Você está na página 1de 77

Linx Hotel International

Airport Galeão - Rio de Janeiro

Autores OSPA Arquitetura e


Urbanismo

ISBN 978-85-69366-00-3
OSPA ARQUITETURA E URBANISMO
PORTO ALEGRE 2015
RIO DE JANEIRO, RJ
Um hotel acolhedor não pode se
parecer com a casa de alguém, pois
então só seria acolhedor para essa
pessoa.

Neste sentido, o hotel deve ser algo


impessoal e, ao mesmo tempo, ter
certo caráter que o diferencie de
outros. Que o torne distinto para
que, quando voltemos, permita-nos
reconhecer que chegamos ao lugar
desejado.

O hotel contemporâneo debate-se


entre a tematização evocativa ou uma
abstração arquitetônica matizada por
motivos figurativos.

Revista summa+
agosto/2012
O presente livro tem como premissa a apresentação com suas demandas, estas devendo estar em per-
do projeto Linx Hotel International Airport Galeão, feita harmonia para atingir a excelência da arquite-
no Rio de Janeiro, Brasil. A ideia deste documento tura. Sempre houve almejo, por parte do escritório
parte da valorização do processo de trabalho cole- responsável, por não só gerar o produto pelo qual
tivo, tanto por parte do escritório OSPA, quanto das foi contratado, mas também ir além do que se es-
demais empresas envolvidas. É também um objeti- pera de um projeto de hotel. A partir das necessi-
vo a amostragem do que representa em termos de dades impostas, foi objetivo da equipe a teorema
complexidade e esforço o desenvolvimento de um de tecnologias contemporâneas, não só atendendo
projeto executivo compatibilizado, em especial com aos requerimentos do empreendimento, mas tam-
o programa de um hotel de padrão internacional. bém contribuindo - globalmente no cenário da
construção civil - com a evolução tanto de méto-
Na sociedade atual há, cada vez mais, um apreço dos construtivos, quanto de padrões presumidos.
pelo consumo veloz e superficial de informação, o
que acarreta falta de aprofundamento e fruição de Assim como a sociedade se encontra em desenvol-
produções que são resultado de infindáveis horas de vimento, cada projeto deve ter uma parcela de con-
aprimoramento de um partido arquitetônico. A discus- tribuição no aprimoramento da qualidade do serviço,
são sobre uma edificação não deve simplesmente se visto que cada empreendimento é uma oportunidade
basear em uma imagem, uma vez que essa prática de dar um passo à frente tanto em soluções técni-
vai contra não só o ato de projetar, mas contra a pró- cas, quanto decisões administrativas. As páginas a
pria arquitetura. Talvez seja uma grande pretensão, seguir irão demonstrar uma seleção de fatos, dese-
mas se procura neste livro desmistificar - principal- nhos, diagramas e imagens que melhor apresentam
mente para o leigo - a ideia de arquiteto-artista, este esse projeto, vizinho ao Aeroporto Antônio Carlos
que contribui para o desconhecimento por parte da Jobim, e espera-se que, a partir disso, o leitor fique
população do fato de que sua profissão não termina tentado a conhecer a edificação in loco, mas princi-
com a definição da estética e do volume do edifício, palmente sinta-se à vontade para o diálogo, este que
mas sim compreende diversas ciências, cada qual é o grande responsável pelos avanços da sociedade.

10 OSPA
11
APARTAMENTOS

acesso coberto / porte cochère,


lobby, café, restaurante, sala de
reuniões / conferências, bar pis-

SOCIAL
3.839,40m²

2.019,62m²
138 apartamentos tipo, cina, academia, terraço coberto
15 apartamentos especiais, e descoberto, piscina, hall social
9 apartamentos pcd por pavimento

12 OSPA
recepção, CPD,
depósito de baga-
gens, administra-
ção, gerência, RH,
sanitários, cozi-
nha, almoxarifado,
triagem, exaustão reservatórios, bombas,
cozinha, carga / guarita, entrada média
descarga, área de tensão / chave à gás,
descanso funcio- lixo, medidor e reg.
nários, vestiários, pressão, gás / hidrô-
depósito produtos metro, ETA, câmaras

