saber que o que está por vir é muito melhor do que o que eles estão
vendo.

A publicidade, o marketing, a boa organização ou a locali - zação do edifício


da igreja e suas comodidades são importantes, mas não são tão importantes
quanto a unção de Deus para o crescimento e a presença do Espírito Santo.

Assim, nem aquele que planta é nada, nem o que rega, mas Deus que dá
o crescimento (1 Coríntios 3: 7).

As riquezas e a glória vêm de você (Deus), e você domina tudo; na sua


mão é força e poder, e na sua mão grande obra e poder para todos (1
Crônicas 29:12).

Que há duas ou três pessoas no início para confirmar sua tarefa como um
pioneiro é bom, mesmo que não esteja errado, é apenas o começo. Se o grupo
é saudável, ele deve crescer. Não se conforme com o pouco, porque Deus não
quer que ninguém se perca e isso é sobre multidões.

Todo ramo que não dá frutos em mim o tirará; e todos os que tiverem
frutos limparão, para que isso dê mais frutos (João 15: 2).

O fruto deve multiplicar-se por um processo natural, e como é limpo, dá mais


frutos. Nenhuma árvore adquire muito altura durante a noite, nem qualquer
ser humano, e muito menos a igreja. Se você estiver com pressa, você não
terá sucesso no início de uma igreja, você deve primeiro trabalhar para isso.

Os bens comprados com pressa no início não serão abençoados no final.


(Provérbios 20:21).

Aprenda as estratégias que as grandes igrejas usavam para crescer. Leia os


livros dos pastores das grandes igrejas. Conheça suas experiências, adquira a
visão para liderar uma grande igreja. É assim que começa! Estive estudando o
crescimento da igreja há anos e pela misericórdia de Deus, fui capaz de
visitar a maioria das maiores igrejas do mundo. De todas essas visitas
aproveitei, e eu sei, que se você tiver um espírito de conquista, o crescimento
virá inexoravelmente, e a grande igreja é sua terra de conquista.

Quando você pensa que pode, o Espírito Santo fará o que é necessário para
você conseguir isso. Seja fiel em pouco, e Deus o colocará demais. Os
começos da igreja e do grupo pequeno são apenas um ensaio ou prática que o
prepara para muito. Se você pode lidar com o pequeno, você terá os
conhecimentos necessários para lidar com isso. Mas se você não conseguiu
administrar o pequeno, como você pode pensar que Deus vai te dar muito? O
pequeno é a semente dos milagres!

Lembro-me de que, quando começamos a igreja, ninguém tinha um carro,


hoje a avenida onde estamos é preenchida por muitos quarteirões com os
carros que se estacionam para participar de nossas reuniões. Eu também
lembro de ter orado por cada cadeira para preenchê-lo, e hoje não temos
cadeiras para as pessoas.

Há pessoas que não acreditam no crescimento, e se desculpam dizendo que o


mais importante é a qualidade. É como se eles dissessem: “Nós somos
poucos, mas bons”. Da Bíblia, eu digo que, se forem bons, não devem ser
poucos. Os números são importantes. É um fator determinante para confirmar
a pre- sença de Deus, porque “o crescimento é dado por Deus”.

Quanto à quantidade, não me refiro a meros números, que se somam,


independentemente de quem eles sejam. Isso é o que os políticos fazem, e
aqueles que fazem aparências, pagam as pessoas para que atinjam suas ações.
Pelo contrário, aqueles de nós que acreditamos no crescimento não contam
com a espuma efervescente que surge em qualquer evento atraente. Nem esta-
mos preocupados com o que as pessoas pensam, nem fazemos algo para
mostrar uma ótima reunião e impressioná-los para ver o quão bom somos.

Nós contamos almas redimidas pelo sangue de Jesus, nascido de novo e


pessoas envolvidas no ministério regularmente. Infelizmente, os
inexperientes e aqueles que vivem de emoções estão enganados com números
sem critérios de gestão. Você também deve se organizar para o crescimento e
se tornar um supervisor de crescimento, porque ele virá.

Uma grande igreja é mais provável atrair mais pessoas do que uma pequena
igreja, (1) há mais pessoas testemunhando, evangelizando, (2) orando, (3)
oferecendo, (4) fazendo guerra espiritual e (5) cobrindo mais terreno.

Se olharmos os montantes no crescimento do ministério de Jesus, foi o


primeiro:
1 (Andrés).
2 (Andrés e Simón Pedro).
12 (Os apóstolos).
70 (Os discípulos que foram enviados dois a dois).
120 (Os discípulos se juntaram em um grande cenáculo).
500 (As testemunhas de sua ressurreição).
3.000 (aqueles reunidos no dia de Pentecostes).
4.000 (Aqueles que alimentaram a primeira vez multiplican- do os pães e os
peixes).
5.000 (Aqueles que alimentam a segunda vez).

Deus está interessado no tipo de trabalho que estamos fazen - do, mas
também está muito interessado no crescimento e extensão do seu reino. Se
todos os membros da igreja estiverem comprome- tidos com o ministério da
reconciliação, todos devem participar na divulgação do Evangelho. Para isso,
espera-se que eles também estejam convenientemente equipados para fazê-lo
bem.

O grau em que uma igreja independente do seu tamanho é capaz de projetar


seus membros para o trabalho de evange- lização também será eficaz para
alcançar sua expansão. Este procedimento é imperativo para tornar cada
membro da igreja alguém útil para o progresso do evangelho. Sempre
lembre-se, o crescimento depende de Deus, mas a extensão do reino depende
da igreja, como organiza e projeta suas atividades para alcançar o perdido.

Reflexão para começar uma igreja

O que os grupos pequenos significam no início? Explique a diferença entre


qualidade e quantidade. O que confirma a quantidade entre outras coisas?
Como o crescimento realmente conta?
O que o inexperiente e o emocional sofrem no início do

ministério?

Quais são as chances de uma grande igreja que não tenha uma pequena
igreja?
(1) _______________________________________
_____________________________
(2) _______________________________________
_____________________________
(3) _______________________________________
_____________________________
(4) _______________________________________
_____________________________
(5) _______________________________________
_____________________________
O que reflete o verdadeiro potencial de uma igreja, indepen- dentemente do
tamanho do projeto?

Capítulo 10 O VERDADEIRO CRESCIMENTO


Então ele (Jesus) disse para eles: Por que você me procurou? Você não
sabia que no negócio de meu pai eu preciso ser? (Lucas 2:49)

Como a verdadeira prosperidade começa com a própria, então o verdadeiro


crescimento de uma igreja começa com seus próprios frutos. Não quero dizer
que aqueles que vêm de outras igrejas não podem servir com dignidade, nem
podem ter o mesmo DNA que a igreja anfitriã. Mas os próprios frutos,
aqueles que foram gestati- zados pela mesma igreja, se devidamente
treinados, correrão rapi- damente na visão da igreja. Os membros ganhados
pela igreja, têm o mesmo DNA que o pastor e os líderes da igreja, aqueles
que vêm de outras igrejas devem adquiri-lo o mais rápido possível.

O DNA é a visão e a missão da igreja, quando os membros estão envolvidos,


então é quando o sonho de Deus é cumprido: que ninguém perece, mas que
todos procedem ao arrependimento (2 Pedro 3: 9).
Para mim, o significado da frase que Jesus disse: “O negó - cio do meu pai”
resume o que é o ministério cristão, quais são as almas. Nunca se deve
esquecer que Deus só está interessado na salvação das almas. Por este Cristo
veio, morreu e ressuscitou, e essa foi a principal razão pela qual Jesus fundou
sua igreja.

Porque Cristo por isso morreu e ressuscitou, e viveu novamente, para ser
o Senhor dos mortos quanto aos que vivem (Romanos 14: 9).

Não quero ver as pessoas como os mercenários que querem tirar proveito
delas podem vê-lo, nem aqueles que querem contar como números ou meros
troféus para conquistar, mas para vê-los com um coração cheio de amor e
compaixão para que possam ser salvos e ajude-os a crescer e a cumprir o
propósito de Deus.

A salvação das almas é a visão que deve permear todos os ministérios da


igreja desde o início. Nada deve competir ou ofuscar o propósito de
evangelizar e discipular, isto é, ganhar e cuidar das almas.

Qualquer atividade deve ser focada em (1) salvação e (2) o cuidado dos
membros, apenas dessa forma qualquer esforço é justificado através da igreja.
Isso deve ser predominante em todas as atividades da igreja: (1) testemunhar
corajosamente, (2) pregar Cristo sem cessar, (3) convidar as pessoas a
aceitarem Cristo, (4) orar por elas e (5) ) convide-os para a igreja.

Um deve falar a tempo e fora do tempo do evangelho, sem ser encarregado


ou mal colocado. Você pode ficar na rua e ofe- recer literatura evangelística e
colocar-se como uma referência de Deus, no lugar onde você está começando
a igreja. Se você é intimidado ou envergonhado, você não vai chegar muito
longe no ministério. Liderar uma igreja requer (1) caráter e caráter depende
(2) de uma boa identidade cristocêntrica.

Se você semear as sementes diariamente, um dia você irá colher diariamente.


Através de testemunhos e convites públicos, um dia você colherá o que você
sembrou. Nunca pare de semear, o fruto é dado por Deus e Ele sempre honra
e prospera o que fazemos com a fé. Agora, quando as pessoas começam a
chegar, comemore, é Deus que dá o crescimento.
Não negligencie os visitantes, (1) conheça seus nomes e (2) a condição, como
eles chegaram. A igreja perde mais frutas, pela negligência das visitas, do que
daqueles que se recusam a vir. Implementar estratégias de retenção de frutas,
pode ser chama- do de consolidação ou monitoramento, mas não pode perder
essas estratégias, para garantir que elas permaneçam.

Quando cheguei em uma igreja, ninguém me cumprimentou. Mesmo que


fosse uma igreja muito pequena, pensei que era um grande descuido. As
reuniões passaram e, como ninguém veio me cumprimentar, comecei a dizer
olá. Eu decidi tomar a iniciativa, porque eu poderia morrer esperando por
alguém me cumprimentar. Você entende o que quero dizer? Se uma pe-
quena igreja não cumprimenta, é porque não tem interesse em conhecer
alguém novo, e esse não é o Espírito de Deus.

Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senho (Salmos 122:1).

Devemos convidar as pessoas para a igreja e recebê-las com amor e


cordialidade. Além disso, motive os membros a convidarem em cada reunião.
Ore pelas pessoas, evangelize-as e cuide-as de crescerem. Deve haver
evangelização de pessoa para pessoa nas ruas, nas praças, projeção de filme,
literatura, visitas a hospitais, programas de rádio, campanhas ao ar livre e
peças de teatro. Faça tudo o que puder, com tudo o que você tiver, enquanto
estiver. Deve vir um dia que podemos dizer: fiz tudo para ganhar mais uma
alma para Cristo.

Eu fiz tudo para todos, para que, em qualquer caso, eu salve alguns (1
Coríntios 9:22).

Se há poucos ou muitos na igreja nascente, eles devem sem - pre estar


motivados para (1) compartilhar sua fé com os outros e (2) comprometer-se
também com o crescimento.

Lembro-me de que eu estava pregando em uma praça no meio do inverno e


ninguém novo estava à nossa volta. Nós tínhamos quatro ou cinco pessoas,
incluindo minha esposa e minhas duas filhas. O frio foi muito intenso e
pareceu que ninguém estava nos ouvindo, mas encorajava aqueles que
estavam a ouvir aceitar a Cristo.
Dois dias depois, uma pessoa veio a mim para me dizer que ele havia orado.
Perguntei-lhe: como? Se eu não tivesse visto ninguém desconhecido. Ele me
disse que estava em casa e se identificou com o que eu disse, mas ele não se
atreveu a sair por causa do preconceito. Lá eu aprendi que se agimos com fé,
mes- mo que pareça inútil, e não vemos nada, sempre haverá frutos.

Pois em toda obra há frutos (Provérbios 14:23).

Eu acredito que (1) quando esgotamos os esforços para conquistar pessoas


para Cristo e (2) demonstramos que esta é a nossa principal intenção ao
iniciar uma igreja, só então o verdadeiro fruto da parte de Deus começará.
Caso contrário, só nós distraímos e continuaremos a ser infrutíferos.

Quando começamos a igreja, a falta de crescimento, me fez entrar como em


uma agonia. Eu andei orando em toda a cidade pedindo em oração por
crescimento, até que Deus ouviu minhas orações e começou a adicionar os
frutos e até agora não parou de fazer. Glória a Deus! Não entendo como
alguns que iniciam novas igrejas, não oram, não evangelizem nem têm o peso
da falta de crescimento.

Porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido (Gálatas


6: 9).
Reflexão para começar uma igreja

Como o crescimento real começa?


Qual é o DNA de uma igreja?
¿De qué se trata el ministerio cristiano?
No que é que Deus está interessado?
Sobre o que a atividade da igreja deve focar?
(1) _______________________________________

______________________________
(2) _______________________________________
______________________________
O que deve ser predominante em todas as atividades da
igreja?
(1) _______________________________________
_______________________________
(2) _______________________________________
_______________________________
(3) _______________________________________
_______________________________
(4) _______________________________________
_______________________________
(5) _______________________________________
_______________________________
(6) _______________________________________
_______________________________
O que é necessário para liderar uma igreja?
(1) ____________________________________
___________________________________
(2) ____________________________________
___________________________________
O que eles devem fazer quando as pessoas começam a chegar na igreja?
O que deve ser feito com as visitas?
(1) ____________________________________
___________________________________
(2) ______________________________________
_________________________________
Como é que você perde mais frutas em uma igreja? O que os membros de
uma igreja sempre devem ser motivados
a fazer?
(1) ______________________________________
___________________________________ (2)
______________________________________
___________________________________ Quando começa o verdadeiro
fruto?
(1) ______________________________________
___________________________________

(2) ______________________________________
___________________________________

Capítulo 11
CINCO RAZÕES PARA TER UM MINISTRO FELIZ
Melhor um punho cheio de descanso, que os dois punhos cheios de
trabalho e aflição de espírito (Eclesiastes 4: 6).

Acabamos de começar a igreja e recebemos uma visita de um pastor por


vários dias. Quando dissemos adeus, ele disse: “Vejo que você tem um
ministério feliz”. Não fiquei surpreso, o que ele disse, porque não entendo o
ministério de outra maneira, eu realmente gosto do que faço. Embora eu não
ignore, muitos sofrem o ministério: (1) por falta de crescimento, (2) por falta
de recursos, (3) por falta de trabalhadores, (4) por uma auto-estima pobre, (5)
por fofoca, ( 6) por críticas ou (7) problemas familiares ou financeiros, em
suma, pode haver muitos problemas. Em relação aos problemas, seria muito
bom descobrir, (1) se somos a causa, ou (2) parte da solução. Devido à falta
de crescimento, ineficiência ou falta de colaboração, você não pode continuar
a culpar os outros.

O líder deve sempre fazer uma crítica, e assumir como uma boa medida,
trabalhar nas áreas que são suas fraquezas de caráter e personalidade.

Com o que um ministério feliz depende?

Ser feliz no ministério faz parte de uma condição espiritual. É a capacidade


de se contentar com o que quer que seja, seja com roupas, comidas ou com
um lugar para viver. Na realidade, essas coisas não são tão importantes, como
são, para se concentrar no serviço de Deus, então, a verdadeira felicidade é
fazer a vontade de Deus.

Jesus diz: Minha comida (satisfação) é fazer a vontade daquele que me


enviou e terminar sua obra (João 4:34).

Creio fundamentalmente que ter um minisgerio feliz tam - bém depende (1)
da graça e (2) da misericórdia de Deus, (3) além da confiança em Deus para
superar os problemas. Podemos ser muito capazes, ativos e esforçados em
tudo o que fazemos, mas, se não temos o principal, tudo é inútil. O principal é
que o líder confie em Deus por tudo e mantenha uma comunhão muito
próxima com Ele.
Se o Senhor não edificar a casa, os que a edificam trabalham em vão
(Salmo 127: 1).

1) Reconheça Deus acima de tudo Nossa ajuda é em nome de Jeová, que


fez o céu e a terra (Salmo 124: 8).

Como você verá, é Deus e somente Deus que tem o mérito para que tudo
funcione bem. Jesus diz: sem mim você não pode fazer nada (João 15: 5). A
comunhão com Deus é vital para ter um ministério feliz, mas também a
convicção de que Deus é so- berano e tem tudo sob controle. Sem Deus,
somos como címba- los que reatam, em outras palavras, podemos falar e até
funcionar como ministros, mas sem frutos. Além disso, seríamos absoluta-
mente vulneráveis a todos os tipos de perigos. Por outro lado, a comunhão
com Deus nos dá tudo o que precisamos.

Reconheça-o em todos os seus caminhos e Ele irá confirmar o seu


caminho (Provérbios 3: 6).

Às vezes, as pessoas acreditam que os pastores não têm pro - blemas, no


entanto, temos e muitos. Só que fazemos o trabalho de Deus plenamente
confiante em sua assistência, e Ele nos ajuda a superá-los.

Os líderes tentam todo o tempo se centrar em Deus e fazer a vontade dele, e


isso significa que nossos olhos não estão focados nas circunstâncias. Isso não
nos isenta da responsabilidade, nem de estar ciente dos problemas, mas nos
faz levantar os olhos para Deus e olhar além das circunstâncias para não parar
de fazer a sua vontade.

Deus nunca usou pessoas perfeitas, mas aqueles que em meio a problemas
não deixam de lado suas mãos e confiam nele para superar. Noah teve
problemas com beber, no entanto Deus o usou. Abraão teve problemas com a
mentira, mas Deus também usou. Rahab, a prostituta teve problemas morais e
foi útil para servir o povo deDeus. O fato dequeDeus podenos usar não sig-
nifica que não temos problemas ou que temos licença para fazer qualquer
coisa. Sem chegar a justificar as fraquezas ou problemas que temos com o
nosso caráter ou pecados, mesmo assim, Deus pode nos usar se for sincero.

