Você está na página 1de 31

Anexo F

ANEXO F

RENDIMENTOS PREDIAIS
CATEGORIA F

Este anexo não é individual, e destina-se a declarar os rendimentos prediais sujeitos a


imposto, tal como são definidos no artigo 8.º do Código do IRS.

Deve ser apresentado, nos prazos e locais previstos para a apresentação da declaração de
rendimentos modelo 3 do IRS, da qual faz parte integrante, pelos sujeitos passivos quando
estes ou os dependentes que integram o agregado familiar tenham auferido rendimentos
prediais.

Tal como está previsto na alínea a) do n.º 2 do artigo 3.º do Código do IRS, este tipo de
rendimentos, se forem obtidos no âmbito de uma atividade empresarial ou profissional,
são considerados proveitos da atividade e incluídos na categoria B.

Tenha-se presente que só existe rendimento tributável existindo renda. Assim, caso se
trate de prédios não arrendados, a tributação não se verifica em sede de IRS, porquanto,
nesta categoria F, só há lugar a tributação caso existam rendimentos efetivos (cfr. n.º 11 do
preâmbulo do CIRS).

De salientar que as rendas podem ser pagas em dinheiro ou em espécie (não devemos
esquecer que pode haver contratos de locação de prédios rústicos cuja renda se traduz
na entrega ao proprietário de parte das colheitas), pese embora a lei se refira sempre a
"importâncias" recebidas.

Sublinhe-se também que o titular de tais rendimentos (rendas) pode, necessariamente, não
ser o proprietário do imóvel, já que o usufrutuário tem o poder de dar de arrendamento o
imóvel.

O n.º 1 do artigo 8.º do Código do IRS diz-nos que se «consideram rendimentos prediais
as rendas dos prédios rústicos, urbanos e mistos pagas ou colocadas à disposição dos
respetivos titulares», sejam estes os proprietários ou os usufrutuários.

Por sua vez, o n.º 2 do mesmo artigo, com a redação que vigorou até 31/12/2014, diz-nos
que são havidas como rendas:

a) As importâncias relativas à cedência do uso do prédio ou de parte dele e aos serviços


relacionados com aquela cedência;

b) As importâncias relativas ao aluguer de maquinismos e mobiliários instalados no


imóvel locado;

c) A diferença, auferida pelo sublocador, entre a renda recebida do subarrendatário e a


paga ao senhorio;

IRS 2014 287


Anexo F

d) As importâncias relativas à cedência do uso, total ou parcial, de bens imóveis, para


quaisquer fins especiais, designadamente publicidade;

e) As importâncias relativas à cedência do uso de partes comuns de prédios em regime


de propriedade horizontal;

f) As importâncias relativas à constituição, a título oneroso, de direitos reais de gozo


temporários, ainda que vitalícios, sobre prédios rústicos, urbanos ou mistos.

Como se vê, este normativo acolhe um conceito amplo de renda, por evidentes razões
de prevenir formas de elisão fiscal, ou seja, a celebração de outros negócios de efeito
económico equivalentes não tipificados na lei. Assim, poder-se-á dizer que renda é tudo o
que for devido ao proprietário (ou usufrutuário) pela cedência do uso do prédio, mesmo
quando acompanhada da prestação de alguns serviços (desde que estes não se enquadrem
no exercício de uma atividade empresarial, como é o caso do contrato de hospedagem
previsto no artigo 1093.º do Código Civil).

A cedência do uso do prédio poderá ser total ou parcial (assim será, desde logo, o caso de
arrendamento de um andar de um edifício não sujeito ao regime de propriedade horizontal),
podendo revestir formas que não ponham em causa a continuação do normal uso do prédio
pelo seu titular ou por outrem [p. ex. a instalação num terreno ou no telhado de um edifício
de antenas de sistema de comunicações móveis ou de painéis publicitários [cfr. alínea
d) do n.º 2 do art.º 8.º do CIRS]; a utilização da imagem da fachada de um edifício como
cenário de um filme; a cedência do uso de partes comuns na propriedade horizontal.
[cfr. alínea e) do n.º 2 do art.º 8.º do CIRS)].

QUADROS 1, 2 e 3

Reservado à leitura óptica


1 Categoria F 2 Ano dos rendimentos

RENDIMENTOS
PREDIAIS 01 |2_|__|__|__|
MODELO 3
Anexo F

3 Identificação do(s) sujeito(s) passivo(s)

Sujeito passivo A NIF 02 |__|__|__|__|__|__|__|__|__| Sujeito passivo B NIF 03 |__|__|__|__|__|__|__|__|__|

No quadro 3, a identificação dos sujeitos passivos (campos 02 e 03) deve respeitar à


posição assumida para cada um no quadro 3A da declaração de rendimentos modelo 3.

288 IRS 2014


Anexo F

QUADRO 4

4 Rendimentos obtidos
Identificação matricial dos prédios Rendas Retenções NIF
Freguesia Tipo Artigo Fração / Titular Parte (Rendimento na do Despesas
(código) Secção % ilíquido) Fonte de IRS arrendatário

401 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

402 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

403 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

404 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

405 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

406 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

407 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

408 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

409 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

410 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

411 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

412 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

413 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

414 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
Total (ou a transportar) . . , . . , . . ,

Verso do anexo F
4 Rendimentos obtidos
Identificação matricial dos prédios Rendas Retenções NIF
Freguesia Tipo Artigo Fração / Titular Parte (Rendimento na do Despesas
(código) Secção % ilíquido) Fonte de IRS arrendatário
Transporte ........................... . . , . . , . . ,
415 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

416 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

417 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

418 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

419 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

420 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

421 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

422 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

423 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

424 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

425 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

426 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

427 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

414 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,

IRS 2014 289


Anexo F

428 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
429 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
430 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
431 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
432 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
433 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
434 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
435 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
436 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
437 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
438 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
439 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
440 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
441 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
442 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
443 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
444 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
445 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
446 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
447 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
448 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
449 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
450 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
451 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
452 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
453 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
454 | | | | | | | | | | | | | | | . . , . . , | | | | | | | | . . ,
Soma (401 ... + 454) . . , . . , . . ,

Destina-se este quadro a inscrever os rendimentos prediais obtidos, independentemente da


área fiscal (continente ou Regiões Autónomas) em que os prédios se situem. Não devem
ser referenciados prédios ou frações que não produziram rendimentos.

Em cada linha será inscrito apenas um prédio (ou fração autónoma), observando-se o
seguinte, quanto à sua identificação matricial:

- A identificação da FREGUESIA deve ser efetuada através da inscrição do respetivo


código composto por seis dígitos. Este código consta dos Documentos de Cobrança
do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), podendo também ser obtido em
qualquer Serviço de Finanças ou através da Internet na consulta à identificação do
património, para a qual terá de dispor da senha pessoal de acesso à consulta de

290 IRS 2014


Anexo F

qualquer informação tributária, podendo a mesma ser solicitada no endereço www.


portaldasfinancas.gov.pt;

- A identificação do TIPO DE PRÉDIO deverá efetuar-se através da inscrição das


seguintes letras:
U - urbano
R - rústico
O - omisso

- A identificação do ARTIGO deve efetuar-se através da inscrição do respetivo


número, devendo ter-se em atenção que a aposição dos respetivos algarismos se
deve efetuar da esquerda para a direita, de modo que, existindo casas vazias,
estas estejam colocadas sempre à direita do número inscrito, exceto no envio pela
Internet onde esta regra não tem aplicação.

- Na coluna destinada à identificação da FRAÇÃO/SECÇÃO não pode ser indicada,


por cada campo, mais do que uma fração ou secção, mesmo que respeitem ao
mesmo contrato e ao mesmo artigo matricial, devendo, neste caso, proceder-se
à sua discriminação, indicando por cada fração/secção o valor da renda que lhe é
imputável. O seu preenchimento deverá ser feito da esquerda para a direita,
de modo que, existindo casas vazias, estas fiquem situadas sempre à direita dos
carateres inscritos, exceto no envio pela Internet onde esta regra não tem aplicação.

Exemplo:

4 Rendimentos Englobados
Identificação Matricial dos Prédios Quota-
Freguesia Fração / Titular -Parte
Tipo Artigo
(código) Secção %
401 0 |4 |0 |8 |1 |0 R 1 |5 |5 | | G| | | | | | A 100%
402 0 |4 |0 |8 |1 |0 U 3 |8 |5 |0 | M| | | | | | B 50%

Na coluna destinada à indicação do TITULAR dos rendimentos devem utilizar-se os códigos


abaixo definidos, conforme se indica:

A = Sujeito Passivo A (incluindo os casos de compropriedade dos dois cônjuges


no ano do óbito de um deles);
B = Sujeito Passivo B;
C = Se o bem arrendado pertencer em comum aos sujeitos passivos A e B.

Os dependentes devem ser identificados conforme se exemplifica, tendo em conta a


posição assumida para cada um nos quadros 3B ou 3C da declaração de rendimentos
modelo 3 de IRS (rosto).

D1 = Dependente não deficiente DD1 = Dependente deficiente


D2 = Dependente não deficiente DD2 = Dependente deficiente

F = Falecido (no ano do óbito, caso exista sociedade conjugal, havendo rendimentos

IRS 2014 291


Anexo F

auferidos em vida pelo falecido, deve o titular desses rendimentos ser identificado
com a letra «F», cujo número de identificação fiscal deve constar no quadro 7A do
rosto da declaração).

