Você está na página 1de 24

Governador do Estado

José Renan Vasconcelos Calheiros Filho

Vice - Governador
José Luciano Barbosa Da Silva

Secretário de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio


Carlos Christian Reis Teixeira

Secretário Executivo de Planejamento e Gestão


Genildo José da Silva

Superintendente de Orçamento Público


Vania Maria Cavalcante Veloso

Gerente de Orçamento
Wagner Silva de Sena

Gerente de Estudos e Projeções


Gustav Ives

Gerente de Execução Orçamentária


Saadia Maria de Lima Silva

Equipe Técnica

Alisson Santos de Araújo Nascimento


Ana Gleude Silva Albuquerque
Felliphy Rammon Queiroz Ferreira
Leonildo José Oliveira da Silva
Lígia Maria Mendonça Porto Sarmento
Marlon Cesar Barbosa Leite
Paulo Guilherme da Silva
Renata Chrystyanne Oliveira Lucio
Simone Maria Alves Calheiros
Valdelúcia Maria de Albuquerque Sarmento
Valter Wellington Ramos Junior
APRESENTAÇÃO

A Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio – SEPLAG


elabora, acompanha e monitora o processo orçamentário do Estado de Alagoas.

Devido a inúmeras dúvidas relacionadas ao Sistema de Planejamento e


Gestão do Estado de Alagoas – SIPLAG, e com o objetivo de orientar os gestores públicos e
os técnicos das assessorias de Planejamento e Orçamento da Administração Direta e
Indireta, foi de suma importância à criação da presente cartilha, visando orientar, facilitar e
simplificar os procedimentos necessários feitos no sistema.

As dificuldades encontradas pelos órgãos foram observadas como ponto


principal para que fossem realizados esclarecimentos quanto aos procedimentos das
solicitações dos créditos adicionais e para as alterações do Quadro de Detalhamento de
Despesa (QDD).

Todas as instruções para o acesso online ao SIPLAG e sua operacionalização


estão incluídas neste Manual e disponíveis no Portal Orçamento Alagoas:
orcamento.al.gov.br
SUMÁRIO

1. BASE CONCEITUAL...........................................................................................................5

2. DISPOSITIVOS LEGAIS........................................................................................................5
3. CLASSIFICAÇÕES ORÇAMENTÁRIAS ..............................................................................7
4. CLASSIFICAÇÃO ECONÔMICA ..........................................................................................7
5. DECRETO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ...................................................................8
6. CRÉDITOS ADICIONAIS.......................................................................................................8
CRÉDITO SUPLEMENTAR ...........................................................................................................9
CRÉDITO SUPLEMENTAR POR EXCESSO DE ARRECADAÇÃO ...................................................... 10
CRÉDITO SUPLEMENTAR POR SUPERÁVIT FINANCEIRO ............................................................ 10
CRÉDITO ESPECIAL .................................................................................................................. 11
7. VIGÊNCIA ............................................................................................................................ 12
8. ALTERAÇÕES DE MODALIDADE DE APLICAÇÃO. ....................................................... 12
9. DEVOLUÇÃO DO PROCESSO .......................................................................................... 13
11. SOLICITAÇÃO DE CRÉDITOS ADICIONAIS NO SIPLAG ........................................... 13
1. BASE CONCEITUAL

O orçamento é um produto do Sistema de Planejamento, que determina as


ações que serão desenvolvidas em um determinado exercício. Ele abrange a manutenção
das atividades do Estado, o planejamento e a execução dos projetos estabelecidos nos
planos e programas de Governo.

Desta forma, os créditos adicionais constituem-se em procedimentos previstos


na Constituição Federal e na Lei 4.320/64 para corrigir ou amenizar situações que surgem
durante a execução orçamentária, por razões de fatos de ordem econômica ou
imprevisíveis.

Os créditos adicionais são a garantia de ajustes ao orçamento durante a sua


execução, visando atender:

a. Insuficiência de dotações ou recursos alocados nos orçamentos;


b. Necessidade de atender a situações que não foram previstas, inclusive
por serem imprevisíveis, nos orçamentos.

De acordo com o art. 40 da Lei 4.320/64, “são créditos adicionais às


autorizações de despesas não computadas ou insuficientemente dotadas na Lei de
Orçamento”. Dependendo da sua finalidade, classificam-se em: suplementares, especiais e
extraordinários.

