Você está na página 1de 90

PRÁTICAs DE LETRAMENTOS

NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO

3º ANO

LEITURA, PRODUÇÃO DE TEXTOS


ESCRITOS E ANÁLISE LINGUÍSTICA
CONSOLIDANDO

1
caderno
Copyright © 2017 - 30 Ano - Leitura, produção de textos escritos e análise linguística - Consolidando - Caderno
1 (Coleção Práticas de Letramentos no Ciclo de Alfabetização)
Efetuado o Depósito Legal na Biblioteca Nacional,
conforme a Lei n 10.994, de 14 de dezembro de 2004.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À EDITORA DO CCTA

É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio. A violação dos direitos
autorais.
(Lei n 9.610/1998) é crime estabelecido no artigo 184 do Código Penal

O conteúdo desta publicação é de inteira responsabilidade do(s) autores).

Impresso no Brasil. Printed in Brazil

EVANGELINA MARIA BRITO DE FARIA


JULIENE LOPES RIBEIRO PEDROSA PEDROSA
MARIA APARECIDA VALENTIM AFONSO
MARIA CLAURÊNIA ABREU DE ANDRADE SILVEIRA
MARIANNE CARVALHO BEZERRA CAVALCANTE
TEREZINHA ALVES FERNANDES
Autoras

CÉSAR RODRIGO MOURA SOUSA DO NASCIMENTO


MÔNICA CÂMARA
SÂMELLA ARRUDA ARAÚJO
WELLINGTON COSTA OLIVEIRA
Projeto gráfico / Ilustração / Diagramação

FREEPIK
Designed by

ISABELLE CAHINO DELGADO


Revisora de texto

EDITORA DO CCTA

JOÃO PESSOA - PB
2017

RICARDO VIEIRA COUTINHO


Governador

ANA LÍGIA COSTA FELICIANO


Vice-Governadora

ALÉSSIO TRINDADE DE BARROS


Secretário de Estado da Educação

JOSÉ ARTHUR VIANA TEIXEIRA


Secretário Executivo de Administração de Suprimentos e Logística

ROZIANE MARINHO RIBEIRO


Secretária Executiva da Gestão Pedagógica

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação


Bibliotecária Josélia Oliveira – CRB15/113

L533 Leitura, produção de textos escritos e análise linguística: consolidando: 3°


ano: caderno 1 / Evangelina Maria Brito de Faria ... [et al.] (Org.). – João
Pessoa : Editora do CCTA, 2017.
89 p. : il. color.
ISBN 978-85-67818-98-6
1. Leitura. 2. Produção de textos. 3. Análise linguística. 4. Alfabetização.
I. Faria, Evangelina Maria. II. Pedrosa, Juliene Lopes Ribeiro. III. Afonso,
Maria Parecida Valentim. IV. Silveira, Maria Claurênia Abreu de Andrade.
V. Cavalcante, Marianne Carvalho Bezerra. VI. Fernandes, Terezinha Alves.

CDU 372.4
SUMÁRIO
1ª UNIDADE - HISTÓRIAS....................................................................07
CONHECENDO O TEXTO: FÁBULA.............................................................10
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................11
IDENTIFICANDO O GÊNERO.....................................................................14
PRODUZINDO TEXTO................................................................................15
BRINCANDO COM AS PALAVRAS..............................................................16
DESTACANDO ADJETIVOS........................................................................17
CONHECENDO O TEXTO: FÁBULA.............................................................23
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................24
IDENTIFICANDO O GÊNERO.....................................................................25
PRODUZINDO TEXTO................................................................................26

2ª UNIDADE - CURIOSIDADES.............................................................27
CONHECENDO O TEXTO: TEXTO INFORMATIVO..........................................30
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................31
IDENTIFICANDO O GÊNERO.....................................................................33
CONHECENDO O TEXTO: TEXTO INFORMATIVO ........................................34
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................35
AVALIANDO A LEITURA DO TEXTO..............................................................36
DESTACANDO A GRAFIA..........................................................................36
PRODUZINDO O TEXTO............................................................................41

3ª UNIDADE - NATUREZA....................................................................43
CONHECENDO O TEXTO: POEMA.............................................................46
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................47
IDENTIFICANDO O GÊNERO.....................................................................48
DESTACANDO SÍLABAS.............................................................................49
CONHECENDO O TEXTO: POEMA.............................................................51
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................52
DESTACANDO DÍGRAFOS.........................................................................53
CONHECENDO O TEXTO: POEMA.............................................................55
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................56
DESTACANDO DÍGRAFOS.........................................................................57
BRINCANDO COM AS PALAVRAS..............................................................58
CONHECENDO O TEXTO..........................................................................61
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................62
DESTACANDO DÍGRAFOS.........................................................................63
PRODUZINDO TEXTO................................................................................65
SUGERINDO LEITURAS...............................................................................66

4ª UNIDADE - COMUNICAÇÃO............................................................67
CONHECENDO O TEXTO: CARTA..............................................................69
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................71
AVALIANDO A LEITURA DO TEXTO..............................................................73
IDENTIFICANDO O GÊNERO.....................................................................74
DESTACANDO LINGUAGEM FORMAL E INFORMAL......................................75
DESTACANDO SINAIS DE PONTUAÇÃO.......................................................76
DESTACANDO A GRAFIA..........................................................................79
PRODUZINDO TEXTO................................................................................82
IDENTIFICANDO O GÊNERO.....................................................................83
CONHECENDO O TEXTO: BILHETE.............................................................84
CONVERSANDO SOBRE O TEXTO..............................................................84
PRODUZINDO TEXTO................................................................................85
BRINCANDO COM AS PALAVRAS..............................................................86
SUGERINDO LEITURAS......................................................................87

4
APRESENTAÇÃO

CARO ALUNO,
CARA ALUNA,

NESTAS PÁGINAS, VOCÊ VAI COMPREENDER MELHOR O MUNDO


DA LEITURA E DA ESCRITA. ESPERAMOS QUE VOCÊ GOSTE DA
DESCOBERTA.

VAMOS CONSOLIDAR?
7
VAMOS LER ESTA IMAGEM?

O SAPO E O COELHO

Fonte: https://goo.gl/YMH0US

1. Você reparou bem na imagem? Se não, volte a ela, para ver melhor
e responda:

a) O que você vê nesta imagem?

b) O que você acha que cada personagem está fazendo?

c) Na sua opinião, o que eles estão dizendo? Qual é o assunto da


conversa?

9
CONHECENDO
O TEXTO

O SAPO E O COELHO
O coelho vivia zombando do sapo. Achava-o preguiçoso e
lerdo, incapaz de qualquer agilidade. O sapo
ficou zangado:
- Quer apostar carreira comigo?
- Com você? – assombrou-se o coelho.
- Justamente! Vamos correr amanhã, você na
estrada e eu pelo mato, até a beira do rio...
O coelho riu muito e aceitou o desafio. O sapo
reuniu todos os seus parentes e distribuiu-os na
margem do caminho, com ordem de responder aos gritos do
coelho.
Na manhã seguinte, os dois enfileiraram-se e o coelho disparou
como um raio, perdendo de vista o sapo que saíra
aos pulos. Correu, correu, correu, parou e perguntou:
- Camarada Sapo?
Outro sapo respondia dentro do mato:
- Oi?
O coelho recomeçou a correr. Quando julgou que
seu adversário estivesse bem longe, gritou:
- Camarada Sapo?
- Oi? – coaxava um sapo.
Debalde, o coelho corria e perguntava, sempre ouvindo o sinal
dos sapos escondidos. Chegou à margem do rio, exausto, mas já
encontrou o sapo, sossegado e sereno, esperando-o. E o coelho
declarou-se vencido e não riu mais do sapo.
Luís da Câmara Cascudo. Contos populares do Brasil (folclore). Rio de Janeiro: Tecnoprint, s/d. Edições de Ouro. p.132.