Na coluna destinada à indicação da QUOTA/PARTE, nos casos de contitularidade (art.º 19.º


do CIRS), deve ser indicada a percentagem que, na propriedade, pertence ao titular dos
rendimentos.

Na coluna das RENDAS, serão indicados os rendimentos prediais ilíquidos recebidos


que, tendo a natureza de rendimentos prediais, foram pagos ou colocados à disposição,
durante o ano a que o imposto respeita, excetuando-se os rendimentos resultantes
da sublocação, os quais serão exclusivamente declarados no quadro 6. Consideram-se
colocados à disposição dos titulares dos rendimentos as rendas depositadas nos termos
legais.

Situação que por vezes gera alguma confusão é o caso das rendas de prédios recebidas
num ano mas referentes ao ano seguinte. É, por exemplo, o caso de rendas recebidas
em dezembro de 2014 mas referentes ao mês de janeiro de 2015. Em que ano deve ser
feita a tributação deste rendimento?

Para efeitos de tributação em sede de IRS, os rendimentos da categoria F (rendas)


devem ser declarados no ano em que forem recebidos ou postas à disposição. Assim,
se o recebimento ocorreu em 2014, é na declaração respeitante a esse ano, a entregar
em 2015, que os referidos rendimentos devem ser indicados. Mais à frente voltaremos a
abordar esta questão mais detalhadamente.

O mesmo critério se aplicava se a renda fosse recebida ou posta à disposição em janeiro


de 2015 mas respeitasse ao mês de dezembro de 2014. Neste caso a mesma deve constar
do anexo F que faz parte da declaração modelo 3 referente ao ano de 2015, a entregar
em 2016. O que comanda é o ano em que a renda é recebida ou posta à disposição e não
aquele a que respeita.

Cedência do uso de partes comuns de prédios em regime de propriedade


horizontal (enquadramento dos rendimentos na categoria F)

1 - De acordo com o disposto na alínea e) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS,


e o entendimento explanado no Ofício-Circulado n.º 12/90, de 12/4, consideram-
-se rendimentos prediais, enquadrados na categoria F, as importâncias relativas
à cedência do uso de partes comuns de prédios em regime de propriedade
horizontal.

2 - Refere ainda o mencionado ofício que, sendo os diversos condóminos


do edifício comproprietários das partes comuns do mesmo, de acordo com o
estatuído no artigo 1420.º do Código Civil, deverão tais rendimentos ser-lhe
imputados na proporção do valor relativo às respetivas frações autónomas
(percentagem ou permilagem), de acordo com o regime estabelecido no artigo
19.º do CIRS.

292 IRS 2014


Anexo F

3 - Nesta conformidade, deverão os montantes recebidos a titulo de rendas


e advenientes da cedência do uso da parte comum do prédio, no caso, as
paredes do imóvel para efeitos de publicidade, ser, proporcionalmente,
indicados no respetivo anexo F da declaração de rendimentos a apresentar
por cada comproprietário do imóvel em causa.
(Informação vinculativa, Proc. 2210/2010, com despacho concordante da Subdiretora-Geral
de 05/05/2010)

Cedência do uso de partes comuns de prédios em regime de propriedade


horizontal (imputação dos rendimentos)
Um condomínio, de que fazem parte várias habitações pertencentes a pessoas
singulares, bem como lojas comerciais propriedade de pessoas coletivas,
alugou um espaço (v.g. uma parede lateral do prédio) a uma empresa de
publicidade para esta colocar ali um painel publicitário, recebendo em troca
um determinado valor.

Esse rendimento é do condomínio ou dos condóminos?

Se é dos condóminos, que tipo de rendimento é considerado para as pessoas


singulares?

Todos os rendimentos (neste caso rendas) obtidos por um condomínio são


rendimentos de cada um dos condóminos em função da sua percentagem ou
permilagem na área total do imóvel.

Para os condóminos que sejam pessoas singulares, o rendimento imputado


referente à "cedência do uso de partes comuns de prédios em regime de
propriedade horizontal" enquadra-se, para efeitos de IRS, como rendimentos
da categoria F (rendimentos prediais) [cfr. alínea e) do n.º 2 do art.º 8.º do
CIRS], o que implica que cada um dos condóminos junte, à sua declaração
de rendimentos modelo 3 do IRS, um anexo F com o valor respetivo, ainda
que seja feito o encontro de contas entre o que cada um tinha a receber e as
comparticipações que tivesse que efetuar para as despesas comuns.

Se algum dos condóminos for um empresário em nome individual (cujo prédio


esteja afeto à atividade por si exercida), o valor imputado é igualmente um
rendimento predial que para efeitos de tributação é "atraído" para a categoria
B sendo considerado como mais um rendimento desta categoria, conforme
alínea a) do n.º 2 do artigo 3.º do Código do IRS.

Cedência do uso de partes comuns de prédios em regime de propriedade


horizontal (obrigações acessórias decorrentes do pagamento das rendas e
da retenção na fonte)
Tendo-se suscitado dúvidas sobre o cumprimento das obrigações acessórias
decorrentes do pagamento de rendas pela cedência do uso de partes comuns

IRS 2014 293


Anexo F

de prédios em regime de propriedade horizontal, enquadráveis na alínea e)


do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS, foi, por despacho de 07/08/2008, do
substituto legal do Senhor Diretor-Geral dos Impostos, entendido que:

1 - Quando as rendas tenham sido objeto de retenção na fonte nos termos


da alínea a) do n.º 1 do artigo 101.º do Código do IRS, incumbe à entidade
que paga os rendimentos, a entrega da declaração modelo 10, a que se
refere a alínea c) do n.º 1 do artigo 119.º do Código do IRS, identificando os
condóminos como titulares dos rendimentos e não o condomínio.

2 - Incumbe à administração do condomínio:

2.1 - Entregar a cada condómino documento em que indique a quota-parte da


renda e o imposto retido na fonte que lhe são imputáveis, bem como o NIF/
NIPC da entidade que efetuou a retenção;

2.2 - Entregar à entidade que paga os rendimentos uma relação com a


identificação de todos os condóminos e das percentagens ou permilagens
que cada um tem no imóvel.
(Circular n.º 15/2008, de 07/10/2008, da DGCI)

Comodato de prédios rústicos ou urbanos (contrato gratuito que não


proporciona qualquer rendimento sujeito a IRS)

Que implicações tem, em sede de IRS, o contrato de comodato que se venha


a fazer de um prédio rústico ou urbano?

Em conformidade com o disposto no artigo 1129.º do Código Civil, comodato


é o contrato gratuito pelo qual uma das partes (comodante) entrega à outra
(comodatário) certa coisa, móvel ou imóvel, para que se sirva dela, com a
obrigação de a restituir.

Assim sendo, não proporcionando o contrato de comodato qualquer


rendimento ao comodante, nem se encontrando prevista no Código do IRS
qualquer presunção de rendimentos, o mesmo não se encontra abrangida
pelas regras de incidência do Código do IRS.

Consequentemente, em tais situações, não há lugar ao preenchimento do


anexo F, uma vez que não existe renda.

Direito Real de Habitação Periódica (noção)

Embora a legislação que criou, alterou e atualmente disciplina o direito real


de habitação periódica não contenha a sua noção, podemos defini-lo como
"o direito de usar, por um ou mais períodos certos, em cada ano, para fins
habitacionais, de uma unidade de alojamento integrada num empreendimento

294 IRS 2014


Anexo F

turístico, mediante o pagamento de uma prestação periódica ao proprietário


do empreendimento ou a quem o administre".

Nos países de língua inglesa fala-se em contratos ou operações de time-


-sharing (divisão ou partilha do tempo) e, nos países americanos de língua
espanhola, em contratos ou operações de habitación en tiempo compartido.

A lei chama proprietário ao dono do empreendimento em que se insere


o direito real de habitação periódica e não atribui designação especial ao
adquirente deste direito, referindo-o simplesmente como titular.
(A. Santos Justo, em "Direitos Reais", Coimbra Editora, edição de 2007, pág. 429/430)

Direito Real de Habitação Periódica (quadro do anexo F em que devem


ser mencionados os rendimentos obtidos pelo adquirente do uso em caso de
cedência do mesmo)

Sou titular há vários anos, durante uma semana, de um Direito Real de Habitação
Periódica, numa unidade de alojamento integrada num empreendimento
turístico, e ultimamente fiz um contrato de cedência do uso desse direito a
terceiros, pela qual recebi a importância de 326,24 euros.

Fiz constar este valor no quadro 6 do anexo F da declaração de rendimentos


modelo 3 do IRS como uma sublocação, por entender que o Direito Real de
Habitação Periódica não é mais do que um direito de usar, por um ou mais
períodos certos, em cada ano, para fins habitacionais, um determinado espaço
na unidade de alojamento em causa, mediante o pagamento, na altura em que
é feito o contrato, de uma certa quantia ao proprietário do empreendimento.

O ter feito constar os valores em causa no quadro 6 do citado anexo F, e não


no quadro 4 do mesmo anexo, deve-se ao facto de entender que o quadro 4
se destina apenas ao registo das rendas de prédios de que se é proprietário,
o que não é o caso, mas sim da sublocação de um espaço que considero que
me foi arrendado, embora com um limite de duração perpétuo.

Mas porque surgem agora dúvidas sobre o assunto, solicito para ser
esclarecido, o mais urgente possível, de modo a substituir em tempo útil a
declaração, se for caso disso.