ESTACIONAMENTO
químicos, gover- exaustão, mecânica,
nança, engenharia gerador, painéis
32 vagas de
e manutenção, elétricos, QGBT,
CIRCULAÇÃO

controle e subestação, ar exterior, estaciona-


SERVIÇOS

revista, central sala de antenas, sala mento

JARDIM
de segurança, bb. incêndio, central veículos

1.518,23m²
1.195,61m²

1.489,72m²
APOIO
718.00m²

620,41m²
lixo, rouparia, aquecimento água, passeio,
wc serviços, hall condensadores, áreas circulação horizontal, paisagismo uma vaga
serviços sociais escadas, elevadores, shafts externo ônibus

13
01. TERRENO 02. USO MÁXIMO DO SOLO
O terreno apresenta como principal condicionante a Disposição inicial de um volume com taxa de ocupa-
altura máxima de 6 pavimentos. ção máxima.

05. VOLUME CORPO = 135 APARTAMENTOS 06. ACRÉSCIMO PAVIMENTO TIPO


Neste formato, totaliza-se 135 apartamentos em 5 Deslocando o edifício anexo, dispõe-se de mais um
pavimentos sobre o edifício social e de serviços. pavimento tipo, totalizando 162 apartamentos.

09. USO SOCIAL COBERTURA EDIFÍCIO ANEXO 10. ACRÉSCIMO PAVIMENTO

DIAGRAMAS O uso social é estendido para a cobertura do edifício


anexo, criando um diferencial para o programa do
Áreas sociais como bar e academia são posicionadas
no pavimento superior, com contato direto com o
GENERATIVOS hotel. terraço.

18 OSPA
03. DISPOSIÇÃO PAVIMENTO TIPO 04. ALTURA MÁXIMA
Dimensionamento do pavimento tipo com o programa Repetição do pavimento tipo até a altura máxima
de apartamentos. concedida pela Infraero.

07. VENTILAÇÃO E ILUMINAÇÃO NATURAL 08. ZONEAMENTO PROGRAMA SOCIAL E SERVIÇOS


Com um recorte central no edifício anexo, os ambien- O uso social é posto para a frente do volume,
tes de serviço ganham iluminação e ventilação natural. enquanto que o de serviços e administração ficam
nos fundos.

11. ESTRUTURA PRÉ-MOLDADA DE CONCRETO 12. PAINÉIS DE VEDAÇÃO PRÉ-FABRICADOS


O projeto é concebido em estrutura pré-moldada de O revestimento das fachadas é instalado rapida-
concreto, provendo rapidez construtiva. mente, otimizando tempo e limpeza do canteiro
de obras.

19
O projeto foi organizado majoritariamente em 5 fa- Na fase de projeto básico, houve um aprofundamen-
ses distintas. No início do processo de trabalho, foi to no dimensionamento das instalações dos projetos
realizado um estudo de viabilidade, com o qual foi complementares, os quais seriam deste momento
dada entrada no processo licitatório para escolha da em diante compatibilizados entre si e com a arqui-
empresa vencedora. tetura. Também foi nesse momento que o projeto de
interiores foi iniciado, a fim de haver uma previsão
Em um segundo momento, foi desenvolvido o estu- desde o início das instalações necessárias.
do preliminar, quando existiu um maior esforço para
a criação do conceito do empreendimento. Tal etapa Durante o projeto executivo - a última etapa do tra-
resultou em apenas 5 pranchas produzidas, além balho - foi feita a finalização dos ajustes no proje-
das primeiras maquetes eletrônicas, mas teve longo to, concomitante ao detalhamento tanto do projeto
investimento temporal por parte da equipe. arquitetônico, quanto o de interiores. Além de ter
sido o período mais extenso, esta última fase foi a
Durante o anteprojeto, foi iniciado o refinamento da que mais pranchas resultou, com 243 para o proje-
proposta, com a adequação do projeto às necessi- to executivo/detalhamento e 151 para o projeto de
dades da nova rede de hotéis que surgia e também interiores.
o início da compatibilização da estrutura do edifício.