Deus que é perfeito, usa pessoas imperfeitas. Ele usa pessoas comuns para
fazer coisas extraordinárias.
É o que Paulo está se referindo quando diz: Temos esse tesouro em vasos
de barro (2 Coríntios 4:7).

Todos nós que servimos a Deus sabemos que há uma prioridade: fazer a
vontade de Deus sem importar o custo. Eu gosto de dizer: devemos fazer a
sua vontade, embora estejamos sangrando, isso nos faz muito felizes.

1) Dê glória a Deus acima de tudo

Eu sou Jeová; Este é o meu nome; e para outro não darei a minha glória,
nem meu louvor às esculturas (Isaías 42: 8).

A vida de todo o trabalhador fiel deve ser apoiada em Jesus Cristo e em Sua
Palavra, e não no povo, nem nas conquistas que ele possui, nem nos presentes
que ele possui. Embora a atividade, o esforço pessoal e as realizações possam
confundir qualquer um, quando é necessário reconhecer que as coisas
funcionam, elas nunca confundem o trabalhador fiel. Porque quando muitas
pes- soas atribuem os resultados à estratégia, ao empurrão, aos dons ou ao
carisma, e mesmo à mesma fé que teve, o trabalhador fiel, sabe que Deus é o
único que produziu a vontade e o trabalho por sua boa vontade.

Eu sou a videira, você é os ramos; Aquele que permanece em mim, e eu


nele, ele tem muitos frutos; Para além de mim, você não pode fazer nada
(João 15: 5).

2) Procure a comunhão com Deus acima de tudo


Delicie-se com a Jeová, e ele irá conceder-lhe os pedidos do seu coração
(Salmo 37: 4).

Se você quer um ministério feliz, você deve cuidar muito de sua comunhão
com Deus, que seja a primeira coisa da manhã e que, ao longo do dia, sua
mente também o reconheça. Você sabe que pessoas, atividades, costumes,
objetivos ou sonhos podem distraí-lo muito e ainda distanciá-lo de Deus. No
entanto, se você deseja manter a chama do fogo de Deus em você, e o
entusiasmo em tudo o que você faz, você deve vigiar. Ore, leia a Palavra, não
só para receber a revelação para pregar o próximo sermão, mas para manter a
comunhão com Deus. Ore, mas a sua oração não é um recurso de urgência,
mas que seja a oração de um filho que fala com o Pai. Priorize seu momento
devocional, nunca vá em- bora sem ter estado cara a cara com Deus. Tome o
exemplo dos grandes servos de Deus. Veja o que o rei Davi e Daniel fizeram
regularmente e faça também:

Davi falou em oração: ó SENHOR, pela manhã, ouvirás a minha voz; Na


manhã eu vou aparecer diante de você e esperar (Salmo 5: 3).

Daniel, ajoelhou-se três vezes ao dia e orou e deu graças antes de seu
Deus, como costumava fazer antes (Daniel 6:10).

Você não pode pretender construir algo estável e glorioso sem uma
comunhão permanente com Deus. Somente Deus faz público o que fazemos
com Ele em privado.

E seu Pai, que vê em segredo, irá recompensá-lo em público (Mateus


6:18).

O que fazemos em segredo é o que realmente conta. Não temos que dizer que
lemos a Bíblia, ou que oramos, ou que somos bons maridos ou bons pais,
tudo isso será notável. Nosso rosto, estabilidade e frutas mostrarão quem nos
apoia e de quem depen- demos. Caso contrário, o fogo da unção de Deus se
extinguirá, e o entusiasmo pelas coisas de Deus e sua igreja desaparecerá, e
no lugar virá a queixa e a tristeza.

Quando faltam os frutos, seria bom nos perguntarmos por que eu não tenho
frutas?
É hora da fruta:

Uma banana chega a uma parada de ônibus e encontra uma pêra e pergunta:
“Faz tempo que é pêra?” A pêra responde: “Não, eu sempre fui uma pêra”.

Talvez você não dê frutos porque você não nasceu mais uma vez. Isso faz
você parecer algo que você não é.
Pode ser que você não dê frutos por causa da sua imatu- ridade:
Uma maçã cai de uma árvore, e as outras maçãs na árvore se divertem. A
maçã que caiu, diz-lhes: “Imaturos”.
Algo deve acontecer para você dar frutos:
Descubra o trabalho:
1º Ato. Passe uma maçã. 2º Ato. Passe uma banana. 3º Ato. Uma pera passa.

Nome do trabalho: Não passa laranja. (Na Argentina “Não passa laranja“é
uma expressão que identifica algo que não funcio- na ou nunca nada
acontece).

3) Faça o trabalho de Deus acima de tudo

Aquele que inicia uma igreja, não deve ser distraído. Na realidade, todo
pastor deve acreditar que seu ministério será projetado de maneira irreflexiva,
porque se sabe quando e onde começa, mas não sabe onde ou como isso
acaba. Se você é uma pessoa capaz, empreendedora e ativa, você ficará muito
tentado a cuidar de outras coisas e desativar o trabalho de Deus. Enquanto
aqueles que não perdem o objetivo de salvar almas, eles sabem o que querem
e eles conseguem. Como Neemias, eles dizem: eu faço uma ótima obra e não
posso deixá-la (Neemias 6:3).

Independentemente de você dedicar tempo parcial, ou dedicação exclusiva,


você deve se concentrar no que deseja alcançar e não se preocupar com
coisas materiais. O apóstolo Paulo diz: mas uma coisa que eu faço (Filipenses
3:13). Ele não se envolveu com partidos políticos, nem com causas em defesa
de direitos huma- nos, nem em tarefas puramente de bem-estar ou negócios
lucra- tivos. Seu objetivo principal foi e é a pregação, ensino e salvação das
almas. Se houver uma tarefa de ajudar os outros, a pregação ou ensinar a
Palavra não pode estar ausente. Então, sim, são boas obras!

Ninguém que milita fica enredado nos negócios da vida, para agradar a
quem o levou por um soldado (2 Timóteo 2: 4).

Se você não se concentrar e se dedicar intencionalmente, você não conseguirá


nada. Aqueles que querem abraçar e aproveitar as oportunidades ficam
confusos e perder a objetividade. Então, aqueles que estão buscando
resultados sem discernir o que está por trás deles. Você deve saber que o
maligno também pode dar-lhe coisas, mas lembre-se sempre, se ele não pode
detê-lo, ele irá empurrá-lo para cair.

4) Reconheça que o trabalho e as almas são de Deus


Não como ter domínio sobre aqueles que estão a nosso cuidado, mas
sendo exemplos do rebanho (1 Pedro 5: 3).

O líder com baixa auto-estima pessoal espera que as pessoas confirmem de


acordo com o que ele faz, mas o líder com uma boa auto-estima é confirmado
por Deus antes de estar com as pessoas. Devido a isso, um dos maiores
problemas experimentados por líderes com baixa auto-estima é que eles
sempre contam com pessoas, ficam entusiasmados com as pessoas e esperam
de- mais das pessoas. Parece que eles não conheciam a natureza da raça
humana (ver Romanos 1), e idealizam as pessoas. Enquanto líderes com
equilíbrio emocional, eles só se ligam a Deus e fazem o que devem fazer
conscienciosamente, independentemente das pessoas. Eles lidam com grande
convicção e não procuram fazer amigos, mas para cumprir o propósito de
Deus. A amizade, e o relacionamento para eles tem apenas um propósito,
para dar glória a Deus.

Bem, agora busco o favor dos homens ou de Deus? Ou eu tento agradar


os homens? Pois, se ainda agradasse os homens, não seria servo de Cristo
(Gálatas 1:10).

Aqueles que têm uma autoestima balanceada, sabem que o que eles podem
receber em troca ou têm como resposta das pessoas é pura misericórdia e
graça de Deus. A verdade é que, se eles se comportam como Deus quis,
mesmo seus inimigos estarão em paz com eles.

Quando os caminhos do homem são agradáveis a Jeová, até os seus


inimigos o fazem em paz com ele (Provérbios 16: 7).

Reflexão para começar uma igreja


Quais os motivos que podem fazer você sofrer o ministério em vez de
aproveitá-lo?

(1) ________________________________________ (2)


_______________________________________ (3)
________________________________________

_____________________________
(4) ________________________________________
_____________________________
(5) ________________________________________
_____________________________
(6) ________________________________________
______________________________
(7) _______________________________________
_______________________________
O que deve ser encontrado sobre os problemas? (1)
________________________________________
______________________________
(2) ________________________________________
______________________________
Em quais áreas o líder deve fazer um eu crítico? Com o que um ministério
feliz depende?
(1) ________________________________________
________________________________
(2) ________________________________________
________________________________
(3) ________________________________________
________________________________
Qual é a principal coisa no ministério?
Quem tem o mérito principal para que tudo funcione bem? Onde nossos
olhos devem estar focados em fazer o trabalho
de Deus?
Deus usa pessoas perfeitas para fazer seu trabalho? Qual é a prioridade no
serviço a Deus de que nada deve impedir que se realize?
Em quem e sobre o que o trabalhador fiel deve ser apoiado? (1)
________________________________________
________________________________
(2) ________________________________________
________________________________
.

Capítulo 12
TOME CUIDADO DO MINISTÉRIO
Que cada um veja como ele constrói (1 Coríntios 3:10).

Já começamos, mas tenha cuidado com a forma como con - tinuamos. É um


privilégio servir a Deus, mas também uma grande responsabilidade que não
devemos negligenciar. A tarefa de assistir e orar vale a pena para sempre.
Nunca devemos deixar de estar atentos. O maligno não descansa e quer nos
ver derrotados. Quando, com minha esposa, começamos o ministério, um
pastor veterano que já estava falecido nos avisou sobre as minas que
poderiam explodir em nosso caminho, ele nos disse: “Cuide-se”.

Confesso que esta recomendação me marcou para sempre. Hoje eu posso


dizer o mesmo, mas alguns ignoram esse aviso, são negligenciados e são
desprovidos de direitos do trabalho por diferentes motivos. Aqui estão dez
razões que não devemos ig- norar, porque se as ignorarmos, elas explodem
destruindo tudo.

Dez problemas que podem arruinar o ministério


1) Problemas de auto-estima
Porque em Deus vivemos e nos movemos, e nós somos (Atos 17:28).

Os problemas de auto-estima resultam da falta de comun - hão com Deus e


fazem com que a pessoa tenha relações não saudáveis com as pessoas. Por
complexos ou sentimentos de inferioridade ou superioridade, eles se tornam
dependentes de pessoas ou superprotectas. Há também aqueles que dependem
de pessoas, ou têm medo deles e são até subordinados a eles, ou estão
obcecados com o controle. Pelo contrário, quem quer que tenha uma auto-
estima equilibrada se relacionará com a total naturalidade, não impõe a voz,
nem procurará adaptar sua aparência para ser aceito.

2) Problemas com vícios

Todas as coisas são legais para mim, mas nem todos concordam; Todas
as coisas são legais para mim, mas não serei dominado por nenhum (1
Coríntios 6:12).

Infelizmente, há aqueles que iniciam o ministério com pe - cados ocultos, seja


porque fumam, droguem, bebem, manten- ham o hábito da pornografia e são
atraídos pelo sexo oposto, sentem atração excessiva por dinheiro, ou por
crianças, ou são violentos em suas casas. Mais cedo ou mais tarde, tudo é
descoberto. É muito diferente reconhecer sua fraqueza e confessá-la A Deus,
ao líder, e se o líder vê mudanças, e uma atitude correta de consagração pode
garantir ou não seu progresso. É desconfiar de quem mantém pecados
crônicos ou fraquezas!

Por exemplo: Judas Iscariot nunca deixou de ser atraído pelo dinheiro e essa
foi a causa de sua queda.
3) Problemas financeiros

Pois, se alguém não providencia os seus, e especialmente para os de sua casa,


ele negou a fé e é pior do que um incrédulo (1 Timóteo 5: 8).

Quando falo com os empresários, mencionar que existem três aspectos que
devem ser levados em consideração. Acredito que, nesses três aspectos, o
sucesso ou o fracasso de qualquer liderança ou empresa seja resumido.

a. O personagem do empreendedor. É ter segurança e firmeza para tomar


decisões. Isso tem a ver com convicção, atitude, força de vontade e
determinação para fazer algo sem hesitação.

b. A capacidade do empreendedor. É saber o que fazer e fazê-lo bem. Isso


tem que ver com a competência ou experiência para fazer algo e ser
profissional no que faz.

b. A mentalidade do empreendedor . É ter uma visão clara, mas também a


possibilidade de projetar com uma boa administração e organização.

Alguns têm o caráter e a capacidade de serem empreendedores, mas eles não


têm a mentalidade de serem empresários. Outros têm a mentalidade e
capacidade de serem empresários, mas eles não têm caráter. O mesmo
acontece com os pastores, eles podem ter o desejo e até a capacidade, mas se
eles não têm visão, eles não sabem como se organizar ou administrar, eles
não podem fazer bom uso do que Deus lhes deu.

Como os começos são difíceis, também a falta de recursos, mas este é o


começo ideal, para que a promessa seja cumprida: “No pouco você era fiel,
em muito eu o colocarei”.
Sabe-se, desde o início, não engordar novos membros com um desafio
financeiro para adquirir um edifício da igreja, pois isso pode desencorajá-los
e repelir-los. Nem pode começar, dependendo de pessoas desconhecidas, ou
pedir dinheiro emprestado, a menos que tenha vontade de pagar e também
controle a dívida. Os empréstimos geram hábitos de dependência e limitam
todos os começos. Muito diferente é que aqueles que emprestam, estão
dispostos a assinar um empréstimo, para estabelecer as regras do acordo.

O líder ou pastor deve ser muito claro sobre sua relação com o dinheiro e a
imagem que ele pode estabelecer, se ele vem dar a impressão de que depende
dele ou está muito interessado em tê-lo. Muitos ministérios foram
desacreditados por causa do dinheiro, quer porque seus líderes, o tempo todo
pediram dinheiro, ou apresentaram má administração. Ou, porque eles o
receberam, não importa de quem eles vieram, ou eles mostraram grande
ambição ao fazer apelos para colaborar em um projeto.

Você deve saber que a vida de um homem não consiste na abundância de


coisas que ele possui (Lucas 12:15). O dinheiro é passageiro e nós devemos
ser bons administradores.

Aquele que ama o dinheiro não ficará satisfeito com o dinheiro; e aquele
que ama muito ter, não dará frutos. Isso também é vaidade (Eclesiastes
5:10).

Infelizmente, muitos trabalhadores que iniciam um minis - tério, apenas


pensam em ter um bom passe, ou ter um carro, dinheiro, poder, influência ou
honra entre os homens. Esse tipo de pensamento não é sábio. Se essas
pessoas morrem sem ter feito a tarefa principal do Evangelho, serão
consideradas tolas na presença de Deus.

Não se engane; Seu tempo na Terra é muito limitado. De - pois de hoje, você
terá um dia menos de oportunidades. Os bens que você compra não têm valor
real. Jesus disse: Não acumule tesouros na terra. Por que ele disse isso? Jesus
é contra ter coi- sas boas? Certamente não! Ele estava nos dando o maior tipo
de sabedoria para viver em relação à eternidade. Quanto mais conscientes
somos da existência do céu e do inferno, mais sábios seremos!

Podemos fazer um cálculo rápido neste momento; Quantos anos mais


teremos à frente, em comparação com a eternidade, não é nada.

Certamente - a vida - é uma névoa que aparece por pouco tempo, e


depois desaparece (Tiago 4:14).
Pablo não só cuidava o uso de seu tempo, mas também que ele não estava
desacreditado pelo tratamento do dinheiro.

Evitando que ninguém nos censure em relação a esta oferta abundante


que administramos, procurando fazer as coisas honestamente, não só
perante o Senhor, mas também perante os homens (2 Coríntios 8: 20-21).

Também pode ser dito que o líder se queixa de não ter para comer ou fazer
algo pessoal, o quecomprometeseu testemunho e mostra-o como empregado.
O apóstolo Paulo nos mostra seu
carátereconfiançaemDeus,independentementedascircunstâncias de
abundância ou necessidade que o tenham tocado viver. Ele diz: Eu sei viver
com humildade, e sei como ter abundância; em tudo e em tudo o que sou
ensinado, tanto para saciar e ter fome, para que eu possa ter muita e sofrer
necessidade (Filipenses 4:12).

Em suma, o líder mais do que qualquer um deve saber que a “questão do


dinheiro” suscita muitas suspeitas. O que é feito com o dízimo? Como é
administrado? Quem administra isso? As coisas pioram, se você não vê
resultados e, pelo contrário, tenta fazer as pessoas acreditarem que você
sempre falta de tudo.

O problema para Deus não é a falta de recursos, pelo con - trário, somos o
problema devido à nossa falta de fé. Eu gosto de dizer que Deus previu tudo
para que seu trabalho seja bem fornecido, e a verdadeira motivação para dar,
nunca deve ser a necessidade. Quem usa a necessidade de pedir dinheiro ou
recurso para dar é manipular as emoções. Sempre a verdadeira motivação
para dar é o amor de Deus e a consagração à sua causa, de tudo o que somos
ou temos.

Honre a Jeová com os seus bens e com os primeiros frutos de todos os


seus frutos (Provérbios 3: 9).
4) Problemas conjugais
Que ele governe bem sua casa, deixe-o ter seus filhos em sujeição com
toda a honestidade (1 Timóteo 3: 4).

Os filhos do pastor devem ser integrados à igreja e, além de respeitar os


líderes da igreja, devem também reconhecer e respeitar a autoridade de seus
pais em casa. A autoridade do líder ou pastor deve estar em casa e na igreja
também.
É no lar onde a disciplina é primeiramente aprendida, limites e o verdadeiro
conceito de autoridade. Alguns pais esperam que seus filhos sejam ensinados
na igreja o verdadeiro conceito de autoridad e respeitar as autoridades e
honrar os pais. Eles estão errados! Quando as crianças não têm limites e são
desobedientes, é porque os pais não exercem nenhuma autoridade sobre elas
e, ao falhar na liderança de sua própria família, também fracassam na
liderança da igreja.