Em resposta à questão colocada por carta dirigida a esta Direção de Serviços,


sobre o enquadramento dos rendimentos derivados da cedência do uso de
um Direito Real de Habitação Periódica, informo que, através do despacho
exarado na informação n.º 1220/08, foi sancionado o seguinte entendimento:

a) O Direito Real de Habitação Periódica, de que é titular, é um direito real


menor (ou limitado) de gozo, que confere ao seu proprietário o direito de
reiteradamente, habitar por certo período de tempo um imóvel alheio, sem
alterar a sua forma ou substância, durante o período que constar do título
constitutivo, uma semana no seu caso;

IRS 2014 295


Anexo F

b) Os rendimentos por si auferidos, são considerados "rendas" ao abrigo do


artigo 8.º, n.º 2, alínea a) do Código do IRS, porque é titular do direito que
lhe concede o uso por determinado tempo do imóvel, direito este que cedeu
a um terceiro em troca de uma determinada importância, rendimentos
estes que deverão ser declarados no quadro 4 do anexo F da declaração
modelo 3 do IRS.
(Ofícios n.ºs 16.503 e 17.723, respetivamente, de 25/08/2008 e 15/09/2008, da Direção de Serviços
do IRS)

Empreendimentos turísticos (cessão de exploração anterior ao registo do


empreendimento)

Tendo-se suscitado dúvidas sobre o enquadramento em sede do Imposto


sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) da tributação de atividades
de exploração de empreendimentos turísticos - cessão de exploração de
empreendimentos turísticos, foi, por despacho datado de 05/09/2012, do Sr.
Diretor-Geral da AT - Autoridade Tributária e Aduaneira, sancionado o seguinte
entendimento:

1 - A atividade de exploração de um empreendimento turístico quando


exercida diretamente pelo proprietário, pessoa singular, é considerada uma
atividade comercial desde que o sujeito passivo tenha requerido o registo do
empreendimento turístico no Registo Nacional de Empreendimentos Turísticos.

2 - Os rendimentos obtidos no âmbito desta atividade são sujeitos a tributação


como rendimentos empresariais e profissionais, rendimentos da categoria
B, quando exercida por uma pessoa singular, devendo o sujeito passivo
proprietário do empreendimento turístico apresentar a respetiva declaração
de início de atividade aquando do registo do empreendimento turístico no
Registo Nacional de Empreendimentos Turísticos.

3 - Quando, por contrato de cessão de exploração turística, o proprietário de


um imóvel apto para essa exploração abdica de proceder à mesma exploração
turística, transferindo, mediante remuneração, para outrem tal atividade e
sendo a transferência anterior ao registo do empreendimento turístico no
Registo Nacional de Empreendimentos Turísticos, os rendimentos auferidos
serão havidos como rendimentos prediais, nos termos do artigo 8.º, n.º 2,
alínea a), do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares
(CIRS).

4 - Quando a propriedade do empreendimento turístico, ou dos imóveis


que o compõem, pertencer a diferentes proprietários e uma vez que por
imposição legal a exploração tem que ser confiada a uma entidade terceira,
os rendimentos obtidos pelos diferentes proprietários serão havidos como
rendimentos prediais, nos termos do artigo 8.º, n.º 2, alínea a), do CIRS.

5 - Conforme disposto no artigo 101.º, n.º 1, alínea e), do CIRS, as entidades


devedoras dos rendimentos, que disponham ou devam dispor de contabilidade

296 IRS 2014


Anexo F

organizada, são obrigadas a reter o imposto, mediante a aplicação da taxa de


25% aos rendimentos ilíquidos.

6 - Nos termos do artigo 72.º, n.º 7, do CIRS, os rendimentos da categoria


F estão sujeitos a uma tributação autónoma à taxa especial de 28%, sem
prejuízo do seu englobamento por opção dos respetivos titulares residentes
em território português, conforme o n.º 8 do citado preceitos legal.
(Circular n.º 5, de 02/07/2013, do Gabinete do Diretor-Geral da AT)

Falecimento do titular dos rendimentos (em nome de quem devem ser


englobados os rendimentos dos bens transmitidos posteriores à data do óbito)

Ocorrendo o falecimento de qualquer pessoa, os rendimentos relativos aos


bens transmitidos e correspondentes ao período posterior à data do óbito
são considerados, a partir de então, nos englobamentos a efetuar em nome
das pessoas que os passaram a auferir, procedendo-se, na falta de partilha
até ao fim do ano a que os rendimentos respeitem, à sua imputação aos
sucessores e ao cônjuge sobrevivo, segundo a sua quota ideal nos referidos
bens.
(artigo 64.º do CIRS, com a redação dada pelo Dec. Lei n.º 198/2001, de 3/7)

Herança indivisa (rendimentos prediais, não imputáveis a atividades


geradoras de rendimentos empresariais)

Os contribuintes A e B eram casados segundo o regime de comunhão de bens


e tinham 2 filhos.

Em maio, do ano a que respeita a declaração de rendimentos modelo 3 do


IRS, faleceu o cônjuge A.

Da herança, que está ainda indivisa, faz parte um prédio que está arrendado,
e o rendimento do mesmo está a ser recebido, na totalidade, pela viúva.

Nesta situação, a viúva deve declarar, para efeitos de tributação em sede de


IRS, o total do rendimento recebido, ou há obrigação de declarar apenas o
rendimento segundo a sua quota hereditária e o restante ser declarado pelos
filhos, mesmo que estes não recebam qualquer importância?

Tendo ocorrido o óbito de um dos cônjuges sem que tenha sido feita a partilha
pelos herdeiros do património transmitido, estamos perante uma herança
indivisa.

A herança indivisa constitui, para efeitos de IRS, uma situação de contitularidade


de rendimentos, à qual se aplica o disposto no artigo 19.º do Código do IRS,
o que significa que a tributação dos rendimentos obtidos após o óbito são
tributados na esfera de cada um dos herdeiros de acordo com a sua quota
hereditária.

IRS 2014 297


Anexo F

Nestes termos as rendas recebidas até à data do óbito pertencem ao casal,


sendo em termos declarativos assumidas como rendimento do cônjuge
sobrevivo, identificando-se o falecido apenas no quadro 7A da folha de rosto
da declaração modelo 3.

Quanto às rendas recebidas após o óbito têm que ser assumidas por cada
um dos herdeiros de acordo com a sua quota na herança - ainda que o
pagamento das mesmas seja efetuado ao cônjuge sobrevivo - indicando o
valor correspondente no anexo F da sua declaração de rendimentos modelo
3 (cfr. art.º 64.º do CIRS).

Na situação exposta, a quota do cônjuge sobrevivo é de 66,67% e a de cada


um dos filhos é de 16,67%.

Refira-se que, de igual forma, deve ser feita a imputação das despesas de
conservação e manutenção que tenham sido suportadas, bem como do
IMI relativo ao imóvel arrendado e da eventual retenção na fonte que tenha
incidido sobre as rendas.

Hospedagem (rendimentos emergentes de contratos de)

Tendo em vista o esclarecimento de dúvidas surgidas sobre o enquadramento


fiscal dos rendimentos resultantes de contratos de hospedagem, foi por
despacho de 03/10/1991, sancionado o seguinte entendimento:

1 - São rendimentos da categoria B, nos termos do disposto na alínea h) do


n.º 1 do artigo 4.º do Código do IRS, os emergentes:

a) Da exploração de hospedagem, enquanto objeto de atividade hoteleira


ou similar, ainda que limitada ao alojamento mediante remuneração e
outros serviços acessórios, seja qual for o número de hóspedes;

b) Da prestação de serviços a mais de três hóspedes.

2 - Consideram-se rendimentos da categoria F, ao abrigo do disposto no n.º 1


e alínea a) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS, os resultantes de contratos
de hospedagem não abrangidos pelo número anterior.

3 - Faz-se o enquadramento jurídico-fiscal exposto independentemente de o


hospedeiro ser proprietário ou arrendatário do prédio urbano.
(Ofício-Circular n.º X-6/91, de 20/10/1991, do SAIR, com a devida atualização)

Hóspedes (conceito e número máximo permitido nos arrendamentos para


habitação)

1 - Nos arrendamentos para habitação podem residir no prédio, além do

298 IRS 2014


Anexo F

arrendatário:
a) Todos os que vivam com ele em economia comum;
b) Um máximo de três hóspedes, salvo cláusula em contrário.

2 - Consideram-se sempre como vivendo com o arrendatário em economia


comum a pessoa que com ele viva em união de facto, os seus parentes ou
afins na linha reta ou até ao 3.º grau da linha colateral, ainda que paguem
alguma retribuição, e bem assim as pessoas relativamente às quais, por força
da lei ou de negócio jurídico que não respeite diretamente à habitação, haja
obrigação de convivência ou de alimentos.

3 - Consideram-se hóspedes as pessoas a quem o arrendatário proporcione


habitação e preste habitualmente serviços relacionados com esta, ou forneça
alimentos, mediante retribuição.
(artigo 1093.º do Código Civil, com a redação dada pela Lei n.º 6/2006, de 27/2)

Inquilinos que ficam com a obrigação de pagar o condomínio de prédios


em regime de propriedade horizontal (enquadramento)

Qual o enquadramento fiscal das importâncias que os inquilinos, em


substituição dos senhorios, contratualmente ficam com a obrigação de pagar
relativamente ao condomínio de prédios em regime de propriedade horizontal?