2. DISPOSITIVOS LEGAIS

São abordados na Constituição Federal os créditos adicionais no Capítulo II


“Das Finanças Públicas”, seção II “Dos Orçamentos”, arts. 165 e 167 e incisos. Na
Constituição Estadual de Alagoas, o assunto está no arts. 176 a 183 e incisos. Além desses
artigos, existem outras normas que tratam sobre o assunto:

LRF – Lei Complementar nº 101/2000:

A Lei de Responsabilidade Fiscal dá um destaque especial ao Planejamento,


considerando que através do Plano Plurianual (PPA), da Lei de Diretrizes Orçamentarias
(LDO) e da Lei Orçamentaria Anual (LOA) é que se inicia a programação da gestão fiscal,
com a evidenciação de normas de elaboração e execução orçamentária, principalmente no
que diz respeito à previsão de metas, limites e condições para renúncia de receita e geração
de despesas, inclusive de pessoal, dividas e outras.

A Lei de Responsabilidade Fiscal é um instrumento que vem disciplinar as


normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade fiscal (equilíbrio das contas
públicas), aplicada a todas as esferas de governo.

Objetivos da Lei de Responsabilidade Fiscal

a. Ação planejada e transparente, em que se previnem riscos e se corrigem


desvios capazes de afetar o equilíbrio das contas públicas;
b. Cumprimento de metas de resultados entre receita e despesas;
c. Obediências a limites e condições no que tange a renúncia de receita, geração
de despesa com pessoal, da seguridade social e outras dividas consolidadas e
mobiliárias, operação de crédito, inclusive por antecipação de receita,
concessão de garantias e inscrição de restos a pagar.
d. Compatibilidade entre os instrumentos de planejamento PPA,LDO e LOA.

PPA – Plano Plurianual:

A Constituição Estadual no art.176, a lei que instituir o PPA estabelecerá as


diretrizes, objetos e metas da administração pública para as despesas de investimentos e
outras despesas delas decorrentes.

O PPA compreende os três eixos estruturais: Eixo do Ajuste Social; Eixo do


Ajuste Fiscal; Eixo Indutor Regulador.

LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias:

São aprovadas anualmente, dispõe de instruções para elaboração da LOA e


define as regras para abertura dos créditos adicionais.

A Constituição Estadual estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias


conterá:

a. As metas e prioridades da administração pública, incluindo as despesas


de capital para o exercício financeiro subsequente;
b. As orientações para elaboração da LOA;
c. As alterações na legislação tributária;
d. A política das agências financeiras oficiais de fomento.

Já na LRF define maior especificidade para a LDO, entre outros:

Critérios e formas de limitação de empenho, normas para o controle de custos


e avaliação dos resultados dos programas e condições para transferências de recursos à
entidades públicas e privadas ainda, que a LDO conterá o Anexo de Metas e Riscos Fiscais.

LOA – Lei Orçamentária Anual:

A Lei Orçamentária Anual é o instrumento de Planejamento, utilizado pelo


governo, para gerenciar as Receitas e Despesas Públicas em cada exercício financeiro,
conforme previsto na Lei nº 4.320/64.

A Lei Orçamentária Anual compreende os três tipos de orçamento:

a. Orçamento Fiscal – compreende os Poderes, seus fundos, Autarquias,


Fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, Empresas Públicas
e Sociedades de Economia Mista em que o Estado direta ou
indiretamente detenha a maioria do capital social com direito a voto.
b. Orçamento da Seguridade Social – compreende todos os órgãos e
entidades a quem compete executar ações nas áreas de saúde,
previdência social, quer sejam da administração direta ou indireta, bem
como seus fundos e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.
c. Orçamento de Investimento – é composto pelas Empresas e Sociedades
de Economia Mista em que o Estado, direta ou indiretamente detenha a
maioria do capital social com direito a voto.

QDD – Quadro de Detalhamento da Despesa:

O QDD é um instrumento básico para a execução do orçamento e apresenta


detalhamento da despesa por unidade orçamentária de cada órgão, fundo, entidades dos
orçamentos ficais, seguridade social e investimento, especificando, para cada categoria de
programação a fonte, a categoria econômica, o grupo de despesa e a modalidade de
aplicação dos recursos.

3. CLASSIFICAÇÕES ORÇAMENTÁRIAS

Classificação Institucional:

Evidencia as unidades administrativas responsáveis pela execução da


despesa.

Classificação Funcional – Programa de Trabalho:

Demonstra as realizações do governo:

1. Função: representa o maior nível de agregação das ações do governo


nos diversos setores.
2. Subfunção: representa uma partição da função, visando agregar
determinado subconjunto de despesa.
3. Programa: desdobramento das funções; representa os meios e
instrumentos de ação, organicamente articulados para alcançar os
objetivos pretendidos, servindo de ligação entre o planejamento de longo
e médio prazo e o orçamento anual.
4. Projeto: um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um
programa, envolvendo um conjunto de operações, limitadas no tempo,
das quais se resulta um produto que concorre para a expansão ou o
aperfeiçoamento da ação governamental.
5. Atividade: um instrumento de programação para alcançar o objetivo de
um programa, envolvendo um conjunto de operações que se realizam de
modo continuo e permanente, das quais se resulta um produto necessário
à manutenção da ação do governo.
6. Operações Especiais: despesas que não contribuem para a manutenção
das ações de governo, das quais não resultam um produto e não geram
contraprestação direta sob a forma de bens de serviços.