10
PARA Esta história foi contada há muitos anos, a
PARA SABER Esta
Luís históriaCascudo,
da Câmara foi contada há muitos anos, a
e publicada
MAIS por ele, no livro intitulado Contos Populares
SABER Luís
do Brasil.
da Câmara Cascudo, e publicada
MAIS por contou
Quem ele, no estalivro intitulado
história a CascudoContos
foi Populares
Henrique Torres de Almeida, que morava
do Brasil.
no município de Souza, na Paraíba.
Quem contou esta história a Cascudo foi
Henrique Torres de Almeida, que morava
no município de Souza, na Paraíba.

Conhecendo o autor:

LUÍS DA CÂMARA CASCUDO

Foto: http://homoliteratus.com/luis-da-camara-
NATURAL DO RIO GRANDE DO NORTE, OUVIU E
REGISTROU MUITAS HISTÓRIAS E PUBLICOU-AS EM
LIVROS. ELE ERA FOLCLORISTA. PESQUISAVA A

cascudo-o-homem-mito/
CULTURA DO POVO. REGISTROU, ALÉM DE HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA,
OUTROS TEXTOS COMO PARLENDAS, ADIVINHAS, PROVÉRBIOS,
BRINCADEIRAS, COSTUMES DA POPULAÇÃO. PUBLICOU MUITOS LIVROS E
FICOU CONHECIDO NO BRASIL E NO EXTERIOR.
OBSERVE QUE ELE NÃO É O AUTOR DA HISTÓRIA, MAS SIM QUEM A PUBLICOU
EM LIVRO.

CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
1. Com base no texto lido, responda:

a) Por que o sapo desafiou


o coelho?

11
b) Qual foi o desafio
lançado pelo sapo?

c) O que o sapo fez para


vencer o desafio?

d) Escreva o nome do
contador de histórias que
narrou essa fábula para
Luís da Câmara Cascudo:

2. No início da fábula, como era a cconvivência entre o coelho e o


sapo?

3. O que o sapo propõe ao coelho?

4. Como o coelho reage frente ao desafio?

12
5. E o sapo, como se preparou para vencer o coelho?

6. O sapo venceu o coelho?

7. Como terminou a história?

8. Você e o texto.

O coelho acreditava que, por ser mais ágil, venceria o sapo. Mas o
sapo buscou uma forma criativa para vencer o coelho. Com base
nessa afirmação, responda:

a. Como você agiria se estivesse no lugar do sapo?

b. E se você estivesse no lugar do coelho, como teria agido?

13
c. Na sua opinião, por que o coelho aceitou o desafio do sapo?

d. Você considera acertada a atitude do sapo para vencer o


coelho?

Identificando
o gênero

ESSA HISTÓRIA QUE VOCÊ LEU É UMA FÁBULA.


UMA FÁBULA É UMA HISTÓRIA CURTA QUE TRAZ, NO FINAL, UMA LIÇÃO
EDUCATIVA.
NA MAIORIA DAS FÁBULAS, OS PERSONAGENS SÃO ANIMAIS QUE SE
COMPORTAM COMO SERES HUMANOS, COMO VOCÊ PODE OBSERVAR NA
FÁBULA INTITULADA O COELHO E O SAPO, QUE VOCÊ JÁ LEU.

14
PRODUZINDO
TEXTO
No espaço abaixo, reescreva e ilustre a fábula O Sapo e o Coelho,
criando um novo final.

15
Brincando
as
com as palavr
Relendo a história do coelho e do sapo, você encontra estas palavras:
.

SOSSEGADO, ESCONDIDOS, COELHO, EXAUSTO, VENCIDO,


SAPO, CAMARADA, MATO.

Circule, no Caça-palavras, a seguir, as palavras do quadro anterior:

A L U G B H E L U N
S O S S E G A D O P
M S Z A V I P H S J
P I J P E W S R C F
E S C O N D I D O S
X J A M C I N V E C
A P M F I Ç A R L K
U E A C D T L M H U
S X R M O M P B O Y
T Z A N B A O X V T
O L D O C Q F U Y A
P M A T O J P I L K

16
DESTACANDO
aDJETIVOS
1. No texto lido, aparecem caraccterísticas dos animais. Você
identificou algumas delas? Quais?

2. Escreva uma frase com cada uma dessas palavras. Se não souber
o significado da palavra, procure no dicionário.

a) Sossegado

b) Zangado

c) Exausto

3. No início da fábula que você leu, o coelho achava o sapo preguiçoso


e lerdo. No final, o coelho encontra o sapo sossegado e sereno.

Observe que as palavras grifadas


modificam o significado da palavra ‘sapo’

17
A palavra que caracteriza o substantivo, indicando qualidade, defeito,
modo de ser ou estado é denominada ADJETIVO

4. Pesquise, no dicionário, o significado das seguintes palavras, de acordo


com os sentidos que elas têm na fábula O coelho e o sapo:

a) sereno

b) lerdo

5. Reescreva as frases seguintes, substituindo as palavras sublinhadas


pelas palavras que você encontrou, no dicionário, com o mesmo
significado.

a) O sapo parecia sereno porque acreditava na vitória.

b) O sapo se fingia de lerdo para enganar o coelho.

18
6. Observe os animais abaixo e escreva dois adjetivos para cada um:

Característica física Outra


(pelo, olho, focinho, Característica
Animal
cauda, pata, casco etc.) (comportamento,
atitude etc)

Gato

Cachorro

Tartaruga

7. Complete as frases com dois adjetivos, conforme o modelo:

Carina é estudiosa e atenta

substantivo adjetivo adjetivo

a) O céu estava e

b) O caderno da menina era e

19
c) O cachorro de Mateus é e

8. Observe as imagens abaixo e escreva três características de cada uma:

Substantivo adjetivo adjetivo adjetivo


comum

9. Leia as frases abaixo e circule os adjetivos:

a) Raquel vestiu sua linda fantasia.

b) A maçã que a menina comeu estava vermelha e


docinha.

c) O coelho esperto cochilou, pois sabia que o sapo


era preguiçoso.

d) O sapo, de tão lerdo, adormeceu.

20
10. Complete as frases com adjetivos do quadro abaixo:

unidos aterrorizantes suave estudiosos distante


educada inteligentes atentos marcante

a) As crianças gostam de ouvir histórias .

b) Na minha turma tem meninos muito .

c) Ao contar história, a voz da professora é e


ao mesmo tempo .

d) Os alunos da professora Carmem são ,


e .

21
VAMOS LER ESTA IMAGEM?

A LEBRE E A TARTARUGA

Imagem de Arthur Rackham (1867- 1939). In: Fábulas de Esopo. Compilação de Russell Ash e Bernard Higton. Tradução de Heloísa
Jahn. 2ª Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1994. (p.13).

1. A partir do que você observou na imagem, responda:


a) Quais animais você identifica?

b) Eles estão em uma casa. Como é essa casa onde eles estão?

c) O que eles estão fazendo?

