Você está na página 1de 7

METROLOGIA-2003 – Metrologia para a Vida

Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM)


Setembro 01−05, 2003, Recife, Pernambuco - BRASIL

ANÁLISE DA TRAJETÓRIA DO
CURSO TÉCNICO EM METROLOGIA
DO CEFET QUÍMICA DE NILÓPOLIS1
Alexandre Mendes 1, Wanderley Carreira 2, Irany da Silva Murta 3, Joaquim Rodrigues de Souza 4.
1
CEFET Química, Rio de Janeiro, Brasil
2
CEFET Química, Rio de Janeiro, Brasil
3
CEFET Química, Rio de Janeiro, Brasil
4
CEFET Química, Rio de Janeiro, Brasil

RESUMO: Palavras-chave: formação de recursos humanos,


metrologia, ensino profissionalizante.
O CEFET Química forma técnicos nas áreas de Química,
Meio Ambiente, Metrologia, Farmácia, Alimentos e 1. INTRODUÇÃO
Biotecnologia, além de oferecer o curso de Tecnólogo em
Processo Industrial e o de Produção Cultural. A criação e a implantação do Curso Técnico em
Metrologia do CEFET Química de Nilópolis é fruto da
Esse artigo descreve e analisa a evolução do Curso Técnico jornada rumo a uma excelência em formação metrológica
em Metrologia que foi criado devido ao aumento da comprometida com as exigências de um mercado em
demanda nessa área e a inexistência de investimentos na constante mudança.
formação de recursos humanos para ela.
Em março de 2000 criamos a primeira turma do curso. Em
Nosso principal objetivo é apresentar à comunidade agosto de 2002 orgulhosamente iniciamos a sexta turma.
metrológica os avanços na área de formação de recursos São jovens que buscam formação e/ou aprimoramento
humanos promovidos por nós. técnico em metrologia e gestão da qualidade, visto esta
formação significar para eles uma diferenciação no
O Curso Técnico em Metrologia iniciou suas atividades com disputadíssimo mercado de trabalho.
sua primeira turma em março de 2000 e desde então vem
formando e inserindo no mercado de trabalho técnicos com Como não é possível ensinar a calibração de todos os
formação em calibração, estimativa de incerteza de medição instrumentos utilizados nos laboratórios e nas indústrias,
e gestão integrada (qualidade, saúde, segurança e meio partimos da premissa que os processos de calibração são
ambiente). semelhantes para todos os instrumentos, excluindo-se
algumas particularidades. Decidimos, então, trabalhar
Como fatores relevantes para essa análise do curso, o artigo conceitos e técnicas de calibração que possam ser usados
faz o levantamento dos seguintes pontos, considerados de nas áreas de temperatura, pressão, dimensional, volume,
fundamental importância para a melhoria contínua e massa, vazão e massa específica.
adaptabilidade do curso às necessidades do mercado:
Atualmente o Curso está estruturado em cinco módulos
• Número de alunos formados semestrais, totalizando dois anos e meio. No entanto poderá
ser reduzido a dois módulos, ou seja, um ano, mediante o
• Formação prévia dos alunos aproveitamento de estudos, para os alunos com formação
técnica em áreas afins (Química, Alimentos, Eletrônica,
• Faixa etária e sexo Eletrotécnica, Mecânica, Telecomunicações etc.).

• Inserção dos alunos no mercado de trabalho Cabe ressaltar que a profissão Técnico em Metrologia ainda
não possui regulamentação. Esta iniciativa já foi tomada
pela Coordenação do Curso, juntamente com a Direção de
• Empresas conveniadas
Ensino do CEFET Química de Nilópolis, que solicitou ao
CREA/RJ a análise e regulamentação da profissão.
• Mudanças da estrutura curricular do Curso visando a sua
adaptabilidade ao mercado de trabalho