4. CLASSIFICAÇÃO ECONÔMICA
Indica os efeitos do gasto sobre a economia.

A Receita compreende os recursos auferidos na gestão e computadas na


apuração do resultado do exercício, desdobradas nas seguintes categorias econômicas:

As Receitas Correntes compreendem as tributárias, patrimoniais, industriais e


outras de natureza semelhante, bem como as provenientes de transferências correntes,
observados os dispositivos legais e normas pertinentes em vigor.

As Receitas de Capital compreendem a constituição de dividas, conversão em


espécie de bens e direitos, utilização de saldos de exercícios anteriores ou de recursos e
outras de naturezas semelhantes, bem como as provenientes de transferências de capital,
observados os dispositivos legais e normas pertinentes em vigor.

A Despesa compreende os recursos despendidos na gestão de computados


na apuração do resultado do exercício, desdobrada nas seguintes categorias econômicas:

As Despesas Correntes compreendem as de pessoal e encargos sociais,


juros e encargos da dívida e outras, observadas as conceituações legais e normas
pertinentes em vigor.

As Despesas de Capital correspondem as de investimentos, inversões


financeiras, amortização da dívida e outras, observadas as conceituações legais e normas
pertinentes em vigor.

A Reserva de Contingência é destinada para atendimento de despesas


emergenciais.

5. DECRETO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Decreto executivo que fixa normas para execução orçamentária, financeira,


patrimonial e contábil do Estado de Alagoas, que deverá ser realizado em conformidade com
o Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios – SIAFEM/AL.

O Decreto de Execução Orçamentária dispõe também sobre os créditos


adicionais e a vedação de alguns elementos de despesas para cobertura orçamentári a.

6. CRÉDITOS ADICIONAIS
O orçamento anual é um efetivo instrumento de planejamento projetado no
exercício anterior para a sua execução no exercício seguinte. Durante a execução do
orçamento, podem ocorrer situações que não foram previstas na elaboração da proposta
orçamentária e que devem ser absorvidas no orçamento do exercício. Essas situações
indicam despesas não computadas ou insuficientemente dotadas na proposta orçamentária,
que devem ser corrigidas durante o exercício, por meio da abertura de crédi tos adicionais,
também chamados de mecanismos retificadores dos orçamentos.

Identificada a modalidade de crédito adicional, cabe estabelecer a sua


tipificação, isto é, verificar as características com que se apresentam, nas diferentes
situações, durante a execução orçamentária. Para tipificar um crédito adicional é necessário
conhecer antecipadamente suas limitações legais, a existência ou não do
projeto/atividade/operação especial, objeto do crédito orçamentário, o valor desse crédito
quando existir, eventuais reforços ou reduções já aprovadas ou em andamento, os saldos
disponíveis, as parcelas já empenhadas ou comprometidas, as fontes de recursos para o
seu financiamento, etc.

a. Abertura de créditos suplementares;


b. Abertura de créditos especiais;
c. Reabertura de créditos especiais;
d. Abertura de créditos extraordinários; e
e. Reabertura de créditos extraordinários.

Os créditos adicionais podem ser classificados, conforme artigo 41 da Lei


4.320/64 como:

1- Suplementar: destinado ao reforço de dotação orçamentária; art.167,


incisos V e VI da CRFB/88; art. 178, incisos V e VI da CE/89, art. 41 inciso
I da Lei Federal nº 4.320/64;
2- Especial: destinado a despesas para as quais não haja dotação
orçamentária específica; art. 167, incisos I, V e VI e parágrafo 2º da
CRFB/88; art.178 I, V, VI e §2º da CE/89; art. 41, inciso II da Lei Federal
nº 4.320/64;
3- Extraordinário: destinado a despesas urgentes e imprevistas, como em
caso de guerra, comoção interna e calamidade pública; art. 167, §2º e §3º
da CRFB/88, art.178, §2º e §3º da CE/89, art. 41, inciso III da Lei Federal
nº 4.320/64.

CRÉDITO SUPLEMENTAR

É aquele destinado ao reforço de dotação orçamentária já existente.