22
CONHECENDO
O TEXTO

A LEBRE E A TARTARUGA
Um dia, uma tartaruga começou a contar vantagem, dizendo que
corria muito depressa, que a lebre era muito mole, e enquanto falava,
a tartaruga ria e ria da lebre. Mas a lebre ficou mesmo impressionada
foi quando a tartaruga resolveu apostar uma corrida com ela.
“Deve ser só de brincadeira!”, pensou a lebre.
A raposa era o juiz e recebia as apostas. A corrida começou, e na
mesma hora, claro, a lebre passou à frente da tartaruga. O dia estava
quente, por isso lá pelo meio do caminho a lebre teve a ideia de
brincar um pouco. Depois de brincar, resolveu tirar uma soneca à
sombra fresquinha de uma árvore.
“Se por acaso a tartaruga me passar, é só correr um pouco e fico na
frente de novo”, pensou.
A lebre achava que não ia perder aquela corrida de jeito nenhum.
Enquanto isso, lá vinha a tartaruga com seu jeitão, arrastando os pés,
sempre na mesma velocidade, sem descansar nem uma vez, só
pensando na chegada. Ora, a lebre dormiu tanto que esqueceu de
prestar atenção na tartaruga. Quando ela acordou, cadê a tartaruga?
Bem que a lebre se levantou e saiu zunindo, mas nem adiantava! De
longe, ela viu a tartaruga esperando por ela, na linha de chegada.
Moral da história: Devagar e sempre se chega na frente.
Fábulas de Esopo. Compilação de Russell Ash e Bernard Higton. Tradução de Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1994.

23
CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
1. Com base no texto lido, responda:

a) Quais são os animais que aparecem nesta fábula?

b) Que animal é este: uma lebre? (Se você não sabe, procure a palavra
‘lebre’ no dicionário)

c) A tartaruga, contando vantagem, chamou a lebre para apostar


corrida. O que foi que a lebre pensou?

d) Como a lebre se comportou, no começo da corrida?

2. Você leu duas histórias: O sapo e o coelho e A lebre e a tartaruga.


Você percebeu que essas histórias são parecidas?

( ) SIM ( ) NÃO

24
3. As ações do coelho em uma história são semelhantes às ações da
lebre na outra? Em que elas são parecidas?

4. As formas de agir do sapo e da tartaruga são diferentes?

( ) SIM ( ) NÃO

a) Como agiu a tartaruga?

b) Como fez o sapo?

Identificando
o gênero

AS DUAS HISTÓRIAS QUE VOCÊ LEU, ONDE OS ANIMAIS FALAM E SE


COMPORTAM COMO SERES HUMANOS, SÃO CONHECIDAS COMO FÁBULAS.
OBSERVE QUE AS DUAS FÁBULAS LIDAS SÃO BEM PARECIDAS, MAS NÃO SÃO
IGUAIS. MUITAS HISTÓRIAS FALAM SOBRE O MESMO ASSUNTO, O QUE MOSTRA
QUE PODEMOS CRIAR HISTÓRIAS PARECIDAS COM AS QUE OUVIMOS E
APRENDEMOS...

25
PRODUZINDO
TEXTO
1. Vamos recontar a fábula através das ilustrações. Escreva sobre as
partes da fábula que estão representadas nas gravuras, a seguir.
a) Gravura 1

b) Gravura 2

c) Gravura 3

26
VAMOS LER ESTAS IMAGENS?

Jornal do Dia

Como podemos nos informar? Na atual sociedade, dispomos de


diferentes fontes de informação. Observe as imagens e veja algumas
formas utilizadas para obter informação: Livros, jornais, internet, TV
etc. Você já usou alguma delas? A qual dessas fontes você tem mais
acesso? O que faz para obter informações na escola e em casa?

29
CONHECENDO
O TEXTO

O QUE ELES PENSAM?


Uma colher de açúcar diluída em
duas piscinas olímpicas.
É isso que um CACHORRO con-
segue farejar. Por isso ele sabe
quando você está chegando. E o
cão sente saudade de você
também. Do jeito dele, mas sente.

Enquanto os seres humanos tem ˆ


a percepção maior do mundo
através da visão, os cães sentem
a realidade com o focinho. Essa
sensibilidade com o nariz faz do mundo dos cachorros um estrato de
diferentes cheiros. Esse supernariz também lhes confere a habilidade de
um detetive. Graças aos odores que exalamos e aos pequenos vestígios
que deixamos pelo caminho, o cão sabe quase tudo sobre seu dono: por
onde andou, que objetos tocou, o que comeu, se beijou alguém ou se
correu um pouco.
Cães também aprendem rápido no convívio com pessoas selecionando
aquelas que podem colaborar com eles e que lhes dão atenção. O
segredo deles é o contato visual. Eles são os únicos bichos que sabem o
que você está pensando: olhando nos olhos, eles podem detectar o nível
de atenção dos donos e atuar de acordo com eles. Essa habilidade é um
atributo evolutivo: cães são descendentes dos lobos que trocaram a
matilha pelas aglomerações humanas há 13 mil anos. Hoje, todo cão é
expert em contato visual, não há como negar sua inteligência.
Fonte: Revista superinteressante ed. 289, mar/2011. O que pensam os animais?
Imagem <http://www.tendenciademulher.com.br/wp-content/uploads/2013/04/Cachorro-xixi-01.jpg>

30
CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
1. A partir da leitura realizada, responda:

a) Qual é o assunto do texto?

b) Qual o título do texto?

c) O que pode significar “os cães sentem a realidade com o focinho”?

d) De qual espécie os cães descendem?

e) O que você entendeu por contato visual?

31
2. Com o uso do dicionário, faça um X na alternativa que apresenta
o significado das palavras em destaque na frase:

a) Graças aos odores que exalamos e aos pequenos vestígios que


deixamos pelo caminho, o cão sabe quase tudo sobre seu dono

barulhos ( )

cheiros ( )

gemidos ( )

b) Graças aos odores que exalamos e aos pequenos vestígios que


deixamos pelo caminho, o cão sabe quase tudo sobre seu dono

marcas ( )

gestos ( )

pedaços ( )

3. Pesquise o significado da palavra detetive no dicionário e escreva


a seguir:

4. Você e o texto.

a) Você tem algum cão em casa?

b) Já teve alguma experiência como as relatadas no texto?

c) Será que todos os cães têm a mesma capacidade olfativa?

32
identificando
O GÊNERO

O texto informativo apresenta um determinado assunto e tem por objetivo


transmitir conhecimento a respeito do tema. A maioria dos leitores quando
têm em mãos um texto informativo têm a expectativa de aprender alguma
coisa com a leitura. É escrito em prosa, sendo utilizada a terceira pessoa do
discurso, fornece informações verdadeiras e objetivas sobre um
determinado tema. Apresenta citações, fontes, dados, de forma a provar a
sua credibilidade.

VAMOS LER ESTAS IMAGENS?

Você já viu um cão guia? Sabe qual é a sua função?