Para quem não sabe governar sua própria casa, como cuidará da igreja
de Deus? (1 Timóteo 3: 5)
5) Problemas com o sexo oposto ou traumas por abuso sexual na infância

Relações com o sexo oposto é uma questão delicada, se não houver limites
claros, pode haver muita confusão. Algumas pes- soas têm tanta falta afetiva
que elas interpretam mal tudo. Um toque ou uma palavra doce e respeitosa
pode ser interpretada como interesse ou atração. Além disso, A ordem é a
seguinte: primeiro ou casamento, depois ou ministério. Alguns não parecem
saber disso, e eles começam como líderes sem qualquer de suas casas
acompanhando-os. Eu creio que a maior solidão é alguien que sofre pela falta
de apoio de sua própia familia, por- que os cônjuges não querem acompanhá-
los. Alguns afirmam não se sentir uma chamada, mas não podem fazer isso
porque não podem concordar. Antes de analisar essa realidade, há uma frase:

Todo reino se dividiu contra si mesmo e devastou (Lucas 11:17).


A esposa do rei David por não acompanhá-lo sofria de es- terilidade.
A filia de Michal Saul nunca teve filhos ata ou da da sua morte (2 Samuel
6:23).

O espírito de Mical, ou espírito de Jezebel são aqueles es - piritos que


governam uma esposa, ambos são espíritos que ridiculizam ou homem,
quanto a autoridad da casa. No entanto, felicito aqueles que, sem qualquér
objeção dos seus cônjuges, são fieis ao chamado, com o tempo, Deus tudo irá
adicionar, incluíndo toda a sua família, irá acompanhá-lo.

6) Problemas como as crianças

As famílias disfuncionais têm uma frente de intensa luta interna, mas, para
somar a elas, o inicio de uma igreja pode ser fatal. Seria muito diferente se
toda a família estivesse envolvida no projeto, outra seria a história. O líder
deve cuidar da salvação do seus filhos, pois seu trabalho pode ser
desacreditado, se seus filhos não forem salvos.

Ou doméstico governo e outro fator importante. Quem tem Pai? Uma mãe?
Filhos? Quando não há reconhecimento da verdadeira autoridade, há o caos.
Assim como uma mulher deve estar sujeita a ou homem, seus filhos também
devem estar sujeitas às autoridades.

Tudo é confuso se o líder não mostrar comunhão com sua esposa, ou não
confessa seu amor por sua esposa. É bom para os homens aconselhar homens
e mulheres para mulheres. Também é muito saudável para os membros que
podem ver o casamento pastoral que é um em Cristo.

O líder não deve ter nenhum excesso de confiança com os membros de outro
sexo, um freqüente olhar pode incorrer em um ação lasciva. Toque frequente
pode ser interpretado como manipulação lasciva, ou visitas privadas ao sexo
oposto, ou andar sozinho com alguém do sexo oposto em seu carro quando
você é casado. Lembre-se que é mais fácil evitar a tentação do que resistir a
ela. Além disso, quando uma dúvida é instalado, ninguen pode mais tira isso.
Sabe que quando o líder caem em sentimentos e questões privado com outro
sexo, e eles se envolvem emocionalmente, tudo pode terminar em qualquer
coisa. Tenha muito cuidado!

Outra questão a considerar é se o líder foi abusado sexual - mente quando


criança e mantém um trauma secreto. Lamentavelmente, estas são questões
que, a curto ou a longo prazo, se não forem resolvidas, trará muitos
problemas. O perigo é am- pliado, se a pessoa se alimenta de pornografia ou
acaricia com seus pensamentos o desejo proibido de pecar. Eu recomendo
não ficar sozinho com meninos ou meninas, não para colocálas em suas saias,
nem para jogar jogos de mãos ou falar como iguais com eles. São crianças ou
menores, e um relacionamen- to íntimo ou íntimo com eles, podem se prestar
a confusão ou tentação. Tenha cuidado! Em alguns, essa fraqueza foi
detonada pela ocasião, e as pessoas caíram em pecado, mas para a maioria é
um ato muito bem premeditado. Deus livre a todos para cair em algo tão
perverso e imoral, e procurar ajuda de Deus antes que seja tarde demais.

7) Problemas por preferências ou acepção de pessoas

Em geral, diz-se que o bom líder sabe estar com todas as pessoas, mas não se
apega a nenhum. Aqueles que se apegam às pessoas, ou dependem delas,
fazem isso por insegurança. Eles devem confiar unicamente em Deus. Caso
contrário, você pode confundir seu papel, e pode até tender a estar sempre
com aqueles que são mais simpáticos, agradável ou leais. O problema surge
quando o líder não auxilia todos de forma igual, e mostra preferência por
alguns, negligenciando outros. Tal atitude pode causar ciúmes, inveja, crítica
ou partidarismo desnecessário.

Quero dizer, que cada um de vocês diz: eu sou de Pablo; e eu de Apolo; e


eu de Cefas; e eu de Cristo (1 Coríntios 1:12).

Todo líder deve saber que muitos esperam para serem aceitos pelos líderes e
só buscam ser confirmados por eles. O equilíbrio é ter em conta o mais
possível e conter tudo, e treinar todos.

8) Problemas por ter um espírito independente


Porque todos buscam os seus próprios, não o que é Jesus Cristo
(Filipenses 2:21).

Você nunca deve nomear um líder com um espírito independente, a longo


prazo ou curto irá trazer problemas. Pessoas com espírito independente são
desleais, rebeldes e até mesmo traidores. Eles têm agendas escondidas,
buscam o próprio bem, não se comprometem com a visão da igreja, nem com
o líder que recomendou.

O Filho não pode fazer nada por si mesmo, mas o que ele vê o Pai faz;
porque tudo o que o Pai faz, também faz o Filho igualmente (João 5:19).

A figura do pai neste caso é o líder que manda, e a do filho é o líder enviado
para começar a igreja. Se os princípios de en- trada não forem estabelecidos,
muitos problemas surgem com aqueles que têm um espírito independente. No
texto de João 5: 19-36, encontramos o que eu chamo a essência de fidelidade.

Quando se menciona que o enviado “não pode fazer nada por si mesmo”,
significa que ele não tem autorização para se tornar independente daquele que
o enviou. Em outras palavras, deve estar sujeito em tudo ao líder superior, e o
que ele faz, ele deve estar com a permissão correspondente.

A frase “Porque tudo o que o Pai faz, também faz o Filho igualmente”,
mostra a unidade dos critérios e ações idênticas que devem refletir o líder e o
ministério que o enviou, ao ponto que, assim como Jesus falou sobre o seu
relacionamento com seu Pai: quem me vê, vê aquele que me enviou (João
12:45).

A pessoa comissionada para abrir uma igreja, não pode procurar fazer sua
própria vontade, mas a vontade da pessoa que o enviou. Jesus disse: Porque
desci do céu, não fiz a minha vonta- de, mas a vontade do que me enviou
(João 6:38). Nem ele pode promover-se, mas promover a pessoa que o
enviou. Jesus diz: se eu testemunho sobre mim mesmo, meu testemunho não
é verdadeiro (João 5:31).

A pessoa treinada como líder não se torna independente, nem tenta ofuscar o
líder que o enviou, mas mostra sua fidelida- de na ação, exatamente como
Jesus fez.

Porque as obras que o Pai me deu para cumprir, as mesmas obras que
faço, dê testemunho de mim, que o Pai me enviou (João 5:36).

Aqueles que são enviados são chamados por Deus e, portanto, devem ser fiéis
a esse chamado, exatamente como Jesus Cristo foi. Cristo, como homem, era
absolutamente fiel a Deus, o Pai (João 5:19, 30, 36). Cristo enviou seus
discípulos sob sua autoridade (Mateus 10: 1-4, Lucas 10:19). Os discípulos
apenas dariam frutos, desde que servissem sob a autoridade de Cristo. Só
então, os poderes das trevas serão derrotados, quando con- frontados com a
mesma autoridade, que os discípulos receberam de Cristo.

9) Problemas devidos a abuso físico ou psicológico


Não deixe o sol descer sobre a sua ira (Efésios 4:26).
Seria triste se o pastor ou líder tiver um caráter violento ou causar maus tratos
a sua família, cedo ou tarde, se não houver nenhuma cumplicidade de sua
família, a verdade surgirá. Além disso, a ira contida é como um gás ardente
que em algum momento explode.

Não é o mesmo que são recém-casados, ou que eles são casados há anos,
quando o abuso físico é descoberto, ou como se diz: “violência doméstica”.
Se eles são recém-casados, é natural que quem sofra a agressão, revela que
não quer sofrer mais. Mas se eles foram casados há anos, também,
infelizmente, revela a cumplicidade do cônjuge em ter um personagem
semelhante (que também é violento), ou por medo, não renunciou a viver
erroneamente.

Aqueles que sofrem deste mal, devem urgentemente pedir ao Espírito Santo
que ajude a causar temperança, que é uma das características do fruto do
espírito (Gálatas 5:23). Em outras palavras, você deve pedir a Deus para
controlar seus instintos e conter seu temperamento. E aqueles que recebem o
abuso, para enfrentar ou estabelecer limites firmes, para não continuar a
sofrê-lo.

10) Problemas crônicos

Quando um problema é repetido, é porque existe (1) orgulho, (2) pecado e (3)
hábitos doentios que devem ser revertidos. Deus livre os líderes desses três
elementos que condenam. Diante desses problemas, a humilhação vale a pena
pedir a Deus misericórdia, se arrepender e mudar hábitos com urgência. Eu
lhe digo novamente:

• Humilhe-se diante de Deus.


• Peça a Deus perdão e misericórdia.
• Arrependa-se.
• Mude os hábitos com urgência.

Humilhe-se perante o Senhor, e Ele o exaltará (Tiago 4:10).

Então, arrependa-se e se converta, para que seus pecados sejam


apagados; que os tempos de restauração podem vir da presença do
Senhor (Atos 3:19).
À medida que a semente cai no chão e se transforma. Assim também o
trabalhador de Cristo deve sofrer uma transformação total: sua aparência (1),
seu (2) personagem, seu ambiente (3), sua (4) imagem, seus (5) costumes, (6)
tudo deve ser diferente. Este é o processo para que Cristo seja formado em
nós. Só que a semente não morre, então permanece sozinha e infrutífera. A
menos que eu não seja dessa transformação, o progresso de seu ministério
também não será dado.

Reflexão para começar uma igreja

Que tipo de terra os pastores andam?


Quais são os problemas que podem arruinar o ministério? (1) Auto-estima: o
que depende da auto-estima? (2) Vícios: Você pode confiar em alguém que
mantém fra-

quezas crônicas?
(3) Finanças: a falta de recursos é um problema para Deus? (4) Cônjuges: o
que vem primeiro, ministério ou casamento? (5) Crianças: quem deve exercer
liderança em casa? (6) Como o sexo oposto: é mais fácil evitar a tentação do

que resistir a isso?


(7) Acepção de pessoas: Eu posso compartilhar com todos
igualmente?
(8) Espírito Independente: O enviado pode fazer algo soz-
inho?
(9) Abuso físico ou psicológico: O cônjuge é um cúmplice
que justifica ou cobre um personagem violento?
(10) Problemas crônicos: por que os mesmos problemas são
repetidos e qual é a fórmula para sair deles?
(a) ______________________________
_________________________________________ (b)
______________________________
_________________________________________ (c)
______________________________
_________________________________________ (11) Que tipo de
transformação o trabalhador deve experi-
mentar?
(a) ______________________________
_________________________________________ (b)
______________________________
_________________________________________ (c)
______________________________
_________________________________________ (d)
______________________________
_________________________________________ (e)
______________________________
_________________________________________ (f)
______________________________
_________________________________________

Capítulo 13
SEIS CHAVES PARA O DESENVOLVIMENTO DE
LÍDERES
O que você ouviu falar de mim antes de muitas testemunhas, isso confia
a homens fiéis qualificados para ensinar os outros (2 Timóteo 2: 2).

Na verdade, os líderes são sempre (1) na busca por novos líderes, e quando os
encontramos (2) devemos treiná-los. Uma das principais chaves para o
crescimento da igreja é precisamente através dos líderes. Quanto mais líderes
há, mais provável é que o ministério seja projetar.

É assim que a igreja deve começar, pensando em treinar e treinar todos para
que em breve sejam líderes. O treinamento dos trabalhadores é a melhor
estratégia. O apóstolo Paulo mostra-nos entre as linhas como ele fez isso:

Primeiro: falou em público antes de muitas testemunhas


O que você ouviu falar de mim antes de muitas testemunhas ... (2
Timóteo 2: 2).

Jesus, em Mateus 28: 18-20, diz a todos que você tem que ensinar as pessoas
a manter todas as coisas que Ele ordenou. Não existe outra maneira de
ensinar as pessoas, a menos que elas se encontrem regularmente em um só
lugar.
Isso significa que o Evangelho deve ser pregado em todos os lugares, todo o
tempo e para todos os povos do mundo. Este mandato passou a ser conhecido
pelos cristãos como a Grande Comissão. A pregação do Evangelho a todos os
povos perdidos do mundo deve ser a maior preocupação de todos os cristãos
e de todas as igrejas. Em nossas reuniões, afirmamos que a igreja local é a
chave de Deus para a evangelização do mundo.

A igreja deve empurrar com toda a sua energia e recursos para ganhar o
perdido a qualquer preço. A mentalidade dos cristãos e dos trabalhadores da
igreja deve estar unida neste santo propósito de atravessar os bairros, cidades,
e aldeias e em todos os lugares até os confins da terra para conquistar o
mundo por Cristo.

Desde o início, a igreja deve ter o maior número possível de reuniões para
que possamos cumprir o mandato de estender o reino de Deus até os confins
da terra. Quanto mais bocas aber- tas para a pregação do Evangelho, maiores
as possibilidades de crescimento.

Os lugares de reunião podem ser tantos quanto as pessoas capazes de


transmitir o evangelho tem na igreja. Se formos real- mente sérios e estáveis
em dar testemunho, também seremos uma referência para a comunidade
quando eles precisarem.

Segundo: esperava que todos ouvissem com atenção

Um encontro regular de cristãos visa aprender a Palavra de Deus e crescer na


fé. Assim, a fé é ouvir e ouvir, pela pala- vra de Deus (Romanos 10:17). Deus
está muito interessado em ter reuniões onde as pessoas podem ouvir Sua
Palavra. Ele está chamando homens e mulheres para que se levante em todos
os lugares e pregue a mensagem evangélica, se levante para pregar nas
praças, nas escolas, nos mercados, em todos os lugares.

Enquanto houver mais reuniões, existe mais possibilidade de que a


mensagem evangélica seja ouvida. A Grande Comissão deve ser cumprida (1)
imediatamente, (2) intencionalmente e (3) com insistência. À medida que
mais grupos se reúnem em nome de Jesus, a presença de Deus será notada.
Dentro desses grupos de ouvintes, haverá aqueles que ouvirão com grande
atenção e fé e despertarão para a vida espiritual.
Porque a boa notícia nos foi anunciada tanto quanto a eles; mas não os
aproveitou para ouvir a palavra, porque não foi acompanhada pela fé
naqueles que a ouviram (Hebreus 4: 2). Terceiro: Ele esperava que o que
ele dissesse se espal- hasse pelos ouvintes

Uma coisa é certa, sabemos o quanto lhes falamos, mas não sabemos qual é o
efeito multiplicador de nossa pregação. Po- demos contar quantas sementes
estão em uma maçã, mas não podemos saber quantas maçãs estão contidas
nessas sementes.

O que você ouviu falar de mim antes de muitas testemunhas, isso confia
a homens fiéis qualificados para ensinar os outros (2 Timóteo 2: 2).

O mesmo apóstolo Paulo foi enviado para consolidar as igrejas, e ele não
mudou a mensagem, que é uma ótima demonstração de fidelidade. Essa
fidelidade cria uma atmosfera de harmonia entre aquele que envia e aquele
que é enviado, de modo que muitas frutas podem ser esperadas na
propagação do evangelho. Portanto, é importante que aqueles que iniciam
novas igrejas possam exibir a mesma fidelidade que Jesus teve com o Pai e
Paulo com quem o enviou.

E, ao passarem (Paulo e Timóteo) pelas cidades, lhes deram as


ordenanças acordadas pelos apóstolos e os anciãos que estavam em
Jerusalém, para mantê-los (Atos 16: 4).

Como o chefe da Igreja, Jesus Cristo, chama, escolhe e envia os trabalhadores


para o campo de trabalho, também faz esses líderes sob a orientação do
Espírito Santo, confirmam os outros pelo trabalho de ganhar almas e
construir uma igreja frutífera. Ele é o Pastor Supremo e o Juiz Chefe da igreja
e não há autori- dade, mas estabelecido por Ele. Portanto, o reconhecimento
dos líderes da igreja deve ser levado em consideração como delegado pelo
próprio Deus. Conseqüentemente, essas pessoas devem se- guir e imitar seus
líderes, mas apenas na medida em que permanecem fiéis à autoridade de
Jesus e seu exemplo.

Paulo diz: Seja imitador de mim, como sou de Cristo (1 Coríntios 11: 1).

Mas nós vos mandamos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo,
separar-vos de todo irmão que anda desordenadamente, e não de acordo com
o ensinamento que recebeste de nós. Porque vocês mesmos sabem como você
deve nos imitar; Pois nós não andamos em desordem entre vocês, nem
comemos pão de ninguém por nada, mas trabalhamos duro e duro dia e noite,
para não ser oneroso para qualquer um de vocês; não porque não tivéssemos
o direito, mas porque nos demos um exemplo para que você pudesse nos
imitar. Porque, quando ainda estávamos convosco, nós demos-lhe isto: Se
alguém não quer trabalhar não deve comer (2 Tessalonicenses 3: 6-9).