O órgão setorial solicita a abertura de crédito suplementar com cobertura


orçamentária nas seguintes situações:

a. Remanejamento de categorias econômicas, por exemplo: Correntes (3)


para Capital (4) e vice-versa;
b. Remanejamento de grupo de despesa: Pessoal e Encargos Sociais (1),
Juros e Encargos da Dívida (2), Outras Despesas Correntes (3),
Investimentos (4), Inversões Financeiras (5) e Amortização da Dívida (6);
c. Alteração de Plano Interno (PI), em natureza de despesa diferente;
d. Criação de fonte de recursos;
e. Cobertura orçamentária entre Projeto, Atividade e Operação Especial;
f. Remanejamento orçamentário entre Projeto, Atividade e Operação
Especial;

Abertura do processo do crédito suplementar na SEPLAG


A setorial solicita, através de ofício do gestor, a autorização para abertura do
crédito suplementar, anexando duas cópias de notas de reserva assinadas pelo ordenador
de despesa e solicitação de processo de alteração orçamentária impresso, através do
SIPLAG, formalizando o processo através da entrada no protocolo;

Nos casos de solicitação de crédito sem cobertura orçamentária, a setorial


solicita ao Comitê Programação Orçamentária e Financeira - CPOF, atendendo ao Decreto
de Execução Orçamentária, Financeira e Contábil em vigência, através de oficio do gestor à
autorização para abertura do crédito suplementar, anexando solicitação de processo de
alteração orçamentária impresso através do SIPLAG.

CRÉDITO SUPLEMENTAR POR EXCESSO DE ARRECADAÇÃO


a. A solicitação deverá ser encaminhada a SEPLAG, através de ofício do
gestor à autorização para abertura do crédito suplementar, anexando o
demonstrativo da receita orçamentária por fonte de recurso, extraído do
SIAFEM, do exercício vigente, extrato bancário e, no caso de convênio,
cópia e registro da fonte de recursos devidamente consignado no
SIAFEM.
b. A SEPLAG encaminhará o procedimento administrativo para a SEFAZ,
atendendo ao Decreto de Execução Orçamentária, Financeira e Contábil
em vigência.
c. Após a indicação de consistência de valores por parte da SEFAZ, a
SEPLAG confeccionará o crédito.

CRÉDITO SUPLEMENTAR POR SUPERÁVIT FINANCEIRO


a. A solicitação deverá ser encaminhada a SEPLAG, através de ofício do
gestor à autorização para abertura do crédito suplementar, anexando
extrato bancário de 31 de dezembro do ano anterior e atual, no caso de
convênio, cópia e registro da fonte de recursos devidamente consignado
no SIAFEM.
b. A SEPLAG encaminhará o procedimento administrativo para a SEFAZ,
atendendo o Decreto de Execução Orçamentária, Financeira e Contábil
em vigência.
c. Após a indicação de consistência de valores por parte da SEFAZ, a
SEPLAG confeccionará o crédito.

Quanto aos créditos suplementares dos demais Poderes, do Ministério Público


Estadual e da Defensoria Pública Geral do Estado, serão considerados:

a. Dispositivo da LDO: os remanejamentos orçamentários que não alterem


os aprovados na LOA serão autorizados mediante ato de seus
respectivos titulares (Portarias) e publicados em Diário Oficial do Estado
e/ou Diário Oficial dos demais Poderes, dando ciência ao Chefe do
Executivo que encaminha ao secretário da SEPLAG, para as providências
de inserção das informações no SIAFEM, junto à SOP.
CRÉDITO ESPECIAL

Para atender a criação de ações não contempladas na LOA, o órgão setorial


procede da seguinte forma:
 Verificar a necessidade de criação de ação ao orçamento vigente;
 Fazer a solicitação via ofício ao secretário da SEPLAG para análise de
Projeto de Lei;
 Enviar justificativa do gestor para a criação da ação (Atividade, Projeto,
Operação Especial) em conformidade com o Decreto Estadual n° 3.981
de 2008;
 O secretário de Estado da SEPLAG faz o encaminhamento do projeto de
lei ao Gabinete Civil;
 Cabe ao Gabinete Civil o encaminhamento à Procuradoria Geral do
Estado para análise dos aspectos jurídicos, voltando para
encaminhamento à ALE;
 Quando o Projeto de Lei é aprovado pela ALE, é encaminhado ao
Gabinete Civil e a lei é sancionada pelo Chefe do Poder Executivo;
 O Gabinete Civil publica a lei sancionada no Diário Oficial do Estado de
Alagoas;
 Com a publicação da lei no Diário Oficial do Estado, o setor técnico da
SOP prepara o Decreto no SIPLAG (ver descrição utilizada em créditos
especiais);
 Após publicação do Decreto no Diário Oficial do Estado, o setor técnico da
SOP lança o crédito especial no sistema SIAFEM.

CRÉDITO EXTRAORDINÁRIO

Serve para atender casos de despesas urgentes e imprevisíveis,


características de situação de guerra, comoção interna ou calamidade pública.

São abertos por Decreto do Poder Executivo, que deles dará imediato
conhecimento ao Poder Legislativo (art. 44 da Lei Federal N°4.320/1964).
Após a publicação do Decreto no Diário Oficial do Estado, o setor técnico da
SOP lança o crédito extraordinário no sistema SIAFEM.