33
CONHECENDO
O TEXTO
Cão guia para cegos – tudo que você precisa saber!
Numa sociedade cada vez mais preocupada em incluir todas as pessoas e
eliminar todo e qualquer tipo de discriminação, os cães guia podem ser realmente
melhores amigos e participar ativamente desse contexto. Uma das melhores e
mais bem sucedidas formas até hoje encontradas para conduzir pessoas cegas
fora e até dentro de seu ambiente particular, os cães guias são normalmente da
raça Golden Retriever, Labrador ou Pastor Alemão.
Os cães guia são treinados em escolas específicas
e fornecidos gratuitamente para pessoas com
deficiência visual. Essas escolas vivem em sua
maioria de doações e não possuem fins lucrativos,
sendo denominadas filantrópicas. São um belo
exemplo de altruísmo e amor ao próximo. A
exemplo dos cães guia que desempenham
funções quase que única e exclusivamente para
satisfazer e auxiliar o seu dono.
Estes cães são adestrados para estar sempre prontos a atender o chamado da
pessoa deficiente que o conduz, nesse caso, havendo curiosa inversão, afinal de
contas, quem conduzirá de fato? O cão ou a pessoa? É a pessoa quem dá as
diretrizes, mas o cão guia quem lhe avisa dos perigos e fornece as condições para
que o caminho esteja apto à passagem da pessoa cega ou com grave
deficiência visual.
Uma curiosidade, é que estes animais, como todos os outros da espécie, não têm
a habilidade de diferenciar cores, tornando-se impossível interpretarem semáforos.
No entanto, eles se valem de outros fatores para avisarem ao dono se é possível
sua passagem ou não. Essa linguagem do cão guia deverá ser aprendida pela
pessoa cega da mesma maneira que o cão se adapta aos comandos do dono.
Na verdade, trata-se de uma relação bastante interativa, onde cada um dos
envolvidos auxilia com aquilo que ele tem de melhor. Cães guia tem forte faro,
movimentos bem apurados e inteligência capaz de distinguir eventuais perigos e
enviá-los ao dono da maneira mais rápida possível, para que este possa tomar a
decisão final. São grandes amigos do homem em todas as circunstâncias, e bem
fiéis, como sempre!
Fonte: http://www.estimacao.com.br/cao-guia- para-cegos- tudo-que- voce-precisa-saber/&gt; Image: http://br.freepik.com/

34
Conversando
sobre o texto
Após a leitura do texto, responda:
1. Qual é a principal informação que o texto nos passa?

2. Que raças são mais adequadas para desempenhar a função de


cão guia?

3. De onde foi retirado esse texto?

4. Qual o título do texto?

5. Os cães são treinados para exercer a função de guias em escolas


filantrópicas. O que é uma escola filantrópica?

6. Qual a principal função do cão guia?

35
AVALIANDO A LEIT
URA
DO TEXTO

Questões Sim Não

Gostei do texto que li?

Obtive informações novas?

A leitura foi fácil?

Recomendo a leitura a outras pessoas?

DESTACANDO
A GRAFIA
Escrita de palavras com ce,ci,ca,co, cu, ç.

1. Observe estas palavras:

CÃO CONTAS CURIOSIDADE CEGO DEFICIENTE FORNECE

a) Leia as palavras do primeiro grupo em voz alta;


b) Leia as palavras do segundo grupo em voz alta;
c) Observe as vogais que aparecem depois da letra C;
d) O que acontece com o som da letra C?

36
2. Leia as palavras dos quadros abaixo e sublinhe a palavra que
apresenta o som do C diferente das demais. Em seguida, escreva
uma palavra que combine com as do quadro.

Cidade Cadeado

Cego Coruja

Casa Cenoura

Circo Cone

Doce Cuia

3. Complete as palavras com as sílabas adequadas ce, ci, ca, co,


cu.

____garra feli____dade capa____te ____elho

____marada ____ju ba____a ____co

____íca ____bola ____ramujo a____dente

te____do va____na cro____dilo ____samento

4. Agora, copie abaixo as palavras do quadro, observando a escrita correta:

37
5. Leia o seguinte trecho:

“Essas escolas vivem em sua maioria de doações


e não possuem fins lucrativos, sendo denominadas
filantrópicas.”

a) Nesse trecho a palavra DOAÇÕES está escrita com Ç.

b) Leia novamente o trecho e tente perceber o som do Ç.

c) Observe que o som do S é representado pelo Ç.

ATENÇÃO
Ç só aparece no meio das palavras e entre vogais, ou seja, não
podemos usar o Ç no início das palavras. Depois do Ç aparecem as
vogais A, O, U.

6. Leia as palavras:

Paçoca Maçã
Função Açúcar
Açude Açaí
Açougue Cupuaçu

a) Sublinhe, nas palavras, as letras que aparecem depois do Ç.

b) Quais as letras marcadas?

c) Essas letras são chamadas:

38
7. Escreva frases com as palavras com Ç:

Moço - Caça

Açúcar – Maçã

Almoço – Paçoca

8. Troque o letra C pelo Ç e veja a palavra que formou:

troco

louca

moco

coca

tranca

39
9. Complete o texto com as sílabas adequadas.

No domingo eu e meus amigos fomos à sorveteria. O estabelecimento pertence a


dona Açucena. Pedimos o cardápio para conhecer os sabores dos sorvetes. As opções
eram muitas. Vejam alguns sabores deliciosos que conhecemos:

- Cupua____ com mel.

- ma____ com iogurte.

- pa____ca de amendoim com cho____late.

- a____í com co____.

- ma____ com ____ramelo.

- melan____a com a____car colorido.

Não resisti e comecei a experimentar.

10. Escreva, abaixo, as palavras com Ç que aparecem no cardápio:

11. Observe e leia os três grupos de palavras:

CE – CI CA – CO – CU Ç

alface cocada almoço

cenoura cuíca linguiça

morcego caminho moço

cebola cunhada braço

melancia crocodilo trança

doce abacate cadarço

40
12. Escreva 2 frases utilizando palavras dos 3 grupos, como no exemplo
abaixo:

Ex: A menina de trança pediu a mãe para


fazer cocada, doce que ela adora.

a)

b)

PRODUZINDO
TEXTO
A partir das informações fornecidas pelos dois textos lidos e de
outros que você pode pesquisar, escreva um texto informativo sobre
cachorros. Lembre-se de fornecer informações verdadeiras. Para
ajudá-lo, pense no esquema: conceituação, expectativa de vida,
relacionamento com os seres humanos.

41
3ª UNIDADE

NATUREZA
VAMOS LER ESTAS IMAGENS?

Cecília Benevides de Carvalho M


nasceu em 1901 e faleceu em 19
Rio de Janeiro.
Foi uma poetisa, pintora, profess
jornalista brasileira. É considerada
das autoras mais importantes da lite
brasileira.
Fonte: http://kdfrases.com/autor/cec%C3%ADlia-meireles

Na sua casa há um jardim? Você gosta de observar flores, árvores,


pássaros? Na cidade onde você mora existem praças com jardins?
Vamos ler poemas que falam da natureza.

45
CONhecendo
O TEXTO

LEILÃO DE JARDIM
Quem compra um jardim
com flores?
Borboletas de muitas
cores,
lavadeiras e
passarinhos,
ovos verdes e azuis
nos ninhos?
Quem me compra este
caracol?
Quem me compra um raio
de sol?
Um lagarto entre o muro
e a hera,
uma estátua da
Primavera?
Quem me compra este
formigueiro?
E este sapo, que é
jardineiro?
E a cigarra e a sua
canção?

E o grilinho dentro
do chão?
Fonte: MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. Ilustrações de Fernanda Correia Dias.
(Este é o meu leilão!)
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

46
CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
1. Qual o título do poema?

2. O que é um leilão?

3. Você gostou da forma de apresentação do poema? Por quê?

4. Escreva os nomes das coisas que estão sendo vendidas no ‘Leilão


de Jardim’.

5. Nos versos abaixo, circule as palavras que apresentam o som


parecido.
Quem compra um jardim lavadeiras e
com flores passarinhos,

Borboleta de muitas ovos verdes e azuis


cores, nos ninhos?

6. Você já ouviu o canto da cigarra?


( ) Sim ( ) Não
7. O que você desejaria comprar nesse leilão?