Quarto: Ele fazia um apelo para que todos fossem ava - liados e os fiéis
fossem reconhecidos apenas
Isso confia homens fiéis qualificados para ensinar os outros (2 Timóteo 2:
2).

A fidelidade inclui os significados de fidelidade confiável, e constante. Em


outras palavras, os servos de Deus devem exibir fidelidade, constância,
confiabilidade, integridade e lealdade em todas as ordens, além daqueles que
iniciam novas igrejas. Estes devem ser ensinados a ser leais a Deus, ao seu
chamado, às suas familias, aos líderes, às suas igrejas e aos membros.
Enquanto a deslealdade significa infidelidade, rebelião e independência.

Ninguém pode fingir ser fiel a Deus e não provar isso por ser fiel àquele que
o reconheceu e lhe delegou autoridade. As Escrituras abundam em
recomendações para respeitar, honrar, receber, reconhecer e obedecer as
autoridades que Deus colocou ao nosso redor.

O ato de avaliar é poder determinar corretamente o grau de compromisso que


uma pessoa tem com Jesus Cristo e a causa do Evangelho. Esta avaliação não
é feita de dia para noite, é uma (1) observação no tempo, (2) trajetória, (3)
reputação, (4) testemunho e (5) participação. Além do (6) caráter, ou (7)
habilidade, a pessoa precisa demonstrar que ele é fiel a Deus, ao líder que o
enviou, à visão da igreja e aos ensinamentos de Cristo.

Quinto: quando se determinou quem eram os fiéis, era uma questão de


descobrir se eles também eram adequados para ensinar

Eu acho que todos ensinamos pelo exemplo e pela palavra. Embora exista
também um momento em que devemos nos tornar professores da Palavra de
Deus. Na verdade, os líderes devem ensinar o tempo todo.

Porque você já deve ser professores, depois de tanto tem - po, você precisa
ser ensinado novamente quais são os primeiros rudimentos da Palavra de
Deus; e você se tornou tal que você precisa de leite e não de comida sólida
(Hebreus 5:12).

Há um tempo em que cada cristão deve se tornar um professor, se não é com


a palavra, deve ser com o exemplo, mas, se você não pode ver nenhuma
dessas duas maneiras, há algo de errado em seu desenvolvimento espiritual.

Eles também são aqueles que precisam de um empurrão, e outros a


oportunidade. Todos nos surpreenderemos muito, se tentarmos, ou
oferecemos oportunidades para aqueles que já conhecem Cristo, começam a
pregar. Mas, pregar, o quê? Eles podem contar a história de Jesus
publicamente, compartilhar sua experiência de conhecê-lo e divulgar as
verdades do evangelho através dos textos bíblicos que eles lembram. Na
realidade, “cada pessoa pode pregar se ele ou ela quer”. Se eles tiverem sua
vontade, Deus adicionará o resto!

Sexto: se elesdemonstraram a capacidade de ensinar aos outros, eles


seriam imediatamente responsabilizados com a tarefa de ensinar aos
outros o mesmo ensino que Paulo. Por esta razão, enviei-lhe Timóteo,
que é meu filho amado e fiel no Senhor, que irá lembrá-lo de minhas
ações em Cristo, da maneira que ensino em todos os lugares e em todas
as igrejas (1 Coríntios 4:17).

Quando ensinamos os membros, não sabemos o efeito multiplicador que


teremos, mas quando ensinamos os líderes sem dúvida, o efeito multiplicador
aumenta muito. Na verdade, estamos sempre ensinando muito mais pessoas
do que vemos. Um dia, um membro me disse: “o que você nos ensina,
compar- tilhamos em casa com a família”.

A congregação é o campo onde falamos em público e se - meamos as


sementes. Se plantarmos sementes de liderança nos novos membros e motivá-
los a fazer a tarefa pastoral, um dia colheremos líderes. Quanto mais
ensinamos, e desafiamos os membros a conquistar, cuidar e conservar a fruta,
o maior po- tencial de liderança que teremos e também o crescimento.
Se você quer um crescimento normal, ensine os membros, mas se você quer
um crescimento exponencial, ensine os líderes.

O ensino dos líderes forma ministros e estabelece a autori - dade neles para
fazer o trabalho sem limitação, também prepara os sucessores, que
continuarão mesmo quando não estivermos mais na liderança.

Mas você persiste no que aprendeu e se persuadiu, sabendo de quem


você aprendeu (2 Timóteo 3:14).
Cada pastor deve ensinar os líderes porque Jesus Cristo ensinou os líderes o
tempo todo.

Os pastores devem passar mais tempo ensinando líderes do que se


envolverem em qualquer outro tipo de atividade. Se os líderes não estiverem
preparados, não haverá ninguém para delegar-lhes tarefas ministeriais, e a
mesma pessoa sempre será recarregada.

O povo comum da igreja deve entrar para caminhar intencional e


sistematicamente nas cinco etapas da missão, para ser treinado, e equipado
para cumprir o ministério, com o propósito de crescer. Desta forma, os
pastores da igreja verão suas possibilidades de liderança expandidas através
dos leigos a quem eles estão discipulando. Então, o peso do ministério pode
ser compartilhado e as possibilidades ministeriais se multiplicam
consideravelmente.

Eu escrevi vários livros sobre o assunto, incluindo oito módulos sobre


treinamento de trabalhadores e também fundou a Academia Bíblica e o
Instituto Bíblico “Escola de Ministros”. Também trouxe à Argentina a
“Escola Fonte de Luz”, que con- siste em cursos bíblicos para todas as idades
em todo o mundo https://www.sourcelight.org Por todos esses meios, os
pastores da nossa igreja e também a equipe de todos os líderes foram e são
treinados. Ainda estamos ensinando, porque acredito que é a única chave para
a expansão do ministério da nossa igreja. Queremos tornar cada membro um
líder, e de cada líder um multiplicador de líderes, e de cada multiplicador de
líderes um pastor e supervisor de área, e de cada supervisor de área, um
supervisor de região e assim por diante!

Não fomos criados para que pudéssemos ser apenas pessoas “boas”. Também
fomos criados para fazer boas obras, que fo- ram previamente preparadas por
Deus.

Pois somos a obra dele, criada em Cristo Jesus por boas obras, que Deus
preparou de antemão para que possamos caminhar nelas (Efésios 2:10).

É por isso que ainda estamos vivos. Há boas obras para nós fazer. Uma
dessas boas obras é também iniciar uma igreja. Temos que ir aos bairros e às
aldeias para pregar. Deus quer que as pessoas ouçam sua mensagem. Deus
está procurando pessoas para abrir novas igrejas.

O método de Jesus incluiu pregar, ensinar, visitar as aldeias, curar os doentes


e incentivar as pessoas a entrar no Reino de Deus (Mateus 4:17, 23; 9:35),
neste processo observa-se que mul- tidões na comunidades diferentes o
seguiram.

Como vemos, pregar, ensinar e orar pelos milagres são as principais


atividades quelevam à formação das igrejas. Jesus Cristo entendeu que seu
pai havia escolhido esses métodos para estabelecer a igreja.

Através do ministério de Jesus, milhões de igrejas surgiram praticamente em


todo o mundo. Verdadeiramente, esta é a principal estratégia da parte de Deus
e este é o método para começar e continuar com a igreja de Deus

Mais tarde, Jesus escolheu e treinou alguns de seus seguidores e os enviou


para fazer o mesmo que o viram. (Mateus 10: 1, Marcos 3: 13-15, Lucas 9: 1,
2, 10: 1). Este bom trabalho deu origem ao surgimento de igrejas, e esta é
uma das principais razões pelas quais Deus nos deu uma nova vida nEle. É
por causa do que vivemos e somos por Ele que podemos cumprir seus
propósitos. Este é o principal motivo para a nossa salvação.

Em outras palavras, Deus já determinou o que devemos fazer. Ninguém pode


fazer nada por conta própria, ou acredi- tar que surpreenderá a Deus. O único
que pode impressionar a Deus é o que ele quer que seja feito.

A Palavra de Deus nos mostra que fomos criados para boas obras. As boas
obras são, a pregação da Palavra e a construção do povo de Cristo, até que
todos alcancem a estatura de Cristo. Não podemos abaixar os braços nem sair
até terminar o nosso trabalho.

Até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de


Deus, um homem perfeito, até a medida da estatura da plenitude de
Cristo (Efésios 4:13).

Reflexão para começar uma igreja


O que os líderes deveriam fazer?
(1) _______________________________________

__________________________________
(2) _______________________________________
__________________________________
Qual é uma das principais chaves para o crescimento da
igreja?
Qual é a melhor estratégia de uma igreja?
Qual a finalidade das reuniões?
É benéfico ter muitas reuniões na igreja?
A fidelidade em que termos devem ser avaliados? (1)
_______________________________________
__________________________________
(2) _______________________________________
__________________________________
(3) _______________________________________
__________________________________
(4) _______________________________________
__________________________________
(5) _______________________________________
__________________________________
(6) _______________________________________
__________________________________
(7) ________________________________________
_________________________________
Como alguém pode pregar Cristo?
O que acontece quando ensinamos líderes?
O que deve ser feito se quiser um crescimento exponencial? Qual é o
principal motivo para a nossa salvação? Você pode fazer algo por conta
própria?
Quais são os bons trabalhos?

Capítulo 14
COMO EVITAR MANIPULAÇÃO
As pessoas sofrem com o mau exercício da autoridade e com aqueles que não
sabem como exercê-la.
A autoridade mal exercida pode tornar-se abuso de autoridade.
Mas Diotrephes, que gosta de ter o primeiro lugar entre eles, não nos
recebe (3 João 1: 9).

As boas autoridades (1) estabelecem a ordem e (2) incutem medo naquele


que faz mau o comete erro, mas as autoridades ruins devem (1) temer, porque
eles fazem (2) Deus intervir em defesa das pessoas. A autoridade ruim, é (1)
autoritarismo, é (2) incutir medo ou manipular o subordinado para seu
próprio benefício.

Alimente o rebanho de Deus que está entre vocês, cuidando dele, não pela
força, mas voluntariamente; não por ganho deso- nesto, mas com coragem em
breve; Não como tendo senhoria sobre os que estão à sua frente, mas sendo
exemplos do rebanho (1 Pedro 5: 2-3).

Alguns líderes ruins, são considerados (1) intocáveis, (2) abusam do poder de
manipular as emoções de seus dirigidos. Eles usam a mística que existe entre
aqueles que estão na autoridade e os simples que acreditam em tudo para se
aproveitar ou usar seus recursos.

Eles também usam medo e culpa para assustar pessoas com demandas e
pedidos auto-centrados. Eles também aproveitam os fracos e emocionalmente
vulneráveis, para aceitar o que que- rem doar. Antes de aceitar uma doação, a
menos que seja anônimo, o doador deve ser conhecido. As pessoas são
facilmente movidas para dar quando são convidadas a colaborar. Mas, se a
pessoa não tem (1) estabilidade emocional, ou (2) princípios claros, ou (3)
consagração, ele dará e se arrependerá, e ele vai querer recuperar o que ele
deu. Se quisermos evitar conflitos ou má reputação, devolveremos tudo. A
igreja não depende de uma doação, nem de um dízimo, depende de Deus.
Lembro-me de que uma pintora deu várias pinturas à igreja e nos disse que
poderíamos vendê-las. Para não prejudicar seus sentimentos, eu os aceitei,
mas Deus colocou dúvidas sobre essa doação e eu a mantive. Dois anos
depois, essa mulher queria recuperar essas pinturas, graças a Deus, eu ainda
as tinha.

Em outro caso, depois de uma mensagem sobre a entrega incondicional a


Deus de tudo o que somos e temos, um membro veio me dar para a igreja,
uma motocicleta muito grande, com as chaves e o título da propriedade.
Quando ensino, eu digo, sempre a primeira reação está na carne, é claro que
fiquei feliz. Depois que este irmão partiu, eu me ajoelhei para agradecer a
Deus, e uma voz veio à minha mente que me disse: “Não o receba”. Eu
pensei que era o diabo, mas não, era Deus, e não o recebi. Pouco depois esse
irmão foi demitido de seu emprego, e os próximos seis meses ele e sua esposa
viveram sobre o produto da venda dessa motocicleta.

Eu também lembro que alguém veio me dar uma casa. A primeira coisa que
eu perguntei se ele havia consultado sua esposa, ele disse que não. Eu disse a
ele, até que você consulte sua esposa, e ambos concordam, eu não o recebo.
Ele nunca mais veio falar sobre o assunto comigo, nem o procurei, embora
eles continuassen se reunindo.

Quero dizer-lhe que se você não prestar atenção, pode re - ceber coisas que o
vinculam com uma maldição e lembre-se de que o próprio diabo pode lhe dar
muito.

Eu apenas aceito doações quando (1) eu tenho confirmação de Deus, além de


saber (2) que eles vêm de pessoas maduras. O contrário seria privá-los da
benção produzida por dar.

É mais abençoado dar do que receber (Atos 20:35).


Não saber como exercer autoridade é a falta de autoridade

Nós fomos aprovados por Deus para ser confiados com o evangelho ...
para não agradar os homens, mas a Deus, que prova nossos corações (1
Tessalonicenses 2: 4).

A falta de autoridade ocorre quando o líder (1) quer agradar o homem e (2)
tem medo do que eles vão dizer, ou está (3) sujei- to à maioria. Todas essas
variantes descobrem uma pessoa com uma (1) auto estima muito baixa, (2)
sem caráter, (3) ou princípios. Com essa pessoa, o trabalho nunca pode
crescer, porque os verdadeiros discípulos são descuidados e pessoas com
caráter forte se aproveitam.

Bem, agora busco o favor dos homens ou de Deus? Ou eu tento agradar


os homens? Pois, se ainda agradasse os homens, não seria servo de Cristo
(Gálatas 1:10).

Lembro-me de vários casos:

Primeiro caso: uma mulher sempre sugeriu novas atividades para a igreja e o
líder as aceitou, porque ela não se atrevia a contradizê-la.

Aviso: mais do que ninguém, o líder deve saber dizer “sim” ou “não”. Em
vez de pensar em você mesmo, ou pessoas, você deve pensar sobre a igreja.
Algumas pessoas só têm uma visão parcial da igreja, mas o líder tem uma
visão geral.

Segundo caso: um homem falou muito nas reuniões, e ele interrompeu


constantemente. O líder para não ser tão mal educado, não disse nada. Ao
mesmo tempo, as pessoas reclamavam que a pessoa monopolizava a reunião
e não podiam participar.

Aviso: o líder deve ter caráter e graça para impor limites e dar participação a
todos. Em qualquer caso, você deve conversar em particular e antes da
reunião com a pessoa que fala demais e explicar o motivo da reunião para
que ele tenha um equilíbrio na sua participação.

Terceiro caso: um membro que não iniciou a reunião a tempo porque


esperava que todos chegassem.

Aviso: os horários de reunião devem ser fixos e regulares, que transmitem


ordem, seriedade e responsabilidade, caso contrário, leva as pessoas a
acreditar que podem estar atrasadas.

Terceiro caso: uma igreja na cidade fez recitais freqüentes de música, e um


membro sugeriu que o pastor fizesse o mesmo, porque todos faziam o
mesmo.

Aviso: Todas as atividades devem honrar a visão da igreja, a menos que seja
uma atividade particular com um propósito “evangelístico”.

Quarto caso: um membro com sérias necessidades de reconhecimento e


proeminência organizou as reuniões de tal for- ma que só ele apareceu ao
longo do programa.

Aviso: Tal atitude pode passar no início da igreja quando os recursos


humanos são escassos, mas a variedade de pessoas na frente recria a igreja,
especialmente se os envolvidos têm os dons necessários.

Quinto caso: um membro que só aceitou ou fez o que o pastor perguntou


sempre e quando ele gostou do que o pastor pediu.

Aviso: os membros devem aceitar as indicações dos líderes e não fazer o que
eles apenas aprovam. Jesus não aprovou a cruz como um evento agradável,
mas ele estava sujeito à vontade do Pai.

Sexto caso: uma irmã que exigiu de seus subordinados, o que ela não
cumpriu com seu líder.
Aviso:esta atitude é uma atitude farisaica e despótica, que faz mais ao perfil
de um caudilho do que um líder espiritual.
Reflexão para começar uma igreja
Como a autoridade mal exercida pode ser convertida? O que as boas
autoridades fazem?

(1) _______________________________________
_____________________
(2) _______________________________________
______________________
O que as autoridades ruins fazem?
(1) _______________________________________ ____________________
(2) _______________________________________ ____________________
O que é má autoridade?
(1) _______________________________________ ____________________
(2) _______________________________________ ____________________
Como os líderes malignos são considerados e o que eles fazem?
(1) _______________________________________
______________________
(2) _______________________________________
______________________
Você pode aceitar alguma doação?
O que uma pessoa precisa para dar corretamente? (1)
_____________________________________
___________________________
(2) _____________________________________
___________________________
(3) _____________________________________
___________________________
De que depende a igreja, talvez uma doação ou o dízimo? Quando a falta de
autoridade também ocorre?
(1) _____________________________________
________________________
(2) _____________________________________
________________________
(3) _____________________________________
________________________
O que édescoberto em uma pessoa com falta de autoridade? (1)
_____________________________________
_________________________
(2)______________________________________
________________________
(3) _____________________________________
________________________

Capítulo 15
COMO ESTAR EM AUTORIDADE E ENSINAR A
AUTORIDADE
Não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram
ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à
ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a
condenação (Romanos 13: 1-2).

O Pecado trouxe a (1) desordem e (2) a escuridão, e a autoridade restaura a


ordem. Na ausência de autoridade ou desobediência ao rastro (1) o caos, (2) a
rebelião e (3) a anarquia.

O exercício da autoridade é a base para (1) ordem e (2) boa projeção do


ministério. Sem autoridade, ha caos e presença maligna. Você pode ser um
líder com bom testemunho, e ate pode ser respeitado, mas sem você não sabe
como exercer autoridade, outro executará para você.

