Você está na página 1de 2

A vida das famílias e suas fases: desafios, mudanças e ajustes

A família é o lugar que dá origem à história de cada pessoa, é o espaço privado onde se dão as
relações mais espontâneas.

As lembranças da infância, que são porções de alegria, que são levadas sempre na recordação e
coração. Momentos simples, como conversas ao redor da mesa, podem proporcionar vínculos de
confiança entre pais e filhos e fortalecer os laços familiares.

1. Qual a principal “falha” no relacionamento entre pai e filho que impossibilita uma
relação de amizade entre os dois?

Acredito que o termo ideal para isso não seja “falha”, mas sim um conjunto de questões que
envolvem esse tipo de relação, muitas delas determinadas culturalmente. Vejamos bem: muitos
pais transmitem aos seus filhos uma postura mais rígida durante toda a sua infância, e essa
postura muitas vezes contribui para um afastamento dos filhos, pois remete-lhes a ideia de que
os pais não irão compreender os seus conflitos ou não poderão ouvir os seus dilemas e dar uma
possível orientação, que seria o papel deles.

A amizade entre pais e filhos não é um problema, pelo contrário, pode tornar-se uma relação de
companheirismo e cooperação, porém é preciso ter cuidado para não confundir os papéis dessa
relação, podendo haver a perda do respeito e da autoridade necessária para impor alguns limites,
sendo esses fundamentais no desenvolvimento infantil.

É preciso ter cuidado com o que falamos às crianças, muitas vezes não damos importância a
isso, mas essas ações e experiências vividas irão servir de referência para as suas relações
futuras. Acima de tudo, a relação entre pais e filhos deve ter muito afeto, aceitação e perdão.

2. Tanto o pai como a mãe trabalham fora nos dias de hoje. Como solucionar o
problema da falta de tempo para ficar com os filhos para que isso não afete
diretamente nessa relação?

Hoje em dia, com a falta de tempo, é um grande desafio passar momentos em família, ainda
mais quando os pais trabalham e os filhos passam o dia na escola. Porém, a grande questão aqui
não é passar o dia fora, longe dos filhos, pois é uma ação necessária para o sustento da família.
O grande desafio que tenho observado nos dias atuais é a dificuldade de nos doarmos por
inteiro, no pouco tempo que temos para estar junto da nossa família. O que quero dizer com
isso?
Muitos pais, quando chegam do trabalho, vêm exautos, outros acabam muitas vezes sentados no
sofá ligados ao telemóvel, sem notar a nossa presença, ou até mesmo, os próprios filhos que
também possuem telemóvel (aliás, cada vez mais cedo), jogam e afins.

Diante disso, será mesmo que o nosso problema é a falta de tempo?

Ou de aproveitar melhor o tempo que temos? A maneira de resolver esses desafios acredito que
seja organizar melhor o tempo em família para realizar atividades juntos, passeios, piqueniques
ou até mesmo em casa. Lembrando sempre que o tempo somos nós quem o criamos!

3. Existe alguma “fórmula secreta” para ter um bom relacionamento com os filhos?

Pois bem! Se existe alguma fórmula secreta ou mágica para quaisquer situações da nossa vida
eu desconheço. Aliás, acredito que seja improvável que exista, visto que somos seres humanos
diferentes, com sentimentos, pensamentos e emoções diferentes, passando por inúmeras
situações distintas ao longo da nossa vida, como poderia haver uma única receita ou fórmula
mágica que pudesse servir para a vida de todos? Porém, algumas orientações são válidas para
cultivar um bom relacionamento entre pais e filhos, de modo saudável.

(Conselho para todos nós, pois suponho que um dia todos nós tenhámos o desejo de ser pais...eu
pessoalmente quero muito ser Pai....é um dos meus grandes sonhos).

Pais tirem mais tempo para atividades diferenciadas com os filhos, brinquem, deixem o
telemóvel em segundo plano, assistam filmes ou desenhos educativos com eles, perguntem
o que o vosso filho quer fazer, deixando que ele faça parte das decisões que lhe cabem,
busquem juntos estratégias para a resolução de problemas, e aprendam, sobretudo a dizer
NÃO!

Não vivam para agradar os filhos continuamente, isso não irá prepará-los para as
adversidades da vida, pelo contrário, os tornará inseguros. E aproveitem intensamente
cada momento com eles, pois esses serão eternos!