FASES DO PROJETO
TEMPO x N° DE
PRANCHAS
PRODUZIDAS

PRELIMINAR
VIABILIDADE
ESTUDO DE

ESTUDO
20 OSPA
5
3
17
ANTE-
PROJETO

54
PROJETO
BÁSICO

243

151

PROJETO EXECUTIVO
21

INTERIORES E DETALHAMENTO
01 ACESSO / LOBBY 17 VEST. FUNCIONÁRIOS
1º PAVIMENTO
02 RECEPÇÃO 18 RESTAURANTE

03 CAFÉ 19 COZINHA

04 SALA DE CONFERÊNCIAS 20 ALMOXARIFADO

05 GOVERNANÇA 21 EXAUSTÃO COZINHA

06 DEPÓSITO QUÍMICOS 22 CARGA E DESCARGA 29


31
07 ENG. E MANUTENÇÃO 23 APARTAMENTO ESPECIAL

08 CASA BOMBAS PISCINA 24 APARTAMENTO TIPO 25 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 24 23

09 CENTRAL DE 25 APARTAMENTO P/ PCD


SEGURANÇA

10 CONTROLE E REVISTA 26 HALL SOCIAL


26
11 LIXO REFRIGERADO 27 ROUPARIA 25 24 24 24 27 24 24 24 24 24 24 23

12 CPD 28 GUARITA

13 DEPÓSITO DE BAGAGENS 29 INSTALAÇÕES DE APOIO

14 SANITÁRIOS 30 LIXO 08
05
11 09 07 04
15 ADM. / GERÊNCIA / RH 31 ETA
32 10 06 03
16 ÁREA DESCANSO FUNC. 32 ESTACIONAMENTO