1
Atual denominação da Escola Técnica Federal de Química do Rio de Janeiro
2. ALUNOS FORMADOS E SEU PERFIL. do Curso, desmotivaram-se diante das dificuldades
encontradas (falta de base, necessidade de maior dedicação
A última turma a colar grau teve seu ingresso no 1o. aos estudos etc)
semestre de 2002 e era composta exclusivamente de alunos
egressos dos cursos técnicos em Química e Saneamento. 3. Alunos egressos do ensino médio e técnico que obtiveram
Nosso levantamento estatístico data de março de 2000 aprovação em exames vestibulares.
(primeira turma) a março de 2002.
Na tabela 2, temos a relação entre homens, mulheres e o
a) Alunos Matriculados no Curso Técnico em total dos alunos reingressantes que se formaram. Na tabela
Metrologia do CEFET QUÍMICA DE 3, temos o número de alunos evadidos (num universo de
NILÓPOLIS/RJ 126).

Na tabela 1, destaca-se a predominância de alunos egressos Alunos formados


de cursos técnicos, oriundos ou não da nossa instituição.
Dos 126 alunos matriculados, 71 estão reingressando no total homens mulheres reingressos
Curso Técnico em Metrologia.
54 31 23 31
Esse fato, como já o dissemos, se deve à necessidade de
aprimoramento e diversificação percebida pelo técnico como Tabela 2
fator primordial para melhor colocação no mercado de
trabalho, aliada à solicitação por parte das empresas
empregadoras de conhecimentos na área da metrologia e ALUNOS FORMADOS
gestão da qualidade.

não
Alunos matriculados
reingressantes
43% reingressantes
total homens mulheres reingressantes
57%
126 71 55 71

Tabela 1

Evasão
ALUNOS MATRICULADOS

não
não reingressantes reingressantes
reingres
santes 32 40
reingres
44%
santes
Tabela 3
56%

ALUNOS FORMADOS X EVADIDOS

b) Alunos formados no Curso Técnico em Metrologia do


CEFET QUÍMICA DE NILÓPOLIS/RJ Alunos
formados
Dos 126 alunos matriculados, 54 concluíram o curso. Essa Alunos 43%
evasão deve-se, segundo nossas observações e depoimentos, evadidos
aos seguintes fatores, em ordem de importância: 57%

1. Alunos que tiveram o Curso Técnico em Metrologia como


sua segunda opção (no concurso de seleção), no seu
decorrer, perceberam que os pré-requisitos exigidos -
aptidão em matemática, física e boa concentração - não se
coadunavam com os seu perfil.

2. Alunos que optaram pelo Curso Técnico em Metrologia,


mas sem formação técnica e com conhecimento superficial
ALUNOS EVADIDOS • CONSULT

• CONTROL – LAB
não
reingressantes
44%
reingressantes
• DECOL LAGOS COMÉRCIO E SERVIÇO
56%

• ELLO CONSULTORIA

• FICAP
c) Faixa etária dos alunos do Curso Técnico em
Metrologia do CEFET QUÍMICA DE NILÓPOLIS/RJ • FIOCRUZ - INCQS

Conforme o esperado, percebemos que a faixa etária • FUNDAÇÃO MUDES


predominante está compreendida entre 16 e 25 anos,
composta por alunos egressos de cursos técnicos e por • GAIÃO – GESTÃO AMBIENTAL DA INDUSTRIA
aqueles que estão cursando o Curso Técnico em Metrologia
em concomitância com o ensino médio. • IMS – COMERCIAL E INDUSTRIAL LTDA

Faixa etária dos alunos


• INDÚSTRIAS DE BEBIDAS ANTÁRTICA DO
SUDESTE S/A
acima de até 15
25 anos anos • PESO EXATO INDÚSTRIA E COMÉRCIO Ltda.
21% 19%
• PETRÓLEO BRASILEIRO S/A – CENPES
de 15 a 18
de 18 a 25 anos • RIO PET
anos 26%
34% • TERMOLITE

• TEXACO BRASIL Ltda.