47
CONhecendo
a autora

Cecília Benevides de Carvalho Meireles


nasceu em 1901 e faleceu em 1964, no
Rio de Janeiro.
Foi uma poetisa, pintora, professora e
jornalista brasileira. É considerada uma
das autoras mais importantes da literatura
brasileira.
Fonte: http://kdfrases.com/autor/cec%C3%ADlia-meireles

identificando
O GÊNERO

Poema é uma composição literária, poética, escrita em versos.


Nos poemas, as palavras são escolhidas para melhor dizer o que o ou a
poeta quer expressar.
Leilão de jardim é um poema. Cecília Meireles é poeta (ou poetisa).

48
destacando
sílabas

Quando pronunciamos palavras, podemos dizer cada ‘pedacinho’ de cada


palavra. Veja a palavra caracol. Tem 7 letras. Podemos dividir essa palavra
em três pedacinhos: ca-ra-col. Cada ‘pedacinho’ desse é denominado
sílaba.

1. Separe as sílabas, registre o número de letras da palavra e o número


de sílabas das palavras abaixo como no exemplo:

jardim jar-dim 6 letras 2 sílabas

jardineiro

cores

lavadeira

primavera

flores

49
VAMOS LER ESTA IMAGEM?

Nesta chácara tem espaço para fazer muita coisa.


a) Anote no seu caderno as coisas que você, se passasse um final de
semana nesta chácara, poderia fazer lá.
Você sabe
b) Emo uma
que échácara
uma chácara?
também se pode plantar e colher verduras, frutas
Já visitou alguma
e até mesmo chácara?
produzir em maior quantidade para vender.
O que se faz em uma chácara?
c). O que se faz na chácara de Chico Bolacha?
Observe a chácara da imagem e compare com a que iremos
conhecer, através do poema de Cecília Meireles: A chácara
de Chico Bolacha.

50
CONHECENDO
O TEXTO

A CHÁCARA DE CHICO BOLACHA


Na chácara de Chico Bolacha
o que se procura
nunca se acha.

Quando chove muito,


o Chico brinca de barco
porque a chácara fica um charco.

Quando não chove nada,


Chico trabalha com a enxada
e logo se machuca
e fica de mão inchada.

Por isso, com o Chico Bolacha,


o que se procura
nunca se acha.
Dizem que a chácara do Chico
só tem mesmo chuchu
e um cachorrinho coxo
que se chama Caxambu.

Outras coisas, ninguém procure,


porque não acha.
Coitado do Chico Bolacha!

MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. Ilustrações de Fernanda Correia Dias.


Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987

51
CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
1. Qual o título do poema?

2. Quem é o dono da Chácara?

3. Quando chove muito, o que o Chico faz?

4. Quando Chico se machuca, o que acontece?

5. Por que Chico Bolacha é chamado de coitado?

52
DESTACANDO
DÍGRAFOS
No poema ‘A chácara de Chico Bolacha’ estão palavras que são escritas com ‘CH’.
O CH escrito nas palavras é um DÍGRAFO.
No dígrafo estão reunidas duas letras que são lidas como um som único.
Observe as palavras do título do poema: chácara, Chico Bolacha.

1. Retire do poema lido 5 palavras que registram este dígrafo (CH):

2. Escolha duas palavras registradas acima e faça uma frase com


cada uma delas:

a)

b)

Observe que, no poema A chácara de Chico Bolacha, também estão


palavras que têm o mesmo som do dígrafo ‘CH’. São palavras escritas com a
letra ‘X’, como: enxada.

53
3. Escreva três palavras iniciadas com X com som de CH.

4. Pesquise em revista ou jornal, palavras que sejam escritas com o


dígrafo ‘ch’ e/ou com a letra ‘x’. Recorte e cole as palavras encontradas:

5. Leia essas palavras e perceba o som do CH e do X.

6. Escreva os nomes das figuras, separe as sílabas, conte o número


de sílabas, com atenção.

separação
Figura Nome nº de sílaba
de sílaba

54
CONHECENDO
O TEXTO

BOLHAS
Olha a bolha d’água
no galho!
Olha o orvalho!

Olha a bolha de vinho


na rolha!
Olha a bolha!

Olha a bolha na mão


que trabalha

Olha a bolha de sabão


na ponta da palha:
brilha, espelha
e se espalha.
Olha a bolha!

Olha a bolha
que molha
a mão do menino:

A bolha da chuva da calha!


MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. Ilustrações de Fernanda Correia Dias.
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

55
CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
Releia o poema e responda:

1. Qual o título do poema?

Que tipos de bolhas estão mencionados no poema?

3. Você já viu todas essas bolhas?

4. O poema possui palavras com o som LH: bolha, rolha, brilha,


espelha. Esse som faz lembrar o quê?

5. Esse som contribui para dar a ideia de chuva?

56
DESTACANDO
DÍGRAFOS
Leia o poema em voz alta.
Observe que há um som que se repete em algumas palavras do poema.
Duas letras, juntinhas, o dígrafo LH, se repetem em muitas palavras.

1. Escreva abaixo palavras do texto com LH:

Veja que, tanto no poema ‘A chácara do Chico Bolacha’, como no poema


‘Bolhas’ temos a presença de muitas palavras que registram dígrafos.

Relembrando: O dígrafo reúne duas letras para formar um único som da


fala (fonema).
Atenção: Observe que as duas letras que formam os dígrafos (nh, lh, ch)
não se separam quando separamos as sílabas. Andam sempre juntas.
As duas letras juntas formam um único fonema, um som único.

2. Para percebermos melhor, vamos separar as sílabas de algumas


palavras que têm esses dígrafos.

chácara

bolacha

trabalho

ganho 57
bolacha

trabalho

ganho

acompanhar

BRI NC AN D O CO M
AS PALAVRAS
Circule, no Caça-Palavras, nos sentidos horizontal e vertical, as palavras
a seguir, que são escritas com os dígrafos ‘LH’, ‘CH’, ‘NH’:
BOLHA - TRABALHA, - CHÁCARA - ROLHA - ACHA - CHICO - ESPALHA - VINHO - CHUVA - GALHO

B N C K M I Ç V S U

O F H J E B U V T R

L O U P K C H I C O

H M V P A H I N K L

A I A V P Á W H E H

W H J E H C X O U A

H P N S M A K B S T

I P U P Q R X I T B

U T R A B A L H A K

H V H L C F N P C I

V X T H P L G J H L

L Z G A L H O P A E

V U N V Z Ç Y X K B

58
1. Escreva frases com as palavras do quadro a seguir:

chácara caminho Chico

filha trabalho

caminhando cheio chuva

59
VAMOS LER ESTA IMAGEM?

O que você acha dessa imagem? Algo chama a sua atenção?

60
CONHECENDO
O TEXTO

O MENINO AZUL
O menino quer um burrinho
para passear.
Um burrinho manso,
que não corra nem pule,
mas que saiba conversar.

O menino quer um burrinho


que saiba dizer
o nome dos rios,
das montanhas, das flores,
- de tudo o que aparecer.

O menino quer um burrinho


que saiba inventar
histórias bonitas
com pessoas e bichos MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. Ilustrações de Fernanda Correia Dias.
e com barquinhos no mar. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

E os dois sairão pelo mundo


que é como um jardim
apenas mais largo
e talvez mais comprido
e que não tenha fim.

(Quem souber de um burrinho desses,


pode escrever
para a Rua das Casas,
Número das Portas,
ao Menino Azul que não sabe ler).