16
17 13 12
15
02 01
14 14
17

22 20 19 18

21

32

DESENHOS 30
28

TÉCNICOS 29

22 OSPA
2º PAVIMENTO

10 09 09 09 09 09 09 09 09 09 09 09 09 09 09 08

11
10 09 09 09 12 09 09 09 09 09 09 08

01

02 02

07 06 06 04
03 02

05

01 SALA DE REUNIÕES 07 PISCINA

02 VESTIÁRIOS 08 APARTAMENTO ESPECIAL

03 APOIO 09 APARTAMENTO TIPO

04 ACADEMIA 10 APARTAMENTO P/ PCD

05 BAR PISCINA 11 HALL SOCIAL

06 TERRAÇO 12 ROUPARIA

24 OSPA
3º PAVIMENTO

03 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 01

04
03 02 02 02 05 02 02 02 02 02 02 01

01 APARTAMENTO ESPECIAL 04 HALL SOCIAL

02 APARTAMENTO TIPO 05 ROUPARIA

03 APARTAMENTO P/ PCD

26 OSPA
4º, 5º E 6º PAVIMENTOS

03 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 01

04
03 02 02 02 05 02 02 02 02 02 02 01

03 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 01

04
03 02 02 02 05 02 02 02 02 02 02 01

03 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 02 01

04
03 02 02 02 05 02 02 02 02 02 02 01

01 APARTAMENTO ESPECIAL 04 HALL SOCIAL

02 APARTAMENTO TIPO 05 ROUPARIA

03 APARTAMENTO P/ PCD

28 OSPA
PAVIMENTO TÉCNICO E COBERTURA

01 01
02

08

05
11 10 09 07 06 04 03

12

01 CM. EXAUSTÃO MECÂNICA 07 PRÉ AQUEC. SOLAR

02 SALA DE ANTENAS 08 RESERV. SUPERIOR

03 CONDENSADORES 09 SUBESTAÇÃO

04 CENTRAL AQUEC. ÁGUA 10 QGBT

05 CASA DE BOMBAS INC. 11 GERADOR

06 TOMADA AR EXTERIOR 12 COLETORES SOLARES

30 OSPA
ELEVAÇÃO SUDOESTE E NORDESTE

32 OSPA
ELEVAÇÃO SUDESTE E CORTE BB

34 OSPA
ELEVAÇÃO NOROESTE E CORTE NN

36 OSPA
CORTES DD E HH

38 OSPA
O projeto do hotel no Rio de Janeiro se iniciou com é, a adaptação de uma construção concebida para
um desafio: elaborar uma edificação que atendesse um uso fim, podendo este ser de hospedagem, mas
às demandas de uma bandeira de hotéis até então que não apresente desde sua concepção a essência
inexistente, em um terreno sem entorno cons- da bandeira de hotéis a ser operada. A gênese da
truído. O processo de concretização do até então bandeira oportunizou imaginar uma edificação que
estudo foi desenvolvido pela Ivo Rizzo e pela GJP, transpirasse sua imagem, não sendo simplesmente
tendo sido a OSPA contratada pela primeira, assim revestida dela. Abdica-se de uma iconografia su-
como todos os projetos complementares. Identifi- perficial, em prol de um misto de técnica e estética
cando o caráter incomum da empreitada, a equipe marcante.
não só foi receptiva ao uso de novas tecnologias,
como as demandou, não havendo o comum receio Desde o princípio, uma das principais demandas do
pelo novo. O que era apenas uma abstração inicial projeto foi a rápida construção do edifício. Partin-
sendo discutida entre incorporadora, rede hoteleira do disso, pensou-se no uso de elementos pré-fa-
e escritório de arquitetura, acabaria por envolver bricados que não só auxiliassem a plena execução
inúmeros profissionais e fornecedores de diver- dessa premissa, mas que também fossem lidos
sos estados do Brasil. Tal aparente dificuldade de como parte da representação da rede. No Brasil, o
iniciar o desenvolvimento levou o grupo de traba- uso do concreto armado foi rapidamente difundido
lho a fazer uma análise aprofundada do que repre- no início do século passado e fez parte marcante da
senta e o que se espera de um edifício com esse busca por uma identidade da arquitetura brasileira
caráter e público-alvo em um país como o Brasil. da época. Nos dias atuais, a utilização de tal material
continua sendo protagonista, o que a vincula, certa-
Um hotel - ou melhor - uma bandeira de hotéis, deve mente, com a identificação de uma edificação ver-
apresentar uma representação de fácil identificação, nácula brasileira. Com a definição do uso de painéis
não importando a sua posição ou o horário do dia. pré-fabricados de concreto aparente, foi possível a
Pensando conceitualmente na imagem do empre- escolha de uma paleta de cores que representasse o
endimento, se buscou fugir da solução habitual de vínculo inerente do hotel com a cidade e por assim
imaginar um hotel como um galpão decorado. Isto dizer país onde viria a ser inserido, gerando não só
40 OSPA
41
o conceito necessário, mas também a ligação com paço externo e interno. Fora, o projeto demanda um
seu entorno arborizado. fechamento que dê identidade para quem o observa.
Dentro, a estética dos ambientes reflete sua servidão
A chegada do hóspede proveniente do vizinho Aero- para o elemento principal: o usuário. Este, estando
