Você está na página 1de 23

TRIBUNAIS DE CONTAS

Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

AUDITORIA GOVERNAMENTAL auditoria ao seu objetivo e a vinculação aos


TCU – 2015 padrões de auditoria adotados no Tribunal.

Aproveite o promoção de pré-lançamento da Pelo seu caráter sigiloso, os formulários de


2ª edição do meu livro: controle de qualidade somente poderão ser
acessados pelos membros da equipe, pelos
http://www.impetus.com.br/catalogo/produto/3 seus superiores e pelas Unidades
26/auditoria-privada-e-governamental- participantes da sistemática de controle de
qualidade.

Supervisão e Controle de Qualidade


(Manual ANOp)

Supervisão é requisito essencial na


fiscalização, que implica orientação e controle
para que se estabeleçam os procedimentos e
técnicas a serem utilizados. As fiscalizações
devem ser supervisionadas para garantir que
os objetivos sejam alcançados, assegurar a
qualidade e desenvolver e capacitar os
auditores.

Supervisor é o Diretor técnico ou titular de


Unidade Técnica ou ainda seus respectivos
substitutos legais, a quem compete realizar a
supervisão dos trabalhos de auditoria.

Supervisão e Controle de Qualidade


(Manual ANOp)
Supervisão e Controle de Qualidade

Supervisão e Controle de Qualidade


(Padrões de Auditoria de Conformidade)

O controle de qualidade das auditorias visa


exclusivamente à melhoria da qualidade em
termos de:

 aderência aos padrões de As entidades de fiscalização superior devem


auditoria do Tribunal; estabelecer sistemas e procedimentos de
 redução do tempo de tramitação garantia de qualidade, os quais devem
dos processos de auditorias; assegurar que todas as auditorias sejam
 diminuição do retrabalho; e desenvolvidas segundo os padrões e as
 aumento da efetividade das políticas pertinentes. No TCU, foi estabelecido
propostas de encaminhamento. que todos os trabalhos de fiscalização
devessem ser submetidos a controle de
Supervisão e Controle de Qualidade qualidade.
(Padrões de Auditoria de Conformidade)
Supervisão e Controle de Qualidade
Os formulários de controle de qualidade do (Manual ANOp)
relatório devem ser preenchidos
concomitantemente à elaboração do relatório, O controle de qualidade é exercido com os
de modo a permitir avaliar a adequação da seguintes objetivos:

1
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

a) assegurar a qualidade dos relatórios; Cabe ao supervisor orientar e revisar


tecnicamente a auditoria. A orientação é
b) identificar oportunidades de melhoria na atividade proativa e abrange discutir com a
condução de trabalhos futuros e evitar a equipe o mérito da concepção do trabalho, do
repetição de deficiências; projeto de auditoria, das conclusões, das
propostas de encaminhamento, bem como
c) localizar deficiências no desenvolvimento encaminhar a viabilização dos recursos
dos trabalhos e corrigi-las tempestivamente; necessários à execução da auditoria.

d) reduzir o tempo de tramitação dos A revisão dos documentos produzidos refere-


processos das auditorias; se ao relatório, às matrizes de planejamento e
achados, ao projeto de auditoria e demais
e) diminuir a necessidade de retrabalho para papéis de trabalho, considerando a
correção de deficiências; complexidade da auditoria.

f) evidenciar boas práticas na execução dos A supervisão dos trabalhos deve procurar
trabalhos que possam ser disseminadas; assegurar que:

g) contribuir para o desenvolvimento de a) os objetivos da auditoria sejam alcançados;


competências por meio da identificação de
necessidades de treinamento; b) as competências necessárias para a
execução sejam de domínio da equipe ou
h) identificar a necessidade de revisão ou de incorporadas por requisição/contratação de
elaboração de documentos técnicos que serviços;
contenham orientações para a execução das
atividades; c) os membros da equipe tenham
compreensão do projeto de auditoria;
i) suprir a administração com informações
sistemáticas e confiáveis sobre a qualidade d) os achados e as conclusões estejam
dos trabalhos. baseados em informações confiáveis e em
evidências válidas, consistentes, relevantes e
Supervisão e Controle de Qualidade suficientes;
(Manual ANOp)
e) a auditoria seja executada de acordo com
Modalidades de controle de qualidade padrões e normas técnicas adotadas pelo
TCU;

f) o projeto de auditoria seja cumprido;

g) os recursos necessários à execução da


auditoria estejam disponíveis, como serviços
técnicos, equipamento e meios de
deslocamento.

Cabe ao coordenador promover discussões


com os demais integrantes da equipe de
auditoria para a definição do escopo do
trabalho, da estratégia metodológica e dos
procedimentos e técnicas a serem utilizados.
Papéis dos atores envolvidos com o controle
de qualidade Compete ao coordenador da auditoria, ainda,
zelar para que:

2
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

a) os objetivos da auditoria sejam definidos O cronograma permite que a equipe planeje e


considerando os dados disponíveis sobre o organize suas atividades e facilita a alocação
desempenho do objeto auditado; de seus membros de acordo com os
procedimentos previstos e com o tempo
b) critérios apropriados sejam definidos para disponível.
avaliar as questões de auditoria a serem
investigadas; A matriz de planejamento registra os objetivos
da auditoria, bem como as questões que
c) os membros da equipe tenham investigado, serão investigadas e quais as possíveis
documentado e compreendido os aspectos conclusões.
centrais do objeto de auditoria;
A matriz de achados contribui para o controle
d) os objetivos da auditoria sejam claros para de qualidade, na medida em que auxilia na
auditores e auditados; sistematização e análise dos resultados da
auditoria, sendo importante para a correta
e) bom ambiente de trabalho seja mantido; elaboração do relatório de auditoria, pois
dispõe, de forma estruturada, os achados,
f) o emprego das diversas técnicas de suas evidências, causas e efeitos, elementos
auditoria siga as prescrições contidas nos que compõem os capítulos principais do
documentos técnicos correspondentes; relatório.

g) os prazos estimados sejam cumpridos; A realização de painéis de referência é prática


importante que possibilita o controle de
h) os membros da equipe responsabilizem-se qualidade nas auditorias operacionais por
pela execução de tarefas condizentes com meio da revisão das matrizes de
seus conhecimentos e habilidades; planejamento e de achados. Tanto a matriz
de planejamento quanto a matriz de achados
i) o projeto de auditoria contenha todas as devem ser validadas em painéis de
informações necessárias. referência.

Ferramentas de controle de qualidade Controle de Qualidade na Norma da CGU

Determinadas técnicas e procedimentos Segundo a IN SFC/MF 01/2001, o controle de


rotineiros que facilitam a sua aplicação. As qualidade das atividades visa a estabelecer
principais ferramentas de controle de critérios de avaliação sobre a aderência dos
qualidade são: trabalhos realizados pelo Sistema de Controle
Interno com relação à observância das
a) checklists de qualidade; normas estabelecidas, avaliando-as em todas
b) cronograma; as etapas quanto à sua eficiência e eficácia e
c) matriz de planejamento; identificar os possíveis desvios ocorridos e
d) matriz de achados; suas causas, adotando medidas corretivas
e) painéis de referência; com vistas ao aperfeiçoamento das mesmas.
f) comentários dos gestores.
A fim de possibilitar a consecução dos
O checklist é uma lista de verifiatividades e do objetivos, os Órgãos/Unidades de Controle
cumprimento de padrões de qualidade Interno do Poder Executivo Federal manterão
aplicáveis a atividades, papéis de trabalho e sob constante controle e avaliação suas
produtos da auditoria. A aplicação de atividades, relacionadas, entre outras, com os
checklists pode ser feita tanto concomitante seguintes e importantes aspectos:
quanto após a auditoria.cação da realização
de I. organização administrativa - dos recursos
humanos, materiais e instrumentais, da
legislação atualizada, normas específicas,