3. INSERÇÃO DOS ALUNOS NO MERCADO DE
TRABALHO E EMPRESAS CONVENIADAS • TRIDIMENSIONAL LEKAS MEDIÇÕES LTDA

Dos 54 alunos formados até dezembro de 2002, não temos • UNIVERSIDADE SANTA ÚRSULA
registro de nenhum sem estágio ou emprego. O estágio
curricular remunerado é realizado em Empresas/Instituições • VALEQ – VÁLVULAS E EQUIPAMENTOS
conveniadas com o CEFET Química/RJ, podendo ser INDUSTRIAIS
realizado em concomitância com o último módulo ou após a
conclusão do Curso, com duração mínima de 480 h. 4. MUDANÇAS DA ESTRUTURA CURRICULAR
DO CURSO VISANDO A SUA
A efetivação do aluno vem em decorrência do seu ADAPTABILIDADE AO MERCADO DE
desempenho, o que demonstra uma formação mais sólida e TRABALHO.
atualizada, ratificando a necessidade crescente de
profissionais qualificados para o mercado de trabalho. Ao longo do curso, a matriz curricular precisou ser alterada
em função da melhoria na formação do aluno e sua maior
O CEFET Química de Nilópolis/RJ possui convênio com 23 adaptabilidade ao mercado de trabalho.
empresas na área de Metrologia e Gestão:
a) A primeira matriz curricular, adotada no curso em março
• BIO- MANGUINHOS de 2000, visava à formação do aluno em 1 ano e meio,
considerando-se como pré-requisito a conclusão do
• CERAS JOHNSON Ensino Médio.

• CERTILAB PRODUTOS E SERVIÇOS

• CHEMETRIC

• COGUMELO
Módulo I Módulo II. Módulo III Nivelamento Módulo I Módulo II Módulo III

Métodos Métodos
Métodos Métodos Controle
Estatísticos Estatísticos Instrumentação
Estatísticos para Estatísticos para Estatístico de Matemática
para para Aplicada
Metrologia I Metrologia II. Processo
Metrologia I Metrologia II
Higiene,
Normalização Instrumentação Metrologia
Instrumentação Segurança e Física
Inglês Técnico II. e Qualidade Industrial Química
Industrial Normas do
Trabalho.
Inglês Inglês Controle
Língua
Estatístico de
Pesquisa em Portuguesa
Técnico I Técnico II Processo
Normalização e Metrologia e
Redação Técnica
Qualidade Qualidade
Industrial Higiene,
Redação Segurança e
Informática Informática
Fundamentos de Metrologia Técnica Normas do
Inglês Técnico I Trabalho.
Metrologia II Química

Metrologia Instrumentação Fundamentos


Informática de Fundamentos
Dimensional Aplicada Metrologia
de Metrologia
Dimensional
II
Fundamentos de Metrologia I
Metrologia I
Pesquisa em
Tratamento de
Carga horária total = 1200 horas Metrologia e
Dados em
Qualidade
Metrologia
Industrial
Tabela 4
Carga horária total = 1200 horas

Tabela 5
b) Em março de 2001, a reavaliação do Curso de
Metrologia apontou para a necessidade de restruturação
da matriz curricular em função das exigências do
mercado de trabalho e das dificuldades encontradas por c) Em agosto de 2001, um grande número de ex-alunos,
alunos sem formação técnica. Destacamos a seguir as formados no Curso Técnico em Química e Saneamento do
principais alterações na grade curricular e seus CEFET Química, solicitou o reingresso no Curso Técnico
significados: em Metrologia. Como muitas disciplinas do Curso Técnico
em Metrologia eram comuns aos diversos cursos técnicos da
1. Criação de módulo de nivelamento para os alunos que nossa instituição, reorganizamos a matriz curricular de
cursaram ou cursavam o ensino médio em outras março de 2001, objetivando reduzir a permanência desses
instituições de ensino, sem formação técnica. A carga alunos no curso, bem como atender demandas concernentes
horária desse módulo não conta para a carga horária às disciplinas. A terceira matriz curricular adotada data de
total do curso. agosto de 2001 e seus significados são apresentados a
seguir:
2. Isenção do módulo de nivelamento para os alunos que
cursavam o ensino médio no CEFET Química ou eram 1. Técnicos em áreas afins (ciências exatas) ingressam no
egressos de cursos técnicos. MÓDULO II, permitindo a conclusão do curso em 1
ano (dois semestres letivos)
3. A necessidade crescente de um conhecimento mais
sólido em informática, especificamente em planilhas 2. As disciplinas Fundamentos de Metrologia I e II foram
eletrônicas, impulsionou a criação da disciplina unificadas, possibilitando aos alunos a aquisição, já no
Tratamento de Dados em Metrologia. módulo II, de conhecimentos teóricos sobre estimativa
da incerteza de medição.

