Você está na página 1de 24

Palestra 2

• Teoria da firma
• Os três problemas da organização económica
• Fronteira de Possibilidade de Produção
Teoria da firma
A firma é uma organização que combina e organiza os recursos com o
propósito de produzir bens e serviços para posterior distribuição (venda).

As firmas/empresas existem porque os resultados que elas geram através


da produção e distribuição confere grandes benefícios para os
empresários, trabalhadores e outros proprietários de recursos.

A actividade fundamental da empresa é a produção e o seu objectivo é o


lucro.

Uma firma é uma entidade que transforma insumos em produtos por meio
de uma tecnologia de produção. A figura que se segue ilustra esse
processo:

Insumos FIRMA Produtos


Teoria da firma

A empresa é a unidade económica de produção


encarregada de trocar os factores de produção, para
produzir bens e serviços, que serão comercializados num
mercado.
Factores de produção, o que são?
É considerado factor de produção tudo aquilo que pode
ser transformado em bens e serviços finais para o
consumo.

Uma economia usa a tecnologia existente para conjugar os


factores de produção afim, de gerar as produções.
Teoria da firma

Produções - são os vários bens ou serviços úteis que


resultam do processo de produção e que tanto podem ser
consumidos como utilizados numa produção posterior.
Teoria da firma

Os factores de produção também designados por inputs,


podem ser classificados em três grandes categorias:

1. Terra (T) – Todos os recursos naturais.


2. Trabalho (L) – tempo gasto pelo homem na produção.
3. Capital (K) – maquinaria, ferramentas, dinheiro,
equipamentos ...
Teoria da Firma

Terra
Processo
Trabalho PRODUTO
produtivo
Capital FINAL
Tecnologia
Produtos
intermediários
Teoria da Firma
Tecnologia e a Empresa
Por tecnologia entende-se o estado de conhecimentos técnicos da
sociedade em determinado momento. No caso da empresa, a
tecnologia é representada pela função de produção.

A função de produção de uma empresa mostra a quantidade


máxima de produtos que se pode obter com uma dada quantidade
de factores produtivos.

O objectivo dos gestores empresariais é encontrar a melhor


combinação em função da actividade da empresa.
Teoria da Firma
Por um lado a função principal da firma é adquirir recursos ou insumos
(inputs) por forma a transformá-los em bens e serviços para a venda. Por
outro lado os proprietários de recursos (trabalhadores ou proprietários de
capital, terra e matéria prima,etc) usam o rendimento obtido pelas vendas ou
provenientes de outras fontes para comprar bens e serviços produzidos pelas
firmas. Desta maneira o fluxo circular da actividade económica se completa.
Renda

Mão de obra

Familias Empresas

Mercadorias

Despesas
Teoria da Firma
A economia empresarial começa por destacar a economia
da firma, que é utilizada como ferramenta para análise da
formação da decisão de gestão.

A princípio a teoria da firma estava baseada no


pressuposto de que o objectivo ou a meta da firma era de
maximizar os lucros correntes ou de curto prazo.

No entanto se observa que as firmas têm sacrificado os


lucros de curto prazo com vista a aumentar os lucros no
longo prazo.
Teoria da Firma

A partir do momento que tanto os lucros de curto como


de longo prazo se tornam claramente importantes a
teoria da firma sustenta que o objectivo primário da
firma é maximizar o seu valor.
Teoria da Firma
O valor da firma é dado pelo valor presente de todos os esperados
lucros no futuro. Os lucros do futuro devem ser descontados no
presente porque 1 USD de lucro no futuro vale menos do que 1USD
de lucro no presente.
O valor da firma é dado pela seguinte formula:
𝜋1 𝜋2 𝜋𝑛
𝑃𝑣 = 1
+ 2
+
(1 + 𝑟) (1 + 𝑟) (1 + 𝑟)𝑛
Onde:
PV – Valor presente de todos os lucros esperados no futuro
π – lucros esperados em cada ano
n – ano considerado
r – taxa de desconto
Teoria da Firma
Dificuldades no funcionamento da firma
É sabido que o objectivo da firma é maximizar a sua riqueza ou o seu valor. Na
tentativa de alcançar este objectivo e firma se depara com diversas dificuldades:

Dificuldades em termos de disponibilidade dos insumos essenciais para a


produção.
Limitações na aquisição de recursos humanos na quantidade e com as
qualificações desejadas.
Dificuldades na procura de matérias primas.
Dificuldades em encontrar espaço apropriado para construção de fábricas ou
armazéns.
Limitações na disponibilidade de capital financeiro, etc.
Contrangimentos legais ligados ao cumprimento das disposições para
protecção do meio ambiente e segurança no trabalho.
Os três problemas da organização económica

Qualquer sociedade tem de ter um modo para


determinar que bens são produzidos, como são
produzidos esses bens e para quem são produzidos.
Analisemos:

• Que bens devem ser produzidos e em que


quantidades?

A sociedade tem de decidir quanto deve produzir de cada


um dos inúmeros bens e serviços possíveis e quando é
que eles deverão ser produzidos.
Os três problemas da organização
económica
• Como devem os bens ser produzidos?

A sociedade tem de determinar quem fara a produção,


com que recursos e de que forma tecnológica.

• Para quem são os bens produzidos?

Quem usufruirá dos frutos do esforço económico?


Possibilidades tecnológicas da sociedade

Ao decidir o que, e como devem ser produzidas as coisas,


a economia esta na realidade a decidir a forma de aplicar
os seus recursos em milhares de diferentes mercadorias e
serviços possíveis.
Possibilidades tecnológicas da sociedade

Confrontada com o facto de os bens serem escassos


relativamente aos desejos, uma economia tem de decidir
sobre a gestão dos recursos limitados.

Tem de escolher entre os diferentes conjuntos de bens


potências (o que), seleccionar as diferentes técnicas de
produção (como) e decidir, no final, quem deve consumir
os bens ( para quem).
Fronteira de possibilidades de produção

A fronteira de possibilidades de produção (FPP)


representa as quantidades máximas de produção que
podem ser obtidas por uma economia, dados o seu
conhecimento tecnológico e a quantidade de factores
de produção disponíveis.

A FPP representa a lista de escolhas de bens e serviços


disponível para a sociedade.
Fronteira de possibilidades de produção

Possibilidades de produção alternativas


Possibilidades Manteiga (10) Espingardas (milhares)
A 0 15
B 1 14
C 2 12
D 3 9
E 4 5
F 5 0
Fronteira de possibilidades de produção

Esta fronteira mostra a função ao longo da qual a


sociedade pode substituir espingardas por manteiga.
Pressupõe um dado estado de tecnologia e uma dada
quantidade de factores de produção. Os pontos exteriores
a fronteira (tais como o ponto I) são impraticáveis, ou
inatingíveis.

Qualquer ponto no interior da curva, como o ponto U,


indica que a economia não atingiu a eficiência produtiva,
como ocorre quando o desemprego é elevado.
Custo de oportunidade
A vida está repleta de escolhas. Dado que os recursos são
escassos, temos de pensar constantemente que fazer com
o tempo e o rendimento limitados que produzimos.

Quando decide se vai estudar economia, comprar um


automóvel ou ir para a universidade, em qualquer dos
casos uma pessoa deve ponderar qual o custo de decisão
em termos de oportunidades perdidas.

O custo da alternativa perdida é o custo de oportunidade


da decisão.
Custo de oportunidade

Suponha que o pais decide aumentar as suas compras de


espingardas de 9000, em D, para 12000, em C. qual é o
custo de oportunidade desta decisão?

o custo de oportunidade de passar de D para C é a


manteiga de que se prescinde para produzir as espingardas
adicionais. Neste exemplo, o custo de oportunidade de
3000 espingardas adicionais é um milhão de toneladas
perdidas de manteiga.
Custo de oportunidade
Eficiência produtiva verifica-se quando uma economia não
pode produzir mais do que um bem sem que produza
menos de um outro bem; isto significa que a economia
esta sobre a sua fronteira de possibilidade de produção.
Custo de oportunidade

Num mundo de escassez, a escolha de uma coisa


significa prescindir de uma outra coisa qualquer.

O custo de oportunidade de uma decisão é o valor


do bem, ou do serviço, de que se prescinde.
Obrigado pela atenção