3
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

ordens de serviço, procedimentos, papéis de i) análise dos atos e fatos, objeto de exame,
trabalho, pastas permanentes; com isenção e bom senso, atendo-se mais à
eficiência e segurança dos controles internos
II. planejamento dos trabalhos - de forma a administrativos e não, especificamente, às
adequar suas atividades às reais pessoas que os tenham praticado;
necessidades a curto, médio e longo prazos,
observando critérios uniformes, parâmetros j) redação clara e objetiva, que transmita, por
previamente estabelecidos e atividades parte da equipe, seriedade, consideração e
harmônicas em relação às ações respeito aos responsáveis e dirigentes dos
desenvolvidas por outras áreas do Sistema de órgãos e entidades examinadas; e
Controle Interno do Poder Executivo Federal
e unidades de auditoria interna das entidades; k) conclusão objetiva, coerente com o assunto
enfocado, e ressalvas oportunas condizentes
III. execução dos trabalhos - deve ser com os itens que expressam claramente o
desenvolvida, atentando-se para: erro ou impropriedade detectada.

a) a elaboração de papéis de trabalho limpos, Supervisão e Controle de Qualidade


claros, objetivos, conclusivos e corretamente (NBC PA 01 e NBC TA 220)
referenciados;
Revisão do controle de qualidade do trabalho
b) comprovação satisfatória, junto aos papéis é o processo projetado para fornecer uma
de trabalho, das ocorrências detectadas que avaliação objetiva, na data, ou antes da data
ensejarem sugestões e recomendações aos do relatório, dos julgamentos relevantes feitos
órgãos ou entidades examinadas; pela equipe do trabalho e das conclusões
obtidas ao elaborar o Relatório.
c) obediência aos modelos estabelecidos para
montagem e apresentação dos relatórios, Revisor de controle de qualidade do trabalho
pareceres, certificados, notas, ofícios e é um sócio ou outro profissional da firma, uma
memorandos; pessoa externa adequadamente qualificada,
ou uma equipe composta por essas pessoas,
d) distribuição dos assuntos, no corpo do nenhuma delas fazendo parte da equipe de
relatório, com observância da fundamentação trabalho, com experiência e autoridade
legal, quando necessária, conteúdo técnico e suficientes e apropriadas para avaliar
terminologia apropriada; objetivamente os julgamentos relevantes
feitos pela equipe de trabalho e as conclusões
e) observância às normas ortográficas e atingidas para elaboração do relatório de
gramaticais na redação dos relatórios; auditoria.

f) elaboração de comentários sucintos sobre A firma deve estabelecer políticas e


os assuntos enfocados, nas procedimentos para tratar e resolver
sugestões/recomendações, sem explanações diferenças de opinião dentro da equipe de
muito extensas, desnecessárias ou trabalho, com as pessoas consultadas e,
inexpressivas, que nada acrescentem ao quando aplicável, entre o sócio encarregado
trabalho; do trabalho e o revisor de controle de
qualidade do trabalho.
g) não utilização de termos dúbios, obscuros,
ofensivos; Essas políticas e procedimentos devem
requerer que:
h) eventual existência de interpretações ou (a) as conclusões obtidas sejam
conclusões subjetivas que evidenciem pontos documentadas e implementadas; e
de vista pessoais, não calcados em provas (b) o relatório não seja datado até o assunto
substanciais ou fatos devidamente ser resolvido.
comprovados;

4
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Exercícios profissionais externos, desde que tenham as


qualificações necessárias.

1 - (CESPE/ TCU / 2013) - O sistema de


controle interno do Poder Executivo 4 - (ESAF / CVM / 2010) - O responsável
federal, ao realizar o controle de qualidade pela revisão da qualidade dos trabalhos de
das atividades que desempenha, executa auditoria deve realizar uma avaliação
monitoramento que consiste na revisão objetiva dos julgamentos significativos
dos trabalhos por ele realizados, com base levando em conta os seguintes aspectos,
nas normas e objetivos previamente exceto:
estabelecidos.
Nessa atividade, esse sistema avalia a) avaliação das conclusões atingidas ao
continuamente o planejamento, a elaborar o relatório e considerar se o relatório
execução e a comunicação dos resultados é apropriado.
de seu trabalho, contribuindo para com as b) discussão de assuntos significativos com o
funções do controle externo. encarregado do trabalho.
c) revisão da documentação selecionada de
auditoria relativa aos julgamentos
2 - (CESPE/ TCU / 2011) - As normas de significativos feitos pela equipe de trabalho e
auditoria da INTOSAI consideram que a das conclusões obtidas.
supervisão é essencial para garantir a d) revisão das demonstrações contábeis e do
consecução dos objetivos de auditoria e a relatório proposto.
manutenção da qualidade do trabalho, e e) discussão do julgamento e relatório com a
deve ser orientada tanto para o conteúdo direção da entidade auditada.
como para o método de auditoria, o que
pressupõe sua realização na conformidade
das normas e práticas da entidade de 5 - (FGV / SEFAZ/RJ – Fiscal de Rendas /
fiscalização superior. 2010) – A respeito do controle de
qualidade da Auditoria das Demonstrações
Contábeis, analise as afirmativas a seguir:
3 - (ESAF / RFB / 2012) - A Revisão do I. Os sistemas, as políticas e os
Controle de Qualidade do Trabalho é procedimentos de controle de qualidade
desenhada para fornecer uma avaliação são de responsabilidade da empresa
objetiva, na data, ou antes da data, do auditada que deve seguir as políticas e
relatório, dos julgamentos significativos processos de trabalho implantadas.
feitos pela equipe de trabalho e das II. O revisor do controle de qualidade do
conclusões a que se chegou durante a trabalho deve realizar uma avaliação
elaboração do relatório. Essa revisão deve subjetiva dos julgamentos feitos pela
ser feita: equipe de trabalho e, ao elaborar o
relatório, as conclusões devem envolver a
a) por profissional qualificado e que tenha revisão das demonstrações contábeis.
participado do processo de auditoria. III. No caso de surgirem diferenças de
b) somente por profissional da firma que opinião dentro da equipe de trabalho, com
efetuou a auditoria e desde que não tenha as pessoas consultadas ou, quando
participado do trabalho. aplicável, entre o sócio encarregado do
c) após a entrega do relatório de auditoria ao trabalho e o revisor do controle de
cliente, permitindo a avaliação de todo o qualidade do trabalho, a equipe de
trabalho, inclusive os eventos subsequentes. trabalho deve seguir as políticas e
d) somente por profissional externo a firma de procedimentos da firma para tratar e
auditoria e desde que tenha as qualificações resolver as diferenças de opinião.
requisitadas. Assinale:
e) também pelas firmas de auditoria de
pequeno porte, podendo ser utilizado (A) se somente a afirmativa I estiver correta.

5
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

(B) se somente a afirmativa II estiver correta. suficientemente discutido pela equipe de


(C) se somente a afirmativa III estiver correta. auditoria e aprovado, no mínimo, pela chefia
(D) se somente as afirmativas I e II estiverem imediata.
corretas.
(E) se somente as afirmativas II e III Deve definir, para a fase de execução, as
estiverem corretas. atribuições de cada membro da equipe de
auditoria, e respectivos prazos, que devem
ser compatíveis com a complexidade e
PLANEJAMENTO importância de cada tarefa, detalhando:
• os objetivos da auditoria;
Planejamento de Auditoria • universo a ser auditado;
• as técnicas e os procedimentos a serem
O Planejamento da auditoria governamental utilizados;
deve buscar a identificação de órgãos, • os critérios de comparação, julgamento e
entidades, programas e operações que apreciação de desempenho, se for o caso;
envolvam maior risco e reconhecidamente • as etapas a serem cumpridas e respectivos
relevantes. cronogramas de execução;
• os recursos humanos necessários,
O Plano de auditoria deve refletir uma especificando a qualificação exigida.
avaliação de risco, realizada ao menos uma
vez ao ano, para que sejam estabelecidas as
prioridades na programação das auditorias. AUDITORIA DE REGULARIDADE

