Você está na página 1de 38

09/11/2016

MÉTODO DOS DESLOCAMENTOS


Prof.º Msc José Lucas Sobral Marques

SETOR DE TECNOLOGIA
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
• A forma de resolução do método dos deslocamentos
como apresentado é muito trabalhosa.
• A forma apresentada é voltada para uma solução por
computador.

Para facilitar o cálculo manual, são introduzidas


simplificações no comportamento das barras com
respeito às duas deformações.

São adotadas restrições nas deformações das barras,


como, por exemplo a hipóteses de que as barras não se
deformam axialmente.

1
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
• Essas simplificações tem o intuito de diminuir ao
máximo o número de deslocabilidades.

Elementos estruturais de um pórtico, construído com


materiais e dimensões usuais, têm deflexões provocados
por deformações axiais muito menores que as deflexões
transversais devidas as deformações por flexão.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
• A consideração de barras sem deformação axial (barras
inextensíveis) é uma aproximação razoável para o
comportamento de um quadro.

Outra simplificação adotada é a consideração de barras


infinitamente rígidas.
 Nesse caso além de desprezar as deformações axiais, o
modelo não considera deformações por flexão dessas
barras. A barra se mantém reta na condição
deformada, sofrendo movimento de corpo rígido.

2
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Quando dessas simplificações é importante ressaltar
algumas considerações:
• Não existe coeficiente de rigidez axial para uma barra
inextensível;
• O esforço axial numa barra inextensível não pode ser definido
com base na deformações axial, mas ele não é nulo. São obtidos
como consequência do equilíbrio de barras adjacentes.
• Os momentos fletores em uma barra infinitamente rígida não
são nulos, mas não podem ser deduzidos com base na
configuração deformada da barra. Momentos fletores e esforços
cortantes em uma barra infinitamente rígida são determinados
em fundação os esforços de barras adjacentes.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Classificação das simplificações adotadas:
1. “Eliminação” de trechos em balanço;
2. Consideração de barras inextensíveis;
3. Eliminação de deslocabilidade do tipo rotação de nós
quando todas as barras adjacentes são articuladas no
nó.
4. Consideração de barras infinitamente rígidas.

3
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
1. “Eliminação” de trechos em balanço.

21 deslocabilidades 6 deslocabilidades

Martha (2010)

Trechos em balanços de pórticos podem ter seus esforços internos


determinados isostaticamente.
O cálculo de deslocamentos nos pontos do balanço depende da resposta do
restante da estrutura. Esse cálculo pode ser feito por superposição de efeitos,
somando-se aos deslocamentos do balanço, considerado engastado, o movimento
de corpo rígido associado aos deslocamentos e à rotação do ponto de contato do
restante do pórtico com o balanço.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
2. Consideração de barra inextensível
Redução do número de deslocabilidade do tipo translação, não afetando o
nº de deslocabilidades do tipo rotação.

Martha (2010)

porque a distância entre os nós superiores não se altera

Agora são apenas 3 deslocabilidades, ou seja, quatro casos a serem


analisados.

4
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Martha (2010)
Conceitos importantes:
• Deslocabilidade interna: deslocabilidades do tipo rotação;
• Deslocabilidade externa: deslocabilidades do tipo translação;
• é o nº total de deslocabilidades internas;
• é o nº total de deslocabilidades externas.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Exemplo

5
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
A criação do SH não é direta como no casa caso de barras extensíveis,
onde bastava fixar todas deslocabilidades de cada nó. Agora primeira se
fixa as rotações e depois se identifica a necessidade de apenas um apoio
para ficar a deslocabilidade externa.

1. Caso 0 – Solicitação externa isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
2. Caso 1 – Deslocabilidade D1 isolada no SH

As reações de apoio verticais são determinadas pelos esforços cortantes


que devem atuar nas extremidades da viga, que são transmitidos por
esforços normais pelas colunas.

6
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
2. Caso 1 – Deslocabilidade D1 isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
3. Caso 2 – Deslocabilidade D2 isolada no SH

O coeficiente k32 corresponde ao esforço cortante no topo da coluna da


direita, que está sendo transmitido via esforço normal para a viga.
No caso de barras extensíveis não havia esforço normal, pois existia um
apoio no nó superior direito que impedia seu deslocamento horizontal.

7
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Outra alternativa é realizar o equilíbrio global do SH.