61
CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
Após a leitura do poema, responda:
1. Na sua opinião, por que esse menino é azul?

2. Como é o burrinho que o menino quer?

3. O que o menino quer que o burrinho saiba?

4. Por onde o menino vai passear com o burrinho?

5. Se você souber de um burrinho como o menino deseja, deve


escrever para qual endereço?

6. Procure no dicionário o significado das seguintes palavras:


Manso
Inventar
Largo

62
DESTACANDO
DÍGRAFOS
Observe as palavras BURRINHO e PASSEAR.
Percebeu que, nestas palavras, há letras repetidas? RR e SS,
formando um único fonema. Esses também são dígrafos,
como os que observamos antes: LH, NH, CH. Mas esses
dígrafos (RR, SS) devem ser separados quando separamos as
sílabas das palavras.

Veja nos exemplos:

BURRINHO BUR-RI-NHO 3 sílabas

PASSARINHO PAS-SA-RI-NHO 4 sílabas

1. Agora é a sua vez de separar e contar as sílabas :

CORRER

PASSEAR

CARRO

AGARRAR

PESSOA

63
Você já sabe que as palavras são divididas em sílabas.
Há palavras com uma sílaba. São denominadas monossílabas, como
chão, flor, não ...
Palavras com duas sílabas são dissílabas: ven-to, flo-res, jar-dim...
Com três sílabas, são palavras trissílabas: co-ra-ção, bur-ri-nho...
As palavras escritas com mais de três sílabas são polissílabas:
a-ni-ma-ção, co-lo-ri-do...

2. Copie do poema O menino azul 4 palavras monossílabas (de uma


sílaba).

3. Escolha, no poema, 4 palavras que têm duas sílabas, somente. As


dissílabas. Escreva e separe as sílabas das palavras escolhidas.

Separação Separação
Palavra Palavra
de sílabas de sílaba

4. Copie 4 palavras que têm três sílabas. As trissílabas. Também


separe as sílabas dessas palavras.

Separação Separação
Palavra Palavra
de sílabas de sílaba

Observe as palavras:

passarinho borboletas colorido formigueiro

64
Essas são palavras que têm mais de três sílabas. São denominadas
polissílabas.

5. Copie as palavras e separe as sílabas de cada uma.

Separação Separação
Palavra Palavra
de sílabas de sílaba

6. Escolha duas palavras do quadro e escreva frases com elas.

PRODUZINDO
O TEXTO
Após a leitura dos poemas, você vai fazer uma estrofe com quatro
versos sobre algum dos temas dos poemas estudados.

65
SUGErindo
leituras

O tempo Tempo, tempo, tempo: ABC doido


Autor(a): Ivo Minkovicius quem pode com ele? Autor(a): Angela Lago
Imagens: Ivo Minkovicius Autor(a): Vitória Rodrigues e Imagens: Angela Lago
Silva
Imagens: Sidney Meireles
4ª UNIDADE

COMUNICAÇÃO

67
VAMOS LER ESTAS IMAGENS?

Você reconhece esses símbolos? Para que eles servem?

68
Nós podemos nos comunicar de várias formas, tanto através da
oralidade quanto da escrita. Também podemos nos comunicar pelas
expressões corporais e gestos.

Queremos falar sobre as formas de comunicação nas quais utilizamos


a escrita. Você utiliza a escrita para se comunicar com as pessoas no
seu dia a dia? Você escreve bilhetes? Já escreveu alguma carta?

Vamos ler um texto que fala sobre as cartas de uma menina chamada
Gabriela.

CONhecendo
O TEXTO

As cartas de Gabriela
A Gabriela é uma menina levada! Encapetada! Ela não mora muito longe
da escola. Então ela vem a pé, todos os dias.
Mas a Gabriela é xereta, curiosa e enxerida. Ela fica interessada em
tudo que vê.
E vem para a escola parando aqui, parando ali...
Para na esquina da padaria para espiar os doces. Para em frente à
casa do alemão para mexer com o papagaio.
- Louro, louro, dá o pé, louro.
E o louro, que já conhece Gabriela responde:
- Currupaco papaco! Louro quer café!
Gabriela adora brincar com o louro.
Quando ela passa pela casa do seu Matoso, que é um velho
rabugento, ela toca a campainha e sai correndo, para arreliar o coitado.
E sempre acontece alguma coisa diferente na rua e Gabriela para
para ver.
Outro dia parou um caminhão de frutas bem na frente da casa do
seu Matoso e ficou gritando:
- Morangos, morangos de Atibaia! Pêssego solta-caroço, um mel de
tão doce! 69
- Melão de Jaboatão!
- Maracujá de Jiparaná!
Quando ela passa pela casa do seu Matoso, que é um velho
rabugento, ela toca a campainha e sai correndo, para arreliar o coitado.
E sempre acontece alguma coisa diferente na rua e Gabriela para
para ver.
Outro dia parou um caminhão de frutas bem na frente da casa do
seu Matoso e ficou gritando:
- Morangos, morangos de Atibaia! Pêssego solta-caroço, um mel de
tão doce!
- Melão de Jaboatão!
- Maracujá de Jiparaná!
Seu Matoso saiu de casa furioso e pegou o megafone do vendedor
e jogou no chão e pisou em cima:
- Vamos parar com essa gritaria!
Gabriela adorava essas coisas, ficava espiando, esquecia da vida e ...
atrasava para a escola.
Às vezes atrasava tanto que nem ia à aula; ia zoar pelo bairro todo.
Nossa professora, Dona Claudinha, zangava com ela todo dia.
Até que uma vez ela chegou muito atrasada e a professora disse
que ia reclamar com a mãe dela. Gabriela apavorou, porque todo dia dona
Cidinha, a mãe dela, recomendava:
- Não vá parar em todo lugar como você gosta. Não vá chegar
atrasada à escola!
- Mas mãe eu sou uma aluna muito ótima! Eu já sei tudo!
- Se soubesse tudo não precisava ir à escola! Vamos! Vá embora!
Não vá se atrasar.
Então Gabriela viu que as coisas estavam ficando difíceis.
Ela pensou, pensou e resolveu escrever uma carta para dona
Claudinha:

Querida dona Claudinha,

Quero lhe pedir desculpas por nossa filhinha Gabriela chegar


sempre atrasada. É que nós moramos muito longe, quase na fronteira de
Minas Gerais. E minha filha tem que ir a pé.
Eu sinto muito que ela tenha faltado algumas vezes, mas é que ela
está sempre doente de tanto andar.
Obrigadinha

Dona Cidinha

Aí ela pensou mais um pouquinho e resolveu concluir o serviço.


E escreveu uma carta...para dona Cidinha.

Querida dona Cidinha,

Quero lhe dizer que sua filha Gabriela é a melhor aluna que eu já
tive. E eu já sou professora há quase 60 anos!
A Gabriela é tão sabida que ela pode vir à escola quando ela
quiser...

Beijos e abraços

Dona Claudinha. 70
Imagine a bronca que a Gabriela levou.
Então dona Cidinha resolveu:
Quero lhe dizer que sua filha Gabriela é a melhor aluna que eu já
tive. E eu já sou professora há quase 60 anos!
A Gabriela é tão sabida que ela pode vir à escola quando ela
quiser...