Características dos Créditos Adicionais:

1. Os créditos suplementares e especiais serão autorizados por lei e abertos


por Decreto do Executivo. O artigo 7º, inciso I da Lei 4.320/64 e a
Constituição Federal, através do art. 167, autorizam a inclusão no
orçamento do dispositivo que permita ao Executivo abrir créditos
suplementares até determinado limite;
2. Os créditos especiais, por se referirem a despesas novas, não gozam
dessa facilidade, sendo sempre autorizados previamente por lei e abertos
por Decreto do Executivo;
3. A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da existência
de recursos disponíveis para atender à despesa, e será precedida de
exposição justificada (art. 43 da Lei 4.320/64);
4. Os créditos extraordinários serão abertos por Decreto do Executivo, que
deles dará imediato conhecimento ao Poder Legislativo (art. 44 da Lei
4.320/64);
5. Os créditos suplementares, por serem destinados a atender insuficiências
no orçamento, extinguem-se no final do exercício (art. 43 da Lei 4.320/64);
6. Os créditos especiais e extraordinários poderão ter vigência até o final do
exercício subsequente, quando o ato da autorização for promulgado nos
últimos quatro meses do exercício e reabertos nos limites de seus saldos;
7. A reabertura de créditos especiais e extraordinários se fará através de
novo Decreto.

7. VIGÊNCIA
Conforme dispositivos do art. 167, §2º da CRFB/88, Art. 45 da Lei Federal nº
4.320/64 e art. 178 §2º da CE/89, os créditos adicionais têm a vigência no exercício
financeiro em que foram autorizados. Entretanto, os créditos especiais e extraordinários,
quando autorizados nos últimos quatro meses do exercício, poderão ser reabertos, no limite
de seus saldos, continuando sua vigência no exercício financeiro subsequente.

8. ALTERAÇÕES DE MODALIDADE DE APLICAÇÃO.

A alteração de Modalidade de Aplicação é regulamentada por Portaria


SEPLAG, e decorre de Criação ou Alteração da Modalidade de Aplicação, sendo obedecidos
os seguintes critérios:
 Mesma categoria econômica;
 Mesmo grupo de despesa;
 Mesmo Plano Interno (PI);
 Dentro do mesmo Projeto, Atividade ou Operação Especial.

As Modalidades de Aplicação mais utilizadas no âmbito do Estado são:


Transferências à União (20), Execução Orçamentária Delegada à União (22); Transferências
a Municípios (40); Transferências à Instituições Privadas sem fins lucrativos (50); Aplicações
Diretas (90) e Aplicação Direta decorrente de Operações entre Órgãos, Fundos e Entidades
Integrantes do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (91), conforme Portaria
Interministerial, nº 163 de 2001.

Entrada do processo na SEPLAG

A setorial solicita, através de ofício do gestor, a autorização para Alteração de


Modalidade de Aplicação, anexando duas cópias de notas de reserva, assinadas pelo
ordenador de despesa, e solicitação de processo de alteração orçamentária impresso
através do SIPLAG, formalizando o processo através da entrada no protocolo;

Alteração de Plano Interno (PI)

É um procedimento realizado diretamente no SIAFEM pela SOP, quando se


tratar da mesma natureza de despesa, dentro do mesmo Programa de Trabalho. Para
alteração de PI, deve-se proceder da seguinte forma:

 A setorial solicita através de ofício do Gestor a autorização para Alteração


de Plano Interno, anexando duas cópias de notas de reserva assinadas
pelo ordenador de despesa e solicitação de processo de alteração
orçamentária impresso através do SIPLAG, formalizando o processo
através da entrada no protocolo;

Nota: A alteração do Plano Interno (PI), não necessita de publicação no Diário


Oficial do Estado.

9. DEVOLUÇÃO DO PROCESSO
Caso o processo de crédito adicional não atenda aos requisitos técnicos e/ou
legais, será devolvido aos órgãos solicitantes para os ajustes que se fizerem necessários.

10. SISTEMA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO – SIPLAG

As solicitações de créditos adicionais ocorrerão a partir da página do SIPLAG


no site: http://siplag.itec.al.gov.br

Utilizar os navegadores Internet Explorer 6.0 ao 10 ou Avant Browser;

 Baixar o Plugin para visualização dos relatórios do Crystal Reports


(Disponível no SIPLAG para download);

 Observar se o Pop-up encontra-se desbloqueado.

11. SOLICITAÇÃO DE CRÉDITOS ADICIONAIS NO SIPLAG

Os créditos adicionais são solicitados inicialmente na unidade orçamentária,


pelo acesso ao sistema SIPLAG.