Com base na estrutura deformada os momentos fletores e esforços


cortantes em todas as barras ficam determinados, assim como suas reações
de apoio.
A reações de apoio é nula. O coeficiente k32 pode ser determinado impondo
que o somatório de todas as forças horizontais atuantes no SH seja nulo.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
4. Caso 2 – Deslocabilidade D3 isolada no SH

Aplica-se o mesmo deslocamento para os dois nós, pois a viga não pode ter
seu comprimento alterado.
O deslocamento imposto em um nó pode acarretar um deslocamento de
outro nó.
As duas colunas são mobilizadas e a viga não se deforma

8
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

O coeficiente k33 corresponde aos esforços cortantes no topo das colunas. O


esforço cortante da coluna da direita é transmitido via esforço normal para o
apoio fictício.
Pode ser calculado pela equilíbrio global, considerando as reações de apoio
obtidas para as configurações deformadas das colunas.
17

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
5. Equações de equilíbrio

Há uma pequena diferença entre os valores das deslocabilidades obtidas


para a consideração de barras extensíveis.

9
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
6. Diagramas finais de momento

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Regras para a determinação de deslocabilidades externas de pórticos
planos com barras inextensíveis:

• A cada apoio fictício necessário para fixar uma translação nodal é


identificada uma deslocabilidade externa.

Conceito de contraventamento: Um nó que estiver ligado a dois nós fixos à


translação por duas barras inextensíveis não alinhadas (formando um
triângulo) também fica fixo a translação.

10
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
1. Um nó que estiver ligado a dois nós fixos à translação por duas barras
inextensíveis não alinhadas também fica fixo à translação. Portanto não
é necessário adicionar um apoio fictício a esse nó. Caso o nó só esteja
ligado a um nó fixo por uma barra ou a dois nós fixos por duas barras
alinhadas, deve-se adicionar um apoio para impedir o deslocamento na
direção transversal ao eixo dessas(s) barra(s)

2. Um conjunto de barras inextensíveis agrupadas em uma triangulação se


comporta como um corpo rígido. Portanto, deve-se procurar adicionar
apoios para impedir o movimento de corpo rígido conjunto.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

di = 4
de = 2

Primeiro pavimento:
Pela regra 1  apoio 5 para impedir movimento horizontal
Pela regra 1  nó da direita (chapa 4) não tem deslocamento pois está
ligado a duas barras indeslocáveis
Apoio 5 pode ser colocado tanto na direita quanto na esquerda

Segundo pavimento:
Apoio 6 se faz por analogia

11
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

di = 4
de = 1

Primeiro pavimento:
Existe um triângulo, pela regra 1  não precisa de apoio, nó já está fixo

Segundo pavimento:
Pela regra 1  apoio 5 para impedir movimento horizontal
Pela regra 1  nó da direita (chapa 2) não tem deslocamento pois está
ligado a duas barras indeslocáveis

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

di = 4
de = 0

Primeiro pavimento:
Existe um triângulo, pela regra 1  não precisa de apoio, nó já está fixo
Segundo pavimento:
Existe um triângulo, pela regra 1  não precisa de apoio, nó já está fixo

12
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
• “Os deslocamentos horizontais em um pórtico sempre estão
presentes, mesmo com barras de contraventamento, pois estas
também se deformam axialmente. No entanto, como a
deformação axial de uma barra usual provoca deslocamentos
axiais muito menores do que os deslocamentos provocados por
flexão, a utilização de contraventamento reduz substancialmente
os deslocamentos horizontais do pórtico”.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Uma única barra por pavimento é suficiente para contraventar o pórtico.


Por triangulação o nó com a chapa 7 está fixo, consequentemente, todos os
outros do primeiro pavimento também estarão.

Um única diagonal no segundo pavimento é suficiente para contraventar


esse pavimento.

13
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Primeiro pavimento:
Apoio 9 é suficiente para impedir movimento horizontal de todos os outros
nós.
Apoios 10 e 11 são necessários para impedir os deslocamentos verticais de 6
e 7.

Segundo pavimento:
Apoio 12 é suficiente para impedir movimento horizontal de todos os outros
nós

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Apoios 10, 11 e diagonal são suficientes para impedir translação dos nós do
segundo pavimento (triangulação no nó 2)

O apoio 11 poderia ser colocado no nó da chapa 1, pois por triangulação 2,


7, 3 e 4 (nessa ordem) também ficariam fixos.

14
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Após adição do nó 10, o nó da chapa 1 fica fixo por causa da barra inclinada.
Consequentemente, todos os demais nós também ficam fixos.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Não tem outro nó que se ligue a dois nós fixos por duas barras não
alinhadas.
Estrutura forma uma triangulação completa, e, portanto, apresenta
comportamento de corpo rígido.

Regra 2  para impedir movimento de corpo rígido é necessário fixar


movimento horizontal em um ponto.

15
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

O apoio da direita é simples, portanto, só restringe o deslocamento vertical


do nó. Sendo assim, no SH, tanto a deslocabilidade interna quanto o
deslocamento horizontal nesse nó precisam ser fixados.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Pela regra 1 é necessário que sejam inseridos os apoios 4 e 5 para impedir


os deslocamentos horizontais desses nós. Com isso o nó 1 fica fixo.