porto do Galeão é feita por uma via quase exclusiva no hall, observa um pé-direito duplo que não só pro-
ao noroeste do terreno em questão. A posição dos vê importância para o espaço, mas também abre um
dois volumes principais - o menor ao noroeste, o leque de usos e percursos a serem desbravados.
maior ao sudeste - torna possível a visualização do
conjunto de diversas distâncias: de longe, há apenas A planta do pavimento térreo é composta por três fai-
um bloco baixo cinza e outro, ao fundo, imponente, xas, cada qual se conectando com o ambiente prin-
com as cores verde, branco, cinza e preto. O que cipal com um uso distinto: ao centro, a recepção,
aparenta ser apenas uma textura é desmistificada ao ponto focal de quem entra; à esquerda, o restaurante;
longo do trajeto com a aproximação do usuário, tor- à direita, o bar com acesso a uma das salas de con-
nando evidente o jogo de cores de painéis, aberturas ferências. Estando ainda nessa grande sala, a pes-
e venezianas. O que era apenas bidimensional, toma soa percebe que a austeridade exterior dá lugar ao
volume - seja pelas lajes de concreto pré-molda- conforto interno. O lobby funciona como um grande
do, seja pelas venezianas que abrigam as máquinas estar, com dois elementos protagonistas: um sofá
condensadoras dos apartamentos. que quebra a ortogonalidade imposta, expressando o
conforto e abrigo que é buscado em um hotel; e uma
O acesso ao hotel é monumental. O utente se de- escada metálica, esta que se desenvolve em dois
para com uma ampla abertura de vidro que não só lances, na cor verde, contrastando com os demais
serve para a iluminação do grande hall, mas con- elementos em cinza e branco, trazendo refinamento
juntamente o enobrece e traz honestidade na leitura na sua leveza e originalidade cromática.
do todo: o sólido menor representa o acesso e seus
serviços; o sólido maior, à direita de quem entra, a No pavimento superior, o usuário se depara com a
edificação com todos os apartamentos. É na escala mesma organização em três faixas encontrada no
do transeunte que se percebe o contraste entre o es- andar inferior, havendo também três usos diferen-
42 OSPA
43
tes. Ao centro, voltada para o terraço, a academia. Conforme a legislação, esses aposentos de 24m²
Nas faixas extremas, tanto o bar da piscina, quanto são configurados para atenderem às necessidades
a segunda sala de conferências dão permeabilidade de pessoas com deficiência ou serem apenas de
visual para o espaço aberto. Neste, a pessoa é con- maior padrão. Cada extremidade de cada corredor
vidada a desfrutar as qualidades do clima carioca e, possibilita seu fechamento pontual, dando vínculo a
o percorrendo, é encaminhada para uma leve subida, dois apartamentos, sem haver a perda da privacidade
sendo surpreendida por uma grande piscina, a qual individual de cada um.
dá coroamento ao percurso.
Dentro da acomodação, o hóspede percebe o sig-
O descolamento dos dois volumes principais gera nificado da separação dos dois grandes volumes
curtas conexões entre as duas edificações, haven- construídos: os cômodos dão privacidade com suas
do ligação pelos dois pavimentos da construção de aberturas pontuais do piso ao teto e visuais para a
acesso. Tais junções são dispostas envidraçadas, cidade do Rio de Janeiro, com sua topografia carac-
evidenciando a forma elemental de ambos sólidos terística. A comunicação visual proposta reitera o ca-
dominantes. É percorrendo esse rápido trajeto que ráter do local, representando com linhas pretas pai-
o usuário se depara com o hall social de cada pavi- sagens conhecidas da cidade, variando a ilustração
mento tipo, onde são dispostos circulação vertical e entre apartamentos, a fim de expressar internamente
um grande espelho com a numeração do andar pre- a solução randômica das cores nas fachadas, sem
sente. Cada qual é composto por 27 apartamentos, perder a sobriedade presente no seu interior.
todos munindo de duas camas de solteiro ou uma de
casal, banheiro, bancada, criados-mudos, televisor, Fazendo o coroamento do bloco de apartamentos, o
frigobar, cofre, armário e ar condicionado. pavimento técnico abriga em torno de 250 mil litros
de água, distribuídos em 21 reservatórios. Também é
Enquanto as unidades centrais são denominadas lá que estão instalações de elétrica, casa de bombas,
tipo, com aproximadamente 19,50m², as dos ex- as condensadoras das áreas sociais, exaustão mecâ-
tremos da circulação horizontal são diferenciadas. nica e central de aquecimento de água. Revestindo