12. IDENTIFICAÇÃO NO SIPLAG

Para ter acesso ao Sistema de Planejamento e Gestão – SIPLAG, os órgãos


deverão enviar à Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio – SEPLAG
ofício devidamente assinado pelo gestor do órgão/ordenador de despesa, solicitando senha,
contendo: nome completo, CPF, matrícula, contato, e-mail e a unidade orçamentária, todas
essas informações farão parte de um banco de dados, para envios de matérias relacionadas
ao orçamento, abertura e fechamento de sistema e cursos.

Por medida de segurança, somente serão liberados dois acessos por unidade
orçamentária, não podendo repetir o mesmo CPF para órgãos diferentes.

Tela 1. Janela através da qual o usuário cadastrado terá acesso ao SIPLAG,


mediante o numero do CPF e senha

Tela 2. Após confirmação da senha o usuário poderá navegar pelo SIPLAG.

Tela 3. Solicitação
1º passe o mouse
neste menu

Tela 4 . Incluir solicitação de Crédito Adicional

1º Cl i que na Depois escolha o tipo de


caixa Nº e
crédito na caixa Nat.
escolha a opção
Alteração.
NOVO

Obs. Você não poderá alterar a U.O.


Vá para a parte inferior da janela e preencha os campos da esquerda para a
direita.

Clique sobre a primeira


caixa e escolha Na terceira caixa Em seguida escolha Clique sobre a ultima
Suplementação ou escolha o Programa caixa e escolha a
de Trabalho. o Plano Interno/PI.
Anulação. Natureza de Despesa.
Finalizando clique no botão atualizar.

Tela 5. Justificativa

Clique no botão
Em seguida clique Justificativa e
inclua uma.
em Voltar e
depois em
atualizar

Tela 6. Caso seja necessário excluir uma suplementação ou anulação.

1º Clique na caixa Nº e
escolha o número da
solicitação.

Em seguida
clique na caixa
Excluir e em
seguida no botão
atualizar.

Tela 7. Incluir Fonte de recursos

 Clique na informação da coluna Fonte de Recurso

 Aparecerá a janela seguinte:


Vá para a parte inferior da janela.

1º Clique no botão
Incluir e escolha uma
Em seguida registre um
f onte de recurso. valor nesta caixa.

Clique no botão Atualizar e em seguida no botão Voltar.

Tela 8. Imprimir formulário de Processo de Alteração Orçamentária

Aparecerá uma nova tela com o


seguinte formulário para
impressão:
Após realizar a impressão de duas vias, feche a tela.

Tela 9. Imprimir Nota de Reserva.

Em seguida clica na opção


Nota de Reserva.
1º Passa o mous e sobre o
botã o Crédito Adicional.

Aparecerá a janela seguinte: Em seguida clique na caixa U.O


cedente e escolha o órgão que
of erecerá a cobertura orçamentária.

1º Clique na caixa Nº
e escolha o número
da solicitação.

Aparecerá a janela seguinte:


Em seguida clique em U.O Cedente
1º clique na caixa Nº e e escolha o órgão que concederá a
escolha o numero da cobertura orçamentária.
solicitação.

Cl i que no botão
Im primir.
Abrirá uma nova tela com a Nota de Reserva para impressão.

Após realizar a impressão de duas vias, feche a tela.

13. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília,


DF, Senado,1998.

Constituição do Estado de Alagoas, 1989: promulgada em 5 de outubro de 1989:


atualizada até a emenda no. 38/2010/ coordenação de Maria de Fátima Medeiros
Tavares, - 3. ed. rev . e ampl. Maceió: Governo do Estado de Alagoas,2013.

BRASIL, Congresso Nacional (2000). Lei Complementar no.101, 4 maio 2000. LRF-
Lei de Responsabilidade Fiscal, Brasília, 2000.
BRASIL, Lei, no. 4.320 de 17 de março de 1964. Institui Normas Gerais de Direito
Financeiro para Elaboração e Controle dos Orçamentos e Balanços da União, dos
Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Diário Oficial da União, DF, 23
mar.1964.

Albuquerque, Claudiano Manoel de. Gestão de finanças públicas/claudiano Manoel de


Albuquerque, Márcio Bastos Medeiros, Paulo Henrique Feijó da Silva – 3ª ed., volume
I,Brasilia:2013.

Novo Dicionário de Orçamento e Áreas Afins/ Osvaldo Maldonado Sanches. 1ª


Edição. Edição do Autor, 2013, 430p.

14. GLOSSÀRIO

DOTAÇÃO – Limite de credito consignado na Lei de Orçamento ou credito adicional, para


atender determinada despesa.

CRÉDITO – Disponível para aplicação de determinado montante de recursos.

ORÇAMENTO – Um plano de ação expresso em termos financeiros.


ORÇAMENTO PÚBLICO – Lei de iniciativa do Poder Executivo que estima a Receita e fixa
a Despesa da administração pública. É elaborada em um exercício para depois de aprovada
pelo Poder Legislativo, vigorar no exercício seguinte.