3. Foi concebida a disciplina Técnicas Laboratoriais em


Química, visando a um maior preparo do aluno para a
disciplina Metrologia Química.
4. A disciplina Controle Estatístico de Processo foi transformada em Análise de Sistemas de Medição,
aplicável a laboratórios, estudos de linearidade, da instituição, que visa ao ingresso dos alunos nos cursos
tendência, repetitividade e reprodutibilidade (estudos de técnicos a partir do 1º ano do nível médio. Desse modo, os
R&R), bem como o Controle Estatístico do Processo alunos prestam concurso para os Cursos Técnicos
(CEP) aplicado ao processo de produção. Passando a oferecidos pelo CEFET Química de Nilópolis (Química,
incluir em seu programa cartas de controle. Biotecnologia, Meio Ambiente e Controle Ambiental,
Farmácia e Metrologia) e ingressam no que chamamos de
5. A disciplina Higiene, Segurança e Normas do
Iniciação Tecnológica, cursado o ensino médio
Trabalho foi transformada em Gestão em Saúde,
concomitantemente, se assim o desejarem. Destacamos a
Segurança e Meio Ambiente. Por entendermos ser esse
seguir as principais alterações na grade curricular e seus
um estudo mais abrangente, buscamos transmitir ao
significados:
aluno uma visão mais ampla das Normas NBR ISO
14001 e OHSAS 18001.
1. Técnicos em áreas afins (ciências exatas) ingressam no
MÓDULO IV, permitindo a conclusão do curso em 1
6. A disciplina Pesquisa em Metrologia e Qualidade
ano (dois semestres letivos)
Industrial foi retirada do curso e em seu lugar inserimos
Normalização e Gestão da Qualidade Aplicada,
2. O nivelamento acaba e os alunos ingressam na
também por entendermos ser esse um estudo mais
Iniciação Tecnológica I.
abrangente e permitir ao aluno a aplicação na prática
dos conceitos de gestão da qualidade adquiridos
3. A carga horária em Química aumenta com as
previamente, enfatizando-se a NBR ISO/IEC 17025 e
disciplinas Química Aplicada I e II.
NBR ISO 9001.
4. Para atender as necessidades dos laboratórios e
Nivelamento Módulo I Módulo II Módulo III
desenvolver nos nossos alunos as habilidades com
circuitos, multímetros e eletrônica básica, cria-se a
Métodos Métodos
Inglês Estatísticos Estatísticos disciplina Metrologia Elétrica.
Matemática
Instrumental para para
Metrologia I Metrologia II 5. A união das disciplinas Métodos Estatísticos para
Metrologia I e II traz a visão geral da estatística
Instrumentação necessária ao aluno e o prepara melhor para o último
Metrologia
Física Informática Industrial módulo.
Dimensional
Aplicada
6. A dificuldade de se estimar e propagar a incerteza de
Normalização medição sem o conhecimento do cálculo diferencial nos
Língua Redação Metrologia
e Gestão da fez introduzir a disciplina Cálculo Diferencial, cujo
Portuguesa Técnica Química
Qualidade objetivo é expandir os conhecimentos dos alunos na
estimativa da incerteza de medição, possibilitando seu
Tratamento de crescimento como técnico.
Normalização
Dados e
Física e Gestão da
Informática Software para
Aplicada Qualidade Percebemos, através de pesquisa junto ao mercado de
Controle
Aplicada trabalho, que o conhecimento do Cálculo Diferencial
Metrológico
preenche uma lacuna na formação do discente
Técnica Análise de possibilitando uma maior autonomia ao laboratório por
Fundamentos poder desenvolver suas planilhas de cálculo de
Laboratoriais Sistemas de
de Metrologia
em Química Medição incerteza.

