Você está na página 1de 6

TÓPICOS EM LIBRAS - AULA 6

ALGUMAS CATEGORIAS GRAMATICAIS DA LIBRAS: PRONOMES, ADVÉRBIOS, ADJETIVOS

OBJETIVOS DESSA AULA:

1. Identificar aspectos gramaticais de LIBRAS relacionados aos pronomes, advérbios, adjetivos;


2. Reconhecer algumas palavras e verbos relacionados ao campo semântico alimentação.

CATEGORIAS GRAMATICAIS

O SISTEMA PRONOMINAL

O sistema pronominal da língua brasileira de sinais, a exemplo do português, é formado por três pessoas do
discurso. Dependendo da configuração de mãos utilizada e de direção para qual aponta no espaço, as
pessoas do discurso podem ser especificadas. Podem aparecer tanto no singular quanto no plural.

Observação: Lembre-se que pessoa do discurso refere-se à forma pronominal cuja função é a de indicar: a)
aquele que fala (emissor); b) para quem fala (destinatário); c) de quem se fala (não faz parte da interlocução).

O SISTEMA PRONOMINAL EM LIBRAS: PRONOMES PESSOAIS

1
Em LIBRAS, o sujeito da ação pode apontar alternadamente para o interlocutor e para si próprio, mãos
formando o número dois, para significar “nós dois”. Da mesma forma, pode-se especificar tanto a primeira
quanto a segunda e terceiras pessoas em três pessoas, quatro pessoas, plural, etc.

Nas frases em LIBRAS o sujeito pode ser omitido (no caso das primeira e segunda pessoas) desde que o
contexto possibilite identificá-lo. No caso da terceira pessoa, essa não será apontada se, mesmo estando
presente, não for intenção do usuário ressaltar a sua presença por motivos culturais como, por exemplo, isso
ser ou não falta de educação.

O SISTEMA PRONOMINAL EM LIBRAS: PRONOMES DEMONSTRATIVOS E ADVÉRBIOS DE LUGAR

Em termos de sinais utilizados, essas duas categorias não apresentam diferença, sendo possível diferenciá-
las apenas a partir do contexto. As relações estabelecidas são as mesmas da norma padrão encontrada em
boa parte das línguas orais, a saber: este/isto/aqui, esse/isso/aí, aquele/aquilo/lá.

O SISTEMA PRONOMINAL EM LIBRAS: PRONOMES INTERROGATIVOS

Os pronomes como QUE e QUEM (que + pessoa ou quem) são utilizados no início ou final da frase,
dependendo do contexto. QUANDO pode ser especificado em relação ao passado ou ao futuro, dependendo
da direção do movimento da mão.

O SISTEMA PRONOMINAL EM LIBRAS: PRONOMES POSSESSIVOS

Os possessivos não apresentam concordância de número (pelo menos não em relação ao objeto) e nem de
gênero. Concordam sempre em relação à pessoa do discurso. Eles são: a) “meu”; b) “teu/seu”; c) “dele”; d)
“nosso”; e) “vosso”; f) “deles”.

ADVÉRBIOS DE TEMPO

São utilizados como uma espécie de marca sintática para indicar o tempo verbal na frase. Em geral, ficam no
início da frase. Exemplos: a) “ontem”; b) “hoje”; c) “amanhã”; d) “agora”.

ADJETIVOS

Não há concordância em relação ao gênero ou ao número. São fundamentais para a formação de


classificadores descritivos, assumindo de maneira icônica a qualidade/forma de um objeto. São posicionados
na frase logo após o substantivo.

TÓPICOS E LIBRAS - AULA 5


ASPECTOS SOCIOLINGUISTICOS DA LINGUA DE SINAIS

OBJETIVOS DESSA AULA:

1. Identificar aspectos culturais relacionados ao sujeito surdo;


2. Reconhecer as diversas nuances da/na identificação cultural do sujeito surdo em sua comunidade
sinalizante e na sociedade em geral.