ABERTURA DE CRÉDITO ADICIONAL – Acréscimo nos créditos iniciais, com base em


autorização legislativa especifica.

COBERTURA ORÇAMENTÁRIA – Dotação orçamentária para atender despesas com


projeto ou atividade, proveniente de Lei Orçamentária ou Créditos Adicionais.

REMANEJAMENTO DE CRÉDITO – Alteração do Quadro de Detalhamento da Despesa


para outra, de uma modalidade de aplicação para outra, grupo de despesa ou fonte.

DETALHAMENTO DE CRÉDITO – Forma de se detalhar o crédito orçamentário por UG


(Unidade Gestora), PT (Programa de Trabalho), Fonte, ND (Natureza de Despesa), Dotação
Inicial, Variações, Dotação Anual, Empenhado e Disponível, cuja transação utilizada no
SIAFEM é “>impcredisp”.

ESFERA ORÇAMENTÁRIA – Especifica se a dotação orçamentária pertence ao Orçamento


Fiscal, Orçamento da Seguridade Social ou Orçamento de Investimento.

UNIDADE ORÇAMENTÁRIA – Repartição da Administração Direta a que o Orçamento


Geral do Estado consigna dotações específicas para a realização de seus programas de
trabalho e sobre os quais exerce o poder de disposição. É também considerada Unidade
Orçamentária a entidade da Administração Indireta supervisionada cujo orçamento próprio é
publicado em complemento ao Orçamento Geral do Estado, nos termos do art. 109 da Lei nº
4.320/64.

UNIDADE GESTORA – Unidade Orçamentária ou Administrativa investida do poder de gerir


créditos orçamentários e/ou recursos financeiros.

DÉFICIT ORÇAMENTÁRIO – Despesa maior que a receita, havendo distinção entre déficit
previsto ou déficit da execução orçamentária.

DESCENTRALIZAÇÃO DE CRÉDITO – Transferência de uma unidade orçamentária ou


administrativa para outra, do poder de utilizar créditos orçamentários ou adicionais que
estejam sob a sua supervisão, ou lhe tenham sido dotados ou transferidos. São operações
descentralizadoras de crédito: o destaque e a provisão.

DESPESA EMPENHADA – Valor do crédito orçamentário ou adicional utilizado para fazer


face ao compromisso assumido.

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA DESPESA – Utilização dos créditos consignados no


orçamento e nos créditos adicionais, visando à realização dos projetos e/ou atividades
atribuídos às Unidades Orçamentárias.

GESTÃO – Ato de gerir a parcela do patrimônio de uma unidade Gestora, Entidade


Supervisionada, Órgão ou Fundo que, tendo ou não personalidade jurídica própria, requeira
demonstrações, acompanhamentos e controles distintos.

GESTOR – Quem gere ou administra orçamentos e finanças, bens e serviços.


NATUREZA DA DESPESA – Organização do orçamento segundo critérios que possibilitem
a compreensão geral das funções deste instrumento, propiciando informações para a
administração, a gerência e a tomada de decisões.

MODALIDADE DE APLICAÇÃO – Classificação da despesa que traduz a forma como os


recursos serão aplicados pelo órgão/entidades, podendo ser diretamente pelos mesmos ou
sob a forma de transferência a outras entidades públicas da execução das ações.

CLASSIFICAÇÃO DA DESPESA POR ELEMENTOS – Além de servir de instrumento de


análise das propostas orçamentárias pelo Órgão Central de Orçamento, é de importância
fundamental para a unidade orçamentária determinar suas estimativas de necessidades de
recursos.

ÓRGÃO – Secretaria ou Entidade neste mesmo grau, aos quais estão vinculadas as
respectivas Unidades Orçamentárias.

ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL – Integra a Lei Orçamentária Anual, e abrange


todas as entidades, fundos e fundações da administração direta e indireta instituídas e
mantidas pelo poder público, vinculados à seguridade social.

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO – Integra a Lei Orçamentária Anual, e refere-se ao


Orçamento de Investimento das Empresas em que o Estado, direta ou indiretamente,
detenha maioria do capital social com direito a voto.

ORÇAMENTO FISCAL – Integra a Lei Orçamentaria Anual, e refere-se ao orçamento dos


Poderes, seus fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta fundações
instituídas e mantidas pelo poder público.

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA – Previsão de receita e fixação de despesa para o exercício


com os respectivos quadros e justificativas. No caso do Estado, materializa o Projeto de Lei
Orçamentária encaminhado pelo Poder Executivo à Assembleia Legislativa.

ATIVIDADE – Conjunto de operações que se realizam de modo continuo e que concorrem


para a manutenção da ação do Governo.

PROJETO – Instrumento cuja programação deve ser articulada e compatibilizada com


outros, para alcançar os objetivos de um programa envolvendo um conjunto de operações
limitada no tempo dos quais resulta um produto que concorre para a expansão ou
aperfeiçoamento da ação do Governo.