Plano de Fiscalização do TCU De acordo com o TCU, auditoria de


conformidade ou de regularidade é o
O plano de fiscalização terá periodicidade “instrumento de fiscalização utilizado pelo
anual e será compatível com os planos Tribunal para examinar a legalidade e a
Estratégico e de Diretrizes do TCU e com as legitimidade dos atos de gestão dos
diretrizes aprovadas para subsidiar o exame responsáveis sujeitos a sua jurisdição, quanto
das Contas do Governo da República. ao aspecto contábil, financeiro, orçamentário
e patrimonial.”
O plano de fiscalização conterá
exclusivamente as diretrizes que orientarão O exame estrito da legalidade de
as atividades de fiscalização, a definição dos procedimentos de licitação e contratação,
temas de maior significância que nortearão as fidedignidade de documentos, eficiência dos
fiscalizações a serem realizadas e os controles internos e outros deverão ser objeto
respectivos recursos a serem alocados, com de auditoria de conformidade.
demonstração da compatibilidade com as
demais atividades definidas no Plano de Nas auditorias de regularidade, as conclusões
Diretrizes do TCU. assumem a forma de opinião concisa e de
formato padronizado sobre demonstrativos
Programa de Auditoria financeiros e sobre a conformidade das
transações com leis e regulamentos, ou sobre
O programa de auditoria (ou programa de temas como a inadequação dos controles
trabalho) deve ser elaborado com base nas internos, atos ilegais ou fraude.
informações obtidas na visão geral e levando- Nas auditorias de regularidade o exame da
se em consideração o resultado da avaliação materialidade está diretamente relacionado ao
dos controles internos e dos riscos de montante de recursos envolvidos.
auditoria.

O programa visa definir os meios mais


econômicos, eficientes e oportunos para se
atingir os objetivos da auditoria. Deve ser

6
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Auditoria de Regularidade A designação da equipe de auditoria é feita


mediante Portaria de Fiscalização, na qual
Padrões Gerais são identificados o coordenador, os demais
membros da equipe e o supervisor, bem
Todo o trabalho de auditoria, desde seu
planejamento até a conclusão do relatório é como o objetivo dos trabalhos, o
supervisionado pelo diretor e/ou pelo titular da órgão/entidade fiscalizado, a deliberação que
Unidade Técnica. originou a fiscalização, a fase de
planejamento e, quando conhecidas, as fases
Compete ao supervisor da auditoria, dentre de execução e de elaboração do relatório.
outras atividades:
Durante a fase de planejamento, não há
Revisar e aprovar a Matriz de Planejamento, impedimento de que a equipe técnica, caso
antes do início da execução. julgue necessário, visite o órgão/entidade.
Nesses casos, deverá apresentar o ofício de
Analisar, juntamente com a equipe, a Matriz comunicação de fiscalização.
de Achados cuja elaboração inicia-se já na
fase de execução. Sempre que o elemento surpresa não for
essencial ao desenvolvimento dos trabalhos e
Analisar, juntamente com a equipe, a Matriz após a emissão da Portaria de Fiscalização, o
de Responsabilização. titular da Unidade Técnica Coordenadora
encaminhará, com a antecedência
Realizar, concomitantemente, o controle de necessária, ofício de comunicação de
qualidade da auditoria e sempre que possível fiscalização ao dirigente do órgão/entidade
e relevante, participar da reunião de informando que o órgão/entidade encontra-se
apresentação e da reunião de encerramento. sob fiscalização, o objetivo e a deliberação
que originou a fiscalização, a data provável
Compete ao coordenador da equipe de para apresentação da equipe, bem como
auditoria, dentre outras atividades: solicitando, quando for o caso, além de
documentos e informações, disponibilização
 Promover as discussões da de ambiente reservado e seguro para a
equipe a respeito do escopo, procedimentos e instalação da equipe, senha para acesso aos
técnicas a serem utilizados, incentivando os sistemas informatizados e designação de uma
demais membros a apresentarem propostas e pessoa de contato do órgão/entidade.
a decidirem por consenso. No caso de
divergência de opiniões, deve-se buscar a Auditoria de Regularidade
opinião do supervisor. Permanecendo a
divergência, prevalecerá a proposta do Padrões de Planejamento
coordenador.
 Representar a equipe de O titular da Unidade Técnica Coordenadora
auditoria perante o órgão/entidade fiscalizado, deve assegurar que o tempo disponível para
providenciando a entrega do ofício de a fase de planejamento seja suficiente para a
apresentação ao dirigente (ou representante consecução dos objetivos desta fase, de
por ele designado) e a emissão dos ofícios de forma a garantir os seguintes aspectos
requisição de documentos e de informações e básicos:
responsabilizando-se pela coordenação das
reuniões com os fiscalizados. Nível de detalhamento suficiente, de modo a
 Zelar pelo cumprimento dos maximizar a relação entre o provável
prazos. benefício da fiscalização e o seu custo total.
 Revisar e entregar a versão Obtenção e análise das informações
final do relatório, com a anuência dos demais disponíveis e necessárias sobre o objeto
membros. fiscalizado, inclusive quanto aos sistemas

7
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

informatizados e aos controles internos a ele reservado e seguro para a instalação da


associados. equipe, senha para acesso aos sistemas
informatizados e designação de uma pessoa
Suficiente discussão, no âmbito da equipe de de contato do órgão/entidade, divulgação
auditoria e entre esta e o supervisor, a interna da fiscalização e do local em que a
respeito da definição do escopo, dos equipe se encontra, bem como a previsão de
procedimentos e técnicas a serem utilizados. multa no caso de obstrução aos trabalhos ou
sonegação de informações.
Teste e revisão dos formulários, questionários
e roteiros de entrevista, a serem utilizados na A equipe de auditoria deverá, sempre que
fase de execução. possível, se apresentar aos responsáveis
pelas áreas que serão fiscalizadas,
Na fase de planejamento, deve ser elaborada esclarecendo o objetivo, os critérios e o
a Matriz de Planejamento, quando a equipe escopo da fiscalização.
fará a estimativa de custo do trabalho a ser
realizado. Ainda nessa fase a equipe de A requisição de documentos e informações,
auditoria deve, preliminarmente, construir durante a fiscalização – planejamento,
uma visão geral do objeto a ser fiscalizado. execução e relatório, deve fixar prazo para
seu atendimento, estabelecido, sempre que
A visão geral objetiva o conhecimento e a possível e desde que não comprometa o
compreensão do objeto a ser fiscalizado, bem prazo de execução, em comum acordo com o
como do ambiente organizacional em que fiscalizado.
este está inserido. Em geral, é composta das
seguintes informações: O ofício de requisição deve ser entregue
mediante atestado de recebimento na
 Descrição do objeto segunda via, a qual se constituirá em papel
fiscalizado, com as características de trabalho da fiscalização.
necessárias a sua compreensão.
 Legislação aplicável. O achado de auditoria deve atender,
 Objetivos institucionais do necessariamente, aos seguintes requisitos
órgão/entidade fiscalizado, quando for o caso. básicos:
 Setores responsáveis,
competências e atribuições.  Ser relevante para que mereça ser
 Riscos e deficiências em relatado.
controles internos.  Estar fundamentado em evidências
juntadas ao relatório.
Auditoria de Regularidade  Ser apresentado de forma objetiva.
 Respaldar as propostas de
Padrões de Execução encaminhamento dele resultantes.
 Apresentar consistência, de modo a
A apresentação da equipe de auditoria ao mostrar-se convincente a quem não participou
dirigente do órgão/entidade fiscalizado, ou da auditoria.
representante por ele designado, faz-se
mediante realização de reunião de A análise dos achados de auditoria é
apresentação, na qual é entregue o ofício de realizada mediante utilização da Matriz de
apresentação e são informados os principais Achados.
critérios de auditoria inicialmente
selecionados durante o planejamento, bem Para os achados que resultem em propostas
como o escopo e os objetivos do trabalho. de audiência ou conversão em tomada de
Deve constar do ofício de apresentação a contas especial para fins de citação, é
informação de que o órgão/entidade encontra- necessário o preenchimento da Matriz de
se sob fiscalização, a solicitação, quando for Responsabilização, na qual fica identificada a
o caso, de disponibilização de ambiente responsabilidade pela ocorrência.