Ou líder deve ter uma boa base, pois o ministerio exige muita disciplina e um
ensino sistemático de autoridade e as conseqüências de não obedecerde.

No bom exercísio da autoridade existe a fórmula real para o verdadeiro


crescimento espiritual. Sem obediência, ou fidelida- de às autoridades, você
não pode ir longe. Além disso, os líderes não são onipresentes, nem são
onipotentes, em todos os lugares, eles precisam pessoas fiéis a eles para fazer
tudo, sozinho é im- possíve. Imperiosamente, eles deven ter adeptos e
subordinados à sua liderança para ajudar-lhes, sem nenhuma concorrência,
rivaldades ou comparações. Este é um desejo audacioso que os líderes sejan
representados por seus líderes, assim como um pastor ou líder e
representados por seus filhos biológicos. Quando eles são treinados, eles
serão os olhos, a voz, do seus líderes. Aqueles que não são treinados, não
podem representar suas autoridades, nem terão a unção que é necessária para
a liderança ou familia ministerial.

Alguns acreditam que sujeição às autoridades é uma graça de Deus, e se for,


a fruta dá boa liderança. Acreditou que, além disso, deve ser ensinado. Ou o
mundo está saturado de rebelião e está sujeito à desobediência.

Segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar,


do espírito que agora opera nos filhos de desobediência (Efésios 2: 2).

A fidelidade às autoridades é uma questão fundamental que deve ser


insistentemente ligada ao fruto. Começando com o en- sinamento do livro de
Watcham Nee, “Autoridade Espiritual”, editorial Vid. Nós demos por vários
anos esse curso, agora nós temos nosso próprio material.

Lembro-me do caso de um marido que inverteu seu papel, em sua casa a


autoridade era sua esposa, quando soube que ele tinha que ser o chefe da sua
casa, entrou em crise. Ele diz: “Eu tenho que aprender tudo de novo”.

Quero porém, que saibais que Cristo é a cabeça de todo homem, o


homem a cabeça da mulher, e Deus a cabeça de Cristo (1 Coríntios 11:3).

Um grande princípio de que ninguém pode esquecer, é reconhecer e respetar


as autoridades estabelecidas. É acima de tudo que você aprende a ser capaz
de liderar os outros. Os lí- deres são aqueles que fizeram muitos trabalhos
como subordi- nados e foram subordinados, sem inconvenientes, a vários
líde- res. Todo líder deve reconhecer a autoridade que possui sobre si mesmo,
a fim de realizar uma boa tarefa ministerial.

Quando você vê aos grandes homens de Deus, você descobre que uma
maioria começou bem abaixo. Eles trabalharam, em coisas aparentemente
insignificantes, então eles têm a expe- riência e a autoridade de indicar,
orientar e corrigir aqueles que estão começando.

Eu fiz quase tudo na Igreja: corte ervas, limpei banheiros, preparei e selei
folhetos, pintei e revoguei paredes, carregue bal- des, com pedras e areia,
descarreguei caminhões, levante o lixo, preguei, ensinir, orientei, toque
violom, dirigui a musica, toquei o pandeiro, mas tudo isso me ajudou a ser
um líder melhor. Nunca despreze os pedidos de dois líderes, por mais
pequenos e insignificantes que pareçam, eles estão le preparando para algo
muito melhor e maior.

Jesus ensinou com autoridade e exerceu autoridade. Se alguém tem


autoridade, essa autoridade foi dada a ele por (1) Deus, e (2) através de seus
líderes oficialmente estabelecidos e tem todo o seu apoio. O líder não está
supondo que ele é a maior autoridade e, portanto, ele não teria essa
responsabilidade, se não tivesse sido delegada pelo seu líder.

Princípios para ensinar sobre autoridade


Princípio 1
Tuda autoridades não é própria, é sempre representativa. Assim como ou
líder deve representar Deus, ou enviado deve representar ou líder. Quando o
líder pára de representar quem o enviou, sua autoridade é cancelada.

Exatamente, como Jesus representou ou Pai, devemos representar aquele que


nos envia.
Quem me recebe recebe aquele que me enviou (Mateus 10:40).
Porque não faço ou que que, mas o que meu pai me manda fazer (João
5:30).
Minhas ovelhas ouvem minha voz, e eu conheço e elas mesmas (João
10:27).

Quando um líder envia um novo espírito ou um líder que envia ou envia uma
divisão. Nenhum autor ou autoridade, você nunca deve deixar de representar
seu líder superior, porque sua autoridade seria imediatamente cancelada.

Por Exemplo: Um embaixador representa ao país que en - viou e debe cuidar


os interesses de ese país. Portanto, não pode discordar do seu presidente
porque imediatamente será substituído.

Princípio 2

Toda autoridade vem de Deus, e quem tem problemas com a autoridade tem
problemas com o próprio Deus. Os líderes devem reconhecer, respeitar e
honrar seus líderes, demonstrando que eles reconhecem, respeitam e honram
a Deus.

Porque não há autoridade senão de Deus (Romanos 13: 1).


Acredite em Jeová, seu Deus, e você estará seguro; eles criam seus
profetas, e eles serão prosperados (2 Crônicas 20:20).

Como o rei Davi reconheceu, respeitou e honro rei Saul: E Davi disse aos
seus homens: O Senhor me impede de fazer tal coisa contra meu rei, o
ungido do Senhor, esticar minha mão contra ele, porque é o ungido do
Senhor. Davi restringiu seus homens com essas palavras e não permitiu
que se levantes contra Saul. Saul levantou-se, deixou a caverna e seguiu o
caminho (1 Samuel 24: 6-7).
Princípio 3

As pessoas que são autoridades espirituais devem entender, que nossa


autoridade sobre os outros não é imposto, mas uma guia para a edificação,
apresentando-nos como um exemplo em todas as coisas. De forma correta, os
discípulos aceitam a autoridade e, ao mesmo tempo, exercem-se, sem que
ninguém se sinta ferido.

Então, Jesus, chamando-os, disse: “Você sabe que os gover - nantes das
nações o dominaram, e aqueles que exercem grande autoridade sobre eles.
Mas entre vocês não será assim, mas quem quiser se tornar grande entre
vocês será seu servo, e quem quiser ser o primeiro entre vocês será seu servo
(Mateus 20: 25-27).

Princípio 4

O bom líder, em suma, levará seus seguidores a um relacionamento maior


com Jesus para que, juntos, honrem o Senhor e realizem seus propósitos
redentores. Em vez disso, o líder do mal vai tropeçar, e Deus terá que
reivindicar seu nome (restaurar a verdadeira autoridade).

Princípio 5

Os verdadeiros líderes nunca se promovem, nem se tornam líderes por sua


propia vontade, eles sempre recebem o reconhecimento de outros para serem
líderes. Alguém disse: “Se você vê alguém fingindo autoridade, observe-o,
porque isso causará problemas. Mas se você vê alguém tentando se destacar
para cumprir seus deveres, promova-o, será uma benção”.

Princípio 6

A autoridade deve ser respeitada, este presente ou ausente. Quando a


autoridade está presente, ela impõe respeito e ordem, mas mesmo que não
esteja presente, sua (1) ordem, (2) mandato ou (3) opinião é a mesma, e
aqueles que a representam (4) também estão presentes. É muito comum
ouvir: “Quando o gato não está lá, os ratos têm uma festa”. Deus não está
fisicamente presente, mas há Seu Espírito, Sua Palavra e as autoridades que
ele delegou.
Somente que você se comporta como digno do evangelho de Cristo, para
que ele o veja ou esteja ausente (Filipenses 1:27).

Princípio 7

Somente pelo relacionamento você consegue saber o que a autoridade quer.


Somente aqueles que têm um conhecimento verdadeiro da autoridade podem
dizer na ausência deles: “Pro- vavelmente isso não vai gostar do meu líder,
meu pai ou o pastor”. Por que tal conclusão foi alcançada? Porque ele está
fami- liarizado com o mandamento de seu líder.

Portanto, meu amado, como você sempre obedeceu, não como apenas na
minha presença, mas muito mais agora na minha ausência (Filipenses
2:12).

Princípio 8

A esfera de liberdade de ação que alguém tem para desen - volver ou projetar
seu ministério é precisamente para (1) que é autorizada, ou (2) pelo fato de
conhecer a vontade desse líder ou o mandamento do líder em relação ao
assunto.

Princípio 9
É sábio saber quem é a autoridade.
Princípio 10

A autoridade deve ser respeitada acima de quem é a autoridade. Ninguém


deve ser justificado em aceitar ou negar uma au- toridade. No caso mais
extremo, Jesus ordenou prestar atenção até aos hipócritas, ele disse: Faça
tudo o que eles dizem, e não o que eles fazem (Mt 23: 3). Você percebe? Não
deve haver pre- texto por falta de restrição. As autoridades deven ser
respeitadas independemente de quem sejan.

Princípio 11
As autoridades devem ser reconhecidas e obedecidas e consideradas em
grande estima.

Ora, rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós,


presidem sobre vós no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais em
grande estima e amor, por causa da sua obras. Tende paz entre vós (1
Tessalonicenses 5:12-13).

Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas


almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com
alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil (He. 13:17).

Certamente, obedecer é melhor do que sacrifícios e prestar atenção do


que a gordura dos carneiros. Porque a rebelião é um pecado de
adivinhação, teimosia e idolatria (1 Samuel 15: 22-23).

Uma pessoa rebelde, não presta atenção ao seu líder, e não sabe que
desobedecendo a ele, ele convoca demônios sobre sua vida.

Princípio 12
Obediência tem um prêmio, a desobediência tem punição.

Você quer, então, não temer a autoridade? Faça o bem, e você terá
louvor; porque ele é o servo de Deus para o seu bem. Mas se você fizer o
errado, medo; pois não em vão ele carrega a espada, pois ele é servo de
Deus, vingador para punir aquele que faz o mal (Romanos 13: 3-4).

Reflexão para começar uma igreja


O que trouxe o pecado?
(1) _______________________________________

________________________
(2) _______________________________________
________________________
O que restaura a autoridade?
O que traz a falta de autoridade ou desobediência a ele? (1)
_____________________________________
___________________________
(2) _____________________________________
___________________________
(3) _____________________________________
___________________________
Qual é a base para o exercício da autoridade na igreja? (1)
____________________________________
____________________________

(2) _____________________________________
___________________________

O que acontecerá com você se você não sabe como exercer autoridade?
Qual o papel que os filhos ou filhas biológicos do líder des- empenham
quando estão bem treinados?
(1) _____________________________________
___________________________
(2) _____________________________________
___________________________
(3) _____________________________________
___________________________
(4) _____________________________________
___________________________
(5) _____________________________________
___________________________
Alguém que não está sujeito ou respeita a sua autoridade, poder está em
autoridade?
Qual o uso das ordens dos líderes, por mais pequenas que sejam?
Qual é a principal fonte de autoridade para um líder e por quem ele veio?
(1) _____________________________________
___________________________
(2) _____________________________________
___________________________

Princípio 1
A autoridade é adequada?

O que acontece quando o enviado deixa de representar a pessoa que o


enviou?
O que acontece quando o líder enviou tem outro espírito do que o líder que o
enviou?
Você pode deixar de representar o líder que o enviou? O que acontece
quando alguém faz isso?
Princípio 2
Quem tem um problema com quem enfrenta autoridade?
Princípio 3
Qual é o caráter da autoridade que é exercida por um verdadeiro líder?
Princípio 4
O que o bom líder de seus líderes procuram?
Princípio 5
É correto promover-se como líder?

O que você tem a fazer quando vê alguém que reivindica autoridade?


O que você tem a fazer quando vê alguém fazendo seu de- ver?

Princípio 6

É o mesmo que respeitar a autoridade está presente ou ausente?


O que é considerado quando a autoridade está fisicamente ausente?
(1) _____________________________________
___________________________
(2) _____________________________________
___________________________
(3) _____________________________________
___________________________
(4) _____________________________________
___________________________
.

Princípio 7
Como você conhece bem um líder?
Princípio 8

Quais são as duas possibilidades que um subordinado tem para saber qual é a
liberdade de ação para desenvolver ou projetar seu ministério?
(1) _____________________________________

___________________________
(2) _____________________________________
Princípio 9
É sábio saber quem é autoridade?
Princípio 10

Quem vai ser sujeito a uma autoridade primeiro tem que aprová-lo?
Existe alguma justificativa para não aceitar ou negar uma autoridade?

Princípio 11

Devemos reconhecer e obedecer as autoridades e mantê-las em alta estima?


O que acontece quando há uma pessoa rebelde que não presta atenção ao seu
líder?

Princípio 12
O que obtém a obediência? O que a desobediência obtém?

Capítulo 16
SERVIR A DEUS APESAR DE TUDO
Portanto, sendo livre de todos, tornei-me um servo de todos para ganhar
um número maior (1 Coríntios 9:19).

Quando há a exigência de Deus, devemos obedecer sem demora. Só que


muitas vezes o trabalho é atrasado ou não fei- to porque os servos de Deus
não dependem de Deus, mas em muitas outras coisas. Dependem de um
salário, um emprego, um governo, uma tradição, um status, um costume, a
família, o conforto, um empréstimo, uma garantia ou muitas outras coisas.
Em outros aspectos, alguns também são condicionados pelo medo ou pela
ambição excessiva, ou suas muitas emoções.

Para começar a servir, você precisa estar livre de tudo e de todos. Lembro-me
quando eu comecei o ministério, tive que tomar várias decisões pessoais.
Você deve definir o local

Se você tomar a necessidade do lugar como uma medida para saber se Deus o
chama para servir lá, você pode dar errado, porque há lugares com
necessidades maiores do que isso. O lugar é definido com Deus. Você não
deve duvidar de que Deus está lhe dando uma visão sobre esse lugar, para
mudar muitas coisas com sua participação. Certamente, nesse lugar, você se
vê fazendo coisas novas, ou mudando outras, e você começa a se familiarizar
com algumas coisas que Deus mostra.

Para que você saiba, no meu caso, recebi cinco convites ao mesmo tempo
para pastorear em lugares diferentes, mas Deus mostrou com absoluta certeza
que devemos estar em Luján e não em outros lugares.

Você deve definir de quem você depende

Outra das primeiras decisões que fiz foi confiar em Deus pelo meu apoio.
Como não queria ser um fardo para a minha igreja, renunciei ao meu salário
pastoral. Naquela época, eu tinha duas filhas muito pequeñas. Eu queria
conhecer Deus como Provedor. Eu tinha lido o livro “Biografia dos Grandes
Missio- nários” de Orlando Boyer e eu estava muito motivado para ver Deus
trabalhar para mim.
Quando eu disse aos poucos membros que, com minha esposa e nossas filhas,
nos comprometemos a ser seus pastores, um dos membros mais ricos da
época disse: “Pastor, não pode- mos mantê-lo”. De mim, saiu sem qualquer
jactância ou arro- gância: “Quem dependerá de você, só dependeremos de
Deus?”

Nunca contei a ninguém sobre nossas necessidades, só Deus e Ele nos


forneceu em abundância.
Você deve saber quem você é

A segunda decisão que tomei teve que ver com minha autoestima. No
começo, pensei que Deus me usasse porque não tinha outro. Até fiz uma lista
de pastores que podiam apresentar melhor que eu, mas Deus queria me usar.

Alguns, como eu têm uma auto-estima muito pobre, vêem o ministério


pastoral como o único fim para validar que eles ser- vem a algo. Mais uma
vez eles estão errados, já que Deus nunca usa pessoas que não se
apresentaram bem no campo natural ou secular.

Mas o espiritual não é o primeiro, mas o animal; então o espiritual (1


Coríntios 15:46).

O texto indica a seqüência correta, primeiro devemos execu - tar bem no


natural, para poder fazer algo de bom no espiritual. Se você tem muitos
problemas no natural, seja porque você não trabalha duro, ou está sempre
devendo dinheiro ou materiais, ou aluga e corre o risco de uma mudança
permanente, o que faz você acreditar que você fará bem no ministério
espiritual?

E eu acho que parte dessa confusão de acreditar que você ainda estará bem,
mesmo que você não faça bem no natural, vem de ter como muito literal o
texto da Escritura que diz que Deus usa o insensato e vil do mundo para
envergonhar para os sábios.

E o vil do mundo e os desprezados escolheram Deus, e o que não é, para


desfazer o que é (1 Coríntios 1:28).

Infelizmente, muitas pessoas vêem o ministério pastoral como uma forma de


subsistir como seria em um trabalho se- cular. Essas pessoas são as que mais
tarde fazem o ministério parecer ruim e desacreditá-lo. Se eles não
conseguiram executar bem no natural, que os faz acreditar que eles o farão no
espiri- tual? Sem dúvida, eles são enganados.

Você deve definir o tipo de família que você vai ter

A família pode ser uma grande benção para o seu ministé - rio, ou não. Você
pode cortar a unção de Deus para conquistar se você estiver muito ligado a
sua casa e sua família. Você deve saber que o apego excessivo a coisas ou
pessoas é idolatria, e Deus abomina todos os ídolos e toda espécie de
idolatria.

Para que não exista uma espécie de idolatria com a família, Deus iniciou um
processo com Abram, disse-lhe: vá da sua terra e da sua família e da casa de
seu pai (Gênesis 12: 1). Então ele pediu que ele sacrificasse seu filho Isaac.

E ele disse: Tome agora seu filho, seu único, Isaque, a quem você ama, e
vá para a terra de Moriah, e ofereça-o lá como holocausto em uma das
montanhas que eu lhe direi (Gênesis 22: 2).

Se você não tem a revelação de Deus para entender esses textos


espiritualmente, você pode acreditar que Deus o envia para cortar ligações
afetuosas e filiatoriais com sua família bio- lógica. Pelo contrário, ele lida
com nossas afeições mais íntimas para que nós definamos a quem
pertencemos e a quem amamos acima de tudo.