As importâncias que os inquilinos contratualmente fiquem com a obrigação


de pagar, em substituição dos senhorios, como é o caso das relativas
à administração do condomínio, quando se trate de prédios em regime
de propriedade horizontal, são havidas como renda, por terem perfeito
enquadramento na alínea a) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS, devendo
por isso ser acrescidas às importâncias recebidas pelos senhorios e estes
fazerem constar do quadro 4 do anexo F da declaração de rendimentos
modelo 3 do IRS.

Locação financeira de bens imóveis (arrendamento de bens locados)

Na situação do arrendamento de bens imóveis que se encontram em regime


de locação financeira, o locatário toma a posição de locador ou de sublocador?

Uma vez que, em substância e para efeitos fiscais, a locação financeira é


havida como operação que gera consequências idênticas à locação-venda
(relevância da propriedade económica sobre a propriedade jurídica), a posição
do locatário, na hipótese de eventual arrendamento do bem locado, não
deverá confundir-se com a do arrendatário num contrato de subarrendamento
mas antes com a do senhorio num contrato de arrendamento.

Consequentemente, nestes casos, o locatário toma a posição de locador


(senhorio) e não de sublocador.

IRS 2014 299


Anexo F

Assim sendo, o valor das rendas auferidas pelo arrendamento do bem adquirido
em locação financeira será havido como rendimento da categoria F, enquadrado
na alínea a) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS, a fazer constar do quadro
4 do anexo F da declaração de rendimentos modelo 3 do IRS.

Acrescente-se que, nestas situações, as importâncias (rendas) pagas pelo


locatário à entidade locadora não se consideram como dedução específica
desta categoria, por não terem cabimento nas despesas contempladas no
artigo 41.º do Código do IRS, segundo o qual apenas se pode deduzir as
despesas de conservação e manutenção que incumbam ao sujeito passivo,
por ele sejam suportadas e se encontrem documentalmente provadas, bem
como o Imposto Municipal sobre Imóveis e o Imposto do Selo que incide
sobre o valor dos prédios ou parte de prédios cujo rendimento seja objeto de
tributação no ano fiscal, assim como as despesas de condomínio dos prédios
ou parte de prédios, quando devidamente documentadas.

Rendas que o inquilino não pagou nem colocou à disposição do senhorio


(não devem ser levadas ao anexo F)

Certo sujeito passivo, pessoa singular, deu de arrendamento um apartamento


de que é proprietário. Porém, a partir de determinada altura do ano, o inquilino,
alegando falta de meios monetários, deixou de pagar a renda a que estava
obrigado, continuando no entanto a ocupar o apartamento.

Neste caso, o senhorio deve fazer constar no Anexo F apenas as rendas


que recebeu, ou tem de declarar as rendas referentes aos 12 meses do ano,
mesmo aquelas que não recebeu?

Para efeitos de tributação em IRS apenas são de considerar as rendas pagas


ou colocadas à disposição no ano.

Assim sendo, no caso em apreço, não sendo as rendas pagas ou colocadas


à disposição do respetivo senhorio não tem este de as considerar como
rendimento da categoria F.

Situação diferente será a verificada no caso do senhorio ser um sujeito


passivo de IRC, ou de IRS (Categoria B) em que o prédio está afeto à
atividade exercida, situação em que será de dar expressão ao princípio da
especialização económica dos exercícios, tendo em vista o disposto no n.º 1
do artigo 18.º do CIRC, e no n.º 6 do artigo 3.º do CIRS, onde este normativo
diz que os rendimentos referidos neste artigo ficam sujeitos a tributação
desde o momento em que para efeitos de IVA seja obrigatória a emissão
de fatura ou documento equivalente (como é o caso dos sujeitos passivos
enquadrados no regime normal do IVA ou no regime especial de isenção a
que se refere o artigo 53.º do CIVA) ou, não sendo obrigatória a sua emissão,
desde o momento do pagamento ou colocação à disposição dos respetivos
titulares, sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 18.º do Código do
IRC, sempre que o rendimento seja determinado com base na contabilidade.

300 IRS 2014


Anexo F

Rendas recebidas pela cedência de instalações que haviam sido


adquiridas para o exercício de uma atividade comercial ou industrial
(enquadramento)

Tendo o recorrente adquirido determinadas instalações para o exercício de


uma atividade comercial ou industrial (atividade hoteleira ou similar) e nunca
ali tendo exercido, efetivamente, a respetiva atividade comercial, tendo cedido
as mesmas instalações a terceiros, recebendo, em contrapartida determinado
montante de renda, terão tais rendimentos de ser considerados como
rendimentos da categoria F para efeitos do Código do IRS e não da categoria
B, uma vez que o recorrente nunca chegou a exercer nas instalações qualquer
atividade comercial ou industrial.
(Acórdão n.º 00325/04, de 20/01/2005, do Tribunal Central Administrativo - Norte)

Rendas recebidas pelo aluguer de maquinismos e mobiliário instalados


no imóvel locado (enquadramento)

Segundo o disposto na alínea b) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS, são


havidas como rendas, as importâncias relativas ao aluguer de maquinismos e
mobiliário quando instalados no imóvel locado.

Entende-se aqui por renda o que o inquilino ou sublocatário pagar não só


pela ocupação do local, mas também o que pagar pelo aluguer de todos os
maquinismos, estejam ou não aderentes ao solo e pela utilização de mobiliário
desde que as importâncias respeitantes ao arrendamento e ao aluguer sejam
pagas à mesma pessoa ou entidade, quer as receba na qualidade de senhorio,
quer de sublocador.

E se é o próprio titular do rendimento do prédio quem o arrenda total ou


parcialmente mobilado, toda a importância paga pelo arrendatário é
considerada renda, mesmo que o contrato indique e discrimine as frações
correspondentes ao arrendamento (do imóvel) e ao aluguer (dos maquinismos
e/ou móveis).

Contudo, as importâncias relativas ao aluguer de maquinismos e mobiliários,


só produzem rendimentos prediais (categoria F), quando o aluguer se der
em simultâneo com a locação do imóvel, ou quando venham a ser dados de
aluguer àquele a quem tenha sido arrendado ou sublocado o imóvel onde os
mesmos estejam instalados, sob pena de serem considerados rendimentos
de capitais (categoria E), por enquadramento na alínea n) do n.º 2 do artigo
5.º do Código do IRS, onde se diz que se consideram rendimentos de capitais
«os rendimentos decorrentes do uso ou da concessão do uso de equipamento
agrícola e industrial, comercial ou científico, quando não constituam
rendimentos prediais».

Rendimentos prediais (caução recebida como garantia quando do


arrendamento de um prédio)

IRS 2014 301


Anexo F

Certo sujeito passivo, proprietário de um prédio urbano, arrendou o mesmo


fazendo constar do contrato que celebrou com o inquilino que este ficava
obrigado a pagar, no momento em que o mesmo foi feito, para além do valor
dos dois meses que é habitual, certa importância a título de caução, importância
esta que, em princípio, será devolvida ao inquilino no final do contrato.

Em sede de IRS, o valor desta caução é considerado rendimento da categoria


F, e sujeito a retenção na fonte?

A caução recebida apenas constitui um rendimento sujeito a tributação em


sede de IRS se for utilizada para pagar a renda ou se de alguma forma
influenciar (diminuindo) a valor da renda fixada.

Se assim for, a caução tem então a natureza de renda e é tributada em IRS


como rendimento da categoria F (no do ano em que é utilizada), sujeita a
retenção na fonte se preenchidos os requisitos do artigo 101.º do Código do
IRS.

Se, pelo contrário, a caução vier a ser devolvida ao inquilino não há lugar a
tributação do montante recebido a título de caução.

Rendimentos prediais (momento da tributação)

Sou proprietário de um prédio urbano que, em dezembro de 2014, arrendei


a uma empresa que me pagou, nesse mês, a renda referente a dezembro
de 2014 e a renda referente ao mês de janeiro de 2015, no total de 1.600,00
euros.

Na declaração de rendimentos modelo 3 do IRS, a apresentar em 2015, devo


fazer constar o valor total que recebi em 2014, ou a renda referente a janeiro
de 2015 deve ser declarada na declaração a apresentar em 2016?

Para efeitos de tributação em sede de IRS, os rendimentos prediais, recebidos


ou colocados à disposição em determinado ano, são de levar ao anexo F
da declaração de rendimento modelo 3 do IRS do ano em que efetivamente
foram recebidos ou postos à disposição dos respetivos titulares, muito embora
parte, ou mesmo a totalidade, digam respeito a rendas do ano seguinte.

Assim, e no caso exposto, os 1.600,00 euros recebidos em 2014 devem ser


levados, na totalidade, ao quadro 4 do anexo F da declaração de rendimentos
modelo 3 do IRS referente ao ano de 2014, a apresentar em 2015.

Por sua vez, a entidade devedora das rendas (inquilino), dispondo ou sendo
obrigada a dispor de contabilidade organizada, é obrigada a fazer, no momento
do pagamento ou colocação à disposição, a retenção na fonte do imposto que
se mostre devido, à taxa de 25%, pela totalidade das rendas que pagou ou

302 IRS 2014


Anexo F

colocou à disposição, e fazer constar esses valores (renda e retenção feita) na


declaração modelo 10 referente, no caso concreto, ao ano de 2014, a enviar
à Administração Tributária, por transmissão eletrónica de dados, em fevereiro
de 2015.

Rendimentos prediais obtidos em território nacional por não residentes


(incidência e nomeação de representante)

Certo sujeito passivo, pessoa singular, que reside e trabalha no estrangeiro,


recebe em Portugal rendas de prédios que aqui possui.

Tais rendimentos estão aqui sujeitos a IRS?