8
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Ao final da fase de execução, realiza-se a


reunião de encerramento, na qual a equipe
apresenta verbalmente os achados de
auditoria ao gestor do órgão/entidade
fiscalizado e outros responsáveis, cuja
participação seja considerada oportuna, ou
representantes por eles designados.

Sempre que possível, os achados colhidos ao A economicidade é a minimização dos custos


longo da execução deverão ser discutidos dos recursos utilizados na consecução de
com o supervisor, anteriormente à reunião de uma atividade, sem comprometimento dos
encerramento. padrões de qualidade.

Os achados de auditoria devem ser A eficiência é definida como a relação entre


apresentados indicando-se a situação os produtos (bens e serviços) gerados por
encontrada, o critério de auditoria, e por uma atividade e os custos dos insumos
decisão da equipe, as causas (se forem empregados para produzi-los, em um
relevantes e se for possível identificá-las) e os determinado período de tempo, mantidos os
efeitos. Não se deve fazer menção a padrões de qualidade.
conclusões ou propostas de
encaminhamento. A eficácia é definida como o grau de alcance
das metas programadas (bens e serviços) em
Deve ser informado ao gestor que os achados um determinado período de tempo,
são preliminares, podendo ser corroborados independentemente dos custos implicados.
ou excluídos em decorrência do
aprofundamento da análise. Deve ser A efetividade diz respeito ao alcance dos
informado, ainda, que poderá haver inclusão resultados pretendidos, a médio e longo
de novos achados. prazo.

MANUAL DE AUDITORIA Refere-se à relação entre os resultados de


OPERACIONAL DO TCU uma intervenção ou programa, em termos de
efeitos sobre a população-alvo (impactos
Auditoria operacional é o exame observados), e os objetivos pretendidos
independente e objetivo da economicidade, (impactos esperados), traduzidos pelos
eficiência, eficácia e efetividade de objetivos finalísticos da intervenção.
organizações, programas e atividades
governamentais, com a finalidade de Outras dimensões: qualidade dos serviços,
promover o aperfeiçoamento da gestão equidade na distribuição de bens e serviços,
pública. grau de adequação dos resultados dos
programas às necessidades das clientelas.
As auditorias operacionais podem examinar,
em um mesmo trabalho, uma ou mais das Exemplo
principais dimensões de análise. O diagrama
de insumo-produto ilustra essas dimensões e Programa de vacinação de crianças até 6
suas inter-relações: anos objetivava vacinar 10 milhões de
crianças contra paralisia infantil em todo o
Brasil. Para isso, esperava gastar R$ 20
milhões, contar com o apoio de 5 mil
servidores do Ministério da Saúde e cumprir a
meta em dois sábados.

9
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Ao final dos dois sábados, verificou que o Critérios de seleção


Programa alcançou 11 milhões de crianças Capacidade de a auditoria agregar valor à
vacinadas, gastando R$ 19 milhões, sendo gestão pública. Outros critérios:
utilizados 4 mil funcionários. Após materialidade, relevância e vulnerabilidade.
determinado tempo, verificou que a taxa de
paralisia infantil cresceu no país. Levantamento
Para passar do planejamento estratégico para
Características da Auditoria Operacional o plano operacional, são necessárias
informações atualizadas sobre estrutura,
Ao contrário das auditorias de regularidade, funções e operações dos possíveis objetos de
que adotam padrões relativamente fixos, as auditoria, que permitam a identificação de
auditorias operacionais, devido à variedade e áreas com alta materialidade, que
complexidade das questões tratadas, apresentem vulnerabilidades e que tenham
possuem maior flexibilidade na escolha de potencial para que a auditoria contribua para
temas, objetos de auditoria, métodos de gerar melhorias na administração.
trabalho e forma de comunicar as conclusões
de auditoria. A coleta dessas informações pode ser
realizada por meio de levantamento, que é
Nas auditorias de regularidade, as conclusões um tipo de instrumento de fiscalização.
assumem a forma de opinião concisa. Nas
auditorias operacionais, o relatório trata da O levantamento pode servir tanto como
economicidade e da eficiência na aquisição e instrumento para selecionar futuros temas
aplicação dos recursos, assim como da para auditorias quanto para decidir se é viável
eficácia e da efetividade dos resultados realizar auditorias específicas. Dependendo
alcançados. do objetivo e do conhecimento acumulado
sobre a área em exame, o levantamento
poderá ter escopo amplo ou restrito.

• Conhecer a organização e o
funcionamento das áreas que poderão ser
fiscalizadas, identificar objetos e instrumentos
de fiscalização (escopo amplo).
• Estudar a viabilidade da
fiscalização. Verificar se o objeto de auditoria
é auditável (escopo restrito).

Planejamento

Seleção do Objeto O planejamento de auditoria visa delimitar o


objetivo e o escopo da auditoria, definir a
O processo de seleção do objeto de auditoria estratégia metodológica a ser adotada e
é o primeiro estágio do ciclo de auditoria. Sua estimar os recursos, os custos e o prazo
importância reside na definição de um objeto necessários a sua realização. Consiste das
que ofereça oportunidade para a realização seguintes atividades:
de auditoria que contribua para o a) análise preliminar do objeto de auditoria;
aperfeiçoamento da administração pública e b) definição do objetivo e escopo da auditoria;
forneça à sociedade opinião independente c) especificação dos critérios de auditoria;
sobre o desempenho da atividade pública. d) elaboração da matriz de planejamento;
e) validação da matriz de planejamento;
Deve estar integrado simultaneamente ao f) elaboração de instrumentos de coleta de
planejamento estratégico e ao sistema e dados;
planejamento anual. g) teste-piloto;
h) elaboração do projeto de auditoria.

10
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Análise preliminar do objeto de auditoria

A análise preliminar consiste no levantamento


de informações relevantes sobre o objeto
auditado para adquirir-se o conhecimento
necessário à formulação das questões que
serão examinadas pela auditoria.

A visita exploratória é útil para prevenir


problemas no decorrer da execução dos
trabalhos, reduzir incertezas, auxiliar na
definição dos critérios de auditoria, bem como
permitir a obtenção de informações que
subsidiarão a elaboração dos instrumentos de
coleta de dados.

Definição do objetivo e escopo da


auditoria

A equipe deverá definir o objetivo da auditoria


por meio da especificação do problema e das
questões de auditoria que serão investigadas.

A questão de auditoria é o elemento central


na determinação do direcionamento dos
trabalhos de auditoria, das metodologias e
técnicas a adotar e dos resultados que se
pretende atingir.

Especificação dos critérios de auditoria Validação da matriz de planejamento

Padrões de desempenho utilizados para Primeiramente, após a revisão do supervisor,


medir a economicidade, eficiência, eficácia e a matriz de planejamento deve ser submetida
efetividade do objeto de auditoria. a um painel de referência com o objetivo de
colher críticas e sugestões para seu
Representa a expectativa razoável e aprimoramento.
fundamentada do que “deveria ser”, as
melhores práticas e benchmarks contra os O gestor poderá participar do painel de
quais o desempenho é comparado ou referência sempre que a equipe e o
avaliado. supervisor entenderem que a sua presença
não trará prejuízo aos objetivos propostos no
Elaboração da matriz de planejamento painel.

O propósito da matriz de planejamento é A segunda etapa do processo de validação


auxiliar a elaboração conceitual do trabalho e consiste na apresentação da matriz de
a orientação da equipe na fase de execução. planejamento aos gestores do órgão ou
programa auditado, depois dos ajustes
necessários em função do resultado das
discussões do painel de referência.

11
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Elaboração de instrumentos de coleta de e determinações, são registradas na matriz de


dados e teste-piloto achados.