Ao analisarmos as características principais dos seres humanos, logo destacamos o fato de que o homem é
dotado de faculdade da linguagem. Isto o diferencie dos demais seres em função da complexidade dessa
faculdade em relação à de qualquer outro ser. Aquilo que chamamos de faculdade da linguagem diz respeito
a um sistema inato que, quando ativado, possibilidade o surgimento das diferentes línguas que conhecemos.
2
LÍNGUA E LINGUAGEM

Antes mesmo de falarmos pela primeira vez já possuímos, portanto, um sistema mental através do qual
estruturamos nosso pensamento, nosso conhecimento de mundo. Dessa forma, cada povo desenvolve uma
língua específica possibilitado pelas infinitas combinações permitidas pelas regras desse sistema inato. Isso
quer dizer que se uma criança nasce no Japão, a faculdade de aprender japonês é a mesma de uma criança
que nasce no Brasil. Apenas cada criança irá desenvolver a língua específica do meio em que vive.
Se buscarmos perguntar às pessoas mais próximas o que elas entendem por língua, poderemos encontrar
uma variedade de respostas que apontam para visões diferenciadas de língua. Cientificamente, também
diversas relações são estabelecidas.

LÍNGUA E SOCIEDADE

Podemos, por isso, estabelecer várias perspectivas para descrever a linguagem que privilegiam alguns de
seus aspectos, suas formas de manifestação etc. Podemos, por exemplo, pensar na língua como um meio de
comunicação, como uma estrutura, como um valor social, entre outras formas.
Nesta aula, ressaltamos os aspectos sociolinguísticos das línguas de sinais. Em outras palavras, fazemos
referência às relações entre linguagem e sociedade que podem nos ajudar a entender as línguas (de sinais)
como valores, produtos de um determinado grupo. Essas possíveis relações nos permitem levantar algumas
questões.

3
Saiba mais sobre as línguas de sinais. Visite www.ethnologue.com e clique em Deaf Sign Language
(procure as línguas que são utilizadas no Brasil).
Visite o site http://www.acessobrasil.org.br/libras/ e aprofunde o seu vocabulário.

TÓPICOS EM LIBRAS - AULA 7


PRINCÍPIOS DE ESTRUTURAÇÃO DE UMA SENTENÇA EM LIBRAS

4
OBJETIVOS DESSA AULA:

1. Entender como se constrói a estrutura das frases em LIBRAS;

2. Perceber as diferenças entre a construção de sentenças na língua portuguesa e em LIBRAS;

3. Entender que a falta de uma lógica linear em LIBRAS não significa a falta de sentido, coerência e
coesão nas sentenças de LIBRAS.

Muitas pessoas usam a voz para trabalhar, mas o conhecimento gramatical é indispensável, mesmo
para quem só usa a voz. Nesta aula, vamos estudar a construção de sentenças em LIBRAS. Você
verá que as frases podem seguir ou não a ordem sujeito-verbo-objeto, usada na construção de
frases em língua portuguesa. Quando as sentenças não são construídas pela construção SVO, elas
obedecem a uma lógica não-linear.

Ao longo desta aula, explicaremos melhor esse tema e veremos alguns recursos de construção de
frases em LIBRAS.

ESTRUTURA DE SENTENÇAS

Para estudar a construção de frases em LIBRAS, é preciso pensar que esta linguagem se estrutura
a partir de recursos espaciais e visuais, ou seja, se utiliza do espaço para dar coerência e coesão as
palavras que formam a sentença.

Em Libras, encontramos quatro tipos de frases:

 Afirmativa
 Negativa
 Interrogativa
 Exclamativa

ENTENDENDO O QUE É ORDEM NA FRASE

5
SÍNTESE DA AULA

Nesta aula, vimos como se constroem as frases na língua dos sinais e como a organização das
sentenças nesta linguagem se difere da feita na língua portuguesa. Vimos ainda que a seqüência
não-lógica das palavras que compõem as frases faz com que não haja uma organização linear das
sentenças de LIBRAS, o que não significa que não exista sentido, coesão e coerência entre as
palavras.