44 OSPA
45
todo o andar, foi prevista veneziana móvel metálica em edifícios para uso industrial, as lajes alveolares
na cor preto, lida como elemento complementar ao foram utilizadas inclusive no balanço do porte co-
conjunto de cores do corpo do volume dos cômodos. chère. Pilares e vigas foram desenhados um a um
Desde o início, foi uma solicitação da operadora a pela equipe de cálculo estrutural, e a decisão de dei-
utilização de um sistema de climatização que acar- xá-los aparentes vem não só para reiterar o conceito
retava na disposição das suas máquinas externas do empreendimento, mas para dar valor ao extenso
próximas às suas respectivas unidades internas. Tal trabalho desenvolvido pelos profissionais.
necessidade criou a demanda por uma solução que
desse unidade para o conjunto de elementos. A fa- Sempre atrelado ao resultado de uma boa obra de
chada do corpo do volume principal é composta por arquitetura, a existência de um promotor com visão
uma disposição variada de ora esquadrias do tipo aberta e inovadora, sem preconceitos limitantes, tor-
glazing - para diminuir a entrada de ruídos prove- na a edificação relevante. O Linx Hotel International
nientes do aeroporto vizinho -, ora pilares pré-mol- Airport Galeão se impõe como uma síntese do seu
dados em concreto, e ora painéis pré-fabricados, funcionamento, seu entorno e o espírito do seu tempo.
os quais por sua vez apresentam variação tonal e
pontualmente servem de apoio às máquinas con-
densadoras de climatização, as quais são envelopa-
das pela mesma veneziana presente no pavimento
técnico. Todos esses elementos foram projetados
com a mesma largura da laje pré-moldada alveolar:
125cm.

Enquanto que a utilização de painéis da fachada


era uma solução usual para a empresa fabricante,
a solução estrutural para o programa do projeto se
mostrou um tanto incomum. Normalmente vistas

46 OSPA
47
48 OSPA
TOTAL: 314 pranchas

COMPATIBILIZAÇÃO
AQUECIMENTO SOLAR 001

ETA 001

SPDA 001

PISCINA 002

IRRIGAÇÃO 002

SOM 002

LUMINOTÉCNICO 005

COMUNICAÇÃO VISUAL 006

DETECÇÃO DE INCÊDIO 008

CFTV 008
Devido à complexidade do programa hoteleiro, fize- “Banheiro Pronto”, o qual requer um planejamento
ram parte da etapa de compatibilização diversas dis- específico tanto da posição das instalações, quanto
ciplinas incomuns na maioria das edificações, como do cronograma da obra, já que os volumes foram
os projetos de cozinha industrial, acústica e automa- içados diretamente para o pavimento tipo. Abaixo,
ção. Em razão da exigência de rapidez construtiva, foi feito um gráfico mostrando a quantidade de pran-
além da dificuldade de projetar com peças pré-fa- chas entregue em cada projeto executivo de cada
bricadas de concreto, houve a necessidade de ins- disciplina, partindo do projeto de aquecimento solar,
talação dos banheiros dos apartamentos no modelo com uma prancha, até o projeto estrutural, com 125.

PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS 009

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 010

INST. HIDROSSANITÁRIAS 020


INSTALAÇÕES DE GÁS 010

BANHEIRO PRONTO 012


CLIMATIZAÇÃO 009

ELEVADORES 015
AUTOMAÇÃO 008

ESTRUTURAL 125
TELEFONIA 008

ACÚSTICA 009
COZINHA 009

PPCI 026
TV 008
1º PAVIMENTO

A R Q U I TE T U R A E U R B A N I S M O

50 OSPA
51
2º PAVIMENTO

AR
A RQ
QUU II TE
TE T
TUUR
RAA E
E U
URRB
BAAN
N II S
SMMO
O

52 OSPA
PAVIMENTO TÉCNICO E COBERTURA

A R Q U I TE T U R A E U R B A N I S M O

54 OSPA
CORTES SETORIAIS 01, 08 E 06

56 OSPA
PAINÉIS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO

58 OSPA
CAPEAMENTO LAJES

60 OSPA
CORTE ESCADA METÁLICA

62 OSPA
PLANTA BAIXA ESCADA METÁLICA

63
PLANTA BAIXA APARTAMENTO TIPO

64 OSPA
CORTES APARTAMENTO ESPECIAL

66 OSPA
BANHEIRO PRONTO

PCD - D - BANHEIRO APTO PCD SUPERIOR

PCD - E - BANHEIRO APTO PCD INFERIOR

TIPO - E - BANHEIRO APTO TIPO ESQUERDO

TIPO - D- BANHEIRO APTO TIPO DIREITO

ESPECIAL - E - BANHEIRO APTO ESPECIAL ESQUERDO

ESPECIAL - D - BANHEIRO APTO ESPECIAL DIREITO

68 OSPA
90cm 91,25cm 162,5cm

68cm

130,5cm

79cm
162,5cm A comunicação visual do hotel foi proposta de
forma a complementar a arquitetura, buscando
principalmente referências de pontos turísticos
da cidade do Rio de Janeiro. Foram utilizados
adesivos de vinil nas cores preto ou branco apli-
cados diretamente sobre as superfícies verticais.

107,5cm
COMUNICAÇÃO
VISUAL
70 OSPA
PROJETO Linx Hotel International Airport Galeão
LOCALIZAÇÃO Rio de Janeiro - RJ
Av. 20 de Janeiro, s/n
ÁREA DO TERRENO 4.800m²
ÁREA PROJETADA 11.400,99m²
INÍCIO DO PROJETO 2011
TÉRMINO DO PROJETO 2013

FICHA TÉCNICA

CLIENTE Ivo Rizzo Construtora e Incorporadora


OPERAÇÃO HOTELEIRA GJP Hotels & Resorts
COORDENAÇÃO DE INTERIORES Adriana Fleck
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO Ivo
Rizzo Construtora e Incorporadora
CONSTRUÇÃO Klacon Engenharia
ARQUITETURA OSPA Arquitetura e Urbanismo
INTERIORES OSPA Arquitetura e Urbanismo
COORDENAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO OSPA
Arquitetura e Urbanismo
EQUIPE OSPA Carolina Souza Pinto, Lucas
Obino, Cristiano Selbach Carneiro, Franco Miotto,
André Fauri, Carlota Vazquez, Erika Hartmann,
Gelson Saldanha, Louise Serraglio, Luísa Dornel-
les, Roberto Flores, Stefânia Pilz
INFORMAÇÕES
DO PROJETO
PROJETOS COMPLEMENTARES INFORMAÇÕES DE CATÁLOGO

PROJETO ESTRUTURAL Simon Engenharia EDIÇÃO OSPA Arquitetura e Urbanismo


PROJETO DE FUNDAÇÃO Cassol Pré-Fabricados TEXTOS Franco Miotto
PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO Integrar Climatização DESIGN Franco Miotto e Luiza Andreis
PROJETO DE ACÚSTICA Nabinger Projetos Acústicos FOTOGRAFIAS Marcelo Donadussi; exceto
PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AQ Projetos pág. 48 centro inferior Cristiano Selbach
PROJETO DE INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS AQ Carneiro; pág. 48 esquerda superior e direita
Projetos Felipe Rossato; pág. 48 centro superior e
PROJETO DE AUTOMAÇÃO PREDIAL Home Systems esquerda inferior Carolina Souza Pinto; pág.
PROJETO DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Sprink 50 e 66 esquerda Ivo Rizzo Construtora e
PROJETO DE PISCINA Aqualar Incorporadora; pág. 52 Franco Miotto.
PROJETO DE SINALIZAÇÃO Verdi Design
Todos os direitos reservados.
PROJETO LUMINOTÉCNICO ViaLight Impresso em Porto Alegre, Brasil, em junho/2015.

FORNECEDORES

FACHADA PRÉ-MOLDADA Stamp Painéis Arquitetônicos


SANITÁRIOS PRÉ-FABRICADOS Banheiro Pronto
ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA Cassol Pré-Fabricados
ELEVADORES Atlas Schindler
ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO Alumitemper
PISOS Portobello
MARCENARIA Sierra Móveis
ILUMINAÇÃO ViaLight