Cada técnica de coleta de dados possui um A matriz de achados é instrumento útil para
instrumento próprio, a ser desenhado de subsidiar e nortear a elaboração do relatório
forma a garantir a obtenção de informações de auditoria, porque permite reunir, de forma
relevantes e suficientes para responder às estruturada, os principais elementos que
questões de auditoria. constituirão os capítulos centrais do relatório.

Elaboração do projeto de auditoria

O projeto de auditoria resume a natureza do


trabalho a realizar e os resultados que se
pretende alcançar.

O projeto conterá descrição sucinta do objeto


de auditoria, objetivos do trabalho, questões a
ser investigadas, procedimentos a ser
desenvolvidos e resultados esperados com a
realização da auditoria.

A realização de teste-piloto é altamente


recomendável no caso de auditorias de
grande complexidade.

Execução

As principais atividades realizadas durante a


execução são:
a) desenvolvimento dos trabalhos de campo;
b) análise dos dados coletados;
c) elaboração da matriz de achados;
d) validação da matriz de achados.

Achado de auditoria

Achado é a discrepância entre a situação


existente e o critério. Achados são situações
verificadas pelo auditor durante o trabalho de
campo que serão usadas para responder às Relatório
questões de auditoria. O achado contém os
seguintes atributos: critério (o que deveria Relatório é o instrumento formal e técnico por
ser), condição (o que é), causa (razão do intermédio do qual a equipe de auditoria
desvio com relação ao critério) e efeito comunica aos leitores:
(consequência da situação encontrada).
Quando o critério é comparado com a o objetivo e as questões de auditoria;
situação existente, surge o achado de a metodologia utilizada;
auditoria. os achados de auditoria;
as conclusões; e
As constatações e informações obtidas a proposta de encaminhamento.
durante a execução da auditoria, bem como
as propostas de conclusões, recomendações

12
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Requisitos do Relatório de Auditoria O plano de ação é um documento


apresentado pelo gestor ao TCU que
 Clareza formaliza as ações que serão tomadas para
 Completude atender as deliberações propostas no sentido
 Convicção de corrigir os problemas identificados durante
 Concisão (50 páginas) a auditoria.
 Exatidão
 Relevância Exercícios
 Tempestividade
 Objetividade
6 - (CESPE/TCU/2008) - Na auditoria
Comentários dos Gestores operacional realizada no âmbito de um
órgão ou programa governamental, os
O auditado sempre deve ter oportunidade de critérios ou objetivos pelos quais
examinar o relatório preliminar de auditoria eficiência e eficácia são medidas devem
antes que ele seja tornado público. ser especificados pelos auditores e, não,
pela administração, e os pareceres
Os comentários oferecidos devem ser relativos a esses trabalhos não podem
analisados em instrução na qual a equipe de conter recomendações ou sugestões.
auditoria avaliará a necessidade de rever Julgue CERTO ou ERRADO.
pontos do relatório ou apresentará
argumentos para manter posições
discordantes dos gestores. 7 - (CESPE/TCU/2008) - A versão preliminar
do relatório de auditoria de natureza
Proposta de Encaminhamento operacional deve ser encaminhada aos
gestores dos órgãos ou programas
As propostas de encaminhamento são auditados e aos seus superiores
recomendações e determinações que a hierárquicos, ficando à disposição de
equipe de auditoria demonstra serem qualquer interessado; nessa fase, as
necessárias e que contribuirão para sanar sugestões encaminhadas pelos gestores e
alguma deficiência identificada pela auditoria. demais interessados serão debatidas
publicamente.
Propostas devem ser formuladas focando "o
quê" deve ser aperfeiçoado ou corrigido e não
o "como", embora circunstâncias possam 8 - (CESPE/TCU/2008) - Segundo a
surgir que demandem a formulação de orientação do TCU, na fase de
propostas específicas, como aperfeiçoamento planejamento, a equipe de auditoria deve
ou correção de regulamentos construir uma visão geral do objeto a ser
Monitoramento auditado. Entre as fontes de informação
disponíveis, recomenda-se que notícias
Monitoramento é a verificação do veiculadas pela mídia não sejam levadas
cumprimento das deliberações do TCU e dos em conta, a fim de se evitar a
resultados delas advindos, com o objetivo de contaminação ou o direcionamento dos
verificar as providências adotadas e aferir trabalhos, que devem caracterizar-se pela
seus efeitos
isenção e pela objetividade.
O principal objetivo do monitoramento é
aumentar a probabilidade de resolução dos
9 - (CESPE/TCU/2007) - Em uma situação
problemas identificados na auditoria. em que se avaliem dados e informações de
licitações e contratos, o sistema de
O monitoramento é feito com base no plano controle interno do Poder Executivo
de ação apresentado pelo gestor ao TCU.

13
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

federal deve, necessariamente, adotar os humanos, físicos e financeiros exigidos


critérios de economicidade e efetividade. (insumos), os processos de transformação
Julgue CERTO ou ERRADO. dos insumos em produtos e os bens e
serviços ofertados (produtos).
10 - (CESPE/TCU/2007) - Suponha que uma
auditoria, realizada em uma escola 13 - (CESPE/FUB-DF/2013) - A auditoria
agrícola federal subordinada ao Ministério operacional ou de desempenho é a que
da Educação, tenha constatado falhas e procede a avaliações quanto aos aspectos
deficiências na área orçamentário- conhecidos como os 4 Es, entre os quais
financeira, no sistema escola-fazenda e na se destaca a equidade, em consonância
área de recursos humanos. com o princípio da justiça social.
Nessa situação hipotética, a auditoria
descrita é um exemplo de auditoria de
natureza operacional, que abrange, 14 - (CESPE/FUB-DF/2013) - A efetividade é
inclusive, avaliação de programas, o que
uma dimensão do desempenho voltada
permite à equipe de auditoria pronunciar-
se sobre o aumento da evasão escolar em para o atendimento imediato das metas
virtude da situação. Julgue CERTO ou inicialmente traçadas. Se, por exemplo, o
ERRADO. objetivo é o de construir uma usina
hidrelétrica, os aspectos relacionados ao
meio ambiente e à população da área
11 - (CESPE/TCU/2007) - Considere-se que, deverão ser considerados paralelos e
em cumprimento a decisão do TCU, tenha
sido elaborado relatório de auditoria na avaliados sob outros critérios que não o
área de licitações e contratos de do objetivo central do programa. Julgue
determinado tribunal e tenham sido CERTO ou ERRADO.
constatadas as seguintes falhas na
condução de procedimentos licitatórios:
edital de licitação com imposições 15 - (CESPE/FUB-DF/2013) - O
restritivas à competição; prévio descumprimento de leis ou normas que
cadastramento de licitantes no sistema regulamentam o negócio de uma
integrado de cadastramento unificado de organização caracteriza situação
fornecedores; exigências, durante a fase conflitante com os objetivos de
de habilitação de licitantes, de compliance ou conformidade. Julgue
documentos não-previstos em lei CERTO ou ERRADO.
específica; falta de critério de
aceitabilidade dos preços unitário e global.
Nesse caso, a situação descrita caracteriza 16 - (CESPE/TCE-RO/2013) - Na realização
uma auditoria operacional. Julgue CERTO da auditoria operacional, os profissionais
ou ERRADO. responsáveis, ao constatarem
incoerências ou imprecisões em programa
governamental, mesmo sem questionar a
12 - (CESPE/TCU/2007) - O TCU, nos
orientação política e as diretrizes
processos de auditorias operacionais, usa
governamentais, deverão apontar as
metodologias específicas para análise do
situações passíveis de desperdícios ou
objeto auditado e apresentação dos dados
desvirtuamentos, recomendando as
coletados. Um dos métodos é o modelo
apropriadas mudanças de rumo na
insumo-produto, que objetiva demonstrar
execução dos referidos programas.
como o objeto da auditoria desenvolve as
suas atividades, identificando, por
exemplo, as informações e os recursos