Deixar a terra e a família significa obedecer a Deus e fazer o seu trabalho,


sem que nada nos vincule. E sacrificar Isaac, simbolizar, dar a Deus o mais
amado, porque ele estará nas me- lhores mãos.

E ele disse: Jurei por mim mesmo, diz o Senhor, porque, por ter feito isto,
enão reteveseu filho, seu único filho; Certamentevou abençoá-lo, e
multiplique sua prole como as estrelas do céu e como a areia que está na
praia; e sua prole possuirá as portas de seus inimigos. Em sua semente, todas
as nações da terra serão abençoadas, porque você obedeceu a minha voz
(Gênesis 22: 16-18).

Se o pastor não entende que ele é parte de uma família maior, a espiritual, ele
pode acreditar que sua família biológica é a única e principal. Sua família
biológica é parte do projeto de Deus, não uma mera razão social. Todos os
membros da casa também devem ter o mesmo foco espiritual, que os faz
parte de uma família ministerial. Somente neste sentido é justificado, você
será salvo, você e sua casa (Atos 16:31).

Josué disse: Eu e a minha casa serviremos a Jeová (Josué 24:15).


Você deve definir o que você vai viver
O homem não viverá de pão sozinho, mas por cada palavra de Deus
(Lucas 4: 4).

Suas palavras foram encontradas, e eu as comei; e sua palavra foi para


mim com alegria e pela alegria do meu coração (Jeremias 15:16).

Não se forneçam de ouro, prata ou cobre nos seus cintos; nem de alforje
para a estrada, nem de duas túnicas, nem de calçados, nem de pessoal;
porque o trabalhador é digno de sua comida (Mateus 10: 9-10).

Andar com Deus exige que você deixe de lado o raciocínio lógico e confiar
nas coisas, confiar apenas em Deus. Servir a Deus exige fé.

Quando você tem uma família e filhas muito pequenas, posso garantir que
você deve verificar se você acredita nesses textos ou não. Você consegue
manter sua família comendo Bí- blias? Com o que você pagará o aluguel?
Como você pode se sustentar se você não tem recursos financeiros? É claro
que Deus não quer que o trabalhador sofra desnecessariamente, nem sofra
fome, escassez ou miseria, pelo contrario.

E o Senhor te fará prosperar grandemente no fruto do teu ventre, no


fruto dos teus animais e no fruto do teu solo, na terra que o Senhor, com
juramento, prometeu a teus pais te dar (Deuteronômio 28:11).

Sirva, apesar das circunstâncias adversas

As circunstâncias adversas podem ser as provações e si - tuações difíceis que


fazem o trabalhador de Cristo querer sair. Lembro-me de que um antigo
membro da igreja compartilhou um testemunho, onde ele mencionou que
graças a seu vizinho rico ele conseguiu comer naquele dia, ele e sua família.
Eu cen- surei ele e pedi-lhe para nunca mais compartilhar um testemunho
semelhante, já que era uma pedra de tropeço.

George Muller, que manteve orfanatos em toda a Inglate - rra, nunca pediu
ajuda a ninguém e nunca negou ajuda a quem pedisse, dependia apenas de
Deus.

Depender de Deus não é misticismo, mas uma crença muito íntima e pessoal.
É também acreditar que Deus é nosso pastor e nada faltará (Salmo 23). Este
foi nosso caso, ninguém nunca descobriu nossas necessidades pessoais, Deus
sempre as forne- ceu em seu tempo. Além disso, as provas e desafios nos
ajuda- ram a crescer na fé.

É muito diferente, se você não tem um chamado específi - co, e você aceita a
fé acreditando que Deus não vai deixar você perder nada. Deus é responsável
por sua chamada não por seu erro. Se o tempo passar e os recursos não
chegarem, e você está sempre sofrendo de escassez, e mesmo de miséria,
você deve revisar sua fé. Deus sustenta seus filhos e não perde nada.

Lembro-me do caso de um pastor que começou conosco e o mantivemos por


quase três anos, ele sempre pediu dinheiro por isso ou aquilo, ele nunca teve
o suficiente. Até que eu pedisse que ele procurasse um emprego e se
dedicasse a servir a Deus o melhor que pudesse. Deus, quando é que sua
vontade confirma com muita fruta em todas as ordens.

Sirva, me sustentando de acordo com meus talentos e presentes

Servir com meus talentos e presentes é o que na Bíblia é chamado de ter um


ministério “fazendo tendas”. Paulo fez ten- das enquanto pregava o
evangelho. Fazendo tendas era seu ta- lento natural, seu ofício, o que ele
sabia fazer. Talvez você seja um carpinteiro, um ferreiro, um eletricista, um
funcionário ou

INTRODUÇÃO
um pedreiro, não importa, o que importa é que, enquanto você está
trabalhando em uma troca, você prega o evangelho.

E aprenda também o nosso para nos engajar em boas obras para casos
de necessidade, para que não sejam infrutíferas (Tito 3:14).

O apóstolo Paulo ainda estava disposto a trabalhar com suas próprias mãos
para não ser um fardo para a igreja coríntia (2 Coríntios 11: 9). Faz parte do
“envolvimento em boas obras”, proporcionando o seu próprio apoio. Esta
atitude mostra que Deus pode ser servido com fervor, mesmo através de
qualquer trabalho ou negócio, desde que seja honesto. Além disso, é outra
maneira de patrocinar a pregação do evangelho, sem depender ou ser um
fardo para alguém.

Depois destas coisas, Paulo saiu de Atenas e foi a Corinto. E encontrou


um judeu chamado Aquila, nascido em Pontus, que acabava de vir da
Itália com sua esposa Priscilla, porque Claudius havia ordenado que
todos os judeus saíssem de Roma. Era para eles, e como era do mesmo
comércio, ele ficou com eles, e eles trabalharam juntos, pois seu comércio
era fazer tendas (Atos 18: 1-3).

O apóstolo Paulo durante a semana fazia tendas, e durante o fim de semana


ele pregava e fazia a obra de Deus. Este minis- tério de fazer tendas, hoje é o
nosso exemplo para que muitos possam servir a Deus sem limitações.

Todos os sábados, Paul foi à sinagoga judaica. Ele falou com judeus e
gentios e tentou ganhá-los por Cristo (Atos 18: 4).

Este ministério é a capacidade de combinar o trabalho secular com o


verdadeiro ministério espiritual. É um ministério no qual o trabalhador se
sustenta e atua ativamente no progresso do evangelho.

Nós nos cansamos trabalhando com nossas próprias mãos (1 Coríntios


4:12).

Raramente, um pode ser totalmente apoiado pelo ministério da igreja


remetente. Este procedimento limita o número de trabalhadores que podem
ser enviados. Na maioria das vezes você tem que se sustentar. É importante
que sigamos a orientação do Espírito em todos os momentos. Não é surpresa
que a coisa certa possa ficar errada. Isso acontece quando as emoções ou
pequenos interesses são misturados. Portanto, o trabalhador de Cristo deve
priorizar o trabalho e vontade de Deus acima de seus próprios problemas ou
necessidades.

O apóstolo Paulo nos ensina sua perspectiva ministerial, o que é o mesmo


que devemos ter. Ele disse:

Eu sei viver com humildade, e sei como ter abundância; em tudo e em


tudo o que sou ensinado, tanto para saciar e ter fome, para que eu possa
ter muita e sofrer necessidade (Filipenses 4:12).

Se Deus o chamou, também irá sustentar você. Estes são os que receberam o
ministério no Senhor, portanto, tudo o que eles precisam flui para serem
cumpridos.

Veja que você cumpre o ministério que recebeu no Senhor (Colossenses


4:17).

Bom, bom e fiel servo; você foi fiel um pouco, eu vou definir você muito;
entre na alegria de seu senhor (Mateus 25:21).

Como você vai perceber, todos nós temos um chamado de tempo integral
para servir a Deus. Nossos trabalhos, estudos ou tarefas diárias são os meios
que Deus usa para nos dar oportu- nidades para compartilhar sua palavra com
os outros.

William Carey, um missionário da Índia, reparou sapatos para ganhar a vida,


mas sua verdadeira prioridade era pregar o evangelho. Como você sabe, o
apóstolo Paulo fez tendas na oficina de Aquila e Priscilla para se sustentar
enquanto pregava. Mas sua atividade real na vida era alcançar os corações e
as almas dos homens, e a loja da tenda era um pretexto para encontrar novas
almas para fazer com que eles conhecessem Cristo.

Além disso, o mecânico, padeiro, ferreiro, professor ou co - merciante tem a


oportunidade de usar seu comércio para abrir a porta para uma conversa
sobre necessidades espirituais. Em suma, cada escritório ou tarefa deve ser
feita com a idéia de tra- zer luz no meio da escuridão, de modo que, ao
mesmo tempo, que ganha sustento diário, Deus também é servido na
evangelização.

Para aqueles que servem a Deus o fazem com responsabili- dade absoluta,
independentemente das circunstâncias. Pablo diz:

Bem, se eu anunciar o evangelho, não tenho motivos para se gloriar;


porque a necessidade me é imposta; e ai de mim se eu não anunciar o
evangelho! Portanto, se o fizer de bom grado, terei uma recompensa;
mas se de vontade, a comissão foi confiada a mim. O que, então, é o meu
prêmio? Deixe-me pregar o evangelho, apresentar o evangelho de Cristo
gratuitamente, para não abusar do meu direito no evangelho. Portanto,
sendo livre de todos, tornei-me um servo de todos para ganhar um
número maior (1 Coríntios 9: 16-19).

Como vemos, o ministério de “fazer tendas” também é conhecido como o


ministério dos leigos. Este ministério baseiase no fato de que não é apenas
possível combinar o trabalho secular com o serviço espiritual, mas também
essa maneira de se comportar é o verdadeiro exemplo bíblico que devemos
imitar para a expansão e projeção efetiva da igreja. . O apóstolo Paulo é o
maior exemplo do Novo Testamento quando se trata de iniciar uma igreja
(Atos 18: 3-4; 20: 32-36). Através deste ministério, os leigos devem ser
treinados e equipados para contribuir com a extensão do reino do Senhor ao
iniciar uma igreja. Esta maneira de realizar o ministério permite várias
vantagens:
1. Desenvolva a fé para depender de Deus.
2. Não sobrecarregue a igreja com uma demanda de apoio.
3. Não limita o envio de trabalhadores.
4. Facilitar a rápida expansão da igreja.

A questão que temos de responder: Estamos dispostos a fazer qualquer coisa


por Jesus Cristo, nosso Senhor? Se você tem que manter um trabalho secular
para que você possa viver e ministrar em uma terra estranha, você faria isso?
É demais pedir para servir a Deus?

Reflexão para começar uma igreja


O que não precisa faltar para que o trabalho de Deus possa ser cumprido?
Como você deve definir o local onde você deveria servir?
Em quem você deve depender no trabalho de Deus?
Se fazemos mal no natural, podemos fazer bem no espiritual?
O pastor deveria cortar todos os laços com sua família? Qual deve ser o
relacionamento correto que o pastor deve ter com sua família?
Existe a provisão de Deus, quando não existe um chamado de Deus?
O que significa o ministério das tendas?
Quem tem o chamado para servir a Deus em tempo integral? O que significa
servir a Deus em tempo integral?

Capítulo 17
A ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA
IGREJA
Porque quem de você, querendo construir uma torre, não se sente
primeiro e calcula as despesas, para ver se ele tem o que precisa para
terminar? (Lucas 14:28)

A administração da Igreja consiste em uma tarefa combina - da entre o


natural e o sobrenatural ou espiritual, deve haver um equilíbrio entre os dois.
Por um lado, há oração e fé, mas, por outro lado, há a organização, as
estatísticas, os relatórios, a pres- tação de contas. Ambas as coisas são
extremamente necessárias.
A igreja é fundamentalmente um organismo vivo, que, se é saudável e no
processo de santificação, cresce e deve ser organi- zado e administrado
corretamente.

Sem uma boa administração, a igreja estave-se e o que é construído pode


entrar em colapso se não for mantido. Há mo- mentos em que se pergunta se
a igreja está realmente avançando ou não. Há muitas atividades na igreja e
são realizadas com en- tusiasmo, mas eles fazem a igreja avançar ou eles
estão apenas se movendo em círculos?

Nenhum ministro é nomeado de dia para noite, nem os que têm ministérios
específicos aceitos sem conhecê-los adequada- mente. Até que o ministro
demonstre compromisso com a igreja, e o mesmo DNA que o pastor, ele não
deve estar encarregado de nenhuma tarefa ministerial.

Diga a Arquipo: Veja que você cumpre o ministério que recebeu no


Senhor (Colossenses 4:17).

As atividades devem ser provenientes dos ministérios; os ministérios da visão


de um ministro. Sem ministros, nem líderes responsáveis pelo ministério, não
deveria haver atividades, pois só preencheria uma data no calendário, mas
não ajudariam na visão da igreja.

Se a igreja está estagnada, é reprovada. A verdadeira igreja só deve avançar e


crescer em todas as áreas, em membros, recursos, pessoal, lugares,
ministérios e missão.

Além da visão, deve haver organização e boa administração para que a


provisão seja mantida. Cada igreja tem uma demanda de Deus para realizar
em sua geração. Deus é aquele que acres- centa tudo o que é necessário para
o cumprimento de seu plano. Somente, que os responsáveis por iniciar uma
igreja devem ter muito cuidado com os recursos de Deus.

E se você não fosse fiel nos outros, quem lhe dará o que é seu? (Lucas
16:12)

O líder da igreja, além de ser um bom pai, pastor, pregador, professor,


também deve ser um bom administrador e estrategis- ta, porque ele deve
saber como administrar a graça multiforme de Deus e não perder a visão que
Deus lhe deu.

Agora, são necessários administradores, para que cada um seja


encontrado fiel (1 Coríntios 4: 2).
Algumas recomendações No que se refere às atividades

Alguns confundem atividades em um calendário com visão. A visão é o que


Deus exige, é o objetivo máximo, e as atividades devem visar alcançá-lo. Não
deve haver atividades para entreter pessoas, nem como eventos destinados
apenas a impactar aqueles que participam. Toda atividade ou evento, só se
justifica se for ayudar a visão e ganhar almas para Cristo.

Com relação às pessoas

As pessoas são a matéria-prima de que o ministério cristão é composto, eles


devem se valorizar pelo que são, não pelo que fazem ou têm.

Em relação a posições ou posições

Não são os dons que projetam as pessoas, mas o caráter de Cristo nelas. Os
dons são o que eles sabem como fazer, o carácter é o que eles realmente são.
Para sua projeção ou reconhecimento, eles devem ter o DNA da igreja e
mostrar total compromisso e identificação com a visão da igreja e do pastor.

Com respeito a quem conta ou gerencia o dinheiro

Estas devem ser pessoas totalmente altruístas e discretas na administração de


seu próprio dinheiro. Nunca devem ser pessoas que emprestam, ou que
sofrem com a má gestão do dinhei- ro. Eles devem ser pessoas de bom
testemunho, e sérias em sua maneira de ser.

Em relação aos estágios que a igreja atravessa

Como a travessia do povo de Israel através do deserto, a igreja passa por


diferentes estágios. O líder é aquele que deve reconhecer o fim de um estágio
e o início de outro. Sem os está- gios, a vida de uma igreja se tornaria muito
monótona.
Como os começos são difíceis, é sabido que eles devem pas - sar pelo menos
três anos para saber onde estamos e com quem estamos. Eu recomendo não
tomar decisões apressadas, ou comprometer-se a pessoas a dar posições ou
responsabilidades. Pode revelar-se que aqueles que pareciam mais
consagrados no início não são tão consagrados com a passagem do tempo e
aqueles que parecem menos consagrados são os que mais apoiam e estão
presentes quando são necessários.

No que diz respeito às promessas de apoio das pessoas

Infelizmente, é frequente o fato de que aqueles que mais prometem apoiar e


serem incondicionais são os que primeiro deixaram o navio. Nunca se deixe
levar por adulação, ou promessas lisonjeiras, porque muitos dizem o que
sabem que os ou- tros querem ouvir, mas não é o que está em seus corações.
Mais do que ninguém, o líder deve saber com quem ele está. Uma expressão
do campo diz: “é preciso conhecer os bois com os quais é arado”.
Particularmente se você trabalha com estranhos, devemos saber o que
esperar, para não se decepcionar.

Em relação aos ministérios

Se não houver ministros, não há ministério. Às vezes, as pessoas querem


fazer algo relacionado ao que precisam resol- ver. Outras vezes, os
ministérios surgem dos testes aprovados, e também há aqueles que recebem
uma missão especial de Deus.

Com respeito ao patrimônio ou bens da igreja

Se tivermos cuidado com o que temos, será mantido e se também somos bons
administradores e tivermos visão, ele se multiplicará. Tenho observado que
as pessoas cuidam muito seu próprio dinheiro ou recursos, mas negligenciam
o dinheiro ou a propriedade de outros.

Em uma igreja, os bens são de Deus, e o líder deve cuidar e administrar os


bens da igreja como seus próprios.

Infelizmente, vejo muita negligência nas igrejas, deixam as luzes acesas, se as


coisas estão quebradas, ninguém se respon- sabiliza, compram coisas
desnecessariamente, e também não se perguntam se alguém pode ter algo
disso para doar. Imagino que esse pensamento seja tratado: “total eu não
pago, ou não é meu”. No entanto, Deus também nos pedirá a conta por isso.

E se você não fosse fiel nos outros, quem lhe dará o que é seu? (Lucas
16:12)
Além disso, a entrada é negligenciada, as portas permanecem abertas,
independentemente de quem entra ou sai.
E aquele que abre a porta procura muito a sua ruína (Provérbios 17:19).