Uma pessoa singular que não seja considerada, para efeitos fiscais, residente
em Portugal, é aqui tributada em IRS unicamente pelos rendimentos obtidos
em território português (cfr. n.º 2 do art.º 15.º do CIRS).

No caso de se tratar de rendimentos prediais o não residente, através do


representante que é obrigado a nomear em obediência ao disposto no artigo
130.º do Código do IRS, tem que apresentar uma declaração de rendimentos
modelo 3 com o anexo F para que seja apurado o imposto que se mostra
devido.

Tal designação é no entanto meramente facultativa, em relação a não


residentes de, ou a residentes que se ausentem para, Estados membros da
União Europeia ou do Espaço Económico Europeu, neste último caso desde
que esse Estado membro esteja vinculado a cooperação administrativa no
domínio da fiscalidade equivalente à estabelecida no âmbito da União Europeia
(cfr. n.º 2 do art.º 130.º do CIRS).

Na liquidação efetuada é aplicada a taxa de 28% (tributação autónoma) sobre


os rendimentos líquidos de natureza predial (cfr. n.º 1 do art.º 72.º do CIRS),
sendo considerada como dedução à coleta a retenção na fonte que lhe seja
efetuada no nosso país pelo inquilino que possua ou seja obrigado a possuir
contabilidade organizada.

Deduz-se ainda, mas agora aos rendimentos brutos, as despesas de


manutenção e de conservação que incumbam ao sujeito passivo, por ele
sejam suportadas e se encontrem documentalmente provadas, bem como o
Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o Imposto do Selo que, no ano
em causa, tenha incidido sobre o valor dos prédios ou parte de prédios cujo
rendimento vai ser objeto de tributação em IRS.

Caso se trate de fração autónoma de prédio em regime de propriedade


horizontal, deduzem-se também os encargos de conservação, fruição e outros
que, nos termos da lei civil, o condómino deva obrigatoriamente suportar, por
ele sejam suportados, e se encontrem documentalmente provados (cfr. n.ºs 1
e 2 do art.º 41.º do CIRS).

IRS 2014 303


Anexo F

Servidões administrativas (enquadramento das indemnizações atribuídas


pela sua constituição)

Atendendo a critérios vários, intrinsecamente ligados à modalidade dos


respetivos modos de constituição, as servidões prediais podem ser, nos termos
do artigo 1547.º, n.º 1, do Código Civil, constituídas por contrato, testamento,
usucapião ou destinação do pai de família ou, de acordo com o n.º 2 do mesmo
normativo e compilação legal, ser constituídas por sentença judicial ou por
decisão administrativa, conforme os casos.

A servidão administrativa, como qualquer outra servidão, mais não consiste


que numa compressão do direito de propriedade, circunstância que a
distingue da expropriação, que constitui a ablação desse mesmo direito de
propriedade. Enquanto a expropriação é uma forma de aquisição originária
da propriedade para o Estado, a servidão extingue-se pela cessação da
dominialidade dos bens ou da função pública da coisa dominante, recuperando
então o direito de propriedade toda a sua amplitude.

Assim, atendendo ao disposto na alínea f) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do


IRS, as importâncias relativas à constituição de servidões (administrativas ou
outras) são qualificadas como rendas e, como tal, integram a incidência real
da Categoria F (Rendimentos Prediais) do IRS.
(Informação vinculativa, Proc. 5312/2008, com despacho concordante do Substituto Legal do
Diretor-Geral dos Impostos, de 08/06/2009)

Na coluna das RETENÇÕES NA FONTE serão indicados os valores correspondentes às


retenções de IRS efetuadas sobre os rendimentos prediais, exceto as respeitantes às
sublocações que serão de indicar no quadro 6.

Tenha-se presente que as retenções na fonte de IRS são consideradas como um pagamento
por conta do imposto devido no final.

Na coluna respeitante ao NIF DO ARRENDATÁRIO devem indicar-se os números de


identificação fiscal (NIF ou NIPC) dos arrendatários (inquilinos), mesmo daqueles que não
fizeram retenção na fonte por não serem obrigados a isso.

Na coluna destinada às DESPESAS suportadas durante o ano a que respeita a declaração,


devem indicar-se, por cada imóvel, os valores despendidos com impostos (IMI e Selo),
taxas autárquicas, despesas de manutenção e de conservação dos prédios, bem como
as despesas de condomínio dos prédios ou parte de prédios, quando devidamente
documentadas.

Com a criação do regime de Incentivos à Reabilitação Urbana previsto no artigo 71.º do


Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF), aditado pelo artigo 99.º da Lei n.º 64-A/2008, de
31 de dezembro, passou a ser necessário conhecer as despesas de manutenção e

304 IRS 2014


Anexo F

de conservação, bem como os respetivos impostos autárquicos, tal como se encontram


previstos no artigo 41.º do Código do IRS, por cada um dos imóveis indicados nos
campos 401 a 456. Esta coluna (despesas) permite agora conhecer o rendimento líquido
dos prédios, base para a tributação autónoma à taxa de 5%.

Cedência do uso de partes comuns de prédios em regime de propriedade


horizontal (importâncias recebidas pela administração do condomínio que
ficam cativas para fazer face às despesas gerais)

A Administração do Condomínio de um prédio em regime de propriedade


horizontal cedeu uma parede lateral do prédio que administra para efeitos de
publicidade, recebendo em contrapartida uma importância que reverte para as
despesas gerais do condomínio, tal como foi decidido em Assembleia Geral de
Condóminos.

A importância (rendimento) que corresponde a cada condómino (pessoas


singulares), e que pelos mesmos, individualmente, vai ser levada ao quadro 4
do anexo F da declaração de rendimentos modelo 3 do IRS, pode ao mesmo
tempo ser considerada como despesa de manutenção e de conservação?

Segundo o disposto na alínea e) do n.º 1 do artigo 8.º do Código do IRS,


as importâncias relativas à cedência do uso de partes comuns de prédios
em regime de propriedade horizontal são havidas como rendas, e como tal
consideradas rendimentos da categoria F de cada condómino (pessoa singular)
a levar ao quadro 4 do anexo F da declaração de rendimentos modelo 3 do IRS,
na parte correspondente à percentagem ou permilagem que cada um detém
no prédio, em consonância com o regime estabelecido no artigo 19.º do CIRS
(contitularidade).

Por sua vez, o n.º 2 do artigo 41.º do mesmo diploma diz-nos que no caso de
fração autónoma de prédio em regime de propriedade horizontal, se deduzem
também, relativamente a cada fração ou parte de fração, outros encargos que,
nos termos da lei, o condómino deva obrigatoriamente suportar e que por ele
sejam efetivamente pagos.

Assim sendo, as importâncias em causa, desde que se encontrem devidamente


comprovadas por documento emitido pela Administração do Condomínio,
podem, efetivamente, ser dedutíveis como despesas de manutenção e
conservação, na parte proporcional aos rendimentos declarados, e como
tal constarem na coluna respetiva (Despesas) do quadro 4 do anexo F, como
encargos com o condomínio que são.

Neste caso, competirá ao administrador do prédio entregar a cada condómino


um documento em que indique a quota-parte da renda recebida (e o imposto
correspondente que porventura tenha sido retido na fonte), bem como das
despesas de manutenção e conservação efetuadas com a parte cedida,
suscetíveis de dedução.

IRS 2014 305


Anexo F

Certificados de Desempenho Energético referente a prédios/frações


geradores de rendimentos prediais englobados (o preço pago pela
sua emissão não pode ser considerado a título de dedução específica dos
rendimentos da categoria F)

1 - Nos termos do estabelecido no n.º 1 do artigo 41.º do Código do IRS,


aos rendimentos brutos referidos no artigo 8.º, rendimentos da categoria F,
prediais, apenas se deduzem as despesas de manutenção e de conservação
que incumbam ao sujeito passivo, por ele sejam suportadas e se encontrem
documentalmente provadas, bem como o imposto municipal sobre imóveis
(IMI), que incide sobre o valor dos prédios ou parte de prédios cujo rendimento
tenha sido englobado.

2 - Do que decorre que o preço pago pela emissão de Certificados de


Desempenho Energético referente a prédios/frações geradores de rendimentos
prediais englobados, não possa ser considerado a título de dedução específica
da Categoria F, por falta de enquadramento legal.
(Informação vinculativa, Proc. 3081/2010, com despacho concordante da Senhora Subdiretora-Geral de
27/05/2010)

NOTA:
Tais encargos, se o prédio/fração mais tarde vier a ser vendido, poderão vir a
acrescer, nos termos da alínea a) do artigo 51.º do Código do IRS, ao valor de
aquisição do imóvel/fração em causa, para efeito da determinação das mais-
valias sujeitas a imposto, se ainda não tiverem decorrido mais de cinco
anos sobre a data em que os mesmos foram suportados, e existirem ainda os
documentos comprovativos do custo dos mesmos.

Dedução específica dos rendimentos da categoria F

Como bem sabemos, economicamente só tem sentido tributar rendimentos


líquidos, isto é, acréscimos patrimoniais a que foram abatidos os encargos
necessários para os produzir e para manter íntegra a fonte produtora.

O artigo 41.º do CIRS regula a determinação dos rendimentos líquidos da


categoria F, ou seja, indica os custos que a lei aceita como dedutíveis aos
rendimentos prediais brutos.

O princípio geral, a este respeito, é que são dedutíveis «as despesas de


manutenção e de conservação que incumbam ao sujeito passivo, por ele
sejam suportadas e se encontrem documentalmente provadas, bem como o
Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e Imposto do Selo que incide sobre o
valor dos prédios ou parte de prédios cujo rendimento tenha sido englobado».