Como alternativa é possível fixar os movimentos do nó com a chapa 1 e com


os apoios 4 (horizontal) e 5 (vertical).

16
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
3. Simplificação para articulação completa

Mesmo caso já trabalhado mas agora com a coluna direita articulada do


topo e viga não articulada.
Deslocabilidades são basicamente as mesmas, única diferença é o fato da
rotação D2 agora correspondente à rotação da seção transversal da
extremidade direita da viga  chapa 1 fica acima da rótula no topo da
coluna da direita.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
1. Caso 0 – Solicitação externa isolada no SH

17
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
2. Caso 1 – Deslocabilidade D1 isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
3. Caso 2 – Deslocabilidade D2 isolada no SH

Coluna da direta não sofre flexão, não aparecendo também esforço cortante
nessa coluna, por isso k32 é igual a zero. Também não existem reações de
apoio na direção horizontal.

18
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
4. Caso 3 – Deslocabilidade D3 isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
5. Equações de equilíbrio

Valores obtidos para D1 e D3 são os mesmos, mas para D2 o valor é


diferente.

Rotações tem interpretações físicas diferentes em cada uma das soluções.

19
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Para viga articulado D2 é no sentido horário e para a coluna articulada é D2 é


no sentido anti-horário.

Apesar disso, os resultados finais para os esforços internos são os mesmos


para as duas soluções.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
4. Pórtico com articulação

Nessa solução tudo que se refere à deslocabilidade D2 é nulo, sendo assim o


termo de carga é igual a zero, k21 também é nulo e k23 também é igual a
zero.
No caso 2, não existe resistência do SH para a rotação D2 = 1. Sendo assim,
os coeficientes de rigidez são nulos.

20
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
1. Caso 0 – Solicitação externa isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
2. Caso 1 – Deslocabilidade D1 isolada no SH

21
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
3. Caso 2 – Deslocabilidade D2 isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
4. Caso 3 – Deslocabilidade D3 isolada no SH

22
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
5. Equações de equilíbrio

Do jeito que está escrito não tem solução, pois o determinante é zero.
Dessa maneira, entende-se que a articulação está sendo considerada de
forma redundante.

Se a segunda linha for eliminada:

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Os valores de D1 e D3 são os mesmos que nos outros casos.
Os momentos fletores resultantes tão são os mesmos que os encontrados
nas outras soluções, mas agora:
∙ ∙
Dica:
Simplesmente se desconsidera a deslocabilidade interna de um nó
completamente articulado.

Essa é a terceira simplificação do método dos deslocamentos. Ela não


modifica os resultados, apenas deixa um deslocabilidade interna indefinida.

23
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Deve-se tomar cuidado, pois essa simplificação só pode ser usada quando
todas as barras que chegam no nó tem as seções transversais adjacentes
articuladas.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Outra dica:
No caso de um apoio simples de 2º gênero, no qual converge apenas uma
barra, é possível interpretar a liberação da rotação como uma articulação da
barra, considerando o apoio como um engaste. Dessa maneira, elimina-se a
deslocabilidade interna do nó do apoio.

24
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Cuidado!

Nesse caso duas barras convergem para um apoio do segundo gênero mais
sem articulação.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Regras para a determinação de deslocabilidades internas
1. Um nó com engaste não tem deslocabilidade interna. Portanto, não é
necessário adicionar uma chapa nesse nó na criação do SH.
2. A rotação de uma nó com articulação completa não é considerada
deslocabilidade interna. A rotação do nó fica indeterminada. Portanto,
não é necessário inserir chapa no nó.
3. Um nó que tem um apoio do 2º gênero, no qual converge um barra, é
considerado engastado, sendo que a articulação é considerada na
extremidade correspondente da barra. Portanto, o nó não tem rotação e
não é necessário adicionar uma chapa.
4. Em qualquer outra situação, exceto no caso de uma barra adjacente
infinitamente rígida, o nó tem deslocabilidade interna e é necessário
inserir uma chapa na criação do SH.

25
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
1. Um nó que estiver ligado a dois nós fixos à translação por duas barras
inextensíveis não alinhadas também fica fixo à translação. Portanto não
é necessário adicionar um apoio fictício a esse nó. Caso o nó só esteja
ligado a um nó fixo por uma barra ou a dois nós fixos por duas barras
alinhadas, deve-se adicionar um apoio para impedir o deslocamento na
direção transversal ao eixo dessas(s) barra(s)

2. Um conjunto de barras inextensíveis agrupadas em uma triangulação se


comporta como um corpo rígido. Portanto, deve-se procurar adicionar
apoios para impedir o movimento de corpo rígido conjunto.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
5. Consideração de barras infinitamente rígidas
• São barras que não tem nenhuma deformação;
• Essa simplificação não é adotada para todas as barras de um pórtico;

• Ex: análise de um prédio com cargas laterais  conjunto de vigas e lajes


de um pavimento podem ser considerados rígidos em comparação com
os pilares.