Não é assim, em qualquer casa, por que deveria ser dife - rente na igreja? São
os que vêm, todos são bons? Quando se diz que a igreja é um lugar de portas
abertas, queremos dizer que as pessoas podem vir quando quiserem, desde
que venha com propósitos sagrados. Mas se se trata de roubar, ou destruir, o
que fazemos? Por exemplo, em nossa igreja, por ser a porta aberta do templo,
e as pessoas ocupadas em suas reuniões sem se importar com quem entra ou
sai, algumas bicicletas foram roubadas, o que devemos pagar por elas. Em
outra igreja, eles roubaram até a garrafa de gás de uma cozinha.

Para evitar surpresas de mau gosto, deve haver um ministério de segurança


com voluntários que se revezam para guardar a entrada e garantir a boa
ordem das coisas.

Caros amigos, Deus está supervisionando nosso trabalho. Deus exigirá que
cada um de nós seja encontrado fiel em relação a Ele e ao Seu santo
Propósito. No livro de Apocalipse, ele diz insistentemente: CONHEÇO
SEUS TRABALHOS ¡¡¡¡¡¡ (Apo- calipse 2: 2,9,13,19, 3: 1,8).

Reflexão para começar uma igreja


Qual é a administração da igreja? O que acontece se a igreja não tiver uma
boa administração?
De onde e a partir do que as atividades de uma igreja podem surgir?
O que é mais importante, os dons ou o caráter de Cristo nas pessoas para
confiar-lhes uma tarefa ministerial?
Quem deve gerenciar o dinheiro em uma igreja?
Qual é o tempo necessário para saber com quem estamos? Como devemos
cuidar dos bens da igreja?
Capítulo 18
A VISÃO DA IGREJA: O SELO E O SONHO DE
DEUS
Cada igreja tem sua própria visão particular, muito diferente das outras
igrejas, e os membros são responsáveis por executála. A visão é o selo e o
sonho de Deus para cada igreja. Selo, por- que identifica, ou marca de forma
muito particular as pessoas, que Deus atribuiu para cumprir seu sonho. Isso
significa que Deus atribuiu pessoas específicas que fertilizarão a visão e se
encarregarão de realizá-la. O líder deve conhecer isso e esperar por esse tipo
de pessoas!

Mas o fundamento de Deus é firme, tendo este selo: conheça o Senhor


aos que são dele (2 Timóteo 2:19).

Assim também o pastor deve conhecer aqueles que estarão profundamente


comprometidos com ele para cumprir a visão que Deus lhes deu. Em nosso
caso particular, a visão do IBEM é:

“Para estender o reino de Deus no poder do Espírito Santo, em todos os


lugares, através das células, possibilitando que cada crente desenvolva seus
dons e construa a igreja. Para que o Evangelho de Jesus Cristo alcance o
mundo inteiro”.

A explicação da visão

A visão, se não for compreendida, pode permanecer como uma mera


declaração filosófica de um desejo insatisfeito. So- mente, quando as pessoas
entendem a visão, podem correr nela.

“Estender o Reino de Deus”

Deus é o soberano absoluto de toda a Sua criação e projeta seu reino através
de Sua igreja que está ganhando (arrebatando) terreno ao reino das trevas.
Isso é alcançado através do Evandelismo. Uma igreja que não vê na sua área,
diminui a taxa de roubos e outros atos de crime não está estendendo o reino
de Deus.
Convidamos você a participar de todas as atividades evangelísticas
programadas pela célula ou pela igreja. Vamos sair diariamente e
intencionalmente pescar no mar da humanidade, e decididamente, vamos nos
esforçar para estender o Reino de Deus. Lembre-se sempre, o crecimiento
depende de Deus, mas a extensão depende de nós.

A VISÃO DA IGREJA: O SELO E O SONHO DE DEUS


No poder do Espírito Santo”

Ninguém deve pensar que tudo pode ser alcançado por capacidades humanas.
Somente o poder do Espírito Santo pode torná-lo possível. Portanto, a
dependência do Senhor e suas for- ças são fundamentais.

“Em todo lugar, por meio de células”

Tudo em nossa igreja passa pela célula e pelo líder da célula. O objetivo geral
é que cada membro seja integrado a uma célula, e que através das cinco
etapas da missão (Evangelizar, discípulo, treinar, servir e enviar), realizamos
a visão. E em todos os luga- res onde IBEM existe células da nossa igreja.

“Tornando possível para cada crente desenvolver seus dons e construir a


igreja”

O objetivo final de qualquer membro é colaborar na cons - trução da igreja.


Esta comissão envolve mais do que evangelismo. As nações devem ser
discipuladas. As multidões devem ser curadas e liberadas. Novos líderes
celulares e células devem ser estabelecidos. Não deve haver outro objetivo
que compita com isso, em primeiro lugar para o desenvolvimento adequado
dos dons e talentos e, em segundo lugar, porque os membros da igreja estão
integrados para esse propósito.

“Para que o evangelho de Jesus Cristo alcance o mundo inteiro”

Neste postulado, observam-se duas coisas claras: a projeção do evangelho de


Jesus Cristo e a maneira como ela chega. Qualquer crente pode dizer algo
sobre sua fé, mas nós encorajamos ele a mostrar sua fé com atos concretos de
serviço aos outros. Esses fatos podem ser, boas obras, atos de amor, atos de
mi- sericórdia, obras de benevolência e serviço de solidariedade na
comunidade. Só então, as pessoas verão Cristo em nós.

Nossas cartas são você, escritas em nossos corações, conhecidas e lidas


por todos os homens (2 Coríntios 3: 2).

Reflexão para começar uma igreja


Qual é a visão da igreja?
Como é alcançada a extensão do Reino de Deus?
Que força preciso para estender o Reino de Deus?
Qual é o objetivo geral da igreja? O que todos os membros da igreja têm que
fazer?

Capítulo 19
O MINISTÉRIO DOS CINCO PASSOS DA MISSÃO
Portanto, vá e faça discípulos de todas as nações, batizando-os em nome
do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as
coisas que eu lhe ordenei; e eis que estou com vocês todos os dias, até o
fim do mundo. Amém (Mateus 28: 19-20).

Se você começar a igreja pensando no fim, muitas coisas funcio - narão bem
desde o início. A mudança em movimento só é permitida, se for para fazer
ajustes na visão. Não gera confiança para alguém que está constantemente a
mudar ou a tentar novos métodos.

Quando as pessoas sabem o que querem, não andam, correm, então também
acontece com aqueles que conhecem a visão.
Escreva a visão e indique-a nas tabelas, para que aquele que lê isso pode
correr (Habacuque 2: 2).

Dizem que uma pessoa pelo simples fato de ir, pode dar mais de quatro vezes
ao redor do mundo durante toda a vida. Você imaginou que podemos andar
em tantos lados e passar por essa vida sem influenciar ninguém por causa de
Cristo? Seria trágico, né? Eu falaria de uma vida desperdiçada e inútil. A me-
lhor interpretação deste verso é: “como eles vão” evangelizar, discípulo,
treinar, servir e enviar.
Esta última declaração de Jesus, hoje é conhecida como a “Grande
Comissão”. Vá por todo o mundo para evangelizar e discípulo, para que
ninguém perece, mas todos chegam ao arrependimento.

E disse-lhes: Ide em todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura


(Marcos 16:15).

O mundo está ansioso por uma transformação súbita. Os muitos poços


sem fundo do vazio das pessoas clamam pela manifestação dos filhos de
Deus e pela demonstração de Seu poder. Embora haja uma “imagem e
semelhança” de Deus em todas as pessoas, os filhos de Deus não
conseguiram mostrar de forma eficiente como o ciclo pode ser
completado, para que as pessoas aceitam Cristo e cresçam até a sua
estatura e saem ao mundo para ganhar o perdido.

A maioria nas igrejas, pela auto complacência, não saem evangelizar e a


maioria do exterior se recusa a entrar numa igreja que não está interessada
neles.

Jesus passou por todas as cidades e aldeias, ensinando nas suas


sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando todas as doenças e
doenças nas pessoas (Mateus 9:35).

Como você pode ver, o ministério de Jesus era sobre lugares de turnê,
pregação, ensino e cura. Nós chamamos de “Os 5 Passos da Missão” o
procedimento de orientação que permite a um novo crente enquanto ele viaja
para crescer até a estatura de Cristo e, por sua vez, ajuda os outros a fazer o
mesmo.

Evangelizar: é a boca da igreja

Testificando para judeus e gentios sobre o arrependimento para com


Deus e sobre a fé em nosso Senhor Jesus Cristo (Atos 20:21).

É hora de entender que a pregação do evangelho, o ensino e a oração pelos


milagres é o que o mundo precisa. O mundo está esperando para ver mais
pregadores, mais professores e mais milagres. Através do ministério da
pregação no tempo e fora do tempo, o acompanhamento dos novos e o ensino
da Palavra, muitos ministérios e igrejas surgiram em todo o mundo.

Somente através da evangelização pode ocorrer a conver- são, o crescimento


da igreja e a expansão ministerial.
Discípulo: é o coração da igreja
Para cuidar das pessoas, o apóstolo acompanhou seus discípulos,
“publicamente e através das casas (Atos 20:20).

Quando as pessoas aceitam Cristo, devem ser intensamente cuidadas e


acompanhadas até seu crescimento e desenvolvimento da fé. Se
negligenciarmos o acompanhamento, sofreremos quando vejamos pessoas
que se desviem do caminho e abraçam outras doutrinas e formas de doutrina.
É nossa responsabilidade estar com eles e supervisioná-los para que eles não
se percam.

Em outras palavras, a tarefa do discipulado é:

Para o discipulador:
• Ore por seu discípulo.
• Relacionamento semanal.
• Prestação de conselhos, ou o que é necessário para o bemestar do discípulo.

• Amor e correção para ajudar na formação do discípulo.


• Ser acompanhado por seu discípulo para fazer tarefas que ajudem na sua
formação ministerial, tais como: visitar, rezar pelos doentes, evangelizar,
participar juntos nas atividades da igreja.

Para o discípulo:
• Siga o discipulador, não o persiga.

• Imite-o e se torne como sua réplica.


• Adquira seus princípios e valores, se eles são o mesmo que Cristo.
• Aceite suas exortações e conselhos para corrigir erros.
• Estar disposto (Aceite a chamada para servir) e disponível (Servir quando é
solicitado) para servir.
• Assume sem qualquer pretensão, ou ostentação, de que você está
representando seu discipulado em sua ausência.
Somente através do discipulado pode ser dada a reprodução dos trabalhadores
e a expansão ministerial.
Treinar: é a mente da igreja
Como nada que foi útil, evitei anunciar e ensinar-lhe (Atos 20:20, 27, 35).

O campo de ensino é a vida espiritual. Se queremos que os trabalhadores e


todos saibam como responder a sua fé, devemos investir tempo em educação
e treinamento. Todos os membros devem estar envolvidos em estudos
bíblicos sistemáticos e específicos para que eles saibam como fazer o
trabalho do minis- tério. Não são estudos para treinar professores, intelectuais
ou acadêmicos, mas trabalhadores que sabem como fazer o trabal- ho do
ministério. Além disso, eles devem saber como dar uma razão para a fé a
quem quer que seja: governantes, filósofos, pro- fissionais, donas de casa,
crianças, professores, políticos e todos que o exigem.

Esteja sempre pronto para apresentar uma defesa com mansidão e


reverência a todos os que lhe pedem o motivo da esperança que está em
você (1 Pedro 3:15).

Somente através do treinamento, os trabalhadores podem re- conhecer a


doutrina sã e também manter a verdade bíblica bem.
Servir, são as mãos da igreja
Servindo ao Senhor com toda a humildade, e com muitas lágrimas e
provações (Atos 20:19).
Somente através do serviço, podem ser produzidas boas obras.
Enviar: são os passos da igreja
Agora, eis que estou ligado em espírito, vou a Jerusalém, sem saber o que
acontecerá comigo lá (v22).

A força de uma igreja geralmente é medida pelo número de pessoas que


participam. Mas, do meu ponto de vista, o potencial real reside no número de
trabalhadores que envia. É assim que a igreja verdadeira deve ser. Seu
ministério está reconhecendo líderes, promovendo ministérios, enviando
trabalhadores? Al- guns ministros gostam de se gabar do que fazem, mas a
igre- ja do Novo Testamento enviou líderes para estabelecer igrejas onde eles
não existiam.

Ministrando estes ao Senhor e ao jejum, o Espírito Santo disse: Me


separe para Barnabé e Saul pela obra a que os chamei (Atos 13: 2).

Quando a igreja se concentra em caminhar passo a passo para cumprir todos


eles, e repete o processo de tempos em tempos para ganhar pessoas para
Cristo e cuidar deles bem, vai em breve começar uma nova reforma, a
influência dos servos do Senhor que servem intransigente na igreja em favor
da extensão do Reino de Deus.

Reflexão para começar uma igreja


É bom que uma igreja mude permanentemente?
O que acontece quando as pessoas têm uma visão clara?
Sobre o que era o ministério de Jesus? Quais são os cinco passos da missão
que estão faltando?

Capítulo 20
DISCÍPULO BASEADO NOS CINCO PASSOS DA
MISSÃO
Uma visão sem missão é uma mera retórica filosófica. Se houver visão,
também deve haver missão. A missão é realizada através de boas obras, que
são, em última instância, aquelas que especificam a visão.

Quando muitos pensam que devem inventar algo para discípular as pessoas, a
missão os concentra para atingir o objetivo e cumprir a Grande Comissão.

Portanto, vá e faça discípulos de todas as nações, batizando-os em nome


do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a manter todas as
coisas que eu lhes mandei; e eis que estou com vocês todos os dias, até o
fim do mundo. Amém (Mateus 18: 19-20).

Neste capítulo, teremos algumas questões orientadoras para produzir diálogo


e reflexão com os discípulos. Sem este diálogo, ou aquela reflexão, não
seremos capazes de conhecer o verda- deiro nível espiritual dos discípulos, e
muito menos ajudá-los a crescer.

O exemplo de Felipe, o evangelista


Um anjo do Senhor falou com Felipe, dizendo: Levanta-te e vai para o sul, na
estrada que desce de Jerusalém para Gaza, que é deserto. Então ele se
levantou e foi. E aconteceu que um eunuco etíope de Candace, rainha dos
etíopes, que estava sobre todos os seus tesouros e tinha ido a Jerusalém para
adorar, novamente sentado no seu carro, lia o profeta Isaías. E o Espírito
disse a Philip: Venha e se junte a esse carro. Quando Philip veio, ele o ouviu
ler o profeta Isaías e disse: “Mas você entende o que lê?” Ele disse: E como
posso, se alguém não me ensina? E im- plorou a Filipe que subisse e se
sentasse com ele (Atos 8: 26-31).

A história bíblica mostra que Felipe obedece a um anjo. O anjo (tipo de


discipulado) e Felipe seu discípulo. Depois que o papel de Felipe muda, ele
se torna um discipulado e o eunuco etíope seu discípulo.

O anjo (discipulado) enviou Philip (discípulo) para descer e ir ao deserto.


Esta é uma ordem muito estranha, primeiro, porque eu tinha que descer, e
segundo, porque eu tinha que ir ao deserto onde, supostamente, não havia
ninguém. No entanto, Felipe obedeceu e ficou surpreso com o que encontrou.

No deserto, Felipe encontrou um eunuco oficial etíope de uma rainha. Aqui a


graduação de Felipe ocorre, como discípulo, ele se torna um discipulado.

Este oficial estrangeiro (discípulo) estava lendo a Bíblia, mas ele não
entendeu bem. Felipe (discipulado) explica as Escrituras. Duas coisas que
Felipe fez que todos os discípulos deve- riam fazer semanalmente: Sente-se
com o discípulo e explique as Escrituras para ele.

Guia de Procedimentos
1. Escolha um dia, um lugar e um tempo para se encontrar e se sentar com
seu discípulo.

2. Tenha em mente, compartilhe os tópicos relacionados aos Cinco Passos da


Missão, além dos tópicos que são necessários para a formação ministerial do
discípulo.

Precisamos avaliar-nos passo a passo, saber em que nível estamos a


completar o ciclo e também avaliar através dos Cinco Passos da Missão,
nossos discípulos. Eu só preciso avisar aqueles que afirmam discípulo de
outros: se você observar os resultados gloriosos do ministério de Filipe, você
perceberá que a chave era, porque “eles acreditavam nele”.

Mas quando creram em Felipe, que pregava o evangelho do reino de


Deus e o nome de Jesus Cristo, homens e mulheres foram batizados (Atos
8:12).

Se as pessoas acreditam em nós, não só serão batizadas, mas também


colaborarão para cumprir a visão, mas, se não houver tal confiança, tudo é
inútil. Infelizmente, alguns assumem o cumprimento das cinco etapas como
um método frio e formal, por isso não funciona. Sem uma relação de amor e
confiança mútua, não há discipulado. O discipulado é efetivo quando se tem
um relacionamento sincero é estabelecido entre o discipulador e o discípulo.

Primeiro passo: EVANGELIZAR Para os disputadores

• Você deve apresentar o evangelho. Posso apresentá-lo?


• Você deve convidar o novo para receber Cristo.
• Precisa saber se a pessoa tem uma Bíblia.
• Você deve saber como ele veio à igreja.
• Você deve saber como sentiu na reunião.
• Você deve saber como se sente agora.

Para os discípulos

• Você deve aprender a escrever seu testemunho: como você conheceu


Cristo?
• Precisa aprender o ABC do evangelismo.
• Deve ser avisado sobre rejeição e agressão por causa do evangelho.
• Deve fazer uma lista de conhecidos para evangelizar.
• Ele deve ser prudente quando testifica de Cristo a sua fa- mília, entre eles é
melhor que o vejam em nós, ao mesmo tempo em que eles também ouvem
sobre ele.
• Você deve orar sistematicamente por essa lista e visitá-los com seu
discipulado para conhecer Cristo.

Avaliação: devo me perguntar Para os disputadores


Estou saindo com o meu discípulo para evangelizar? Quantas conversões
estamos tendo no grupo?
Tenho um plano sistemático para sair e evangelizar? Compreendo que sem
evangelização, não há crescimento

da igreja, e muito menos extensão do reino?