Beijos e abraços

Dona Claudinha.
Imagine a bronca que a Gabriela levou.
Então dona Cidinha resolveu:
- Pois todos os dias eu vou levar você para escola como se fosse
nenê. Nada de folias pelo caminho!
Durante uns dias a Gabriela chegou à escola na horinha.
Mas hoje, quando eu passei de ônibus pela avenida, a caminho da
escola, vocês sabem quem eu vi?
Pois vi a Gabriela mais a dona Cidinha, numa boa, muito
sossegadas, comendo pastel na feira...
Almanaque Ruth Rocha. Editora Ática, 2004.

CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
Após a leitura do texto, responda:
1. Quem é Gabriela?

2. Que características Gabriela tem?

3. Como é o comportamento de Gabriela no caminho para a escola?

4. Em que lugares Gabriela para no caminho para a escola?

71
5. Que frutas vendia no caminhão que estava em frente à casa do
seu Matoso?

6. O que acontecia com Gabriela todos os dias?

7. O que Gabriela resolve fazer quando percebe que as coisas


estavam ficando difíceis para ela?

8. Ligue o conteúdo das cartasescritas por Gabriela aos seus


remetentes:

A Gabriela é tão sabida que ela


pode vir à escola quando ela
quiser...

Dona Cidinha Eu sinto muito que ela tenha


faltado algumas vezes, mas é que
ela está sempre doente de tanto
andar.

Quero lhe dizer que sua filha


Gabriela é a melhor aluna que eu
Dona Claudinha já tive.

Quero lhe pedir desculpas por


minha filha Gabriela chegar
sempre atrasada.

9. Dona Cidinha resolve assumir o compromisso de levar Gabriela


para aula todos os dias. Após um certo período, o que acontece?

72
10. Você e o texto.

a. Você já escreveu uma carta? Para quem?

b. Já recebeu alguma carta? De quem?

c. Na sua família alguém escreve ou recebe cartas?

AVALIANDO A LEIT
URA
DO TEXTO

Questões Sim Não

Gostei do texto que li?

Foi divertido?

A leitura foi fácil?

Recomendo a leitura a outras pessoas?

73
identificando
O GÊNERO

CARTA PESSOAL
Conversando sobre o gênero: Carta pessoal
A carta pessoal é uma forma de correspondência escrita que favorece a
comunicação entre as pessoas. A carta pessoal tem partes essenciais que marcam
a sua estrutura. São elas:
Início da carta:
local – cidade de onde se escreve
data – dia, mês e ano em que se escreve
destinatário – nome da pessoa para quem se escreve
saudação - cumprimento à pessoa para quem se escreve
Assunto: a delimitação do assunto vai depender do objetivo da pessoa que
escreve a carta. Pode ser para obter ou mandar notícias, informar algum fato
ocorrido, trocar experiências etc.
Final:
mensagem de despedida
assinatura de quem escreve (remetente).

Observe as cartas escritas por Gabriela e responnda às questões:

Querida dona Claudinha, Querida dona Cidinha,

Quero lhe pedir desculpas por nossa Quero lhe dizer que sua filha Gabriela
filhinha Gabriela chegar atrasada. É é a melhor aluna que eu já tive. E eu
que nós moramos longe, quase na já sou professora há quase 60 anos!
fronteira de Minas Gerais. E minha A Gabriela é tão sabida que ela pode
filha tem que ir a pé. vir à escola quando ela quiser...
Eu sinto muito que ela tenha faltado
algumas vezes, mas é que ela está Beijos e abraços
sempre doente de tanto andar. Dona Claudinha

Obrigadinha.
Dona Cidinha

74
1. Ao ler as cartas, o que você pode concluir sobre o relacionamento
que Gabriela cria entre dona Cidinha e dona Claudinha?

2. Escreva as expressões da carta que mostram esse relacionamento.

1ª carta

2ª carta

DESTACANDO
linguagem formal e info
rmal

A linguagem utilizada por Gabriela nas cartas é uma linguagem


informal.
Linguagem informal pode ser usada com amigos, familiares, com
pessoas que temos intimidade.
Linguagem formal pode ser usada quando se fala com uma
autoridade, nos diferentes espaços sociais (escola, trabalho, orgãos
públicos, na cidade etc). Ao escrever cartas para pessoas que ocupam
determinados cargos e com as quais não temos intimidade é preciso

1. Reescreva as frases abaixo, trocando a linguagem informal pela


formal.
a) Ele tava com muita sede.

b) A professora fez uma atividade irada.

75
c) Felipe é um menino legal.

d) Esse moleque é maneiro.

2. Escreva a letra F na linguagem Formal e I na linguagem Informal:

Prezada Senhora Vou ao cinema com a galera.

Lívia, se liga na data da festa Querida Florzinha!

destacando
E PON TUAÇÃO
SINAIS D
1. Leia, em voz alta, as frases abaixo, marcando a pontuação.

Louro quer café!


Morangos, morangos de Atibaia!

Pêssego solta-caroço, um mel de tão doce!

Melão de Jaboatão!
Maracujá de Jiparaná!
Vamos parar com essa gritaria!

76
!
Sinal de Exclamação
Observe que todas as frases acima têm o sinal de exclamação (!).
O sinal de exclamação provoca diferença na leitura das frases,
fazendo-as ficaram mais vivas. Isso porque o sinal de exclamação
pode indicar alegria, espanto, admiração, surpresa, grito.
Agora que você recordou como o sinal de exclamação pode mudar
a leitura, releia as frases novamente agora com mais
expressividade.

2. Leia, em voz alta, as frases abaixo observando a pontuação.

Louro quer café?


Morangos de Atibaia?
Pêssego solta-caroço?
Melão de Jaboatão?
Maracujá de Jiparaná?
Vamos parar com essa gritaria?

?
Sinal de Interrogação
Observe que todas as frases acima têm o sinal de interrogação (?).
O sinal de interrogação provoca diferença na leitura das frases,
fazendo-as ficarem interrogativas, ou seja, as frases expressam uma
pergunta.
Agora que recordou que o sinal de interrogação usado no final da
frase indica uma pergunta e que ele altera a entonação na leitura,
releia as frases novamente, agora com mais expressividade.

Você percebeu que as frases lidas são praticamente as mesmas? No


entanto, foi necessário mudar a forma de ler cada uma. Isso foi provocado
pelo sinal de pontuação. Na primeira proposta, as frases tinham o sinal de
exclamação (!) e, na segunda proposta, as frases tinham o sinal de
interrogação (?).

77
3. Use adequadamente os sinais de pontuação (! e ?).

a) Carla é uma excelente dançarina

b) Quem quer entrar no time

c) Quanto custa o sanduíche da cantina

d) Visconde é meu personagem favorito

4. Transforme as frases excclamativas em interrogativas e as


interrogativas em exclamativas:

Exclamativa Interrogativa

O juiz apitou o final do jogo! O juiz apitou o final do jogo?

Está chovendo?

Tem tomate bem fresquinho!

A festa foi animada?

A carta está concluída!

Você acertou todas as tarefas?

78
destacando
a grafia
No textos “As cartas de Gabriela”, encontramos palavras escritas com
G e com J: Gabriela, Jaboatão, Jiparaná, zangava, Minas Gerais,
imagina, hoje. Vamos aprofundar o uso dessas letras.

Ao ler essas palavras do texto, você percebe que:


- A letra G tem o mesmo som do J quando vem seguida pelas vogais E ou I.
- Leia novamente as palavras: imagina, Jiparaná, Minas Gerais, hoje e
perceba.
Diante disso, é importante prestar atenção ao escrever palavras com G e J.