Colunas inextensíveis
Viga  barra infinitamente rígida

26
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

• Colunas inextensíveis
 Nós só podem se deslocar
na direção horizontal.

Impede rotação como corpo rígido

Único movimento que esta viga


infinitamente rígida pode é o
deslocamento horizontal

Só uma deslocabilidade

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Sem a consideração de barra
rígida

Quando são utilizadas simplificações como barras inextensíveis ou


infinitamente rígidas os resultados, logicamente, são diferentes da análise
sem simplificação.

27
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
• Identificação das deslocabilidades de pórticos com barras infinitamente
rígidas só pode ser feita caso a caso  alguns casos há a necessidade de
se visualizar a deformada;
• Maior dificuldade em se identificar as deslocabilidades de pórticos;
• Para pórticos com poucas barras inextensíveis, a maneira mais simples é
introduzir apoios fictícios para criação do SH:
 A cada apoio necessário para fixar os nós da estrutura é identificada
um deslocabilidade

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Sistema Hipergeométrico

Caso 0 – Carregamento isolado


no SH

28
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Caso 1 – Deslocabilidade D1
isolada no SH

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Caso 1 – Deslocabilidade D1
isolada no SH

• Momentos fletores da viga não são nulos, e podem adotar qualquer valor que a
barra permanece reta;
• Os momentos nas extremidades da viga devem respeitar o equilíbrio;
• Os momentos na viga são sempre opostos aos sentidos do momentos das
colunas;

29
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
• K11 pode ser obtidos de duas maneiras:
1. Soma dos esforços cortantes no topo das colunas;
2. Equilíbrio global das forças horizontais;
24

Equação de equilíbrio
∙ 0
24 0


24

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Diagramas finais de momento
∙ 0

30
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Exemplo de pórtico com 2 pavimentos

• Dois pavimentos rígidos;


• Colunas inextensíveis;
• EI constante.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Sistema Hipergeométrico Caso 0 – Carregamento isolado


no SH

Momentos são nulos, já que as


colunas não tem deformação
nem cagar em seu interior.

31
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Caso 1 – Deslocabilidade D1
isolada no SH

• Cálculo de K11:
12 3 21
3∙
6 6 6
• Cálculo de K21:
3 6
2∙
6 6

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Caso 2 – Deslocabilidade D2
isolada no SH

• Cálculo de K22:
3 6
2∙
6 6
• Cálculo de K21:
3 6
2∙
6 6

32
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Equações de equilíbrio
∙ ∙ 0
∙ ∙ 0

21 6
10 ∙ ∙ 0
6 6
6 6
10 ∙ ∙ 0
6 6

288 648
24

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Diagramas finais de momento
∙ 0

33
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Exemplo de barra rígida com giro

• Coluna esquerda infinitamente


rígida;
• A viga e a outra coluna são
flexíveis e inextensíveis;
• EI constante.
 θ1 é no sentido horário;
 Considera-se que não há deslocamento
vertical no topo (peq. deslc.)
 Como θ1 é função de D1 só existe uma
deslocabilidade;
 Pode-se escolher o parâmetro adotado.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

• 4 possíveis SH diferentes, porém equivalentes;


• Não precisa colocar uma chapa no nó superior da direita
porque é uma rótula e sua rotação fica indeterminada;
• Só existe uma deslocabilidade que pode ser θ1 ou D1.

34
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Sistema Hipergeométrico Caso 0 – Carregamento isolado no SH

A força P é transmitida via esforço


normal.

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

Caso 1 – Deslocabilidade D1
isolada no SH

O momento no topo da coluna


da esquerda é calculado por
equilíbrio.

35
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Equações de equilíbrio
∙ 0
3
∙ ∙ 0



3

36
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Diagramas finais de momento
∙ 0

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS
Sugestões para criação do SH de pórticos com barras infinitamente
rígidas
1. A cada apoio fictício necessário para fixar os nós das estrutura tem-se
uma deslocabilidade  1º passo é a inserção dos apoios
2. O giro de uma barra infinitamente rígida está associado aos
deslocamentos transversais em suas extremidades
• Existe dependência entre a rotação da barra infinitamente rígida e
os deslocamentos transversais dos nós
3. Quando uma barra infinitamente rígida não tem rotação, os seus nós
não giram e não têm deslocamento na direção transversal ao eixo da
barra. No SH deve-se impedir a translação da barra infinitamente rígida
em sua direção axial.
4. No caso de rotação é mais simples inserir apoio do 1º gênero para
impedir o deslocamento do outro nó na direção transversal ao eixo.

37
09/11/2016

MÉTODO DOS
DESLOCAMENTOS

38