14
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

17 - (CESPE / TELEBRAS / 2013) - 22 - (CESPE/TCDF/2012) - O relatório de


Considere que um auditor tenha verificado auditoria operacional de uma entidade
a definição de indicadores de desempenho pública pode conter críticas relativas a
sobre os resultados obtidos na condução casos de desperdícios, exageros ou
de um negócio, tendo avaliado, ainda, o ineficiências na aplicação de recursos
desempenho das ações implementadas públicos. Julgue CERTO ou ERRADO.
após sua execução, com foco nos
resultados da empresa. Nessa situação, a
auditoria realizada é de conformidade. 23 - (CESPE/TCDF/2012) - Um dos
objetivos específicos do tribunal de
contas, ao efetuar suas auditorias
18 - (CESPE / TELEBRAS / 2013) governamentais, é recomendar, quando
I. O exame da economicidade, requerido necessário, ações de caráter gerencial
em uma auditoria, poderá abranger a visando a promoção da melhoria das
verificação de práticas gerenciais, operações. Julgue CERTO ou ERRADO.
sistemas de gerenciamento, benchmarking
de processos de compra e outros
procedimentos e itens afetos à auditoria 24 - (CESPE/TCDF/2012) - Sendo a
de gestão, sem interposição com a auditoria operacional etapa preparatória
auditoria operacional. para a auditoria de regularidade, devido às
II. Na verificação dos procedimentos e suas peculiaridades, essas auditorias não
normas alocadas ao processo operacional, podem, na prática, ser realizadas
a auditoria deve avaliar o cumprimento das concomitantemente. Julgue CERTO ou
normas internas, considerando as metas ERRADO.
estabelecidas e as políticas definidas pela
organização, em assessoramento à alta
administração. 25 - (ESAF / SEFAZ-SP / 2009) - Sobre a
auditoria de natureza operacional, é
correto afirmar:
19 - (CESPE / TELEBRAS / 2013) Caso uma
sociedade anônima de capital aberto A) tem por objetivo certificar as contas do
adquira tablets de última geração para que gestor público, apurando eventuais
os estagiários pesquisem sobre novas responsabilidades.
tecnologias a serem aplicadas na empresa, B) é realizada, tão somente, com base na
a auditoria independente deverá avaliar a verificação das demonstrações contábeis.
eficiência e a eficácia da medida, com a C) no âmbito da administração indireta, só
adequada aplicação de procedimentos e pode ser realizada por auditores
técnicas para a obtenção de evidências independentes contratados mediante
suficientes para a formação de opinião. licitação.
D) compreende duas modalidades: auditoria
de desempenho operacional e avaliação de
20 - (CESPE / TELEBRAS / 2013) Suponha programas.
que o Tribunal de Contas da União tenha E) é aplicável, apenas, no âmbito da
realizado uma auditoria na Agência administração direta.
Nacional ABCTEL, visando conhecer a
organização, os sistemas, as operações,
as atividades e as peculiaridades dessa 26 - (ESAF / Pref. Niterói / 1999) - Os
entidade, a fim de subsidiar a elaboração e relatórios de auditoria operacional visam
a implementação de novas técnicas. descrever os trabalhos planejados, com o
Nessa situação, é correto afirmar que a intuito de apresentar:
auditoria realizada é do tipo operacional.
A) questionários à alta administração
B) conclusões sobre o trabalho realizado

15
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

C) indicadores de performance D) II e IV.


D) questionários de controle interno E) III e IV.
E) indicadores de controle interno

29 - (ESAF / CVM / 2010) - A respeito de


27 - (FCC / TRE-CE / 2012) – Segundo as planejamento na realização de auditorias é
normas de auditoria do TCU, adotadas a correto afirmar:
partir da Portaria no 280/2010, alterada
a) é a fase inicial dos trabalhos e deve ser
pela Portaria 168/2011, em relação à
concluída antes que as equipes específicas
classificação das auditorias, aquela que e/ou especializadas iniciem suas avaliações.
"objetiva examinar a economicidade, b) constitui-se nos trabalhos iniciais de coleta
eficiência, eficácia e efetividade de de informações a respeito da entidade a ser
organizações, programas e atividades auditada e dos mecanismos de controle
governamentais, com a finalidade de existentes.
avaliar o seu desempenho e de promover o c) não é uma fase isolada da auditoria, mas
um processo contínuo e iterativo, que muitas
aperfeiçoamento da gestão pública"
vezes começa logo após (ou em conexão
classifica-se como auditoria: com) a conclusão da auditoria anterior,
continuando até a conclusão do trabalho de
(A) de conformidade. auditoria atual
(B) contábil. d) é a fase em que participa, além da equipe
(C) operacional. de auditoria, toda a área de gestão e
(D) de sistema. governança da entidade, em especial, a área
(E) interna. responsável pela elaboração das
demonstrações contábeis.
e) consiste em definir as estratégias gerais e
28 - (FCC / SEFAZ-SP/AFRE / 2006) - o plano de trabalho antes do início de
Analise as proposições a seguir, relativas qualquer atividade de avaliação e revisão das
ao planejamento dos trabalhos de demonstrações.
auditoria:
I. Pressupõe adequado nível de
conhecimento sobre o ramo de atividade, 30 - (CESGRANRIO / TRANSPETRO / 2011)
negócios e práticas operacionais da – Um dos objetivos do planejamento da
entidade. Auditoria é:
II. Deve considerar a natureza, a
oportunidade e a extensão dos (A) verificar se o Comitê de Auditoria Interna
procedimentos a serem aplicados na está agindo de forma competente para coibir
entidade. fraudes e corrigir as deficiências da
III. Quando incluir a designação de equipe administração.
técnica, esta dividirá a responsabilidade (B) adquirir conhecimento sobre a natureza
pelos trabalhos a serem executados com o das operações, dos negócios e da forma de
auditor. organização da empresa.
IV. Uma vez estabelecidos, os programas (C) avaliar se ocorreu mudança no controle
de trabalho são imutáveis, a menos que a acionário da empresa nos dois períodos
administração da entidade concorde com anteriores à realização da auditoria.
sua revisão e atualização. (D) investigar a composição dos inventários
de estoques e do ativo imobilizado, e se estão
Está correto o que se afirma APENAS em: adequadamente classificados.
(E) envidar esforços para ampliar a
A) I e II. lucratividade da empresa, aconselhando
B) I, II e III. sobre a otimização dos produtos e serviços
C) II e III. oferecidos.

16
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

31 - (CESGRANRIO / PETROBRÁS / 2011) - c) O planejamento pressupõe adequado nível


Para que o processo de auditoria interna de conhecimento sobre o ramo de atividade,
atinja seus objetivos, é preciso, antes de negócios e práticas operacionais da entidade.
tudo, ocorrer o planejamento da auditoria. d) O auditor deve documentar seu
No início de cada ano, geralmente, as planejamento geral e preparar programa de
empresas realizam o planejamento anual trabalho por escrito, detalhando o que for
de auditoria, também chamado de necessário à compreensão dos
planejamento global. A esse respeito, procedimentos que serão aplicados.
observe os procedimentos a seguir. e) O planejamento da auditoria, quando incluir
I - Definir os processos que serão a designação de equipe técnica, deve prever
auditados durante o ano, levando-se em a orientação e supervisão do auditor, que
consideração os riscos envolvidos frente assumirá total responsabilidade pelos
ao planejamento estratégico da empresa trabalhos executados.
para aquele ano.
II - Realizar uma pesquisa global com os
funcionários, solicitando-se a opinião de MATERIALIDADE E RELEVÂNCIA
todos sobre os processos a serem
auditados. Definição:
III - Definir um prazo para realização do
trabalho, estabelecendo-se as prioridades Materialidade é o volume de recursos
de acordo com a criticidade de cada envolvidos, ou seja, a representatividade do
processo. valor do orçamento aprovado para o órgão ou
IV - Obter a aprovação da alta programa de trabalho, do montante dos
administração da empresa em relação à gastos realizados ou do patrimônio gerido.
escolha dos processos que serão
auditados. Para fins das normas de auditoria,
V - Realizar ata de reunião do materialidade para execução da auditoria
planejamento e divulgar, internamente, no significa o valor ou valores fixados pelo
mural da empresa. auditor, inferiores ao considerado relevante
Durante a etapa do planejamento anual, para as demonstrações contábeis como um
são deveres do auditor APENAS os todo, para adequadamente reduzir a um nível
procedimentos apresentados em: baixo a probabilidade de que as distorções
não corrigidas e não detectadas em conjunto,
(A) I, II e III. excedam a materialidade para as
(B) I, III e IV. demonstrações contábeis como um todo.
(C) II, IV e V.
(D) I, II, III e V. Exemplo:
(E) II, III, IV e V.