Constituem, pois, custo a abater ao valor das rendas, desde logo, as despesas
de manutenção e de conservação do prédio. A lei usa aqui uma definição larga
e não estabelece quaisquer limitações, respeitantes à natureza das despesas.
Serão, por um lado, despesas de manutenção, como sejam, as despesas

306 IRS 2014


Anexo F

de iluminação de vestíbulos e escadas, de funcionamento de elevadores,


etc. Serão, por outro lado, despesas de conservação da mais variada
natureza, que se destinam a conservar o prédio, a permitir que ele dure e
mantenha a sua capacidade de produzir rendimento. A única exigência que a
lei faz é que as despesas, de manutenção e conservação, sejam efetivamente
suportadas pelo sujeito passivo, ou seja, por quem recebe a renda, e estejam
documentalmente provadas.

Compreendem-se bem ambas as limitações.

Se as despesas, ou parte delas, não foram suportadas pelo senhorio - porque,


por exemplo, foi o arrendatário quem as suportou - obviamente que não
constituem encargo a deduzir ao rendimento bruto.

Por outro lado, só podem ser deduzidos os encargos que possam ser
documentalmente provados. Não poderia ser de outro modo, sob pena de se
abrir a porta a fraudes fáceis. A lei não estabelece, todavia, nenhuma forma
especial para a documentação - não podendo, a nosso ver, entender-se que
a documentação necessária para garantir a dedutibilidade das despesas em
causa é, sem mais considerações, a exigida para os efeitos de outros impostos,
designadamente do IVA. O que a lei exige é que exista apoio documental, mas
não impõe forma especial, ou conteúdo especial para esses documentos de
suporte.

Também é dedutível integralmente o Imposto Municipal sobre Imóveis


(IMI) que tenha incidido sobre os imóveis cujas rendas sejam objeto de
tributação. Esse imposto anual, incidente sobre o valor do prédio ou fração, é
um custo da obtenção do rendimento e não deve ser contado como rendimento
líquido.

A lei especifica, no n.º 2 do mesmo artigo 41.º, a aplicação da regra


geral para o caso das frações autónomas de prédios em regime de
propriedade horizontal. Neste caso, além das despesas de conservação e
de manutenção das frações autónomas, admite-se a dedução dos «encargos
de conservação, fruição e outros que, nos termos da lei civil, o condómino
deva obrigatoriamente suportar, por ele sejam suportados, e se encontrem
documentalmente provados». Só são dedutíveis, pois, encargos efetivamente
suportados e documentados, que o condómino seja obrigado a suportar e a lei
fiscal submete-se aqui às regras do direito civil para determinar que encargos
obrigatórios são esses, recusando a dedução para encargos suportados que
a lei civil não considere obrigatórios.

Finalmente, no n.º 3 (atualmente o n.º 6), do CIRS nega ao sublocador


o benefício de qualquer dedução. Os rendimentos da sublocação, como
vimos, só são tributáveis na medida da diferença entre a renda recebida pelo
sublocador e a renda por ele paga, e o n.º 3 determina que essa diferença não
beneficie de qualquer dedução.

A nosso ver, não há justificação para esta regra. Dir-se-ia que o legislador
acha que o sublocador já beneficiou demais e nega-lhe agora dedução de

IRS 2014 307


Anexo F

encargos que, se forem efetivamente suportados, não se vê razão para serem


esquecidos.
(José Guilherme Xavier de Basto, Prof. Universitário, em "IRS Incidência Real e Determinação dos
Rendimentos Líquidos", Coimbra Editora, edição de 2007, pág. 350/351)

Despesas de manutenção, conservação e de IMI pago relativamente a


imóvel arrendado durante alguns meses

Em referência ao assunto em epígrafe e relativamente à questão colocada,


informa-se que:

Uma vez que, para efeitos de tributação em sede da Categoria F do Código do


IRS, se atende ao rendimento líquido obtido, i.e., às rendas recebidas deduzidas
das despesas e encargos suportados para produzir os rendimentos prediais
englobados e para manter íntegra a respetiva fonte produtora, ou seja, os
prédios objeto de arrendamento, deverão tais despesas ser proporcionalmente
consideradas tendo por base o número de meses de arrendamento.
(do Ofício s/ n.º nem data, da Direção de Serviços do IRS, recebido em outubro de 2013)

Despesas de manutenção e de conservação de prédios arrendados (ano


a considerar para efeitos da dedução aos rendimentos brutos)

1 - São considerados rendimentos prediais (rendimentos da categoria F), as


rendas dos prédios rústicos, urbanos e mistos pagas ou colocadas à disposição
dos respetivos titulares e, bem assim, as demais realidades consideradas
como rendas, nos termos do artigo 8.º do Código do IRS.

2 - Aos rendimentos brutos desta categoria, a que se refere o artigo 8.º, são
dedutíveis as despesas, os encargos e os impostos mencionados no artigo 41.º
do CIRS, nos termos e condições aí previstos, nomeadamente, as despesas
de manutenção e de conservação que incumbam ao sujeito passivo, por ele
sejam suportadas e se encontrem documentalmente provadas.

3 - Para que se incorra numa despesa é necessário que ocorra a diminuição


do património de quem nela incorre, por contrapartida da aquisição dos bens
ou serviços geradores da despesa, diminuição do património que tem de estar
verificada para efeitos da suscetibilidade da sua dedução.

4 - Desta forma, no que respeita à dedução destas despesas, será de aplicar


o princípio de caixa, devendo as mesmas ser consideradas, para efeitos do
estabelecido no artigo 41.º do CIRS, no ano em que são suportadas por ser
esse o ano em que se verifica a diminuição do património inerente ao conceito
de despesa, isto é, aos rendimentos brutos deduzem-se as despesas que
tiverem sido pagas no ano da obtenção do rendimento.
(do e-mail enviado em 09/10/2014, pela Direção de Serviços do IRS)

308 IRS 2014


Anexo F

Despesas de manutenção e de conservação de prédios arrendados


(elementos que devem constar das faturas para efeitos de dedução em sede
de IRS)

Certo sujeito passivo, proprietário de um prédio urbano que está arrendado,


no ano em causa suportou o custo de cerca de € 10 000 com obras de
conservação que foi necessário fazer no citado prédio.

Para efeitos de dedução em sede de IRS de tal importância, que elementos


devem constar da respetiva fatura?

Segundo o disposto no n.º 1 do artigo 41.º do Código do IRS, aos rendimentos


prediais deduzem-se as despesas de manutenção e de conservação que
incumbam ao sujeito passivo, por ele sejam suportadas e se encontrem
documentalmente provadas, bem como o imposto municipal sobre imóveis
e o imposto do selo que incide sobre o valor dos prédios ou parte de prédios
cujo rendimento seja objeto de tributação no ano fiscal.

Dos elementos que devem constar da respetiva fatura entendemos que, para
além de outros exigíveis pelo n.º 5 do artigo 36.º do Código do IVA, deve
constar, para efeitos de dedução em sede de IRS, o nome do proprietário do
prédio que sofreu tal beneficiação, bem como a indicação do imóvel onde as
obras foram realizadas, para que não restem dúvidas que tais despesas, a
levar à respetiva coluna do quadro 4 do anexo F, respeitam, efetivamente, ao
prédio (ou fração autónoma) em causa.

Não esquecer que nas faturas processadas através de sistemas informáticos,


todas as menções obrigatórias, incluindo o nome, a firma ou a denominação
social e o número de identificação fiscal do sujeito passivo adquirente, devem
ser inseridas pelo respetivo programa ou equipamento informático de faturação
(cfr. n.º 14.º do art.º 36.º do CIVA, aditado pelo Dec. Lei n.º 197/2012, de 24/8).

Finalmente lembramos que a Administração Tributária, através do n.º 10 do


Ofício-Circulado n.º 30 135, de 26/09/2012, da Área de Gestão Tributária
do IVA, no que se refere à taxa de IVA a aplicar às prestações de serviços
abrangidos pela verba 2.27 da Lista I, esclareceu que a fatura, emitida nos
termos do artigo 36.º do Código do IVA, deve conter o motivo justificativo da
aplicação da taxa reduzida, através da indicação "Taxa reduzida ao abrigo
da verba 2.27 da Lista I anexa ao CIVA", bem a indicação do dono da obra e
do imóvel ou fração autónoma onde foram efetuados os serviços, além dos
restantes elementos exigíveis no n.º 5 do artigo 36.º.

Despesas de manutenção e de conservação de prédios arrendados


(existindo podem ser mencionadas, ainda que nesse ano não sejam
englobados rendimentos devido a rendas antecipadas)

Ainda que não sejam englobados em determinado ano rendimentos prediais

IRS 2014 309


Anexo F

devido à antecipação de rendas respeitantes a esse ano, as deduções


referentes a despesas de manutenção e conservação poderão ser efetuadas
desde que o prédio esteja de facto arrendado, e as despesas estejam
devidamente documentadas.
(cfr. Desp. de 29/06/1989 - Inf. n.º 1846/89, do NIR)

Despesas de manutenção e de conservação de prédios não arrendados


(prédios não geradores de rendimentos prediais) - artigo 41.º

Dada a inexistência de rendimentos prediais, i.e., dada a inexistência de um


rendimento bruto, não poderá, por isso, ser considerado um qualquer encargo
suportado, por, na circunstância, não haver de se proceder à determinação de
um rendimento líquido sujeito a tributação em sede da Categoria F do Código
do IRS (cfr. n.º 11 do preâmbulo do CIRS).