QUADRO DE DETALHAMENTO DE DESPESA – Instrumento que detalha a nível


operacional os projetos e atividades constantes da Lei Orçamentária Anual, especificando os
elementos de despesas e respectivos desdobramentos.

RECEITA ORÇAMENTÁRIA – Valores constantes do orçamento, caracterizada conforme o


artigo 11 da lei nº 4.320/64.

RECEITA EXTRA – ORÇAMENTÁRIA – Valores provenientes de toda e qualquer


arrecadação que não figure no orçamento e, consequentemente toda arrecadação que não
constitui renda do Estado.

RECEITA PRÓPRIA – As arrecadações pelas entidades públicas em razão de sua atuação


econômica no mercado. Estas receitas são aplicadas pelas próprias Unidades Gestoras.
RECEITA VINCULADA – Receita arrecadada com destinação especifica estabelecida na
legislação vigente.

RESERVA DE CONTIGÊNCIA – Dotação global não especificamente destinada a


determinado órgão, unidade orçamentária, programa ou categoria econômica, cujos
recursos serão utilizados para abertura de créditos adicionais.

RECURSO – Termo utilizado na linguagem técnica orçamentária para designar a


disponibilidade financeira.

DISPONIBILIDADE FINANCEIRA – Representa o limite de saque de cada Unidade.

ORDENADOR DE DESPESA – Qualquer autoridade que cujos atos resultem emissão de


empenho, autorização de pagamento, suprimento ou dispêndio de recursos ou pelos quais
responda.

CONTA ÚNICA – Representa a unificação de todas as contas bancárias existentes na Caixa


Econômica Federal das Unidades Gestoras participantes do SIAFEM, na modalidade “ON
LINE”.

DÉFICIT FINANCEIRO – Maior saída de numerário em relação a entrada, em um


determinado período.

DESPESAS CORRENTES- As realizadas com a manutenção dos equipamentos e com o


funcionamento dos órgãos.

DESPESAS DE CAPITAL – As realizadas com o propósito de forma e/ou adquirir ativos


reais, abrangendo entre outras ações o planejamento e a execução de obras, a compra de
instalações, equipamentos, material permanente títulos representativos do capital de
empresas ou entidades de qualquer natureza, bem como as amortizações de dividas e
concessões de empréstimos.

DESPESAS DE CUSTEIO- São as dotações para a manutenção de serviços anteriormente


criados, inclusive as destinadas a atender a obras de conservação e adaptação de bens
imóveis.

LIBERAÇÃO DE COTAS – Transferência dos recursos financeiro do Órgão Central de


programação financeira para os Órgãos Setoriais.

PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA- Atividades relativas ao orçamento de caixa,


compreendendo a previsão do comportamento da receita, a consolidação dos cronogramas
de desembolso e o estabelecimento do fluxo de caixa.

PLANO DE CONTAS – Estrutura ordenada e sistematizada das contas utilizáveis numa


entidade. O plano contém diretrizes técnicas gerais e especificas e orientam a leitura dos
registros dos atos praticados e dos fatos ocorridos na entidade.

TABELA DE EVENTOS – Instrumento utilizado pelas Unidades Gestoras no preenchimento


das telas e/ou documentos de entrada no SIAFEM, para transformar os atos e fatos
administrativos rotineiros em registros contábeis automáticos.

SIAFEM – Modalidade de acompanhamento das atividades relacionadas com a


administração financeira dos Recursos do Estado, que centraliza e uniformiza o
processamento da execução orçamentária, recorrendo a técnicas de elaboração eletrônica
de dados, com o envolvimento das Unidades Setoriais, sob a supervisão da SEFAZ e
resultando a integração dos procedimentos concernentes à programação financeira, à
contabilidade e à administração orçamentária.

PRESTAÇÃO DE CONTAS – Demonstrativo organizado pela entidade ou pessoa


designada, acompanhado ou não de documentos comprobatórios das operações de receitas
e despesa os quais se aprovados pelo Ordenador de Despesa, integrarão a sua tomada de
contas; é preparada pelo serviço de contabilidade analítica das entidades de Administração
Indireta, inclusive das fundações instituídas e mantidas pelo poder publico.

SUPERAVIT FINANCEIRO – A diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo


financeiro, conjugando-se, ainda, os saldos dos créditos adicionais e as operações de
créditos a eles vinculados.

TOMADA DE CONTAS- Levantamento organizado pelos serviços de contabilidade analítica,


baseado na escrituração dos atos e fatos praticados na movimentação de créditos, recursos
financeiros e outros bens públicos, por um ou mais responsáveis pela gestão financeira e
patrimonial, a cargo de uma Unidade Administrativa e seus agentes, em determinado
exercício ou período de gestão.