Gestão em
Saúde, Meio
Inglês
Ambiente e
Instrumental II
Segurança do
Trabalho

Carga horária total = 1200 horas

Tabela 6

d) A versão atual do Curso Técnico em Metrologia (ver


tabela 7) incorporou uma determinação da Direção Geral
Iniciação Iniciação
Módulo III Módulo IV Módulo V
Tecnológica I Tecnológica II
Métodos Estatísticos
Matemática I Matemática II Inglês Instrumental I Metrologia Elétrica
para Metrologia

Expressão Expressão
Instrumentação
Informática Metrologia Dimensional
Industrial Aplicada
Oral e Escrita Oral e Escrita

Normalização e Gestão da
Informática Informática Cálculo Diferencial Metrologia Química
Qualidade

Normalização
Física Física Tratamento de Dados e
Física Aplicada II Software para Controle
Metrológico e Gestão da
Aplicada I Aplicada III
Qualidade Aplicada

Fundamentos de Análise de Sistemas


Química Aplicada I Química Aplicada II
Metrologia de Medição

Gestão em Saúde,
Meio Ambiente e
Inglês Instrumental II
Segurança do
Trabalho

Carga horária total = 1300 horas

Tabela 7

5.CONCLUSÃO Para que possamos atingir nosso objetivo é necessário


integração entre as diversas disciplinas do curso e análise
A formação em recursos humanos nas áreas técnicas e crítica constante, resultando numa periódica revisão das
tecnológica é tarefa do CEFET Química de Nilópolis/RJ. ementas e sua matriz curricular para que possamos atender
Durante 60 anos, nossa instituição acumulou larga as necessidades do mercado, construindo um roteiro
experiência nessa área e reconhecimento por parte do formativo coerente com sua prática.
mercado de trabalho e de toda a comunidade.
6. BIBLIOGRAFIA
Enfatizamos o fato de ser importantíssimo neste momento a
formação em recursos humanos na área de metrologia. Esse
setor, como sabemos, está em ampla expansão e é
1. Fonte de Dados Estatísticos: Coordenação de Registro
estratégico para o país. Assim, não se pode deixar de lado a
Escolar do CEFET Química de Nilópolis - CRE.
preocupação em formar Técnico em Metrologia para que
possamos ter profissionais especializados e críticos nas 2. Programa Nacional para Formação e Capacitação de
empresas, indústrias e laboratórios. Recursos Humanos - Programa RH-Metrologia.
Documento Básico. ISBN 85-86768-06-5. 1999.
Observamos um movimento no mercado metrológico em
busca de cursos avulsos na área, como: cálculo de incerteza
de medição; normas de qualidade; controle estatístico do 3. Programa Nacional para Formação e Capacitação de
processo; estatística aplicada à controle de qualidade etc. Recursos Humanos - Programa RH-Metrologia.
Consideramos tais iniciativas válidas mas trabalhamos no Resultado da 1º fase. ISBN 85-86768-05-7. 1999.
sentido de formar um técnico em metrologia de forma
integrada, discutindo, por isso, essas questões também de
maneira integrada.
7 AGRADECIMENTOS

Gostaríamos de agradecer aos professores que contribuíram


direta ou indiretamente na construção do Curso Técnico em
Metrologia do CEFET Química de Nilópolis/RJ.

♦ André Alves dos Santos


♦ Armando dos Santos Maia
♦ Francisco Esteves
♦ José Carlos Sayão
♦ Luiz Edmundo Vargas de Aguiar
♦ Margarete Friedrich
♦ Marise Nogueira Ramos
♦ Maura Ventura Chinelli
♦ Robério Fernandes Alves de Oliveira
♦ Sérgio Henrique Júnior

Agradecemos também a Profa Isabel Vitória Pernambuco


pela importante revisão do texto.

Contatos:

Prof. Alexandre Mendes - amendes@cefeteq.br


Prof. Wanderley Carrera - carrew@ibest.com.br