De acordo com o disposto no n.º 1 do artigo 41.º do Código do IRS, só se


deduzem as despesas de manutenção e de conservação que incumbam ao
sujeito passivo, por ele sejam suportadas e se encontrem documentalmente
provadas, bem como o imposto municipal sobre imóveis e o imposto do selo
que incide sobre o valor dos prédios ou parte de prédios cujo rendimento seja
objeto de tributação no ano fiscal, caso haja rendimentos brutos referidos no
artigo 8.º do mesmo diploma. Não existindo tais rendimentos, não há lugar à
dedução de tais despesas.

Despesas relativas a mobiliários e bens de equipamento considerados


amovíveis

No pressuposto de que a questão se coloca relativamente à mera aquisição


de "amovíveis" (instalados em prédios arrendados) não poderão as respetivas
despesas ser consideradas a um qualquer título, por não abrangidas pelo
conceito de manutenção/conservação dos prédios geradores de rendimentos
prediais englobados.
(do Ofício s/ n.º nem data, da Direção de Serviços do IRS, recebido em outubro de 2013)

Encargos com Certificação Energética (não se consideram despesas de


manutenção e de conservação)

Durante o ano findo recebi rendas de um imóvel que tenho arrendado, sendo
que para efeitos do arrendamento tive de obter o certificado energético do
mesmo. Posso deduzir esta despesa no meu rendimento do IRS?

Tal como se encontra previsto no artigo 41.º do Código do IRS, aos rendimentos
brutos referidos no artigo 8.º (rendimentos prediais) deduzem-se as despesas
de manutenção e de conservação que incumbam ao sujeito passivo, por ele

310 IRS 2014


Anexo F

sejam suportadas e se encontrem documentalmente provadas, bem como o


Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o Imposto do Selo que incide sobre o
valor dos prédios ou parte de prédios cujo rendimento tenha sido englobado.

No caso de fração autónoma de prédio em regime de propriedade horizontal,


deduzem-se também os encargos de conservação, fruição e outros que, nos
termos da lei civil, o condómino deva obrigatoriamente suportar, por ele sejam
suportados, e se encontrem documentalmente provados.

Não obstante a obtenção do certificado energético ser indispensável para o


arrendamento do imóvel, o mesmo não constitui uma despesa de conservação
ou manutenção, pelo que não poderá ser deduzido aos rendimentos prediais.

A título exemplificativo, são consideradas despesas de manutenção os


encargos suportados com porteiros, prémios de seguro do prédio e taxas
autárquicas. Por outro lado, são aceites como despesas de conservação as
reparações efetuadas no imóvel, como sejam pinturas e substituição de partes
integrantes do mesmo (i.e., instalações elétricas e as canalizações de água e
de gás).

Os Encargos com a Certificação Energética, prevista no Decreto-Lei n.º


78/2006, de 4/4, tal como consta da Informação vinculativa, Proc. 3089/10,
com despacho concordante da Sra. Subdiretora-Geral, de 2010/07/08, e de
acordo com a alínea a) do artigo 51.º do Código do IRS (com a redação dada
pela Lei n.º 82-E/2014, de 31/12), poderão, para o apuramento da mais-valia,
quando o imóvel for alienado, acrescer ao valor de aquisição do mesmo,
desde que tenham sido realizados nos últimos 12 anos (eram 5 anos) e se
encontrem devidamente comprovados.

Encargos com a empresa gestora dos prédios arrendados (não se


consideram despesas de manutenção ou de conservação)

Certo sujeito passivo que tem vários prédios (ou frações) arrendados
contratou uma empresa para lhe fazer a gestão dos mesmos. Os encargos
com os serviços prestados pela empresa gestora consideram-se despesas de
manutenção ou de conservação?

De acordo com o disposto no n.º 1 do artigo 41.º do Código do IRS (na


redação que vigorou até 31/12/2014), aos rendimentos brutos referidos no
artigo 8.º (rendimentos prediais) deduzem-se as despesas de manutenção e
de conservação que incumbam ao sujeito passivo, por ele sejam suportadas
e se encontrem documentalmente provadas, bem como o Imposto Municipal
sobre Imóveis (IMI) e Imposto do Selo que incide sobre o valor dos prédios ou
parte de prédios cujo rendimento tenha sido englobado.

Como despesas de manutenção serão de considerar os encargos suportados


com a energia e manutenção de elevadores, porteiros, energia e limpeza das
partes comuns de imóveis em propriedade horizontal, bem como os encargos

IRS 2014 311


Anexo F

com a administração da propriedade horizontal, ou seja, são despesas


correntes inerentes à utilização do imóvel.

A título de despesas de conservação serão de considerar todas as despesas


de caráter excecional suportadas para manter o estado do prédio, como p.
ex. grandes reparações, pinturas gerais, substituição de partes integrantes do
imóvel (instalação elétrica, canalizações, etc.).

Na situação exposta entendemos que os encargos com a empresa gestora


dos prédios arrendados não se consideram despesas de manutenção ou de
conservação, não sendo por isso de deduzir aos rendimentos prediais referidos
no artigo 8.º do Código do IRS, por não terem cabimento no n.º 1 do artigo 41.º
do mesmo diploma, na redação que esteve em vigor até 31/12/2014.

Imposto Municipal sobre Imóveis (o imposto a abater é o que foi pago no


ano em que as rendas foram recebidas ou colocadas à disposição)

Nos termos do n.º 1 do artigo 41.º do Código do IRS (na redação que vigorou
até 31/12/2014), aos rendimentos brutos referidos no artigo 8.º (rendas de
prédios) deduzem-se as despesas de manutenção e de conservação que
incumbam ao sujeito passivo, por ele sejam suportadas e se encontrem
documentalmente provadas, bem como o imposto municipal sobre imóveis
(IMI) e o imposto do selo que incide sobre o valor dos prédios ou parte de
prédios cujo rendimento seja objeto de tributação no ano fiscal.

A Administração Fiscal conclui daqui que o IMI, relativo a prédios arrendados,


é o que foi pago no ano em que as rendas foram recebidas ou colocadas à
disposição.

Consequentemente, aos rendimentos obtidos no ano de 2014 (constantes da


declaração a apresentar em 2015 mas referente ao ano de 2014), o IMI a
indicar para efeitos de dedução no anexo F da declaração modelo 3 do IRS é
o que foi pago em 2014.
(conclusão que se tira da resposta dada pela Direção de Serviços do IRS, através do seu
Ofício n.º 9796, de 23/05/2013, sobre a consulta que lhe foi formulada relativa ao abatimento
em causa)

Locação financeira de bens imóveis (rendas pagas pelo locatário à locadora,


no caso do locatário arrendar o imóvel a terceiros)

Certo sujeito passivo adquiriu um imóvel em regime de locação financeira, que


pretende arrendar a terceiros com autorização da locadora.

Nestes casos, as rendas pagas pelo locatário à locadora são de considerar


como dedução específica da categoria F?

Para efeitos fiscais, nomeadamente no que se refere ao IRS, nos casos

312 IRS 2014


Anexo F

de arrendamento de imóveis adquiridos em regime de locação financeira, o


entendimento da Administração Fiscal tem sido no sentido de que a renda
auferida pelo locatário será de considerar como rendimento da categoria F
(rendimento predial) a constar do quadro 4 do anexo F.

Porém, em tais situações, as importâncias (rendas) pagas pelo locatário à


locadora não se consideram como dedução específica da categoria F, por não
terem cabimento nas despesas contempladas no artigo 41.º do Código do IRS.

QUADRO 5A

5 Informação complementar
5A Identificação dos imóveis recuperados ou objeto de ações de reabilitação

Mencione os campos do quadro 4 respeitantes a imóveis recuperados ou objeto de ações de reabilitação com comprovação
emitida por entidade competente, nos termos dos n.ºs 6 e 23 do artigo 71.º do EBF:

1 |__|__|__| 2 |__|__|__| 3 |__|__|__| 4 |__|__|__| 5 |__|__|__|

Devem ser identificados nos campos 1 a 5 através da indicação dos códigos dos campos
do Quadro 4 onde foram identificados imóveis arrendados situados em área de reabilitação
urbanas, recuperados nos termos das respetivas estratégias de reabilitação ou passíveis de
atualização faseada das rendas nos termos dos artigos 27.º e seguintes do Novo Regime
do Arrendamento Urbano, que sejam objeto de ações de reabilitação [alíneas a) e b) do n.º
6 do art.º 71.º do Estatuto dos Benefícios Fiscais].

A opção pelo englobamento dos rendimentos relativos a estes imóveis deve ser formalizada
nos seguintes termos:

- Para declarações de 2013 e anos anteriores, assinalando o campo 6 ou 7 do quadro 5B;

- Para declarações do ano de 2014 e seguintes, assinalando um dos campos (campo 10 ou


11) do quadro 5B.

Reabilitação urbana (taxa de tributação autónoma dos rendimentos prediais)

6 - Os rendimentos prediais auferidos por sujeitos passivos de IRS residentes


em território português são tributados à taxa de 5%, sem prejuízo da opção
pelo englobamento, quando sejam inteiramente decorrentes do arrendamento
de:

a) Imóveis situados em "área de reabilitação urbana", recuperados nos


termos das respetivas estratégias de reabilitação;

b) Imóveis arrendados passíveis de atualização faseada das rendas nos

IRS 2014 313


Anexo F

termos dos artigos 27.º e seguintes do NRAU, que seja objeto de ações
de reabilitação.