Atenção: Caso tenha dúvida, é aconselhável utilizar o dicionário

1. Procure no dicionário com G e J e complete o quaddro abaixo:

Palavras com G Palavras com J

79
2. Complete os quadros com as sílabas GE, GI, JE ou JI e escreva ao
lado as palavras formadas:

LÓ RI MUM

LO AR LA

TRA AL MA

PE SAR TA

MA GOR TA

CA MÁ CA

VOCÊ SABIA?

Geralmente
Geralmentequando
quandoescrevemos
escrevemosuma
umacarta
cartaaapessoa
pessoapara
paraquem
quemse seescreve
escreveestá
está
distante
distante ee não
não podemos
podemos entregar
entregar aa correspondência
correspondência pessoalmente.
pessoalmente. PorPor isso,
isso,
utilizamos
utilizamosos
osserviços
serviçosdos
dos Correios.
Correios. Praticamente
Praticamenteememtodas
todasas
ascidades
cidadeshá háuma
uma
agência
agênciadosdoscorreios
correioscom
comfuncionários
funcionáriosque
quesão
sãochamados
chamadoscarteiros.
carteiros.

Os
Oscarteiros
carteirossão
sãoresponsáveis
responsáveispor
porreceber
receberas
ascartas,
cartas,separá-las
separá-laseefazer
fazeraaentrega
entrega
sem
semcada
cadaresidência.
residência.

ATENÇÃO
Atenção: Para que o carteiro consiga entregar
a carta na casa de cada destinatário, é preciso
colocá-la em um envelope devidamente
preenchido. Veja a seguir como preencher o
envelope corretamente para que você possa
receber a resposta de sua carta.

80
DESTINATÁRIO
(para quem se escreve) Daniela Morais Nome

Rua ___________________________, nº______


Cidade _________________________________
Endereço CEP ____________________________________

CEP – código de
endereçamento
postal

REMETENTE
(quem escreve)

Endereço José da Silva Nome


Rua ___________________________, nº______
Cidade _________________________________
CEP – código de CEP ____________________________________
endereçamento
postal

81
PRODUZINDO
TEXTO

Vamos escrever uma carta? Que tal escrever uma carta para
um(a) colega da escola?
Atenção: Ao terminar de escrever a carta, releia para verificar
se tudo está de acordo com o que queria, se a mensagem
está clara, a escrita correta e a linguagem adequada.
Observe ainda se as partes da carta estão presentes: local e
data, destinatário, saudação, mensagem, depedida e
assinatura.

Tenha atenção às regras gramaticais e à ortografia para que


sua carta possa ser lida e compreendida por todos.
Organize um encontro entre as turmas para que as crianças
se identifiquem e conversem sobre a correspondência.

82
identificando
O GÊNERO

Correspondência eletrônica

Na atualidade, as cartas têm sido pouco


utilizadas cedendo lugar para a
correspondência eletrônica, conhecida
como e-mail. Para enviar uma
correspondência eletrônica para alguém
é preciso saber o endereço eletrônico,
que pode ser criado gratuitamente por
cada usuário da internet.

No e-mail você pode escrever e enviar


diferentes gêneros textuais, utilizando
sempre o mesmo critério em relação à
escrita da carta.

Se você tem intimidade com a pessoa para quem vai enviar a


correspondência eletrônica pode utilizar a linguagem informal. Mas se
a correspondência for para uma autoridade, órgão público e pessoas que
você não conhece, é importante utilizar a linguagem formal.

Atenção: no e-mail não é preciso colocar a data porque esse registro é


feito automaticamente pelo sistema e gerenciado pelo correio eletrônico.
A correspondência enviada fica registrada na caixa de entrada de quem
recebeu, como também na sua caixa de enviados para futura pesquisa

83
CONhecendo
O TEXTO

CONVERSANDO
SOBRE O TEXTO
1. Leia com atenção o bilhete acima e complete o quadro:

a) quem enviou o e-mail?

b) para quem foi enviado?

c) qual o assunto do bilhete?

84
d) para qual endereço o e-mail foi
enviado?

e) O e-mail foi escrito em


linguagem formal ou informal?

f) Retire do e-mail pelo menos


duas expressões que marcam a
linguagem utilizada:

PRODUZINDO
TEXTO
Escreva um bilhete por e-mail para um/a amigo(a) comunicando sua
ideia para o teatro da escola. Tenha atenção para todas as partes
essenciais na escrita do bilhete por e-mail: endereço eletrônico,
assunto, saudação, mensagem, despedida, assinatura.

85
BR I NC AN D O COM
AS PALAVRAS
Circule no Caça palavras, nos sentidos horizontal e vertical, as palavras
com G ou J do quadro ao lado.

G B X J M P K A R E

1. GIRAFA
E G I R A F A L G G

2. GELATINA L E V L A D O G I I

3. ALGEMA A R G I L A H E R N

4. ARGILA T A G E N D A M A C

5. GINCANA I Z H Q U M R A S A

6.AGENDA N S Q T G D A F S N
7. CANJICA A Z R Y O J N W O A
8. JECA D C A N J I C A L G
9. GIRASSOL
G E A D A B R E P E
10. GEADA
F S V Q I O T Q F S
11. LARANJA
J E C A L I N P O T
12. JIBOIA
E P L A R A N J A O

A D E F M P K I W R

86
SUGErindo
leituras

A carta de Betina De carta em Carta


Autor(a): Maria de Lourdes Autor(a): Ana Maria Machado
Scottini Heiden Editora: Salamandra
Editora Odorizzi, 2007

87
Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Acer vos complementares:


alfabetização e letramento nas diferentes áreas do conhecimento.
Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica,
2012.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos Tradicionais do Brasil. Ilustrações


de Poty. Rio de Janeiro: Tecnoprint. S/d.

Cão guia para cegos – tudo que você precisa saber! Reportagem
disponível em: <http://www.estimacao.com.br/cao-guia-para-cegos-
tudo-que-voce-precisa-saber/>

Declaração Universal dos Direitos dos Animais. Disponível em: <http://


www.apasfa.org/leis/declaracao.shtml>

ESOPO. Fábulas de Esopo. Compilação de Russell Ash e Bernard Higton.


São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1994.

FURNARI, Eva. Adivinhe se puder. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2002.


Col. Girassol.

HEIDEN, Maria de Lourdes Scottini. A carta de Betina. Ed. Odorizzi, 2007.

MACHADO, Ana Maria. De carta em Carta. Belo Horizonte: Salamandra,


2002.

MEIRELES, Cecília. Ou isto ou aquilo. Ilustrações de Fernanda Correia


Dias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

MAIOR, Mário Souto. O grande livro das adivinhações. Belo Horizonte:


Leitura, 2002.

88
PAES, José Paulo. Lé com cré. São Paulo: Ed. Ática, 2000. Panfleto
“Procura-se”. Disponível em: <http://portaldodog.com.br/cachorros/
wp-content/uploads/2013/11/cartaz-thor.jpg>

PICCOLI, Luciana e CAMINI, Patrícia. Práticas pedagógicas em


alfabetização: espaço, tempo e corporeidade. Ilustrações de Eloar
Guazzelli. Erechim (RS): Edelbra, 2012.

Revista Superinteressante ed. 289, mar/2011. O que pensam os


animais?

ROCHA, Ruth. Almanaque Ruth Rocha. São Paulo: Ática, 2004.

SOALHEIROS, Bárbara. Como fazíamos sem. São Paulo: Panda Books,


2006. Imagens de Negreiros.

VERMELHO, Alane Beatriz. Dudu e o professor Aspergilo. São Paulo:


Editora: Vieira & Lent, 2010. Imagens: João Müller Haddad

89

Interesses relacionados