32 - (ESAF/TCE-GO/2007) - Todas as
opções abaixo são importantes
recomendações acerca do planejamento
da auditoria, exceto uma. Aponte a única
opção falsa.

a) O planejamento e os programas de Ao estabelecer a estratégia global de


trabalho não devem ser revisados mesmo que auditoria (durante o planejamento), o auditor
novos fatos o recomendarem. deve determinar a materialidade para as
b) O programa de auditoria deve ser demonstrações contábeis.
detalhado de forma a servir como guia e meio
de controle do progresso dos trabalhos. Depois de estabelecida a materialidade para
as demonstrações contábeis como um todo, o

17
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

auditor deve determinar a materialidade para corrigidas, individualmente ou em conjunto,


execução da auditoria, com o objetivo de serão sempre avaliadas como não relevantes.
avaliar os riscos de distorções relevantes e
determinar a natureza, a época e a extensão As circunstâncias relacionadas a algumas
de procedimentos adicionais de auditoria. distorções podem levar o auditor a avaliá-las
como relevantes mesmo que estejam abaixo
Deve-se ter atenção, pois planejar a auditoria do limite de materialidade.
somente para detectar distorção
individualmente relevante negligencia o fato O auditor deve incluir na documentação de
de que as distorções individualmente auditoria os seguintes valores e fatores
irrelevantes em conjunto podem levar à considerados em sua determinação:
distorção relevante das demonstrações (a) materialidade para as demonstrações
contábeis e não deixa margem para possíveis contábeis como um todo;
distorções não detectadas. (b) se aplicável, o nível ou níveis de
materialidade para classes específicas de
A materialidade para execução da auditoria é transações, saldos contábeis ou divulgação;
fixada para reduzir a um nível (c) materialidade para execução da auditoria;
adequadamente baixo a probabilidade de que e
as distorções não corrigidas e não detectadas (d) qualquer revisão de (a) a (c) com o
em conjunto nas demonstrações contábeis andamento da auditoria.
excedam a materialidade para as
demonstrações contábeis como um todo.
Exercícios
A determinação de materialidade para
execução de testes não é um cálculo
mecânico simples e envolve o exercício de 33 - (FCC / ICMS-SP / 2013) - Uma
julgamento profissional. É afetado pelo demonstração contábil apresenta
entendimento que o auditor possui sobre a distorções relevantes, quando o valor de
entidade, atualizado durante a execução dos distorções:
procedimentos de avaliação de risco, e pela
natureza e extensão de distorções (A) corrigidas não foi divulgado nas notas
identificadas em auditorias anteriores e, explicativas e supera a materialidade global
dessa maneira, pelas expectativas do auditor estabelecida pelo auditor.
em relação a distorções no período corrente. (B) corrigidas, individualmente ou em
conjunto, é maior que a materialidade global
Distorções, incluindo omissões, são estabelecida para o trabalho.
consideradas relevantes quando for (C) não corrigidas, individualmente, é menor
razoavelmente esperado que essas possam, que a materialidade global.
individualmente ou em conjunto, influenciar (D) não corrigidas, individualmente ou em
as decisões econômicas de usuários conjunto, é maior que a materialidade global
tomadas com base nas demonstrações estabelecida para o trabalho.
contábeis. (E) não corrigidas, individualmente ou em
conjunto, supera o valor de R$ 10.000.000,00.
Julgamentos sobre quais assuntos são
relevantes para usuários das demonstrações
contábeis são baseados em considerações 34 - (ESAF/RFB/2014) - A determinação de
sobre as necessidades de informações materialidade para execução de testes:
financeiras comuns a usuários como um
grupo. a) não é um cálculo mecânico simples e
envolve o exercício de julgamento
A materialidade determinada no planejamento profissional. É afetado pelo entendimento que
da auditoria não estabelece necessariamente o auditor possui sobre a entidade, atualizado
um valor abaixo do qual as distorções não durante a execução dos procedimentos de

18
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

avaliação de risco, e pela natureza e 35 - (ESAF / SUSEP / 2010) - Com relação


extensão de distorções identificadas em aos níveis de relevância determinados em
auditorias anteriores e, dessa maneira, pelas um processo de auditoria externa, é
expectativas do auditor em relação a verdadeiro afirmar que:
distorções no período corrente.
b) é um cálculo mecânico simples e envolve o a) o processo de avaliação de relevância
exercício de julgamento profissional. É deve sempre considerar os níveis de risco e
afetado pelo entendimento que o auditor as distorções identificadas, não sendo
possui sobre a entidade, atualizado durante a permitido considerar nos limites eventuais
execução dos procedimentos de avaliação de distorções não identificadas ou projetadas.
risco, e pela natureza e extensão de b) o auditor, em nenhuma hipótese, pode
distorções identificadas em auditorias estabelecer nível de relevância abaixo dos
anteriores e, dessa maneira, pelas determinados no planejamento.
expectativas do auditor em relação a c) não se devem considerar as avaliações de
distorções no período corrente. risco e relevância no seu conjunto, sendo
c) não é um cálculo mecânico simples e sempre avaliadas individualmente.
envolve o exercício de julgamento d) os níveis de relevância estabelecidos no
profissional. Não deve ser afetado pelo planejamento devem ser mantidos,
entendimento que o auditor possui sobre a independentemente dos fatores encontrados,
entidade, atualizado durante a execução dos durante a realização dos trabalhos.
procedimentos de avaliação de risco, e) se a administração da entidade auditada
e pela natureza e extensão de distorções negar-se a ajustar as demonstrações
identificadas em auditorias anteriores e, contábeis e os procedimentos de auditoria
dessa maneira, pelas expectativas do auditor adicionais, de forma a não permitir concluir
em relação a distorções no período corrente e que o montante agregado das distorções seja
subsequentes. irrelevante, deve o auditor considerar os
d) é um cálculo mecânico simples e envolve o efeitos no seu parecer.
exercício de julgamento profissional. Não
deve ser afetado pelo entendimento que o
auditor possui sobre a entidade, atualizado 36 - (ESAF / SUSEP / 2002) - Para o auditor
durante a execução dos procedimentos de independente, uma informação é relevante
avaliação de risco, quando:
e pela natureza e extensão de distorções
identificadas em auditorias anteriores e, a) sua omissão ou distorção puder influenciar
dessa maneira, pelas expectativas do auditor nas decisões econômicas dos usuários, se
em relação a distorções no período corrente. estas forem tomadas com base nas
e) não é um cálculo mecânico simples e demonstrações contábeis.
envolve o exercício de julgamento b) a sua materialidade influenciar na tomada
profissional. de decisões econômicas e financeiras dos
usuários, tendo como base de decisão o
parecer da auditoria.
Não deve ser afetado pelo entendimento que c) a sua distorção influenciar em decisões
o auditor possui sobre a entidade, não deve econômicas ou financeiras tomadas pelos
ser atualizado durante a execução dos usuários, tendo como base de juízo o parecer
procedimentos de avaliação de risco, e pela da auditoria independente.
natureza e extensão de distorções d) a sua omissão influenciar negativamente
identificadas em auditorias anteriores e, nas decisões tomadas com base nas
dessa maneira, pelas expectativas do auditor demonstrações contábeis por acionistas
em relação a distorções em períodos preferenciais ou pelos membros do Conselho
subsequentes. de Administração.
e) a sua subjetividade e distorção influenciar
nas decisões financeiras dos acionistas