Estou formando hábitos evangelísticos no meu discípulo?
Para os discípulos

As pessoas acreditam em mim?


Quantos são evangelizados pela igreja?
Por quantos estou orando para aceitar Cristo? Estou visitando com um
propósito evangelístico? Compartilho minha fé com total naturalidade?

Segundo Passo: DISCÍPULO


Para os disputadores

1. Deve ter entrevistas semanais para ajudar o seu discípulo a crescer.


2. Você deve conhecer o seu verdadeiro nível espiritual.
3. Você deve sair com seu discípulo para treiná-lo para o trabalho do
ministério.
4. Deve ter comunhão, companheirismo e relação amorosa com seu discípulo
5. Deve estabelecer fortes laços de confiança mútua.

Para os discípulos

1. Você deve participar de uma reunião semanal com seu discipulado.


2. Você deve compartilhar com seu discipulado seu progresso em assuntos
espirituais.
3. Deve manter a relação de comunhão, companheirismo e amor com seu
discipulador.
4. Deve estabelecer fortes laços de confiança mútua.
5. Você deve acompanhar seu discipulado para ser treinado para o trabalho
do ministério.
Avaliação: devo me perguntar
Para os disputadores
Que progresso eu vejo no crescimento do meu discípulo? Vejo mudanças
óbvias positivas e progresso?
Como vejo meu discípulo?
Tenho metas concretas de trabalho com meu discípulo?

Para os discípulos

O meu relacionamento com Deus e com o meu discipulo está crescendo?


Como vejo meu discipulador?
Percebo que meu discipulador está cada vez mais delegando
responsabilidades para mim?

Terceiro Passo: TREINAR Para os disputadores

1. Deve acompanhar os alunos e os cursos.


2. Você deve estabelecer um cronograma fixo para dar os cursos bíblicos.
3. Deve ser regular em relação ao lugar, aos dias e o tempo de reunião com o
discípulo.
4. Deve supervisionar e avaliar a aprendizagem como sis- temática.

Para os discípulos

1. Você deve mostrar interesse em aprender e praticar o que aprendeu.


2. Você deve respeitar o cronograma dos cursos.
3. Deve ser humilde com o que aprendeu.
4. Deve acompanhar os cursos e o progresso

Avaliação: devo me perguntar Para os disputadores

Sou um bom exemplo de treinamento e aprendizado? Motivação ao estudo e


ao envolvimento dos cursos? Conheço o verdadeiro estado intelectual dos
meus discípulos? Estou sempre estudando ou eu acho que aprendi tudo? Eu
me especializei em fazer um curso?
Estou desafiado a continuar estudando?

Para os discípulos

Estou crescendo no meu conhecimento de Deus e de sua igreja? Conheço as


doutrinas básicas da fé cristã?
Existem mudanças positivas evidentes do que eu aprendo? O que eu aprendo
com meus treinadores?
Estou encorajado a continuar aprendendo ou acho que eu

alcancei um limite?
Passo quatro: SERVIR Para os disputadores

• Deve dar a conhecer quando e onde servir (Hora, dia e local).


• Precisa explicar em detalhes o que precisa ser feito.
• Você deve avaliar três coisas: Participação (obediência), pontualidade
(disciplina) e atitude (interesse, amor) para servir.

Para os discípulos

• Deve revelar qualquer impedimento para não atender à chamada de seu


discipulador.
• Você deve participar no serviço designado.
• Deve ter uma atitude humilde para servir.

• Deve servir sem qualquer interesse e honrar a Deus com o que ele faz.
Avaliação: devo me perguntar Para o discipulador
Estou motivando os meus discípulos a servir?

Estou sempre trabalhando sozinho, ou há muitos que me acompanham?


Convoco de forma eficiente?
Percebo que as coisas são feitas mais e mais rápidas?
Se eles sempre perdem a chamada para servir, eu os justifico ou exijo
fidelidade ao compromisso?

Para os discípulos

Eu participo de atividades de serviço ou eu sempre tenho desculpas?


Sou regular na minha participação ou faço isso esporadica- mente?
Eu sei que através do serviço, estou desenvolvendo meus talentos e dons?
Eu me deleito em servir ou é um fardo que eu tento evitar?
Eu quero ajudar meus líderes ou eles quase nunca podem contar comigo?
Eu sei que meu serviço é um testemunho do meu amor por Deus?

Passo Cinco: ENVIAR Para os discipulador


• Deve acompanhar os discípulos semanalmente e crescer em comunhão.
• Precisa observar e avaliar constantemente os discípulos.
• Deve corrigir, conforme seja necessário, para ajustar os aspectos
ministeriais nos discípulos.
• Deve chegar ao ponto de recomendar seus discípulos para sua promoção.

Para os discípulos

• Você deve manter a comunhão semanal com seu discipulado.


• Deve ser dócil e humilde para continuar aprendendo com seu discipulador.
• Você deve aceitar correção com mansidão para melhorar seu desempenho
ministerial.
• Você deve esperar os horários absolutamente sujeitos ao que o seu
discipulado diz.

Avaliação: devo me perguntar Para os discipulador

Estou sujeito ao meu líder e responsável pelo que acontece com meus
discípulos?
Quantos eu poderei enviar, ou reconhecer como líderes?
Estou ciente de que o envio é o nível máximo para qualquer ministério?
Se algo acontece, eu tenho um sucessor?

Para os discípulos

Sou fiel em trabalhar os aspectos que me apontam para mu - dar?


Eu me abro com meu discipulador ou eu costumo manter o silêncio?
Tenho a expectativa de que o dia da minha promoção chegará?
Percebo que, cada vez, estou mais envolvido na visão da igre- ja?
Reflexão para começar uma igreja
Como é realizada a missão da igreja?
Um discípulo pode se tornar um discipulado?
O que não pode faltar para que o discipulado seja bem suce- dido?

Capítulo 21
CUMPRIMENTO DA GRANDE COMISSÃO
Vai, pois, e faz discípulos de todas as nações, batizandoos em nome do
Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas
que eu lhe ordenei; e eis que estou com vocês todos os dias, até o fim do
mundo. Amém (Mateus 28: 19-20).

Este mandato chamado “A Grande Comissão” deve ser cumprido literalmente


e é como uma questão de urgência. Desde o início, a igreja deve ter um
compromisso profundo com essa de- manda, e também encorajar todos os
membros, poucos ou muitos, a cumprir de todas as maneiras possíveis.

A grande instrução final dada por Jesus Cristo aos seus discí- pulos é que eles
ganham almas.

Todos os crentes foram chamados a ganhar almas, esta é a principal


razão pela qual as pessoas são salvas, para alcançar os perdidos com o
evangelho (Lucas 19:10).

As boas obras não podem ser concebidas sem a pregação do Evangelho,


porque seriam meros atos de ações, paliativos, mas não redentores.

Pois somos a obra dele, criada em Cristo Jesus por boas obras, que Deus
preparou de antemão para que possamos caminhar nelas (Efésios 2:10).

É importante que os crentes e os trabalhadores da igreja saibam que a colheita


está pronta para ser escolhida. A imensidão da colheita está pronta, mas os
trabalhadores, além de serem poucos, não fazem a tarefa de evangelizar.

Jesus Cristo deixou claro que queria que a igreja pregasse seu evangelho a
todas as nações. Para que isso seja realizado, deve haver organização,
estratégias e planos bem definidos na oração. Esta deve ser uma visão da
igreja desde o seu início, para promover com toda a sua energia e recursos o
fato de ganhar a perda a qualquer preço.

O apóstolo Paulo reforça o mandamento de Jesus quando ele menciona


como ouvirão o evangelho se não há ninguém para pregar a eles?
(Romanos 10:14)

Deve haver um esforço deliberado, sistemático e consciente por parte dos


líderes para convocar, treinar e equipar todos os membros da igreja para
ganhar almas e estender o reino. Portanto, todo crente tem o dever ea
obrigação de fazer evangelismo pessoal.

Se você fosse Deus e você tivesse que salvar sete bilhões de pessoas, o que
você faria? Você enviaria uma ou duas pessoas para salvá-las ou enviar
muitas pessoas? Claro, você enviaria mui- tas pessoas para evangelizar. E é
exatamente isso que Deus fez. Ele chamou muitas pessoas!

Quando se refere à colheita é grande, é muito. Qual é a van - tagem de


alguém que vangloria de que 200, 500, 1.000, 2.000, 3.000, 4.000, 5.000 ou
10.000 pessoas atendam a sua igreja se a cidade ainda tiver milhares de
milhões ou milhares de pessoas perdidas? Não se deixe enganar pelos poucos
membros que fre- qüentam a igreja.

Nem para os poucos que responderam à chamada. Deus tem muitas pessoas
na cidade que devem ser convocadas, primeiro, para entrar na igreja edepois
para sair ao mundo para evangelizar.

A igreja nunca deve se desviar da sua principal e máxima atribuição de almas


vencedoras para Cristo. A partir disso, os líderes são responsáveis, porque
são eles que têm autoridade para mobilizar os membros para fazerem o
trabalho de Deus. Porque, como eles pregarão se não forem enviados?
(Romanos 10:15) Os líderes são aqueles que devem estar constantemente
enviando pessoas para ganhar almas para Cristo.

A melhor contribuição que uma igreja pode fazer à sociedade é pregar e


ensinar o evangelho. A partir disso, todos os benefí- cios que uma pessoa
pode receber tornam-se dignos e úteis, bem como sagrados e ungidos.

Todos os membros devem ser encorajados, treinados, equipados e


mobilizados para sair e ganhar almas. Pregar no tempo e fora do tempo, seja
através de campanhas, filmes, porta a porta, passeios, concertos e
testemunhos pessoais diários. Há mais almas esperando para serem
conquistadas do que edifícios prepara- dos para conter essas almas se fossem
salvos.

É importante lembrar que a vontade de Deus é que sua casa esteja cheia. Esta
é a principal mensagem da Grande Ceia em Lucas 14: 16-23. Nesta história, o
convite é para vir a todos aqueles que estão nas ruas e nas cidade, sejam eles
pobre ou rico, cegos, coxos, quem quer que seja, sempre na igreja, haverá
espaço para outra pessoa.

O senhor disse ao servo: Sai pelas estradas e sebes, e obriga-os a entrar,


para que minha casa se encha (Lucas 14:23).

A frase “forçá-los a entrar”, pode ser traduzida, pois: use to - dos os meios
legítimos ao seu alcance, insista com todas as suas forças, use todos os
argumentos possíveis, persevere, mas não se conforme com um número
simples. Insista repetidas vezes. Para minha esposa, todos os fins de semana,
durante três anos a con- vidaram para a igreja, até que ela aceitou. Enquanto o
convite é genuíno, faça com urgência e convicção, usando todas as suas
técnicas de persuasão para vir.

A verdadeira vida da igreja e o seu dinamismo podem ser vistos no


entusiasmo demonstrado pelos seus membros quando saem para ganhar o
perdido. Enquanto os crentes estão relaxados sobre a realidade do céu ou do
inferno, e não têm urgência para a salvação dos perdidos, o mundo continuará
como está. Mas, se os crentes não assumem que a noite chegará em breve,
quando ninguém mais pode fazer nada, e as multidões são finalmente
perdidas, será tarde demais para reagir. É hora de os líderes despertarem e
mobilizarem as pessoas para que saem sistematica- mente para as ruas e
evangelizem intencionalmente. Quando o Pai enviou Jesus, Ele também nos
envia. Somente os líderes têm o poder de enviar, não esqueça!

Como o Pai me enviou, então eu lhe envio (João 20:21).

Sairemos para a rua, o mundo está à espera da manifestação dos filhos de


Deus. Vamos fazê-lo com urgência, ousadia e solici- tude. Vamos forçá-los
antes que seja tarde demais!

Pois o desejo ardente de criação é aguardar a manifestação dos filhos de


Deus (Romanos 8:19).
Reflexão para começar uma igreja
Quem deve cumprir a Grande Comissão?
Qual é a instrução final de Jesus Cristo para seus discípulos?
Por que bons trabalhos não são suficientes?
Quem é o principal responsável pela conquista das almas?
Qual é a vontade de Deus com referência a sua casa?
O que significa “ forçá-los a entrar? O que o mundo espera?

Capítulo 22
A ADMINISTRAÇÃO DO MINISTÉRIO
Agora, são necessários administradores, para que cada um seja
encontrado fiel (1 Coríntios 4: 2).

Assim como o cumprimento da missão ocorre em cinco etapas, a


administração do ministério ocorre em quatro ações concretas: Medir,
manter, multiplicar e mobilizar. Tudo isso é deduzido da parábola dos
talentos em Mateus 25: 15-30.

A um deu cinco talentos, a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua
capacidade; e seguiu viagem.O que recebera cinco talentos foi imediatamente
negociar com eles, e ganhou outros cinco; da mesma sorte, o que recebera
dois ganhou outros dois; mas o que recebera um foi e cavou na terra e
escondeu o dinheiro do seu senhor. Ora, depois de muito tempo veio o senhor
daqueles servos, e fez contas com eles. Então chegando o que recebera cinco
talentos, apresentou-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me
cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei. Disse-lhe o seu senhor:
Muito bem, servo bom e fiel; sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colo-
carei; entra no gozo do teu senhor. Chegando também o que re- cebera dois
talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis aqui outros dois que
ganhei. Disse-lhe o seu senhor: Muito bem, servo bom e fiel; sobre o pouco
foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor Chegando por
fim o que recebera um talento, disse: Senhor, eu te conhecia, que és um
homem duro, que ceifas onde não semeaste, e recolhes onde não joeiraste; e,
atemorizado, fui esconder na terra o teu talento; eis aqui tens o que é teu. Ao
que lhe respondeu o seu senhor: Servo mau e preguiçoso, sabias que ceifo
onde não semeei, e recol- ho onde não joeirei? Devias então entregar o meu
dinheiro aos banqueiros e, vindo eu, tê-lo-ia recebido com juros. Tirai-lhe,
pois, o talento e dai ao que tem os dez talentos. Porque a todo o que tem, dar-
se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem ser-
lhe-á tirado. E lançai o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá choro e
ranger de dentes.

Eu não quero insistir no que eu acho que você conhece. Se lemos a parábola,
percebemos que é Deus quem tem grandes expectativas conosco, e por isso
nos deu talentos. De acordo com a história, havia aqueles que eram
negligentes e esconderam os talentos, outros os colocaram no trabalho e
tiveram bons resultados. Se esses talentos são ignorados, ou não são
valorizados, ou estão escondidos, a multiplicação necessária não é alcançada,
nem a mobilização que seria a projeção da influência ministerial.

Em nosso DNA espiritual há multiplicação. Deus colocou em nós essa


habilidade de multiplicar tudo e faça assim que nos- so ministério se expande
até os confins da terra.

Deus os abençoou, dizendo: Faz fé e multiplique, e enche as águas nos


mares, e multiplique os pássaros na terra (Gênesis 1:22).

Medir: é saber os recursos que tenho na minha conta. Manter: é cuidar meus
recursos para que ninguém me roube. Multiplicar: é usar e investir meus
recursos de tal forma

que eles se multipliquem e não diminuam.

Mobilizar : é usar tudos meus recursos para que meu mi- nistério, igreja,
célula ou negócio se expandam para cobrir mais territorio e e ter mais
influência.

Então, se vamos crescer, não deve estar sem uma boa organização, porque
lembre-se, o crescimento é dado por Deus, mas a extensão do reino depende
de nós e das possibilidades que temos de nos projetar. Então, devemos
considerar estas quatro ações, que estão em sequência, sem elas, ficaríamos
presas, sem frutos ou resultados espirituais que agradassem a Deus. O que
mostraria que somos meramente teóricos do ministério e não são práticos.
Você entende o que eu digo? Pode haver pessoas que até mesmo explicam
com detalhes de luxo o que precisa ser feito, mas não. A sua falta de
resultados espirituais está à vista.
A diferença entre inteligência e sabedoria

Antes de entrar no assunto, lembre-se de que as pessoas inteligentes podem


ter bons resultados naturais, mas apenas pessoas sábias têm resultados
espirituais. Se você quiser agradar a Deus, adicione sabedoria.

Mas onde a sabedoria será encontrada? Onde é o lugar da inteligência? O


homem não conhece seu valor, nem ele está na terra dos vivos (Jó 28: 12-13).
Você não pode encontrar a sabe- doria ao seu redor, deve buscá-la em Deus
e, se fizer a vontade de Deus, Ele o confirmará como sábio.

O princípio da sabedoria é o temor de Jeová (Salmo 111:10).


Portanto, aquele que ganha almas é sábio (Provérbios 11:30).

Se você faz uma boa avaliação, olhe os resultados, eles são simplesmente
naturais ou existem frutos espirituais? Os resulta- dos naturais são que você
tem um bom trabalho, que você ganha um bom salário, ou você tem um bom
relacionamento social com todos. Para obter resultados naturais, não
precisamos de Deus, qualquer um poderia fazer isso, mas ter resultados espi-
rituais, sim ou sim, Deus deve intervir, nunca podemos fazê-lo sozinhos. Foi
o que Jesus disse quando disse:

Eu sou a videira, você é os ramos; Aquele que permanece em mim, e eu


nele, ele tem muitos frutos; Para além de mim, você não pode fazer nada
(João 15: 5).

Conclusão

Fomos chamados para realizar os sonhos e desejos de Deus. Se Deus lhe


designou um lugar, comece com grande convicção. Como você sabe, em toda
tarefa há fruto, não se deixe vencer pelo que vê, nem por quem não acredita.
Vá em frente com os olhos do Espírito para as multidões de remidos que
Deus confiar a você. Para conseguir isso, somos capacitados pelo Espírito
Santo que nos encoraja a continuar avançando e até mesmo além das
fronteiras a partir das quais começamos. O chamado é para o fim da terra,
porque começa com a terra em que você pisa e termina com o quanto Deus
lhe dará para conquistar.