23 - A comprovação do início e da conclusão das ações de reabilitação é da


competência da câmara municipal ou de outra entidade legalmente habilitada
para gerir um programa de reabilitação urbana para a área da localização do
imóvel, incumbindo-lhe certificar o estado dos imóveis, antes e após as obras
compreendidas na ação de reabilitação.
(n.ºs 6 e 23 do artigo 71.º do EBF, aditado pela Lei n.º 64-A/2008, de 31/12)

QUADRO 5B

5 Informação complementar
5B Opção pela tributação dos rendimentos

Para 2013 e anos anteriores:


Opta pelo englobamento dos rendimentos aos imóveis identificados
no quadro 5A SIM 6 |__| NÃO 7 |__|

Opta pelo englobamento dos restantes rendimentos não mencionados


no quadro 5A, bem como dos rendimentos referidos no quadro 6
(opção válida para 2013 e anos anteriores? SIM 8 |__| NÃO 9 |__|

Para 2014 e anos seguintes:


Opta pelo englobamento dos rendimentos relativos a estes imóveis? SIM 10 |__| NÃO 11 |__|

Os rendimentos prediais obtidos nos anos de 2013 e seguintes respeitantes a imóveis


arrendados ou sublocados são tributados autonomamente à taxa de 28%, nos termos
do n.º 7 do artigo 72.º do Código do IRS. Todavia, por opção dos respetivos titulares
residentes em território português, tais rendimentos podem ser englobados para efeitos
de tributação, como dispõe o n.º 8 do referido artigo 72.º.

A opção pelo englobamento dos rendimentos prediais deve ser formalizada nos seguintes
termos:

- Para declarações de 2013 e anos anteriores, assinalando o campo 6 ou 7 do quadro


5B, relativamente aos rendimentos dos imóveis recuperados ou objeto de ações de
reabilitação, e ou o campo 8 ou 9, deste quadro (Q5B), para os restantes rendimentos
mencionados nos Q4 e Q6;

- Para declarações do ano de 2014 e seguintes, assinalando o campo 10 ou 11 deste quadro


(Q5B), relativamente à totalidade dos rendimentos mencionados nos quadros 4 e 6.

A opção pelo englobamento implica que sejam também englobados os rendimentos de


capitais, as mais-valias respeitantes a valores mobiliários, os rendimentos líquidos das
categorias A e B de atividades de elevado valor acrescentado e rendimentos obtidos no
estrangeiro auferidos por residentes não habituais, bem como outros rendimentos em que

314 IRS 2014


Anexo F

demais legislação preveja o direito de opção de englobamento, tal como dispõe o n.º 5 do
artigo 22.º do Código do IRS (na redação que vigorou até 31/12/2014).

Lembramos ainda que, haja ou não lugar à opção pelo englobamento, pode também
preencher a coluna das "Despesas", do quadro 4 do anexo F, caso existam, para abater ao
rendimento bruto, de acordo com o n.º 1 do artigo 41.º do Código do IRS.

QUADRO 6

6 Sublocação
Renda recebida Sublocatário (NIF) Renda paga ao
Titular (valor ilíquido) Retenções de IRS senhorio Senhorio (NIF)
601 . . , . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_| . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_|
602 . . , . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_| . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_|
603 . . , . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_| . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_|
604 . . , . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_| . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_|
605 . . , . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_| . . , |_|_|_|_|_|_|_|_|_|

De acordo com o disposto na alínea c) do n.º 2 do artigo 8.º do Código do IRS, é havida como
renda a diferença, auferida pelo sublocador, entre a renda recebida do subarrendatário e
a paga ao senhorio.

Assim, a diferença entre a renda recebida pelo sublocador e aquela que foi paga ao senhorio,
correspondente ao imóvel (ou parte) sublocado, constitui o valor do rendimento a tributar, já
que, como é sabido, na sublocação, a diferença entre a renda recebida pelo sublocador e
a renda paga por este não beneficia de qualquer dedução (cfr. o atual n.º 6 do art.º 41.º do
CIRS, - anteriormente era o n.º 3 do mesmo artigo, que tinha mesma redação).

Cada uma das colunas deste quadro 6 deve ser preenchida da seguinte forma:
- Na primeira coluna deve indicar o titular do rendimento;
- Na segunda coluna deve indicar o valor da renda recebida do sublocatário;
- Na terceira coluna deve indicar o valor das retenções de IRS efetuadas pelo sublocatário;
- Na quarta coluna deve identificar o sublocatário, indicando o respetivo número de
identificação fiscal;
- Na quinta coluna deve indicar o valor da renda paga ao senhorio, correspondente à parte
sublocada;
- Na sexta coluna deve identificar o senhorio indicando o respetivo número de identificação
fiscal.

Tenha-se em atenção que as rendas respeitantes à sublocação, bem como a respetiva


retenção, não devem ser incluídas no quadro 4, mas somente neste quadro 6.

Sublocação (noção)

A locação diz-se sublocação, quando o locador a celebra com base no direito


de locatário que lhe advém de um precedente contrato locativo.
(artigo 1060.º do Código Civil)

IRS 2014 315


Anexo F

Sublocação (renda a levar ao quadro 6 do anexo F, no caso de sublocação de


parte de um imóvel arrendado)

No caso de se verificar a sublocação de apenas parte de um imóvel, qual a


renda que deve ser levada ao quadro 6 do anexo F, sabendo-se que:

- a renda anual paga pelo inquilino ao senhorio é 36 000 euros.

- da área total do prédio arrendado, o inquilino subarrendou 30%, pela qual


recebe do subarrendatário a renda anual de 12 000 euros?

Na sublocação de imóveis é havida como renda (categoria F) a diferença,


auferida pelo sublocador, entre a renda recebida do subarrendatário e a paga
ao senhorio [cfr. alínea c) do n.º 2 do art.º 8º do CIRS].

Assim, no caso exposto, terá que se ter em consideração a área objeto de


sublocação e a área total do prédio. Mais concretamente, se a área ocupada
pelo sublocatário é 30% do total da área do prédio, teremos que fazer as
seguintes operações:
30% x 36 000 : 100 = 10 800 euros (quota parte correspondente aos 30% da
renda paga pelo inquilino ao senhorio pela parte sublocada).

Consequentemente, neste caso concreto, a renda a levar ao quadro 6 do


anexo F será:
- renda recebida pelo inquilino - 12 000 euros
- renda paga ao senhorio - 10 800 euros
- rendimentos sujeitos a tributação - 1 200 euros.

Sublocação (retenção na fonte)

A sublocação integra o conceito de renda, com a extensão que ao mesmo


é dado pela redação da alínea c) do n.º 2 do artigo 8.º do CIRS e, como tal,
sujeita a tributação na categoria de rendimentos prediais.

Está sujeita a retenção na fonte sempre que o sublocatário possua ou deva


possuir contabilidade organizada e poderá incidir sobre a diferença entre o
que o sublocador paga ao senhorio e o que recebe do sublocatário, nos casos
em que o primeiro evidencie, perante este, aquela diferença.

Quando a diferença não seja evidenciada, a retenção deverá incidir sobre o


total pago pelo sublocatário.

Quando houver pluralidade de subarrendatários, o total da renda paga ao


senhorio deverá ser parcelado proporcionalmente a cada uma das rendas
recebidas daqueles, por forma a evidenciar, inequivocamente, a diferença,
quando a haja, sobre que deve incidir a retenção.
(Desp. de 08/02/1989 e 16/02/1989 - Inf. n.ºs 16/89 e 263/89, do NIR)

316 IRS 2014


Anexo F

QUADRO 7

7 Rendimentos de anos anteriores incluídos no Quadro 4


Campo Q4 Rendimento N.º Anos Campo Q4 Rendimento N.º Anos
|__|__|__|__| . . , |_____| |__|__|__|__| . . , |_____|

Os sujeitos passivos que tenham auferido rendimentos prediais relativos a anos anteriores
e pretendam beneficiar do desagravamento de taxa prevista no artigo 74.º do Código do
IRS, deverão indicar o campo do quadro 4 onde tais valores foram indicados, o valor dos
rendimentos e o número de anos a que respeitam.

Rendimentos produzidos em anos anteriores (da categoria F)

Se forem englobados rendimentos das categorias A, F ou H que


comprovadamente tenham sido produzidos em anos anteriores àquele em
que foram pagos ou colocados à disposição do sujeito passivo e este fizer
a correspondente imputação na declaração de rendimentos, o respetivo
valor é dividido pela soma do número de anos ou fração a que respeitem, no
máximo de seis, incluindo o ano do recebimento, aplicando-se à globalidade
dos rendimentos a taxa correspondente à soma daquele quociente com os
rendimentos produzidos no próprio ano.
(n.º 1 do artigo 74.º do CIRS, na redação que vigorou até 31/12/2014)

ASSINATURAS

Data O(s) Declarante(s), Representante legal ou Gestor de negócios

Assinaturas
___/___/___ A) _____________________________ B)________________________________

Este anexo deve ser assinado pelos sujeitos passivos ou por um seu representante, legal
ou voluntário, ou gestor de negócios, devidamente identificados (cfr. n.º 1 do art.º 146.º do
CIRS).

A falta de assinatura é motivo de recusa da receção da declaração, sem prejuízo das


sanções estabelecidas para a falta da sua apresentação (cfr. n.º 2 do art.º 146.º do CIRS).

IRS 2014 317