19
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

controladores e demais usuários, se tomadas acordo com o negócio da empresa para que
com base nas demonstrações contábeis. se possa definir a prioridade dos testes
substantivos e patrimoniais.
(D) definição de um limite, atrelado a um
37 - (FGV/ISS-Recife/2014) - A respeito da percentual de contas contábeis, para
materialidade, assinale a afirmativa aceitação de possíveis falhas (gaps)
incorreta. encontradas durante os testes de auditoria,
garantindo que essas falhas não impactem o
(A) A determinação de materialidade pelo patrimônio da empresa.
auditor é uma questão de apuração científica (E) definição de um limite aceitável
e é afetada pela percepção do auditor das relacionado à capacitação técnica de cada
necessidades de informações financeiras dos membro da equipe de auditoria, eximindo o
usuários das demonstrações contábeis. trabalho de todo risco que possa impactar
(B) O conceito de materialidade é aplicado significativamente o patrimônio da empresa.
pelo auditor no planejamento e na execução
da auditoria, bem como na avaliação do efeito
de distorções identificadas na auditoria e de 39 - (CESGRANRIO / TRANSPETRO / 2011)
distorções não corrigidas, se houver, sobre as – O auditor deve atentar para que o valor
demonstrações contábeis. ou os valores fixados anteriormente sejam
(C) Ao planejar a auditoria, o auditor exerce inferiores ao considerado relevante para
julgamento sobre a magnitude das distorções as demonstrações financeiras como um
que são consideradas relevantes para todo. Tal procedimento visa a reduzir, de
determinar a natureza, a época e a extensão forma apropriada, a probabilidade de que
de procedimentos adicionais de auditoria. distorções não corrigidas e não
(D) A materialidade determinada no detectadas em conjunto possam exceder:
planejamento da auditoria não estabelece
necessariamente um valor abaixo do qual as (A) os riscos recomendados para as
distorções não corrigidas, individualmente ou demonstrações como um todo
em conjunto, serão sempre avaliadas como (B) os valores considerados relevantes para a
não relevantes. emissão do parecer
(E) Ao estabelecer a estratégia global de (C) os limites estabelecidos pelas Normas
auditoria, o auditor deve determinar a aplicáveis ao caso
materialidade para as demonstrações (D) a uniformidade das aplicações dos
contábeis como um todo. princípios contábeis
(E) a materialidade para as demonstrações
como um todo
38 - (CESGRANRIO / PETROBRÁS / 2011) -
Na definição do escopo de auditoria, a
equipe deve definir a abrangência e o
volume dos testes a serem aplicados. Para
isso, é preciso que a materialidade dos
testes esteja bem definida. O termo
materialidade, em auditoria, consiste na:

(A) aplicação de testes no controle de


estoque de materiais e equipamentos que
representam, aproximadamente, setenta por
cento do patrimônio líquido das empresas.
(B) classificação da natureza das contas
contábeis a serem auditadas para aplicação
direta dos testes substantivos de auditoria.
(C) classificação de cada processo auditado
quanto aos riscos e sua importância de

20
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

Aproveite o promoção de pré-lançamento da 43 - (CESPE / TCE/TO / 2009) - A auditoria


2ª edição do meu livro: interna é exercida nas pessoas jurídicas
em geral, públicas ou privadas, nacionais
http://www.impetus.com.br/catalogo/produto/3 ou estrangeiras. Vários aspectos são
26/auditoria-privada-e-governamental- peculiares e relevantes no planejamento
dos trabalhos, como:

(A) a impossibilidade de contar com outros


especialistas.
(B) a necessidade de documentar o
planejamento e explicar em detalhes os
procedimentos a serem aplicados.
(C) a possibilidade de desconhecimento das
políticas e estratégias da entidade.
(D) a necessidade de neutralizar as
expectativas da administração.
(E) a conveniência de não modificar os
programas de trabalho.

44 - (CESPE/SECONT-ES/2009) - De modo
a dar consistência ao processo de
auditoria, os critérios empregados para
avaliação devem ser fixos,
independentemente da entidade auditada,
embora possam ser adaptados à realidade
da cada caso na fase da elaboração da
QUESTÕES EXTRAS visão geral da entidade auditada. Julgue
CERTO ou ERRADO.

40 - (CESPE/TCDF/2012) - Na estrutura do
relatório de auditoria, o tópico 45 - (CESPE/TCE-AC/2008) - A elaboração
metodologia, que trata das descrições das do trabalho de auditoria deve ser
técnicas empregadas, deverá constar das planejado de forma a prever a natureza, a
considerações finais. extensão e a profundidade dos
procedimentos que nele serão
empregados, sendo dispensáveis os
41 - (CESPE / TCDF / 2011) - Após a exames preliminares. Julgue CERTO ou
definição do perfil da equipe de auditoria, ERRADO.
têm início as atividades para elaboração
do planejamento de auditoria. Julgue
CERTO ou ERRADO. 46 - (CESPE/TCE-AC/2009) - O principal
instrumento de apoio à elaboração do
relatório de planejamento de auditoria é a
42 - (CESPE/SECONT-ES/2009) - Somente matriz de planejamento. Julgue CERTO ou
por meio da auditoria operacional verifica- ERRADO.
se a efetividade e a aplicação de recursos
externos, oriundos de agentes financeiros
e organismos internacionais. Julgue 47 - (CESPE/STF/2008) - Sempre que novos
CERTO ou ERRADO. fatos recomendarem, o planejamento e os
programas de trabalho devem ser
revisados e atualizados. Julgue CERTO ou
ERRADO.

21
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

48 - (FGV / SEFAZ/RJ – Fiscal de Rendas /


2010) – Com relação ao planejamento e
execução da auditoria de demonstrações
contábeis, analise as afirmativas a seguir.
I. O auditor deve adotar julgamento
profissional quanto à natureza, à época e à
extensão dos procedimentos aplicados
para o cumprimento das exigências das
normas e a coleta de evidências.
II. O auditor deve avaliar se foi obtida
evidência de auditoria suficiente e
apropriada e se algo mais precisa ser feito
para que sejam cumpridos os objetivos
das normas e, com isso, os objetivos
gerais do auditor.
III. O auditor deve extrair conclusões
baseadas nas evidências obtidas, por
exemplo, pela avaliação da razoabilidade
das estimativas feitas pela administração
na elaboração das demonstrações
contábeis.

Assinale:

(A) se somente a afirmativa I estiver correta.


(B) se somente a afirmativa II estiver correta.
(C) se somente as afirmativas I e II estiverem
corretas.
(D) se somente as afirmativas II e III
estiverem corretas.
(E) se todas as afirmativas estiverem corretas

49 - (VUNESP/SPTRANS/2012) - Avaliação
das distorções identificadas durante a
Auditoria explica como a(o)
_______________é aplicada(o) na
avaliação do efeito de distorções
identificadas durante a auditoria e de
distorções não corrigidas, se houver, nas
demonstrações contábeis. Assinale a
alternativa que completa corretamente a
lacuna.

(A) amostra
(B) procedimento de auditoria
(C) programa de auditoria
(D) risco
(E) materialidade

22
www.cers.com.br
TRIBUNAIS DE CONTAS
Auditoria Governamental
Rodrigo Fontenelle

GABARITO

1-C
2-C
3-E
4-E
5-C
6-E
7-E
8-E
9-C
10 - C
11 - E
12 - C
13 - E
14 - E
15 - C
16 - C
17 - E
18 – I. E
II. C
19 - E
20 - C
22 - C
23 - C
24 - E
25 - D
26 - B
27 - C
28 - A
29 - C
30 - B
31 - B
32 - A
33 - D
34 - A
35 - E
36 - A
37 - A
38 - D
39 - E
40 - E
41 - E
42 - E
43 - B
44 - E
45 - E
46 - C
47 - C
48 - E
49 - E

23
www.cers.com.br